Archive for the ‘Plásticos na Agricultura’ Category

Unipac inaugura fábrica em Limeira

22/04/2015

Empresa investe na aquisição de prédio próprio e migra operações para assegurar capacidade de expansão

Unipac_1A Unipac, importante empresa industrial do segmento de transformação plástica, inaugurou oficialmente sua nova fábrica em Limeira (SP). A necessidade de ampliar a capacidade de produção de embalagens plásticas – utilizadas nos segmentos agrícola, químico, alimentício, entre outros – e de modernizar suas atividades, motivou a empresa a migrar todas as operações até então realizadas na filial de Santa Bárbara D´Oeste (SP), que encerrou seu ciclo.

O novo prédio abriga, desde 1º de janeiro de 2015, a fabricação de embalagens plásticas de 250 ml a 20 litros e de tampas para o mesmo segmento. Os investimentos na unidade incluíram a compra de maquinaria de última geração.

De acordo com Marcos Ribeiro, presidente da Unipac, a iniciativa se mostrou acertada para assegurar a expansão da empresa, abrindo claras perspectivas futuras. “O mercado nacional tem um amplo e diversificado potencial para embalagens, incluindo um dos nossos principais negócios da unidade de Limeira, o de embalagens plásticas rígidas para o segmento de agroquímicos, que vem crescendo em torno de 4% ao ano e que é impulsionado, principalmente, pela demanda mundial por alimentos, a qual movimenta o setor agrícola brasileiro. Os investimentos que fizemos nos permitirão manter nosso incremento na casa dos 20% ao ano”.

Tudo em um único lugar

Localizada às margens da Rodovia Engenheiro João Tosello (SP-147), no Km 103, em Limeira (SP), a nova planta da Unipac, com 23 mil m² de área construída e terreno de 57 mil m², comporta toda a área fabril oriunda de Santa Barbara D’Oeste, além dos estoques de embalagem, anteriormente alocados em operadores logísticos terceirizados. Na atual configuração, foi possível concentrar, em um único lugar, as operações de fabricação e armazenagem.

A escolha do local foi motivada, principalmente, pela proximidade com Santa Bárbara D´Oeste, a fim de manter o quadro de funcionários – cerca de 100 empregados diretos e 30  indiretos. Outros fatores que contribuíram para a definição foram o fato de Limeira estar numa região industrial forte, com mão de obra qualificada para apoiar o crescimento futuro da empresa, e a questão logística pelo fácil acesso, próximo a outras importantes rodovias.

“Em fevereiro de 2014, oficializamos a compra do prédio em Limeira. Precisávamos de um local maior que pudesse acomodar não apenas todas as atividades de embalagens, mas também nossa expansão. Por outro lado, tínhamos outra importante questão: queríamos manter nossos funcionários. Para tanto, procuramos lugares em cidades num raio de até 50 quilômetros de distância de Santa Bárbara D´Oeste. Deu certo e, hoje, o pessoal que permaneceu na empresa tem à disposição um ônibus fretado para ir ao trabalho”, explica Ribeiro.

Nova fábrica, mesmas exigências

Todas as práticas que dizem respeito à questão ambiental e que já são aplicadas nas outras unidades da empresa, permanecem também na fábrica de Limeira. Consideradas desde o inicio das atividades de adequação da nova planta, tais exigências, como controles e redução dos materiais e dos resíduos gerados, do consumo de água e energia, entre outras, já funcionam a pleno vapor. A planta utiliza novos sistemas de abastecimento: na fábrica, para reduzir as perdas de água e de resinas, as máquinas permitem controle e qualidade do processo de suprimento.

Recentemente, a unidade passou por auditoria do organismo de certificação de produto ABRACE e foi recomendada a obter a concessão da autorização para uso do Selo de Identificação da Conformidade, de acordo com os regulamentos de avaliação para embalagens utilizadas no transporte terrestre de produtos perigosos (Portaria INMETRO 326:2006).

Cliente da Unipac com unidade fabril in-house, a Syngenta também auditou e certificou a nova planta quanto à aderência aos padrões voltados à saúde, à segurança e ao meio ambiente. E estão previstas para junho e julho deste ano, respectivamente, as obtenções das certificações ISO 9001:08 e ISO 14001. Desta forma, o Sistema de Gestão da Qualidade da filial Limeira ficará integrado com a certificação de todas as outras unidades da Unipac.

Fundada em 1976, a Unipac conta com cerca de 900 funcionários e parques industriais instalados em quatro unidades no Estado de São Paulo – Pompeia (matriz), Limeira (filial), Regente Feijó e Paulínia (unidades in-house, ou seja, na sede de seus clientes). É considerada uma das indústrias de transformação de plásticos mais completas do país. A Unipac executa oito tipos de processos de transformação em seu parque fabril: sopro, injeção, injeção estrutural, extrusão de chapas, termoformagem, rotomoldagem, borracha e cerâmica. Essa variedade de processos possibilita a produção de soluções inovadoras e permite à Unipac atender aos seguintes mercados:

  • Automotivo: tanques para acondicionamento de diesel e Arla 32, com sistema integrado de nível, sucção, retorno e temperatura, além de sistemas de fixação e tampas – específicos para montadoras de caminhões e ônibus; e peças técnicas para diversas aplicações. Atende também o mercado de reposição; e acessórios para pick-ups, destinados ao setor de autopeças.
  • Agroquímico, Químico e Alimentício: embalagens monocamadas e multicamadas, além de tampas para as principais indústrias destes setores.
  • Agropecuário e Laticínios: produtos que auxiliam na ordenha e transporte do leite, além de outras soluções adequadas para o homem do campo.
  • Logístico: caixas colapsíveis e retornáveis, paletes, além de serviços de locação, higienização e manutenção para indústrias diversas.
  • Mercados diversos: peças técnicas produzidas de plástico, borracha ou cerâmica, para aplicações diversas.

Um moderno centro de pesquisa de engenharia em materiais e processos, a parceria com outros Centros de Pesquisas, incluindo o da Máquinas Agrícola Jacto e a sinergia entre as áreas da empresa e clientes  possibilita que a Unipac antecipe-se às tendências de mercado, sugerindo soluções inovadoras.

A Unipac faz parte de um grupo empresarial 100% nacional, fundado em 1948, composto por importantes empresas que atuam em vários segmentos: Jacto Agrícola, JactoClean, Rodojacto, Ferramentaria Jacto, Fundição Jacto, Veículos Jacto, Mizumo e Sintegra Surgical Sciencies.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Unipac

Curta nossa página no

Anúncios

Caixas da Termotécnica em EPS mantém frutas saudáveis por mais tempo

18/03/2015

Termotecnica_dacolheitaA Linha DaColheita, da Termotécnica, compreende caixas para acondicionamento de frutas feitas em EPS(isopor®). Seu diferencial de maior destaque é a conservação térmica. Ao manter a temperatura dentro da caixa, a fruta sofre menor perda de peso, desidratação e mantém seu teor vitamínico por mais tempo.

As conservadoras DaColheita já são utilizadas com sucesso por produtores de frutas premium de Petrolina (PE), no Vale do São Francisco, onde a Termotécnica tem uma unidade fabril para atender este mercado em franco desenvolvimento.

De acordo com o Gerente Comercial da Fazenda Special Fruit, Roberto Carvalho, da cidade de Petrolina, as conservadoras em EPS da Termotécnica têm como principal benefício o aumento na vida de prateleira da fruta. “Identificamos que as uvas acondicionadas e transportadas em EPS duravam em torno de 20% a mais de tempo nas prateleiras, em comparação com as frutas nas embalagens de papelão”, explica Roberto.

A Fazenda Special Fruit é cliente da Termotécnica há quatro anos, consumindo cerca de 600 mil embalagens DaColhieta por ano de EPS para uvas. Além do ganho em maior tempo de conservação, Roberto destaca que os clientes que preferem a embalagem de EPS costumam ser os mais exigentes. “Além de terem o produto por mais tempo nas prateleiras, esses clientes também buscam uma melhor apresentação da fruta, que se destaca quando está no EPS”, frisa. A Special Fruit comercializa a marca Suemi no mercado interno e para exportação.

A Cooperativa de Agronegócio de Juazeiro adotou há mais de dois anos as conservadoras de EPS para transporte e comercialização de uvas do segmento premium. De acordo com o engenheiro agrônomo Junior Silveira, responsável pela área Comercial da cooperativa, as embalagens de EPS trazem uma impressão bastante positiva no aspecto visual, de higiene, no contraste das frutas que ficam mais vistosas e com um visual fantástico. “Nossas vendas foram alavancadas com as embalagens DaColheita, proporcionando agregação de valor principalmente para os mercados de São Paulo e Rio de Janeiro”, revela Silveira.

Segundo a Gerente Comercial da Termotécnica, Maida Rodrigues, as conservadoras em EPS também proporcionam ao produtor a facilidade e durabilidade durante o transporte e empilhamento, já que o material tem alta resistência ao peso e absorve bem os impactos. “Além disso, para o varejista, as conservadoras DaColheita agregam uma melhor estética na exposição dos produtos pois mantêm o formato e não absorvem umidade e, para o consumidor final, garantem a integridade das características nutricionais, ou seja, um produto de maior qualidade”, ressalta Maida.

A engenheira de alimentos, Franciele D’avila, que atua na área de Pesquisa e Desenvolvimento da Termotécnica, reforça que os benefícios com o armazenamento da uva em EPS são muito significativos e vão desde a otimização da mão de obra na fazenda, a menor perda de água e vitamina C da fruta, a menor perda de degrana, até a satisfação dos consumidores. Ela ainda complementa que, além de testes internos, estudos de centros de pesquisa e universidades de renome mundial comprovam a superioridade das características de conservação pelo EPS.

Segundo a Termotécnica, um desses estudos, conduzido pelo Korean Food Research Institute, entidade localizada na Coreia do Sul, que estuda tecnologias de base sobre o armazenamento, segurança e distribuição de alimentos para melhorar a saúde das pessoas e a qualidade de sua vida, realizou uma série de pesquisas que destacam o percentual de vitamina C de frutas e legumes, após uma semana de armazenamento em embalagens de EPS e papelão. A média de ganhos com o EPS é significativa. Ao comparar a conservação de uvas quando armazenadas em embalagens semelhantes, sendo uma de papelão e outra de EPS, verifica-se um aproveitamento de mais de 40% superior quando armazenada na embalagem de EPS.

Sobre a Termotécnica:  maior indústria transformadora de EPS da América Latina e líder no mercado brasileiro deste segmento a Termotécnica produz soluções para Construção Civil, Embalagens e Peças Técnicas, Conservação, Agronegócios e Movimentação de Cargas.

Fonte: Assessoria de Comunicação / Termotécnica

Curta nossa página no

Sansuy destaca produtos vinílicos na Hortitec 2014

28/05/2014

Empresa apresentará em seu estande equipamentos que facilitam o trabalho do produtor agrícola

Sansuy-HortitecConsiderada a maior mostra de horticultura da América Latina, a Hortitec – Exposição Técnica de Horticultura, Cultivo Protegido e Culturas Intensivas contará, mais uma vez, com a participação da Sansuy, fabricante de laminados flexíveis e produtos manufaturados de PVC. Em função da abertura do Mundial de Futebol, neste ano a feira será realizada de 28 a 30 de maio, no Pavilhão da Expoflora, em Holambra, São Paulo.

Para a 21ª edição do evento, a empresa destacará em seu estande dois importantes produtos destinados à tecnologia agrícola, à produtividade e ao meio ambiente: o viniarco e o vinitank com hidroponia. “É importante estar em um ambiente como esse mostrando soluções para facilitar a vida do agricultor. Por isso, a Sansuy faz questão de estar presente todos os anos na exposição”, reforça Marcelo Castagnolli, gerente de produto da empresa.

Produtos sob medida para o agronegócio

Ideal para produtores de flores e hortaliças que utilizam estufas, o viniarco da Sansuy é indicado, também, para aquicultores na produção de alevinos e juvenis de peixes, larvicultura de organismos aquáticos, manejo reprodutivo de pós-larvas de camarão, ranicultura (criação de rãs), laboratório de pesquisa sobre produção e nutrição de organismos aquáticos, hidroponia e aquaponia.

Construído com estrutura tubular de aço carbono galvanizado a fogo, o viniarco não tem colunas intermediárias e o acesso é feito através de portas corrediças de acordo com a necessidade do cliente. A cobertura pode ser fabricada com laminado reforçado de PVC translúcido, com janelas laterais confeccionadas com tela sannet; ou blockout de laminado de PVC branco (parte externa) e cinza (internamente), janelas e laterais de tela sannet e laminado de PVC cristal. Para o treinamento alimentar de espécies de peixes carnívoras, a estrutura é recoberta com laminado reforçado de PVC com blockout total para controle sobre o foto-período.

Já o vinitank oferece vantagens imbatíveis para quem se preocupa com o meio ambiente. Uma delas é o reaproveitamento de água, traduzido em menor consumo. Para chegar nessa equação, a Sansuy uniu a técnica da hidroponia, que permite o cultivo de plantas em canais ou recipientes por onde circula uma solução composta de água e nutrientes, à piscicultura. Da junção resultou um sistema inovador denominado “aquaponia”, que utiliza a água dos tanques onde são criados os peixes para fertilizar e nutrir os vegetais, integrando as duas culturas.

Depois de abastecer os viveiros de organismos aquáticos, a água passa por filtros especiais que recuperam sua qualidade, sendo, em seguida, bombeada para a base hidropônica, e retornando novamente para os peixes. Como vantagem adicional, os dejetos são captados pelo sistema de escoamento e passam por um decantador, onde são separados os sólidos em suspensão, que servem como fertilizantes para uma horta tradicional. Para a criação de peixes é indicado o vinitank com capacidades de 5 mil a 100 mil litros.

Serviço
21ª Hortitec – Exposição Técnica de Horticultura, Cultivo Protegido e Culturas Intensivas
Data: 28 a 30 de maio
Horário: das 9h às 19h
Local: Pavilhão da Expoflora
Endereço: Rua Maurício de Nassau, 675 – Holambra/SP
Site: http://www.hortitec.com.br

Fonte: Sansuy / Instituto do PVC

Curta nossa página no

Soluções em plástico utilizadas pelo setor agrícola foram apresentadas na Agrishow 2014

06/05/2014

Agrishow2014Com objetivo de apresentar as soluções em plástico utilizadas pelo setor agrícola, a cadeia produtiva do plástico esteve presente na AGRISHOW 2014 – “21ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação”, a maior feira de agronegócios do país,  realizada entre os dias 28 de abril a 02 de maio, em Ribeirão Preto/SP.

A participação se deu com a parceria da ABIPLAST, como representante dos transformadores, e a Braskem, como produtor de matéria-prima da cadeia, que juntos divulgaram produtos plásticos que podem ser utilizados no agronegócio. Esta é a primeira ação deste tipo realizada em conjunto para ampliar a participação nas feiras setoriais em que podem ser apresentadas as vantagens do plástico para seus clientes. A Abiplast pretende assim estimular a criação de oportunidades de novos negócios aos transformadores de plástico.

E as possibilidades de aplicação do plástico no agronegócio são muito amplas! Algumas dessas foram expostas na AGRISHOW 2014, tais como: silo bolsa, carrocerias de caminhão em plástico para transporte de cana, membranas geossintéticas, box graneleiro, big bag para fertilizantes, embalagens para sementes, sacaria de rafia, dentre diversos outros produtos.

O plástico contribui para ampliar a produtividade do agricultor, melhorar as técnicas empregadas e reduzir os custos desta atividade. Por isso esta é uma importante janela de negócios para o transformador.

A AGRISHOW 2014 teve uma área de exposição de 440.000 m², com 790 expositores e previsão de mais de 153 mil visitantes. Na edição anterior foram negociados mais de R$ 2,6 bilhões.

Fonte: Abiplast

Curta nossa página no

ALMACO participa pela primeira vez da Agrishow

24/04/2014

Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos quer reforçar a divulgação do material em mercados com maior potencial de crescimento

Pela primeira vez, a Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (ALMACO) será uma das expositoras da Agrishow, principal feira agrícola do país – de 28/04 a 02/05, em Ribeirão Preto (SP).

Segundo Gilmar Lima, presidente da ALMACO, a participação faz parte da estratégia da entidade de promover os materiais compósitos – um tipo de plástico de alta performance –, em mercados com maior potencial de crescimento. “É o caso, além do agrícola, dos setores de geração de energia eólica, transporte e construção civil”, ele afirma.

Na Agrishow, a ALMACO vai apresentar uma série de peças, entre elas, capôs de tratores, defletores e tetos internos de colheitadeiras. “Mostraremos aplicações inovadoras desenvolvidas pelas principais empresas do nosso segmento”.

O setor brasileiro de materiais compósitos faturou R$ 3,250 bilhões em 2013, alta de 9% em comparação ao ano anterior. No período, foram processadas 210.000 toneladas, volume 1,7% superior ao registrado em 2012. Para 2014, a ALMACO estima um elevação de 11,5% na receita, totalizando R$ 3,623 bilhões – consumo de 216.000 toneladas de matérias-primas (+2,9%).

Resultantes da combinação entre polímeros e reforços – por exemplo, fibras de vidro – os compósitos são conhecidos pelos elevados índices de resistência mecânica e química, bem como pela versatilidade. Há mais de 50 mil aplicações catalogadas em todo o mundo, de caixas d’água, tubos e pás eólicas a peças de barcos, ônibus e aviões.

Fonte: Almaco

Curta nossa página no

Braskem apresenta estufas de plástico para a produção de cacau

03/12/2013

Tecnologia inovadora garante aumento de produtividade e redução de custo

Braskem_estufa_cacauA Braskem apresentou novas estufas que usam filmes plásticos e telas especiais para a secagem de cacau. A tecnologia foi desenvolvida para os associados da Cooperativa Agroindustrial de Cacau Fino – COOPERBAHIA, e contou com a participação da Tropical Estufas, Electro Plastic e Roma. Inovadora, a iniciativa reduz de forma significativa o custo desta etapa do processo e aumenta a produtividade de forma sustentável. As primeiras estufas estão instaladas nos municípios de Igrapiúna e Gandu, na Bahia.

“Uma etapa de grande importância no beneficiamento do cacau é a secagem. Se esta ocorrer de forma muito rápida ou muito lenta as amêndoas podem perder qualidade. Neste sentido, a estufa de plástico permite que as condições de secagem sejam controladas de forma a garantir um cacau excelente, sem perda na produtividade. O principal diferencial desta iniciativa foi a reunião todos os elos da cadeia para que cada um agregasse o seu conhecimento e nos levasse a uma solução vencedora”, afirma Eimar Sampaio Rosa, diretor acionista da M. Libânio Agrícola S.A., e diretor Agrícola e Comercial da COOPERBAHIA.

Nas estufas de plásticos, as amêndoas de cacau passam por um processo sustentável, já que a secagem não é feita mais com a queima de madeira e sim pelo uso da energia solar. Isto proporciona ainda um produto com maior qualidade e com alto valor agregado para o mercado de chocolates gourmet, no Brasil e no exterior. No fim de sua vida útil, o filme e a tela plásticos podem ainda ser reciclados.

“Esta tecnologia pode ser utilizada também para outras culturas, como a do café, pela qualidade assegurada pelo processo totalmente controlado” afirma Ana Paiva, da área de Desenvolvimento de Mercado da Braskem.

Segundo o diretor das Fazendas Reunidas Vale do Juliana, Leonardo Sorice, “o desenvolvimento em pesquisas realizado pela Braskem e seus clientes na cadeia do polímero, inovaram na eficácia da secagem das amêndoas de cacau em estufas agrícolas, proporcionando bem estar do trabalhador, ganhos de qualidade e tempo no processo de secagem, maior vida útil do material bem como a redução de custos em relação aos processos anteriormente usados. Dessa forma, firmamos o compromisso de aumentar a produtividade agrícola do Brasil e do mundo com iniciativas mais sustentáveis”.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem e Pacifil apresentam silos de plástico para armazenamento de grãos

29/06/2013

Mais baratos e de fácil manuseio, produto tem capacidade de armazenar 200 toneladas de grãos por até dois anos

Braskem_silos

A Braskem e a Pacifil Brasil apresentam solução para o problema de estocagem no país: os silos bolsas feitos com plástico. Com a expectativa de uma safra-recorde, estima-se crescimento de 14,2% na produção de grãos brasileira, que pode atingir 185 milhões de toneladas neste ano, o problema de estocagem no país se agrava. Considerando que a capacidade de armazenagem de grãos no Brasil é de 145 milhões de toneladas, a projeção da produção de grãos na próxima safra reforça ainda mais a necessidade de busca de outras soluções que possam contribuir para reduzir o déficit de armazenagem.

A infraestrutura para o armazenamento da safra é um problema antigo enfrentado por conta da escassez de silos convencionais, pelo alto custo de sua construção e pela logística de transporte. Os silos em plástico são grandes bolsas feitas com polietileno e que podem armazenar cerca de 200 toneladas de grãos por bolsa, não precisam de nenhum tipo de estrutura física e são facilmente manuseados na hora do carregamento.

Os silos em polietileno também reduzem as perdas na armazenagem com um sistema de baixo custo operacional, permitindo administrar e planejar melhor as vendas, reduzindo custos com fretes. A ensilagem dos grãos é feita por uma operação mecânica, utilizando apenas um trator e uma embutidora. Neste tipo de silo, os grãos podem ser armazenados por até dois anos, já que no interior da bolsa é criada uma atmosfera sem oxigênio que impede o desenvolvimento de pragas e insetos, garantindo a qualidade do produto e evitando a queda no valor final.

Outra grande vantagem é o fato do produto ser totalmente reciclável. Após sua utilização, o agricultor pode ainda vender o equipamento para a reciclagem e reaver até 20% do valor investido. Os silos bolsas são produzidos no país e a Pacifil planeja a partida de mais um linha para produção desta solução ainda para 2013. A produção nacional garante o fornecimento e estoque durante todo o ano, além da disponibilidade de atendimento técnico personalizado quando necessário.

“Com sua expertise, a Braskem desenvolveu um portfólio de soluções que utilizam o polietileno para atender sob medida a demanda crescente da agricultura brasileira. Os silos são uma solução inteligente e que tem sido cada vez mais usada pelos produtores rurais brasileiros em diferentes situações, tanto pelo pequeno  produtor quanto por grandes empresas”, destaca Zolder Stekhardt, da área de Desenvolvimento de Mercado da Braskem.

Fonte Braskem

Curta nossa página no

BASF apresentou suas inovações na Feiplastic 2013

28/05/2013

Diversas indústrias são contempladas pelas soluções de plástico da BASF

Basf_Feiplastic_320A Feiplastic, maior e mais importante feira do mercado do plástico no Brasil, teve sua 14ª edição em São Paulo, entre os dias 20 e 24 de maio deste ano. E a BASF, empresa química líder global, marcou presença para apresentar suas soluções inovadoras.

O estande da empresa contou com um design diferenciado e propiciou aos visitantes a oportunidade de interação com alguns de seus produtos que estavam aplicados e expostos.

Segmentadas por indústrias, as soluções que foram exibidas na Feiplastic 2013 estão listadas a seguir, segundo informações fornecidas pela BASF:

Construção civil

A construção civil está em crescimento no Brasil e a BASF dispõe de um portfólio de produtos de alta qualidade para atender a esse mercado.

• Elastollan®: material versátil com grande potencial inovador. Este elastômero de Poliuretano Termoplástico (TPU), é desenvolvido, fabricado e comercializado pela BASF. Pode ser moldado por injeção, extrusão ou sopro. Suas características excepcionais  aliam elasticidade e durabilidade sob as mais diversas temperaturas. É resistente à abrasão, impacto, rasgos, enroscamento, óleo, graxa, microrganismos e tem boa capacidade de recuperação elástica. Características essas necessárias para suportar as duras condições da indústria da construção. É aplicado na fabricação de mangueiras convencionais/espirais e em amortecedores de trilhos de trem. Diversos grades de Elastollan® possuem resistência aos raios UV, retardador de chama e também certificado pela NSF International para utilização em dutos de água potável.

• Ultramid® B27 HM 01: poliamida 6 produzida nos EUA especialmente desenvolvida para o recobrimento de fios e cabos elétricos, devido às suas características técnicas de estabilidade térmica, resistência mecânica, química, ao impacto e à abrasão, além de alto brilho superficial,  principalmente nos outros países da América do Sul (Chile, Colômbia, Peru, Venezuela e Equador), que requerem a aprovação UL 94.

• Styropor®: o poliestireno expansível (EPS) é um dos isolantes térmicos mais eficientes do mercado. É um produto leve, possui resiliência elevada, estabilidade dimensional, tem excelente resistência mecânica e dissipa tensões concentradas sem romper-se. Além disso, o Styropor® é compatível com diversos tipos de projetos devido à sua versatilidade de aplicação, pois é um produto de excelente uso/manuseio que proporciona velocidade em suas aplicações. O Styropor® também oferece benefícios ecológicos: não tóxico, biologicamente inerte, não sofre mutações, não contém CFC, não contribui para a formação do gás metano na atmosfera e é 100% reciclável. O Styropor® é indicado para aplicações de lajes, telhas, enchimento, sistemas construtivos, concreto leve, forros, entre outros; também atua como solução geotécnica para fundações, aterros e estabilização de solos moles, nomeada como Geofoam.

• Neopor®: além de reunir todas as características do Styropor®, o Neopor® possui micropartículas de grafite que absorvem e refletem os raios infravermelhos, prevenindo a absorção do calor causado pela radiação solar. Desta forma, o Neopor® possibilita uma performance superior em isolamento térmico de até 20% comparado ao EPS convencional, podendo gerar resultados mais positivos e proporcionando maior economia de energia e redução de até 50% na utilização de matéria-prima, sem perder as características tradicionais do Styropor®.

• Basotect®: espuma de melamina usada para aplicações de conforto acústico em diversas indústrias. Suas principais vantagens são: alto poder de absorção acústica em médias e altas frequências, baixíssima densidade, estabilidade química e elevada segurança ao fogo (não propaga chamas nem gera fumaça tóxica em caso de incêndio). Além disso, o Basotect® pode ser pintado e utilizado normalmente como um elemento funcional, acústica e esteticamente. No estande da BASF na Feiplastic deste ano, será feita uma aplicação diferenciada em uma sala de reunião, aliando conforto acústico, facilidade de aplicação e design.

Automotiva

Os plásticos especiais da BASF para a indústria automotiva garantem alto desempenho das funções que contam com sua aplicação.

• Basotect®: com as propriedades já indicadas no item “Construção civil”, essa espuma é aplicada também no setor automotivo para, por exemplo, isolar o espaço interno do veículo contra o ruído do motor.

• Elastollan®: também com as propriedades já indicadas no item “Construção civil”, o TPU da BASF contribui com o avanço da indústria automotiva com características-chave que permitem que o produto seja usado com sucesso em tudo, desde cabos ABS, porta-copos, maçanetas com “soft touch”, coifas, manoplas de câmbio, até as grades frontais do radiador.

• Neopolen® P (EPP): espuma de polipropileno, cujas pérolas expandidas são predominantemente de células fechadas. É fornecido aos transformadores na forma de pérolas soltas sem agente expansor para o seu posterior processamento em uma ampla variedade de peças moldadas, gerando peças com alto poder de absorção de impactos e extrema leveza.

• Ultradur®: linha de politereftalato de butileno (PBT) excepcional da BASF por sua alta rigidez e força, baixa absorção de água, estabilidade dimensional, resistência a intempéries e excelente comportamento ao envelhecimento térmico. Aplicado dentro da indústria automobilística em: molduras de faróis, conectores, mecanismos de elevação de vidros, entre outros.

• Ultramid®: nome comercial da BASF para a sua linha de poliamida, baseada em PA6, PA66, PA 6/66 e PA6/6T. Ultramid® se destaca por suas excelentes propriedades mecânicas – resistência ao impacto e rigidez, vantangens térmicas, elevada resistência química e a altas temperaturas de trabalho, além de fácil processabilidade. A família de poliamidas Ultramid® se caracteriza pela sua variada gama de aplicações na indústria automobilística: coletores de admissão de ar, maçanetas, pedais, sistemas de arrefecimento e ar condicionado, invólucros de airbags etc.

• Ultramid® Endure: poliamida de alta resistência para aplicações automotivas em alta temperatura. Esta nova família de poliamidas reforçadas com fibra de vidro combina uma excelente resistência ao envelhecimento ao calor com a facilidade do processamento da poliamida 6.6. O Ultramid® Endure pode resistir ao uso contínuo por mais de 3.000 horas, a 220oC, e a picos de temperatura superiores a 240oC, o que amplia a gama de aplicações da poliamida quando se necessita de resistência a altas temperaturas. Suas principais propriedades são: excelente resistência ao envelhecimento ao calor, sob carga contínua, até 220oC; elevada resistência mecânica; elevada tenacidade; excelente soldabilidade; melhores propriedades de fluxo do que uma PA 6.6 comum; excelente aspecto superficial; fácil processamento.

• Ultraform®: nome comercial da BASF para a sua linha de poliacetais (POM), a qual compreende plásticos de engenharia versáteis com uma ampla gama de propriedades capazes de resistir a elevados níveis de esforços. Suas principais características são: elevada rigidez, resiliência, estabilidade dimensional, excelente resistência a agentes químicos (em particular, agentes tipicamente utilizados na indústria automobilística), baixa absorção de água, excelente resistência ao escoamento a frio (“creep”), resistência à abrasão (características auto-lubrificantes). Na indústria automobilística, as típicas aplicações são: sistemas de injeção de combustível, engrenagens e mecanismos de elevação de vidros.

Embalagens

Alta performance é um dos itens mais valorizados pelas empresas do ramo de embalagens e os plásticos da BASF suprem perfeitamente a esse critério.

• Ultramid e Mazmid: as marcas comerciais da BASF para as poliamidas para extrusão PA6 e PA6/6.6 produzidas na Alemanha (Ultramid) e no Brasil (Mazmid) são aplicadas na produção de filmes para embalagens de alimentos frescos e processados devido à sua resistência mecânica e barreira contra oxigênio e aromas, o que aumenta a durabilidade dos produtos. As poliamidas para extrusão são normalmente aplicadas em diversos tipos de embalagens, entre elas: filmes termoformados, sacos pouches, tripas, termoencolhíveis e BOPA (poliamida bi-orientada).

• ecovio® PS1606: novo biopolímero constituído principalmente de fonte renovável, biodegradável e compostável certificado é o novo desenvolvimento para aplicação sobre papel, com excelente adesão. Proporciona adequadas barreiras a líquidos, gorduras e odores, permitindo sua aplicação em embalagens alimentícias e itens descartáveis, como copos para bebidas quentes e frias, pratos, bandejas, travessas, entre outros, que podem ser utilizados em eventos ou locais que utilizam o modelo de circuito fechado, por exemplo eventos esportivos, shows, restaurantes de aeroportos, shoppings, escolas e empresas, já que após o uso podem ser destinados à compostagem, na qual o papel revestido com ecovio® será completamente digerido por microrganismos juntamente com os resíduos orgânicos, transformando-se em adubo, água e dióxido de carbono em poucas semanas.

• ecovio® T2308: este plástico apresenta propriedades mecânicas semelhantes àquelas de PET amorfo, mas difere de material de termoformagem convencional devido à sua compostabilidade e por conta de seu alto conteúdo de fonte renovável (ácido polilático). O teor de ecoflex®, poliéster compostável da BASF, é representativo pelo fato de o material não ser demasiadamente rígido ou quebradiço, além de assegurar um equilíbrio na relação rigidez – resistência e suficiente resistência ao impacto a baixas temperaturas. Este produto pode ser utilizado na produção de bandejas e copos termoformados, por exemplo.

• ecovio IS1335: grade de moldagem por injeção que oferece boa rigidez. Ele pode ser processado utilizando moldes com uma única cavidade ou várias cavidades equipados com ou sem câmara quente. O material apresenta características de fluxo moderado e dimensionamente estável em temperaturas de até 55°C [131°F]. Esta versão é ideal para embalagens compostáveis com paredes finas, complexas e de alta qualidade, que preferencialmente devem ser produzidas por meio de moldagem por injeção.

• Styropor®: com as propriedades já abordadas no item “Construção civil”, o material é utilizado em embalagens protetoras de conteúdo, de aparelhos eletroeletrônicos e linha-branca, principalmente. Além dessas, o Styropor® também é utilizado em aplicações em caixas térmicas, flutuadores, capacetes, pranchas, sementeiras, entre outras.

• E-por®: espuma inovadora indicada para a proteção de produtos sensíveis de alto valor agregado por proporcionar maior resistência ao impacto. A utilização do E-por® permite otimizar os custos relacionados a quebras e possíveis imperfeições causadas nas peças durante o transporte e armazenamento. Trata-se de uma espuma baseada em uma formulação complexa contendo Poliestireno (PS) e Polietileno (PE) que concede à peça moldada propriedades elásticas e de maior resistência a quebra (ou impacto). A BASF fornece a matéria-prima (interpolímero expansível), sendo o material processado de maneira similar ao EPS convencional. Dessa forma, o processamento pode ser feito sem a exigência de investimento em novos equipamentos por parte dos transformadores. Suas principais vantagens são: grande capacidade de absorção de impactos, excelente fusão das pérolas, toque aveludado e aparência de alta qualidade, baixa absorção de água, bom isolamento térmico, boa resistência química, processos de armazenamento, processamento e reciclagem semelhantes aos do EPS convencional.

• Ultramid® B33/B36 SL: resina de PA6 modificada com baixa velocidade de cristalização. Estes grades combinam a performance mecânica e barreira da PA6, porém com melhorias no processamento. Estes produtos são recomendados para aplicação em embalagens tipo stand-up pouches, que apresenta crescimento consideravel no mercado da América do Sul. Outro benefício destes produtos é a substituição das comumente utilizadas misturas de PA6 e PA6/6.6, mas com a preservação das características técnicas e de processamento, reduzindo a complexidade ao convertedor.

Agricultura

De elevada importância para o mercado alimentício, a agricultura também conta com os plásticos da BASF de alta qualidade.

• ecovio® M2351: biopolímero biodegradável composto de ecoflex® e PLA (derivado do amido de milho) para extrusão de filme Mulch. É parcialmente de fonte renovável e totalmente biodegradável de acordo com a norma EN 13432. O material é utilizado para cobertura de culturas, como alface e melão, e graças à sua biodegradabilidade não há necessidade de retirá-lo após a colheita, proporcionando redução de tempo e custo de retirada.

• Elastollan®: durável o suficiente para resistir a ambientes adversos e ao uso contínuo, os produtos fabricados com o TPU da BASF utilizados na indústria agrícola oferecem alta performance de resistência ao rasgo, flexibilidade a longo prazo, flexibilidade à baixa temperatura e resistência à hidrólise. Dentre as aplicações, pode-se citar: brincos identificadores de animais, peças para máquinas agrícolas, ferraduras para cavalos e mangueiras para irrigação.

• Tinuvin® XT 200: novo estabilizante à luz do tipo NOR HALS. Permite a fabricação de filmes plásticos transparentes para estufas agrícolas com alta durabilidade às radiações ultravioletas. Este aditivo configura uma proteção duradoura frente aos defensivos agrícolas, como, por exemplo, o enxofre, que podem comprometer a estabilidade à luz do plástico.

Moda & Design

Após o sucesso do Pure 1.0, primeiro calçado conceitual feito somente em poliuretano e poliuretano termoplástico, duas novas versões foram apresentadas: Pure 1.1, que contou com inovações em matérias-primas, como a substituição da borracha por poliuretano (Elastopan® GRIPTEC e Elastollan® SUPER SOFT), e Pure 1.2 Balance, que é confeccionado com poliuretano termoplástico com até 40% de fonte renovável.

O produto desenvolvido com poliuretano é mais durável, funcional, confortável e leve do que o desenvolvido com outros materiais. O calçado é confeccionado com o TPU Elastollan® e o PU Elastopan®, para produção de componentes como solados, cabedal, chassis, entressola, peças de performance e palmilhas com controle interno de clima, entre outros.

• Elastollan®: possui excelentes propriedades físicas com uma ampla faixa de dureza disponível, desde o super soft 35 shore A / 45 shore A para as solas, até o de dureza mais elevada 60 shore D / 74 shore D para os tacos de calçados femininos.

Mineração e Óleo&Gás

O ramo de Mineração e Óleo&Gás é contemplado pelo poliuretano de alta resistência da BASF.

• Elastollan®: essa linha de produtos abrange soluções de TPU para aplicações em cabos de energia e peneiras para o segmento de mineração, além de cabos de comando (umbilicais) para a indústria de Óleo & Gás, oferecendo altíssima durabilidade e resistência mecânica na exploração de petróleo.

Pigmentos e aditivos

A linha completa de pigmentos e aditivos para plásticos da BASF, que podem executar diversas funções, como conferir cor, efeitos especiais e melhorar a qualidade de produtos, terá alguns de seus itens em destaque na feira deste ano.

• Tinuvin® XT 200: características e aplicação explicadas no item “Agricultura”.

• Tinuvin® 1600: absorvedor UV para plásticos de engenharia.

• Irgastab® RM 68: estabilizante que permite a otimização do processo de rotomoldagem, contribuindo com a redução da temperatura do forno e aumentando a flexibilidade das condições de processamento. Irgastab® RM 68 promove aos produtos de rotomoldagem, como por exemplo as caixas d’água, uma melhor qualidade e economia de energia na produção.

• Sicopal (linha de pigmentos para gerenciamento de calor)

• Pigmentos orgânicos e inorgânicos isentos de chumbo

• Antioxidantes e aditivos de alta performance

Outras

Os plásticos de alta perfomance da BASF contemplam ainda com algumas de suas soluções outras indústrias.

Pesca:  Ultramid e Mazmid: poliamidas 6 e 6/6.6 também são utilizadas na indústria de monofilamentos, especialmente na produção de fios e redes de pesca, cortadores de grama, cordas e cordéis, devido às suas caracterícas de maciez, transparência e resistência.

Telecomunicações:  Ultradur®: também amplamente aplicado na fabricação de cabos de fibras óticas, na qual é essencialmente empregado devido à sua alta resistência mecânica, tenacidade, baixa absorção de água e estabilidade dimensional.

Higiene:  Mazmid 6.10 / Mazmid 6.12: são poliamidas especiais utilizadas na produção de cerdas para escovas de dentes, pincéis, cerdas industriais e também para aplicações técnicas como o PMC (Paper Machine Clothing). Apresentam como características principais: estabilidade dimensional e alta transparência.

Elétrico & Eletrônicos: Elastollan®: por suas excelentes propriedades físicas em conjunto com boa propriedade elétrica, resistência a microrganismos e retardador de chama, é muito utilizado no encapsulamento de cabos de alta performance e seus conectores.

Fonte: BASF

Foto (créditos): Feiplastic

Curta nossa página no

Termotécnica apresenta linha de embalagens de EPS para frutas durante a Fenagri

09/05/2013

Termotecnica_EPSCaixas conservadoras de EPS (isopor®) da empresa com sede em Petrolina (PE) têm agradado produtores agrícolas, transportadores, lojistas e consumidores finais

A 24ª edição da Feira Nacional de Agricultura Irrigada (Fenagri), que esse ano acontece de 15 a 19 de maio, no Espaço Multieventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco, em Juazeiro (BA), traz como destaque a linha de produtos “DaColheita”, embalagens para frutas, legumes e verduras desenvolvida pela Termotécnica, maior fabricante de poliestireno expandido – EPS (isopor®) da América Latina.

A empresa, sediada em Joinville (SC) mas que, entre suas outras oito unidades conta com uma planta em Petrolina (PE) integralmente dedicada à fabricação das caixas, aposta na marca para fazer sucesso e ser a diferença nesse nicho de mercado, cada vez mais exigente.

Todo o processo de concepção das caixas foi cuidadosamente idealizado, aliando a praticidade do poliestireno expandido e o mais moderno design. O produto apresentado é atraente e se diferencia dos atuais por conseguir reduzir avarias e diminuir os impactos na hora do transporte, o que reduz sensivelmente a perda de carga por danos, a otimização de espaços, graças ao modo fácil e prático com que é empilhado, a não liberação de resíduos e fungos nos alimentos, além de manter as vitaminas das frutas por mais tempo.

Outro benefício importante diz respeito a fácil adequação dos materiais ao frio e a umidade, devido ao isolamento térmico do EPS. Nesse sentido, a Termotécnica se mostra atenta às questões de sustentabilidade e meio ambiente, já que se utiliza de uma matéria-prima 100% reciclável e que não gera riscos à camada de ozônio, por não utilizar CFC e HCFC no processo de fabricação.

“Com o sucesso da linha ‘DaColheita’, a Termotécnica quer mostrar que, dos produtores ao consumidor final, todos saem ganhando, já que as caixas conservadoras atendem às reais necessidades do mercado”, ressalta Maida Rodrigues, gerente de unidades de conservação da empresa.

Sobre a Termotécnica: Fundada em 1961, a Termotécnica é a maior transformadora de EPS (Poliestireno Expandido, conhecido como isopor®), da América Latina. Focada na produção de soluções, fabrica sua própria matéria-prima e produtos acabados com a melhor performance do mercado, otimizando o processo logístico do cliente e valorizando seus produtos. Atua nos segmentos de eletrodomésticos, eletroeletrônicos, construção civil, utilidades domésticas, agroindústria, alimentício, bebidas, produtos frágeis, entre outros. Dispõe de unidades em Joinville e Pirabeiraba (SC), Goiânia (GO), São José dos Pinhais (PR), Rio Claro (SP), Indaiatuba (SP), Petrolina (PE), Sapucaia do Sul (RS) e Manaus (AM).

Curta nossa página no

Tigre apresenta novos produtos para sistemas de irrigação na Agrishow

06/05/2013

 Produtos que complementam a linha existente são tubos de PVC e novos Registros

Tigre_AgrishowA Tigre, multinacional brasileira líder na fabricação de tubos, conexões e acessórios no país e uma das maiores do mundo, participou da 20ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação, a Agrishow, realizada em Ribeirão Preto (SP), entre os dias 29 de abril e 03 de maio. A empresa demonstrou em seu estande produtos voltados para sistemas de irrigação, dando destaque aos complementos da linha.

O último lançamento para o segmento foi a Linha Agropecuária PVC, cuja função é a condução de água para a criação de animais em propriedades rurais, paisagismo e irrigação localizada (por gotejamento e microaspersão). A linha é composta por tubos e conexões de PVC na cor azul, com resistência a raios UV. Além disto, resiste aos produtos químicos utilizados na fertirrigação e oferecerem facilidade no transporte, instalação e manuseio.

Os Registros Irriga garantem o controle da abertura e fechamento do fluxo de água de forma segura, sem vazamentos e com apenas ¼ de volta. Todos os registros da Tigre são produzidos em uma unidade exclusiva, localizada em Joinville (SC), em que 100% das peças são testadas para assegurar a eficiência dos produtos.

“Considerando que a maior parte da água utilizada pelo homem é destinada à agricultura, desenvolvemos produtos para esse segmento de forma a contribuir para ampliação de áreas agrícolas, ou seja maior produção de alimentos. Quando o agricultor tem uma estrutura eficiente em sua plantação e utiliza a água de forma sustentável, sua rentabilidade aumenta”, afirma Carlos Teruel, gerente de produtos da Tigre. Com foco nesse ciclo ambiental, a Tigre oferece soluções para irrigação fixas e portáteis.

Os materiais plásticos utilizados nas aplicações de irrigação Tigre são bastante diversificados. “O plástico tem um importante papel no desenvolvimento deste setor, pois oferece uma solução com alta durabilidade, excelente desempenho e com um preço competitivo, fazendo com que todos possam ter acesso aos produtos, desde o pequeno agricultor, até os grandes produtores”, complementa Teruel.

Dentre os demais produtos da Tigre expostos na Feira estão:

Irriga EP (Engate Plástico) e ES (Engate Sela) – Tubos e conexões para sistemas de irrigação que visam conduzir água à temperatura ambiente nos sistemas móveis de irrigação. Utilizado em sistemas de irrigação portátil ou semi-fixo por aspersão convencional ou canhão. Também pode ser utilizado em linhas de sistemas de irrigação localizada. Oferece mais rapidez de instalação e facilidade de manuseio.

GeoTigre – Linha de tubos e acessórios voltada para exploração de águas subterrâneas em poços tubulares profundos, totalmente ou parcialmente revestidos. Usado em residências, condomínios, órgãos públicos, estabelecimentos comerciais, propriedades rurais, postos de combustíveis, hotéis, hospitais e indústrias. Tem elevada resistência química e perfeita para revestimento de poços.

Irriga LF  – Tubos e conexões de PVC com juntas soldável ou elástica destinados a linhas fixas enterradas ou parcialmente expostas para sistemas de irrigação localizada (gotejamento ou microaspersão) e para sistemas de irrigação por Aspersão Convencional do tipo Semi-fixo. Utilizado nas linhas principais e nas linhas ramificadas. São soluções com mais produtividade para o campo.

Irriga LF Defofo  – Condução de água para sistemas de irrigação à temperatura ambiente, utilizado em adutoras de sistemas de irrigação e fertirrigação.

Fonte: Instituto do PVC / Tigre

Curta nossa página no

Galpão com lona de PVC é destaque da Sansuy na Coopavel 2013

30/01/2013

Sansuy-CoopavelEm seu estande de 3.500m², empresa apresenta diversas soluções para o produtor rural, entre elas o vinigalpão e alternativas para captação e armazenagem de água

Mais uma vez, a Sansuy, fabricante de laminados flexíveis de PVC e seus produtos manufaturados, será uma das expositoras do Show Rural Coopavel, um dos maiores eventos do agronegócio nacional, que ocorrerá na cidade de Cascavel, no Paraná, entre os dias 4 e 8 de fevereiro. Em seu estande de 3.500 m2 apresentará soluções que atendem propriedades rurais de todos os portes.

O destaque será o vinigalpão, um galpão com estrutura de aço e coberto com lona de PVC reforçada, de fabricação própria, que permite estocagem de uma variedade de produtos (alimentos, mercadorias, máquinas), e pode ser adaptado para refeitório, oficina, almoxarifado ou fábrica. Sem colunas intermediárias e com acesso através de portas corrediças de acordo com a necessidade do cliente, seu espaço é totalmente aproveitável, permitindo manuseio e transporte interno de qualquer produto.

Pode ser projetado com iluminação natural através de faixas translúcidas na cobertura, minimizando ou até dispensando o uso de energia elétrica durante o dia. A ventilação natural é obtida pelas aberturas nas junções da cobertura com as laterais. O galpão instalado na Coopavel contará ainda com sistema de climatização, exaustão e calhas para captação de água da chuva e armazenamento em cisterna.

O vinigalpão também será destinado para a apresentação de uma exposição de fotos de obras e aplicações dos produtos Sansuy, para recepção de clientes e como auditório para a realização de palestras técnicas sobre aquicultura e biodigestores para bovinos e suínos. Serão seis palestras ministradas entre os dias 5 e 7, às 10h e às 14h, por professores universitários de instituições paranaenses e paulistas.

Captação e armazenagem de água

Nesta edição do Show Rural Coopavel, a Sansuy dará destaque especial aos produtos que são alternativas para captação e armazenagem de água para irrigação, criação de animais e consumo doméstico. Além do sistema de calhas para captação de água da chuva e armazenamento em cisterna instalado junto ao vinigalpão, serão expostos, ainda, reservatórios nas versões estacionário (com capacidade de 18.000 litros) e móvel (6.000 litros), dotados de sistema de bombeamento da água entre eles.

Outro produto neste segmento são as duas estufas expostas e que abrigarão sistemas de aquicultura associados à recirculação de água e hidroponia. A Sansuy aliou a técnica da hidroponia (na qual os vegetais são cultivados em canais por onde circula uma solução composta de água e nutrientes) à piscicultura para desenvolver um sistema inovador de aquaponia, que utiliza a água dos tanques onde são criados os peixes para fertilizar e nutrir legumes e verduras, integrando as duas culturas.

A expectativa da empresa para esta edição do Show Rural Coopavel é superar os resultados positivos registrados em 2012, com a oferta de soluções para produção de energia, armazenagem de água, desenvolvimento de culturas de peixes e vegetais, e proteção do meio ambiente. “Os produtos serão apresentados em escala real e permitirão aos visitantes conhecer todos os benefícios do portfólio disponibilizado pela Sansuy”, afirma Antônio José de Brito, diretor comercial da empresa.

Fonte: Sansuy / Instituto do PVC

Curta nossa página no

Sudoeste do Paraná terá primeira fábrica brasileira de bioplásticos derivados de milho

04/10/2012

A primeira fábrica de biopolímeros derivados de milho da América do Sul vai ser construída em Pato Branco (PR), segundo anúncio feito em 29/08 pela Limagrain Guerra do Brasil, joint venture formada pela empresa brasileira Sementes Guerra e o grupo francês Limagrain.

A fábrica – de 2.000 metros quadrados – deverá ser inaugurada dentro de um ano, e terá uma capacidade anual de produção de 8.000 toneladas e é beneficiado pelo programa Paraná Competitivo, do governo do Estado.

“BIOLICE”

O  biopolímero “biolice” é  obtido a partir de farinha de milho e serve, por exemplo, para fabricação de sacolas de plástico 100% biodegradáveis. Além da sua utilização na fabricação de sacolas, o “biolice” também pode ser usado como cobertura de solo na agricultura e na fabricação de produtos extrudados ou termoformados, tais como canudos, hastes, potes, copos e bandejas para sementes, segundo Ricardo Guerra, diretor executivo da Limagrain Guerra do Brasil.

O “biolice” é resultado de mais de dez anos de pesquisas em novas tecnologias que visam utilizar cereais, agregando valor à matéria prima para transformá-los em produtos sustentáveis. O “biolice” é produzido através de um processo único no mercado de bioplásticos, a partir de grãos de cereais inteiros e de um número específico de variedades de milho Limagrain Guerra.

Após a sua utilização e eliminação, os produtos fabricados com “biolice” são degradados por micro organismos. Este processo produz húmus de boa qualidade, apropriado para uso em jardinagem e agricultura. É um processo natural de reutilização de resídos.

PEDRA FUNDAMENTAL

Durante o lançamento da pedra fundamental do empreendimento, o governador Beto Richa destacou a importância da parceria entre a empresa paranaense e a francesa, com apoio de incentivos fiscais do programa Paraná Competitivo. “A indústria de plástico biodegradável atrairá novos investimentos para a região, gerando empregos e impacto positivo no agronegócio paranaense, além de propiciar a transferência da tecnologia utilizada na produção das sacolas” afirmou Richa.

A matéria-prima para a fabricação do biopolímero em Pato Branco será fornecida pelos produtores rurais da região sudoeste do Paraná.

JOINT-VENTURE

O grupo Limagrain tem volume de negócios anual de 1,5 bilhão de euros e emprega, em 38 países, mais de 7.200 pessoas, incluindo 1.400 pesquisadores.

A Sementes Guerra, da família Guerra, de Pato Branco, atua na produção de milho no Brasil e no Paraguai e vendeu para a Limagrain 70% de sua divisão de milho.

A criação da nova empresa, denominada Limagrain Guerra do Brasil, possibilitou à Limagrain ter acesso a terras agricultáveis disponíveis no estado do Paraná, e à Guerra possibilitou encontrar quem pudesse fornecer-lhe biotecnologia avançada para enfrentar os concorrentes internacionais. Segundo o diretor-executivo da Sementes Guerra, Ricardo Guerra, a parceria foi de mútuo interesse, pois as parcerias com empresas internacionais são fundamentais para o crescimento do setor. “Não existe um meio de você concorrer com as grandes multinacionais aqui instaladas se não tiver um respaldo biotecnológico grande”, afirmou Ricardo.

O controle administrativo da Limagrain Guerra do Brasil ficará com os brasileiros, que esperam um faturamento de R$ 10 milhões no primeiro ano de funcionamento da usina de plástico. Além da união das duas corporações, será criado o primeiro Centro de Pesquisa de Biotecnologia, na cidade de Londrina, no Norte do Paraná. O projeto ainda poderá ser expandido para os municípios de Guarapuava, que receberá outro empreendimento do grupo Limagrain, e Cascavel.

Fonte: Limagrain / Governo do Estado do Paraná

Curta nossa página no

Construção civil e agricultura aderem às soluções em resinas plásticas

28/08/2012

Indústria explora novas matérias-primas para ganhar agilidade e poupar recursos naturais

No momento em que a “Economia Verde” está na pauta das empresas, surge em praticamente todos os setores econômicos o desafio de aliar competitividade à sustentabilidade. Resinas plásticas, como polietileno, polipropileno e PVC, têm sido grandes aliadas na substituição de produtos tradicionalmente utilizados nesse setor, devido a características como maior durabilidade, menor peso e impacto ambiental reduzido, além de ganhos de produtividade.

Construção civil e agricultura são segmentos que vem investindo em produtos com novas composições para garantir um desenvolvimento mais sustentável e atender a uma demanda crescente por produtos com diferenciais técnicos e ambientais. Neste cenário, a tecnologia tem contribuído no lançamento de novos produtos e o plástico se apresenta como uma fonte de soluções.

“O portfólio de produtos que lançamos nos últimos anos demonstra o trabalho de nosso Centro de Tecnologia e Inovação para se manter à frente das tendências do mercado e encontrar soluções inteligentes para os desafios dos nossos Clientes”, diz Luciano Guidolin, vice-presidente da Unidade de Poliolefinas da Braskem.

Até mesmo produtos já usados, como o PVC, começaram a ganhar aplicações diferentes. Em novembro do ano passado, Global Housing, DuPont e Braskem firmaram parceria inédita para lançar no mercado brasileiro um novo conceito para construção residencial e comercial usando como base o PVC. Apresentada como ‘Casa de Concreto PVC’, a tecnologia representa uma forma inovadora e rápida para construir, em escala industrial, diferentes tipos de edificações. O sistema proporciona a redução em perdas por entulho e desperdício de materiais, como a madeira, muito utilizada na construção civil.

As telhas também estão sendo produzidas com o PVC. Além dos diferenciais técnicos, inerentes à resina, como resistência a agentes químicos, leveza e durabilidade, as telhas de PVC se mantêm estáveis às tempestades, granizos e outras intempéries.

Assim como o PVC, o polipropileno também é utilizado como sistema construtivo. Exemplo dessa tecnologia é o hotel Vale das Nuvens, em Guaramiranga. O hotel, de alto padrão, é todo feito com essa tecnologia (www.valedasnuvens.com.br).

O emblemático caso do pallet

Para a maioria das pessoas, a madeira é uma matéria-prima sustentável, por ser de origem vegetal e, portanto, de fácil degradação. Mas nem sempre a madeira é a solução mais sustentável do ponto de vista ambiental e econômico. Um pallet de madeira pesa em torno de 30 quilos. Sua vida útil é relativamente curta e depende do seu uso. Um pallet de polipropileno pesa apenas 3 quilos, tem a mesma capacidade e tem vida útil bem superior à da madeira. Um caminhão consegue carregar um número bem maior de pallets de plástico, o que significa tremenda economia de combustível e emissões de monóxido de carbono. Esse é um dos exemplos mais claros de união entre redução de custos, maior produtividade e menor impacto ambiental.

Origem renovável

O mundialmente reconhecido plástico verde, polietileno produzido pela Braskem a partir do etanol de cana-de-açúcar e que captura CO2 da atmosfera em seu processo produtivo, também fez sua estreia no mercado da construção neste ano. O produto está sendo utilizado pela Tigre na fabricação da nova linha de grelhas, que passa a ser chamada de Grelha Ecológica Tigre. A resina também é utilizada desde novembro de 2011 nos cabos elétricos Afumex Green, produzidos pela Prysmian.

Saneamento

O plástico também está sendo usado para conferir mais agilidade e qualidade em obras de saneamento pelo Brasil. Os poços de visita, conhecidos tradicionalmente como bueiros, feitos de polietileno, estão sendo produzidos com tecnologia moderna, tornando as tarefas de instalação e manutenção mais simples, econômicas e ecologicamente corretas. Uma das características dos poços de visita de polietileno é a durabilidade, já que possuem excelente resistência à quebra sobre pressão e resistência de impacto. Com isso, estão menos sujeitos a fissuras e orifícios que levam ao vazamento, evitando contaminações do solo.

Agricultura

Na agricultura, entre os recursos que já usados estão os agrofilmes. Com sua utilização, o agricultor consegue evitar a proliferação de vírus e pragas, controlar a temperatura, a disseminação de luz e de calor, entre outras tantas variáveis climáticas. A cobertura plástica também protege o solo, contribuindo para restringir a aplicação de agroquímicos, inibir o crescimento de ervas daninhas, erosão e diminui a perda de adubo. Todas estas vantagens são traduzidas em menor custo, maior produtividade e qualidade dos produtos.

Entre os lançamentos mais recente no mercado brasileiro estão os Silos Bolsa que chegam para solucionar o problema de escassez de silos para armazenamento da safra. Trata-se de grandes bolsas feitas com polietileno e que podem armazenar cerca de 200 toneladas de grãos, não precisam de nenhum tipo de estrutura física como suporte e são facilmente manuseadas na hora do carregamento.

Fonte: Braskem

 

Curta nossa página no

Empresa americana Myers Industries irá adquirir Plásticos Novel

30/06/2012

Unidade da Novel em Lauro de Freitas (BA)

A Myers Industries, Inc.  anunciou no dia 29/06 que assinou um acordo para aquisição da Plásticos Novel S.A.®. A transação deverá ser finalizada em julho de 2012. A Novel é a criadora e fabricante líder de caixas e sacos de plástico reutilizáveis no Brasil para remessa e armazenamento em ciclos completos nos setores de alimentação e agricultura, em rápido crescimento, da região. A Novel também produz uma variedade diversificada de produtos plásticos para a segurança industrial.

O presidente e CEO, John C. Orr, disse, “A Novel complementa nossos negócios de embalagens existentes no Brasil, e possui fortes laços com empresas líder no setor através da sua reputação em inovação e serviços. A Novel se encaixa perfeitamente dentro da nossa estratégia de crescimento geográfico e quanto a embalagens”.

Fundada em 1975, A Novel possui duas fábricas nos estados  da Bahia e do Paraná, cobrindo assim os principais centros de negócios industriais e agrícolas no nordeste e sul do país. Especializado em produtos de embalagens moldados por injeção, a Novel é líder em contêineres reutilizáveis de plástico tanto para o mercado de alimentos e bebidas, quanto para a agricultura. Seus produtos para o tráfego e segurança industrial abrangem desde capacetes de segurança e proteção para ouvidos até placas e sinalização de trânsito. A Novel é  conceituada pela sua contínua inovação, qualidade e serviço, tendo como clientes grandes empresas internacionais.

A Novel fará parte do segmento de embalagens da Myers Industries. Entre outras empresas neste segmento estão a Buckhorn®, fabricante líder de contêineres e sacos a granel reutilizáveis com sede na América do Norte; a Akro-Mils®, líder em sistemas de sacos de lixo e armazenamento; e a Myers do Brasil®, localizada no estado de São Paulo, Brasil, que produz contêineres e sacos a granel para os mercados da região de agricultura e fabricação.

Sobre a Myers Industries

A Myers Industries, Inc.  é uma fabricante internacional diversificada de produtos de polímeros para os mercados industriais, agrícolas, automotivo, comerciais e de consumo. A empresa também é a maior distribuidora de ferramentas, equipamentos e suprimentos para o setor de serviços de pneus, rodas e acessórios de automóveis nos EUA. Em 2011, a empresa registrou vendas líquidas de US$ 755,7 milhões. Para mais informações, visite o site http://www.myersindustries.com.

Fonte: Myers Industries

Curta nossa página no

Amanco lança software IrrigaCAD na Agrishow 2011

04/05/2011

Profissionais da área ganham um forte aliado para o desenvolvimento de projetos de irrigação: o Amanco IrrigaCAD. Gratuito e totalmente integrado ao ambiente do AutoCAD, o software (plug in) facilita e agiliza em até dez vezes a elaboração e execução de um projeto, auxiliando inclusive na determinação dos materiais. O lançamento oficial da ferramenta ocorre no estande da Mexichem Brasil na Agrishow 2011, feira internacional do setor agrícola,  realizada em Ribeirão Preto (SP) entre os dias 2 e 6 de maio.

Com o Amanco IrrigaCAD, é possível projetar sistemas de irrigação nas áreas de plantio de acordo com o tipo de cultivo, topografia, necessidade hídrica das plantas, manejo do sistema e demais condições. O programa relaciona os itens necessários para o sistema de irrigação e é capaz de gerar listagens prontas para serem enviadas e orçadas. O software ainda minimiza possíveis erros de especificação, já que sua base contém informações referentes às normas brasileiras.

“Além de ser uma ferramenta segura, a solução é extremamente funcional e o seu download inteiramente gratuito. O recurso oferece aos projetistas velocidade na execução de seu trabalho e maior precisão na elaboração dos projetos”, afirma Wagner Tavares, gerente Comercial da Mexichem Brasil.

A instalação é rápida e fácil – em seu conteúdo existe, inclusive, um manual explicativo em pdf para ajuda e solução de problemas – e o download do IrrigaCAD pode ser feito diretamente no site http://www.amanco.com.br/web/inovacao/irrigacad . O programa trabalha com tecnologia ARX, fornecida pela própria AutoDesk, que é a desenvolvedora do AutoCAD.

Linha Amanco para irrigação

Além do novo software, o público poderá ver toda a linha de produtos da Amanco, marca comercial da Mexichem Brasil, voltados à irrigação, no estande de 150 m² que a empresa ocupará na feira, como os tubos DEFOFORT de grandes diâmetros para irrigação e os tubos ERR 2″ STD e ERR 3″ STD.

Vale destacar também outros lançamentos, como o Anel de Borracha para Início de Linha, o Microaspersor com Vazão de 152 litros/h e o Início de Linha 14mm.

Os tubos de grandes diâmetros para irrigação (DN 350, 400 e 500), utilizados na maioria dos sistemas permanentes, enterrados e também na adução e distribuição principal e secundária da água, podem ser aplicados por aspersão convencional, canhões, minicanhões microaspersão e gotejamento.

Os tubos ERR 2″ STD e ERR 3″ STD foram criados para atender à necessidade de sistemas de irrigação localizada por gotejamento móvel, em que a classe de pressão é bem abaixo de 6 kgf/cm². A vantagem é a redução de custo, pois os produtos existentes são mais caros devido à classe de pressão do Tubo PN 80.

Fonte: Amanco

Dow inaugura primeiro Centro de Desenvolvimento de Aplicações de plásticos do Brasil

12/04/2011

Localizado em Jundiaí, SP, o local será um pólo de pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias e soluções sustentáveis para o mercado latinoamericano de plásticos

A The Dow Chemical Company inaugura hoje, 12 de abril, em Jundiaí, São Paulo, o primeiro laboratório de plásticos do Brasil focado no desenvolvimento de soluções sustentáveis. O local será destinado a pesquisas e testes de produtos para as mais diversas áreas de aplicação, como embalagens especiais para alimentos, filmes e embalagens industriais, embalagens rígidas e soluções para o mercado de tubos de polietileno (tubos de pressão, distribuição de água e irrigação).

“A Dow deseja estar cada vez mais presente no mercado latinoamericano de plásticos. Queremos que este centro contribua significativamente para o avanço de toda a cadeia plástica nos países da América Latina, com pesquisas e estudos sobre o mercado e a busca contínua de soluções sustentáveis para os negócios e para o meio ambiente”, afirma Nestor de Mattos, diretor de vendas da área de Plásticos da Dow Brasil.

Uma equipe de químicos, engenheiros e técnicos será responsável pelo atendimento aos clientes, realização de testes e pelo desenvolvimento de soluções cada vez mais sustentáveis, como por exemplo, resinas com melhor desempenho (que propiciam a redução da quantidade de matéria-prima), ou ainda estruturas 100% recicláveis, entre outros.

“Iremos desenvolver junto com nossos clientes soluções inovadoras que proporcionem uma diferenciação no mercado. Aliando o portfólio da Dow a essa estrutura, ganharemos ainda mais rapidez, agilidade e capacitação de nossos clientes”, afirma.

O laboratório ocupa uma área de 1100 m2 distribuídos nas seguintes seções:

Laboratório de caracterização de polímeros: neste espaço será possível realizar análises de identificação de materiais (qual o tipo de polímero, aditivos, identificação microscópica de estruturas, contaminantes, entre outros).

Laboratório de Testes Físicos: destinado à realização de todos os testes requeridos pelo órgão de normatização American Society for Testing Materials (ASTM) como mensuração de impacto ao dardo, rasgo, ótica, tensão de ruptura, escoamento e perfuração, além de análise dessas propriedades a baixa temperatura (até -40ºC). “Esses testes são imprescindíveis para o desenvolvimento de aplicações para os mais diversos mercados de aplicação de plástico, tais como embalagens flexíveis, rígidas e tubos industriais”, comenta Carlos Costa, gerente de pesquisa e desenvolvimento de filmes industriais e embalagens de consumo para a área de Plásticos da Dow na América Latina.

Planta Piloto: neste local será implantada uma linha de extrusão de última geração, com capacidade de produzir filmes pelo processo tubular e plana que, em pequena escala, reproduz as condições de operação das máquinas industriais. “Isso proporcionará a nós e a nossos clientes muito mais agilidade para o desenvolvimento de soluções”, afirma Costa.

Na planta, já estão instaladas uma unidade de laminação para testes de performance e uma máquina de unitização para realização de testes de performance em paletização. Outros equipamentos, como termoformadora e empacotadora automática, estão previstos para 2012.

“Todos esses equipamentos têm por objetivo aprofundar o conhecimento do desempenho das nossas resinas nas aplicações dos nossos clientes e facilitar seu sucesso no mercado final”, explica o executivo.

Sala de Treinamento: com capacidade para 70 pessoas, o local será destinado ao treinamento da equipe Dow e também para que os clientes da companhia treinem sua própria equipe técnica.

Segundo Carlos Costa, o Centro de Desenvolvimento de Aplicações de Plásticos também será utilizado para os diversos projetos que a companhia está desenvolvendo em parceria com universidades de São Paulo. Os resultados das principais pesquisas a serem realizadas neste espaço serão compartilhados com clientes em Seminários Técnicos promovidos pela companhia.

Além da nova estrutura em Jundiaí, a The Dow Chemical Company possui laboratórios em todos os continentes (Europa – Espanha; Pacifico – Singapura; Estados Unidos – Texas).  Conta ainda com o Laboratório de Aplicação em Freeport Texas, com capacidade de produção industrial (máquinas industriais), testes organolépticos e planta piloto de produção de polímeros. O local é interconectado a todos os demais laboratórios da companhia e pode ser utilizado para demandas especiais de clientes, como a produção piloto de uma solução ou ainda testes específicos para aprovação de um produto em um determinado mercado.

Sobre a Dow

O portfólio líder e diversificado da Dow nas áreas de Químicos Especiais, Materiais Avançados, Ciências Agrícolas e Plásticos oferece uma ampla variedade de soluções e produtos baseados em tecnologia para mais de 160 países e em setores de grande crescimento, como eletrônicos, água, energia, tintas e revestimentos e agricultura. Em 2010, a Dow teve vendas anuais de US$ 53.7 bilhões e empregou aproximadamente 50.000 funcionários em todo o mundo. Os mais de 5.000 produtos da Companhia são produzidos em 188 unidades fabris em 35 países ao redor do mundo.

Fonte: PorterNovelli / Dow

Schmuziger apresenta seus produtos para a Brasilplast 2011.

29/03/2011

A SCHMUZIGER em parceria com as empresas COMI, MAILLEFER, NGR, OMS estará presente na BRASILPLAST 2011 apresentando as últimas novidades em equipamentos para o setor:

A COMI fabricante de termoformadoras e máquinas de corte, tem a destacar o sistema de corte a jato de água MEDUSA em versões de 3 e 5 eixos que permite executar corte de materiais com elevada precisão.  Equipada com um cabeçote de corte projetado tanto para uso de água pura como abrasiva, possibilita o corte de peças de grandes espessuras nos mais diversos tipos de materiais.

A IMPIANTI OMS, fabricante de máquinas e linhas completas para processamento de poliuretano, tem se firmado como um dos principais fornecedores de linhas completas para a fabricação de telhas e painéis contínuos e descontínuos com isolamento de PU.  Todo o processamento, desde a matéria prima até o produto final, é controlado de forma a permitir a homogeneidade de espessura, uniformidade, qualidade e exatidão dimensional no tocante ao processo de espumação de poliuretano, rígido ou flexível, atendendo aos mais variados requisitos técnicos graças a suas características e grande adaptabilidade de uso.

A MAILLEFER produtora de linhas de extrusão para fabricação de tubos plásticos – mono e multicamadas – projetadas com toda tecnologia de alta precisão que uma empresa Suíça pode oferecer, destinadas a aplicações específicas de diversos setores como: automobilístico; combustíveis; petrolífero; construção; medicinal.

As linhas de extrusão MAILLEFER se destacam pela diversidade de  matérias primas que pode processar bem como pela vasta gama  de diâmetros de tubos capazes de produzir, com variações dimensionais  desde 1mm até 560mm.

Destaque ainda para as linhas de extrusão de tubos plásticos de irrigação por gotejamento que apresentam alta produtividade, com capacidade de produção de até 180m/min., versatilidade, e preciso sincronismo em todas as etapas de fabricação, desde a inserção dos gotejadores, extrusão, perfuração até o resfriamento.

A NGR apresenta o que há de mais avançado em tecnologia na área de reciclagem de termoplásticos* com máquinas capazes de processar praticamente todos os tipos desse polímero – PE, PP, PA, PS, PC, PET, ABS, EVA, PPS, BIO-TECH -; plásticos técnicos em quase todos os formatos; filmes e todos os tipos de refugos de filmes (em rolos, avulsos, em feixes ou fardos); peças e tubos moldados por injeção; grumos originários de sobras de partidas de produção; fibras; fitas / ráfia; tecidos e não tecidos; fios e cordas; carpetes; EPS compactado. Destaque para o grande diferencial dos equipamentos NGR que é o sistema patenteado “3 em 1 – ÚNICO ESTÁGIO” ,ou seja, em um único maquinário é feito todo o processo de moagem – alimentação – extrusão dispensando dispositivos externos à linha como: moinhos / trituradores, e tanques / reservatórios intermediários.

(*) não se aplica a plásticos contendo cloro em sua composição (tipo PVC).

Fonte: Schmuziger / Alcântara Machado – Brasilplast.

Novo estabilizante da BASF prolonga a vida útil dos filmes agrícolas – Proteção à luz para estufas

16/11/2010

Ø     BASF lançou estabilizante à luz para filmes agrícolas na Feira K, na Alemanha

Ø     Tinuvin® XT 200 oferece proteção aos filmes de resinas termoplásticas expostos à luz UV, assegurando estabilização aos filmes durante longo período

Ø     Aditivo contribui para soluções ambientais, aprimorando uso da água e uso racional de defensivos agrícolas

Segundo as estimativas das Nações Unidas, até o ano de 2050 o planeta Terra terá uma população de mais de nove bilhões de pessoas. Por outro lado, a quantidade de terras cultiváveis para alimentar todas essas pessoas não crescerá na mesma proporção.

As estufas agrícolas com filme plástico de cobertura representam uma maneira para solucionar esse problema. Com o cultivo em estufas, a produção por hectare pode ser elevada consideravelmente. A BASF, após seis anos de desenvolvimento, lançou durante a Feira K, na Alemanha, um novo estabilizante à luz, que ajudará a melhorar os filmes e torná-los ainda mais eficazes.

Chamado Tinuvin® XT 200, o aditivo oferece proteção aos filmes de resinas termoplásticas contra a degradação extremamente rápida que acontece quando o plástico é exposto à luz UV. Este novo aditivo assegura a estabilização dos filmes mesmo durante um longo período na presença de altas concentrações de defensivos agrícolas como, por exemplo, o enxofre.

Um mercado importante – em vários aspectos

Em conseqüência do crescimento urbano, mas também em razão da erosão do solo e das mudanças climáticas, a quantidade de terras cultiváveis está diminuindo. O desafio está em como aumentar a produtividade agrícola e ao mesmo tempo manter os produtos agrícolas acessíveis.

As estufas que podem ser construídas com um custo bastante baixo por meio do uso de filme plástico são uma possível saída para este dilema. Elas proporcionam um ambiente ideal para os cultivos, protegendo dos efeitos causados pela geada, vento e chuva, assegurando uma qualidade uniformemente alta e contribuindo para uma colheita mais rápida dos frutos.

Neste sentido, inúmeros cultivos podem ser feitos em um ano. Além disso, o filme plástico moderno pode ser desenvolvido especificamente para atender às necessidades únicas de luz e temperatura de muitas culturas conduzidas no campo. Ao mesmo tempo, os filmes plásticos contribuem para o melhor uso da água – um recurso que merece um cuidado ainda maior nos próximos anos.

Os benefícios da produção de estufas são tão convincentes que hortaliças como tomates, pimentões, pepinos e berinjelas já são cultivados em grande escala sob estufas com filmes plásticos. Em 2009, foram produzidas cerca de 900.000 toneladas de filme plástico mundialmente, cobrindo aproximadamente 800.000 hectares de terras aráveis. Isto corresponde aproximadamente à área total ocupada pelas cidades de Tóquio, Cidade do México, Madri, Johanesburgo, Roma, Moscou e Berlim juntas.

Ao mesmo tempo, a demanda por filmes agrícolas para uso em estufas deve crescer a uma taxa anual de aproximadamente quatro por cento. Os mercados mais importantes estão localizados na região do Mediterrâneo. Outras áreas em franco crescimento para estufas ao redor do globo estão na Ásia, América do Sul e África Oriental.

Agricultura tem necessidades especiais

A agricultura intensiva também inclui o uso racional de defensivos agrícolas para evitar que os cultivos sejam afetados por pragas ou doenças. As soluções ambientalmente corretas também estão conquistando espaço nessa frente.

O uso de enxofre, por exemplo, aprovado em alguns países para uso em cultivos orgânicos ou certificados, está registrando um crescimento digno de nota. Por outro lado, o uso de enxofre elementar e de outros defensivos agrícolas gera características especiais em relação aos filmes usados nas estufas.

A razão para isso recai sobre a sensibilidade dos filmes termoplásticos frente a agentes de degradação tais como a luz UV e metais ou elementos químicos presentes nos defensivos agrícolas. A radiação UV, rica em energia, faz com que os plásticos se tornem quebradiços ao longo do tempo por meio de um mecanismo químico de degradação complexo, composto de várias etapas. Os filmes de menor espessura podem tornar-se inúteis após poucas semanas de exposição a céu aberto em consequência desse impacto.

A química dos polímeros naturalmente já desenvolveu aditivos convencionais capazes de retardar a reação da degradação. Entretanto, a utilização em filmes agrícolas é bastante limitada, pois a sua eficácia é reduzida consideravelmente pelo enxofre e outros agentes catalisadores de degradação provenientes de defensivos agrícolas e da própria estrutura metálica das estufas.

Produtos especiais resistem a químicos agrícolas

No portfólio BASF existem diversas alternativas de aditivos para o setor agrícola. Os estabilizadores de luz recomendados dependem da severidade da exposição dos filmes aos defensivos agrícolas. Dentro desse portfólio existem o Tinuvin® NOR 371 (alta performance), o Tinuvin® 494 AR, o Tinuvin® 111 e a linha Chimassorb® (2020 e 944). O novo Tinuvin® XT 200 vem a complementar a linha de aditivos agrícolas para um mercado de média performance e altamente competitivo.

Produção econômica assegurada

Através do uso do produto Tinuvin® XT 200 é possível produzir de maneira bastante econômica os filmes de PEBD (polietileno de baixa densidade) que resistem aos níveis acentuados dos químicos agrícolas, assegurando uma vida útil de dois ou mais anos sob luz solar intensa e em contato com as estruturas de madeira ou metal das estufas agrícolas. Sem um estabilizante à luz, elas não sobreviveriam nem mesmo durante um ciclo de produção agrícola.

As características técnicas do novo aditivo foram confirmadas por um extenso processo de testes conduzidos pela Ciba (empresa adquirida pela BASF em abril de 2009) ao longo de vários anos. Os testes envolveram ensaios laboratoriais e de campo no centro de desenvolvimentos da BASF em Bolonha, Itália, dedicado ao desenvolvimento de aditivos para aplicação agrícola.

Após ensaios laboratoriais e de campo em nosso centro, o aditivo também foi colocado à prova em estufas comerciais, em ensaios de campo conduzidos na Itália, Espanha e Argentina. Agora, esse novo aditivo tem a oportunidade de crescer acompanhando o mesmo dinamismo do mercado de plasticultura.

Fonte: BASF

Eficiência energética e conservação de recursos são temas centrais de painéis durante a Feira K 2010 em Düsseldorf.

17/09/2010

“Visões em Polímeros” – plásticos abrem novas oportunidades.

Os plásticos e a borracha são responsáveis por um número sem fim de novas aplicações, tendo o poder de inspirar e fascinar. Mais recentemente, o fato dos plásticos terem uma excepcional eficiência energética tem assumido um papel ainda mais proeminente. Os plásticos são a chave para tecnologias conservadoras de recursos que se  caracterizam por baixo consumo de materiais. O use dos plásticos traz benefícios significativos, por exemplo, no isolamento térmico de edifícios, assim como em mobilidade, através de projetos de carros, ônibus, trens e aeronaves com menor peso. Os plásticos são indispensáveis para a expansão das energias renováveis. A gama de aplicações para os plásticos nas modernas tecnologias de energia é vasta, abrangendo desde as lâminas rotativas de turbinas de vento, as quais somente podem ser fabricadas usando-se compósitos com fibra, até membranas em células de combustíveis e células fotovoltaicas, que serão impressas em grande escala em membranas, com a ajuda da tecnologia dos plásticos. Numerosos exemplos de aplicações que economizam energia e processos de produção que conservam recursos estarão sendo exibidos na K 2010, a maior feira mundial para plásticos e borracha, que ocorrerá em Düsseldorf, Alemanha, entre 27 de outubro e 3 de novembro.

As mostras de fabricantes de máquinas e equipamentos, de produtores de matérias-primas e de processadores de plásticos, neste ano, ocorrerão paralelamente a um conjunto de painéis especiais, denominados “Visões em Polímeros”. Com base em exemplos de diferentes áreas da vida, os painéis irão revelar que tendências de desenvolvimento podem ser percebidas e que inovações a indústria está preparando para lançamento. Aqui, também, uma ênfase especial será dedicada aos temas de eficiência energética e conservação de recursos. Uma exibição multimídia – que inclui seqüências de filmes, artigos e mostras selecionadas – irá destacar as contribuições significativas que os plásticos já estão dando hoje e as oportunidades que eles oferecem para o amanhã. Além disso, em painéis de discussão diários, cientistas líderes estarão abordando questões sobre como o futuro pode se apresentar.

Estes painéis especiais serão de interesse não somente para os expositores e visitantes da K 2010, mas também para o público em geral. Ela é organizada pela Indústria de Plásticos da Alemanha, sob os auspícios da  PlasticsEurope Deutschland e.V. e Messe Düsseldorf.

Os painéis irão focalizar os seguintes temas principais:

  • Energia

Irá sondar maneiras de capturar a energia do sol e expandir o uso de energias renováveis, como, por exemplo, através da criação de aplicações eletrônicas eficientes com a ajuda de superfícies funcionais.

  • Sustentabilidade

Focalizará medidas para combater o aquecimento global, por exemplo, através de conceitos de construção e design econômicos e inteligentes. As oportunidades, aqui, não estão de forma alguma esgotadas !

  • Mobilidade

Estruturas inovadoras mais leves que também ofereçam um aumento de segurança e conforto serão os pilares da mobilidade amanhã.

  • Comunicação

Muitos desenvolvimentos na tecnologia de comunicação só podem ser implementados com plásticos avançados, de alto desempenho – o que a pesquisa e a indústria guardam em estoque para o futuro ?

  • Alimentação

Uma vasta gama de aplicações no cultivo, armazenamento, transporte, embalagem e proteção de alimentos destacam os méritos dos plásticos, que também oferecem soluções para o uso eficiente da água. A conservação de recursos e a proteção ambiental continuarão a predominar aqui como aspectos-chave de novos desenvolvimentos.

Ao longo de seis dias durante a K 2010, estes tópicos serão discutidos por um painel de especialistas, em uma mostra especial a ocorrer em um palco no Hall 6. De 11 às 12 da manhã, falando em alemão ou em inglês em dias alternados, os membros dos painéis irão explorar, em cada sessão,  diferentes perspectivas para o futuro, a partir de vários ângulos. Um dia foi também reservado para debates com a geração mais jovem: “Jovens se encontram…”

A discussão inaugural na Quarta, dia 27 de outubro, liderada pelo Prof. Dr. Bernhard Rieger da cátedra Wacker de Química Macromolecular da Universidade Técnica de Munique, irá se centralizar sobre “CO2 como uma matéria prima.” A discussão ocorrerá em inglês.

“Eficiência energética no processamento de plásticos” é o tópico da sessão para a quinta-feira, dia 28 de outubro. O Prof. Dr. Johannes Wortberg do Instituto de Engenharia de Produto da Universidade de Duisburg-Essen irá conduzir este painel de discussão, que ocorrerá em alemão.

“Construções mais leves com plásticos” sera o tema da discussão em inglês, na Sexta-feira, 29 de outubro. O painel será liderado pelo Prof. Dr.-Ing. Volker Altstädt, da Universidade of Bayreuth.

“Superfícies” sera o assunto discutido (em alemão) no dia 30 de outubro, pelo painel dirigido pelo Prof. Dr. Matthias Rehahn do Instituto de Química  Macromolecular da Universidade Técnica de Darmstadt.

O Prof. Dr. Rolf Mülhaupt, do Instituto de Química Macromolecular da University de Freiburg, será o moderador da sessão no dia 01 de novembro, que será focalizada sobre “Materiais inteligentes”. Os especialistas estarão falando em inglês.

A sessão final do dia 2 de novembro irá abordar o tema “Plásticos e eficiência de recursos”. Será coordenada pelo Dr.-Ing. Martin Bastian do centro de plásticos Süddeutsches Kunststoffzentrum. (em alemão).

Os grupos de discussão do dia 31 de outubro, domingo, se centralizarão em aspectos ambientais, perspectivas para o futuro e oportunidades educacionais e de carreira. Os jovens estão sendo convidados a se juntar e a aprender sobre a maneira como os materiais são usados, por exemplo na fabricação de carros, sobre conservação de recursos, sobre as atividades desenvolvidas nas indústrias, assim como sobre as oportunidades oferecidas pelo sistema educacional alemão hoje, além de tendências no mercado de trabalho. Eles terão a oportunidade de conversar com numerosos especialistas  incluindo o Prof. Dr. Rolf Mülhaupt, do Instituto de Química Macromolecular da Universidade de Freiburg e Prof. Ernst Schmachtenberg, Reitor da RWTH Aachen University (11:00 to 11:30 h); Prof. Rudolf Stauber, Chairman do Comitê sobre Plásticos na Indústria Automotiva, VDI (12:30 to 13:00 h); Dr. Martin Brudermüller, Membro do Conselho da BASF SE (14:00 to 14:45 h); Patrick Thomas, CEO da Bayer MaterialScience AG (15:30 to 16:00 h); e também com Hans-Theodor Kutsch, Diretor da Albis Plastic GmbH, e Dr. Frank Schneider, Chairman  do Conselho de Administração da SOLVAY GmbH (16:30 to 17:15 h). Questões críticas serão bem vindas !

Aproximadamente 3,100 expositores e mais de 200,000 visitantes são esperados na K 2010, em Düsseldorf, de 27 de Outubro a 3 de Novembro. A maior feira mundial de plásticos e borracha irá ocupar todos os 19 Halls do centro de exposições de Düsseldorf. O centro estará aberto de 10 da manhã até 6 e meia da tarde, diariamente, durante o período da feira. O ingresso para um dia de visitação da feira custa 55 Euros na bilheteria (ou 49 Euros mais a postagem, quando adquirido online). Crianças em idade escolar, estudantes e trainees pagam um ingresso reduzido de 15 Euros. O ticket para uma visita de 3 dias custa 120 Euros na bilheteria (108 Euros mais a postagem, se comprado online).

Fonte: Messe Duesseldorf

Braskem lança resina para atender mercado de frutas tropicais.

27/07/2010

A Braskem acaba de lançar no mercado internacional um grade PEBD específico para confecção de filmes para proteção de frutas durante o período de maturação: o LD3001A. A proteção adequada das frutas garante a qualidade final exigida pelo mercado Europeu e Americano, principais importadores. Este grade será inicialmente destinado para a Região Andina e América Central.

A proteção adequada das bananas impede que insetos provoquem manchas escuras na casca, o que tira o valor comercial para exportação. A utilização dos filmes para proteção reduz significativamente o uso de inseticida, pois este fica limitado ao filme em vez de ser aplicado diretamente na fruta, fazendo com que o trabalhador rural fique menos exposto ao pesticida.

Além de aditivação específica, este grade apresenta ótima processabilidade e capacidade de confecção de filmes finos em processo blow. As características do grade permitem que ele seja processado em temperaturas relativamente baixas, pré-requisito para que os inseticidas adicionados ao polímero não sofram degradação térmica durante o processo de extrusão dos filmes, fazendo dele uma especialidade. “A estratégia comercial é ofertar 750 toneladas/mês e, devido ao volume desse mercado, buscar uma maior participação ao longo do tempo”, completa Marco Cione, gerente Comercial da Braskem, responsável pela Região Andina e América Central.

O desenvolvimento dessa resina, além de representar uma expansão nos negócios internacionais da empresa, contribui de forma significativa para que os produtores locais de banana alcancem o padrão de qualidade exigido para exportação. “Com o desenvolvimento de novos materiais e o crescimento de nossos negócios, há um ganho para toda a cadeia. E a resina LD3001A é um grande exemplo disso”, afirma Cione.

O mercado produtor de frutas tropicais na Região Andina e América Central é responsável pela maior parte do volume exportado de bananas para os Estados Unidos e Europa. Além do clima favorável, os países desta região também apresentam as maiores produtividades por hectare. No Equador e na Costa Rica, os maiores exportadores mundiais, a produtividade alcançada é, respectivamente, 3 e 4 vezes maior que a do Brasil e parte deste resultado está relacionado à proteção que as frutas recebem durante o crescimento e maturação.

É através de desenvolvimentos como esse, contando sempre com os recursos de inovação e buscando conhecer as necessidades e características de cada região, que a Braskem tem marcado presença no mercado global de resinas termoplásticas.

Fonte: Braskem

Oportunidade de negócios: Plásticos para Agricultura na Nova Zelândia e Austrália

09/06/2010

Empresa da Nova Zelândia, líder na importação e suprimento de embalagens plásticas, está estabelecendo subsidiária para fornecer produtos plásticos para uso na agricultura na Nova Zelândia e Austrália e procura fornecedores brasileiros do segmento de Plásticos para Agricultura, Horticultura e Jardinagem, particularmente na área de embalagens e redes (nettings).  Para maiores informações, contactar info@brazilianplastics.com