Archive for the ‘PLA’ Category

Evonik consolida Centro de Pesquisa e Desenvolvimento no Alabama (EUA) para aplicações de polímeros especiais em dispositivos médicos

14/04/2018

Evonik transforma Medical Devices Project House em centro de competência dedicado à atividade de P&D colaborativa

As pessoas não só vivem mais; elas também querem se manter saudáveis e ativas mesmo em idade avançada, o que faz com que a demanda por dispositivos médicos aumente na mesma proporção. Polímeros especiais, como o Resomer® e o Vestakeep® da Evonik, já representam papel importante como materiais de implante.

Para atender a esse atraente mercado em crescimento de maneira ainda mais eficiente, durante os últimos quatro anos a Evonik reuniu uma vasta competência no segmento de cirurgias ortopédicas na Medical Devices Project House – nos Estados Unidos, maior mercado individual para dispositivos médicos. A project house de Birmingham (Alabama), cujo tempo de funcionamento era limitado, tornou-se um centro de competência permanente a partir de 1º de abril de 2018.

“Queremos posicionar a Evonik como líder no fornecimento de materiais e parceiro de desenvolvimento quando se trata de soluções em dispositivos médicos amigáveis para o paciente”, diz Harald Schwager, vice-presidente da Diretoria Executiva da Evonik e responsável por questões de inovação no Grupo. “A project house aumentou muito os nossos conhecimentos nessa área”.

Desde 2014, mais de 20 cientistas qualificados trabalham em Birmingham para melhorar os materiais e as tecnologias de aplicação já existentes. Além de tecnologias estabelecidas, como a extrusão de precisão e a moldagem por injeção, a project house lança mão de avançadas tecnologias de processamento, como a impressão 3D e a eletrofiação (electrospinning) para avaliar rapidamente as propriedades de um material e criar protótipos.

A Evonik vai integrar as atividades da project house, que até agora faziam parte de sua unidade de inovação estratégica, a Creavis, em um centro de competência operado pela linha de negócios Health Care.

“O know-how e as competências desenvolvidas durante os últimos quatro anos farão com que sejamos um fornecedor de ponta em biomateriais e soluções inovadoras em tecnologia de aplicação, oferecendo melhor suporte aos nossos clientes de dispositivos médicos em suas jornadas de inovação”, diz Jean-Luc Herbeaux, vice-presidente sênior e responsável pela linha de negócios Health Care na Evonik.

O centro de competência complementa os demais laboratórios de aplicação estabelecidos em Xangai (China) e Darmstadt (Alemanha), que dão suporte a projetos de clientes em todos os mercados internacionais importantes. O equipamento técnico permite a fabricação e a realização de testes com protótipos feitos nesses novos materiais – não só em processos de extrusão e moldagem por injeção, mas também na impressão 3D.

Herbeaux acredita que a impressão 3D é um desenvolvimento futuro óbvio no setor de dispositivos médicos: “Queremos apoiar a indústria em sua demanda por polímeros para impressão de grau médico para que os pacientes com lesões cranianas ou faciais, por exemplo, possam receber implantes customizados”, conta ele. “No momento, os cirurgiões só podem escolher opções de uma seleção de tamanhos-padrão”.

A Health Care Business Line atua no fornecimento de polímeros biodegradáveis baseados no ácido polilático-glicólico e comercializados sob a marca Resomer®. Os fabricantes de dispositivos médicos usam o material para produzir itens como roscas, parafusos e pequenas placas para o tratamento de fraturas ósseas e rupturas de tendões, mas também em stents biodegradáveis. O corpo absorve os implantes após um tempo específico, ou seja, não é necessária nenhuma cirurgia adicional para retirá-los. Os stents reduzem os riscos de oclusões vasculares recorrentes.

A linha de negócios High Performance Polymers será a segunda maior patrocinadora do centro de competência no Grupo Evonik. O polímero PEEK (poliéter-éter-cetona) sob marca Vestakeep® é usada em implantes na coluna, boca, queixo e cabeça, concebidos para permanecer no corpo e substituir implantes metálicos.

Fonte: Evonik

Curta nossa página no

Anúncios

BASF promove utilização de plástico biodegradável em sacos plásticos e copos descartáveis

12/06/2013
  • BASF realiza, mais uma vez, evento lixo zero e transforma resíduo orgânico em adubo
  • Copos revestidos e sacos de lixo feitos com ecovio® possibilitam a transformação de resíduo sem a separação

O ecovio®, plástico compostável certificado da BASF, é o protagonista do projeto envolvendo copos descartáveis e biodegradáveis e sacos de lixo compostáveis que acontecerá durante o  evento de apresentação da primeira casa de eficiência energética da BASF no Brasil, a CasaE localizada na zona sul de São Paulo.

Durante o evento, a empresa Lia Tulmann, encarregada do serviço de buffet do evento, orientada pela Inambi, coletará todo o resíduo orgânico utilizado na preparação dos alimentos em sacos de lixo confeccionados com ecovio®, plástico compostável certificado da BASF, com conteúdo renovável.

Além disso, os copos descartáveis usados no evento também serão coletados. Eles não são feitos de um plástico convencional, mas sim de um papel que é revestido com uma camada fina de ecovio® PS1606. Todo material será enviado para a Visafértil Indústria e Comércio de Fertilizantes Orgânicos, especializada em produção de insumos orgânicos agrícolas a partir de resíduos industriais, que opera uma usina de compostagem em Mogi Mirim.

“A solução inovadora permite que os copos descartáveis de papel revestidos com uma fina camada de ecovio® PS1606 não precisem ser destinados a aterros sanitários após o uso. Ao invés disso, eles podem ser processados juntamente com o lixo orgânico e com os sacos de lixo para produzir um adubo de alta qualidade”, explica Karina Daruich, Gerente do Negócio de Biopolímeros da BASF para a América do Sul.

Uso, coleta e compostagem

Além dos resíduos pré consumo, gerados durante a preparação dos alimentos para o evento, todo o resíduo orgânico gerado pós consumo no evento será compostado e se transformará em adubo orgânico. O Grupo Visafértil coletará os copos, juntamente com os resíduos de alimentos, em sacos de lixo compostáveis de ecovio®, e os transportará para a usina de compostagem em Mogi Mirim, onde o comportamento de degradação é monitorado e controlado periodicamente.

“Este projeto, realizado na CasaE, serve não só para destacar o compromisso ativo da BASF com a eficiência de recursos, mas também para estudar o ciclo fechado na gestão de resíduos, um conceito que já testamos em outros projetos no Brasil e no mundo”, diz Gislaine Rossetti, Diretora de Relações Institucionais da BASF para a América do Sul.

Projeto piloto: ciclo fechado para resíduos orgânicos

O plástico ecovio® atende às  exigências legais das normas européia EN 13432 e norte americana ASTM 6400 para a biodegradabilidade e compostabilidade de embalagem. Juntamente com seus parceiros de cooperação, a BASF está expandindo este conceito de ciclo fechado ao longo de toda cadeia de valor; assim ele pode ser implantado em eventos de grande escala em estádios ou em feiras, ou então em restaurantes fast-food, complexos de escritórios, hospitais e centros de lazer e esportes.

Plásticos biodegradáveis: ecovio® e ecoflex®

O material ecovio® PS1606é um novo desenvolvimento da BASF. Ele agora é produzido com ecoflex® FS (parcialmente de fonte renovável) e PLA (ácido poliláctico) o qual é obtido a partir de amido de milho. Como resultado, a camada fina de plástico nos copos descartáveis consiste em mais de 75% de matérias-primas renováveis, sendo que o artigo acabado é composto por mais de 90% de matérias-primas orgânicas. Afirma a BASF que, como os resíduos orgânicos em si, as moléculas de ecovio® são digeridas por micro-organismos com o auxílio de enzimas durante o processo de compostagem. No final do processo de compostagem, os micro-organismos terão convertido completamente o resíduo orgânico, os copos com ecovio® PS1606 e os sacos de lixo compostáveis, em dióxido de carbono, água e biomassa. Segundo a BASF, esta é uma vantagem decisiva em termos de recuperação de resíduos, já que as empresas de descarte de resíduos não têm que separar laboriosamente os copos e sacos. Pelo contrário, o material simplesmente se torna um composto  juntamente com o resto do lixo orgânico.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

BASF realiza projeto piloto com uso de plástico biodegradável em evento esportivo

28/08/2012
  • Resíduo orgânico do fim de semana de corrida para ser transformado em adubo
  • Lausitzring e BASF lançam projeto piloto com talheres descartáveis e compostáveis no ADAC Masters Weekend

O Ecovio® FS Paper, plástico biodegradável da BASF, assumiu o centro do palco em um projeto piloto envolvendo talheres descartáveis e biodegradáveis durante o evento de automobilismo ADAC Masters Weekend, realizado entre 24 e 26 de Agosto na pista de corrida Lausitzring. Durante o fim de semana do evento, a empresa Polster® Catering, encarregada do serviço de buffet na Lausitzring, usou apenas bandejas de papelão e pratos de papel que são compostáveis. Os copos seguirão o exemplo na próxima temporada.

Os talheres descartáveis, fabricados pela empresa Hosti, não são feitos a partir de um plástico convencional, mas sim de um papel que é revestido com uma camada fina de Ecovio® FS Paper. Isto cria talheres descartáveis cuja camada de plástico garante não fiquem impregnados e que não precisem ser incinerados – como é o caso geralmente – depois de usados. Em vez disso, eles podem ser processados juntamente com o lixo orgânico a fim de produzir um composto valioso. Este composto de alta qualidade é utilizado novamente na Lausitzring para melhorar o solo que foi salientado pela mineração a céu aberto no passado. Graças a este sistema de circuito fechado, os parceiros do projeto deram vida a um projeto que é único no continente europeu. Lausitzring é o primeiro local para eventos de grande escala na Europa a introduzir tal sistema. Este projeto faz parte do “Green Lausitzring”, no qual a administração da empresa EuroSpeedway Verwaltungs GmbH, na sua qualidade de operadora da pista de corrida Lausitz, está apoiando e testando tecnologias ambientalmente amigáveis.

Usando – Coletando – Compostando

Para certificar-se que os visitantes retornariam os talheres compostáveis usados aos estandes do serviço de buffet e não os descartariam nas latas de lixo comum, os organizadores cobraram o depósito de um euro por item. Os fornecedores recolheram os talheres descartáveis, juntamente com os resíduos de alimentos, em sacos de lixo também compostáveis e os transportaram para a usina de compostagem Hörlitz. Os operadores da usina de compostagem têm reservado um espaço dedicado à compostagem do lixo orgânico da Lausitzring, onde o comportamento de degradação pode ser precisamente monitorado e controlado. Consequentemente, este projeto piloto serve não só para destacar o compromisso ativo com a economia de recursos na esfera do automobilismo, mas também para estudar o comportamento de degradação de grandes quantidades de bandejas e pratos que foram revestidos com Ecovio® FS Paper. Este estudo está sendo conduzido pelo Departamento de Gestão de Resíduos e Fluxo de Material da Universidade de Rostock, na Alemanha.

Projeto piloto: talheres compostáveis e descartáveis em eventos de grande escala

Numerosos projetos pilotos já foram possibilitados pela BASF para demonstrar que as sacolas de resíduos orgânicos feitas de Ecovio® FS degradam dentro de um curto período de tempo em usinas de compostagem industriais. Ecovio® é um plástico que satisfaz às rigorosas exigências legais da norma européia EN 13432 para a biodegradabilidade e compostabilidade de embalagem. A experiência piloto na Lausitzring é a primeira de seu tipo para testar como talheres descartáveis com uma camada de Ecovio® FS Paper podem ser compostados em grandes quantidades. Juntamente com seus parceiros de cooperação, a BASF tem a intenção de expandir este conceito de circuito fechado para talheres biodegradáveis e descartáveis ao longo de toda cadeia de valor para que possa ser implantado em grandes eventos em estádios e em feiras, ou então em restaurantes fast-food, complexos de escritórios, hospitais e centros de lazer e esportes.

Plásticos biodegradáveis: Ecovio® e Ecoflex®

Considerando que os primeiros produtos Ecovio® foram baseados no clássico da BASF, à base do poliéster Ecoflex®, Ecovio® FS Paper é um novo desenvolvimento. Este material agora é feito parcialmente de Ecoflex FS e PLA (ácido poliláctico), o qual é obtido a partir de amido de milho. Como resultado, a camada fina de plástico nos talheres descartáveis consiste em mais de 50% de matérias-primas renováveis e, de fato, o artigo acabado é composto por mais de 90% de matérias-primas orgânicas. Como os resíduos biodegradáveis em si, as moléculas de Ecovio® são quebradas por microorganismos com o auxílio de enzimas. O único fator decisivo para o processo de degradação é a estrutura da molécula e não a origem das matérias-primas. No final do processo de compostagem, os microorganismos converterão completamente os pratos de papelão com o revestimento de Ecovio® em dióxido de carbono, água e biomassa. Esta é uma vantagem decisiva em termos de recuperação de resíduos já que as empresas de descarte de resíduos não têm que separar laboriosamente os talheres. Pelo contrário, o material simplesmente se torna o composto valioso juntamente com o resto do lixo orgânico.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Interplast 2012: Cromex leva especialidades para plásticos e produtos sustentáveis

07/08/2012

A Cromex, empresa brasileira líder no mercado nacional de masterbatches de cores e aditivos para plásticos, levará, entre os dias 20 e 24 de agosto, à Interplast 2012, produtos desenvolvidos com foco na performance e sustentabilidade. Entre os produtos voltados à performance, a Cromex vai mostrar sua linha de masterbatches brancos com antifibrilante e aditivo UV, desenvolvida para melhorar o processo de fabricação da ráfia. Vai expor, também, os novos concentrados de cores para fabricação de multifilamentos, filamentos contínuos e não-tecidos (PP e PET).

Com foco na melhoria do desempenho dos polímeros na transformação, a empresa apresentará a linha de cargas minerais, aditivos que proporcionam vantagens ao transformador, como melhoria de propriedades mecânicas, melhor estabilidade dimensional e melhor taxa de troca térmica.

De olho nos eventos esportivos que o Brasil sediará nos próximos anos, a Cromex, que atua neste segmento há mais de cinco anos com masterbatches especiais e se faz presente em diversos estádios brasileiros e arenas poliesportivas cobertas, vai mostrar seus produtos específicos para este mercado. A empresa desenvolveu, em parceria com a Braskem, compostos de cores a base de PE Verde (resina de fonte renovável proveniente do etanol da cana-de-açúcar) para assentos desportivos, atendendo à normativa ABNT NBR 15925/2011.

Ainda com foco na inovação e sustentabilidade, a Cromex também conta com uma série de masterbatches desenvolvidos em PLA (plásticos biodegradáveis), os quais já atendem a diversos segmentos.

Quem passar pelo estande da Cromex também vai conferir seus aditivos e cores com nano partículas de prata, que conferem aos plásticos ação bactericida (elimina as bactérias) e bacteriostática (impede sua proliferação) e podem ser aplicados em PE, PP, PS, ABS e PET, em todos os processos de transformação. Os visitantes da feira vão conhecer ainda a linha completa para BOPP, que inclui brancos puros e com carga, compostos para cavitados e aditivos de performance.

Todos os produtos tem fornecimento local, oferecendo além do suporte técnico de equipes especializadas, uma assessoria completa para suas diversas aplicações.

Sobre a Cromex

Líder no mercado brasileiro de masterbatches de cores e aditivos para plásticos, a Cromex conta com duas unidades (São Paulo e Bahia) com capacidade de produção de 132 mil toneladas/ano. Em suas fábricas, a empresa gera mais de 500 empregos diretos e conta com certificações ISO 9001, 14001 e OHSAS 18001. Seu portfólio conta com mais de 13 mil cores e aditivos, desenvolvidos em laboratórios próprios, para atender 18 segmentos diferentes no setor de transformados plásticos, como brinquedos, embalagens, tampas para diversos segmentos (alimentos, bebidas, cosméticos, higiene pessoal, limpeza), construção civil, automotivo e agrobusiness.

Fonte: MesseBrasil

Curta nossa página no

Dow lança nova geração de modificadores de impacto para PLA.

27/05/2011

O PARALOIDTM BPM 520 apóia o crescimento de produtos bioplásticos mais sustentáveis.

A Dow Plastics Additives, uma unidade de negócios da The Dow Chemical Company , anuncia o novo modificador de impacto na área de bioplásticos, o PARALOIDTM BPM 520, voltado para fabricantes que desejam ingressar no mercado de embalagens com soluções mais sustentáveis.

O PARALOIDTM BPM 520 melhora a resistência ao impacto de artigos opacos e moldados por injeção à base de Ácido Polilático (PLA), com mínimo efeito sobre a temperatura de distorção de calor e rigidez.

Quando misturado com PLA, o modificador PARALOIDTM BPM-520 amplia as opções para os proprietários de marcas que buscam utilizar polímeros sustentáveis em aplicações diversas, tais como embalagens opacas para alimentos e sorvetes, e aplicações semiduráveis, como embalagens para cosméticos e suportes para laptops e celulares.

À base de milho, a pegada de carbono do PLA é menor comparada a de muitos outros polímeros, porém, dada sua natureza quebradiça, são necessários modificadores capazes de melhorar sua resistência ao impacto. O PARALOIDTM BPM 520 à base de MDS foi especificamente projetado para ser utilizado com resinas de PLA moldadas por injeção a fim de oferecer alta resistência ao impacto em temperatura ambiente e temperaturas negativas. Também proporciona benefícios para blendas de PLA como, por exemplo, PLA/PC.

Os convertedores irão se surpreender com as propriedades de fluxo e retenção de rigidez das peças, e os proprietários de marcas, com a colorabilidade e excelente acabamento de superfície. O PARALOIDTM BPM 520 está em conformidade com a Norma 10/2011 da União Europeia para uso em materiais plásticos que têm contato com alimentos, e também com os requisitos da FDA ( Food and Drug Administration), agência norte-americana de alimentos e medicamentos.

“Os proprietários de marcas estão sempre buscando produtos que apresentam melhor desempenho ambiental a fim de atender à demanda dos consumidores – no entanto, não querem comprometer o desempenho de uso final e precisam manter um processo produtivo eficiente e competitivo em termos de custos”, explicou Robin Madgwick, gerente de marketing para a Dow Plastic Additives.

“Trabalhamos de perto com fabricantes líderes de resinas de base biológica a fim de oferecer um modificador de impacto eficaz, que possa ser disponbilizado em formatos simples de usar e pré-dispersos e que sejam capazes de ampliar ainda mais o uso de resinas de PLA sustentáveis e de base biológica em artigos duráveis moldados por injeção e embalagens opacas, o que representa um grande avanço para o setor”, concluiu Madgwick.

O PARALOIDTM BPM 520 é a nova oferta entre uma série de materiais da Dow Plastic Additives voltados a apoiar os usuários de PLA.

Fonte: Dow