Archive for the ‘Seminário’ Category

Covestro promove 2ª Trilha da Sustentabilidade para a indústria calçadista

23/09/2021

No dia 28 de setembro, a partir das 16h30, a Covestro, em parceria com a Assintecal, promove a 2ª edição da Trilha da Sustentabilidade.

O evento visa abordar os aspectos econômico, social, cultural e ambiental da sustentabilidade e economia circular e seus impactos à toda a cadeia produtiva calçadista. Nesta edição, o webinar irá debater o tema de financiamento e modelos de negócios alavancando a economia circular, com apresentação de cases de empresas sobre sua trajetória em economia circular e conectando a indústria calçadista com a FINEP como financiadora de projetos voltados a economia circular. O objetivo é tornar a discussão sobre economia circular acessível e apoiar as empresas que possuem iniciativas a colocar a sustentabilidade em seu modelo de negócio.

O evento é gratuito e direcionado a empresários da indústria calçadista. As inscrições podem ser feitas por este link.

Confira quem são os palestrantes:

Henrique Vasquez Féteira do Vale é gerente do Departamento de Química, Metalurgia e Materiais (DQMM) da FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos). Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal Fluminense, atua na coordenação de diversos programas de financiamento para projetos de desenvolvimento tecnológico.

Paulo Garbelotto é responsável pelo Comercial e Marketing na Oryzasil Sílicas Naturais, indústria química moderna e sustentável cuja missão é contribuir para um perfil de baixo carbono para as empresas de solados para calçados. Paulo é graduado em Engenharia de Materiais pela Universidade Federal de São Carlos com pós-graduação em Polímeros. Tem experiência em negócios a nível global, acumulada na indústria química, atuando em empresas multinacionais e com produtos para mercados como borracha, plásticos, tintas, e segmentos ligados aos cuidados pessoais, higiene e limpeza, alimentação humana e animal. É o diretor-presidente da Associação Brasileira de Tecnologia da Borracha (ABTB).

Moisés Weber é CEO da Plastiweber Circular Plastics, a primeira empresa das Américas a produzir plástico reciclado certificado EuCertPlast. É administrador, pós-graduado em Gestão de Empresas pela FGV. Moisés é sócio da Lauro Weber Agrícola e da Werde – Circular Consult, reciclador de embalagens há mais de 20 anos, e pioneiro na implantação de conceitos da Economia Circular em seus negócios.

Sobre a Covestro: Com 10,7 bilhões de euros em vendas em 2020, a Covestro é uma das empresas líderes mundiais em polímeros. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de polímeros e no desenvolvimento de soluções inovadoras e sustentáveis para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. As principais indústrias atendidas são automotiva e de transportes, construção, móveis e processamento de madeira e os segmentos eletroeletrônicos e de aparelhos domésticos. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. Ao final de 2020, a Covestro tinha 33 unidades de produção no mundo todo e empregava aproximadamente 16,5 mil pessoas.

Curta nossa página no

Materiais de origem renovável para calçados são destaques da BASF no Inspiramais 2021

15/07/2021

  • Plásticos de base biológica são parcial ou totalmente feitos de matérias-primas renováveis
  • Evento Inspiramais está sendo apresentado digitalmente entre 13 e 16 de julho, com inovações para diversos setores

Novos produtos para fabricação de calçados desenvolvidos pela BASF serão apresentados no Inspiramais Digital, salão de soluções que está sendo realizado de 13 a 16 de julho em plataforma online. Segundo a BASF, a nova série N da companhia apresenta soluções em poliuretano termoplástico (TPU) e sistema PU (poliuretano) para componentes de calçados com cerca de 50% de sua composição vinda de fonte renovável, diminuindo o uso de materiais de fonte fóssil e as emissões de gases do efeito estufa. Os materiais mantêm as propriedades químicas e mecânicas dos sistemas já existentes, garantindo a performance desejada para cada tipo de calçado, afirma a empresa.

“O Inspiramais é um fórum altamente qualificado, que reúne soluções e materiais, considerando aspectos sociais, econômicos e culturais que impactam diretamente na moda. Nossa linha de base biológica se encaixa perfeitamente no propósito de contribuir para a produção de calçados cada vez mais sustentáveis, com performance, conforto, estabilidade e qualidade e atendendo à criatividade e propostas inovadoras dos designers”, explica Heitor Barbosa, gerente sênior do negócio de calçados da BASF para a América do Sul.

De acordo com a fabricante, fazem parte da nova linha os materiais para palmilha, entressola e sola Elastollan N Bio-based, um poliuretano termoplástico (TPU) produzido com matérias-primas com base em fontes renováveis e com bio-conteúdo de até 62%; e o Elastopan N, material com características únicas de amortecimento e alto desempenho, com bio-conteúdo de até 12%. Além dessas novidades, está sendo apresentado o portfólio mais amplo de soluções que a BASF oferece para o setor calçadista, com experiência de mais de 40 anos e com o apoio de um laboratório de desenvolvimento local.

Também fez parte da programação da empresa no Inspiramais um webinar apresentado no dia 14 de julho, que abordou as principais tendências no mercado calçadista: “TPU para calçados: performance, sustentabilidade e inovação”, com Luiz Roxo, desenvolvedor de aplicações e especialista em TPU na BASF e Flávia Vanelli, especialista em inovação, sustentabilidade, cadeias de valor e representante da Assintecal (Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos).

O Inspiramais (www.inspiramaisdigital.com.br) apresenta a cada semestre o lançamento de mais de 600 materiais desenvolvidos para os segmentos de calçados, confecção, móveis e bijuterias, projetos especiais e palestrantes que inspiram inovação e sustentabilidade para o setor da moda. A participação é gratuita e as inscrições podem ser feitas pelo site

A divisão de Materiais de Performance da BASF engloba sob o mesmo teto todo o know-how de materiais da BASF em relação a plásticos inovadores e personalizados. Mundialmente ativa em quatro grandes setores da indústria – transporte, construção, aplicações industriais e bens de consumo – a divisão tem um amplo portfólio de produtos e serviços. Em 2020, a divisão de Materiais de Performance alcançou vendas globais de €5,63 bilhões. O grupo BASF como um  todo gerou vendas de € 59 bilhões em 2020.

Curta nossa página no

Abief debate reciclagem de embalagens plásticas flexíveis em evento virtual

14/07/2021

Um Seminário virtual organizado em parceria entre a Plásticos em Revista e a ABIEF (Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis) reuniu importantes players da cadeia de valor para discutir tendências, entraves e soluções para a reciclagem das embalagens plásticas flexíveis. Todos foram unânimes em concluir que a economia circular rege os novos modelos de negócio e que, portanto, pensar na reciclagem destas embalagens é garantir o crescimento sustentável do setor.

Segundo o Presidente da ABIEF, empresário Rogério Mani, “criatividade e engajamento de todos os elos da cadeia de transformação são fundamentais, assim como o uso da tecnologia para criar soluções que garantam valor para o plástico”.

Anualmente a indústria de flexíveis transforma 2 milhões de toneladas de embalagens. “Este número demonstra como a sustentabilidade pode ser a grande oportunidade de investimento das próximas décadas. Dados da Fundação Ellen MacArthur indicam que o equivalente entre US$ 80 e US$ 120 bilhões em plásticos são descartados anualmente de forma inapropriada. Há, portanto, uma demanda crescente de oportunidades para o desenvolvimento de soluções”, pondera Mani.

Segundo ele, é possível reciclar todas as embalagens plásticas; os entraves ainda são o custo e ter uma cadeia focada e organizada para reciclar mecanicamente tudo o que for possível e retornar o material para a produção. “Onde a reciclagem mecânica não é viável, contamos com a reciclagem química. É preciso discutir ainda a desoneração do material reciclado, um item importante, inclusive, para fomentar mais investimentos e trabalhar em novas soluções.”

Um passo para trás

Para Paulo Teixeira, Executivo da Abiplast, a questão é até mais histórica. “Vivemos um problema do século 20 embora estejamos no século 21: a gestão de resíduos. Antes de discutirmos se a reciclagem será mecânica ou química, precisamos estudar, junto ao governo, a gestão de resíduos no país e criar modelos de negócio que o setor privado possa levar para as prefeituras como uma alternativa à política pública e que atraia investimentos. Só assim teremos escala na produção de materiais reciclados capaz de alimentar um sistema de produção circular.”

A lógica de Teixeira parte do princípio de buscar soluções junto a parceiros de todos os setores e garantir escala e payback do projeto. E para tal, vale trabalhar com cooperativas, municípios, empresas e governo. Este ‘passo para trás’ ajudará a resolver a questão dos resíduos e permitirá avançar com as soluções de circularidade, inclusive no que tange à educação do consumidor final, com sistemas de “cash back“, por exemplo, e a alavancar ‘eco startups’.

Novamente, o potencial é gigante pois dos 379 kg de resíduos gerados por cada brasileiro anualmente, entre 35% e 40% poderiam ser reciclados. “Precisamos trabalhar em planos macro onde os brand owners têm um papel fundamental como aceleradores. Um caminho é eles exigirem embalagens com conteúdo reciclado”, diz Rogério Mani.

Paulo Teixeira, da Abiplast completa: “A sociedade comprou a ideia de que não usar plástico é ser sustentável e esta é uma questão global. O desafio portanto também é desconstruir essa imagem.” Ele lembra que a circularidade está no DNA dos plásticos e este deve ser o direcionador do setor.

Eduardo Prestes, da Crisis Solutions, vai além e completa: “A grande briga do plástico não é técnica, mas de comunicação por conta das imagens e narrativas. Assim a questão é: a indústria tem condições de competir na era da comunicação global do jeito que é hoje? Infelizmente é na área de comunicação que as coisas serão definidas. Um exemplo? Apesar de sabermos que a sacola plástica é reutilizável, somos muito tímidos em comunicar isso, assim como todas as outras qualidades do plástico. Temos que comunicar melhor e de forma mais clara para não perdermos a ‘licença social’ de uso do plástico!”

Soluções

Soluções para reciclar as embalagens flexíveis já existem e começam a ganhar escala. Algumas delas foram apresentados por Cesar Sanches, diretor global de Sustentabilidade do Valgroup. Ele citou a embalagem ‘Super R’ desenvolvida com base no conceito ‘pronta para reciclar’. “Esta é uma solução economicamente eficiente, com resistência mecânica e a temperatura, que pode ser usada com produtos líquidos e sólidos e que pode ser personalizada.” Outra solução da empresa são os filmes shrink com conteúdo reciclado pós consumo; a Valgroup também recicla 300 milhões de garrafas PET pós consumo por mês, usadas em novas embalagens.

Sobre reciclagem de filmes, uma outra solução foi apresentada pela Ambev a partir da tecnologia de destintamento da Deink Brasil, ou seja, a retirada de 100% da tinta dos filmes shrink/stretch, os quais voltam a ser pellees utilizáveis na produção de novos filmes. “Este foi um passo importante para a Ambev se considerarmos que as embalagens flexíveis representam 35% de todos os plásticos que utilizamos”, celebrou Lisa Lieberbaum, gerente de Sustentabildiade em Embalagem.

Mas sempre que se fala de reciclagem pós consumo, o entrave fica por conta da coleta e separação. A startup Green Mining, acelerada pela própria Ambev, enxergou nesta deficiência uma oportunidade e criou um sistema que ajuda na eficiência – e inteligência – da logística reversa.

Segundo o fundador, Rodrigo Oliveira, a partir do volume de produtos entregues nos diversos PDV atendidos pela Ambev, o sistema identifica o volume e o tipo de embalagem que será descartado pós consumo, além de plotar as informações em um mapa. A partir destes dados, é possível roteirizar a coleta e engajar os estabelecimentos nesta cadeia de reciclagem. “Racionalizamos o descarte para trazer de volta os materiais. E este é um grande desafio especialmente com os filmes shrink, por conta da leveza do material. Para se ter uma ideia, 1 tonelada de material coletado pós consumo equivale a 50 mil embalagens.”

Como sintetizou Edison Terra, vice-presidente negócios de Olefinas e Poliolefinas da Braskem América do Sul, “o momento é de transformação e não podemos pensar em soluções como sempre pensamos. Temos que trabalhar para rejuvenescer o plástico, mesmo que isso impacte em algumas aplicações. É muito difícil reciclar o que não foi pensado para ser reciclado.”

Segundo a Abief, ficam como desafios para este novo momento da indústria:

  • o trabalho mais próximo às cooperativas;
  • um novo olhar para o design das embalagens;
  • uma nova – e mais eficiente – forma de comunicar os benefícios do plástico;
  • novas tecnologias para reciclagem;
  • uma participação ativa nas etapas de coleta e separação dos materiais pós consumo.

“A indústria de embalagens plásticas, e do plástico em geral, precisa de uma trégua. Estamos fazendo um mea culpa, mas precisamos de um tempo para digerir todas as informações e tomar as ações necessárias, com base em muita tecnologia de ponta e num diálogo franco, aberto e transparente com a sociedade. E isso só poderá ser feito com a participação de todos”, finalizou o Presidente da ABIEF, Rogério Mani.

Com mais de 40 anos de atividades, a ABIEF trabalha para o crescimento sustentável do mercado nacional de embalagens plásticas flexíveis. A Associação também tem incorporada às suas atividades o fomento à exportação e a preservação ambiental. A entidade reúne empresas de todo o Brasil, fabricantes de filmes monocamada coextrusados e laminados; filmes de PVC e de BOPP; sacos e sacolas; sacaria industrial; filmes shrink e stretch; rótulos e etiquetas; stand-up pouches; e embalagens especiais.

Fonte: Abief

Curta nossa página no

UBE discute ‘O Futuro das Embalagens de Alta Perfomance” em evento online

05/04/2021

Como parte das atividades da plataforma ‘Change & Challenge’, a UBE (www.ube.ind.br), uma das líderes mundiais em poliamidas e copoliamidas, realizou o evento virtual “O futuro da embalagem de performance” que reuniu mais de 900 profissionais, entre brand owners, varejistas, produtores de nylon e de poliolefinas, convertedores de embalagens flexíveis, recicladores e organizações.

A proposta foi mostrar que o nylon é reciclável e que é possível trabalhar este aspecto sustentável em toda a cadeia de valor, sempre alinhado ao conceito de Economia Circular. Foram discutidas tendências, oportunidades, inovações e sustentabilidade das embalagens que contêm nylon, com foco na redução do desperdício de alimentos. Entre os vários temas, destaque para os ganhos de processabilidade e propriedades de filmes reciclados PE/PA (polietileno/poliamida), utilizando compatibilizantes.

Especificamente sobre reciclagem, os especialistas abordaram a reciclagem de embalagens multicamada à base de solvente (APK); os desafios e soluções da reciclagem mecânica de embalagens multicamada (NGR) que resultaram em filmes plásticos barreira para aplicação em construção civil e na produção de sacos para lixo; e a reciclagem química e mecânica de filmes PE/PA a partir de uma solução apresentada pela BASF.

A UBE também apresentou sua solução para a reciclagem de filmes PE/PA que atende ao protocolo da Recyclass. O material resultante desta reciclagem já está sendo usado para produzir embalagens de peças automotivas.

As apresentações destacaram que as poliamidas agregam desempenho e e sustentabilidade aos filmes e reduz a quantidade de material necessário, além de serem recicláveis. As empresas participantes enfatizaram que estão construindo um modelo de economia circular para as embalagens flexíveis com base nas diretrizes da CEFLEX: coletar e reciclar 100% das embalagens flexíveis na Europa até 2025.

O evento contou com o apoio e participação de diversos players globais da cadeia de valor da embalagem flexível como APK AG, Flexible Packaging Europe (FPE), BASF Packaging, Mitsubishi Chemical Performance Polymers, Windmoeller & Hoelscher Group, Braskem, Sealed Air Corporation, CEFLEX (Circular Economy for Flexible Packaging), LANXESS, Grupa Azoty S.A., DSM, NUREL, Domo Chemicals, Next Generation Recycling Machines e Mitsui Chemicals Europe GmbH.

A plataforma Change & Challenge reforça o compromisso da UBE com a criação de um futuro mais sustentável para as embalagens de alimentos, diante do desafio global de escassez.

Fundada na cidade de Ube, província de Yamaguchi, no Japão, em 1897, a UBE mantém 11 mil colaboradores em todo o mundo e um portfólio global de produtos que se divide em: químicos; cimento e materiais de construção; máquinas; meio ambiente e energia; e farmacêuticos. Ao todo são três plantas de nylon – Japão, Tailândia e Espanha – que abastecem o mercado global. Cada planta possui o seu próprio centro de Pesquisa & Desenvolvimento. No Brasil a operação da UBE existe desde 2010 e as vendas de Plásticos de Engenharia representam cerca de 20% da produção de Castellón – Espanha. O escritório brasileiro atende a toda América Latina, com ênfase a Brasil, Argentina, Chile, Peru, Colômbia e Equador.

Curta nossa página no

“Plástico: vida e energia” é o tema da décima edição do Fórum Energiplast, em Porto Alegre

15/09/2019

Evento, com entrada gratuita, acontece no dia 25 de setembro, destacando a economia circular do plástico como alternativa à proibição do material.

No dia 25 de setembro, na FIERGS, acontece a 10ª edição do Energiplast – Fórum Brasileiro de Reciclagem Energética com Ênfase em Plásticos. Promovido pelo Sinplast – Sindicato das Indústrias de Material Plástico no Estado do RS, por meio do Comitê de Reciclagem, o evento tem como foco o panorama atual da indústria de reciclagem no Brasil, seus avanços e desafios, com debates sobre novas tecnologias e cases nacionais e internacionais de relevância para a economia circular do plástico.

Este ano o fórum terá como tema #Plástico: vida e energia, propondo um diálogo aberto com a sociedade, com a academia, com formadores de opinião, com representantes de entidades públicas e governamentais e com a indústria sobre a importância do desenvolvimento desse setor no Brasil. “O Energiplast, há 10 anos, traz a Porto Alegre tecnologias e alternativas para o destino adequado dos resíduos sólidos, com ênfase na reutilização do plástico para geração de energia. O que vemos, em uma década, foi a evolução tecnológica, mas ainda muito pouco incentivo para se investir nessa área”, diz Luiz Henrique Hartmann, coordenador do Energiplast. Lembra Hartmann que a PNRS – Política Nacional Resíduos Sólidos, instituída em 2010, trouxe poucos avanços na prática, a exemplo do prazo não atendido – ano de 2014 – para a erradicação dos lixões e a destinação final de resíduos em aterros.

“Entendemos que proibir a utilização do plástico não resolve. É preciso conscientização, investimentos e incentivos para que a economia circular do material seja realmente eficaz”, comenta Hartmann. Entre os palestrantes dessa edição, estão o presidente da Abiplast – Associação Brasileira da Indústria do Plástico, José Ricardo Roriz Coelho, que apresentará um panorama da indústria do plástico no Brasil, e a promotora de Justiça do Ministério Público Estadual do RS, Annelise Steigleder, que falará sobre a economia circular sob a ótica do Ministério Público, além do presidente da América Tampas Gustavo Alvarez, que abordará a criação e atuação da Rede de Cooperação para o Plástico no Brasil.

Entre os cases da edição, destaque para o projeto chileno Atando Cabos, que recicla resíduos plásticos da indústria pesqueira, como cordas, redes e boias e os transformam em produtos como latas de lixo, paletes ou caixas para frutas. O 10º Energiplast conta com o apoio da FIERGS e da Abiplast e patrocínio da Braskem e do Sindiatacadistas-RS. As inscrições são gratuitas. Mais informações podem ser obtidas pelo site http://www.sinplast.org.br.

Programação do evento

  • Quando: 25 de setembro, na FIERGS, em Porto Alegre
  • Link para formulário de inscrições: https://lp.rlkpro.com/l/6cAKa2ABF1161
  • Horário: das 8h às 18h
  • 8h: Credenciamento
  • 9h: Abertura
  • 9h40: Panorama da indústria do plástico no Brasil (José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast – Associação Brasileira da Indústria do Plástico)
  • 10h: A Economia Circular sob a ótica do Ministério Público (Annelise Steigleder – Promotora de Justiça do Ministério Público Estadual do RS)
  • 10h40: Intervalo
  • 11h: Tecnologias de Reciclagem Mecânica de Plásticos (Marcelo Carneiro – Presidente da Wefem Equipamentos para Reciclagem)
  • 11h40: Sistema de Aproveitamento de Energia Residual para Recuperação de Aterros (André Tchernobilsky, presidente da Zeg Enviromental e Zeg Technologies)
  • 12h20: Evolução/Solução no tratamento de resíduos orgânicos – de 100kg até 5000 kg/dia (Luciano Coimbra – Presidente da Nova Energia)
  • 13h: Almoço
  • 14h: Painel Reciclagem na Prática:
  1.  Case Atando Cabos: criando valor por meio da Economia Circular e Redes de Confiança, com Francisco Cruz, CEO e fundador da empresa Atando Cabos (Grupo Comberplast) do Chile
  2.  Case Wecycle, com Renato Di Thommazo, Gerente de Desenvolvimento de Negócios em Reciclagem e Economia Circular da Braskem
  3.  Case Eco-socioambiental de economia circular de filmes de PEBD, com Djalma Azevedo, diretor da Azeplast Indústria de Plástico, de Chapecó (SC)
  • 16h: Palestra Geração de energia distribuída oriunda do RSU-Fase Orgânica (Tiago Nascimento Silva, Gerente de Operações de Energia da CRVR – Companhia Riograndense de Valorização de Resíduos, Aterro de Minas do Leão (RS))
  • 16h40: Palestra Rede de Cooperação para o Plástico no Brasil (Gustavo Alvarez – Presidente da América Tampas)
  • 18h: Encerramento

Fonte: Abiplast

Curta nossa página no

Tubulações de compósitos são o tema de seminário da Almaco na Petrobras

23/07/2019

  • Evento acontece hoje, 23, na sede do departamento de engenharia da empresa
  • Tubulações de compósitos: extensa lista de benefícios em aplicações on e offshore

O Comitê de Tubulação da Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (Almaco) está provovendo hoje, 23/07, o seminário “Tubulações em PRFV: novas aplicações e tendências” na sede do departamento de engenharia da Petrobras, no Rio de Janeiro (RJ).

Com apresentações de fornecedores de matérias-primas e fabricantes de tubos de compósitos – material também conhecido como Plástico Reforçado com Fibras de Vidro (PRFV) –, o encontro tem como objetivo reforçar a divulgação dos benefícios proporcionados por esses tipos de tubulações em aplicações on e offshore.

“A lista de vantagens inclui diversos pontos, a exemplo de elevados índices de resistência à corrosão, temperatura e pressão, associados à leveza, facilidade de instalação e, eventualmente, possibilidade de execução de reparos não destrutivos”, resume Erika Bernardino Aprá, presidente da Almaco.

Ao longo do dia, os engenheiros da Petrobras estão acompanhando um total de dez palestras apresentadas por representantes das empresas Engcom, Glastec, NOV, Petrofisa, Saertex, Teijin Aramid, Team do Brasil e UTCOM.

Confira, a seguir, a agenda do seminário:

09h – “Aplicação de cálculo estrutural – Parâmetros de projetos das tubulações conforme a ISO 14.692”, Igor Bolorino (Engcom)
09h40 – “Aplicação de tubos em PRFV para refinarias, campos de petróleo on e offshore”, Reginaldo Domingues e Gustavo Souza (NOV)
10h30 – “Tubulação e reparos em compósitos para aplicações naval/offshore”, José Brito (Glastec)
11h10 – “Aplicação de tubos e conexões em PRFV para projetos onshore em áreas não classificadas”, Flávio Campos (Petrofisa)
12 – Almoço
13h30 – “Reabilitação não destrutiva de tubulações com materiais compósitos”, Rodrigo Tomazi (Saertex)
14h10 – “Certificações de montadores de tubos em PRFV”, Gustavo Souza (NOV)
15h – “Pipe Non-Destructive Inspection”, Jo Anne Watton (UTCOM)
15h40 – “Tubulação reforçada por termoplástico: benefícios através da escolha do material de reforço adequado”, Bruno Rodrigues (Teijin Aramid)
16h30 – “Estudos de caso sobre aplicação de materiais compósitos para reforço estrutural na indústria upstream”, Carlos Estites (Team do Brasil)
17h20 – Debate

Resultantes da combinação entre polímeros e reforços – por exemplo, fibras de vidro –, os compósitos são conhecidos pela resistência mecânica e química, leveza, facilidade de moldagem e por serem materiais ambientalmente amigáveis. Há mais de 50 mil aplicações catalogadas em todo o mundo, de caixas d’água, tubos e pás eólicas a peças de barcos, ônibus, trens e aviões.

Sobre a Almaco: Fundada em 1981, a Almaco tem como missão representar, promover e fortalecer o desenvolvimento sustentável do mercado de compósitos. Com administração central no Brasil e sedes regionais no Chile, Argentina e Colômbia, a Almaco tem cerca de 400 associados (empresas, entidades e estudantes) e mantém, em conjunto com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), o Centro de Tecnologia em Compósitos (CETECOM), o maior do gênero na América Latina. Para mais informações, acesse www.Almaco.org.br

Curta nossa página no

Terphane investe no mercado Centro-Americano e participa do Seminário Flexo CentroAmérica 2019 em El Salvador

18/07/2019

O evento regional tem público-alvo proveniente da América Central, Caribe e México.

Nos dias 18 e 19 de Julho (hoje e amanhã), a Terphane, líder em filmes PET (poliéster) na América Latina, participará do Seminário Flexo Centroamérica 2019, organizado pela Asiplastic (Associação Salvadorenha da Indústria do Plástico – http://www.asiplastic.org). Na ocasião, Rudhy Rozas, Key Account Executive, apresentará a palestra ‘Tendências de mercado: substituição da folha de alumínio por filme PET metalizado de alta barreira’.

“A palestra será o gancho para a Terphane apresentar em seu stand diversas novidades”, explica Cláudio Felker Andreis, Gerente Comercial Internacional. Entre elas a linha de filmes seláveis easy open e a linha de filmes matte (opacos), com ênfase no filme VMAT que, segundo a empresa, oferece estabilidade térmica e mecânica; alta barreira a gases, vapor d’água e aromas; bom desempenho nos vários processos de conversão (laminação, impressão e metalização) e, como diferencial, o toque aveludado. A empresa firma que o seu filme VMAT também garante boa ancoragem de tinta, adesivos e vernizes graças ao tratamento Coex em uma das faces.

Outra novidade são os filmes alta barreira transparentes de PVDC e a linha da Toyobo – Ecosyar, Toughster e Olyester – que a Terphane representa nas Américas. “A embalagem transparente é uma forte tendência no mercado de flexíveis e ajuda a construir valor para a marca. Ela tem uma relevância ainda maior em produtos/marcas premium já que uma “simples” janela pode chancelar toda a qualidade esperada do posicionamento do produto”, analisa Cláudio. A linha da Toyobo completa a linha da Terphane, criando possibilidades de estruturas de embalagem para os mercados de alimentos (secos, úmidos, refeições pré-cozidas, para cozimento da embalagem, sopas, etc) e não alimentos (medicamentos, produtos industriais, químicos, produtos de higiene pessoal e beleza, etc).

Com forte apelo de sustentabilidade, a nova linha de filmes PET Ecophane será outro destaque da Terphane em seu estande no Seminário Flexo em El Salvador. Segundo a Terphane, este filme PET tem, no mínimo, 30% de PCR (PET reciclado pós consumo) em sua composição. São mais de 10 tipos de filmes, disponíveis para as mais diversas aplicações. Além de garantirem um menor uso de matérias-primas virgens, os novos filmes da linha Ecophane estão inseridos no conceito de Economia Circular: o PET descartado na forma de garrafas é coletado, reciclado e volta a ser embalagem.

Cláudio Andreis explica que não é de hoje que a Terphane trabalha os mercados centro-americano, caribenho e mexicano, tanto que a empresa já é uma das líderes no fornecimento de filmes PET na região. “Há mais de 10 anos, regularmente fazemos visitas comerciais e técnicas aos clientes locais e estamos presentes nos principais players da região. E continuamos acreditando no potencial desses países cuja economia cresce a uma taxa média de 5% ao ano. Acompanhamos de perto a substituição, nos últimos anos, do PP (polipropileno) e do PE (polietileno) por PET (poliéster), especialmente nos mercados de café, leite em pó, molhos e maionese e estamos prontos para os próximos desafios”, conclui.

Serviço Seminário Flexo Centroamérica 2019

Data: 18 e 19 Julho
Horário: a partir das 8h00
Local: Hotel Crowne Plaza San Salvador – Conference Center
Informações: www.asiplastic.org

Desde a sua fundação em 1976, a Terphane concentra-se no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). A empresa possui uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até a extrusão de filmes especiais. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar.

Fonte: Terphane

Curta nossa página no

Tomra realiza conferência mundial sobre reciclagem de plásticos na Bulgária

19/06/2019

Líderes do setor compartilham conhecimento sobre soluções para o tratamento de resíduos plásticos e convidados tiverem a oportunidade de ver as tecnologias de reciclagem da Tomra em ação.

Líderes e influenciadores nas indústrias de reciclagem e gestão de resíduos se reuniram na Conferência Global Tomra Leads em 2019 para discutir soluções para os problemas colocados pelos resíduos plásticos. Com o tema “Reciclando em um mundo de plástico”, o evento de dois dias realizado em 4 e 5 de junho em Sofia, na Bulgária, abordou tendências e inovações de toda a cadeia de valor do plástico. Os 214 participantes de 31 países também tiveram a oportunidade de ver como as tecnologias da Tomra Sorting Recycling recuperam materiais recicláveis provenientes de resíduos urbanos em uma nova planta de reciclagem de plásticos de € 40 milhões. Esta foi a terceira edição da conferência ‘Tomra Leads Global’, um evento projetado para compartilhar conhecimento e acelerar o progresso da reciclagem e do gerenciamento de resíduos por meio de palestras, apresentações, discussões e oportunidades de networking. A visita à planta foi realizada na Integra Plastics na cidade de Elin Pelin, nos arredores da capital.

Tom Eng, vice-presidente sênior e chefe da Tomra Sorting Solutions, Recycling, comentou: “As Conferências Globais da Tomra Leads estão provando ser um fórum útil e popular para a troca de informações e idéias. O foco do evento deste ano foi algo que preocupa profundamente centenas de milhões de pessoas em todo o mundo: o que pode ser feito para combater o plástico descartado que se acumula nos aterros sanitários, vagando nos oceanos e matando a vida marinha. A conferência mostrou como a reciclagem de resíduos de plástico tem um papel fundamental a desempenhar – e como, ao mesmo tempo que beneficia o ambiente, esta é também uma oportunidade de negócio. O resíduo pode ser valioso”.

Percepções de especialistas em uma ampla gama de questões

No segundo dia da conferência, renomados palestrantes, especialistas no setor, compartilharam suas percepções sobre as tendências do mercado de reciclagem, a economia circular e o uso da matéria prima virgem e os modelos de investimento financeiro. Tom Eng abriu esta parte da conferência com um discurso de boas vindas intitulado “O futuro da reciclagem – você está pronto?” Muitas respostas a essa pergunta foram dadas nas apresentações e nos paineis de discussões que se seguiram.

Quatro apresentações foram feitas durante a manhã. O Dr. Volker Rehrmann, Vice-Presidente e Executivo Chefe de Economia Circular da Tomra, compartilhou a perspectiva da Tomra sobre a economia circular e o papel que a empresa desempenhará. Andy Grant, Diretor Técnico – Governo Local da Eunomia Pesquisa & Consultoria, falou sobre os sistemas de coleta de resíduos e o impacto na reciclagem de plásticos. Herman Van Roost, Gerente de Desenvolvimento de Negócios de Reciclagem da TOTAL Refinaria & Petroquímica, fez uma apresentação sobre os fundamentos e os desafios da inovação dos plásticos circulares. O professor Ed Kosior, diretor administrativo da consultoria Nextek, falou sobre a reciclabilidade dos plásticos. E Iilya Kardashliev, Chefe do Departamento de Infraestrutura do Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento (EBRD), explicou modelos financeiros para apoiar investimentos em reciclagem de plástico.

À tarde, os visitantes tiveram a opção de participar na conferência “Reciclagem de Plásticos” ou na conferência “Legislação”, que ocorreu simultâneamente. Ambas conferências foram seguidas por painéis de discussão.

Uma discussão abordou a superação de desafios na cadeia de valor dos plásticos. Este foi aberto por László Székely, Responsável por Economia de Novos Plásticos da Tomra. Antes disso, foi apresentado um estudo de caso sobre as exigências de um conversor, apresentada por Graeme Smith, Gerente de Inovação e Sustentabilidade do Grupo Mondi, especializado em embalagens e papel. Seguiu-se com um painel de discussões por uma hora, que envolveu László Székely, Herman Van Roost, Volker Rehrman, Ed Kosior e Graeme Smith, e foi presidida por Jim Keefe, editor-chefe na Recycling Today, publicação dos Estados Unidos da América.

Em paralelo, outro painel abordou informações e idéias sobre como as empresas de reciclagem e gestão de resíduos devem responder às mudanças nas regulamentações. Para definir o cenário, Tina Adjic, consultora sênior da ADSinsight, forneceu uma atualização sobre a legislação da UE sobre resíduos. Para dar uma visão geral do momento atual, Fabrizio Radice, Vice-Presidente Global de Vendas e Marketing da Tomra Sorting Recycling, analisou o que realmente está sendo reciclado atualmente, como a nova legislação afetará as práticas atuais e o que será necessário para novos projetos de fabricantes de embalagens. O alinhamento da legislação e dos negócios foi analisado durante a discussão, que envolveu Andy Grant, Tina Adjic, Fabrizio Radice e Roland Ramusch, e foi presidido pelo Vice-Presidente de Assuntos Governamentais da Tomra, Thomas Morgenstern.

Finalmente, os visitantes da conferência receberam uma mensagem real da importância da economia circular quando Kristine Berg, Assessora de Economia Circular da Tomra, apresentou um vídeo sobre a “eXxpedition”, a expedição de vela realizada em 2018 que contou com uma equipe só de mulheres. Isso mostrou com clareza chocante por que o vasto trecho de oceano atravessado pela expedição é conhecido como Great Pacific Garbage Patch (http://video.Tomra.com/exxpedition-the-great-pacific-garbage-patch).

Visita à planta mostra o papel fundamental da Tomra na economia circular

Para ver a reciclagem de plásticos em prática, os participantes da conferência fizeram uma visita pelas novas instalações da Integra Plastics, com investimento de € 40 milhões, na região de Sofia, inauguradas em fevereiro de 2019. A nova fábrica emprega 85 pessoas e 14 máquinas Tomra Autosort. Um dos equipamentos Autosort é combinado com o sistema de Deteção de Objeto Laser (LOD) e dois deles foram especialmente desenvolvidos para esta planta, para separar materiais flexíveis pretos. Há capacidade anual de reciclar 40.000 toneladas de plásticos pós-consumo de cores mistas.

A especialidade da Integra é a produção de polietileno de baixa densidade reciclado (LDPE), polietileno de alta densidade (PEAD) e resina de polipropileno (PP). Para ver como isso é alcançado, foi apresentado aos visitantes todo o processo da planta da Integra para a reciclagem de plásticos. O processo inicia-se pela recepção do material em fardos. A seguir, esses são abertos em uma unidade Rompe fardos, sendo, na sequencia, triturados e desagregados por um grande triturador. O material é, então, conduzido através de esteiras transportadoras, onde ímãs e uma peneira retiram materiais indesejados, como metais e outros materiais finos. Em seguida, o material é selecionado por máquinas Tomra em seis fluxos, classificados por tipo de poliolefina e cor, antes dos plásticos serem lavados a quente. Após a lavagem e secagem, os flakes de plástico são finalmente limpos de quaisquer impurezas, cores e / ou materiais remanescentes através de unidades Tomra adicionais, antes de serem encaminhados para extrusão, onde são fundidos, degasados, homogeneizados e transformados em pellets ou grãos de resina. Na fase final, os pellets são embalados em sacos de uma tonelada, prontos para reutilização em uma ampla gama de aplicações. A Integra é capaz de produzir diferentes qualidades de resinas personalizadas, como diferentes tipos de materiais combinados com cores diferentes.

Beatriz Luz, Fundadora da Exchange4change, resumiu assim a sua participação no evento: “Tomra Leads foi uma grande oportunidade de ver como a teoria pode ser colocada em prática em larga escala. A presença de industrias de todas as etapas da cadeia de valor do plástico reunidas em um único evento nos proporcionou visualizar o todo e o papel a ser desempenhado por cada um na Economia Circular. Tecnologia, escala e colaboração são elementos essenciais que reunidos podem transformar Resíduo em Recurso em qualquer lugar do mundo. No Brasil não será diferente. A solução tecnológica correta agregada com um ecosistema bem organizado é possível combater a poluição plástica no Brasil”.

Sobre a Tomra Sorting Recycling

A Tomra Sorting Recycling projeta e fabrica tecnologias de triagem baseadas em sensores para a indústria global de reciclagem e gerenciamento de resíduos. Mais de 5.500 sistemas foram instalados em quase 80 países em todo o mundo, afirma a empresa. A Tomra Sorting Recycling faz parte da Tomra Sorting Solutions, que também desenvolve sistemas baseados em sensores para classificar, descascar e processar análises para a indústria alimentícia, de mineração e outras. A Tomra Sorting é de propriedade da empresa norueguesa Tomra Systems ASA, listada na Bolsa de Valores de Oslo. Fundada em 1972, a Tomra Systems ASA tem um volume de negócios de cerca de 876 milhões de euros e emprega cerca de 4.000 pessoas globalmente.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tomra Sorting Recycling

Curta nossa página no

PICPlast leva seminários para transformadores de Criciúma

11/04/2019

Ação voltada para os colaboradores da indústria da transformação tem como objetivo contribuir para a competitividade e a produtividade da cadeia na região

O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico, PICPlast (www.picplast.com.br), realizará em Criciúma (SC), nos próximos dias 15 e 16 de abril, dois workshops destinados aos colaboradores da indústria da transformação da região. O objetivo é promover o desenvolvimento do setor no estado, realizando ações que contribuam para a competitividade e a produtividade da cadeia.

No dia 15 acontecerá o seminário “Vendas e Mercado”, em parceria com a Fundação Dom Cabral (FDC) e o Sindicato das Indústrias Plásticas do Sul Catarinense (Sinplasc). A atividade faz parte do Programa de Desenvolvimento em Gestão (PDG) realizado pelo PICPlast. A ideia é fortalecer ainda mais o mercado do sul do país, o segundo maior em número de transformadores desta indústria.

Já na manhã seguinte, 16 de abril, os transformadores da região poderão participar do workshop “Compliance como diferencial para a competitividade”. O treinamento tem como proposta discutir conceitos sobre compliance e os benefícios de suas aplicações como um diferencial competitivo para a cadeia do plástico. A iniciativa será ministrada pelo palestrante Wagner Giovanini, consultor especialista e diretor fundador da Compliance Total. Entre os assuntos da palestra, serão discutidos temas relacionados à legislação atual e às mudanças nela previstas, além da aplicação dos mecanismos de integridade, do impacto nas empresas e seus negócios, entre outros temas.

As vagas para participar dos dois treinamentos são limitadas, por isso, os interessados devem confirmar sua participação até o dia 11 de abril pelo e-mail seminariospicplast@gmail.com ou pelo telefone: (48) 3181-0369.

O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast) é uma iniciativa criada em 2013 pela Braskem e ABIPLAST – Associação Brasileira da Indústria do Plástico – que prevê o desenvolvimento de programas estruturais que contribuam com a competitividade e o crescimento da transformação plástica. Baseado em três pilares: aumento da competitividade e inovação do setor de transformação, estímulo às exportações de transformados plásticos e promoção das vantagens do plástico, o PICPlast também conta com investimentos voltados ao reforço na qualificação profissional e na gestão empresarial.

Fonte: Assessoria de Imprensa – PICPlast

Curta nossa página no

Chinaplas 2019 promove série de eventos simultâneos à Feira em Guangzhou

17/03/2019

Principais eventos incluem  Economia Circular, Indústria 4.0, Design x Inovação, Plásticos Médicos e Conversa sobre Tecnologia

O ambiente operacional da maioria dos setores da indústria ficou cada vez mais complexo. É mais importante do que nunca que as empresas empreendedoras dominem a inovação tecnológica. A Chinaplas, a principal feira de plásticos e borracha da Ásia, oferece uma plataforma internacional para o lançamento e troca de novas tecnologias avançadas. A feira não apenas terá mais de 3.500 expositores, mas também organizará uma série de interessantes eventos simultâneos para atender às necessidades desses setores.

Conferência e exposição sobre reciclagem de plásticos e economia circular

Fomentar a economia circular é um consenso global para se alcançar o desenvolvimento sustentável. Grande potencial e oportunidades de mercado abundantes surgem com ela. Diversas grandes marcas anunciaram políticas de proteção ambiental e reciclagem. Em 2017, a Adidas vendeu um milhão de pares de tênis de corrida produzidos a partir de resíduos de plásticos coletados dos oceanos. Como os plásticos podem contribuir para o desenvolvimento sustentável? Com a atenção em problemas do setor industrial, uma conferência intitulada “Plastics Recycling & Circular Economy Conference and Showcase” será realizada com os temas “Ciência dos materiais para a sustentabilidade”, “Tecnologia de reciclagem” e “Embalagem ambiental”.

A fábrica do futuro – Indústria 4.0

Os profissionais da indústria podem visitar a “Industry 4.0 Factory of the Future” na Chinaplas 2019. Haverá duas áreas temáticas, “Sala de controle de inteligência de fabricação” e “Fábrica inteligente”, onde serão demonstradas soluções inteligentes implementáveis. A sala de controle exibirá dados operacionais gravados nas máquinas no local e em uma fábrica remota inteligente, enquanto que a “Fábrica inteligente” simulará o futuro ambiente de fabricação.

Design x Inovação

Reconhecendo o papel fundamental do design no desenvolvimento de produtos, a Chinaplas 2019 organizará o evento “Design x Innovation”, que consiste de três partes.
1. Paredes de inspiração CMF (“Color, Material, Finish”) exibirão recursos ricos em Cor, Material e Acabamento
2. Fórum de Design compartilhará a experiência do produto que abrange o design reciclável e sustentável, design de baixo carbono e aplicações CMF.
3. Noite dos Designers da Chinaplas.

Conversa sobre tecnologia

Por meio de fóruns abertos, a conferência “Tech Talk” mostrará as tecnologias dos produtos mais interessantes e se concentrará claramente em soluções inovadoras. O evento Tech Talk incluirá onze temas principais, incluindo veículos elétricos, elastômeros termoplásticos automotivos, impressão 3D, bioplásticos, compósitos, aplicações antimicrobianas, “in-mold labelling”, extrusão de precisão, soluções “verdes” de construção, plásticos para eletrônicos vestíveis (wearables), moldagem por injeção de fibra longa e outros temas.

Conexão Plásticos Médicos

O “Medical Plastics Connect” promove ativamente matérias-primas e equipamentos químicos de qualidade médica para criar uma plataforma de comunicação eficiente para fabricantes de dispositivos médicos, consumíveis e embalagens farmacêuticas. Estas atividades têm como objetivo identificar, para compradores potenciais, as tecnologias exclusivas de plásticos médicos entre as muitas exposições ativas neste setor. As atividades do evento “Medical Plastics Connect” incluem o “Fórum Aberto”, o “Quiosque Pop-up”, o “Guia de Plásticos Médicos” e a “Visita Guiada de Plásticos Médicos”.

Chinaplas, a principal feira de plásticos e borracha da Ásia, será realizada em Guangzhou, República Popular da China, de 21 a 24 de maio de 2019. Um total estimado de mais de 3.500 expositores do mundo inteiro estará se apresentando para mais de 180.000 visitantes profissionais de 150 países e regiões. Para mais informações e pré-inscrições, clique aqui.

Fonte: Chinaplas 2019

Curta nossa página no

PETtalk, encontro da Indústria do PET, será realizado durante a Plástico Brasil 2019

15/03/2019

Principal encontro anual para o setor de embalagens PET acontece nos dias 27 e 28 de março como parte integrante da programação da Feira Internacional do Plástico e da Borracha

Realizado pela Abipet (Associação Brasileira da Indústria do PET), o PETtalk é o maior encontro do ano para o setor de embalagens PET. Durante os dias 27 e 28 de março, serão apresentadas e debatidas novas tecnologias, cenários e temas atuais desta indústria. Pela segunda vez, o evento integra a programação técnica da Plástico Brasil – Feira Internacional do Plástico e da Borracha, de 25 a 29 de março, no São Paulo Expo.

O PETtalk 2019 oferece uma série de palestras nacionais e internacionais com conteúdo para toda a cadeia industrial das embalagens de PET e abre espaço para o debate das soluções mais atuais na produção das embalagens fabricadas com o material. Tecnologias orientadas para o segmento, legislação para o setor de embalagens e as tendências que orientarão decisões também fazem parte da programação.

As empresas palestrantes do PETtalk 2019 são:

  • Fabricantes de Resinas: PQS e Indorama
  • Embalagens e transformação: Amcor (Produção de Preformas e embalagens), Globalpet (Reciclagem Bottle-to-Bottle)
  • Tecnologias: Gneuss (Sistemas de filtragem processamento de PET), Husky (Líder mundial em sistemas para produção de Preformas PET), Krones (Máquinas e linhas completas de enchimento e empacotamento para fábricas de alimentos e bebidas), Piovan (Sistemas periféricos para a indústria do plástico, alimentos e refrigeração industrial), Bühler (Sistemas de Separação para Flakes e Pellets plásticos)
  • Reciclagem: 3Rios (A empresa fará um comparativo entre a Reciclagem de PET para o Mercado Têxtil e o de Embalagens)
  • Consultoria e dados de mercado: PCI WoodMackenzie (Tema: O comportamento do mercado Internacional de resinas virgens e reciclagem), Euromonitor (focalizará as tendências dos diversos mercados de bens de consumo).

Para Auri Marçon, presidente da Abipet, a abrangência da programação, com envolvimento dos vários elos da cadeia, reflete não só o quadro de associados mas também a própria atuação da entidade. “Realizar o PETTalk dentro de uma feira do porte da Plástico Brasil é uma forma de mostrar para todo o setor nosso modelo de gestão integrada, em que cada elo participa, tem voz, é ouvido e dá sua contribuição. As soluções de inovação no mundo moderno surgem desta integração, onde ninguém sozinho tem todas as respostas”.

Completam estas apresentações um apanhado completo da Abipet sobre o mercado do PET no Brasil, atualizações sobre a legislação brasileira para o setor, em especial as novidades da Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010), e o NetPETworking, o grande encontro anual dos profissionais do setor.

O PETtalk é voltado para diretores, CEOs, presidentes e representantes de áreas técnicas e comerciais – usuários e desenvolvedores de embalagens – além de pesquisadores e outros profissionais envolvidos direta e indiretamente com o mundo das embalagens.

O investimento é de R$ 750,00 e as inscrições se encerram no dia 22. Grupos e associados da Abipet contam com condições especiais. O formulário de inscrições e demais informações estão disponíveis no endereço https://bit.ly/2Hjot0K.

PETtalk 2019 – Conferência Internacional da Indústria do PET
São Paulo Expo (Rodovia dos Imigrantes, Km 1,5)
Dias 27 e 28 de março, durante a Plástico Brasil 2019 – Mezanino – Sala 204
Horários: das 8h às 17h (dia 27) e das 8h às 14h (dia 28).
Mais informações no site http://www.pettalk.org.br

Plástico Brasil

Uma iniciativa da ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos e ABIQUIM – Associação Brasileira da Indústria Química e Informa Exhibitions, a feira vai reunir mais de 800 marcas nacionais e internacionais, que representam os setores de máquinas, equipamentos e acessórios, matérias-primas e resinas, moldes e porta moldes, automação industrial e robótica, periféricos, entre outros produtos, serviços e soluções.

Parte significativa das marcas expositoras é representada por 13 países: Alemanha, Argentina, Áustria, China, Estados Unidos, Hungria, Índia, Itália, México, Portugal, Taiwan, Turquia e Suíça, sendo que quatro deles – Alemanha, Áustria, China e Itália – participam com grupos de empresas reunidas em seus respectivos pavilhões. Mais de 60 entidades representativas nacionais e internacionais apóiam ao evento.

São esperados mais de 45 mil visitantes, entre transformadores de plástico, compradores e demais profissionais da construção civil, alimentos e bebidas, embalagens, automóveis e autopeças, perfumaria, higiene e limpeza, farmacêuticos.

A feira vai oferecer uma programação técnica com cerca de 80 horas de seminários, palestras e workshops, a maioria deles gratuita, como o Parque de Ideias, VDI Road Show, 1º ABINFER BUSINESS CENTER – ABC 2019, PETtalk 2019, SEBRAE Móvel, SENAI – Escolar Móvel de Indústria 4.0 e o SMED (Single Minute Exchange of Die).

Ao lado dos negócios, conhecimento e relacionamento, a Sustentabilidade é um dos pilares da Plástico Brasil 2019. A feira vai destacar uma série de ações que visam não só colaborar com a preservação do meio ambiente, mas também inspirar os fornecedores, transformadores e demais visitantes profissionais a replicarem tecnologias ambientalmente corretas em seus negócios.

O credenciamento é gratuito e já pode ser feito no site da feira: https://www.plasticobrasil.com.br/pt/credenciamento.html.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Plástico Brasil 2019

Curta nossa página no

 

Em sua segunda edição, Feira Plástico Brasil 2019 terá eventos simultâneos com mais de 80 horas de seminários, palestras e workshops

25/02/2019

Aliada à realização de negócios e às inovações apresentadas por mais de 600 marcas expositoras nacionais e internacionais, a Plástico Brasil 2019 – Feira Internacional do Plástico e da Borracha, que se realizará de 25 a 29 de março no São Paulo Expo, em São Paulo (SP), contribuirá para o desenvolvimento comercial, tecnológico e profissional da cadeia do plástico e da borracha por meio de uma programação técnica com mais de 80 horas.

São seminários, palestras e workshops, a maioria deles gratuita, ministrados por especialistas brasileiros e estrangeiros, autoridades, empresários e instituições de ensino. Confira as atrações confirmadas até o momento:

SMED (Single Minute Exchange of Die)

Diminuir o tempo de setup para melhorar a produtividade tem sido um dos grandes desafios da indústria de plásticos nas últimas décadas. Em parceria com as empresas Staubli e Romi, a Plástico Brasil 2019 apresentará a nova versão do espaço “SMED – Single Minute Exchange of Die – Troca Rápida de Moldes”, presente desde a edição inaugural, em 2017.

No SMED (metodologia que tem como objetivo a redução do tempo de setup para menos de 10 minutos) , os visitantes poderão assistir ao vivo uma máquina realizando a troca de moldes de maneira totalmente automatizada, sem interação humana.

ABC 2019 – 1º ABINFER BUSINESS CENTER

Novidade desta edição, o espaço criado em parceria com a ABINFER (Associação Brasileira da Indústria de Ferramentais) é dedicado exclusivamente aos fabricantes de moldes. O ABC 2019 – 1º ABINFER BUSINESS CENTER oferece uma solução completa aos visitantes ao reunir produtos – apresentados por 12 empresas – e conhecimento, transmitido em palestras e workshops num auditório exclusivo ao longo de toda a feira. Dada a importância estratégica que os moldes, matrizes e ferramentas ocupam no processo industrial do plástico e da borracha, o ABINFER BUSINESS CENTER vai representar um ponto de encontro de realização de negócios, networking e inovação para todo o setor.

VDI ROADSHOW

Com o tema VDI Roadshow: Hot to apply german guidelines and standards successfully in Brazil (“Como aplicar as diretrizes e padrões alemães com sucesso no Brasil”), o evento é organizado pela a VDI Brasil (Associação de Engenheiros Brasil – Alemanha), em parceria com a VDMA (Associação Alemã de Fabricantes de Máquinas e Instalações Industriais). A participação se dá mediante pagamento e as inscrições estarão disponíveis em breve no endereço: http://www.vdibrasil.com/eventos/roadshow-vdi-na-plastico-brasil/

PETtalk 2019

Realizado pela ABIPET (Associação Brasileira da Indústria do PET), é o maior encontro do ano para o setor de embalagens PET. Durante dois dias, serão apresentadas e debatidas as novas tecnologias, cenários e temas atuais desta indústria.

PARQUE DE IDÉIAS

O projeto promove a aproximação entre universidades e o setor produtivo. Neste espaço, algumas das maiores instituições de ensino do Brasil apresentam seus projetos de inovação e ministram palestras sobre temas relevantes e estratégicos para a indústria do plástico e da borracha. Escolas técnicas e empresas expositoras que desenvolvem e utilizam soluções inovadoras para a indústria também têm presença garantida na grade de palestras. Neste ano, dois temas receberão atenção especial: Design de Embalagens e Reciclagem & Sustentabilidade.

PLÁSTICO BRASIL

Uma iniciativa da ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, ABIQUIM – Associação Brasileira da Indústria Química e Informa Exhibitions, a feira vai reunir mais de 600 marcas nacionais e internacionais– de 13 países como Alemanha, Argentina, Áustria, China, Estados Unidos, Hungria, Índia, Itália, México, Portugal, Taiwan, Turquia e Suíça – que representam os setores de máquinas, equipamentos e acessórios, matérias-primas e resinas, moldes e porta moldes, automação industrial e robótica, periféricos, entre outros produtos, serviços e soluções. São esperados mais de 45 mil visitantes, entre transformadores de plástico, compradores e demais profissionais das indústrias da borracha, construção civil, alimentos e bebidas, embalagens, automóveis e autopeças, perfumaria, higiene e limpeza, farmacêuticos,entre outros.

O credenciamento é gratuito e já ser feito no site da feira: https://www.plasticobrasil.com.br/pt/credenciamento.html.

Fonte: Plástico Brasil 2019

Curta nossa página no

Esko realiza evento “Inovação com 3D e Realidade Virtual para Embalagens” 3m parceria com a ABRE, no final de novembro

15/11/2018

A idéia é que os participantes tenham uma experiência real pelo mundo virtual

A Esko realizará no dia 29 de novembro, na sede da ABRE (Associação Brasileira de Embalagem – http://www.abre.org.br), um evento exclusivo para brand onwers cuja proposta é apresentar uma ferramenta de design 3D, aplicada ao desenvolvimento e à criação de embalagens. Na ocasião, os participantes também terão uma experiência de Realidade Virtual que, segundo a empresa, garantirá uma imersão completa no PDV.

“A ideia é surpreender os brand owners com esta experiência virtual e mostrar que as inovações tecnológicas estão disponíveis para garantir que a criação e o desenvolvimento de uma embalagem sejam igualmente surpreendentes e garantam o sucesso de marcas e produtos que encantarão o consumidor final. Não é mais filme de ficção. Neste evento mostraremos que é possível criar uma embalagem a partir de recursos 3D e depois experimentá-la, literalmente, no ponto de venda. Tudo é tão real que dá para medir exatamente o impacto do novo produto/nova embalagem no PDV; é possível avaliar as reações do consumidor final e o comportamento da nova embalagem”, explica Helen Biehl, Key Account Manager LATAM da Esko.

Para ilustrar a importância da tecnologia 3D no design de embalagens, Roberto Freire, Arquiteto de Soluções Pré-Vendas – Brand Onwers Americas da Esko, apresentará ainda o case da Nike. “Não é de hoje que a Esko trabalha o conceito de ‘Packaging Connected’, ou seja, nossas tecnologias e ferramentas oferecem uma possibilidade única de combinar a arte da embalagem com a informação estrutural de CAD. As diversas aplicações, únicas e exclusivas, de 3D da Esko ajudam a agilizar diferentes designs, aprovações e processos de produção”, lembra Roberto.

Segundo ele, além da visualização hiper-realista das embalagens, a combinação das soluções Esko para aumentar e agilizar a produção com as ferramentas 3D permite automatizar a produção das amostras de embalagem para usar na fase de design e nas campanhas de e-commerce e marketing. Esta aplicação acelera o processo de amostras, eliminando a necessidade de fotos caras e demoradas. Os mockups virtuais 3D também economizam tempo e dinheiro na prova, acrescenta Freire.

Hoje, o lançamento de uma embalagem no mercado pode levar cerca de 198 dias, segundo dados da Key Point Intelligence. “Mas o sonho dos brand owners é reduzir este tempo para 60 dias ou menos”, diz Helen. “Este objetivo é claro para a estratégia ‘Packaging Connected’ da Esko. Estamos comprometidos a continuar investindo para entregar cada vez mais soluções, mais fortes, dentro de nosso portfólio de hardware e software, com uma gama cada vez maior de parceiros na indústria e, mais recentemente, junto com todos os stakeholders do ecossistema de embalagem.”

A Esko afirma que o seu portfólio ajuda a gerenciar todo o processo de criação de uma embalagem, desde a produção no brand owner e no fabricante da embalagem, passando pelos designers, pré-impressão, impressores e convertedores.

  • Esko Software Platform — gerenciamento de projeto, criação de arte, design estrutural, pré-impressão, visualização 3D, automação do fluxo de trabalho, garantia de qualidade, paletização, colaboração na cadeia de suprimento e aprovação.
  • Enfocus — prova PDF e software de automação do fluxo de trabalho.
  • MediaBeacon — gerenciamento de asset digital (DAM).
  • Blue Software — gerenciamento de rótulos e artes.
  • CDI — soluções computer-to-plate para chapas flexo e letterpress.
  • Kongsberg — mesas de corte digital para amostras e produções de pequenas tiragens.
  • Serviços profissionais, treinamento e consultoria.

A Esko emprega cerca de 1.800 pessoas em todo o mundo. Com sede em Gent (Bélgica), suas vendas diretas e indiretas é feita pelo contato diário com os clientes globalmente. A Esko é uma empresa pertencente à Danaher (www.danaher.com)

Serviço evento Esko/ABRE:

Data: 29 de novembro
Horário: 9h00 às 12h00
Local:ABRE (Associação Brasileira de Embalagem) – Rua Oscar Freire, 379 – São Paulo

Fonte: Assessoria de Imprensa – Esko

Curta nossa página no

PICPlast comemora cases de inovação

04/11/2018

Em cinco anos de atuação, o Plano investiu mais de R$ 17 milhões na realização de cerca de 30 iniciativas, com mais de mil participantes de dezenas de empresas.

Com o intuito de promover a competitividade e a produtividade na indústria de transformação de plástico, o Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico – PICPlast – segue comemorando os resultados de suas propostas voltadas à inovação. Em cinco anos de atuação, o Plano investiu mais de R$ 17 milhões na realização de mais de 30 iniciativas. O PICPlast é fruto da parceria da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), e da Braskem.

Entre as ações que mais fazem sucesso estão os Programas de Inovação. Foi após participar de uma das turmas que o empresário Leandro Cavallaro, da Styroplast, passou a diversificar sua oferta de produtos. “Participar do treinamento nos possibilitou acrescentar dois novos produtos ao nosso portfólio: a manta de subcobertura de telhado para o varejo e o filme stretch para paletização de cargas”, revela o administrador. “As pessoas pensam que inovar é apenas criar, quando, na verdade, inovar também pode ser introduzir produtos já existentes no mercado no seu leque de ofertas ou acrescentar processos novos na sua linha de produção”.

Segundo o empresário, o PICPLast foi fundamental para a capacitação e o desenvolvimento em áreas como pesquisa e análise de mercado, planejamento de negócios e gestão de pessoas. “Além disso, ganhamos em networking e em qualificação dos nossos profissionais. Com a participação nos treinamentos, nós, da indústria de transformação, só temos a ganhar”.

Outra beneficiada com o programa de inovação foi a Promaflex, empresa do segmento de filmes plásticos. Segundo Andrea Martins, que coordena o grupo interno de inovação da transformadora, após a participação no programa a Promaflex criou seu primeiro produto com foco no consumidor final: uma manta de proteção antimofo. Segundo Andrea, o treinamento ajudou a colocar no papel e organizar os pensamentos de forma mais prática. “Aprendemos a organizar a equipe formada por pessoas de todas as áreas da empresa, alinhando a estratégia e, principalmente, aprendemos a dar o peso certo para cada etapa. Com isso, em um ano saímos da ideia no papel para o lançamento do produto”.

Outro aprendizado que veio do curso, segundo a executiva, foi o de dar credibilidade para o lançamento. “Para estarmos referenciados, procuramos o biomédico Roberto Figueiredo, conhecido como Dr. Bactéria, para que ele analisasse o produto. Ele constatou que o uso da manta impossibilita o crescimento do mofo em 99,9% dos casos, o que nos deu bastante segurança para seguir em frente”, explica Andrea.

Para realizar os programas, o PICPlast faz parcerias com instituições renomadas, entre elas Fundação Dom Cabral, Sebrae e Avantec. Após realização de duas turmas em São Paulo, o PICPlast levou o Programa de Inovação para a região de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, envolvendo cerca de 60 profissionais da área de transformação.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Picplast

Curta nossa página no

PICPlast intensifica ações no Rio Grande do Sul

02/08/2018

Região é cenário de iniciativas para o desenvolvimento da indústria da transformação e promoção da imagem do plástico

Com o objetivo de fortalecer ainda mais o mercado do sul do país, o Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico, PICPlast, leva para a região iniciativas que vão desde desenvolvimento e capacitação da indústria da transformação até a conscientização da sociedade sobre a importância do plástico na inovação e tecnologia. O PICPlast é fruto da parceria da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST), e da Braskem.

Em junho deste ano, cerca de 60 colaboradores e empresários do setor participaram do primeiro módulo do Programa de Gestão de Inovação, realizado com apoio da consultoria Avantec, no SENAI de São Leopoldo, Grande Porto Alegre. Trata-se da primeira turma organizada fora de São Paulo. O Programa é composto por dez módulos, além de coaching individual para cada empresa participante. A ideia é fortalecer a cadeia local, possibilitando que as empresas implementem um sistema de inovação capaz de ampliar sua competitividade e suas possibilidades de oferecer novos produtos e serviços, tanto para o nosso mercado como para a atuação no exterior.

Além do compromisso de promover o aumento da competitividade e inovação no setor de transformação, com iniciativas como o Programa citado anteriormente, o PICPlast também possui entre os seus pilares a promoção das vantagens do plástico, com frentes de trabalho voltadas para reciclagem, estudos técnicos, educação e comunicação. Entre os destaques deste pilar está o Movimento Plástico Transforma, responsável por um dos projetos de maior impacto junto à sociedade, o PlastCoLab.

O PlastCoLab é um makerspace com experiências gratuitas que evidenciam o importante papel do plástico em soluções inovadoras e em novas tecnologias. Depois do sucesso da primeira edição, realizada em dezembro de 2017 em São Paulo, foi a vez da capital gaúcha receber a atração. Com atividades para todas as idades, a instalação, no formato de cubo mágico com 9 metros de altura, recebeu cerca de seis mil pessoas entre os dias 22 de junho e 1º de julho, no shopping Iguatemi.

A região de Porto Alegre é bastante relevante para esta cadeia, já que concentra um expressivo número de transformadores da indústria do plástico. Em sequência às ações com foco na região, será realizado, no próximo dia 23 de agosto, o Seminário sobre Vendas e Mercado. Em todo o Brasil, desde 2013 mais de mil empresas foram beneficiadas pelas iniciativas desenvolvidas pelo PICPlast, em parceria com instituições renomadas como SEBRAE e Fundação Dom Cabral.

Fonte: Assessoria de Imprensa – PICPlast

Curta nossa página no

Tetra Pak promove palestra sobre indústria 4.0 aplicada ao setor de alimentos e bebidas

19/06/2018

Novas tecnologias elevam o nível de controle das fábricas e permitem respostas mais rápidas às mudanças do mercado

A chamada “quarta Revolução Industrial”, também conhecida como Indústria 4.0, tem transformado diferentes setores da economia global, provando ser um divisor de águas para a manufatura moderna. A realidade também se aplica à indústria de alimentos e bebidas, em que a eficiência e competitividade dos fabricantes está diretamente ligada à disponibilidade de máquinas e aos ganhos em produtividade possibilitados pelas novas tecnologias. Com foco nesses pontos, a Tetra Pak promove, durante o Fórum Fispal Tecnologia, a palestra “Desafios e Oportunidades. Indústria 4.0: Fatores de Sucesso, Mudanças nas Operações”, que abordará a aplicação das novas tecnologias na indústria de alimentos e bebidas.

“Além dos ganhos em produtividade e em eficiência operacional, a Indústria 4.0 também tem proporcionado aos fabricantes respostas mais rápidas às demandas dos consumidores e às transformações do mercado”, explica Fernando Caprioli, diretor da área de Serviços Técnicos da Tetra Pak. “Esses benefícios são resultado da introdução da digitalização, da automação, do monitoramento remoto dos equipamentos com sensores e algoritmos, que estão alterando por completo o modelo de manufatura no mundo e no Brasil”.

Dentre as tecnologias que têm transformado o modelo de produção industrial destacam-se a internet das coisas (IoT), o big data, a inteligência artificial, a realidade aumentada e a robótica. Aplicadas juntas ou separadamente, dependendo da maturidade operacional do cliente, elas elevam o nível de controle sob os processos em andamento na fábrica, garantindo maior flexibilidade, previsibilidade e eficiência à produção.

Como parte da atuação da divisão de Serviços Técnicos, a Tetra Pak oferece uma variedade de soluções amparadas sob o guarda-chuva da indústria 4.0. Uma das novidades anunciadas recentemente foi a introdução dos óculos de realidade mista HoloLens, da Microsoft, aos serviços de manutenção remota de equipamentos. A tecnologia permite que técnicos da Tetra Pak presentes nas plantas dos fabricantes possam se conectar aos especialistas da companhia em outros lugares do mundo. Dessa forma, os profissionais especializados podem atuar como se estivessem no local, ajudando a solucionar o problema de modo mais assertivo e com maior agilidade.

Outra inovação introduzida pela Tetra Pak foi o Sistema de Monitoramento Remoto, que explora dados de performance de mais de 5 mil máquinas de envase, conectadas em todo o mundo, para alertar os fabricantes a prevenirem falhas antes que elas ocorram. Com a utilização da tecnologia de nuvem Microsoft Azure, os especialistas da Tetra Pak identificam desvios e aconselham os clientes sobre suas necessidades de manutenção de forma mais oportuna e eficaz. Segundo a Tetra Pak, o novo serviço aprimora a rotina de manutenção, reduzindo o tempo de parada da máquina e os custos relacionados à manutenção ou falhas inesperadas.

A área de Serviços Técnicos da Tetra Pak tem como objetivo de apoiar as indústrias de alimentos e bebidas e inclui uma variedade de produtos e serviços, como consultoria, digitalização, consumíveis, upgrades, avaliações de pessoal, treinamento customizado, monitoramento e suporte remoto de equipamentos. Os serviços estão disponíveis para todo o mercado, desde fábricas que usam os equipamentos da Tetra Pak como indústrias de outros setores.

A Tetra Pak é uma empresa líder mundial em soluções para processamento e envase de alimentos, com mais de 24.000 funcionários.

Fonte: Assessoria de Imprensa – TetraPak

Curta nossa página no

Workshop sobre Indústria 4.0 reúne empresários do setor de Plásticos do Espírito Santo

18/06/2018

Os empresários do setor de Plásticos capixaba participaram na última quinta-feira, 14, do workshop “Inserção da indústria capixaba na nova era da manufatura: Indústria 4.0”, promovido pelo Sindicato da Indústria de Material Plástico do Estado do Espírito Santo (Sindiplast-ES), em parceria com a Instituto Senai de Tecnologia (IST), o Senai-ES, a Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e a Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes).

O evento foi realizado no Senai Vitória e apresentou os fundamentos da nova configuração industrial, informando como funciona, as tecnologias utilizadas e os caminhos para sua implementação. Segundo o presidente do Sindiplast-ES, Gilmar Régio, o objetivo é abrir novas possibilidades de mercado e de técnicas de produção para que as indústrias de plásticos do Estado sejam mais competitivas e produtivas.

O workshop foi conduzido pelo especialista em Gestão de Organizações Inovadoras pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), Luciano Raizer Moura, que vem desenvolvendo um programa de Pós-Doutorado sobre o tema no Instituto Fraunhofer, na Alemanha. Dentre as informações apresentadas por ele, inclui-se a avaliação da maturidade da Indústria 4.0, com demonstração e aplicação do modelo e análise dos resultados.

As empresas Technip, Prysmian, Fibrasa, Agrofit, Fibravit, BigFlex, Topplastic, Embali, Ciclo, Sacaria Serrana, Duralevi e Maifredo Embalagens foram algumas das presentes no evento, além de outras organizações parceiras. “Acreditamos que uma das formas de se alcançar a competitividade é seguir a trilha tecnológica, como na Indústria 4.0”, destacou o presidente do Sindiplast-ES ao falar sobre a importância do evento.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Sindiplast-ES

Curta nossa página no

11º Encontro Nacional de Ferramentarias começa no próximo dia 17

14/05/2018

Após três anos consecutivos de atividade produtiva muita baixa e faturamento em queda, a economia brasileira dá indicativos, ainda tímidos, de retomada. O cenário tende a induzir parte da classe empresarial a esquecer os efeitos danosos da crise e, assim, desmobilizar-se da tarefa de cobrar políticas governamentais de longo prazo que deem sustentabilidade aos negócios.

A 11ª edição do Encontro Nacional de Ferramentarias (ENAFER), confirmada para os dias 17 e 18 de maio, em Caxias do Sul, RS, tem como um de seus propósitos manter o empresariado mobilizado, especialmente em torno da definição do Programa Rota 2030, fundamental para que a indústria de ferramentaria crie condições para vislumbrar seu negócio no longo prazo. “Não podemos, em função de um sopro de retomada, baixar a guarda e esquecer de todas as dificuldades pelas quais passamos e que ainda não foram totalmente superadas. Construir uma política estruturante de longo prazo é vital para a continuidade do setor e isto será pauta central no 11º ENAFER”, afirma Christian Dihlmann, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Ferramentais (ABINFER), organizadora do evento, que deve receber em torno de 300 participantes, número similar aos de anos anteriores.

De acordo com Dihlmann, o mercado segue em situação delicada e instável. “Temos de discutir e definir, desde já, uma política industrial de Estado e não de governo. O programa Rota 2030 é o caminho neste momento e por ele precisamos estar mobilizados, mostrando isto no 11º ENAFER, com grande participação”, convoca.

O presidente da ABINFER destaca a presença, no evento, do ministro Marcos Jorge, da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), que falará sobre a importância do programa Rota 2030 para o futuro da indústria automotiva e de ferramentaria no Brasil, em palestra agendada para às 13h35 do dia 18. “O ministro precisa ver que o empresariado está mobilizado nesta demanda e sentir a pressão do setor, por meio de uma grande participação no evento”, reforça.

Gelson de Oliveira, vice-presidente técnico da ABINFER, acrescenta que as regras do jogo devem ser claras para que o empresário possa definir a sua estratégia de negócio, direcionando ações para o mercado interno ou apostando no externo. Segundo ele, o InovarAuto, programa que pautou as políticas do setor automotivo nos últimos anos e que se encerrou em 31 de dezembro de 2017, garantiu que as ferramentarias se mantivessem ativas, mesmo com as dificuldades decorrentes da crise. “Teria sido muito pior sem o InovarAuto. Por isso, a necessidade urgente da aprovação do Rota 2030”, sustentou.

Oliveira, empresário do setor em Caxias do Sul, lembrou que, atualmente, a capacidade instalada nas ferramentarias atende em torno de 30% das demandas da indústria automotiva. Atualmente, o índice médio de atendimento é de 15%. “No momento, quem determina como e onde serão feitos os moldes é a matriz das montadoras. Por isso, a saída para resolver esta equação é uma política governamental, importante, inclusive, para as montadoras”, assinala.

Mas pondera que, mesmo com estas ações, será longo e penoso o período para que as ferramentarias atinjam níveis de produção de anos anteriores. “Mesmo já sendo reconhecidos por nossa qualidade, aqui e no exterior, as empresas terão de investir em equipamentos, processos e softwares de última geração”, alertou. E para que o ritmo destes ajustes seja rápido, serão necessárias fontes públicas de financiamentos, porque as empresas, em sua maioria, não tem força financeira para investimentos expressivos, afirma Oliveira. “Não queremos nada de graça, pois temos de ser competentes. Mas sem uma política clara, os clientes escolherão fornecedores onde os impostos são menores e as tecnologias e os equipamentos estão disponíveis em abundância”, salientou.

Dihlmann destaca que o empenho da ABINFER em torno do programa Rota 2030 está alinhado com a própria estratégia do governo de criar condições para o desenvolvimento do setor automotivo. Ele lembra que veículos e casa própria são sonhos permanentes do consumidor brasileiro. “Considerando que os ferramentais são determinantes na produção de veículos, precisamos aproveitar para organizar e consolidar o setor neste momento onde o governo direciona grande energia para a indústria automotiva”, reforçou o dirigente, observando que, ao contrário do automotivo, onde novidades são rotineiras, na construção civil, outro forte mercado das ferramentarias, o ciclo de vida dos produtos é mais longo. Assegurou, no entanto, ser objetivo da entidade lutar também por programas de incentivo em outros setores, como eletrodomésticos, embalagens e a própria construção civil.

Programação terá dois dias

Nas 10 edições anteriores, o ENAFER concentrou suas atividades em um único dia, visando oferecer ao máximo informações estratégicas para o empresário. Como forma de atender a uma demanda de patrocinadores, que passam de 60 marcas nesta edição, a organização optou por criar um dia específico para tratar de temas técnicos. Desta forma, a quinta-feira, dia 17 de maio, será reservada para workshops, desenvolvidos em salas com capacidade para até 70 participantes e apresentados por patrocinadores, que divulgarão produtos e serviços. Na avaliação de Christian Dihlmann, presidente da ABINFER, a maioria dos participantes destes encontros será formada por empresários locais ou regionais.

Os workshops técnicos ocorrerão em salas da Universidade de Caxias do Sul, a partir de 8h. Até o momento estão confirmadas palestras conduzidas por representantes das marcas Top Solid, Polimod, +GF+, Casafer, Villares Metais e Produttare. As inscrições gratuitas podem ser feitas diretamente em http://www.enafer.com.br/workshops-tecnicos/.

A programação do 11º ENAFER terá início na quinta à noite, 17 de maio, com jantar de confraternização. Na sexta-feira, a abertura oficial está programada para 9h, com manifestações de Jaime Lorandi, presidente do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho, e de Christian Dihlmann, da ABINFER.

A programação contempla quatro palestras, duas mesas redondas, assembléia geral da ABINFER, almoço e intervalos para relacionamento. Todas as atividades serão concentradas no UCS Teatro, no Bloco M da Universidade de Caxias do Sul. As inscrições gratuitas podem ser feitas em http://www.enafer.com.br, onde também está disponível toda a programação.

Fonte: Assessoria de Imprensa: Abinfer

Curta nossa página no

Câmara de Comércio Brasil-Alemanha realiza evento em São Paulo sobre o potencial de diversificação e inovação da indústria química

20/03/2018

Diversificação e inovação podem impulsionar exportações da indústria química brasileira

Nesta sexta, 23 de março, representantes da Associação Alemã de Tecnologia Química e Biotecnologia estarão em São Paulo para falar sobre diversificação e inovação e divulgar a maior feira do setor, que se realiza em Frankfurt em junho.

A Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha realiza encontro para discutir o tema “A indústria química e seu potencial de diversificação e inovação” nesta sexta-feira, 23 de março, das 9h30 ao meio-dia, em sua sede (rua Verbo Divino 1488, 3º andar, Chácara Santo Antônio, São Paulo).

Representantes da Associação Brasileira da Indústria Química (ABIQUIM) e da Associação Alemã de Tecnologia Química e Biotecnologia (DECHEMA) discutirão as tendências do setor e a importância de aprimoramento tecnológico, com foco na diversificação e inovação para exportação. A vinda de representantes da instituição alemã ao Brasil se justifica pelo fato da indústria química do Brasil ocupar, hoje, a oitava posição no mundo, com faturamento anual próximo a US$ 12 bilhões. A BASF também apresenta seu case de eficiência energética no encontro.

Por fim, será divulgada a feira ACHEMA, principal evento mundial voltado para tecnologias para a indústria química, que ocorre a cada três anos em Frankfurt, promovida pela Associação Alemã de Tecnologia Química e Biotecnologia. Neste ano, ela se realiza de 11 a 15 de junho e, no Brasil, é oficialmente representada pela Câmara Brasil-Alemanha no Rio Grande do Sul (51 3222-5766 – larissa.behling@ahkrs.com.br), que também organiza grupos para visitá-la.

Programação e inscrições pelo https://www.sympla.com.br/achema—a-industria-quimica-e-seu-potencial-de-diversificacao-e-inovacao__252921. A participação é gratuita.

Curta nossa página no

Tendências do mercado e linhas de crédito são apresentadas em seminário para a indústria plástica do Rio de Janeiro

30/11/2017

Seminário é um desdobramento do planejamento estratégico setorial do setor com destaque para design, inovação e sustentabilidade

Empresários e profissionais do setor plástico ampliaram seus conhecimentos sobre linhas de crédito, design, inovação, sustentabilidade e tendências que impactam as relações de consumo. O conteúdo foi apresentado no Seminário Setorial de Plástico, promovido pelo Sistema FIRJAN, no Rio de Janeiro.

Vinicius Martini, representante do Grupo Martiplast, fabricante de utilidades domésticas em Caxias do Sul (RS), mostrou como o design possibilitou o crescimento da empresa. Conhecer amplamente o mercado – clientes, concorrentes, fornecedores e exemplos internacionais – foi o ponto de partida, segundo Martini.

“Esse conhecimento possibilita entender o cenário, as novas tendências de consumo e comportamento e as demandas das novas gerações. Procurar referências em setores semelhantes se torna um diferencial. No nosso caso, olhar para os segmentos moveleiros e de alimentos foi essencial”, apontou.

O empresário gaúcho também destacou o processo de criação colaborativa junto aos clientes, possibilitando o desenvolvimento de novos produtos: “Além disso, é preciso entender que design não é apenas estética, tem a ver com a experiência do consumidor e a funcionalidade”.

Planejamento

Vice-presidente do Simperj, Marcelo Oazen explicou que o seminário, que ocorreu no último dia 22, é um desdobramento do planejamento estratégico setorial, desenvolvido este ano pela Federação em conjunto com o Sindicato da Indústria de Material Plástico do Estado do Rio de Janeiro (Simperj) e empresas do setor.

Ele comentou sobre as ações desenvolvidas pelo sindicato, entre elas uma maior aproximação com as escolas do setor de Plástico do SENAI, em Duque de Caxias e Três Rios, e a constante participação em feiras nacionais. Já o presidente do sindicato, José da Rocha Pinto, destacou que “a parceria com a FIRJAN tem papel de destaque no fortalecimento do setor e do sindicato”.

Os empresários também conheceram as oportunidades para inovação do Parque Tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). José Caros Pinto, diretor executivo do Parque, convidou os participantes a conhecerem o local e o trabalho desenvolvido. “Já temos 72 empresas instaladas, sendo 55 de pequeno ou médio porte. Nosso objetivo é ajudar a transferir os conhecimentos da produção científica da academia para a indústria, de modo a desenvolver o estado do Rio e o país”, destacou o diretor.

Sustentabilidade e tendências

Presidente da Plastivida, Miguel Bahiense detalhou como consumir e descartar corretamente produtos plásticos. Para ele, é necessário saber como se relacionar com os produtos ao fim de sua vida útil: “Descartar de modo irresponsável é o que causa uma fama equivocada do setor”.

Já Carol Fernandes, especialista do Sistema FIRJAN, apresentou as macrotendências que refletem as novas relações de consumo e impactam no setor. Para ela, é preciso estar atento a essas tendências para enxergar novas oportunidades de negócios ou produtos.

Acesso a crédito

Gerente da FIRJAN Internacional, Pedro Spadale apresentou aos empresários o Núcleo de Acesso ao Crédito (NAC). “A iniciativa é um programa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) adotado recentemente pela Federação e consiste na oferta de serviços padronizados de orientação, capacitação, assessoria e consultoria ao crédito, com objetivo de aproximar demanda e oferta do recurso”, esclareceu Spadale, que também é o responsável pelo Núcleo na FIRJAN. Na ocasião, representantes da Caixa Econômica Federal, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Agência Estadual de Fomento do Rio de Janeiro (AgeRio) apresentaram suas linhas de créditos aos empresários fluminenses.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Firjan; Foto: Vinícius Magalhães

Curta nossa página no

PICPlast realiza seminário sobre novas tecnologias de acabamento em peças injetadas

22/11/2017

O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast), realiza no dia 23 de novembro, em São Paulo, um seminário destinado a quem atua no segmento plástico e nas áreas de decoração. O objetivo é apresentar novas tecnologias para a pintura e acabamento de peças plásticas injetadas.

Durante o encontro serão apresentadas palestras sobre tecnologias de decoração de peças plásticas injetadas; tendências em masterbatches para peças plásticas; pintura em peças plásticas injetadas e tendências em acabamento.

As vagas são limitadas e os interessados devem efetuar a inscrição até 21 de novembro pelo telefone (11) 5632-3138 ou pelo e-mail seminariopicplastpp@teleeventos.com.br.

Serviço:
Seminário PICPlast novas tecnologias de acabamento em peças injetadas
Dia: 23 de novembro
Horário: Das 8h às 12 horas
Local: Hotel Transamérica, Alameda Santos, 981, Jardim Paulista, São Paulo

Fonte: Assessoria de Imprensa – Picplast

Curta nossa página no

Inovação e fomento para a indústria do setor de plástico foram temas de seminário na Firjan

22/11/2017

Debate realizado hoje (22/11) abordou temas como tendências de consumo, sustentabilidade e linhas de crédito para o setor industrial

Inovação, design, sustentabilidade e tendências que podem impactar as relações entre o consumidor e a indústria do setor de plástico foram temas do debate promovido pelo Sistema Firjan, hoje à tarde. Voltado para empresários e profissionais que atuam no segmento, o seminário teve a participação de José Carlos Pinto, diretor executivo do Parque Tecnológico da UFRJ, que falou sobre a importância da inovação e do empreendedorismo para o país: “Como promover o encontro entre o conhecimento gerado na academia, nas universidades e as necessidades reais das pessoas”.

Além dele, a especialista da Firjan ,Carol Fernandes, apresentou a palestra “De olho no mercado – tendências que irão impactar as relações de consumo”. Já o empresário Vinicius Martini, da <OU>, falou sobre como as empresas apostam no design como ferramenta para inovar; e Miguel Bahiense, da Plastivida, abordou o tema da importância do plástico para a sociedade, na palestra “Plástico e Sustentabilidade”.

Representantes do BNDES, Caixa e da AgeRio apresentaram as linhas de crédito e fomento para as indústrias do setor de plástico.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Firjan

Curta nossa página no

Almaco participa de seminário sobre logística reversa organizado pela FIEP

19/10/2017

Gilmar Lima (foto), presidente da Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (Almaco), apresentou palestra no 1º Seminário Paranaense de Logística Reversa, evento que a Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP) promoveu no dia 18, em Curitiba.

Intitulado “A realidade e desafios da logística reversa dos compósitos”, o trabalho de Lima baseia-se na experiência do programa de logística reversa pós-consumo de peças de compósitos criado pela Almaco. Em operação há cerca de um ano na cidade de Curitiba, a iniciativa contempla inicialmente a logística reversa de componentes de ônibus, como tetos, grades e para-choques.

“Ainda que vigore por enquanto apenas no Paraná, a logística reversa é um caminho sem volta para as empresas do setor brasileiro de materiais compósitos. E sempre vale a pena lembrar que as multas aos que não aderirem são bem pesadas”, comenta Lima.

O programa de logística reversa elaborado pela Almaco conta com o apoio da consultoria Masimon e de dez empresas da cadeia produtiva de compósitos: Ashland, CPIC, Jushi, Marcopolo, Mascarello, Morquímica, Neobus, Owens Corning, Reichhold e Tecnofibras. Também colaboram com o projeto a Associação Nacional dos Fabricantes de Ônibus (FABUS) e o Sindicato Interestadual da Indústria de Materiais e Equipamentos Ferroviários e Rodoviários (SIMEFRE).

Resultantes da combinação entre polímeros e reforços – por exemplo, fibras de vidro –, os compósitos são conhecidos pelos elevados índices de resistência mecânica e química. Há mais de 50 mil aplicações catalogadas em todo o mundo, de caixas d’água, tubos e pás eólicas a peças de barcos, trens e aviões.

Fundada em 1981, a Almaco tem como missão representar, promover e fortalecer o desenvolvimento sustentável do mercado de compósitos. Com administração central no Brasil e sedes regionais no Chile, Argentina e Colômbia, a Almaco tem cerca de 400 associados (empresas, entidades e estudantes) e mantém, em conjunto com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), o Centro de Tecnologia em Compósitos (CETECOM), o maior do gênero na América Latina.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Almaco

Curta nossa página no

Simplas promoverá apresentação sobre Indústria 4.0 durante a próxima reunião-jantar

05/10/2017

Diretor Regional do Senai-SC, Jefferson de Oliveira Gomes, abordará o tema segunda-feira (9), às 20h, na CIC de Caxias do Sul (RS)

Vislumbra-se que em 2020 haverá profissões que ainda não existem e que substituirão outras que acabaram de surgir; a educação precisará ser reformulada para a solução de problemas; e o desenvolvimento dos negócios no Brasil precisará de uma completa reformulação.

Tal cenário será explorado durante a palestra “Indústria 4.0” que o diretor regional do Senai de Santa Catarina, Jefferson de Oliveira Gomes, traz para a Reunião-Jantar do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás) na segunda-feira (9), a partir das 20h. O evento será na Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC) de Caxias do Sul (RS). Mais informações e consulta para adesões podem ser feitos pelo telefone (54) 3013.8484 ou e-mail vanessa@simplas.com.br.

Engenheiro mecânico com graduação e mestrado pela UFSC e professor da divisão de engenharia mecânica-aeronáutica do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Gomes deixou a gerência executiva de tecnologia e inovação do Senai nacional, em Brasília, para assumir o comando da regional catarinense, em Florianópolis, há dois anos.

“Nos acostumamos com uma indústria em que a gente trabalha com máquina. Só que agora chegamos num momento em que a máquina trabalha com a gente. É uma lógica um pouco diferente”, comenta Gomes. Segundo o palestrante, a dificuldade de acesso à infraestrutura e o labirinto regulatório tem sido os maiores entraves para o desenvolvimento da indústria 4.0 no Brasil. Por outro lado, existe grande oportunidade para novidades germinadas em parques tecnológicos.

“Os americanos dizem que estamos saindo da era em que produzimos para o cliente e estamos chegando na era em que o cliente nos produz. É a era da customização em massa. O cliente me diz o quê e como quer. Por meio de sensores, estas informações são transmitidas diretamente à fábrica, a partir do produto. Primeiro, tínhamos as máquinas comunicando-se entre si. Agora, temos plantas industriais inteiras interligadas, recebendo e transmitindo informações e trabalhando com robótica inteligente”, comentou.

Neste sentido, afirma Gomes, há uma necessidade premente de se reformular o paradigma da educação no Brasil. Segundo ele, hoje o Brasil tem 27 milhões de estudantes que serão formados sem uma especialização técnica. Apenas 6% dos jovens brasileiros concluem o ensino médio com alguma formação técnica. Na Alemanha, o índice gira em torno dos 56%. E na Suécia, supera os 70%.

Dados do Fórum Econômico Mundial citados por Gomes revelam que, dos 3 bilhões de trabalhadores com algum tipo de vínculo empregatício no mundo, 1 bilhão exercem profissões que não existiam cinco anos atrás. E das profissões que surgirão nos próximos oito anos, 65% ainda são desconhecidas.

“Ninguém sabe dizer com certeza o que vai acontecer. Mas o que se sabe é que a educação terá de ser baseada em problemas. As pessoas terão que trabalhar mais em conjunto. Será preciso entender de engenharia e de psicologia. A indústria moderna é feita por gente que pensa e trabalha”, concluiu.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Simplas

Curta nossa página no

Grupo Solvay mostra benefícios de polímeros especiais e sílica de alto desempenho em aplicações industriais em palestras no SENAI-RS

28/09/2017

Polímeros de alto desempenho para aplicações na área de Saúde e sílicas de alto desempenho para a produção de pneus que economizam energia serão temas de apresentações especiais da Solvay no 22º Seminário de Atualidades Tecnológicas, que será realizado em São Leopoldo (RS), nesta quinta-feira, dia 28/09, no Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros, em São Leopoldo – RS.

Guilherme Brunetto, Especialista da Solvay Sílica na América Latina, mostrará os avanços da empresa na área de sílicas de alto desempenho empregadas pelos clientes na produção dos chamados “pneus verdes”, de maior eficiência energética e que contribuem para a redução do consumo de combustíveis e, consequentemente, da emissão de CO2. Dados da empresa atestam que o uso desse tipo de pneu proporciona redução de até 7% no consumo de combustível. A Solvay Sílica é pioneira no Brasil na produção da sílica de alto desempenho, em sua unidade industrial de Paulínia – SP, atendendo às principais montadoras de pneus instaladas no País.

Por sua vez, Mônica Martins, Gerente do Mercado Healthcare para a América do Sul da Solvay Specialty Polymers, vai falar sobre os benefícios do uso de polímeros especiais na área da saúde, aplicação que vem crescendo continuamente, principalmente na substituição de materiais tradicionais, como metais. Esta tendência é atribuída ao alto desempenho dos novos polímeros que, além de apresentar propriedades mecânicas, térmicas e químicas excepcionais, também são mais leves, oferecem maior flexibilidade no design e são de fácil fabricação. Com um amplo portfólio de polímeros de alta performance, contando com mais de 35 marcas em mais de 1.500 formulações, a Solvay está posicionada como um fornecedor estratégico no mercado global médico. Na área de saúde, esses polímeros são usados nos mercados de ortopedia, cardiovascular, renal e odontológico, entre outros.

  • Serviço: Solvay no 22º Seminário de Atualidades Tecnológicas
  • Dia 28 de setembro – Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros
  • Rua Presidente João Goulart, nº 682 – Bairro Morro do Espelho, São Leopoldo – RS
  • Apresentação técnica: às 14h00 – Auditório 1 – Guilherme Brunetto – Soluções Solva Sílica para Pneus de Transporte com Eficiência Energética
  • Apresentação técnica: às 14h40 – Auditório 2 – Mônica Martins – Polímeros de Alta Performance para a Área da Saúde

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no