Archive for the ‘Resinas’ Category

Solvay inicia produção de poliamidas Technyl no México

07/11/2017

No Brasil, a unidade de produção de plásticos e o laboratório de desenvolvimento de aplicações estão instalados em São Bernardo do Campo (SP)

A Solvay, líder mundial em materiais de performance à base de poliamida, anunciou em 31 de outubro o início da produção de plásticos de engenharia em San Luis Potosí, no México.

Esta nova instalação (foto) é dedicada à produção da gama de plásticos de engenharia Technyl® e foi construída em poucos meses em parceria com a Chunil Engineering, uma empresa global tier 1 do setor automotivo e cliente de longa data da Solvay.

“Essa unidade tem 10 mil toneladas anuais de capacidade, está totalmente operacional e já serve nossos clientes regionais nos mercados de produtos automotivos e de bens de consumo”, disse Marcos Curti, diretor para as Américas da Unidade Global de Negócios Performance Polyamides da Solvay.

“O México atrai um número cada vez maior de players globais, especialmente da Europa e da Ásia. Muitos deles são clientes há longos anos da Solvay e precisam de uma produção local em que possam confiar plenamente”, acrescentou Curti.

A Solvay Performance Polyamides oferece suporte a clientes em todo o mundo, com uma gama completa de serviços avançados, projetados para reduzir os prazos de entrega do produto final para o mercado.

Esta oferta se estende desde a caracterização de material até a validação de aplicativos e inclui a impressão em 3D de protótipos funcionais em poliamida em pó Sinterline®, a simulação preditiva com MMI® Technyl® Design2, bem como testes de aplicações em centros de validação totalmente equipados.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Anúncios

Solvay lança polímero híbrido de Poliarilamida com fibra de carbono e fibra de vidro para aplicações de alto desempenho

25/10/2017

O novo material é destinado à produção de componentes longos, finos e leves para aplicações aeronáuticas/aeroespaciais, automotivas e em bens de consumo

A Solvay, fornecedora global de polímeros especiais, está fazendo o lançamento do Ixef® 3012, um polímero de poliarilamida (PARA) reforçado com 55 por cento de fibra de carbono e fibra de vidro. O novo material foi desenvolvido para proporcionar resistência e rigidez extremamente elevadas combinadas com menor densidade e um acabamento de superfície excepcional, afirma a Solvay.

“O Ixef® 3012 PARA destina-se a componentes longos, finos e leves que não precisam de pintura e são capazes de atender a funções mecânicas exigentes em aplicações aeronáuticas/aeroespaciais, automotivas e de bens de consumo”, disse Thomas Kohnert, Gerente dos Produtos Ixef®, Kalix® e Omnix® da unidade global de negócios Specialty Polymers da Solvay.

“A união híbrida de fibra de carbono e fibra de vidro oferece superior característica técnica de flexão e abre um amplo potencial de substituição para o metal, com redução de peso e integração de sistemas, enquanto a sua alta capacidade de fluidez permite a moldagem econômica por injeção de peças delicadas com longos caminhos de fluxo durante o processo produtivo”.

Além da alta rigidez e resistência ao impacto, o Ixef® 3012 PARA exibe excelente resistência à fluência e conduz eletricidade, assegura a Solvay. O seu perfil de propriedade tem um encaixe de mercado ideal em aplicações complexas de lamelas de ventilação de ar automotivas e alavancas do corpo da borboleta para componentes de drone, peças de fixação de câmera de ação e encaixes de cantilever (peças sustentadas em apenas uma extremidade).

O Ixef® 3012 PARA complementa o Ixef® 3008 PARA já existente, reforçado com 30 por cento de fibra de carbono da Solvay, e está comercialmente disponível, em todo o mundo, na cor preta.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Covestro registra trimestre recorde e anuncia recompra de ações

25/10/2017

  • Vendas totais sobem 16,9% para 3,5 bi de euros
  • Alta de 2,6% nos volumes totais sobre o trimestre do ano anterior
  • EBITDA cresce 50,2% para 862 mi de euros
  • Receita líquida aumenta 89,6% para 491 mi de euros
  • Fluxo de caixa operacional livre sobe 1,9% para 658 mi de euros
  • Anunciado 1 bi de euros em vendas via plataforma on-line
  • Recompra de ações em até 1,5 bi de euros de capital social

No terceiro trimestre de 2017, a fabricante de materiais Covestro apresentou o trimestre mais forte da história da empresa, mantendo a tendência positiva dos primeiros seis meses. Atingindo 491 milhões de euros, a receita líquida subiu 89,6% sobre o trimestre do ano anterior. Ao mesmo tempo, o EBITDA foi 50,2% mais alto e as vendas cresceram 16,9% sobre o mesmo período do último ano. Os volumes totais subiram 2,6%. O impulso nas vendas deu-se, principalmente, à elevação dos preços de venda, sobretudo no segmento de poliuretanos, com efeito positivo de 18,4%. O FOCF (fluxo de caixa operacional livre) atingiu 658 milhões de euros, com alta de 1,9% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. Com base nesses resultados sólidos, a Covestro decidiu revisar seu objetivo anunciado de atingir um FOCF (fluxo de caixa operacional livre) acumulado de 5 bilhões de euros até o final de 2021. No entanto, a nível de grupo, a empresa reitera suas previsões para o ano todo de 2017.

O excelente desempenho pode ser atribuído à robusta demanda atual nos principais setores clientes da empresa e ao desempenho positivo nas margens, também principalmente no segmento de poliuretanos.

“Atualmente, estamos desfrutando de um tremendo impulso de crescimento e apresentando recordes de receita, rentabilidade e geração de caixa. Essa extraordinária geração de caixa nos oferece a oportunidade de retornar quantias significativas de dinheiro aos nossos acionistas antes do esperado, ao mesmo tempo que preservamos a capacidade de considerar as oportunidades de aquisição”, diz o CEO Patrick Thomas. “Por isso, decidimos iniciar imediatamente uma recompra de ações para até 1,5 bilhões de euros ou até 10% do capital social em circulação”.

“Estamos atualizando nossa estratégia para continuar aproveitando da oportunidade geracional que nosso atual impulso oferece. A digitalização será uma parte integral da nossa estratégia corporativa. Queremos oferecer aos clientes uma maneira mais simples e eficiente de comprar nossos produtos básicos. Atualmente estamos desenvolvendo a nova plataforma on-line, que, segundo nossas projeções, gerará cerca de um bilhão de euros em vendas já no fim de 2019”, explica o Dr. Markus Steilemann, membro do Conselho responsável por marketing, vendas e inovação.

Neste contexto, a Covestro identificou três dimensões da digitalização: processos digitais, experiência digital do cliente e novos modelos digitais de negócios.

Poliuretanos e policarbonatos altamente rentáveis

No terceiro trimestre, os volumes totais no segmento de poliuretanos cresceram 4,3% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. O grupo de produtos TDI foi o que mais contribuiu para essa evolução. O EBITDA do segmento mais que dobrou a partir do mesmo trimestre do ano anterior, para 556 milhões de euros – um desenvolvimento que se deve, em grande parte, à elevação das margens como resultado de fornecimento e situação de demanda positivos em termos gerais. No processo de dobrar a capacidade de MDI na unidade de Brunsbüttel, no norte da Alemanha, para cerca de 400 mil toneladas métricas por ano até o fim de 2018, a empresa já realizou uma cerimônia para comemorar a conclusão da construção da estrutura básica na planta.

O segmento de policarbonatos registrou crescimento de 1,5% nos volumes totais em comparação ao trimestre do ano anterior. Como esperado, esse crescimento ficou no nível do segundo trimestre de 2017. O EBITDA do segmento apresentou melhora de 8,8% para 211 milhões de euros. A elevação das margens e o crescimento dos volumes vendidos tiveram efeito positivo. Nas indústrias-chave de clientes deste segmento, a Covestro trabalha de perto com designers para desenvolver os produtos do futuro. Para esse propósito, a companhia lançou em setembro uma plataforma on-line para design industrial, entre outros projetos.

Os volumes totais no segmento de Coatings, Adesivos e Especialidades caíram 5,0% em relação ao trimestre do ano anterior devido ao ambiente competitivo desafiador. Com 119 milhões de euros no segundo trimestre, o EBITDA ficou 12,5% abaixo do valor do ano anterior. O grupo vem desafiando limites para atualizar continuamente seu portfolio de produtos: recentemente, um carro movido a energia solar projetado por estudantes da Universidade RWTH de Aachen, Alemanha, participou do desafio World Solar Challenge, que percorre quase 3 mil quilômetros no deserto australiano, protegido por revestimentos da Covestro.

Primeiros nove meses de 2017 muito positivos

A Covestro demonstrou um desempenho excelente nos primeiros três trimestres de 2017. Os volumes totais cresceram 3,2% em relação ao período do ano anterior graças a uma demanda continuada e favorável. As vendas saltaram 19,5% para 10,6 bilhões de euros, e o EBITDA cresceu 57,4% para 2,6 bilhões de euros. O FOCF também teve aumento significativo de 23,8% para 1,2 bilhão de euros. Graças ao acordo de término de controle firmado com a Bayer AG em setembro, a Covestro deu mais um passo rumo à independência total.

Com vendas de 11,9 bilhões de euros em 2016, a Covestro (antiga Bayer MaterialScience) está entre os maiores fabricantes mundiais de polímeros. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, eletroeletrônico, construção e também as indústrias de esportes e lazer. A Covestro possui 30 sites de produção em todo o mundo e, no final de 2016, empregava cerca de 15.600 pessoas.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Ube inaugura unidade de produção de compostos de poliamida na Espanha

25/10/2017

A multinacional Ube (www.ube.ind.br), com sede no Japão, inaugurou uma unidade de produção de compostos de poliamidas em Castellón, Espanha, que garantirá um aumento de 40 mil toneladas/ano em sua produção atual, totalizando uma capacidade de 70 mil toneladas. “Esta é uma reação natural ao crescimento da demanda de nylon em diversas aplicações. Ela também garantirá uma maior aproximação da UBE com clientes da Europa e área do Atlântico”, explica Javier Miguel, Presidente da UBE América Latina.

Os compostos produzidos na nova unidade destinam-se a diversas aplicações, dentre elas peças automotivas, filmes para alimentos, garrafas e embalagens sopradas. A nova planta Olive K, como é chamada, usará uma tecnologia própria e exclusiva para produzir diversos copolímeros e nylons de alta e baixa viscosidade. Estes materiais são usados em aplicações técnicas, nos setores automotivo e de embalagens para alimentos, e na produção de monofilamentos, redes de pesca, componentes técnicos, materiais específicos para aplicações em veículos elétricos e soluções para tanques de hidrogênio e propelentes de gás natural condensado.

“Outro diferencial é que o centro de Pesquisa & Desenvolvimento, localizado ao lado da nova unidade, oferece um time de profissionais qualificado e dedicado à assistência técnica dos clientes, bem como serviços de inovação que contribuem para o desenvolvimento de novas oportunidades de negócios para os clientes”, completa Javier.

A cerimônia de inauguração da planta Olive K aconteceu no dia 05 de Outubro, na Prefeitura de Castellón, e contou com a presença de autoridades, agentes, fornecedores e colaboradores locais, além do Presidente da UBE Corporation Europe, Bruno De Bievre.

Sobre a Ube: Fundada na cidade de Ube, província de Yamaguchi, no Japão, em 1897, a UBE mantém 11 mil colaboradores em todo o mundo e registrou um faturamento de US$ 5,2 bilhões no ano fiscal de 2016, encerrado em Março de 2017. O portfólio global de produtos da empresa divide-se em: químicos 42%; cimento e materiais de construção 37%; máquinas 11%; meio ambiente e energia 9%; e farmacêuticos 1%.

Ao todo são três plantas de nylon – Japão, Tailândia e Espanha – que abastecem o mercado global. Cada planta possui o seu próprio centro de Pesquisa & Desenvolvimento. No Brasil a operação da UBE existe desde 2010 e as vendas de Plásticos de Engenharia representam 25% da produção de Castellón – Espanha. O escritório brasileiro atende a toda América Latina, com ênfase a Brasil, Argentina, Chile, Peru, Colômbia e Equador.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Ube

Curta nossa página no

Radici apresenta novos polímeros de PPS durante feira Fakuma, na Alemanha

22/10/2017

  • Amplia-se a oferta do RadiciGroup com a introdução de produtos inovadores.
  • Alemanha é um mercado estratégico para o Grupo; Radicigroup está presente no país com fábricas na área química e de polímeros técnicos

Diante de um mercado cada vez mais exigente em termos de inovação e desempenho – especialmente o alemão, reconhecido pela sua indústria automotiva – a estratégia do RadiciGroup é a de se tornar um parceiro de confiança para os clientes, completando a oferta dos chamados “polímeros de alto desempenho”. Durane a Fakuma, o RadiciGroup anunciou oficialmente a expansão da sua gama de plásticos técnicos com as resinas PPS, que polímeros de alto desempenho, particularmente indicados para usos de engenharia.

Segundo o RadiciGroup, as características diferenciais dos novos polímeros Raditeck® P são:

  • Resistência química superior em contato com óleos, combustíveis, solventes e soluções água-glicol
  • Manutenção das propriedades mecânicas após exposição a temperaturas elevadas em contato com o ar e outros fluidos
  • Alta estabilidade dimensional graças a uma higroscopicidade muito baixa
  • Produto “naturalmente” resistente à chama

«Os produtos Raditeck® P foram criados como parte da estratégia do RadiciGroup de continuar a expandir o seu portfolio de produtos especiais” – disse Erico Spini, Gerente de Marketing da Europa do RadiciGroup Performance Plastics – “Eles nos dão a capacidade de apoiar melhor nossos clientes tendo à disposição uma oferta mais completa de materiais, especialmente nos projetos envolvendo inovação e substituição dos metais. Na Fakuma 2017, nós apresentamos cinco grades de Raditeck® P, com conteúdo de carga que varia de 40% de fibra de vidro a 65% de carga mista (mineral e fibra de vidro). Nós estamos prontos para criar novos grades especiais “sob medida”, de acordo com a filosofia de colaboração que sempre influenciou positivamente o relacionamento comercial entre a nossa empresa e os nossos parceiros».

Os principais setores de aplicação dos novos produtos Raditeck® P são:

  • Automotivo – Segundo o RadiciGroup, os novos grades de Raditech apresentam elevada estabilidade dimensional (requerida, por exemplo, para os impulsores e carcaças de bombas), alta resistência química, mesmo em presença de substâncias ácidas,  capacidade de manter as propriedades mecânicas ao longo do tempo mesmo quando expostos a altas temperaturas (>200°C)
  • Gerenciamento de água e eletrodomésticos – O RadiciGroup assegura que o Raditeck® P oferece excelente resistência à hidrólise,  estabilidade dimensional e propriedades mecânicas, incluindo excelente resistência à deformação
  • Elétrico/eletrônico – De acordo com o RadiciGroup, o PPS possui propriedades retardantes de chamas intrínsecas absorção de água praticamente nula. Após a introdução no mercado da linha de produtos Radilon XTreme e o lançamento das PPAs (Radilon® Aestus T) na Feira K no ano passado o RadiciGroup enriquece a sua oferta de polímeros de alto desempenho com os novos produtos à base de PPS, posicionando-se cada vez mais como um interlocutor confiável na implementação de projetos inovadores de seus clientes.

“Outro aspecto do qual estamos particularmente orgulhosos – conclui o Sr. Spini – é a colaboração com os nossos clientes no fornecimento de suporte ao desenvolvimento de projetos, a partir da fase bem inicial. Nós gostamos de nos definir como um “provedor de soluções” porque, além de dar assistência na escolha correta do material, podemos também oferecer um suporte avançado para cálculo estrutural. Esta abordagem de simulação permite obter um modelo do componente estrutural, tipicamente com material reforçado com fibras, que leva em conta todas as variáveis que afetam o processamento e o desempenho da peça, incluindo principalmente a orientação das fibras de vidro. Desta maneira, nós estabelecemos uma relação entre as características mecânicas “locais” da peça e a sua morfologia, influenciada pelos parâmetros usados no processo de moldagem.  Assim, é possível avaliar, entre outras  propriedades, a mudança na resistência mecânica do componente como uma função da posição do ponto de injeção, mantendo a geometria da peça inalterada. Nós concluimos que esta nova abordagem fornece uma melhoria perceptível na confiabilidade de cálculos virtuais, com uma consequente redução dos custos de design causados principalmente por erros nos estágios iniciais. Nós fizemos investimentos importantes também na caracterização avançada dos nossos materiais – tanto para os novos como para os materiais-padrão – que são frequentemente usados em aplicações inovadoras para  substituição de metal».

Todos esses tópicos foram cobertos na apresentação intitulada “A visão da RadiciGroup Performance Plastics: novos materiais e abordagens de cálculos inovadoras para as aplicações de hoje e de amanhã”, que Erico Spini realizou durante a Fakuma 2017.

No stand do RadiciGroup na Fakuma foi apresentado também o processo de marcação a laser de uma especialidade de poliamida, otimizada para este tipo de processamento. A demonstração foi realizadas através de colaboração com a Evlaser, uma empresa especializada no design e produção de equipamento de laser para aplicações industriais, estéticas e médicas.

Fonte: RadiciGroup

Curta nossa página no

Solvay lança competição mundial estudantil na área de impressão 3D

19/10/2017

A Additive Manufacturing Cup (AM Cup) é destinada a estudantes universitários de todo o mundo para impressão 3D com o polímero especial KetaSpire® PEEK (polieteretercetona) da Solvay

O Grupo Solvay, um dos líderes mundiais em multiespecialidades químicas e materiais avançados, está lançando a Additive Manufacturing Cup (AM Cup), um desafio internacional para estudantes universitários que visa ao aprimoramento da tecnologia de fabricação aditiva com o uso do PEEK (polieteretercetona), um dos polímeros especiais de maior desempenho da empresa e dos mais difíceis de se imprimir em 3D.

Os estudantes podem participar da AM Cup individualmente ou em equipe. Eles terão que replicar, com a maior precisão possível, uma figura 3D com o polímero especial KetaSpire® PEEK (polieteretercetona) da Solvay. O desafio está dividido em duas etapas. A primeira envolve a reprodução de um arquivo CAD simples. As equipes que criarem as melhores impressões serão selecionadas para a etapa final, que consistirá em replicar uma forma complexa.

As impressões 3D serão avaliadas com base em dois critérios: sua estabilidade mecânica e sua aparência estética. O vencedor, o segundo e terceiro lugares serão premiados respectivamente com 10 mil euros, 5 mil euros e 3 mil euros para investimento ou para uma finalidade acadêmica em fabricação aditiva de polímeros ou, ainda, para ser o investimento inicial de ações empreendedoras. Os ganhadores poderão também destinar o prêmio em benefício de uma associação sem fins lucrativos. A Solvay poderá conceder prêmios “discricionários” adicionais aos participantes durante ou no final da competição.

Criada pela unidade global de negócios Solvay Specialty Polymers, a AM Cup está com inscrições abertas até o próximo dia 29 de outubro, através do link http://www.solvay.com/en/company/innovation/open-innovation/additive-manufacturing-cup/submission.html.

A competição começa efetivamente no próximo dia 6 de novembro e se encerra em 22 de março de 2018 com o anúncio do vencedor. Todos os participantes aprovados receberão um pacote de informações e o material necessário para a primeira etapa da competição: 500 gramas de polímero especial, arquivo CAD da peça a ser replicada, descrição do material, principais problemas a serem superados, entre outros.

Desafio – A impressão 3D é uma tecnologia impressionante que se desenvolve rapidamente. Permite a prototipagem imediata e a criação de objetos complexos em minutos. No entanto, a impressão com os melhores polímeros da indústria ainda é um desafio.

O KetaSpire® PEEK da Solvay, um dos termoplásticos de mais alto desempenho, oferece uma excelente combinação de resistência à fadiga e resistência química, semelhante à do PPS (sulfato de polifenileno). Pode operar em temperaturas mais elevadas e mantém suas propriedades mecânicas excelentes em temperaturas de uso contínuo até 240 ° C (464 ° F). Essas propriedades, aliadas a uma resistência química excepcional, permitem que ele possa substituir o metal em ambientes extremos de aplicações finais, tais como os encontrados nas indústrias de petróleo e gás, aeroespacial e automotiva. Os grades reforçados com fibra de vidro e com fibra de carbono oferecem uma ampla gama de opções de desempenho.

A Solvay é uma empresa química de multiespecialidades cujos produtos e soluções são utilizados em aviões, carros, dispositivos inteligentes e médicos, baterias, na extração de minerais e petróleo, entre muitas outras aplicações A empresa tem sede em Bruxelas e emprega 27.000 pessoas em 58 países. As vendas líquidas pró forma foram de € 10,9 bilhões em 2016. No Brasil, a Solvay também atua com a marca Rhodia.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Solvay aumenta a produção mundial de polímeros de sulfona com nova unidade na Índia e expansão nos EUA

10/10/2017

Polímeros de sulfona são aplicados em diversos mercados de alto desempenho, principalmente de indústrias das áreas de Saúde e tratamento de água

A Solvay está expandindo sua capacidade de produção global de polímeros especiais de sulfona na Índia e nos Estados Unidos para atender ao crescimento significativo da demanda por este material termoplástico de alto desempenho, principalmente nas indústrias do setor de saúde/médico e de tratamento de água.

Como parte dos planos da Solvay, anunciado anteriormente, de aumentar a capacidade de polímeros de sulfona em mais de 35% nos próximos 5 anos, a empresa está construindo uma nova unidade de produção, exclusiva para polietersulfona (PESU), em Panoli, na Índia. Os aumentos de capacidade também estão ocorrendo nos EUA, nas unidades de polímeros e monômeros da Solvay em Marietta (Ohio) e Augusta (Geórgia), por meio de investimentos e otimização de processos.

“A expansão da Solvay reforça nossa posição de liderança em polímeros especiais de sulfona, beneficiando-se da crescente demanda em indústrias de rápido crescimento, como purificação de água e tratamentos de saúde”, disse Augusto Di Donfrancesco, presidente da Unidade Global de Negócios Specialty Polymers do Grupo Solvay. “Os clientes podem confiar em nós para o seu suprimento a longo prazo em todo o mundo”, disse Donfrancesco. A construção da nova unidade em Panoli está em andamento e a produção deverá atingir a capacidade total em meados de 2019.

Os polímeros de sulfona da Solvay, Radel® PPSU (polifenilsulfona), Veradel® PESU (polietersulfona) e Udel® PSU (polissulfona), são aplicados em uma variedade de indústrias altamente competitivas, como a aeroespacial/aeronáutica, automotiva, água e eletrônica, bem como mercados de consumo e construção.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Empresa mexicana Carcal escolhe copoliéster da Eastman para escovas de limpeza de pratos

05/10/2017

A remoção eficaz de alimentos grudados, sujeira e resquícios de oleosidade em pratos requer uma escova com a qual seja possível esfregá-los. Segundo a Eastman, as escovas de limpeza de pratos Houser™, da marca mexicana Carcal, são o resultado de uma combinação única de resistência superior e design elegante que satisfaz às exigências de limpeza, mesmo nos pratos mais sujos.

Feitas com o copoliéster Eastman Tritan ™, as escovas de limpeza da Carcal são anti rachaduras e também não quebram, assegura a Eastman, independentemente de quantas vezes caírem, além de não fazerem muito barulho ao cair. São livres de BPA e resistentes o suficiente para suportar produtos de limpeza agressivos, além de serem tolerantes a altas temperaturas – características importantes quando se deseja mantê-las seguras e higienizadas, afirma a fabricante de matéria-prima.

Ao contrário de outros produtos de plástico transparente, as escovas de limpeza fabricadas com o Eastman Tritan™ são concebidas para manter sua aparência similar ao vidro, sem ficar com o aspecto embaçado após a repetidas lavagens de louça.

Os produtos estão disponíveis no mercado do México e são apresentados em uma ampla paleta de cores, adequando-se aos vários estilos de cozinha e casa.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Eastman

Curta nossa página no

Dow anuncia investimentos de mais de US$ 200 milhões em fábrica na Argentina

04/10/2017

A Dow acaba de anunciar investimentos de mais de US$ 200 milhões destinados a otimizar o desempenho de sua unidade petroquímica localizada em Ingeniero White (província de Buenos Aires).

O montante será investido nos próximos dois anos para aumentar a confiabilidade das instalações produtivas de etileno e polietileno. O polietileno é amplamente utilizado pela indústria local na fabricação de embalagens rígidas e flexíveis para setores de bens de consumo diversos, entre os quais embalagens para alimentos, produtos de saúde e higiene, tubos e filmes industriais e agrícolas.

Entre as ações anunciadas também estão projetos de modernização e expansão de algumas unidades operacionais, além da execução de trabalhos corretivos e preventivos em maquinas de grande porte, reforma e otimização de equipamentos existentes e implantação de novas tecnologias para se alcançar melhorias significativas na produção.

Além dos trabalhos de manutenção, serão implantados aperfeiçoamentos tecnológicos que permitirão um melhor desempenho em termos de meio ambiente e segurança, em conformidade com padrões globais e alinhados às necessidades da companhia e objetivos de desenvolvimento em longo prazo.

Com esses projetos, as unidades passarão a operar com eficiência máxima, o que é necessário para dar continuidade ao processo de captação de investimentos futuros para ampliar a capacidade do complexo.

A decisão da Dow trará impactos significativos para o complexo de Bahía Blanca (foto) durante a execução dos projetos. Estima-se que, durante a fase de pico, mais de 1000 pessoas participarão dos trabalhos por meio de empresas contratadas para a prestação de serviços, a maioria das quais são negócios de pequeno e médio porte localizados em Bahía Blanca e no seu entorno. Além disso, outras atividades serão executadas por companhias petroquímicas cujas operações são integradas com as da Dow. Tudo isso aumentará os investimentos no complexo e a geração de empregos na região.

Dada a demanda por mão de obra qualificada, a Dow coordenará um plano integrado e oferecerá treinamento para trabalhadores em conjunto com associações do setor e sindicatos. Esse trabalho será coordenado em conjunto com o Ministério do Trabalho e Desenvolvimento Social nos âmbitos nacional e local.

A Dow Embalagens & Plásticos de Especialidade é uma unidade de negócio da DowDuPont Ciência dos Materiais e enfoca os segmentos de alto crescimento nos mercados de embalagens flexíveis e rígidas para alimentos, embalagens secundárias e terciárias, higiene pessoal e produtos médicos, e aplicações adesivas. A Dow Embalagens & Plásticos de Especialidade é a maior produtora de polietileno no mundo.

A DowDuPont Ciência dos Materiais é uma divisão da empresa DowDuPont, recém constituída pela fusão da Dow e da DuPont. O portfólio de materiais avançados, intermediários industriais e plásticos da Divisão de Ciência dos Materiais da DowDuPont oferece uma variedade de produtos e soluções de base tecnológica a clientes em mercados de alto crescimento, como embalagens, infraestrutura e cuidados do consumidor. A DowDuPont pretende separar a Divisão de Ciência dos Materiais em uma empresa independente e de capital aberto.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Braskem fecha parceria com Pegasus Polymers para distribuir Polietileno de Ultra Alto Peso Molecular na China

02/10/2017

Petroquímica busca expandir o acesso a clientes e mercados

A Braskem anunciou em Setembro sua nova parceria com a Pegasus Polymers para distribuir o UTEC® – Polietileno de Ultra Alto Peso Molecular (UHMWPE, da sigla em inglês) – na China. A demanda chinesa pela resina tem uma taxa composta de crescimento anual (CAGR) de 10,74%, devido ao seu uso em mercados-chave, como separadores de baterias, tubos e fibras.

“Nossa parceria com a Pegasus Polymers confirma nosso compromisso com o mercado mundial de UTEC®. Estamos empolgados por poder continuar a fortalecer e expandir nossos negócios na China, aproveitando ainda mais nosso desenvolvimento de novas aplicações e nossas unidades industriais para oferecer a nossos clientes uma solução proprietária”, afirma Christopher Gee, diretor de negócios globais da Braskem para a UTEC®.

A Pegasus Polymers é uma divisão do Grupo Ravago, fornecedor de serviços número um no mercado global de plásticos, borracha e produtos químicos, e possui escritórios de vendas em Guangzhou, Hong Kong, Fujian, Xangai, Suzhou, Xi’an, Tianjin e Changchun, bem como instalações de distribuição e depósitos em Guangzhou, Xiamen, Xangai, Ningbo, Qingdao e Tianjin.

“Estamos orgulhosos por sermos o distribuidor oficial dos produtos UTEC® da Braskem, na China. Com a rede de vendas da Pegasus, o know-how industrial profundo no produto UHMWPE e no UTEC® de alta qualidade, acreditamos estar trazendo soluções de alto valor agregado para o mercado”, afirma Johnson Huang, diretor comercial da Grande China para a Pegasus.

No início deste ano, a Braskem iniciou suas operações em sua nova fábrica de UTEC® em La Porte, Texas, que complementa a capacidades da linha produtiva de Camaçari, na Bahia. Além disso, a empresa aprimorou suas capacidades de pesquisa e desenvolvimento para a resina ao longo de 2016 no Centro de Inovações e Tecnologia da empresa em Pittsburgh, Pensilvânia. Esses recursos permitem à petroquímica expandir sua liderança técnica em UHMWPE.

A Braskem vem pesquisando oportunidades para expandir sua presença neste mercado, visando beneficiar seus clientes atuais e futuros. Desde a inauguração da nova estrutura de produção de UTEC no Texas, foram desenvolvidos dois novos produtos, atualmente em fase de testes para sua potencial comercialização.

Segundo a Braskem, o UTEC® é um polímero de engenharia com excelentes propriedades mecânicas, como alta resistência à abrasão, resistência ao impacto e baixo coeficiente de atrito. É um produto autolubrificante, de alta resistência, leve e usinável, usado para produtos semiacabados. O UTEC é oito vezes mais leve do que o aço e dura dez vezes mais do que o Polietileno de Alta Densidade, afirma a Braskem. É utilizado em uma vasta gama de aplicações nas seguintes indústrias: automotivo e transporte, eletrônicos, fibras e têxteis, equipamentos industriais e pesados, manuseio de materiais, petróleo e gás, tubulação e mineração, plásticos porosos e recreação e consumidor.

Sobre a Braskem: Contando com 8 mil colaboradores, a Braskem tem uma produção anual de 20 milhões de toneladas, incluindo produtos químicos e petroquímicos básicos e teve faturamento de R$ 55 bilhões em 2016. Exporta para Clientes em aproximadamente 100 países e opera 41 unidades industriais, localizadas no Brasil, EUA, Alemanha e México, esta última em parceria com a mexicana Idesa.

Sobre a Pegasus Polymers: O Grupo Ravago é líder global na distribuição, revenda e composição de commodities, engenharia e polímeros especiais de plástico e borracha. Na Ásia, a Ravago tem uma rede de distribuição de mais de 15 escritórios espalhados por 8 locais. A Pegasus Polymers tornou-se parte do Grupo Ravago em 2006 e já vem operando na Ásia desde 1990. Ao longo dos anos, a rede de distribuição de plástico e borracha da Pegasus cresceu significativamente com 8 pontos em toda a China até o momento. A Pegasus fornece um amplo portfólio de produtos de commodities, engenharia e plásticos de alto desempenho para todos os segmentos da indústria. A Pegasus opera sob duas entidades legais. A Pegasus Petrochemical Asia Limited (Hong Kong) e a Pegasus Trading (Shanghai) Co., Ltd. (China) possuem 6 pontos de armazenagem e podem disponibilizar serviços técnicos profissionais aos clientes da UHMWPE na Indústria de hastes e chapas, tubos, fibras, filtração e separadores de baterias.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Grupo Solvay mostra benefícios de polímeros especiais e sílica de alto desempenho em aplicações industriais em palestras no SENAI-RS

28/09/2017

Polímeros de alto desempenho para aplicações na área de Saúde e sílicas de alto desempenho para a produção de pneus que economizam energia serão temas de apresentações especiais da Solvay no 22º Seminário de Atualidades Tecnológicas, que será realizado em São Leopoldo (RS), nesta quinta-feira, dia 28/09, no Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros, em São Leopoldo – RS.

Guilherme Brunetto, Especialista da Solvay Sílica na América Latina, mostrará os avanços da empresa na área de sílicas de alto desempenho empregadas pelos clientes na produção dos chamados “pneus verdes”, de maior eficiência energética e que contribuem para a redução do consumo de combustíveis e, consequentemente, da emissão de CO2. Dados da empresa atestam que o uso desse tipo de pneu proporciona redução de até 7% no consumo de combustível. A Solvay Sílica é pioneira no Brasil na produção da sílica de alto desempenho, em sua unidade industrial de Paulínia – SP, atendendo às principais montadoras de pneus instaladas no País.

Por sua vez, Mônica Martins, Gerente do Mercado Healthcare para a América do Sul da Solvay Specialty Polymers, vai falar sobre os benefícios do uso de polímeros especiais na área da saúde, aplicação que vem crescendo continuamente, principalmente na substituição de materiais tradicionais, como metais. Esta tendência é atribuída ao alto desempenho dos novos polímeros que, além de apresentar propriedades mecânicas, térmicas e químicas excepcionais, também são mais leves, oferecem maior flexibilidade no design e são de fácil fabricação. Com um amplo portfólio de polímeros de alta performance, contando com mais de 35 marcas em mais de 1.500 formulações, a Solvay está posicionada como um fornecedor estratégico no mercado global médico. Na área de saúde, esses polímeros são usados nos mercados de ortopedia, cardiovascular, renal e odontológico, entre outros.

  • Serviço: Solvay no 22º Seminário de Atualidades Tecnológicas
  • Dia 28 de setembro – Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros
  • Rua Presidente João Goulart, nº 682 – Bairro Morro do Espelho, São Leopoldo – RS
  • Apresentação técnica: às 14h00 – Auditório 1 – Guilherme Brunetto – Soluções Solva Sílica para Pneus de Transporte com Eficiência Energética
  • Apresentação técnica: às 14h40 – Auditório 2 – Mônica Martins – Polímeros de Alta Performance para a Área da Saúde

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Polímeros da Evonik são usados nos faróis dianteiros do Classe C da Mercedes Benz

25/09/2017

Os materiais usados como elementos óticos em faróis automobilísticos têm de satisfazer a requisitos exigentes em termos de transmissão de luz, resistência à temperatura e resistência UV – este é o caso de três compostos para moldagem Plexiglas® e Pleximid®, usados no LED Intelligent Light System da Automotive Lighting, que a Mercedes-Benz está instalando no seu modelo Classe C.

Os motoristas devem ser capazes de reagir prontamente a situações perigosas mesmo com pouca luz ou na escuridão, razão pela qual os fabricantes e fornecedores automotivos estão usando lâmpadas cada vez mais potentes. Seja a tecnologia halógena, de luz de xenônio ou LED, todas têm uma coisa em comum: as fontes luminosas necessitam de um material envoltório que direcione a sua luz para a pista. Nos faróis, essa função vem sendo exercida há tempos por lentes de coberturas perfiladas. Atualmente, a distribuição da luz se dá por meio de refletores de forma livre, calculados numericamente, ou por sofisticados módulos de projeção diretamente no farol. Estes se distinguem por meio de placas de cobertura transparentes, de estética atraente.

Luz Inteligente

“As funções diferentes de um farol dianteiro impõem requisitos diferenciados em relação ao material usado”, explica Klaus Kratschmann, responsável pelo ID na Automotive Lighting. No sistema LED Intelligent Light System, por exemplo, que a Automotive Lighting vem produzindo para a Mercedes desde 2013, dois módulos de projeção assumem em conjunto a função de luz baixa. A flexibilidade desses módulos supera as possibilidades oferecidas pela luz de xenônio: por exemplo, a distribuição da luz é ajustada de acordo com a velocidade do carro e a situação ambiente. “O farol ilumina a superfície da pista de um modo específico, conforme a situação”, diz o Dr. Ernst-Olaf Rosenhan, responsável por inovações em faróis na Automotive Lighting. Com essa finalidade, os módulos são equipados com arranjos de LED, cabeçotes óticos e uma lente de projeção fabricada com Plexiglas® Heatresist FT 15 da Evonik. “O material oferece excelente transmitância de luz para a nossa aplicação”, afirma Henning Weinhold, engenheiro de iluminação na Automotive Lighting. Além disso, o polimetilmetacrilato (PMMA) da Evonik evita a ocorrência de margens coloridas incômodas da periferia das lentes . A razão disso é a baixa birrefringência ótica do material e seu número Abbé simultaneamente alto, assegurando que os efeitos de dispersão sejam mantidos em níveis mínimos, garante a empresa.

Além disso, afirma a Evonik, o Plexiglas® é totalmente incolor e transparente – o que aponta para uma outra característica dos LEDs: eles oferecem uma cor clara similar à da luz do dia, sendo, por isso, mais suaves para os olhos do condutor. Essa qualidade ótica é mantida de modo duradouro no Plexiglas®. Mesmo após vários anos, o material não perde a sua alta transmitância e oferece uma quantidade de iluminação consistentemente alta, assegura a Evonik. O material também não é afetado pelas altas temperaturas que predominam nos faróis, garante a empresa.

Resistência ao calor

Por todas as suas vantagens quando usados em faróis, os LEDs também submetem os materiais nele utilizados a uma dura prova: dependendo do tipo e design dos elementos óticos, podem ocorrer temperaturas bem superiores a 100ºC – e isso por longos períodos de operação.

Mas as coberturas, as lentes e as guias de luz não devem se deformar, descolorir ou ficarem opacas. “E isso é algo que simplesmente não é garantido quando se trata de plásticos transparentes. Materiais como o policarbonato, e mesmo as suas variantes resistentes a temperaturas, ficam amarelos com o tempo. Por esse motivo, a quantidade de iluminação é reduzida e o brilho ótico é perdido”, revela Martin Mohrmann, gerente de marketing técnico do Setor Automotivo da Evonik. Os compostos para moldagem especiais Plexiglas®, por outro lado, são otimizados em relação a variados requisitos de temperatura; o Plexiglas® Heatresist FT15, por exemplo, resiste ao stress térmico em módulos de projeção sem nenhum problema, afirma a Evonik.

Apropriada para temperaturas ainda mais altas é a especialidade Pleximid®, que consiste do polímero polimetilmetacrilimida (PMMI), assegura a Evonik. Ele se mantém totalmente estável quando submetido ao stress térmico de longo prazo: em um teste de resistência de 40 dias a 150º C, praticamente não ocorreram alterações na transmissão, no índice de amarelamento ou na opacidade. Por essa razão, o material é usado em muitos faróis das atuais séries da Mercedes-Benz, como guia de luz nas lâmpadas curvas em forma de tocha usadas durante o dia. Nesse componente, os LEDs são instalados muito próximos do guia de luz, fazendo com que as temperaturas se elevem rapidamente até 130 graus. Com o Pleximid®, afirma a Evonik, a quantidade de iluminação se mantém consistentemente alta, mesmo após vários anos. “Isso é importante porque as luzes diurnas permitem que o veículo seja visto claramente por outras pessoas na estrada”, explica Mohrmann.

Aparência homogênea

O que também contribui para a visibilidade são os sinalizadores pisca-pisca, os quais, no LED Intelligent Light System, consistem de seis elementos óticos individuais. O aspecto especial neste caso é o fato de que os designers decidiram não adotar uma cobertura colorida, optando, em vez disso, por um composto padrão Plexiglas® 8N transparente. Esse material possui uma temperatura de deflexão térmica (HDT) satisfatória, apropriada para o stress térmico relativamente baixo nesse componente. “Foi importante para nós criarmos contornos reduzidos e puristas para o Mercedes-Benz Classe C, que enfatizassem a sua tecnologia inteligente”, conta Stefan Handt, diretor de Exterior Design, Lights & Parts da Mercedes-Benz.

Já que os LEDs dos sinalizadores emitem uma luz amarela, nós pudemos permitir o uso de uma cobertura colorida para a luz indicadora de direção (pisca-pisca), optando pelo Plexiglas® transparente, que transmite a cor com fidelidade. Isso melhora a aparência global do farol dianteiro”. Os faróis dianteiros conferem ao Mercedes-Benz Classe C a sua aparência distintiva, típica da marca.

A Evonik é fabricante mundial de produtos de PMMA comercializados sob a marca Plexiglas® e Pleximid® na Europa, na Ásia, na África e na Austrália, e sob a marca Acrylite® e Acrymid nas Américas.

Fonte: Evonik

Curta nossa página no

Covestro é eleita Empresa do Ano pela ICIS

25/09/2017

Primeira colocada em ranking global

A Covestro foi eleita Companhia do Ano ICIS baseada em suas métricas de negócios e financeiras para 2016. O prêmio foi conceido pela publicação global ICIS Chemical Business, que é parte da ICIS, a maior provedora mundial de informações sobre o mercado petroquímico.

A análise feita para a escolha da Companhia do Ano é baseada no crescimento anual em vendas, lucros e margens dos principais fabricantes químicos globais, levando em consideração o nível absoluto de retornos em termos operacional e líquido em relação às vendas e ao total de ativos.

“Nós parabenizamos a Covestro por um desempenho financeiro estelar em seu primeiro ano completo como uma empresa pública em 2016, quando o Ebitda cresceu 41% em termos anuais e o preço das ações mais que duplicou, mesmo em um ambiente com dúvidas sobre o possível excesso de capacidade no mercado de poliuretanos”, afirmou Joseph Chang, editor global da ICIS Chemical Business.

“A empresa teve um desempenho particularmente forte em seu ano de estréia e os ganhos obtidos em lucros e retornos garantiram o primeiro lugar na análise detalhada de métricas financeiras da ICIS, reunidas para listar as Top 100 Companhias Químicas da ICIS”, pontuou Nigel Davis, editor da ICIS Insight.

Em 2016, o resultado líquido da Covestro subiu 132%, atingindo 795 milhões de euros, apesar de um declínio de 1,5% em vendas, fechando em 11,9 bilhões de euros. A empresa registrou crescimento de 7,5% em volume total, em meio a um cenário desafiador de preços.

“Estamos honrados com a escolha da Covestro como Companhia do Ano da ICIS – o que também serve como um grande prêmio a todos os colaboradores em todo o mundo”, afirmou o CEO Global da Covestro, Patrick Thomas. “Os seis primeiros meses de 2017 foram muito positivos para a Covestro e reforçam o nosso forte posicionamento nas indústrias de nossos clientes em regiões-chave. Nosso desempenho é sustentado por uma demanda consistentemente forte por nossos produtos, levando a dez trimestres consecutivos com aumento no Ebitda, até 30 de junho de 2017. Continuamos comprometidos em gerar valor para nossos acionistas, focalizando em Pesquisa & Desenvolvimento e inovação”.

O prêmio Companhia do Ano da ICIS é a 3ª parte da série Top 100 Companhias Químicas da ICIS, que reúne a listagem das empresas Top 100 como a parte 1, publicada na edição de 1º de setembro, e a parte 2, referente aos Líderes Regionais, publicada na revista Chemical Business em 8 de setembro.

Sobre a Covestro: Com vendas de 11,9 bilhões de euros em 2016, a Covestro está entre os maiores fabricantes mundiais de polímeros. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em segmentos como o automotivo, eletroeletrônico, construção e também as indústrias de esportes e lazer. A Covestro possui 30 sites de produção em todo o mundo e, no final de 2016, empregava cerca de 15.600 pessoas.

Sobre a ICIS Chemical Business: A ICIS Chemical Business é parte da ICIS, a maior provedora mundial de informações sobre o mercado petroquímico, com divisões de energia e fertilizantes. Dados sobre preços, notícias, análise e consultoria independente são ofertados aos clientes da ICIS para fundamentar a tomada de decisões comerciais e de planejamento. Com uma equipe global de mais de 600 colaboradores, a ICIS tem funcionários em Houston, Washington, Nova York, Londres, Montpellier, Karlsruhe, Milão, Mumbai, Cingapura, Guangzhou, Pequim, Xangai, Yantai, Tóquio e Perth. Cerca de 350 colaboradores são jornalistas engajados em reportar preços de mercado e notícias. A ICIS é uma divisão da Reed Business Information, parte do RELX Group.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

PICPlast realiza seminário com foco na construção civil

25/09/2017

O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast), realiza no dia 28 de setembro, em São Paulo, um seminário destinado a quem atua na construção civil, especificamente em infraestrutura. O objetivo é apresentar a ferramenta gratuita para cálculo e projeto de redes de drenagem em polietileno de alta densidade (PEAD) utilizando a moderna metodologia BIM (Building Information Modeling). Durante o encontro, também será exibido um estudo comparativo entre o método tradicional e a solução em tubos de PEAD para projetos de drenagem de águas pluviais baseado em um caso real. Para auxiliar os participantes a utilizar a ferramenta para projetos em BIM, serão entregues vídeos tutoriais destacando as etapas a serem seguidas. As vagas são limitadas e os interessados devem efetuar a inscrição até o dia 26 de setembro pelo telefone 0800 878 1104 ou pelo e-mail seminariopicplast@teleeventos.com.br.

Serviço:
Seminário PICPlast para Construção Civil
Dia: 28 de setembro
Horário: Das 8h30 às 12 horas
Local: Hotel Golden Tulip Paulista, Alameda Santos, 85, Paraíso, São Paulo

Fonte: Assessoria de Imprensa – PICPLAST

Curta nossa página no

UBE E Clariant apresentarão palestras no próximo café da manhã da Abief, no dia 28 de Setembro

25/09/2017

Sob o tema central Inovação, Tecnologia e Sustentabilidade, o Café da Manhã da ABIEF (Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis – www.abief.org.br) agendado para 28 de setembro das 8h00 às 12h30, em sua sede em São Paulo, terá como palestras: “Tendências em embalagens flexíveis”, “Hydrocerol: suas aplicações com benefícios em sustentabilidade e inovação” e “Todos os nylons são iguais? Diferenças, aplicações e vantagens dos nylons em embalagens flexíveis”.

Reinaldo Silva, da área de Marketing da UBE, fará a apresentação “Tendências em embalagens flexíveis” focalizada em soluções em embalagens flexíveis que atendam às necessidades do consumidor moderno e estejam alinhadas a macro tendências tais como crescimento populacional, falta de tempo, saudabilidade, estética corporal, busca pela transparência, sustentabilidade e preservação do meio ambiente. Já Edgar Veloso, da área Comercial da mesma empresa, apresentará a palestra “Todos os nylons são iguais? Diferenças, aplicações e vantagens dos nylons em embalagens flexíveis”. Na apresentação, serão abordados os diferentes tipos de nylon segundo as necessidades do mercado e características de produtos. Entre os assuntos, serão abordados: sustentabilidade em filmes flexíveis, produção do nylon, soluções em CoPA para aplicações existentes (transparência, resistência, retort, termoformabilidade, bolsas termoencolhíveis, garrafas flexíveis) e características do processo de extrusão em diferentes máquinas (filme soprado, cast, resfriamento a água, balão duplo/triplo).

Pela Clariant, Edson Marçal apresentará o novo Hydrocerol, um agente químico nucleante oferecido na forma de masterbatch ou em pó, e que pode ser usado nos processos de extrusão e injeção. O Café da Manhã da ABIEF conta com o apoio da Abiplast, Afipol, Instituto Brasileiro do PVC, Plastivida, Instituto de Embalagens e Projeto Pack.

Com 40 anos de atividades, a ABIEF (Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis) tem por objetivo fomentar o mercado nacional de embalagens plásticas flexíveis. A Associação também tem incorporada às suas atividades o fomento à exportação e a preservação ambiental a partir do Programa de Qualidade e Consumo Responsável de Sacolas Plásticas. A entidade reúne empresas de todo o Brasil fabricantes de filmes monocamada, coextrusados e laminados; filmes de PVC e de BOPP; sacos e sacolas; sacaria industrial; filmes shrink e stretch; rótulos e etiquetas; stand-up pouches; embalagens especiais.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Abief

Curta nossa página no

Solvay assina acordo para vender seu negócio de Poliamida para a BASF

21/09/2017

BASF concorda em adquirir a Poliamida da Solvay por € 1,6 bilhão

O Grupo Solvay assinou um acordo vinculativo com a empresa química alemã BASF para a venda de seus negócios de Poliamida, um passo crucial na transformação da Solvay em uma empresa de química de multiespecialidades.

“O desinvestimento planejado da Solvay na área de Poliamida marca um ponto de virada na transformação profunda que começamos há quatro anos. A conclusão bem-sucedida desta operação reforçará a posição da Solvay como uma empresa produtora de química de multiespecialidades, permitindo um crescimento maior e mais sustentável”, disse Jean-Pierre Clamadieu, CEO da Solvay.

A BASF é um investidor estratégico para a Poliamida, com a qual a complementará seus negócios e sua presença global. A Solvay e a BASF compartilham o mesmo compromisso com os melhores padrões de saúde, segurança e meio ambiente em seus sites industriais

A área de Poliamida tem aumentado sua lucratividade nos últimos anos. Como um player integrado, suas atividades vão desde a etapa inicial nos intermediários e polímeros até a etapa final com o desenvolvimento de plásticos de engenharia de alto valor agregado. Esta operação abrange todo o negócio de Poliamida da Solvay na Europa, América do Norte e na Ásia, bem como o negócio de plásticos de engenharia na América Latina, e envolve o total de 2.400 empegados.

A Solvay manterá seus negócios de Intermediários de Poliamida (cyclohexanol, ácido adípico, sal nylon e HMD – hexametilenodiamina) e de fibras têxteis de poliamida no Brasil.

Segundo o acordo, a operação está baseada em um valor total de empresa de 1,6 bilhão de euros, o que representa cerca de 8 vezes o EBITDA dessa área de negócio em 2016 e em torno de 7 vezes o EBITDA nos últimos doze meses. O pagamento líquido em caixa desta transação está estimado em 1,1 bilhão de euros. Levando em consideração que os passivos financeiros da ordem de 0,2 bilhão de euros serão transferidos para o comprador, a posição financeira líquida do Grupo Solvay aumentará para cerca de 1,3 bilhão de euros.

A área de negócios Poliamida envolvida nesta transação será reclassificada como ativos e passivos mantidos para venda e operação descontinuada até o final deste mês. Como resultado da descontinuação, o negócio de poliamida na América Latina mantido pelo Grupo Solvay sofrerá uma provisão de desvalorização (impairment) de aproximadamente € 100 milhões no final de setembro. Esta provisão (impairment) de valor deve ser mais do que compensada pelo ganho de capital no fechamento da transação.

A execução dos acordos definitivos em relação a esta transação é esperada para os próximos meses, após consulta aos órgãos sociais relevantes. A Solvay e a BASF pretendem fechar a transação no terceiro trimestre de 2018, depois de obtidas as aprovações regulamentares usuais e recebido o consentimento formal de um sócio de joint venture. Esse parceiro já se comprometeu a conceder seu consentimento à Basf, sujeito à entrega de documentos definitivos.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Dow lança plataforma digital com conteúdo sobre poliuretanos

15/09/2017

Canal da empresa terá informações específicas, tecnologias e inovações para os setores calçadista, de colchões, construção civil e cadeia do frio

A Dow acaba de lançar nova plataforma de conteúdo online (foto) para apresentar suas soluções de poliuretanos e reunir informações sobre tendências e mercados que utilizam o material para seus produtos, em especial os setores moveleiro, calçadista, construção civil e refrigeração. A Mundo PU.com tem como objetivo ser um ponto confiável de informações para clientes, profissionais dos setores-foco, academia e estudantes.

Haverá informações segmentadas, principalmente, sobre as três áreas de negócio: ComfortScience, que engloba produtos que proporcionam mais conforto e comodidade ao consumidor final; DurableScience, com tecnologias de mais durabilidade, resistência e produtividade para mercados diversos; e InsulationScience, que traz maior eficiência energética a diversas indústrias. Também haverá conteúdo sobre as outras áreas que compõem o portfólio, como PO&PG e mercado automotivo, além de novidades sobre ações da Dow em poliuretanos na América Latina.

As reportagens do canal apresentarão tendências, inovações, negócios, soluções e prestação de serviço relacionados ao amplo universo de uso do poliuretano. Para isso, utilizará recursos como infográficos, vídeos, cases, demonstrações interativas e webinars. “A nova Mundo PU possibilitará uma exibição superior e mais dinâmica dos assuntos relevantes ao nosso negócio, oferecendo melhor navegação e exposição dos conteúdos”, afirma Marcelo Fiszner, diretor de Marketing para Poliuretanos da Dow na América Latina.

Com a nova plataforma, a companhia deseja reforçar sua expertise, elevar seu nível de serviço e participação no mercado, além de fidelizar o cliente.

Webinars técnicos

O canal também terá webinars com os especialistas da Dow sobre temas atuais e desafios de mercado. O primeiro deles, que está disponível para visualização, trata sobre proteção da camada de ozônio e o papel da indústria de poliuretanos nesse contexto. O próximo acontecerá em outubro e abordará o mercado de revestimentos, apresentando os novos produtos que serão promovidos no Congresso Internacional de Tintas da ABRAFATI 2017. Para participar, basta acessar a plataforma Mundo PU e se inscrever.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Braskem renova com distribuidor Sojitz Pla-Net para o fornecimento de Plástico Verde no Japão e Ásia-Pacífico

15/09/2017

A Braskem acaba de renovar um contrato de longo prazo com a Sojitz Pla-Net Corporation para o fornecimento do Polietileno Verde I’m greenT, polímero de origem renovável. O contrato envolve um volume crescente de um amplo portfólio de produtos que continuarão a ser vendidos no Japão e na região da Ásia-Pacífico.

A renovação do contrato vai aumentar a disponibilidade de produtos renováveis na região, atendendo a mais de 100 clientes e diferentes mercados, como lojas de conveniência, produtos domésticos e logística. “A Sojitz renova a parceria com a Braskem com objetivo de promover as vantagens do Plástico Verde e os benefícios que ele traz não só para os transformadores, mas também para o público que utilizará o produto de origem renovável. Acreditamos que este negócio está em expansão e que a preocupação com o meio ambiente se tornará mais forte em diversos setores”, relata Yoshinori Suzuki, gerente geral sênior de embalagens da Sojitz.

Por longos anos, a Sojitz mantém um importante relacionamento comercial com a Braskem. Em 2012, as empresas celebraram o início do contrato de distribuição do polietileno verde na região. “A renovação deste contrato reafirma o propósito da Braskem em seu processo de internacionalização e expansão de mercados. Isso significa não apenas ampliar o portfólio de resinas verdes, mas também investir em operações cada vez mais sustentáveis”, diz Gustavo Sergi, diretor de Químicos Renováveis da Braskem.

O Polietileno Verde I’m greenT é feito a partir do eteno obtido da cana-de-açúcar. Ele também apresenta as mesmas características do polietileno tradicional, ou seja, não necessita de adaptações nas máquinas de transformação e é 100% reciclável. A planta de polietileno verde da Braskem possui capacidade de produção de 200 mil toneladas por ano.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Solvay produzirá resina PEKK para apoiar o mercado aeroespacial/aeronáutico com materiais compósitos

13/09/2017

O Grupo Solvay começará a produzir polímeros de PEKK (poli(éter-cetona-cetona)) de alto desempenho nos Estados Unidos, no início do próximo ano, para apoiar o seu negócio de materiais compósitos e atender à crescente demanda do setor aeroespacial/aeronáutico.

“O Grupo Solvay reafirma a sua posição única em materiais leves, unindo as forças de seus polímeros especiais de alto desempenho e materiais compósitos para produzir sua própria resina PEKK”, disse Roger Kearns, membro do Comitê-Executivo da Solvay. “Esta nova capacidade abordará a demanda em rápido crescimento de compósitos termoplásticos e componentes de impressão 3D no setor aeroespacial e em outros mercados”.

Com base na sua posição de liderança em materiais para substituição de metal, a Solvay iniciará a produção de PEKK, sob o nome comercial NovaSpire™, em sua unidade em Augusta, na Geórgia.

O PEKK é usado em compósitos termoplásticos reforçados com fibras de carbono e na fabricação aditiva, também conhecida como impressão 3D, em uma variedade de aplicações industriais.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Eastman expande capacidade de produção de Copoliéster

13/09/2017

A Eastman Chemical Company anunciou no final de agosto um plano de expansão de capacidade de produção de copoliéster de sua fábrica em Kuantan, Malásia (foto). A previsão é de que a expansão seja concluída no primeiro trimestre de 2018 e que aumente em 20% a capacidade de produção de PETG. Este investimento apoia o crescimento contínuo de produtos de copoliéster globalmente e proporciona flexibilidade em toda a base de ativos de polímeros da empresa.

“Esta expansão posiciona a Eastman para atender à crescente demanda global que temos observado pelos nossos materiais de copoliéster “, disse Burt Capel (foto), vice-presidente e gerente geral do negócio da Eastman Special Plastics. “Este investimento solidifica ainda mais o compromisso da Eastman com a região da Ásia-Pacífico e com o oferecimento de materiais de alta qualidade aos nossos clientes em todo o mundo”.

A unidade de Plásticos Especiais faz parte do segmento de negócio de Materiais Avançados da Eastman. O site de Eastman em Kuantan, na Malásia, produz vários copoliésteres, incluindo os copoliésteres Eastman Spectar™ e Eastman Eastar™.

A Eastman é uma empresa global de materiais avançados e aditivos especiais atuando em mercados finais tais como transporte, construção civil e produtos de consumo. A empresa atende clientes em mais de 100 países e, em 2016, obteve receitas de aproximadamente US $ 9,0 bilhões. A empresa está sediada em Kingsport, Tennessee, EUA e, emprega, aproximadamente, 14.000 pessoas em todo o mundo.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Eastman

Curta nossa página no

 

Braskem e Ciel et Terre Brasil inovam no mercado de energia solar

12/09/2017

Solução para geração solar flutuante proporciona benefícios ao consumidor e ao meio ambiente

As restrições ambientais para empreendimentos de grande porte como hidrelétricas, termos à óleo e carvão, associadas à necessidade de produzir energia próximo ao ponto de consumo, impactam na redução no custo da energia e levam os brasileiros a se interessar por outros tipos de energia, especialmente a geração solar. O Brasil ainda precisa ser desafiado com a criação de soluções inovadoras para diferentes mercados e, pensando em atender clientes com este potencial, a Braskem firmou parceria com a Ciel et Terre Brasil, joint venture da francesa Ciel & Terre com a empresa brasileira Sunlution, proprietária da tecnologia Hydrelio® de geração fotovoltaica flutuante, que apresenta vantagens sobre a tecnologia tradicional de geração solar em terra.

O Hydrelio®, tecnologia desenvolvida pela Ciel & Terre, é pioneira no mercado mundial para usinas flutuantes de geração solar e é composta por painéis fotovoltaicos dispostos sobre flutuadores de polietileno de alta densidade fabricados com resinas da Braskem. Com o objetivo de apoiar o parceiro a desenvolver o mercado nacional, a petroquímica trabalhou não só na adequação da resina de polietileno, mas também na identificação de transformadores para a produção local dos flutuadores, além de suporte na modelagem do negócio no mercado brasileiro.

“O papel da Braskem no desenvolvimento desta solução tem sido fundamental. A demanda inicial, que era definir uma resina que atendesse os requisitos técnicos para os flutuadores, tornou-se uma oportunidade de negócio de elevado potencial, frente à gama de mercados em que o Hydrelio® poderá ser viabilizado e empregado”, comenta afirma Jorge Alexandre, responsável por Desenvolvimento de Mercado de PE para construção civil e infraestrutura da Braskem.

As placas solares sobre flutuadores podem ser aplicadas em uma gama variada de superfícies de água, tais como lagos industriais e de retenção, reservatórios de irrigação e de água potável, estações de dessalinização e de tratamento de águas, açudes e canais. Entre os benefícios mais expressivos na utilização desta tecnologia, afirma a Ciel & Terre, estão a liberação de terrenos em terra firme – que seriam ocupados pelo sistema tradicional de geração solar – para usos voltados à produção rural (criação, agricultura, etc.), redução de custos de ligação à rede pela utilização de infraestruturas elétricas existentes, aumento da produtividade fotovoltaica devido à refrigeração natural do sistema pela superfície da água, manutenção mais simples e barata, entre outros.

A Ciel & Terre aposta no Hydrelio® como solução sustentável não somente para Geração Distribuída mas também para a geração híbrida de energia e espera um volume de negócios expressivo até o final do ano. “A Ciel & Terre tem vasto conhecimento de centrais fotovoltaicas e, ao desenvolvermos o Hydrelio®, temos como expectativa elevar a potência de geração de energia solar fazendo duas fontes operarem ao mesmo tempo em uma única infraestrutura. O nosso produto Hydrelio® é a solução de menor investimento para incrementar a geração de energia nas hidrelétricas e usinas eólicas existentes e acreditamos que o Brasil tem um potencial enorme para este mercado”, comenta Orestes Gonçalves Junior Sócio Diretor da Ciel & Terre Brasil.

O primeiro projeto implementado no Brasil com o Hydrelio® acaba de ser concluído na Fazenda Figueiredo, em Cristalina (GO), que apostou nessa nova tecnologia para resolver sua necessidade de consumo de energia. A construção da usina fotovoltaica sobre um lago de acúmulo de água da chuva permitiu a geração de energia em uma área que estava em desuso, com maior eficiência em função do resfriamento da temperatura dos painéis fotovoltaicos instalados no espelho d’água, além de diminuir a evaporação da água do lago. Segundo a Ciel & Terre International, estudos realizados pela empresa apontam que este tipo de tecnologia gera aproximadamente 14% mais eletricidade do que a geração solar em terra ou no telhado.

A Ciel & Terre vem desenvolvendo centrais fotovoltaicas flutuantes para uso privado (comercial ou industrial) ou estatal desde 2010 e pretende gerar energia solar não somente em fazendas agropecuárias, como também em reservatórios de usinas hidrelétricas. Com isso, afirma a empresa, aproveitam-se as vantagens de infraestrutura já existentes nas instalações, principalmente com foco na redução da evaporação e na conservação da água, preservando os ecossistemas existentes e melhorando da qualidade da água, além de reduzir o desenvolvimento de algas e a erosão das margens dos reservatórios, com a diminuição da ondulação.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Cipatex investe em controle de qualidade e avança na produção de laminados sem ftalatos

12/09/2017

Medida visa atender a diversos segmentos de atuação da empresa, com destaque para calçadista e moveleiro

O Centro de Pesquisa e Inovação da Cipatex passa a contar com equipamentos que vão garantir mais eficiência no controle dos níveis de ftalatos. A medida atende às exigentes especificações internacionais. De acordo com o gerente de inovação, pesquisa e tecnologia da Cipatex, Fernando Brandão, a aquisição de um cromatógrafo a gás acoplado com espectômetro de massa de última geração permite a identificação de compostos do início ao fim da produção, desde as matérias primas até o produto acabado. “O equipamento amplia a sensibilidade na análise de traços, aumenta a precisão e exatidão dos resultados, trazendo mais eficiência ao processo e garantindo que os níveis de ftalatos fiquem bem abaixo do permitido”, destaca Brandão.

​A medida visa atender a diversos segmentos de atuação da Cipatex, com destaque para o calçadista e moveleiro. No Brasil, a empresa possui a maior capacidade produtiva para materiais sem ftalato. Agora, com o novo equipamento, a companhia poderá atender com maior controle de qualidade. “A aquisição do cromatógrafo significa um grande avanço tecnológico e um importante passo para aumentar a capacidade da empresa de atender às necessidades de clientes nacionais ou internacionais”, destaca.

​​O​ gerente explica que os ftalatos são uma família de compostos, ésteres do anidrido ftálico com álcoois de baixo peso molecular. Alguns destes compostos são utilizados como plastificantes para as resinas de PVC para torná-las flexíveis e macias. No setor calçadista, os ftalatos são usados para conferir maleabilidade e flexibilidade ao cabedal e forro. Conforme Brandão, em alguns casos as substâncias são aceitas por determinado país, mas encontram barreiras no cliente/comprador. Também existem situações em que produtos aceitos por continentes podem ser proibidos pela legislação de um único país, criando um cenário complexo. A lista de restrições é dinâmica e talvez o mercado mais rígido seja o europeu, que segue o Reach, regulamento relativo ao registro, avaliação, autorização e restrição de produtos químicos.

Pelo regulamento, existem restrições em relação a alguns tipos de ftalatos, como DEHP, BBP e DBP. Para exportar para Europa, por exemplo, o nível de DEHP presente no produto final deve ser abaixo de 0.1 %.

Há 53 anos o Grupo Cipatex oferece ao mercado soluções em revestimentos sintéticos e não-tecidos. Criada em 1964, a companhia hoje conta com uma linha de produtos que atende aos setores de calçados, piscinas, bolsas e acessórios, utilidades domésticas, construção, móveis, vestuário, automóveis, esporte e lazer, brindes, material escolar e comunicação visual. Ao todo, a Cipatex® conta com cerca de 1.400 colaboradores distribuídos em cinco plantas industriais.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Cipatex

Curta nossa página no

Evonik e DER-SP destacam avaliação de desempenho do sistema de sinalização horizontal Plástico a Frio

12/09/2017

Estudo técnico demonstra maior visibilidade e contribuição para a segurança do sistema à base de resinas metacrílicas, aplicado em rodovias administradas pelo DER-SP.

Em 2014, a Evonik propôs ao DER-SP (Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de São Paulo) uma avaliação – por dois anos – do desempenho do seu sistema Plástico a Frio, utilizado para sinalização viária horizontal e aplicado na rodovia SP-215, entre as cidades de Poços de Caldas (MG) e Vargem Grande do Sul (SP).

Nas bordas dos referidos trechos foi empregado o sistema Plástico a Frio – nas versões Estrutura e Multipontos (Spotflex®) -, que tem como principal componente as resinas metacrílicas reativas Degaroute® (metil metacrilato – MMA) desenvolvidas pela Evonik.

A avaliação realizada consistiu em comparar o desempenho do sistema Plástico a Frio em relação ao material termoplástico spray, também empregado na rodovia – ambos aplicados em 2014.

Após dois anos de pesquisa com o acompanhamento do DER-SP, o estudo apresentou grande diferença entre os sistemas, especialmente no quesito visibilidade noturna (retrorrefletância) em condição de umidade – uma das situações mais críticas para os usuários das vias: visualizar a sinalização viária à noite e com pista molhada.

A retrorrefletância é a quantidade de luz retrorrefletida dos faróis dos veículos para os olhos do usuário e é medida por milicandelas por lux por m2 (mcd.lx-1.m-2 em geometria de 15m). Enquanto o sistema de sinalização horizontal plástico a frio alcançou valores de até 388 e 442 mcd.lx-1 em condição seca, o termoplástico obteve valores como 59 mcd.lx-1 e não superou os 125 mcd.lx-1. Em condição de umidade, o sistema multipontos em plástico a frio chegou aos valores de 286 mcd.lx-1 enquanto o termoplástico spray não passou de 25 mcd.lx-1.

Mais visibilidade, maior segurança

Após avaliação das estatísticas de acidentes no período pelas autoridades pertinentes, observou-se que no ano de 2016 não houve acidentes fatais no trecho da rodovia avaliado, apesar do aumento do tráfego de veículos na rodovia (aproximadamente 10% desde 2013).

Tendo como função principal delinear visualmente o tráfego, a sinalização viária horizontal é uma das ferramentas que proporcionam segurança ao usuário de trânsito durante todo o seu trajeto – e por este motivo também é reconhecida como uma medida de excelente custo-benefício. Desde 2013, o DER-SP tem inserido o sistema Plástico a Frio à base de resinas metacrílicas em diversas estradas estaduais.

Nos países europeus, a medição da retrorrefletância em condição de umidade faz parte da norma EN 1436, sendo solicitada como item de segurança em diversas classes de rodovias que seguem essa normativa. No Brasil, infelizmente ainda não há exigência deste tipo de avaliação, apesar do Código de Trânsito Brasileiro – em seu Art. 80 parágrafo 1 – especificar que “A sinalização será colocada em posição e condições que a tornem perfeitamente visível e legível durante o dia e a noite, em distância compatível com a segurança do trânsito…”.

Algumas rodovias que foram sinalizadas (parcialmente) com plástico a frio são:

SP 055 – Mongaguá, Peruíbe.
SP 425 – São José do Rio Preto
SP-351 – Sales de Oliveira
SP 255/SP 369 – Pirassununga
SP 284 – Martinópolis
SP 304 – Mineiros do Tietê
SP-270 – Cotia
SP-287 – Pirajú

Sistema Plástico a Frio Estrutura e Multipontos

Segundo a Evonik, o sistema Plástico a Frio, nas versões Multipontos ou Estrutura, promove excelentes benefícios de drenagem, propiciando melhor visualização da sinalização viária. A empresa afirma que ele possui elevada resistência mecânica, retrorrefletância, estabilidade térmica e alta visibilidade à noite, mesmo sob condições de chuva, pois as microesferas de vidro localizadas no topo da superfície fazem com que a demarcação não seja encoberta pela água da chuva e mantenha a retrorrefletância da luz emitida pelo farol do automóvel, sob chuva. A sinalização possui um sistema antiderrapante, que evita deslizamentos nas faixas e melhora a segurança dos usuários.

Sustentabilidade

O sistema Plástico a Frio à base de resinas Degaroute® não emite solventes durante seu preparo e aplicação, o que o torna mais amigável ao meio ambiente, afirma a Evonik. Sua maior durabilidade contribui para diminuir as recuperações, melhorias e manutenções nas estradas. A Evonik afirma que ele também não requer aquecimento para a aplicação, o que confere rapidez no trabalho e segurança para os aplicadores durante o manuseio do produto.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Evonik

Curta nossa página no

Dart do Brasil reduz consumo energético com uso de resina Maxio da Braskem

24/08/2017

Solução da Braskem oferece maior eficiência e competitividade ao mercado transformador

A Braskem avança em mais uma parceria com clientes ao homologar e fornecer nova resina de Polipropileno (PP) para a Dart do Brasil, fabricante da marca Tupperware®. Segundo a Braskem, o polímero RP 340R faz parte da linha Maxio® e oferece maior índice de fluidez e eficiência, além de ganhos ambientais, gerando resultados, como aumento de produtividade e redução nos custos energéticos.

Com o acompanhamento técnico e o foco nas demandas do cliente, a Braskem busca oportunidades para oferecer resinas mais eficientes. “A mudança possibilitou um aumento de mais de 10% no ciclo de produção e uma redução no consumo energético que superou os 7%, ampliando de forma significativa a competitividade do cliente, sem a necessidade de um investimento em novos equipamentos de injeção”, afirma Arinaldo Zanotta, Engenheiro de Aplicação da Braskem.

O uso da resina Maxio® foi aplicado à aproximadamente 80% da linha de produtos da Dart, que conta mais de 40 injetoras em seu parque fabril no Rio de Janeiro. A empresa aprovou a resina em testes no Centro de Tecnologia da Tupperware na Bélgica, o que permitiu a sua homologação no Brasil e também na Europa, viabilizando seu uso global. “Esse é um grande passo. Com essa aprovação, podemos comercializar a resina para todas as unidades da Tupperware no mundo”, destaca Jefferson Bravo, Gerente de Contas da Braskem.

Linha Maxio®

Segundo a empresa, o selo Maxio® indica as resinas ecoeficientes do portfólio da Braskem que proporcionam aos clientes redução do consumo de energia, maior produtividade no processo produtivo e redução de peso do produto final, o que garante mais eficiência e, consequentemente, ganhos ambientais. Os benefícios são obtidos graças à evolução contínua das resinas, preservando ou melhorando propriedades mecânicas, químicas e óticas de produtos acabados.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Vendas da Kommerling no Brasil crescem 28% no semestre

24/08/2017

Administrando negócios globais da ordem de 600 milhões de euros, a multinacional alemã Kommerling – um dos players no setor de perfis e sistemas para esquadrias de PVC- fechou o primeiro semestre contabilizando um avanço de 28% nas vendas. “Conquistamos este resultado, mesmo impactados por um ambiente de desaceleração econômica”, comemora a diretora geral Tonia Lima.

Ela atribui este crescimento à expansão para novos mercados, como o nordestino e o Centro Oeste, bem como a demanda para obras residenciais de alto padrão e obras verticais que contemplam a norma de desempenho NBR 15575.

Mercado em ascensão – O setor de esquadrias de PVC movimenta cifras da ordem de R$ 1 bilhão/ano, respondendo, atualmente, por 3% do mercado geral, contra 45% do aço, 30% da madeira e 22% do alumínio.

“Temos um front enorme para crescer”, sobretudo em nichos como hoteis, fachadas de edifícios, obras no litoral, etc, diz, confiante, Tonia Lima.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Kömmerling

Curta nossa página no