Archive for the ‘Poliuretano’ Category

Covestro investirá 1,5 bilhão de euros em nova fábrica de MDI de escala mundial no Texas (EUA)

19/10/2018

  • Expansão da capacidade global
  • Mercado de MDI altamente atrativo com perspectivas de crescimento em longo prazo
  • Nova fábrica de MDI com capacidade de 500 ktons para atender à demanda e acompanhar o crescimento da indústria
  • Capacidade de MDI da região do NAFTA irá atingir 740 ktons por ano até o final de 2024
  • Ampliação da posição de liderança regional e global em MDI da Covestro

A Covestro acelera suas atividades de investimento para capitalizar o forte crescimento do mercado de MDI. O Conselho de Supervisão da Covestro aprovou em 11 de outubro um investimento de cerca de 1,5 bilhão de euros para construir uma nova fábrica de MDI de escala mundial em Baytown, EUA. Esse investimento na fábrica existente em Baytown é o maior investimento único da história da empresa. A capacidade total do novo sistema será de 500 ktons de MDI por ano e a produção está prevista para começar em 2024. Paralelamente, uma unidade de MDI mais antiga e menos eficiente, com capacidade de produção de 90 quilotoneladas, será fechada. Assim, a capacidade total de MDI da Covestro na região do NAFTA atingirá cerca de 740 quilotoneladas por ano, tornando a Covestro líder em capacidade da indústria na região até 2024. Com isso, a Covestro também enfatizará firmemente sua posição global de liderança em capacidade da indústria.

“A demanda por materiais inovadores de MDI continuará crescendo no futuro previsível e, da mesma forma, promete taxas atrativas de utilização de capacidade. Já anunciamos um aumento significativo nos gastos de capital e agora é hora de colocá-lo em ação”, disse o CEO Dr. Markus Steilemann. “Com o novo sistema de MDI em Baytown, fortaleceremos ainda mais nossa posição de liderança global em Poliuretanos, atenderemos ainda melhor nossos clientes e criaremos valor em longo prazo para os acionistas”.

Mercado de MDI com perspectivas atraentes

Estima-se que o mercado global de MDI cresça cerca de 5% ao ano em longo prazo, superando o Produto Interno Bruto (PIB) mundial em cerca de 2 pontos percentuais. Os principais fatores determinantes do mercado de MDI incluem a substituição de materiais de menor desempenho e menos sustentáveis, bem como megatendências globais, como a crescente demanda por soluções de isolamento com eficiência energética. O MDI é um precursor da espuma rígida, que é um excelente material de isolamento e é usado, por exemplo, em edifícios e refrigeradores. O crescimento esperado da demanda global por MDI se traduz na necessidade de aproximadamente uma fábrica adicional de escala mundial por ano.

Embora a Covestro já esteja dobrando sua capacidade de produção de MDI em Brunsbuettel (Alemanha) de 200 para 400 ktons por ano no segundo semestre de 2019, o forte crescimento da demanda cria novas oportunidades de mercado significativas. Portanto, os investimentos – que fazem parte do investimento já anunciado de até 1,2 bilhão de euros por ano nos próximos três anos – ajudarão a Covestro a manter e fortalecer sua posição de liderança e apoiar um crescimento mais lucrativo.

Complementando o anúncio divulgado pela Covestro globalmente, Fernando d’Andrea, Head para Negócios de Poliuretanos para a América Latina e CEO da Covestro Polímeros, confirma que os investimentos têm impacto bastante positivo na região – que se beneficiará desta nova capacidade instalada – e permitirão que a empresa ainda forneça quantidades adicionais para clientes globais e regionais que utilizam esta matéria-prima. “O mercado de MDI tem demanda crescente, algo que também ocorre em nossa região”, conclui o executivo.

Abordagem de CAPEX (investimentos de capital) com boa relação custo-benefício com retorno superior sobre o investimento

O CFO da Covestro, Dr. Thomas Toepfer, explicou: “Mesmo com todos os anúncios de aumento de capacidade considerados, a oferta projetada do setor não é suficiente para equilibrar totalmente o crescimento esperado da demanda. Estamos, portanto, confiantes de que alcançaremos altas taxas de utilização de nossas novas capacidades logo após a implementação, tornando o investimento altamente eficiente. Com base na infraestrutura e nos processos existentes, será um excelente exemplo de nossa abordagem de criação de valor.”

Com seu programa global de investimentos em MDI, a Covestro segue uma abordagem de CAPEX com boa relação custo-benefício, alavancando a infraestrutura existente e as redes de fornecimento para alcançar investimentos específicos mais baixos e ROCE (Retorno sobre o Capital Investido) mais alto. O programa também inclui a continuação e a expansão das unidades de Tarragona (Espanha) e Caojing (China) da Covestro, bem como investimentos na unidade de produção da empresa em Antuérpia (Bélgica).

Baytown com condições ideais

A decisão de construir a nova fábrica de escala mundial em Baytown foi tomada após uma análise minuciosa das diferentes opções. Além da atratividade do mercado interno, as principais vantagens de Baytown são os custos, além de benefícios significativos em termos de infraestrutura e logística disponíveis. A posição de custo superior é impulsionada principalmente por economias de escala e um alto grau de integração vertical. Além disso, os baixos custos de energia e transporte devido à alta demanda interna na América do Norte se somam ao caso de Baytown. Com a nova fábrica, as futuras capacidades de MDI da Covestro na América do Norte de 740 ktons por ano até 2024 também alcançarão as futuras capacidades da empresa na Europa, Oriente Médio e África (820 quilotoneladas por ano até 2022) e na Ásia-Pacífico (670 quilotoneladas por ano até 2021).

Com vendas de 14,1 bilhões de euros em 2017, a Covestro está entre as maiores empresas de polímeros do mundo. As atividades comerciais estão focadas na fabricação de materiais poliméricos e no desenvolvimento de soluções para produtos utilizados ​​em diversas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são os setores automotivo, de construção civil, de processamento e móveis de madeira e os setores elétrico e eletrônico. Outros setores incluem esporte e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem 30 unidades de produção em todo o mundo e emprega aproximadamente 16.200 pessoas (calculadas como equivalentes em tempo integral) no final de 2017.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Anúncios

BASF amplia produção de poliuretano termoplástico expandido em Taiwan

05/10/2018

A BASF anunciou a abertura de uma nova unidade de produção do seu poliuretano termoplástico expandido (E-TPU), o Infinergy®, em sua fábrica em Taiwan (foto). O aumento da capacidade de fornecimento do material inovador vai atender à demanda crescente pela solução para diversas aplicações e indústrias. A inovação tem diversas aplicações e é largamente usada no transporte, mobiliário, construção e equipamentos esportivos.

“A unidade de produção de Changhua terá um papel crucial para nos ajudar a atender à crescente demanda por E-TPU”, afirma Jens Dierssen, diretor global Business Management Infinergy da BASF. “Com a nova unidade de produção, expandimos nosso alcance global para melhor atender aos clientes na região da Ásia-Pacífico”, afirma.

“Este investimento reflete nosso compromisso com o mercado, oferecendo produção eficiente e um processo de qualificação adequado para atender às crescentes demandas de mercado e necessidades dos clientes”, acrescenta Kin Wah Chay, diretor geral da BASF Taiwan.

A espuma de célula fechada e partícula elástica tem uma combinação única de propriedades, como alta recuperação, baixa densidade, durabilidade em uma ampla faixa de temperaturas, resistência química e baixo peso, assegura a empresa. Esta inovação tem sido largamento usada nos transportes, indústria de móveis, construção e equipamentos esportivos, tais como em um assento de bicicleta criado pela Ergon, uma empresa de inovação em ciclismo com sede em Koblenz, Alemanha.

Os assentos de bicicleta da Ergon são compostos por duas estruturas em concha que funcionam isoladamente uma da outra, em um arranjo tipo “sanduíche”. Elas são soprepostas e sustentadas em um mecanismo flutuante pelo amortecedor de elastômero de alto desempenho, fabricado com o Infinergy.

Em um veículo conceitual de três rodas, o 05GEN da Yamaha Motor Co., Ltd., o Infinergy da BASF foi usado nos pneus para melhorar a experiência geral de direção. Sua estrutura celular característica contribuiu com o design marcante do projeto

O material também tem sido adotado na construção, oferecendo uma experiência esportiva mais segura e melhor em pistas de corrida e campos, graças ao excelente efeito de amortecimento das partículas de E-TPU.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Rhodia e Top Shoes Brasil apresentam calçado conceito desenvolvido com poliamida biodegradável

28/07/2018

Um protótipo de calçado esportivo foi a novidade que a Rhodia, empresa do Grupo Solvay, apresentou no Inspiramais 2019_II (17 e 18 de julho, em São Paulo). O modelo foi desenvolvido em parceria com o estúdio Top Shoes Brasil, um dos mais renomados centros de design e inovação para o desenvolvimento de calçados.

O cabedal do calçado foi desenvolvido com uma técnica de tecelagem 3D, conhecida como Knit, um processo inovador em que a peça é tecida de forma individual e customizada. Segundo a Rhodia, o Knit oferece otimização de custos em todo o processo produtivo e redução de resíduos calçadista. A grande novidade trazida pela Rhodia para este calçado é o uso da poliamida sustentável da família Amni® Colors, fios mesclas, brancos e pretos, que, de acordo com a empresa, já nascem com uma tonalidade especial para suprimir a etapa de tingimento do tecido/malha do cabedal. Os fios Amni® Colors podem ser utilizados em sua forma natural, mesclando suas tonalidades e evitando assim o processo de tinturaria.

A combinação do Knit com os fios de poliamida sustentáveis da família Amni® Colors proporciona ao consumidor e ao mercado produtos de alto valor agregado, que aliam design, sustentabilidade, conforto, tecnologia e custo-benefício, garante a Rhodia.

A empresa afirma também que, além de garantirem a sustentabilidade do setor têxtil ao permitirem a redução do consumo de água, energia e de insumos durante o processo de fabricação da malha ou tecido do cabedal, os fios Amni® Colors oferecem conforto, respirabilidade, durabilidade e evitam o risco de manchas e a perda da intensidade da cor.

No calçado também foram utilizados a linha de costura Green Fiber® da empresa Linhasita e a palmilha e cadarço da empresa Cofratec, todos desenvolvidos a partir do Amni Soul Eco®, fio de poliamida biodegradável da Rhodia. Segundo a empresa, materiais feitos a partir do Amni Soul Eco® se biodegradam em 3 anos quando descartados em aterros sanitários, reduzindo o impacto ambiental.

Os produtos têxteis da Rhodia têm a certificação internacional Oeko-Tex (standard 100, classe 1), que atesta a sua segurança de uso para a confecção de roupas e calçados para adultos, crianças e bebês. “Cada vez mais os consumidores estão interessados em produtos que sejam amigos do meio ambiente e, ao mesmo tempo, ofereçam conforto, design e tecnologia. O nosso trabalho é traduzir esse desejo em produtos têxteis inovadores, que entreguem conforto e funcionalidade à vida das pessoas”, diz Renato Boaventura, presidente da unidade global de negócios Fibras do Grupo Solvay.

O projeto desenvolvido pelo estúdio Top Shoes Brasil inclui um solado especial em PU (poliuretano), com matéria-prima da Rhodia. “A solução que criamos para o solado atende aos requisitos desejados pelos fabricantes: mais conforto, durabilidade, flexibilidade e leveza”, diz Marlise Margaritelli, gerente de marketing de Fenol e Derivados da Solvay. Segundo Marlise, a empresa está atenta aos avanços do setor calçadista e busca desenvolver projetos com profissionais e empresas reconhecidas no setor, como a Top Shoes Brasil.

Para Gustavo Dal Pizzol, o projeto criado com a utilização dos produtos e matérias-primas da Rhodia está em linha com as tendências do setor calçadista, que valoriza os materiais com apelo tecnológico e têm pegada sustentável. “É uma satisfação criar um projeto como esse que desenvolvemos com a Rhodia, que agrega inovações sustentáveis para a indústria têxtil e o setor de componentes de calçados. Temos a certeza de que o mercado vai saber reconhecer o valor desse produto que estamos criando”, disse.

Dados divulgados pela Assintecal, associação do setor de componentes de calçados, a partir de estudos da consultoria britânica Euromonitor, mostram que a venda de calçados esportivos movimentou R$ 12,71 bilhões no País em 2017. Dentro desse mercado, o segmento de calçados de performance, que inclui tênis para corrida, futebol e academia, gerou cerca de R$ 6,80 bilhões em 2017.

Fonte: Assessoria de Imprensa -Rhodia

Curta nossa página no

Coim apresenta soluções para o mercado de embalagens na Latin Pack 2018

06/06/2018

Empresa italiana leva tintas 100% PU para o evento

Santiago do Chile foi escolhida para receber a edição 2018 da Latin Pack. O evento, que acontece pela primeira vez na cidade entre os dias 7 e 8 de junho, reúne os principais fornecedores e representantes de indústrias do setor de embalagens da América Latina.

Este ano, além de levar as tintas 100% PU para a feira, a Coim também apresentará uma palestra sobre a aplicação do produto para embalagens flexíveis. A empresa italiana, que possui mais de 50% de market share na linha de adesivos para laminação, tem investido para completar seu portfólio, oferecendo produtos que contemplem soluções para toda a cadeia produtiva, que já vem sendo atendida pelas resinas AP e adesivos da linha Novacote.

“O Brasil é um mercado muito promissor. Empresas que estão consolidadas na Europa e Ásia tentam ganhar espaço em países emergentes. A Coim sai na frente pois já possui uma unidade no Brasil e aqui produz a resina poliuretânica, base dessa nova tinta.” , explica Maurício Rufo, gerente de contas da linha.

A Latin Pack é uma vitrine para a demonstração de tecnologias e criação de tendências para as empresas do setor de embalagens. “A indústria está cada vez mais forte e apresentar a Coim, empresa que possui produção própria no Brasil e distribuição em toda a América do Sul, é de vital importância para nos consolidarmos no mercado. Nesse tipo de evento, conseguimos ainda trocar informações, prospectar novos clientes e estabelecer contatos importantes para a empresa.”, ressalta Gabriela Nobre, gerente de marketing da Coim.

A Coim (Chimica Organica Industriale Milanese) é uma empresa de origem italiana especializada em policondensação (ester), poliadição (poliuretanos) e grande fabricante de especialidades químicas. Fundada em 1962, em Milão, a empresa possui unidades fabris na Itália, Brasil, Estados Unidos, Índia e Cingapura, além dos Centros de Pesquisa na Itália, França, Inglaterra, Alemanha e Brasil.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Coim

Curta nossa página no

Lanxess aumenta a produção de pré-polímeros na unidade de Porto Feliz

17/05/2018

  • Nova planta de produção local será construída em Porto Feliz·
  • Produção local combinada com outras unidades de negócios, desenvolvimento de aplicações em laboratório e centro de serviços técnicos·
  • Lançamento no primeiro semestre de 2019

A Lanxess irá construir uma nova planta de última geração para a produção de pré-polímeros em Porto Feliz, em São Paulo. A unidade de negócios “Urethane Systems” vai investir alguns milhões de euros para expandir sua capacidade de produção de pré-polímeros, que já deve entrar em operação no primeiro semestre de 2019. A produção atual, localizada em Rio Claro, a cerca de 200 quilômetros de distância, será encerrada.

A Lanxess passa a gerenciar todo o seu negócio de poliuretanos na América do Sul a partir de Porto Feliz. “A América do Sul é um importante pilar de nossa rede global e estamos comprometidos com os mercados brasileiro e sul-americano. Nosso novo investimento nos permitirá oferecer, de forma sustentável, serviços técnicos específicos ao cliente e qualidade de produto, com fornecimento de produtos rápido e confiável ”, afirma o Dr. Markus Eckert, responsável pela unidade de negócios da Urethane Systems.

A Lanxess Urethane Systems é fornecedora de sistemas para a indústria global de Poliuretanos com expertise em elastômeros fundidos, revestimentos, adesivos e selantes. Seu portfólio inclui pré-polímeros de isocianato convencionais e LF (low free), bem como dispersões aquosas especiais de poliuretano (PUDs). A empresa também fornece catalisadores e agentes de cura para elastômeros fundidos. As tecnologias para revestimentos, adesivos e selantes são oferecidas para projetar sistemas completos de acordo com as necessidades dos clientes. Destaque para sistemas livres de solventes, livres de monômeros e sistemas bloqueados de fácil uso.

A Lanxess Urethane Systems possui plantas produtivas e centros de desenvolvimento de aplicações em todas as principais regiões econômicas do mundo, incluindo Brasil, EUA, Índia, China, Austrália, Itália e Inglaterra.

A Lanxess é uma empresa líder em especialidades químicas, com vendas de 9,7 bilhões de Euros em 2017 e cerca de 19.200 funcionários, em 25 países. Atualmente, a empresa está representada em 74 unidades de produção em todo o mundo. O core business da Lanxess é o desenvolvimento, fabricação e comercialização de intermediários químicos, aditivos, especialidades químicas e plásticos. Por meio da Arlanxeo, joint venture com a Saudi Aramco, a companhia também é uma das principais fornecedoras de borracha sintética.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Lanxess

Curta nossa página no

Covestro inaugura sua nova sede para a América Latina

17/04/2018

A fabricante de materiais Covestro está de casa nova. Inaugurado no último dia 16 de abril, o novo prédio está localizado no bairro do Socorro, em São Paulo, e abriga a sede administrativa da empresa no Brasil – servindo de hub para América Latina –, além de dois laboratórios técnicos e de aplicação de produtos das áreas de Poliuretanos e Revestimentos, Adesivos e Especialidades.

A inauguração reforça o compromisso da empresa com o mercado brasileiro e também da América Latina nas indústrias-chave em que a Covestro atua, como a automotiva, construção, móveis e colchões.

“A nova sede da Covestro reflete os valores da companhia não só em sua estética, mas também no uso proposto para os espaços”, destaca Fernando d´Andrea, CEO Covestro Latam. “Com este novo espaço estamos mais que preparados para manter o padrão de excelência no atendimento e na oferta de produtos oferecidos a nossos clientes”.

O prédio é também um importante showroom das soluções desenvolvidas com os principais parceiros da empresa na região – no espaço foram utilizadas diversas tecnologias feitas a partir de materiais da Covestro. Por exemplo, 100% dos interruptores e tomadas instalados no prédio utilizam Makrolon®, policarbonato fabricado pela Covestro, e as pinturas de áreas horizontais de alto tráfego foram feitas com poliuretanos de base água da Covestro.

Com 14,1 bilhões de euros em vendas em 2017, a Covestro é um dos maiores produtores de polímeros do mundo. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para diversos segmentos tais como o automotivo, construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem cerca de 30 unidades produtivas no mundo todo e, no final de 2017, empregava aproximadamente 16,2 mil pessoas.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Covestro mantém trajetória de crescimento rentável com ano recorde

20/02/2018

  • Vendas totais sobem 18,8% para 14,1 bilhões de euros
  • EBITDA cresce 70,6% para 3,4 bilhões de euros
  • Receita líquida mais que dobra para 2 bilhões de euros
  • Fluxo de caixa operacional livre recorde – 5 bilhões de euros até 2019
  • Dividendos propostos: 2,20 euros por ação
  • Previsão positiva para 2018

A fabricante de materiais Covestro teve um ano fiscal excepcional em 2017. Impulsionada pela alta demanda de plásticos de alto desempenho e por margens significativamente mais altas, a Covestro elevou as vendas totais em 18,8% para 14,1 bilhões de euros durante o último ano fiscal. A alta veio acompanhada de uma elevação no EBITDA do Grupo no ano todo de 70,6% para 3,4 bilhões de euros em relação ao mesmo período do ano anterior. A receita líquida mais que dobrou, de 795 milhões para 2 bilhões de euros. Como fruto desses excelentes resultados, a Covestro pretende pagar dividendos aos seus acionistas no valor de 2,20 de euros por ação (contra 1,35 de euros no ano anterior).

“Alcançamos resultados impressionantes em 2017, superando significativamente nossas metas gerais”, afirma o CEO Patrick Thomas. “Em comparação com nosso primeiro ano como empresa independente, melhoramos visivelmente mais uma vez e demonstramos que nosso sucesso é sustentável. Há uma razão simples para isso: conseguimos desvendar ainda mais o potencial da Covestro. Agora estamos em posição fortalecida para acelerar ainda mais a geração de valor.”

No ano fiscal de 2017, a Covestro obteve resultados muito fortes: os volumes totais do Grupo subiram 3,4% sobre o período do ano anterior, em meio à utilização contínua de alta capacidade. O fluxo de caixa operacional livre (FOCF) da Covestro atingiu novo recorde ao subir para 1,8 bilhão de euros, o equivalente a 34,8% de alta em comparação a 2016. O retorno sobre o capital empregado (ROCE) foi de 33,4%, muito mais alto, portanto, que no ano anterior (14,2%).

Com a forte evolução, a Covestro espera atingir um fluxo de caixa operacional livre acumulado de 5 bilhões de euros dentro de três anos. A estimativa anunciada em 2017 era de cinco anos. Devido à alta entrada de caixa, o Conselho de Administração da Covestro decidiu, em outubro de 2017, recomprar ações próprias no valor de até 1,5 bilhão de euros ou até 10% do capital social. A recompra de ações começou em novembro de 2017, conforme planejado. Além disso, a dívida financeira líquida caiu 1,216 milhões de euros para 283 milhões em 2017 (ano anterior: 1,499 milhões de euros).

Sustentabilidade como motor de crescimento

Para 2018, a Covestro tem expectativa de crescimento sólido nas principais indústrias consumidoras, incluindo a indústria automotiva, de móveis e de construção e ainda a elétrica e eletrônica. Nessas indústrias, a Covestro considera, em especial, a tendência social de maior sustentabilidade como motor de crescimento. “Em cada vez mais indústrias, cresce progressivamente a procura dos clientes por soluções sustentáveis – e é exatamente isso que oferecemos. Estamos extremamente bem posicionados para aproveitar o potencial de crescimento excepcional nesses segmentos, com foco no futuro”, destaca Patrick Thomas. Ele ainda menciona áreas de crescimento como e-mobility, construção eficiente em energia e lâmpadas LED de baixo consumo energético.

Nos próximos anos, a Covestro pretende aumentar significativamente seus investimentos para continuar aproveitando as vantagens deste crescimento esperado nas principais indústrias consumidoras. Esses investimentos incluem todos os segmentos e regiões e devem superar o nível de depreciação. Além disso, a Covestro continua preparada para aproveitar oportunidades de aquisições que fortaleçam seu portfólio e gerem valor.

Digitalização e sustentabilidade como elementos-chaves da estratégia

A Covestro sempre teve a sustentabilidade como elemento essencial da sua estratégia. Reforçando esse compromisso, a Covestro incorporou os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas (ONU) à sua estratégia. “A sustentabilidade é e continuará sendo um elemento-chave para a inovação”, explica o Dr. Markus Steilemann, Chief Commercial Officer e futuro CEO da Covestro. “Até 2025, pretendemos destinar 80% dos nossos investimentos em pesquisa e desenvolvimento a áreas que contribuam para os ODS.”

Steilemann vê a digitalização como outro motor da inovação: “Com nosso amplo programa, estamos aproveitando as oportunidades que a digitalização oferece, transformando-a em um foco central da nossa empresa. Como parte disso, estabeleceremos novos padrões de colaboração com nossos clientes.” Um exemplo disso é uma plataforma comercial digital que será lançada em breve e simplificará o acesso a produtos básicos, conectando os clientes com a Covestro e outros fornecedores. Até o final de 2019, a expectativa é que novos modelos de negócios digitais, como a plataforma comercial digital, gerem vendas acumuladas de até um bilhão de euros.

Tendência positiva deve se manter em 2018

Com base no crescimento estável previsto nas principais indústrias consumidoras e nos prognósticos econômicos atuais, a expectativa da Covestro é que sua evolução positiva se mantenha ao longo de 2018. A companhia prevê um crescimento de até meio dígito no volume total. A Covestro antecipa um fluxo de caixa operacional livre significativamente acima da média dos últimos três anos. Em 2018, a previsão é que o retorno sobre o capital empregado (ROCE) fique próximo do nível do ano anterior. Estima-se que o EBITDA se mantenha em patamar semelhante ao de 2017. Para o 1º trimestre de 2018, a Covestro prevê um EBITDA significativamente acima do nível do 1º trimestre de 2017.

Poliuretanos e Policarbonatos elevam rentabilidade

No segmento de Poliuretanos, a Covestro registrou volumes principais acima do ano anterior em todas as três regiões, com alta geral de 3,4%. Enquanto isso, o EBITDA cresceu 151,1% para 2,212 milhões de euros. Esse crescimento deveu-se, principalmente, às melhorias significativas nas margens nos grupos de produtos MDI e TDI. Além disso, o aumento no volume de vendas e os proventos da venda de uma casa de sistemas na América do Norte (39 mi €) e de um ressarcimento de seguro (35 mi €) também exerceram influência positiva. A decisão de continuar a produção em Tarragona, na Espanha, ainda ocasionou uma reversão de provisões (72 mi €).

Os volumes principais no segmento de Policarbonatos subiram 5%, também com contribuição das três regiões. O EBITDA do segmento cresceu 21,2% para 853 milhões de euros. A alta nos volumes principais e nos preços de venda teve efeito positivo sobre o lucro, enquanto as vendas foram impulsionadas principalmente pela demanda crescente nas indústrias automotiva, elétrica e eletrônica.

Em 2017 como um todo, os volumes principais no segmento Coatings, Adesivos e Especialidades praticamente não sofreram alterações (-0,3%), em meio a um ambiente competitivo desafiador. O EBITDA caiu 9,4% em relação ao número do ano anterior, para 453 milhões de euros. Em média, a elevação dos preços de venda não conseguiu compensar totalmente o aumento de custo das mercadorias vendidas.

Enquanto isso, foi iniciada a expansão da produção de dispersões de poliuretano em Dormagen (Alemanha) e Barcelona (Espanha) para atender à crescente demanda da indústria de revestimentos e adesivos. A Covestro também iniciou as operações de uma nova unidade de produção em Dormagen para filmes multicamadas de alta qualidade usados em cartões de segurança ou interiores automotivos.

4º trimestre de 2017 com novos resultados recordes

O 4º trimestre de 2017 foi o mais bem-sucedido na história da Covestro, que manteve o desempenho excepcional atingido ao longo do ano fiscal. As vendas totais do Grupo subiram 16,7% para 3,5 bilhões de euros no trimestre final, em comparação com o 4º trimestre de 2016, impulsionadas pela elevação nos preços e nos volumes de vendas. O EBITDA teve alta ainda mais acentuada de 390 milhões para 879 milhões de euros, atingindo mais do que o dobro do ano anterior. Com 566 milhões de euros, a receita líquida foi multiplicada várias vezes em relação ao 4º trimestre de 2016 (124 mi €). O fluxo de caixa operacional livre subiu 45,9% para 890 milhões de euros.

Com 14,1 bilhões de euros em vendas em 2017, a Covestro é um dos maiores produtores de polímeros do mundo. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem cerca de 30 unidades produtivas no mundo todo e, no final de 2017, empregava aproximadamente 16,2 mil pessoas.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Lanxess encerra sua produção na fábrica de Rio Claro

09/12/2017

A Lanxess decidiu encerrar sua produção na unidade de Rio Claro (foto). Nessa unidade, o grupo produz, principalmente, herbicidas e produtos químicos para borracha para dois clientes específicos, que acabaram decidindo por encerrar seus contratos de cooperação com a companhia. Além disso, a empresa produz, também nessa planta, aditivos lubrificantes e pré-polímeros de uretano. A multinacional assumiu o site de produção, com cerca de 70 funcionários, como parte da aquisição da empresa química Chemtura.

“Após uma profunda análise da atividade da fábrica, chegamos à conclusão que não poderemos mais operar nessas instalações, de forma competitiva, após o término desses dois contratos de fabricação”, afirma Eliane Siviero, CEO da Lanxess Brasil. “Com base em nossos valores, decidimos comunicar essa decisão com uma antecedência razoável. Nossa prioridade agora é entrar em negociações construtivas, com os representantes sindicais, para encontrar, o quanto antes, soluções que atendam às necessidades dos colaboradores da unidade”.

O grupo passará a cobrir a demanda por aditivos lubrificantes no Brasil por meio da sua rede global de produção. Os negócios de uretanos, da região da América do Sul, serão gerenciados pelas unidades de Porto Feliz e São Paulo. Em Porto Feliz, o grupo opera a produção de pigmentos de cor, aditivos de borracha, bladders e plásticos de alto desempenho; já em São Paulo, localiza-se a sede da companhia no Brasil.

A Lanxess possui cerca de 1.100 funcionários em 9 unidades de produção no Brasil. Destes, cerca de 600 funcionários trabalham em 5 plantas da Arlanxeo, uma joint venture da Lanxess e da Saudi Aramco para a produção de borracha sintética.

A nível mundial, a Lanxess é uma empresa líder de especialidades químicas com vendas de 7,7 bilhões de euros em 2016 e aproximadamente 19.200 funcionários em 25 países. Atualmente a empresa está representada em 74 locais de produção, em todo o mundo. O core business da Lanxess é o desenvolvimento, fabricação e comercialização de intermediários de borracha, especialidades químicas e plásticos. Através da Arlanxeo, joint venture com a Saudi Aramco, a Lanxess também é um fornecedor líder de borracha sintética.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

BASF e empresa coreana DONG-IL CNE assinam acordo para desenvolvimento de soluções em compósitos de poliuretano para as indústrias da construção e infraestrutura

30/11/2017

A Basf e a Dong-il Cne assinaram um Memorando de Entendimento (MoU) para desenvolver postes de eletricidade leves e inovadores, bem como tubos para óleo e gás e outras soluções voltadas para infraestrutura avançada. Na etapa inicial da parceria, a Dong-il Cne fornecerá sua experiência de fabricação para a produção de postes de eletricidade com a marca Basf , feitos com o poliuretano (PU) Elastolit® da BASF. Os parceiros também vão explorar outras aplicações de materiais leves para atender à crescente demanda por compósitos mais resistentes e leves para as indústrias de construção e infraestrutura.

“Estamos muito satisfeitos com a parceria com a Dong-il Cne na busca de novas oportunidades, abordando o mercado global de compósitos, que tem a estimativa de atingir quase 40 bilhões de dólares em 2021”, afirma Andy Postlethwaite, vice-presidente sênior da divisão da BASF de Materiais de Performance. “Nossos postes de eletricidade ultraleves ajudarão a fornecer eletricidade, sem interrupções, para cidades em toda a Ásia, principalmente em áreas onde as condições climáticas são extremas, como Filipinas, Indonésia, Malásia, Coréia, Japão e Austrália”.

Com o acordo, a Basf e a Dong-il Cne também irão pesquisar várias novas tecnologias, incluindo pultrusão de PU, PU com enrolamento filamentar de fibra de carbono, assim como tubos de óleo e gás com processos de enrolamento filamentar de PU que suportam altas temperaturas.

“Ao combinar as vastas competências da Basf em tecnologias e materiais compósitos com as nossas capacidades integradas de fabricação, essa parceria criará novas aplicações de materiais que irão ajudar a enfrentar os desafios de infraestrutura urbana trazidos pelo aumento populacional em toda a Ásia”, considera Choi Young Ki, presidente da Dong-il Cne . A empresa possui uma extensa experiência de fabricação no mercado de materiais compósitos de alto desempenho na Ásia, abrangendo as indústrias automotiva, de construção naval, construção civil e engenharia civil, bem como a indústria química.

Os postes de eletricidade fabricados com PU utilizando a tecnologia exclusiva de enrolamento filamentar da Basf são extremamente leves e robustos, além de flexíveis. Segundo a empresa, os postes conseguem resistir a condições climáticas extremas, como tufões, e podem ser otimizados para condições específicas. Além disso, eles pesam menos e são ainda mais duráveis e resistentes do que os postes de concreto tradicionais, garante a empresa.

Sobre a Dong-il Cne Corporation: Desde a sua fundação em 1980, a Dong-il Cne tornou-se a única empresa profissional do país a oferecer um serviço completo para prevenção da poluição ambiental e fabricação de compósitos. Além disso, produzem materiais compósitos de alto desempenho amplamente utilizados em toda a indústria, incluindo automotivas, de construção naval, construção civil e engenharia civil, bem como a indústria química.

Sobre a Basf : O Grupo Basf conta com aproximadamente 112 mil colaboradorese o seu portfólio é organizado em 5 segmentos: Químicos, Produtos de Performance, Materiais e Soluções Funcionais, Soluções para Agricultura e Petróleo e Gás. A Basf gerou vendas de mais de € 58 bilhões em 2016.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Covestro comemora 80 anos de invenção do Poliuretano

30/11/2017

  • Uma versátil classe de plásticos celebra seu aniversário
  • Covestro conduz a história de sucesso
  • Projetos inovadores e sustentáveis que fazem do mundo um lugar melhor

Os poliuretanos mudaram o mundo. Devemos agradecê-los pelos refrigeradores com eficiência energética, móveis estofados confortáveis, assentos de carro seguros, revestimentos protetores e compósitos leves. Há 80 anos, o Dr. Otto Bayer (foto) descobriu a química do poliuretano praticamente por acidente. Sua perseverança e criatividade lançaram o sucesso arrebatador de um dos plásticos mais versáteis do mundo – e a história de sucesso está longe de acabar (vídeo da empresa (em inglês) no Youtube em https://youtu.be/Brwl9ASvSJs)..

“Com curiosidade e coragem, a Covestro está avançando no desenvolvimento de poliuretanos para fazer do mundo um lugar melhor”, diz Daniel Meyer, Head Global da Unidade de Poliuretanos. “Estamos desafiando os limites para desenvolver materiais isolantes mais eficientes, materiais ainda mais leves e produtos com maior economia de recursos”.

Todos os novos desenvolvimentos devem atender aos objetivos de sustentabilidade da Covestro. “Tomamos uma abordagem abrangente para todo o ciclo de vida do produto, incluindo os aspectos sociais, ecológicos e econômicos”, diz Daniel Meyer. “Nossos produtos são fabricados com base no carbono. Nosso objetivo é tirar o benefício máximo do carbono que utilizamos”.

Refrigeradores mais eficientes

Os poliuretanos contribuem de maneira importante para garantir o fornecimento global dos alimentos: cerca de 95% dos refrigeradores do mundo contêm isolamento térmico com espuma rígida de poliuretano. Segundo a Covestro, o seu sistema de poliuretano Baytherm® Microcell pode elevar a sua performance de isolamento em mais 10%. Isto significa maior economia de energia e custos domésticos e redução da emissão de CO2. Uma fabricante líder em utensílios já está utilizando este sistema em sua produção.

Dióxido de carbono como matéria-prima

A Covestro desenvolveu um método para utilizar o gás do efeito estufa CO2 para sintetizar os componentes do poliuretano. A empresa comercializa essas matérias-primas, conhecidas como polióis, sob a marca cardyon™, para a produção de espuma flexível de poliuretano e opera uma nova planta de produção para isto em seu site de produção em Dormagen, na Alemanha. Até 20% das matérias-primas fósseis anteriormente utilizadas nesses produtos foram substituídas pelo dióxido de carbono. Um catalisador especial proporciona o nível de reatividade desejado à molécula.

Novo modelo de habitação a preços acessíveis

A disponibilidade de habitação rápida, acessível e sustentável é um desafio global. A Covestro está trilhando novos caminhos em sua busca por soluções criativas. Junto com parceiros industriais, governos, agências governamentais e a sociedade, a Covestro está desenvolvendo modelos de habitação acessível e executando projetos específicos na Alemanha. Um exemplo é uma construção multiuso em Bergisch Gladbach, na Alemanha, que foi planejada e construída pelo conselho local, pela empresa de construção pré-fabricada francesa Logelis e a Covestro.

Pás de rotor da próxima geração para energia eólica

De acordo com a sua estratégia de sustentabilidade, a Covestro desenvolve materiais e tecnologias para gerar energia renovável – com foco na energia eólica. A empresa desenvolveu uma tecnologia inovadora para a fabricação de pás de rotor para turbinas eólicas. Os rotores são fabricados em um processo especial a partir de uma resina de poliuretano e um tecido de fibra de vidro. Para a resina, a Covestro recebeu recentemente a certificação da DNV GL para a China e agora pode fornecer seus produtos para fabricantes de pás de rotor no país.

Passado orgulhoso

O Dr. Otto Bayer apenas poderia ter sonhado com esses desenvolvimentos. Mas mesmo 80 anos atrás, buscou obstinadamente seu objetivo de melhorar a eficiência da fabricação de plásticos e, assim, descobriu a química do poliuretano, que se tornou sua paixão. E ainda se manteve firme em suas convicções quando seus superiores desdenharam a massa borbulhante que produzira em seus experimentos, dizendo que era no máximo um “substituto do queijo suíço”. Longe disso! Com uma criatividade incrível, ele e sua equipe descobriram toda uma série de aplicações possíveis.

Poliuretanos: Marcos de uma história de sucesso
1937 – Otto Bayer inventa a química do poliuretano
1943 – Novas marcas: Desmodur® (isocianatos) e Desmophen® (polióis)
1952 – Primeira espuma flexível feita de TDI e polióis
1958 – Revestimentos premium feitos de Desmodur® e Desmophen® (“Revestimentos DD”)
1962 – Estreia da espuma rígida de poliuretano como um material isolante em refrigeradores
1967 – Primeiro carro com um corpo totalmente plástico na feira comercial K’67
1970 – Painéis sanduíche com revestimento de metal para envelopes de construção
A partir de 1970 – Introdução dos sistemas de poliuretano Baydur® para espumas rígidas integrais
1980 – Assentos de carro com vários níveis de dureza
1990 – Espumas viscoelásticas abrem uma nova dimensão em conforto
1995 – Agentes de expansão sem HCFCs
1998 – Introdução do sistema de pulverização Baypreg® para compósitos
2000 – Polióis para revestimentos e adesivos à base da tecnologia Impact™
2005 – Avanços nos compósitos de poliuretano
2012 – Baytherm® Microcell para sistemas de refrigeração isolantes – tecnologia CO2
2016 – Lançamento no mercado do cardyon™ – Primeira pá de rotor feita de resina de poliuretano na Ásia

Fonte: Covestro; foto: Wikipedia

Curta nossa página no

Covestro expande a capacidade de produção global de dispersões de poliuretano

22/11/2017

  • Investimentos em matérias-primas sustentáveis para adesivos e revestimentos
  • Novas instalações em Dormagen e Barcelona
  • Aumento significativo da capacidade na Europa
  • Expansão da produção na China e nos Estados Unidos
  • Ampla variedade de aplicações em automóveis, móveis, têxteis e calçados

A Covestro iniciou operações em uma nova instalação para produzir dispersões de poliuretano aquosas em seu site em Dormagen, na Alemanha. Juntamente com uma expansão da produção em curso na unidade de Barcelona, a empresa está, consequentemente, reforçando significativamente sua capacidade de produção na Europa. Para cumprir a demanda global, a Covestro também está construindo uma nova instalação na China, bem como planejando retomar a produção nos Estados Unidos e, ao mesmo tempo, modernizando e expandindo as instalações na Alemanha.

A nova capacidade é necessária primariamente para satisfazer à demanda crescente da indústria de revestimentos e adesivos: os fabricantes permanecem determinados a substituir produtos baseados em solvente por sistemas de base aquosa mais sustentáveis, que tenham propriedades similares. A tendência também está sendo impulsionada pelas regulamentações, que exigem emissões mais baixas de compostos orgânicos voláteis (VOC).

“Com estes investimentos, estamos nos preparando para a demanda continuamente crescente por dispersões de poliuretano, bem como expandindo nossa posição de liderança global”, diz Michael Friede, Líder Global da Unidade de Negócios de Revestimentos, Adesivos e Especialidades na Covestro. “Ao mesmo tempo, graças à nossa produção diversificada, temos a flexibilidade para cumprir diferentes exigências.”

Essa diversidade também é a chave para a abrangente linha de dispersões de poliuretano que a Covestro oferece. “Nossos produtos sob medida permitem muitas aplicações em indústrias bastante diferentes”, explica Michael Friede. “Dessa maneira, criamos oportunidades para crescer e reforçamos a competitividade de nossos clientes.”

Como o principal fornecedor global de Dispersões de Poliuretano (DUP), a Covestro também mantém uma posição de liderança em pesquisa e desenvolvimento e em tecnologia de processo. A empresa presta serviços técnicos e de suporte aos clientes mundialmente.

Muitas aplicações diferentes

As dispersões de poliuretano podem ser usadas em uma ampla variedade de aplicações. Por exemplo, os produtos das séries Bayhydrol® UH, U e UV e Baytherm® são componentes de revestimentos básicos para OEM automotivos e revestimentos de acabamento, bem como componentes de revestimentos de madeira e móveis e revestimentos de pisos de desgaste prolongado. Os adesivos formulados com Dispercoll® U são usados na produção de móveis e calçados, bem como na indústria automotiva.

Sob o nome de Impranil®, as matérias-primas com pouco solvente também exercem um papel importante na produção de sintéticos de poliuretano e têxteis revestidos. As dispersões da linha de produtos Baybond® são usadas na forma de colas de fibra de vidro para produzir plásticos reforçados com fibra de vidro. As substâncias formadoras de filme aderem muito bem às fibras, mas, em compostos com termoplásticos, ainda ficam suficientemente elásticas para assegurar a estabilidade necessária, afirma a empresa

Com vendas de 11,9 bilhões de euros em 2016, a Covestro está entre os maiores fabricantes mundiais de polímeros. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de polímeros de alta tecnologia, para atender segmentos como o automotivo, eletroeletrônico, construção e também as indústrias de esportes e lazer. A Covestro possui 30 sites de produção em todo o mundo e, no final de 2016, empregava cerca de 15.600 pessoas.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Dow passa a comercializar aditivos de silicone para poliuretano da antiga Dow Corning sob a marca VORASURF™

22/11/2017

A divisão de Ciência dos Materiais da DowDuPont anuncia que, a partir de agora, os aditivos de silicone da Dow Corning, empresa que foi integrada à Dow em 2016, serão comercializadas pela companhia sob a marca Vorasurf™. As soluções são destinadas aos mercados de conforto (colchões e calçados) e eficiência energética (espumas em spray) e contribuirão com o atendimento à crescente demanda por materiais de alto desempenho.

“São mais de 100 produtos da antiga Dow Corning voltados ao setor de poliuretanos que foram incorporados pela Dow, expandindo nosso portfólio de surfactantes de silicone para espumas de poliuretano com desempenho superior”, afirma Andres Posada, gerente de Marketing de Perforance Silicones da divisão. “Além de ampliar nossa linha, continuamos investindo em inovação, como os novos surfactantes automotivos, com baixo composto orgânico volátil (COV) e novas soluções para espumas rígidas compatíveis com os novos agentes de expansão hidrofluoroolefina (HFOs).”

A transição à marca Vorasurf™ começa em novembro de 2017 e será concluída no final de 2018. Todos os produtos de silicone da Dow Corning continuarão sendo oferecidos e para ajudar a garantir uma passagem tranquila, os nomes atualizados dos produtos apresentarão o “DC” da Dow Corning e manterão os números originais de grau do produto (como DC 193, DC 2525 e DC 5950). A lista com todos os nomes atualizados está disponível no centro de informações da Dow Corning e para mais informações os clientes podem entrar em contato com os representantes de vendas ou visitar http://www.dowcorning.com/content/polyuret/

A Divisão de Ciência dos Materiais da DowDuPont, uma divisão da DowDuPont, tem um portfólio abrangente, compreendendo materiais avançados, intermediários industriais e plásticos destinados a clientes de mercados de alto crescimento, como embalagens, infraestrutura e cuidados do consumidor. A DowDuPont pretende separar a Divisão de Ciência dos Materiais em uma empresa independente e de capital aberto.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Covestro registra trimestre recorde e anuncia recompra de ações

25/10/2017

  • Vendas totais sobem 16,9% para 3,5 bi de euros
  • Alta de 2,6% nos volumes totais sobre o trimestre do ano anterior
  • EBITDA cresce 50,2% para 862 mi de euros
  • Receita líquida aumenta 89,6% para 491 mi de euros
  • Fluxo de caixa operacional livre sobe 1,9% para 658 mi de euros
  • Anunciado 1 bi de euros em vendas via plataforma on-line
  • Recompra de ações em até 1,5 bi de euros de capital social

No terceiro trimestre de 2017, a fabricante de materiais Covestro apresentou o trimestre mais forte da história da empresa, mantendo a tendência positiva dos primeiros seis meses. Atingindo 491 milhões de euros, a receita líquida subiu 89,6% sobre o trimestre do ano anterior. Ao mesmo tempo, o EBITDA foi 50,2% mais alto e as vendas cresceram 16,9% sobre o mesmo período do último ano. Os volumes totais subiram 2,6%. O impulso nas vendas deu-se, principalmente, à elevação dos preços de venda, sobretudo no segmento de poliuretanos, com efeito positivo de 18,4%. O FOCF (fluxo de caixa operacional livre) atingiu 658 milhões de euros, com alta de 1,9% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. Com base nesses resultados sólidos, a Covestro decidiu revisar seu objetivo anunciado de atingir um FOCF (fluxo de caixa operacional livre) acumulado de 5 bilhões de euros até o final de 2021. No entanto, a nível de grupo, a empresa reitera suas previsões para o ano todo de 2017.

O excelente desempenho pode ser atribuído à robusta demanda atual nos principais setores clientes da empresa e ao desempenho positivo nas margens, também principalmente no segmento de poliuretanos.

“Atualmente, estamos desfrutando de um tremendo impulso de crescimento e apresentando recordes de receita, rentabilidade e geração de caixa. Essa extraordinária geração de caixa nos oferece a oportunidade de retornar quantias significativas de dinheiro aos nossos acionistas antes do esperado, ao mesmo tempo que preservamos a capacidade de considerar as oportunidades de aquisição”, diz o CEO Patrick Thomas. “Por isso, decidimos iniciar imediatamente uma recompra de ações para até 1,5 bilhões de euros ou até 10% do capital social em circulação”.

“Estamos atualizando nossa estratégia para continuar aproveitando da oportunidade geracional que nosso atual impulso oferece. A digitalização será uma parte integral da nossa estratégia corporativa. Queremos oferecer aos clientes uma maneira mais simples e eficiente de comprar nossos produtos básicos. Atualmente estamos desenvolvendo a nova plataforma on-line, que, segundo nossas projeções, gerará cerca de um bilhão de euros em vendas já no fim de 2019”, explica o Dr. Markus Steilemann, membro do Conselho responsável por marketing, vendas e inovação.

Neste contexto, a Covestro identificou três dimensões da digitalização: processos digitais, experiência digital do cliente e novos modelos digitais de negócios.

Poliuretanos e policarbonatos altamente rentáveis

No terceiro trimestre, os volumes totais no segmento de poliuretanos cresceram 4,3% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. O grupo de produtos TDI foi o que mais contribuiu para essa evolução. O EBITDA do segmento mais que dobrou a partir do mesmo trimestre do ano anterior, para 556 milhões de euros – um desenvolvimento que se deve, em grande parte, à elevação das margens como resultado de fornecimento e situação de demanda positivos em termos gerais. No processo de dobrar a capacidade de MDI na unidade de Brunsbüttel, no norte da Alemanha, para cerca de 400 mil toneladas métricas por ano até o fim de 2018, a empresa já realizou uma cerimônia para comemorar a conclusão da construção da estrutura básica na planta.

O segmento de policarbonatos registrou crescimento de 1,5% nos volumes totais em comparação ao trimestre do ano anterior. Como esperado, esse crescimento ficou no nível do segundo trimestre de 2017. O EBITDA do segmento apresentou melhora de 8,8% para 211 milhões de euros. A elevação das margens e o crescimento dos volumes vendidos tiveram efeito positivo. Nas indústrias-chave de clientes deste segmento, a Covestro trabalha de perto com designers para desenvolver os produtos do futuro. Para esse propósito, a companhia lançou em setembro uma plataforma on-line para design industrial, entre outros projetos.

Os volumes totais no segmento de Coatings, Adesivos e Especialidades caíram 5,0% em relação ao trimestre do ano anterior devido ao ambiente competitivo desafiador. Com 119 milhões de euros no segundo trimestre, o EBITDA ficou 12,5% abaixo do valor do ano anterior. O grupo vem desafiando limites para atualizar continuamente seu portfolio de produtos: recentemente, um carro movido a energia solar projetado por estudantes da Universidade RWTH de Aachen, Alemanha, participou do desafio World Solar Challenge, que percorre quase 3 mil quilômetros no deserto australiano, protegido por revestimentos da Covestro.

Primeiros nove meses de 2017 muito positivos

A Covestro demonstrou um desempenho excelente nos primeiros três trimestres de 2017. Os volumes totais cresceram 3,2% em relação ao período do ano anterior graças a uma demanda continuada e favorável. As vendas saltaram 19,5% para 10,6 bilhões de euros, e o EBITDA cresceu 57,4% para 2,6 bilhões de euros. O FOCF também teve aumento significativo de 23,8% para 1,2 bilhão de euros. Graças ao acordo de término de controle firmado com a Bayer AG em setembro, a Covestro deu mais um passo rumo à independência total.

Com vendas de 11,9 bilhões de euros em 2016, a Covestro (antiga Bayer MaterialScience) está entre os maiores fabricantes mundiais de polímeros. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, eletroeletrônico, construção e também as indústrias de esportes e lazer. A Covestro possui 30 sites de produção em todo o mundo e, no final de 2016, empregava cerca de 15.600 pessoas.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Covestro é eleita Empresa do Ano pela ICIS

25/09/2017

Primeira colocada em ranking global

A Covestro foi eleita Companhia do Ano ICIS baseada em suas métricas de negócios e financeiras para 2016. O prêmio foi conceido pela publicação global ICIS Chemical Business, que é parte da ICIS, a maior provedora mundial de informações sobre o mercado petroquímico.

A análise feita para a escolha da Companhia do Ano é baseada no crescimento anual em vendas, lucros e margens dos principais fabricantes químicos globais, levando em consideração o nível absoluto de retornos em termos operacional e líquido em relação às vendas e ao total de ativos.

“Nós parabenizamos a Covestro por um desempenho financeiro estelar em seu primeiro ano completo como uma empresa pública em 2016, quando o Ebitda cresceu 41% em termos anuais e o preço das ações mais que duplicou, mesmo em um ambiente com dúvidas sobre o possível excesso de capacidade no mercado de poliuretanos”, afirmou Joseph Chang, editor global da ICIS Chemical Business.

“A empresa teve um desempenho particularmente forte em seu ano de estréia e os ganhos obtidos em lucros e retornos garantiram o primeiro lugar na análise detalhada de métricas financeiras da ICIS, reunidas para listar as Top 100 Companhias Químicas da ICIS”, pontuou Nigel Davis, editor da ICIS Insight.

Em 2016, o resultado líquido da Covestro subiu 132%, atingindo 795 milhões de euros, apesar de um declínio de 1,5% em vendas, fechando em 11,9 bilhões de euros. A empresa registrou crescimento de 7,5% em volume total, em meio a um cenário desafiador de preços.

“Estamos honrados com a escolha da Covestro como Companhia do Ano da ICIS – o que também serve como um grande prêmio a todos os colaboradores em todo o mundo”, afirmou o CEO Global da Covestro, Patrick Thomas. “Os seis primeiros meses de 2017 foram muito positivos para a Covestro e reforçam o nosso forte posicionamento nas indústrias de nossos clientes em regiões-chave. Nosso desempenho é sustentado por uma demanda consistentemente forte por nossos produtos, levando a dez trimestres consecutivos com aumento no Ebitda, até 30 de junho de 2017. Continuamos comprometidos em gerar valor para nossos acionistas, focalizando em Pesquisa & Desenvolvimento e inovação”.

O prêmio Companhia do Ano da ICIS é a 3ª parte da série Top 100 Companhias Químicas da ICIS, que reúne a listagem das empresas Top 100 como a parte 1, publicada na edição de 1º de setembro, e a parte 2, referente aos Líderes Regionais, publicada na revista Chemical Business em 8 de setembro.

Sobre a Covestro: Com vendas de 11,9 bilhões de euros em 2016, a Covestro está entre os maiores fabricantes mundiais de polímeros. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em segmentos como o automotivo, eletroeletrônico, construção e também as indústrias de esportes e lazer. A Covestro possui 30 sites de produção em todo o mundo e, no final de 2016, empregava cerca de 15.600 pessoas.

Sobre a ICIS Chemical Business: A ICIS Chemical Business é parte da ICIS, a maior provedora mundial de informações sobre o mercado petroquímico, com divisões de energia e fertilizantes. Dados sobre preços, notícias, análise e consultoria independente são ofertados aos clientes da ICIS para fundamentar a tomada de decisões comerciais e de planejamento. Com uma equipe global de mais de 600 colaboradores, a ICIS tem funcionários em Houston, Washington, Nova York, Londres, Montpellier, Karlsruhe, Milão, Mumbai, Cingapura, Guangzhou, Pequim, Xangai, Yantai, Tóquio e Perth. Cerca de 350 colaboradores são jornalistas engajados em reportar preços de mercado e notícias. A ICIS é uma divisão da Reed Business Information, parte do RELX Group.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Dow lança plataforma digital com conteúdo sobre poliuretanos

15/09/2017

Canal da empresa terá informações específicas, tecnologias e inovações para os setores calçadista, de colchões, construção civil e cadeia do frio

A Dow acaba de lançar nova plataforma de conteúdo online (foto) para apresentar suas soluções de poliuretanos e reunir informações sobre tendências e mercados que utilizam o material para seus produtos, em especial os setores moveleiro, calçadista, construção civil e refrigeração. A Mundo PU.com tem como objetivo ser um ponto confiável de informações para clientes, profissionais dos setores-foco, academia e estudantes.

Haverá informações segmentadas, principalmente, sobre as três áreas de negócio: ComfortScience, que engloba produtos que proporcionam mais conforto e comodidade ao consumidor final; DurableScience, com tecnologias de mais durabilidade, resistência e produtividade para mercados diversos; e InsulationScience, que traz maior eficiência energética a diversas indústrias. Também haverá conteúdo sobre as outras áreas que compõem o portfólio, como PO&PG e mercado automotivo, além de novidades sobre ações da Dow em poliuretanos na América Latina.

As reportagens do canal apresentarão tendências, inovações, negócios, soluções e prestação de serviço relacionados ao amplo universo de uso do poliuretano. Para isso, utilizará recursos como infográficos, vídeos, cases, demonstrações interativas e webinars. “A nova Mundo PU possibilitará uma exibição superior e mais dinâmica dos assuntos relevantes ao nosso negócio, oferecendo melhor navegação e exposição dos conteúdos”, afirma Marcelo Fiszner, diretor de Marketing para Poliuretanos da Dow na América Latina.

Com a nova plataforma, a companhia deseja reforçar sua expertise, elevar seu nível de serviço e participação no mercado, além de fidelizar o cliente.

Webinars técnicos

O canal também terá webinars com os especialistas da Dow sobre temas atuais e desafios de mercado. O primeiro deles, que está disponível para visualização, trata sobre proteção da camada de ozônio e o papel da indústria de poliuretanos nesse contexto. O próximo acontecerá em outubro e abordará o mercado de revestimentos, apresentando os novos produtos que serão promovidos no Congresso Internacional de Tintas da ABRAFATI 2017. Para participar, basta acessar a plataforma Mundo PU e se inscrever.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Matéria-prima da Basf para componentes automotivos de poliuretano proporciona menos emissões no interior de veículos

14/08/2017

  • Material  permite que as montadoras atendam às regulamentações e aos padrões da indústria, afirma a empresa;
  • Potencial de redução médio de até 20% nas emissões de aldeído

Segundo a BASF, o seu processo de fabricação do Lupranol® (poliol poliéter) foi aprimorado a fim de que os componentes de veículos fabricados a partir dos sistemas de poliuretano da empresa emitam, em média, 20% a menos de aldeído, um Composto Orgânico Volátil (VOC). Assim, os fornecedores automotivos que fabricam, por exemplo, peças acústicas, assentos e volantes ou painéis de instrumentos e portas com espuma de poliuretano, conseguirão atender às crescentes exigências das montadoras na redução de emissões de VOCs no interior dos veículos.

Após a mudança no processo nas plantas de produção da BASF na Ásia, no início de 2017, a modificação está agora sendo feita na Europa e ocorrerá também nos Estados Unidos ao longo do ano. Junto com o isocianato, o poliol é o produto básico para os sistemas de espuma de poliuretano.

As emissões foram otimizadas com a melhoria dos processos de limpeza e acabamento na produção do Lupranol®, de modo que as propriedades mecânicas do material permanecem inalteradas durante os estágios seguintes de espumação e processamento nos clientes. Com isso, os grades de Lupranol® atualmente em uso podem ser substituídos imediatamente, sem necessidade de testes ou novas aprovações dos sistemas de PU que são baseados nesses grades de Poliol. A BASF comercializa sistemas de PU para espuma flexível, semi-rígida e integral sob as marcas Elastoflex® W, Elastoflex® E e Elastofoam® I.

Com os grades melhorados de Lupranol®, as emissões dos componentes automotivos fabricadas com o produto serão cada vez menores. As autopeças produzidas com esses sistemas PU são testadas tanto internamente como também por laboratórios certificados, como o Imat-Uve e o Institut Fresenius. A melhoria dos valores de emissão varia de peça para peça. É possível obter uma redução média de 20%, medida segundo os métodos de teste de câmara comumente aceitos como, por exemplo, o VDA276 e o BMW GS 97014-3, afirma a BASF.

Autoridades governamentais em todo o mundo estão continuamente exigindo emissões cada vez mais baixas no interior de veículos para reduzir o potencial impacto de substâncias voláteis sobre a saúde dos motoristas, mas também para diminuir o cheiro característico de carro novo. Atualmente o foco está em aldeídos como o formaldeído, acetaldeído e propionaldeído, além de aromáticos oriundos dos poliuretanos. A BASF tem trabalhado no desenvolvimento de sistemas de PU que possibilitem componentes automotivos com menores emissões.

Fonte: Assessoria de Imprensa – BASF

Curta nossa página no

COIM traz variedade de soluções para o setor alimentício na FISPAL 2017

27/06/2017

Empresa apresentará novidades em suas principais linhas

A Coim traz para a Fispal Tecnologia 2017 suas últimas novidades nas linhas para embalagem flexível e de TPU. Para embalagens flexíveis, a multinacional italiana oferece produtos feitos 100% de poliuretano, com características que ressaltam principalmente a qualidade da impressão frente a outras alternativas disponíveis no mercado. Já a linha TPU disponibiliza produtos para vários segmentos industriais

Tintas 100% PU

Com a tinta para embalagens flexíveis 100% PU, a multinacional italiana tem como objetivo não apenas consolidar sua expertise num mercado no qual possui mais de 50% de market share, mas também completar o atendimento à cadeia produtiva, iniciada com adesivos para laminação que estão no portfólio da linha Novacote.

O mercado de tintas é bastante promissor. Estima-se que anualmente, sejam produzidas 50 mil toneladas ao ano do produto no Brasil. Uma oportunidade para a qual grandes empresas têm olhado nos últimos anos. “Por participar do BRIC’s, os investidores enxergam no Brasil um mercado muito promissor para essa área. Empresas que estão consolidadas na Europa e Ásia, tentam ganhar espaço em países emergentes. A Coim sai na frente, uma vez que tem uma unidade no Brasil e já produz a resina poliuretânica em sua planta.” , explica Maurício Rufo, gerente de contas da nova linha.

Para produzir a tinta 100% PU, a planta da Coim em Vinhedo ganhou novas instalações com novos equipamentos que complementarão a estrutura já existente utilizada na produção dos adesivos. “Atualmente, a maioria do que existe no mercado possui nitrocelulose. A nossa tinta 100% poliuretânica é um produto inovador ao oferecer uma solução que possui maior força de laminação, resistência química e térmica e baixíssima retenção de solvente, além de ser competitivo em termos econômicos.”, complementa Maurício.

No dia 28/06, a partir das 17h20, no stand da ABRE (Associação Brasileira de Embalagem) na Fispal 2017, Maurício Rufo ministrará a palestra “Tintas 100% PU para rotogravura e flexografia”, abordando os tópicos “Tintas para embalagens flexíveis”, “Vantagens da tinta 100% PU” e “Aplicações da tinta”.

Linha TPU

Dada a versatilidade do TPU, as possibilidades de aplicação são inúmeras tanto no processo de extrusão (filmes termo adesivos) como no processo de injeção, nos mais variados setores da economia. O TPU Laripur da Coim pode ser usado nos setores de alimentos, médico-hospitalar e farmacêutico, com aprovações FDA, para uso de água potável (NSF 61) e para uso médico Classe VI, conforme ressalta Alexandre Savignani, gerente comercial da linha. “O TPU Laripur possui diferentes durezas e, dependendo de sua aplicação final, pode ser usado em embalagens nos setores de alimentos e farmacêutico, em calçados, no setor médico-hospitalar e também como filmes termo adesivos em tecidos em geral, trazendo excelente durabilidade, flexibilidade e proteção” . Os clientes atendidos pela empresa tem atuação mundial, priorizando a qualidade do produto e pronto atendimento.

A Coim (Chimica Organica Industriale Milanese) é uma empresa de origem italiana especializada em policondensação (ester), poliadição (poliuretanos), sendo também fabricante de especialidades químicas. Fundada em 1962, em Milão, a empresa foi a primeira da Itália a produzir peróxidos orgânicos. Hoje, a multinacional opera em vários países. Possui unidades fabris na Itália, Brasil, Estados Unidos, Índia e Cingapura, além dos Centros de Pesquisa na Itália, França, Inglaterra, Alemanha e Brasil. No Brasil, a Coim está localizada na cidade de Vinhedo-SP, onde possui centro de distribuição para revenda.

Serviço:
FISPAL TECNOLOGIA 2017
Stand COIM – L131
Data: 27 a 30 junho
Horário: 13h às 20h
Local: São Paulo Expo – Rod. dos Imigrantes – KM 1,5

Fonte: Assessoria de Imprensa – Coim

Curta nossa página no

Congresso em Buenos Aires apresentará tecnologias em Compósitos, Poliuretanos e Plásticos de Engenharia

26/06/2017

Evento reúne público específico para mostrar matérias-primas e equipamentos

Nos dias 15 e 16 de agosto deste ano, será realizado o II Congreso Sudamericano de Composites, Poliuretano y Plásticos de Ingeniería (www.congresosudamericano.com.br), no Salguero Plaza, em Buenos Aires, Argentina. Este evento terá a meta de congregar fabricantes de peças plásticas da Argentina, Uruguai, Paraguai, Bolívia, Chile e estados brasileiros com localização próxima à Argentina.

O objetivo do congresso é apresentar matérias-primas, e demais soluções em equipamentos e materiais auxiliares para a fabricação de peças em compósitos, poliuretano e plásticos de engenharia. Os participantes terão acesso a uma extensa gama de novidades e tecnologias de destaque para a fabricação de seus produtos. A participação é gratuita.

O Congresso destacará as palestras técnicas, mas também focalizará ações de grande importância para a geração de novos negócios tais como o Table-top, que se caracteriza como uma grande área de exposição e atendimento, na qual a empresa consegue mostrar produtos e tecnologias e, ao mesmo tempo, conversar de forma particular com os clientes. Também serão organizadas as rodadas de negócios. Com a funcionalidade de uma exposição, as empresas participantes podem contatar novos clientes e consolidar os já existentes.

Curta nossa página no

Dow recebe prêmio da Moto Honda

15/06/2017

A Moto Honda elegeu a Dow como uma das suas melhores fornecedoras do ano de 2016. A indústria química foi reconhecida na categoria “Excelência em Qualidade e Entrega” como uma das parceiras que mais se destacaram no cumprimento da prestação de serviços, contribuindo para o alcance das metas anuais e bons resultados da Moto Honda.

A parceria entre Dow e a líder de mercado Moto Honda já dura mais de 20 anos. A Dow fornece sistemas de poliuretanos para os bancos, que são 100% produzidos no Brasil.

“Estamos muito contentes com esse prêmio, que fortalece a relação entre a Dow e a Moto Honda e reforça a nossa credibilidade como fornecedor para esse mercado”, afirma Denys Datti, diretor do negócio de Poliuretanos da Dow Brasil. “A Dow atua de forma muito comprometida com seus clientes e desenvolve soluções personalizadas para ajudá-los a alcançar seus objetivos de negócios. Por contar com laboratório de pesquisas e equipes de suporte técnico nacionais, a companhia garante fornecimento contínuo do material e oferece assistência técnica local com agilidade.”

A Dow é uma das empresas líderes no fornecimento de elastômeros, fluídos, adesivos e materiais de isolamento acústico e interiores para a indústria automotiva mundial. Oferece soluções e tecnologias para melhorar a performance, conforto e segurança nos veículos para as montadoras, além do mercado de reposição e manutenção.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

COIM amplia participação no mercado de embalagens flexíveis com tinta 100% baseada em Poliuretanos

19/04/2017

Entre os dias 3 e 7 de abril, a COIM participou da edição 2017 da FEIPLASTIC (Feira Internacional do Plástico). Durante o evento, a multinacional italiana apresentou suas novidades, dentre elas, a tinta 100% PU. Trata-se de uma tinta para embalagens flexíveis. Com essa inovação adicionada a seu portfólio, a multinacional italiana tem como objetivo não apenas consolidar sua expertise num mercado em que já possui mais de 50% de market share na linha de adesivos para a laminação, como também ampliar a abrangência dos seus produtos, iniciada com resinas AP e adesivos.

Estima-se que, anualmente, sejam produzidas 50 mil toneladas de tintas no Brasil. Uma oportunidade para a qual grandes empresas tem olhado nos últimos anos. “Os investidores enxergam o Brasil como um mercado muito promissor para essa área. Empresas que estão consolidadas na Europa e Ásia tentam ganhar espaço em países emergentes. A COIM sai na frente, uma vez que tem uma unidade no Brasil e já produz a resina poliuretânica em sua planta.” , explica Maurício Rufo, gerente de contas da nova linha.

Para produzir a tinta 100% PU, a planta da COIM em Vinhedo ganhou novas instalações com equipamento que complementa a estrutura já existente, utilizada na produção dos adesivos. “Teremos uma tinta 100% poliuretânica. Atualmente, a maioria do que existe no mercado possui nitrocelulose. O nosso produto será inovador ao oferecer uma solução que não é “mais do mesmo”, além de ser competitivo economicamente.”, complementa Maurício.

Segundo a COIM, A tinta 100% PU se destaca pela qualidade da impressão. Em comparação com outras, a resolução é melhor na impressão e o novo produto é mais resistente ao calor,  o que amplia a versatilidade da sua aplicação, afirma a empresa. A tinta 100% PU possui propriedades que possibilitam o desenvolvimento de inúmeras soluções para o mercado. Maurício destaca ainda a importância da ampliação do ponto de vista de relacionamento com o cliente: “Estamos avançando e produzindo agora, além do adesivo, a tinta para os clientes. Essa é uma maneira de nos aproximarmos ainda mais da cadeia produtiva. Ao oferecermos mais essa solução, podemos ter um atendimento mais assertivo, um contato direto com nossos compradores, o que nos possibilita entender a atender às necessidades de forma muito mais rápida e precisa.”

A COIM (Chimica Organica Industriale Milanese) é uma empresa de origem italiana especializada em policondensação (ester), poliadição (poliuretanos) e  fabricante de especialidades químicas. Fundada em 1962, em Milão, a empresa foi a primeira da Itália a produzir peróxidos orgânicos. Hoje, a multinacional opera em vários países desenvolvendo soluções on demand e prestando serviços de qualidade para os importantes grupos industriais. Possui unidades fabris na Itália, Brasil, Estados Unidos, Índia e Cingapura, além dos Centros de Pesquisa na Itália, França, Inglaterra, Alemanha e Brasil.

Fonte: Assessoria de Imprensa – COIM

Curta nossa página no

Poliuretanos Termoplásticos da Huntsman são usados para proteger o transporte de peças automotivas até a montadora

11/03/2017

Distribuidor Major Polymers ajuda PolyFlex Products na seleção de TPUs com alta resistência à abrasão para embalagens retornáveis especializadas

Duas séries de poliuretanos termoplásticos (TPU) da Huntsman vêm ajudando a transformar o transporte de peças automotivas, garantindo que componentes automotores de alto valor agregado cheguem aos seus destinos livres de danos e contaminações; além disso, as OEMs e os fabricantes de peças para OEMs (tier 1) conseguem inclusive reduzir custos.

A PolyFlex Products, fabricante de embalagens retornáveis especializadas, sediada nos Estados Unidos, está utilizando duas séries de TPUs resistentes à abrasão da Huntsman, Irogran® e Avalon®, para melhorar o desempenho e a durabilidade de suas bandejas, contêineres, recipientes e prateleiras personalizadas. Mudar para o TPU ajudou a Polyflex a aumentar a garantia de seus calços para cinco anos. Além disso, reduziu os incidentes de danos nos calços causados por uso atípico.

O calço é usado para estabilizar os produtos em trânsito. Em sua forma mais básica, ele completa os contêineres e evita que as peças se movimentem durante o transporte. A Polyflex opera na extremidade mais técnica do espectro de calços, produzindo sistemas complexos, feitos sob medida para se adaptarem a produtos específicos. Para a indústria automotiva, isso inclui soluções feitas sob medida que se encaixam com segurança em torno de motores, transmissões de engrenagens, eixos, para-brisas e painéis de carrocerias, protegendo-os contra danos e avarias, o que está associado ao transporte por caminhão, trem e navio.

Por muitos anos, a Polyflex tem produzido calços personalizados para OEMs automotivas. A empresa desenvolve e produz peças em termoplásticos e borrachas que funcionam em conjunto com prateleiras de metal que são empilhadas dentro de contêineres e então transportadas por estradas, ferrovias e mares. Até recentemente, a Polyflex usava polipropileno para fabricar seus calços automotivos, mas o material em questão não possuía as propriedades de resistência e durabilidade necessárias. Com o tempo, conforme os componentes pesados e pontiagudos eram repetidamente desembalados, os calços começavam a se partir e quebrar.

Em busca de uma melhor solução, a Polyflex considerou a utilização de TPUs. Auxiliada pela Major Polymers, distribuidora dos TPUs Huntsman, a empresa selecionou duas séries de TPUs resistentes à abrasão da Huntsman, cada uma com uma escala de dureza Shore diferente: 90A para componentes pesados, e 60A para peças que precisam ser liberadas por deslizamento. Utilizando os novos materiais, a Polyflex rapidamente percebeu a sua durabilidade. Eles também constataram que:

  • O TPU pode ser usado para criar calços complexos, de todos os formatos e tamanhos
  • A excelente propriedade de amortecimento de vibrações do TPU cria uma superfície de movimentação mais estável
  • O uso do TPU pode reduzir o peso do calço, o que leva à redução dos custos de transporte
  • Os TPUs podem possuir propriedades de descarga eletrostática, que são ideais para a movimentação de componentes eletrônicos
  • O calço em TPU é totalmente reciclável.

Além disso, o TPU oferece resistência a baixas temperaturas, mantendo as mesmas propriedades físicas mesmo a temperaturas abaixo de zero. Isso é algo importante em estados norte-americanos como o Michigan, conhecidos pela fabricação de carros e pelos invernos longos e rigorosos. Mesmo em condições de congelamento, o TPU consegue manter a sua flexibilidade, o que ajuda a preservar a qualidade do transporte.

Por trabalhar com a Major Polymers e a Huntsman, a Polyflex pôde expandir o uso do TPU em uma gama muito mais ampla de aplicações dos calços. Recentemente, a empresa começou a testar um terceiro tipo de TPU para o transporte de componentes automotivos. Ken Bylo, vice-presidente da PolyFlex Products, disse: “O uso de TPU em calços automotivos vem crescendo gradativamente na última década. Nós fomos um dos primeiros a adotar este material com esta finalidade, e com o auxílio da Major Polymers e da Huntsman, estamos expandindo sua função. Levou um tempo para que as empresas da indústria automotiva percebessem os benefícios do TPU, mas agora houve uma verdadeira mudança no setor.”

“As OEMs estão agora solicitando de maneira proativa as soluções baseadas em TPU. Inicialmente, houve algumas preocupações referentes ao investimento adiantado adicional necessário; geralmente, o TPU é mais caro, mas o retorno sobre o investimento é bastante claro em termos de durabilidade, bem como diversos outros benefícios. Seja transportando pequenos componentes ou peças de mais de 350 kg, o TPU vem se tornando o material ideal para calços para nossos clientes automotivos. Nós o valorizamos devido a sua durabilidade, e nossos clientes tem a garantia de que ele manterá seus componentes intactos no transporte até as montadoras.”, complementa Bylo.

Ken Scarpace, presidente da Major Polymers, disse: “A mudança da Polyflex para o TPU foi bastante fácil graças ao suporte técnico que fornecemos em conjunto com a Huntsman. O principal desafio foi ajudar a Polyflex a produzir peças maiores usando um material que respondesse de maneira diferente quando comparado a outros tipos de termoplásticos e borrachas. Com a assistência da equipe de TPU da Huntsman, pudemos oferecer informações que garantiram uma transição sem problemas. Estamos muito contentes porque a Polyflex e seus clientes ficaram bastante impressionados com os resultados e porque agora a equipe está buscando utilizar outras séries em diferentes aplicações de calços.”

Eric M. Holdt, gerente de vendas de distribuição nas Américas da Huntsman, disse: “Nossos produtos e sistemas em poliuretano são usados em toda a indústria automotiva na produção de peças de carros, desde os estofados dos assentos e do isolamento acústico até os componentes de toque macio que ficam no interior e os cabos que ficam sob o capô. Sendo assim, é compreensível que nossas séries Irogran® e Avalon® também estejam adicionando ainda mais valor à cadeia de suprimentos da produção de carros.”

A Major Polymers Distribution Inc. é uma fornecedora de materiais termoplásticos da região Centro-Oeste dos Estados Unidos localizada em St. Clair, Michigan, especializada em compostos e polímeros de engenharia.

A PolyFlex Products, localizada em Farmington Hills, Michigan, desenvolve e produz bandejas reutilizáveis personalizadas, contêineres retornáveis e outros produtos de embalagem para o manuseio de materiais e para aplicações de processamento de fabricação automatizada. Além de atender a todo território norte-americano, a Polyflex Products também atua nos mercados do México e Alemanha e utiliza de novas tecnologias para desenvolver soluções personalizadas a partir de processos de moldagem de plástico, de poliuretano ou de borracha.

A Huntsman Corporation é um fabricante global de capital aberto e vendedor de produtos químicos diferenciados com uma receita de aproximadamente US$ 10 bilhões em 2015. A empresa opera mais de 100 unidades fabris e de Pesquisa & Desenvolvimento em cerca de 30 países e emprega aproximadamente 15.000 colaboradores.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Huntsman

Curta nossa página no

Covestro divulga balanço anual recorde

20/02/2017
Conselho de Administração da Covestro

Conselho de Administração da Covestro

•Volumes totais cresceram 7,5% em relação ao ano anterior
• EBITDA ajustado subiu 22,7% para 2,0 bilhões de euros
• Forte crescimento no Fluxo de Caixa Operacional Livre
• Lucro líquido mais que dobrou
• Dividendo proposto de 1,35 euro por ação
• Cenário confiante para 2017

2016 foi um ano recorde para a fabricante de polímeros Covestro. Impulsionados pela demanda por materiais inovadores, os volumes totais do Grupo cresceram 7,5%. Com maior capacidade de utilização em suas plantas ao redor do mundo, o EBITDA ajustado subiu 22,7% para 2,0 bilhões de euros, um crescimento frente 2015. O lucro líquido mais que dobrou, de 343 milhões de euros para 795 milhões de euros. Com base nisso, a Covestro espera pagar a seus acionistas um dividendo de 1,35 euro por ação.

“Nossa estratégia está dando resultado. Estes excelentes números destacam a força fundamental da Covestro”, explica o CEO Patrick Thomas. “A crescente demanda por nossos produtos inovadores e sustentáveis mostra que estamos conseguindo substituir os materiais tradicionais por plásticos de qualidade superior”.

O Fluxo de Caixa Operacional Livre cresceu 41,8%, atingindo 1,4 bilhão de euros. A Covestro também melhorou sua rentabilidade: o retorno sobre capital empregado (ROCE) atingiu 14,2%, excedendo significativamente o ano anterior. Em contraste, as vendas do Grupo Covestro caíram 1,5%, alcançando 11,9 bilhões de euros como resultado de menores preços de vendas e efeitos financeiros.

Capacidade de produção otimizada e crescente demanda

Em 2016, o crescimento dos volumes totais superou o PIB global de forma significativa, enfatizando, portanto, o forte posicionamento estratégico da Covestro com relação a importantes tendências nas principais indústrias de clientes atendidos. A companhia foi capaz de aumentar consistentemente os volumes de vendas e otimizar ainda mais a utilização de suas capacidades de produção já existentes.

A Covestro também deu início à expansão de sua capacidade em regiões de grande crescimento a fim de atender à crescente demanda. Isso acontece particularmente no mercado da Ásia, onde a empresa deu início a uma operação para a produção de matérias-primas para revestimentos (HDI) e duplicou sua capacidade para policarbonatos.

Na Europa, a plataforma de produção está sendo também otimizada. A expansão da capacidade de produção do MDI, o precursor da espuma rígida, no site de Brunsbüttel (Alemanha) foi iniciada em junho. A capacidade será duplicada para 400 mil toneladas métricas por ano até 2018. Além disso, a Covestro provou, em 2016, que o CO2 pode ser usado como uma matéria-prima para produtos disponíveis no mercado: no ano passado, em Dormagen (Alemanha), a empresa colocou em funcionamento a primeira planta industrial do mundo a usar o CO2 como matéria-prima para componentes de espuma flexível.

Maior flexibilidade financeira

A Covestro pagou todos os empréstimos pendentes da Bayer no ano fiscal passado. Em março, a companhia fez a primeira emissão no valor total de 1,5 bilhão de euros como parte de um programa de emissão de títulos, facilitando os fundos para a quitação total dos empréstimos. Ao final de 2016, a dívida financeira líquida era de 1,5 bilhão de euros, cerca de 700 milhões de euros abaixo do nível do ano anterior.

“O programa de emissão nos dá maior flexibilidade financeira”, pontua o CFO Frank H. Lutz. “Junto com nosso fluxo de caixa positivo, agora temos fundos suficientes para financiarmos investimentos de forma independente”.

Forte demanda para Poliuretanos e Policarbonatos

Em 2016, o segmento de Poliuretanos da Covestro atingiu um crescimento de volume total de 7,7%, na comparação com o ano anterior, motivado por um forte crescimento em todos os grupos de produtos, particularmente no MDI, assim como o aumento de 41,2% no EDITDA ajustado, alcançando 881 milhões de euros. A demanda foi impulsionada por indústrias-chave como os setores automotivo e de construção. Em outubro, devido a uma parada de produção não planejada em um fornecedor, a Covestro se viu forçada a operar os sites europeus de MDI e TDI em capacidade reduzida e, portanto, declarou força maior. A situação foi revertida no final do ano.

O crescimento de volume total em Policarbonatos foi de 10,3%, na comparação com 2016. Mais uma vez os volumes de vendas cresceram de forma acentuada, particularmente nas regiões APAC e NAFTA. O EBITDA ajustado subiu 25,7%, atingindo 704 milhões de euros no segmento. A demanda da indústria eletroeletrônica foi um dos principais fatores de crescimento.

No segmento de Coatings, Adesivos e Especialidades (CAS), os volumes totais permaneceram estáveis, apesar da já prevista rescisão contratual de operações comerciais. O EBITDA ajustado subiu 1,8% para 500 milhões de euros. A redução no preço das matérias-primas teve um efeito positivo no resultado. Além disso, a tendência por produtos de maior qualidade também aumentou a demanda por produtos do CAS.

Maior rentabilidade no Q4 de 2016

O bem sucedido desempenho da Covestro continuou no quarto trimestre de 2016. De outubro a dezembro, os volumes totais subiram 4,8% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Graças ao aumento nos preços de vendas, as vendas do Grupo subiram 7,8%, alcançando 3 bilhões de euros. O EBITDA ajustado cresceu 52,3% para 390 milhões de euros. O lucro líquido de 124 milhões de euros também ficou bem acima do quarto trimestre de 2015 (-84 milhões de euros). O Fluxo de Caixa Operacional Livre subiu 3,6%, atingindo 407 milhões de euros.

Crescimento rentável previsto

Em 2017, a Covestro continuará trabalhando para desenvolver materiais inovadores, em linha com a visão da companhia: ‘Fazer do mundo um lugar melhor’. “Com nosso claro foco em um crescimento sustentável em linha com as macrotendências globais, nós estabelecemos uma forte posição para lucrar com a evolução do mercado no longo prazo. Encaramos 2017 com muita confiança”, declara Patrick Thomas.

Como uma empresa global com operações em estreita proximidade com seus clientes regionais, a Covestro também se considera bem posicionada em um mercado marcado por incertezas geopolíticas e volatilidade econômica. Baseada nas atuais previsões econômicas globais e nas perspectivas das indústrias que atende, a Covestro espera um desempenho sólido em relação aos indicadores-chave em 2017. A companhia antecipa um aumento percentual de um dígito (baixo a médio) no crescimento do volume total do Grupo. A Covestro projeta Fluxo de Caixa Operacional Livre levemente acima da média dos últimos três anos e um ROCE um pouco maior que o nível de 2016.

Com vendas de 11,9 bilhões de euros em 2016, a Covestro está entre os maiores fabricantes mundiais de polímeros. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, eletroeletrônico, construção e também as indústrias de esportes e lazer. A Covestro possui 30 sites de produção em todo o mundo e, no final de 2016, empregava cerca de 15.600 pessoas.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

BASF lança nova classe de poliol que reduz emissões de Compostos Orgânicos Voláteis no interior de automóveis

08/12/2016

basf_poliol_carronovo

  • Redução das emissões de formaldeído em 5-10% e de acetaldeído e acroleína em 30-40%
  • Novo poliol auxilia OEMs a cumprir com exigentes padrões regulatórios do governo e da indústria

Segundo a BASF, a qualidade do ar no interior dos automóveis pode ser melhorada a partir de uma menor emissão de compostos orgânicos voláteis (VOCs), conferida pelo seu novo poliéter poliol. O Lupranol® é utilizado na produção de aplicações automotivas, como peças de poliuretano muito resistentes, flexíveis e semirrígidas. Este poliol, com baixo grau de VOC, demonstrou reduzir significativamente as emissões de VOC, principalmente de aldeído, sendo uma alternativa sustentável na produção de espuma de poliuretano para aplicações no interior de automóveis, como assentos, forro do teto e volantes, assegura a empresa.

Melhoria do “cheiro de carro novo”

“Os OEMs automotivos na Ásia, especialmente na China e Coréia, estão buscando soluções para melhorar a qualidade do ar no interior do veículo e esta nova classe irá ajudá-los a cumprir com os padrões regulatórios para as emissões de VOC, que estão cada vez mais rigorosos”, disse Andy Postlethwaite, vice-presidente sênior de Materiais de Performance Ásia-Pacífico da BASF. “Os VOCs podem ser efetivamente reduzidos através de mudanças nos processos de fabricação. Assim, desempenhamos um papel importante na contribuição para a sustentabilidade ambiental e para a saúde.”

Segundo a BASF, o baixo teor de VOC do Lupranol é o resultado de melhorias no processo de fabricação. Ele possui um dos níveis mais baixos de emissões de aldeídos – principalmente formaldeído, acetaldeído e acroleína – em soluções de poliuretano disponíveis no mercado para aplicações automotivas. A empresa firma que, nos testes realizados pelo Center Testing International Group Co Ltd, um dos principais órgãos de testes na China, o novo Lupranol demonstrou uma redução nas emissões de aldeídos: 5-10% para formaldeídos, 30-40% para acetaldeídos e 30-40% para acroleína. Nos testes realizados pela Korea Conformity Laboratories, a principal agência de testes na Coréia, o novo Lupranol demonstrou uma redução de mais de 50% nas emissões de acetaldeído.

O Lupranol é adequado para aplicações automotivas, pois produz espumas de poliuretano altamente resistentes, como o Elastoflex®, possui boas propriedades físicas e apresenta menos odor, afirma a BASF. Comparado com as espumas convencionais, o Elastoflex® proporciona maior conforto, maior elasticidade e melhores propriedades para suporte de carga.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

BASF encerra produção de TPU em Guaratinguetá (SP); abastecerá mercado da América do Sul através de sua rede global de produção

09/11/2016

basf-guaratingueta

A BASF abastecerá seus clientes de TPU (Poliuretano Termoplástico) na América do Sul por meio de sua rede global de produção de TPU Elastollan® com fábricas na Alemanha, Ásia e América do Norte.

A fabricação local de TPU em Guaratinguetá foi descontinuada a partir de 1 de novembro. Segundo a empresa, o abastecimento para os clientes da América do Sul está garantido, pois a BASF se compromete com seus clientes de TPU por meio de sua rede de produção global.

A fábrica de TPU Elastollan® é uma das quatro fábricas da Divisão de Materiais de Performance da BASF dentro do Complexo Químicos de Guaratinguetá. As outras três plantas – produção de poliéster de poliol, de produção de sistemas de poliuretano e produção Cellasto (partes microcelulares para a indústria automóvel) – continuarão com suas atividades em operação.

Elastollan® – marca registrada de poliuretano termoplástico da BASF, pode ser utilizado em aplicações para mangueiras, revestimento de cabos, correias, filmes, perfis e pode também ser processado usando tecnologias de moldagem por sopro e moldagem por injeção. É utilizado em diversos setores, como automotivo, calçados e fabricação industrial.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Evonik promove evento para mercado de espumas de poliuretano

31/10/2016

Com foco em treinamento, encontro reunirá fabricantes de espumas flexíveis de poliuretano e será o lançamento oficial do projeto “Evonik PU Foam Academy” na América do Sul

evonik_pu-foam-academyNo próximo dia 7 de novembro, a Evonik, uma das líderes mundiais em especialidades químicas, realizará o 4º Encontro com Espumadores. O evento, que é destinado a formuladores de espuma de poliuretano de toda América Latina e equipe de distribuidores da empresa, será realizado das 8 às 18 horas no Hotel Novotel São Paulo Center Norte, na capital paulista.

“Como um dos líderes mundiais no fornecimento de aditivos de poliuretano, acreditamos que os investimentos devam ser contínuos em treinamentos, principalmente diante do cenário atual de exigências do mercado, que busca incessantemente a melhoria dos processos, qualidade dos produtos e cumprimento das mais diversas normas”, destaca Roberto Luiz, Gerente de Poliuretanos da Evonik.

A quarta edição do evento – que já se tornou uma referência no setor – reunirá espumadores de toda América Latina, a equipe comercial da Evonik na América Latina, incluindo distribuidores e agentes, e ainda executivos da diretoria da Evonik na Alemanha. No encontro serão abordadas as plataformas de treinamentos e de serviços da empresa, apresentação de novos produtos e tecnologias e o lançamento oficial da “Evonik PU Foam Academy” na América do Sul.

Evonik PU Foam Academy

Este projeto foi lançado na Alemanha em 2011 e permitiu a padronização dos treinamentos realizados pela empresa em todo o mundo. O objetivo é promover a capacitação de clientes sobre a tecnologia do poliuretano com foco em espumas flexíveis em bloco, por meio de treinamentos personalizados e eventos especialmente desenvolvidos para este público. O programa já conta com mais de 1.200 slides de treinamentos.

No Brasil, os treinamentos oferecidos pela Evonik ocorrem desde o início das operações da empresa no País e foram intensificados em 2003, com a inauguração do Centro Técnico de Poliuretanos América do Sul, localizado no município de Americana (SP). No local, é possível oferecer projetos customizados, simulação de processos de produção em escala industrial, medidas de propriedades físicas, suporte de infraestrutura para construção de laboratórios e relatórios técnicos, entre outros serviços.

Teóricos e práticos, os cursos possuem flexibilidade de duração, conteúdo de acordo com o nível de conhecimento e interesse e podem ser realizados nas instalações do cliente, no Centro Técnico de Poliuretanos ou ainda em formato de eventos oferecidos a todos os clientes da Evonik de maneira conjunta. Desta forma, são moldados às necessidades de cada cliente – sejam fabricantes de espumas flexíveis para o mercado de colchões e móveis, automotivo, entre outros.

Encontro de Distribuidores

O incentivo aos treinamentos na área de poliuretanos também é estendido aos distribuidores da Evonik. Por isso, a empresa reunirá de 03 e 05 de novembro, no Hotel Sofitel Jequitimar, no Guarujá (SP), todos os seus distribuidores e agentes da América do Sul e Central.

No encontro, que é bianual, serão discutidos práticas e ações inerentes ao negócio, diferenciais dos novos produtos, plataformas de serviços e também serão compartilhadas as melhores práticas e experiências, bem como novos projetos. “Com uma equipe bem preparada, temos condições de oferecer não só o melhor produto, como também excelência nos serviços, criando uma relação de confiança com nossos clientes”, destaca Roberto Luiz.

Serviço:
4º Encontro com Espumadores
Data: 07/11/2016 – 8h00 às 18h00
Local: Hotel Novotel São Paulo Center Norte
Avenida Zaki Narchi, 500 – Vila Guilherme, São Paulo

Fonte: Assessoria de Imprensa- Evonik

Curta nossa página no