Archive for the ‘Resinas’ Category

Dow anuncia acordo para consumo de energia solar em unidade na Bahia

04/07/2020

  • O PPA (Power Purchase Agreement, acordo de compra de energia elétrica, em português), assinado com a Atlas Renewable Energy, contribui para as metas de sustentabilidade da Dow e no posicionamento almejado como a empresa química com maiores contratos de energia renovável globalmente.
  • O PPA aumentará a competitividade da unidade de Aratu, que produz soluções para o negócio de Poliuretanos da Dow, e está em linha com a estratégia de compra de energia da empresa, focada no fornecimento de energia renovável a custos competitivos, afirma a Dow. Além de energia solar, o complexo fabril de Aratu é suprido também por energia hídrica, biomassa e gás natural.
  • Segundo a Dow, a nova matriz eliminará cerca de 35 mil toneladas de CO2 emitidas por ano na unidade fabril, o que equivale a evitar emissões correspondentes a mais de 36 mil veículos circulando em um ano.

A Dow anunciou em 30 de junho a assinatura de um Contrato de Compra de Energia (PPA – Power Purchase Agreement, em inglês) com a Atlas Renewable Energy, para o consumo de energia solar para a unidade de Aratu, na Bahia. O contrato tem validade de 15 anos e o fornecimento da energia solar ocorrerá por meio da construção da usina Jacarandá, em Juazeiro, na Bahia.

Este acordo está alinhado às novas Metas de Sustentabilidade globais, anunciadas em 17 de junho pela Dow:

  • Proteger o clima: até 2030, a Dow pretende reduzir suas emissões globalmente em 5 milhões de toneladas de CO2 e, até 2050, ser neutra em carbono;
  • Eliminar resíduos: até 2030, a Dow ajudará a eliminar os resíduos, permitindo que 1 milhão de toneladas métricas de plástico sejam coletadas, reutilizadas ou recicladas por meio de suas ações e parcerias diretas;
  • Fechar o ciclo: até 2035, a Dow ajudará a “fechar o ciclo”, fazendo com que 100% dos produtos da companhia vendidos nas aplicações de embalagens sejam reutilizáveis ou recicláveis.

“A Dow tem uma presença sólida no Brasil, que é um país rico em recursos naturais e possui uma matriz de energia mais sustentável, diversificada e econômica. Nosso objetivo com as novas Metas de Sustentabilidade é abordar questões como as mudanças climáticas e os resíduos plásticos, que estão entre os maiores problemas técnicos, sociais e econômicos do mundo, propondo soluções práticas e inteligentes. Como nossos produtos e tecnologia são essenciais para a transição para um mundo de baixo carbono, nós constantemente investimos para garantir que possamos atender à demanda global nos mercados em que atuamos”, afirma Javier Constante, Presidente da Dow na América Latina.

Para Claudia Schaeffer, Diretora Global de Negócios da Dow para Energia e Mudanças Climáticas, “o acordo aumentará a competitividade da unidade de Aratu e está alinhado à estratégia de compra de eletricidade da Dow, focada no fornecimento de energia renovável a custos competitivos. Com o contrato, a empresa terá também direito a emitir Certificados de Energia Renovável. Além de energia solar, o restante da eletricidade consumida na unidade de Aratu vem de uma matriz composta de energia hídrica, biomassa e gás natural.” Após a implementação do projeto, a unidade passa a rodar com 75% de energia mais sustentável.

A Atlas tem um histórico de sucesso focado em projetos de energia renovável na América Latina. Sua plataforma de geração de energia sustentável na região inclui alguns dos melhores projetos de energia solar, com contrato de venda de eletricidade de longo prazo (PPAs de 15 a 30 anos).

Luis Pita, diretor geral da Atlas Renewable Energy no Brasil, lembra que, ao cumprir os pilares sociais, econômicos e ambientais do desenvolvimento sustentável, a energia renovável se firma como principal fonte de energia do século XXI. “Nossa parceria com a Dow para fornecimento de energia mais sustentável em muito nos orgulha, pois reforça nosso compromisso em ajudar grandes consumidores de energia no cumprimento de suas metas e políticas de sustentabilidade. Além disso, o projeto terá impacto positivo nas comunidades próximas à usina, com iniciativas que irão promover o bem-estar ambiental e social da população, em especial das mulheres, graças a um programa desenvolvido para promover igualdade de gênero, ao aprimorar ou criar novas habilidades para elas”, afirma. Com esse programa, a empresa espera contratar de três a quatro vezes mais mulheres do que a força de trabalho feminina normalmente contratada em projetos solares no Brasil.

“Estamos comprometidos com práticas sustentáveis, e a prioridade, como parte de nossa estratégia global, é buscar parceiros que estejam alinhados com nossos pilares”, reforça Claudia Schaeffer. Para a executiva, a Atlas compartilha do compromisso da Dow com a mitigação de carbono e dos princípios de responsabilidade social para as comunidades em que a companhia está presente.

Segundo a Dow, o projeto ainda proporcionará maior competitividade à sua fábrica em Aratu, reforçando o posicionamento da unidade fabril na produção de soluções para o negócio de Poliuretanos com matriz mais sustentável de energia renovável.

Neste mesmo complexo industrial são desenvolvidas soluções de Poliuretano para a geração de produtos que atendem a diversos mercados – entre eles isolamento térmico para edificações na indústria da construção e para refrigeração na cadeia do frio – promovendo eficiência energética, conforto térmico e segurança, já que diminuem as emissões de GHG (gases estufa) em geral, CO2 (gás carbônico) e VOC (compostos orgânicos voláteis), utilizam menos recursos e possuem propriedades antichamas.

A Dow cita como exemplo que os seus painéis de isolamento térmico com poliuretano para a construção civil reduzem as emissões de CO2, tanto no processo de fabricação quanto na aplicação a longo prazo, além de apresentar benefícios em relação à construção de obras convencionais em alvenaria, como: eliminação de 100% da água utilizada na montagem, redução de até 60% no consumo de energia e instalação até 10 vezes mais rápida. Além disso, proporcionam mais segurança contra incêndio dos edifícios, pois possuem retardante de fogo, cumprindo com os padrões e certificações mais exigentes da região. Assim, engenheiros e arquitetos desempenham um papel fundamental como embaixadores de edifícios inteligentes, tendo como aliados os painéis de isolamento térmico em poliuretano, ajudando as edificações a alcançarem certificações internacionais como LEED e AQUA.

Outros projetos com foco na sustentabilidade

Em outubro de 2019, a companhia anunciou acordo com a Central Puerto, para o fornecimento de 20% de energia elétrica eólica para sua planta de Bahía Blanca, na Argentina. Uma vez totalmente operacionalizado, o acordo entre a Dow e a Central Puerto dá à companhia acesso a 20 MW de capacidade de eletricidade, o equivalente ao abastecimento de cerca de 10.400 residências. O recurso renovável será integrado à rede nacional de transmissão gerenciada pela CAMMESA para ser usado pela Dow em sua planta de Bahía Blanca.

Em 2014, no próprio complexo industrial de Aratu, houve substituição do gás natural por uma fonte renovável produzida a partir de eucalipto. Segundo a Dow, a floresta de eucaliptos é cultivada de forma sustentável, evitando o desmatamento e possibilitando a diminuição da carga de gás natural em cinco caldeiras existentes na unidade. A biomassa é fornecida por parceria com produtores rurais localizados no litoral norte da Bahia. Cada uma dessas fazendas atende aos critérios de sustentabilidade estabelecidos no Padrão de Madeira para Calor e Eletricidade. Além disso, um excesso de 12 megawatts (MW) de eletricidade renovável é enviado de volta à rede de distribuição de energia pela empresa parceira da Dow.

Além dessas inciativas, a Dow vem realizando outras ações globais para alcançar seus objetivos de sustentabilidade. A empresa anunciou esta semana que estabeleceu acordos de energias renováveis em outras unidades nos Estados Unidos (Texas e Kentucky). Os acordos garantirão 338 megawatts adicionais de capacidade energética, o que representa uma redução de mais de 225 mil toneladas métricas de CO2. Além disso, a Dow também está perto de ultrapassar sua meta de adquirir 750 MW de capacidade de energia renovável até 2025.

“Hoje, mais do que nunca, é preciso buscar soluções para reduzir o impacto das mudanças climáticas,” afirma Júlio Natalense, Líder de Sustentabilidade da Dow para a América Latina. “Nosso compromisso com a sustentabilidade se firmou há décadas e continuamos a inovar e a desenvolver novas tecnologias para reduzir as emissões de nossas operações, além de fabricar produtos que possibilitem um futuro com menos impacto ambiental. Buscamos sempre os melhores parceiros, alinhados aos nossos objetivos, para conquistarmos nossas metas”, finaliza o executivo.

A Atlas Renewable Energy é uma empresa de energia renovável que desenvolve, constrói e opera projetos de energia renovável com contratos de energia de longo prazo na América Latina. O atual portfólio da empresa é de 2GW de projetos contratados em estágio de desenvolvimento, construção ou operação, e tem como objetivo um crescimento adicional de 3.5GW nos próximos anos. Lançada no início de 2017, a Atlas Renewable Energy atua no desenvolvimento, construção e operação de projetos em grande escala. A empresa faz parte do Energy Fund IV, fundado pela Actis, um dos principais investidores em private equity no setor de energia de mercados emergentes. A Atlas afirma que conta com uma das maiores bases de ativos solares da América Latina, fornecendo energia mais sustentável para aproximadamente 1 milhão de famílias e evitando a emissão de quase 800 mil toneladas de CO2.

A Dow possui um portfólio de plásticos, intermediários industriais, revestimentos e silicones utilizados por clientes em segmentos de mercado de alto crescimento, como embalagens, infraestrutura e cuidados do consumidor. A Dow opera 109 unidades fabris em 31 países e emprega aproximadamente 36.500 pessoas. Em 2019, gerou aproximadamente US$ 43 bilhões em vendas.

Foto: Atlas

Curta nossa página no

Evonik lança filamento de PEEK “grau de implante” para aplicações médicas em impressão 3D

03/07/2020

O filamento de PEEK de cor natural possui um diâmetro de 1,75 mm e é enrolado em bobinas de 250-500 gramas, adequadas para uso direto em impressoras 3D FFF para materiais de PEEK.

A Evonik anunciou o lançamento de um filamento de PEEK (poliéter-éter-cetona) imprimível em 3D como material “grau de implante” para aplicações médicas. A empresa afirma ser a primeira a lançar tal produto no mercado e, com isso, estabelece novos padrões para o desenvolvimento e a fabricação de implantes plásticos personalizados, que agora podem ser criados usando processos de manufatura aditiva que atendem aos requisitos da norma ASTM F2026 (a especificação padrão para polímeros de PEEK, aplicáveis na área de implantes cirúrgicos).

Comercializado sob a marca Vestakeep i4 3DF, esse filamento de PEEK é um material “grau de implante” à base de Vestakeep i4 G, um polímero da Evonik com alto desempenho e alta viscosidade. Segundo a empresa, o produto apresenta atributos de biocompatibilidade, bioestabilidade, transparência ao raio-X e facilidade de manuseio. Após ser produzido em condições de sala limpa, o filamento é submetido a rigorosos padrões de gestão de qualidade para materiais médicos, afirma a empresa.

Filamento de PEEK para fabricação por filamentos fundidos (FFF)

O material foi desenvolvido para a tecnologia de impressão 3D denominada “Fabricação por filamentos fundidos (FFF)”. O filamento de PEEK de cor natural, que possui um diâmetro de 1,75 mm, é enrolado em bobinas de 250-500 gramas, adequadas para uso direto em impressoras 3D FFF para materiais de PEEK.

“Na moderna tecnologia médica, o desenvolvimento do nosso primeiro material de implante imprimível em 3D abre novas oportunidades para o tratamento personalizado de pacientes. As cirurgias ortopédicas e maxilofaciais são exemplos de áreas nas quais a tecnologia poderia ser aplicada”, diz Marc Knebel, responsável pelo segmento de mercado Medical Devices & Systems na Evonik. “Materiais de alta performance inovadores como o Vestakeep PEEK da Evonik, juntamente com hardware e software de alta complexidade e o ajuste perfeito entre materiais e máquinas, formam a base para uma revolução sustentável da impressão 3D em tecnologia médica. É por essa razão que vamos ampliar gradualmente o nosso portfólio de biomateriais imprimíveis em 3D”.

“Grau de teste” permite um ajuste de processo mais econômico

Além do “grau de implante”, a Evonik também oferece uma versão do filamento de PEEK em “grau de teste”. O termo se refere a uma classe de materiais com exatamente as mesmas propriedades de produto que o “grau de implante”, mas sem a documentação necessária para a aprovação em aplicações na tecnologia médica. Oferece, ainda, uma maneira mais econômica para ajustar as características de processamento do material a determinada impressora 3D.

A Evonik é um dos líderes de produção mundial de polímeros de alta desempenho e aditivos usados na manufatura aditiva. A empresa de especialidades químicas oferece um portfólio de biomateriais imprimíveis em 3D para tecnologia médica, que podem ser usados na fabricação de produtos projetados para o contato temporário ou permanente com o corpo. Além do Vestakeep i4 3DF, o portfólio inclui a linha Resomer de filamentos, pós e grânulos bioabsorvíveis para dispositivos médicos implantáveis.

A Evonik é uma das líderes mundiais em especialidades químicas. Contando com mais de 32 mil colaboradores, a empresa atua em mais de 100 países em todo o mundo e gerou vendas de 13,1 bilhões de euros e um lucro operacional (EBITDA ajustado) de 2,15 bilhões de euros em 2019.

Curta nossa página no

Braskem conclui construção e inicia comissionamento da nova unidade de produção de polipropileno em La Porte, Texas

03/07/2020

A fábrica reforçará o fornecimento ao mercado norte-americano e também às exportação para clientes em todo o mundo.

A Braskem anunciou a conclusão da construção e início do comissionamento da unidade de produção de polipropileno Delta, localizada em La Porte, no estado norte-americano do Texas. A nova linha de produção é a primeira construída pela companhia nos EUA e reforça a capacidade global da petroquímica brasileira, tanto no atendimento ao mercado interno americano, como na exportação para todo o mundo.

“É com orgulho que anunciamos a conclusão da construção de nossa unidade de produção de polipropileno, a mais nova dos Estados Unidos. Essa planta reforça a estratégia global de negócios da Braskem, reafirmando também nosso compromisso com os clientes em todo o mundo, especialmente no mercado americano”, afirma Mark Nikolich, vice-presidente Braskem na América do Norte.

Segundo a empresa, a construção de Delta teve como base as premissas de desenvolvimento sustentável da Braskem, observando ecoindicadores relevantes, como emissões de carbono, eficiência hídrica e energética, reciclagem e redução do volume de resíduos.

A nova unidade tem capacidade de produção estimada em mais de 450 mil toneladas (kt) por ano, podendo produzir todo o portfólio de polipropileno (PP), incluindo uma ampla variedade de produtos, como homopolímeros, copolímeros de impacto e copolímeros aleatórios. A companhia conta com outras cinco fábricas de PP nos EUA, sendo três no Texas, uma na Pensilvânia e uma em West Virginia. Juntas, as seis unidades têm capacidade de produção anual de quase 2 milhões kta.

De acordo com Nikolich, o início da operação comercial de Delta deve ocorrer ainda em 2020 e sua produção reforçará o atendimento da demanda interna americana, que atualmente importa polipropileno para suprir o déficit no mercado doméstico. A unidade também auxiliará diretamente na capacidade de exportação global da Braskem para seus clientes na América do Norte, América do Sul, Europa e Ásia.

O processo de comissionamento está em andamento e a Braskem afirma estar empenhada em concluir todas as etapas necessárias para garantir um início seguro e bem-sucedido, o que inclui a implementação de diretrizes aprimoradas de saúde e segurança referentes à Covid-19, para proteger os integrantes e demais envolvidos na operação da companhia. Durante essa fase, a empresa concluirá avaliações funcionais e de processos para verificar o desempenho dos controles e sistemas de segurança integrados. A execução inicial dos testes de produção deve começar em julho, com a primeira atividade de produção em escala comercial prevista para o terceiro trimestre de 2020.

Mercado norte-americano de polipropileno

A pandemia do novo coronavírus impactou a indústria norte-americana de polipropileno, em especial durante os meses de abril e maio, afetando principalmente os segmentos de bens duráveis, como o automotivo. No entanto, esse efeito foi parcialmente mitigado por fortes vendas em aplicações de não-tecido e embalagem. Segundo a Braskem, a recuperação começou a ser projetada em junho, a partir do crescimento da demanda, o que oferece perspectiva positiva para o desempenho de PP no terceiro trimestre, uma vez que os clientes da empresa estão ampliando suas operações e o consumo aparenta ter se reestabelecido.

“Estamos bem posicionados para iniciar a nova linha de produção de PP no mercado, em especial pela expectativa de que nossa cadeia de valor global aproveite a posição competitiva do propileno e do polipropileno na América do Norte para exportações. Além disso, a combinação de maior demanda e oportunidades de exportação permitirão ampliar a produção das novas instalações”, explica Alexandre Elias, responsável por polipropileno na Braskem na América do Norte.

Curta nossa página no

Adirplast defende que feiras do Setor de Plásticos sejam unificadas

26/06/2020

Entidade divulga documento assinado por todos os seus associados que sugere a unificação de feiras do setor de plásticos

A Adirplast (Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas e Afins) distribuiu hoje uma nota para imprensa e um documento para o segmento de plásticos, com o aval de todos os seus associados, no qual enuncia que “Uma feira para o setor de plástico no país basta”. Na prática, os empresários do setor de Distribuição de Plásticos enfatizam a inviabilidade de diversas feiras do setor e indicam a construção de um único e forte evento capaz de sintetizar tudo o que o setor de plásticos no país representa. “Já não é mais possível, nos tempos em que vivemos hoje, ser capaz de investir em várias feiras para o mesmo público”, concordam os membros da entidade.

Ainda segundo os associados da Adirplast, essa é uma reflexão que há muito tempo já deveria ter sido feita, mas que torna-se imprescindível agora, devido ao cenário econômico atual. “Não podemos manter altos investimentos com retorno incerto, tendo como opção as excelentes alternativas de divulgação focadas das mídias sociais. A crise mundial acentuada pela pandemia da Covid-19 tem custado a todos e não será revertida em curto espaço de tempo”, justificam os empresários.

Os membros da entidade ressaltam que acreditam no potencial desses eventos de gerar negócios ou mesmo de estreitar laços entre fornecedores e clientes, mas enfatizam que nada disso é possível sem recursos. Assim, apelam para o setor construir uma única e mais forte opção de investimento, capaz não apenas de se tornar a maior vitrine do setor produtivo de plástico do país, mas também a mais rentável.

Segue documento da Adirplast na íntegra:

“Reflexão sobre a importância de unificar as Feiras do Setor Plástico no Brasil

Com intuito de achar saídas e posicionamentos mais adequados à época em que vivemos e que ainda se desenha à nossa frente, a Adirplast – Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas e Afins – convida a todos do setor para uma reflexão que há tempos deveria ter sido feita, mas que foi sempre postergada. No entanto, diante do cenário atual, é imprescindível que pensemos em somar esforços e conter gastos isolados. Afinal, as empresas devem ter foco em seus investimentos mais rentáveis.

Acreditamos que as feiras são as vitrines do setor. Nelas circulam e se encontram clientes e profissionais do segmento e esses eventos também servem para fortalecimento de marca e de relacionamentos. No entanto, os custos são altos e, por isso, precisam ser repensados. Assim, sugerimos a realização de um único evento e que seja capaz de promover o que este setor tem de melhor, como os exemplos da Feira K na Alemanha, Chinaplas ou Expo Plasticos no México.

Além das limitações econômicas das empresas e da necessidade de retorno dos investimentos, ainda pesa contra os eventos as evidentes imposições de isolamento que deverão nortear a sociedade a partir da pandemia. No mais, é preciso pensar também que hoje, graças à Internet e às mídias sociais, a divulgação de novos produtos e serviços tem sido cada vez mais constante – nenhuma marca espera mais por feiras para anunciar um lançamento.

Tudo isso, ao nosso ver, conduz inapelavelmente para a unificação de uma só feira representativa do setor. E é nesse caminho que devemos seguir.

Assim, ciente da responsabilidade que lhe cabe, a Adirplast, entidade que reúne 25 distribuidores e atende mais de 7 mil empresas de transformação, além de responder pela distribuição de 10% de todo o volume consumido de resinas plásticas, plásticos de engenharia e filmes bi-orientados do país, pede que a unificação das feiras do setor seja uma premissa conjunta para os próximos anos.

Enquanto um movimento neste sentido não é visível, temos aconselhado os nossos associados a procurarem a opção que acharem mais conveniente, de acordo com sua estratégia e foco comercial. No entanto, a unificação tende a ser uma escolha futura, não nossa, como associação, mas do próprio setor que certamente escolherá a feira de melhor retorno. Não havendo uma unificação espontânea dos eventos, ficará o mercado responsável por apontar quem deve permanecer representando o setor do plástico no Brasil.”

Sobre a Adirplast: A Adirplast tem como diretrizes o fortalecimento da distribuição, o apoio aos seus associados e a integração do setor de varejo de resinas plásticas, filmes bi-orientados e plásticos de engenharia. Seu objetivo é demonstrar a importância que os distribuidores têm para o setor e para o desenvolvimento do mercado brasileiro de plásticos. Atualmente, a entidade agrega empresas distribuidoras de insumos plásticos que, juntas, tiveram um faturamento bruto de cerca de R$ 4,5 bilhões em 2019. Elas responderam por cerca de 12% de todo o volume de polímeros e filmes bi-orientados comercializados no país.

Contam com uma carteira de 7.000 clientes, em um universo de 11.500 transformadores de plásticos no Brasil. Para atendê-los, a entidade emprega 150 representantes externos e mantém 200 postos de atendimento, contando com equipes de assistência técnica e de pós-venda.

Fonte: Adirplast

Curta nossa página no

Braskem firma parcerias para produção de calçados e máscaras para profissionais de saúde na linha de frente do combate à covid-19

19/06/2020

  • A resina doada foi utilizada para produção de 18 mil calçados hospitalares e 250 mil máscaras de proteção para hospitais da rede pública em Alagoas, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo e Tocantins
  • Calçado hospitalar produzido pela Alpargatas em parceria com a Braskem

A Braskem se uniu à Alpargatas, indústria de bens de consumo, para confecção de equipamentos de proteção individual (EPIs), como calçados e máscaras de uso hospitalar, destinados aos profissionais de saúde que atuam na linha de frente de combate à Covid-19. Os calçados já estão sendo distribuídos para hospitais em São Paulo (SP) e as máscaras estão sendo doadas para a rede pública de Alagoas, Bahia, Rio de Janeiro e Tocantins.

Os calçados foram produzidos a partir de 4,6 toneladas de resina EVA doadas pela Braskem. Já as máscaras foram confeccionadas pela Alpargatas a partir de nãotecido, feito com resina de polipropileno (PP) doada pela Braskem à Fitesa, mais uma parceira da companhia nas iniciativas para o enfrentamento do novo coronavírus.

No estado de São Paulo (SP), os calçados, ao todo 18 mil pares, foram entregues ao governo estadual, responsável pela distribuição aos hospitais. No Rio de Janeiro (RJ) e em Duque de Caxias (RJ), com apoio da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), foram distribuídas mais de 50 mil máscaras de proteção ao Hospital Municipal de Duque de Caxias e aos Hospitais Federais do Andaraí, Bonsucesso, Cardoso Fontes, Graffé Guinle, Ipanema, Lagoa e Servidores, além da Secretaria de Estado de Saúde. Na Bahia, a rede municipal de Camaçari recebeu 150 mil máscaras. Para a rede pública de saúde do Tocantins, a iniciativa repassou 10 mil máscaras.

Já para Maceió (AL), foram doadas 40 mil máscaras, sendo 20 mil para as Secretarias de Saúde do município e do Estado. Parte deste volume será repassada aos profissionais da saúde que atuam no Centro de Triagem inaugurado em abril deste ano pela própria Braskem, com apoio do Governo de Alagoas, com o objetivo de desafogar a rede pública da saúde durante a crise da covid-19. O espaço é utilizado para atender pacientes com sintomas de gripe.

Os hospitais beneficiados foram selecionados pelas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde das respectivas regiões. “Estamos mobilizando diversos parceiros e demais integrantes da nossa cadeia de valor para encontrar alternativas rápidas, seguras e eficazes que possam ajudar o Brasil a atravessar esse período desafiador. Estamos engajados em uma série de iniciativas que apoiam hospitais e comunidades próximas das nossas unidades fabris no país e a Alpargatas e a Fitesa são aliadas essenciais nesse movimento. O momento é de união e de demonstrar, na prática, o quanto o nosso setor pode ajudar a sociedade, especialmente na área de saúde”, afirma Edison Terra, vice-presidente de Olefinas e Poliolefinas da Braskem na América do Sul.

“Acreditamos que o caminho para superarmos a crise humanitária que estamos vivendo é trabalhar em união de esforços com outras empresas, representantes de comunidades, entidades de ajuda. Com empatia e solidariedade somos mais fortes para combater o coronavírus e seus efeitos”, afirma Roberto Funari, CEO da Alpargatas.

“As doações junto aos parceiros reforçam a importância da consciência coletiva nos mais diversos segmentos para superarmos este momento delicado da saúde mundial. Ficamos felizes em poder fornecer material com o nível de exigência técnica necessária no combate à pandemia. Tornamos isso uma questão prioritária em nossa operação”, afirma Silverio Baranzano, CEO da Fitesa.

Iniciativas da Braskem para apoiar os profissionais da saúde durante o período de covid-19

Além da ação recente com Alpargatas, a Braskem doou mais de 370 toneladas de resinas plásticas para produção de embalagens para 750 mil litros de álcool líquido e em gel e 500 mil almotolias, um tipo de frasco plástico utilizado em ambiente hospitalar para preservar álcool líquido ou em gel. Parte da resina também foi utilizada pela Fitesa, parceira da Braskem, para confecção do nãotecido (TNT) usado na produção de mais de 60 milhões de máscaras e aventais. Todos os itens foram doados para hospitais de Alagoas, Bahia, Ceará, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Para os hospitais, a Braskem ainda distribuiu 10 mil caixas de hipoclorito para diluição ou uso como água sanitária e mais de 150 mil sacos plásticos para lixo hospitalar. Além disso, a empresa, está doando 90 toneladas de gás liquefeito de petróleo, conhecido como GLP, para dois hospitais de campanha construídos na cidade de São Paulo, um no centro de eventos do Anhembi, na zona norte, e outro no Complexo Ginásio do Ibirapuera, na zona sul. O gás está sendo utilizado na preparação de mais de três mil refeições diárias para pacientes e profissionais da saúde, no aquecimento de chuveiros e no funcionamento de lavanderias.

Em Maceió (AL), onde a companhia também está presente, uma ação conjunta com o governo estadual viabilizou a construção de um Centro de Triagem com 30 salas de atendimento, salas de raio-x, exames laboratoriais e administração de medicamentos. Os profissionais da saúde atendem a pacientes com sintomas de gripe e a iniciativa evita aglomerações no Hospital Geral do Estado, contribuindo para desafogar a rede pública da cidade.

Ações da Braskem para apoiar comunidades no enfrentamento do novo coronavírus

Neste momento, as iniciativas se concentram na doação direta de itens essenciais considerando o atual cenário. Para os trabalhadores de cooperativas de reciclagem, por um período de três meses, a companhia vai doar cestas básicas. Mais de duas mil famílias, cerca de 15 mil pessoas, serão beneficiadas com essa ação.

Entre o fim de abril e o início de maio, a Braskem também doou mais de 50 mil kits de limpeza contendo produtos como detergente, água sanitária, álcool em gel, sabonete em barra e um folheto informativo com dicas de prevenção à covid-19. A iniciativa beneficiou cerca de 200 mil pessoas nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Para mais informações sobre as iniciativas da Braskem para ajudar o Brasil a enfrentar o novo coronavírus, acesse o site www.braskem.com.br/covid-19 .

Curta nossa página no

BASF conclui etapa de integração de equipes após aquisição do negócio de poliamidas da Solvay

17/06/2020

  • Processo de aquisição do negócio de poliamida da Solvay tem mais uma etapa concluída
  • Engenheiro químico, Fernando Barbosa, comanda o negócio da BASF

A BASF está finalizando a fase de integração da equipe de poliamidas, em mais uma etapa importante no processo de aquisição do negócio de poliamidas da Solvay, que passou a fazer parte da área de Materiais de Performance da companhia no início deste ano. Com a ampliação da atividade no setor, o negócio de Materiais de Performance ganha o comando de um vice-presidente para América do Sul, Fernando Barbosa, que já atuava como diretor de Dispersões, Resinas e Aditivos na empresa.

“Temos um enorme potencial no mercado de plásticos de engenharia e a certeza de que seremos os melhores parceiros no desenvolvimento de soluções inovadoras e sustentáveis. Nossa estratégia de foco no cliente se fortalece com a ampliação de portfólio e vemos com otimismo as perspectivas de crescimento do negócio na região”, considera Barbosa. “A fase de integração de equipes está sendo muito valiosa. A BASF valoriza a experiência e competência dos colaboradores e procura potencializar os diversos talentos”, afirma o executivo.

Com a aquisição, a capacidade de oferecer produtos inovadores numa ampla variedade de plásticos de engenharia foi fortalecida na região, inclusive com a possibilidade de um tempo mais curto entre produção e entrega, laboratórios locais, suporte técnico e total apoio no pós-venda.

A companhia também passa a estar presente em toda a cadeia de valor da poliamida 6.6, por meio da integração reversa com a principal matéria-prima, a adiponitrila (ADN), garantindo confiabilidade em termos de fornecimento.

Nova liderança

Fernando Barbosa assumiu no início de junho o posto de vice-presidente para Materiais de Performance da BASF para a América do Sul. Engenheiro químico formado pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), com MBA em finanças pela Fundação Getúlio Vargas, Barbosa já completa mais de 20 anos de trabalho na BASF. Começou sua carreira na companhia no desenvolvimento e serviço técnico de sistemas de poliuretano, ascendendo profissionalmente até a posição de gerente sênior de sistemas e elastômeros de poliuretano para a América do Sul em 2009. Depois de quase três anos, tornou-se diretor de Químicos para Papel, seguindo para o negócio de Dispersões, Resinas e Aditivos, onde chegou a head para a América do Sul.

A BASF conta com mais de 117.000 colaboradores em quase todos os países do mundo. O portfólio da empresa é organizado em seis segmentos: Químicos, Materiais, Soluções para Indústria, Tecnologias de Superfície, Nutrição & Cuidados Pessoais e Soluções para Agricultura. A BASF gerou vendas de 59 bilhões de euros em 2019.

A divisão de Materiais de Performance da BASF engloba sob o mesmo teto o know-how de materiais da empresa em relação a plásticos inovadores e personalizados. Mundialmente ativa em quatro grandes setores da indústria – transporte, construção, aplicações industriais e bens de consumo – a divisão tem um amplo portfólio de produtos e serviços combinados.

Foto: BASF/divulgação

Curta nossa página no

Projetos em acrílico têm ajudado a inibir a proliferação do Covid-19 em ambientes públicos

04/06/2020

O acrílico atende às especificações de variados projetos e em diferentes estabelecimentos comerciais – como restaurantes, mercados, farmácias, bancos e até veículos de transporte público de passageiros, entre outros – permitindo que pessoas se encontrem ou que trabalhem de forma mais segura

A pandemia tem mudado a vida de todos no mundo todo. Muitos não podem sair de casa ou, quando podem, precisam evitar proximidade. O distanciamento social virou uma regra, pelo menos até que exista uma vacina ou tratamento eficaz para a Covid-19. Enquanto isso, quem trabalha com o público precisa se precaver para não se contaminar e nem contaminar aos outros. Com esse objetivo, o acrílico têm desempenhado um papel importante nesse sentido. Leve, resistente, fácil de limpar e totalmente transparente, o material é usado em aplicações como escudos protetores, divisórias, cubas e até viseiras médicas, entre outros itens.

Vistas pela primeira vez na Europa e na Ásia, as barreiras de proteção em acrílico para restaurantes permitem que as pessoas se encontrem e sentem-se juntas à mesa, sem que tenham contato direto. As peças podem ser facilmente instaladas em mesas e balcões e se adaptam bem em qualquer ambiente, podendo ser também moldadas e impressas a laser. Nesses projetos, a grande variedade de espessura das chapas, além de cores, pode ainda permitir que o estabelecimento possa aliar sua identidade visual ao projeto de proteção.

Esses escudos se mostram fundamentais em épocas como essas, mas a verdade é que permitem a proteção de quem trabalha com o público durante todo o ano e não apenas nas circunstâncias atuais. Por isso, sua instalação em balcões de atendimento, como os de bancos, caixas de supermercados, correios, lotéricas, farmácias e padarias têm sido ampliada e deve se tornar cada vez mais comum.

E não é só em estabelecimentos comerciais padrões que as barreiras acrílicas podem ajudar a diminuir a contaminação. Essas divisórias também estão sendo usadas no setor de transporte de passageiros, como táxis e aplicativos. Como o acrílico é um material fácil de moldar, foi possível criar, através dele, uma barreira com estética e visualmente agradável para o interior de veículos. Ela é apoiada no encosto dos bancos dianteiros e divide a cabine do carro em dois ambientes. Assim, motorista e passageiros tem o menor contato possível. O produto, que é fabricado e oferecido por diversas empresas associadas ao INDAC (Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico), tem se tornado cada vez mais comum. Há inclusive empresas de locação de carros que oferecem o item como opcional. Fácil de instalar e de limpar, a peça pode ser adquirida inclusive pela internet. “Fazemos o produto com chapas cristais de 3 ou 4 mm de espessura. Modernas, elas atendem à demanda do setor por mais segurança sem comprometer o visual do carro”, explica Isabella Covre, relações públicas da Emporium Acrílicos.

A área médica também não é novidade para as empresas do setor de acrílico. A produção de incubadoras e berços em acrílico hospitalar para recém-nascidos são alguns dos itens comuns desenvolvidos pelo segmento e por algumas das empresas ligadas ao INDAC. Assim, nada mais natural que as empresas deste setor ofereçam aos hospitais, além de outros segmentos, inúmeros outros projetos e produtos, como viseiras protetoras para profissionais da saúde e cubas, usadas na intubação de pacientes, além de diversos tipos de porta-objetos.

Segundo Carlos Marcelo Thieme, Diretor Presidente do INDAC, esse não é um período fácil para ninguém, nem para as pessoas, nem para as empresas. Mas os associados do INDAC têm procurado se reinventar e ajudar o país da maneira que sabem, trabalhando com o acrílico.

Além das vendas, muitas empresas ligadas à entidade têm doado material para hospitais e centros de atendimento que atuam no combate ao Covid-19. “Acreditamos que esse é o Brasil que dá certo, quando cada um contribui com o que pode”, conta Ralf Sebold, diretor da Bold.

Vantagens na escolha do acrílico como matéria-prima:

Transparência: 92% em qualquer espessura – a maior dentre todos os materiais, além de opções de chapas jateadas ou anti-refletivas;
Resistência ao impacto: 10 vezes superior ao vidro;
Variação de espessuras e tamanhos: de 1,0 a 50,0 mm e chapas de 1 x 1 até 2 x 3 metros;
Facilidade de dobragem, colagem e moldagem;
Inúmeras opções de cores transparentes, como verde vidro, azul piscina, amarelo bebê ou gradações de fumês – adequando-se a necessidade de qualquer projeto.
Limpeza: deve ser feita com água e sabão neutro.

A matéria prima do acrílico (MMA) e toda cadeia produtiva, chapas e peças são nacionais.

Serviço:
Acrinox – http://www.acrinox.com.br – (61) 3202-7577
Acriplanos – http://www.acriplanos.com.br – (71) 3023-9261
Artcryl – http://www.artcryl.com.br – (11) 4207-5652
Bold – http://www.bold.net – (47) 3274-6565
Brascril – http://www.brascril.com.br – (51) 3362-7052
Casa do Acrílico – http://www.acrilico.com.br – (19) 3728-2931
Castcril – http://www.castcril.com.br – (11) 3062 0199
Cristal e Cores – http://www.cristalecores.com.br – (11) 4661-7340
Emporium Acrílicos – http://www.emporiumacrilicos.com.br – (14) 3313-6605
Menaf – http://www.menaf.com.br – (11) 2412-0081
Tudo em Acrílico – http://www.tudoemacrilico.com.br – (11) 3732-1688
Solugrav – http://www.solugrav.com.br – (48) 3052-3322

Para encontrar o fornecedor de acrílico mais perto, acesse: https://www.indac.org.br/guia-acrilico/

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico é uma organização criada há 19 anos, com objetivo de promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado.

A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 40 filiados em todo o país.

Curta nossa página no

Milliken oferece concentrado de Polipropileno transparente para aumentar a disponibilidade de materiais para fabricação de protetores faciais

04/06/2020

Milliken está viabilizando a expansão da oferta de material plástico transparente para viseira de proteção facial

Especialista mundial em ciência de materiais, a Milliken & Company está mais uma vez usando suas capacidades para ajudar a produzir equipamentos médicos de proteção individual (EPIs) necessários no meio da pandemia da COVID-19. A atual escassez de materiais plásticos utilizados para viseiras de proteção facial está levando os fabricantes a disponibilizarem o polipropileno, que apresenta maior oferta no mercado. O material, porém, tende a ser naturalmente translúcido. Por isso os fabricantes de plástico estão recorrendo à Milliken para utilizar o seu concentrado de polipropileno NX UltraClear e gerar materiais plásticos com níveis de transparência adequados para as viseiras de proteção facial usadas na área da saúde.

“Nesta pandemia, a necessidade de EPIs médicos continua aumentando”, diz Halsey M. Cook, presidente e CEO da Milliken & Company. “Estamos empenhados em encontrar soluções que ajudem nossos clientes e nos permitam participar da luta contra a COVID-19 onde quer que possamos fazer a diferença”.

A Milliken tem colaborado com vários fabricantes de plástico, desde grandes multinacionais a empresas regionais, para avaliar o produto NX UltraClear nesta sua nova aplicação. A Impact Plastics está entre as empresas nos Estados Unidos que utilizam os concentrados NX UltraClear para tornar o polipropileno transparente para uso em viseiras de proteção facial. Algumas empresas no Brasil e a Mezger na Alemanha também estão utilizando os concentrados NX® UltraClear para produzir chapas de polipropileno adequadas para essa aplicação.

As viseiras de proteção facial para uso médico feitas com o polipropileno NX UltraClear já estão sendo comercializadas e utilizadas pelos profissionais que estão na linha de frente.

Curta nossa página no

Embalagens em EPS alinham-se a mudanças de comportamento dos consumidores de produtos frescos durante a pandemia

04/06/2020

Com a pandemia de Covid-19, cerca de 81% dos consumidores brasileiros demonstraram preocupação com a higiene e segurança dos alimentos, de acordo com pesquisa realizada em março pela PMA – Produce Marketing Association (pma.agr.br), associação que reúne produtores de FLVs (frutas, legumes e verduras) no Brasil. Por outro lado, o consumo de produtos frescos de qualidade é fundamental para manter a saúde e os níveis de imunidade altos. Segundo a Termotécnica, os supermercadistas relatam aumento significativo de 40% na procura por estes alimentos.

Essa nova realidade vem alterando o comportamento do consumidor. Conforme a mesma pesquisa da PMA, 59% dos consumidores informam que têm procurado mais produtos frescos embalados por motivos de segurança alimentar. O que era a granel agora vem sendo embalado: isso porque as embalagens proporcionam menos interação humana em todo o processo de produção, movimentação e exposição no ponto de venda, até a mesa dos consumidores.

Facilidade na logística de e-commerce e delivery

À medida que os consumidores mudam seus hábitos alimentares e de compra, supermercados e toda a cadeia de fornecimento, por sua vez, estão sofrendo grandes alterações nos negócios. Com a redução da frequência dos consumidores nas lojas físicas, o mercado de FLV vem crescendo sua representatividade no e-commerce. E os aplicativos de entrega de comida, como o Ifood, antes dedicados aos estabelecimentos de gastronomia, já estão realizando as entregas para os supermercados.

Adquiridos via e-commerce e entregues por delivery, os produtos frescos embalados ganham ainda mais força, para garantir que cheguem até a casa do cliente mantendo sua qualidade e segurança. E mesmo nas compras feitas pelo computador mas retirados em um ponto de venda, é preciso que já estejam embalados e prontos para serem levados pelos clientes.

Ainda quanto as questões logísticas, as embalagens em EPS eliminam despesas também com fretes de retorno, já que o EPS é one-way e pode ser 100% reciclado no local de destino. Isso torna as soluções em embalagens EPS sustentáveis e adequadas para acondicionar as FLVs do campo à mesa. Além de reduzir a absorção de impactos no transporte, manter e melhorar a exposição no varejo reduzindo o contato humano com os produtos em toda a cadeia.

As embalagens conservadoras em EPS (poliestireno expandido, também conhecido pela nome de marca Isopor) permitem alto isolamento térmico, absorção de impactos, facilidade no empilhamento, transporte e exposição dos produtos. Todas essas propriedades representam também dias a mais com FLVs saudáveis e frescos nas gôndolas, com vantagens para o varejista e consumidores.

Os produtos embalados também ganham importância uma vez que a rastreabilidade dos produtos é fundamental tanto para garantir a sua procedência e qualidade quanto no processo de entrega.

Redução do contato humano no manuseio de alimentos evitando riscos de contaminação

No artigo “Coronavírus: cuidados na produção, no processamento e no consumo de hortaliças” publicado em seu portal, a Embrapa salienta que “até o momento, não há relatos de que alimentos, incluindo produtos frescos, estejam associados à transmissão do SARS-CoV-2”. No entanto, alerta que as etapas a serem seguidas devem ser realizadas com rigor e responsabilidade, desde o recebimento e a seleção das hortaliças na agroindústria; no processamento, durante o embalamento de FLVs processados; até o transporte refrigerado do produto para os pontos de comercialização.

As embalagens em EPS não apenas preservam a qualidade dos FLVs e prolongam sua vida útil, mas também atuam como uma barreira física que impede o contato dos produtos com as mãos. Mantendo-os protegidos durante todo o processo, evitam o contato humano diretamente sobre os produtos frescos até serem adquiridos pelo consumidor. Com isso, consequentemente, o risco de contaminação de frutas, verduras e legumes durante a cadeia de suprimentos é efetivamente eliminado.

Ampliação da vida de prateleira (shelf-life) dos produtos frescos

Outra mudança no comportamento do consumidor em tempos de isolamento social é a redução da frequência de idas aos supermercados e a presença de um maior volume de compra de uma só vez.

Segundo a Termotécnica, fabricante de conservadoras de alimentos em EPS da marca DaColheita, as embalagens atrasam efetivamente os processos de amadurecimento e envelhecimento, inibem a decomposição microbiana e preservam a qualidade e o valor nutricional das frutas e legumes embalados, prolongando o tempo em que podem ser consumidos. São amplamente utilizadas também para armazenamento prolongado e remessas de longa distância de produtos frescos.

Isso é fundamental em um momento em que as cargas de exportação de FLVs, por exemplo, não estão sendo descarregadas no prazo e deixados parados em armazéns por longos períodos. Os exportadores e importadores de produtos frescos preocupam-se com o fato de que a qualidade se deteriorará consideravelmente quando a produção chegar ao cliente, impactando seu valor e aumentando o desperdício.

A Termotécnica afirma que as suas conservadoras em EPS DaColheita também demonstraram recursos para preservar o valor nutricional de produtos frescos após armazenamento prolongado, mantendo sua qualidade por mais tempo e evitando, ainda, o desperdício de alimentos. Segundo a TErmotécnica, as embalagens em EPS DaColheita podem estender o shelf-life de produtos frescos em 30% e ajudar a enfrentar estas questões logísticas.

Mais higiene em toda a cadeia

As soluções de embalagens em EPS mantêm a atmosfera ideal para prolongar a vida útil das FLVs e podem ajudar a aliviar muitas das preocupações dos consumidores na hora de comprar produtos frescos. O EPS é um material totalmente inerte, higroscópico (repele a umidade) e pode ser lavado, proporcionando um elevado nível de higiene.

Curta nossa página no

Arburg e parceiros desenvolvem máscara multifuncional para proteção contra Covid-19 a partir de LSR e PP

15/05/2020

• Multifuncional: máscara protetora facial para funcionários, médicos e equipes de enfermagem
• Sofisticado produto de LSR desenvolvido e produzido internamente na Arburg
• Cooperação: inúmeros parceiros participam com tecnologia de moldes, material e automação

Em meados de Abril, a começou a produzir óculos para proteção dos olhos contra Covid-19 nas máquinas injetoras de sua sede em Lossburg (Alemanha). Agora, a fabricante alemã de sistemas de injeção de plásticos lançou um projeto adicional para combater a disseminação do coronavírus: desde 11 de maio, estão sendo fabricadas máscaras faciais protetoras, moldadas por injeção a partir de LSR (borracha de silicone líquido) e PP (polipropileno). Espera-se que cerca de 3.500 dessas máscaras multifuncionais de alta tecnologia sejam produzidas diariamente sob condições de produção em série. O produto será inicialmente usado para proteger os funcionários da própria empresa em todo o mundo e, em seguida, será distribuído o mais rápido possível, através do distrito de Freudenstadt, a hospitais e centros de assistência.

“Estamos envolvidos em várias iniciativas de ajuda e também impulsionando projetos internos da empresa, tais como essa máscara facial. A demanda é enorme. Estamos recebendo solicitações específicas de hospitais e asilos de toda a região”, diz Gerhard Böhm, diretor de vendas da Arburg, em relação à situação atual. “Nós mesmos desenvolvemos as máscaras, que são sustentáveis ​​e de alta qualidade, a partir de LSR flexível e PP, e fabricamos os primeiros protótipos através de impressão 3D com os nossos Freeformers. A simulação dos componentes de LSR e moldes foi realizada usando o software Sigmasoft da Sigma Engineering. Em um tempo recorde de apenas cinco semanas, nossos parceiros Polar-Form e Foboha construíram os correspondente moldes de injeção para os componentes de LSR e PP. Isso significa que agora podemos iniciar a produção em série na sede da Arburg, em Lossburg”. As empresas Ewikon (moldes fria) e Männer (câmara quente) também estiveram envolvidas na implementação da tecnologia de moldes. Outros parceiros foram Barth Mechanik (pinças) e Packmat (tecnologia de embalagens). A matéria-prima para dezenas de milhares de máscaras foi patrocinada pelo grupos químicos Wacker e Borealis.

Máscara facial multifuncional

Segundo a Arburg, as máscaras flexíveis fazem muito mais do que agir como um simples protetor facial de tecido: o produto multifuncional consiste em uma máscara macia de LSR que é colocada sobre o nariz e a boca e um escudo firme de PP com os suportes para prender as faixas elásticas que serão esticadas ao redor da cabeça. No meio da peça, há uma conexão padronizada com um orifício (DIN EN ISO 5356-1: 2004).

A abertura é selada com um bloqueador de fluxo para proteger contra infecções na vida cotidiana, p.ex, em reuniões profissionais ou em compras no supermercado. Ela desvia o ar da respiração para baixo e, assim, reduz significativamente o risco de infecção, afirma a Arburg.

No próximo estágio do projeto, um elemento filtrante pode ser montado na abertura. A Arburg pretende muito em breve fabricar esse componente, em cooperação com outros parceiros. As empresas envolvidas neste projeto são Weber (molde), Günther (tecnologia de câmara quente), Küfner (filtro), Herrmann Ultraschall (tecnologia de soldagem) e Packmat (tecnologia de embalagem).

Ao usar os filtros FFP2 ou FFP3 correspondentes, médicos e enfermeiros, por exemplo, poderão se proteger de maneira confiável contra vírus ou bactérias quando entrarem em contato direto com pessoas doentes.

As máscaras são projetadas para uso múltiplo e podem ser facilmente esterilizadas. “Também era importante para nós tirar proveito do desempenho dos materiais plásticos e criar um produto que fosse adequado para uso contínuo por um longo período. Dessa forma, os recursos podem ser conservados”, enfatiza o Dr. Thomas Walther, chefe do aplicativo Departamento de Tecnologia de Arburg.

Segundo a Arburg, a o material de borracha de silicone líquido sem têmpera usado na fabricação é o Elastosil LR 5040 (livre de têmpera), sendo adequado para aplicações em contato com alimentos, de acordo com o FDA CFR 21 §177.2600 e BfR XV. “Silicones”. O material foi testado quanto à biocompatibilidade. Além disso, o LSR possui boas propriedades de vedação, alta resistência ao rasgo e pode ser facilmente esterilizado.

Pelo menos 15.000 máscaras por semana

“Esperamos produzir a cada semana pelo menos 15 mil máscaras, em operação de dois turnos. Se fôssemos trabalhar 24 horas por dia, seria possível até dobrar esse número”, explica Manuel Frick, especialista em LSR na Arburg que projetou o produto. Duas máquinas injetoras elétricas estão sendo usadas para esse fim. Uma Allrounder 570 A, com uma força de fechamento de 2.000 kN, produz as máscaras de LSR no Centro de Treinamento da Arburg, usando um molde de 4 cavidades da Polar-Form, enquanto uma Allrounder 470 E Golden Electric com uma força de fechamento de 1.000 kN e um molde de 2 cavidades da Foboha produz simultaneamente os correspondentes escudos de PP na Central do Cliente Arburg.

A maior máquina injetora opera com um sistema de dosagem de LSR da Elmet e um robô de seis eixos da Kuka, que, em um sofisticado processo de desmoldagem, remove as máscaras flexíveis do molde e as coloca em uma correia transportadora.

Na segunda máquina, os escudos de PP são manipuladas mais facilmente por um sistema robótico linear Multilift Select. Finalmente, o escudo de PP e os elásticos são montados manualmente no componente de silicone líquido e a máscara já totalmente montada é então embalada. Ao usar um LSR livre de têmpera, essa etapa pode ser desenvolvida sem interrupções de produção causadas pela têmpera do componente, que é demorada e intensiva em energia.

Os primeiros contingentes de máscaras faciais estão sendo distribuídos aos funcionários da própria empresa em todo o mundo e a parceiros que se envolveram significativamente. No próximo passo, o distrito de Freudenstadt assumirá a coordenação e distribuição adicional para hospitais, centros de assistência e organizações de defesa civil.

 

Curta nossa página no

Borealis converte planta piloto na Áustria para produção de tecido de PP meltblown usado como camada filtrante em máscaras protetoras contra Covid-19

15/05/2020

  • Borealis dá apoio a iniciativas para fabricação de máscaras faciais na Áustria
  • Transformação de linha piloto de desenvolvimento de meltblown em tempo recorde para aumentar o fornecimento de tecidos de filtragem em polipropileno (PP) para máscaras faciais de alta qualidade
  • Resina para meltblown de PP patenteada recentemente permite a produção de fibras superfinas com propriedades superiores de barreira e filtragem

A Borealis anunciou ter iniciado a produção de tecidos meltblown de polipropileno em uma linha piloto nas suas instalações em Linz, na Áustria. Os tecidos meltblown de polipropileno são empregados na fabricação de máscaras protetoras faciais. A Borealis conseguiu rapidamente converter o modo de operação da linha piloto, que antes era voltada somente para Desenvolvimento. Agora, a linha está operando para produção em menor escala na fabricação regular de rolos de tecidos de fibra fina para máscaras faciais. A Borealis afirma que desenvolveu recentemente uma nova resina proprietária de polipropileno (PP) para aplicações de meltblown, a qual aumentou as propriedades de filtragem do tecido devido à sua capacidade de gerar fibras mais finas. Ao explorar uma rede robusta de parceiros de cooperação no país, a Borealis está ajudando a reforçar o fornecimento de meios de filtragem para aumentar a produção de máscaras.

Respondendo à crise do Covid-19

Uma ampla variedade de tecidos meltblown com base em PP pode não ser visível para nós, mas pertencem ao nosso cotidiano. Essas soluções avançadas de PP para tecidos meltblown são usadas não apenas em eletrodomésticos (por exemplo, aspiradores de pó), mas também em dispositivos de refrigeração do ar e aquecimento. Sua importância crucial para as indústrias de higiene e saúde – em particular para máscaras faciais e roupas de proteção – tornou-se dolorosamente aparente, em virtude da pandemia global de coronavírus ter levado a uma escassez global dramática de equipamentos de proteção individual (EPI’s), essenciais para profissionais de saúde e outros.

A Borealis possui um histórico de 35 anos em inovações e fornecimento de PP para aplicações de meltblown e a linha piloto exclusiva em Linz desempenhou um papel importante nesses desenvolvimentos. A linha piloto agora está sendo remanejada para ajudar a atender à necessidade de máscaras faciais. Ao se associar a parceiros da cadeia de valor, organizações governamentais locais e regionais e organizações não-governamentais (ONGs), a Borealis afirma demonstrar sua atenção à saúde e a segurança das comunidades nas quais atua. No momento, diz a empresa, isso está sendo feito com o fornecimento de tecidos de filtragem para máscaras faciais, a fim de responder rapidamente a uma necessidade urgente na região. As instalações da linha piloto convertidas para linha de produção em pequena escala estão localizadas no Pavilhão da Aplicações da sede da Borealis Innovation, em Linz.

O grade HL912FB recém-desenvolvido está sendo usado para produzir tecido meltblown,  o qual poderá ser aplicado em camadas internas de máscaras faciais personalizadas à base de algodão, em máscaras faciais convencionais e também em máscaras mais eficientes usadas por profissionais médicos (FFP1 a FFP3)

Resinas de PP para aplicações meltblown aprimoram filtragem

Uma máscara típica é feita de camadas externas com material spunbond e uma camada intermediária com tecido meltblown (estrutura SMS). As camadas spunbond fornecem as propriedades estruturais, enquanto que a camada meltblown fornece as propriedades de barreira. Para as máscaras mais sofisticadas dos tipos FFP1 a FFP3, estruturas meltblown mais avançadas com fibras extremamente finas são essenciais. A Borealis fornece tanto os materiais de PP para aplicações meltblown como uma variedade de grades de PP spunbond.

A Borealis já fornece outros grades de resinas meltblown para aplicações em filtração (HL708FB and HL712FB). Segundo a empresa, a sua nova resina HL912FB recentemente introduzida no mercado pode ser processada em temperaturas de operação mais altas, permitindo a produção de fibras ainda mais finas. A Borealis afirma que testes internos da nova resina HL912FB mostraram uma melhoria significativa na eficiência da filtragem. Todos os três grades são fabricados nas instalações da Borealis na Europa e disponibilizadas para clientes em todo o mundo.

“A pandemia de Covid-19 levou a um aumento repentino na necessidade de EPI’s, ao mesmo tempo em que as cadeias de suprimentos estavam sendo paralisadas em todo o mundo. Gostaríamos de garantir aos nossos parceiros que continuamos a ser um fornecedor confiável de polímeros avançados para a fabricação de máscaras faciais de alta qualidade e outros EPIs ”, diz Lucrèce Foufopoulos, vice-presidente executiva da Borealis Polyolefins, Innovation and Circular Economy Solutions. “Fiel ao objetivo de nossa empresa (“A vida exige progresso – nós estamos reinventando para uma vida mais sustentável”), estamos oferecendo soluções inovadoras como o grade Borealis HL912FB e remanejando nossa linha piloto para convertê-la em linha de produção em pequena escala de tecidos meltblown. Nós estamos fazendo uso da nossa estreita colaboração com governos, ONGs e parceiros da cadeia de valor para colocar nossas capacidades de inovação e fabricação a serviço da sociedade”, complementou Foufopoulos.

A Borealis é fornecedora líder de soluções inovadoras nos campos de poliolefinas, produtos químicos básicos e fertilizantes. Com sede em Viena, Áustria, a empresa possui atualmente mais de 6.900 funcionários e opera em mais de 120 países. A Borealis gerou 8,1 bilhões de euros em receita de vendas e um lucro líquido de 872 milhões de euros em 2019. A Mubadala, por meio de sua holding, detém 64% da empresa, com os 36% restantes pertencentes à austríaca OMV, uma empresa internacional integrada de óleo e gás.

Curta nossa página no

Embalagens térmicas doadas pela Termotécnica farão transporte de amostras para testagem do Covid-19 em Joinville (SC)

13/05/2020

A empresa integra colaboração da iniciativa privada junto ao governo municipal para o combate à pandemia

A Termotécnica integra-se à atuação da Tupy e de outras empresas e entidades privadas que estão colaborando com a Secretaria da Saúde do Município de Joinville (SC) com recursos para o combate ao Covid-19. Transformadora de EPS (poliestireno expandido, mais conhecido como isopor®), a empresa está disponibilizando caixas térmicas fabricadas com este material para transporte de amostras de sangue coletadas nas dependências do Centro de Triagem, em espaço montado no ginásio da Associação Atlética Tupy, para envio à Florianópolis para testagem do vírus. “É importante fazer parte desse esforço conjunto para que Joinville, sede da nossa companhia, supere essa pandemia com as vidas preservadas”, diz o presidente da Termotécnica, Albano Schmidt.

Os produtos doados são contêineres de 14 litros com parede dupla, que acomodam os materiais clínicos com os acumuladores de frio (gelo em gel) para garantia de estabilidade térmica. O EPS, do qual são produzidas as caixas, é um material inerte e resistente à umidade, proporcionando o nível de higiene necessário e garantindo prazos de validade aos produtos fármacos e amostras acondicionados. Estão sendo usadas em substituição aos coolers em plástico rígido, permitindo zerar este custo, além de eliminar despesas também com fretes de retorno, já que o EPS é one-way e pode ser 100% reciclado no local de destino.

A Termotécnica já é fornecedora de campanhas de vacinação nacional, como a do H1N1, suprindo caixas térmicas que abrangem rotas de até 120 horas.

Aprovadas pelo médico infectologista Dr. Luiz Henrique Mello (foto), que assessora a Tupy na instalação e operação do Centro de Triagem, a demanda de quantidade de caixas térmicas é feita pela Secretaria Municipal de Saúde. Albano Schmidt assegura: “Por suas propriedades, o EPS oferece estabilidade e segurança em toda a cadeia na área de saúde garantindo que os materiais de coletas para exames ou medicamentos e vacinas cheguem em segurança aos hospitais, laboratórios e postos de atendimento.”

Curta nossa página no

Dow desativa produção em plantas de polietileno nas Américas, incluindo em Bahia Blanca (Argentina)

08/05/2020

Jim Fitterling, CEO da Dow, disse, durante uma teleconferência em 30 de abril sobre o balanço do primeiro trimestre de 2020, que a empresa irá paralisar a operação de três unidades de polietileno e duas unidades de elastômeros nas Américas, equivalente a 10% de sua capacidade global. Segundo Fitterling, o objetivo é evitar excesso de oferta e acúmulo de estoques.

“Estamos adotando ações para desativar as unidades ou reduzir as taxas operacionais, de acordo com as tendências da demanda nos EUA, Europa e América Latina”, afirmou.

A Dow planeja paralisar as plantas por pelo menos um mês. A capacidade total das plantas é de cerca de 907.000 toneladas / ano.

As unidades que serão paralisadas um planta de PE em Freeport, Texas (EUA), e duas unidades de PE em fase gasosa – uma em Seadrift, no Texas (EUA), e a outra em Bahia Blanca, na Argentina (foto). Duas unidades de elastômeros Na Louisiana também serão desativadas.

As vendas do primeiro trimestre de 2020 na unidade de embalagens e plásticos especiais da Dow – incluindo PE – caíram 10% para US $ 4,6 bilhões. O volume de vendas foi estável – o crescimento nas vendas de materiais para embalagens de produtos essenciais foi compensado pelas menores vendas de eteno.

No geral, a Dow cortará despesas em US $ 350 milhões e reduzirá sua meta de investimentos para 2020 de US $ 2 bilhões para US $ 1,25 bilhão.

Fitterling enfatizou que a Dow está em uma situação financeira muito boa: “As ações que estamos anunciando hoje se baseiam em nosso foco para fornecer agilidade adicional, impulsionar a geração de caixa e ajustar nossos gastos às realidades atuais”.

Fitterling disse que a Dow tomou essas medidas para equilibrar as reduções na demanda que a empresa viu surgir com a pandemia do COVID-19. “Veremos algum impacto no segundo trimestre nos volumes de venda direcionados para o setor industrial e é por isso que restringimos parte da oferta de materiais”, ele disse. “Isso ocorrerá principalmente como reflexo do desempenho de aplicações industriais, aplicações automotivas e remessas industriais”, acrescentou.

No entanto, Fitterling disse ter esperanças de uma “virada na economia no setor industrial” entre maio e junho, quando as fábricas de automóveis reabrirem nos EUA e Europa. Ele também manifestou otimismo na recuperação geral da crise do coronavírus.

“Estamos começando a receber sinais de alguns estados americanos para uma reabertura em maio e também de algumas partes da Europa como Alemanha, Áustria e Suíça. Acho que, à medida que a confiança aumenta e a testagem avança, as pessoas poderão ter mais segurança para retornar às fábricas e os consumidores também para voltar ao mercado ”, disse Fitterling.

“E, nesse ponto, será fácil reativar essas unidades de PE e atender a essa demanda”, acrescentou.

Curta nossa página no

BASF inicia produção de espessante para álcool em gel em Guaratinguetá

08/05/2020

  • A solução, que confere viscosidade ao álcool em gel era produzida e importada da Alemanha e agora passa a contar também com a produção local
  • A companhia tem apoiado ações de empresas parceiras para doação a instituições de saúde e comunidades

A BASF já está produzindo, no Complexo Químico de Guaratinguetá, o Luviset 360, matéria-prima que atua como espessante na fabricação de álcool em gel e até então era produzida e importada da Alemanha. Isso decorre de um aumento expressivo no consumo do produto para assepsia, que tem sido um importante aliado no combate ao novo coronavírus. O espessante produzido pela companhia é uma dispersão aquosa de copolímero acrílico que confere viscosidade à formulação.

“O aumento repentino de demanda por álcool em gel, por conta da emergência sanitária, causou escassez de espessantes no mercado. Por isso, buscamos em nosso portfólio a melhor alternativa que entregasse viscosidade a formulações de álcool em gel e que pudesse ter disponibilidade imediata”, explica Tatiana Kalman, vice-presidente de Care Chemicals da BASF para a América do Sul. “Acreditamos que a indústria química tem um papel essencial nesse momento de crise, pois temos produtos, soluções, tecnologias e serviços que atendem indústrias de extrema relevância no combate ao Covid-19, incluindo o setor de produtos de cuidados pessoais, higiene e limpeza”, considera.

O Luviset já fazia parte do portfólio para cuidados pessoais, usado para diferentes finalidades cosméticas, e atende aos requisitos previstos nas Listas de Substâncias estabelecidas pela ANVISA para a Regularização de Produtos Cosméticos, assim como a avaliação toxicológica garantindo o perfil de segurança do produto. Para apoiar os fabricantes, junto a alternativa da matéria-prima, a equipe técnica da BASF desenvolveu uma proposta de formulação para o produto acabado.

Recentemente a empresa também lançou a plataforma We Care (https://we-care.basf.com.br/wecare-home), para compartilhar informações sobre formulações e produtos que auxiliam no combate ao coronavírus, direcionado a diferentes indústrias.

Engajamento social

O momento de crise que o mundo inteiro compartilha vem gerando exemplos de solidariedade e cooperação entre as pessoas e empresas. As ações preventivas de higiene estão entre as principais frentes para impedir a disseminação do vírus. A BASF aderiu às ações humanitárias de clientes e parceiros, doando insumos para produção de álcool em gel, além de produtos de higiene e limpeza para hospitais, serviços de saúde e comunidades. “O último mês demonstra que somente juntos podemos vencer a crise”, considera Tatiana.

Com a doação do espessante para a produção de álcool gel a empresas parceiras, já foram produzidas toneladas do antisséptico que estão sendo destinados por essas companhias a pessoas em vulnerabilidade social, governo e às redes públicas de saúde. “Ficamos satisfeitos em poder contribuir com nossos clientes em ações tão importantes. Mais do que nunca, é fundamental estar junto de nossos clientes e parceiros para conseguir atender as atuais demandas com agilidade e segurança”, explica Renata Oki, diretora de Personal Care da BASF para a América do Sul.

Curta nossa página no

UBE apresenta linha de borrachas para pneus automotivos e solados de calçados

08/05/2020

A partir de uma tecnologia própria, a UBE afirma ter desenvolvido a família de borrachas Polibutadieno Alto Cis – Ubepol VCR, específica para aplicações que demandam alto desempenho no segmento de borrachas. Segundo a empresa, as borrachas da linha Ubepol VCR já estão presentes nos mercados de pneus automotivos e recauchutagem por suas propriedades de resistência superior à abrasão, corte e propagação de rasgos. Há ainda um uso expressivo pela indústria de solados para calçados.

Além das características de resistência, Carlos Catarozzo, Diretor da UBE na América Latina, explica que a linha Ubepol VCR também se destaca pela processabilidade; manutenção do perfil de propriedades em ampla janela de temperaturas, além de bom acabamento. “Todas estas propriedades são decorrentes da composição química do Polibutadieno Sindiotático presente e disperso na matriz da borracha.”

De acordo com a UBE, o produto já é amplamente utilizado em todo o mundo pelos fabricantes de pneus automotivos, pois, além de desempenho, proporciona redução de custos com produção, redução no peso bruto do produto final e maior durabilidade dos pneus. O Ubepol VCR já está disponível para o mercado brasileiro, sendo uma alternativa para os fabricantes locais utilizarem em seus produtos e buscare maior competitividade no mercado.

Fundada em 1987 na cidade de Ube, província de Yamaguchi (Japão), a UBE mantém 11 mil colaboradores em todo o mundo e um portfólio global de produtos que se divide em: químicos 24%; cimento e materiais de construção 37%; máquinas 11%; meio ambiente e energia 9%; e farmacêuticos 1%.

Foto: MasterPolymers

Curta nossa página no

SABIC doa US$ 1,5 milhão para apoiar esforços em resposta à COVID-19 nas Américas

07/05/2020

A SABIC anunciou no final de abril que doará US$ 1,5 milhão em produtos e em espécie em vários países das Américas para ajudar as pessoas mais afetadas pela pandemia da Covid-19. Isso inclui fornecer produtos plásticos produzidos pela SABIC que serão usados para doação e na fabricação de equipamentos médicos vitais.

A SABIC, cuja sede das Américas está localizada em Houston, doará aproximadamente US$ 1 milhão para bancos de alimentos e agências comunitárias, como a United Way, nas comunidades em que operam para ajudar aqueles que estão enfrentando a pandemia. A SABIC também está doando aproximadamente US$ 500.000 em produtos, elaborados em suas instalações nos EUA, Canadá, México, Argentina e Brasil, para fabricação e envio de equipamentos de proteção individual para profissionais de saúde e equipamentos médicos essenciais, como ventiladores, dispositivos de monitoramento de pacientes, máquinas de terapia respiratória e equipamentos de diagnóstico.

Ao anunciar sua doação para as Américas, Greg Adams, vice-presidente da SABIC na região, disse: “a SABIC, como todo o mundo, encontra-se em um período sem precedentes. Como empresa, estamos honrados por nossos materiais estarem sendo usados em dispositivos que ajudam na fabricação de equipamentos médicos essenciais para tratar pacientes e, ao mesmo tempo, em oferecer materiais que são usados na proteção daqueles na linha de frente, incluindo profissionais de saúde, enquanto eles desempenham suas funções. Nossos colegas continuam envolvidos para fazer o que podem para ajudar nossas comunidades durante essa crise.”

Exemplos de doação de produtos incluem:

  • Fabricação de aproximadamente 70.000 protetores faciais feitos de película de Policarbonato Lexan que serão distribuídos para profissionais de saúde e socorristas em toda a região das Américas
  • Fabricação e doação pelo Centro de desenvolvimento e processamento de Polímeros (Polymer Processing Development Center, PPDC) da SABIC, em Pittsfield, Massachusetts, de protetores faciais de uso médico. O PPDC usou folhas e filmes de policarbonato Lexan produzidos pela SABIC para fabricar os protetores faciais
  • Colaboração entre a fábrica da SABIC de Cobourg (Canadá) e um hospital local, juntamente com uma organização sem fins lucrativos da região, para criar protetores faciais usando folhas de policarbonato – filme Lexan produzido pela SABIC
  • Colaboração entre a fábrica da SABIC em Campinas, Brasil, com uma universidade e outras entidades para criar ventiladores para hospitais locais usando o copolímero LNP PC HPH4504H produzido pela SABIC

Atualmente, a SABIC opera 60 fábricas de produção e composição em mais de 50 países em todo o mundo. Nos Estados Unidos, as instalações da SABIC estão localizadas em Bay St. Louis, Miss.; Burkville, Ala.; Mt. Vernon, Ind.; Pittsfield, Mass.; Selkirk, N.Y. e Wixom, Mich. Outros locais da SABIC incluem Cobourg, Canadá; Tampico, México; Tortuguitas, Argentina e Campinas, Brasil.

Curta nossa página no

Covestro divulga balanço do 1o. trimestre de 2020

29/04/2020

  • Volumes principais caem 4,1%
  • Vendas totais de aproximadamente 2,8 bi de euros (-12,3%)
  • Ebitda de 254 mi de euros (-42,5%)
  • Receita líquida de 20 mi de euros (-88,8%)
  • Fluxo de caixa operacional livre (FOCF) de -249 mi de euros
  • Assembleia Geral Anual de 2020 reagendada para 30 de julho

A Covestro informa ter atingido sua previsão de Ebitda para o primeiro trimestre de 2020 em um ambiente de negócios fortemente afetado pelo coronavírus. Os volumes principais caíram 4,1% em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. Isso é resultado, principalmente, de uma redução substancial da demanda na China em fevereiro e março de 2020, devido às interrupções na produção de clientes locais em decorrência do coronavírus.

Aliado a um declínio mundial nos preços de venda, motivado principalmente pela maior pressão concorrencial nos segmentos de poliuretanos e policarbonatos, as vendas totais caíram para cerca de 2,8 bilhões de euros (-12,3%). O Ebitda manteve-se em 254 milhões de euros (-42,5%) – dentro da faixa esperada para o primeiro trimestre, afirma a empresa. A receita líquida caiu para 20 milhões de euros (-88,8%). O fluxo de caixa operacional livre (FOCF) de -249 milhões de euros ficou no âmbito negativo.

“A pandemia do coronavírus é uma situação excepcional e reforçou ainda mais as incertezas globais existentes”, afirma o CEO Markus Steilemann. “Proteger a saúde dos nossos colaboradores e de suas famílias, assim como dos nossos parceiros comerciais, é a nossa maior prioridade. Além disso, a Covestro está fazendo tudo que pode para continuar sendo um parceiro confiável para os seus clientes durante a crise. Temos confiança de que venceremos bem esse desafio com nosso foco absoluto nos clientes, atenção rigorosa aos custos e um forte espírito de equipe.”

Guidance do ano ajustado ao impacto do coronavírus

A Covestro já havia ajustado o guidance anual anteriormente, em meados de abril, como consequência dos previsíveis efeitos negativos da pandemia de coronavírus sobre o desenvolvimento econômico global, e por isso, também sobre o desempenho futuro da empresa. “Foi preciso atualizar nossas previsões diante do sério impacto da pandemia de coronavírus sobre os mercados globais”, explicou Thomas Toepfer, CFO da Covestro. “A Covestro tem uma posição sólida e ainda mantém um balanço forte e alta liquidez. Continuamos acreditando na nossa eficiência operacional, nos programas de cortes de custos e na revisão contínua dos nossos investimentos para garantir uma base financeira estável durante estes tempos desafiadores.”

Para o ano fiscal de 2020, a Covestro prevê um crescimento de volume inferior ao ano anterior. Espera-se que o FOCF totalize entre -200 milhões e -300 milhões de euros, com retorno sobre o capital empregado (ROCE) entre -1% e -4%. A projeção para o Ebitda é de 700 milhões a 1,2 bilhão de euros. Além do atual programa de eficiência e eficácia lançado em outubro de 2018, a Covestro elevou a meta para a redução de custos adicionais a curto prazo em mais 100 milhões de euros, totalizando 300 milhões de euros para o atual ano fiscal. Os investimentos atuais estão sendo reduzidos em cerca de 200 milhões de euros, levando os investimentos totais a cerca de 700 milhões de euros.

A Assembleia Geral Anual, originalmente marcada para 17 de abril de 2020, foi cancelada devido à pandemia de coronavírus. De acordo com as novas definições legais ela deverá ser realizada virtualmente no dia 30 de julho.

Liquidez assegurada, foco em sustentabilidade e inovação mantido

Em março de 2020, a Covestro substituiu sua linha de crédito atual de 1,5 bilhão de euros por um novo empréstimo rotativo e sindicalizado, ainda não desembolsado, no valor de 2,5 bilhões de euros, para manter a flexibilidade financeira da empresa e garantir a liquidez. O componente de interesse está ligado ao rating de ESG (desempenho socioambiental e governança), que fornece à Covestro os incentivos financeiros para o desenvolvimento sustentável dos negócios. Além disso, a Covestro contratou empréstimos de capital de giro de curto prazo no valor de 500 milhões de euros, que foram totalmente desembolsados nesse meio tempo.

A Covestro também obteve um empréstimo de 225 milhões de euros do Banco Europeu de Investimento (BEI). O crédito está sendo utilizado para expandir as atividades de pesquisa e desenvolvimento da Covestro com foco especial em sustentabilidade e economia circular dentro da União Europeia. Detalhes sobre o programa estratégico para economia circular deverão ser apresentados no segundo trimestre de 2020.

A fim de ampliar a capacidade de inovação da empresa, a Covestro expandiu suas parcerias estratégicas com startups no início do ano. A empresa adotou a abordagem Covestro Venture Capital (COVeC) de investir em jovens empresas com foco em cinco áreas tecnológicas. O exemplo mais recente foi o investimento da Covestro em participações societárias na startup de tecnologia francesa Crime Science Technology (C.S.T.). Como acionista, a Covestro impulsiona o desenvolvimento de inovações sustentáveis como um catalisador de crescimento a longo prazo para suas atividades principais.

Resultados por segmentos impactados pela pandemia de coronavírus

No primeiro trimestre de 2020, os negócios da Covestro em todos os segmentos foram afetados pelo impacto significativo da pandemia de coronavírus, especialmente na China.

O segmento de Poliuretanos sofreu uma queda de 3,6% nos volumes principais nesse período, em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. Isso pode ser atribuído principalmente à baixa nos volumes nos setores eletroeletrônico e de aparelhos domésticos, além da indústria automotiva. Como resultado do aumento da concorrência no mundo todo e da mudança nos volumes totais vendidos, as vendas caíram para cerca de 1,3 bilhão de euros (-13,7%). O Ebitda baixou para 50 milhões de euros (-68,2%) devido ao declínio das margens.

Os volumes principais em Policarbonatos caíram 4,9% em relação ao trimestre do ano anterior, em decorrência da queda nos volumes vendidos nas indústrias eletroeletrônica e automotiva. O baixo patamar dos preços de venda e a queda nos volumes reduziram as vendas no segmento de policarbonatos para 733 milhões de euros (-14,8%). Com margens mais baixas o Ebitda caiu para 109 milhões de euros (-29,7%).

Os volumes principais no segmento de Revestimentos, Adesivos e Especialidades caíram 5,2% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. Isso se deu devido à queda na demanda por precursores de revestimentos em todos os principais setores consumidores, especialmente na indústria automotiva. As vendas caíram 8,8% para 572 milhões de euros devido à baixa nos volumes totais vendidos e nos preços médios de venda. O Ebitda caiu para 130 milhões de euros (-11,0%) devido aos efeitos negativos sobre os volumes e às margens mais fracas. Os custos mais baixos viabilizaram uma alta da margem de Ebitda no segmento de Revestimentos, Adesivos e Especialidades para 22,7%, apesar dos efeitos do coronavírus.

Com 12,4 bilhões de euros em vendas em 2019, a Covestro é uma das maiores empresas mundiais de polímeros. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de materiais de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, de construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem 30 unidades de produção no mundo todo e empregava aproximadamente 17,2 mil pessoas (em equivalência à jornada integral) no fim de 2019.

Curta nossa página no

Ineos Composites fornece resina especial para massa poliéster

28/04/2020

Massa poliéster é comumente aplicada em reparos nos carros novos ou em modelos premium

Segundo a empresa, o produto tem elevado poder de absorção de cargas e melhora o acabamento do reparo

Quase onipresentes nas funilarias de todo o Brasil, as massas poliéster destacam-se pela flexibilidade, adesão às superfícies, ausência de porosidades e fácil lixamento. Essas e outras características são em boa parte garantidas pelo tipo de polímero usado na fabricação do produto. A Ineos Composites, líder global em resinas poliéster, fornece a resina Aropol 65380 para esse mercado.

“É a resina ideal para o trabalho com cargas especiais, como microesferas de vidro, pois garante elevados níveis de absorção e compatibilidade. Isso resulta em ganhos importantes no acabamento da peça”, afirma Paulo Henrique Rodrigues, gerente de vendas e produtos da Ineos Composites, lembrando que as massas poliéster são comumente usadas em reparos nos carros novos ou em modelos premium.

Rodrigues salienta que a Aropol 65380 foi desenvolvida de forma a garantir um baixo índice de oxidação da massa com o decorrer do tempo. Assim, garante, o produto pode ser aplicado sem problemas em carrocerias pintadas de branco ou de cores claras. “Com o tempo, não ocorre o amarelamento da superfície, problema relativamente comum quando resinas de baixa qualidade são usadas na formulação da massa”.

Projetadas para oferecer flexibilidade, desempenho mecânico e propriedades superficiais, as resinas Aropol também podem ser usadas em uma ampla gama de processos de transformação de compósitos, tanto em moldes abertos quanto fechados, afirma a empresa.

A Ineos Composites é líder global em resinas termofixas (poliéster insaturado e éster-vinílicas), gelcoats e aditivos low profile para a indústria de compósitos. Seus produtos caracterizam-se pelos elevados índices de resistência à corrosão, temperatura e impactos. São largamente consumidos pelos setores de transportes, construção, geração de energia eólica e lazer, entre outros.

Curta nossa página no

Unigel doa materiais e alimentos para auxiliar na mitigação da Covid-19

27/04/2020

A Unigel, uma das maiores indústrias químicas e petroquímicas do país, com presença nos estados da Bahia e de São Paulo, vem intensificando suas ações sociais para auxiliar a população a amenizar os impactos da pandemia de coronavírus – Covid-19, com a doação, até o momento, de 47 toneladas de materiais de seu portfólio, 13 toneladas de alimentos e 2 respiradores.

Essenciais para o setor médico e hospitalar, materiais que garantem descartabilidade e higiene são necessários em ambientes de risco durante situações de pandemia como a atual. Por isso, foram doadas 5 toneladas de poliestireno (PS) para, em conjunto com a indústria transformadora ligada à Abiplast (Associação Brasileira da Indústria do Plástico), fornecer 2 milhões de copos descartáveis para hospitais da rede pública. Adicionalmente, a Unigel doou 2 toneladas de Poliestireno para produção, em conjunto com a Copobras, de 200 mil embalagens alimentícias em isopor (EPS) para atendimento da população vulnerável em Salvador/BA.

Em resposta às necessidades dos profissionais de saúde por equipamentos de proteção para combater a COVID-19, a Unigel realizou a doação de 30 toneladas de metil-metacrilato (MMA) para que, em parceria com os transformadores de chapas acrílicas (Cristal e Cor, Castcrill, Central do Acrílico, Dacril, Acrimax e Itacril), fossem fornecidas a hospitais 6 mil cúpulas de intubação para evitar contaminação dos médicos com COVID-19. A companhia ainda realizou a compra de dois respiradores importados para doação a hospitais públicos de Salvador/BA, em ação coordenada com a FIEB (Federação das Indústrias do Estado da Bahia).

Ainda dentro do portfólio de produtos químicos e petroquímicos que podem, neste momento, ajudar no combate à pandemia, a Unigel uniu-se a outro grande grupo industrial químico no projeto de fabricação de 500 mil litros de álcool em gel para distribuição à rede pública de saúde, doando, para isso, 10 toneladas de ácido metacrílico.

Os itens descartáveis têm se mostrado fundamentais no combate ao vírus e, neste sentido, eles são a base da iniciativa da Unigel que não se restringe, porém, a este segmento para apoiar o combate à COVID-19. Para auxiliar emergencialmente as famílias vulneráveis que podem estar temporariamente com a renda prejudicada em razão do isolamento social, a Unigel doou 13 toneladas de alimentos, sendo 750 cestas básicas, aos alunos da Escola Gisella Tygel e 550 cestas básicas aos alunos da Escola XIV de Agosto, ambas instituições de ensino mantidas pela companhia em Candeias/BA.

Foto: Bahianoticia.com.br

Curta nossa página no

Eastman doa materiais para auxiliar no combate à proliferação de COVID-19 no Brasil

26/04/2020

A empresa fornece materiais plásticos para ajudar a produzir mais de 20.000 protetores faciais para proteger os profissionais de saúde em todo o país

O mundo está enfrentando uma batalha significativa contra a pandemia de COVID-19. A Eastman está comprometida em participar desta luta e, no Brasil, está doando seus copoliésteres para duas empresas que as usam para a produção de equipamentos de proteção: a 3D Lab, fabricante de filamentos de impressão 3D, e a MMS Plásticos, distribuidora brasileira de plásticos.

A 3D Lab está usando o copoliéster Eastar para contribuir com a produção de protetores faciais para a proteção dos profissionais de saúde no país. As peças tem distribuição gratuita, principalmente para hospitais públicos.

“Sabíamos que precisávamos nos solidarizar com as pessoas durante esse período desafiador, principalmente, porque temos o material perfeito para esse tipo de equipamento. O Eastar possui a resistência química necessária para que toda a superfície seja limpa com vários desinfetantes médicos e as peças resistem ao uso constante ”, diz Rogério Dias, gerente de Plásticos Especiais da Eastman na América Latina.

Dias conta que, quando a necessidade de um material de proteção facial foi identificada, a Eastman rapidamente se adiantou e ofereceu o Eastar, que tem um longo histórico de uso em uma ampla gama de produtos que inclui dispositivos médicos e protetores faciais.

“Temos que fazer a nossa parte. É muito importante preservar a comunidade de saúde a evitar novas contaminações. Como a produção e a montagem dos protetores faciais levam apenas algumas horas, muito pode ser criado em um curto período de tempo, o que pode ajudar a salvar vidas ”, completa Dias.

Rápida mobilização

Em uma outra iniciativa, a MMS Plásticos usa o copoliéster Eastman Cadence para ajudar a produzir a cobertura do protetor facial. Essas máscaras protetoras também ajudarão a preservar a saúde dos profissionais médicos no Brasil.

Os esforços do Simperj (Sindicato das Indústrias de Plásticos do Rio de Janeiro) têm sido o catalisador de iniciativas como a empreendida pela MMS Plásticos.

“Com a determinação da quarentena, começamos a mobilizar na Firjan (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro) uma grande rede dentro da indústria para doar produtos e equipamentos para combater o coronavírus. A MMS Plásticos e a Eastman responderam prontamente a nossos pedidos e, juntos, estamos devolvendo à sociedade da melhor maneira possível, protegendo vidas”, explica Rafael Sette, diretor de sustentabilidade do Simperj.

Ambas as doações ajudarão a produzir mais de 20.000 mil protetores. Além desses esforços, a Eastman está fazendo sua parte para impedir a proliferação de COVID-19 em outras regiões onde atua.

Fundada em 1920, a Eastman é uma empresa global de materiais especiais que produz uma ampla gama de produtos para mercados finais tais como transporte, construção civil e produtos de consumo. A Eastman emprega, aproximadamente, 14.500 pessoas ao redor do mundo e atende clientes em mais de 100 países. A companhia está sediada em Kingsport, Tennessee, EUA.

A 3D Lab é uma empresa atuante no segmento de impressão 3D no Brasil, que está no mercado há 6 anos. Oferecendo soluções na fabricação de filamentos, impressão 3D e oferta de cursos, serviços de manutenção e prototipagem.

A MMS Plásticos é uma empresa brasileira que atua no mercado de transformação e distribuição de plásticos há 24 anos, fabricando e distribuindo chapas, bobinas e resinas termoplásticas para os mais diversos mercados. Com uma unidade industrial instalada em Guarulhos, a MMS Plásticos possui uma capacidade de produção de 600 toneladas por mês e 120 funcionários.

Curta nossa página no

Braskem se une a parceiros para doar material a hospitais e comunidades no combate ao coronavírus

22/04/2020

  • Empresa doa resinas termoplásticas que serão transformadas em 3 milhões de máscaras para serem doadas
  • Braskem e parceiros no combate ao coronavírus
  • Doação de resinas termoplásticas que permitem produzir máscaras e aventais de uso hospitalar. Podem ser produzidos mais de 60 milhões de máscaras ou 1 milhão de aventais;
  • Doação de cestas básicas por três meses para mais de 1.200 famílias que atuam em reciclagem;
  • 50 mil famílias no entorno de suas plantas no Brasil receberão produtos de higiene e limpeza;
  • Apoio ao governo de Alagoas na implementação de hospital de campanha;
  • Fornecimento de matéria-prima para impressão 3D em 8 centros de pesquisa para produção de máscaras de proteção hospitalar.

A Braskem se juntou a parceiros da cadeia da química e do plástico para doar materiais essenciais para o combate ao novo coronavírus nos hospitais da rede pública. A resina termoplástica doada pode produzir mais de 60 milhões de máscaras ou mais de 1 milhão de aventais. Doará também material para fabricação de embalagens para 750 mil litros de álcool líquido e em gel, para mais de 500 mil almotolias (um tipo de frasco plástico para álcool em gel utilizado em hospitais), além de 10 mil caixas de hipoclorito para diluição ou uso como água sanitária e mais de 150 mil sacos plásticos para lixo hospitalar. No mercado internacional, a Braskem está buscando respiradores para fornecer à rede pública. Os itens beneficiarão hospitais de Alagoas, Bahia, Ceará, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. O trabalho conjunto, que envolve clientes e entidades de classe, já conta com 32 iniciativas.

A doação de matéria-prima para produção de equipamentos de proteção e embalagens já ultrapassa 370 toneladas. Essas terão seu valor alavancado pelos parceiros da petroquímica. A Braskem já havia anunciado uma linha adicional de crédito de R$ 1 bilhão para ajudar principalmente as pequenas e médias empresas da cadeia a atravessar os próximos meses de crise gerada pelo coronavírus.

“A covid-19 impõe uma situação desafiadora para nossa sociedade e acreditamos que a união é parte fundamental para a superação deste momento. Nossa empresa tem um propósito claro de melhorar a vida das pessoas e não poderia ser diferente agora. Por meio de parcerias com nossa cadeia de valor, integrantes de um setor importante para a economia brasileira e para o desenvolvimento do país, somamos forças para viabilizar a entrega de itens essenciais para o sistema público de saúde e para as comunidades”, diz Jorge Soto (foto), diretor de Desenvolvimento Sustentável da Braskem. “Nos engajamos também com organizações empresariais, ONGs, universidades e centros de pesquisa. O momento é de união para trabalharmos juntos na luta contra o coronavírus”, acrescenta.

Uma das iniciativas mais representativas é a doação de polipropileno, matéria-prima para produção do TNT (nãotecido). O produto será fabricado pela parceira Fitesa e doado em conjunto com a empresa para ser usado em máscaras cirúrgicas e aventais de proteção, por exemplo.

A participação da Braskem envolve também a doação de equipamentos, cestas básicas, kits de limpeza para as demais ações.

Em Maceió (AL), a Braskem e as empresas parceiras vão contribuir na construção de um hospital de campanha nas instalações do Ginásio do Sesi. O hospital temporário terá como foco o atendimento médico voltado para problemas cotidianos. “O objetivo é contribuir para que a rede pública de saúde da cidade não fique sobrecarregada e possa se dedicar aos pacientes com suspeita ou confirmação de covid-19”, explica Soto.

Para a sociedade diretamente, a empresa doará mais de 50 mil kits de limpeza, que incluem produtos como desinfetante, detergente e sabonete, e terão como foco famílias que vivem nas regiões de Duque de Caxias (RJ); Salvador, Camaçari, Candeias, Dias D’Ávila e Simões Filho (BA); Maceió e Marechal Deodoro (AL); São Paulo, Santo André, Cubatão e Mauá (SP); Nova Santa Rita, Montenegro e Triunfo (RS). Esses são locais nos quais a Braskem tem operação.

Haverá, ainda, a doação de mais de 100 mil frascos com álcool em gel para comunidades da região metropolitana de São Paulo e do município de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. A iniciativa prevê também a doação de cestas básicas por três meses para mais de mil famílias de catadores de material reciclado em Alagoas, Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

Em linha com os esforços empreendidos em prol do uso da impressão 3D no combate à covid-19 em todo o mundo, a Braskem irá disponibilizar matérias-primas para oito centros de pesquisa no Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo. “Acreditamos no potencial de impacto positivo que a impressão 3D possui, em especial em casos como este. Esse já é um ramo no qual atuamos e, por isso, possuímos resinas específicas para este fim, que podem contribuir com o avanço de soluções”, diz Jorge Soto.

Além da Braskem e Fitesa, integram as iniciativas empresas e entidades como BrasALPLA , Plimax , Indústrias Reunidas Raymundo da Fonte , Companhia Nacional do Álcool , Raízen , Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB) e Federação das Indústrias do Estado de Alagoas (FIEA) , UNICA , Senai (SP) , Emplas , Newsul , Soroplast , Mauser, Ingleza , Alemolde, Raízes-Vibraço , Simperj , ABIHPEC , Cristal Embalagens , AZPlast , SR Embalagens , Epema , Unicamp , Plástico Itália , Grupo Chiaccio , 3D Criar e Projeto Higia.

Saúde e segurança dos integrantes da Braskem no enfrentamento da Covid-19

A Braskem também tomou uma série de medidas preventivas para zelar pela saúde e segurança de todos os integrantes. A empresa determinou trabalho remoto (flex office) para funcionários que fazem parte dos grupos vulneráveis e dos escritórios. Na linha de produção, a Braskem está atuando com equipe reduzida para a continuidade segura das operações e reforçou orientações dos órgãos de saúde.

Viagens nacionais e internacionais a trabalho foram suspensas, assim como a participação dos integrantes em reuniões e eventos presenciais. Além disso, todos os funcionários que apresentarem sintomas semelhantes aos da covid-19 são orientados a comunicar imediatamente à área de Saúde da Braskem.

Curta nossa página no

Dow desenvolve nova resina para filmes de polietileno biorientado (BOPE) e reforça compromisso com Economia Circular

21/04/2020

A resina Innate TF permite produção de filmes biorientados para serem usados na confecção de embalagens monomateriais

Buscando aprimorar o portfólio de soluções para o mercado de embalagens recicláveis, a Dow lança a resina Innate TF. Novidade na América Latina, a nova resina permite a produção de filmes de polietileno biorientados (BOPE) com excelentes propriedades óticas e mecânicas, além de alta rigidez, afirma a Dow. A pioneira nesse mercado a usar essa tecnologia é a Oben Holding Group.

O Innate TF foi desenhado para proporcionar ampla janela de processo em equipamentos usados para fabricação de polipropileno biorientado (BOPP) e atender às necessidades dos produtores regulares de BOPP que procuram inovação de portfólio e o fornecimento de substratos que facilitem a confecção de embalagens monomateriais. Esta nova resina pode ser utilizada em máquinas comerciais de BOPP ou em novas máquinas hibridas já disponíveis no mercado. Segundo a Dow, o novo filme de polietileno biorientado possui excelente desempenho mecânico, selagem e, quando laminado com filme de polietileno tradicional, permite a produção de embalagens recicláveis para diferentes aplicações, tais como ração para animais, alimentos processados, itens de higiene pessoal, produtos de limpeza etc.

“Na Dow, acreditamos que a embalagem deva cumprir seu propósito de maneira eficiente sem impactar o ambiente. Por isso trabalhamos constantemente no desenvolvimento de novas ferramentas para o desenho de embalagens eficientes e recicláveis. O lançamento da resina Innate TF representa mais um importante passo em direção ao nosso comprometimento com essa cadeia de valor”, afirma Marcus Vinicius Carvalho, Gerente de Marketing para o setor de Embalagens Flexíveis da Dow na América Latina.

“Esta nova resina oferece excelente processabilidade, permitindo a produção de uma variedade de produtos planos e seláveis, combinados em coextrusões com resinas Elite, gerando um grande potencial para o desenvolvimento de filmes à base de polietileno biorientado”, complementa Erik Sosa, diretor técnico da Oben Holding Group.

A resina Innate TF já está em fase comercial e é fornecida pela Dow. O filme de polietileno biorientado (BOPE) é comercializado pela Oben Holding Group em diferentes países da America Latina.

A Dow combina alcance global, escala e integração de ativos, inovação focada e liderança em frentes de negócio diversificadas para alcançar crescimento lucrativo. O portfólio de plásticos, intermediários industriais, revestimentos e silicones da Dow oferece uma variedade de produtos e soluções para segmentos de mercado de alto crescimento, como embalagens, infraestrutura e cuidados do consumidor. A Dow opera 109 unidades fabris em 31 países e emprega cerca de 36.500 pessoas. Em 2019, gerou aproximadamente US$ 43 bilhões em vendas.

O Oben Holding Group é um grupo industrial dedicado ao desenvolvimento, produção e comercialização de filmes de polipropileno, poliéster e poliamida, produtos de polipropileno revestido e termoformado. O grupo iniciou suas operações em 1991 com a primeira fábrica no Equador. Hoje, possui 10 fábricas localizadas em 6 países, 2 centros de distribuição e 5 escritórios comerciais em diferentes países das Américas. Seus principais mercados estão em todas as Américas. No entanto, atualmente exportam para mais de 35 países, incluindo Europa e África. A matriz principal está localizada em Lima, no Peru, onde está concentrada a maior capacidade de fabricação. Toda a organização é composta por mais de 1.800 funcionários.

Curta nossa página no

UBE América e Michigan State University anunciam parceria para pesquisa inédita sobre embalagem de e-commerce para alimentos

21/04/2020

A UBE America, subsidiária da japonesa UBE nos EUA, anunciou uma parceria com a Escola de Embalagem da Michigan State University (MSU SoP) no projeto ‘Estudo de mercado de embalagens de alimentos para e-commerce’. A proposta é unir a expertise da Universidade com a experiência de um dos principais players globais de nylon para avaliar as necessidades da cadeia de suprimentos de alimentos e bebidas e desenvolver soluções em embalagem que atendam às especificidades do e-commerce. “Ao combinarmos os recursos da universidade com o grande alcance de nossa indústria, estamos prontos para enfrentar o desafio de mudar o paradigma da embalagem nos canais digitais de vendas”, sintetiza Daniel Hernandes, Gerente de Vendas UBE Latin America.

Assim, o estudo coletará informações relevantes para a otimização das embalagens para e-commerce, sendo os principais tópicos:

  • pesquisa sobre os formatos e materiais atuais de embalagem usados no e-commerce e nas cadeias de suprimento tradicionais;
  • quantificação e categorização dos impactos da e-supply chain nos formatos tradicionais de embalagem;
  • identificação de deficiências específicas e de áreas para melhoria;
  • estabelecimento de oportunidades para mudanças de materiais e de design;
  • estudos de shelf life para validar o desempenho dos novos materiais na cadeia de suprimento do e-commerce.

A primeira fase do estudo inclui uma pesquisa desenvolvida especificamente para empresas envolvidas na produção/distribuição de embalagens para e-commerce (varejo, convertedores, fabricantes, end users, etc). Os resultados, que incluem as embalagens flexíveis mono e multi material, serão fundamentais para reduzir as falhas e aumentar a eficiência de toda a cadeia de suprimentos, levando à segunda etapa do estudo. Esta etapa avaliará as mudanças de cenário da embalagem. Com isto em mente, o nylon será pesquisado como o material para o desenvolvimento de embalagens otimizadas para este crescente canal de distribuição.

Os resultados do estudo deverão ser anunciados ainda no primeiro semestre de 2020.

Fundada na cidade de Ube, província de Yamaguchi, no Japão, em 1897, a UBE mantém 11 mil colaboradores em todo o mundo e um portfólio global de produtos que se divide em: químicos 24%; cimento e materiais de construção 37%; máquinas 11%; meio ambiente e energia 9%; e farmacêuticos 1%. Ao todo são três plantas de nylon – no Japão, Tailândia e Espanha – que abastecem o mercado global. Cada planta possui o seu próprio centro de Pesquisa & Desenvolvimento. No Brasil a operação da UBE existe desde 2010 e as vendas de Plásticos de Engenharia representam 25% da produção de Castellón – Espanha. O escritório brasileiro atende a toda América Latina, com ênfase a Brasil, Argentina, Chile, Peru, Colômbia e Equador.

A Escola de Embalagem da Michigan State University, que figurou como #1 no Best Colleges 2017, se dedica à geração de conhecimento, ciência e tecnologia de embalagem desde 1952. Pioneira na disciplina de embalagem e a única instituição dos EUA com programa de doutorado (Ph.D.) em embalagem, a Escola tem preparado líderes nesta área em todo o mundo, com uma reputação destacada e com a criação de uma comunidade com excelência em pesquisa e educação. A Escola acredita que a embalagem é uma área interdisciplinar que integra ciência, engenharia, tecnologia e gestão para proteger e identificar produtos para distribuição, armazenagem, comercialização e uso. Ela abrange ainda os processos de design, avaliação e produção das embalagens. Trata-se de um sistema integral para a cadeia de valor que impacta na qualidade do produto, satisfação do usuário, eficiência na distribuição e segurança.

Curta nossa página no

Covid-19: Solvay fornece polímeros especiais para a Boeing fabricar máscaras de proteção facial

04/04/2020

Protótipo de máscara de proteção facial feita com película transparente e filamento AM com base em PPSU de classe médica da Solvay.

Em resposta às necessidades urgentes dos profissionais de saúde por equipamentos de proteção para combater a COVID-19, o Grupo Solvay está fornecendo à Boeing uma película transparente de classe médica para a produção de máscaras de proteção facial.

A Solvay foi procurada pela Boeing devido à sua experiência no uso de polímeros especiais, compósitos e adesivos em vários programas comerciais e de defesa.

A película será fabricada pela área de filmes da Solvay com o uso dos polímeros especiais transparentes da linha médica Radel PPSU (polifenilssulfona) ou Udel PSU (polisulfona) que já são amplamente utilizados para dispositivos médicos porque podem ser esterilizados e resistem a desinfetantes agressivos.

“Estamos honrados em levar nosso conhecimento em produtos para nossos clientes neste momento de crise”, afirma Jeff Hrivnak, Gerente Global de Desenvolvimento de Negócios da área de saúde da Solvay Specialty Polymers. “Estamos orgulhosos de ajudar a Boeing a enfrentar esse desafio no fornecimento de máscaras de proteção facial mais resistentes – um item agora em demanda crítica pelos profissionais de saúde”, disse.

Mais informações e contatos estão disponíveis na webpage exclusiva COVID-19 criada pela Solvay sobre sua produção de emergência de polímeros para enfrentamento à pandemia de coronavírus.

Fundada em 1863, a Solvay possui 24.100 empregados em 64 países e obteve vendas líquidas de € 10,2 bilhões em 2019.

Curta nossa página no

Empresas associadas ao Indac produzem escudos protetores em acrílico e outros itens para proteger contra a proliferação do Covid-19

04/04/2020

Proteção para atendimento ao público da Bold. Máscara protetora individual da Artcryl.

Já que nem todos os brasileiros conseguirão estar protegidos em casa durante a progressão do coronavírus, empresas ligadas ao INDAC desenvolveram e vem produzindo barreiras protetoras, máscaras e outros itens em acrílico e em outros materiais que ajudam a diminuir o contato entre esses profissionais e o público, principalmente em hospitais.

Empresas filiadas ao INDAC (Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico) encontraram uma maneira de ajudar o País a atravessar a pandemia causada pelo coronavírus produzindo peças em acrílico e até em outros materiais. Alguns desses itens, conta Ralf Sebold, diretor da Bold, foram projetados em conjunto com médicos de dois hospitais da região de Joinville e Jaraguá do Sul, SC, onde a empresa está localizada. Boa parte do material produzido, como 1000 máscaras protetoras, foi doada aos hospitais e ao corpo de bombeiros da região. Outros produtos, como os escudos protetores de acrílico, que podem ser instalados em balcões de atendimento de hospitais, farmácias, mercados e bancos, são comercializados.

A Solugrav, empresa de Tubarão, também em Santa Catarina, foi outra associada ao INDAC que se mobilizou e produziu máscaras, incubadoras e abridores de portas. Todo o material foi doado para o Hospital da cidade

No mesmo sentido, outras empresas ligadas ao Instituto, como a Acrinox, que fica no Distrito Federal, doou ao Pronto Socorro do Hospital Regional de Samambaia, em Brasília, protetores faciais e cabine de incubação de pacientes. Aliás, as cabines, que segundo ele foram bastante usadas na China, estão mesmo sendo feitas exclusivamente para doação. “Esse é um momento em que devemos pensar no próximo, afirma”.

Outras empresas, como a Artcryl, também têm disponibilizado mão-obra para tornar os itens mais acessíveis ou mesmo tentado produzir esses produtos, principalmente os que precisam ser feitos sob medida, como as barreiras protetoras, a toque de caixa. “Infelizmente, somos empresas pequenas e não temos recursos para doar tudo o que produzimos, mas estamos aqui para fornecer o que for possível. As barreiras em acrílico, por exemplo, temos conseguido instalar em no máximo dois dias”, conta Rodrigo Cataldi Lopes, da Tudo em Acrílico.

Protetor para atendimento ao público da Tudo em Acrílico. Cabine de incubação de pacientes da Acrinox.

Além de evitar o contato direto entre o público e os profissionais que trabalham nos balcões de atendimento, as barreiras protetoras em acrílico são leves, seguras, resistentes e podem ser instaladas em qualquer ambiente ou tipo de superfície. Elas também podem ser facilmente higienizadas, tanto com água e sabão, como com desinfetantes.

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico é uma organização criada há 19 anos, com objetivo de promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado. A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 40 filiados em todo o país.

Serviço

Bold – http://www.bold.net – 47 3274-6565
Solugrav – http://www.solugrav.com.br – 48 3052-3322
Acrinox – http://www.acrinox.com.br – 61 3202-7577
Artcryl – http://www.artcryl.com.br – 11 4207-5652
Tudo em Acrílico – http://www.tudoemacrilico.com.br – 11 3732-1688

Curta nossa página no