Posts Tagged ‘Aplicações Industriais’

Tecniplas promove torres de resfriamento de vinhaça para o setor sucroalcooleiro

05/09/2020

Equipamentos resistem à operação durante muitas safras consecutivas

A Tecniplas era uma das expositoras confirmadas para a Fenasucro, principal feira do setor sucroalcooleiro. O evento, então agendado para este mês, foi cancelado por conta da pandemia. Mas nem todas as notícias que vêm das lavouras de cana são negativas. Com a compra de algumas usinas por grandes grupos internacionais e a modernização de players brasileiros, está cada vez mais acirrada a busca pela competitividade. Isso gera a necessidade de ganhos de produtividade e redução de custos.

“Para reduzir os custos e, principalmente, aumentar a produção, as usinas precisam investir em todas as etapas – e o resfriamento da vinhaça é uma fase importante do processo”, afirma Luís Gustavo Rossi, diretor da Tecniplas. Para ser aproveitada como fertilizante, a vinhaça deve ter a sua temperatura reduzida, em média, de 90 ºC para 55 ºC, operação efetuada por torres de resfriamento de compósitos em PRFV (Plástico Reforçado com Fibras de Vidro).

Com um histórico de mais de 600 torres fornecidas nos últimos 25 anos, a Tecniplas também enxerga boas oportunidades na substituição de equipamentos da concorrência que, segundo a empresa, já não tem mais condições de operar após poucas safras. “Mesmo em se tratando de uma aplicação bastante desafiadora, que combina corrosão e alta temperatura, nossas torres suportam muitas safras consecutivas”.

Rossi destaca que todas as torres de resfriamento de vinhaça da Tecniplas são fabricadas de acordo com a norma de segurança NR-12. “É uma exigência cada vez mais frequente das usinas”. A empresa produz atualmente três modelos e o que os difere é basicamente o volume resfriado por hora.

Tubulação de PRFV produzida pela Tecniplas

“Também fornecemos para o mercado sucroalcooleiro tubos de PRFV. Diferente dos tubos de PRFV com liner de PVC, que podem colapsar e contaminar o solo e o lençol freático com vinhaça quando a temperatura passa de 60 ºC, as nossas tubulações inteiramente de PRFV suportam até 100 ºC”, detalha o diretor da Tecniplas, lembrando que a empresa também abastece as usinas com tanques de plástico reforçado com fibras de vidro para a armazenagem de água e produtos químicos.

Fundada em 1976, a Tecniplas é a maior fabricante brasileira de tanques e equipamentos especiais de compósitos em PRFV (plástico reforçado com fibras de vidro). Situada em Cabreúva (SP), onde mantém uma fábrica de 32 mil m², a Tecniplas atende os setores de álcool e açúcar, papel e celulose, cloro-soda, química e petroquímica, fertilizantes, alimentos e bebidas e saneamento básico.

Curta nossa página no

Megatanques e tanques monolíticos são os destaques da Tecniplas na Fenasan

15/09/2019

Megatanque da Tecniplas com 4,5 mil m³ de capacidade

Fornecedora de tanques e equipamentos especiais em compósitos de PRFV (Plástico Reforçado com Fibras de Vidro) para os fabricantes de estações de tratamento de água e efluentes, a Tecniplas participa mais uma vez da Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente (Fenasan) – de 17 a 19/09, no Expo Center Norte, em São Paulo.

“Mostraremos o nosso portfólio completo de reservatórios e equipamentos, com destaque para os megatanques e os tanques monolíticos de grandes dimensões”, adianta Luís Gustavo Rossi, diretor da Tecniplas.

Os primeiros, com capacidade máxima de 4,5 mil m³, são ideais para o armazenamento de água ou efluente brutos, caso dos tanques de detenção. Já os reservatórios monolíticos – ou seja, produzidos em uma peça única – podem ter até 400 m³ de capacidade e reforços para a operação em áreas sujeitas a elevadas cargas de vento, condição bastante comum, por exemplo, na Região Sul do Brasil.

“Ambos podem ser fabricados com resinas próprias para o contato com água potável. Também ajustamos a translucidez desses polímeros para que a luz solar não contribua com a proliferação de algas”, detalha Rossi.

Outro objetivo da Tecniplas nesta edição da Fenasan é alertar o mercado sobre a importância do cumprimento das normas técnicas por parte dos fabricantes de tanques de PRFV. “Pretendemos mostrar um patamar de tecnologia e qualidade diferente do que, em regra, é utilizado atualmente. Isso porque a Tecniplas atua há mais de quarenta anos na fabricação de reservatórios e equipamentos que trabalham com produtos químicos altamente corrosivos, bem mais complexos do que água e esgoto”.

Rossi destaca ainda que, por processar um material nobre como o PRFV, ambientalmente amigável e resistente a vazamentos, a Tecniplas tem condições de atender às exigências da nova Lei de Licitações, que moderniza a Lei 8.666/93 e dá mais liberdade aos entes públicos para optar pela especificação técnica correta, e não apenas pelo menor preço.

“Todos os nossos tanques são fabricados de acordo com a norma técnica ASME RTP-1. Isso oferece ainda mais tranquilidade às concessionárias de serviço de abastecimento de água e tratamento de esgoto”, completa.

Curta nossa página no

Braskem apresenta novos grades para produção de baldes industriais

23/05/2019

Soluções foram criadas para aumentar a resistência e capacidade de empilhamento dos baldes

A Braskem apresentou na Feiplastic 2019 dois novos grades de polipropileno desenvolvidos para a produção de baldes industriais, com foco em resistência e capacidade de empilhamento. Uma das novas soluções é o Polipropileno CG 600NA, um copolímero produzido para a injeção de baldes industriais. Segundo a Braskem, o produto tem maior rigidez e permite que os seus clientes desenvolvam baldes com paredes mais finas e, ao mesmo tempo, mais resistentes, mantendo a capacidade de alto empilhamento.

A outra solução apresentada foi o Polipropileno CG 220NA, um tipo de copolímero também produzido para aplicação em baldes industriais. Neste caso, afirma a empresa, o diferencial é a resistência ao impacto, aplicando-se à armazenagem de materiais que possam, por exemplo, sofrer algum tipo de colisão durante o transporte.

Carolina Bulhões, gerente de Engenharia de Aplicação Polipropileno na Braskem, destaca que os novos grades também podem ser utilizados nas embalagens para alimentos que requerem baixa transferência de odor e sabor. “A empresa tem investido cada vez mais em inovação e tecnologia para oferecer ao mercado o portfólio mais completo para embalagens rígidas”, explica a gerente.

As soluções de polipropileno já estão disponíveis no mercado e são 100% recicláveis. “Temos a preocupação de criar soluções que tragam cada vez mais valor para as embalagens, mas também temos o compromisso de promover a sustentabilidade na cadeia do plástico, formando um ciclo sustentável da produção ao descarte”, afirma Carolina Bulhões.

A Braskem definiu uma série de iniciativas em prol da Economia Circular, um novo conceito de consumo que propõe um processo produtivo que contemple a redução, reutilização, a recuperação e a reciclagem de materiais e energia. Esta nova forma de pensar os processos produtivos e os hábitos busca trazer equilíbrio e racionalidade a cada fase do ciclo, minimizando o impacto das atividades das empresas e da sociedade ao meio ambiente.

Além das resinas para baldes industriais, os participantes da Feiplastic também tiveram a oportunidade de conhecer uma solução recém-lançada pela Braskem para ser aplicada na produção de big bags, sacarias utilizadas para embalar e transportar grãos, fertilizantes e produtos químicos. A resina Maxio® PG35L, com baixo índice de fluidez e que contém aditivação anti-UV, foi desenvolvida especialmente para atender ao elevado nível de exigência dos clientes em relação a propriedades mecânicas da fita de ráfia e para garantir benefícios de aumento de produtividade da etapa de extrusão.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Cipatex amplia portfólio e lança linha para galpões

23/08/2018

A Cipatex, empresa que atua no segmento de revestimentos sintéticos, amplia portfólio de lonas da marca Sol & Chuva® e lança nova linha para confecção de galpões industriais e tendas estruturadas. O material permite estocagem de qualquer tipo de item, desde máquinas, alimentos e grãos.

Segundo a empresa, as versões LT, indicada para fechamento das laterais de galpões, e TT, destinada para cobertura, apresentam elevada resistência mecânica devido ao uso de tecidos com reforço de poliéster de alta tenacidade. O toque macio facilita a soldagem e instalação do material.

De acordo com a Cipatex, o novo produto confere maior planicidade, com menor possibilidade de rugas e melhor acabamento. A lona conta com aditivos que aumentam a vida útil do produto, com resistência aos raios UV, antioxidante, antimofo e autoextinguível (não propaga chama), garante a empresa. O material está disponível com blackout, reduzindo a temperatura no interior do galpão ou tenda, ou translúcida, conforme a necessidade do projeto.

O Grupo Cipatex foi criado em 1964 e hoje conta com uma linha de produtos que atende aos setores de calçados, piscinas, bolsas e acessórios, utilidades domésticas, construção, móveis, vestuário, automóveis, esporte e lazer, brindes, material escolar e comunicação visual. Ao todo, a Cipatex conta com cerca de 1.400 colaboradores distribuídos em cinco plantas industriais.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Cipatex

Curta nossa página no

Braskem apresenta nova aplicação do plástico para proteção e isolamento térmico de tubovias

07/02/2018

A Braskem começa a testar uma nova aplicação do plástico para a indústria. No Polo Petroquímico de Camaçari (BA), a empresa passou a utilizar, em um projeto-piloto, jaquetas de isolamento térmico feitas em plástico para proteção de uma linha isolada de vapor, em substituição a chapas metálicas.

Segundo a empresa, o material plástico apresenta vantagens em relação a outros revestimentos utilizados, tais como vida útil maior e grande resiliência mecânica, ou seja, tem alta capacidade de voltar ao seu estado normal depois de ser submetido a uma situação de esforço. Além disso, as jaquetas de poliolefinas podem ser reutilizadas quando houver necessidade de realizar manutenção nas linhas.

De acordo com a Braskem, o trabalho aponta para ganhos de longo prazo e de performance técnica, com redução de custos de investimento e operação, a depender do elemento de isolamento térmico, dimensões e temperatura da linha. “Com essa tecnologia, demonstramos mais uma vez nosso foco em promover soluções plásticas que promovam ganhos de competitividade para indústria brasileira, com redução de custos de manutenção e aumento da confiabilidade do sistema operacional”, afirma Rodrigo Galvez, da área de Desenvolvimento de Mercado da companhia.

A tecnologia já é conhecida na Europa e foi adaptada para a indústria nacional pela área de desenvolvimento de mercado da Braskem, em parceria com a Röchling Plásticos de Engenharia do Brasil, a UCA Engineering Plastics e a Priner, empresa de serviços industriais responsável pela instalação das jaquetas de isolamento térmico.

“Os conceitos que o grupo Röchling tem como pilares – competência, qualidade e inovação – nos fizeram buscar essa parceria com a UCA e com a Braskem, empresas líderes de mercado com propósitos similares aos de nosso grupo. Esse projeto tem grande importância no mercado e quebra o paradigma, dentro até mesmo da própria Braskem, de que não é possível substituir o aço ou o alumínio em aplicações industriais sem comprometer o desempenho”, afirma Rodrigo Maldonado, gerente de Vendas da Röchling Plásticos de Engenharia do Brasil.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Tecniplas ressalta os benefícios dos compósitos no Concasan

22/08/2017

Empresa fabrica tanques e megatanques para aplicações em saneamento

A Tecniplas, maior fabricante brasileira de tanques e equipamentos especiais em compósitos de PRFV (Plástico Reforçado com Fibras de Vidro), é uma das expositoras do Congresso Catarinense de Saneamento (Concasan). O evento acontece em Florianópolis (SC), entre 31/08 e 01/09, e é promovido pelo Sindicato dos Engenheiros no Estado de Santa Catarina (SENGE-SC).

De acordo com José Roberto Vasconcellos, gerente comercial da Tecniplas, a empresa pretende apresentar no Concasan o seu portfólio de tanques (foto) e megatanques – para processo e armazenamento – indicados para o trabalho com água, efluentes e produtos químicos. “A idéia é mostrar o quão mais vantajosa é a utilização de reservatórios de compósitos, em comparação aos similares feitos de concreto ou aço vitrificado”.

Em relação aos primeiros, Vasconcellos observa que é necessária uma perfeita e bem executada impermeabilização, em função da natural porosidade do concreto. “Além de elevar o preço, o revestimento tem vida útil limitada. Os compósitos, por sua vez, são impermeáveis, imunes à corrosão, possuem elevada resistência mecânica e podem ser formulados com resinas próprias para o contato com a água potável”.

Na comparação com o aço vitrificado, os benefícios são a maior facilidade de instalação – os tanques de compósitos são monolíticos, e não formados por milhares de placas parafusadas – e a ausência de vazamentos. “Sem contar que a cadeia produtiva do material que processamos é toda local, enquanto que o aço usado nos reservatórios é importado, o que deixa o cliente exposto às oscilações cambiais”.

15 m de diâmetro

Outra atração da Tecniplas no Concasan fica por conta dos megatanques de compósitos. Com diâmetro máximo de 15 m e capacidade para armazenar até 4,5 milhões de litros, os gigantescos reservatórios são fabricados em seções na planta da Tecniplas e, pelo processo de oblatação, redimensionados para permitir o transporte rodoviário.

“Ovalizamos e acinturamos as seções para que assumam o formato semelhante ao do número oito e fiquem com 5 m de largura. Assim, é possível transportar um megatanque numa carreta convencional, o que pode significar a redução do tempo de transporte de 90 para 10 dias”. Depois, na unidade do cliente, as seções são redimensionadas e laminadas umas sobre as outras. “A Tecniplas é única fabricante brasileira de tanques de compósitos a deter a tecnologia de oblatação”, destaca Vasconcellos.

A Tecniplas também pretende mostrar no Concasan a importância de se considerar, nos projetos dos tanques de compósitos, o constante aumento das cargas de vento na Região Sul do país – rajadas de até 170 km/h podem danificar ou até mesmo arrancar os reservatórios das bases, caso não tenham sido construídos de forma adequada. “Projetamos os tanques sujeitos a cargas de ventos com a adição de anéis de reforço. Esses componentes protegem contra as pressões externas e evitam amassamentos que podem danificar a estrutura”.

Fundada em 1976, a Tecniplas mantém uma fábrica de 32 mil m² em Cabreúva, no interior de São Paulo. Seus produtos são consumidos pelas indústrias de álcool e açúcar, papel e celulose, cloro-soda, química e petroquímica, fertilizantes, alimentos e bebidas e saneamento básico.

Serviço:
Congresso Catarinense de Saneamento (Concasan)
Quando: 31/08-01/09
Onde: Centro de Eventos Governador Luiz Henrique da Silveira, Florianópolis (SC)

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tecniplas

Curta nossa página no