Archive for the ‘Plásticos’ Category

Feira Argenplás em Buenos Aires é adiada para Novembro

31/03/2020

Os organizadores da feira Argenplás, que estava programada para se realizar no próximo mês de Junho em Buenos Aires (Argentina), emitiram comunicado informando o adiamento do evento para o próximo mês de Novembro. Reproduzimos a seguir o comunicado:

“Como é de conhecimento público e frente à situação causada pelo COVID-10, queremos anunciar a postergação da Argenplás, a qual foi reprogramada para o período de 24 a 27 de Novembro deste ano no Centro Costa Salguero.

Dois fatores primordiais nos levaram a tomar esta decisão:

Primeiro, acatar a decisão do Governo Nacional e do Governo da cidade de Buenos Aires que determina a proibição de eventos e espetáculos com mais de 200 participantes, assim como evitar grandes concentrações de pessoas em espaços públicos ou privados. Ainda que esta medida seja atualmente de 30 dias de duração, queremos lutar por uma feira que reúna sem restrição alguma a todos os protagonistas do setor, da região e de outros continentes.

Em segundo lugar, cremos que será afetado todo o esforço e investimentos que realizam nossos expositores e visitantes, que contribuem com o êxito da exposição, patrocinando, assistindo às conferências, como também na construção dos stands, equipamentos, gastos de marketing, promoção, instalação de maquinaria e traslado de pessoal, entre outros.

Cremos ter tomado a melhor decisão para a industria e estamos muito agradecidos pelo apoio.”

Gabriel Pascual
Presidente MBG & Events

Lic. Antonio Paolini
Presidente CAIP

Curta nossa página no

Stadler comissiona nova planta automatizada de triagem de embalagens de bebidas na Dinamarca

26/03/2020

Da esquerda para a direita: Lars Krejberg, diretor executivo da Dansk Retursystem, Príncipe Frederick, Prefeito Michael de Taastrup, Ministra Lea Wermelin e Thomas Dalsgaard, chairman do Danish Return System

Planta construída para a Dansk Retursystem inicia operação no bem-sucedido sistema de devolução de embalagens de bebidas da Dinamarca

A Stadler concluiu o comissionamento de uma nova planta de triagem de embalagens de bebidas projetada e construída para a Dansk Retursystem em Taastrup, Dinamarca. A entrega completa está prevista para abril, no final do período de testes de um mês.

A cerimônia de inauguração da fábrica, realizada em 10 de março, foi realizada pelo diretor executivo da Dansk Retursystem, Lars Krejberg Petersen, e contou com a presença de convidados de honra como Frederick, príncipe herdeiro da Dinamarca e Lea Wermelin, ministra do Meio Ambiente. A planta processará as garrafas PET e latas de alumínio coletadas em todo o país através do sistema de retorno, produzindo fardos de garrafas PET e latas de alumínio para reciclagem.

Com capacidade de 110 m3 por hora, espera-se processar cerca de 55% das latas recicladas e garrafas de PET do país, totalizando mais de 25.000 toneladas de material por ano, trabalhando 16 horas por dia em dois turnos, por 300 dias do ano.

Uma colaboração público-privada bem-sucedida para uma economia circular

A Dansk Retursystem é uma empresa sem fins lucrativos de propriedade de cervejarias dinamarquesas e regulamentada por ordem estatutária sob a Lei de Proteção Ambiental da Dinamarca. Fundada em 2000, opera o sistema de depósito e retorno do país para garrafas e latas de bebidas, com o objetivo de reciclar o máximo de material possível. Todos os lucros são reinvestidos na empresa para melhorar o sistema e garantir que a alta taxa de retorno seja mantida ou aumentada ainda mais. A Agência Dinamarquesa de Proteção Ambiental monitora as atividades da Dansk Retursystem e revisa periodicamente sua operação para renovar seu direito exclusivo de operar o sistema de depósito e devolução do país por um novo período.

A Dansk Retursystem é um exemplo de uma colaboração bem-sucedida entre os setores público e privado. Seu modelo de negócios cria uma economia circular que envolve toda a cadeia: fabricantes de embalagens de bebidas, cervejarias, varejistas, consumidores, empresas de transporte e empresas de reciclagem. A Dansk Retursystem coleta garrafas e latas de máquinas de venda reversa encontradas em 3000 pontos em todo o país, sendo eles varejistas, lojas, escritórios, cafés e restaurantes, ou através dos bancos de retorno de depósito “pantstation” localizados em 12 cidades. A planta classifica todas as embalagens coletadas em garrafas de vidro e plástico e latas de alumínio, que são recicladas em novas embalagens. O resultado desse sistema extremamente eficaz é que 9 em cada 10 garrafas marcadas para depósito são devolvidas e recicladas, com muito pouco desperdício no processo.

Planta automatizada de alta capacidade da Stadler:  economia circular de retorno

A classificação eficiente e precisa das garrafas e latas coletadas é crucial para o sucesso da operação da Dansk Retursystem, por isso a empresa optou por um processo de licitação em toda a Europa para selecionar o fornecedor para sua nova planta.

A empresa identificou a Stadler como “um integrador profissional dedicado capaz de fornecer uma solução completa para fluxos de materiais”, explica Lars Krejberg Petersen, CEO da Dansk Retursystem, que também está muito satisfeito com o apoio recebido ao longo do projeto: “A Stadler também teve um ótimo desempenho nos parâmetros flexíveis”.

Tendo vencido o concurso, a Stadler projetou a planta e iniciou a montagem em novembro de 2019.

A planta usa separação magnética para classificar as latas de alumínio, ejetando qualquer material ferroso e a tecnologia Near Infrared (NIR) para as garrafas PET. Também faz parte do processo a remoção de etiquetas soltas. No final da linha, as enfardadeiras compactam as latas de alumínio em uma linha de saída e as garrafas PET na outra.

O projeto apresentou desafios particulares devido ao alto nível de automatização e flexibilidade da planta, o que exigiu a engenhosidade da Stadler para desenvolver uma solução sob medida. Armin Winand, gerente conjunto de projetos, explica: “Esta é uma planta de triagem totalmente automatizada com alto rendimento. Abordamos isso com bunkers intermediários extra grandes, com capacidade de até 240m³ em várias etapas do processo, e um transportador de bunkers de tamanho similar, com 20 metros de comprimento, 4 metros de largura e 4 metros de altura. Este é o maior bunker Stadler já projetado e construído. No final do processo, os fardos de alumínio e PET são transportados automaticamente para a área de armazenamento”.

“A planta também se destaca por sua extrema flexibilidade, que permite ao cliente selecionar diferentes modos de operação de acordo com os requisitos”, acrescenta Urban Konzic, da equipe de vendas. “Além disso, o gerenciamento da descarga de materiais recebidos é automatizado, com o sistema Stadler indicando aos motoristas de caminhão de entrega em qual dos 5 bunkers eles devem descarregar”.

Este é o primeiro projeto da Stadler para a Dansk Retursystem: “A experiência da Dansk Retursystems em reciclagem, combinada com a vasta experiência da Stadler em instalações de construção, significa que teremos uma planta totalmente automatizada e altamente tecnológica para garantir uma reciclagem ainda mais eficiente de latas e garrafas. Isso beneficiará o meio ambiente e o clima”, conclui Lars Krejberg Petersen.

Fundada em 1791,, a Stadler dedica-se ao planejamento, produção e montagem de sistemas e componentes de triagem para a indústria de tratamento e reciclagem de resíduos sólidos em todo o mundo. Sua equipe de mais de 450 funcionários oferece um serviço completo personalizado, do projeto conceitual ao planejamento, produção, modernização, otimização, montagem, comissionamento, reformas, desmontagem, manutenção e assistência técnica de componentes para completar os sistemas de reciclagem e classificação. Sua linha de produtos inclui separadores balísticos, correias transportadoras de transporte, tambores de triagem e removedores de rótulos.

Curta nossa página no

Mecalor expõe chillers compactos na Expo Guadalajara

18/03/2020

A Mecalor levou para a Expo Guadalajara, prestigiada feira do setor de plástico no México, um conjunto de equipamentos de ponta para atender aos fabricantes de máquinas de injeção da indústria de transformação. O evento mobilizou grandes empresas do segmento na região, importante centro industrial mexicano.

Há um ano com atuação própria no México, a empresa vem cumprindo suas metas comerciais e já está presente em todo o país, com um time de vendas e pós-vendas, além de estoque próprio para atender à demanda do setor por chillers. A indústria da transformação de plástico é o principal segmento da Mecalor nessa primeira fase de expansão no México.

“A participação em feiras como a Expo Guadalajara é fundamental para a divulgação da marca no mercado mexicano. Ainda mais nessa região, onde estamos iniciando as vendas dos nossos chillers”, afirmou Flávio Pereira, gerente de exportação da Mecalor. A empresa é líder no Brasil em soluções de engenharia térmica e fabrica chillers e outros equipamentos periféricos para a indústria de plástico.

Na Expo Guadalajara foram mostrados modelos compactos de equipamentos para o mercado de injeção: Termochiller DUO, Termorregulador e um chiller pequeno, além do DryCooler. “Esses chillers têm uma boa receptividade pelo mercado local”, comenta Pereira. O Drycooler é uma máquina da linha de água industrial sustentável, com menos consumo energético e de água.

O México é estratégico no projeto de expansão da Mecalor no mercado internacional, em especial na América Latina. Embora o cenário internacional ainda seja de retração econômica, a empresa manteve suas metas nesse primeiro ano, o que abre possibilidade para a fabricação local e vendas no mercado dos Estados Unidos.

Curta nossa página no

Ineos Composites processa 25 milhões de garrafas PET pós-consumo mensalmente

18/03/2020

  • Empresa fabrica resinas termofixas na cidade paulista de Araçariguama
  • Centro de reciclagem: Ineos reaproveita 25 milhões de garrafas PET por mês

As garrafas PET pós-consumo podem ser transformadas em matérias-primas de produtos de longa vida útil (décadas) e alto valor agregado. A Ineos Composites, por exemplo, utiliza PET reciclado na fabricação de algumas de suas resinas termofixas, polímeros que, combinados com fibras de vidro, dão origem a tanques, tubos, piscinas e tetos de ônibus, entre muitas outras aplicações.

Por mês, calcula Alex Garcia, coordenador de processos da Ineos, a unidade da empresa situada em Araçariguama (SP) reaproveita o equivalente a mais de 25 milhões de garrafas PET de 500 ml. “O PET substitui parte do ácido tereftálico e do anidrido ftálico da resina termofixa. A quantidade usada vai depender do tipo e das características do produto que desejamos fabricar”.

Sob o ponto de vista de desempenho, não há qualquer restrição ao uso de resinas baseadas em PET reciclado. Ao contrário, a depender da formulação, produtos desse tipo chegam a ser mais flexíveis e resistentes do que os oriundos 100% de matérias-primas virgens, afirma a empresa.

“Isso só acontece graças a um rigoroso controle de qualidade e classificação da matéria-prima que adquirimos”, salienta Garcia. “Todos os lotes de resina reciclada são submetidos a testes para determinar o grau de pureza e o teor de resíduos, como areia, olefinas e metais. Também são feitos ensaios de cor e aparência. O controle do recebimento do PET é uma das fases mais importantes de todo o processo”, comenta.

Outra vantagem garantida pelas resinas derivadas de PET pós-consumo é o preço menor. Segundo a Ineos Composites, na comparação direta com uma resina termofixa do tipo tereftálica, por exemplo, a diferença é de 7% a 10% no preço.

“A falta de conhecimento ainda pode levar a algum tipo de preconceito sobre essas resinas. Mas isso é cada vez mais raro e, quando acontece, respondemos rapidamente mostrando os milhares de casos bem-sucedidos de aplicação das nossas resinas que contêm PET reciclado”, finaliza o coordenador de processos da Ineos.

Certificação RC 14001

Segundo a Ineos Composites, a sua unidade de Araçariguama é a primeira fábrica de resinas termofixas do Brasil a contar com a certificação RC 14001. Em linhas gerais, a RC 14001 é uma junção do programa Responsible Care, que abrange questões relacionadas à segurança, meio ambiente, saúde e proteção de patrimônio, com a ISO 14001, cujo foco é a gestão ambiental das empresas.

A Ineos Composites é uma empresa líder global em resinas termofixas (poliéster insaturado e éster-vinílicas), gelcoats e aditivos low profile para a indústria de compósitos. Segundo a empresa, seus produtos caracterizam-se pelos elevados índices de resistência à corrosão, temperatura e impactos. São largamente consumidos pelos setores de transportes, construção, geração de energia eólica e lazer, entre outros.

A Ineos é uma das maiores empresas químicas do mundo e a 50ª maior companhia global, empregando cerca de 20.000 pessoas em 171 unidades em 24 países. É uma empresa privada com vendas em 2018 de US$ 60 bilhões e EBITDA de US$ 7 bilhões. Além de seu crescimento em produtos petroquímicos, adquiriu campos de petróleo e gás no Reino Unido, Dinamarca e Noruega.

Curta nossa página no

Preparativos para a Argenplás 2020 mobilizam setor do Plástico na Argentina e América Latina

05/03/2020

Sob o lema: “Uma indústria comprometida com o meio ambiente, a economia circular e a inovação”, a Câmara Argentina da Indústria do Plástico (CAIP) promoverá de 8 a 11 de junho de 2020, em Buenos Aires, uma das mais importantes exposições da indústria plástica da América Latina: a Argenplás.

Com um grande número de empresas participantes, a Exposição Internacional de Plásticos, Argenplás, abre suas portas a cada dois anos para visitantes de todo o mundo, consolidando-se mais uma vez como a mais importante exposição de plástico da Argentina e uma das mais prestigiadas da região.

Os setores relacionados à indústria do plástico que estarão presentes na XVIII Exposição Internacional de Plásticos, Argenplás 2020, são:

• Embalagem
• Automotivo e Transporte
• Construção Civil
• Eletro-eletrônicos
• Eletrônica e mecânica
• Telecomunicações/TI
• Utilidades domésticas
• Produtos médicos e cuidados de saúde
• Fabricação de produtos plásticos
• Fabricação e processamento de borracha
• Indústria química
• Agricultura
• Energia / fotovoltaica
• Esporte e lazer

Prevê-se a visita de mais de 18 mil profissionais do setor (empresários, executivos, engenheiros, técnicos, fabricantes, transformadores e usuários de produtos plásticos, transformadores de matérias-primas, gerentes de tecnologia e produção, vendas e marketing).

Mais informações estão disponíveis no site da Argenplás 2020: http://www.argenplas.com.ar/por

Serviço:

ARGENPLAS: XVIII Exposição Internacional de Plásticos
Data: 8-11 de junho de 2020
Número de visitantes: + 18.000 (de acordo com o PSR 2018)
Horário de exibição: 14:00 às 20:30
Horário de credenciamento: 13:45 às 20:00
Local: Centro Costa Salguero – Av. Rafael Obligado s / n, Buenos Aires, Argentina
Organizadores: CAIP – Câmara Argentina da Indústria do Plástico
Marca: MBG & EVENTS
EVENTOS PWI do mercado
Catálogo oficial, imprensa e divulgação: Emma Fiorentino Publishing House.

Curta nossa página no

 

Simpesc e Messe Brasil definem principais temáticas da Interplast 2020

05/03/2020

O realizador da Interplast, o Simpesc – Sindicato da Indústria de Material Plástico de Santa Catarina, e a organizadora Messe Brasil, definiram as temáticas da feira, que será realizada em Joinville, de 11 a 14 de agosto de 2020. As principais diretrizes do evento seguem as tendências mundiais do setor com foco em biomateriais, uso de resinas recicladas, tecnologias e a contribuição das start up’s para as indústrias do segmento.

Além da feira, a Interplast terá um congresso, workshops de expositores, ilha da reciclagem com demonstrações da logística reversa e palestras, além de visitas técnicas a empresas da região. O evento apresentará também a primeira edição do Prêmio Plástico Sul de Inovação e Sustentabilidade, com o objetivo de valorizar as ações inovadoras e sustentáveis das empresas fabricantes de plástico da região sul do Brasil. Em paralelo, reúne ainda desenvolvedores de moldes na feira simultânea – a EuroMold Brasil.

Principal evento da indústria brasileira do plástico em 2020

A Interplast está consolidada como o principal evento da indústria de transformação do plástico realizada nos anos pares no Brasil. O evento reúne a cadeia completa do plástico em um único ambiente, desde fornecedores de moldes até fabricantes de matéria-prima, máquinas e equipamentos.

Em 2018, o número de visitantes da Interplast e EuroMold atingiu a marca de 28 mil pessoas, vindos de 24 estados, de 683 diferentes cidades e de outros 12 países, além do Brasil. Reuniu 400 marcas em 320 estandes, totalizando 20 mil m² de exposição, com expositores do Brasil, Ásia, Europa e outros países das Américas.

Curta nossa página no

 

Stadler anuncia prioridades estratégicas para 2020

27/02/2020

A Stadler, empresa alemã especializada em projetar e montar plantas de triagem para o setor de reciclagem e destinação final de resíduos, definiu os objetivos estratégicos da empresa para 2020, os quais permanecem focadlizados em antecipar a evolução do setor de reciclagem, detectar novos requisitos à medida que surgem e manter a flexibilidade operacional para desenvolver soluções para resolvê-los em um curto espaço de tempo.

Willi Stadler (foto abaixo), CEO do Grupo Stadler, declarou: “A economia circular é o futuro e a maneira de enfrentar os principais desafios ambientais do nosso século, tais como a questão global dos resíduos. Em todo o mundo, a consciência de que precisamos mudar nosso estilo de vida está crescendo rapidamente. Nesse contexto, o setor de reciclagem deve crescer significativamente, também impulsionado por políticas e regulamentos cada vez mais rigorosos. Na Stadler, estamos prontos: temos o know-how, a experiência e a capacidade operacional para apoiar o setor de reciclagem à medida que ele evolui. A mudança já está acontecendo e estamos fornecendo soluções para os novos requisitos à medida que surgem”.

Atendendo à nova demanda por especialização e altas taxas de pureza na saída da classificação

A indústria de reciclagem está exigindo das plantas de triagem altos níveis de pureza das frações classificadas, a fim de atender à demanda de seus clientes por produtos finais reciclados de alta qualidade que possam competir com materiais virgens no mercado. Essa evolução também está gerando uma demanda por uma maior especialização nos processos de classificação e a capacidade de classificar vários materiais de maneira flexível.

A Stadler afirma ter antecipado essa evolução, tendo concluído diversos projetos que atendem a essas novas necessidades, a exemplo de uma das primeiras plantas de triagem do mundo especializada em filmes: a planta da Integra Plastics em Sofia, Bulgária, com capacidade para 4 toneladas / hora, classifica as frações em HDPE, PP e LDPE e por cor (transparente, azul e verde).

“Em nossa indústria, a especialização será a chave do sucesso nos próximos anos”, explica Jürgen Berger, Diretor de Vendas. “Na Stadler, temos flexibilidade operacional e experiência para desenvolver novas soluções para atender à demanda de especialização e alcançar as mais altas taxas de pureza possíveis – e podemos responder rapidamente a novas necessidades. Esse é um dos nossos principais pontos fortes e continuará sendo um foco importante para nós”.

Segundo a Stadler, o seu mais recente projeto para a empresa francesa de reciclagem Schroll Group demonstrou a capacidade da empresa de desenvolver soluções personalizadas para atender à demanda de classificação de mais frações e maior flexibilidade operacional. A empresa projetou a nova instalação de triagem na cidade de Épinal para processar 80 mil toneladas de resíduos por ano, permitindo expansão futura e adição de frações adicionais. Possui duas plantas independentes – uma para multimateriais e outra para material oco – para fornecer mais flexibilidade. Neste projeto, a Stadler entregou dentro do prazo, em apenas 14 semanas, incluindo o início das duas linhas.

Removedor de Etiquetas

Em 2019, desenvolveu uma versão aprimorada de seu removedor de etiquetas, lançado no ano anterior, com o intuito de processar um maior volume de garrafas. A nova versão aumentou a capacidade de 6 toneladas / hora de garrafas plásticas da máquina original para 9 toneladas / hora. No mesmo ano, aprimorou seu capô de expansão para atender aos mais recentes requisitos do mercado de classificação ótica.

Entrar em novos mercados, com foco na economia circular

A Stadler tem visto um interesse crescente nos mercados latino-americanos pelo desenvolvimento de sua indústria de reciclagem, à medida que se esforça para limitar o crescimento de aterros sanitários e desenvolver sua economia circular. A empresa identificou um forte interesse no México e, após concluir vários projetos nos últimos dois anos, a empresa agora planeja estabelecer presença direta por meio de uma subsidiária nos próximos meses para apoiar melhor os clientes nesse mercado.

Também concluiu recentemente uma unidade de triagem para embalagens leves, plásticos, papel e papelão no Brasil. A fábrica da Mulitlixo, em São Paulo, Brasil, está em fase final de testes. Inclui uma plataforma de visualização para os visitantes examinarem a planta e seu processo com segurança.

Preparado para crescimento contínuo

Com o setor de reciclagem definido para crescer rapidamente nos próximos anos, a Stadler afirma estar pronta para atender à crescente demanda em termos de capacidade e complexidade. Em 2014 e 2016, a empresa investiu, em duas fases, na construção de um novo centro de produção em Altshausen e, no ano passado, concluiu o projeto com a inauguração da nova sede no mesmo local, reunindo toda a equipe. Também está investindo em um novo galpão de produção na fábrica da Eslovênia, a fim de aumentar ainda mais a capacidade de produção.

O foco da Stadler em fornecer a melhor resposta às necessidades de seus clientes também levou a empresa a fechar uma parceria com a Krones, especialista no processo de lavagem e descontaminação. Com essa aliança, agora é capaz de oferecer uma planta turnkey para o processo completo de reciclagem, desde a triagem até a saída final de novos materiais reciclados.

Claus Maier, segundo CEO do Grupo Stadler, conclui: “Nossa prioridade estratégica é o cliente. Eles são nossa prioridade, porque, na Stadler, sabemos que nosso sucesso depende do sucesso de nossos clientes”.

Fundada em 1791, a Stadler dedica-se ao planejamento, produção e montagem de sistemas e componentes de triagem para a indústria de tratamento e reciclagem de resíduos sólidos em todo o mundo. Sua equipe de mais de 450 funcionários oferece um serviço personalizado, desde o projeto conceitual até o planejamento, produção, modernização, otimização, montagem, comissionamento, reformas, desmontagem, manutenção e assistência técnica de componentes para completar os sistemas de reciclagem e classificação. Sua linha de produtos inclui separadores balísticos, correias transportadoras de transporte, tambores de triagem e removedores de rótulos.

Curta nossa página no

 

Covestro divulga resultados do ano fiscal de 2019

27/02/2020

  • Volumes principais crescem 2,0%
  • Vendas totais de cerca de 12,4 bi de euros (-15,1%)
  • EBITDA, conforme previsto, de 1,6 bi de euros (-49,9%)
  • Lançado programa para promover economia circular
  • Dividendos propostos de 2,40 euros por ação
  • Perspectiva para 2020: mais um ano desafiador

A Covestro divulgou comunicado informando ter atingido suas metas no ano fiscal de 2019, em um ambiente de mercado desafiador. Os volumes principais subiram 2,0% em relação aos números do ano anterior. As vendas do Grupo caíram 15,1% para aproximadamente 12,4 bilhões de euros, uma vez que os preços de venda permaneceram baixos devido ao aumento da competitividade em todos os segmentos. Consequentemente, segundo a empresa, o EBITDA caiu 49,9% para 1,6 bilhão de euros, em linha com a previsão. A receita líquida foi de 552 milhões de euros (-69,7%), enquanto o fluxo de caixa operacional livre ficou em 473 milhões de euros (-71,7%). Com base nisso, a Covestro planeja distribuir dividendos de 2,40 euros por ação, no mesmo nível do ano anterior.

“2019 foi marcado por muitas incertezas geopolíticas e macroeconômicas. Ainda assim, a demanda por nossos materiais mantém-se intacta, o que confirma a nossa visão de que os plásticos serão mais valiosos do que nunca no futuro”, afirma o CEO Markus Steilemann. “2020 também será desafiador para nós. Porém ainda vemos demanda por plásticos de alta tecnologia a longo prazo a fim de viabilizar um desenvolvimento mais sustentável em uma vasta gama de diferentes tecnologia-chave. É por isso que estamos conduzindo nossos negócios sistematicamente para a economia circular.”

No ano de 2019, a Covestro lançou um programa estratégico global para incorporar a economia circular em todas as divisões. Em particular, a empresa pretende utilizar matérias-primas alternativas, desenvolver iniciativas de reciclagem inovadoras e estabelecer amplas formas de cooperação e novos modelos de negócios.

“A Covestro tem bases financeiras sólidas, ainda que, como esperado, o resultado operacional para o ano fiscal de 2019 tenha ficado abaixo dos níveis recordes dos anos anteriores, devido à pressão contínua sobre os preços. Mesmo neste ambiente atingimos nossas metas”, diz o CFO Thomas Toepfer. “Só teremos sucesso no atual mercado se nos posicionarmos de forma ainda mais eficiente, priorizando projetos e questionando investimentos, a fim de preservar a flexibilidade financeira necessária”, complementa Toepfer.

Considerando que as perspectivas para 2020 seguem desafiadoras, a Covestro acelerou a implementação do programa plurianual de eficiência e eficácia lançado em 2018. Ele já permitiu o corte de 150 milhões de euros no último ano. Para 2020, a empresa pretende alcançar economias de 250 milhões de euros a serem reconhecidas nos lucros ou perdas, enquanto a expectativa de economias acumuladas até o fim de 2021 é de cerca de 350 milhões de euros anualmente. Além disso, foram tomadas várias medidas de curto prazo, como uma gestão de custos mais eficiente e uma nova revisão de todos os investimentos existentes e planejados. Isso deve resultar em uma economia adicional de 200 milhões de euros no atual ano fiscal. Além do foco contínuo na influência comercial da empresa, o foco de 2020 continuará sendo a eficiência.

Explorando o potencial econômico das inovações

Durante a feira de plásticos K 2019, realizada no ano passado em Düsseldorf, na Alemanha, a Covestro apresentou inúmeras inovações de produtos que respondem a atuais desafios globais como urbanização, mobilidade do futuro e mudança climática. Nos próximos anos, o foco será em alavancar ao máximo esse potencial do ponto de vista comercial. Sucheta Govil, novo membro da diretoria e CCO da Covestro desde meados de 2019, irá trabalhar para fortalecer o pulso comercial da Covestro. O objetivo é intensificar o foco no cliente, a digitalização e otimizar as estratégias de marketing, além de identificar as oportunidades de mercado mais cedo.

Revisão contínua dos projetos de investimentos: foco no longo prazo

A Covestro investiu um total de 910 milhões de euros em 2019 (ano anterior: 707 milhões de euros), a maior soma da sua história. Os projetos de investimentos são controlados com foco rigoroso na eficiência e o melhor uso possível do capital. Diante do cenário desafiador, a Covestro anunciou, em janeiro de 2020, uma pausa de 18 a 24 meses em seu projeto de investimento de MDI em Baytown, nos Estados Unidos.

Ainda assim, a Covestro está confiante de que as projeções de crescimento do MDI a longo prazo são altamente promissoras. A nova planta de MDI na unidade de Brunsbüttel, na Alemanha, entrou em operação no primeiro trimestre de 2020 conforme planejado. Isso dobrará sua capacidade de produção para 400.000 toneladas métricas por ano e tornará Brunsbüttel uma das três maiores unidades produtivas de MDI na Europa, garantindo a posição de liderança da Covestro nesse segmento de mercado.

Previsão para o ano fiscal de 2020: mercado segue desafiador

Para 2020 como um todo, a Covestro antecipa um crescimento de dígito único nos volumes principais. O Grupo espera que o FOCF fique entre 0 e 400 milhões de euros e o ROCE, entre 2% e 7%. A Covestro projeta que o EBITDA do ano todo ficará entre 1,0 e 1,5 bilhão de euros. No primeiro trimestre, a expectativa é que o EBITDA fique entre 200 e 280 milhões de euros.

Ainda não é possível prever os impactos financeiros do coronavírus no ano fiscal de 2020, afirma a empresa.

Resultados dos segmentos de Poliuretanos, Policarbonatos e Coatings/Adesivos/Especialidades

Os volumes principais no segmento de Poliuretanos subiram 2,3% ao ano. Uma tendência positiva de demanda nas indústrias de móveis e construção e nas indústrias eletroeletrônica e de aparelhos domésticos mais que compensou a demanda mais fraca, principalmente da indústria automotiva. As vendas caíram 21,5% para 5.779 milhões de euros, principalmente devido à tendência negativa nos preços médios de venda pela concorrência intensificada. O baixo patamar de preços afetou fortemente as margens, apesar da queda nos preços das matérias-primas. Consequentemente, o EBITDA caiu 63,2% para 648 milhões de euros.

No ano fiscal de 2019, os volumes principais no segmento de Policarbonatos subiram 2,7% ao ano, principalmente devido à demanda mais forte nas indústrias eletroeletrônica e de aparelhos domésticos, além do setor de construção. As vendas baixaram 14,3% para 3.473 milhões de euros e o EBITDA caiu 48,3% para 536 milhões de euros. Esses declínios também podem ser atribuídos à queda ano a ano dos níveis dos preços de venda, resultante da maior pressão competitiva. Além disso, a venda do negócio de chapas nos Estados Unidos no terceiro trimestre de 2018 também impactou as vendas no ano fiscal de 2019, com efeito negativo de 2,2%.

Os volumes principais de Coatings, Adesivos e Especialidades em 2019 sofreram queda de 1,0% em relação ao ano anterior. A principal razão foi a demanda mais fraca por precursores de revestimentos na indústria automotiva. Com 2.369 milhões de euros, as vendas do segmento mantiveram-se estáveis ano a ano (ano anterior: 2.361 milhões de euros). O EBITDA cresceu 1,1% para 469 milhões de euros. As margens menores, decorrentes da redução dos preços de venda, e os volumes mais baixos tiveram impacto negativo nos lucros, enquanto os efeitos cambiais e o efeito sobre o portfólio da aquisição de ações da DIC Covestro Polymer Ltd., sediada no Japão, elevaram os lucros.

Quarto trimestre de 2019 marcado por concorrência acirrada

Os volumes principais no quarto trimestre de 2019 subiram 3,8%. As vendas totais caíram 12,5% em relação ao trimestre do ano anterior, principalmente devido aos preços de venda mais baixos como resultado da maior pressão concorrencial em todos os segmentos. Em vista disso, o EBITDA foi de 278 milhões de euros (-5,1%) e a receita líquida foi de 37 milhões de euros (-53,2%) no quarto trimestre. O FOCF caiu 9,1% no ano para 330 milhões de euros.

Com 12,4 bilhões de euros em vendas em 2019, a Covestro é uma das maiores empresas mundiais de polímeros. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, de construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias eletroeletrônica e de aparelhos domésticos. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro possui 30 unidades de produção no mundo todo e, ao final de 2019, empregava cerca de 17,2 mil pessoas (em equivalência à jornada integral).

Curta nossa página no

 

Embaquim aumenta capacidade produtiva de Bag-in-Box com investimento em coextrusora

27/02/2020

Já está em pleno funcionamento na fábrica da Embaquim em São Bernardo do Campo (SP), a nova coextrusora Carnevalli (foto) que permite produzir filmes a partir de um mix de PE (polietileno) com materiais de alta barreira, como o nylon e o EVOH. A nova ‘coex’ garante mais flexibilidade e maior qualidade aos filmes barreira, afirma a empresa. “Outra vantagem é que passamos a produzir nossos próprios filmes coextrudados, que antes eram comprados de fornecedores externos. Com isso, aumentamos a competitividade e a agilidade em atender ao mercado”, explica Renata Canteiro, Diretora da Embaquim.

A nova coextrusora tem capacidade para produzir 50 toneladas/mês de filmes com 05 camadas. O equipamento também garantiu um aumento de 15% na capacidade produtiva total de filmes da Embaquim. Hoje a empresa dispõe de cinco extrusoras em sua planta.

Segundo Renata Canteiro, a coextrusora permitirá atender com mais agilidade aos mercados em que a Embaquim já atua como fornecedora de embalagens, tais como alimentos, bebidas, cosméticos, químicos, farmacêuticos e agrícolas, além dos mercados tradicionais. “O importante é garantir ao cliente que, a partir de agora, estamos à frente de todas as etapas de produção do sistema bag-in-box, inclusive do filme coextrudado.”

De acordo com a Embaquim, os seus novos filmes coex estão sendo submetidos a testes de validação, internos e externos, para determinar sua adequação aos requisitos especificados. Testes de stress cracking, pressão, resistência química e microscopia estão em andamento, com resultados satisfatórios até o momento, afirma a empresa. Um último teste está sendo feito no CETEA (Centro de Tecnologia de Embalagem de Alimentos) para garantir que os novos filmes coex atendam às exigências de barreira a oxigênio e a umidade, que são os diferenciais da estrutura de barreira quando comparada ao filme monocamada (PE).

A Embaquim espera iniciar a comercialização das soluções bag-in-box com seus próprios filmes coex ainda em fevereiro.

A Embaquim produz sistemas de embalagem bag-in-box, oferecendo embalagens plásticas flexíveis (bolsas) de 800 ml até 1.000 litros com diversas estruturas e várias opções de bocais e tampas. A certificação ISO 9001:2015, concedida pela Bureau Veritas, garante a rastreabilidade de seus produtos. As bolsas são fabricadas em processo automatizado, com matéria-prima 100% virgem e atóxica.

Curta nossa página no

 

E-book da Tomra Sorting detalha potencial da Inteligência Artificial para a indústria de reciclagem

20/02/2020

Imitando a aprendizagem humana, o ‘deep learning’ mostra promessa de encontrar soluções para seleção de desafios onde não existem soluções atualmente

O ‘Deep Learning’ está em ascensão no setor de reciclagem, de acordo com o novo e-book “Harnessing the Potential of AI” do fabricante de soluções em seleção baseada em sensores, Tomra Sorting, Inc. Desmistificando um equívoco comum sobre a IA, este último e-book da Tomra narra a longa história e as contribuições de 30 anos que a AI já fez para a indústria de reciclagem, bem como o futuro promissor que está por vir.

“Nos próximos meses e anos, aqueles que estão na indústria de reciclagem ouvirão muito mais sobre o ‘Deep Learning’, um componente poderoso da inteligência artificial”, diz Daniel Bender, gerente técnico de Deep Learning da Tomra Sorting. “O ‘Deep Learning’ promete oferecer soluções para os desafios de seleção mais complexos do setor. As operações de reciclagem na vanguarda do uso da IA para selecionar materiais terão uma vantagem significativa sobre as empresas que não o fazem”.

O e-book gratuito para download detalha como o ‘Deep Learning’ funciona e aprende a identificar materiais para resolver problemas não solucionáveis no aprendizado de máquinas clássicas. O e-book afirma que o ‘Deep Learning’ é a chave para alcançar índices de recuperação mais consistentes do que na seleção manual, elevando a pureza do material e reduzindo os custos.

Para baixar cópia em inglês do novo eBook da TOMRA sobre IA e Deep learning, visite: https://solutions.tomra.com/ai-ebook

A Tomra Sorting Recycling projeta e fabrica tecnologias de triagem baseadas em sensores para a indústria global de reciclagem e gerenciamento de resíduos. Mais de 5.500 sistemas foram instalados em quase 80 países em todo o mundo, afirma a empresa. A Tomra Sorting é de propriedade da empresa norueguesa Tomra Systems ASA. Fundada em 1972, a Tomra Systems ASA tem um volume de negócios de cerca de 876 milhões de euros e emprega cerca de 4.000 funcionários globalmente.

Curta nossa página no

 

Milliken anuncia Cristina Neri como vice-presidente para a América Latina

17/02/2020

Química com ampla experiência em diversas multinacionais ocupava até janeiro a diretoria regional latino-americana da empresa

A química Cristina Neri (foto) assume a vice-presidência da Milliken para a América Latina. Com mais de 22 anos de experiência no setor químico, a executiva tem larga experiência nas áreas comercial e de gestão no Brasil, tendo atuado em diversos segmentos da indústria como agroquímico, tintas, vernizes, farmacêutico, lubrificantes e cosméticos.

Com passagens por importantes multinacionais, Cristina chegou à Milliken em 2016 para ocupar o cargo de gerente regional de Aditivos Plásticos para a América Latina. Em 2017 assumiu a diretoria regional latino-americana nas áreas de química, corantes e ingredientes. E em janeiro deste ano foi promovida a vice-presidente. “A Milliken está em expansão na região e vamos trabalhar para manter esse ritmo neste mercado que é bastante importante para a empresa”, afirma.

A Milliken é uma empresa com foco na inovação desde que foi fundada, em 1865. Em seus laboratórios e centros de desenvolvimento e de aplicação em todo o mundo, cientistas e engenheiros desenvolvem pesquisas nas áreas de revestimentos, especialidades químicas, aditivos e tecnologias de coloração. A empresa acumula mais de 2.200 patentes nos EUA e mais de 5 mil patentes no mundo todo, desde sua fundação.

Curta nossa página no

 

Almaco lança guia de compra e inspeção de perfis pultrudados

17/02/2020

  • Inédita no Brasil, publicação tem como objetivo melhorar a experiência dos usuários finais
  • Publicação está disponível para download gratuito no site da Almaco

Ajudar o usuário final a ter a melhor experiência possível durante a compra e utilização de perfis pultrudados. Esse é o objetivo da Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (Almaco), ao lançar o Guia de Compra e Inspeção para o Mercado de Pultrusão. Inédita no Brasil, a publicação online reúne centenas de informações que facilitam o dia a dia dos consumidores de perfis – dão forma a grades de piso, corrimões e escadas, entre centenas de outras peças.

“A ideia de produzir o guia surgiu durante os encontros do Comitê de Pultrusão. Os participantes, a maioria fabricantes de perfis, demonstraram a necessidade de lançar uma publicação que não só uniformizasse a especificação, mas a nivelasse por cima, melhorando como um todo a qualidade dos perfis produzidos e consumidos no Brasil”, afirma Erika Bernardino Aprá, presidente da Almaco.

Bastante didático e ilustrativo, o Guia de Compra e Inspeção para o Mercado de Pultrusão tem na introdução informações gerais sobre os materiais compósitos e o processo de pultrusão, detalhando a seguir o que deve ser levado em conta durante a compra e inspeção dos perfis. Na sequência, o leitor também confere os detalhes sobre as aplicações mais comuns de perfis pultrudados: leitos para cabos, grades de piso, guarda-corpos e escadas.

Além de fazer o download gratuito do guia no site da Almaco (www.Almaco.org.br), os interessados podem baixar um arquivo com as fichas técnicas das principais resinas, reforços mecânicos (fibras de vidro) e desmoldantes utilizados no processo de pultrusão.

A publicação do Guia de Compra e Inspeção para o Mercado de Pultrusão contou com o patrocínio das seguintes empresas: Cogumelo, CPIC, Enmac, FCI, INEOS Composites, Novapol, Owens Corning, Pultrusão do Brasil, Polynt Reichhold e Stratus.

Composto por diferentes tipos de resinas termofixas associadas a reforços mecânicos, o perfil pultrudado é produzido pelo processo de pultrusão, uma adaptação do inglês “pultrusion” – “pull” (puxar) e “thru” (através). O resultado é um material plástico estrutural de longa durabilidade e baixo peso, que pode ser utilizado em aplicações caracterizadas pelos elevados índices de exigência mecânica e química.

Fundada em 1981, a Almaco tem como missão representar, promover e fortalecer o desenvolvimento sustentável do mercado de compósitos. Com administração central no Brasil e sedes regionais no Chile, Argentina e Colômbia, a Almaco tem cerca de 400 associados (empresas, entidades e estudantes) e mantém, em conjunto com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), o Centro de Tecnologia em Compósitos (CETECOM), o maior do gênero na América Latina.

Resultantes da combinação entre polímeros e reforços – por exemplo, fibras de vidro –, os compósitos são conhecidos pelos elevados índices de resistência mecânica e química, associados à liberdade de design. Há mais de 50 mil aplicações catalogadas em todo o mundo, de caixas d’água, tubos e pás eólicas a peças de barcos, ônibus, trens e aviões.

Curta nossa página no

 

Primeira edição da Feira PPW – Packaging & Process Week reúne apoiadores institucionais de vários segmentos do mercado

17/02/2020

Feira Internacional de Tecnologia, Processos e Embalagens para as Indústrias de Alimentos, Bebidas, Cosmética, Farmacêutica e Química recebe o apoio do Instituto de Embalagem e de mais de 30 associações do setor industrial

A primeira edição da PPW – Packaging & Process Week – Feira Internacional de Tecnologia, Processos e Embalagens para as Indústrias de Alimentos, Bebidas, Cosmética, Farmacêutica e Química, já tem o apoio de mais de 30 entidades do Brasil e América Latina, dentre as quais o apoio do Instituto de Embalagens, referência em ensino e pesquisa sobre embalagens no País.

Segundo os organizadores, a PPW foi desenvolvida para atender às necessidades dos mercados de tecnologia, processos e embalagens que sentiam a ausência de um evento dedicado mais abrangente a todas as indústrias, com foco tecnológico e com presença internacional. “Iremos debater as tendências e fomentar negócios entre todos os elos da cadeia, com a participação de fabricantes, fornecedores de máquinas e dispositivos, equipamentos e componentes, processos e automação, além de uma audiência extremamente qualificada representada pelos compradores das indústrias de alimentos, bebidas, cosmética, farmacêutica e química”, afirma o diretor da PPW na Reed Exhibitions Alcântara Machado, Leandro Lara.

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), instituição nacional da avicultura e da suinocultura, é uma das entidades que apoiam a PPW. O presidente da ABPA, Francisco Turra, destaca que este é um evento voltado para o mercado e altamente profissionalizado. “É uma oportunidade para o setor se reunir e discutir as práticas atuais, ao mesmo tempo em que apresenta novas soluções e tecnologias”. Ainda de acordo com Turra, a feira beneficiará todo o setor produtivo que, direta ou indiretamente, utiliza as tecnologias e processos que serão apresentados durante o evento. “Nós, da ABPA, temos as melhores expectativas quanto à capacidade da PPW em contribuir para a ampliação de oportunidades, o intercâmbio de informações e o fortalecimento da inovação no segmento, que atualmente carece de inovações diante de um mercado dinâmico, com um consumidor em constante evolução em termos de conceitos e necessidades. Esse é o grande desafio para este eixo produtivo”.

“A Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas Não Alcoólicas (ABIR) está honrada em apoiar a Packaging and Process Week 2020 (PPW), pois a embalagem é essencial para a indústria de bebidas não alcoólicas. Trata-se de um importante cartão de visita, ou seja, a primeira impressão do consumidor ao se deparar com o produto nas prateleiras. Portanto, quanto mais atrativa no formato, design, cores, sustentabilidade, mais (a embalagem) cativará o consumidor. Além do aspecto visual, também é essencial na conservação e durabilidade de nossos produtos, garantindo assim a segurança alimentar de nossos consumidores”, afirma o presidente da ABIR, Alexandre Jobim.

As expectativas positivas são reforçadas pela vice-presidente da Federação Brasileira de Associações de Engenheiros (FEBRAE/RJ), Duaia Vargas da Silveira, entidade que também apoia institucionalmente a primeira edição da PPW. “Somos motivados a colaborar com toda a área de tecnologia que envolve engenharia e tem como finalidade apresentar serviços que busquem atender às demandas de mercado, priorizando o meio ambiente e, consequentemente, a população”.

“A Associação Gaúcha das Indústrias de Gelados Comestíveis (Agagel) é uma entidade atuante e atenta às demandas do setor. A área de embalagens é considerada uma parte muito importante da cadeia produtiva, podendo muitas vezes ser estratégica na apresentação final do produto. Acreditamos no potencial dessa feira por concentrar fornecedores. Esse é um aspecto que para nós, gaúchos, é muito importante, sem falar na agilidade das indústrias entre o lançamento e a disponibilização dessas novidades no mercado. Em termos de opções de embalagens, algo que mais buscamos atualmente são alternativas biodegradáveis, tendo em vista a consciência crescente de empresas e consumidores pela preservação ambiental”, afirma o presidente da Agagel, Vanderlei Bonfante.

A PPW será de 15 a 18 de setembro no São Paulo Expo, em São Paulo (SP). É uma realização da ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, com promoção e organização da Reed Exhibitions Alcântara Machado, e apoio institucional da Abag (Associação Brasileira do Agronegócio), Abal (Associação Brasileira do Alumínio), ABEAÇO (Associação Brasileira de Embalagem de Aço), ABICAB (Associação Brasileira da Indústria de Chocolates), ABIEA (Amendoim e Balas, Associação Brasileira das Indústrias Etiquetas Adesivas), Abief (Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis), ABIHPEC (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos), Abimapi (Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados); ABIPLA (Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Limpeza e Afins), ABIR (Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas não Alcoólicas), Abividro (Associação Brasileira das Indústrias de Vidro), ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), ABPO (Associação Brasileira do Papelão Ondulado), ABRADILAN (Associação Brasileira de Distribuição e Logística de Produtos Farmacêuticos), ABRAFATI (Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas), ABRAFRIGO (Associação Brasileira de Frigoríficos), ABRAVA (Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento), AGAGEL (Associação Gaúcha das Indústrias de Gelados Comestíveis e Afins), ANR (Associação Nacional de Restaurantes), CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), EMBRAPII (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial), FENEMI (Federação Nacional de Engenharia Mecânica e Industrial), Sistema FIEAC (Sistema Federação das Indústrias do Estado do Acre), Sistema FIEPA (Federação das Indústrias do Estado do Pará), FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Instituto de Embalagens, SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), Simplás (Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho) e SINDIMOV (Sindicato da Indústria do Mobiliário de São Paulo).

SERVIÇO
PPW – Packaging & Process Week
Data: 15 a 18 de setembro de 2020
Local: São Paulo Expo
Mais informações: https://www.ppwfeira.com.br/pt-br.html

A ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos representa cerca de 7.800 empresas dos mais diferentes segmentos fabricantes de bens de capital mecânicos, cujo desempenho tem impacto direto sobre os demais setores produtivos nacionais e está estruturada nacionalmente com a sede em São Paulo, nove regionais e um Escritório Político em Brasília. Além da representação institucional do setor, a ABIMAQ tem a sua gestão profissionalizada e as suas atividades voltadas para a geração de oportunidades comerciais para as suas associadas, realizando ações junto às instâncias políticas e econômicas, estimulando o comércio e a cooperação internacionais e contribuindo para aprimorar seu desempenho em termos de tecnologia, capacitação de recursos humanos e modernização gerencial.

A Reed Exhibitions é uma empresa líder mundial na organização de feiras e eventos com atuação em 38 países e 500 eventos distribuídos pelas Américas, Europa, Oriente Médio e Ásia. No Brasil, organiza mais de 40 feiras em todo o território nacional entre eventos de negócios e voltados ao consumidor final. Anualmente recebe mais de 5 mil expositores e mais de 1 milhão de compradores em seus eventos.

Curta nossa página no

 

Setor de Transformados Plásticos recua em 2019

07/02/2020

A produção física do setor de transformados plásticos recuou -1,6% em 2019 em relação ao ano anterior, segundo levantamento da Abiplast (Associação Brasileira da Indústria do Plástico) a partir dos dados divulgados nesta semana pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com a Pesquisa Industrial Mensal (PIM-PF) referente a dezembro.

A retração deve-se, principalmente, à redução na produção de laminados, por conta de uma diminuição na produção de bens intermediários, bem como a uma retração nos segmentos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos (-3,7%) e de produtos farmacêuticos (-3,7%).

No período, a produção de embalagens plásticas cresceu +2,2%, alinhada com o aumento da produção de setores como o alimentício (+1,6%) e o de bebidas (+4%). Já as importações do setor subiram +3,2% e as exportações +0,9%, resultando em um déficit da balança comercial +4,5% maior em peso, equivalente a 490 mil toneladas de transformados plásticos e US$ 2,5 bilhões, afirma a Abiplast.

Otimista com as mudanças previstas no início de 2019 – dentre elas a implementação de reformas como previdenciária, tributária e administrativa – e a consequente melhoria do cenário competitivo, o mercado reviu as expectativas ao longo do ano e a Abiplast rebaixou suas projeções em quatro ocasiões.

A percepção da entidade é de que os resultados foram tímidos e as esperadas reformas não avançaram. A própria reforma da previdência foi aprovada praticamente no final do ano passado.

Dados do setor de transformação do material plástico em 2019:

Fonte: Abiplast

Curta nossa página no

Chinaplas 2020 adiada devido ao surto de coronavírus

05/02/2020

Em comunicado divulgado hoje à imprensa, a Adsale Exhibitions informou que a feira Chinaplas 2020, que estava programada para o período de 21 a 24 de abril próximos em Xangai, foi adiada por tempo indeterminado devido ao surto de coronavírus no País. Novas datas para a feira serão anunciadas posteriormente.

A Adsale, organizadora do evento, informou que o adiamento segue as instruções emitidas pelo governo da cidade de Xangai para interromper todas as atividades em larga escala na região, com o intenção de controlar a nova epidemia de coronavírus na China.

No comunicado, os organizadores pedem desculpas pelos inconvenientes causados pelo adiamento do evento, enfatizando a preocupação com a saúde e a segurança dos participantes da feira, motivo pelo qual afirmam ter tomado a decisão.

A Adasale afirma que continuará a monitorar de perto a situação da epidemia e que fornecerá novas notícias sobre a Chinaplas 2020 quando disponíveis.

Curta nossa página no

 

BASF fecha aquisição do negócio de poliamida da Solvay

03/02/2020

A BASF concluiu em 30 de janeiro a aquisição do negócio de poliamida (PA 6.6) da Solvay. A transação amplia os recursos em poliamidas da BASF com produtos bem conhecidos, como o Technyl. Isso permitirá que a BASF ofereça suporte a seus clientes com mais soluções em plásticos de engenharia, por exemplo, para veículos autônomos e mobilidade eletrônica. A transação também aumento o acesso da empresa a mercados em crescimento na Ásia, bem como na América do Norte e do Sul. Através da integração vertical com a fabricação de adiponitrila (ADN), matéria prima chave, a BASF estará presente em toda a cadeia de valor da poliamida 6.6 e melhorará sua confiabilidade no fornecimento. O preço de compra do negócio de poliamida, adquirido pela BASF em dinheiro e sem dívidas, é de € 1,3 bilhões; as vendas geradas em 2018 foram de cerca de 1,0 bilhão de euros. O negócio será integrado às divisões Performance Materials e Monômeros da BASF.

A transação entre a Solvay e a BASF inclui oito unidades de produção na Alemanha, França, China, Índia, Coréia do Sul, Brasil e México, além de centros de pesquisa e desenvolvimento e centros de consultoria técnica na Ásia, América do Norte e do Sul. Além disso, abrange ações de duas joint ventures (JV) na França: a participação de 50% da Solvay na Butachimie, uma JV com a Invista para produzir ADN e hexametilenodiamina (HMD), e uma participação de 51% na nova JV Alsachimie entre a BASF e a DOMO Chemicals, para produzir ácido adípico.

Aproximadamente 700 funcionários da Solvay ingressam na BASF. A JV Alsachimie entre a BASF e a DOMO Chemicals na França emprega aproximadamente 650 funcionários e a JV Butachimie entre a BASF e a Invista possui aproximadamente 400 funcionários.

Essa é a última etapa da transação acertada entre a Solvay e a BASF, para a qual a Comissão Europeia exigiu a cessão de alguns dos ativos da área de Performance Polyamides da Solvay para terceiros.

Esses ativos, que foram adquiridos pela empresa Domo Chemicals, incluem os locais de produção de poliamidas da Solvay em Belle-Etoile e Valence (França), além de participação na joint venture recém-criada entre a BASF e a Domo. Também envolvem locais de produção em Gorzow (Polônia), Blanes (Espanha) e atividades comerciais na Alemanha e Itália.

A BASF adquirirá todas as atividades de Performance Polyamides da Solvay que não foram compradas pela Domo Chemicals e que fazem parte do contrato original entre a Solvay e a BASF, assinado no final de 2017.

A conclusão do negócio permitirá à Solvay fortalecer seu recentemente anunciado programa de crescimento denominado G.R.O.W., cuja estratégia tem como base três pilares principais – Materiais Avançados, Produtos Químicos e Soluções.

O Grupo Solvay informa ainda que no Brasil mantém sem alterações suas atividades de produção e comercialização de produtos químicos intermediários, polímeros e fibras e fios têxteis de poliamida, cujas fábricas estão instaladas em Paulínia e em Santo André (SP).

Curta nossa página no

 

Primeiro lote de exportação de uvas de cooperativa paulista para Hong Kong é acondicionado em conservadoras da Termotécnica

03/02/2020

A Termotécnica vem estreitando parceria com a Cooperativa Agroindustrial APPC, que representa um grupo de produtores rurais de Pilar do Sul (SP). Formada, em sua maioria, por descendentes de imigrantes japoneses –, a APPC tem como foco a produção de frutas diferenciadas e de alto padrão, entre elas uvas, atemoias, tangores (um tipo de tangerina), ameixas, nêsperas, pêssegos e lichias.

O carro-chefe da APPC é a Pilar Moscato, uva gourmet que é marca registrada da Cooperativa. No primeiro lote de exportação desta uva para Hong Kong, realizada agora em janeiro de 2020, as frutas de qualidade premium viajaram acondicionadas nas conservadoras DaColheita fabricadas pela Termotécnica.

Segundo a empresa, as conservadoras DaColheita permitem alto isolamento térmico, facilidade no empilhamento e transporte. Na corrida contra o tempo,que acontece no trajeto entre o produtor e o consumidor, as soluções DaColheita ampliam em até 30% o shelf-life das frutas, afirma a Termotécnica, que também garante que a embalagem mantém as propriedades nutricionais e as condições ideais para frutas e hortaliças preservarem sua integridade, qualidade nutricional e frescor por mais tempo.

Segundo a Termotécnica, ao proteger contra trocas bruscas de temperatura, as conservadoras DaColheita contribuem para reduzir podridões e conservar o peso e o aspecto de frescor das frutas.

Como consequência, assegura a empresa, essas características aumentam o valor agregado com a percepção de fruta de qualidade superior, ao meesmo tempo em que promovem aumento do giro das mercadorias, o fortalecimento da marca do produtor com identidade visual e associação à qualidade.

A Termotécnica afirma que as soluções DaColheita também abrem um leque de oportunidades para ofertar o produto em outros períodos além da safra.

A parceria entre a Termotécnica e a Cooperativa Agroindustrial APPC foi destacada na 2ª Cerimônia de Início de Safra da Uva Pilar Moscato, que ocorreu no último sábado, 25 de janeiro, na Associação Cultural e Desportiva de Pilar do Sul (KAIKAN).

“Temos um grande ativo de proximidade e reconhecimento da marca DaColheita para FLV junto a toda a cadeia, desde os produtores no campo, o canal de distribuição e o varejo de hortifrútis especializado. Isso nos dá muito potencial para diversificar o atendimento para todas as culturas de produtos frescos”, afirma o coordenador Comercial/Região Sudeste da Termotécnica, Pedro Scatena.

O diretor Superintendente da Termotécnica, Nivaldo Fernandes de Oliveira, reforça: “somos reconhecidos pelos agricultores por não apenas fornecer o produto, mas introduzir novas tecnologias e soluções e um novo modelo de negócios para agregar valor à produção de hortifrutis brasileiros. Essa visão de que somos protagonistas no desenvolvimento de ações inovadoras neste mercado com soluções de pós-colheita tem sido extremamente positiva para nossa marca e para a credibilidade do nosso trabalho”.

Sustentabilidade

As soluções DaColheita reforçam o compromisso da Termotécnica com a economia circular, desenvolvendo soluções de embalagens sustentáveis. O EPS (isopor), usado na fabricação das embalagens DaColheita, é um material 100% reciclável formado por 98% de ar, não utilizando CFC e HCFC e por isso não gerando danos à camada de ozônio. Por ser inerte, não prolifera fungos e bactérias. O seu processo requer baixa utilização de recursos naturais como água e energia, não contamina e não gera riscos à saúde e ao meio ambiente.

Desde 2007, a Termotécnica realiza o Programa Reciclar EPS, com logística reversa e reciclagem do material em todo o Brasil. Já são mais de 40 mil toneladas de EPS pós-consumo que ganharam um destino mais nobre – ou seja, 1/3 de todo o material consumido no país. Além da parceria próxima com os produtores e agentes de toda a cadeia logística, a Termotécnica amplia também o trabalho com os varejistas para aderirem ao Reciclar EPS e disponibilizarem ao consumidor final pontos de recolhimento para reciclagem deste material.

Aos 58 anos, a Termotécnica é uma das maiores indústrias transformadoras de EPS da América Latina e produz desde soluções para Embalagens e Componentes, Conservação, Agronegócios, Cadeia de Frio, Movimentação de Cargas até itens para Construção Civil. Com matriz em Joinville (SC), possui unidades produtivas e de reciclagem em Manaus (AM), Petrolina (PE), Rio Claro (SP), São José dos Pinhais (PR) e Pirabeiraba (SC).

Curta nossa página no

 

Premiação promovida pelo Indac ressalta atributos do acrílico

03/02/2020

De projeto arquitetônico de 20 toneladas aos objetos mais delicados, plástico nobre ajuda a criar peças únicas

Para incentivar mais profissionais a exporem seus projetos e descobrirem as potencialidades do acrílico, o INDAC (Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico), criou o Prêmio Design em Acrílico. Neste mês, o Instituto anunciou os ganhadores da quinta edição do prêmio, que teve inscrições abertas até 14 de dezembro do ano passado. “Tivemos inscrições de todo o país, o que nos permite conhecer e apresentar para o mercado o trabalho feito por profissionais e empresas de todos os cantos do Brasil”, diz Carlos Rizzo, arquiteto fundador da Acrilaria e membro do corpo diretivo do Instituto.

Nesta edição do Prêmio, o primeiro lugar ficou com o projeto COBERTURA RETRÁTIL DO SHOPPING CIDADE JARDIM (foto), em São Paulo. Maior cobertura telescópica da América Latina, a obra pesa 20 toneladas e conta com sistema retrátil motorizado, além de 16 módulos compostos de alumínio estrutural e cobertos com chapas de acrílico cast transparente de 3mm de espessura cada. “Precisávamos cobrir duas áreas de 15mX30m cada no último piso do shopping. Projetamos então, para cada uma delas, oito conjuntos de estruturas metálicas independentes, sendo apenas dois deles fixos. O acionamento é feito via controle remoto”, explica Marco Antonio Pie, responsável pelo projeto. “Optamos pelo acrílico pela leveza e transparência que ele proporciona. O manuseio das placas nos conjuntos, manutenção, conforto térmico e acústico, também impactaram na escolha do material”, conta.

Embora seja amplamente usado em edificações em países da Europa e da Ásia, o acrílico ainda é pouco explorado pelos arquitetos e engenheiros civis brasileiros, conta Rizzo: “A escolha acertada do material nesse projeto chamou bastante a atenção de nós, jurados, que ainda ficamos bastante impressionados com a beleza do trabalho. Recebemos trabalhos de diversas modalidades, o que mostra na prática a versatilidade que o acrílico tem de atender a diferentes propósitos e demandas. Não por menos ressaltamos que o acrílico é incrível para nichos diversos, como a movelaria, a comunicação visual, a iluminação, a arquitetura e a engenharia. Se fossemos separar os projetos que recebemos por áreas, teríamos com certeza uma dúzia de nichos diferentes sendo representados”.

O segundo projeto premiado pelo Instituto nesta edição do evento vem do segmento de design de interiores: A ADEGA DE VINHOS de Alexandre Lima, de Recife, com prateleiras verticais de acrílico e furos angulados, espelho e iluminação especial, proporcionam um ambiente onde a garrafa do vinho suspensa parece flutuar, totalmente livre de qualquer interferência visual, tanto na parte da frente como na de trás. No projeto, conta Alexandre, o grande desafio foi o de deixar as garrafas em ângulo inclinado com apenas um furo nas pranchas verticais de acrílico, como sustentação. “Para resolver, aumentamos a espessura da chapa para proporcionar mais área de sustentabilidade ao gargalo, daí partimos para os furos angulados e transversais, pois desta maneira as garrafas ficariam na posição correta de repouso”, explica.

Lima, que foi revendedor de chapas de acrílico no começo do seu trabalho, descobriu na transformação da peça sua verdadeira vocação: “O acrílico se ajusta a tudo que se deseja, com uma farta diversidade de cores, espessuras e formas. É só pensar e desejar que se cria”.

Direcionada ao segmento moveleiro, a POLTRONA NOME – AK, de Thais Oncken, ficou com o terceiro lugar da premiação. A peça, que mistura acrílico transparente e madeira de demolição, traduz não apenas a versatilidade que esse plástico tem de ser moldado das formas mais variadas, mas, principalmente, de sua enorme capacidade de adequação a outros materiais. “O acrílico é extremamente resistente, transparente e tem muitas características positivas para ter seu uso muito ampliado no design de interiores ou em projetos de arquitetura e engenharia, como guarda-corpos de prédios e escadas e boxes de banheiros”, diz Thais. Oncken é designer e trabalha exclusivamente com acrílico há seis anos.

Júri Popular

Além das escolhas feitas pelos jurados do INDAC, a entidade ainda promoveu um júri popular em seus canais de comunicação digital, onde foram escolhidos outros três projetos. O primeiro colocado desta categoria foi o APARADOR COLONIAL DE ACRÍLICO, de Danilo Cardoso: “A peça define-se em uma mistura de estilos. Os pés foram inspirados nos móveis talhados em madeira trazidos pelos portugueses ao Brasil colônia. Já o tampo tem um estilo mais contemporâneo. Desta forma aliamos o design do móvel à nobreza e sofisticação do acrílico”, conta. O móvel foi desenvolvido para um projeto de decoração da arquiteta Mônica Andrade em um apartamento no bairro nobre de Salvador”, conta o empresário.

O segundo lugar da escolha popular ficou com a MESINHA DE CENTRO OU CANTO, de Paulo Sérgio de Oliveira e Silva. Nela, de forma totalmente artesanal, o designer uniu acrílico e madeira, aplicando no plástico a arte milenar da marchetaria. “Essa experiência recente de manipular o acrílico me mostrou que o material é um mundo que não tem limite para criações”, explica o marceneiro que tem artesanato como hobby.

O segmento de comunicação visual e merchandising, que é, no país, o maior consumidor do acrílico, também teve um trabalho ressaltado na premiação. O TROFÉU DO PRÊMIO MINUANO DE LITERATURA, desenvolvido por Bárbara Lopes, surpreende pela composição e leveza. “Esse troféu foi criado para atender um concurso literário com temática no vento Sul, aquele que traz as tempestades e, aqui no Sul do Brasil é chamado de Vento Minuano”, conta Bárbara. Entre os desafios do projeto, diz ela, que há mais de 20 anos trabalha com criação e desenvolvimento de peças em acrílico, estava a confecção das páginas em ângulos que ficassem seguros, mas, ao mesmo tempo, que remetessem a sensação de folhas sendo sopradas pelo vento. Deu certo.

Prêmios

Única premiação do setor de acrílico no país, o Prêmio Design em Acrílico do INDAC visa valorizar os trabalhos que melhor ressaltam algumas das muitas características do material, como beleza, transparência, versatilidade, leveza e alta capacidade de propagação da luz.

Neste ano, o 1º colocado ganhou um tour no Salão de Design de Móveis de Milão (ISALONI), com direito também a estadia na cidade italiana, além de traslado do hotel ao evento. Os outros ganhadores terão seus trabalhos expostos pelo INDAC, além de receberem um troféu confeccionado exclusivamente para o Prêmio.

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico é uma organização criada há 19 anos com objetivo de promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado.

A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 35 filiados em todo o país.

Curta nossa página no

 

Stadler fornece planta flexível de classificação de resíduos para o Grupo Schroll na França

03/02/2020

O Grupo Schroll é especializado no gerenciamento e reciclagem de resíduos, fornecendo serviços adaptados às necessidades específicas de empresas, órgaos da administração públicas e municípios. Fundada em 1892, esta empresa familiar atende seus clientes no leste da França com uma equipe de mais de 550 funcionários. Opera sua própria frota de veículos e faz o tratamento de quase um milhão de toneladas de resíduos anualmente em suas 21 instalações especializadas.

A Schroll ajuda seus clientes a gerenciarem seus resíduos desde o início da cadeia de reciclagem até o fim – da coleta à triagem e tratamento de papel, papelão, plásticos, resíduos não perigosos, madeira, pilhas e lâmpadas, bem como coleta e recuperação de resíduos biológicos.

Uma colaboração de longa data

Instalações bem projetadas e bem equipadas são essenciais para alcançar esse objetivo: “no momento da construção de nosso primeiro centro de triagem, em 1999, estávamos procurando uma empresa capaz de fornecer um produto de qualidade em um tempo muito curto. Nossa pesquisa nos levou à Stadler”, explica Pascal Schroll, coproprietário do Grupo Schroll. “Nós apreciamos imediatamente o aconselhamento e o apoio de Willi Stadler e Clément Stehlin, gerente de vendas da empresa. Os testes foram realizados no centro de testes Stadler para encontrar soluções inovadoras para atender às nossas necessidades. Apreciamos a maneira como eles nos ouviram, reagiram aos nossos desejos e sempre levaram em conta as especificações de nosso material e requisitos”.

Desde então a Stadler construiu mais 5 plantas de triagem e renovou outra instalação da Schroll: “A experiência positiva desses primeiros contatos nos encorajou a trabalhar novamente com essa empresa no desenvolvimento de nossas outras plantas”, acrescenta Vincent Schroll, coproprietário do Grupo Schroll. “A evolução técnica do equipamento atende aos crescentes requisitos dos nossos centros de triagem”, complementa Vincent Schroll.

Uma planta projetada para expansão, diversificação e automação futuras

O mais recente projeto que a Stadler concluiu para a Schroll é o novo centro de reciclagem em La Maix no Vosges, perto da cidade de Épinal, na França. Este centro foi dimensionado para processar 80.000 toneladas de resíduos por ano.

A pedido do cliente, a instalação foi projetada para permitir expansão futura e a classificação de frações adicionais, bem como a possibilidade de instalar robôs. A Stadler atendeu a essa demanda incluindo duas linhas de triagem independentes – uma para o tratamento de materiais múltiplos e outra para materiais ocos : essa configuração “oferece mais flexibilidade, permitindo, por exemplo, trabalhar em uma linha em 2 turnos e em 1 turno na outra linha”, explica Clément Stehlin, gerente de vendas da Stadler.

A planta de materiais múltiplos processa toda a carga de 15 toneladas / hora que é alimentada em um separador balístico Stadler PPK e em dois separadores balísticos Stadler STT2000-8-1 para classificação mecânica. Isso é seguido pela separação ótica com quatro dispositivos de infravermelho próximo (NIR) e o processo é concluído com a classificação manual. As frações finais de saída desta linha são PCNC (embalagens e pequenas frações de papelão), papelão, filme e JRM (jornais e revistas), bem como materiais ocos que são então alimentados na segunda linha de classificação da planta.

A linha de materiais ocos, com uma produção de 4 toneladas por hora, classifica as frações mecanicamente e oticamente, com uma classificação manual final. Ela utiliza separadores balísticos Stadler STT2000-8-1, um ímã, um separador para metais não ferrosos e cinco dispositivos NIR, para produzir uma saída de PET claro e colorido, PEAD, Tetrapak, alumínio, filme, papel misto e frações residuais. “As máquinas Stadler nesta linha são perfeitas para essa finalidade e dimensionadas exatamente para taxas de transferência potencialmente mais altas no futuro”, comenta Clément Stehlin.

A Stadler diz que esse projeto complexo foi entregue dentro do cronograma, apesar de um prazo muito curto de apenas 14 semanas, incluindo uma semana para o comissionamento de cada uma das duas linhas. A planta começou a operar em outubro de 2019. “Agradecemos a capacidade da Stadler de cumprir compromissos, aconselhar-nos e responder a mudanças durante a instalação do equipamento”, conclui Pascal Schroll.

Fundada em 1791, a Stadler dedica-se ao planejamento, produção e montagem de sistemas e componentes de triagem para a indústria de tratamento e reciclagem de resíduos sólidos em todo o mundo. Sua equipe de mais de 450 funcionários oferece um serviço completo personalizado, desde o projeto conceitual até o planejamento, produção, modernização, otimização, montagem, comissionamento, reformas, desmontagem, manutenção e assistência técnica de componentes para completar os sistemas de reciclagem e classificação. Sua linha de produtos inclui separadores balísticos, correias transportadoras de transporte, tambores de triagem e removedores de rótulos.

Curta nossa página no

 

Eastman expande capacidade de fábrica em Dresden (Alemanha) para apoiar nova linha de revestimento e de laminação de películas

28/01/2020

A Eastman Chemical Company anunciou uma expansão de capacidade em sua fábrica de Dresden, na Alemanha, para apoiar uma nova linha de revestimento e de laminação. Esse investimento dará suporte ao crescimento do mercado para as películas de proteção à pintura e das películas para vidros da Eastman, afirma a empresa. A ampliação complementará os ativos da Eastman em Martinsville, Virgínia (EUA), e deve estar funcionando em meados de 2021, além de gerar aproximadamente 50 novos empregos na unidade.

“Estamos muito empolgados em anunciar esse investimento em nossa fábrica de Dresden e em nossos negócios de películas”, diz Erin Bernhardt, gerente geral dos negócios de Performance Films da Eastman. “A capacidade adicional nos permitirá atender ao forte crescimento contínuo que estamos observando na Europa e ao redor do mundo para nossas películas de proteção à pintura, além de proporcionar versatilidade para responder às crescentes necessidades dos clientes em películas para vidros, nos segmentos automotivo e arquitetônico de alto valor”.

Segundo a Eastman, a sua película de proteção à pintura feita de uretano é elástica, transparente e ajuda a proteger e preservar superfícies automotivas pintadas de fábrica. O produto é óticamente claro e formulado cientificamente para criar uma camada forte e confiável de proteção contra danos causados ​​por rochas, sal, insetos e outros detritos da estrada, afirma a empresa. Sua tecnologia de auto regeneração repara arranhões por meio do uso do calor do sol ou do motor do carro, informa a fabricante da película.

As películas de proteção à pintura são uma categoria crescente de acessórios automotivos que aprimora a estética e a longevidade dos veículos e outras superfícies pintadas. A Eastman reinvidica a liderança desse mercado com as marcas LLumar, SunTek e V-KOOL.

A empresa também anunciou uma série de investimentos significativos em películas de proteção à pintura, incluindo um Centro de Excelência de Padrões e Softwares de Filmes de Desempenho (Performance Films), várias expansões em sua unidade de fabricação em Martinsville e o software de padrão e operações de negócios Core.

A unidade de Performance Films faz parte do segmento de negócios de Materiais Avançados da Eastman.

A Eastman é uma empresa global de materiais avançados que atua em atrativos mercados finais, tais como transporte, construção civil e produtos de consumo. A empresa emprega, aproximadamente, 14.500 pessoas ao redor do mundo e atende clientes em mais de 100 países. A companhia alcançou, em 2018, aproximadamente, 10 bilhões de dólares em receitas e está sediada em Kingsport, Tennessee, EUA.

Curta nossa página no

 

Embalagens produzidas por empresas brasileiras se destacam na premiação Packaging Innovation Award da Dow

28/01/2020

Embalagem para frutas frescas desenvolvida pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Finalista na principal categoria da premiação, Diamond Award, e reconhecida com uma menção honrosa na categoria Collaboration, a Embrapa concorreu, em parceria com o Instituto Nacional de Tecnologia e o IMA, Instituto de Macromoléulas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Empresas ganharam notoriedade na premiação que reconhece as principais realizações do setor de embalagens e movimenta a cadeia com novas ideias.

A 31ª edição do Packaging Innovation Award, premiação realizada pela Dow, que reúne anualmente as principais novidades na indústria de embalagens, foi marcada pelo reconhecimento de empresas brasileiras entre as finalistas e vencedoras. As três companhias nacionais – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Incom Packing e Unilever – se destacaram na avaliação dos jurados, sendo reconhecidas pelas inovações em seus projetos dentro das categorias Diamond, Gold e Silver award, além de menções honrosas nas categorias Collaboration e Sustainability.

A Unilever, vencedora na categoria Silver, apresentou a Love Beauty and Planet, primeira marca vegana que, segundo a empresa, utiliza embalagens plásticas 100% feitas de material reciclado em sua composição. Para o desenvolvimento da linha, a empresa escolheu cinco pilares: formulações vindas de matérias-primas sustentáveis, material 100% reciclado nas garrafas, tecnologia de enxágue rápido, redução da pegada de carbono e apoio a influenciadores ambientalistas. A linha de shampoos, condicionadores e cremes já está em fase comercial nas grandes drogarias e supermercados brasileiros.

Já a empresa brasileira de embalagens para cosméticos, Incom Packing, recebeu o reconhecimento na categoria Silver com o perfume SPOT, cuja embalagem é inspirada em uma taça de vidro de Martini. O design inovador do frasco trouxe o conceito invertido, onde a tampa serve como a base do produto e a fragrância fica no topo. Diversos testes foram realizados, dimensões e proporções revistas para que o projeto se tornasse viável, incluindo a escolha de materiais resistentes. Para o frasco, os fabricantes utilizaram vidro e, para a tampa, a opção escolhida foi a resina Surlyn da Dow, que trouxe a semelhança ao vidro. Com isso, a Incom Packing mostrou que é possível combinar recursos estéticos com conhecimento teórico para fornecer soluções inovadoras. O produto já está em fase comercial e foi lançado pela marca Hinode, especialista no segmento de beleza e cuidados com o corpo.

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) também teve uma participação notória no Packaging Innovation Award. Finalista na principal categoria da premiação, Diamond Award, e reconhecida com uma menção honrosa na categoria Collaboration, a companhia concorreu, em parceria com o Instituto Nacional de Tecnologia e o IMA, Instituto de  Macromoléculas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com uma embalagem que mantém as frutas frescas e sem marcas por mais tempo. O produto foi desenvolvido como um sistema de duas peças. A primeira serve como um estojo para substituir a caixa de madeira tradicional e é feita de polietileno de alta densidade (PEAD). Já a segunda, onde as frutas são embaladas, é feita de PET e é colocada sobre a caixa PEAD ao seu redor. As bordas superiores desta peça se ligam à parte superior da caixa de PEAD e as frutas são guardadas na camada PET dentro da caixa circundante. Graças às essas peças, a embalagem teve como um dos seus principais diferenciais a personalização de formato e tamanho de acordo com cada fruta, o que reduz substancialmente lesões mecânicas durante o transporte até o varejo. Outro atributo importante é que o recipiente, por ser um sistema fechado, otimiza o uso de refrigeração, diminui o gasto com energia e mantém a qualidade das frutas, reduzindo as perdas pós-colheita para menos de 5%.

“Para nós, é um prazer reunir anualmente importantes empresas e profissionais para reconhecer grandes projetos e debater sobre inovação na indústria. A edição de 2019 do Packaging Innovation contou com uma média de 250 inscrições de mais de 30 países. Celebramos ainda mais o resultado obtido no Brasil, que tem mostrado seu potencial para trazer tecnologias inovadoras e sustentáveis. Agradecemos a cada um dos participantes e parabenizamos os vencedores por seu excelente trabalho”, diz Angels Domenech, Diretora de Pesquisa e Desenvolvimento do Negócio de Plásticos para a Dow na América Latina.

Já Daniella Souza, Vice-Presidente do negócio de Plásticos para a Dow na América Latina, afirma: “O Packaging Innovation Award está em sua 31ª edição e é a premiação mais antiga do setor de embalagens, reconhecendo, em âmbito mundial, os avanços do setor e incentivando organizações no desenvolvimento de soluções que visam, prioritariamente, a inovação e a sustentabilidade”.

As inscrições para a 32ª edição da premiação começarão em breve.

A Packaging and Specialty Plastics (P&SP), uma unidade de negócios da Dow oferece tecnologias para mercados de uso final em embalagens de alimentos, higiene pessoal, infraestrutura, bens de consumo e transporte. A P&SP é uma das maiores produtoras mundiais de resinas de polietileno, polímeros funcionais e adesivos.

A Dow está presente no Brasil desde 1.956. A companhia reúne atualmente cerca de 2.700 funcionários em suas 11 instalações, incluindo 9 unidades de produção em Aratu (BA), Breu Branco (PA), Campinas (SP), Guarujá (SP), Jacareí (SP), Jundiaí (SP), Palmyra (PA), Santa Vitória (MG) e Santos Dumont (MG), atendendo a clientes nos mercados de embalagens, infraestrutura e cuidados ao consumidor.
Na América Latina, a Dow opera 18 complexos de produção em 4 países e teve vendas líquidas pro forma de US$ 4,9 bilhões em 2018.

Globalmente, a companhia opera 113 fábricas em 31 países e emprega aproximadamente 37.000 funcionários. A Dow teve vendas pro forma de aproximadamente US$ 50 bilhões em 2018.

Curta nossa página no

 

Os plásticos tornam a medicina moderna mais segura e eficiente

24/01/2020

(*) Artigo provido pela Adsale Exhibition Services – organizadores da Chinaplas

Os plásticos salvam vidas. O que muitas vezes se perde na demonização dos plásticos em função dos problemas relacionados aos resíduos plástios no meio ambiente é o fato de que a medicina moderna depende muito do material e, de fato, poderia funcionar de forma precária sem ele.

Mesmo aqueles que há muito argumentam contra o uso de PVC em várias aplicações médicas, em razão de preocupações sobre o uso de ftalatos no material, não conseguiram impedir o uso de PVC pelo setor de saúde por uma simples razão – não há alternativa que possa prover, de maneira econômica, o mesmo nível de desempenho. É simplesmente o melhor material para o trabalho.

Da mesma forma, embora continuem os esforços para encontrar maneiras de reduzir os resíduos relacionados ao plástico ao aumentar-se a reutilização e a esterilização de vários itens médicos, a análise de custo / benefício / segurança do uso de plásticos em inúmeras aplicações na área da saúde dificulta a superação.

Em outubro passado, a revista National Geographic publicou uma matéria intitulada “Os cuidados médicos podem existir sem plástico?” E observou que “O plástico descartável pode ser uma opção atraente para hospitais – baratos, duráveis ​​e facilmente descartáveis. Além disso, cada novo recipiente ou tampa feita de plástico oferece um novo ambiente estéril. É por isso que os médicos se cobrem de plásticos e tudo o que eles usam é de plástico “

Vários tipos de plásticos e materiais elastoméricos servem para inúmeras utilizações na área médica e de saúde – desde itens básicos como luvas, tubos, óculos, bolsas de sangue e seringas descartáveis ​​até aplicações biocompatíveis de alta tecnologia, como válvulas cardíacas, substituições de articulações e próteses impressas em 3D.

Para continuação do texto (em inglês), clique aqui.

Curta nossa página no

 

Nestlé se compromete a investir para criar mercado para plásticos reciclados a serem usados em embalagens alimentícias

24/01/2020

A Nestlé anunciou em 16 de janeiro que investirá até 2 bilhões de francos suíços para estimular a substituição de material plástico virgem por plásticos reciclados de qualidade alimentar e acelerar o desenvolvimento de soluções inovadoras de embalagens sustentáveis.

Em cima da sua promessa feita em 2018 de tornar 100% de suas embalagens recicláveis ​​ou reutilizáveis ​​até 2025, a Nestlé diz que reduzirá o uso de plásticos virgens em um terço no mesmo período, enquanto trabalhará com parceiros para promover a economia circular e continuar os esforços de limpeza dos resíduos plásticos em oceanos, lagos e rios. A redução de um um terço no uso de plásticos virgens corresponde a uma quantidade de aproximadmaente 500.000 toneladas por ano, de acordo com Sander Defruyt, chefe do projeto de plásticos Ellen MacArthur.

A reciclagem de plásticos para uso em embalagens de alimentos é difícil para a maioria dos materiais, o que leva a um suprimento limitado de plásticos reciclados de qualidade alimentar. Para criar um mercado, a Nestlé comprometeu-se a utilizar até 2 milhões de toneladas métricas de plásticos reciclados de qualidade alimentar e alocou mais de 1,5 bilhão de francos suíços para pagar um prêmio por esses materiais entre agora e 2025. A Nestlé diz que buscará eficiência operacional para manter neutros os ganhos desta iniciativa.

Para mais informações (em inglês), clique aqui.

Curta nossa página no

Unidade reativa da Engel para polimerização de ε Caprolactam in situ agora disponível em dois tamanhos

24/01/2020

A polimerização in situ abre muitas oportunidades na produção de componentes plásticos com matriz de poliamida termoplástica reforçada com fibra. Com base em reforços têxteis secos, a polimerização e a moldagem são combinadas, permitindo processos de produção em série particularmente eficientes e automatizados, em aplicações, por exemplo, de engenharia automotiva leve. A Engel diz que o fator decisivo para a eficiência do processamento e a qualidade do produto é a unidade reativa desenvolvida especificamente para a preparação e injeção de ε Caprolactama. A Engel lançou um sistema com um tamanho menor.

A Engel afirma que a nova unidade reativa menor pode lidar com volumes da matriz entre 10 e 600 cm³, oferecendo flexibilidade especialmente para instalações de teste, na produção de peças de teste, amostras e peças com peso de até 1,5 kg. A unidade maior pode processar volumes da matriz de até 1500 cm³. Ambas as unidades são compactas, afirma a empresa.

Na polimerização in situ – o processo de RTM termoplástico – pré-formas pré-moldadas de fibra seca são infiltradas diretamente na cavidade do molde com a matriz reativa. Graças à baixa viscosidade da ε caprolactam no estado fundido, as fibras secas podem ser bem umedecidas. Comparado ao RTM duroplástico, torna-se possível utilizar trajetos de fluxo mais longos e um maior teor de fibras. Quando a ε Caprolactam é polimerizada para criar a Poliamida 6, é formado um compósito com capacidade de suporte de carga particularmente alta, a qual pode ser funcionalizada por moldagem por injeção imediatamente após a fabricação, no mesmo processo.

Para mais informações (em inglês), clique aqui.

Curta nossa página no

China lança plano gradual para banir produtos plásticos de uso único até 2025

23/01/2020

A China, um dos maiores usuários mundiais de materiais plásticos e também um dos maiores produtores de resíduos plásticos, anunciou um plano abrangente destinado a restringir a produção, a venda e o uso de produtos plásticos de uso único, ao mesmo tempo em que promove a utilização de alternativas degradáveis ​​e amigáveis ​​à reciclagem.

Em um documento divulgado em 19 de janeiro, a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China e o Ministério da Ecologia e Meio Ambiente informaram que tanto a produção quanto a utilização de uma variedade de plásticos de uso único serão gradualmente eliminados em todo o país até meados desta década.

A declaração diz que a China espera até 2025 reduzir substancialmente a quantidade de resíduos plásticos em aterros sanitários de algumas cidades-chave, estabelecer um sistema abrangente de gerenciamento de plásticos e também fazer avanços no desenvolvimento de produtos alternativos, além de controlar de forma eficaz a poluição oriunda dos plásticos.

O plano apresentou um cronograma detalhado descrevendo que tipos de produtos plásticos serão proibidos, as áreas do país onde as proibições entrarão em vigor e os respectivos prazos para implantação das medidas. As cidades maiores devem sofrer mudanças mais cedo, mas cidades menores ou áreas rurais terão mais tempo para se adaptar.

Por exemplo, sacos plásticos de uso único serão proibidos na maioria das lojas de grandes cidades, como Pequim e Xangai, até o final de 2020, mas cidades, vilas e aldeias menores têm até 2022 para se adaptarem às novas regras. A produção e venda de sacolas plásticas com menos de 0,025 mm também serão proibidas. Os mercados que vendem produtos frescos estarão isentos da proibição até 2025.

William Liu, consultor sênior do grupo global de consultoria em produtos químicos Wood Mackenzie, disse sobre o anúncio:

“Isso certamente afetará o consumo de plástico e, daí para frente, a indústria petroquímica. O consumo de polietileno será afetado pois é a principal matéria prima para produzir sacolas e filmes de embalagem.”

Para mais informações (em inglês), clique aqui.

Curta nossa página no