Archive for the ‘Aditivo’ Category

Adirplast divulga levantamento sobre varejo de resinas plásticas e insumos afins

06/06/2022

Pesquisa contratada pela entidade mostra os indicadores do mercado brasileiro de distribuição de resinas commodities, plásticos de engenharia e filmes de BOPP e BOPET, como também o mercado brasileiro de masterbatches em 2021. Levantamento aponta ainda os resultados deste segmento nos primeiros quatro meses de 2022

Os indicadores do mercado brasileiro de distribuição de resinas no varejo são parte integrante do estudo divulgado pela Adirplast (Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas e Afins). O levantamento foi realizado entre abril de 2021 a abril de 2022. “O propósito da pesquisa foi o de saber nosso posicionamento no mercado nacional, nosso market share, além de entender o crescimento ou queda das vendas e os impactos da regionalização”, explica Laercio Gonçalves, presidente da associação.

Diversas fontes foram consultadas para elaboração do estudo, entre elas os associados Adirplast, fabricantes e traders, mas também empresas não associadas. Além disso, foram utilizadas informações de comércio exterior e de balanço de oferta e de demanda.

O levantamento, que avalia o desempenho do setor de varejo de resinas plásticas e outros produtos deste mercado, foi feito considerando quatro segmentos. O primeiro deles é o de resinas termoplásticas de PEs, PP e PS, também conhecidas como as resinas commodities. No geral, o volume comercializado no país desses três produtos se manteve estável em 2021, com 720 mil toneladas, com leve incremento das importações em relação ao ano anterior. Os distribuidores, que em 2020 tinham mais da metade desse segmento, foi responsável no ano passado por apenas 26% das vendas. “Na pesquisa chama a atenção o crescimento de revendas com produtos nacionais, importados e fontes da zona franca de Manaus. Isso mostra que a diferença de ICMS entre estados tem cada vez mais influência competitiva”, diz Gonçalves. Segundo ele, isso também mostra a necessidade de não apenas se reduzir o imposto em momentos de crise, mas de revê-lo. A diferença nas alíquotas cobradas hoje pelos Estados é uma das principais fontes geradoras de sonegação e de concorrência desleal.

A distribuição de filmes flexíveis BOPP (biorientados de polipropileno) e BOPET (biorientados de poliéster) também foi avaliada na pesquisa. Diferentemente das resinas commodities, aqui houve um recuo considerável nos volumes de vendas deste segmento. No ano passado foram comercializadas 39 mil toneladas desses produtos, 18% a menos do que em 2020. Outra diferença entre esse mercado e o de commodities plásticas é que aqui são os distribuidores formais que respondem pela maior parte deste mercado, com uma fatia de mais de 75% das vendas. “O poder de compra do consumidor diminuiu neste último ano, impactado pela inflação e, consequentemente, nosso setor sentiu este recesso”, conta Cecília Vero, vice-presidente da entidade e diretora da Nova TIV.

Já para o varejo de plásticos de engenharia, no qual se enquadram produtos como ABS, PA6, PA66, POM e PBT, o estudo mostra que os números são positivos, com crescimento de 31% do volume de vendas em 2021, atingindo 52 mil toneladas comercializadas. “Este crescimento reflete uma importante retomada da economia interna, apesar dos problemas econômicos gerados pela pandemia, e demonstra uma pujança do setor em 2022. Ainda assim, é preciso lembrar que tivemos desafios causadas pela escassez de algumas matérias-primas, além de componentes, como os eletrônicos, que prejudicaram a retomada da indústria automotiva e problemas logísticos com os fretes marítimos internacionais”, comenta Osvaldo Cruz, da Entec.

No que diz respeito ao mercado total de masterbatches, o estudo destaca que houve uma retomada do consumo dessas resinas em 2021. Ao todo, foram comercializadas 153 mil toneladas dessas resinas no ano passado, a um valor de R$ 2.127 milhões.

A pesquisa feita pela Maxiquim, a pedido da Adirplast, também levou em consideração a receita envolvida. O levantamento mostra que, de forma geral, todos os segmentos experimentaram incrementos bastante consideráveis de preços em função dos novos patamares de valores praticados em 2021. No que diz respeito aos termoplásticos, pode-se dizer que os preços de 2021 foram em média 55% maiores do que no ano anterior. Já entre os plásticos de engenharia, os preços subiram em média 80%. “Falta de matéria-prima, dificuldades com a importação e frete alto são alguns fatores que resultaram no aumento de preços”, finaliza o presidente da entidade.

A Adirplast tem como diretrizes o fortalecimento da distribuição, o apoio aos seus associados e a integração do setor de varejo de resinas plásticas, filmes biorientados, plásticos de engenharia, masterbatches e compostos. Atualmente, a associação agrega empresas distribuidoras de insumos plásticos que, juntas, tiveram um faturamento bruto de cerca de R$ 4,5 bilhões em 2020. Elas responderam por cerca de 12% de todo o volume de polímeros, masterbatches, compostos e filmes biorientados comercializados no país.

Curta nossa página no

Capacidade de expansão da Milliken aumenta com novas instalações para armazenamento de produtos da Zebra-chem, na Alemanha

09/05/2022

Empresa planeja um aumento na produção da fábrica em Bad Bentheim

A Milliken & Company está se movendo para atender às necessidades antecipadas do mercado, ampliando as instalações e a capacidade de produção da empresa alemã Zebra-chemGmbH, adquirida em março passado. A Zebra-chem é especializada em compostos e produtos químicos para produzir concentrados de aditivos e agentes de expansão para poliolefinas, PVC e termoplásticos de engenharia.

A expansão permitirá que a Milliken aumente a capacidade de produção da fábrica de Bad Bentheim em 60% até o final do ano. A empresa também planeja instalar novos equipamentos de fabricação e contratar funcionários extras na fábrica, que será renomeada para Birch I. Um novo armazém, chamado Birch II, foi construído nas proximidades. Há mais de um século, a Milliken vem mantendo o seu legado de nomear locais com nomes de árvores, uma homenagem à preocupação da empresa com a sustentabilidade.

“Estamos vendo uma alta demanda de vários mercados finais onde esses produtos estão agregando valor, e a nossa base de clientes acolheu o nosso portfólio de soluções mais amplo”, disse o gerente de vendas da Milliken Tugce Asici-van Houselt. “Essas instalações continuarão servindo o mercado global, com foco na Europa, no Oriente Médio e na África”.

Segundo a Milliken, os modificadores de viscosidade e de desempenho feitos na fábrica alemã aumentam o fluxo de fusão de resinas PP recicladas com pouca ou nenhuma perda de propriedades físicas, permitindo que mais conteúdo reciclado seja utilizado pelos conversores e proprietários de marcas sem comprometer o desempenho geral.

“A Milliken é conhecida por sua inovação sustentável”, observa Wim Van de Velde, Vice-presidente Global, da Milliken’s Plastic Additives Business. “Estamos entusiasmados em poder alavancar sua posição de liderança na Europa para ajudar a acelerar as soluções de mercado que melhoram e aumentam a fabricação com plásticos reciclados. Esta expansão sinaliza que o mercado está respondendo claramente”.

A instalação também produz concentrados sólidos que servem como agentes químicos de expansão para a produção de termoplásticos espumados. Estes agentes – que permitem uma leveza e um melhor isolamento térmico e acústico sem comprometer as propriedades mecânicas – são adequados para uso em PVC, polietileno, polipropileno e poliestireno. Eles podem ser usados por conversores tanto em métodos de extrusão, quanto em métodos de processamento de espuma em moldagem por injeção, afirma a empresa.

A Milliken vem atendendo aos desafios do dia a dia com soluções inovadoras há mais de 150 anos. A experiência em pesquisa, desenvolvimento e produção abrange uma variedade de disciplinas, incluindo produtos químicos especiais, revestimento de pisos e tecidos de desempenho e proteção.

Curta nossa página no

Aditivo da Milliken ajuda a reduzir quantidade de plástico nos frascos de Advil

19/04/2022

Os novos frascos do analgésico Advil, que estão chegando às prateleiras do varejo nos Estados Unidos, usam uma tecnologia inédita de plástico sustentável para medicamentos sem necessidade de prescrição. A iniciativa é da GSK Consumer Healthcare, que tem o compromisso de reduzir 20% do plástico em mais de 80 milhões de frascos do produto.

Segundo a Milliken, isso foi possível graças a uma tecnologia de nucleação por ela fornecida, o UltraGuard, que é adicionada à própria resina. A empresa afirma que a tecnologia UltraGuard otimiza as propriedades de barreira do material e, com isso, possibilita a redução da quantidade de resina necessária para moldar e fabricar os frascos de polietileno de alta densidade (PEAD), mantendo as mesmas propriedades de proteção do produto. Nos Estados Unidos, o PEAD pode ser diretamente reciclado, quando separado corretamente de outros tipos de materiais.

Em matéria publicada pela revista Healthcare Packaging, Sarah McDonald, vice-presidente de sustentabilidade da GSK, explica que “utilizamos uma resina de PEAD bimodal e, adicionando esse agente, conseguimos reduzir a quantidade de plástico que usamos para fabricar os frascos, mantendo as mesmas qualidades de barreira protetora”. Na prática, reforça MacDonald, “isso significa que não precisamos de uma camada de barreira específica para que ela não afete a reciclabilidade”.

Essa mudança de material permite uma redução de 20% no uso de material para os frascos de PEAD, mantendo todas as características importantes de desempenho do frasco, o que segundo a empresa resultará numa redução de quase 227 toneladas de plástico no meio ambiente por ano.

Curta nossa página no

Novo Guia de compatibilizantes da Dow focaliza compatibilizantes para reciclagem de embalagens multimateriais

04/04/2022

A Dow desenvolveu o Guia de Compatibilizantes, que traz um portfólio inovador de soluções que melhoram a capacidade de reprocessamento de materiais. O conteúdo está disponível na plataforma “O Futuro do Plástico”, criada pela Dow com o objetivo de incentivar convertedores da indústria do plástico a terem olhar estratégico que contemple rentabilidade do negócio, benefícios ao meio ambiente e à sociedade ao implementar a transição para a economia circular. O guia explica como os compatibilizantes podem ser usados para tornar tecnicamente recicláveis mesmo em estruturas complexas como as embalagens multimateriais.

Repensar o design de embalagem a partir da lógica da circularidade é uma prioridade para a toda a cadeia de bens de consumo. A Dow afirma que tem como meta investir em soluções para embalagens desenhadas para reciclabilidade como um dos caminhos para a economia circular.

A partir dessa premissa, a Dow tem investido em soluções que permitem o desenvolvimento de embalagens monomaterial, como é o caso do Stand Up Pouch de polietileno e de embalagens termoformadas feitas com a tecnologia Phormanto. Porém, vale ressaltar que, em determinadas aplicações, as embalagens requerem altas barreiras ao oxigênio para a conservação de alimentos e de produtos perecíveis. Com isso, são necessários materiais adicionais, como EVOH (Copolímero de Etileno e Álcool Vinílico) e Poliamida, trazendo o desafio de balancear o melhor desempenho da conservação do alimento e da sua embalagem com a sua reciclabilidade.

Para solucionar esse desafio, a Dow afirma ter desenvolvido um portfólio de compatibilizantes que visam melhorar a capacidade de reprocessamento de diferentes materiais no processo de reciclagem. Os compatibilizantes são substâncias que, quando adicionadas às estruturas, permitem que elas sejam recicladas mais facilmente e incorporadas na cadeia de reciclagem de polietileno (PE) existente. Como resultado desse processo, origina-se a resina pós-consumo com melhor qualidade e desempenho – preservando as suas propriedades mecânicas, garante a Dow.

“Uma vez compatibilizado, esse material plástico pós-consumo pode resultar em um filme reciclado de melhor performance, especialmente em relação às propriedades óticas, se comparado a filmes reciclados sem a presença de compatibilizantes”, explica Gianna Buaszczyk, engenheira de Pesquisa e Desenvolvimento na Dow Brasil.

Os compatibilizantes podem ser adicionados a estruturas feitas de diferentes polímeros, como as de EVOH/PE e PA/PE. Eles tornam esses materiais compatíveis, permitindo a reciclagem na cadeia de polietileno. Para tornar a embalagem tecnicamente reciclável desde o momento do seu desenvolvimento, é recomendado incorporar o compatibilizante na estrutura da embalagem.

Além disso, esses elementos ajudam a solucionar outro problema constante: os resíduos (aparas) que sobram do processo de produção de embalagens, que geram custo de armazenagem ou de descarte. Quando o compatibilizante é adicionado no processo de recuperação das aparas, pode gerar, em média, um ganho de até 15% em função do reaproveitamento desse material frente ao descarte.

Entre os compatibilizantes desenvolvidos com exclusividade pela Dow está o Retain 3000. Segundo a empresa, a sua utilização permite adicionar valor às estruturas – que podem voltar ao ciclo de produção pós-consumo na forma de uma resina reciclada de qualidade. Trata-se de uma solução para possibilitar a reciclagem de diversos tipos de embalagens de forma eficiente, otimizar o custo com o reúso de aparas e ser um caminho rumo às metas de sustentabilidade na indústria.

“Criar uma cadeia circular para o plástico de forma a promover a reciclagem segue como uma das metas de sustentabilidade mais importantes para nós, da Dow. Por isso, em minha recente colaboração para a plataforma digital Futuro do Plástico, destaco a utilização dos compatibilizantes como tecnologia inovadora para a expansão da reciclagem e, por consequência, da economia circular. A plataforma dispõe de um guia que explica como os compatibilizantes podem ser usados para tornar tecnicamente recicláveis mesmo estruturas complexas, como as embalagens multimateriais”, afirma Gianna Buaszczyk, engenheira de Pesquisa e Desenvolvimento na Dow Brasil.

Plataforma “O Futuro do Plástico”

“O Futuro do Plástico” surgiu para guiar os convertedores na jornada da economia linear para o modelo circular. A transição pode ser complexa, mas a plataforma auxilia e facilita o caminho com conteúdos, como artigos, vídeos, seções rápidas e materiais exclusivos.

A plataforma existe para incentivar convertedores da indústria do plástico a terem olhar estratégico que contemple rentabilidade do negócio, benefícios ao meio ambiente e à sociedade ao implementar a transição para a economia circular.

Esse projeto é resultado de uma estratégia adotada pela Dow de colocar a sustentabilidade na base do desenvolvimento de novas soluções para a indústria do plástico. O objetivo da empresa é colaborar e inovar para oferecer produtos que contribuam para um mundo melhor por meio de três áreas centrais: proteção ao clima, produção de materiais mais seguros e economia circular.

A Dow possui um portfólio diferenciado de plásticos, intermediários industriais, revestimentos e silicones da Dow com uma grande variedade de produtos e soluções de base científica, ofertados a clientes em segmentos de mercado de alto crescimento, como embalagens, infraestrutura, mobilidade e aplicações para o consumidor. A Dow opera 104 unidades fabris em 31 países e emprega cerca de 35.700 pessoas. Em 2021, gerou aproximadamente US$ 55 bilhões em vendas.

Curta nossa página no

Entec traz polímeros sustentáveis para o mercado brasileiro

28/03/2022

A distribuidora oficial do grupo Ravago trouxe para o país duas novas tecnologias para mitigar a presença do plástico na natureza: um biopolímero e um aditivo, que misturados às resinas plásticas aceleram a sua decomposição

A necessidade de preservar a natureza e diminuir a invasão, sem precedentes, de plásticos, especialmente nos oceanos, tem se tornado uma preocupação da cadeia do setor plástico, envolvendo petroquímicas, distribuidores, transformadores e público final. A Entec, distribuidora pertencente ao grupo Ravago, reconhece sua responsabilidade em relação ao tema: “Além de incentivar a circularidade dos materiais por meio da coleta seletiva e da reciclagem do plástico, estamos em busca de soluções para os nossos clientes que, somadas às demais, contribuam para um final ainda mais adequado ao plástico, especialmente se este não for descartado corretamente”, explica Osvaldo Cruz, diretor da Entec.

Algumas dessas soluções, citadas por Cruz, foram trazidas para o Brasil pela empresa. São dois polímeros que a Entec está oferecendo aos seus clientes: o biopolímero NuplastiQ e o aditivo Eco One. Importados dos Estados Unidos, os produtos são responsáveis por acelerar a decomposição de peças plásticas duráveis em aterros ou ambientes marinhos, afirma a Entec.

“Não podemos mais ignorar as restrições que têm sido impostas contra o plástico. Nossa missão como profissionais da área e, principalmente, como cidadãos, é deixar um legado. Essas novas tecnologias deixam o plástico menos persistente e mitigam sua presença na natureza”, conta Antonio Bescorovaine, coordenador de Polímeros Sustentáveis da Entec Brasil.

Segundo a Entec, um dos produtos, o NuPlastiQ, produzido pela BioLogiQ e comercializado desde 2017, melhora a biodegradabilidade de plásticos convencionais – como PE, PP e PS – por um mecanismo natural que não é a fragmentação. A Enteq afirma que o NuPlastiQ, feito de plantas, demonstrou não afetar a vida útil do produto (ou embalagem) nem a reciclabilidade mecânica quando utilizado de acordo com as recomendações do fabricante.

A Entec garante que o NuPlastiQ preserva características dos plásticos como baixo custo, durabilidade e reciclabilidade, ao mesmo tempo em que dá um passo significativo no sentido de abordar o problema da persistência ambiental. Segundo a empresa, o NuPlastiQ almeja um perfil de biodegradação similar ao da madeira: durável durante o uso e mais rapidamente biodegradável nos infelizes casos nos quais atinge o meio ambiente. O NuPlastiQ está disponível em blendas prontas para extrusão com PE, PP e PS.

O outro produto da Entec, o Eco One, produzido pela EcoLogic LLC, é um aditivo enzimático que, adicionado à cadeia do polímero, atrai micro organismos quando o plástico é colocado em um ambiente anaeróbico, – como nos lixões e aterros sanitários – no qual os fungos, enzimas e bactérias formarão colônias de decomposição sobre a superfície do plástico, promovendo a biodegradação desse material, afirma a empresa.

Segundo a Entec, o Eco One pode ser adicionado a diferentes tipos de plásticos como PE, PP, PS, PET, PVC, entre outros, sem necessidade de alterar a configuração da máquina, além do fato que a reciclabilidade do material continua intacta.

Curta nossa página no

Milliken oferece modificador de desempenho para processamento de PP com alto teor de reciclado

24/01/2022

  • Os modificadores de performance atuam no processo de moldagem por injeção de polipropileno, aplicado em peças que requerem maior resistência ao impacto.
  • Segundo a empresa, a solução oferece aos transformadores ganhos operacionais, financeiros e em sustentabilidade.

A economia circular torna-se cada vez mais necessária para o uso eficiente dos recursos naturais. Na prática, os sistemas de produção industrial devem priorizar insumos mais duráveis, recicláveis e renováveis. “Temos investido em tecnologias inovadoras que permitem aos transformadores do setor plástico utilizar uma resina 100% reciclada, desde que a matéria-prima tenha baixo grau de contaminantes, ou aumentar o teor de resina reciclada em misturas típicas com resina virgem”, diz Edmar Nogueira, gerente técnico da Milliken.

A empresa desenvolveu uma linha completa de modificadores de desempenho com foco em transformadores de PP copolímero de impacto, e principalmente PP reciclado. É uma linha de produtos multiuso que pode ser utilizada em diversas aplicações, tais como utilidades domésticas; elementos para construção civil; e componentes automotivos.

Segundo Nogueira, a aplicação do DeltaMax promove balanço entre resistência e processabilidade da resina, gerando ganhos operacionais, financeiros e em sustentabilidade. “É destinado a transformadores que queiram otimizar a resistência ao impacto da resina, para gerar peças acabadas mais robustas, sem ter que sacrificar o índice de fluidez e nem perder processabilidade”.

A fabricante afirma que a melhora na processabilidade, viabilizada pelo aumento do índice de fluidez da resina, reverte-se em ganhos de ciclo operacional: o transformador produz mais peças num mesmo período e, consequentemente, consome menos energia. A possibilidade de aumento do percentual de reciclado em misturas também proporciona ganhos financeiros, uma vez que a matéria-prima recuperada tem custo menor. Segundo a Milliken, testes por ela realizados registraram reduções do ciclo operacional de 10% a 15%, dependendo da aplicação, e economia de energia na mesma faixa. Como consequência, a redução na emissão de CO2 sofreu queda média de 10%.

Sustentabilidade

Segundo a Milliken, um dos projetos atendidos pela empresa ajudou um transformador líder na categoria de materiais para manutenção e reforma do lar a aumentar o uso de plásticos reciclados sem sacrificar propriedades físicas.

“Este cliente já tinha tentado elevar os níveis de uso de resinas de polipropileno (PP) reciclado que, ainda que bastante acessíveis, geralmente não têm as propriedades de impacto e fluidez necessárias para muitas aplicações finais. Isso resulta em um menor uso de PP reciclado, o que adiciona custos indesejados e não contribui para a diminuição da geração de resíduos”, explica Nogueira.

Ao aumentar as propriedades de impacto e o índice de fluidez do PP reciclado, o transformador conseguiu produzir o acessório para reformas utilizando 100% de plástico recuperado, em comparação com o índice anterior de 20%, afirma a Milliken. Isso reduziu o custo das matérias-primas e a destinação de resíduos para aterros, ao mesmo tempo aprimorando o desempenho e a margem de lucro dos produtos. O transformador também diminuiu as emissões de carbono em 20 quilos por tonelada de PP produzido, assegura a fabricante do DeltaMax.

Curta nossa página no

Heubach Group e SK Capital Partners fecham aquisição da Clariant Pigments

17/01/2022

O Heubach Group, líder global na produção de pigmentos e o SK Capital Partners, empresa de investimento privado focalizada em nos setores de materiais especiais, químico e farmacêutico, anunciou hoje a conclusão da aquisição do negócio global de corantes da Clariant (Clariant Pigments). O negócio combinado resultante operará sob a marca Heubach, criando um líder global na tecnologia de pigmentos e líder do setor.

O recém-combinado Heubach Group é um fornecedor global de soluções de cores, fornecendo um amplo portfólio de pigmentos orgânicos, inorgânicos e anticorrosivos, preparações de pigmentos, corantes e materiais especiais. A empresa opera seus negócios globais através de 19 fábricas na Europa, Américas, Ásia e África, empregando aproximadamente 3.000 pessoas. A sede do Grupo Heubach será estabelecida em Viena, Áustria.

Johann Heubach, do Heubach Group, declarou: “A nova Heubach é uma organização de classe mundial com grande talento, tecnologia e ativos. Para nós, a excelência do produto e a sustentabilidade são fundamentais. Estamos bem posicionados para criar valor significativo para nossos clientes e parceiros de negócios em todos os setores que atendemos.”

Aaron Davenport, diretor administrativo da SK Capital, observou: “A combinação da Heubach e da Clariant Pigments cria um líder do setor comprometido com os mais altos padrões de fabricação, qualidade e serviço. Esperamos apoiar a gestão no crescimento e aprimoramento da Companhia, investindo em talento, inovação e expansão de mercado.”

O Heubach Group anunciou a nomeação de Stefan Doboczky como CEO do Heubach Group, a partir de 10 de janeiro de 2022. Doboczky ingressa no Heubach Group, depois de ter atuado mais recentemente como CEO da Lenzing AG, líder global de fibras celulósicas e bioquímicos. Antes da Lenzing, Doboczky foi membro do Conselho de Administração da Royal DSM, o Grupo Holandês de Ciências da Vida e Ciência de Materiais, onde passou quase duas décadas em várias funções de gerenciamento geral. Doboczky é PhD em Ciências Naturais pela Universidade Técnica de Viena (A), bem como MBA pelo IMD em Lausanne (CH). Stefan Doboczky observou “Estou muito animado para ingressar no novo Grupo Heubach. Estou convencido de que, combinando esses negócios de sucesso, criaremos uma oferta poderosa para nossos clientes na área de pigmentos e corantes.”

O Valence Group of Piper Sandler & Co., BofA Securities e Citigroup atuaram como consultores financeiros da Heubach e da SK Capital. O financiamento para a transação foi fornecido pelo BofA Securities, Citigroup, HSBC, KeyBanc, Citizens, ING e MUFG. Lenz & Staehelin AG e Kirkland & Ellis LLP atuaram como consultores jurídicos da Heubach e da SK Capital. Milbank LLP atuou como consultor jurídico da Heubach. A Homburger AG atuou como consultora jurídica da Clariant e o Deutsche Bank AG atuou como consultor financeiro da Clariant.

Curta nossa página no

Colorfix lança Catálogo de Cores e Tendências com inspiração em cidades brasileiras e estrangeiras

17/01/2022

O ano de 2022 chegou e, com ele, as expectativas para tempos melhores. E a indústria da transformação do plástico, atenta a este momento social, também dá sua contribuição, trazendo para a vitrine as cores que traduzem o momento que vivemos.

A paranaense Colorfix, uma das principais fabricantes de masterbatches (concentrados de cor) e aditivos para plástico, segue esta linha que a inspirou no lançamento do seu oitavo Catálogo de Cores & Tendências 2022.

De acordo com o diretor superintendente da Colorfix, Francielo Fardo, as cores de 2022 celebram a vida. Celebram a reconexão das pessoas com as suas cidades, com os ambientes em que estão inseridas. E a busca pela tranquilidade dentro deste universo.

“Nossos profissionais estão bastante atentos às mudanças e tendências do mercado como um todo. Nestes estudos acompanham diferentes especialistas que atuam em lugares diferentes do globo. Em cima deste aparato de informações, trazem para este ano cores que promovem a reconexão das pessoas com as suas cidades e com os ambientes em que vivem”, resume o diretor.

Segundo Fardo, a seleção de cores trazida pelo novo Catálogo de Cores & Tendências é um convite para a reconexão ao nosso entorno. “Queremos o nosso cliente aproveitando este momento para reinventar e reconectar-se, de forma que isso possa transparecer por meio de cores alegres e vibrantes. Nosso catálogo de 2022 é um convite a respirar e inspirar”, explica.

Cores

Além da cor do ano 2022 Very Peri, que é um azul que convida a todos a reimaginar, a reescrever suas vidas, encontrar novas soluções e conexões, o catálogo Colorfix traz mais 18 cores sólidas principais e oito cores Marble, seis inspiradas em cidades brasileiras – Curitiba, Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Belo Horizonte e Manaus (foto), e duas em cidades estrangeiras – Marble Paris e Marble Seul.

As cidades brasileiras foram inspiradas na paleta de cores do Guia Internacional ColorTrends da Think Plastic e as duas tonalidades internacionais foram inspiradas pelas tendências levantadas pela Pantone. “Unimos as cores a um pouco do contexto de cada cidade, Manaus, por exemplo, nos inspiramos no encontro do Rio Negro e Solimões; Curitiba exaltamos o verde da cidade e Belo Horizonte focalizamos na construção da cidade, que tem forte base na mineração”, comenta o diretor.

Revora

Outra novidade da Colorfix neste ano é o Catálogo de Cores & Tendências desenvolvido exclusivamente para materiais reciclados pós-consumo (PCR). Segundo a Colorfix, além de sustentáveis, os produtos podem agora ter as cores que são tendências e que estão em alta no mercado da transformação do plástico. São 16 cores sólidas e 4 cores Marble inspiradas na natureza.

Todas elas refletem a necessidade da reciclagem, de recriar o que já existiu. Um convite a alinhar os produtos plásticos às tendências de consumo mundiais.

A Colorfix Masterbatches trabalha desde 1990 na inovação e no desenvolvimento de concentrados de cor e/ou aditivos. Com a matriz localizada em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba (PR), a empresa conta ainda com unidades em São Caetano do Sul (São Paulo) e Jaboatão dos Guararapes (Pernambuco).

Curta nossa página no

Colorfix obtém certificação ISO 14001

27/12/2021

A empresa paranaense Colorfix, uma das principais fabricantes brasileiras de masterbatches (concentrados de cor) e aditivos para plástico conquistou no último mês de novembro a Certificação ISO 14.001, a qual trata especificamente dos requisitos de um Sistema de Gestão Ambiental e permite à empresa desenvolver uma estrutura para a proteção do meio ambiente e rápida resposta às mudanças das condições ambientais.

Além disso, a norma leva em conta aspectos ambientais influenciados pela organização e os possíveis riscos a serem mitigados por ela. “Esta conquista não trata apenas da gestão interna de nossa indústria, mas também sobre o mundo que queremos. É a materialização do reconhecimento de que nossos recursos naturais são finitos e que devemos respeitá-los e preservá-los para as futuras gerações”, comemora o diretor superintendente da Colorfix, Francielo Fardo.

De acordo com Francielo, a ação da adequação à normativa foi um processo que envolveu a organização como um todo, sendo o setor de Meio Ambiente responsável por acompanhar e orientar os departamentos. Diversas etapas foram cumprindas, incluindo vistoria interna para identificação dos pontos a serem ajustados, reuniões periódicas com as áreas para acompanhamento das execuções de adequações e auditoria interna, a fim de identificar o andamento e atendimento aos requisitos legais (federais, municipais e estaduais).

“A sustentabilidade corporativa traz vantagens de longo prazo para clientes, colaboradores e a sociedade, sendo a norma um orientador de como controlar e reduzir os riscos ambientais e melhorar o desempenho da organização, não ficando apenas na teoria – pois são exigidas as comprovações na prática, além de ser necessário o envolvimento e comprometimento de todos (incluindo, mas não se limitando a, fornecedores, colaboradores, prestadores de serviços)”, explica o diretor.

“Agradecemos o empenho e a dedicação de cada um que fez esta conquista ser possível. O trabalho não para com a certificação – ele continua em permear a cultura de sustentabilidade em toda a empresa, para que todos os colaboradores insiram em seu dia a dia posturas mais respeitosas com o meio ambiente”, reforça Fardo.

Na prática

As mudanças no dia a dia da empresa compreenderam atitudes como a atenção ao descarte do lixo e busca pela redução de resíduos; uso de copos plásticos no processo produtivo para limpeza de máquinas; revisão de documentações e legislações; organização rigorosa das áreas de trabalho e criação e produção de materiais gráficos sobre o assunto.

Além disso, foram implantados diversos treinamentos como cuidados com vazamentos, multiplicação de conhecimento de aspectos técnicos como LAIA, impacto e aspectos ambientais. A Colorfix já possuía um cuidado com a água utilizada no processo produtivo, ponto também significativo para a certificação.

Revora

A marca Revora, lançada neste ano pela Colorfix também é resultado da preocupação da empresa com o meio ambiente. A linha reúne um conjunto de soluções e metodologias de trabalhos voltados à sustentabilidade, a qual envolve toda a cadeia da indústria de transformação: fornecedores, matérias-primas, métodos de produção, embalagens, produto final e descarte consciente.

A Colorfix Masterbatches, desde 1990, trabalha na inovação e no desenvolvimento de concentrados de cor e/ou aditivos. Com a matriz localizada em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba (PR), a companhia conta ainda com unidades em São Caetano do Sul (São Paulo) e Jaboatão dos Guararapes (Pernambuco).

Curta nossa página no

Nova unidade de testes de emissões da Evonik oferece soluções mais sustentáveis para espumas de poliuretano em spray

11/11/2021

  • Melhora na gestão das emissões beneficia o meio ambiente, os aplicadores, os empreiteiros e os ocupantes dos edifícios
  • Evonik oferece porftólio de aditivos para espumas de isolamento de poliuretano sustentáveis

A Evonik lançou uma nova unidade de testes de emissões de espuma de poliuretano em spray em seus laboratórios em Allentown, Pensilvânia (EUA). Com o seu foco em ‘emissões zero’ e soluções aditivas mais favoráveis ao meio ambiente, a nova unidade reflete o compromisso da Evonik em apoiar a indústria de espumas de poliuretano em spray (SPF) no cumprimento de suas metas de sustentabilidade sem afetar o seu crescimento.

Segundo a Evonik, por se tratar de produtos com propriedades termoisolantes, seus aditivos podem reduzir de maneira significativa o consumo de energia e, em consequência, diminuir a pegada de carbono de edifícios construídos com SPF. Levando em conta que a perda energética das construções chega a 40% em razão de vazamentos de ar nos telhados e paredes, a SPF oferece, além do desempenho térmico, a prevenção do vazamento de ar mediante a vedação de frestas, assegura a empresa.

Segundo a Spray Foam Coalition da American Chemistry Council, até 33 bilhões de dólares em custo de energia poderiam ser poupados por ano se os 113 milhões de lares dos Estados Unidos usassem isolamento com SPF. A Evonik afirma que a SPF é mais eficaz que os materiais isolantes alternativos como a fibra de vidro ou a lã mineral, o que contribuiu para que a indústria das espumas de poliuretano da América do Norte registrasse um crescimento de dois dígitos nos últimos anos.

“Durante as últimas duas décadas, a Evonik se manteve na dianteira da indústria de poliuretanos com seu amplo portfólio de aditivos para aplicações no setor de espumas em spray de baixa emissão” disse Ralph Marquardt, responsável pelo negócio de PU na Evonik. “Essas ofertas de especialidades permitiram a introdução e o uso eficiente da próxima geração de agentes de expansão com baixíssimo potencial de aquecimento global”, acrescentou.

Os testes de emissões se tornaram muito mais sofisticados na medida em que os regulamentos ambientais e de segurança de trabalho ficaram bem mais restritivos. Além dos benefícios ambientais da redução dos gases do efeito estufa, produtos com emissões baixas ou zeradas são hoje uma exigência industrial, a fim de encurtar o tempo de reentrada de trabalhadores e a reocupação dos edifícios após a aplicação. As novas instalações de testes de emissões ajudarão os clientes da Evonik a estabelecer protocolos formais de medição e testes em cumprimento às normas ambientais de emissões atuais e futuras, além dos padrões da American Society for Testing Materiais (ASTM).

“Essas melhorias nos testes, aliadas aos nossos profundos conhecimentos na formulação de espumas em spray, asseguram que continuemos criando os melhores e mais limpos aditivos para sistemas de espuma em spray HFO com baixas emissões e resistentes ao frio”, disse Christian Eilbracht, responsável pelo setor de PU Insulation na Evonik. “Apoiamos nossos clientes na fabricação de espumas em spray com melhor desempenho e menos emissões, ajudando-os a cumprir os padrões de referência da indústria, como a certificação Greenguard Gold, por exemplo.

As novas instalações de testes foram inauguradas e aprovadas pela Spray Foam Coalition, uma organização integrada por empresas que produzem e comercializam sistemas de isolamento com espumas de poliuretano em spray, produtos químicos e equipamentos. Outra característica importante da nova unidade de testes é a câmara fria, que permite realizar testes com sprays a temperaturas extremamente baixas de até 0°F (-17,8 °C) para avaliar a capacidade de adesão do produto em condições de frio intenso. Esses testes mais severos em baixa temperatura permitem imitar as condições reais em qualquer época do ano em localidades de clima frio, ajudando a acelerar o tempo de desenvolvimento da formulação e a melhorar o desempenho do produto.

Segundo a Evonik, as suas soluções para os mais novos agentes de expansão HFO (hidrofluorolefinas) têm ajudado a reduzir de maneira significativa a pegada de aquecimento global da indústria de espumas em spray na comparação com os anteriores agentes de expansão HFC (hidrofluorcarbonetos). Esses são comumente empregados em aplicações de espuma de poliuretano que exigem altas propriedades de isolamento como o isolamento por espuma em spray, isolamento de geladeiras/ freezers e o isolamento de painéis para estruturas de construções.

Curta nossa página no

Colorfix lança linhas de aditivos voltadas para a produção de Utensílios Domésticos Sustentáveis

18/10/2021

Segmento exige produtos de qualidade, necessidade de atendimentos às normas, cores, efeitos e texturas diferenciadas

As resinas plásticas mais utilizadas pelo segmento de Utilidades Domésticas (UD) são o Polietileno (PE), o Policloreto de Vinila (PVC) e o Polipropileno (PP). Esses materiais (“commodities” plásticas), segundo a Indústria Brasileira de Transformação e Reciclagem de Material Plástico (Abiplast), representam cerca de 78,3% dos insumos consumidos no país.

Esse é um dos segmentos mais exigentes com os quais a paranaense Colorfix Masterbatches trabalha, seja pelo desenvolvimento de produtos de qualidade, a busca por diferentes efeitos e texturas e também pelo cumprimento das normas exigidas pelos órgãos reguladores como ISO e FDA no caso de embalagens e materiais que têm contato com alimentos.

“Muitos utensílios domésticos duram muitos anos. Em função disso, os clientes do segmento UD sempre buscam conquistar seus consumidores com novidades e inovação como cores, tendências e materiais com diferentes efeitos e texturas, a fim de que os utensílios domésticos deixem de ser apenas funcionais e passem a ser também objetos de decoração, sendo ao mesmo tempo amigos do meio ambiente”, aponta o diretor superintendente da Colorfix Masterbaches, Francielo Fardo.

A Colorfix afirma que vem trabalhando com o desenvolvimento de materiais para gerar produtos sustentáveis, com maior durabilidade e vida útil mais longa. Outra característica buscada, no caso dos Biodegradáveis, é que o impacto ao meio ambiente seja o menor possível durante a decomposição do material.

“Ao propor novas soluções ao mercado, discutimos incansavelmente as alternativas que levem a caminhos da preservação ambiental, com a redução da produção do lixo, bem como a possibilidade da reciclagem de materiais. Para as linhas de utensílios domésticas, não tem sido diferente: são horas de estudos antes de colocar a solução no mercado”, aponta Francielo que destaca quatro destas inovações disponibilizadas pela empresa ao segmento UD. “Temos a linha de aditivos Revora PCR, Revora ADI, Revora PE Verde e as cores da linha Revora BIO e Revora PE verde que agregam valor e ajuda na preservação do meio ambiente”.

Atualmente, a Colorfix diz contar com mais de 70 mil itens desenvolvidos entre aditivos e cores tendências disponíveis a seus clientes. Segundo a empresa, as linhas de aditivos tem as seguintes características:

  • RevoraAdi (não compostável): aditivos que agregam sustentabilidade ao processo e/ou produto de transformação de plástico que precisa utilizar resina virgem. A Colorfix afirma que esses aditivos diminuem desperdício de matéria prima, aumentam a produtividade das máquinas economizando energia elétrica e aumentam a durabilidade dos produtos finais, diminuindo a geração de resíduos.
  • RevoraBio (compostável): Segundo o fabricante, são masterbatches e aditivos 100% biodegradáveis, tornando o produto plástico final 100% compostável.
  • RevoraVerde (não compostável): São masterbatches e aditivos que usam como veículo resinas de obtidas a partir de fontes renováveis, como a cana-de-açúcar. De acordo com a Colorfix, esses produtos diminuem a pegada de carbono e tornam possível produtos feitos 100% de bioplásticos.
  • RevoraPCR: São concentrados de aditivos ou cor veiculados em resina pós-consumo, fabricadas a partir de plásticos já utilizados, recolhidos, reciclados e que retornam à indústria para serem transformados novamente. Geralmente perdem propriedades mecânicas e possuem dificuldade de coloração, uma vez que são mais escuras que uma resina virgem. Segundo Colorfix, esses aditivos aumentam as propriedades mecânicas de resinas pós-consumo e possui cores para que o produto final (foto) tenha resultados muito próximos àqueles feitos com resina virgem.

A Colorfix Masterbatches, desde 1990, trabalha no desenvolvimento de concentrados de cor e/ou aditivos para processos e produtos de plásticos. Com a matriz localizada em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, no Paraná, a companhia conta ainda com unidades em São Caetano do Sul (São Paulo) e Jaboatão dos Guararapes (Pernambuco).

Curta nossa página no

Evonik apresenta aditivo para produção de asfalto modificado com pó de borracha proveniente de pneus usados

13/10/2021

Aditivo permite produção de asfalto modificado com borracha, utilizando pneus descartados. Em sua primeira aplicação no país, produto demonstra como pode melhorar o processo produtivo, a aplicação e a qualidade do asfalto

Um dos grandes desafios urbanos, das administrações públicas e da engenharia é a manutenção da qualidade e da durabilidade da pavimentação de ruas e estradas. Disto decorrem a segurança do usuário, a demanda de recursos financeiros e materiais, custos com veículos e combustíveis, condições de tráfego e sustentabilidade. A cada ano aumenta a necessidade de asfaltos de melhor composição, que não só possuam maior vida útil, como também reduzam o impacto sobre o meio ambiente.

A Evonik afirma ter desenvolvido um processo patenteado para atender a essas demandas. Trata-se da mistura do aditivo poliolefínico Vestenamer ao pó da borracha proveniente de pneus descartados. Ao ser misturado à massa asfáltica, a solução elimina problemas do processo produtivo, facilita a aplicação e garante melhor qualidade do asfalto modificado com borracha, garante o fabricante.

Segundo a Evonik, a inovação beneficia gestores e usuários de vias públicas, bem como o meio ambiente, uma vez que estimula processos de reaproveitamento de materiais. Estima-se que, a cada ano, cerca de 19,3 milhões de toneladas de pneus são descartados no mundo, sendo que aproximadamente 450 mil toneladas somente no Brasil. O reaproveitamento do pneus contribui para o fechamento do ciclo de uma maneira mais sustentável, reduzindo resíduos, manutenções recorrentes e a emissão de carbono.

Aplicação no Brasil

Em julho último, o produto foi utilizado para a pavimentação de uma área de aproximadamente 2.500 m² localizada dentro do parque industrial da Evonik em Americana (SP).

O Vestenamer é produzido na planta da Evonik em Marl, na Alemanha, e esta foi a primeira aplicação no Brasil. O projeto foi desenvolvido em parceria entre o departamento Technology and Infraestructure e as unidades de negócios da Evonik, que têm o objetivo de promover as soluções e tecnologias da empresa em projetos internos, colaborando para o desenvolvimento de novas aplicações em diferentes regiões.

Participaram da obra a NTA Asfaltos, fabricante do ligante modificado com borracha e Vestenamer; a Galvani Engenharia, produtora do asfalto modificado com borracha, e a Teixeira Pavimentação Asfáltica, responsável pela aplicação do asfalto.

“Foram utilizados 160 kg do produto. A coordenação técnica com todas as empresas envolvidas exigiu reuniões dedicadas e planejamento para garantir a boa fluidez do asfalto modificado no processamento, bem como controle de temperatura no local de produção do asfalto e deslocamento até a planta da Evonik”, explica Rodrigo Marques, Coordenador de Negócios da área de High desempenho Polymers, da Evonik.

Desempenho

A Evonik explica que o Vestenamer é um aditivo poliolefínico semicristalino, fornecido pronto para o uso, que atua como plastificante reativo nos processos de mistura e produção de compostos de borracha e, devido à presença de ligações duplas na molécula, forma uma interface entre o pó de borracha e o betume, protegendo e garantindo a reatividade. Dadas as suas características, envolve de forma satisfatória os agregados do composto e não altera o material final. Entre as vantagens, segundo a empresa, estão:

· Gera menos odor e diminuição da emissão de gases voláteis provenientes do processamento com borracha;
· Facilita a fluidez no processo e no descarregamento dos tanques, sem que seja necessária a limpeza adicional dos mesmos;
· Melhora o comportamento do ligante asfáltico no armazenamento aquecido;
· Facilidade para compactar a massa asfáltica em temperaturas reduzidas;
· Ganho de produtividade com aplicação mais rápida;
· Melhor acabamento superficial do asfalto.

O vídeo do case de aplicação do Vestenamer pode ser acessado no link: https://www.youtube.com/watch?v=aleivHEbdhk.

A Evonik é uma das líderes mundiais em especialidades químicas. A empresa atua em mais de 100 países em todo o mundo, conta com 33 mil colaboradores e gerou vendas de 12,2 bilhões de euros e um lucro operacional (EBITDA ajustado) de 1,91 bilhão de euros em 2020.

Curta nossa página no

Colorfix aposta no crescimento do uso do plástico na Construção Civil

29/08/2021

Com o setor aquecido nos últimos tempos, empresas do ramo de construção precisam reduzir custos e diversificar matérias-primas. A indústria do plástico, de olho nesta necessidade, oferece alternativas.

A utilização do plástico em muitos dos canteiros de obras país afora pode se tornar um bom negócio. “Cabe a nós, que trabalhamos com soluções e pesquisas constantes, mostrar ao mercado que existem boas alternativas no setor de transformação do plástico que podem ajudar a Construção Civil a continuar crescendo com menor custo”, explica o superintendente da Colorfix Masterbatches, Francielo Fardo, empresa que atua na área de transformação do plástico há mais de 30 anos.

O plástico já é uma realidade no dia a dia de obras em todo o país. Componentes de terminais da instalação elétrica, como caixas, espelhos, tomadas, interruptores, esquadrias e portas, tubos e conexões, telhas e forros são atualmente alguns dos itens de plásticos mais encontrados em um canteiro de obras. A preferência do mercado tem relação com os benefícios que esses produtos trazem como leveza, possibilidade de reuso e maior durabilidade.

Outro item muito utilizado são as caixas d’água feitas em polietileno, que são leves e de fácil instalação, manutenção e limpeza, além de porssuir maior resistência a intempéries. As caixas em PE vem substituindo as caixas de amianto.

As propriedades do PVC (alta resistência à corrosão, durabilidade, facilidade de corte e colagem, isolamento elétrico, não-propagação de chama e resistência aos agentes químicos usuais, como produtos de limpeza) garantem o seu espaço em aplicações como tubulações e conexões elétricas e hidráulicas, nos revestimentos de fios e cabos elétricos, tubos condutores para fiações elétricas (conduítes) e componentes terminais para a instalação de luz. Em várias dessas aplicações, o uso do PVC apresenta vantagens sensíveis, como por exemplo em relação aos eletrodutos galvanizados.

“A Construção Civil já tem essa afinidade com o plástico e isso o uso do material pode ser ampliado para outros produtos que podem substituir os tradicionais à base de ferro e/ou cimento, por exemplo”, exemplifica Fardo.

A Colorfix afirma que tem investido em pesquisas em masterbatches e aditivos para melhorar o desempenho dos produtos finais, disponibilizando para o mercado um leque de linhas que agregam valor e diminuem custos para a construção. Segundo a empresa, a sua linha Revora é uma dessas soluções que já está ao alcance de quem quer construir com economia e com sustentabilidade.

A Colorfix oferece linhas de aditivos destinadas a aprimorar as propriedades de materiais plásticos, como, por exemplo, o Flamefix, que é utilizado como retardante de chama. Outros produtos, como o Revora UV, proporcionam o aumento da vida útil em peças plásticas, como por exemplo, caixas d’água e telhas. Já o Stactifix é usado para para repelir a poeira em superfícies.

Produtos para aumentar a resistência ao impacto, como o Exofix, são usados como agente expansor e também diminuir o peso das peças, enquanto que o Revora Bact foi desenvolvido para ser antimicrobiano nas caixas d’água.

Segundo Fardo, cada material plástico tem suas peculiares para atender demandas que necessitam de aplicações específicas. “O que vale destacar é que a sustentabilidade e a economia circular agregam valor ao setor da Construção Civil. Quando se fala em sustentabilidade, não devemos levar em consideração apenas a reciclagem e o reuso de materiais. Devemos também estar preocupados com a durabilidade do material, os danos causados pela sua extração do meio ambiente e também pela sua industrialização”, ressalta o superintendente da Colorfix.

Curta nossa página no

Aditivo da BASF permite que a empresa coreana Lotte Chemical forneça polipropileno médico de alta transparência para seringas usadas em vacinações COVID-19

06/08/2021

  • Segundo a BASF, o seu aditivo Irgastab melhora a alta transparência do polipropileno médico (PP)
  • As necessidades de PP para uso médico aumentaram devido ao lançamento global das vacinas COVID-19

A Lotte Chemical, uma empresa química coreana, está produzindo o polipropileno (PP) necessário para aplicações médicas usando o Irgastab da BASF, um estabilizador de processamento que evita descoloração. Com o lançamento das vacinações contra a COVID-19 em todo o mundo, a necessidade de seringas feitas de PP aumentou exponencialmente.

O PP para uso médico da Lotte Chemical foi aplicado às seringas LDS (pequeno espaço morto) desenvolvidas por um fabricante de seringas médicas na Coréia do Sul. Essas seringas especiais são projetadas para minimizar a quantidade de vacina deixada no seu interior após a injeção do imunizante, o que leva à redução do desperdício de vacina. Como resultado, as seringas LDS têm uma grande demanda globalmente, pois estima-se que possibilite que uma quantidade 20% maior de pessoas possam receber a dose com a mesma quantidade de vacina.

Os plásticos usados ​​para aplicações médicas requerem esterilização. Isso causa a degradação e a descoloração do polímero. “O Irgastab serve para garantir que o PP médico permaneça seguro e adequado para uso”, disse Hermann Althoff, vice-presidente sênior de Performance Chemicals Asia Pacific da BASF. “Ele fornece estabilidade de processamento sem descolorir o polipropileno durante a compostagem e moldagem por injeção, o que é vital para seringas LDS, já que os materiais precisam ser certificados para alta transparência.”

Como a necessidade de seringas para a vacinação contra COVID-19 deve ter um aumento explosivo, a Lotte Chemical está expandindo o desenvolvimento de materiais especiais de polipropileno para garantir o rígido controle de qualidade na produção de materiais médicos, incluindo PP de alta transparência, e para acomodar as necessidades crescentes relacionadas com a saúde e segurança.

“A Lotte Chemical tem uma posição forte no mercado de PP médico e gostaríamos de liderar e desenvolver esse mercado junto com a BASF”, disse o Dr. Kang Kyung-Bo, chefe do centro de P&D da Lotte Chemical. “Devido ao seu bom desempenho em termos de retenção de cor e transparência, estamos avaliando a possibilidade de expandir o uso do Irgastab para fibras e chapas.”

Seringas de plástico e muitas outras aplicações médicas ajudam a proteger a saúde e a segurança humanas como um pilar fundamental para um futuro sustentável.

Curta nossa página no

Colorfix apresenta aditivos para modificação de propriedades e processamento de resinas PCR

19/07/2021

A indústria de transformação do plástico vem mostrando ao mercado alternativas eficazes para a reciclagem de materiais pós-consumo, conhecidos como PCR. Essas novidades contribuem diretamente para a obtenção de uma cadeia circular sustentável no setor.

Para o consumidor final, essas iniciativas podem ser vistas materializadas em várias aplicações. Alguma delas podem ser encontradas em decks de jardim, bancos de parques e praças, móveis feitos a partir de plástico, entre outros mobiliários que cada vez mais vem caindo no gosto das pessoas e que são fabricados com resíduos recicláveis oriundos das casas dos consumidores. Essa alta no gosto popular também está atrelada à maior durabilidade desses produtos, sua leveza, aparência agradável e custos mais baixos quando comparado a produtos feitos a partir de madeira ou metal.

Contudo, no Brasil, o mercado do plástico ainda é tímido quando o assunto é a “opção por resina PCR”. A preferência por resinas virgens ainda é majoritariamente alta, principalmente pelo fator ‘custo’, pois os produtos PCR são, em sua maioria, mais caros que as resinas virgens.

Apesar de representar uma alternativa positiva do ponto de visto socioambiental, a obtenção, transformação e cadeia logística do PCR é normalmente mais onerosa do que a cadeia para a fabricação de resinas virgens.

Francielo Fardo

Mas esse cenário vem mudando. Na paranaense Colorfix Masterbatches, estudos e testes recentes em dois de seus produtos da linha sustentável Revora comprovam melhorias significativas nas propriedades mecânicas em polímeros que já passaram por processos de transformação, garante a empresa.

O primeiro deles, denominado Revora PCR Impact é um aditivo que melhora as propriedades mecânicas de impacto e tração. “Com a aplicação entre 5% e 8% do aditivo, é possível melhorar o alongamento e a resistência ao impacto em polímeros poliolefínicos (polietileno e polipropileno) pós-consumo”, explica o diretor superintendente Francielo Fardo.

De acordo com Fardo, com a aplicação de 5% do aditivo, o teste revela melhorias de 27% em resistência ao alongamento e de 15% em resistência ao impacto. Se o percentual de aditivo sobe para 8 %, a melhora observada na resistência ao impacto é de 30%.

Efeito do aditivo sobre o empenamento de peça

O outro aditivo da linha Revora (PCR PROHP) é um agente nucleante que proporciona a cristalização dos materiais a temperaturas mais altas e melhora a interação das cadeias do polímero, tornando o resfriamento da peça mais rápido durante o processo de injeção, afirma a Colorifix. “Com isso, o processo do cliente ganha menor tempo de resfriamento, favorecendo ganho de ciclo e reduzindo as marcas de rechupes, rebarbas e empenamentos. O ganho no tempo vai depender do processo específico de cada cliente”, explica Fardo.

“Utilizando de produtos Revora as empresas garantem a aplicação do conceito de sustentabilidade também em sua linha de produção, pois internamente exigimos um controle rigoroso em todo o nosso processo de produção, a começar pelos nossos fornecedores de matérias-primas”, ressalta Francielo Fardo.

Curta nossa página no

Clariant vende negócio de pigmentos para o consórcio Heubach Group / SK Capital Partners

19/06/2021

  • Acordos definitivos assinados por um consórcio do Heubach Group e SK Capital Partners para adquirir o negócio de pigmentos da Clariant
  • Valor da empresa de 805 milhões a 855 milhões de francos suíços
  • A Clariant reinvestirá em uma participação acionária de 20% no negócio combinado
  • Fechamento previsto para primeiro semestre de 2022

A Clariant, empresa de especialidades químicas, anunciou em 14-06-2021 que chegou a acordos definitivos para o desinvestimento de seu negócio de pigmentos para um consórcio formado pelo Heubach Group e SK Capital Partners por um valor (Enterprise Value) correspondente a entre 805 milhões a 855 milhões de francos suíços em dinheiro e livre de dívidas, dependendo de um pagamento de ganho de 50 milhões de francos suíços contingente ao desempenho financeiro de 2021 dos negócios de Pigmentos da Clariant. Isso representa um múltiplo de 10,7 a 11,4 vezes o EBITDA ajustado de 12 meses em abril de 2021 (LTM).

No momento do fechamento da transação, a Clariant reinvestirá para se tornar um acionista com participação de 20% ao lado da Heubach e da SK Capital na holding final. O negócio combinado será um player global de pigmentos com aproximadamente 3.000 funcionários, gerando mais de EUR 900 milhões em vendas anuais e com serviços e capacidades de produção relevantes em todo o mundo. O reinvestimento permitirá que a Clariant se beneficie ainda mais da lucratividade aprimorada do negócio de pigmentos resultante do programa de eficiência iniciado e participe das oportunidades de crescimento futuro, bem como das sinergias da combinação com o negócio de pigmentos da Heubach.

A transação está sujeita às condições habituais de fechamento e aprovações regulatórias e deve ser concluída no primeiro semestre de 2022. A participação na Infraserv Höchst, na Alemanha, atribuível ao negócio de Pigmentos da Clariant não faz parte desta transação.

“Temos o prazer de anunciar o acordo com a Heubach e a SK Capital para a venda de nosso negócio de pigmentos. Essa conquista representa uma etapa final no programa de desinvestimento e reposicionamento de portfólio anunciado em julho de 2018. Estamos confiantes de que, com a Heubach e a SK Capital, encontramos os proprietários certos deste negócio, para nossos clientes, nossos colegas e outras partes interessadas. Agora, nosso foco pode ser totalmente no crescimento da receita e da lucratividade de nossas principais áreas de negócios centrais: produtos químicos para cuidados, catalisadores e recursos naturais ”, disse Conrad Keijzer, CEO da Clariant.

Johann Heubach, CEO do Heubach Group, salientou que “Trabalhamos com pigmentos há mais de 200 anos. Meu falecido pai e eu decidimos impulsionar a consolidação na indústria de pigmentos e a combinação da Heubach e Clariant Pigments é um marco importante nessa visão. O casamento entre os negócios de pigmentos da Clariant e a Heubach é perfeito. A combinação de tecnologias líderes da indústria, um portfólio de produtos atendendo a uma ampla gama de requisitos dos clientes, produção global e uma pegada de serviços dará ao recém-formado Heubach Group a capacidade de atender à nossa base global de clientes nos campos de revestimentos, plásticos, tintas e aplicações especiais com produtos e serviços líderes na indústria. ”

Aaron Davenport, diretor administrativo da SK Capital, comentou: “A Clariant Pigments é uma provedora global de primeira linha em soluções de cores e, junto com nossos novos parceiros, Heubach Group e Clariant, vemos uma tremenda oportunidade de criar valor significativo para todas as partes interessadas.”

Depois de concluída esta transação, a Clariant terá finalizado os desinvestimentos pretendidos como parte da atualização de seu portfólio, tendo anteriormente desinvestido os negócios de Embalagens para Cuidados de Saúde e Masterbatches. O desinvestimento da unidade de negócios de Pigmentos conclui a transformação da Clariant em uma empresa de especialidades químicas de alto valor, com crescimento acima do mercado, maior lucratividade e maior geração de caixa. Os recursos do desinvestimento da unidade de Pigmentos serão usados ​​para investir em projetos de crescimento dentro das principais áreas de negócios, executar a estratégia com sustentabilidade e inovação, financiar os programas de melhoria de desempenho, bem como fortalecer o balanço patrimonial da Clariant e financiar o reinvestimento na nova empresa resultante da junção da Heubach com a Clariant.

O negócio de pigmentos da Clariant é um fornecedor global de pigmentos orgânicos, preparações de pigmentos e corantes que são usados ​​em muitas aplicações, como a indústria automotiva, em revestimentos industriais e arquitetônicos, bem como para a indústria de plásticos. Em 2020, os 1.900 funcionários da unidade geraram aproximadamente 850 ​​milhões de francos suícos.

A Clariant é uma empresa de especialidades químicas com sede em Muttenz, perto de Basiléia / Suíça. Em 31 de dezembro de 2020, a empresa empregava uma força de trabalho total de 13 235 funcionários. No ano financeiro de 2020, a Clariant registrou vendas de 3,860 bilhões de francos suíços para seus negócios contínuos. A empresa atua em três áreas de negócios: Care Chemicals, Catalysis e Natural Resources. A estratégia corporativa da Clariant é baseada em cinco pilares: foco em inovação e P&D, agregar valor com sustentabilidade, reposicionar portfólio, intensificar o crescimento e aumentar a lucratividade.

A Heubach tem mais de 200 anos de experiência na produção de pigmentos como um dos primeiros fabricantes de pigmentos. A Heubach é uma produtora global líder de pigmentos orgânicos, inorgânicos e anticorrosivos, além de preparações de pigmentos. A empresa está sediada em Langelsheim, Alemanha, e possui unidades na Alemanha, EUA e Índia, com escritórios de vendas em todo o mundo.

A SK Capital é uma empresa de investimento privado com foco disciplinado nos setores de materiais especiais, produtos químicos e farmacêuticos. O portfólio de negócios da SK Capital gera receitas de aproximadamente US$ 11 bilhões anualmente, emprega mais de 16.000 pessoas globalmente e opera 150 fábricas em 28 países. A empresa atualmente possui mais de US $ 5 bilhões em ativos sob gestão.

Curta nossa página no

Colorfix oferece masterbatches sustentáveis para os segmentos de higiene, beleza e cosméticos

19/06/2021

Embalagens podem ser desenvolvidas dentro do conceito de Design Circular

Masterbatches com a cor ideal e aditivos que podem corrigir imperfeições de processo e de características de performance mecânica são algumas das soluções que a Colorfix oferece aos segmentos de higiene, beleza e cosméticos

O conceito de Design Circular de produtos para os segmentos de cosméticos, higiene e beleza no Brasil vem ganhando cada vez mais espaço no mercado. O consumidor contemporâneo está cada vez mais atento e exigindo que embalagens e demais componentes que acondicionam produtos consumidos no varejo estejam dentro de um conceito sustentável, ou seja, algo que realmente se faça presente em toda a cadeia de produção das embalagens.

Segundo o diretor superintendente da paranaense Colorfix Masterbatches, Francielo Fardo, empresa que atua há mais de 30 anos no mercado de transformação do plástico, essa tendência tem sido percebida pela companhia, que tem uma fatia de 10% da carteira composta por clientes deste segmento. “Em nossos estudos e pesquisas vemos que o mercado está cada vez mais voltado para um consumo de produtos que sejam amigos do meio ambiente”, avalia.

Conforme o executivo, o giro dos produtos deste segmento de mercado acaba sendo muito rápido, por se tratar de consumo não durável. “Profissionais da área de design também estão atentos a esta demanda, buscando respostas rápidas, criativas e sustentáveis, que acabam por demandar também a indústria da transformação do plástico”, comenta Fardo.

A Colorfix, de olho nesta necessidade, afirma ter desenvolvido soluções que vão ao encontro dos anseios de empresas e profissionais que atuam no segmento cosméticos. Dentro deste conceito destaca-se a linha denominada Revora.

“Essa linha apresenta facilidades para que o conceito de Design Circular seja aplicado na prática. Ou seja, utilizando do conceito Revora, proporcionamos ao mercado soluções que ajudam a criar, por exemplo, embalagens e acessórios criativos, com ressignificados. Um dos mercados mais abertos, promissores e que valorizam esses diferenciais é justamente o de cosméticos”, destaca Fardo.

Para a Colorfix, as modificações dos produtos e processos não ocorrem de uma forma imediata e automática, pois uma série de ajustes precisam ser identificados e revisados para um projeto contemplar conceitos voltados a Economia Circular. “Esta curva de aprendizado e adaptação, por exemplo, precisa ser levada em consideração para entendermos qual é o melhor momento para promovermos as melhores alternativas ao mercado”, considera Fardo.

Segundo a Colorfix, a sua linha Revora possui masterbatches feitos com resinas biodegradáveis, resinas verdes e resinas PCR, aditivos para otimizar o uso de resinas pós-consumo e aditivos que tornam o uso de resinas convencionais mais sustentáveis. Com todas essas soluções já disponíveis ao mercado, a meta da Colorfix é aumentar em 40% a carteira de clientes do segmento cosméticos, higiene e beleza até o final de 2022. A empresa afirma que essas soluções sustentáveis agregarão valor percebido nas embalagens e produtos para esse importante segmento do mercado brasileiro.

Curta nossa página no

Milliken promove webinar para mostrar a tecnologia de corantes às empresas do setor de household

15/06/2021

O objetivo do evento, realizado em parceria com a Univar Solutions, foi apresentar a versatilidade do produto. Os participantes também tiveram a oportunidade de acompanhar, por meio de tour virtual, os testes nos laboratórios das empresas, no dia 16 de junho.

As empresas têm buscado soluções mais eficientes e inovadoras em produtos saneantes como amaciantes, desinfetantes, detergentes e demais linhas voltadas para o uso doméstico e profissional. De acordo com Edgar Curdoglo, gerente de contas da Milliken, a aplicação de corantes vai muito além do apelo visual dos produtos junto aos consumidores.

Já consolidada como uma empresa inovadora no mercado de household, a Milliken tem investido em tecnologias para atender aos clientes desse segmento da indústria. Também é pioneira em prover corantes poliméricos para o setor de saneantes com sua linha Liquitint. “Trata-se de um produto inédito e que traz vários benefícios. Diferentemente do que pode acontecer com um corante tradicional em pó, ele não mancha o tecido, nem o piso ou a máquina de lavar. Nosso objetivo com o webinar foi demonstrar as vantagens da tecnologia de uma forma dinâmica”, afirma Curdoglo.

Para atender ao mercado local com maior agilidade, a Milliken tem parceria exclusiva com a Univar Solutions, responsável pela distribuição dos corantes Liquitint. A empresa oferece também suporte técnico aos clientes. “Fazemos uma venda consultiva de acordo com a necessidade do cliente. Nosso laboratório está equipado para realizar testes e aplicações”, diz Aline Belleza, coordenadora de mercado da Univar Solutions.

Webinar com tour virtual

Com o distanciamento social e os protocolos de saúde, ainda necessários para o controle da pandemia da Covid-19, a Milliken tem buscado outros canais de comunicação com os clientes para levar informações atualizadas sobre seus produtos e serviços. Por isso, a empresa promoveu o webinar gratuito, no dia 16 de junho, num formato diferente do que tem sido apresentado pelo mercado.

“Tivemos uma dinâmica interativa para apresentar o produto Liquitint. Fizemos um tour virtual nos laboratórios da Milliken e da Univar Solutions para que os clientes pudessem ter a experiência mais próxima do real de conhecer a infraestrutura que oferecemos e os testes que são realizados para validação dos corantes”, explica Jaqueline Morais, especialista do laboratório de Tecnologia e Aplicação da Milliken.

Os participantes puderam fazer perguntas pelo chat durante o webinar. As questões que não foram respondidas serão atendidas por email. As inscrições foram feitas pelo link: https://evento.revistahec.com.br/

Curdoglo afirma que o mercado de household é um dos mais importantes para a expansão da Milliken na América Latina. “A Milliken foi pioneira no desenvolvimento de corantes poliméricos para atender clientes desse mercado, que ainda tem muito a ser explorado”.

Além dos corantes para saneantes, a empresa iniciou o desenvolvimento de outros aditivos destinados ao setor de Personal Care. Ainda este ano, a Milliken deve organizar um webinar para apresentar as tecnologias e aplicações para esse segmento da indústria.

A Milliken é uma empresa focalizada na ciência e inovação e vem atendendo aos mercados de produtos químicos especiais, revestimento de pisos e tecidos de desempenho e proteção há mais de 150 anos.

A Univar Solutions, atuante na distribuição de produtos químicos e ingredientes, tem um portfólio dos melhores fabricantes. Com conhecimentos em logística, mercado, assuntos regulatórios e formulações, a empresa afirma estar preparada para oferecer serviços e produtos a uma ampla gama de mercados, indústrias e aplicações.

Curta nossa página no

Chem-Trend apresenta nova linha de agentes desmoldantes

02/06/2021

Nova linha de agentes desmoldantes da Chem-Trend dispensa uso de selador

A Chem-Trend, empresa do Grupo Freudenberg que fornece especialidades químicas de processo, apresenta uma inovação para a indústria de compósitos: a nova geração de agentes desmoldantes da linha Chemlease PMR. Fabricada no Brasil, a solução em agente desmoldante semipermanente se diferencia das demais por eliminar a necessidade de aplicação de selador durante a preparação do molde, afirma a empresa. Como consequência, garante o fabricante, o tempo necessário para este processo é reduzido e a manutenção é simplificada. Segundo a Chem-Trend, testes de laboratório e de campo confirmaram o desempenho superior em comparação com os tradicionais agentes desmoldantes de sacrifício e semipermanentes usados atualmente.

A linha, que atualiza uma versão já conhecida no mercado, é composta por três produtos, oferecendo flexibilidade e uma abordagem intuitiva de escolha para os diferentes níveis de desmoldagem, de acordo com a complexidade de extração. As características dos produtos, segundo a empresa, são:

Chemlease PMR-LS BR – Lubricidade mínima: indicado para peças de menor complexidade. Inibe a pré-desmoldagem e o aparecimento de “olho de peixe” de gel coat, ao mesmo tempo em que permite a adesão temporária de fitas finas.

Chemlease PMR-MS BR – Lubricidade média: escolha padrão para a maior parte de tipos de peças e aplicações, ideal para desmoldar o maior número de peças, sem a necessidade de reaplicação do desmoldante.

Chemlease PMR-HS BR – Lubricidade alta: indicado para peças de difícil desmoldagem, com bordas salientes, ângulos de inclinação baixos e grandes áreas de desgaste.

A fabricante afirma que a dispensa do uso de selador, ponto comum dos agentes desmoldantes da linha, além de reduzir o tempo total de preparação do molde, também torna o processo mais produtivo e eficiente: o menor consumo de material permite a desmoldagem de várias peças sem reaplicação, uma vez que se trata de desmoldantes semipermanentes. Outro aspecto positivo é a retenção de brilho no molde, o que reduz o acúmulo, diminuindo o retrabalho e aumentando a produtividade, assegura a Chem-Trend.

Além disso, os três produtos da linha são compatíveis entre si, o que permite alterar rapidamente o nível de deslizamento no molde simplesmente aplicando um grau diferente do Chemlease PMR. Da mesma forma, podem ser usados no mesmo molde, para ajustar o nível de deslizamento de áreas específicas, conforme necessário. Estas vantagens resultam em simplicidade e flexibilidade na moldagem de peças compostas, garante a Chem-Trend.

“Nossos clientes estão sempre em busca de otimizar seus processos produtivos e é nossa missão manter o portfólio em constante atualização e entregar o que há de mais atual em termos de tecnologia. Com o laboratório e Pesquisa e Desenvolvimento de nossa fábrica em Valinhos (SP), é possível desenvolver soluções aos desafios locais, muito mais direcionadas”, comenta Patrícia Ajeje, VP e Gerente Geral da Chem-Trend Hemisfério Sul. “A nova geração PMR ainda garante alto brilho das peças, pré-requisito de qualidade para a indústria de compósitos”, finaliza.

Curta nossa página no

Lanxess expande gama de pigmentos amarelos resistentes ao calor para polímeros de alto desempenho

27/05/2021

Pigmentos para vários níveis de estabilidade térmica

A Lanxess, empresa de especialidades químicas, expandiu sua gama de pigmentos amarelos da linha Colortherm para plásticos de alto desempenho resistentes ao calor. Dois novos pigmentos inorgânicos amarelos já estão disponíveis como Colortherm Yellow 5 e Colortherm Yellow 26, à base de óxido de ferro e óxido de zinco, respectivamente, e especialmente desenvolvidos para coloração de forma econômica, em uma faixa de temperatura entre 220°C e 260°C. Segundo a empresa, os pigmentos possuem alta resistência de cores e oferecem aos fabricantes e processadores de plásticos um excelente meio termo entre os produtos Colortherm Yellow 20 e Colortherm Yellow 30, que são estáveis em calor até 300°C.

Medições automatizadas garantem a estabilidade térmica dos pigmentos inorgânicos em aplicações plásticas, diz a empresa. Os pigmentos amarelos das marcas Bayferrox e Colortherm da Lanxess são usados para todos os materiais poliméricos comuns e para termoplásticos de engenharia. A Lanxess afirma que os produtos foram especialmente desenvolvidos para permitir um processamento eficiente em todos os sistemas de extrusão, garantindo desempenho de cores mesmo em temperaturas de produção mais elevadas.

Estabilidade térmica como fator de qualidade

Os plásticos agora podem ser usados em aplicações consideradas impossíveis há apenas alguns anos atrás. Polímeros de alto desempenho com especiais propriedades físicas ou químicas estão substituindo cada vez mais metais, vidros e cerâmicas. São utilizados para aplicações especiais em veículos, engenharia eletrônica e de processos, bem como em aplicações médicas. À medida que o uso de plásticos técnicos em aplicações de alta tecnologia se torna mais difundido, o perfil de exigência dos pigmentos usados para a coloração destes materiais também está crescendo. Em particular, a estabilidade dos corantes ao calor está se tornando um fator de qualidade decisivo. No caso de pigmentos orgânicos, altas temperaturas de processamento muitas vezes levam à decomposição acelerada; mas alternativas inorgânicas podem estar sujeitas a variações de cor em temperaturas acima de 180°C.

A Lanxess afirma que a sua gama modular de produtos Colortherm Yellow proporciona uma coloração amarela confiável de polímeros de alta temperatura. Compreende os óxidos de ferro Colortherm Amarelo 5 e Colortherm Amarelo 20, bem como as ferritas de zinco Colortherm Amarelo 26, Colortherm Amarelo 30 e Colortherm Amarelo 3950. A gama abrange não apenas o espectro de cores de tons amarelos claros e saturados, mas também tons de laranja. Formulações plásticas podem, portanto, ser realizadas a temperaturas de processamento de até 300 °C.

Devido ao seu processo de fabricação, a força de cor dos ferritas de zinco Colortherm Yellow 26 e Colortherm Yellow 30 é até 20% maior do que os produtos comparáveis, afirma a Lanxess. Isso significa que é necessário um nível inferior correspondente de adição de pigmento para colorir o plástico.

“A característica especial da nossa linha de produtos Colortherm Yellow é a alta flexibilidade na seleção de pigmentos”, disse Stefano Bartolucci, gerente global de marketing para plásticos na unidade de negócios de Pigmentos Inorgânicos na Lanxess. Dependendo do tipo de plástico, os pigmentos utilizados podem significar que níveis variados de estabilidade térmica são necessários – ou, para dizer com mais precisão, são suficientes. “No caso do polietileno colorido, por exemplo, basta que os pigmentos utilizados apenas não tenham alterações de cor em temperaturas de processamento em torno de 240°C. No entanto, para aplicações que utilizam poliamida, polipropileno e sulfeto de polifenileno, a estabilidade térmica de cerca de 300°C é essencial”, explicou Bartolucci. “Ao expandir nossa linha Colortherm Yellow de pigmentos especiais, oferecemos aos processadores a opção de escolher os pigmentos mais adequados para eles, produtos adaptados para o tipo de plástico a ser colorido de acordo com a estabilidade térmica necessária”, acrescentou.

Contando com um centro de competência técnica para plásticos amplamente equipado, a Lanxess pode fornecer aos clientes assistência técnica abrangente sobre o uso dos pigmentos, afirma a empresa. Seus serviços também incluem a análise da estabilidade térmica em aplicações de plásticos específicas do cliente. “Desde o carregamento de amostras até a análise colorimétrica, todos os módulos necessários podem ser acionados através de processos automatizados. Isso nos permite realizar testes altamente específicos com a maior precisão”, disse Bartolucci.

Curta nossa página no

Milliken mantém laboratório de aplicação ativo durante a pandemia

14/05/2021

O laboratório de Tecnologia e Aplicação da empresa continua atendendo projetos em diferentes setores, mesmo diante dos desafios impostos pela pandemia.

O mercado brasileiro continua sendo relevante para os negócios da Milliken, empresa norte-americana especialista em ciência dos materiais. Durante todo o período da pandemia, a marca está mantendo seu laboratório, sediado na capital paulista, em funcionamento. O local, com mais de 700m², realiza testes de aplicação e performance para atender os mercados de aditivos plásticos, household, poliuretanos, coatings, fertilizantes e sementes.

Rita Siloto, mestre em química e gerente técnica da unidade, lembra que ao longo dos últimos meses, foram necessários ajustes para adaptar as atividades do laboratório, inaugurado em outubro de 2019, à nova realidade do país. “Nosso trabalho sempre foi estar muito próximo aos nossos clientes, pois desenvolvemos soluções customizadas para cada projeto. Mas com o distanciamento social e os protocolos de saúde, tivemos que buscar uma forma de manter esses clientes e fazer novos contatos à distância, através de reuniões on-line”.

Outra mudança colocada em prática pela Milliken é o envio de protótipos para o cliente, independente de onde ele esteja. “Antes desenvolvíamos um produto e recebíamos as pessoas no laboratório para apresentar os resultados. Como isso se tornou impossível, hoje fazemos a entrega ao destinatário”, explica Rita.

A gerente afirma, ainda, que a demanda de clientes do setor de household, mercado tradicional para a Milliken, está sendo maior, em virtude da necessidade de ampliar a linha de produtos de higiene e limpeza. “Como nosso laboratório se manteve aberto e operante em todo o período de pandemia, conseguimos manter os projetos de desenvolvimento e testes, fazendo com que os clientes das empresas que estão com seus laboratórios fechados viessem até nós”.

Como as atividades em alguns setores, a exemplo do administrativo, podem ser realizadas de forma remota, a Milliken aproveitou o momento para fazer algumas reformas, tornando o espaço do laboratório mais amistoso para receber os clientes. “Investimos também na identidade visual que passou a ter o padrão da Milliken em todo o mundo”, conta Rita.

Além da parte física, a companhia ampliou seu quadro funcional com novas contratações. E também investiu no transporte particular dos funcionários que precisam se locomover até o laboratório. “Nós estabelecemos um protocolo rígido para que nossos colaboradores não corram risco de contaminação e possam trabalhar com segurança”.

O setor de household do laboratório desenvolve corantes específicos para as necessidades das empresas que produzem desinfetantes, amaciantes, detergentes em pó e líquido entre outros diversos produtos de limpeza, e ainda uma tecnologia capaz de recuperar a brancura do tecido. Também realiza testes para empresas que atuam neste segmento. A unidade ainda tem uma sala para testes de lavagem, onde são avaliados o branqueamento, manchamento, entre outros testes de envelhecimento, com o objetivo de entender os benefícios dos produtos da marca em diversos tipos de tecido.

Especialista em ciência dos materiais, com mais de 150 anos de história, a Milliken & Company conta com oito mil colaboradores, distribuídos por 46 localidades, desenvolvendo e comercializando soluções nos setores de têxteis, pisos, química e saúde.

Curta nossa página no

Lanxess anuncia novas dispersões à base de água para sistemas de poliuretanos

14/05/2021

A empresa de produtos químicos especializados Lanxess expande sua linha Trixene Aqua, dispersões de isocianato bloqueados à base de água. A linha de produtos agora inclui novas opções especificamente projetadas para expandir as áreas de aplicação e atender necessidades dos clientes.

Segundo a Lanxess, o Trixene Aqua BI 120 expande o desempenho como promotor de adesão do Aqua BI 220, permitindo que os formuladores o usem em uma ampla gama de pH e ampliando a facilidade de processamento. Isso é benéfico no processamento têxtil onde os produtos podem ser usados, por exemplo, para resinas hidrofóbicas aplicadas no tratamento à prova de água, para tecidos respiráveis e para impressão de tela de seda para melhorar a resistência das impressões aos ciclos de lavagem, afirma a empresa.

Como um produto não-iônico, o Trixene Aqua BI 522 foi projetado para alcançar um revestimento mais duro, com resistência química superior e boas características de secagem, garante a Lanxess. É aplicado em superfícies metálicas e de vidro. De acordo com a empresa, os vidros, por exemplo, recebem excelente durabilidade por este agente de revestimento.

O Trixene Aqua BI 202 nasce pelo foco da Lanxess em tecnologias de dimensionamento de fibras, enquanto o formulador pode se beneficiar de sua combinação com dispersões de poliuretano da linha Witcobond. Segundo a Lanxess, o uso do Aqua BI 202 pode melhorar a resistência dos fios de vidro (foto) picados e prover aos compósitos propriedades mecânicas e flexíveis mais altas, bem como melhorar a resistência ao impacto. As fibras de vidro são utilizadas para a formulação de plásticos de engenharia de alto desempenho, como por exemplo, compósitos à base de poliamida e PBT. Esses plásticos reforçados com fibra de vidro são indispensáveis nas indústrias automotiva e de engenharia civil, entre outros.

Reticulação em sistemas aquosos

Segundo a fabricante, os produtos Trixene Aqua são excelentes reticuladores e promotores de adesão para sistemas de revestimentos aquosos. Eles aumentam a resistência química e mecânica de revestimentos e formulações de dimensionamento para permitir um desempenho e durabilidade muito melhores na aplicação final, garante a empresa. Devido ao grupo isocianato bloqueado, eles são mais estáveis e podem ser facilmente formulados em sistemas 1-K e 2-K, juntamente com uma variedade de resinas aquosas complementares, por exemplo, acrílicas hidroxi-funcionais, poliésteres e uretanos.

Sistemas de um componente com base no Trixene Aqua BI

Os estudos recentes da Lanxess revelam princípios de formulação, seleção preliminar de componentes apropriados, proporção e condições de cura. Os critérios de seleção baseiam-se em uma avaliação preliminar das propriedades dos revestimentos e ajudam o formulador a iniciar o trabalho com os reticuladores Trixene Aqua BI.

Curta nossa página no

Milliken apresenta aditivo que aumenta a barreira ao vapor de água em embalagens flexíveis de polietileno durante a 11ª Conferência Internacional de Embalagens Flexíveis

16/04/2021

Os recentes trabalhos de P&D e inovação realizados pela indústria no Brasil e no exterior para o setor de embalagem foram apresentados na 11ª Conferência Internacional de Embalagens Flexíveis. A Milliken esteve entre as empresas convidadas do evento online, organizado pelo Centro de Tecnologia de Embalagem (Cetea), em parceria com a Divisão de Extrusão e Embalagens Flexíveis (IFPED) da TAPPI. O evento aconteceu entre os dias 12 e 15 de abril.

De acordo com Márcio Biaso, Gerente Senior da Milliken, as aplicações do aditivo UltraGuard Natural  têm demonstrado resultados bastante positivos no aumento e melhorias de barreira à umidade em embalagens flexíveis de polietileno. “Os ganhos são substanciais, variando de 20% a 60%, a depender da resina e da estrutura aplicadas nas embalagens. Isso sem prejuízo de desempenho”, afirma.

Biaso fez palestra técnica durante o evento a respeito do aditivo. Segundo a Milliken, o produto possui, dentre outros atributos, a vantagem de otimizar as estruturas e substituição de materiais, contribuindo para o desenvolvimento de embalagens mais sustentáveis e com redução nos custos operacionais. Em outra apresentação na Conferência, o executivo trouxe aos participantes da conferência a visão global da Milliken sobre o desenvolvimento de produtos para toda a cadeia produtiva da indústria de embalagem, em diversos segmentos do mercado.

Especialista em ciência dos materiais, com mais de 150 anos de história, a Milliken & Company atua nos setores de têxteis, pisos, química e saúde, possuindo oito mil colaboradores, distribuídos por 46 localidades.

Curta nossa página no

Milliken anuncia a aquisição da Zebra-chem

21/03/2021

Investimento em masterbatches de peróxido acelera o crescimento na reciclagem de plásticos

A Milliken & Company adquiriu formalmente a Zebra-chem GmbH, uma empresa química global conhecida por seus masterbatches de peróxido e agente de expansão. Com um número crescente de marcas e países definindo metas para aumentar o uso de materiais reciclados, os fabricantes de plásticos enfrentam os desafios de utilizar plásticos reciclados de maneira eficaz. Masterbatches de peróxido, como os da Zebra-chem e da Milliken, tornam possível incorporar até 100% de conteúdo reciclado nesses novos plásticos, afirma a empresa.

“O foco de longo prazo da Milliken em inovação e sustentabilidade nos estimula a pensar em como contribuir para alguns dos principais desafios da atualidade, como a forma eficaz de incorporar plásticos reciclados na fabricação”, afirma Halsey Cook, presidente e CEO da Milliken & Company.

Sediada em Bad Bentheim, Alemanha, a Zebra-chem possui um amplo portfólio de agentes de expansão e masterbatches de peróxido para aplicação na maioria dos termoplásticos e plásticos de engenharia.

“A posição de liderança da Zebra-chem na Europa permite à Milliken alavancar suas plataformas de inovação equivalentes, a presença global e a experiência comercial para acelerar as soluções de mercado que melhoram e ampliam a fabricação com plásticos reciclados”, comenta Wim Van de Velde, vice-presidente da Divisão Química da Milliken para Europa, Oriente Médio e África. “Nossas habilidades combinadas facilitarão o desenvolvimento de soluções mais rápidas e personalizadas que atinjam as metas de sustentabilidade dos nossos clientes.”

Combinar os pontos fortes da Milliken e da Zebra-chem abre um novo potencial para expandir soluções que aceleram e melhoram a reciclagem de plástico. Segundo a Milliken, os clientes se beneficiarão de recursos aprimorados de pesquisa e desenvolvimento, conhecimento compartilhado e um portfólio de produtos ampliado de fabricantes líderes.

À medida que a Zebra-chem se integra à Milliken, suas operações diárias continuarão sem interrupção, incluindo relacionamentos com fornecedores e clientes existentes. O escritório Jones Day representou a Milliken na transação, com a BDO atuando como consultora financeira da empresa.

Especialista em ciência dos materiais, com mais de 150 anos de história, a Milliken & Company conta com oito mil colaboradores, distribuídos por 46 localidades, promovendo soluções inovadoras nos setores de têxteis, pisos, química e saúde.

A Zebra-chem é uma empresa de compostos especiais que produz aditivos e masterbatches agentes de expansão para PVC, poliolefinas e termoplásticos de engenharia – possibilitados pela produção de microgrânulos extremamente pequenos. Como resultado, os produtos da empresa têm propriedades de fluxo e dispersibilidade muito boas, e seu programa de entrega inclui produtos padrão, bem como desenvolvimentos específicos para a maioria dos termoplásticos e elastômeros termoplásticos. Os produtos típicos são masterbatches de peróxido orgânico, masterbatches de dissulfeto de molibdênio e masterbatches agentes de expansão.

Curta nossa página no

Dia Mundial da Reciclagem – Dow impulsiona projetos para que 1 milhão de toneladas de plástico sejam coletadas, reutilizadas ou recicladas até 2030

21/03/2021

Junto com a cadeia de valor, a Dow está desenvolvendo soluções para que a indústria produza embalagens com menos quantidade de plásticos em suas estruturas e que essas estruturas sejam recicláveis, além do lançamento de sua primeira resina PCR (plástico pós-consumo).

Durante a pandemia da COVID-19, o papel do plástico ganhou evidência tanto em embalagens como em produtos de segurança e de saúde. Segundo dados da Abrelpe (Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública), o volume de plástico descartado no Brasil, em 2020, aumentou: foram 13,3 milhões de toneladas – 15% a mais que no ano anterior.

No Dia Mundial da Reciclagem, a Dow enfatizou a importância da colaboração entre empresas, governos, instituições, academia e públicos de interesse para abordar questões relacionadas à gestão de resíduos e ao mercado de reciclagem. Por meio de projetos, parcerias e campanhas, a companhia tem impulsionado frentes de ação para que 1 milhão de toneladas de plástico sejam coletadas, reutilizadas ou recicladas até 2030. O objetivo faz parte do conjunto de Metas de Sustentabilidade da Dow para as próximas décadas. “Queremos agregar valor a esses materiais e diminuir o descarte e o desperdício com ganhos e benefícios sociais, econômicos e ambientais”, enfatiza Tamires Silvestre, Gerente de Sustentabilidade da Dow.

Soluções para indústria da embalagem

Embora as estruturas monomateriais sejam uma tendência no mercado de embalagens, muitas aplicações precisam apresentar diferentes propriedades e necessitam de diferentes tipos de plásticos ou outros materiais para alcançá-las. Para promover e facilitar a reciclabilidade dessas embalagens, a Dow afirma ter desenvolvido um forte portfólio de compatibilizantes que permitem a reciclagem de diferentes materiais combinados em uma mesma estrutura, melhorando a aparência e a processabilidade de filmes reciclados. São exemplos desses materiais: o Retain, um modificador de polímero adicionado no desenvolvimento de embalagens flexíveis multimateriais que antes não podiam ser recicladas e que agora, segundo a Dow, podem entrar em cadeias tradicionais de reciclagem de PE sem prejudicar as características do produto final.

Para alcançar a meta proposta até 2030 e fomentar a circularidade do plástico, a Dow lançou sua primeira resina PCR (pós-consumo reciclado) no Brasil, em parceria com a Boomera LAR, abrindo caminho para o desenvolvimento de soluções recicláveis completas e de alta qualidade para a indústria e o mercado consumidor. Outras parcerias estão em andamento em toda a América Latina para avançar em novos produtos dessa família. “Trabalhamos com o objetivo de reinserir o plástico e outros materiais na cadeia produtiva para fechar o ciclo e promover a nova economia circular, mais inclusiva e sustentável”, explica a executiva da Dow.

Reciclagem – do design à gestão de resíduos

Segundo dados da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), embora o Brasil tenha registrado um aumento de 25 a 30% na coleta de materiais recicláveis durante a pandemia, grande parte desse volume coletado passou a ser encaminhado aos aterros por conta da diminuição da atuação das cooperativas em diversas cidades. O cenário de pandemia colabora para acentuar questões relacionadas à gestão de resíduos não só no Brasil, mas em toda a América Latina. Na região, um terço de todos os resíduos urbanos gerados ainda acaba em aterros sanitários ou no meio ambiente e apenas 10% de tudo o que é coletado é reaproveitado por meio da reciclagem ou de outras técnicas de recuperação de materiais, segundo dados da Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).

Outra frente de atuação da Dow são os programas de reciclagem inclusiva desenvolvidos e apoiados pela companhia. O “Reciclagem que Transforma”, projeto piloto desenvolvido em São Paulo, possui planos de expansão para os próximos anos. O apoio à plataforma Latitud R, que coordena projetos de alto impacto econômico relacionados à reciclagem inclusiva e à economia circular na América Latina, é outra importante frente de atuação. Segundo estimativas do Banco Mundial, o mercado de reciclagem proporciona renda para mais de 4 milhões de pessoas e favorece o desenvolvimento sustentável na região.” Com esse apoio, ao lado de outras empresas e instituições, colaboramos de maneira conjunta com nossos projetos e ações em iniciativas que promovem a transição rumo a um novo modelo de economia inclusiva e circular, onde os resíduos se traduzam em valor com ganhos econômicos e sociais para todos”, finaliza Tamires Silvestre.

A Dow possui um portfólio de plásticos, intermediários industriais, revestimentos e silicones com uma grande variedade de produtos e soluções oferecidos a clientes em segmentos de mercado de alto crescimento, como embalagens, infraestrutura, mobilidade e cuidados do consumidor. A Dow opera 106 unidades fabris em 31 países e emprega cerca de 35.700 pessoas. Em 2020, gerou aproximadamente US$ 39 bilhões em vendas.

Curta nossa página no