Archive for the ‘Plásticos’ Category

Novo transportador da Stadler integra recursos e aumenta velocidade na classificação por sensores óticos

28/06/2022

O novo transportador Stadler PX (foto) integra os melhores recursos dos transportadores BB e DB para classificação de sensores óticos

Segundo a Stadler, o seu novo transportador de aceleração

atende à demanda por maior taxa de transferência na classificação automática baseada no sensor, que pode operar em velocidades de trabalho mais altas. Para alcançar o resultado desejado, a Stadler integrou os melhores recursos de seus transportadores BB e DB e aproveitou a oportunidade para introduzir uma série de melhorias. A empresa afirma que elas incluem um novo estabilizador de ar, que garante qualidade consistente de classificação em velocidades mais rápidas com materiais leves, resultando em excelente pureza da saída.

“Na Stadler, estamos sempre muito alertas sobre como as necessidades de nossos clientes evoluem. Estamos constantemente procurando maneiras de abordar essas mudanças, melhorando nossos produtos ou desenvolvendo novos”, explica Corinna König, gerenciamento de produtos de líderes de equipe. “Descobrimos que estávamos cada vez mais combinando nossos transportadores BB e DB nos projetos dos clientes para alcançar o resultado desejado, por isso desenvolvemos o PX, que combina os melhores recursos de cada um deles em um único transportador. Isso significa que nossos clientes agora têm apenas uma máquina para operar e manter, simplificando sua operação e reduzindo seus custos. E fomos além, porque aumentamos significativamente a velocidade da correia, mesmo com materiais leves, para que eles possam aumentar sua taxa de transferência com apenas uma máquina – e eles podem contar com níveis de pureza consistentemente alta.”

A empresa italiana Irigom SRL instalou 6 transportadores de PX em sua planta SSF (Secundário Solid Fuel), projetada para separar e recuperar todo o material valioso dos resíduos plásticos que recebem. O PET recuperado, PE-LD e PP são enviados para uma instalação de reciclagem, enquanto o resíduo é usado para produzir SSF de alta qualidade. Os transportadores operam há 3 meses, classificando materiais PET, PE-LD e PP para recuperação, metais e PVC, que são removidos do processo. Stefano Montanaro, CEO da Irigom, diz estar impressionado com os resultados: “O PX está funcionando muito bem. A velocidade rápida de até 4,5 m/s está nos permitindo aumentar significativamente a entrada total do material, mantendo um material de alta qualidade na saída.”

Alta taxa de transferência com excelente pureza de frações de saída

A Stadler afirma que o novo transportador PX incorpora quadros de construção sólidos e a longa vida útil de seus antecessores, os modelos BB e DB. Segundo a empresa, o transportador PX possui um espaço para instalar um sensor sob a correia e é facilmente compatível com sensores NIR e EM de vários fabricantes. Oferece uma velocidade de correia variando de 3,2 m/s a 4,5 m/s e pode ser especificada com dois motores para garantir o torque necessário na velocidade necessária. O tambor da cabeça está disponível na opção de dois diâmetros: 125 mm e 220 mm para o melhor descolamento do material.

O material no transportador é acelerado e endireitado, para que os sensores ajustados no espaço sejam capazes de detectar com precisão o material do transportador em todas as velocidades, assegura a Stadler. Um estabilizador opcional melhora ainda mais o desempenho, otimizando o posicionamento do material na correia com um fluxo de ar, afirma a empresa. O resultado é uma taxa de transferência mais alta, com qualidade de classificação consistentemente alta e níveis de pureza mais altos da fração soprada mesmo na velocidade máxima com materiais leves, como papel ou filme, garante a fabricante alemã.

Dimensões compactas para fácil transporte

O PX se beneficia de um tamanho compacto e foi projetado para facilitar o transporte. A estrutura, com a correia já montada, pode ser separada em três ou quatro seções, dependendo do comprimento do transportador. Eles podem ser empilhados para transporte e são simples de remontar no local. Mesmo o modelo com a correia mais larga de 2900 mm pode ser carregado em caminhões ou recipientes padrão, também reduzindo os custos de transporte.

Fundada em 1791, a Stadler dedica-se ao planejamento, produção e montagem de sistemas e componentes de triagem para a indústria de tratamento e reciclagem de resíduos sólidos em todo o mundo. Sua equipe de mais de 450 funcionários qualificados oferece um serviço completo personalizado, do projeto conceitual ao planejamento, produção, modernização, otimização, montagem, comissionamento, reformas, desmontagem, manutenção e assistência técnica de componentes para completar os sistemas de reciclagem e classificação. Sua linha de produtos inclui separadores balísticos, correias transportadoras, peneiras giratórias e removedores de rótulos.

Curta nossa página no

K 2022: Indústria européia de plásticos se prepara para maior instabilidade, preços mais altos e menor crescimento

13/06/2022

A indústria européia de plásticos está enfrentando desafios em várias frentes. No setor de embalagens, de longe seu maior mercado, tornou-se vítima de seu próprio sucesso, particularmente como o material ideal para aplicações de uso único e pessoas em movimento. Na construção civil, alguns projetos de infraestrutura podem ser suspensos, à medida que os governos desviam alguns fundos de projetos do setor de infraestrutura para a defesa, embora os negócios estejam sendo impulsionados à proporção que os consumidores obtêm ajuda para melhorar a eficiência energética em suas casas. No setor automotivo, os fornecedores de componentes estão sofrendo porque as montadoras estão cortando a produção – não como reação à demanda reduzida, mas porque não conseguem obter os chips de que precisam para seus eletrônicos.

Desde o início de 2019, a COVID-19 vem tendo grandes efeitos na produção, ocasionalmente positivos, mas principalmente negativos. E agora, justamente quando a Europa e o resto do mundo estavam se recuperando dos devastadores dois anos da pandemia, surgiu o conflito na Ucrânia.

Discutindo a situação no final de março, Martin Wiesweg, Diretor Executivo de Polímeros para a Europa, Oriente Médio e África (EMEA) da consultora IHS Markit, disse que, além de causar um desastre humanitário, a crise está tendo um grande peso no negócio de plásticos, em termos de inflação de custos, piora em gargalos da cadeia de suprimento, incluindo o fornecimento de energia, ao mesmo tempo em que aumenta o espectro de choque de demanda em meio ao medo da estagflação global.

A inflação em toda a União Européia atingiu uma alta histórica de 7,5% em março. A S&P Global Economics disse em 30 de março que espera que o crescimento da zona do euro seja de 3,3% este ano, em comparação com os 4,4% de uma previsão anterior, e que a inflação atinja 5% este ano e fique acima de 2% em 2023.

“No passado, os altos preços do petróleo bruto pesavam negativamente na demanda de plástico na Europa (veja o gráfico)”, diz Wiesweg. Os preços subindo ainda mais podem fazer com que a renda disponível do consumidor caia, impactando as vendas no varejo. Setores impulsionados pela renda discricionária do consumidor, como linha branca, produtos de consumo e automotivo, se sairiam mal à medida que os compradores tentassem economizar dinheiro. “No curto a médio prazo, a Europa poderia ver uma contração da demanda em polímeros.”

Garrafas de plástico, copos, sacos para reciclagem: O que antes era considerado lixo agora é uma matéria-prima útil. (Foto, SABIC)

Processamento de plásticos está a caminho da economia circular

A Alemanha continua a ser a usina de energia da indústria européia de plásticos, com seus múltiplos pontos fortes em materiais, equipamentos e capacidade de processamento. Mas alguns setores estão sofrendo do mesmo jeito. De acordo com a GKV, organização alemã da indústria de processamento de plásticos, as vendas da indústria aumentaram 12,6%, para € 69,4 bilhões em 2021, mas as empresas associadas continuam sob muita pressão para produzir bons resultados. Ele cita “explosões de custos exorbitantes” para matérias-primas e energia, bem como os muitos atrasos nas entregas e suspensões de pedidos resultantes, principalmente em suprimentos automotivos.

O setor automotivo tem apresentado um conjunto único de problemas. Vários fabricantes de automóveis europeus interromperam temporariamente a produção nos últimos meses, com relevantes efeitos negativos na cadeia de suprimentos, incluindo o fechamento permanente de alguns processadores. Os emplacamentos de carros de passageiros caíram 2,4% em 2021, para pouco menos de 10 milhões de unidades nos 27 países da UE, de acordo com a Associação Européia de Fabricantes de Automóveis, ACEA. Jincy Varghese, analista de demanda da ICIS, prevê que a produção automotiva da UE cresça 17% em 2022, embora ainda vá ficar 26% menor em relação aos níveis de 2019. Uma recuperação saudável só é provável no segundo semestre, disse ela em fevereiro.

As perspectivas econômicas gerais para 2022 permanecem muito variadas, disse o presidente da GKV, Roland Roth, na conferência anual de resultados da associação no início de março. Cerca de metade dos membros da associação esperava crescimento de vendas quando questionados ​​no período que antecedeu a conferência, mas cerca de 25% dos associados esperavam novas quedas. Vários estavam pensando em realocar ou encerrar a produção.

Roth pediu uma redução nas sobretaxas do governo sobre os preços da energia. Quanto aos preços dos materiais, ele disse que os aumentos recentes foram “quase insanos”. Em média, os preços dos plásticos na Europa aumentaram mais de 50% no primeiro semestre de 2021 em relação ao ano anterior e permaneceram altos. Em fevereiro de 2021, por exemplo, o PET virgem foi vendido por cerca de € 1/kg. Em março deste ano, o preço rondava os 1,7€/k. O PE linear de baixa densidade passou de cerca de € 1,2/kg para cerca de € 1,9 no mesmo período.

Mas o presidente da GKV permanece otimista: “Em 2022, a indústria de processamento de plásticos continuará a tirar o melhor proveito dos materiais poliméricos e concluir com sucesso as tarefas à frente”, disse ele.

Os alarmes estão disparando a respeito dos preços da energia na Unionplast, que representa as empresas italianas de processamento de plásticos. “A crise nos preços da energia está afetando seriamente um setor que tem mais de 5.000 empresas e mais de 100.000 funcionários”, diz Marco Bergaglio, presidente da associação.

“O aumento descontrolado dos custos de energia e a crescente dificuldade de encontrar matérias-primas é uma mistura mortal para o nosso setor e cria o risco real de não conseguirmos atender às demandas de nossos clientes. Esta situação tem consequências inevitáveis ​​também nos preços de nossos produtos.”

Fabricantes de máquinas europeus em boa forma

A fotografia é melhor com os fornecedores europeus de equipamentos plásticos. Thorsten Kühmann, secretário-geral da EUROMAP, Associação Européia de fabricantes de máquinas de plástico e borracha, disse em março que as carteiras de pedidos das empresas associadas estavam “cheias até a borda. O ano em curso será, portanto, mais um ano muito bom. Esperamos que as vendas aumentem de 5 a 10%.” No entanto, aqui também o aumento dos preços e, agora, a guerra na Ucrânia estão aumentando a incerteza.

Dario Previero é presidente da Amaplast, a associação de produtores italianos de máquinas e moldes para plásticos e borracha. No final do ano passado, ele disse: “Segundo nossas estimativas, no final de 2021 a produção deve estar bem próxima dos níveis pré-pandemia, com alta de 11,5% em relação a 2020. A clara recuperação registrada em 2021 nos dá boas razões para esperar um desempenho além dos níveis pré-crise em 2022.”

Ulrich Reifenhäuser, CSO do Reifenhäuser Group e também presidente do conselho consultivo de expositores da K, diz que a empresa tem uma carteira de pedidos “extraordinariamente positiva” para o ano atual. “Um fator importante aqui foi a demanda extremamente alta por nossas linhas de não-tecidos melt-blown, que tiveram uma contribuição decisiva em todo o mundo para que se pudesse produzir máscaras de proteção médica suficientes para combater a pandemia – especialmente na Europa, com capacidades de produção local”.

Relembrando o ano financeiro que acaba de se encerrar na Engel, a especialista em tecnologia de moldagem por injeção, o CEO Stefan Engleder disse em meados de março: “Estamos fechando um ano com grandes desafios, mas também grandes oportunidades. Fecharemos o ano comercial 2021/2022 com um aumento significativo em relação ao ano anterior. Os gargalos de materiais são atualmente um dos grandes desafios. Até agora, na medida do possível, conseguimos evitar atrasos na entrega.”

Gerd Liebig, CEO de outra grande empresa de tecnologia de injeção, Sumitomo (SHI) Demag, diz que, no geral, os números de consumo são bons. “No entanto, a situação do coronavírus claramente teve um impacto na demanda. Mas estamos prevendo uma rápida recuperação devido à nossa forte estratégia de negócios.” As vendas de máquinas estão a caminho de superar os níveis pré-pandemia também nessa empresa.

“A demanda continua a aumentar para modelos totalmente elétricos, e prevemos que essa proporção continuará aumentando”, diz Liebig. “Estamos prevendo novos aumentos em 2022 nos setores automotivo e de consumo. Há uma década, 20% de nossas máquinas eram totalmente elétricas; agora são mais de 80%.”

Alguns fabricantes de automóveis não podem fabricar carros porque não conseguem obter chips para eletrônicos. Isso teve um efeito indireto na cadeia de suprimento, colocando alguns fornecedores de componentes plásticos em dificuldades. (Foto, Getty Images)

Desafios da embalagem

Os preços altos e crescentes das resinas em todo o mundo significam que o mercado de embalagens está sob pressão contínua, diz Liebig. “Dado que o material reciclado está agora com o mesmo preço do polímero virgem há 12 meses, o impulso para pesos menores agora se estende a todos os substratos de materiais de embalagem, não apenas aos polímeros virgens. Continuamos focalizados na redução do uso de material ao melhorar o processo e permitir que nossos clientes produzam peças com paredes cada vez mais finas.”

A mudança para tampas amarradas (obrigatória a partir de 2024 sob a Diretiva de Plásticos de Uso Único, ou SUPD) e extensões da Responsabilidade Estendida do Produtor (a partir de 2023) inevitavelmente terão uma forte influência, assim como a nova Taxa de Embalagens da UE sobre resíduos de embalagens não recicladas, diz Liebig. (Desde 1º de janeiro de 2021, a UE cobra dos Estados membros € 0,80/kg de resíduos de embalagens plásticas que não são reciclados. Os Estados são livres para escolher como financiar a taxa.)

A indústria europeia de plásticos está, de fato, tendo de lidar com vários atos legislativos relativos aos resíduos de plástico. Por exemplo, agora existe uma obrigatoriedade de que 55% de todas as embalagens plásticas na UE sejam recicláveis ​​até 2030, assim como a taxa sobre resíduos de embalagens plásticas não recicladas. Alguns países também estão introduzindo legislação local (Espanha e França, por exemplo), tornando o mercado não tão nivelado quanto deveria ser.

A indústria já está tendo que enfrentar algumas consequências do SUPD, já que alguns dos seus elementos entraram em vigor em 3 de julho de 2021 na maioria dos países da UE – embora a implementação da legislação não tenha sido totalmente tranquila. Na Itália, por exemplo, ela só se tornou lei em janeiro, com atraso na implementação final; também é mais flexível em suas definições de produtos plásticos do que Bruxelas pretendia originalmente, e enquanto a Diretiva SUP não isenta certos plásticos biodegradáveis, a legislação italiana o faz.

Sobre o tema dos bioplásticos, a associação comercial European Bioplastics diz: “Infelizmente, na Europa, os bioplásticos ainda não obtêm o mesmo grau de apoio que outras indústrias inovadoras recebem dos tomadores de decisões políticas da UE. A Comissão da UE às vezes tem posições contraditórias sobre bioplásticos. As posições dos Estados-Membros sobre os bioplásticos também variam muito, o ambiente regulatório não é harmonizado. Isso desencoraja o investimento em P&D e em capacidades de produção”, diz.

Apesar destes desafios, os avanços nos bioplásticos na Europa é “muito positivo. As capacidades de produção global ainda representam menos de 1% dos mais de 367 milhões de toneladas de todos os plásticos, mas até 2026, a produção de bioplásticos ultrapassará a marca de 2% pela primeira vez.” As capacidades de produção de bioplásticos na Europa estavam perto de 600.000 toneladas em 2021 e podem aumentar para cerca de 1.000.000 toneladas nos próximos cinco anos.

No Reino Unido, agora fora da UE, um novo imposto sobre embalagens plásticas entrou em vigor em 1º de abril deste ano. O imposto será aplicado a componentes de embalagens plásticas que não contenham pelo menos 30% de plástico reciclado e que sejam fabricados no Reino Unido ou importados para o Reino Unido (mais uma vez, há isenções). O imposto será cobrado a uma taxa de £ 200/tonelada (aprox. € 235/tonelada).

Na British Plastics Federation, o diretor-geral Philip Law está determinado a ver o lado positivo. “O Imposto sobre Embalagens Plásticas poderia ser uma plataforma para inovação e ajudar a reduzir o calor do debate público”, diz ele.

A LyondellBasell está desenvolvendo sua própria tecnologia de reciclagem química, MoReTec, em uma planta piloto em Ferrara, Itália. Vários outros fornecedores de polímeros na Europa estão seguindo o exemplo. (Foto, LyondellBasell)

Reciclagem em alta

“Nova legislação e metas para a reciclagem de plásticos, assim como o uso de reciclados, estão mudando a forma como toda a indústria de plásticos deve operar”, diz Elizabeth Carroll, Consultora de Reciclagem e Sustentabilidade da AMI Consulting em Bristol, Reino Unido, que tem um novo relatório sobre a reciclagem mecânica na Europa. “A indústria de reciclagem mecânica de plásticos, portanto, tornou-se o ponto focal de investimentos, aquisições e expansão”, diz ela.

A produção de reciclados de plásticos na Europa foi de 8,2 milhões de toneladas em 2021 e deve crescer a uma taxa de 5,6%/ano até 2030. Isso se compara aos 35,6 milhões de toneladas de plásticos commodities que entraram no fluxo de resíduos em 2021. “Isso implica que a Europa alcançou uma taxa geral de reciclagem de plásticos de 23,1%”, diz Carroll. Esse número provavelmente aumentará à medida que a indústria de plásticos fizer grandes investimentos em tecnologias de reciclagem de diversos tipos.

A perspectiva de como converter plásticos reciclados em produtos de alto valor está ficando mais promissora. Diz Engleder, da Engel: “Graças à rede horizontal ao longo da cadeia de valor, não teremos mais que fazer downcycle de materiais no futuro, mas podemos realmente reciclá-los ou até mesmo fazer upcycle. Se nós trocarmos informações e dados entre as empresas, teremos capacidade para reciclar resíduos plásticos e produzir produtos plásticos de alta qualidade a partir deles novamente. A transformação digital é o pré-requisito para avançar rapidamente nas questões de sustentabilidade.”

Na Sumitomo (SHI) Demag, o CEO Liebig concorda que o processamento de recicláveis ​​em si não é um desafio tecnológico intransponível. “O maior desafio é alcançar um desempenho comparável das peças e estabilizar as propriedades não uniformes do material através de um monitoramento inteligente do processo”, diz ele. “Há muitos projetos promissores em andamento, embora o desempenho da reciclagem ainda dependa da pureza.”

Michael Ruf, CEO da KraussMaffei, que possui tecnologias de injeção e extrusão, diz: “A Economia Circular não é apenas um imperativo ecológico, mas também econômico. É, portanto, um pilar de sustentação da estratégia de produto da KraussMaffei. Os clientes já reciclaram mais de um milhão de toneladas de plásticos com nossos sistemas.”

E na empresa de equipamentos de fabricação de compostos Coperion, Marina Matta, líder da equipe de Tecnologia de Processos de Plásticos de Engenharia, diz: “Estamos observando muitos desenvolvimentos inovadores que melhoram significativamente a qualidade da triagem e lavagem de resíduos. O processo de pirólise também foi significativamente aprimorado recentemente, de modo que esse processo de reciclagem possa ser realizado de maneira muito mais eficiente em termos energéticos.”

Fornecedores de polímeros investindo no “verde”

Os produtores europeus de polímeros estão fazendo grandes esforços para melhorar a sustentabilidade de seus produtos. Na LyondellBasell, fabricante líder em poliolefinas e compostos, Richard Roudeix, vice-presidente sênior de olefinas e poliolefinas na Europa, Oriente Médio, África e Índia, diz: “Tornar-se neutro em carbono até 2050 requer que a indústria atravesse uma transformação profunda em um período de tempo relativamente curto, especialmente se for considerado que algumas tecnologias para descarbonizar completamente nossos processos ainda estão em fase inicial de desenvolvimento. Atualmente, os altos custos de energia estão comprimindo os lucros da indústria no exato momento em que a indústria precisa de recursos adicionais para fazer investimentos em descarbonização.”

Os fornecedores de polímeros não estão totalmente de acordo com os formuladores de políticas européias sobre como migrar para uma economia verde, mas as opiniões estão em processo de convergência. “A LyondellBasell acredita que políticas governamentais alternativas e medidas voluntárias são mais eficazes do que depender exclusivamente de impostos nacionais para atingir metas ambientais”, diz Roudeix. Ele sugere que uma taxa baseada na reciclabilidade de um produto poderia ser usada para financiar melhorias na infraestrutura e nos programas de reciclagem de plásticos.

A LyondellBasell tem como alvo produzir e comercializar anualmente dois milhões de toneladas métricas de polímeros reciclados e de base renovável até 2030. A empresa já lançou plásticos feitos de resíduos plásticos reciclados mecânica e quimicamente, bem como matérias-primas de base biológica.

Comentários semelhantes vêm da SABIC. Em 2019, a empresa lançou polímeros circulares certificados produzidos pelo upcycling de plásticos usados. “No entanto, a realidade é que atualmente há uma demanda maior por plásticos reciclados do que a oferta disponível”, diz um representante. “Os fabricantes precisam encontrar uma maneira de aumentar a escala para instigar uma mudança real.”

É necessário um maior apoio regulatório dos governos para ajudar os players da indústria a dar escala a novas técnicas, como a reciclagem química, diz a SABIC. “Por exemplo, é importante que a estrutura regulatória européia reconheça a resina quimicamente reciclada como equivalente à resina virgem produzida a partir de matéria-prima fóssil, a fim de aumentar a disponibilidade e impulsionar a escalabilidade.”

Na BASF, que, como a SABIC, tem uma ampla gama de plásticos destinada a múltiplos mercados, um representante diz: “Esperamos que os plásticos desempenhem um papel vital para o atingimento de metas de emissões líquidas zero na UE, ajudando a reduzir emissões para setores-chave como a construção civil, setor automotivo ou embalagens de alimentos. Estamos nos esforçando em todo o mundo para atingir a meta de zerar emissões líquidas de CO2 até 2050. Além disso, queremos reduzir nossas emissões de gases de efeito estufa em todo o mundo em 25% até 2030, em comparação com 2018.”

A empresa fabricante de policarbonatos e poliuretanos Covestro tem uma das estratégias mais ousadas entre os fornecedores de polímeros. Sua meta é ter emissões líquidas zero para os escopos 1 e 2 (relacionadas à produção própria e fontes externas de energia) até 2035.

A diretora-gerente da Plastics Europe, Virginia Janssens, diz que seus membros apóiam a meta obrigatória da UE de 30% para conteúdo reciclado em embalagens plásticas até 2030 e anunciaram recentemente 7,2 bilhões de euros de investimentos planejados em reciclagem química até 2030 na Europa.

Ao longo e além do que se espera que sejam as crises temporárias do COVID e da Ucrânia, “o mundo permanece firmemente focalizado na circularidade, poluição plástica e vazamentos ambientais”, diz Wiesweg, da IHS Markit. “O impulso da circularidade estimulará a inovação na reciclagem química, ajudando a alcançar a viabilidade comercial em escala mundial, o que, juntamente com a reciclagem mecânica, substituirá consistentemente a resina plástica virgem”.

K 2022 – a feira mais importante do mundo para a indústria

Em 2022, como a cada três anos, a K em Düsseldorf será novamente a plataforma de informações e negócios mais importante para a indústria global de plásticos e borracha. Em nenhum lugar a internacionalidade é tão alta quanto em Düsseldorf. Expositores e visitantes de todo o mundo se reunirão e aproveitarão as oportunidades, entre19 a 26 de outubro deste ano, não apenas para demonstrar as capacidades da indústria e apresentar inovações, mas também para trocar opiniões sobre a situação da indústria de plásticos e borracha em as várias regiões do mundo, discutir as tendências atuais e definir conjuntamente o rumo do futuro.

Para mais informações sobre a K 2022: www.k-online.com

Curta nossa página no

SABIC lança novo grade de PBT feita com resíduos de garrafas PET

13/06/2022

A SABIC apresentou a resina LNP Elcrin WF0061BiQ, um novo material que usa garrafas de polietileno tereftalato (PET) como fluxo de alimentação para reciclagem química para convertê-la em resina de polibutileno tereftalato (PBT). Segundo a SABIC, o material corresponde a resíduos cujo descarte é mal gerenciado, originando-se a 50 km da costa e tendo o oceano como provável destino final. O novo grade é a mais recente adição ao portfólio da SABIC de materiais LNP Elcrin iQ reciclados quimicamente, que dão suporte à circularidade, ao tempo em que servem como substitutos potenciais para resinas PBT virgens. A resina LNP Elcrin WF0061BiQ é uma candidata para aplicações em eletrônicos de consumo, como caixas de ventiladores em computadores e assentos automotivos, bem como conectores elétricos e gabinetes.

“Estamos continuamente expandindo nosso portfólio LNP Elcrin iQ (assim como os fluxos de resíduos de PET usados ​​para produzir esses materiais) para ajudar a desviar mais plástico dos oceanos, ao mesmo tempo em que ajudamos nossos clientes a incorporar materiais reciclados em seus produtos, atingir suas metas de neutralidade de carbono e atender às demandas de consumidores por maior sustentabilidade”, disse Sanjay Mishra, GM Technology & Footprint, Specialties, SABIC. “Na próxima década, prevemos transformar 10 bilhões de garrafas plásticas em materiais duráveis ​​e de alto desempenho que agregam valor aos clientes. A SABIC está comprometida em trabalhar com a cadeia de suprimentos de plásticos para encontrar novas soluções para lidar com questões ambientais urgentes, como a redução de resíduos plásticos no oceano e a obtenção de zero emissões líquidas de carbono”.

Segundo a SABIC, o novo grade LNP Elcrin WF0061BiQ, um material PBT reforçado com fibra de vidro, apresenta retardância de chama sem o uso de bromo ou cloro, atendendo ao padrão UL94 V0 em 0,8 mm e classificação F1. Ele também oferece resistência ao calor, dureza e rigidez, possuindo um alto fluxo adequado para aplicações de moldagem de paredes finas para ambientes externos, como gabinetes de equipamentos elétricos.

A SABIC afirma que todos os materiais LNP Elcrin iQ podem servir como possíveis substitutos do PBT convencional para ajudar os transformadores a aumentar a sustentabilidade dos produtos finais. A tecnologia de upcycling proprietária da SABIC, que envolve a repolimerização de PET em PBT, oferece propriedades de desempenho semelhantes às virgens. Segundo a SABIC, este processo supera a reciclagem mecânica em qualidade e consistência.

“De acordo com uma análise interna de ciclo de vida realizada de acordo com os protocolos ISO 14040/14044, o composto LNP Elcrin WF0061BiQ pode oferecer reduções potenciais de até 14% na pegada de carbono e até 25% na demanda cumulativa de energia, quando comparado ao composto de PBT virgem reforçado com fibra de vidro”, disse Darpan Parikh, Líder de Atendimento ao Cliente das Américas, Especialidades, SABIC. “Ao substituir o material virgem por nossas resinas, os clientes podem ajudar a reduzir os impactos ambientais reutilizando resíduos plásticos e eliminando aditivos halogenados.”

Além da nova resina LNP Elcrin WF0061BiQ da SABIC, com é fabricada com base em garrafas PET potencialmente destinadas ao oceano, a empresa introduziu muitos grades diferentes no portfólio LNP Elcrin iQ, incluindo produtos reforçados com vidro ou reforços minerais e formulações retardantes de chama. Por exemplo, os novos compostos LNP Elcrin WF006XXPiQ e LNP Elcrin WF0061XPiQ da SABIC incorporam fibra de vidro reciclada pré-consumo desviada do fluxo de resíduos de processos industriais. O uso de fibra de vidro reciclada aumenta ainda mais a circularidade desses materiais PBT reciclados. Segundo a SABIC, a diversidade dessas formulações permite que as resinas LNP Elcrin iQ sejam consideradas para aplicações além de componentes elétricos e eletrônicos, como peças externas automotivas, aplicações de saúde e produtos de cuidados pessoais.

A SABIC afirma que não está apenas criando materiais sustentáveis, mas também formulando regularmente novas resinas e compostos usando produtos químicos ambientalmente responsáveis ​​e seguros, como retardadores de chama não bromados/não clorados. De acordo com a classificação de referência GreenScreen for Safe Chemicals, que foi criada pela organização sem fins lucrativos Clean Production Action (CPA), esses materiais SABIC e outros em desenvolvimento são, ou serão, reconhecidos com uma pontuação de 3 ou superior, de um teto de 4. O Benchmark 3 é um resultado relativamente melhor em comparação com os produtos médios e indica apenas uma ligeira preocupação.

Curta nossa página no

Prêmio Braskem reconhece 24 empresas por boas práticas em ESG

13/06/2022

Supplier Sustainability Recognition reconheceu empresas de diversos países, em inciativa que contou com a avaliação das organizações Ecovadis e CDP

A Braskem reconheceu as boas práticas em ESG de 24 empresas, de diversas nacionalidades, na segunda edição do prêmio “Braskem Supplier Sustainability Recognition “. A cerimônia de premiação teve transmissão online para todos os países participantes.

O objetivo da iniciativa é tentar incentivar que organizações que mantém negócios com a Braskem adotem as melhores práticas ESG. Os fornecedores foram avaliados em cinco categorias, envolvendo melhor performance socioambiental, direitos humanos e trabalhistas, meio ambiente, ética e compras sustentáveis.

Para o reconhecimento, foram utilizadas as avaliações realizadas pelas organizações Ecovadis, plataforma global de avaliação quanto aos aspectos de sustentabilidade, e CDP (Carbon Disclosure Project), organização sem fins lucrativos que avalia e analisa organizações quanto aos seus impactos nas questões relacionadas a clima e água. Ambas possuem critérios de avaliação eficientes para o setor privado e são reconhecidas por sua credibilidade.

“Entendemos que esse prêmio é uma maneira de incentivar as empresas que operam na nossa cadeia de valor a também estarem alinhados às boas práticas ESG. Queremos potencializar a ação coletiva do nosso setor em prol de uma atuação ética e responsável”, afirma Alberto Bustani, Gerente Global de Planejamento e Processos de Suprimentos.

O evento online contou com a audiência de mais de cinco mil fornecedores da Braskem ao redor do mundo. Deste total, mais de 200 empresas participaram do prêmio, que contemplou as 24 vencedoras.

Lista de empresas reconhecidas:

Categoria – Trabalhista e Direitos Humanos: Arkema e Oxiteno

Categoria – Ética: Oxiteno

Categoria – Compras Sustentáveis: Basf e Deutsche Post – DHL

Categoria – Ambiental: Air Liquide, Arkema, Basf, Ecolab, Ernst & Young, Hitachi, Kobe Steel, KPMG, Linde, Oxiteno, Raízen, Ricoh, SAP, Sasol, Schneider Electric, SGS, Siemens, Solvay, Spirax Sarco, Yokogawa

Categoria ESG Best Performance: Solenis, Evonik e IMCD

Curta nossa página no

Embalagens de perfumes Kaiak 2022 da Natura contam com masterbatches reciclados da Colorfix

13/06/2022

O mais recente lançamento da Natura conta com quatro cores desenvolvidas pela Colorfix Masterbatches. Segundo a empresa, as novas embalagens dos perfumes Kaiak são feitas com 50% do plástico retirado do litoral brasileiro e a empresa paranaense foi escolhida para participar do projeto desenvolver uma linha sustentável que poderia ser aplicada nas embalagens dos novos produtos.

“A marca Revora tem em sua essência o conceito de sustentabilidade e esse foi um dos motivos pelos quais a Natura escolheu a linha da Colorfix para aplicar no seu projeto ‘Kaiak’. Entre os vários itens analisados, pesou o fato de que nossa empresa vem trabalhando a cadeia circular, na qual todos os fornecedores envolvidos no processo de concentrados contribuem com sua responsabilidade socioambiental”, explica o diretor superintendente da Colorfix, Francielo Fardo.

De acordo com Fardo, a ideia da marca Revora possibilita ao cliente o aumento de produtos sustentáveis provenientes da economia circular como, por exemplo, o uso de Resinas Recicladas Pós-Consumo (PCR) ou mesmo a produção de produtos exclusivos sustentáveis.

“A marca Revora é uma alternativa para empresas que têm a sustentabilidade como estratégia em seus negócios. Em parceria com a Natura, foram homologadas 16 cores utilizando-se de PCR”, destaca Francielo.

A Colorfix atende a Natura em parceira com a Silgan, Pochet e Aptar desde 2017.

Revora

A Colorfix afirma ter lançado a Revora após várias pesquisas, elaboração do plano de ações e estudo junto a fornecedores e parceiros, no ano passado. A empresa afirma que cada ação ou linha de produto remete à economia de recursos, sejam eles matéria-prima, energia elétrica ou aumento do tempo de vida útil da peça final. Para as linhas de produtos, por exemplo, a empresa levou em consideração desde a embalagem dos masterbatches até as matérias-primas selecionadas e que atendam a requisitos sustentáveis.

A Colorfix Masterbatches, desde 1990, trabalham com o desenvolvimento de concentrados de cor e/ou aditivos. Com a matriz localizada em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba (PR), a companhia conta ainda com unidades em São Caetano do Sul (São Paulo) e Jaboatão dos Guararapes (Pernambuco).

Curta nossa página no

Empresas brasileiras levam inovações à feira Argenplás

13/06/2022

A Argenplás, feira internacional do plástico, aconteceu entre 06 e 09 de junho, em Buenos Aires, na Argentina. O evento contou com mais de 180 expositores da Argentina e 10 outros países. O foco deste ano foi a economia circular, inovação e meio ambiente. Por meio do Programa Brazil Machinery Solutions (BMS), fruto da parceria entre ApexBrasil e ABIMAQ, 15 empresas brasileiras foram selecionadas para participar da feira.

O evento acontece a cada dois anos e é destinado aos setores de máquinas e equipamentos, automação e controle de qualidade, moldes e ferramentas, matérias primas e produtos químicos, borracha, transformadores de plástico, produtos terminados e semielaborados, meio-ambiente e reciclagem, além de entidades, associações, bancos, serviços e revistas técnicas.

Com o objetivo de fortalecer a imagem do Brasil como fabricante de bens de capital mecânico com tecnologia e competitividade, os expositores brasileiros levaram diversos produtos e novidades ao evento. A participação das companhias é promovida pelo BMS (Brazil Machinery Solutions), que teve um estande coletivo para exposição de seus lançamentos.

Uma das empresas participantes foi a Piovan, multinacional que opera em todos os países da América do Sul e participa da Argenplás desde 2006. Nesta edição, a companhia apresentou produtos voltados a sistemas de alimentação, dosagem e desumidificação. Entre eles estiveram os Alimentadores Easy 3 System, que trazem um novo conceito em alimentação de materiais e controle centralizado, disponível em três versões de receptores, afirma a empresa. A gama inclui versões especiais para o tratamento de materiais em alta temperatura ou abrasivos, e é construído em aço inoxidável.

Outro lançamento da Piovan é o Dosador Gravimétrico MDW 150, uma unidade dosadora gravimétrica equipada com guilhotina pneumática ou rosca dosadora. O produto dosa até seis tipos de materiais granulados. Segundo a empresa, o dosador é considerado ideal para ser aplicado a processos de injeção, sopro e extrusão, com benefícios que incluem configuração customizada, dosagem precisa e alta repetibilidade do processo, além de mistura homogênea a cada batch.

A Mecalor, empresa líder em soluções de engenharia térmica ao desenvolver chillers para diversos segmentos da indústria, expôs três produtos: Um chiller convencional com capacidade de 3 TRs, outro de 5 TRs e um terceiro de 10 TRs. Todos esses equipamentos são importantes para a refrigeração do processo industrial da transformação do plástico.

A empresa também aproveitou a feira para divulgar o Chiller Turbocor, que, segundo ela, proporciona maior eficiência energética por causa da tecnologia do compressor centrífugo de mancal magnético livre de óleo.

Fundada em 1960, a Mecalor atua no mercado externo há cerca de 20 anos. Atualmente a companhia exporta cerca de 20% da sua produção. Esse percentual vem aumentando ao longo dos anos devido a um trabalho comercial ativo nos mercados latino-americanos, com destaque para a filial do México, inaugurada em 2019.

Negócios Internacionais

Dentre os maiores importadores de máquinas e equipamentos para a indústria do plástico, embalagem e impressão, encontram-se os Estados Unidos, a Argentina e o Peru. Em 2021, os Estados Unidos importaram 16% das maquinas brasileiras, um total de US$15 milhões. No mesmo período, a Argentina teve uma participação de 15%, com US$14,1 milhões. Já o Peru importou US$7,6 milhões ao longo do ano.

Outros países que se destacam na negociação de maquinários brasileiros para o setor são o Reino Unido, que entre 2020 e 2021 teve uma variação de 79,6% no total de suas importações, com US$7,3 milhões; e o Chile, que no ano passado movimentou ao todo US$6,4 milhões.

O Brazil Machinery Solutions é fruto da parceria entre a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ), visando a promoção das exportações brasileiras de máquinas e equipamentos, assim como fortalecer a imagem do Brasil como fabricante de bens de capital mecânico com tecnologia e competitividade. O Programa BMS possui atualmente mais de 200 membros, entre indústrias de diversos setores, como o agrícola, têxtil, de mineração, plástico, embalagens, entre outros. Até outubro de 2021, as empresas associadas ao Programa BMS registraram exportações para 160 países.

A Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ) foi fundada em 1937, com o objetivo de atuar em favor do fortalecimento da indústria nacional, mobilizando o setor, realizando ações junto às instâncias políticas e econômicas, estimulando o comércio e a cooperação internacionais e contribuindo para aprimorar seu desempenho em termos de tecnologia, capacitação de recursos humanos e modernização gerencial.

A ApexBrasil – A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) tem a missão de desenvolver a competitividade das empresas brasileiras, promovendo a internacionalização dos seus negócios e a atração de investimentos estrangeiros diretos. Em parceria com entidades setoriais, a Agência organiza ações de promoção comercial, como missões prospectivas e comerciais, rodadas de negócios, apoio à participação de empresas brasileiras em feiras internacionais e visitas de compradores estrangeiros para conhecer a estrutura produtiva brasileira. Também coordena os esforços de atração de investimentos estrangeiros diretos (IED) para o País, trabalhando na identificação de oportunidades de negócios e na promoção de eventos estratégicos e garantindo apoio ao investidor estrangeiro durante todo o processo no Brasil.

Curta nossa página no

Plastiweber apresenta embalagem plástica reciclada ao setor calçadista durante evento

13/06/2022

A Plastiweber participou, no último dia 25, da 29ª edição do Salão Internacional do Couro e do Calçado (SICC), em Gramado. A diretora de marketing da Plastiweber, Aline Assmann, e o diretor circular da Plastiweber, Pedro Bolfoni, apresentaram o Green Packing, embalagem secundária de plástico reciclado focalizada no setor de calçados. O filme, termoencolhível e de embalamento automatizado, chega como uma solução mais eficiente e sustentável para agregar as unidades em fardos para transporte, afirma a empresa.

Aline Assmann, conta que, no setor calçadista, já há algumas soluções sustentáveis em produtos, como calçados feitos com parcela de material reciclado, com plástico retirado dos oceanos e garrafas PET, entre outros. Agora, explica ela, é possível expandir as soluções para embalagens, mantendo a performance e a viabilidade econômica: “A Plastiweber trabalhou para ampliar as soluções sustentáveis para as embalagens secundárias e terciárias de forma que fossem não apenas economicamente viáveis, mas que também trouxessem melhorias nos processos de logística e gerassem uma série de benefícios socioambientais para aproveitamento pelas marcas no setor de marketing. Tivemos um caso de uso que foi premiado no ano passado: o da Pampili, uma cliente nossa que aderiu ao Green Packing e nos permitiu insights sobre como essa nova forma de embalar calçados pode impactar positivamente as marcas de diversas formas”.

O Green Packing conquistou o Prêmio Grandes Cases 2021 na categoria Impacto Econômico, a partir da substituição das caixas de papelão por embalagens plásticas recicladas. Segundo a Plastiweber, um estudo da empresa feito a partir desse caso de uso no setor calçadista mostra que a automatização para o embalamento e a maleabilidade da embalagem plástica – que ocupa menos espaço – permitem melhorias logísticas na cadeia produtiva.

As embalagens da Plastiweber, incluindo a linha Green Packing, são geradas dentro de um ecossistema circular, afirma a empresa. Através de logística reversa com clientes, parcerias com grandes varejistas e projetos socioambientais com cooperativas, escolas e comunidades, a empresa coleta o resíduo plástico que iria parar em aterros sanitários, os seleciona e processa para que retornem ao mercado como uma nova embalagem.

A Plastiweber afirma que este ciclo gera uma série de benefícios socioambientais agregados ao uso do plástico reciclado. Segundo a empresa, em 2021 o volume total de plástico que ela reciclou tornou possível a redução de emissões de 17 mil toneladas de CO2.

A Plastiweber é uma empresa de soluções sustentáveis em plástico sediada em Feliz (RS). Com um ecossistema circular que envolve logística reversa com clientes, parcerias com grandes varejistas e programas socioambientais com cooperativas, escolas e comunidades, a empresa recebe, seleciona e processa resíduos plásticos para que retornem à economia como novas embalagens. A Plastiweber afirma ter sido homologada com o certificado europeu EUCertPlast, que atesta a rastreabilidade e a qualidade do plástico reciclado produzido por recicladores ao redor do mundo. Além disso, carrega o selo nacional de plásticos reciclados SENAPLAS, que reconhece o trabalho efetuado conforme a Política Nacional dos Resíduos Sólidos. Em 2022, a empresa recebeu o título de 1º filme 100% pós-consumo de alta performance pela Organização Mundial de Embalagens (World Packaging Organisation).

Curta nossa página no

Aquários construídos em acrílico ganham formas, tamanhos e funções variadas

13/06/2022

Boa resistência e alto grau de transparência também são apontados como fatores que pesam na escolha do material em projetos que envolvam a construção de tanques de água para exibição de animais aquáticos

Poder ver de perto animais que vivem em habitats tão diferentes do nosso é o que move milhões de pessoas todos os anos aos aquários espalhados pelo mundo. Para se ter uma ideia da demanda, o AquaRio, maior aquário da América Latina, que foi inaugurado em novembro de 2016, ultrapassou em 2019, com menos de três anos de funcionamento, o número de 3 milhões de visitantes. O local, que possuí 26 mil m², conta com tanques com capacidade para armazenamento de 4,5 milhões de litros de água salgada e reúne mais de 350 espécies de animais. A principal atração da casa, no entanto, ou pelo menos o que permite que os visitantes consigam de fato experimentar a sensação de estar no fundo do mar, é um túnel com 26 metros de extensão construído com chapas acrílicas que contam com 3 metros de altura e 2 de largura. Essa passagem fica a 7 metros de profundidade e sob constante pressão dos 3,5 milhões de litros de água que ocupam o tanque. Lá vivem diferentes tipos de raias e tubarões, entre outros animais marinhos. “O acrílico permitiu que aquários se reinventassem e proporcionassem ao público experiências antes bastante limitadas, não só visualmente – já que outros materiais, como o vidro, não oferecem a mesma visibilidade que o acrílico -, mas também de se poder ter uma nova perspectiva sobre a visitação”, explica João Orlando Vian, consultor executivo do ILAC – Instituto Latino-Americano do Acrílico.

Vian diz que, por seu um plástico termomoldável, o acrílico permitiu ,por exemplo, que os aquários pudessem explorar novas formas e dimensões com as quais esse novo habitat é apresentado e vivenciado: “Os imensos aquários cilíndricos, por exemplo, permitem uma visualização mais ampla desse universo e da interação com esses animais”. Um desses aquários, é o AquaDom, instalado no Radisson Collection Hotel, no complexo DomAquarée, em Berlim, na Alemanha. Com capacidade para armazenamento de 1 milhão de litros de água, o AquaDom é o maior aquário cilíndrico em acrílico do mundo. Seu cilindro externo conta com cerca de 11 metros de diâmetro e uma altura 16 metros. Além da altura, impressionam nesse projeto a instalação de um elevador transparente embutido dentro do cilindro. Ao todo, a obra tem 25 metros de altura.

O Aquário do Rio Paraná, localizado em Rosário, na Argentina, conta com dois tanques de acrílico feitos com estrutura cilíndrica. Cada um deles tem 3,30 metros de diâmetro e 3,5 metros de altura. As placas acrílicas usados na composição têm 60 mm de espessura. O trabalho de instalação e vedação é da Acrílicos Lamanna.

Além dos cilindros em acrílico, Antonio Lamanna conta que as janelas de visualização do Aquário do Rio Paraná também são feitas em acrílico. Uma delas, aliás, é composta pela maior chapa acrílica já instalada na Argentina. “Esse painel conta com 3,3 metros de altura por 8,7 metros de comprimento. Sua espessura é de 170 mm”, conta Lamanna. Segundo ele, o peso dessa chapa é de aproximadamente 5,5 toneladas. Nas demais janelas, diz ele, as espessuras usadas variam de 60 mm a 100 mm, de acordo com tamanho da peça e aplicações.

A vantagem do acrílico é que, ressalta Lamanna, suas chapas conseguem manter a transparência de 92%, independente de sua espessura. Tamanha nitidez evita distorções óticas e favorece a visibilidade proporcionada pelo produto, sem que sua resistência seja comprometida.

Outro projeto destacado por Lamanna é o do Delfinario Sonora, em San Carlos, no México. Para o local, Lamanna produziu dois painéis de observação de leões marinhos e de golfinhos. Cada um desses painéis conta com 2 metros de altura x 3,5 metros de comprimento. A espessura da chapa acrílica é de 140 mm. Também foram instalados no local três painéis curvos de 1,6 metros de altura e 4,6 metros de comprimento cada. Para que elas ganhassem as formas curvas, as chapas de 120 mm de espessura foram termo moldadas.

No Brasil, o Aquário de São Paulo, com 15 mil m² e 4 milhões de litros de água, onde habitam milhares de animais de centenas de espécies, é outro exemplo de como o acrílico permitiu que a experiência vivenciada pelo público fosse ampliada através de painéis capazes de transmitir luminosidade e cores de forma mais viva e próxima. Por lá, o trabalho de vedação das placas de acrílico foi feito pela Acriresinas.

No mundo, aquários gigantescos, como o The Georgia Aquarium, em Atlanta, nos Estados Unidos, ou o Chimelong International Ocean Resort, na China, abrigam tubarões-baleias que são vistos através de painéis de acrílico com proporções absurdamente grandes. O Chimelong, por exemplo, entrou para o Guiness Book como tendo a maior cúpula subaquática do mundo em acrílico.

O ILAC – Instituto Latino-Americano do Acrílico é fruto do trabalho de integração das empresas do setor de acrílico na América Latina e tem como objetivo inicial a troca de informações e conhecimento sobre aplicações finais e processamento do acrílico em cada um dos países que participam do grupo. O Instituto segue as premissas do seu antecessor INDAC, que há mais de 20 atuava para gerar negócios e difundir o acrílico como matéria-prima. Atualmente, 33 empresas são associadas ao ILAC, entre elas: Acrilaria, Acriresinas, Acrílico Design, Acrilmarco, Acrimax, Acrinox, Acriplanos, Actos, Art Cryl, Bold, Brascril, Campion, Castcril, Cobertura Telescópica, Cristal e Cores, CutLite, Emporium, Day Brasil, Inkcryl, JR Laser, Menaf, Mitsubishi Chemical, Osvaldo Cruz, Proneon, Sheet Cril, Tronord, Tudo em Acrílico, Unigel e Work Special, juntam-se ao quadro as empresas Paolini e Lamanna, da Argentina, Formaplax, da Colômbia e Induacril do Chile.

Curta nossa página no

Dow anuncia nova vice-presidente comercial para o negócio de Plásticos e Embalagens na América Latina

13/06/2022

Izabel Assis

Izabel Assis é a nova vice-presidente comercial, sucedendo Daniella Souza Miranda, que assume a direção global de Marketing e Digital

Izabel Assis, que atuava como diretora comercial do negócio Soluções Industriais para a América do Norte na Dow, foi nomeada vice-presidente comercial de Packaging & Specialty Plastics (P&SP) para a América Latina, sucedendo a Daniella Souza Miranda, que recentemente assumiu a direção global de Marketing e Digital.

Na Dow desde o ano 2000, Izabel, que é brasileira, passou por diversas operações e áreas no país e fora dele. Nos últimos 11 anos, esteve na sede da Dow em Midland, Michigan, e acumulou experiências em diferentes negócios da companhia, sendo a mais recente como diretora comercial para o negócio Industrial Solutions para a América do Norte.

A executiva se reportará a Diego Donoso, presidente global do negócio Plásticos e Embalagens, e representará a América Latina em decisões globais da unidade de negócio. Assis dará continuidade às estratégias focadas em inovação, sustentabilidade, experiência do cliente e geração de valor

“Em um momento em que a transição para um futuro circular e de baixo carbono se faz cada vez mais relevante e urgente, sinto-me honrada em abraçar esse grande desafio ao lado de um time de profissionais brilhantes na América Latina”, enfatiza.

Daniella Miranda

Daniella Souza Miranda assume a diretoria global de Marketing e Digital do Negócio de P&SP. Daniella conduzirá a colaboração entre organizações de marketing regionais, incluindo a comercialização das soluções circulares e de baixo carbono da Dow, e será responsável pela estrutura global de comercialização da resina pós-consumo (PCR). Ela também liderará a frente de transformação digital da companhia.

Na Dow desde 1997, Daniella passou por diversas posições em diferentes países, negócios e funções, sendo a mais recente como Vice-Presidente Comercial para P&SP na América Latina, função que exercia desde 2018. “Sinto muito orgulho da minha trajetória na Dow ao longo de tantos anos. Por isso, é com sentimento de profunda gratidão que fecho o meu ciclo na América Latina e, ainda no mesmo negócio, inicio uma nova jornada, na qual seguirei trabalhando com foco em inovação, sustentabilidade e experiência dos clientes”, finaliza Daniella.

Curta nossa página no

Programa de reciclagem de EPS da Termotécnica amplia alcance em estados do Sul e São Paulo

13/06/2022

Na última década, vem aumentando a pressão para que as empresas em todas as cadeias de produção e consumo realizem a logística reversa e reciclagem dos resíduos pós-consumo, fazendo a economia circular acontecer na prática. Antecipando-se à PNRS – Política Nacional de Resíduos Sólidos –, desde 2007 a Termotécnica vem atuando para dar nova vida às embalagens pós-consumo de EPS, mais conhecido como isopor. Com o Programa Reciclar EPS a companhia vem transformando um material antes rejeitado nas coletas seletivas em um insumo valorizado no mercado e contribuindo para a inclusão sócio-produtiva de famílias de baixa renda que vivem desta cadeia de reciclagem.

Segundo a Termotécnica, neste período, a empresa já recuperou mais de 44 mil toneladas de EPS pós-consumo, o que representa 1/3 do material reciclado no mercado. “Todos nós, como sociedade, temos que estar conscientes de que uma vez que um material, produto ou embalagem sejam utilizados, temos a responsabilidade individual por sua correta destinação. Mas, para isso, é preciso também que os agentes públicos e privados ofereçam condições para esta destinação correta dos materiais, com um sistema de gestão de resíduos, de coleta e reciclagem como preconiza a Política Nacional de Resíduos Sólidos”, afirma o presidente da Termotécnica, Albano Schmidt.

Para ampliar o volume de captação do material a ser reciclado, a Termotécnica afirma estar buscando expandir a cobertura do Programa Reciclar EPS no país. A empresa diz contar com uma rede de parceiros como cooperativas e associações de recicladores, gerenciadores de resíduos e prefeituras, entre outras, de forma a reforçar a conscientização para a destinação correta, reciclagem e reintrodução do EPS pós-consumo e pós-industrial na cadeia produtiva.

De acordo com a fabricante catarinense, atualmente o Programa Reciclar EPS gera cerca de 100 empregos diretos, conta com mais de 1,2 mil Pontos de Coleta e 300 cooperativas de recicladores parceiras no país, o que impacta diretamente mais de cinco mil famílias. “Sendo a única fonte de renda de recicladores autônomos e associações, com esse trabalho aumentamos a demanda, valorizamos e ampliamos os ganhos destas famílias”, afirma.

Em Rio Claro (SP), onde a Termotécnica tem uma unidade de fabricação de embalagens de EPS para atender principalmente às indústrias das linhas branca e de conservadoras para produtores de frutas do interior paulista, a empresa compra a sucata de embalagens de EPS-pós consumo no mercado. Uma das fornecedoras é a Cooperviva – Cooperativa de Trabalho dos Catadores de Material Reaproveitável de Rio Claro -, que está completando 20 anos em 2022. Presidida por Inair Francisca da Rocha Marcelino, a Cooperviva conta com 37 associados, sendo que deste total, 95% é constituído de mulheres, que são responsáveis pelo sustento de cerca de 200 famílias.

Dos materiais reciclados que passam pela triagem, beneficiamento e comercialização na cooperativa, 50% chegam por meio da coleta seletiva municipal e os outros 50% são provenientes dos próprios catadores (porta a porta) e dos dois veículos próprios da cooperativa que fazem um roteiro de coleta nos comércios e indústrias. “A demanda pela compra do EPS tem aumentado e, consequentemente, também o incentivo e valorização destes trabalhadores para a coleta deste material”, afirma Valdemir dos Santos de Lima, que faz o apoio técnico para os cooperados.

Em Curitiba (PR), a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, por meio do Programa Ecocidadão, promove a inclusão socioambiental dos catadores por meio do fortalecimento das diversas etapas da cadeia informal da reciclagem. Atualmente, são 40 associações e cooperativas credenciadas, envolvendo cerca de 900 trabalhadores. “Os materiais provenientes da coleta seletiva do município e o que é recolhido diretamente pelos catadores são selecionados nas áreas de triagem nos barracões destas centrais e destinados para comercialização, gerando renda para estas famílias”, afirma a gerente de Educação Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Curitiba, Leila Maria Zem.

Buscando ampliar a cobertura de parceiros para reciclagem do EPS pós-consumo em todo o estado do Paraná, a Termotécnica iniciou uma parceria com a startup de soluções socioambientais A Riqueza dos Resíduos, de Curitiba. Na semana passada, o gerente de Sustentabilidade da Termotécnica, Paulo Michels e a fundadora e CEO da startup, Tatiane Martins Soares, foram convidados para participar da reunião do Grupo R20 (Associação dos Municípios do Paraná para a implementação da Logística Reversa). O objetivo foi apresentar o Programa Reciclar EPS que, a partir do uso do aplicativo Transbordo desenvolvido pela startup, irá facilitar a Logística Reversa do EPS no Estado do Paraná.

Com uma proposta inovadora de gestão e gerenciamento dos resíduos sólidos, a startup busca ser o elo da logística reversa de materiais recicláveis e realizar a inclusão sócio-produtiva de catadores e recicladores. Na parceria com a Termotécnica, a startup realiza o conceito de carga digital. Ou seja, os caminhões de coleta passam nesses locais de reciclagem em um roteiro pré-definido, formando uma carga completa para ser entregue nas unidades da Termotécnica em São José dos Pinhais (PR) e em Joinville (SC). Atualmente são 7 associações e cooperativas de recicladores que fazem parte da rede da startup da região metropolitana de Curitiba, mas a meta para atender a demanda da Termotécnica é aumentar esse número para cerca de 40 centros de triagem em todo o estado do Paraná. “Somos a conexão entre recicladores e as indústrias que compram os materiais pós-consumo, facilitando o acesso e otimização da rotina diária pela busca de recicláveis”, afirma Tatiane.

A startup A Riqueza dos Resíduos também está implantando ecopontos em escolas municipais de Curitiba, Pinhais, São José dos Pinhais e Colombo e fazendo um trabalho de capacitação de professores e equipe de limpeza e de conscientização dos alunos para a reciclagem do EPS. “Com isso, uma parte do valor que a Termotécnica paga pela compra das cargas recolhidas nas recicladoras é revertida para as Associações de Pais e Mestres destas escolas em forma de cashback. Esses recursos são reinvestidos em atividades de Educação Ambiental dos alunos”, conta Tatiane.

Em Santa Catarina, a Termotécnica conta com parceiros de cooperativas para reciclagem de EPS pós-consumo e com gerenciadores de resíduos (pós-indústria). Esta cooperação acontece também, há alguns anos, diretamente com os municípios como Canoinhas, Indaial e, mais recentemente, com a Prefeitura de Fraiburgo, por meio da SANEFRAI – Autarquia Municipal de Saneamento. “Esta parceria com a Termotécnica visa atender aos requisitos de destinação e disposição ambientalmente correta do material EPS, fazendo com que toda a carga deste tipo de material que chega na SANEFRAI seja transformada em novos produtos, não agredindo o meio ambiente e aumentando a vida útil do nosso aterro sanitário”, afirma Charles Weider Silveira, Engenheiro Sanitarista e Ambiental na SANEFRAI.

Em Jaraguá do Sul, são 12 cooperativas de recicladores credenciadas junto ao Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (SAMAE) com as quais a Termotécnica mantém contato para compra de EPS pós-consumo. De acordo com o supervisor de Manejo de Resíduos Sólidos do SAMAE, Jean Pablo de Mello Cordeiro, essas cooperativas envolvem mais de 100 famílias que recebem orientação para a seleção e comercialização de todo o isopor coletado. “Por meio do Programa Recicla Jaraguá, também realizamos campanhas de conscientização da população para incentivar a separação e destinação correta destes materiais e temos notado um aumento no volume de embalagens de isopor disponibilizado para coleta seletiva”, afirma Jean.

A fundadora e presidente da Reciclavale – Cooperativa de Trabalho de Reciclagem do Vale do Itajai – Marli Martins, desenvolve esse trabalho desde 2008. Hoje a cooperativa, com sede em Itajaí, envolve diretamente 16 famílias que vivem do beneficiamento e comercialização deste material. A Reciclavale conta com um caminhão para coletar o EPS nas cidades do Alto Vale do Itajaí e em todo o Litoral Norte catarinense, de Florianópolis a Itapoá. “A parceria sustentável com a Termotécnica vem de longa data e é fundamental para garantir essa renda aos nossos associados”, diz. Além da geração de emprego e renda, por meio do Instituto Reciclavale, Marli desenvolve um trabalho social e de educação ambiental nas escolas.

Em Joinville, cidade sede da Termotécnica, há diversas ações para promover a reciclagem das embalagens isopor. A mais recente é o ecoponto para coleta de resíduos recicláveis que a Prefeitura disponibilizou no Centreventos Cau Hansen. Para descartar corretamente as embalagens de EPS os moradores devem utilizar a lixeira vermelha destinando os resíduos junto com os plásticos.

A Termotécnica também tem uma parceria para recolher e reciclar marmitas de isopor distribuídas pelos Restaurantes Populares de Joinville. As marmitas acondicionam cerca de 1.500 refeições diárias, que atendem principalmente pessoas vulneráveis do município. Essas pessoas são sensibilizadas a trazer de volta suas embalagens para o restaurante, para que possam ser coletadas e recicladas pela Termotécnica. O primeiro contato entre a Termotécnica e o Restaurante Popular aconteceu durante a programação da Semana Lixo Zero Joinville 2020, quando a equipe dos restaurantes conheceu como era feito o processo de reciclagem do isopor na unidade da companhia em Pirabeiraba. Na sequência foi feito um trabalho de conscientização dos funcionários e dos usuários do restaurante e a coleta passou a acontecer semanalmente.

Uma ação similar está acontecendo em Joinville com o Projeto Isopor® Amigo, uma iniciativa de reciclagem da Abiplast (Associação Brasileira da Indústria do Plástico) com apoio de diversas empresas do segmento (Termotécnica entre elas). Depois de um projeto-piloto no Perini Business Park, o projeto Isopor Amigo trabalha para expandir a sua rede de coleta. Albano Schmidt, presidente da Termotécnica, destaca a importância das empresas investirem em ações conjuntas de educação para a reciclagem. “Tudo começa nas pessoas, que precisam fazer a sua parte: descartar o produto limpo no local adequado. Parcerias como essa podem se estender para outros lugares que distribuem alimentos e para outras cidades”, diz.

Quer saber onde reciclar EPS na sua cidade?

O consumo do EPS é prejudicado pela falta de informação sobre seu descarte pós-uso. Atenta a essa realidade, a Termotécnica disponibiliza o site: www.reciclareps.com.br, que localiza em todo o território nacional o pontos de entrega voluntária (PEV) mais próximos de recebimento de EPS para reciclagem.

Curta nossa página no

Associados Adirplast do segmento de filmes biorientados fecham os quatro primeiros meses deste ano com resultados estáveis

13/06/2022

Distribuidores de BOPP e BOPET vêem um ano estável. A expectativa de um pequeno aquecimento no segundo semestre

Até agora, o ano tem se mostrado estável para os associados Adirplast (Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas e Afins) do segmento de BOPP e BOPET. As vendas de janeiro a abril somaram 9853 toneladas, volume 1.8% maior do que o obtido no mesmo período de 2021. Essa seria uma notícia positiva, não tivesse o setor amargado no ano passado uma queda considerável em suas vendas. Considerando o varejo de BOPP e BOPET, foram comercializadas no país no ano passado 39 mil toneladas desses insumos. Em 2020, esse número chegou a 48 mil toneladas, sendo os associados da Adirplast responsáveis por, em média, 75% desses valores. Para a vice-presidente da entidade, Cecília Vero, da Nova TIV, tanto o volume quanto as margens de ganho neste ano estão muito abaixo do esperado. “Entraves, demanda fraca, recessão e inflação impactam diretamente no poder de compra do consumidor final e isso tem se refletido nos resultados destes primeiros quatro meses”, explica.

Para Erasmo Fraccalvieri, da Tecnofilmes, as vendas do primeiro quadrimestre deste ano estão em linha com a realidade do varejo supermercadista brasileiro. “O principal problema é a forte contração do poder de renda das classes C, D e E. O fenômeno vem ocorrendo com muita intensidade desde o início de 2021; quem não percebeu, acabou errando as previsões”, complementa.

Cláudia Savioli, da Polymark, explica que os dois primeiros meses deste ano foram bem tímidos. “As transformações mundiais continuam impactando nos negócios e prejudicando os planos estratégicos das empresas, que hoje precisam ser elaborados para cenários de curtíssimos prazos”. Ainda preocupa, segundo ela, a velocidade com que os preços dos insumos têm aumentado, além dos altos juros, o que absorvido boa parte do foco do trabalho. “Tudo isso acarreta a perda de demanda em toda a cadeia do setor de embalagens e ainda impossibilita que as empresas consigam repassar os custos extras que têm”, desabafa.

Osvaldo Coltri, diretor presidente da Vitopel, fornecedor de muitos dos associados Adirplast, explica que, quando a economia está menos aquecida e o consumidor está com o bolso mais fraco, há um menor volume para embalagens de alimentos menos essenciais, como snacks, doces e chocolates, entre outros: “Economia fraca e povo sem dinheiro é geralmente entrave para o crescimento do setor de BOPP”. Neste cenário, alerta o executivo, é comum que as empresas que tenham clientes de menor estrutura enfrentem ainda problemas com a inadimplência.

Expectativas para o segundo semestre

Para Fraccalvieri não será um segundo semestre muito diferente. “A não ser pelos auxílios liberados pelo governo federal em abril e maio. Vemos um aquecimento nos volumes, porém sem euforia. Mesmo com o aumento momentâneo da demanda, o repasse de custos está difícil de ser implementado e a cadeia continua espremida. O foco está no posicionamento através da leitura do segundo semestre, este sim, mais desafiador”.

Os empresários do setor também temem problemas que parecem ainda longe de serem solucionados, como guerra e problemas de logística. Além dos problemas internas, no âmbito político, fiscal e econômico, o que pode agravar ainda mais o cenário. “Tudo parece incerto, o que inviabiliza a escolha de um só caminho para este segundo semestre. Os fluxos comerciais estão tensos e exigem paciência e conectividade entre as pessoas envolvidas. Precisamos agir de forma coerente, com participação e responsabilidade”, acredita Savioli. A executiva acrescenta: “Toda a cadeia do segmento tem a responsabilidade de trazer informações ágeis e ações em conjunto, agindo de forma coerente, com participação e comprometimento de todos e para todos”.

Para a vice-presidente da Adirplast, este é um momento de atenção e de muita instabilidade. “Sentimos muita dificuldade na retomada econômica, porém acreditamos em um segundo semestre levemente aquecido, estimulado tanto pelos auxílios oferecidos pelo governo à população, quanto pela própria sazonalidade do período, porém com olho afiado na inadimplência / solvência das empresas”, finaliza.

A Adirplast tem como diretrizes o fortalecimento da distribuição, o apoio aos seus associados e a integração do setor de varejo de resinas plásticas, filmes biorientados, plásticos de engenharia, masterbatches e compostos. Atualmente, a associação agrega empresas distribuidoras de insumos plásticos que, juntas, tiveram um faturamento bruto de cerca de R$ 4,5 bilhões em 2020. Elas responderam por cerca de 12% de todo o volume de polímeros, masterbatches, compostos e filmes biorientados comercializados no país.

Curta nossa página no

Lanxess e Advent compram negócio de Materiais de Engenharia da DSM e estabelecem uma joint venture líder global para polímeros de engenharia

06/06/2022

06

  • Lanxess e Advent adquirem negócios de materiais de engenharia da DSM por um preço de compra de cerca de 3,7 bilhões de euros
  • Lanxess transfere negócios da divisão de High Performance Materials para joint venture
  • Lanxess receberá um pagamento de pelo menos 1,1 bilhão de euros e uma participação de até 40% na joint venture
  • Lanxess usará recursos para reduzir dívidas e planeja recomprar ações
  • Nova joint venture terá portfólio de produtos pioneiros e cadeia de valor integrada

A Lanxess contribuirá com sua unidade de negócios High Performance Materials (HPM) para a nova joint venture.

A empresa de especialidades químicas Lanxess e o Advent International, um dos maiores e mais experientes investidores globais de private equity, com um histórico sólido de investimentos em produtos químicos, estão estabelecendo uma joint venture para polímeros de engenharia de alto desempenho. As duas empresas assinaram um acordo para adquirir o negócio de materiais de engenharia do grupo holandês Royal DSM (DSM Engineering Materials (DEM)), que fará parte da nova joint venture. O preço de compra é de cerca de 3,7 bilhões de euros e será financiado pela joint venture através de capital da Advent e dívida externa. O negócio representa vendas de cerca de 1,5 bilhão de euros, com uma margem EBITDA de aproximadamente 20%. A DEM é um dos principais fornecedores globais de materiais especiais de alto desempenho que atendem às necessidades de mercados chaves em produtos eletrônicos, elétricos e de consumo.

Além disso, a Lanxess contribuirá para a nova joint venture com sua unidade de negócios High Performance Materials (HPM). A HPM é um dos principais fornecedores de polímeros de alto desempenho, que são usados ​​principalmente na indústria automotiva. O negócio representa vendas anuais de cerca de 1,5 bilhão de euros, com EBITDA pré-excepcionais de cerca de 210 milhões de euros. A Advent terá pelo menos 60% da joint venture. A Lanxess receberá um pagamento inicial de pelo menos 1,1 bilhão de euros e uma participação de até 40% na futura joint venture. Após a transferência para a joint venture, o negócio HPM não será mais totalmente consolidado na Lanxess, mas será incluído nas demonstrações financeiras consolidadas no patrimônio líquido.

Esse movimento aprimora ainda mais o portfólio de negócios da Lanxess, que consistirá em três segmentos de especialidades químicas assim que a transação for concluída. A Lanxess usará os recursos da transação para reduzir sua dívida e fortalecer seu balanço. Além disso, o Grupo planeja um programa de recompra de ações com um volume de até 300 milhões de euros.

A Lanxess terá a possibilidade de alienar sua participação na joint venture para a Advent com o mesmo valor após três anos. O EBITDA poderia então ser significativamente maior do que hoje, já que o Advent e a Lanxess antecipam sinergias substanciais resultantes da combinação dos dois negócios.

A transação ainda está sujeita à aprovação das autoridades. O fechamento está previsto para o primeiro semestre de 2023.

Matthias Zachert, CEO da Lanxess, disse: “A Lanxess mais uma vez se tornará significativamente menos dependente das flutuações econômicas. Além disso, nós, como Lanxess, fortaleceremos nosso balanço patrimonial com os recursos da transação e ganharemos um novo escopo para o desenvolvimento adicional de nosso Grupo. Com a nova joint venture, estamos forjando um forte player global no campo de polímeros de alto desempenho. Os portfólios, cadeias de valor e posicionamento global dos dois negócios se complementam perfeitamente. Com seus produtos inovadores, a joint venture poderá desempenhar um papel fundamental na formação de desenvolvimentos futuros – por exemplo, no campo da eletromobilidade. Temos um parceiro forte e confiável na Advent, com profunda experiência na indústria química e nas indústrias de nossos clientes.”

Ronald Ayles, sócio-gerente da Advent International: “Unir forças com a Lanxess nesta transação transformadora do setor é um destaque para a Advent, pois construímos um relacionamento confiável e duradouro e compartilhamos o mais alto respeito mútuo. Juntos, planejamos trazer a experiência, conhecimento profundo do setor e recursos financeiros para tornar a joint venture uma história de sucesso global para todos os envolvidos. A combinação da High Performance Materials (HPM) da Lanxess com a DSM Engineering Materials (DEM) cria uma plataforma forte e reúne ampla experiência, resultando nas melhores oportunidades para os funcionários e mais valor para os clientes.”

Configuração global e alta integração na cadeia

O negócio de materiais de engenharia da DSM compreende poliamidas (PA6, PA66), bem como vários materiais especialidades (PA46, PA410 e poliésteres especiais, bem como PPS). Cerca de 2.100 funcionários trabalham para a divisão em 8 unidades de produção e 7 centros de pesquisa em mercados relevantes em todo o mundo. Além da Europa e dos EUA, o negócio tem uma presença particularmente forte na Ásia.

A unidade de negócios High Performance Materials (HPM) da Lanxess é uma das principais produtoras de polímeros de engenharia PA6 e PBT e compósitos termoplásticos com fibras. Um total de 1.900 funcionários em 10 unidades de produção e 7 laboratórios de pesquisa em todo o mundo trabalham para a HPM. A rede de produção global é caracterizada por um alto grau de integração da cadeia. A espinha dorsal é o site de Antuérpia, na Bélgica. Lá, a HPM produz não apenas polímeros PA6, mas também precursores relevantes, como caprolactama e fibras de vidro.

Portfólio de produtos sustentáveis

Tanto a DEM quanto a HPM oferecem alternativas de base biológica e reciclada em seus portfólios de produtos.

Por exemplo, a Lanxess lançou recentemente um novo polímero de alto desempenho feito com 92% de matérias-primas sustentáveis. Na produção do polímero, a Lanxess usa ciclohexano “verde” oriundo de fontes sustentáveis, como óleo de colza ou outra biomassa como matéria-prima. É reforçado com 60% em peso de fibras de vidro recicladas de resíduos de vidro industrial.

Aplicações orientadas para o futuro

A indústria automotiva é um segmento-foco para a nova joint venture. Lá, os polímeros são usados, entre outras coisas, para elementos leves em peças estruturais, mas também no interior e muitas vezes substituem peças metálicas. Desta forma, o peso do veículo pode ser diminuído e as emissões de CO2 reduzidas. Uma importante área de crescimento é a eletromobilidade. Aqui, os polímeros são usados, por exemplo, na construção de baterias e sistemas de carregamento, sistemas de controle eletrônico e eletrônica de potência.

Além disso, os materiais são usados ​​na indústria elétrica e eletrônica, por exemplo, em componentes para smartphones, TI e eletrodomésticos.

Curta nossa página no

Tecnologia de painéis solares flutuantes potencializa a geração de energia limpa a baixo custo

06/06/2022

Estrutura flutuante produzida com resina da Braskem, permite instalação dos painéis em reservatórios de água, gerando aumento da capacidade de produção; aplicação deve ser impulsionada pela recente aprovação da NR 954

O cenário desafiador enfrentado pelo setor elétrico, provocado pela crise hídrica em diversas regiões do país, vem impulsionando o desenvolvimento de soluções que aplicam novas tecnologias para atender a demanda crescente por energia barata, limpa e de fonte renovável. É o caso do Hydrelio, estrutura flutuante produzida com resina da Braskem, que permite a instalação de painéis solares em reservatórios d’água, como hidrelétricas, proporcionando aumento de sua capacidade produtiva.

Desenvolvida pela Ciel et Terre, empresa francesa especializada na integração de sistemas fotovoltaicos e representada no Brasil pela Ciel et Terre Brasil Manufactoring, a solução é pioneira no mercado mundial para usinas flutuantes de geração solar, sendo composta por painéis fotovoltaicos dispostos sobre flutuadores de polietileno de alta densidade da Braskem. No território brasileiro sua instalação é feita pela empresa Sunlution.

Além de hidrelétricas, os painéis solares sobre flutuadores podem ser instalados em outros tipos de superfícies de água, como lagos industriais e de retenção, reservatórios de irrigação e de água potável, estações de dessalinização e de tratamento de águas, açudes e canais de propriedades agrícolas e pecuárias. Essas aplicações passam a ser favorecidas com a aprovação, em novembro de 2021, da Resolução Normativa ANEEL nº 954 , que regulamenta a implantação de Centrais Geradoras Híbridas e Associadas.

Atenta a esse cenário e buscando apoiar os parceiros no desenvolvimento do mercado nacional, a Braskem trabalhou não só na adequação da resina de polietileno, mas também na identificação de transformadores para a produção dos flutuadores no Brasil e na modelagem dos negócios para o mercado local.

“O papel da Braskem no desenvolvimento desta solução tem sido fundamental. A demanda inicial, que era definir uma resina que atendesse os requisitos técnicos para os flutuadores, tornou-se uma oportunidade de negócio de elevado potencial frente à gama de mercados em que o Hydrelio pode ser viabilizado e empregado”, explica Jorge Alexandre Oliveira Alves da Silva, responsável por Desenvolvimento de Mercado de PE para construção civil e infraestrutura da companhia.

Os resultados desses esforços da Braskem já vêm sendo reconhecidos pelos parceiros, como explica Luiz Piauhylino Filho, sócio-diretor da Sunlution. “Há diversos benefícios expressivos na utilização da tecnologia. Além da potencialização da geração de energia por fonte renovável, quando um painel solar é instalado em uma superfície aquática, ocorre a liberação de terrenos em terra firme, que podem ser ocupados para produção rural agropecuária, por exemplo. A solução também gera redução de custos para ligação com a rede elétrica e envolve uma manutenção mais barata e simples do que os sistemas convencionais”, explica o executivo, ressaltando que o Hydrelio é capaz de reduzir em até 70% a evaporação dos locais onde é instalado, o que inibe a proliferação de algas e micro-organismos que comprometem a qualidade da água.

Caso de sucesso

Uma das empresas que já utilizam o Hydrelio para geração de energia em suas operações é a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), subsidiária da Eletrobras e concessionária de um dos maiores sistemas de geração e transmissão de energia elétrica do Brasil. A instalação de um sistema de energia solar flutuante na usina hidrelétrica que a Chesf possui em Sobradinho (BA) ocorreu em 2018, aumentando a produtividade local, chegando a 1 Megawatt-pico (MWp), afirma a Braskem.

“Apostamos em caminhos inovadores e sustentáveis, tendo o modelo de geração de energia híbrida como forma de potencializar o mercado energético nacional, que vem passando por um período transitório”, explica José Bione de Melo Filho, gerente do Departamento de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da Chesf”.

Curta nossa página no

Terphane participa de projeto da Braskem para o desenvolvimento de embalagens com resinas recicladas pós-consumo

06/06/2022

O projeto conta ainda com a participação dos convertedores Antilhas e Gualapack

A Terphane é uma das empresas parceiras da Braskem num projeto que prevê o desenvolvimento de stand-up pouches (SUP), para uso não alimentício, a partir dos filmes sustentáveis da linha PCR Ecophane feitos com até 30% de poliéster reciclado pós consumo. O projeto nasceu do compromisso da Braskem em ajudar os proprietários de marca a atingirem suas metas de sustentabilidade. As outras duas empresas participantes são Antilhas e Gualapack.

A produção dos SUP começa com o envio das resinas de PE PCR (polietileno com reciclado pós-consumo) da Braskem, junto com um filme de poliéster com material reciclado pós consumo da linha Ecophane, da Terphane, para a Antilhas, que é responsável pela conversão da embalagem (laminação e impressão). Após a conclusão desta etapa, a estrutura da embalagem é encaminhada para a Gualapack que formata o pouch e injeta o bico e a tampa, também produzidos com material reciclado pós-consumo.

A colaboração para desenvolver esta tecnologia, a partir de PCR, resultou na produção de um material com 43,3% de conteúdo pós-consumo (r-PE + r-PET), gerado em duas linhas de produção, além da logística reversa de embalagens da Braskem e do polietileno de alta densidade (PEAD) de aterros sanitários.

Segundo a Terphane, em 2021 foram utilizadas 1.000 toneladas de resinas PET PCR (recicladas pós consumo), grau alimentício, na produção de filmes da linha Ecophane. Ou seja, por este processo de circularidade foram consumidas mais de 45 milhões de garrafas PET de 1 litro descartadas após o consumo.

“Este projeto com a Braskem, Antilhas e Gualapack é um exemplo extremamente bem-sucedido de desenvolvimento colaborativo. Fica cada vez mais claro que a união de diversos players é a chave para o sucesso de ações de sustentabilidade. E todos saem ganhando, em especial os proprietários de marcas, que passam a oferecer alternativas mais sustentáveis para seus consumidores, e a sociedade, que se sente parte do processo de reciclagem, contribuindo com o meio ambiente. O que seria lixo é transformado em matéria-prima e retorna para o consumo, dentro de um conceito de Economia Circular”, pontua José Bosco Silveira, Presidente do Grupo Terphane.

André Gani, Diretor de Vendas & Marketing da Terphane, completa: “O desenvolvimento da linha Ecophane não vai apenas ao encontro das métricas de sustentabilidade estabelecidas pela Terphane, mas atende a uma busca dos proprietários de marcas que querem associar suas marcas e produtos a embalagens cada vez mais sustentáveis. Ela é produzida a partir do PET reciclado de garrafas e embalagens e possui ao menos 30% de PCR em sua composição. Ou seja, além de garantir um menor uso de matérias-primas virgens, contribui para a estimular a Economia Circular”.

“Essa parceria reforça nossa contribuição com a economia circular. Atuamos em diversas frentes e em conjunto com empresas altamente qualificadas, de modo a criar produtos mais sustentáveis e que atendam às demandas do mercado. A ampliação do uso de conteúdo reciclado em aplicações de alto valor como essa somente será possível com a união de todos os elos da cadeia”, afirma Américo Bartilotti, Diretor do Negócio de Embalagens e Bens de Consumo da Braskem.

Alan Baumgarten, CEO da Gualapack, destaca que as embalagens foram submetidas aos mesmos protocolos de testes e segurança que as versões feitas com resina virgem, mostrando que estão prontas para atender aos requisitos do mercado. “Após submetermos os pouches a uma bateria de testes de resistência, concluímos que a tecnologia desenvolvida tem boa selagem, o que viabiliza sua aplicação em produtos mais técnicos.”

A embalagem tem como objetivo ser um primeiro passo do retorno dos insumos reciclados à cadeia de produção, sendo possível sua comercialização em mercados não alimentícios e sem restrição quanto ao uso de resina reciclada pós consumo. “Esta é uma alternativa interessante para marcas que buscam atingir as metas de incorporação de PCR em suas embalagens e que não possuem restrição ao uso deste tipo de material, como produtos de home care’’, completa o CEO da Gualapack.

“A participação da Antilhas neste projeto é mais um passo para ajudar as marcas a alcançarem a meta de ter 100% das embalagens reformuladas, tornando-as aderentes aos desafios listados na agenda de sustentabilidade das principais empresas e alcançando o status de Aterro Zero. Assim como fizemos com o stand up pouch 100% PE, estamos seguindo o nosso DNA e o nosso compromisso com o meio ambiente e com o desenvolvimento de projetos para a sustentabilidade”, afirma Carlos Hugo, Gerente de Desenvolvimento Técnico Comercial da Antilhas.

Desde a sua fundação em 1976, a Terphane concentra-se no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). Sua equipe possui experiência e conhecimento em produção, revestimento e metalização de filmes. A empresa se destaca por uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até a extrusão de filmes especiais. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar.

Curta nossa página no

Termotécnica firma parceria com startup para ampliar volume de reciclagem de EPS de embalagens pós-consumo

06/06/2022

Iniciativa contribui para a inclusão sócio-produtiva e o incremento da renda e a valorização de recicladores e catadores

Maior fabricante de soluções de embalagens de EPS e uma das principais recicladoras do material no país, a Termotécnica tem uma demanda maior do que a atual produção para fornecimento do Repor, matéria-prima desenvolvida pela companhia de origem proveniente de EPS pós-consumo reciclado. No entanto, a logística reversa do EPS – mais conhecido como isopor (marca de terceiros) -, para fazer chegar o material até as suas unidades de reciclagem ainda é um desafio. Para ampliar o volume de captação do EPS a ser reciclado, a Termotécnica iniciou uma parceria com a startup de soluções socioambientais A Riqueza dos Resíduos, de Curitiba (PR).

Com uma proposta inovadora de gestão e gerenciamento dos resíduos sólidos, a startup busca ser o elo da logística reversa de materiais recicláveis e realizar a inclusão sócio-produtiva de catadores e recicladores. Na parceria com a Termotécnica, a startup realiza o conceito de carga digital. Ou seja, os caminhões de coleta passam nesses locais de reciclagem em um roteiro pré-definido formando uma carga completa para ser entregue nas unidades da Termotécnica em São José dos Pinhais (PR) e em Joinville (SC).

Atualmente são 7 associações e cooperativas de recicladores que fazem parte da rede da startup da região metropolitana de Curitiba, mas a meta para atender a demanda da Termotécnica é aumentar esse número para cerca de 40 centros de triagem em todo o estado do Paraná. “Somos a conexão entre recicladores e as indústrias que compram os materiais pós-consumo, facilitando o acesso e otimização da rotina diária pela busca de recicláveis”, afirma a fundadora e CEO da startup, Tatiane Martins Soares.

De acordo com Albano Schmidt, presidente da Termotécnica, desde 2007 a empresa vem buscando ampliar a cobertura do seu Programa Reciclar EPS no país, com uma rede de parceiros como cooperativas e associações de recicladores, prefeituras, entre outras, de forma a reforçar a conscientização para a destinação correta, reciclagem e reintrodução do EPS pós-consumo na cadeia produtiva, realizando a economia circular na prática. “Sendo a única fonte de renda de recicladores autônomos e associações de catadores de baixa renda e com esse trabalho aumentamos a demanda, valorizamos e ampliamos os ganhos destas famílias”, afirma.

A startup A Riqueza dos Resíduos também está implantando ecopontos em escolas municipais de Curitiba, Pinhais, São José dos Pinhais e Colombo e fazendo um trabalho de capacitação de professores e equipe de limpeza e de conscientização dos alunos para a reciclagem do EPS. “Com isso, uma parte do valor que a Termotécnica paga pela compra das cargas recolhidas nas recicladoras é revertida para as Associações de Pais e Mestres destas escolas em forma de cashback. Esses recursos são reinvestidos em atividades de Educação Ambiental dos alunos”, conta Tatiane.

As embalagens em EPS estão cada vez mais presentes no dia a dia das pessoas e das empresas. O material é amplamente utilizado no acondicionamento, conservação, transporte e proteção de alimentos, medicamentos e vacinas, eletrodomésticos, peças diversas e itens frágeis. Por ser um tipo de plástico, ele pode ser 100% reciclado e virar novos produtos, evitando que essa matéria-prima vá para um aterro.

A Termotécnica tem uma trajetória pioneira em logística reversa e economia circular ao estruturar uma rede de parceiros e investir na reciclagem do EPS pós-consumo, transformando o material em um insumo reciclado valorizado no mercado. Antecipando-se à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), desde 2007 a Termotécnica coleta, recicla e reintroduz o material pós-consumo no mercado.

O Programa Reciclar EPS contempla serviços de logística reversa e reciclagem, ampliando o ciclo de vida dos materiais, evitando a exploração de novos recursos finitos e contribuindo para circularidade do material e preservação do meio ambiente. A reciclagem do EPS gera uma nova matéria-prima, denominada Repor – marca de poliestireno reciclado da Termotécnica -, utilizado na fabricação de rodapés, molduras, solados de sapatos, decks para piscinas, entre outros produtos.

“Nossa abordagem ambiental traz a economia circular na prática. Inclui uma visão integrada desde a concepção de produtos, eficiência operacional, passando por logística reversa, reciclagem e indo até novas cadeias produtivas, fechando o ciclo da economia circular. Pensando na cadeia logística como um todo, o Programa Reciclar EPS atende às exigências por uma atuação responsável das empresas em termos de sustentabilidade”, afirma o presidente, Albano Schmidt.

O programa reciclar EPS é responsável pela reciclagem de 1/3 do EPS disponível no mercado, afirma a Termotécnica. Em 2021, foram mais de 44 mil toneladas de EPS recicladas. Mais de 300 cooperativas no país são parceiras do programa, captando e selecionando EPS. Internamente, a empresa conta com cerca de 100 funcionários diretos atuando no reprocessamento deste material. Segundo a empresa, esse processo ajuda a gerar renda para aproximadamente 5.000 famílias.

Curta nossa página no

Campanha Reúse promove a coleta e reciclagem de geladeiras e freezers

06/06/2022

Iniciativa desenvolvida pela Dow, em parceria com Instituto Akatu e a Indústria Fox, visa fomentar a reciclagem de materiais de geladeiras e freezers na região de Jundiaí (SP) e cidades próximas: Itu, Itupeva, Cabreúva, Salto e Valinhos

A Dow, em parceria com Instituto Akatu e a Indústria Fox, anuncia o início da Campanha “Reúse – o descarte correto é só o começo” para a coleta seletiva e a reciclagem de geladeiras e freezers. Com investimento de mais de R$ 1 milhão, iniciativa tem como objetivo facilitar as condições para a gestão dos resíduos e reutilização dos materiais contidos nestes aparelhos, fomentando a circularidade e o desenvolvimento socioeconômico na região onde está sendo realizada.

Ao orientar e estimular a população dos municípios de Jundiaí (SP) e cidades próximas em relação ao descarte adequado de geladeiras e freezers antigos, a campanha Reúse também contribui diretamente para um consumo mais racional de eletricidade por parte da população local, uma vez que ajuda a reduzir o volume em operação de equipamentos antigos e menos eficientes no uso da energia elétrica. A Indústria Fox, situada em Cabreúva (SP), é a responsável pela coleta e reaproveitamento de peças e materiais dos eletrodomésticos descartados. A empresa é pioneira no Brasil em manufatura reversa e atua na desmontagem de aparelhos antigos, reciclagem dos componentes e destruição dos gases CFC (Clorofluorocarboneto), o que contribui para o combate ao aquecimento global e possibilita a proteção da camada de ozônio.

Nas cidades alcançadas pelo projeto, a campanha irá oferecer diferentes modalidades de participação, que incluem desde a possibilidade de agendamento para coleta gratuita da geladeira ou freezer antigo na residência do consumidor até a oferta de desconto na compra dos eletrodomésticos remanufaturados mediante o descarte da geladeira ou freezer usado. As informações sobre como agendar a coleta gratuita e realizar a compra dos equipamentos remanufaturados com desconto estão disponíveis para a população em https://bit.ly/projeto-Reuse.

Além disso, o Instituto Akatu coordenará iniciativas de sensibilização e comunicação do projeto em escolas, nas organizações da sociedade civil locais, junto aos consumidores e à cadeia de reciclagem. O objetivo dessas ações, que estão em fase de desenvolvimento e serão realizadas em parceria com prefeituras, consiste em ampliar a mobilização sobre a gestão de resíduos e divulgar os impactos do descarte incorreto dos aparelhos.

“As ações com a comunidade e público escolar por meio de conteúdos, materiais, e metodologia visam estimular a melhora dos seus hábitos pós-consumo, tais como a eliminação final adequada de geladeira e freezers antigos por meio de um sistema de gestão de resíduos que estimule a eliminação apropriada do equipamento descartado e facilite as condições para o tratamento correto dos resíduos e a reutilização dos materiais contidos nestes aparelhos”, afirma Fernando Martins, coordenador de projetos de educação do Instituto Akatu.

A Campanha Reúse oferece a oportunidade de estabelecer um modelo de reaproveitamento de materiais para a indústria de eletrodomésticos, trazendo parceiros, clientes e toda a sociedade, para possibilitar que não somente as espumas de poliuretano – como também outros componentes de geladeiras e freezers – sejam corretamente extraídos de aparelhos antigos e reciclados.

”Queremos não somente integrar as cadeias de valor na busca por soluções de circularidade de materiais, como também atuamos para acelerar o desenvolvimento socioeconômico nas regiões onde estamos presentes”, enfatiza Thales Oliveira, líder de sustentabilidade do negócio de Poliuretanos da Dow para a América Latina.

Para Marcelo Souza, CEO da Indústria Fox, a parceria nesse projeto contribuirá ainda mais para a sustentabilidade, a diminuição da degradação do meio ambiente e o equilíbrio socioeconômico. “O sucesso da campanha é mais um passo em direção ao modelo de economia circular, onde o desperdício cede lugar para à regeneração, à recuperação, ao prolongamento de ciclos e à transformação de matérias primas secundárias”, enfatiza.

Descarte correto e reaproveitamento inteligente

Criada em 2021, a campanha Reúse tem como objetivo acrescentar valor às espumas de poliuretano (PU) no fim da vida útil e evitar que esses materiais sejam descartados em aterros ou incinerados. As tecnologias para poliuretano estão entre as principais soluções produzidas pela Dow e utilizadas em aplicações de colchões, móveis estofados, sistemas de refrigeração, entre outros.

Em sua primeira fase, as ações foram realizadas na cidade de Hortolândia (SP), com foco na circularidade de colchões e sofás. Segundo a Dow, o projeto recolheu e encaminhou para a reciclagem mais de 3,5 mil itens, que resultaram no reaproveitamento de 83,8 toneladas de resíduos, entre madeira, espuma de poliuretano, tecidos, borracha, molas e outros materiais. De acordo com a empresa, o total de peças coletadas, caso fossem empilhadas, corresponderiam a 13 Torres Eiffel. Além disso, foram realizadas ações educacionais em cerca de 30 escolas da rede de ensino municipal para a sensibilização e a mobilização de alunos e comunidades para o descarte correto desses materiais.

Impulso à economia circular

Segundo a Dow, o desenvolvimento da campanha Reúse está alinhado à estratégia global e regional da empresa na instituição de ações voltadas para questões sociais e de sustentabilidade. Por meio de parcerias colaborativas, a companhia investe na implementação da economia circular ao desenvolver soluções para fechar os ciclos de recursos nos principais mercados, com foco na gestão de resíduos e reciclagem inclusiva. A iniciativa faz parte do conjunto de ações da Dow com foco nas Metas de Sustentabildiade até 2050.

A Dow possuim um portfólio diferenciado de plásticos, intermediários industriais, revestimentos e silicones, oferecendo uma variedade de produtos e soluções de base científica a clientes em segmentos de mercado de alto crescimento, como embalagens, infraestrutura, mobilidade e aplicações para o consumidor. A Dow opera 104 unidades fabris em 31 países e emprega cerca de 35.700 pessoas. Em 2021, gerou aproximadamente US$ 55 bilhões em vendas.

Curta nossa página no

Unipac cresce no mercado de embalagens com tampas de diferentes tecnologias

06/06/2022

Fabricante de tampas desde a década de 1970, a empresa possui um parque fabril, com unidades de produção em Limeira e Pompeia (SP). Nos últimos anos, investiu em injetoras elétricas, moldes novos, sistema de inspeção automatizado, ampliando a capacidade tecnológica e profissional para a realização de projetos específicos, oferendo tanto tampas como o conjunto completo (tampa e embalagem). Segundo a empresa, os diversos investimentos favoreceram o aumento da produtividade e o desenvolvimento de soluções que promovem a segurança no envase, transporte e armazenamento de diversos produtos.

Atualmente, a Unipac oferece tampas para embalagens a partir de 250 ml, nos tamanhos de 41mm, 45mm e 63mm de diâmetro, que podem ser adequadas conforme as necessidades dos clientes, sempre com tecnologia integrada.”Com o avanço das tecnologias e com o surgimento de novos processos e materiais, a empresa possui soluções eficientes para atender às exigências de mercado. Os resultados que vêm sendo colhidos são frutos de anos de pesquisas”, informa André Silvestre, Gerente de Vendas do Segmento Embalagem da Unipac.

Histórico de inovações e sustentabilidade

As primeiras tampas do portfólio da Unipac foram para embalagens destinadas ao transporte de líquidos e mercado agropecuário. Na década de 1980, iniciou-se o fornecimento para o mercado de defensivos agrícolas, com vedação em alumínio. Em 2004, foi aprimorado o sistema antiviolação e de abertura e, em 2006, foi lançada a tampa 25% mais leve do que o modelo utilizado até então, com o menor peso do mercado e mais sustentável, dada a redução do consumo e descarte de matéria-prima e menor custo de produção.

Recentemente, a Unipac lançou uma embalagem plástica inteligente: por meio de um aplicativo, é possível acessar as informações contidas em uma tag aplicada no selo colocado na tampa da embalagem, o que confirma a autenticidade do produto. Essa solução, além de ajudar a combater a ilegalidade no segmento de defensivos agrícolas, pode ser utilizada por outros mercados, ajudando a proporcionar maior segurança ao cliente e ao usuário dos produtos, afirma a empresa.

A Unipac diz que as tampas desenvolvidas pela empresa são homologadas e atendem às regulamentações para acondicionamento e transporte de produtos perigosos e aos requisitos dos clientes.

“As tampas, quando bem desenvolvidas e corretamente utilizadas pelo cliente, proporcionam vedação adequada e contribuem para preservação ambiental, trazendo mais segurança ao operador e à empresa durante o transporte. Um projeto de tampa pressupõe um estudo de viabilidade que considerará o tipo de matéria-prima, aplicação, forma de produção, funcionalidade e, sobretudo, a destinação pós-uso”, comenta Silvestre.

Com 46 anos em 2022, a Unipac executa seis tipos de processos de transformação em suas unidades produtivas – sopro, injeção, injeção estrutural, extrusão de chapas, termoformagem e rotomoldagem – que estão instalados em Pompeia (matriz) e Limeira (filial), ambas em São Paulo, e nos sites de seus clientes, por meio do modelo in house, nas cidades de Regente Feijó/SP, Paulínia/SP e Maracanaú/CE. Possui em torno de 1.000 colaboradores, conta com uma área voltada à inovação e um centro de pesquisa de engenharia avançada em materiais e processos. Além disso, investe em programas e parcerias com outros Centros de Pesquisa e de Inovação com capacidade para integrar novas tecnologias digitais para o desenvolvimento de produtos e serviços.

Curta nossa página no

Adirplast divulga levantamento sobre varejo de resinas plásticas e insumos afins

06/06/2022

Pesquisa contratada pela entidade mostra os indicadores do mercado brasileiro de distribuição de resinas commodities, plásticos de engenharia e filmes de BOPP e BOPET, como também o mercado brasileiro de masterbatches em 2021. Levantamento aponta ainda os resultados deste segmento nos primeiros quatro meses de 2022

Os indicadores do mercado brasileiro de distribuição de resinas no varejo são parte integrante do estudo divulgado pela Adirplast (Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas e Afins). O levantamento foi realizado entre abril de 2021 a abril de 2022. “O propósito da pesquisa foi o de saber nosso posicionamento no mercado nacional, nosso market share, além de entender o crescimento ou queda das vendas e os impactos da regionalização”, explica Laercio Gonçalves, presidente da associação.

Diversas fontes foram consultadas para elaboração do estudo, entre elas os associados Adirplast, fabricantes e traders, mas também empresas não associadas. Além disso, foram utilizadas informações de comércio exterior e de balanço de oferta e de demanda.

O levantamento, que avalia o desempenho do setor de varejo de resinas plásticas e outros produtos deste mercado, foi feito considerando quatro segmentos. O primeiro deles é o de resinas termoplásticas de PEs, PP e PS, também conhecidas como as resinas commodities. No geral, o volume comercializado no país desses três produtos se manteve estável em 2021, com 720 mil toneladas, com leve incremento das importações em relação ao ano anterior. Os distribuidores, que em 2020 tinham mais da metade desse segmento, foi responsável no ano passado por apenas 26% das vendas. “Na pesquisa chama a atenção o crescimento de revendas com produtos nacionais, importados e fontes da zona franca de Manaus. Isso mostra que a diferença de ICMS entre estados tem cada vez mais influência competitiva”, diz Gonçalves. Segundo ele, isso também mostra a necessidade de não apenas se reduzir o imposto em momentos de crise, mas de revê-lo. A diferença nas alíquotas cobradas hoje pelos Estados é uma das principais fontes geradoras de sonegação e de concorrência desleal.

A distribuição de filmes flexíveis BOPP (biorientados de polipropileno) e BOPET (biorientados de poliéster) também foi avaliada na pesquisa. Diferentemente das resinas commodities, aqui houve um recuo considerável nos volumes de vendas deste segmento. No ano passado foram comercializadas 39 mil toneladas desses produtos, 18% a menos do que em 2020. Outra diferença entre esse mercado e o de commodities plásticas é que aqui são os distribuidores formais que respondem pela maior parte deste mercado, com uma fatia de mais de 75% das vendas. “O poder de compra do consumidor diminuiu neste último ano, impactado pela inflação e, consequentemente, nosso setor sentiu este recesso”, conta Cecília Vero, vice-presidente da entidade e diretora da Nova TIV.

Já para o varejo de plásticos de engenharia, no qual se enquadram produtos como ABS, PA6, PA66, POM e PBT, o estudo mostra que os números são positivos, com crescimento de 31% do volume de vendas em 2021, atingindo 52 mil toneladas comercializadas. “Este crescimento reflete uma importante retomada da economia interna, apesar dos problemas econômicos gerados pela pandemia, e demonstra uma pujança do setor em 2022. Ainda assim, é preciso lembrar que tivemos desafios causadas pela escassez de algumas matérias-primas, além de componentes, como os eletrônicos, que prejudicaram a retomada da indústria automotiva e problemas logísticos com os fretes marítimos internacionais”, comenta Osvaldo Cruz, da Entec.

No que diz respeito ao mercado total de masterbatches, o estudo destaca que houve uma retomada do consumo dessas resinas em 2021. Ao todo, foram comercializadas 153 mil toneladas dessas resinas no ano passado, a um valor de R$ 2.127 milhões.

A pesquisa feita pela Maxiquim, a pedido da Adirplast, também levou em consideração a receita envolvida. O levantamento mostra que, de forma geral, todos os segmentos experimentaram incrementos bastante consideráveis de preços em função dos novos patamares de valores praticados em 2021. No que diz respeito aos termoplásticos, pode-se dizer que os preços de 2021 foram em média 55% maiores do que no ano anterior. Já entre os plásticos de engenharia, os preços subiram em média 80%. “Falta de matéria-prima, dificuldades com a importação e frete alto são alguns fatores que resultaram no aumento de preços”, finaliza o presidente da entidade.

A Adirplast tem como diretrizes o fortalecimento da distribuição, o apoio aos seus associados e a integração do setor de varejo de resinas plásticas, filmes biorientados, plásticos de engenharia, masterbatches e compostos. Atualmente, a associação agrega empresas distribuidoras de insumos plásticos que, juntas, tiveram um faturamento bruto de cerca de R$ 4,5 bilhões em 2020. Elas responderam por cerca de 12% de todo o volume de polímeros, masterbatches, compostos e filmes biorientados comercializados no país.

Curta nossa página no

Braskem investe em estudos para reinserir embalagens multicamadas na cadeia produtiva

06/06/2022

Com aporte de mais de US$ 2 milhões, projeto com parceiros nos EUA visa o desenvolvimento de tecnologia para alavancar a reciclagem de embalagens complexas de se reciclar pela mistura de diferentes tipos de matérias-primas

A Braskem tem buscado investir em pesquisas e tecnologias que facilitem o processo de reciclagem mecânica e avançada de embalagens multicamadas, ou seja, em que há muitas camadas de diferentes tipos de materiais, inclusive plásticos, em sua composição.

Diante disso, a companhia se uniu à Case Western Reverse University (CWRU), MH&R, SANDIA National Lab, Lawrence Livermore National Lab e P&G, nos EUA, para desenvolver uma nova forma de separar os componentes desse tipo de embalagem. Conhecida como Mechanical Chemical Hybrid Process (em tradução livre, Processo Híbrido de Reciclagem Química e Mecânica), a iniciativa propõe um processo de abordagem inovativa e disruptiva para solucionar um desafio atual da indústria: criar alternativas para reciclar as embalagens multicamadas, uma vez que seus elementos são mais difíceis de serem separados e reciclados pelos meios tradicionais.

O projeto está em fase de desenvolvimento e a contribuição da Braskem consiste em levar seu know-how em poliolefinas e processamento de polímeros junto aos parceiros, possibilitando, assim, o avanço das pesquisas. “A Braskem está constantemente investindo em novas tecnologias para aperfeiçoar a reciclagem mecânica e avançada e, por isso, acreditamos que podemos contribuir muito com o crescimento do projeto, que é diferente de tudo o que existe no mercado”, declara Antonio Queiroz, vice-presidente de Inovação & Tecnologia da Braskem.

A Braskem afirma que a iniciativa está diretamente ligada às suas metas de ampliar seu portfólio de soluções sustentáveis para incluir, até 2025, 300 mil toneladas de resinas termoplásticas e produtos químicos com conteúdo reciclado e, até 2030, 1 milhão de toneladas destes produtos. “É um compromisso estabelecido pela companhia e que incentiva a busca por novas tecnologias que facilitem o retorno dos resíduos plásticos para a cadeia e a transformação em novos produtos visando a sustentabilidade e a preservação do meio ambiente. Essa iniciativa está totalmente alinhada com a nossa estratégia global de inovação e desenvolvimento sustentável, focando na eliminação de resíduos plásticos e na promoção da economia circular”, completa.

Apesar de ser uma solução de engenharia avançada e muito importante para garantir a vida útil de alimentos e outros produtos, as embalagens multicamadas geram desafios de sustentabilidade, pois diminuem as propriedades mecânicas e óticas do processo de reciclagem mecânica tradicional. Já na reciclagem química avançada, esses resíduos contêm a presença de oxigênio em sua composição, o que dificulta a quebra de suas moléculas, processo necessário para transformá-los em insumos para a produção de novos plásticos e produtos químicos.

A ideia do projeto surgiu em 2018, mas foi em 2020 que a equipe de Inovação & Tecnologia da Braskem junto com a equipe do professor Dr. João Maia, responsável por Ciências e Engenharia Macromolecular da Case Western Reserve University, em Cleveland, Ohio, submeteram a iniciativa a um edital do Departamento de Energia dos EUA. O projeto foi aprovado e a universidade recebeu um investimento de mais de 2 milhões de dólares para estudos mais profundos que permitirão entender a viabilidade prática e o possível escalonamento da tecnologia.

“Hoje em dia não há uma solução tecnológica melhor do que as embalagens multicamadas, onde conseguimos garantir propriedades únicas de conservação e transporte de alimentos. Esses materiais, no entanto, nos geram o desafio de devolvê-los para a cadeia produtiva após sua utilização. Com o apoio da Braskem, conseguimos viabilizar o estudo, no que diz respeito à reciclagem das embalagens multicamadas. Além disso, o processo desenhado permite a geração de uma poliolefina de alta pureza, assim como a possibilidade de adequação em reciclagens mecânicas usuais. Ou seja, traçamos um caminho para a popularização do processo”, pontua o professor Dr. Maia.

Por dentro da tecnologia

De modo geral, as embalagens multicamadas são compostas por 80% de resinas poliolefínicas – como polietileno (PE) e polipropileno (PP) – e 20% de resinas não poliolefínicas – como o politereftalato de etileno (PET), poliamida (PA) e copolímero de etileno e álcool vinílico (EVOH) – para agregar funcionalidades como aspecto (brilho, melhor impressão, entre outros) e barreira à gases, principalmente o oxigênio, por meio do uso de camadas, o que garante a conservação do produto inserido dentro delas.

Por meio da tecnologia, a Braskem e seus parceiros conseguirão separar ambas as camadas (poliolefínicas e não poliolefínicas) permitindo inseri-las adequadamente na reciclagem mecânica ou avançada. Este processo funciona da seguinte maneira: dentro de uma máquina, denominada extrusora reativa, as embalagens são fundidas a altas temperaturas e submetidas a diferentes processos químicos que possibilitem a remoção das camadas não poliolefínicas.

O produto resultante dessa primeira etapa (camadas poliolefínicas) é enviado para a reciclagem mecânica e pode ser submetido a um segundo processo de extrusão reativa , no qual, a temperaturas de até 350°C, se transformará em ceras ou óleos cujas moléculas podem ser quebradas e reagrupadas a fim de se tornarem novas resinas para uso industrial.

Já o insumo não poliolefínico, também recuperado na primeira fase, vai para a repolimerização (nº 3), processo do qual se torna um polímero novamente, atingindo assim a circularidade, ou seja, também se tornando matéria-prima para desenvolvimento de um novo produto.

Foto: João Maia (Case Western Reserve University)

Curta nossa página no

No Dia Mundial do Meio Ambiente, PICPlast lembra cinco iniciativas brasileiras em prol da sustentabilidade dos plásticos

05/06/2022


Em 5 de junho é celebrado o Dia Mundial do Meio Ambiente; durante toda a primeira semana do mês são realizadas ações de conscientização sobre o tema. Pessoas do mundo inteiro têm expressado suas preocupações com o impacto do descarte de resíduos na preservação do meio ambiente e a indústria do plástico vem realizando mudanças para fabricar produtos mais adequados aos modelos de economia circular. Os investimentos em pesquisa e desenvolvimento visam desde a criação de novos designs de embalagens, produção de polietileno a partir do etanol de cana-de-açúcar, até maneiras mais eficazes de reciclar resíduos plásticos.

De acordo com Simone Carvalho, membro do comitê técnico do PICPlast (Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico), “no Brasil, soluções que remodelam os processos de produção de plásticos e de reciclagem estão emergindo já há alguns anos por necessidade e urgência”.

“As empresas tomaram medidas para reduzir a quantidade de plástico produzindo garrafas PET mais leves, por exemplo; ao mesmo tempo, os comportamentos de consumo estão começando a mudar, à medida que as pessoas abraçam a economia compartilhada”, explica.

Confira algumas iniciativas que, nos últimos anos, têm feito a indústria do plástico evoluir a caminho de uma atuação mais sustentável:

1 – Brasil tem o primeiro polietileno verde certificado no mundo

Em 2007, a Braskem anunciou a produção do primeiro polietileno a partir do etanol de cana-de-açúcar certificado mundialmente, utilizando tecnologia desenvolvida no Centro de Tecnologia e Inovação da empresa. O material hoje é usado em diversas aplicações como, por exemplo, na fabricação de brinquedos, embalagens de cosméticos, equipamentos de jardinagem e até mobiliários como cadeiras e mesas.

A novidade se dá pelo fato de o material contribuir para a redução da emissão dos gases do efeito estufa na atmosfera, já que captura 3,09 toneladas de gás carbônico durante o seu processo produtivo, segundo a Braskem. A resina também apresenta as mesmas características do polietileno tradicional, ou seja, não necessita de adaptações de maquinário e é 100% reciclável.

2 – Logística reversa passa a ser lei para destinação do plástico

A logística reversa foi instituída pela Lei Nº 12.305, que trata da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), segundo a qual as empresas devem se responsabilizar pelo ciclo de vida do produto, ou seja, desde o seu projeto até o descarte final e retorno ao ciclo produtivo. Com isso, as empresas passaram a promover ações como campanhas com o intuito de arrecadar e recolher produtos. Um exemplo é o Descarta Aí, projeto que incentiva a logística reversa de baldes plásticos da construção civil, iniciativa da COFABI – Câmara Setorial dos Fabricantes de Baldes Industriais da ABIPLAST, com patrocínio da Braskem e operacionalização da Yatoó.

3 – Lançamento do Selo Nacional de Plásticos Reciclados

O Selo Nacional de Plásticos Reciclados (Senaplas) foi lançado no dia 20 de janeiro de 2014 como uma solução para identificar, valorizar e certificar as empresas do segmento de reciclados plásticos que atuam de acordo com os critérios socioambientais e econômicos exigidos pela Lei (Senaplas Empresa).

Em 2018 foi lançado o Senaplas Produto que visa atestar certas propriedades da resina reciclada – densidade, índice de fluidez, temperatura de amolecimento ou fusão e/ou módulo de flexão. A certificação valoriza o produto, garantindo ao mercado a qualidade superior do material durante a validade do selo (24 meses). Esse foi um importante marco para regulamentar e estabelecer um padrão de qualidade para os produtos plásticos reciclados.

4 – Investimento em recuperação de resinas plásticas pós-consumo

De acordo com pesquisa encomendada pelo PICPlast, no ano de 2020, 72% da produção de plásticos reciclados no país tiveram origem no resíduo pós-consumo, enquanto 28% foram de resíduo pós-industrial. Alguns transformadores aderiram ao mercado de recuperação de resinas para vendas a terceiros. Um exemplo é o segmento bottle-to-bottle – processo que transforma uma garrafa PET pós-consumo em outra nova e pronta para ser envasada –, que está em alta, impulsionado principalmente pelas metas de sustentabilidade de grandes empresas, como a Coca-Cola.

5 – Modernização da reciclagem

O principal motivo de perdas no processamento de resíduos ainda é a contaminação da sucata plástica com materiais indesejados, que ocorre pela dificuldade na triagem. Por esse motivo, as recicladoras de plástico há anos vêm se modernizando e se valendo da tecnologia. Uma evidência significativa é o número crescente de unidades de reciclagem munidas de sensores ópticos para distinguir plásticos com maior precisão na triagem do resíduo, assegurando maior fluidez e pureza no material que é moído e extrudado.

Por fim, nesse consenso da indústria e consumidores em prol da sustentabilidade, o mundo caminha para a economia circular, que busca evitar a disposição de resíduos em aterros e estimular o descarte correto de resíduos plásticos, o que reduz os impactos socioambientais do plástico.

O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast) é uma iniciativa criada em 2013 pela Braskem, maior produtora de resinas das Américas, e ABIPLAST, Associação Brasileira da Indústria do Plástico, que prevê o desenvolvimento de programas estruturais que contribuam com a competitividade e o crescimento da transformação e reciclagem plástica. O PICPlast já investiu cerca de R$ 20 milhões em ações em prol da imagem do plástico e programas de capacitações. A iniciativa é baseada em dois pilares: aumento da competitividade e inovação do setor de transformação, e promoção das vantagens do plástico. O PICPlast também conta com investimentos voltados ao reforço na qualificação profissional e na gestão empresarial. No pilar de vantagens do plástico, as frentes de trabalho são voltadas para reciclagem, estudos técnicos, educação e comunicação, com destaque para o Movimento Plástico Transforma.

Curta nossa página no

Na IFAT, Tomra pede para fechar o ciclo de plásticos e ir além

02/06/2022

Tove Andersen, Dr. Volker Rehrmann, Tom Eng

A Tomra continua a praticar um papel relevante em fechar o ciclo das embalagens PET para bebidas, mas reconhece que há mais a ser feito. Agora, a estrutura política, decisões ousadas e investimentos inteligentes na coleta, classificação e reciclagem devem ser usados para melhorar a circularidade em todos os fluxos de materiais e superar os gargalos da cadeia de suprimentos de hoje.

“Temos a obrigação de trabalhar com todas as partes interessadas para reduzir as montanhas de resíduos e transformá-los nos recursos valiosos que são”, afirmou a CEO e presidente da Tomra, Tove Andersen, na conferência de imprensa da Tomra realizada na IFAT. Embora tenha havido um progresso considerável na reciclagem, a pandemia e a guerra em curso na Europa nos mostraram que há uma urgência em diminuir a dependência de materiais primários. “Hoje, investimos aproximadamente 10% de nossas receitas em atividades orientadas para o futuro para aumentar a eficiência dos recursos, avançando no mercado de soluções circulares, o que estamos bem posicionados para fazer. Temos a tecnologia capaz de maximizar as taxas de recuperação. Podemos agir agora, otimizar as práticas de gestão de resíduos e preencher as lacunas existentes”, conclui Andersen.

Tendo estabelecido referências para a política climática em todo o mundo, o Pacto Verde Europeu, juntamente com regulamentos e diretrizes vinculantes para produtores e fabricantes, impulsionam a aceleração para uma economia circular. A Tomra pede a todos os participantes da cadeia de valor que vejam essas especificações como uma oportunidade e apoiem sua implementação. “Aprendemos que a legislação obrigatória é necessária para atingir metas e criar mercados”, explica o Dr. Volker Rehrmann, vice-presidente executivo e chefe da Tomra Recycling/Mining e Economia Circular. “No entanto, antes de podermos reciclar volumes maiores, precisamos coletar o máximo possível. Existem sistemas de coleta que funcionam bem, mas ainda não são suficientes. Todos os dias perdemos recursos valiosos para aterros e incineração onde são enterrados e queimados. Esta é uma fruta fácil e o material deve ser coletado, recuperado e reciclado.”

Maximizar a circularidade do material não se restringe aos plásticos. Existem mais fluxos de materiais para fechar o ciclo, como metais e madeira. “Devemos prestar igual atenção a esses recicláveis para apoiar o alcance das metas de neutralidade climática da UE estabelecidas para 2050”, disse Tom Eng, vice-presidente sênior e chefe da Tomra Recycling. Por exemplo, espera-se que a demanda por alumínio cresça 40% até 2050, um desafio para os produtores de alumínio com capacidade de produção limitada na Europa. A boa notícia é que o alumínio reciclado desempenha um papel fundamental no caminho para um mundo descarbonizado e apoia a busca dos produtores para aumentar o conteúdo reciclado e seus compromissos ambientais. Cenário semelhante pode ser observado no setor madeireiro. Os fabricantes de painéis de partículas estão procurando uma maneira econômica e ecológica de obter materiais cuja disponibilidade é atualmente limitada e com preços vertiginosos. O uso de materiais reciclados na produção de materiais à base de madeira ou metal ajudou os produtores a superar esses desafios, reduzindo as emissões de gases de efeito estufa e o esgotamento de recursos.

“Se alavancarmos o poder das tecnologias inteligentes e trabalharmos de perto com a indústria, podemos transformar resíduos em valor e reduzir a dependência de materiais primários. A reciclagem é o principal mitigador climático e a rota energeticamente eficiente ao apoiar uma transição sustentável, mantendo os materiais em uso contínuo. O que for preciso para fechar o ciclo, chegaremos lá”, finalizou Eng.
Para mais informações visite: https://solutions.Tomra.com/ifat

A Tomra Recycling projeta e fabrica tecnologias de classificação baseadas em sensores para a indústria global de reciclagem e gerenciamento de resíduos para transformar a recuperação de recursos e criar valor nos resíduos. A empresa afirma ter sido a primeira a desenvolver soluções avançados de classificação de resíduos e metais usando tecnologia de infravermelho próximo (NIR) de alta capacidade para extrair o máximo valor dos recursos e manter os materiais em um ciclo de uso e reutilização. Até o momento, mais de 8.200 sistemas foram instalados em 100 países em todo o mundo, diz a Tomra.

A Tomra Recycling é uma divisão do Grupo Tomra. A Tomra foi fundada durante uma inovação em 1972 que começou com o projeto, fabricação e venda de máquinas de venda reversa (RVMs) para coleta automatizada de recipientes de bebidas usadas.

A Tomra possui aproximadamente 10.000 instalações em mais de 80 mercados em todo o mundo e teve uma receita total de ~10,9 bilhões de NOK em 2021. O Grupo emprega ~4.600 globalmente e está listado publicamente na Bolsa de Valores de Oslo. A sede da empresa fica em Asker, Noruega.

Curta nossa página no

Projeto testa tecnologia inédita para acelerar restauração de corais a partir do uso do plástico

02/06/2022

Estudo desenvolvido pela Carbono 14 em parceria com a UFBA e patrocínio da Braskem, na Baía de Todos-os-Santos pode contribuir para recuperação de recifes

Cobrindo menos de 0,1% do oceano mundial, os recifes de corais sustentam mais de 25% da biodiversidade marinha, sendo um dos ecossistemas de maior valor ecológico e econômico do planeta. Apesar da sua importância, estima-se que 50% dos recifes foram danificados por impactos locais e pelo aquecimento dos oceanos em decorrência das mudanças climáticas e que esse percentual deve aumentar para 90% até 2050. Para reverter esse cenário, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) recomenda a restauração planejada desses ecossistemas. Essa é a proposta do projeto Corais de Maré, que desenvolveu uma tecnologia inédita para recuperar recifes nativos testando o potencial do plástico para acelerar o crescimento dessas espécies e utilizando o esqueleto do Coral-sol, que é um bioinvasor marinho presente em diversas regiões da costa brasileira.

A iniciativa, conduzida pela empresa Carbono 14 em parceria com a Universidade Federal da Bahia (UFBA), o Instituto de Pesca Artesanal de Ilha de Maré (IPA) e com patrocínio da Braskem, avalia a capacidade de diversos materiais, como Nylon, Polietileno e PET, de induzir o desenvolvimento mais rápido do coral nativo, contribuindo para que eles ganhem altura e com isso aumente a sua complexidade estrutural. “O recife tem uma estrutura tridimensional complexa construída e mantida pelos corais, que está relacionada à sua capacidade de abrigar diversas espécies marinhas, impactando diretamente na biodiversidade proporcionada por esse ecossistema. Por isso, a importância de investir em tecnologias que acelerem esse processo de restauração”, explica Igor Cruz, pesquisador de ecossistemas marinhos e professor de Oceanografia Biológica no Instituto de Geociências da UFBA, que coordena o estudo.

Testes preliminares conduzidos pela equipe do projeto indicaram que mudas da Millepora alcicornis, coral nativo na Bahia, instaladas em berçários na Baía de Todos-os-Santos, alcançaram a altura de 14 centímetros em dois meses, sendo que essa é a média de crescimento dessa espécie no período de um ano. “De forma empírica, percebemos esse crescimento mais acelerado com o uso do plástico e esse ritmo pode ser ainda maior. Se os resultados iniciais desse estudo se confirmarem, podemos utilizar essa técnica na restauração do recife não apenas na Baía de Todos-os-Santos, mas também em outras regiões”, pontua o especialista.

Para a gerente de Relações Institucionais da Braskem na Bahia, Magnólia Borges, essa ação é um exemplo de como o plástico tem potencial para mitigar os impactos negativos no meio ambiente. “O plástico cumpre um papel significativo neste projeto, potencializando o processo de restauração desse importante ecossistema. Isso reforça os benefícios que esse material proporciona à sociedade. Acreditamos que com inovação e uso consciente, o plástico oferece diversas soluções para construção de um futuro sustentável”, afirma.

Agenda positiva – A técnica aplicada neste projeto foi criada a partir da inquietação de José Roberto Caldas, conhecido como Zé Pescador, CEO da Carbono 14, que buscava uma forma de reaproveitar o esqueleto de calcário do Coral-sol na restauração do recife. “Essa espécie bioinvasora é uma das principais ameaças à biodiversidade marinha, mas seu esqueleto de carbonato de cálcio é um material natural e riquíssimo. Então, veio a ideia de transformar esse insumo em uma estrutura para recuperar o coral nativo, trazendo o Coral-sol para uma agenda positiva”, conta Zé Pescador.

Além disso, o projeto ajuda no controle desse bioinvasor, que chegou no Brasil na década de 1980 e tem se alastrado pela costa brasileira, tendo sido identificado em nove dos 17 estados litorâneos do país. “O Coral-sol é considerado uma praga em todo Brasil, que compete e causa danos aos corais nativos, principalmente por sua capacidade de proliferação que é superior, fazendo com que ele se alastre rapidamente, diminuindo os espaços disponíveis para as espécies naturais da região”, explica Zé Pescador.

Na técnica desenvolvida por ele, o esqueleto do Coral-sol é triturado, obtendo um pó de calcário que é utilizado na produção de sementeiras para cultivo de Millepora alcicornis. Em seguida, essas mudas são plantadas em berçários instalados na Baía de Todos-os-Santos.

Ciência cidadã – Todo o processo de construção de sementeiras e mudas de coral nativo é desenvolvido com participação da comunidade tradicional da Ilha de Maré. Para isso, pescadores e marisqueiros participaram de oficinas para aprender a técnica, integrando conhecimento científico ao saber popular.

“O projeto traz o saber comunitário e o acadêmico, que se unem com o intuito de recuperar o ecossistema marinho. Isso terá um impacto significativo na pesca e ajuda a comunidade a ter um novo olhar – de que precisa restaurar, e não apenas esperar a ação da natureza”, pontua Alessandra Silva, presidente do Instituto de Pesca Artesanal de Ilha de Maré (IPA).

Liderança na região, Milton Sales de Santana, de 82 anos, o Seu Naná, vê na restauração do recife uma esperança de dias melhores de pesca. “De 20 anos pra cá, a pesca se tornou muito difícil, principalmente quando se vê a olho nu várias espécies serem extintas”, afirma o pescador, que é acompanhado do filho e do neto na ação.

“Eu vou ter orgulho de contar para a minha filha que eu ajudei a plantar coral, por saber que isso vai ajudar bastante a gente e ao meio ambiente”, comemora Darlan Santana, o Bem-te-vi, neto de Seu Naná. Segundo a Braskem, estudos apontam que os recifes de corais beneficiam pelo menos um bilhão de pessoas em todo mundo por meio da pesca, pelo seu potencial turístico, como fonte de medicamentos e por fornecer proteção costeira contra a ação das marés e das ondas.

Curta nossa página no

Resíduos de construção e demolição: de redução para a reciclagem em circuito fechado e aberto

31/05/2022

Resíduos Mistos de Construção e Demolição

A indústria da construção gera quantidades relevantes de resíduos. Embora as taxas de reciclagem de resíduos de construção e demolição (CDW – construction and demolition waste) variem em todo o mundo, em todas as regiões a maioria dos materiais recuperados é reduzida a materiais de baixa qualidade ou enviada ao aterro. À medida que a demanda por matérias-primas está crescendo e o esgotamento dos recursos naturais está em ascensão, as instalações avançadas de recuperação de resíduos e as plantas de reciclagem estão ganhando o foco da atenção. A Stadler, um fornecedor de plantas de classificação para a indústria de reciclagem, está vendo um aumento na demanda de plantas de classificação de resíduos capazes de produzir materiais de alta qualidade que possam ser reciclados para substituir parcialmente os recursos naturais brutos no ciclo de produção de materiais de construção.

A indústria da construção é, de longe, a maior geradora de resíduos da União Europeia (cerca de 870 milhões de toneladas em 2017), o que representa 30% a 40% da geração total de resíduos nos países industrializados. Apesar dos altos volumes de CDW gerados, suas taxas de reciclagem variam enormemente em diferentes países ao redor do mundo: enquanto países como Holanda, Irlanda e Hungria relataram taxas de recuperação de 99% a 100% em 2017-2018, os números para outros países variou de 0% a 69%. Em todos os casos, a maioria dos materiais recuperados são reciclados – usados principalmente para construção de estradas, fundações de edifícios ou enviados para aterros. Isso significa que os materiais recuperados não substituem ou reduzem significativamente o uso de matérias-primas no processo produtivo, dificultando uma economia circular efetiva.

CDW: um alto potencial de reciclagem

Juan Carlos Hernández Parrodi, Gerente Sênior de Projeto, Pesquisa e Desenvolvimento da Stadler

“Isso representa um enorme potencial inexplorado”, diz o Dr. Juan Carlos Hernández Parrodi, Gerente Sênior de Projeto, Pesquisa e Desenvolvimento da Stadler. “Normalmente, o CDW é composto de concreto, madeira, metais, vidro, entulho de alvenaria, pedras, solo, areia, gesso, gesso cartonado, asfalto, plástico, isolamento, papel, papelão e componentes de construção recuperados. Há muito pouco que não pode ser reciclado – o potencial de reciclagem desses resíduos pode ser superior a 90%.”

Os materiais recuperados do CDW podem ser reciclados em uma variedade de aplicações. Por exemplo, hoje menos de 5% dos agregados recuperados são usados na produção de concreto novo. No entanto, os agregados recuperados são considerados adequados para a substituição de 10% a 20% de agregados virgens para muitas aplicações de concreto, que vão desde o assentamento de tubos até a construção de concreto e blocos. “De fato, alguns estudos anteriores apontaram que, se processados adequadamente para remover umidade e impurezas, os agregados recuperados podem até ter vantagens sobre as matérias-primas em alguns casos, como maior resistência à compressão e maior gama de aplicações na indústria da construção,” explica Hernández Parrodi.

Demanda por plantas de recuperação avançadas deve aumentar rapidamente

A gestão eficaz dos CDW está se tornando uma questão cada vez mais urgente. À medida que os recursos naturais se esgotam e a demanda da indústria da construção continua crescendo, reciclar CDW para substituir matérias-primas está se tornando uma necessidade: “Mesmo se reciclássemos 100% do CDW gerado, não conseguiríamos atender a demanda atual de materiais de construção”, diz Hernández Parrodi.

A conscientização existente entre órgãos governamentais, organizações ambientais, instituições educacionais e o público em geral está crescendo. A implementação gradual de portarias e diretivas na UE e em todo o mundo está desviando quantidades cada vez mais significativas de CDW do aterro para usinas de reciclagem e recuperação de materiais.

“Esta evolução está se acelerando”, diz Hernández Parrodi. “A legislação que regulamenta as quantidades de CDW que podem ser descartadas em aterro é cada vez mais restritiva e visa promover a recuperação de materiais secundários e a reciclagem. Ao mesmo tempo, novas regulamentações estão estabelecendo padrões elevados para materiais de construção reciclados, incentivando a mudança do downcycling para a reciclagem e o upcycling. Todos esses fatores estão impulsionando um rápido crescimento na demanda por inovação tecnológica e instalações capazes de recuperar materiais de alta qualidade do CDW.”

O desenvolvimento da indústria de reciclagem de CDW: rumo a uma economia circular

A triagem eficaz de CDW é fundamental para alcançar os altos níveis de qualidade necessários para reciclagem e upcycling bem-sucedidos em uma ampla gama de aplicações de construção. A composição deste tipo de resíduos e os requisitos para as frações de produção visadas variam significativamente de país para país e, por vezes, até a nível regional. “Assim como outros fluxos de resíduos, como resíduos sólidos urbanos ou resíduos de embalagens, não existe uma receita padrão para o processamento de CDW”, explica Hernández Parrodi.

A Stadler afirma ser capaz de trazer sua experiência no projeto de plantas de triagem avançadas para o setor de construção, desenvolvendo soluções sob medida para atender às situações individuais: “A consideração de todos os fatores específicos, juntamente com o nosso know-how, nos permite fornecer soluções eficazes, instalações de triagem eficientes e de alta qualidade. Como nós mesmos produzimos e montamos a maioria de nossos equipamentos, podemos ser muito ágeis no planejamento, desenvolvimento e execução de projetos. Além disso, empregamos os mais recentes equipamentos de classificação disponíveis no mercado, como sistemas de classificação baseados em sensores e robóticos.”

Separador balístico da Stadler na planta de separação de Remeo

Os processos de triagem de CDW precisam ser flexíveis, robustos e capazes de lidar com altos rendimentos, com flutuações consideráveis. Segundo a Stadler, as suas máquinas se encaixam perfeitamente no projeto. A empresa afirma que eles são concebidos para processar grandes quantidades de misturas de diversos materiais em condições muito desafiadoras, como presença de finos e umidade, além de objetos pesados e volumosos. Como exemplos, a fabricante afirma que o separador balístico Stadler STT6000, a esteira transportadora de corrente e a peneira trommel são máquinas para serviços pesados que podem suportar o desgaste associado ao processamento e reciclagem de CDW, ao mesmo tempo em que oferecem uma classificação eficaz e eficiente – e têm uma longa vida útil.

A Stadler diz que aplicou com sucesso seu know-how de triagem de resíduos em vários projetos de CDW – os mais recentes para Sogetri na Suíça e Remeo Oy na Finlândia. Esta última é uma instalação pioneira que combina uma planta de CDW capaz de processar 30 t/h e uma planta de C&I com capacidade de 15 t/h, com tecnologia de Inteligência Artificial (IA) de última geração do parceiro ZenRobotics, processos e um alto nível de automação. Mauri Lielahti, Diretor de Negócios, Processamento da Remeo comentou sobre a abordagem personalizada da Stadler para o projeto e engenhosidade: “Apreciamos a capacidade da Stadler de ser inovadora, sua vontade de buscar novas soluções, além do fato de que eles estavam prontos para ouvir as necessidades do cliente.”

De acordo com a Stadler, as suas plantas de triagem permitem a separação de CDW em diferentes frações, que podem ter uma ampla gama de aplicações. Eles podem substituir matérias-primas de construção, como areia, cascalho, metal, madeira e outras. O concreto recuperado pode ser usado para produzir concreto reciclado. A empresa afirma que as frações recuperadas do CDW também podem ser utilizadas para inovar e produzir novos materiais, como polímeros inorgânicos e vitrocerâmicas. “Isso significa que, com a recuperação, não só é possível fechar o ciclo de vida dos materiais e avançar para uma economia circular, mas também permite o upcycling, consequentemente expandindo as aplicações e aumentando o valor agregado dos materiais recuperados”, conclui Hernández Parrodi, “

Fundada em 1791, a Stadler dedica-se ao planejamento, produção e montagem de sistemas e componentes de triagem para a indústria de tratamento e reciclagem de resíduos sólidos em todo o mundo. Sua equipe de mais de 450 funcionários oferece um serviço completo personalizado, do projeto conceitual ao planejamento, produção, modernização, otimização, montagem, comissionamento, reformas, desmontagem, manutenção e assistência técnica de componentes para completar os sistemas de reciclagem e classificação. Sua linha de produtos inclui separadores balísticos, correias transportadoras, peneiras giratórias e removedores de rótulos.

Curta nossa página no

K 2022: Bilheteria online já aberta!

16/05/2022

Os ingressos para a K 2022, a principal feira mundial para a indústria de plásticos e borracha, que ocorrerá de 19 a 26 de outubro, já estão disponíveis na loja de ingressos online em www.k-online.com. O eTicket pode ser impresso ou digitalizado diretamente na tela do seu smartphone na entrada da feira – dando acesso direto ao recinto da feira sem muita espera. Os bilhetes diários custam 55 euros, enquanto que os bilhetes de três dias custam 120 euros. Alunos e estudantes pagam 15 euros por um bilhete diário.

Com a função MyOrganizer no aplicativo, qualquer visitante já pode organizar os expositores de seu interesse com apenas alguns passos e, assim, preparar com precisão seu próprio percurso pelas salas da exposição. Depois de se registrar na loja de ingressos online, os visitantes podem usar o MyOrganizer com um login pessoal ou sem se registrar. Este login habilita o uso conveniente da ferramenta em diferentes dispositivos (smartphone, PC) por um longo período de tempo. Uma vez compilada, a lista pode ser ajustada ou complementada sempre que for chamada.

Se você ainda está procurando hospedagem para o K 2022, a melhor opção é utilizar o serviço oferecido pela BCD Travel Solutions. Este parceiro de feiras de longa data possui a melhor visão geral dos hotéis disponíveis em Düsseldorf e na região durante a maior feira do mundo para a indústria de plásticos e borracha e pode ajudar com reservas específicas. Da mesma forma, vôos e passagens de trem também podem ser reservadas através da BCD Travel Solutions. O visitante também pode desfrutar de uma estadia confortável em um dos navios do hotel KD que ficarão ancorados no coração da cidade, não muito longe do recinto de exposições do K 2022.

Os bilhetes de ônibus e trem para o transporte público local podem ser adquiridos facilmente usando o aplicativo eezy, de acordo com o princípio de check-in/check-out. Os bilhetes de estacionamento também podem ser comprados com antecedência para sua conveniência. Para obter mais informações sobre como chegar, acesse: www.k-online.com/2772.

Noções básicas:

A feira K foi organizada pela primeira vez pela Messe Düsseldorf em 1952 e é realizada a cada três anos. A última feira K em 2019 registrou 3.330 expositores de 63 países em 177.000 m² de área líquida de exposição e 224.116 visitantes profissionais, 73% dos quais vieram do exterior. Mais informações em www.k-online.com.

Curta nossa página no

Reed Exhibitions anuncia adiamento da Inovaplastic para 2023

16/05/2022

A RX (Reed Exhibitions) e a Abiplast (Associação Brasileira da Indústria do Plástico), parceiras na organização e realização da Inovaplastic – Feira Internacional do Plástico, com apoio do Sindiplast, Siresp e INP, comunicam o adiamento do evento para março de 2023, a se realizar na cidade de São Paulo (SP). Segundo os organizadores, a mudança de data será fundamental para que os expositores consigam manter o padrão de qualidade da Inovaplastic, programando com a devida antecedência as novidades, atrações e ações de interatividade com o público.

“Queremos que nossos expositores e visitantes possam se beneficiar ao máximo da participação em nossas feiras – o que não seria possível com a realização da Inovaplastic em 2022 , devido ao impacto da pandemia na cadeia de produção desta indústria. Acreditamos que a cadeia esteja normalizada até o final do primeiro trimestre de 2023, o que irá permitir que os expositores e visitantes da Inovaplastic se beneficiem integralmente dessa extraordinária plataforma de negócios”, afirma Claudio Della Nina, presidente da RX LATAM.

A Abiplast apoia a decisão da RX. O presidente da associação, José Ricardo Roriz Coelho, lembra que a feira vem sendo realizada nos anos ímpares. Foi assim com a Brasiplast e Feiplastic, ao longo de 35 anos de história. “Como 2021 foi um ano excepcionalmente desafiador, por conta dos impactos dos quais já se vislumbra uma recuperação, estamos convictos de que em 2023 teremos uma edição memorável da Inovaplastic, que carrega em seu DNA a inovação e comprometimento com a Economia Circular”, avalia Roriz.

“A preparação para a Inovaplastic já está a pleno vapor e estamos trabalhando para mostrar o que há de mais moderno e inovador, novos modelos negócios, novos atores da cadeia produtiva, novos materiais e soluções para reciclagem, e para continuarmos nos consolidando como a Feira de Inovação da Cadeia Produtiva dos Plásticos”, conclui Roriz.

O INP e o Siresp também confirmaram o apoio e a presença na feira, conforme reforça Edison Terra, presidente das duas instituições: “O INP e o Siresp são parte integrante da feira, que representa o ecossistema produtivo do nosso setor. Somos apoiadores institucionais e estaremos presentes, participando ativamente durante a nova data de realização da Inovaplastic”, comenta. Esse esforço para a concretização da edição da Inovaplastic em 2023 inicia-se desde já, com a ação de organizadores e expositores preparando atividades para assegurar o engajamento da audiência e gerar conteúdo relevante para o público durante a feira.

Segundo os organizaores, a Inovaplastic tem como principal propósito enaltecer as boas práticas de aplicação do plástico e matérias-primas para o mercado de alta tecnologia e inovação. A primeira edição foi realizada em 1987, como Brasilplast, com o apoio da Abiplast, e a partir de 2013 se internacionalizou como Feiplastic, o evento mais importante e tradicional da América do Sul. Com a missão de disseminar conteúdo e atualizar seu público com as principais tecnologias e inovações da indústria do plástico, em 2021 passou a se chamar Inovaplastic, afirmam os organizadores.

Curta nossa página no