Posts Tagged ‘Activas’

Distribuidores associados à Adirplast priorizam soluções sustentáveis

23/11/2021

Adirplast tem incentivado seus associados a buscar soluções mais sustentáveis para os seus negócios.

A Adirplast (Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas e Afins) tem incentivado os seus associados a investirem em novas tecnologias e ações capazes de tornar a distribuição de plásticos um negócio cada vez mais sustentável: “Sabemos da importância do plástico na vida do ser humano e, por isso, trabalhamos incansavelmente para derrubar o falso mito de vilão que o produto carrega. No entanto, também temos a consciência que é preciso apostar em novas tecnologias e práticas dentro de nossas empresas”, explica Laercio Gonçalves, presidente da entidade.

Atentos às mudanças, a Fortymil tem investido em um programa de logística reversa. Através da Plastimil, empresa do Grupo Fortymil focalizada em Economia Circular, ela oferece aos seus clientes a compra ou benefício de resíduos. “Oferecemos também diversos projetos customizados conforme a necessidade de nossos parceiros. Um deles foi o desenvolvimento de um processo inovador que permite reciclar um tipo de plástico usado pelo cliente, que antes era descartado em aterro, transformando-o em material de construção civil”, explica Ricardo Mason, diretor da empresa.

Segundo o executivo, o tema sustentabilidade é tratado na empresa desde a sua fundação, há 48 anos. “Este assunto não é novidade para nós, que nascemos com esta premissa”, conta Mason. Ele conta, inclusive, que foi um dos que contribuiu para a formatação da Rede de Cooperação para o Plástico desde o seu início: “Somos um grupo de pessoas e empresas unidos para fomentar a reciclagem em todos os elos da cadeia”, complemente.

Entre outras ações, a Fortymil também é parceira do Projeto Tampinha Legal, no qual é responsável pelo recolhimento e reciclagem de milhares de tampinhas no Estado de São Paulo. “O segredo para apostar na sustentabilidade é desenvolver projetos que são viáveis economicamente para todo elo da cadeia. É nisso que trabalhamos”, ensina Mason.

Além de se engajar em programas que promovem a reciclagem ou reaproveitamento do plástico, os distribuidores associados à Adirplast também têm apostado na oferta de “produtos verdes”. A Apta Resinas, por exemplo, disponibiliza aos clientes o PLA da Linha Luminy – um material de fonte renovável. “A implementação de soluções mais sustentáveis é acima de tudo um veículo de inovação e virada de chave. Pensar sustentável e colocar os projetos em prática é demonstrar que estamos pensando na sustentabilidade de um modo geral, e, antevendo as contínuas mudanças do mercado”, conta o diretor da Apta, Eduardo Cansi.

Alexandre Pastro, diretor da empresa associada Actplus conta que a oferta de produtos sustentáveis integra a premissa da organização: “Oferecemos soluções sustentáveis para o mercado de tingimento e compostos, utilizado a linha BioPCR Activas que podem ser aplicados em embalagens e peças técnicas em geral”. Além de trabalhar com produtos sustentáveis, Pastro conta que a empresa ainda faz parte de um programa de logística reversa, o qual, por sua vez, está integrada ao Projeto ESG – Economia Circular. “Graças a esse programa, retiramos as sacarias e/ou big bags vazios através de caçambas plásticas de 1.000 litros e esse material volta ao mercado em forma de PCR”, explica.

A associada Pro-Color trabalha com produtos sustentáveis há mais de 10 anos. Na prática, seus produtos permitem que a produção através de material recuperado seja possível. “Oferecemos masterbatches produzidos a partir de resinas recicladas para aplicações específicas. Entre esses produtos, está um aditivo para eliminar odores desagradáveis das resinas recicladas; aditivo dessecante para absorção da umidade presentes nessas resinas e aditivos aromatizantes”, explica Roberto Clauss, diretor da empresa. Segundo ele, a companhia ainda oferece aos clientes aditivos que modificam o índice de fluidez para ajustar a resina a uma determinada aplicação, aditivo clarificante que contribui com melhor aspecto visual da resina recuperada, além de anti-UV. “Isso permite o prolongamento da vida útil do material plástico, contribuindo diretamente com o aumento do ciclo de utilização do produto final”, completa.

No que diz respeito à sua operação, conta Clauss, a sustentabilidade também é premissa dentro da Pro-Color, que tem implementado diversas políticas sustentáveis. “Temos captação de água de chuva, incineração de materiais tóxicos e coleta de materiais plásticos diversos com destino a ações sociais”. O empresário ainda informa que, a partir desse mês de novembro, inicia as atividades industriais na nova planta de Embu da Artes – a Pro-Color Ambiental – 100% dedicada a comercialização de materiais sustentáveis”, finaliza.

A Adirplast tem como diretrizes o fortalecimento da distribuição, o apoio aos seus associados e a integração do setor de varejo de resinas plásticas, filmes biorientados, plásticos de engenharia, masterbatches e compostos. Atualmente, a entidade agrega empresas distribuidoras de insumos plásticos que, juntas, tiveram um faturamento bruto de cerca de R$ 4,5 bilhões em 2020. Elas responderam por cerca de 12% de todo o volume de polímeros, masterbatches, compostos e filmes biorientados comercializados no país.

Curta nossa página no

Associados à Adirplast investem em soluções voltadas para a sustentabilidade

18/10/2021

A Adirplast (Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas e Afins) vem trabalhando para estimular os aspectos de sustentabilidade entre seus associados e clientes. Como entidade representativa dos distribuidores de resinas plásticas, filmes biorientados, plástico de engenharia e masterbatches, atua no processo de conscientização e de busca por soluções mais verdes, tanto para serem oferecidas aos seus clientes como para serem utilizadas dentro de suas empresas. “Reforçamos sempre junto aos nossos clientes o uso consciente do plástico como matéria-prima e a importância de se evitar o desperdício durante os processos produtivos. Acreditamos, além disso, que o descarte inadequado dos materiais recicláveis, não apenas do plástico, é, na verdade, o vilão a ser combatido, porque o plástico é um material excepcional, quando usado e descartado corretamente, além de reciclado”, exemplifica Laercio Gonçalves, presidente da entidade.

Além de reforçarem o tema da reciclagem, muitas empresas associadas à Adirplast oferecem aos seus clientes produtos que ressaltam aspectos da sustentabilidade. Essas empresas buscam se engajar na agenda ESG (Environmental, Social and Corporate Governance) dentro de seus negócios.

A Polymark, por exemplo, afirma desenvolver, juntamente com seus fornecedores e clientes, modelos de negócios para otimizar a coleta de resíduos, maximizando a capacidade de reciclagem. “O sentimento antiplástico está em total contradição com os pontos fortes que estes materiais podem oferecer, tanto no contexto ambiental quanto na nossa vida cotidiana. A embalagem plástica funcional (com reduzida espessura e uso de monomaterial) é uma ferramenta fundamental na prevenção do desperdício de alimentos e amplia ativamente sua vida útil. O BOPP é um filme de baixíssima espessura e com alta barreira, o que proporciona baixa emissão de carbono com excelente funcionalidade”, explica Cláudia Savioli, diretora da Polymark.

A TIV-Bio Representações também diz oferecer soluções inovadoras para reciclagem. “Comercializamos um aditivo, que, quando mesclado nas resinas poliolefínicas, as transforma em materiais plásticos com biodegradação acelerada em ambientes de descarte urbano. Essa tecnologia complementa o sistema de reciclagem pois gera subprodutos na biodegradação dos materiais”, conta Tamas Vero, diretor da TIV-BIO.

O executivo ainda explica que alguns subprodutos dessas resinas, misturadas ao aditivo, podem gerar biogás, utilizado para gerar energia e água bruta para irrigação. “A utilização de nossos produtos é de suma importância para a sustentabilidade dos produtos plásticos à base de poliolefinas. Utilizando essas medidas, aliadas a outras, como a reciclagem, podemos retirar do ambiente os plásticos no formato atual – que podem ser poluentes se descartados erroneamente”.

Outra empresa associada, a Entec, também segue o conceito de sustentabilidade. “Há dois anos, oferecemos aqui no Brasil o PLA – biopolímero ácido poliláctico, que é biodegradável. Porém, para que isso aconteça, o ambiente precisa ser adequado (ambiente aeróbico para que ocorra a compostagem)”, explica Osvaldo, Gerente Geral da Entec.

Cruz explica ainda que o PLA ofertado pela Entec é usado em filamentos para impressão 3D. “Além disso, estamos em processo de negociação com fornecedores de materiais que contribuem e facilitam a biodegradabilidade dos polímeros plásticos fósseis”, diz. O executivo também reforça que a empresa trabalha para desenvolver alternativas de materiais que mitiguem o grande desafio que representam os plásticos pós-consumo na natureza.

A Activas é outra empresa associada que investe em sustentabilidade. “Oferecemos ao mercado biopolímeros de fonte renovável, biopolímeros compostáveis, assim como soluções pós-consumo. Além disso, desenvolvemos o serviço de Logística Reversa das sacarias e big bags, para que possamos, por meio de um parceiro, transformá-los em resina novamente para voltar ao mercado e, assim, completar o ciclo de economia circular”, explica Fernanda Boldo, diretora da Activas.

Boldo conta ainda que a Activas, ao longo dos últimos dois anos, tem passado por um processo importante em suas políticas, em sua gestão e na forma holística de olhar seu negócio. “Trocamos toda a frota de 20 caminhões por modelos do padrão Euro 5, mundialmente reconhecidos por sua ecoeficiência, como parte das ações para compensar as emissões de carbono – que, inclusive, foram expandidas para além de 100% da frota própria. Compensamos as emissões de todos os escritórios e unidades, assim como a frota terceirizada, chegando a 890 mil kg de CO2. Conquistamos o selo IT Green pela adoção de práticas que resultam no uso dos recursos tecnológicos da maneira mais ‘limpa’ possível, cuidando para que as atividades de TI (tecnologia da informação) não tragam consequências negativas para o meio ambiente.”

No segmento de masterbatches, a empresa associada Colorfix também mantém uma pesquisa contínua para expansão de sua linha de produtos sustentáveis. “Neste momento, estamos trabalhando com aditivos para melhoria da resistência de PLAs através do uso de fibras naturais. Acreditamos que podemos sempre exercitar o olhar para novidades e incentivar políticas sustentáveis e com maiores cuidados com o meio ambiente”, conta Francielo Fardo, diretor da Colorfix.

Em abril deste ano, a empresa lançou a linha Revora, composta por pigmentos e aditivos pensados para a economia circular. Nela, a empresa trabalha com o PCR, compostáveis, plástico verde e aditivos de otimização de processos. “Apresentamos masterbatches e aditivos que usam como veículo resinas de fonte renovável, como cana-de-açúcar. Diminuem a emissão de carbono e tornam possíveis os produtos feitos 100% de bioplásticos.”

Fardo explica que a implantação do projeto de sustentabilidade envolve todos os setores da Colorfix. “Geramos uma conscientização coletiva sobre os cuidados com o meio ambiente. Acreditamos que é essencial pensar não somente nos clientes, mas em todos os agentes envolvidos em nosso processo produtivo”, finaliza.

A Adirplast tem como diretrizes o fortalecimento da distribuição, o apoio aos seus associados e a integração do setor de varejo de resinas plásticas, filmes biorientados, plásticos de engenharia, masterbatches e compostos. Atualmente, a entidade agrega empresas distribuidoras de insumos plásticos que, juntas, tiveram um faturamento bruto de cerca de R$ 4,5 bilhões em 2019. Elas responderam por cerca de 12% de todo o volume de polímeros, masterbatches e filmes biorientados comercializados no país. Credenciadas pelos fabricantes, essas empresas contam com uma carteira de 7.000 clientes, em um universo de 11.500 transformadores de plásticos no Brasil.

Curta nossa página no

Adirplast filia empresas do segmento de Masterbatches e Compostos

03/07/2021

  • Entidade abre espaço para o segmento de Masterbatches e Compostos e ganha mais quatro associados
  • Associação agora representa 29 empresas distribuidoras em todo o Brasil

As empresas Actplus, Azzu, Colorfix e Pro-Color são as novas distribuidoras associadas à Adirplast (Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas e Afins). Com as novas adesões, a entidade passa a representar mais um segmento do setor de plásticos: o de Masterbatches e Compostos. Isso faz aumentar a sua abrangência. A associação, que já abrigava empresas distribuidoras autorizadas no varejo de resinas plásticas, filmes de BOPP, BOPET e plásticos de engenharia, representa agora 29 distribuidoras no país.

Para Francielo Fardo, da Colorfix, participar da associação o ajudará a realizar o benchmarking com outras empresas do setor. “Além disso, temos a oportunidade de compreender melhor tendências do mercado”, explica o executivo. Hoje a empresa, que atende todo o território nacional, trabalha com masterbatches de cor e aditivos, inclusive da marca Revora, que oferece produtos sustentáveis. “Atendemos aos processos de transformação de injeção, extrusão-sopro, multifilamento, monofilamento, rotomoldagem, extrusão de filme, ráfia e extrusão de chapa para todas as resinas, desde as poliolefinas até as de engenharia”, diz Fardo.

Tedy João Pacífico, da Azzu Resinas, também acha muito positivo a entrada da empresa na entidade: “A Adirplast nos traz informações sobre o segmento de Masterbatches e isso nos dá ferramentas de planejamento para o nosso negócio, traduzindo-se em mais previsibilidade às nossas ações”. O executivo também conta que a empresa, que tem sete anos de mercado, tem em seu portfólio masterbatches de cor e aditivos para todas as resinas e processos termoplásticos, atendendo todo o Brasil e Mercosul.

O executivo da Pro-Color, Roberto Clauss, também aposta que a entrada de sua empresa na Adirplast trará benefícios. “Isso nos ajudará a aumentar o nosso network, nos atualizará sobre o universo das resinas termoplásticas e será um ambiente para compartilhar informações”. Clauss conta que a empresa, que existe desde 1986, tem sua matriz em Cotia, SP, mas também conta com filiais em Bauru (SP), Jaraguá do Sul (SC), Condado (PE), e Recife (PE). Hoje o portfólio da companhia conta com Masterbatches, Compostos, Aditivos, Dry-Blend, Tingimentos e Mão de Obra para tingimento e aditivação.

Alexandre Pastro, que representa a Actplus, empresa do Grupo Activas, também comemora a entrada na entidade. “A participação na Adirplast é muito importante pois, além da troca de informações, do fortalecimento das parcerias e da interação entre as empresas, também ajuda no desenvolvimento do setor plástico em nosso País, pois amplia as possibilidades de crescimento e melhoria contínua das empresas participantes”. O diretor conta que a empresa produz compostos de plásticos de engenharia, masterbatches, aditivos, resinas pigmentadas e faz industrialização para terceiros. “Estamos presentes em todos os segmentos de mercado, com destaque para aplicações na indústria automotiva e alimentos”, finaliza.

Para o presidente da Adirplast, Laercio Gonçalves, a entrada deste novo grupo reforça ainda mais a importância da entidade. “A troca de informações entre diversos representantes da cadeia do plástico fortalece o nosso setor para a construção de um mercado mais saudável e competitivo”, finaliza.

A Adirplast tem como diretrizes o fortalecimento da distribuição, o apoio aos seus associados e a integração do setor de varejo de resinas plásticas, filmes bi-orientados, plásticos de engenharia, masterbatches e compostos. Seu objetivo é demonstrar a importância que os distribuidores têm para o setor e para o desenvolvimento do mercado brasileiro de plásticos. A entidade trabalha ainda para promover a imagem sustentável do plástico. Atualmente, a entidade agrega empresas distribuidoras de insumos plásticos que, juntas, tiveram um faturamento bruto de cerca de R$ 5 bilhões em 2020. Elas responderam por cerca de 12% de todo o volume de polímeros, filmes bi-orientados, masterbatches e compostos comercializados no país. Credenciadas pelos fabricantes, essas empresas contam com uma carteira de 7.000 clientes, em um universo de 11.500 transformadores de plásticos no Brasil. Para atendê-los, a entidade emprega 150 representantes externos e mantém 200 postos de atendimento, contando com equipes de assistência técnica e de pós-venda.

Curta nossa página no

Activas firma parceria com Fintech Weel para oferecer capital de giro a mais de 7 mil empresas da Indústria Plástica

10/05/2019

Uma das maiores distribuidoras de resinas do país e a startup financeira se unem em acordo inédito para transpor o obstáculo entre as PMEs desse segmento e o acesso a capital de giro rápido e de baixo custo.

A Activas, uma das maiores distribuidoras de resinas do país, acaba de firmar um acordo inédito com a startup financeira Weel, Fintech que oferece capital de giro online para pequenas e médias empresas brasileiras por meio da antecipação de recebíveis.

Pelo acordo, a Activas passa a oferecer à sua carteira de clientes, formada por mais de 7 mil pequenos e médios transformadores de plástico, o acesso a uma modalidade rápida, digital e desburocratizada de obtenção de capital de giro. Caracterizada pela inexistência de dívidas e parcelas – uma vez que a operação simplesmente antecipa valores futuros – a antecipação é comumente utilizada no Brasil, tanto para equilibrar o fluxo de caixa como para disponibilizar recursos para investimentos na produção.

No cotidiano, os pequenos e médios transformadores enfrentam diversos desafios financeiros, tais como a volatilidade e reajustes inesperados nos preços das resinas. Isso se combina a um cenário de escassez de recursos financeiros externos e de constante exigência no alongamento de prazos de recebimento do pagamento de mercadorias vendidas, que nos últimos anos têm saído dos tradicionais 28/35/42 dias para até 120 dias de prazo, o que afeta substancialmente o fluxo de caixa dos transformadores.

“É inaceitável que uma das maiores indústrias do país ainda não possa contar com um parceiro financeiro que a ajude a crescer. A antecipação, para esses empresários, é a saída mais viável, uma vez que funciona como uma espécie de autofinanciamento. Essas empresas já têm capital disponível – este apenas não entrou ainda na conta corrente”, avalia Simcha Neumark (foto), CEO e fundador da Weel.

Na modalidade financeira praticada pela Weel, o gestor da empresa acessa diretamente a plataforma da fintech via web por meio de uma senha de segurança ou através dos principais sistemas de gestão (ERPs) para PMEs do mercado, registrando as faturas que pretende antecipar em um formulário digital. As informações dos sacados e do emissor das faturas são checadas pela plataforma Weel, que rapidamente disponibiliza as cotações das notas fiscais já aprovadas.

Dessa forma o gestor pode estudar a proposta e decidir seu interesse sobre sua realização, sem nenhum custo. A Weel afirma que, diferentemente da avaliação de risco tradicional, em que só são consultados os registros de negativação do mercado, a tecnologia da Weel analisa informações de mais de 15 mil pontos diferentes, incluindo cartórios, redes sociais etc.

Segundo a Weel, a vantagem em relação ao procedimento tradicional de antecipação começa pelo prazo de obtenção de acesso ao capital, passando pela facilidade da operação (toda digital, sem a necessidade de envio de documentos físicos) e termina com tarifas atrativas. Enquanto uma operação de antecipação tradicional leva em média 48 horas para ser consolidada, podendo chegar até uma semana dependendo da operação, a Weel garante o montante até mesmo no próprio dia da realização (dependendo do horário de solicitação). Além disso, seus algoritmos baseados em inteligência artificial e big data permitem precificar cada fatura de forma individualizada: quanto maior a solidez do sacado, menor o risco e, portanto, menor a tarifa cobrada, afirma a empresa.

“Com essa parceria, a Activas criou um grande facilitador no relacionamento comercial com seus clientes. Já para a Weel, é uma oportunidade incrível de ampliar o contato com empresas do setor, consolidando-se como sua parceira de crescimento”, acrescenta o CEO da Weel.

Com escritório em São Paulo, a Weel mantém um laboratório de inteligência artificial e tecnologia operacional em Israel. Seu centro de P&D dedica-se ao desenvolvimento de algoritmos de risco, aprendizado profundo de máquina e análise de big data aplicada à análise, seleção, validação e precificação dinâmica de recebíveis.

Em operação desde 2016, a Weel utiliza estas tecnologias para produzir ofertas de financiamento instantâneas para as PMEs brasileiras. A Weel firmou parcerias estratégicas com empresas de software de gestão que abrangem milhares de usuários empresariais em todos os segmentos da indústria, incluindo SAP Business One, Omie, ERPFlex e Arquivei.

“Pela opção eletrônica de esteira operacional e de análise e validação, podemos individualizar a seleção de cada recebível, de forma escalável, gerando condições dinâmicas de acesso e preço competitivo. Trata-se de um benefício especialmente importante para as PMEs, que se viam desassistidas diante das dificuldades impostas pelo processo tradicional, além de seus altos custos”, afirma o diretor geral da Weel no Brasil, Carlos Guidi.

Com isso, complementa o diretor, “contribuímos com a evolução do ambiente de negócios no Brasil, pois atuamos na inclusão financeira, propiciando acesso e redução dos custos de financiamento, fomentando o crescimento e a sustentabilidade dos negócios”.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Weel

Curta nossa página no

Activas promove palestra sobre copoliéster da Eastman durante Interplast 2012

21/08/2012

Entre os dias 20 e 24 de agosto, a Activas Distribuição de Resinas Termoplásticas participa da 7ª edição da Interplast. Além de divulgar as linhas de produtos que compõem seu portfólio, a empresa está organizando uma palestra a ser realizada durante a feira. Rogério Dias, profissional de marketing da Eastman, apresenta o tema “O avanço do design através dos plásticos especiais”.

O foco da palestra é o produto Tritan, produzido pela Eastman e distribuído pela Activas. “Ele é um copoliéster de nova geração que oferece novas possibilidades de design e aplicação. Trata-se de uma alternativa inovadora em relação aos tradicionais polímeros”, destaca Roberta Duarte, gerente de marketing da Activas. O produto ainda alia a facilidade de processamento a uma mistura de propriedades únicas, incluindo transparência, tenacidade, resistência à temperatura e superior resistência química.

A palestra acontece no acontece no dia 23 de agosto, das 19h às 20h30. Clientes, parceiros da Activas e visitantes da feira estão convidados para participar do encontro. Os interessados podem entrar em contato com a equipe comercial da Activas Joinville e confirmar presença pelo telefone (47) 3437-5001.

Sobre a Activas

A Activas é distribuidora com de atuação nacional, líder de mercado e que há mais de 22 anos fornece resinas termoplásticas para micros, pequenas, médias e grandes empresas. Com grande experiência neste mercado, a Activas proporciona aos seus clientes um atendimento personalizado, sempre focado em buscar o que existe de melhor em relação às resinas termoplásticas e sempre se atualizando sobre os lançamentos da área, através de pesquisas em tendências mundiais. A matriz e o maior centro de distribuição estão localizados em São Paulo. Possui uma equipe de representantes comerciais atuantes em todos os estados brasileiros e cinco centros de distribuição, localizados, estrategicamente para atendimento nacional, em Pernambuco, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Entre os fornecedores da Activas, estão empresas qualificadas e reconhecidas pelo mercado, como a Braskem, Eastman, Basf, Unigel, Cromex, entre outras.

Fonte: Messe Brasil

Curta nossa página no