Archive for the ‘SAN’ Category

Ineos Styrolution planeja nova fábrica para produção do compósito Stylight

13/05/2019

  • StyLight® é a linha de produtos termoplásticos estéticos da Ineos Styrolution
  • Demanda das indústrias automotiva, eletrônica e de esportes é decisiva para o investimento na nova planta de produção

A Ineos Styrolution, líder global em estireno, anunciou em 22 de abril passado que planeja construir uma nova planta para o compósito StyLight®. O estabelecimento da nova linha de produção reflete o crescente aumento da demanda dos clientes, afirma a Ineos Styrolution.

Desde seu lançamento durante a feira K 2016, em Düsseldorf, o StyLight tem recebido a atenção de designers das indústrias automotiva, eletrônica e esportiva de todo o mundo. Segundo o fabricante, o compósito baseado em estireno acrilonitrilo (SAN) e fibra de carbono/vidro, fabricado por compressão, oferece uma combinação que une rigidez estrutural, estética, processabilidade, estabilidade dimensional e qualidade de superfície próxima da “Classe A”. O portfólio da linha foi recentemente expandido para incluir o StyLight baseado em polipropileno (PP).

As parcerias iniciais de desenvolvimento com os institutos alemães de pesquisa NMF (Neue Materialien Fürth GmbH) e NMB (Neue Materialien Bayreuth GmbH) foram fundamentais para otimizar as propriedades e o processamento do produto. Outras parcerias, com as empresas Roctool e, mais recentemente, com a ARRK Shapers levaram à validação do StyLight, cumprindo com as especificações para os interiores dos veículos dos principais fabricantes de automóveis.

Apesar de a Ineos Styrolution priorizar uma locação na Alemanha, o local específico para a nova planta de produção ainda está para ser definido. A nova fábrica está planejada para iniciar o funcionamento em 2022.

“Desde a introdução do StyLight, nós dedicamos recursos significativos para otimizar a qualidade do material e os parâmetros de processamento do produto. Tendo seguido o desenvolvimento de StyLight desde o início, estou entusiasmado para ver a reação dos clientes e estou ansioso por este próximo passo “, explica Pierre Juan, Vice-presidente de Negócios Futuros e Inovação.

“A decisão de construir uma linha de produção para o StyLight é parte de um programa maior de investimentos da Ineos Styrolution “, acrescenta Kevin McQuade, CEO da companhia. “Atividades recentes como a aquisição de novos ativos de poliestireno na China, a construção de um nova planta de ASA com 100.000 toneladas em Bayport, Texas, e o desenvolvimento de uma nova linha de produção de ABS de 50.000 toneladas em Wingles, na França, demonstra nosso compromisso contínuo como os principais fornecedores globais de estirênicos. Este investimento é, no entanto, grandioso, pois produzirá um novo tipo de material inventado pela Ineos Styrolution e oferece aos nossos clientes uma alta performance e soluções práticas”.

A Ineos Styrolution atua no fornecimento de estirênicos, com foco em monômero de estireno, poliestireno, ABS Standard e especialidades de estireno. Com plantas de produção contando com mais de 85 anos de experiência, a Ineos Styrolution fornece aplicações em estireno para muitos produtos do dia-a-dia em um vasto leque de indústrias, que incluem automotiva, eletrônica, linha branca, construção, médica, brinquedos/esportiva/de lazer e de embalagens. Em 2018, as vendas foram de 5,4 bilhões de euros. A Ineos Styrolution emprega aproximadamente 3.500 colaboradores e opera 20 plantas em dez países.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Ineos Styrolution

Curta nossa página no

Anúncios

Braskem e Styrolution planejam joint-venture para produção de ABS e SAN no Brasil

21/10/2013
  • A nova joint venture seria o único produtor de especialidades ABS e SAN na América do Sul.
  • A se confirmar o projeto, a fábrica, com capacidade para produzir 100 mil toneladas anuais, oferecerá aos clientes de vários segmentos em crescimento garantia de abastecimento e serviços locais.

A Braskem, maior produtora de resinas termoplásticas nas Américas, e a Styrolution, líder global no segmento de estirênicos, anunciaram hoje a assinatura de  um memorando de entendimento (MOU) para avaliar a formação de uma joint venture no Brasil. Será analisada a viabilidade econômica de implementação de uma planta, com capacidade de produção de 100 mil toneladas por ano, capaz de fornecer especialidades estirênicas e copolímeros de acrilonitrila butadieno estireno (ABS) e estireno-acrilonitrila (SAN) para clientes no Brasil e em toda a América do Sul.

Nos últimos anos, o Brasil observou um forte crescimento dos setores de eletrodomésticos e automotivos, ambos clientes-chave para as especialidades estirênicas que a joint venture deverá produzir. Tradicionalmente, ABS e SAN têm sido importados para a região por fornecedoras de estirênicos, como a Styrolution. A nova empresa entre Braskem e Styrolution deve buscar aproveitar essa dinâmica de mercado favorável para criar um produtor local que deve oferecer aos clientes atendimento e maior segurança no fornecimento.

A Styrolution deve contribuir com sua expertise no desenvolvimento e produção de estirênicos, com o maior portfólio de produtos dessa indústria, com licenciamento de tecnologia e com os seus negócios já existentes na região. A Braskem, por sua vez, como uma das principais empresas petroquímicas da região, deverá prover infraestrutura da cadeia de fornecimento e o local para a planta.

A consumação da joint venture está sujeita a aprovações regulatórias e concorrenciais. Planeja-se que Styrolution seja o acionista majoritário com 70% da companhia e a Braskem deve deter os 30% remanescentes. Sujeita a conclusão de um acordo entre as partes e que as respectivas aprovações sejam obtidas, o início da construção da planta deve ser esperado para o começo de 2015 com a produção provavelmente em 2017.

“A Styrolution divulgou recentemente uma nova estratégia que requer mudanças em três áreas do negócio: expansão da presença em mercados em desenvolvimento, crescimento do negócio de estirênicos especiais e foco em setores de alto crescimento”, disse Roberto Gualdoni, CEO da Styrolution. “Para a Styrolution, a proposta da joint venture reúne as três iniciativas e estamos satisfeitos em realizar essa parceria com a Braskem para explorar as oportunidades que a associação poderá nos trazer”.

“Essa parceria representa um passo importante no fortalecimento da indústria petroquímica no Brasil. Ela contribuirá ainda para o desenvolvimento de oportunidades de negócios domésticos em áreas como ABS, na qual o país depende hoje de importações, atraindo novos investimentos para as cadeias de materiais derivadas”, afirma Carlos Fadigas, CEO da Braskem. “Com base na experiência da Styrolution em estirênicos especiais, esperamos chegar à melhor solução para viabilização deste importante projeto.”

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Styrolution apresenta resina SAN de alto brilho para a indústria automotiva

09/12/2011

• Grade Luran HH 120 SAN substituirá o PMMA para o exterior de veículos da Skoda

A Styrolution, joint venture estabelecida entre a BASF e a INEOS e líder global no segmento de estirênicos, anuncia que o Luran® HH 120, uma resina plástica estirênica, será agora utilizado pela indústria automobilística Skoda no exterior dos veículos. Esse material é um copolímero de estireno-acrilonitrila modificado, que combina vantagens do material tradicional com temperatura melhorada e resistência a intempéries.

A Dura Automotive Systems, uma filial alemã da fornecedora automobilística americana de mesmo nome, também é parceira no desenvolvimento do material. A empresa fabrica os pilares A-, B- e C- e recentemente começou a utilizar o Luran® HH 120 para a produção em série do pilar B- do automóvel Skoda Superb. Em comparação ao PMMA, plástico utilizado até então, a vantagem do plástico da Styrolution é a alta capacidade de desvio do calor. O alto brilho e transparência do material permitem que ele seja tingido no estilo chamado “piano black”, refletindo um tom preto cintilante.

O plástico amorfo era até então desconhecido no setor automotivo. Além da alta temperatura de deflexão de calor e resistência aos raios UV, o material também é duro e resistente a produtos químicos e arranhões. O Luran® HH 120 serve para aplicações em veículos, tais como componentes decorativos (no exterior) e quadros e espelhos de rádio (no interior).

Sobre a Styrolution

Styrolution é a empresa líder mundial no fornecimento de derivados estirênicos.  Sua produção tem foco em monômeros de estireno, poliestireno, copolímeros e ABS. Como joint venture entre a BASF e a INEOS, Styrolution combina os ativos de estirênicos de duas das maiores empresas químicas do mundo – com mais de 70 anos de experiência, competências complementares e excelentes portfólios.

Fonte: BASF

Venda de Plásticos de Engenharia cresce no País.

30/08/2011

Pesquisa promovida pela ADIRPLAST revela que a comercialização no Brasil dos plásticos de engenharia deve chegar a 35 mil toneladas neste ano

O consumo de plásticos de engenharia no Brasil cresceu em 2010. Segundo levantamento promovido pela ADIRPLAST – Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas – e realizado Maxiquim Consultoria, o faturamento dos distribuidores ligados à entidade com o segmento de especialidades cresceu 1,5% no ano passado. Foi de 7,4% para 8,9% da participação no montante faturado pelas empresas.

Em relação ao volume de vendas, a pesquisa apontou que os plásticos de engenharia, também conhecidos por especialidades, tiveram, em 2010, 6,3% de participação na cadeia de distribuição de resinas.

E a boa fase dos plásticos de engenharia no mercado nacional deve se repetir neste ano. Levantamento que considera o primeiro trimestre deste ano, feito entre as empresas associadas à entidade, mostra que as especialidades foram responsáveis por mais de 10% do faturamento dos distribuidores, contra apenas 8,3% no mesmo período do ano passado. E a expectativa da ADIRPLAST é que esse mercado ainda cresça 28% neste ano, chegando a 35 mil toneladas comercializadas.

Entre os plásticos de engenharia, os que mais se destacam hoje no mercado brasileiro são ABS e San, Eva, Poliacetal e Poliamida, entre outros.

Para Laércio Gonçalves, presidente da ADIRPLAST, o avanço nas vendas dos plásticos de especialidades no mercado nacional reflete a boa fase pela qual passa o país e principalmente os segmentos industriais que mais fazem uso dessas matérias-primas: “A maior qualificação da indústria nacional e aumento de consumo da população são alguns dos motivos pelos quais vemos o mercado de plásticos de engenharia crescendo a cada ano. Segmentos ligados aos mercados automobilístico, médico-hospitalar, alimentício ou de higiene pessoal, além dos mercados de produtos mais sustentáveis, de eletro-eletrônico e de construção, são alguns dos consumidores desse tipo de material”.

Novidades, tecnologia e variedade
Diversas resinas compõem o segmento de plásticos de engenharia. Elas apresentam propriedades diferenciadas em relação às resinas commodities, como o polietileno (PE), o polipropileno (PP), o poliestireno (PS) e o PVC.

Pelas suas propriedades mecânicas, térmicas e óticas, os plásticos de engenharia são usados em aplicações de alta tecnologia. No setor automotivo, por exemplo, elas vêm sendo utilizadas cada vez mais, inclusive como substitutas de metais como o aço e o alumínio. Essa substituição tem ajudado a diminuir o peso dos veículos e, consequentemente, a reduzir o consumo de combustíveis e a emissão de gases nocivos à saúde.

Entre os principais plásticos de engenharia oferecidos hoje pelos distribuidores ligados à ADIRPLAST destacam-se as diferentes variedades de ABS (Acrilonitrila Butadieno-Estireno), SAN (Copolímero Estireno-Acrilonitrila), compostos de PP e PE, MABS (resinas mistas), ASA (Acrilonitrila Es tireno-Acrilato), PA (Poliamida), PBT (Polibutileno Tereftalato), POM (Poliacetal), PMMA (Polimetacrilato de Metila) e PPA (Poliftalamida), entre inúmeros outros tipos.

Atualmente as principais novidades deste segmento ficam por conta das resinas modificadas e blendas, algumas formuladas com materiais de alto apelo tecnológico e até sustentável. O material tem sido mais usado pelas empresas que trabalham mais fortemente o apelo de sustentabilidade de seus produtos e marcas.

Destaque também para algumas resinas mais específicas, usadas principalmente pela indústria médico-hospitalar, assim como para a copoliéster, que confecciona produtos de alta resistência, tanto ao impacto como a altas temperaturas, suportando acima dos 100°C. O material ainda oferece resistência química aos produtos e uma transparência similar a do vidro, entre outras propriedades marcantes. Sem contar que o componente é livre de substâncias restritas e, por isso, aprovado pelos mais respeitados ór gãos de regulamentação de materiais de destinação a contato humano. Hoje os principais mercados consumidores deste produto têm sido os fabricantes de embalagens de cosméticos e utilidades domésticas.

Já para os mercados de construção e design, a tecnologia fica por conta da resina ABS/PMMA. O material oferece alta resistência a impactos, a tração e a altas temperaturas. Fácil de moldar e altamente resistente à exposição ao tempo e a produtos químicos, esse plásticos tem sido usado na fabricação de sanitários de ônibus, cubas de banheiro e até banheiras de hidromassagem.

Fonte: Adirplast / Baião de 3

 

Comissão Europeia aprova a formação da joint venture Styrolution entre a BASF e a INEOS, que atuará no setor de derivados estirênicos.

02/06/2011

A Comissão Europeia aprovou hoje a formação da joint venture Styrolution. A BASF SE, com sede em Ludwigshafen, na Alemanha, e a INEOS Industries Holdings Limited, com sede em Lyndhurst, no Reino Unido, têm agora a aprovação da Europa para unir globalmente na nova empresa Styrolution suas atividades relacionadas a monômeros de estireno (SM), poliestireno (PS), acrilonitrila butadieno estireno (ABS), copolímeros de estireno-butadieno (SBC) e outros copolímeros à base de estireno (SAN, AMSAN, ASA, MABS), bem como blendas de copolímeros.

As vendas pró-forma dos negócios combinados foram de 6,4 bilhões de Euros em 2010. As atividades de poliestireno expansível (EPS) não fazem parte desta transação; a BASF e a INEOS irão continuar com os respectivos negócios. Com a Styrolution, a BASF e a INEOS irão formar a empresa líder global no mercado de estirênicos. A Styrolution tem uma posição global excelente, com unidades na Europa, Ásia e América do Norte. A Comissão Europeia aprovou a formação da joint venture com a condição de que as partes vendam a unidade produtiva de ABS em Terragona, na Espanha. Esta unidade é responsável por menos de 3% do EBITDA pró-forma da Styrolution no ano de 2010.

A formação da joint venture já foi aprovada pela Comissão dos EUA sem nenhuma condição. A BASF e a INEOS vão continuar operando como empresas independentes até que o acordo se complete, o que é esperado para 2011, o que ainda depende das aprovações das autoridades antitruste de outros países. Estirênicos são usados principalmente em produtos para casa e escritório, para aparelhos elétricos e de comunicação, além de embalagens. Os copolímeros à base de estireno são resinas termoplásticas de monômero de estireno e acrilonitrila. Estes são usados principalmente nas indústrias automotiva e tecnológica, bem como em produtos utilizados no dia a dia.

Fonte: BASF

Uniplen divulga produtos durante Interplast 2010

25/08/2010

A Uniplen, empresa do Grupo Unicoba, que atua com distribuição de resinas termoplásticas e na fabricação de Plásticos de Engenharia no mercado tecnológico há mais de 10 anos, firma ainda mais sua posição de destaque no mercado ao participar da Interplast 2010- Feira e Congresso Nacional de Integração da Tecnologia do Plástico, que acontece entre os dias 23 a 27 de agosto no Expoville, em Joinville, Santa Catarina. Com o objetivo de manter relacionamentos, conhecer novos parceiros e fazer negócios, a empresa disponibiliza ao visitante, em seu estande, um contato direto com o que há de mais avançado na tecnologia de transformação de plásticos. Durante o evento, a Uniplen/Unicoba apresenta diversos produtos como o Laston – PP elastomérico, um PP com propriedades elastoméricas para aplicações diversas, e o Tarrasc – PC Poliéster, uma blenda que une as propriedades do PC ao Poliéster trazendo alta resistência química e temperatura. Além disso, a empresa apresentará produtos plásticos de engenharia como o ABS (Acrilonitrila – Butadieno – Estireno) de alta temperatura, alto impacto, anti-chama, transparente e cromação. A inovação são as versões sem brilho muito utilizados na indústria automotiva, e com altíssimo brilho usado na fabricação de televisores de LCD e gabinetes de computador. Outros produtos integram o estande da empresa, como as resinas SAN, utilizadas na fabricação de copos de liquidificadores, partes internas de refrigeradores e baterias; o PC, um dos plásticos de engenharia utilizados na fabricação de chapas, mídias de CDS e DVDs, além de faróis de carros; o PC/ABS, uma blenda que agrega qualidades térmicas, brilho e impacto do PC, que aliados ao fácil processamento e menor custo do ABS, são muito utilizados na indústria automotiva e eletroeletrônica. Já o PP é utilizado em embalagens flexíveis, recipientes para cosméticos, indústria alimentícia e utilidades domésticas, devido seu baixo custo. Para finalizar a apresentação, a POM é usada em engrenagens, aerosóis, isqueiros, canetas e peças automotivas, devido sua alta resistência ao desgaste. Atualmente, a empresa é distribuidora da Samsung, na área de resinas ABS, matéria-prima utilizada para a fabricação de bens duráveis como TV de Plasma e batedeiras; e resinas SAN, utilizadas na fabricação de peças plásticas transparentes, como copos para liquidificadores, entre outros produtos.