Archive for the ‘Resinas’ Category

Covestro divulga resultados do terceiro trimestre de 2019

10/11/2019

  • Volumes principais crescem 5,3%
  • Vendas totais de cerca de 3,2 bi de euros (-14,6%)
  • Previsão de Ebitda atingida com 425 mi de euros (-50,5%)
  • Receita líquida cai para 147 mi de euros (-70,4%)
  • Fluxo de caixa operacional livre de 243 mi de euros (-58,0%)
  • Perspectiva para 2019 atualizada na previsão existente

No terceiro trimestre de 2019, a Covestro conseguiu atingir crescimento do volume principal de 5,3% em relação ao mesmo período do ano anterior, em um ambiente econômico continuamente desafiador. Ao mesmo tempo, as vendas totais recuaram 14,6% para 3,2 bilhões de euros, devido aos preços de venda continuamente mais baixos. Com 425 milhões de euros, a previsão de Ebitda foi cumprida para o trimestre, mas caiu 50,5% em relação ao trimestre do ano anterior, como resultado dos efeitos negativos dos preços. A receita líquida caiu para 147 milhões de euros (-70,4%), enquanto o fluxo de caixa operacional livre (FOCF) ficou em 243 milhões de euros (-58,0%). Isso se deu, principalmente, devido à redução dos fluxos de caixa das atividades operacionais e a investimentos planejados.

“Após gerar sólido crescimento de volume no segundo trimestre, a demanda voltou a crescer no terceiro trimestre”, diz o CEO Markus Steilemann. “O ambiente econômico segue desafiador, principalmente no setor automotivo. No entanto, nosso crescimento de volume indica que nossos negócios são bem diversificados em várias indústrias”, afirma. O crescimento pode ser atribuído, sobretudo, às indústrias de construção, móveis, elétrica e eletrônica.

Projeção para o ano confirmada

Com base nos resultados do terceiro trimestre, o CFO Thomas Toepfer confirmou a previsão para o ano como um todo. “Continuamos confiantes de que atingiremos as metas que estabelecemos para o ano fiscal”, enfatiza Toepfer. “As margens do mesmo trimestre do ano anterior foram atipicamente altas, razão pela qual a queda ano a ano nas vendas e nos lucros está alinhada às nossas expectativas.”

Após o terceiro trimestre, o grupo refinou a previsão para o ano fiscal de 2019 dentro das margens publicadas: a Covestro antecipa um crescimento de um dígito do volume principal para 2019. Espera-se que o FOCF do grupo fique entre 300 e 500 milhões de euros, com ROCE de 8% a 10%. A projeção para o Ebitda do ano fiscal é que fique entre 1.570 e 1.650 milhões de euros.

Lançado novo programa de Economia Circular

Para manter o sucesso a longo prazo com suas soluções sustentáveis e inovadoras, a Covestro pretende reforçar seu foco na economia circular para o futuro e lançou um novo programa estratégico com essa finalidade. Nos seus processos produtivos, em particular, o grupo tem como objetivo utilizar, o máximo possível, matérias-primas de fontes sustentáveis, como matéria vegetal, resíduos e CO2. Isso deve eliminar o uso de recursos fósseis como petróleo bruto tanto quanto possível. Acima de tudo, os plásticos usados devem ser reciclados sistematicamente e o máximo possível.

Sustentabilidade e inovação também foram as palavras-chave na K2019, a maior feira comercial de plásticos do mundo realizada em Düsseldorf, Alemanha. Na feira, a Covestro apresentou muitos produtos e tecnologias diferentes que oferecem soluções para desafios globais urgentes. Por exemplo, expôs materiais de alta tecnologia que utilizam carbono em tecidos mais ecológicos, elevam o desempenho de turbinas eólicas e aceleram a expansão da tecnologia 5G.

Crescimento de volume no terceiro trimestre nos segmentos de Poliuretanos e Policarbonatos

Os volumes principais no segmento de Poliuretanos subiram 5,1%. O aumento da demanda nas indústrias de móveis, elétrica e eletrônica, especialmente em aparelhos domésticos e no setor de construção, mais que compensaram a demanda mais fraca na indústria automotiva. Contudo, as vendas nesse segmento caíram 20,1% para 1.478 milhões de euros devido à queda dos preços de venda, ocasionada pela maior pressão competitiva. Esse fenômeno também se refletiu no Ebitda, que caiu para 196 milhões de euros (-54,6%).

Os volumes principais em Policarbonatos subiram 9,3% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. A indústria elétrica e eletrônica e o setor de construção foram os que mais contribuíram para esse crescimento. As vendas nesse segmento caíram 13,2% para 901 milhões de euros no terceiro trimestre de 2019. O Ebitda caiu 58,1% para 132 milhões de euros, devido, principalmente, à mudança negativa nos preços de venda.

O segmento de Revestimentos, Adesivos e Especialidades registrou queda de 4,0% nos volumes principais como resultado da demanda mais fraca por matérias-primas para revestimento por parte de todas as principais indústrias, especialmente do setor automotivo. Como resultado, as vendas caíram 3,0% para 588 milhões de euros. No terceiro trimestre de 2019, o Ebitda caiu 11,9% para 111 milhões de euros, movido por volumes menores e margens mais baixas.

Maior concorrência e novo patamar de preços marcam os primeiros nove meses

Conforme esperado, os primeiros nove meses foram marcados por concorrência crescente e mudança nos preços. O crescimento do volume principal atingiu 1,5%. As vendas totais caíram 15,8% para 9.548 milhões de euros, principalmente como resultado da baixa nos preços de venda. O Ebitda caiu 54,4% para 1.326 milhões de euros. A receita líquida atingiu 515 milhões de euros (-70,5%). O fluxo de caixa operacional livre decresceu para 143 milhões de euros (-89,1%).

Com 14,6 bilhões de euros em vendas em 2018, a Covestro é uma das maiores empresas mundiais de polímeros. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de materiais de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, de construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem 30 unidades de produção no mundo todo e empregava aproximadamente 16,8 mil pessoas (calculadas equivalendo à jornada integral) no fim de 2018.

Curta nossa página no

O Boticário desenvolve processo de reciclagem para tampas de perfumaria feitas com ionômero da Dow

09/11/2019

Com o processo, as tampas produzidas com Surlyn pós consumo, que antes não completavam o ciclo de reciclagem, transformam-se em novas tampas, voltando ao consumidor

O Boticário desenvolveu um processo inédito na América Latina para a reciclagem de tampas de perfumaria produzidas com Surlyn, ionômero fabricado pela Dow. Por ter uma grande complexidade, essa matéria-prima, apesar de ser reciclável em outras categorias, não vinha sendo viável no setor de cosméticos. Agora, as tampas podem ser recolhidas depois do consumo, separadas por cooperativas de reciclagem e, por fim, retornadas ao consumidor em novos produtos — dentro do processo de Logística Reversa.

O Surlyn é a resina utilizada em tampas de perfumaria. Segundo a Dow, sua maior propriedade comercial é a transparência, que confere aspecto premium às embalagens, além da versatilidade de design e alta resistência química. Segundo dados da Euromonitor International, o mercado de beleza e cuidados pessoais teve uma alta de 1,53%. Na categoria de perfumaria, a Abihpec destaca o pulo de 8,1% nas vendas dos fabricantes em 2018 e estima que, para 2019, o crescimento em vendas seja de 4,1%, a R$ 50,43 bilhões.

Por isso, o Grupo Boticário e todas as marcas que abrange – O Boticário; Eudora; quem disse, berenice?; The Beauty Box; Multi B e Vult, que têm o meio ambiente como um dos seus principais pilares, entendeu a importância de olhar para esse novo mercado e criar essa solução. Além de permitir o retorno sustentável das embalagens que vêm dos consumidores (PCR – pós consumo), o novo processo de reciclagem também reaproveita os rejeitos de Surlyn que são descartados em processos industriais (PIR – pós industrial).

“O desenvolvimento dessa tecnologia, que por meio da reciclagem inovadora proposta pelo Grupo Boticário causa pouco impacto na coloração das novas tampas, faz com que esses materiais (pós consumo e industriais) tornem-se novas peças para as perfumarias comercializadas pelo Grupo”, afirma Eduardo Fonseca, Diretor de Assuntos Institucionais do Grupo Boticário.

Segundo a empresa, o Boti Recicla é o maior programa de logística reversa do país, permitindo que consumidores retornem suas embalagens nos mais de 4 mil pontos de venda espalhados pelo Brasil e é a primeira etapa para a consolidação desse novo processo.

“A partir daí, inicia-se a participação das cooperativas, que separam as tampas recolhidas dos consumidores e ganham também um novo mercado, já que esses itens passam agora a ter um valor comercial e criam novas demandas. O terceiro passo é encaminhar todo esse material para a empresa de reciclagem Wise. É nessa etapa que o material descartado entra no processo de recuperação, através da lavagem, moagem e extrusão, dando origem aos pellets do Surlyn reciclado”, explica Alexandre Bouza, Head do Boticário.

Por fim, o material é encaminhado para a Aptar, empresa produtora das bombas e tampas dos produtos do Grupo Boticário, que passa a utilizar a resina reciclada em sua produção que será posteriormente direcionada para os consumidores.

O Boticário é uma empresa brasileira de cosméticos, unidade de negócios do Grupo Boticário. Inaugurada em 1977, em Curitiba (Paraná), a marca tem a maior rede franqueada de cosméticos do país com mais de 3.700 pontos de venda, em 1.750 cidades brasileiras, e mais de 900 franqueados. Presente em 15 países, há mais de 40 anos desenvolve novos produtos e conta com um portfólio com mais de 850 itens de perfumaria, maquiagem e cuidados pessoais. O programa de logística reversa da marca, o Boti Recicla, é um dos maiores do país em pontos de coleta – em todas as lojas os consumidores podem devolver as embalagens vazias, que são encaminhadas para a reciclagem correta. A sua fábrica de cosméticos de Camaçari (BA) é a primeira do segmento a receber o certificado LEED de construção sustentável no Brasil.

A Dow está presente no Brasil desde 1956. A companhia reúne atualmente cerca de 2.700 funcionários em suas 11 instalações, incluindo 9 unidades de produção em Aratu (BA), Breu Branco (PA), Campinas (SP), Guarujá (SP), Jacareí (SP), Jundiaí (SP), Palmyra (PA), Santa Vitória (MG) e Santos Dumont (MG), atendendo a clientes nos mercados de embalagens, infraestrutura e cuidados do consumidor.  A Dow opera 18 complexos de manufatura em 4 países da América Latina e entregou vendas líquidas pro forma de US $ 4,9 bilhões em 2018. Ao redor do mundo, a Companhia opera 113 fábricas em 31 países e emprega aproximadamente 37.000 funcionários. A Dow teve vendas pro forma de aproximadamente US$ 50 bilhões em 2018.

Curta nossa página no

Grupo Solvay marca presença na OTC Brasil 2019 com compósitos e polímeros para a indústria de Petróleo e Gás

09/11/2019

Os materiais em compósitos e polímeros especiais para Petróleo e Gás foram o destaque da participação do Grupo Solvay na Offshore Technology Conference – OTC – Brasil 2019 (de 29 a 31 de outubro, no Centro de Convenções Sul América, no Rio de Janeiro).

A empresa, que foi uma das patrocinadoras do evento, lançou recentemente uma plataforma de compósitos termoplásticos para acelerar o desenvolvimento desses materiais e atender a diversos mercados, com destaque na região para o setor de produção e transporte de petróleo e gás.

Ao mesmo tempo, a Solvay acaba de colocar em operação nos Estados Unidos e na Europa dois novos centros de inovação dedicados aos polímeros especiais e compósitos de fibra de carbono.

Os novos centros de inovação fornecem ativos e recursos de ponta para acompanhar os clientes no projeto, prototipagem e teste de peças, permitindo uma grande aceleração do tempo de colocação no mercado desses materiais. No mercado de petróleo e gás, as aplicações desses materiais avançados visam, por exemplo, a substituição de tubos de metal suscetíveis à corrosão.

O Grupo Solvay já é um dos principais fornecedores do mercado de óleo e gás com seus polímeros especiais. A empresa fornece o polímero especial da linha Solef PVDF, com resistência inédita a temperaturas de até 150º C.

O produto, usado como camada de barreira em linhas flexíveis (risers) e mangueiras umbilicais, representa um avanço tecnológico no setor de extração de petróleo, uma vez que a temperatura máxima suportada por polímeros tradicionalmente usados na indústria do setor é de até 130º C. O Solef PVDF também pode ser empregado em revestimentos internos e externos, fios e cabos.

A Offshore Technology Conference (OTC), realizada no Brasil sob a coordenação do Instituto Brasileiro do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), abordou as principais questões do setor de petróleo e gás no Brasil, considerando também o cenário mundial, com a participação de referências internacionais no setor, além de diretores globais de Energia e Petróleo das principais companhias do segmento. Um dos principais temas da OTC 2019 foi a exploração e produção em áreas profundas, segmento em que o Grupo Solvay é um dos principais fornecedores de tecnologias e produtos.

A Solvay é uma empresa de materiais avançados e de especialidades químicas, com produtos e soluções utilizados em aviões, automóveis, dispositivos inteligentes e instrumentos médicos, baterias, na extração de minerais e petróleo, entre outras aplicações. A Solvay tem sede em Bruxelas e emprega 24.500 pessoas em 61 países. As vendas líquidas pro forma foram de € 10,3 bilhões em 2018, em 90% de atividades nas quais a Solvay está entre as três maiores empresas do mundo, resultando em uma margem de EBITDA de 22%.

Curta nossa página no

Wacker apresenta novos grades de borracha de silicone líquido e sólido durante a K 2019

05/11/2019

A Wacker, grupo químico com sede em Munique (Alemanha), apresentou várias inovações à base de silicone na K 2019, Feira Internacional de Plásticos e Borracha. Os principais produtos novos incluíram elastômeros de silicone resistentes ao fogo, grades de borracha de silicone autoadesivas com superfícies de baixo atrito e laminados de silicone ultrafinos para aplicações eletroativas. O foco também foi em grades de borracha de silicone líquido que, graças ao seu conteúdo volátil bastante reduzido, não exigem necessariamente pós-cura . Um novo aditivo à base de silicone também estreou, permitindo que os fabricantes de compostos de elastômeros termoplásticos produzam plásticos mais macios e mais repelentes à sujeira. Com impressão multimaterial, novo autocontrole e vários aprimoramentos técnicos em termos de liberdade de design e precisão, a última geração de impressoras de silicone em 3D da Wacker também foi um destaque na feira.

Na maior feira mundial de plásticos e borracha, o grupo químico de Munique apresentou suas inovações sob o lema “Thinking Beyond” (Pensando além). Em uma área de 300 metros quadrados, uma diversidade de novos produtos variava desde silicones condutores térmicos para resfriamento de baterias em veículos elétricos, borrachas de silicone retardantes de chama e silicones autoadesivos com superfícies de baixo atrito até laminados de silicone eletroativos para atuadores e sensores.

“Os silicones são extremamente versáteis e eficazes. Eles são essenciais para novas soluções de produtos e pertencem aos motores de inovação em setores-chave da indústria, como automotivo, médico e eletrônico ”, diz Robert Gnann, chefe da divisão de negócios da Wacker Silicones. “Os silicones são, portanto, cada vez mais procurados em muitos setores. As tecnologias futuras como mobilidade eletrônica e digitalização, os esforços globais para aumentar os padrões de vida e saúde e alcançar os objetivos de sustentabilidade da União Europeia e das Nações Unidas dificilmente serão viáveis ​​sem materiais de alto desempenho como os silicones. ”

O aumento de exigências nas especificações de produto e da indústria também apresenta um grande desafio para os fabricantes. “Alguns materiais padrão não conseguem mais acompanhar esse desenvolvimento”, disse Christian Gimber, vice-presidente de engenharia de silicones da Wacker Silicones. “É por isso que mais e mais empresas estão contando com elastômeros de silicone. Graças às suas excelentes propriedades mecânicas e químicas, os silicones tornaram-se indispensáveis ​​para solucionar problemas técnicos exigentes e desenvolver e implementar tecnologias inovadoras. ”

O Stand da Wacker na K 2019 abordou oito tópicos

Na feira deste ano, o estande da Wacker abordou oito tópicos. Um deles focalizou-se nas vantagens da borracha de silicone líquida, que contém muito poucos componentes voláteis. Desde o início de 2019, isso se aplica aos silicones Elastosil LR 3xxx, Elastosil LR 6xxx e Silpuran 6xxx fabricados na Europa. Graças às tecnologias de processo modernas, a Wacker diz que conseguiu reduzir o conteúdo de siloxanos voláteis Dx em sua borracha de silicone líquido em pelo menos 90%. Ao atualizar o portfólio de LSR dessa maneira, a empresa diz estar permitindo que os fabricantes de peças de silicone atendam aos requisitos regulatórios e à indústria, bem como às necessidades dos clientes de maneira mais rápida e confiável. Segundo a empresa, a sua iniciativa está estabelecendo novos padrões industriais em todo o mundo.

De acordo com a Wacker, a linha de produtos Elastosil LR 5040 cura para formar elastômeros que possuem as mesmas propriedades mecânicas sem tratamento térmico que um produto que foi pós-curado. Com isso, os usuários podem pular completamente a etapa longa e dispendiosa do processo de pós-cura, diz a Wacker. Devido à sua alta pureza, as peças feitas de Elastosil LR 5040 são adequadas para aplicações de contato com alimentos e podem ser usadas de acordo com as recomendações do Instituto Federal Alemão para Avaliação de Riscos (BfR) e da US Food and Drug Administration (FDA), garante a Wacker. Eles também atendem aos critérios dos testes de biocompatibilidade selecionados na ISO 10993 e na Farmacopeia dos EUA (Classe VI).

O Elastosil LR 5040 também esteve no centro da demonstração de moldagem por injeção deste ano no estande da Wacker.  Peças para contato com alimentos foram produzidas a partir da borracha de silicone líquido.

Borracha de silicone sólido para o novo padrão de segurança contra incêndio

A segurança contra incêndios em meios de transporte ferroviário é regida por normas nacionais. Com a norma EN 45545-2 em vigor na Europa, os requisitos de segurança que os fabricantes de componentes para trens devem atender se tornaram mais rígidos. A Wacker afirma que seu portfólio de produtos já inclui soluções de borracha de silicone sólido e líquido já certificadas para uma grande parte das aplicações mencionadas na EN 45545-2 – especialmente aquelas sujeitas aos conjuntos de requisitos R22 e R23 da norma.

Agora, para permitir que os fabricantes produzam articulações e perfis de grande formato para trens, em conformidade com os novos códigos de segurança contra incêndio, o grupo químico de Munique adicionou um novo grade de borracha de silicone sólida retardante de chamas ao portfólio de produtos. Segundo a Wacker, o Elastosil R 771 atende aos códigos de segurança contra incêndio atuais e permite a fabricação de componentes para trens de acordo com os requisitos R1 e R7. A Wacker afirma que isto a torna um dos primeiros produtores de silicone do mundo a oferecerem um composto de borracha de silicone certificado e aprovado para o novo padrão.

Silicones líquidos autoadesivos com menos atrito

A Wacker expandiu seu portfólio de borracha de silicone líquido auto-adesivo com mais duas linhas de produtos: Elastosil LR 3671 para aplicações em tecnologia de alimentos e Elastosil LR 3675 para a indústria automotiva. A empresa combinou nesses produtos duas tecnologias firmemente estabelecidas na indústria de compostos de silicone, com um histórico em inúmeras aplicações: silicones com propriedades autoadesivas e grades com superfícies intrinsicamente de baixo atrito.

A Wacker diz que os novos grades de borracha de silicone líquido aderem a metais e termoplásticos selecionados e curam para formar elastômeros com superfícies secas e de baixo atrito. Assim, eles tornam possível a produção econômica em larga escala de compósitos duros / macios moldados por injeção, afirma a empresa.

Laminado de silicone para sensores e atuadores

O Nexipal é um novo laminado de silicone com propriedades eletroativas. Segundo a Wacker, ele consiste de vários filmes de silicone de precisão ultrafinos, que são revestidos com material eletricamente condutor antes da laminação. O resultado é um atuador que cria movimento, assim que a tensão elétrica é aplicada.

Os laminados podem, além disso, ser utilizados para medir eletricamente a deformação mecânica. Assim, o Nexipal também pode servir como um sensor. A Wacker afirma que o produto é livre de desgaste, compacto e economiza energia, sendo ideal para uso em aplicações inovadoras. Os displays de tablets equipados com Nexipal são capazes de criar vibrações e feedback tátil que simulam o formato das teclas ou painéis de controle que podem ser operados às cegas pelo toque, afirma a empresa. Esse recurso pode ser especialmente útil em aplicações automotivas.

Genioplast Pellet 345

O Genioplast Pellet 345 complementa o portfólio de aditivos da Wacker à base de silicone para compostos de polímeros termoplásticos. O produto foi desenvolvido especificamente tendo em mente poliuretanos termoplásticos (TPUs), mas também pode ser usado para modificar outros elastômeros termoplásticos. Por exemplo, o produto, que é fornecido na forma de pellets, pode aumentar acentuadamente as propriedades dos elastômeros termoplásticos de copoliéster e poliamida, afirma a Wacker.

O Genioplast Pellet 345 é um copolímero de silicone e é processado como um termoplástico. O fabricante afirma que os segmentos de polímeros orgânicos contidos no Genioplast Pellet 345 o tornam tão compatível com poliuretanos termoplásticos que, ao contrário dos silicones convencionais, ele se dispersa de maneira muito fina e homogênea por toda a matriz de poliuretano. Ao fazer isso, torna-se fisicamente vinculado à matriz e, portanto, não pode migrar.

De acordo com a Wacker, a adição do Genioplast Pellet 345 aumenta a suavidade da superfície dos poliuretanos termoplásticos, aumentando assim sua resistência ao risco e à abrasão. Além disso, as superfícies se tornam mais resistentes à contaminação por alimentos e cosméticos, explica o fabricante. Na Europa, o produto também é autorizado para aplicações de contato com alimentos.

Impressão 3D com silicone

Na K deste ano, a Wacker apresentou sua mais recente inovação no campo da impressão 3D com silicone real: o ACEO® Imagine Series K2. Com seus múltiplos bicos de impressão, a nova impressora pode imprimir até quatro diferentes materiais de silicone simultaneamente, permitindo a realização de projetos totalmente novos, diz a Wacker. Os objetos 3D agora podem ser impressos em cores diferentes e com diferentes graus de dureza. A nova tecnologia também beneficia a impressão de objetos que requerem material de suporte. Para esses casos, estão disponíveis até três materiais ou cores diferentes.

Outro destaque é a nova tecnologia de controle automático da ACEO. Ele mede a camada de silicone aplicada a cada operação de impressão e a compara com o valor alvo especificado no modelo CAD. Se o programa detectar discrepâncias, elas serão corrigidas automaticamente nas próximas camadas. Dessa maneira, a nova impressora produz impressões 3D precisas e detalhadas, que são adequadas mesmo para aplicações industriais difíceis, garante a Wacker.

Curta nossa página no

BASF apresenta variedades de poliuretano termoplástico expandido durante a Feira K 2019

04/11/2019

  • Minigrânulos permitem aplicações em paredes finas.
  • Novo método de processamento abre mais opções.
  • Novo opção em preto para aplicações técnicas.

O Infinergy, o primeiro poliuretano termoplástico expandido (E-TPU) da BASF, causou grande repercussão quando foi lançado no mercado em aplicação nos tênis de corrida Boost da Adidas. Ele introduziu no mercado de plásticos uma classe de espumas particuladas que combina as propriedades elásticas do TPU com a leveza da espuma.

Atualmente, segundo a BASF, diversas indústrias se beneficiam das propriedades do material, desde calçados de segurança confortáveis e raquetes de tênis de alto desempenho, até pisos amortecedores para esportes. Na feira de plásticos K 2019, foram apresentadas novas cores, aplicações e métodos inovadores para o Infinergy.

Versão em preto para aplicações técnicas

Sempre branco, o Infinergy agora tem também a versão em preto. É adequado principalmente para aplicações técnicas onde a superfície é muito suscetível à sujeira, incluindo entressolas de tênis. “Com o Infinergy preto, estamos abrindo novas possibilidades para os nossos clientes”, diz Thomas Stührenberg, chefe de marketing da BASF para a Europa. “Agora a variedade de cores é praticamente ilimitada – queremos trabalhar com nossos clientes para que a gama de Infinergy seja ainda mais colorida no futuro”.

Minigrânulos

Os minigrânulos têm menos da metade do tamanho dos grânulos normais do Infinergy: mais ou menos 2,5 a 3, 5 mm de diâmetro. Essas esferas são usadas onde o comportamento de preenchimento do produto padrão alcança seu limite como, por exemplo, em peças moldadas de parede fina.

Assim como seu tamanho reduzido, o formato redondo das partículas também ajuda a melhorar o comportamento de preenchimento, informa a BASF. Assim, as paredes finas são facilmente preenchidas no molde e não ficam comprometidas as propriedades do material, como a resiliência, assegura a empresa.

Os minigrânulos já são usados nos amortecedores de vibração em compressores e selins de bicicleta. A Ergon, que em 2017 foi a primeira empresa a lançar o Infinergy em um selim de bicicleta – o Ergon ST Core Prime -, agora conta com este novo tamanho de grânulo. Um selim E-MTB e um selim urbano completam a gama de selins de bicicleta com o núcleo Infinergy. “Os minigrânulos nos dão opções totalmente novas para o desenvolvimento do produto e design do componente. Nos permite criar formas bem mais delgadas, o que possibilita a fabricação de selins para o segmento desportivo. Particularmente a ponta do selim, que tem paredes mais finas e contornos mais acentuados, agora pode ser projetada com um design mais esguio e sofisticado”, comenta Andreas Krause, chefe de Desenvolvimento Técnico na Ergon.

Infinergy explora novos terrenos sem vapor

Tradicionalmente, o processamento de espumas particuladas, inclusive o Infinergy, demanda vapor para soldar as espumas em um componente. Com as altas demandas relacionadas à qualidade da superfície, esse processo atinge seu limite rapidamente, principalmente para componentes como aplicações decorativas. Isso porque poucas camadas superiores são permeáveis ao vapor.

A startup FOX Velution desenvolveu uma tecnologia totalmente seca para processar espumas de partículas visando superar esses limites e também melhorar significativamente a eficiência energética. Segundo a BASF, a tecnologia variotérmica possibilita a aplicação em construções leves, com camadas superiores visíveis ou táteis, reforço têxtil e em complementos integrados (eletrônicos, elementos de montagem). Desta forma, oferece opções totalmente novas para decoração e funcionalização: os LEDs incorporados aos painéis de espuma Infinergy iluminam o material e as camadas superiores, que podem ser películas coloridas ou tecidos estruturados, por exemplo, e criam novas óticas, afirma a empresa.

Aplicações completamente novas do Infinergy também são encontradas no Vision Venture, o trailer conceitual da Hymer e da BASF. Aqui, segundo a fabricante do material, a solução é a opção adequada para degraus e cantos da cama, além de ser um elemento de conforto no estrado.

A divisão de Materiais de Performance da BASF engloba todo o know-how de materiais da BASF relacionados a plásticos inovadores e personalizados. Mundialmente ativa em quatro grandes setores da indústria – transporte, construção, aplicações industriais e bens de consumo – a divisão tem uma estreita colaboração com os clientes. A competência em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) fornece a base para o desenvolvimento de produtos inovadores e aplicações. Em 2018, a Divisão de Materiais de Performance alcançou vendas globais de € 7,65bi. O Grupo BASF como um todo registrou vendas de € 63 bilhões em 2018.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Evonik inicia construção do novo complexo de poliamida 12 na Alemanha

08/10/2019

  • A planta é uma resposta à alta demanda em mercados estratégicos, que variam da indústria automotiva à impressão 3D
  • O investimento impulsiona o motor de crescimento “Smart Materials” e consolida a posição de liderança de mercado da empresa em poliamida 12
  • O investimento supera 400 milhões de euros

A Evonik iniciou oficialmente a construção do projeto que representa o seu maior investimento até hoje na Alemanha. Armin Laschet, ministro-presidente do estado da Renânia do Norte-Westfália, e Christian Kullmann, presidente da diretoria executiva da Evonik Industries AG, estavam na primeira fila quando mais de 200 pás foram fincadas no solo da área de construção, no centro do Parque Químico de Marl. A cerimônia, da qual também participaram clientes, colaboradores e outros representantes da esfera política, sinalizou o início do projeto. Em seu maior site mundial, a empresa ampliará sua capacidade total de PA 12 em mais de 50%. O projeto vai complementar a produção de PA 12 existente no local com fábricas adicionais para o polímero e seus precursores. O início das operações está previsto para 2021.

Em sua fala durante a cerimônia, Armin Laschet destacou o significado especial do investimento de mais de 400 milhões de euros na Alemanha, e especialmente na parte norte do vale do Ruhr. “O fato de uma das principais empresas de especialidades químicas como a Evonik estar investindo aqui em instalações ultramodernas, mostra que o estado da Renânia do Norte-Westfália é o principal centro químico da Alemanha e pode competir no âmbito global. Singapura e outros países se empenharam muito por essa fábrica mediante a oferta de incentivos fiscais. Ao final, o local escolhido foi Marl porque aqui temos a vantagem de uma rede de empresas químicas e de energia competentes. O plástico é um material de alta tecnologia e uma das matérias-primas do futuro”.

Christian Kullmann destacou o significado da nova fábrica: “Este é o maior investimento individual que a nossa empresa já fez na Alemanha. Estamos construindo essa unidade porque queremos continuar crescendo por meio de especialidades químicas inovadoras. Com o nosso polímero de alta performance PA 12, podemos abastecer os mercados estratégicos de crescimento global, como o setor de impressão 3D, por exemplo. Além disso, os nossos plásticos ‘leves’ e de longa duração também contribuem de maneira significativa para a conservação de recursos na indústria automotiva.

A inovação também é o negócio das startups convidadas e dos projetos de digitalização, os quais Claus Rettig, presidente da diretoria executiva da Evonik Resource Efficiency GmbH, apresentou brevemente aos presentes. “Queremos nos tornar ainda mais rápidos e mais flexíveis no desenvolvimento de polímeros novos e customizados que contribuam para o forte crescimento dos nossos clientes. Precisamos de novas tecnologias para isso e essa é a razão de termos tomado medidas consistentes em prol do uso da inteligência artificial”, disse Rettig.

Há mais de 50 anos, a Evonik desenvolve materiais de alto desempenho customizados para aplicações com alto nível de sofisticação. O Grupo é um dos maiores produtores mundiais de PA 12, comercializado sob o nome Vestamid. A demanda pelo material é considerável em mercados de alta atratividade como as indústrias automotiva, de extração de óleo e gás, médica e esportiva. O Vestosint, uma versão em pó da PA 12, é usado em aplicações como o revestimento de metais para bens de consumo, cestos de lava-louças, componentes automotivos e dispositivos médicos. Também faz anos que a Evonik desenvolve pós poliméricos especiais que permitem aos fabricantes usar a impressão 3D para produzir componentes de alta tecnologia em escala industrial.

A Evonik é uma das empresas líderes mundiais em especialidades químicas. Com mais de 32.000 colaboradores, a Evonik atua em mais de 100 países no mundo inteiro. No ano fiscal de 2018, a empresa gerou vendas de 13,3 bilhões de euros e um lucro operacional (EBITDA ajustado) de 2,15 bilhões de euros.

Curta nossa página no

Milliken apresenta segunda geração de linha de modificadores de desempenho para PP

03/10/2019

Produto mantém pegada sustentável, em nova versão sem cor e com aprovação FDA, focalizando principalmente os produtores de resinas e o segmento de embalagens alimentícias.

Depois do lançamento da linha DeltaMax em abril deste ano, a Milliken apresenta ao mercado a segunda geração de modificadores de desempenho, agora sem cor e com aprovação FDA. Segundo a empresa, o produto mantém a sua pegada sustentável, com foco em produtores de resina e no setor alimentício, possibilitando também o incremento do uso de polipropileno (PP) reciclado.

A nova geração do produto será lançada na Feira K, em Düsseldorf, na Alemanha, entre os dias 16 e 23 de outubro.

De acordo com Rodrigo Silva, Gerente Comercial da Milliken, o produto estará disponível no mesmo período para homologações regionais. “Como as legislações diferem conforme a região, será necessário que as empresas homologuem o novo DeltaMax”, afirma.

De acordo com a Milliken, a segunda geração de seus modificadores de desempenho diferencia-se da primeira pela cor e pela aprovação para contato com alimentos. Enquanto a anterior tinha uma cor alaranjada, segundo Silva, a nova linha é incolor. “Isso favorece na confecção de embalagens e peças por injeção de polipropileno (PP), copolímero de impacto para produtos alimentícios e demais aplicações, e também favorece o incremento da parcela de PP reciclado na mistura”, explica. “Na realidade a segunda geração DeltaMax é uma linha de produtos multiuso, que pode ser utilizada em diversas aplicações, como no caso de produtos linha branca (geladeiras, fogões, etc) que anteriormente não conseguiam atingir a cor ideal com a primeira geração do DeltaMax”.

Segundo a Milliken, os concentrados (masterbatches) da linha DeltaMax garantem um equilíbrio inédito entre resistência ao impacto e a fluidez não obtidos com o uso dos modificadores de impacto convencionais, sem, contudo, comprometer a rigidez da Resina. “O Deltamax e destinado a transformadores que queiram otimizar a resistência ao impacto da resina para gerar peças acabadas mais robustas, sem ter que sacrificar o índice de fluidez e nem perder processabilidade”, assegura Silva.

A Milliken afirma que o DeltaMax otimiza propriedades físicas e a processabilidade da resina, seja ela virgem ou reciclada.

Silva explica que “essa melhora decorre da melhor dispersão das partículas de borracha presentes no PP copolímero de impacto. Com isso, a tecnologia proporciona aos transformadores ganhos simultâneos – tanto em índice de fluidez quanto em propriedades de impacto. Essa era uma lacuna do mercado, agora ocupada de forma inovadora por DeltaMax”.

De acordo com a Milliken, os novos modificadores de desempenho são especialmente aplicáveis à produção de peças de geometria complexa e/ou que requeiram resistência significativa ao impacto – em outras palavras, a produtos cujas vidas úteis impliquem graus intensivos de manuseio, choques e stress mecânico. Exemplos são caixas organizadoras, baldes, cestos e outras utilidades domésticas; elementos para construção civil; e componentes automotivos.

Ganhos operacionais e em sustentabilidade

Segundo a empresa, o uso dos novos concentrados permite aos transformadores utilizar até 100% de material reciclado, desde que a matéria-prima apresente a qualidade exigida (baixo grau de contaminantes), ou aumentar o teor de resina reciclada em misturas típicas com resina virgem. “Isso fomenta a economia circular e melhores práticas de produção. É um apelo expressivo, haja vista os planos ambiciosos de grandes marcas da indústria em ampliar o uso de plásticos reciclados”, ressalta Silva.

A Milliken afirma também que a melhora na processabilidade, viabilizada pelo aumento do índice de fluidez da resina, reverte-se em ganhos de ciclo operacional: o transformador produz mais peças num mesmo período e, consequentemente, consome menos energia. A possibilidade de aumento do percentual de reciclado em misturas também proporciona ganhos financeiros, uma vez que a matéria-prima recuperada tem custo menor. Testes realizados pela Milliken registraram reduções do ciclo operacional de 10% a 15%, dependendo da aplicação, e economia de energia na mesma faixa. Como consequência, a redução na emissão de CO2 sofreu queda média de 10%, assegura a empresa.

Nos Estados Unidos, onde foi introduzido em meados do ano passado, DeltaMax já vem sendo utilizado na fabricação de caixas organizadoras, cestos e peças de circulação de ar para telhados (vents). Aplicações no setor de autopeças estão sendo consolidadas. Os transformadores também devem considerar possíveis interferências de cor em aplicações de grande exigência estética. A coloração alaranjada dos novos modificadores de desempenho pode demandar ajustes nas formulações de pigmentação.

A expectativa da Milliken é de que DeltaMax tenha uma boa receptividade também no Brasil, por quebrar um paradigma no trabalho com PP copolímero de impacto. “É uma tecnologia inovadora, que melhora significativamente o desempenho durante a transformação e também as propriedades dos produtos finais”, define Edmar Nogueira, Gerente Técnico da Milliken.

Curta nossa página no

Eastman lança sistemas de resina para revestimento na Abrafati 2019

24/09/2019

Nova tecnologia tem impacto no segmento de embalagens metálicas, automotivo, industrial e outros.

A Eastman apresenta seu mais recente lançamento, os sistemas de resina protetiva Eastman Tetrashield na Abrafati 2019 (Congresso Internacional de Tintas e Exposição Internacional de Fornecedores de Tintas) – a maior feira latino-americana para a indústria de tintas e revestimentos. A Abrafati 2019 acontece na São Paulo Expo, em São Paulo, entre os dias 1 e 3 de outubro.

“Por meio de nosso modelo de crescimento impulsionado pela inovação para atrair o mercado e alavancar nossas plataformas de tecnologia para fornecer aplicativos diferenciados, estamos redefinindo os sistemas de revestimento. Um ótimo exemplo são os sistemas de resina protetiva Eastman Tetrashield, diz Marcos Basso, gerente de desenvolvimento de mercado da Eastman para a América Latina.

O produto, que já é comercializado no exterior, faz sua estreia no Brasil. Segundo a Eastman, o Tetrashield é uma tecnologia inovadora, capaz de causar impacto em vários setores econômicos.

Na indústria de embalagens muitos elementos dependem do revestimento interno, incluindo a vida útil do produto, a segurança alimentar, a conformidade regulatória e a reputação da marca. Os consumidores confiam que os revestimentos das embalagens metálicas protegerão seus alimentos. A Eastman afirma que o Tetrashield proporciona um equilíbrio entre durabilidade e flexibilidade para revestimentos usados em alimentos enlatados, com melhor desempenho, tempo de prateleira, segurança e conformidade regulatória, além de ser livre de BPA.

A indústria de alimentos não é a única beneficiária desta solução. Segundo a Eastman, as resinas Tetrashield tornam os revestimentos mais duráveis ao permitir formulações de baixo VOC (em português, COV, composto orgânico volátil) e eliminar etapas de fabricação que consomem muita energia.

Além disso, afirma a Eastman, testes de laboratório revelaram que os revestimentos à base de Tetrashield apresentam melhorias significativas em comparação com outras soluções – incluindo resistência química, estabilidade hidrolítica e durabilidade ao ar livre. Ele pode estender a resistência às intempéries, melhorar a facilidade de aplicação, aumentar a proteção contra corrosão e proteger os ativos por mais tempo, garante o fabricante.

Essa resistência às intempéries, aliada à resistência química e à dureza, tornam os revestimentos mais duráveis, mantendo os benefícios tradicionais dos poliésteres, o que é muito importante para os OEM (em português, fabricante de equipamento original) dos segmentos automotivo e de manutenção industrial, assegura a Eastman.

Serviço: Abrafati 2019 – Congresso Internacional de Tintas e Exposição Internacional de Fornecedores de Tintas
Quando: 1 a 3 de outubro
Horário: 11h às 20h
Estande: 89A
Local: Km1,5 da Rod. dos Imigrantes – Vila Água Funda

A Eastman é uma empresa global de materiais avançados que produz uma ampla gama de produtos para mercados finais tais como transporte, construção civil e produtos de consumo. A Eastman emprega, aproximadamente, 14.500 pessoas ao redor do mundo e atende clientes em mais de 100 países. A companhia alcançou, em 2018, aproximadamente, 10 bilhões de dólares em receitas e está sediada em Kingsport, Tennessee, EUA.

Curta nossa página no

Arlanxeo destaca novas soluções de mobilidade na K 2019

16/09/2019

A empresa mostrará produtos e desenvolvimentos que abordam a mobilidade futura, com foco em novas soluções de pneus, armazenamento de energia e aplicações de desempenho.

A Arlanxeo, líder global em elastômeros de desempenho, participa de sua segunda feira K com o tema “mobilidade futura”, à medida que tendências como a eletrificação e a direção autônoma de veículos mudarão fundamentalmente as modalidades de transporte na próxima década. Hoje já se vêem novos meios de transporte emergindo, formas alternativas de compartilhamento e uso da mobilidade, bem como novos tipos de geração e armazenamento de energia – todos respondendo à necessidade de uma mobilidade futura mais sustentável e responsável.

Essas tendências produzem novas demandas por soluções orientadas à mobilidade eletrônica, exigindo novos materiais com menor peso, melhores características térmicas, ruído reduzido, desempenho ideal de vibração e menor consumo de energia. A Arlanxeo diz que está colocando foco concentrado para atender a esses requisitos, projetando, testando e fornecendo soluções em elastômeros, em colaboração com seus clientes e parceiros, visando atingir modos mais sustentáveis, confortáveis e seguros para a mobilidade individual e pública no futuro.

Donald Chen, CEO da Arlanxeo, comenta: “Embora nem sempre sejam visíveis para os consumidores, nossas soluções de ponta em borracha são um habilitador essencial de novas tecnologias necessárias para tornar a mobilidade do futuro uma realidade. Sendo a inovação uma parte essencial da estratégia e do sucesso da Arlanxeo, estamos trabalhando em estreita colaboração com nossos clientes para atender às suas necessidades em eletrificação e automação. A feira K deste ano apresenta uma grande oportunidade para mostrar nossas ofertas e explorar ainda mais as oportunidades de cooperação com nossos clientes e parceiros no setor automotivo e de transporte “.

Especificamente, os visitantes do estande da Arlanxeo (Hall 6 / C52) poderão ver as soluções da empresa em três áreas principais, que serão exibidas no estande e demonstradas por especialistas da Arlanxeo:

  • Novas soluções para pneus: de acordo com Arlanxeo, isto inclui o trabalho da empresa em novas arquiteturas de polímeros que melhoram os compostos dos pneus para ajudar a obter menor resistência ao rolamento e à abrasão, ao mesmo tempo em que mantém aspectos de segurança como a aderência. Esses desenvolvimentos podem dar apoio à extensão do uso e diminuir o consumo de energia dos veículos, atendendo às necessidades da e-Mobilidade.
  • Novas soluções de armazenamento de energia: As baterias de alto desempenho desempenharão um papel fundamental para o avanço da direção elétrica. Arlanxeo diz que está concentrando pesquisas em grades inovadores de borracha para baterias de íon-lítio que garantem tempos de carregamento mais curtos, maior potência e maior tempo de uso. Isso também inclui novas soluções de gerenciamento térmico para proteger as baterias contra superaquecimento.
  • Novas aplicações de desempenho: Novas soluções em borracha são necessárias para atender às demandas de aplicações emergentes à luz do progresso da e-Mobilidade. Exemplos são cabos mais resistentes ao calor e à chama para carregamento, perfis de menor peso, melhores sistemas de amortecimento e antivibração para melhorar o conforto em carros elétricos, sistemas de freio eficazes e seguros ou novas palhetas dos limpadores que atendam às necessidades de direção autônoma baseada em câmera no futuro.

Além de sua própria presença, a Arlanxeo também hospedará novamente a “Rua da Borracha” (Rubber Street) localizada em frente ao seu estande, em uma área de mais de 500m2. O objetivo geral é melhorar a visibilidade dos negócios de borracha e elastômeros termoplásticos (TPE) na K. A Arlanxeo continua a apoiar essa iniciativa, fundada em 1983, em colaboração com a Associação Alemã de Fabricantes de Borracha (WDK) e Dr. Gupta Verlags GmbH como parceiro de mídia.

A Arlanxeo é uma empresa líder no mercado de borracha sintética, com vendas de cerca de EUR 3,2 bilhões em 2018, cerca de 3.900 funcionários e presença em 20 unidades em 9 países. O principal negócio da empresa é o desenvolvimento, fabricação e comercialização de borrachas de alto desempenho para uso, por exemplo, nas indústrias automotiva e de pneus, na construção e nas indústrias de petróleo e gás. A Arlanxeo foi fundada em abril de 2016 como uma joint venture da Lanxess e da Saudi Aramco. Em 31 de dezembro de 2018, a Saudi Aramco se tornou a única proprietária da Arlanxeo.

Curta nossa página no

Município de Indaial e Termotécnica fazem parceria para reciclagem de EPS

13/09/2019

As embalagens de isopor® que servem para proteção de eletrodomésticos ou eletrônicos novos – como refrigeradores e televisores – podem ser 100% recicladas e virar novas embalagens e produtos, evitando que a matéria-prima vá para um aterro. Mas como proceder para dar a destinação correta e contribuir com essa prática sustentável? Em Indaial (SC), o acordo entre a Prefeitura, por meio da Secretaria de Urbanização e Meio Ambiente, e a Termotécnica, maior recicladora brasileira de EPS, está viabilizando a coleta e destinação do produto, proporcionando assim a economia circular na prática e em conformidade com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

O EPS – sigla para poliestireno expandido – é um material usado em embalagens e na construção civil, sendo a base das soluções desenvolvidas pela Termotécnica. Inodoro, o EPS não contém gás CFC ou qualquer um de seus substitutos, também não contamina o solo, a água ou o ar. No entanto, como qualquer resíduo plástico, quando descartado de forma incorreta, pode causar danos à natureza.

Na parceria com a Prefeitura de Indaial, a Termotécnica se encarrega de fazer a coleta do EPS sempre que o montante separado e classificado pela Associação Participativa Recicle Indaial (Apri), cooperativa de triagem do Município, atingir o volume aproximado de 60 m³. Dessa forma, é viabilizado o seu destino correto através da reciclagem e re-introdução o material na cadeia produtiva do plástico. Além de gerar renda para os cooperativados, essa parceria evita que o EPS pós-consumo seja destinado aos aterros onde ficaria indefinidamente.

A Prefeitura orienta aos pequenos geradores do Município que coloquem o isopor® normalmente no dia da coleta seletiva. “Se as embalagens verdes entregues mensalmente não forem suficientes, o morador pode colocar em outra sacola, pois o material será recolhido da mesma forma. Apenas é necessário dispor no dia correto da coleta seletiva”, explica o secretário Jonas Lima. Já para os grandes geradores, como lojas, a Secretaria solicita que o material seja levado de segunda a sexta na Associação Participativa Recicle Indaial, um ponto de entrega voluntária localizado na rua Anna Bauer, 280, Warnow. “O isopor está cada vez mais presente no dia a dia. É amplamente utilizado em embalagens de alimentos ou para proteção de aparelhos eletrônicos e itens frágeis. Conseguir essa parceria com a Termotécnica foi muito importante, pois além de o material ser reciclado devidamente ele deixa de ir para o terreno sanitário”, frisa o secretário.

Com fábricas e unidades de reciclagem em cinco estados brasileiros, desde 2007 a Termotécnica realiza o Programa Reciclar EPS, com logística reversa e reciclagem do material. De acordo com a Plastivida – Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos, no Brasil, apenas 34,5% do EPS pós-consumo é reciclado. Um terço de toda essa reciclagem é feita pela Termotécnica. Já são mais de 40 mil toneladas de EPS pós-consumo que ganharam um destino mais nobre.

A companhia possui um portal (reciclareps.com.br/ondereciclar) para busca de recicladores no Brasil e exterior, parceiros que fazem a economia circular do EPS acontecer na prática. Albano Schmidt, presidente da companhia, destaca que o Reciclar EPS gera oportunidades para muitas famílias, como as dos catadores e recicladores de resíduos. Segundo a Termotécnica, desde sua criação, a iniciativa gera cerca de 100 empregos diretos, conta com mais de 1,2 mil Pontos de Coleta e 300 cooperativas de reciclagem parceiras, o que impacta diretamente mais de cinco mil famílias, afirma a empresa. “Acompanhamos o ciclo de vida do produto e trabalhamos em busca de soluções inovadoras e positivas para todos”, argumenta Schmidt.

Curta nossa página no

BASF apresenta isolamento extrafino para construção e transporte na Feira K 2019

13/09/2019

A BASF vai apresentar seus materiais de isolamento superfinos e de alta performance em novas aplicações durante a maior feira comercial de plásticos do mundo, em Düsseldorf, de 16 a 23 de outubro de 2019. Segundo a empresa, os inovadores produtos Slentite e Slentex (foto) são uma nova geração de materiais de isolamento de elevada eficiência energética baseados em aerogel, com propriedades diferenciadas. Na Feira, a BASF vai apresentar novos exemplos de aplicações em construção, com elementos de fachada de concreto com fibra de carbono, e em veículos, como motorhomes.

Fachadas finas de concreto para prédios residenciais

O uso de novos materiais, combinado com energias renováveis, é a fórmula do sucesso para a casa do futuro. Segundo a BASF, para conseguir construir uma parede especialmente fina, os novos materiais de alta performance Slentite e Slentex podem ser usados para criar uma camada de isolamento entre as camadas de concreto, reduzindo a espessura da parede em até 50% em relação aos materiais convencionais de isolamento. Esses materiais fazem parte do projeto piloto de uma casa que está sendo construída em Leipzig, com uma estrutura híbrida de suporte de carga, feita de concreto com fibra de carbono e concreto armado. A expressiva redução da espessura da parede exterior permite novos conceitos estéticos, além de oferecer um ganho de espaço, cada vez mais valorizado em um prédio urbano.

Além disso, os dois materiais de isolamento podem ser integrados à pré-moldagem automatizada dos elementos na planta de concreto, sem futuros ajustes ao sistema. Este é um recurso oferecido exclusivamente por esses isolantes de alta performance, afirma a BASF. “Por causa de seu desempenho excepcional de isolamento, o Slentite e o Slentex são ideais para a produção de paredes com finos elementos pré-moldados. Com a camada flexível de isolamento Slentex, é possível produzir até mesmo os elementos de parede moldados organicamente, abrindo um escopo totalmente novo para a estética na construção”, considera Alexander Kahnt, arquiteto chefe e pesquisador associado da Universidade de Ciências Aplicadas de Leipzig (HTWK).

Isolamento de alta performance no setor automotivo

Economizar espaço é um critério essencial para os motorhomes, caravans e outros modelos no setor de transportes. As propriedades excepcionais de produto tornam o Slentite e o Slentex ideais para áreas onde os materiais de isolamento convencionais não são adequados, afirma a BASF. O protótipo de motorhome que está sendo fabricado para a K 2019, em uma cooperação entre uma fabricante de veículos recreativos e motorhomes e a BASF, mostra como os materiais finos de isolamento ajudam a criar um espaço valioso para uso interno. Este é mais um marco na implementação de estratégias de eficiência energética e um novo campo de aplicação para os materiais de isolamento.

Slentite – o painel fino para diferentes climas

Segundo a BASF, O Slentite é o primeiro aerogel a ser produzido exclusivamente à base de poliuretano. A empresa afirma que o painel de isolamento de aerogel resistente, composto por cerca de 90% de ar, permeável, permite um isolamento térmico até 50% maior do que os materiais convencionais, para a máxima eficiência em combinação com alto padrão estético. Como um material de isolamento de alta performance pioneiro, a estrutura de poros abertos do Slentite cria um agradável clima interno e ajuda a reduzir os custos de energia, garante a fabricante do material. Seu desempenho de isolamento diferenciado (λ = 18 mW/m -K) se alia à facilidade de processamento. Os painéis limpos, sem poeira, podem ser cortados com facilidade para caber no local e aplicados diretamente às paredes ou revestidos previamente. “Devido à sua combinação única de propriedades de produto, o Slentite permite soluções de isolamento que economizam espaço tanto no setor de construção quanto no de transporte”, explica Marc Fricke, gerente de Projeto e Marketing de Isolamento de Alta Performance da BASF.

Slentex – isolamento flexível

De acordo com a BASF, o Slentex é um material de fácil processamento e não-combustível, totalmente à base de matéria-prima mineral, que agora está disponível para diversas aplicações nos setores de construção e industrial. O produto corresponde a uma camada de isolamento eficiente, extrafina e flexível. A empresa afirma que o seu material alcança uma condutividade térmica muito mais baixa do que os materiais minerais de isolamento convencionais (valor de λD de 19 mW/m • K), permitindo a construção de estruturas de parede muito finas. Segundo o fabricante do material, uma vantagem do Slentex é que ele é não combustível, tem uma classificação de segurança ao fogo A2-s1, d0 e é certificado pela ETA (Electronics Technicians Association). O Slentex permite a difusão do vapor de água (µ ~ 5) e, ao mesmo tempo, é hidrofóbico, sendo ideal para aplicações em fachadas. “Por causa de sua flexibilidade, o material de isolamento se adapta muito bem às geometrias planas e curvas do prédio, além de atender aos mais elevados requisitos de energia que um material de isolamento não combustível pode oferecer”, afirma Wibke Lölsberg, gerente de Projeto e Marketing de Materiais de Isolamento de Alta Performance da BASF.

O Grupo BASF possui aproximadamente 122.000 funcionários e é dividida em seis segmentos: Produtos Químicos, Materiais, Soluções Industriais, Tecnologias de Superfície, Nutrição & Cuidados e Soluções para Agricultura. A BASF gerou vendas em torno de €63 Bilhões em 2018.

Curta nossa página no

Estudos de universidade suíça indica benefícios do uso de polímero biodegradável no solo

30/08/2019

Polímero é metabolizado por microrganismos do solo, dispensando a etapa de retirada do filme

Os tomates são os vegetais mais cultivados no mundo para a indústria de processamento de alimentos. Em muitos países, os agricultores usam os filmes mulching de polietileno (PE) para aumentar a produtividade do tomate, controlando ervas daninhas, a temperatura do solo e o uso dos recursos hídricos. Entretanto, os finos filmes mulching de PE devem ser retirados do solo depois da colheita. Como normalmente é impossível recolhê-los totalmente, os resíduos acabam se acumulando no solo, pois não podem ser biodegradados pelos microrganismos.

Já os filmes feitos com o polímero biodegradável ecovio M 2351 podem ser deixados no solo depois da colheita e eliminam a necessidade da trabalhosa remoção e reciclagem, garante a BASF, fabricante da resina. A empresa afirma que o seu material pode inclusive ser arado no solo depois da colheita mecânica, já que os microrganismos que ocorrem naturalmente no substrato reconhecem a estrutura do filme como um alimento que eles podem metabolizar.

Segundo a Basf, o seu ecovio M 2351 é um plástico biodegradável e certificado, desenvolvido para filmes mulching. São fabricados com polímero biodegradáveL (PLA) produzido a partir de matérias-primas renováveis e do co-poliéster biodegradável ecoflex, de polibutileno adipato co-tereftalato (PBAT).

Além disso, afirma a Basf, o uso dos filmes mulching feitos de ecovio podem promover o aumento da produtividade do tomate de 15% a 50%, redução do consumo de água, além de permitir melhor controle de ervas daninhas, usando-se menos herbicidas em comparação ao solo descoberto. Segundo a empresa, os agricultores também observaram maior resistência do cultivo às doenças fúngicas, menor tempo para colheita, além de uma qualidade melhor e mais homogênea do cultivo. Igualmente, notaram um índice Brix – que se refere à proporção de açúcar/água nos tomates – mais alto.

Agricultura sustentável

A BASF relata que um estudo realizado pela Univesidade ETH de Zurique, na Suíça, mostrou que os micróbios do solo, como bactérias e fungos, podem usar os filmes feitos com o plástico PBAT como alimento. Os micro-organismos retiram o carbono do polímero para gerar energia e para formar biomassa. Os produtos finais restantes depois da biodegradação são CO2, água e biomassa. Isso significa que o PBAT se degrada biologicamente e não permanece no solo sob a forma de microplásticos, como ocorre com o PE.

Portanto, afirma o estudo, os filmes mulching biodegradáveis no solo contribuem para o melhor desenvolvimento da raiz, melhor crescimento da planta e melhor qualidade do solo. O ecovio M 2351 foi o primeiro material a ser certificado como biodegradável no solo segundo a norma europeia DIN EM 17033. Muitos países também aceitam o uso de filme mulching feito com ecovio para cultivos orgânicos.

Há mais de seis anos, os agricultores usam os filmes mulching biodegradáveis no solo feitos com ecovio, desde sua introdução no mercado em 2012. “Em muitos países nós incentivamos os agricultores a usarem os filmes mulching feitos com ecovio”, afirma Dirk Staerke do marketing de biopolímeros para agricultura da BASF. “Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, a produção agrícola mundial precisa crescer em 70% se quisermos alimentar uma população mundial que deve chegar a nove bilhões de pessoas em 2050. Os filmes mulching biodegradáveis podem contribuir com esse desafio, sem poluir o solo com resíduos de filme não degradável”.

Material pode ser usado em extrusoras convencionais

O Ecovio M 2351 é um composto pronto para extrusão de filmes finos. A Basf afirma que ele pode ser processado em máquinas convencionais de filme soprado para PE. Devido às suas propriedades mecânicas em relação à resistência ao rasgo, esses filmes podem ser fabricados em diferentes espessuras de 12, 10 e 8 µm. O composto já contém agentes deslizante e antibloqueio.

Curta nossa página no

Copoliéster da Eastman é escolhido pela Helsim para criar linha de copos com design sextavado

27/08/2019

Transparência do material confere uma aparência mais sofisticada aos copos

A nova linha de copos Geometric, da Helsim, é produzida com o copoliéster Tritan da Eastman. A transparência do material, similar ao vidro, permitiu um design mais ousado e complexo, ao mesmo tempo em que sua resistência aos impacto adiciona durabilidade ao produto final.

Com capacidades de 600mL e 400mL, os copos sextavados podem ser usados em ocasiões especiais ou no dia a dia, sem risco de quebra. Segundo a Eastman, os copos são ideais para o consumo de sucos, refrescos, água ou até pequenas doses de sobremesas e contam com o benefício da durabilidade do copoliéster Tritan, mesmo com limpeza em lavadora de louça. Isso torna os produtos especialmente atrativos para famílias grandes e principalmente para o uso de crianças, sem o risco de ter vidro quebrado.

“Decidimos usar o Tritan em nossa linha Geometric, pois foi o material que melhor respondeu às expectativas que tínhamos para este projeto. Os copos ficaram mais ergonômicos e, assim, proporcionam mais segurança e firmeza no momento da degustação da bebida”, diz Renan Pereira, representante de Marketing da Helsim, empresa especializada em peças plásticas injetadas com mais de 30 anos no mercado.

“A Helsim queria lançar copos diferenciados e com valor agregado. O Tritan é ideal para esse tipo de demanda. Ele oferece uma aparência menos poluída e brilhante. Além de ter benefícios como ser livre de BPA e poder ser usado em lava-louças sem prejudicar o aspecto de transparência, mesmo depois de várias lavagens”, explica Rogério Dias, gerente de Vendas de Plásticos Especiais da Eastman na América Latina.

A assistência técnica e o resultado atingido com a linha Geometric indicam que a Helsim vai utilizar o Tritan em outros produtos. “O preenchimento da cavidade e a isenção de falhas de injeção no produto final foram primordiais para nossa decisão em especificar o Tritan”, completa Pereira.

A Eastman é uma empresa global de materiais avançados atuando em mercados finais tais como transporte, construção civil e produtos de consumo. A empresa emprega, aproximadamente, 14.500 pessoas ao redor do mundo e atende clientes em mais de 100 países. A companhia alcançou, em 2018, aproximadamente, 10 bilhões de dólares em receitas e está sediada em Kingsport, Tennessee, EUA.

Curta nossa página no

Evonik apresentará portfólio de polímeros e aditivos especiais na Feira K 2019

27/08/2019

A Evonik Industries, uma das principais empresas de especialidades químicas do mundo, participará da Feira K 2019 que será realizada em Düsseldorf, Alemanha, de 16 a 23 de outubro. A empresa apresentará seu portfólio de polímeros de desempenho e aditivos especiais no estande B28, Hall 6. A presença na feira é parte da campanha “Vivendo melhor com a Evonik”.

O portfólio de polímeros de desempenho da Evonik abrange a sua linha de poliamidas Vestamid, produtos usados na indústria automotiva, na produção industrial e em bens de consumo – em alguns casos há mais de 50 anos.

Este ano marca o 40° aniversário do elastômero de poliamida 12 (PEBA), um material popular e consolidado especialmente na indústria de equipamentos esportivos – segundo a Evonik, graças ao seu desempenho e liberdade de design oferecida. Para comemorar, a Evonik lançará um novo integrante da linha de produtos, cuja transparência e brilho permitem aos designers muito mais liberdade do que já tinham com o PEBA, afirma a empresa.

O investimento de aproximadamente 400 milhões de euros – o maior já realizado na Alemanha – aumentará a capacidade total da empresa para poliamida 12 em mais de 50% até 2021. A poliamida 12 e a poliamida 612 da marca Vestamid são as mais usadas em tubos automotivos no mundo inteiro. Novos desenvolvimentos se concentram em produtos condutivos e em aplicações para veículos elétricos e híbridos.

Outros produtos do portfólio que serão apresentados na feira são as poliamidas transparentes com alta resistência química, Trogamid, e o Vestakeep PEEK, utilizado em aplicações tribológicas e de alta temperatura. A Evonik também atua no desenvolvimento e na fabricação de pós poliméricos para impressão 3D. Segundo a empresa, o Vestenamer, um aditivo termoplástico de processo, permite o processamento eficiente de resíduos de borracha e a minimização da degradação de propriedades comumente associada ao uso de reciclados.

Na área dos aditivos especiais para fabricantes de masterbatches e compostos e para processadores serão apresentados crosslinkers, comonômeros e agentes de dispersão para pigmentos e cargas, além de aditivos para melhoria de processos e do desempenho. Segundo a Evonik, esses produtos melhoram propriedades mecânicas como resistência a riscos, fluidez, resistência a bloqueios e os efeitos antiaglomerantes, além de contribuir para a otimização das propriedades antichamas.

Os crosslinkers da família de produtos Taicros, por exemplo, são usados em placas de circuito impresso que cumprem o moderno padrão de tecnologia celular 5G, enquanto derivados de triacetona amina são importantes componentes para estabilizadores de luz em aplicações como gramados artificiais em estádios. Segundo informações da Evonik, desde 2018 as soluções Tegomer para melhora das propriedades mecânicas e de fluidez – por exemplo, resistência a riscos – são complementadas pela tecnologia Accurel, que permite a incorporação de líquidos em sólidos.

A ampliação do portfólio de produtos permite a implementação de tendências como melhor resistência a chamas, novos desenvolvimentos na indústria de embalagens e o emprego sustentável de materiais reciclados mediante o emprego de absorventes de odor, afirma a empresa.

Curta nossa página no

UFSCar realiza nova edição do curso Tecnologia do PVC, em conjunto com o Instituto do PVC

21/08/2019

Foi iniciada no dia 20 de agosto a quarta edição do curso “Tecnologia de PVC”, como disciplina optativa para alunos dos cursos de graduação em Engenharia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

A iniciativa é realizada desde 2016 em parceria com o Instituto Brasileiro do PVC. O objetivo é aproximar os futuros profissionais, que logo estarão atuando no mercado, do mundo do PVC, apresentando conhecimento técnico sobre o material. São informações sobre as propriedades, características, versatilidade e possibilidades de aplicação sobre um dos plásticos mais utilizados mundialmente.

As aulas serão ministradas semanalmente por especialistas do setor que vão abordar tópicos abrangendo as formas de obtenção do PVC, aditivação, compostos de PVC flexível e rígido, blendas poliméricas, processo de transformação, entre outros assuntos, além de questões relacionadas a aspectos toxicológicos, regulatórios e temas ambientais que envolvem o PVC.

“Já é uma tradição da universidade e dos cursos de Engenharia trazer para nossos alunos o conhecimento e a expertise dos profissionais que atuam hoje no mercado e que acompanham o desenvolvimento da cadeia produtiva do PVC”, afirma o Prof. Luiz Antonio Pessan, chefe do Departamento de Engenharia de Materiais da UFSCar e docente responsável pela disciplina Tecnologia de PVC.

Para o presidente do Instituto Brasileiro do PVC, Miguel Bahiense, a parceria tem se somado aos esforços do instituto para aproximar a academia das práticas do mercado, contribuindo para o uso adequado do PVC. “O conhecimento compartilhado faz com que os resultados obtidos nas diversas aplicações do PVC sejam os melhores em eficiência, assim como ambientalmente e economicamente”, completa o executivo.

Livro “Tecnologia do PVC”

Bahiense lembra que, em apoio às parcerias com as universidades e investindo no fomento da informação sobre as diversas tecnologias que envolvem o PVC, suas aplicações, reciclabilidade e função socioeconômica, o Instituto Brasileiro do PVC lançou a terceira edição do livro “Tecnologia do PVC”. A publicação traz um amplo conteúdo sobre os principais temas relacionados ao PVC abordando aspectos relacionados à obtenção desse plástico pelos vários processos de polimerização, características e propriedades das resinas de PVC, aditivos utilizados junto à resina para a obtenção de compostos de PVC, diferentes processos de transformação pelos quais esse plástico pode passar, além de informações sobre sua reciclagem e sustentabilidade. O livro “Tecnologia do PVC” pode ser adquirido na Livraria da Vila ou pelo site do Instituto Brasileiro do PVC: www.pvc.org.br .

Curta nossa página no

Wacker apresentará novos grades de borrachas de silicone líquida e sólida durante a K 2019

06/08/2019

A Wacker, grupo químico com sede em Munique, anunciou numerosas inovações em silicone na conferência de imprensa Prévia da K 2019, em Düsseldorf, na Alemanha. A empresa apresentou novos produtos que serão divulgados durante a Feira K 2019, entre 16 a 23 de Outubro em Düsseldorf, incluindo elastômeros de silicone resistentes ao fogo, grades de borracha de silicone auto-adesivas com superfícies de baixíssimo atrito e laminados de silicone ultrafinos para aplicações eletroativas. Segundo a empresa, o foco também será nos grades de borracha de silicone líquida que, graças ao seu reduzido conteúdo de voláteis, não requerem necessariamente pós-cura e, portanto, introduzem várias vantagens. Um novo aditivo à base de silicone também será lançado, permitindo que os componedores de elastômeros termoplásticos produzam plásticos mais macios e repelentes à sujeira. Os visitantes da feira também poderão entrar em contato com a nova impressora 3D para silicone ACEO Imagine Series K2. A empresa afirma que ela apresentará impressão multimaterial, nova tecnologia de autocontrole e diversas melhorias técnicas em termos de liberdade de design e precisão.

Durante a K 2019, a Wacker mostrará suas inovações sob o lema “Pensando Além’ (“Thinking Beyond”) no seu local habitual – o estande A10 no Hall 6. Em uma área de 300 metros quadrados, uma variedade de novos produtos aguardarão visitantes, desde silicones termicamente condutivos para resfriamento de baterias em veículos elétricos, borrachas de silicone retardante de chamas para aplicações em material rolante até laminados de silicone eletroativos para atuadores e sensores.

“Os requisitos para produtos em plásticos e materiais de borracha aumentaram drasticamente nos últimos anos. Alguns materiais padrão não conseguem mais acompanhar esse desenvolvimento ”, disse Christian Gimber na coletiva de imprensa K 2019 Preview, em Düsseldorf. “É por isso que mais e mais empresas estão desenvolvimento aplicações com elastômeros de silicone. Graças às suas excelentes propriedades mecânicas e químicas, os silicones tornaram-se indispensáveis ​​para resolver problemas técnicos exigentes e desenvolver e implementar tecnologias inovadoras.”

O artigo completo em inglês pode ser lido no link a seguir:

http://www.brazilianplastics.com/edicao00/03_July2019.html

Curta nossa página no

Röhm é o nome da nova empresa criada com a venda do negócios de metacrilatos da Evonik para o fundo Advent

01/08/2019

Hoje, a Röhm GmbH, com sede em Darmstadt, na Alemanha, completou com sucesso a sua separação da Evonik Industries AG. O complexo fabril de metacrilatos da Evonik Industries foi transferido como uma empresa independente para seu novo proprietário, o fundo de Private Equity Advent International GmbH, com sede em Frankfurt, por 3 Bilhões de Euros. Com receitas de € 1,9 bilhões (dados de 2018), a empresa é uma das líderes mundiais de mercado em produtos de metacrilato. A empresa tem cerca de 3.900 funcionários em todo o mundo, em 15 unidades de produção na Alemanha (Worms, Darmstadt, Weiterstadt, Wesseling, Hanau), na China, nos EUA, na Rússia e na África do Sul.

“O nome, Röhm, é uma homenagem a Otto Röhm, químico e fundador da empresa que deu origem à empresa Röhm and Haas, mais tarde Evonik, e é considerado o fundador da química do metacrilato. Com o desenvolvimento do Plexiglas, plástico multifuncional altamente transparente, há 85 anos, ele atingiu uma estatura internacional. Graças à base química lançada por Röhm, um abrangente portfólio de produtos pôde ser desenvolvido para uma ampla gama de aplicações. Hoje, a empresa fornece seus produtos para vários setores em crescimento, como os segmentos automotivo, eletrônico e de construção.
Os produtos de PMMA da marca Plexiglas são usados em automõveis, janelas de aeronaves, telas e displays e também na construção civil.

Além de serem usados como precursores do polímero de PMMA, os monômeros de MMA da Röhm são também usados na produção de tintas e vernizes, revestimentos de piso, adesivos e outros materiais.

“É por isso que escolhemos deliberadamente Röhm como o nome da nossa empresa”, disse o CEO da Röhm GmbH, Michael Pack. Enquanto a empresa mantém uma profunda conexão com suas raízes, o CEO está atento ao futuro da nova Röhm.

“É nosso objetivo continuar impulsionando o crescimento de nossos negócios e fortalecer ainda mais as posições de liderança no mercado por meio de investimentos e expansões direcionada. Temos estruturas eficientes, tecnologias de ponta, ideias inteligentes para inovação e – igualmente importante – funcionários altamente qualificados e marcas fortes ”, enfatiza Pack. “Essa autoconfiança e um senso de otimismo em relação ao início do nosso novo futuro também estão refletidos no novo logotipo e design da marca Röhm.”

A forte posição inicial do negócio de Metacrilato também convenceu a Advent International. O novo proprietário é uma das maiores empresas de private equity do mundo. Com mais de 30 transações concluídas com sucesso ao longo de três décadas, a Advent International tem uma vasta experiência na indústria química.

“Nós vemos um grande potencial para estabelecer a Röhm como uma líder no mercado global e em tecnologia de produtos químicos de metacrilato”, diz Ronald Ayles, sócio-gerente e chefe global de Produtos Químicos da Advent International. “Em parceria com a gerência e funcionários, continuaremos a desenvolver a Röhm através de investimentos e expansão.”

“Com o apoio da Advent International, agora podemos iniciar importantes investimentos em nossas tecnologias e na expansão de nossas instalações de produção para fortalecer ainda mais nossa posição de liderança no mercado ”, diz Pack.

Fonte: Röhm

Curta nossa página no

Solvay destaca a mobilidade sustentável e a eficiência de recursos na K 2019, em Outubro, na Alemanha

24/07/2019

A Solvay lançará na feira K 2019 novos desenvolvimentos em compósitos termoplásticos, materiais leves que fazem parte dos objetivos de mobilidade sustentável do Grupo e permitem a criação de soluções eficientes em termos de recursos para clientes dos setores aeroespacial/aeronáutico, automotivo e de petróleo e gás.

Recentemente, a Solvay criou uma plataforma totalmente dedicada a produtos termoplásticos, ampliando sua atuação no setor de materiais avançados com a integração vertical de seus compósitos e seu portfólio de polímeros especiais. Esses materiais, além da redução de peso, oferecem resistência ao calor e ao impacto, resistência mecânica e tenacidade, inércia química e permitem flexibilidade nos projetos dos clientes, afirma a empresa.

Além dos desenvolvimentos de compósitos termoplásticos, a Solvay lançará um novo polímero especial da sua linha de polieteretercetona (PEEK) de alta temperatura, um dos primeiros da indústria do setor.

Também apresentará aplicações exclusivas de seus materiais de alto desempenho, como uma bicicleta elétrica reciclável (foto) fabricada integralmente em plásticos e polímeros, a partir de material termoplástico de fibra longa (LFT) da empresa. Essa e-bike foi desenvolvida pela empresa Stajvelo, de Mônaco, e, segundo a Solvay, tem sido um sucesso de vendas no verão europeu de 2019.

Durante a K, serão realizadas apresentações sobre mobilidade sustentável e eficiência de recursos e de energia, abordando uma variedade de tópicos, entre os quais baterias, manufatura aditiva para impressão 3D, hiperconectividade, transporte, filtragem de água, construção e bens de consumo. Essas apresentações ocorrerão no estande da Solvay C61, no Hall 6, nos dias 16 a 18 de outubro e em 21 e 22 de outubro. A feira K 2019 será realizada em Düsseldorf, Alemanha, de 16 a 23 de outubro.

Rhodia – 100 anos de presença no Brasil: – A Rhodia, empresa do Grupo Solvay, está completando 100 anos de atividades no Brasil em 2019. A empresa iniciou sua trajetória em Santo André – SP, com a instalação de uma unidade industrial de produtos químicos, que representou um dos primeiros passos da industrialização da região do ABC paulista. Desde setembro de 2011, a Rhodia faz parte do Grupo Solvay, um dos mais relevantes players internacionais em materiais avançados e especialidades químicas.

A Solvay é uma empresa de materiais avançados e de especialidades químicas,com produtos e soluções utilizados em aviões, automóveis, dispositivos inteligentes e instrumentos médicos, baterias, na extração de minerais e petróleo, entre outras aplicações. A Solvay tem sede em Bruxelas e emprega 24.500 pessoas de 106 nacionalidades em 62 países. As vendas líquidas pro forma foram de € 10,3 bilhões em 2018, resultando em uma margem de EBITDA de 22%. No Brasil, a Solvay também atua com a marca Rhodia.

Curta nossa página no

Covestro divulga balanço do segundo trimestre de 2019

24/07/2019

  • Leve crescimento nos volumes principais (+1,1%)
  • Vendas totais de cerca de 3,2 bi de euros (-16,9%)
  • EBITDA de 459 milhões de euros (-53,4%)
  • Receita líquida cai para 189 milhões de euros (-68,7%)
  • Fluxo de caixa operacional livre 55 milhões de euros negativo
  • Previsão de EBITDA de cerca de 410 milhões de euros no 3º tri

A atual pressão da concorrência intensa e as incertezas em grandes mercados de vendas persistiram ao longo do segundo trimestre. Enquanto os volumes principais cresceram 1,1%, as vendas totais caíram para 3,2 bilhões de euros (-16,9%), devido à baixa nos preços de venda. Em 459 milhões, o EBITDA estabilizou-se no nível do primeiro trimestre de 2019 (442 milhões de euros), mas ficou abaixo dos excepcionais resultados registrados no mesmo trimestre do ano anterior (-53,4%). O declínio dos lucros decorreu, principalmente, das margens mais baixas nos segmentos de poliuretanos e policarbonatos. A receita líquida decresceu para 189 milhões de euros, enquanto o fluxo de caixa operacional livre (FOCF) atingiu -55 milhões de euros, em decorrência dos fluxos de caixa mais baixos de atividades operacionais e investimentos mais altos.

“A situação econômica segue desafiadora, já que as incertezas globais econômicas e políticas persistem”, afirma o CEO Markus Steilemann. “Ainda assim, atingimos nossas metas de lucros e conseguimos aumentar novamente o nosso volume principal no segundo trimestre. Isso reforça a tendência de soluções mais sustentáveis, que oferecemos a muitas indústrias.”

Covestro confirma previsões para 2019

Os resultados dos primeiros seis meses ficaram bem abaixo do nível do ano anterior. Segundo a Covestro, isso se deve ao fato de 2018 ter sido marcado por margens excepcionalmente altas em alguns grupos de produtos. Por isso, afirma a empresa, os resultados do primeiro semestre de 2019 atingiram as expectativas no ambiente econômico atual.

“Com base nos resultados dos primeiros seis meses, confirmamos as nossas previsões para o ano fiscal. Ao mesmo tempo, também precisamos acompanhar de perto os próximos desenvolvimentos econômicos nos nossos principais mercados de vendas”, explica o CFO Thomas Toepfer. “O desenvolvimento da indústria automobilística foi bem mais fraco que o esperado; por outro lado, o desempenho no setor de construção e na indústria de móveis e madeira foi melhor.”

Para o ano fiscal de 2019, a Covestro mantém a projeção de crescimento do volume principal de até 5%. Espera-se que o FOCF fique entre 300 e 700 milhões de euros, com ROCE de 8% a 13%. A previsão é que o EBITDA do ano fiscal atinja de 1,5 a 2 bilhões de euros, com expectativa de que o EBITDA do terceiro trimestre atinja aproximadamente 410 milhões de euros.

Progressos em investimentos e na otimização do portfólio

No segundo trimestre, a Covestro otimizou ainda mais seu portfólio. O negócio europeu de casas de sistemas está sendo vendido para a H.I.G. Capital por um valor da ordem de dois dígitos de milhões de euros.

Paralelamente, o Grupo continua mantendo o foco em investimentos para geração de valor: em maio, a Covestro avançou na expansão da produção de filmes de policarbonato em Dormagen, Alemanha. O investimento faz parte de um programa que totaliza 100 milhões de euros, com o qual a Covestro pretende reforçar a área de filmes especializados, dotada de altas margens.

Uma vez obtidas as licenças oficiais necessárias, será iniciada a construção de uma unidade dedicada para fornecimento de cloro para a já existente produção de MDI em Tarragona, Espanha, no fim do ano. O primeiro marco interno foi atingido em Baytown, Texas (EUA), onde está prevista uma nova planta de grande escala para produção do precursor de espuma rígida MDI. Agora começará o planejamento técnico detalhado por uma equipe de projeto com 100 integrantes.

Crescimento nos volumes principais de poliuretanos e policarbonatos

No segmento de poliuretanos, os volumes principais cresceram 0,7%. As vendas caíram 24,3% para 1.489 milhões de euros, movidas pela queda nos preços de venda decorrente do aumento da concorrência. A baixa nos preços de venda também se refletiu no EBITDA, que caiu para 172 milhões de euros (-70,5%).

Os volumes principais em policarbonatos subiram 4,4% em relação ao trimestre do ano anterior. Apesar da indústria eletroeletrônica e o setor de construção terem contribuído para esse crescimento, os volumes caíram na indústria automobilística. As vendas apresentaram queda de 15,0% para 898 milhões de euros no segundo trimestre de 2019. O EBITDA no segmento de policarbonatos foi 46,0% mais baixo, somando 154 milhões de euros, principalmente devido à queda nos preços de venda.

O segmento de revestimentos, adesivos e especialidades apresentou um declínio de 4,7% nos volumes principais. Como resultado, as vendas caíram 1,3% para 621 milhões de euros. Contudo, os movimentos da taxa de câmbio e a aquisição gradual das participações na DIC Covestro Polymer Ltd., sediada no Japão, tiveram efeito positivo. O aumento da participação na joint venture japonesa também gerou um efeito positivo não recorrente sobre o EBITDA, que subiu 7,9% para 150 milhões de euros no segundo trimestre de 2019.

Concorrência intensa: um marco do 1º semestre de 2019

No geral, os primeiros seis meses de 2019 foram marcados pelo aumento da concorrência. Os volumes vendidos mantiveram-se predominantemente estáveis (-0,4%), enquanto as vendas totais caíram 16,4% para 6.386 milhões de euros, devido aos preços mais baixos de venda. Especialmente nos segmentos de poliuretanos e policarbonatos, os preços de venda ficaram bem abaixo daqueles do mesmo período do ano anterior. Como resultado, o EBITDA caiu 56,0% para 901 milhões de euros. A receita líquida atingiu 368 milhões de euros (-70,5%). O fluxo de caixa operacional livre caiu para 100 milhões de euros negativos.

Com 14,6 bilhões de euros em vendas em 2018, a Covestro é uma das maiores empresas mundiais de polímeros. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de materiais de polímeros voltados principalmente para os segmentos automotivo, de construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem 30 unidades de produção no mundo todo e empregava aproximadamente 16,8 mil pessoas (equivalendo à jornada integral) no fim de 2018.

Curta nossa página no

Evonik apresenta aditivo de processo para a reciclagem de resíduos de borracha na K 2019

18/07/2019

O produto permite o processamento de resíduos de borracha em um material resistente usado em uma variedade de aplicações, como construção de estradas, setor esportivo ou playgrounds

Na feira K deste ano, em Düsseldorf, Alemanha, que acontece de 16 a 23 de outubro, a Evonik apresentará um aditivo de processo para a reciclagem de resíduos de borracha. Com o Vestenamer, a Evonik contribui para o fechamento do ciclo de materiais de borracha de uma maneira mais sustentável.

A cada ano, cerca de 19,3 milhões de toneladas de pneus são descartados no mundo inteiro – incluindo 3,6 milhões de toneladas só na Europa. Na Alemanha, por exemplo, há vinte anos, mais da metade dos pneus descartados era utilizada na recuperação energética, enquanto somente um em dez era destinado à reciclagem. Hoje, a reciclagem dos materiais está equiparada com a recuperação energética. Com o Vestenamer, a Evonik contribui para o fechamento do ciclo de materiais para a borracha de uma maneira mais sustentável.

Na reciclagem dos resíduos de borracha, a adição do Vestenamer é uma aplicação que, segundo a Evonik, já comprovou o seu valor na produção de artigos de borracha como pisos, colchões e bases para sistemas de sinalização de obras e barreiras nas estradas a partir de resíduos aproveitáveis.

“Como um aditivo de processo, o Vestenamer melhora a fluidez do composto de borracha, resultando em um material que pode ser processado com muito mais eficiência. A reatividade e a estrutura polimérica do Vestenamer também são fatores importantes: ambos dão origem uma boa densidade de ligações entre as partículas de borracha, o que, por sua vez, impacta positivamente as propriedades mecânicas do produto”, diz Dr. Peter Hannen, gerente de desenvolvimento de mercado do Vestenamer. “Em outras palavras, o aditivo de processo da Evonik melhora tanto a eficácia dos custos de processamento quanto a qualidade das peças de borracha quando se trata de borracha reciclada”.

Além do aspecto econômico de proporcionar uma matéria-prima eficiente em custos, a reciclagem do material dos pneus descartados também está ganhando mais destaque do ponto de vista ecológico. Por exemplo, o uso de pneus descartados em produtos novos contribui de modo significativo para a redução da emissão de carbono em até um terço em comparação com produtos que não usam um material reciclado. E a economia circular da borracha também atenua o problema global dos pneus descartados.

O Vestenamer da Evonik é usado como aditivo de processo na indústria da borracha já faz muitos anos. Fabricado no parque químico de Marl (Alemanha), o polioctenâmero resolve uma variedade de desafios no setor de compostos e processamento de borracha. O produto também é usado como auxiliar na reciclagem de resíduos de borracha.

Fonte: Evonik

Curta nossa página no

Prévia da K 2019 – Covestro destaca sua visão de um mundo sustentável e digital

17/07/2019

  • Busca por ciclo de material em toda a cadeia de valor
  • Pioneira no caminho para um futuro sem matérias-primas fósseis
  • Programa abrangente para digitalização
  • Soluções inovadoras para indústrias-chave

Durante a conferência de imprensa Prévia da K2019, realizada no Centro de Convenções da Messe Duesseldorf em 2 de julho passado, a fabricante de materiais Covestro apresentou em primeira mão as novidades a serem exibidas na Feira K 2019 em Outubro. Apresentado pelo CEO da Covestro, Dr. Markus Steilemann, e por Jochen Hardt, vice-presidente e especialista em marketing da Covestro, a empresa divulgou suas várias inovações e projetos que visam ampliar as fronteiras de um mundo sustentável e digital.

Na feira de plásticos K 2019, em Düsseldorf, a Covestro apresentará soluções inovadoras em materiais que, segundo a empresa, fornecem respostas aos desafios atuais do mundo. Os visitantes da principal feira do mundo para a indústria de plásticos e borracha encontrarão exemplos disso apresentados pela Covestro no estande A75, no Hall 6. De 16 a 23 de outubro de 2019, produtos e tecnologias para as indústrias automotiva, de construção e eletrônica estarão em exibição , além de aplicações inovadoras e funcionais nos setores da saúde, móveis, esportes e lazer.

“Além do avanço da digitalização, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas serão uma força motriz na sociedade e na economia para os próximos anos”, disse o CEO Markus Steilemann aos jornalistas. “O atingimento desses objetivos não é apenas imperativo para um mundo melhor, mais limpo e mais saudável, mas também possui um grande potencial econômico a longo prazo”, explicou o CEO. “A Covestro está determinada a implementar as metas de sustentabilidade da ONU em muitos níveis.”

Steilemann apontou o desenvolvimento de uma economia circular funcional e uma melhor gestão de recursos fósseis limitados, principalmente o petróleo bruto, como pontos centrais para o aumento da sustentabilidade. “Essas são metas que impactarão a sociedade como um todo e a Covestro quer contribuir para isso. Dentro de nossa empresa, queremos estabelecer ciclos de materiais ao longo de toda a cadeia de valor, desde os fornecedores, passando pela produção e logística, até o uso de nossos produtos e sua reutilização ”, explica Steilemann.

Ao reciclar plásticos usados, será importante poder esgotar todas as possibilidades técnicas. “O método relativamente novo de reciclagem química também é uma opção, que requer suporte adicional”, disse o CEO.

Um aspecto fundamental para o desenvolvimento de uma economia circular na indústria de plásticos e indústria química é fechar o ciclo de carbono com recursos reciclados. Aqui, vale a pena considerar o uso de resíduos de plantas e, cada vez mais, a utilização de gás carbônico como alternativas para os recursos fósseis. A Covestro já alcançou vários resultados nessas áreas. “Queremos nos tornar pioneiros no caminho para um futuro sem recursos baseados em materiais fósseis e enfatizar nossa reivindicação de liderança no setor”, enfatizou Steilemann.

Digitalização cria valor agregado

Outra força motriz é o avanço da digitalização. A Covestro quer aproveitar as oportunidades nessa área e iniciou um programa abrangente, com foco no cliente. Para isso, a empresa está incorporando tecnologias e processos digitais na produção, na cadeia de suprimentos, na pesquisa e desenvolvimento, em todos os pontos de contato com os clientes e no desenvolvimento de novos modelos de negócios. Vários tópicos e exposições na K 2019 destacam a importância da digitalização para a empresa, que espera estabelecer referências nesse campo na indústria de plásticos e de produtos químicos.

Os exemplos abaixo dão uma ideia dos desenvolvimentos que a Covestro apresentará na K 2019.

Sociedade completamente conectada

Um requisito importante para a mobilidade do futuro e a digitalização de todas as áreas da vida e dos negócios é a nova tecnologia de transmissão 5G. Para construir a infra-estrutura para isso, a Covestro está trabalhando em conjunto com a Deutsche Telekom e o Umeå Institute of Design para desenvolver soluções inovadoras em materiais para estações base, antenas e outros componentes do sistema. A Covestro também está trabalhando em uma solução em filme de múltiplas camadas em conjunto com um novo processo de fabricação para as partes de trás da estrutura de smartphones. Ao contrário dos elementos convencionais de metal, estes filmes de policarbonato são permeáveis ​​à radiação de alta frequência.

Interiores de automóveis do futuro

O destaque da exposição na K 2019 é um conceito de interior automotivo abrangente para a mobilidade futura. Em linha com a última tendência, a mostra pretende transformar interiores de automóveis em espaços multifuncionais e móveis para a vida e o trabalho. “Desenvolvemos o conceito em conjunto com parceiros-chave industriais e acadêmicos”, explicou Jochen Hardt, especialista em marketing da Covestro e líder do projeto. “Isso envolve funcionalidade, conforto e design em igual medida, além de eficiência.” O carro do futuro é totalmente conectado em rede e é perfeitamente integrado à vida cotidiana. Os principais recursos de design são superfícies com aparência e toque decorativos, iluminação ambiente integrada, os últimos sistemas de entretenimento digitais e conceitos em assentos de última geração.

Produtos têxteis derivados de gás carbônico

Juntamente com parceiros como a RWTH Aachen University e vários fabricantes de têxteis, a Covestro conseguiu produzir fibras têxteis elásticas a partir de poliuretano termoplástico derivado parcialmente de CO2 e, como resultado, substituiu em parte o petróleo bruto como matéria-prima. O ponto de partida é um produto intermediário chamado cardyon®, que já é usado para para produzir a espuma macia encontrada em colchões e nas camadas de base dos campos esportivos. Os parceiros estão atualmente trabalhando no desenvolvimento da produção de têxteis em escala industrial e querem introduzir um ciclo de material que seja baseado em recursos sustentáveis ​​para a indústria têxtil e de vestuário.

Energias renováveis ​​em ascensão

Além de promover uma economia circular eficiente, a Covestro também está comprometida em expandir ainda mais o uso dos plásticos em energias renováveis, como a energia eólica. A cooperação com parceiros levou ao desenvolvimento de uma resina de poliuretano, bem como de uma tecnologia de processo, que torna possível a fabricação de pás de rotores de turbinas eólicas de forma eficiente e econômica, afirma a empresa. A Covestro recentemente processou seu primeiro pedido comercial nessa área proveniente da China.

Com 2018 vendas de 14,6 bilhões de euros, a Covestro está entre as maiores empresas de polímeros do mundo. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de materiais poliméricos de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados ​​em muitas áreas da vida diária. Os principais segmentos atendidos são os setores automotivo, de construção civil, processamento de madeira e móveis, e elétricos e eletrônicos. Outros setores incluem esporte e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro possui 30 unidades de produção em todo o mundo e emprega aproximadamente 16.800 pessoas (calculadas como equivalentes em tempo integral) no final de 2018.

Curta nossa página no

Durante Prévia da K 2019, clientes da BASF exibem protótipos fabricados com material plástico quimicamente reciclado

16/07/2019

  • Os parceiros da BASF no Projeto ChemCycling: Jaguar Land Rover, Storopack, Südpack e Schneider Electric.
  • Fase piloto promissora, mas continuam os desafios tecnológicos e econômicos, assim como a necessidade de avanços regulatórios.

Um número cada vez maior de empresas da indústria de plásticos está trabalhando para promover a reciclabilidade dos plásticos e, assim, ajudar, na criação de uma economia circular. Uma das maneiras pelas quais a BASF atua nessa área é através do projeto ChemCycling: no final de 2018, a empresa utilizou pela primeira vez volumes piloto de óleo de pirólise derivado de resíduos plásticos como matéria-prima em sua própria produção.

Na Prévia da Feira K 2019, uma conferência de imprensa que ocorreu no Centro de Conveções da Messe Düsseldorf entre 1 a 3 de Julho, quatro parceiros apresentaram os primeiros protótipos que foram criados durante a fase piloto do projeto.

A Jaguar Land Rover (JLR), fabricante líder na indústria automotiva, desenvolveu um protótipo do suporte do radiador feito de plástico, usando poliamida 6 reciclada com 30% de fibra de vidro (Ultramid B3WG6 Ccycled Black 00564) para o seu primeiro SUV elétrico: o I-Pace. “Como parte do nosso compromisso de acelerar a fabricação em circuito fechado (Closed-loop manufacturing) em todas as nossas operações, estamos sempre em busca de avanços tecnológicos que ajudem a reduzir o desperdício”, disse Craig Woodburn, gerente global de Compliance Ambiental da JLR. “A capacidade de converter resíduos plásticos de consumo em peças seguras e de qualidade usadas em produtos premium, por meio do processo ChemCycling, é um passo importante no avanço da nossa aspiração de alcançar um futuro com resíduo-zero”.

A Storopack, fornecedora global de embalagens de proteção e peças técnicas moldadas, usou EPS quimicamente reciclado (Styropor P Ccycled) para fabricar embalagens de isolamento térmico para produtos farmacêuticos sensíveis à temperatura, bem como caixas para transporte de peixe fresco e embalagens protetoras para dispositivos eletrônicos. “Ficamos particularmente impressionados com o fato de que o Styropor® P Ccycled pode ser usado em embalagens de alimentos. Já existem várias opções de reciclagem para o Styropor e o projeto ChemCycling ajuda a aumentar ainda mais a o percentual reciclável”, comentou Hermann Reichenecker (foto), presidente do Conselho de Administração da Storopack.

A Südpack, uma das principais produtoras de embalagens em filmes na Europa, fabricou um filme de poliamida e um filme de polietileno que foram convertidos em embalagens com vedação especial para uso com queijo muzzarela. Até o momento, considerava-se que as embalagens multicamadas eram recicláveis até um certo limite. “Embalagens em filme desempenham funções importantes tais como: a proteção do produto, higiene e tempo de vida de prateleira, ao mesmo tempo em que precisa utilizar uma quantidade mínima de plásticos. Esta é a razão pela qual as embalagens em filme são compostas por vários materiais e camadas com diversas propriedades e barreiras. Por meio de inovações como o ChemCycling, chegamos mais próximos de resolver os problemas associados à reciclagem de embalagens flexíveis”, disse Johannes Remmele, sócio-gerente da Südpack.

A Schneider Electric, líder na transformação digital de gestão de energia e automação, fabricou um disjuntor a partir de poliamida (Ultramid) quimicamente reciclada. “Nós ativamente avaliamos a capacidade de matérias-primas secundárias, tais como plásticos reciclados, de atender aos nossos exigentes padrões de qualidade, normas e regulamentações rigorosas da indústria. Nós confiamos na expertise da BASF para demonstrar os benefícios de sustentabilidade de ponta-a-ponta e ao mesmo tempo oferecer um custo atraente. Esperamos que esta experimentação com a BASF abra espaço para mais inovações circulares em Gerenciamento e Distribuição de Energia”, disse Xavier Houot, vice-presidente sênior de meio ambiente, segurança e real state da Schneider Electric Group.

“Os projetos piloto com clientes de várias indústrias mostram que os produtos fabricados com matérias-primas quimicamente recicladas oferecem a mesma alta qualidade e desempenho que os produtos fabricados com materiais primários. O projeto ChemCycling, que usa uma abordagem de balanço de massa para atribuir matematicamente uma parcela do material reciclado ao produto final, pode ajudar nossos clientes a atingir suas metas de sustentabilidade”, disse Jürgen Becky, vice-presidente sênior de Materiais de Performance. Os produtos certificados são indicados com a terminação “Ccycled” em seu nome. Os protótipos apresentados na Prévia da K 2019, em Düsseldorf, fazem parte da fase piloto em andamento do projeto ChemCycling.

Potencial para aumento do percentual de material reciclável

“Com o projeto ChemCycling, a BASF tem como objetivo processar o óleo de pirólise derivado de resíduos plásticos que atualmente não são recicláveis, tais como plásticos misturados ou contaminados. Se tivermos êxito em desenvolver o projeto até o ponto de disponibilidade no mercado, o ChemCycling será um complemento inovador aos processos existentes de reciclagem e recuperação, com o intuito de resolver o problema dos resíduos plásticos”, comentou Stefan Gräter, responsável pelo projeto ChemCycling na BASF.

O expressivo potencial da reciclagem química foi confirmado pela consultoria McKinsey em um estudo de dezembro de 2018: se os processos de reciclagem existentes forem combinados aos novos, como a reciclagem química, os especialistas acreditam que alcançaremos até 2030 uma taxa de 50% de reutilização e reciclagem de plásticos mundialmente (hoje, 16%). A parcela da reciclagem química poderia então subir do seu valor atual de 1% para aproximadamente 17%, o que equivale à reciclagem de cerca de 74 milhões de toneladas de resíduos plásticos.

Desafios tecnológicos, econômicos e regulatórios

Para passar da fase piloto à implantação no mercado, várias questões precisarão ser resolvidas. As tecnologias existentes para a transformação de resíduos plásticos em matérias-primas recicladas devem ser avançadas e adaptadas para o uso em escala industrial, a fim de garantir a alta qualidade do óleo de pirólise. A BASF está atualmente investigando várias opções para alimentar, a longo prazo, o seu complexo produtivo integrado com volumes comerciais de óleo de pirólise. Além das questões técnicas, os aspectos econômicos também desempenham um papel. Para a reciclagem química ter aceitação no mercado, os órgãos regulatórios também devem reconhecer oficialmente que o processo é uma modalidade de reciclagem. Dentro desse escopo, eles precisam definir como as abordagens de reciclagem química e balanço de massa podem ser incluídas no cálculo das taxas de reciclagem exigidas por lei.

Uso responsável de recursos

“Nosso projeto ChemCycling é um bom exemplo de como a BASF está trabalhando com nossos parceiros no desenvolvimento de soluções para os principais desafios do século 21”, disse Dr. Andreas Kicherer, especialista em sustentabilidade da BASF. Além do projeto ChemCycling, a BASF está envolvida em muitos outros projetos e iniciativas que fortalecem a ideia da economia circular e previnem o descarte dos plásticos no meio ambiente. Por exemplo, o portfólio de produtos da BASF inclui o ecovio®, um plástico compostável certificado, parcialmente fabricado com matérias-primas renováveis. A empresa é membro do World Plastics Council e participa de dois programas da Ellen MacArthur Foundation. Em todas as suas fábricas no mundo, a BASF implementa a “Operação Clean Sweep”, uma iniciativa internacional da indústria de plásticos destinada a evitar a perda de pellets de plástico no meio ambiente. Além disso, no início de 2019 a BASF uniu esforços com aproximadamente 30 outras empresas para fundar a Alliance to End Plastic Waste (AEPW). Nos próximos cinco anos, esta iniciativa pretende investir até $1,5 bilhão em vários projetos e parcerias, principalmente na Ásia e na África. Há quatro áreas-foco principais: desenvolvimento de infraestrutura para coleta de resíduos, promoção de métodos inovadores de reciclagem, educação e engajamento de vários grupos, além da limpeza de áreas com concentração de resíduos plásticos no meio ambiente.

Curta nossa página no

Huntsman apresenta nova gama de materiais baseados em Poliuretanos para Impressão 3D durante a Prévia da K 2019

11/07/2019

A empresa química Huntsman delineou no dia 3 de julho, durante apresentação na Prévia da Feira K2019, em Düsseldorf, na Alemanha, os detalhes de uma nova gama de materiais para manufatura aditiva desenvolvida pela empresa, que visam atender a necessidades emergentes na indústria da impressão 3D. A plataforma de manufatura aditiva Iroprint da Huntsman contém três diferentes tipos de materiais à base de poliuretano (resinas, pós e filamentos), que podem ser impressos em 3D por meio da utilização de uma variedade de métodos de manufatura aditiva, incluindo estereolitografia (SLA), sinterização de alta velocidade (HSS) e fabricação por filamentos fundidos (FFF).

Inicialmente, a Huntsman vai lançar a sua linha Iroprint de materiais de manufatura aditiva macias e flexíveis na indústria global de calçados e esportes, onde a impressão 3D já está sendo utilizada para criar tanto sapatos personalizados como aqueles fabricados em massa. A longo prazo, a Huntsman planeja ampliar a sua plataforma de manufatura aditiva Iroprint para uma gama mais vasta de aplicações e indústrias.

Atualmente, a plataforma de manufatura aditiva Iroprint inclui três linhas de produtos que foram otimizadas para trabalhar com as principais técnicas de impressão 3D preferidas pelos fabricantes de calçados.

  • Resinas: as resinas Iroprint R são uma gama de sistemas de resinas líquidas de um só componente, macias e duráveis, que podem ser impressas em 3D através de estereolitografia (SLA), processamento de luz digital (DLP) e outros métodos de cura por radiação.
  • Pós: para as empresas que pretendem imprimir em 3D com materiais em pó, os pós Iroprint P são uma linha de poliuretanos termoplásticos (TPU) de alto desempenho para modalidades de impressão através de sinterização de alta velocidade (HSS).
  • Os filamentos F Iroprint são uma coleção de materiais TPU de alto desempenho que possuem um diâmetro consistente e foram concebidos para uso através da técnica de fabricação por filamentos fundidos (FFF) e outras tecnologias de impressão à base de extrusão.

Todas as três linhas de produtos de manufatura aditiva Iroprint foram otimizadas para a produção de componentes de calçados e são fáceis de usar e imprimir, oferecendo resistência avançada à abrasão, ao alongamento e ao rasgo, afirma a Huntsman. Para as modalidades de impressão 3D com cura por radiação, tais como Estereolitografia (SLA) ou Processamento de Luz Digital (DLP), as resinas R Iroprint também oferecem capacidades de longa durabilidade e cura rápida, garante a empresa.

Durante a sua apresentação na Prévia da K2019 em Dusseldorf, na qual a Huntsman lançou a sua plataforma de manufatura aditiva Iroprint, Stephane Peysson (foto), Diretor de Desenvolvimento de Negócio Global da Huntsman Polyurethanes, adiantou: “A nossa equipe de incubação de inovação trabalhou numa colaboração próxima com usuários finais e líderes industriais para desenvolver a nossa carteira de produtos de manufatura aditiva Iroprint. Juntos, nós analisamos detalhadamente os fatores que criam um bom material de impressão 3D e o que tem faltado no mercado até o momento. Acreditamos que o lançamento do nosso portfolio de manufatura aditiva Iroprint preenche a lacuna que existe hoje no mercado em relação a uma gama de materiais de impressão 3D funcionais, duráveis e ao mesmo tempo mais macios, agnósticos à tecnologia, econômicos e fáceis de imprimir – qualquer que seja a técnica de produção 3D preferida.”

“Antes do lançamento da gama Iroprint, nós estivemos construindo relações com parceiros tecnológicos chave que, por sua vez, trabalham com algumas das maiores marcas de calçados do mundo. Antevemos grandes oportunidades para os nossos materiais de manufatura aditiva Iroprint em outros setores do mercado de impressão 3D, desde componentes para a indústria automobilística até objetos para aplicações na área de “Internet das Coisas” (IoT). Estamos vivendo um tempo incrivelmente excitante no mercado de manufatura aditiva, com estimativas sugerindo que o setor deverá crescer mais de 20% até 2024. Estamos ansiosos por discutir o lançamento da nossa plataforma de manufatura aditiva Iroprint com qualquer pessoa que esteja ativamente envolvida na impressão 3D durante a feira K, em Outubro, em Düsseldorf.”

Curta nossa página no

LyondellBasell e Neste anunciam produção em escala comercial de polipropileno e polietileno de baixa densidade de base biológica a partir de materiais renováveis

26/06/2019

Segundo as empresas, esta colaboração marca a primeira vez que polipropileno de base biológica e o polietileno de baixa densidade de base biológica foram produzidos simultaneamente em escala comercial.

A LyondellBasell (www.lyondellbasell.com), uma das empresas líderes no segmento de plásticos, produtos químicos e refino do mundo, e a Neste (www.neste.com), produtora de diesel renovável a partir de resíduos, anunciaram conjuntamente no dia 18 de junho a primeira produção em paralelo, em escala comercial, de polipropileno de base biológica e de polietileno de baixa densidade de base biológica.

A equipe de produção da LyondellBasell em Wesseling, Alemanha, mostrou o primeiro lote de biopolímeros obtidos a partir de materiais renováveis.

O projeto conjunto utilizou hidrocarbonetos renováveis ​​da Neste, derivados de matérias-primas de base biológicas sustentáveis, como resíduos e óleos residuais, afirma a empresa. O projeto produziu com sucesso vários milhares de toneladas de plásticos de base biológica que, segundo as empresas, são aprovados para a produção de embalagens de alimentos e serão comercializados sob as marcas Circulen e Circulen Plus, a nova família de produtos de economia circular da LyondellBasell.

“A LyondellBasell tem um espírito inovador que abrange décadas e uma realização como essa demonstra ações concretas que estamos tomando em apoio a uma economia circular”, disse Richard Roudeix, Vice-Presidente Sênior de Olefinas e Poliolefinas da LyondellBasell para Europa, Ásia & Internacional. “Através do uso de recursos renováveis, estamos contribuindo para a luta contra a mudança climática e ajudando nossos clientes a atingir suas metas ambientais.”

“Estamos empolgados em permitir que a indústria de plásticos introduza mais materiais de base biológica em sua oferta. É muito gratificante ver os hidrocarbonetos renováveis ​​da Neste operando perfeitamente em uma escala comercial de produção de polímeros de base biológica, fornecendo uma opção de substituição para materiais fósseis “, disse o presidente e CEO da Neste, Peter Vanacker. “Esta colaboração pioneira com a LyondellBasell representa um marco importante na comercialização dos polímeros ​e produtos químicos renováveis da Neste, com foco no desenvolvimento de soluções renováveis ​​e circulares para marcas sustentáveis ​​voltadas para o futuro”.

Pioneirismo

O desenvolvimento anunciado pelas duas empresas combinou as matérias-primas renováveis ​​exclusivas da Neste e as capacidades técnicas da LyondellBasell. Segundo a LyondellBasell, a flexibilidade do seu cracker na unidade de Wesseling, na Alemanha, permitiu o processamento de uma nova matéria-prima renovável, que foi convertida diretamente em polietileno de base biológica e polipropileno de base biológica. As duas empresas afirmam que uma terceira entidade independente testou os produtos poliméricos usando traçadores de carbono e confirmou que eles continham mais de 30% de conteúdo renovável.

A LyondellBasell vendeu alguns dos produtos renováveis ​​produzidos no testes para vários clientes – um deles é a Cofresco, uma empresa do Grupo Melitta (com marcas como Toppits® e Albal®) que é o principal fornecedor europeu de produtos de marca no segmento de filmes para uso doméstico. A Cofresco planeja usar o polietileno de base biológica Circulen Plus para criar materiais sustentáveis para embalagem de alimentos.

A LyondellBasell é uma das maiores empresas de plásticos, produtos químicos e refino do mundo, vendendo produtos em mais de 100 países. A empresa é a maior produtora mundial de compostos de polímeros e o maior licenciador de tecnologias de poliolefinas.

A Neste é um produtor de diesel renovável, refinado a partir de resíduos, oferecendo soluções ​​também para as indústrias de aviação e plásticos. A empresa também é um refinador de produtos petrolíferos. Em 2018, a receita da Neste foi de 14,9 bilhões de euros.

Fonte: Lyondell Basell

Curta nossa página no

Chevron Phillips em negociação para comprar a canadense Nova Chemicals – Reuters

23/06/2019

A Chevron Phillips Chemical Corp está considerando fazer uma oferta de U$ 15 bilhões pela Nova Chemicals, empresa com sede em Calgary (Canada). A oferta inclui a dívida da Nova.

A joint venture entre a Phillips 66 e a Chevron Corp, sediada em Woodlands (Texas, EUA), que já é uma grande empresa petroquímica global, pode se expandir mais ainda com a aquisição da Nova Chemicals.

Fontes não identificadas disseram à Reuters na quinta-feira (20/06) que a Chevron Phillips já fez a proposta, mas há a possibilidade de outro comprador ainda surgir. O dono da Nova Chemical, o fundo soberano de Abu Dhabi, Mubadala Investment Co., vem tentando vender a petroquímica desde o início do ano, mas não há nenhuma certeza de que irá aceitar a proposta da Chevron Philiphs Chemical. A Mubadala também pode decidir manter uma participação na Nova Chemicals, acrescentou uma das fontes.

Tanto a Chevron Phillips Chemical Co. como a Nova Chemicals não confirmaram as informações.

Fundada em 1954, a Nova Chemicals relatou um Ebitda de U$ 271 milhões no primeiro trimestre de 2019, abaixo dos U$ 418 milhões registrados no mesmo período de 2018, de acordo com dados do site da empresa.

A Nova Chemicals tem 2.900 funcionários globalmente e fabrica polietileno e etileno. Produz também poliestireno expandido usado na construção, em embalagens, copos e recipientes, manuseio de materiais, segurança e outras aplicações.

Se o negócio se concretizar, pode fazer da Chevron Phillips a terceira maior produtora de polietileno da América do Norte, logo após a Exxon Mobil Chemical Company e a Dow Chemical Company, disse Ashish Chitalia, analista da área química da firma de pesquisa Wood Mackenzie. A aquisição também significará que a Chevron Phillips se tornará a maior produtora de polietileno de alta densidade na América do Norte, seguida pela LyondellBasell, acrescentou Chitalia.

Uma das variáveis a serem levadas em conta na transação é o fato de que há expectativas de que haja excesso de oferta de polietileno nos próximos três anos. Além disso, a indústria petroquímica está lutando com os impactos da guerra comercial EUA-China, que pode reduzir os preços e prejudicar o crescimento nos EUA.

O governo de Abu Dhabi adquiriu a Nova Chemicals em 2009 por U$ 500 milhões, evitando que a empresa se submetesse a uma reestruturação financeira, em virtude da sua alta dívida na época. Desde então, os negócios da Nova cresceram rapidamente, como resultado da expansão vertiginosa das atividades de shale gas na América do Norte.

No ano passado, a Dow venceu uma ação judicial de US $ 1 bilhão contra a Nova em uma disputa relacionada a um cracker de etileno em Alberta.

No início deste ano, a joint venture da Nova com a Borealis AG, sediada em Viena, chamada Novealis, iniciou a construção de uma unidade de 625.000 toneladas métricas de Polietileno, em Pasadena, Texas, em parceria com a petrolífera francesa Total SA. A unidade pertence a uma joint venture Total-Novealis denominada Bayport Polymers LCC e deve iniciar operações em 2021.

Outros grandes projetos incluem um cracker e uma expansão de polietileno em Sarnia, Ontário, com previsão de partida para o quarto trimestre de 2021 e um recente projeto de flexibilização de matérias-primas em Sarnia.

Fundada no ano 2000, a Chevron Philips Chemical tem instalações fabris nos Estados Unidos, Cingapura, Arábia Saudita, Catar e Bélgica. O faturamento total da empresa foi U$ 12 bi no ano passado, de acordo com seu site.

Fonte: Reuters, Calgary Herald, Chron

Curta nossa página no