Posts Tagged ‘Aplicações Médico-Hospitalares’

Braskem apoia empresas e centros de pesquisa em Impressão 3D para produção de protetores faciais para profissionais de saúde da rede pública

18/07/2020

Especialistas em manufatura aditiva da Braskem estão apoiando doze centros de pesquisa na Bahia, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo no uso de tecnologias para impressão 3D

A impressão 3D tem sido fundamental para salvar vidas durante a pandemia do novo coronavírus. No Brasil, a rapidez e, especialmente, o baixo custo dos processos produtivos, já estão ajudando na produção de itens como protetores faciais e protótipos de ventiladores pulmonares. A Braskem doou 120 bobinas de filamentos plásticos para este fim e está apoiando o trabalho de doze centros de pesquisa em impressão 3D nos estados da Bahia, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo.

O filamento de polipropileno (PP), produzido pela própria Braskem para uso em impressoras 3D, está sendo utilizado para fabricação de hastes para cerca de cinco mil protetores do tipo face-shield, que serão distribuídos gratuitamente aos profissionais de saúde que atuam em hospitais da rede pública nas respectivas regiões dos centros de pesquisa. Na Bahia, o produto foi doado para a Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado da Bahia, que o redistribuiu para sete centros tecnológicos do SENAI no interior do estado; no Rio de Janeiro, a iniciativa beneficiou centro de pesquisa em impressão 3D da Pontifícia Universidade Católica (PUC-RJ); no Rio Grande do Sul, o Parque Científico e Tecnológico (Tecnopuc) da PUC-RS e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), coordenados pelo grupo Brothers in Arms; em São Paulo, o material foi doado para a 3D Criar e a Inkubetech, que apoiam o Projeto Hígia.

Além da doação de matéria-prima, as equipes especializadas em impressão 3D da Braskem também estão apoiando remotamente os centros de pesquisa na operação da matéria-prima utilizada para impressão 3D das peças. “Embora a impressão 3D não seja uma novidade no Brasil, algumas tecnologias ainda estão em desenvolvimento e o filamento de polipropileno ainda é pouco conhecido pela indústria. Nesse sentido, a Braskem também colabora para o desenvolvimento de novas tecnologias e suporte técnico para que este segmento avance no Brasil”, explica Fabio Lamon, líder de Inovação e Tecnologia para Manufatura Aditiva na Braskem.

Os filamentos de polipropileno para impressão 3D doados são produzidos pela Braskem e empresas parceiras no Rio Grande do Sul. Segundo a companhia, a doação, além de contribuir para o combate ao novo coronavírus, é uma oportunidade para ajudar a desenvolver a indústria de manufatura aditiva no Brasil.

“Neste momento, estamos abastecendo centenas de empresas brasileiras com insumos para a fabricação de produtos hospitalares como máscaras cirúrgicas, seringas, bolsas de soro e equipamentos de proteção para médicos e enfermeiros. A manufatura aditiva chega para somar tecnologia na fabricação de itens essenciais para enfrentarmos essa pandemia juntos e de forma colaborativa”, finaliza Lamon.

Integrantes da Braskem também estão produzindo componentes de protetores faciais

Na Braskem, os exemplos de solidariedade na luta contra a covid-19 vão além das parcerias que a companhia tem feito. Os operadores Gabrielly Farias e Leonardo Oliveira, da unidade industrial PVC 2 AL, em Maceió (AL), já imprimiram hastes para fabricação de quase 200 máscaras protetoras para profissionais da rede pública de saúde na região. Eles fazem parte do projeto 3D Saves, uma rede de voluntários engajada na produção de equipamentos para uso em hospitais da rede estadual e nos municípios alagoanos.

Leonardo Oliveira afirma que está feliz por ter a possibilidade de contribuir com a sociedade e com quem precisa. “Descobri essa campanha numa rede social e de repente me vi empolgado em participar, em saber que poderia fazer a diferença. Utilizamos um instrumento ao qual poucos têm acesso, principalmente aqui em nosso estado; então poder ajudar não tem preço”.

Gabrielly Farias lembra que a impressora 3D foi adquirida com intuito de uso pessoal: “Nunca imaginamos estar fazendo isso hoje, mas deixar de lado os anseios pessoais para realizar um trabalho comunitário é mais gratificante do que qualquer outra coisa”.

Curta nossa página no

Evonik inaugura unidade produtiva de biomateriais para aplicação nas áreas farmacêutica e médica no Alabama (EUA)

15/07/2020

  • Moderna planta CDMO amplia capacidade de produção GMP dos polímeros bioabsorvíveis Resomer para atender à demanda global
  • Harmonização com planta de biomateriais da Evonik na Alemanha cria duas opções de fontes de fornecimento, aumentando a segurança da entrega
  • Amplia a variedade dos serviços de CMO para o scale-up e a fabricação em escala comercial de excipientes customizados

A Evonik anunciou a inauguração de uma nova planta dedicada à produção de biomateriais avançados em Birmingham, Alabama, EUA, que apoiará a crescente demanda do mercado global pelo uso dos polímeros bioabsorvíveis Resomer em medicamentos parenterais e dispositivos médicos implantáveis. Com essa ampliação, a Evonik também dará início ao serviço de Fabricação sob Contrato (CMO, do inglês “Contract Manufacturing Organization“) aos clientes que buscam terceirizar a produção de seus excipientes exclusivos.

A nova unidade de 2.800 m2 está equipada com diversas salas limpas, vários reatores, purificação especializada e sistemas de micronização, além de outros equipamentos auxiliares. Em conjunto com uma fábrica adjacente em Birmingham, a Evonik afirma que agora pode fornecer uma variedade integrada de serviços relativos a biomateriais em um único parque industrial nos EUA, para dar apoio a projetos que abrangem desde o estudo inicial de viabilidade até a produção comercial de produtos Resomer padronizados ou customizados.


A unidade de CDMO (Fabricação e Desenvolvimento sob Contrato – do inglês “Contract Development and Manufacturing Organization“) adjacente, que foi inspecionada por autoridades de saúde da União Europeía e da FDA (Food and Drug Administration) dos Estados Unidos, também oferece uma variedade de serviços de desenvolvimento de formulações e fabricação GMP (Boas Práticas de Fabricação, do inglês “Good Manufacturing Practices“) para medicamentos parenterais, além de serviços de desenvolvimento de aplicações e “scale-up” para dispositivos médicos implantáveis, afirma a Evonik.

Em virtude da harmonização dos equipamentos e processos da Evonik utilizados tanto em Birmingham como em sua unidade produtiva de biomateriais situada em Darmstadt, Alemanha, os clientes das indústrias farmacêutica e de dispositivos médicos também podem se beneficiar dessas opções de fornecimento através de duas fontes (dual-sourcing).

Dr. Andreas Karau, Chefe Global de Biomateriais na linha de negócios Health Care na Evonik, disse: “Com o início da produção em nossa moderna fábrica de biomateriais em Birmingham, nossos clientes do setor de dispositivos médicos e produtos farmacêuticos dispõem de uma flexibilidade ainda maior no fornecimento de polímeros bioabsorvíveis Resomer padronizados ou customizados, em praticamente qualquer escala clínica ou comercial. Agora também podemos oferecer uma linha ampliada de serviços CMO para apoiar os clientes no scale-up e fornecimento comercial de seus próprios biomateriais exclusivos e outros excipientes”.

John Daly, Site Manager da Evonik Birmingham Laboratories, disse: “Birmingham agora é um centro global de excelência no design, desenvolvimento e fornecimento de biomateriais. Independente do rigor das especificações de produto ou exigências de tamanhos de lotes de determinado cliente, nós temos a expertise técnica, a flexibilidade operacional e o histórico regulatório para entregar os mais altos níveis de qualidade e segurança de fornecimento”.

A linha de negócios Health Care, que integra o segmento Nutrition & Care da Evonik, presta serviços a mais de 1.000 clientes nos setores farmacêutico, nutracêutico e de dispositivos médicos no mundo inteiro. Seu portfólio de biomateriais, com os polímeros bioabsorvíveis Resomer, as tecnologias de modificação superficial Endexo® e os serviços de tecnologia de aplicação, representa um elemento central do motor de crescimento da linha de negócios Health & Care.

A Evonik é uma das líderes mundiais em especialidades químicas. A empresa conta com mais de 32 mil colaboradores atuando em mais de 100 países em todo o mundo e gerou vendas de 13,1 bilhões de euros e um lucro operacional (EBITDA ajustado) de 2,15 bilhões de euros em 2019.

Curta nossa página no

Nanox desenvolve tecido capaz de eliminar o novo coronavírus por contato

19/06/2020

Em testes de laboratório, material inativou em dois minutos 99,9% da quantidade de SARS-CoV-2; tecnologia desenvolvida por startup apoiada pelo PIPE-FAPESP será usada na produção de máscaras de proteção e roupas hospitalares

  • Em testes de laboratório, material inativou em dois minutos 99,9% da quantidade de SARS-CoV-2;
  • Tecnologia desenvolvida por startup apoiada pelo PIPE-FAPESP será usada na produção de máscaras de proteção e roupas hospitalares

Pesquisadores da empresa paulista Nanox, apoiada pelo Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), desenvolveram um tecido com micropartículas de prata na superfície que demonstrou ser capaz de inativar o coronavírus SARS-CoV-2.

Segundo release divulgado pela Agência Fapesp,  o material foi capaz de eliminar 99,9% da quantidade do vírus após dois minutos de contato, em testes de laboratório.

O desenvolvimento do material teve a colaboração de pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP), da Universitat Jaume I, da Espanha, e do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF) – um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) apoiados pela FAPESP.

“Já entramos com o pedido de depósito de patente da tecnologia e temos parcerias com duas tecelagens no Brasil que irão utilizá-la para a fabricação de máscaras de proteção e roupas hospitalares”, diz à Agência FAPESP Luiz Gustavo Pagotto Simões, diretor da Nanox.

O tecido é composto por uma mistura de poliéster e de algodão (polycotton) e contém dois tipos de micropartículas de prata impregnadas na superfície por meio de um processo de imersão, seguido de secagem e fixação, chamado pad-dry-cure.

A Nanox já fornecia para indústrias têxteis e de diversos outros segmentos essas micropartículas, que apresentam atividade antibacteriana e fungicida, e em tecidos evitam a proliferação de fungos e bactérias causadoras de maus odores.

Com o surgimento do novo coronavírus e a chegada da pandemia no Brasil, os pesquisadores da empresa tiveram a ideia de avaliar se esses materiais também eram capazes de inativar o SARS-CoV-2, uma vez que já havia sido demonstrado em trabalhos científicos a ação contra alguns tipos de vírus.

Para realizar os ensaios, a empresa se associou a pesquisadores do ICB-USP, que conseguiram logo no início da epidemia no Brasil isolar e cultivar em laboratório o SARS-CoV-2 obtido dos dois primeiros pacientes brasileiros diagnosticados com a doença no Hospital Israelita Albert Einstein (leia mais em agencia.fapesp.br/32692/).

Amostras de tecido com e sem micropartículas de prata incorporadas na superfície foram caracterizadas por pesquisadores da Universitat Jaume I e do CDMF por espectroscopia e colocadas em tubos contendo uma solução com grandes quantidades de SARS-CoV-2, crescidos em células.

As amostras foram mantidas em contato direto com os vírus em intervalos de tempo diferentes, de dois e cinco minutos, para avaliar a atividade antiviral.

Os experimentos foram feitos duas vezes, em dois dias diferentes e por dois grupos diferentes de pesquisadores, de modo que a análise dos resultados fosse feita de forma cega.

Os resultados das análises por quantificação do material genético viral por PCR indicaram que as amostras de tecido com diferentes micropartículas de prata incorporadas na superfície inativaram 99,9% das cópias do novo coronavírus presentes nas células após dois e cinco minutos de contato. “A quantidade de vírus que colocamos nos tubos em contato com o tecido é muito superior à que uma máscara de proteção é exposta e, mesmo assim, o material foi capaz de eliminar o vírus com essa eficácia”, diz Lucio Freitas Junior, pesquisador do laboratório de biossegurança de nível 3 (NB3) do ICB-USP.

“É como se uma máscara de proteção feita com o tecido recebesse um balde de partículas contendo o vírus e ficasse encharcada”, comparou o pesquisador.

Além de testes para avaliação da atividade antiviral, antimicrobiana e fungicida, o material também passou por ensaios para avaliação do potencial alérgico, fotoirritante e fotossensível, para eliminar o risco de causar problemas dermatológicos.

Aplicação em outros materiais

A empresa pretende avaliar agora a duração do efeito antiviral das micropartículas no tecido. Em testes relacionados à propriedade bactericida, os materiais foram capazes de controlar fungos e bactérias em tecidos mesmo após 30 lavagens, afirma Simões.

“Como o material apresenta essa propriedade bactericida mesmo após 30 lavagens, provavelmente mantém a atividade antiviral por esse mesmo tempo”, estima.

De acordo com o pesquisador, as micropartículas podem ser aplicadas em qualquer tecido composto por uma mistura de fibras naturais e sintéticas. Além de tecidos, a empresa está testando agora a capacidade de inativação do novo coronavírus pelas micropartículas de prata incorporadas à superfície de outros materiais, como filmes plásticos e um polímero flexível, semelhante a uma borracha, que utilizou para desenvolver uma máscara de proteção contra o novo coronavírus em parceria com a fabricante de brinquedos Elka .

“O tecido foi o primeiro resultado da aplicação das micropartículas de prata para inativar o novo coronavírus. Mas, em breve, devemos ter vários outros”, afirma Simões.

Máscaras reutilizáveis

Desenvolvido com o apoio do PIPE-FAPESP, material possui partículas à base de sílica e prata com propriedades antimicrobianas e antifúngicas que dificultam a adesão do SARS-CoV-2 na superfície

Em Abril de 2020, a Nanox já havia desenvolvido em parceria com a indústria de plásticos Elka uma máscara reutilizável  para conferir maior nível de proteção contra a contaminação pelo novo coronavírus, o SARS-CoV-2.

A máscara é feita com um polímero flexível – semelhante a uma borracha –, moldável aos contornos do rosto e com micropartículas à base de sílica e prata incorporadas à superfície do material.

Desenvolvidas por meio de projetos apoiados pelo Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), as partículas têm propriedades antimicrobianas.

“As micropartículas de prata e sílica aumentam o nível de proteção ao impedir a presença na máscara de fungos e bactérias, que podem facilitar a adesão do novo coronavírus na superfície de materiais”, disse à Agência FAPESP Luiz Gustavo Pagotto Simões, diretor da Nanox.

A fim de garantir a proteção contra o SARS-CoV-2, a máscara é totalmente esterilizável por meio da lavagem com água e sabão antes e após o uso.

Para proteger as vias respiratórias, o equipamento de proteção individual possui dois filtros descartáveis do tipo PFF2, similares ao do tipo N95 presente nas máscaras usadas hoje pelos profissionais de saúde.

Os filtros são inseridos em respiradores nas laterais da máscara e protegidos por tampas, que impedem o contato físico e a contaminação pelo toque direto com as mãos.

A quantidade de material necessário para produzir os filtros também é muito inferior à utilizada para produção das máscaras convencionais, compara Simões.

“O tempo para substituição dos filtros precisará ser estabelecido pelos serviços de saúde”, pondera.

Fotos: Nanox / divulgação;  Fonte: Agência Fapesp – Elton Allison

Curta nossa página no

Braskem firma parcerias para produção de calçados e máscaras para profissionais de saúde na linha de frente do combate à covid-19

19/06/2020

  • A resina doada foi utilizada para produção de 18 mil calçados hospitalares e 250 mil máscaras de proteção para hospitais da rede pública em Alagoas, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo e Tocantins
  • Calçado hospitalar produzido pela Alpargatas em parceria com a Braskem

A Braskem se uniu à Alpargatas, indústria de bens de consumo, para confecção de equipamentos de proteção individual (EPIs), como calçados e máscaras de uso hospitalar, destinados aos profissionais de saúde que atuam na linha de frente de combate à Covid-19. Os calçados já estão sendo distribuídos para hospitais em São Paulo (SP) e as máscaras estão sendo doadas para a rede pública de Alagoas, Bahia, Rio de Janeiro e Tocantins.

Os calçados foram produzidos a partir de 4,6 toneladas de resina EVA doadas pela Braskem. Já as máscaras foram confeccionadas pela Alpargatas a partir de nãotecido, feito com resina de polipropileno (PP) doada pela Braskem à Fitesa, mais uma parceira da companhia nas iniciativas para o enfrentamento do novo coronavírus.

No estado de São Paulo (SP), os calçados, ao todo 18 mil pares, foram entregues ao governo estadual, responsável pela distribuição aos hospitais. No Rio de Janeiro (RJ) e em Duque de Caxias (RJ), com apoio da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), foram distribuídas mais de 50 mil máscaras de proteção ao Hospital Municipal de Duque de Caxias e aos Hospitais Federais do Andaraí, Bonsucesso, Cardoso Fontes, Graffé Guinle, Ipanema, Lagoa e Servidores, além da Secretaria de Estado de Saúde. Na Bahia, a rede municipal de Camaçari recebeu 150 mil máscaras. Para a rede pública de saúde do Tocantins, a iniciativa repassou 10 mil máscaras.

Já para Maceió (AL), foram doadas 40 mil máscaras, sendo 20 mil para as Secretarias de Saúde do município e do Estado. Parte deste volume será repassada aos profissionais da saúde que atuam no Centro de Triagem inaugurado em abril deste ano pela própria Braskem, com apoio do Governo de Alagoas, com o objetivo de desafogar a rede pública da saúde durante a crise da covid-19. O espaço é utilizado para atender pacientes com sintomas de gripe.

Os hospitais beneficiados foram selecionados pelas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde das respectivas regiões. “Estamos mobilizando diversos parceiros e demais integrantes da nossa cadeia de valor para encontrar alternativas rápidas, seguras e eficazes que possam ajudar o Brasil a atravessar esse período desafiador. Estamos engajados em uma série de iniciativas que apoiam hospitais e comunidades próximas das nossas unidades fabris no país e a Alpargatas e a Fitesa são aliadas essenciais nesse movimento. O momento é de união e de demonstrar, na prática, o quanto o nosso setor pode ajudar a sociedade, especialmente na área de saúde”, afirma Edison Terra, vice-presidente de Olefinas e Poliolefinas da Braskem na América do Sul.

“Acreditamos que o caminho para superarmos a crise humanitária que estamos vivendo é trabalhar em união de esforços com outras empresas, representantes de comunidades, entidades de ajuda. Com empatia e solidariedade somos mais fortes para combater o coronavírus e seus efeitos”, afirma Roberto Funari, CEO da Alpargatas.

“As doações junto aos parceiros reforçam a importância da consciência coletiva nos mais diversos segmentos para superarmos este momento delicado da saúde mundial. Ficamos felizes em poder fornecer material com o nível de exigência técnica necessária no combate à pandemia. Tornamos isso uma questão prioritária em nossa operação”, afirma Silverio Baranzano, CEO da Fitesa.

Iniciativas da Braskem para apoiar os profissionais da saúde durante o período de covid-19

Além da ação recente com Alpargatas, a Braskem doou mais de 370 toneladas de resinas plásticas para produção de embalagens para 750 mil litros de álcool líquido e em gel e 500 mil almotolias, um tipo de frasco plástico utilizado em ambiente hospitalar para preservar álcool líquido ou em gel. Parte da resina também foi utilizada pela Fitesa, parceira da Braskem, para confecção do nãotecido (TNT) usado na produção de mais de 60 milhões de máscaras e aventais. Todos os itens foram doados para hospitais de Alagoas, Bahia, Ceará, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Para os hospitais, a Braskem ainda distribuiu 10 mil caixas de hipoclorito para diluição ou uso como água sanitária e mais de 150 mil sacos plásticos para lixo hospitalar. Além disso, a empresa, está doando 90 toneladas de gás liquefeito de petróleo, conhecido como GLP, para dois hospitais de campanha construídos na cidade de São Paulo, um no centro de eventos do Anhembi, na zona norte, e outro no Complexo Ginásio do Ibirapuera, na zona sul. O gás está sendo utilizado na preparação de mais de três mil refeições diárias para pacientes e profissionais da saúde, no aquecimento de chuveiros e no funcionamento de lavanderias.

Em Maceió (AL), onde a companhia também está presente, uma ação conjunta com o governo estadual viabilizou a construção de um Centro de Triagem com 30 salas de atendimento, salas de raio-x, exames laboratoriais e administração de medicamentos. Os profissionais da saúde atendem a pacientes com sintomas de gripe e a iniciativa evita aglomerações no Hospital Geral do Estado, contribuindo para desafogar a rede pública da cidade.

Ações da Braskem para apoiar comunidades no enfrentamento do novo coronavírus

Neste momento, as iniciativas se concentram na doação direta de itens essenciais considerando o atual cenário. Para os trabalhadores de cooperativas de reciclagem, por um período de três meses, a companhia vai doar cestas básicas. Mais de duas mil famílias, cerca de 15 mil pessoas, serão beneficiadas com essa ação.

Entre o fim de abril e o início de maio, a Braskem também doou mais de 50 mil kits de limpeza contendo produtos como detergente, água sanitária, álcool em gel, sabonete em barra e um folheto informativo com dicas de prevenção à covid-19. A iniciativa beneficiou cerca de 200 mil pessoas nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Para mais informações sobre as iniciativas da Braskem para ajudar o Brasil a enfrentar o novo coronavírus, acesse o site www.braskem.com.br/covid-19 .

Curta nossa página no

Eastman destaca esforços globais de combate à Covid-19

19/06/2020

Companhia adota diversas iniciativas ao redor do mundo para contribuir com profissionais da saúde e ajudar a enfrentar a pandemia

Ao redor do mundo, membros da Eastman têm colaborado para auxiliar profissionais da saúde que estão na linha de frente de combate à pandemia da Covid-19. A Eastman, uma fabricante de especialidades químicas encontradas em uma gama de produtos utilizados no cotidiano, está fornecendo materiais para ajudar na produção de itens críticos necessários para produtos médicos, de saúde e de higiene que estejam em falta ou com estoque baixo. Até o momento, a companhia fez as seguintes contribuições:

  • 10.000 protetores faciais para hospitais de Massachusetts, graças a uma colaboração com a SMC Ltd.;
  • Doação de resinas de copoliéster para a PRP Creation como parte de um esforço de companhias de cosméticos para produção de 475.000 garrafas de álcool em gel para mãos para organizações de saúde na França;
  • Distribuição de películas para vidros para a Harlow College produzir mais 300 protetores faciais para trabalhadores de hospitais do Reino Unido;
  • Colaboração com a Comissão de Ensino Superior do Tennessee e as universidades do estado para ajudar na produção de 10.000 protetores faciais;
  • Ajuda à Universidade de Purdue com doação de mais de 50 metros quadrados de material para a produção de mais de 3.000 lentes para óculos de proteção e 4.000 protetores faciais para equipes médicas;
  • Parceria com a Rotuba para produção de 75 a 100 mil protetores faciais por semana para proteger profissionais da saúde, donos de pequenos negócios e cidadãos na luta contra a COVID-19;
  • Doação de copoliésteres para companhias (3D Lab e MMS Plásticos) no Brasil produzirem mais de 20.000 protetores faciais para hospitais;
  • Doação de EPIs críticos incluindo 180 máscaras N95 e 4.400 luvas de nitrilo para atendentes primários em Massachusetts;
  • Parceria com o Groupe SEB (Arno) e a MMS Plásticos para a produção de mais de 25.000 protetores faciais para doação, sobretudo, na região nordeste;
  • Doação de US$ 1 milhão em apoio às organizações de apoio comunitário e de apoio à trabalhares da linha de frente no combate à pandemia através da Eastman Foundation;
  • Parceria com a Suntech para produção de óculos de proteção doados pelo Brasil;
  • Doação de 600 unidades de protetores faciais para a prefeitura de Mauá, onde localiza-se uma das plantas da Eastman no Brasil, doar para os trabalhadores essenciais (saúde, limpeza pública, defesa civil, guarda municipal);
  • 3.000 m2 de material doado para a ETC, fabricante de tecnologia de iluminação e de aparelhamento, que vai produzir protetores faciais para serem distribuídos no Wisconsin e nos Estados Unidos;
  • Conversão de uma planta-piloto em sua maior fábrica nos Estados Unidos para produzir álcool em gel para mãos para escolas da área e profissionais que trabalham em emergências.

“Colaborações rápidas e criativas em nossas comunidades estão causando um impacto”, diz o membro do conselho e CEO da Eastman, Mark Costa. “Estou muito orgulhoso do trabalho duro dos funcionários da Eastman, guiados pela perspectiva compartilhada de que nosso trabalho hoje ajudará a conter a expansão do vírus amanhã. A coragem, determinação e espírito inovador de cada um deles vai ajudar a Eastman e nossas comunidades locais a atravessarem essa situação e contribuirem com as necessidades do mundo”.

As capacidades de produção da Eastman já existentes também ajudam a prevenir a propagação da Covid, assim como no tratamento médico daqueles que contraem o vírus ou outras doenças. Os produtos da Eastman estão em produtos de limpeza, embalagens para prevenir a contaminação de alimentos, medicamentos e produtos de cuidados médicos e de cuidados pessoais, produtos de higiene pessoal, sabonetes e antissépticos, equipamentos de proteção individual utilizados por equipes médicas e medicamentos sob prescrição e isentos de prescrição.

A Eastman também produz intermediários tais como polímeros PCT usados em filtros de inaladores, copoliésteres Eastman Tritan e os elastômeros Ecdel, que podem ser encontrados em biorreatores e bolsas de bioerrator utilizados no desenvolvimento de vacinas, o Tritan e os celulósicos Tenite, usados para a entrega de medicamentos de administração intravenosa e em câmaras de bureta e o plastificante não ftalato Eastman 168, usado para a produção de bolsas para aplicações intravenosas e tubulação médica. Por conta da sua durabilidade, afirma a Eastman, produtos médicos feitos com Tritan suportam uma ampla variedade de desinfetantes hospitalares e rigorosos protocolos de limpeza, usados para impedir a propagação de infecções. Os produtos da Eastman também aparecem em descartáveis médicos, como cotonetes e tubos de ensaio, e em produtos duráveis, como monitores de pacientes e termômetros eletrônicos.

Durante a pandemia, os plastificantes não ftalatos Benzoflex, fabricados em Chestertown, nos Estados Unidos, continuam a ser usados em adesivos e rotulagens de embalagens de alimentos, auxiliando a segurança do armazenamento e suprimento desses produtos. As resinas adesivas da Eastman produzidas em Jefferson, também nos EUA, são usadas para fabricação de máscaras N95. Essas mesmas resinas estão presentes em produtos de limpeza e desinfetantes procurados nos mercados. A empresa também produz acetato de etila, um material-chave para a embalagem de testes para COVID-19, que abastecem diretamente hospitais.

Saber que os materiais da Eastman são úteis para o mundo mantém Jeff Mann motivado. Mann é um dos milhares de membros da Eastman que estão mantendo as plantas globais da companhia ativas. “Tenho orgulho do trabalho que estamos fazendo como companhia. Isso me ajuda a entender como o meu trabalho e o do meu time são importantes para o mundo”, diz ele. “Eu acordo todos os dias ciente de que o que faço está fazendo uma diferença na nossa comunidade”.

Curta nossa página no

Covid-19: Materiais Solvay são usados no primeiro reanimador manual brasileiro 100% autoclavável a temperatura de 134º C

11/06/2020

Equipamento desenvolvido pela empresa brasileira Protec contou com apoio da área de polímeros especiais da Solvay

O primeiro reanimador manual 100% autoclavável e que suporta uma temperatura de 134º C foi desenvolvido no Brasil pela Protec, empresa líder nacional na fabricação de reanimadores manuais e circuitos respiratórios.

A criação do produto contou com a utilização do polímero UDEL® PSU (polisulfona) do Grupo Solvay, um material avançado que permite a produção de peças resistentes a altas temperaturas.

O reanimador manual é equipamento essencial em UTI’s e em salas de emergência médica e em situações de resgate médico. Sua finalidade é a promoção de ventilação artificial com o envio de ar comprimido ou enriquecido de oxigênio para os pulmões do paciente. É usado no enfrentamento de parada respiratória, asfixia, afogamento, infarto ou outras situações que podem levar o paciente a sofrer uma parada cardiorrespiratória.

“Com essa linha Premium de reanimador manual desenvolvida no Brasil, nós estamos dando nossa contribuição para o setor de equipamentos médicos hospitalares. E contamos com o apoio da Solvay”, diz Alexander Massadi, Diretor da Protec Export.

“Com esse apoio, acrescenta – pudemos desenvolver vários produtos com qualidade e durabilidade, que oferece resistência, repetibilidade e confiabilidade em reanimação (Ambú), circuitos ventilatórios e conectores para produtos respiratórios. É por este motivo que hoje no Brasil somos a única empresa a atender aos mais renomados fabricantes mundiais”

A Protec, de capital nacional, tem se tornando reconhecida como desenvolvedora de tecnologia nacional na fabricação e comercialização de equipamentos de suporte à vida, dentro de rigorosos níveis de qualidade exigidos pelo setor médico­hospitalar. Sua atuação tem sido ampliada em nível nacional, uma vez que é empresa fornecedora de itens essenciais aplicados no combate à pandemia da COVID-19.

Do mesmo modo, a Solvay, que no Brasil também atua com a marca Rhodia, tem adotado ações adicionais para apoiar os projetos de desenvolvimento de seus clientes nesse período de pandemia de coronavírus, segundo informa Mônica Martins, gerente do mercado Healthcare da Solvay Specialty Polymers na América do Sul.

Uma dessas ações foi acelerar a importação para o País de polímeros especiais para os clientes empenhados em atender à crescente demanda por equipamentos e instrumentos médicos hospitalares.

Toda essa oferta de produtos emergenciais pode ser conhecida no site especial criado pela empresa em COVID-19.

A Solvay é líder mundial na área de polímeros especiais aplicados em diversos mercados industriais. Um dos segmentos mais relevantes é o de polímeros para a produção de peças e partes para equipamentos e instrumentos médicos, incluindo os respiradores, ventiladores artificiais e reanimadores, implantes ortopédicos e odontológicos, caixas de instrumentos cirúrgicos, entre outros. Fundada em 1863 e contando com 24.100 empregados em 64 países, a Solvay obteve vendas líquidas de € 10,2 bilhões em 2019.

Curta nossa página no

BASF inclui soluções para fabricação de equipamentos médicos em plataforma online

02/06/2020

  • Site facilita acesso a materiais para as indústrias de alimentos e de produtos hospitalares
  • Plataforma inclui matérias-primas e formulações para cuidados pessoais, higiene e limpeza, entre outros

Os fabricantes de equipamentos e insumos médicos, bem como os de alimentos e suplementos podem encontrar soluções na plataforma online, We Care, que reúne informações e facilita o acesso à diversas matérias-primas e formulações voltadas para o combate ao coronavírus. A nova plataforma é uma iniciativa da BASF para apoiar o combate ao coronavírus e ajudar a enfrentar a crise causada pela pandemia. Foi criada para atender o aumento da demanda por produtos de diversos segmentos, como de cuidados pessoais, higiene, limpeza doméstica e farmacêuticos.

Para a produção de equipamentos e insumos médicos, há soluções que abrangem desde fibras para tecidos elásticos até materiais para aparelhos. Como exemplo, o Ultrason S, Polisulfona (PSU), são próprios para aplicações em equipamentos que exigem altas temperaturas, como estojos para esterilização de artigos médicos e odontológicos ou para fabricação de componentes de respiradores e ventiladores usados no tratamento ao Covid-19. Há também o Neopentil Glicol, resina de poliéster saturada que tem sido usada para produção de painéis divisórios em hospitais e a PolyTHF, fibra sintética altamente elástica usada na fabricação de tecidos que incluem propriedades não alergênicas e de resistência microbiana.

Os produtos disponíveis nessa nova plataforma fazem parte do portfólio oferecido pelo e-commerce , que disponibiliza diversas soluções da BASF.

Curta nossa página no

SABIC doa US$ 1,5 milhão para apoiar esforços em resposta à COVID-19 nas Américas

07/05/2020

A SABIC anunciou no final de abril que doará US$ 1,5 milhão em produtos e em espécie em vários países das Américas para ajudar as pessoas mais afetadas pela pandemia da Covid-19. Isso inclui fornecer produtos plásticos produzidos pela SABIC que serão usados para doação e na fabricação de equipamentos médicos vitais.

A SABIC, cuja sede das Américas está localizada em Houston, doará aproximadamente US$ 1 milhão para bancos de alimentos e agências comunitárias, como a United Way, nas comunidades em que operam para ajudar aqueles que estão enfrentando a pandemia. A SABIC também está doando aproximadamente US$ 500.000 em produtos, elaborados em suas instalações nos EUA, Canadá, México, Argentina e Brasil, para fabricação e envio de equipamentos de proteção individual para profissionais de saúde e equipamentos médicos essenciais, como ventiladores, dispositivos de monitoramento de pacientes, máquinas de terapia respiratória e equipamentos de diagnóstico.

Ao anunciar sua doação para as Américas, Greg Adams, vice-presidente da SABIC na região, disse: “a SABIC, como todo o mundo, encontra-se em um período sem precedentes. Como empresa, estamos honrados por nossos materiais estarem sendo usados em dispositivos que ajudam na fabricação de equipamentos médicos essenciais para tratar pacientes e, ao mesmo tempo, em oferecer materiais que são usados na proteção daqueles na linha de frente, incluindo profissionais de saúde, enquanto eles desempenham suas funções. Nossos colegas continuam envolvidos para fazer o que podem para ajudar nossas comunidades durante essa crise.”

Exemplos de doação de produtos incluem:

  • Fabricação de aproximadamente 70.000 protetores faciais feitos de película de Policarbonato Lexan que serão distribuídos para profissionais de saúde e socorristas em toda a região das Américas
  • Fabricação e doação pelo Centro de desenvolvimento e processamento de Polímeros (Polymer Processing Development Center, PPDC) da SABIC, em Pittsfield, Massachusetts, de protetores faciais de uso médico. O PPDC usou folhas e filmes de policarbonato Lexan produzidos pela SABIC para fabricar os protetores faciais
  • Colaboração entre a fábrica da SABIC de Cobourg (Canadá) e um hospital local, juntamente com uma organização sem fins lucrativos da região, para criar protetores faciais usando folhas de policarbonato – filme Lexan produzido pela SABIC
  • Colaboração entre a fábrica da SABIC em Campinas, Brasil, com uma universidade e outras entidades para criar ventiladores para hospitais locais usando o copolímero LNP PC HPH4504H produzido pela SABIC

Atualmente, a SABIC opera 60 fábricas de produção e composição em mais de 50 países em todo o mundo. Nos Estados Unidos, as instalações da SABIC estão localizadas em Bay St. Louis, Miss.; Burkville, Ala.; Mt. Vernon, Ind.; Pittsfield, Mass.; Selkirk, N.Y. e Wixom, Mich. Outros locais da SABIC incluem Cobourg, Canadá; Tampico, México; Tortuguitas, Argentina e Campinas, Brasil.

Curta nossa página no

Empresas associadas ao Indac produzem escudos protetores em acrílico e outros itens para proteger contra a proliferação do Covid-19

04/04/2020

Proteção para atendimento ao público da Bold. Máscara protetora individual da Artcryl.

Já que nem todos os brasileiros conseguirão estar protegidos em casa durante a progressão do coronavírus, empresas ligadas ao INDAC desenvolveram e vem produzindo barreiras protetoras, máscaras e outros itens em acrílico e em outros materiais que ajudam a diminuir o contato entre esses profissionais e o público, principalmente em hospitais.

Empresas filiadas ao INDAC (Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico) encontraram uma maneira de ajudar o País a atravessar a pandemia causada pelo coronavírus produzindo peças em acrílico e até em outros materiais. Alguns desses itens, conta Ralf Sebold, diretor da Bold, foram projetados em conjunto com médicos de dois hospitais da região de Joinville e Jaraguá do Sul, SC, onde a empresa está localizada. Boa parte do material produzido, como 1000 máscaras protetoras, foi doada aos hospitais e ao corpo de bombeiros da região. Outros produtos, como os escudos protetores de acrílico, que podem ser instalados em balcões de atendimento de hospitais, farmácias, mercados e bancos, são comercializados.

A Solugrav, empresa de Tubarão, também em Santa Catarina, foi outra associada ao INDAC que se mobilizou e produziu máscaras, incubadoras e abridores de portas. Todo o material foi doado para o Hospital da cidade

No mesmo sentido, outras empresas ligadas ao Instituto, como a Acrinox, que fica no Distrito Federal, doou ao Pronto Socorro do Hospital Regional de Samambaia, em Brasília, protetores faciais e cabine de incubação de pacientes. Aliás, as cabines, que segundo ele foram bastante usadas na China, estão mesmo sendo feitas exclusivamente para doação. “Esse é um momento em que devemos pensar no próximo, afirma”.

Outras empresas, como a Artcryl, também têm disponibilizado mão-obra para tornar os itens mais acessíveis ou mesmo tentado produzir esses produtos, principalmente os que precisam ser feitos sob medida, como as barreiras protetoras, a toque de caixa. “Infelizmente, somos empresas pequenas e não temos recursos para doar tudo o que produzimos, mas estamos aqui para fornecer o que for possível. As barreiras em acrílico, por exemplo, temos conseguido instalar em no máximo dois dias”, conta Rodrigo Cataldi Lopes, da Tudo em Acrílico.

Protetor para atendimento ao público da Tudo em Acrílico. Cabine de incubação de pacientes da Acrinox.

Além de evitar o contato direto entre o público e os profissionais que trabalham nos balcões de atendimento, as barreiras protetoras em acrílico são leves, seguras, resistentes e podem ser instaladas em qualquer ambiente ou tipo de superfície. Elas também podem ser facilmente higienizadas, tanto com água e sabão, como com desinfetantes.

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico é uma organização criada há 19 anos, com objetivo de promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado. A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 40 filiados em todo o país.

Serviço

Bold – http://www.bold.net – 47 3274-6565
Solugrav – http://www.solugrav.com.br – 48 3052-3322
Acrinox – http://www.acrinox.com.br – 61 3202-7577
Artcryl – http://www.artcryl.com.br – 11 4207-5652
Tudo em Acrílico – http://www.tudoemacrilico.com.br – 11 3732-1688

Curta nossa página no

Os plásticos tornam a medicina moderna mais segura e eficiente

24/01/2020

(*) Artigo provido pela Adsale Exhibition Services – organizadores da Chinaplas

Os plásticos salvam vidas. O que muitas vezes se perde na demonização dos plásticos em função dos problemas relacionados aos resíduos plástios no meio ambiente é o fato de que a medicina moderna depende muito do material e, de fato, poderia funcionar de forma precária sem ele.

Mesmo aqueles que há muito argumentam contra o uso de PVC em várias aplicações médicas, em razão de preocupações sobre o uso de ftalatos no material, não conseguiram impedir o uso de PVC pelo setor de saúde por uma simples razão – não há alternativa que possa prover, de maneira econômica, o mesmo nível de desempenho. É simplesmente o melhor material para o trabalho.

Da mesma forma, embora continuem os esforços para encontrar maneiras de reduzir os resíduos relacionados ao plástico ao aumentar-se a reutilização e a esterilização de vários itens médicos, a análise de custo / benefício / segurança do uso de plásticos em inúmeras aplicações na área da saúde dificulta a superação.

Em outubro passado, a revista National Geographic publicou uma matéria intitulada “Os cuidados médicos podem existir sem plástico?” E observou que “O plástico descartável pode ser uma opção atraente para hospitais – baratos, duráveis ​​e facilmente descartáveis. Além disso, cada novo recipiente ou tampa feita de plástico oferece um novo ambiente estéril. É por isso que os médicos se cobrem de plásticos e tudo o que eles usam é de plástico “

Vários tipos de plásticos e materiais elastoméricos servem para inúmeras utilizações na área médica e de saúde – desde itens básicos como luvas, tubos, óculos, bolsas de sangue e seringas descartáveis ​​até aplicações biocompatíveis de alta tecnologia, como válvulas cardíacas, substituições de articulações e próteses impressas em 3D.

Para continuação do texto (em inglês), clique aqui.

Curta nossa página no

 

Evonik amplia portfólio para aplicações de dispositivos médicos implantáveis baseados em têxteis

09/01/2020

  • Contrato global de licença exclusiva assinado com a ITVP
  • Nova plataforma de polímero permite um novo conceito em cicatrização de ferida e dispositivos vasculares com melhores recursos

A Evonik, empresa atuante no segmento de biomateriais para dispositivos médicos implantáveis, acaba de anunciar a assinatura de um contrato global exclusivo com a ITV Denkendorf Produktservice (ITVP), empresa alemã de P&D e líder na fabricação de materiais têxteis médicos.

Pelo contrato, a Evonik expandirá seu portfólio líder de mercado – Resomer – com o lançamento de uma nova plataforma de polímeros à base de glicolídeo, voltada para a produção de monofilamentos e multifilamentos. A plataforma permite o desenvolvimento de produtos implantáveis de alto desempenho à base de têxteis que são desenvolvidos para degradação rápida, tais como suturas, malhas, fitas cirúrgicas, fios, suportes e dispositivos de fechamento vascular.

Uma variedade de graus de polímero homopolímero (PGA), copolímero (PGLA) e copolímero em bloco (PGA-CL e PGA-TMC) estará disponível na forma incolor ou violeta no catálogo padrão do Resomer. Segundo a Evonik, os polímeros da plataforma poderão ser acuradamente adaptados para atender aos requisitos da aplicação desejada, tanto em termos de propriedades mecânicas (resistência à tração, baixa rigidez ou elasticidade), quanto em taxas de degradação (de menos de um mês a dois meses ou mais). Opções adicionais de personalização estão disponíveis mediante solicitação.

A Evonik afirma que irá ampliar ainda mais suas capacidades técnicas em processamento de polímeros e laboratórios de aplicações avançadas nos EUA, Alemanha e China, além de contar com a experiência da ITVP para prestar suporte a seus clientes no desenvolvimento, em testes analíticos e ampliação de seus produtos baseados em têxteis.

“Com essa expansão em polímeros para dispositivos médicos baseados em têxteis, a Evonik fortalece sua posição como parceira global preferencial para empresas do ramo de dispositivos médicos. Juntamente com outras inovações em biomateriais lançadas recentemente, incluindo os copolímeros PLA-PEG, filamentos para tecnologias de impressão 3D e modificação de superfície, nosso portfólio Resomer passou a ser o maior e mais diferenciado de biomateriais do mundo para uso em aplicações ortopédicas, vasculares e de cicatrização de feridas”, afirma o Dr. Jean-Luc Herbeaux, Vice-Presidente Sênior e Gerente Geral da linha de negócios Health Care da Evonik.

“Ao promover as competências de projeto e síntese de polímeros e o conhecimento de aplicação da Evonik e da ITVP, esse contrato permitirá às empresas de dispositivos médicos uma seleção superior de biomateriais funcionais para aprimorar a qualidade e o desempenho de seus dispositivos médicos implantáveis baseados em têxteis”, afirma o Dr. Sven Oberhoffner, Gerente Geral da ITVP. “Esperamos criar uma cooperação de longo prazo com a Evonik para atender às novas necessidades dos clientes quanto a dispositivos implantáveis utilizados na cicatrização de feridas e aplicações em tecidos moles.”

A linha de negócios Health Care, parte do segmento de Nutrition & Care da Evonik, atende a mais de mil clientes farmacêuticos, nutracêuticos e de dispositivos médicos em todo o mundo. Seu portfólio de polímeros biorreabsorvíveis Resomer, as tecnologias de modificação de superfície Endexo e os serviços de tecnologias de aplicação representam um elemento central do modelo de crescimento do setor Health & Care.

Curta nossa página no

Evonik lança novo PEEK radiopaco para tecnologia de implantes

20/05/2019

  • A Evonik está expandindo o leque de polímeros biocompatíveis de PEEK para aplicação na tecnologia médica.
  • Empresa de especialidades químicas desenvolveu um novo material plástico radiopaco para implantes, à base de poliéter-éter-cetona (PEEK).

A Evonik está colocando no mercado o PEEK radiopaco para implantes, com sulfato de bário. Essa classe de produtos permite o contraste radiográfico, sem a desvantagem da formação de artefatos, algo que pode ocorrer com outros materiais populares para tecnologia de implantes. Além disso, afirma a Evonik, os implantes feitos a partir do novo Vestakeep i-Grade PEEK da Evonik não esquentam durante a tomografia de ressonância magnética.

Novos caminhos no desenvolvimento de implantes não metálicos

Segundo a Evonik, o seu Vestakeep i-Grade PEEK apresenta biocompatibilidade e bioestabilidade, é fácil de processar e está estabelecido há anos como material de desempenho em aplicações na tecnologia médica como, por exemplo, implantes espinhais, medicina esportiva, dispositivos cardiovasculares, cirurgia maxilofacial e outras aplicações.

A Evonik fornece o i-Grade PEEK em forma de grânulos ou produtos semiacabados, como chapas ou barras plásticas. Dependendo da aplicação, o Vestakeep i-Grade PEEK pode ser fornecido com sulfato de bário, com diferentes taxas de enchimento.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Evonik

Curta nossa página no

Solvay lança filamentos para impressão 3D para peças na área de saúde

29/11/2018

A Solvay está ampliando seu portfólio de filamentos de alto desempenho para aplicações de manufatura aditiva (em 3D) com a introdução de três produtos de grau médico para uso no setor de saúde.

Os novos produtos são um filamento puro de polieteretercetona KetaSpire® PEEK AM, um filamento KetaSpire® PEEK AM reforçado com 10% de fibra de carbono e um filamento puro de polifenilsulfona Radel® PPSU AM. São indicados para impressão 3D na produção de peças de grau médico destinadas a aplicações de contato limitado (24 horas de contato com fluido corporal/tecido). Os três produtos estão imediatamente disponíveis para clientes da Europa e da América do Norte, na plataforma de comércio eletrônico de polímeros especiais da Solvay.

“O setor de saúde está se expandindo rapidamente como um mercado que vai se beneficiar da tecnologia da manufatura aditiva, possibilitando peças personalizadas para uso único ou de baixo volume”, afirma Christophe Schramm, Gerente Global de Negócios de Manufatura Aditiva da Solvay Specialty Polymers. “Com esses novos produtos de grau médico, vamos ocupar uma parte do mercado que ainda tem opções muito limitadas de filamentos de alto desempenho para atender aos rigorosos requisitos regulatórios em saúde”, acrescentou.

Segundo a Solvay, os seus filamentos KetaSpire® PEEK AM são projetados para permitir uma excelente fusão de camadas impressas e possibilitar a fabricação de peças com alta densidade e resistência excepcional, inclusive ao longo do eixo z. Os filamentos Radel® PPSU AM também oferecem excelente fusão de camadas impressas, além de transparência, alto alongamento e tenacidade, garante a empresa.

“Esses novos filamentos de AM de grau médico representam as iniciativas contínuas da Solvay para apoiar nossos clientes. Os filamentos podem ser usados para uma variedade de aplicações de saúde, como guias de corte específicos para pacientes em cirurgias e para componentes complexos em dispositivos médicos de uso único e reutilizáveis”, disse Jeff Hrivnak, Gerente Global de Negócios da Saúde da Solvay Specialty Polymers.

A Solvay Specialty Polymers fabrica mais de 1500 produtos, comercializados sob 35 marcas de polímeros de alto desempenho – fluoropolímeros, fluoroelastômeros, fluídos fluorados, poliamidas semi-aromáticas, polímeros sulfônicos, polímeros aromáticos de altíssimo desempenho e polímeros de alta barreira – para uso nos setores Aeroespacial, Energia Alternativa, Automotivo, Saúde, Membranas, Petróleo e Gás, Embalagens, Tubulações, Semicondutores, Fios e Cabos, e outras indústrias.

Fonte: Solvay

Curta nossa página no </

Evonik consolida Centro de Pesquisa e Desenvolvimento no Alabama (EUA) para aplicações de polímeros especiais em dispositivos médicos

14/04/2018

Evonik transforma Medical Devices Project House em centro de competência dedicado à atividade de P&D colaborativa

As pessoas não só vivem mais; elas também querem se manter saudáveis e ativas mesmo em idade avançada, o que faz com que a demanda por dispositivos médicos aumente na mesma proporção. Polímeros especiais, como o Resomer® e o Vestakeep® da Evonik, já representam papel importante como materiais de implante.

Para atender a esse atraente mercado em crescimento de maneira ainda mais eficiente, durante os últimos quatro anos a Evonik reuniu uma vasta competência no segmento de cirurgias ortopédicas na Medical Devices Project House – nos Estados Unidos, maior mercado individual para dispositivos médicos. A project house de Birmingham (Alabama), cujo tempo de funcionamento era limitado, tornou-se um centro de competência permanente a partir de 1º de abril de 2018.

“Queremos posicionar a Evonik como líder no fornecimento de materiais e parceiro de desenvolvimento quando se trata de soluções em dispositivos médicos amigáveis para o paciente”, diz Harald Schwager, vice-presidente da Diretoria Executiva da Evonik e responsável por questões de inovação no Grupo. “A project house aumentou muito os nossos conhecimentos nessa área”.

Desde 2014, mais de 20 cientistas qualificados trabalham em Birmingham para melhorar os materiais e as tecnologias de aplicação já existentes. Além de tecnologias estabelecidas, como a extrusão de precisão e a moldagem por injeção, a project house lança mão de avançadas tecnologias de processamento, como a impressão 3D e a eletrofiação (electrospinning) para avaliar rapidamente as propriedades de um material e criar protótipos.

A Evonik vai integrar as atividades da project house, que até agora faziam parte de sua unidade de inovação estratégica, a Creavis, em um centro de competência operado pela linha de negócios Health Care.

“O know-how e as competências desenvolvidas durante os últimos quatro anos farão com que sejamos um fornecedor de ponta em biomateriais e soluções inovadoras em tecnologia de aplicação, oferecendo melhor suporte aos nossos clientes de dispositivos médicos em suas jornadas de inovação”, diz Jean-Luc Herbeaux, vice-presidente sênior e responsável pela linha de negócios Health Care na Evonik.

O centro de competência complementa os demais laboratórios de aplicação estabelecidos em Xangai (China) e Darmstadt (Alemanha), que dão suporte a projetos de clientes em todos os mercados internacionais importantes. O equipamento técnico permite a fabricação e a realização de testes com protótipos feitos nesses novos materiais – não só em processos de extrusão e moldagem por injeção, mas também na impressão 3D.

Herbeaux acredita que a impressão 3D é um desenvolvimento futuro óbvio no setor de dispositivos médicos: “Queremos apoiar a indústria em sua demanda por polímeros para impressão de grau médico para que os pacientes com lesões cranianas ou faciais, por exemplo, possam receber implantes customizados”, conta ele. “No momento, os cirurgiões só podem escolher opções de uma seleção de tamanhos-padrão”.

A Health Care Business Line atua no fornecimento de polímeros biodegradáveis baseados no ácido polilático-glicólico e comercializados sob a marca Resomer®. Os fabricantes de dispositivos médicos usam o material para produzir itens como roscas, parafusos e pequenas placas para o tratamento de fraturas ósseas e rupturas de tendões, mas também em stents biodegradáveis. O corpo absorve os implantes após um tempo específico, ou seja, não é necessária nenhuma cirurgia adicional para retirá-los. Os stents reduzem os riscos de oclusões vasculares recorrentes.

A linha de negócios High Performance Polymers será a segunda maior patrocinadora do centro de competência no Grupo Evonik. O polímero PEEK (poliéter-éter-cetona) sob marca Vestakeep® é usada em implantes na coluna, boca, queixo e cabeça, concebidos para permanecer no corpo e substituir implantes metálicos.

Fonte: Evonik

Curta nossa página no

Solvay Specialty Polymers cresce na América do Sul impulsionada por inovações para os setores automotivo, aeroespacial/aeronáutica e saúde

15/04/2017

O Grupo Solvay, fornecedor global de polímeros especiais, informa que a demanda por seus polímeros de alto desempenho continua a crescer na América do Sul para apoiar tecnologias em desenvolvimento para as indústrias dos setores automotivo, aeroespacial/aeronáutica e de saúde.

“A aplicação de nossos polímeros especiais têm ganhado espaço nos diversos mercados em que atuamos aqui na região, principalmente porque substituem com vantagens outros materiais tradicionalmente usados nessas indústrias. Temos reforçado nossa presença comercial na região, procurando aproveitar as oportunidades oferecidas pelo mercado regional”, afirma Andreas Savvides, Diretor Regional de Vendas e Marketing da Solvay Specialty Polymers na América do Sul.

Mercado Automotivo – Os fabricantes de automóveis em todo o mundo estão explorando maneiras de reduzir o peso total do veículo, a fim de cumprir as próximas normas de emissões de CO2, além de desenvolver carros mais eficientes em termos de combustível. Embora os termoplásticos tenham ajudado a reduzir o peso do veículo através da substituição de metal em componentes do interior, do exterior e sob o capô, o motor automotivo continua a ser uma fronteira para a tecnologia de plásticos e polímeros.

O Polimotor 2 (foto), um motor totalmente de plástico e polímeros, desenvolvido pelo engenheiro automotivo Matti Holtzberg, tem como objetivo aumentar substancialmente o uso de termoplásticos avançados para a produção de um motor de quatro cilindros e duplo comando de vávulas, que pesa 63-67kg ou cerca de 40kg menos do que o motor padrão atual da indústria automobilística. A Solvay é a principal fornecedora de materiais avançados para este projeto revolucionário do setor.

O Polimotor 2 está centrado na substituição de metal em uma vasta gama de componentes do motor, incluindo as bombas de água, corpo do acelerador, bomba de combustível e correia dentada, entre outros, com o uso de polímeros de alto desempenho fabricados pela Solvay. As aplicações visam: engrenagem da correia dentada (Torlon® PAI), duto eliminador do óleo e  duto de admissão do combustível  (KetaSpire® PEEK), bomba de óleo (AvaSpire® PAEK), saída de água (Amodel® PPA), juntas  da saída de água e  anéis do bico injetor (Tecnoflon® FKM),  galeria de combustível (Ryton® PPS),  tampa do comando de válvulas (Radel® PPSU) e câmara de admissão  (Sinterline® Technyl®).

Mecado Aeroespacial / Aeronáutica – O compósito TegraCore™ PPSU é utilizado pela indústria do setor Aeroespacial/Aeronáutico na produção de espuma estrutural para painéis e revestimentos, funcionando como componente isolador de cabines e interiores de aeronaves. Segundo a Solvay, atendem aos mais exigentes requisitos de inflamabilidade, densidade de fumaça e emissão de gases tóxicos, além de oferecer maior resistência ao impacto do que os materiais tradicionais.

O TegraCore™ PPSU ajuda a atender às necessidades da indústria aeronáutica para reduzir o peso e, assim, o consumo de combustível e as emissões de CO2, ao mesmo tempo em que economiza tempo e custos na produção, remodelação e manutenção das aeronaves, afirma a Solvay. Eles também podem ser usados ​​para fabricar peças estruturais usando os processos RTM. A Solvay obteve a homologação da Airbus para a linha TegraCore™ PPSU, que está sendo implementada em sua aeronave A350 XWB como material leve de alto desempenho e deve ser utilizada em outras aeronaves da Airbus.

Setor de Saúde – No setor de saúde, os polímeros especiais da Solvay são oferecidos para uso em dispositivos implantáveis, dispositivos médicos e instrumentos cirúrgicos. Os afastadores cirúrgicos feitos em Ixef® PARA e AvaSpire® PAEK são exemplos mais avançados da Solvay para mostrar as vantagens de polímeros de alto desempenho sobre o metal nessas aplicações. Segundo a Solvay, o uso de seus polímeros Solvay podem reduzir significativamente os custos de produção e permitir que os fabricantes de peças originais (OEM’s) comercializem instrumentos de uso único, normalmente mais econômicos do que os produzidos em metal.

A empresa tem ganhado mercado na área de Saúde com a oferta de polímeros especiais para a produção de estojos autoclaváveis da área odontológica e hospitalar em sulfonas. Os polímeros Radel® PPSU e Udel® PSU oferecem diversas funcionalidades para atender a várias exigências. Estojos produzidos com esses materiais sãoo leves e fáceis de transportar, transparentes, o facilita a visualização do conteúdo; além de oferecerem facilidade de limpeza e higienização, alta performance e durabilidade, afirma a empresa.

Ainda na área de Saúde, a Solvay anunciou recentemente que a empresa está entrando em dispositivos odontológicos com uma nova linha de negócios de cuidados dentários. Trata-se do Solvay Dental 360™, com a oferta de um material inovador para a substituição do metal no segmento de prótese dentária parcial removível (RPD, na sigla em inglês). O novo polímero especial Ultaire™ AKP da Solvay permite a produção de próteses RPD sem metal, biocompatíveis, mais confortáveis ​​e de aparência natural, que são mais de 60% mais leves do que uma estrutura metálica, assegura a Solvay.

Os polímeros especiais da Solvay também são utilizados na indústria de Petróleo e Gás para estender a vida útil dos equipamentos através de melhor proteção contra corrosão e substituição de metal; em embalagens blister de alta barreira para proteger e estender a vida útil de alimentos e produtos farmacêuticos; em materiais isentos de halogênio para eletrônicos, fios e cabos; e na produção de membranas utilizadas em hemodiálise e outros processos de filtração de alta tecnologia.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Polímeros biodegradáveis da Evonik recebem certificação ISO 13485

19/03/2017

A marca RESOMER® da Evonik, composta por polímeros biodegradáveis para aplicação em dispositivos médicos (MD), agora possui certificação ISO 13485, padrão que rege especificamente os produtos MD. Os polímeros e copolímeros bioabsorvíveis são usados para fabricar implantes comerciais biorreabsorvíveis.

Uma auditoria abrangente conduzida pela empresa certificadora DQS Medizinprodukte GmbH no final de novembro de 2016 confirmou que os produtos RESOMER® cumprem todos os requisitos definidos pela norma ISO 13485. A DQS examinou especialmente o sistema de gerenciamento de riscos e sua garantia de qualidade e processos de documentação. A próxima recertificação deve ocorrer em um ano.

A qualidade e a segurança desempenham papel crucial na fabricação de dispositivos médicos. Tendo isso em mente, a Evonik apoia os clientes que atuam nesse mercado mediante o fornecimento de produtos apropriados e contribuindo, assim, para que eles atinjam os seus objetivos.

Fonte: Assesoria de Imprensa – Evonik

Curta nossa página no

Greiner Bio-One investe R$ 42 milhões em expansão de unidade industrial em Americana

08/12/2016
Fábrica da Greiner Bio One em Americana (SP)

Fábrica da Greiner Bio One em Americana (SP)

Com 42 milhões de reais investidos entre construção e operacionalização da sua nova fábrica em Americana, SP, a Greiner Bio-One, multinacional austríaca do segmento de acessórios para a área da saúde, dá um importante passo na sua consolidação no mercado e desenvolvimento nacional. Essa é a análise do superintendente da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos (ABIMO), Paulo Henrique Fraccaro: “Quando a Greiner investe no país em um momento em que a maioria das empresas tem receio, ela não apenas contribui para reduzir o déficit da balança comercial como também fomenta a fabricação local e se organiza para colher resultados muito positivos quando o Brasil estiver em situação econômica mais estável”, explica.

A inauguração da ampliação ocorreu no dia 06/12. A movimentação da empresa é vista de forma positiva pelo setor da indústria de produtos para a saúde. “Fazendo esse investimento, não tenha dúvidas, será uma sinalização para outras multinacionais que provavelmente poderiam estar pensando em investir no Brasil. É um passo extremamente positivo, estratégico e que prepara a Greiner cada vez mais para ter uma participação efetiva no mercado de produtos para saúde.“, completa Paulo.

O prédio, já construído na região metropolitana de Campinas, é, atualmente, a única planta da América Latina com capacidade para produzir, ao ano, 400 milhões de tubos para coleta de sangue a vácuo em PET. Com a expansão, a empresa poderá dobrar essa produção, chegando a 800 milhões de unidades/ano. O início das atividades está previsto para janeiro de 2017.

A Greiner Bio-One é uma multinacional que atua na área da saúde nos segmentos pré-analítico, biociência e diagnósticos. O Faturamento global da empresa, que possui unidades no Brasil, Áustria, Estados Unidos, Alemanha, Hungria e Tailândia, é da ordem de 390 milhões de euros.

O grupo possui mais de 1.800 colaboradores operando globalmente em 23 filiais e inúmeros distribuidores em mais de 100 países. A matriz da Greiner Bio-One International GmbH situa-se em Kremsmünster, Áustria.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Greiner Bio One

Curta nossa página no

Victrex lidera consórcio de indústrias para explorar uso de polímeros PEEK/PAEK em aplicações com impressão 3D

06/07/2016

Victrex_impressao-3d

  • Formulações químicas específicas para trabalho com impressão 3D beneficiarão a indústria aeroespacial
  • Aplicações na medicina também serão analisadas

A Victrex está liderando um consórcio de empresas e instituições na inovação em impressão 3D (ou Manufatura Aditiva-MA). Como parte do seu papel fundamental, a Victrex desenvolverá novos grades de poliariletercetona (PAEK), um polímero de alto desempenho com base em formulações químicas inovadoras, projetadas especificamente para trabalhar em processos de manufatura aditiva. Embora já utilizados atualmente em algumas aplicações de MA, os materiais PAEK foram originalmente desenvolvidos para uso na moldagem por injeção ou processos de extrusão.

As novas classes são dirigidas especificamente à indústria aeroespacial, que é o foco principal do consórcio, mas também serão consideradas aplicações em outras áreas como, por exemplo, a médica. Detentora de propriedade intelectual que abrange os novos polímeros a serem desenvolvidos, a Victrex foi premiada com um financiamento da agência do Reino Unido para a inovação, a Innovate UK, para ajudar a conduzir o projeto. Os membros do consórcio são outros líderes da indústria como Airbus Group Innovations, EOS, University of Exeter, E3D-Online, HiETA Technologies, South West Metal Finishing, Avon Valley Precision Engineering e Layer Manufacturing (CALM).

Segmentação melhora taxas de reciclagem e redução de resíduos

Um objetivo essencial é a melhoria da taxa de reciclagem para pós utilizados na técnica de “sinterização a laser” da manufatura aditiva. Isto reduziria significativamente o desperdício de polímero neste tipo de processo e diminuiria seus custos. O projeto também abordará a imprevisibilidade de adesão inter-camadas e o acabamento superficial de impressão baseada em filamentos.

“Todo mundo está consciente de que a manufatura aditiva tem o potencial de revolucionar a produção industrial, uma vez que não envolve a alta ferramentaria e os custos de instalação de fabricação tradicional”, observa David Hummel, diretor executivo da Victrex. “Ela também permite a produção de formas muito complexas e geometrias que não podem ser feitas por meios convencionais, com aplicações de alto valor agregado e menor volume”, destaca.

Victrex lidera e ganha financiamento de agência britânica

O projeto em andamento por meio do consórcio foi originalmente concebido durante uma conferência sobre manufatura aditiva à base de polímeros, realizada em 2014, na Universidade de Exeter. Na ocasião, a Victrex apresentou alguns resultados da fase inicial de um novo polímero com um potencial significativo para a manufatura aditiva. A Universidade de Exeter já tinha adquirido experiência e contatos na área de manufatura aditiva à base de polímero de PEEK e foi capaz de ajudar a tornar o consórcio uma realidade.

O polímero PAEK da Victrex já está sendo utilizado para peças impressas em 3D, tanto por fusão de filamento como por sinterização a laser em pó, enquanto a empresa busca ativamente por novas soluções e aplicações. Dentro da indústria, o consórcio está focado no uso inovador de novas classes de polímeros PAEK potencialmente revolucionários para a indústria aeroespacial, por meio das técnicas de manufatura aditiva.

“Este projeto inovador é mais um grande exemplo da liderança da Victrex em novos caminhos, demonstrando como estamos tentando desenvolver ainda mais as oportunidades para nossos polímeros, expandindo o mercado para aplicações PAEK e diferenciando nosso negócio. Estamos no início de uma viagem emocionante na formulação de novas aplicações, que podem, eficazmente e de forma rentável, explorar todas as vantagens da manufatura aditiva”, ressalta Hummel. Em 2018, o projeto espera ter demonstradores tecnológicos que representem evidências e um caminho a seguir para a concretização de todas as vantagens da manufatura aditiva – incluindo redução de custos e time-to-market mais rápido para produtos, incluindo peças muito complexas necessitando a fabricação pelos métodos tradicionais. “Embora este consórcio seja um programa multi-anual, as empresas que vêem valor para os benefícios do polímero PEEK, combinado com as propostas de valor para a manufatura aditiva, devem nos contatar agora para discutir suas ideias”, enfatizou Hummel.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Victrex

Curta nossa página no

Solvay estréia na feira Hospitalar 2016 com seus polímeros especiais para as áreas de Saúde e Medicina

16/05/2016

Solvay-IndusbelloA unidade global de negócios Specialty Polymers do Grupo Solvay estreia na Hospitalar 2016 (de 17 a 20 de maio, no ExpoCenter Norte, em São Paulo) apresentando um amplo portfólio de termoplásticos de alto desempenho para dispositivos médicos implantáveis e não implantáveis, além de polímeros para blisters com ultra proteção para produtos farmacêuticos. A Solvay Specialty Polymers estará no pavilhão da ABIMO – Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos – Setor Vermelho – Estande L23

Entre os produtos da Solvay para esse segmento de mercado está o polímero especial Radel@ PPSU, empregado na fabricação das novas linhas de estojos autoclaváveis, desenvolvidas por duas empresas reconhecidas do setor: Indusbello e Plásticos Hanisch, que farão o lançamento desses produtos durante a Hospitalar 2016. A escolha do Radel® por essas empresas, que possuem longa experiência neste mercado de caixas e estojos, sinaliza e reforça ainda mais a tendência e a importância do uso de polímeros de alta performance como um substituto vantajoso de outros materiais utilizados nessas aplicações médicas.

A Solvay Specialty Polymers fabrica mais de 1500 produtos agrupados em 35 marcas de polímeros de alto desempenho – fluoropolimeros, fluoroelastômeros, fluidos fluorados, poliamidas parcialmente aromáticas, polímeros sulfonados, polímeros aromáticos de ultra-alto desempenho, polímeros de alta barreira e compostos de alto desempenho reticulados – para uso nas indústrias de Saúde e Medicina, Aeroespacial e Aeronáutica, Energia Alternativa, Automotiva, Membranas, de Petróleo e Gás, Embalagens, Tubos e Conexões, Semicondutores e Fios e Cabos, entre outras.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Bemis adquire operações de embalagens médico-hospitalares da SteriPack

03/05/2016

Bemis-Steripack

Aquisição inclui instalações da empresa na Irlanda e ativos e bens de produção de embalagens na Malásia e nos Estados Unidos

A Bemis Company, Inc, uma das maiores fabricantes de embalagens do mundo, anunciou a aquisição das operações de embalagem para instrumentos médicos e serviços de valor agregado relacionados ao Grupo SteriPack, fabricante mundial de soluções para embalagens esterilizadas para instrumentos médicos e aplicações farmacêuticas.

A aquisição inclui as instalações da empresa na Irlanda e ativos e bens de produção de embalagens na Malásia e nos Estados Unidos. O Grupo SteriPack continuará operando individualmente.

“Esta aquisição dá suporte à estratégia de crescimento da Bemis no setor de embalagem para produtos relacionados à saúde. O forte relacionamento da SteriPack com seus clientes e suas operações complementarão nosso processo de expansão global nas áreas médico-hospitalar e farmacêutica aumentarão nossa capacidade de atender às necessidades de uma indústria em pleno crescimento. Com essa aquisição, esperamos conseguir aumentar nossas ações em 2016”, afirma William F. Austen, presidente e CEO da Bemis Company.

A Bemis é uma das maiores fabricantes de embalagens do mundo. Com sede em Neenah, Wisconsin (EUA), a companhia atende aos mercados de alimentos, bebidas, cosméticos, farmacêuticos, higiene pessoal, limpeza doméstica, médico-hospitalares e pet food com embalagens flexíveis, rígidas, cartonadas, tubos laminados e rótulos. A companhia conta com 17 mil funcionários em 67 unidades, localizadas em 11 países nas Américas do Norte e Latina, Europa e Ásia-Pacífico.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Bemis

Curta nossa página no

Wittmann Battenfeld lança versões de injetoras para injeção de produtos para área médica

08/12/2015

Wittmann-Sala-Limpa

Empresa investe em tecnologias para transformadores que produzem peças especiais fabricadas em salas limpas

Para atender às exigências técnicas do setor que produz componentes voltados para a área médica, a Wittmann Battenfeld anuncia a chegada ao mercado de versões especificas de injetoras das séries EcoPower e MicroPower.

Em 2015, a Wittmann Battenfeld investiu na instalação de uma célula de sala limpa em sua fábrica de Kottingbrunn (Áustria), para atender às exigências do segmento e qualificar suas máquinas em condições reais. Segundo a empresa, após inúmeros testes, a EcoPower e a MicroPower estão adequadas aos requisitos das “Boas Práticas de Fabricação de Produtos Médicos” e atendem às salas limpas classe ISO 6 (de acordo com o número de partículas por pé cúbico de ar), conforme os padrões da ISO 14644-1.

Para Reinaldo Milito, diretor da empresa no Brasil, a especialização do portfólio e da equipe técnica da Wittmann Battenfeld permitem oferecer a solução mais adequada para cada cliente. “Know-how, precisão e qualidade são muito importantes no atendimento deste segmento. A possibilidade de ofertar células completas, com injetoras, periféricos e softwares, ampliam as possibilidades de aplicações e o alto grau de confiança e segurança”, comenta.

Espaço otimizado para molde

Totalmente elétrica, a nova EcoPower recebeu atenção especial ao espaço para o molde, que contém superfícies lisas, cobertura de aço inox e trilhos de guia fechados. A máquina possui baixo consumo de energia, utilizando um sistema para recuperação de energia cinética (KERS) – ao reduzir a velocidade para a proteção do molde, recupera a energia utilizada para frear a placa e a direciona para outras etapas do processo –

Segundo o fabricante, o sistema de água para refrigeração em circuito fechado minimiza as emissões de partículas para o interior do molde. Os condutores de ar e as válvulas de exaustão pneumáticas são cobertas e voltadas para fora da sala limpa. As placas retangulares, sem contato com os tirantes, e a lubrificação selada das articulações garantem a limpeza do sistema de fechamento, um benefício essencial para aplicações em salas limpas.

Com força de fechamento entre 55 e 300 toneladas, a EcoPower possui acionamento direto, sem correias, possibilita um conjunto limpo que, aliado às dimensões compactas, oferece maior produtividade aos transformadores, afirma a Wittmann Battenfeld.

Equipamentos de ponta

A série MicroPower, com força de fechamento de 5 ou 15 toneladas, reforça a capacidade da Wittmann Battenfeld em atender à área médica. De acordo com a empresa, a série possui uma boa relação custo-benefício, tem eficiência energética e responde aos critérios de ambiente controlado.

Com acionamento elétrico, trabalha com tempos de ciclo curtos e abrange um campo extenso de aplicações altamente técnicas, incluindo processos complexos, graças às variadas funções integradas, que incluem controle da qualidade e embalagem das peças totalmente automatizadas. .

Opcionalmente, o uso de uma mesa rotativa permite o funcionamento de uma segunda metade do molde, fazendo com que a extração das peças seja realizada em paralelo com a injeção, reduzindo consideravelmente o ciclo, afirma a empresa.  A injeção em dois estágios proporciona homogeneidade, estabilidade térmica e linhas de fluxo reduzidas, de acordo com informações da Wittmann Battenfeld.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Wittmann Battenfeld

Curta nossa página no

Instratek e Solvay fazem acordo para uso de resina de poliarilamida em dispositivo médico-cirúrgico

17/09/2015

Resina da Solvay tem um desempenho melhor do que outros polímeros para atender às necessidades de alta resistência à flexão e boa moldabilidade para o novo dispositivo de uso único da Instratek

Solvay_StapixA Solvay Specialty Polymers, importante fornecedor global de polímeros termoplásticos de alto desempenho, anunciou  que a Instratek, produtora e desenvolvedora de dispositivos médicos cirúrgicos com sede em Houston (EUA), escolheu a resina de poliarilamida Ixef® 1022 (PARA) da Solvay para confecção de vários componentes de seu sistema de fixação de grampos STAPiX ™, usado em procedimentos cirúrgicos específicos para pés e mãos.

A Instratek está lançando o sistema STAPiX ™ nos Estados Unidos e escolheu a resina Ixef® PARA por sua alta resistência mecânica, principalmente a rigidez e dureza, excelente fluidez nos processos de injeção e preço atraente para os dispositivos médicos de uso único, segundo a Solvay.

“Nossos engenheiros inicialmente exploraram diversos materiais para esta aplicação, incluindo ABS e PEI, mas nenhum deles conseguiu igualar-se à combinação única de propriedades mecânicas, e, particularmente, à rigidez superior do Ixef PARA”, disse Lance Terrill, diretor de engenharia da Instratek. “O suporte técnico e experiência prática da Solvay em polímeros médicos foram outros fatores que influenciaram nossa decisão. O sucesso inicial do nosso sistema avançado STAPiX® deixa bem claro que fizemos a escolha certa”.

O Ixef® 1022 PARA, contendo 50% de fibra de vidro, é utilizado nas alças de um grampeador que está sujeito a elevada tensão de dobramento quando o dispositivo abre um grampo de nitinol (liga Niquel-Titanio) super elástico, antes da sua inserção no interior do osso. Dos polímeros testados, o Ixef® 1022 PARA foi o que melhor reduziu a flexão das alças do grampeador enquanto dobrava o grampo de nitinol, segundo a Solvay.

“A abordagem proativa da Solvay na concepção de materiais de classe mundial para dispositivos de saúde de uso único possibilitou à Instratek desenvolver um sistema de ponta para fixação de grampos, aumentando o padrão de desempenho e confiabilidade dos grampeadores”, disse Dane Waund, gerente de mercado global de saúde da Solvay Specialty Polymers. “O sistema de fixação de grampos STAPiX ™ ressalta a profunda compreensão da Solvay sobre as tendências emergentes na área de saúde e a nossa abordagem colaborativa para oferecer as soluções de materiais que os clientes precisam para alcançar seus objetivos de projeto, diferenciar seus produtos e expandir seus negócios.”

De acordo com a Solvay, conforme acontece com todos os polímeros de uso médico da empresa, o Ixef® 1022 PARA não demonstra nenhum indício de citotoxicidade, sensibilização, reatividade intracutânea ou toxicidade sistêmica aguda, com base em testes de biocompatibilidade, conforme definido pela norma ISO 10993:1. Os grades de resinas médicas PARA Ixef® estão disponíveis em todo o mundo em uma ampla variação de cores estabilizadas, tornando-as adequadas para aplicações em dispositivos médicos de uso único que devem manter uma excelente estética, apesar da repetição de esterilização por radiação gama ou por outros métodos, como a aplicação de óxido de etileno.

Sobre a Solvay Specialty Polymers: a empresa tem sido um fornecedor de materiais para o setor de saúde há mais de 25 anos, oferecendo uma ampla gama de polímeros de alto desempenho para dispositivos, instrumentos e equipamentos médicos. A Solvay também oferece uma família de biomateriais Solviva® para utilização numa série de dispositivos implantáveis. A empresa fabrica mais de 1500 produtos em 35 marcas de polímeros de alto desempenho – fluoropolímeros, fluoroelastômeros, fluidos fluorados, poliamidas semiaromáticas, polímeros de sulfona, polímeros aromáticos de altíssimo desempenho, polímeros de alta barreira e compostos de alto desempenho reticulados para vários segmentos industriais.

Sobre a Instratek: Com sede em Houston, a Instratek  trabalha com tecnologias cirúrgicas minimamente invasivas há mais de 20 anos. Ela é uma empresa global de dispositivos médicos especializada no desenvolvimento, fabricação e comercialização de implantes ortopédicos de ponta e instrumentação endoscópica para o campo de cirurgia de extremidades.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Evonik anuncia novo distribuidor para segmento médico-hospitalar no Brasil

13/08/2015

ACNIS do Brasil passa a distribuir linha de polímeros PEEK para aplicações de implantes cirúrgicos

evonik-industriesA Evonik, umas das líderes mundiais em especialidades químicas, firmou parceria com a empresa ACNIS do Brasil, para distribuição em todo o território brasileiro da linha VESTAKEEP® i (PEEK), destinada ao mercado médico-hospitalar.

O acordo começou a vigorar no dia 1º de julho e os clientes deste segmento passam a contar com soluções completas, incluindo prestação de serviços, logística e condições comerciais competitivas para os produtos da linha VESTAKEEP® i.

Trata-se de uma linha de polímeros de última geração da Evonik para aplicações em implantes cirúrgicos de longo prazo, pois proporcionam segurança máxima, qualidade e confiabilidade, afirma a Evonik. Com biocompatibilidade comprovada, as aplicações típicas são implantes espinhais e ortopédicos, implantes para trauma (fixação de fraturas ósseas) e implantes dentários, complementa a empresa.

“A parceria com a ACNIS, que é uma das líderes mundiais na distribuição de materiais implantáveis e que se associa agora à tecnologia e qualidade dos produtos VESTAKEEP® i, reafirma nosso compromisso em oferecer soluções completas e eficientes para os nossos clientes da indústria médica, destaca Vitor Lavini, Gerente de Produto da Linha de Polímeros de Alta Performance, da Evonik.

Localizada em Sorocaba-SP, ACNIS do Brasil é uma empresa que distribui materiais Biomédicos  em Titânio, Aço Inoxidável, Cobalto Cromo, Fios em Nitinol, Fios em Tântalo e  Polímeros para a fabricação de implantes dentários, implantes ortopédicos,  instrumentação cirúrgica, brocas cirúrgicas. A matriz está localizada em Villeurbanne,  próximo a Lyon, na  França. Fundada em 1991, exporta para mais de 40 países ao redor do mundo.

A multinacional alemã Evonik atua em mais de 100 países no mundo inteiro. No ano fiscal de 2014, mais de 33.000 colaboradores geraram vendas em torno de 12,9 bilhões de Euros e um lucro operacional (EBITDA ajustado) de cerca de 1,9 bilhão de Euros. No Brasil, a história da Evonik Industries, começou em 1953. A empresa conta hoje com cerca de 600 colaboradores no País e seus produtos são utilizados como matéria-prima em importantes setores industriais, como: automotivo, agroquímico, biodiesel, borracha, construção civil, cosmético, farmacêutico, nutrição animal, papel e celulose, plástico, química e tintas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Evonik

Curta nossa página no

Solvay lança no Brasil linha de biomateriais para implantes ortopédicos e cardiovasculares

10/12/2013

A meta é atender a forte demanda brasileira por biomateriais termoplásticos na fabricação de implantes

Solvay_Bioventrix_Anchor_Composite

Implante Cardiovascular fabricado com material da linha  Solviva

A linha de biomateriais para implantes Solviva® ​​- fabricados pela unidade de negócios Solvay Specialty Polymers nos EUA – já está disponível comercialmente no Brasil.

Essa nova linha de produtos, que foi apresentada em primeira mão a clientes da empresa durante o 46º Congresso Brasileiro de Ortopedia e Traumatologia, realizado recentemente no Paraná, complementa a extensa oferta de polímeros da Solvay e é voltada principalmente para aplicações ortopédicas e cardiovasculares.

O portfólio de biomateriais da Solvay, comercializado nos EUA e na Europa e recentemente lançado na China, é direcionado para atender à crescente demanda do mercado brasileiro de implantes cirúrgicos e complementa sua linha de polímeros de alta performance já utilizada na área de saúde para usos não implantáveis.

“Com um amplo portfólio de polímeros, estamos posicionados como um fornecedor estratégico no mercado global médico hospitalar e a presença da linha de biomateriais Solviva® no Brasil sinaliza e reforça ainda mais o compromisso da Solvay com este mercado”, diz Mônica Martins, Gerente de Mercado Healthcare para a América do Sul. A disponibilidade dos biomateriais Solviva® proporcionará oportunidades de desenvolvimento importantes para a área de saúde em nosso país, acrescenta Mônica.

A Solvay Specialty Polymers vai atender ao mercado brasileiro com o suporte de sua unidade em São Bernardo do Campo (SP). A empresa continuará a avaliar o mercado global e analisará outras expansões em potencial em regiões geográficas importantes.

“Como um dos principais fornecedores de polímeros de alto desempenho para aplicações na área da saúde, estamos prontos para dar o próximo passo em nossa estratégia global de negócios e expandir a linha de biomateriais Solviva® para o mercado brasileiro”, assinala Paulo Motta, Diretor de negócios para a região América do Sul da Solvay Specialty Polymers.

Solvay_Apollo-Spine-Vertebral_Interbody_Lumbar_and_Cervical_Spacers_Zeniva_PEEK

Implante de coluna cervical

O sucesso comercial da Solvay nos EUA e na Europa com os produtos  Solviva® tem como destaque o uso crescente do Zeniva® PEEK no mercado de cirurgia de coluna (Spine Cages). O Zeniva® PEEK possui um módulo de elasticidade muito próximo ao do osso, além de excelente biocompatibilidade, tenacidade e resistência à fadiga, segundo informações da Solvay.

Além do Zeniva®, a linha Solviva® também oferece o Polifenileno Auto-Reforçado Proniva® SRP, um dos termoplásticos mais rígidos e fortes do mundo -sem carga – que oferece biocompatibilidade excepcional e rigidez, segundo a empresa; a Polifenilsulfona Veriva® PPSU, que proporciona resistência excelente combinada à transparência e excelente biocompatibilidade, e a Polisulfona Eviva® PSU, que oferece mais resistência e transparência, de acordo com a Solvay.

A linha Solviva® pode ser esterilizada através de todos os métodos convencionais, incluindo autoclave, radiação gama e óxido de etileno. Estes produtos estão disponíveis em grânulos para processos de injeção ou extrusão, bem como na forma de tarugos, utilizados em processos de usinagem.

Os polímeros Solviva® são fabricados em conformidade com a norma ISO 13485 e seguem as Boas Práticas de Fabricação (GMP, na sigla em inglês). Os processos de fabricação dos biomateriais da Solvay são validados e seus controles proporcionam a total rastreabilidade do produto. Além disso, todos os materiais são testados em um laboratório credenciado que é certificado com a norma ISO 17025.

A experiência da Solvay como um fornecedor importante de materiais na área da saúde se estende por mais de 20 anos. A empresa é líder na fabricação de plásticos de alta performance, oferecendo uma ampla gama de materiais para instrumentos de saúde e dispositivos médicos, junto com sua linha  de biomateriais Solviva® para dispositivos implantáveis.

A empresa é um fornecedor de serviço completo, oferecendo design, assistência técnica e suporte de desenvolvimento de aplicações para o mercado global de saúde. A Solvay também continua a dedicar uma parte considerável das atividades de pesquisa e desenvolvimento para tecnologia e comercialização de novos e exclusivos polímeros para atender as necessidades dos fabricantes de equipamentos originais e processadores médicos.

Fonte:  Solvay

Curta nossa página no

SABIC exibe na MDM Brazil 2013 soluções para a indústria médica projetadas para ajudar a melhorar a segurança do paciente e do médico

29/08/2013

SABIC_MDMA unidade de negócios Innovative Plastics da SABIC está ajudando seus clientes brasileiros que atuam na indústria médica e hospitalar a enfrentar o desafio de reduzir  infecções relacionadas à assistência médica entre pacientes e profissionais da área. Segundo um relatório de 2011 da Organização Mundial da Saúde, estima-se que, em países em desenvolvimento como o Brasil, 10 entre cada 100 pacientes hospitalizados devem contrair pelo menos uma vez durante o tratamento uma infecção hospitalar. O amplo portfólio da SABIC de soluções de materiais para a área da saúde, em exibição na MD&M Brazil 2013 (27-28 de agosto; São Paulo, Brasil), pode ajudar seus clientes a reduzirem esse número e atenderem às demandas cada vez mais rigorosas da tecnologia médica, incluindo melhor desempenho em esterilização e propriedades antimicrobianas.  Dentre as soluções destacadas no evento, estão a resina ULTEM™ HU1004 da SABIC – uma combinação de resinas PEI (polieterimida) desenvolvida especificamente para aplicações na área da saúde –, todo o portfólio antimicrobiano da linha LNP™ da SABIC e ainda a resina LEXAN™ HFD, um copolímero de policarbonato de alto fluxo desenvolvido com foco no desempenho do processamento. Todos esses materiais demonstram o compromisso da SABIC com seus clientes locais, no sentido de permitir que desenvolvam dispositivos médicos econômicos e com tecnologia de ponta, visando oferecer à pacientes e médicos os mais seguros ambientes para assistência à saúde.

“A redução das infecções relacionadas à assistência médica é um desafio em todo o mundo na área da saúde. Em um país como o Brasil, com uma classe média crescente, mais pessoas estão buscando atendimento médico, o que aumenta a possibilidade de contração de infecções hospitalares”, explicou Cathleen Hess, diretora de marketing na área de saúde da Innovative Plastics da SABIC. “Na SABIC, temos o compromisso contínuo de desenvolver soluções robustas que não apenas permitam aos nossos clientes atender aos desafios existentes de prevenção de infecções, mas também acompanhar as tendências da área de saúde como um todo.”

Para fortalecer as ofertas locais da SABIC, as fábricas de Campinas (Brasil) e Tortuguitas (Argentina) foram certificadas, em conformidade com as normas da FDA (Agência de Controle de Alimentos e Medicamentos dos EUA), para produzir materiais em contato com alimentos e também materiais que exijam biocompatibilidade conforme a ISO 10993.  Essas certificações podem ajudar os clientes sul-americanos a encurtarem o tempo de desenvolvimento dos produtos, reduzirem os custos de estoque e aumentarem a flexibilidade na compra de materiais, além de atenderem ao previsto aumento nos gastos com a assistência médica no Brasil, tendo em vista uma expectativa de crescimento de cerca de 8,6% (taxa de crescimento anual composta) no período de 2012-20151.

Grade de Polieterimida para aplicações que exigem intensos procedimentos de esterilização

A maior ênfase no controle de infecções está fazendo com que as atenções se voltem para os vários tipos de processos utilizados na esterilização de equipamentos e dispositivos médicos e odontológicos.  Segundo a SABIC, a resina ULTEM HU1004, uma blenda de polieterimida (PEI) com maior estabilidade hidrolítica, é um material recomendado para novas e complexas aplicações que precisam passar por vários ciclos e diferentes processos de esterilização. Esses métodos – incluindo autoclave a vapor de alta temperatura (até 134° C), radiação gama e a esterilização por plasma de peróxido de hidrogênio, um processo emergente adequado a baixas temperaturas – podem degradar os dispositivos com o tempo, diminuindo sua integridade mecânica, interferindo no desempenho ou alterando sua aparência.  Em testes envolvendo particularmente o processo de esterilização por plasma de peróxido de hidrogênio, a resina ULTEM HU1004 supera a polifenilsulfona (PPSU) em resistência à tração e ductilidade (fundamentais para estender a vida útil dos dispositivos) e mantém melhor a cor e a aparência.

Portfólio antimicrobiano pode ajudar a reduzir as infecções hospitalares em diversas aplicações

Segundo a SABIC, o seu portfólio antimicrobiano da linha LNP pode oferecer aos fabricantes de dispositivos novas soluções para enfrentar preocupações de pacientes e médicos com infecções associadas à assistência médica. O portfólio da SABIC inclui nove grades antimicrobianos diferentes, passando por quatro famílias de produtos: copolímero de policarbonato LEXAN™ EXL, resina de policarbonato (PC) LEXAN, resina XENOY™ PC/ PBT e resinas de polipropileno (PP) com e sem reforço de fibra de vidro. Essas resinas utilizam tecnologia antimicrobiana baseada em prata, já que a prata é bem adequada a várias aplicações e é aceita como antimicrobiano de ampla faixa de atuação, com atividade contra diversos patógenos.

A empresa afirma que cinco desses grades têm um alto efeito antimicrobiano (valor de redução logarítmica acima de 4, representando uma redução de 99,99 % quando testado com MRSA, seguindo o protocolo de testes ISO 22196-2007 em condições de laboratório) e quatro deles têm um efeito antimicrobiano baixo (valor de redução decimal abaixo de 4, representando uma redução de 99,0 a 99,99 % quando testado com MRSA seguindo o protocolo de teste ISO 22196-2007 em condições de laboratório). Essas opções permitem flexibilidade aos clientes, dependendo das necessidades específicas da aplicação. Além de terem essa opção, os clientes podem reduzir custos adicionais uma vez que as resinas SABIC são formuladas para serem eficazes nas mais baixas concentrações de prata.

Possíveis aplicações incluem a administração de fluidos e medicamentos, instrumentos cirúrgicos, dispositivos de monitoramento e imagem e equipamentos médicos duráveis, como camas hospitalares e mesas de operação.

Copolímero de Policarbonato de alto fluxo permite criar dispositivos médicos com designs inovadores

De acordo com a SABIC, as resinas LEXAN HFD oferecem aos projetistas de dispositivos médicos a oportunidade de reavaliar projetos para reduzir a espessura de parede de peças e possivelmente melhorar o desempenho do dispositivo por conta da menor tensão gerada na moldagem. Ainda segundo a empresa, essas vantagens posicionam esses novos materiais em uma grande variedade de aplicações, como gabinetes de equipamentos eletrônicos, artigos descartáveis utilizados no tratamento do paciente e equipamentos de diagnóstico e monitoramento. Além disso, a melhor aparência e a menor birrefringência da resina LEXAN HFD, em comparação com o PC padrão, oferecem potencial para uso em iluminação médica ou em dispositivos que exijam características ópticas excepcionais.

Com a maior ênfase no controle de infecções em ambientes de tratamento hospitalares e domésticos, os dispositivos médicos estão sujeitos a ciclos de limpeza regulares com produtos químicos e de esterilização cada vez mais rígidos.  Em decorrência disso, foi demonstrado que os dispositivos construídos de policarbonato padrão podem ser vulneráveis a rachaduras provocadas por estresse ambiental, em parte devido ao estresse residual relativamente alto em componentes moldados com PC padrão.  A SABIC afirma que as resinas LEXAN HFD, com menor tensão gerada na moldagem, podem ajudar a reduzir a ocorrência desse tipo de rachadura.

Conformidade regulatória de forma mais rápida

Os grades de resina antimicrobiana da SABIC estão entre os mais de 50 materiais médicos de alta tecnologia que contam com o suporte da política de produtos médicos da empresa, projetados com o objetivo de ajudar os OEMs a obter conformidade regulatória para suas aplicações farmacêuticas e da área médica, poupando tempo e dinheiro. A SABIC afirma que a sua política de produtos médicos dá aos clientes a confiança de que esses materiais atendem às normas globais de segurança, são fornecidos com formulação consistente e foram previamente avaliados para biocompatibilidade.

Fonte: SABIC

Curta nossa página no