Archive for the ‘Plásticos na Comunicação Visual’ Category

Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico amplia alcance, muda e nome e inclui outros países da América Latina

08/12/2021


Instituto fundado no Brasil em 2001 para representar empresas do setor do acrílico se expande e passa a atuar agora em toda a América Latina; entre os benefícios da ação está o compartilhamento de informações entre os associados

O Indac – Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico – passou a se chamar Ilac – Instituto Latino-Americano do Acrílico a partir do mês de novembro. A mudança é fruto do trabalho de integração das empresas do setor de acrílico na América Latina e tem como objetivo inicial a troca de informações e conhecimento sobre aplicações finais e processamento do acrílico em cada um dos países que participam ou que venham a participar do grupo. Segundo Marcelo Thieme, presidente do Ilac, o trabalho feito pelo Indac nos últimos 20 anos mostra que a troca de conhecimento tende a promover de maneira natural a ampliação do uso do acrílico em diferentes projetos e aplicações. Assim, por meio deste canal que se abre, os transformadores brasileiros terão acesso a informações de produtos e projetos feitos fora do país. “Essa é uma integração importante porque nos permitirá trocar experiências com empresários de outros países que possuem mercados mais maduros e já mais adaptados à forte concorrência asiática, como Argentina e Colômbia, por exemplo”, explica Thieme.

Na prática, isso é o que o Indac já faz desde 2001, quando foi fundado. Assim, o Instituto segue com o objetivo de promover o uso correto do acrílico, além de difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações. O que muda agora é seu alcance. Além de 30 empresas brasileiras associadas, entre elas: Acriresinas, Actos, Acrilaria, Acrílico Design, Acrilmarco, Acrimax, Acrinox, Acriplanos, Art Cryl, Brascril, Bold, Campion, Castcril, Cristal e Cores, CutLite, Day Brasil, Emporium, Inkcryl, Menaf, Mitsubishi, Osvaldo Cruz, Proneon, JR Laser, Sheet Cril, Tronord, Tudo em Acrílico e Unigel, juntam-se ao quadro as empresas Paolini, da Argentina, e Formaplax, da Colômbia. A adesão da Plastiglas, do México, empresa que faz parte do grupo Unigel, está sendo estudada e pode acontecer já no próximo ano, acredita Thieme.

A ideia é que, na medida que o Instituto for ganhando mais visibilidade fora do país, novos associados se juntem ao grupo. O trabalho de divulgação, a princípio, será bastante focalizado na internet, conta João Orlando Vian, consultor executivo da entidade: “Todos esses anos de Indac nos deram uma boa experiência sobre o que funciona para esse setor. Nosso site, por exemplo, serve como um portal que abriga os mais diversos tipos de informações sobre o universo do acrílico no Brasil. Isso faz com que todas as buscas pelo produto sejam quase que automaticamente levadas a nós e, consequentemente, aos nossos associados. Através dos nossos canais na internet também estimulamos designers, arquitetos e especificadores a conhecerem melhor o acrílico e todas as suas aplicações. E é esse know-how que devemos agora ampliar para todo o mercado latino-americano.”

O mercado latino-americano de acrílico consome anualmente cerca de 50 mil toneladas do produto, segundo estimativa do Ilac. E esse é um número que também pode aumentar, diz Vian: “Percebemos isso quando comparamos o nosso consumo per capita do acrílico com o de países mais desenvolvidos. Isso mostra que ainda temos bastante trabalho a fazer, principalmente no que diz respeito à conscientização dos especificadores, que deixam de usar o produto porque não conhecem todas as suas vantagens e aplicações”.

Além da falta de conhecimento dos especificadores, diz Antonio Paolini, presidente da argentina Paolini, a busca por preços mais baixos também afeta as empresas do segmento em todo o mercado latino-americano. Em um breve comparativo entre Brasil e Argentina, por exemplo, ele comenta que em ambos os mercados, por questões econômicas, os clientes procuram os materiais transparentes mais baratos possíveis para seus projetos. E isso acontece em detrimento da qualidade ou da vida útil desses produtos. Na prática, acontece ainda que os produtores de chapas instalados na região tenham que competir com a importação de chapas de baixíssima qualidade ou mesmo com fornecedores de outros materiais plásticos como PS, PET, PC e, em menor medida, PETG. “Precisamos continuar trabalhando para que os processadores, clientes e usuários finais entendam as diferenças e a melhor maneira de tratar e manter o acrílico”, afirma Paolini.

O executivo argentino vê com otimismo essa integração das empresas do setor por meio do Ilac, principalmente no que diz respeito à defesa do mercado regional face à importação de produtos acabados da Ásia. “Compartilhar informações sobre nossos negócios, aplicações e sermos capazes de trabalhar juntos é um passo muito importante. Desta forma, podemos juntos aumentar os mercados e defendê-los das importações do Sudeste Asiático. Por lá, eles têm vantagens de custo de matérias-primas e custos de mão de obra, além da escala de produção, o que faz com que nossos clientes daqui se sintam tentados a importar”, explica Paolini.

A Argentina, assim como o restante do mundo, vem sofrendo com as consequências da pandemia de COVID-19, devendo fechar este ano com uma comercialização de chapas acrílicas bem abaixo das 2.000 toneladas. Isso representa um encolhimento de 50% do seu mercado tradicional. Entre as principais aplicações por lá estão as divisórias de ambientes e outros itens ligados à decoração e mobiliário. Em seguida vem o mercado de construção civil, seguido da comunicação visual. Demandas por banheiras e box de banheiros feitos em acrílico, além de iluminação, também são fortes no país.

Já no Brasil, é o mercado de comunicação visual quem lidera o consumo do acrílico, seguido de longe pelo segmento moveleiro. Diferenças como essas podem, por exemplo, indicar o segredo de novos negócios para os dois países. “Para o mercado brasileiro, o principal benefício estará em aprender como deixar um pouco de lado a visão de preço e partir para o desenvolvimento de novas aplicações. Apostar no requinte e em segmentos ainda menos explorados, mas com alto potencial comercial, como o da construção civil, assim como fazem Argentina e México é um caminho”, adiciona Thieme.

Para Sandra Cavalcante, gerente de contas das Américas do Sul e Central da Mitsubishi Chemical, a integração do mercado, por meio de um agente fomentador, pode abrir caminho não apenas para a troca de experiências sobre produtos, mas também servir de alicerce e ponto de partida para uma aproximação, inclusive comercial dos países. “Esse movimento permitirá incrementar a troca de detalhes como o das boas práticas de uso, fabricação e cuidados com o acrílico. Outra modalidade a ser considerada é uma Zona de Livre Comércio, que consiste na eliminação das barreiras tarifárias e não-tarifárias que incidem sobre o comércio entre os países constituintes”, comenta a executiva.

Indac/Ilac

Para que não haja desencontros, o Instituto ainda deve usar os dois nomes em sua comunicação com o público, principalmente na internet. Além disso, quem procurar por Indac na internet também será automaticamente direcionado ao Ilac.

Curta nossa página no

Indac lança nova turma para capacitação profissional em trabalhos com acrílico

04/11/2018

Cose di Acrilico, lançado há três anos pela entidade, já formou mais de 250 especialistas. Nova turma está aberta; vagas são limitadas.

O Indac (Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico) acaba de abrir nova turma para o Cose di Acrilico – único curso do país voltado exclusivamente para a capacitação do profissional transformador de acrílico. O projeto foi desenvolvido para pessoas que querem empreender neste mercado, além de profissionais que já atuam em áreas como comunicação visual, design, arquitetura e movelaria e que podem, por meio do acrílico, oferecer a seus clientes, produtos mais nobres, modernos e sofisticados.

Lançado há três anos, o curso já capacitou, em 20 edições já realizadas, mais de 250 profissionais de todo o país, em um mercado bastante carente de informações. “É fundamental difundir o conhecimento. O Indac desenvolveu, através do Cose, um caminho para ajudar na profissionalização do nosso setor, no qual a falta de compromisso em seguir as normas e especificações técnicas é um grave problema, que resulta invariavelmente em produtos com baixa qualidade”, explica Carlos Rizzo, arquiteto e fundador da Acrilaria.

Rizzo, que no curso ministra aula sobre design e desenvolvimento de produto, diz que, nos dias atuais, com os clientes mais atentos e com menos dinheiro, a busca por perfeição é uma obrigação de quem quer se manter no mercado. Por isso, investir em profissionalização é um excelente caminho. “Essa é a função do Cose di Acrilico – um curso completo, no qual os participantes passam por um processo de imersão, tendo acesso a um panorama completo sobre o mercado, tipos de plásticos, colagem de todos os tipos, moldagem, corte a laser, dobra, design e desenvolvimento de produto. Tudo isso com uma parte prática intensa, manuseio de equipamentos e supervisão técnica”, conta o arquiteto.

Para Rodrigo Dinardi, do Universo Criatividade, que dá aulas de corte a laser aos participantes do curso, através do Cose di Acrilico o Indac conseguiu fazer com que empresas e profissionais do setor se unissem para promover a capacitação tão primordial ao mercado: “No Cose passamos o maior número de informações e esclarecimentos possíveis para os alunos a fim de apresentar parte das infinitas possibilidades de utilização do acrílico. E, apesar do curso ser ministrado em São Paulo, já dei aulas para alunos de praticamente todos os estados do Brasil”.

Marco Santos, da Digisolda, que ministra aula sobre dobra de chapas acrílicas, promete surpresas para a próxima turma. “É nossa função oferecer aos alunos mais conhecimento e novas técnicas. Inclusive, levaremos à próxima turma um equipamento que fornece imagens termográficas e ajuda o profissional perceber como o calor se comporta dentro da peça na hora da dobra”.

Santos ressalta ainda a importância das grandes empresas do setor abraçarem o projeto e ressalta a ação que está promovendo entre seus clientes: “Nós temos algumas máquinas em nosso site, que quando compradas, dão direito a inscrição de um profissional no Cose di Acrilico”.

Edição 21 e mais detalhes

O Cose di Acrilico é um curso de capacitação profissional de processamento de acrílico que une teoria e prática em três dias de aulas (27 horas). As inscrições para próxima turma, que vai de 26 a 28 de novembro, já estão abertas. As aulas são ministradas das 8h30 às 18hs.

O Cose acontece em um galpão escola – Universo da Criatividade Craft & Maker – que fica na Rua Guaranésia 1.455, na Vila Maria, em São Paulo. O espaço é multidisciplinar e acolhe várias propostas de conhecimento, conta Jussara Kanaiama, diretora do local: “O Cose di Acrilico já faz parte do espaço antes mesmo dele se tornar multidisciplinar. Quando ele teve início, abraçamos o projeto e hoje já formamos mais de 250 alunos, profissionais de áreas diferentes e muitos empreendedores buscando ingressar neste nicho de mercado”.

As inscrições podem ser feitas no site (www.indac.org.br/cosedeacrilico), onde também é possível, gerar boleto ou pagar a matrícula por meio de cartão de crédito, em até 12 vezes. O investimento é de R$ 1.180,00.

No curso, o aluno recebe apostila com conteúdo didático e, ao final, certificado emitido e balizado pelo Indac.

2019 – Edições especiais

Para os profissionais de outros estados que não conseguem se deslocar a São Paulo, seja por custo ou tempo, o Indac está trabalhando na finalização de uma versão itinerária do Cose. Tratasse do Caminhão-Escola Cose di Acrilico, que ainda no primeiro semestre de 2019 deve visitar Belo Horizonte.

Também para o primeiro semestre do próximo ano, a entidade formulou um curso ainda mais específico – com plataforma didática inteiramente focalizada no mercado de comunicação visual. As inscrições devem ser abertas em breve. Na programação estão aulas de técnicas para impressão digital, produção de letra-caixa, trabalho com ACM, instalação, apresentação de materiais e elaboração de displays, PDVs, itens de sinalização e maquetes.

O Indac – Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico – é uma organização criada há 18 anos por empresários da iniciativa privada do setor com o objetivo de promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além e ampliar sua participação no mercado, por meio da indicação de seus associados. A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 40 filiados em todo o país.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Indac

Curta nossa página no

Indac promove uso do acrílico durante a feira SIGN 2018

12/07/2018

Peças produzidas em acrílico durante o evento poderão ser adquiridas a preços especiais. Versátil, além de bonito, o acrílico tem espaço garantido no mercado de comunicação visual

Totens, ilhas, painéis, fachadas, objetos de decoração, o acrílico ajuda a dar vida às ideias que nascem nas agências de publicidade e, no ponto de venda, conquistam o cliente

O INDAC – O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico – sabe que uma campanha publicitária ou uma marca de sucesso valem muito. Por isso, o Instituto pede que publicitários e designers de agências de todo o país sejam cautelosos e críticos ao escolherem os materiais com os quais trabalham e aos quais atrelam a marca de seus clientes. Para falar sobre isso e sobre a capacidade do acrílico em atender diferentes demandas do setor de comunicação visual, o Instituto estará presente na Serigrafia SIGN FutureTEXTIL 2018, que acontece de 25 a 28 de julho, no Expo Center Norte, em São Paulo.

Na feira, o INDAC irá atender ao público no estande da Castcril, maior produtor de chapas acrílicas coloridas da América Latina e empresa patrocinadora da entidade. “A Sign é uma das feiras mais importantes do ano e nós não poderíamos ficar de fora. São vários segmentos no mesmo local, o que faz com que as empresas vejam novidades em seus setores e também nos demais. Toda esta ‘mistura’ é um prato cheio para criação de novos produtos, com materiais diferentes. E isso representa muito, principalmente por estarmos vindo de um cenário adverso na economia, quando as empresas precisam oferecer melhorias de produtos e soluções mais completas aos seus clientes”, afirma William Gomes Oliveira, gerente financeiro da Castcril.

Assim, para demonstrar os benefícios do acrílico, o estande da empresa abrigará uma transformadora, oonde o visitante da feira poderá conferir, em tempo real, a manufatura de cinco peças distintas em acrílico desenvolvidas pelo arquiteto e fundador da Acrilaria, Carlos Rizzo Jr. Os que tiverem interesse poderão comprar os produtos a preços especiais. “Quem nos visitar na Sign verá o quanto se pode criar com o acrílico. Teremos cadeiras, mesas, fechamentos de paredes e uma série de itens de comunicação visual expostos, tudo feito com o material. Afinal, o acrílico é incrível para se trabalhar – pode ser cortado, vincado, dobrado, colado e misturado a outros materiais – e tanto faz se será utilizado na movelaria, na comunicação visual ou na indústria de remédios, ele sempre supera as expectativas. Seus altos índices de transparência e resistência a impactos, além da leveza e da enorme variedade disponível de cores e espessuras, fazem dele uma opção indispensável qualquer projeto contemporâneo”, ressalta Rizzo.

Para que o estande se tornasse essa pequena transformadora, o trabalho conjunto de alguns associados ao INDAC foi fundamental. Participam da ação, além da Castcril, que deve ceder o espaço e as chapas que serão utilizadas durante o evento, e da Acrilaria, que assina as peças manufaturadas, a Oswaldo Cruz, como patrocinadora da ação. “Estamos juntos com a Castcril para mostrar o tamanho da nossa capacidade de atendimento neste mercado e tamém que continuaremos a investir em serviços que ajudem a qualquer cliente interessado no crescimento e sucesso do mercado de acrílicos. Acreditamos na união dos elos da cadeia para fortalecer a indústria nacional”, afirma Marcelo Thieme, diretor de novos negócios da Oswaldo Cruz e presidente do INDAC.

Também parceira da ação, a Automatisa Laser Solutions, primeira empresa na América Latina a fabricar máquinas de corte e gravação a laser, leva para a feira a Dua Startup, que traz consigo o conceito de empreendedorismo necessário a este novo mercado. A máquina, que custa em torno de R$ 55 mil, tem 1,20m x 0,90m de área de trabalho e pode ser equipada com um ou dois cabeçotes de corte com potência nominais de 100, 130 ou 150W. “Com essa solução, grande parte dos materiais pode ser cortada e gravada e, embora essa seja uma máquina com o conceito “start”, pode produzir peças com mesmos níveis de qualidade que um equipamento industrial”, explica Joana de Jesus, CEO da empresa.

Outra máquina que os visitantes poderão ver no estande é a Dobracril 1000. Trata-se de uma das dobradeiras para acrílico, lançamento da Digisolda, que compõe linha com cinco máquinas que oferecem áreas de dobras de 600 a 1500 mm para chapas de até 08 mm de espessura. Segundo Marco Santos, diretor da empresa, o equipamento é bastante resistente, tem preço acessível e, além disso, é muito prático: “A facilidade no manuseio de nossas dobradeiras vem de um mecanismo interno de ajuste da altura da resistência que possibilita o posicionamento de altura do filamento com um único toque, de forma simples e uniforme e sem precisar de qualquer outra ferramenta. Assim o operador consegue elevar ou baixar a resistência da máquina usando apenas uma das mãos”, explica.

Mercado

Cerca de 60% do uso das chapas acrílicas no Brasil tem destino certo: O mercado de comunicação visual, no qual se enquadram letreiros e outros luminosos, sinalizadores, displays e PDV’s (displays de ponto de venda). Assim, esse segmento acaba por ser, de longe, o maior consumidor desse plástico no país, seguido pelo setor de móveis e de iluminação, responsáveis por cerca de 10% cada da utilização desse insumo.

Fórum

Além de marcar presença no estande, o INDAC ainda participará do Fórum Serigrafia SIGN FutureTEXTIL 2018, no dia 27 de junho, às 16h50, onde deve falar mais sobre o uso do acrílico e do ACM na comunicação visual.

Acrílico em Ação

Outra mensagem reforçada pelo Instituto durante A SIGN deve ser a do Acrílico em Ação – programa inteiramente gratuito e por meio do qual, designers, arquitetos ou mesmo consumidores comuns conseguem apoio técnico e informações para viabilizar seu projeto em acrílico.

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico é uma organização criada há 18 anos por empresários do setor com objetivo de promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado, por meio da indicação de seus associados. A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 45 filiados em todo o país.

Fonte:  Assessoria de Imprensa – INDAC

Curta nossa página no