Archive for the ‘Máquinas para processamento de plásticos’ Category

Margens operacionais da Romi seguem evoluindo e Ebitda atinge 12,1% no 2o. Trimestre de 2017

14/08/2017

A Indústrias Romi S.A., empresa líder brasileira na fabricação de máquinas-ferramenta, máquinas para plásticos e fundidos e usinados, registrou no segundo trimestre de 2017 receita operacional líquida de R$163,8 milhões, montante 9,1% superior ao alcançado no 2o. Trimestre de 2016. Esse incremento foi devido principalmente ao faturamento da unidade de Fundidos e Usinados, que tem aumentado o seu volume de receita desde o início de 2016.

A margem bruta obtida no 2o. Trimestre de 2017 foi de 28,9%, resultado 5,5 p.p superior ao segundo trimestre de 2016. A geração operacional de caixa medida pelo Ebitda foi de R$ 19,9 milhões, representando uma margem Ebitda 12,1% no 2o. Trimestre de 2017.

A receita operacional líquida da Unidade Máquinas Romi atingiu R$ 65,1 milhões no 2o. Trimestre de 2017, montante praticamente estável em relação ao 2o. Trimestre de 2016, demonstrando que o cenário doméstico ainda apresenta baixo nível de investimentos. As receitas do mercado externo continuam demonstrando solidez, e apresentaram crescimento de cerca de 4,0% em dólares no 1o. Semestre de 2017, quando comparado com o mesmo período de 2016.

O faturamento da subsidiária alemã B+W apresentou no 2o. Trimestre de 2017, quando comparado com o 2o. Trimestre de 2016, aumento de 2,5% em Reais. Nesse mesmo período de comparação, porém, em Euro, esse incremento foi de 9,5%, demonstrando que o faturamento tem refletido a sólida carteira de pedidos para o exercício de 2017.

No 2o. Trimestre de 2017, a receita operacional líquida da unidade Fundidos e Usinados foi de R$ 64,3 milhões, o que representa aumento de 23,0% em relação ao 2o. Trimestre de 2016. Número é decorrente, principalmente, do aumento de pedidos de peças fundidas e usinadas para os segmentos automotivo comercial e agrícola. A margem bruta dessa Unidade de Negócio no 2o. Trimestre de 2017 foi de 27,5%, apresentando aumento de 10,8 pontos percentuais em relação ao 2o. Trimestre de 2016 devido ao maior volume de receita e de produção e aos ajustes operacionais voltados para a evolução da eficiência.

“Mesmo em um cenário de fraca atividade econômica, os esforços realizados pela Companhia nas diversas otimizações, principalmente das estruturas indiretas, puderam ser percebidos no resultado positivo do primeiro semestre de 2017, onde as margens operacionais continuam evoluindo e a dívida líquida sendo reduzida. De maneira geral, o mercado doméstico tem mostrado uma melhora muito tímida, sinalizando um segundo semestre ainda bastante desafiador, especialmente para a unidade de Máquinas Romi. Ações voltadas para geração de caixa e em medidas para permitir uma resposta rápida às volatilidades da demanda de mercado continuarão sendo o foco da Romi” menciona Luiz Cassiano Rosolen, diretor-presidente da Romi.

Fonte: Romi

Curta nossa página no

Anúncios

Vendas da indústria italiana de máquinas de processamento de plásticos cresce na faixa de dois dígitos no primeiro trimestre de 2017

29/06/2017

Exportações italianas de máquinas e equipamentos para processamento de plásticos e borrachas e moldes (por áreas principais – em milhões de euros)

O Centro de Estudos da Amaplast (Associação industrial italiana que congrega 160 fabricantes de máquinas de processamento de plásticos e borracha e moldes, anteriormente conhecida como Assocomaplast) analisou dados de comércio exterior publicados pelo ISTAT em relação ao primeiro trimestre do ano atual.

Em comparação com o mesmo período de 2016, as importações aumentaram 15,3% e as exportações 16,3%.

A clara tendência ascendente das exportações prossegue o que foi registrado em 2016 e o desempenho na casa de dois dígitos é um sinal particularmente bom para os fabricantes italianos, que vendem 70% ou mais de seus produtos para compradores em outros países. As vendas em 2016 totalizaram 4,2 bilhões de euros, retornando aos níveis pré-recessão –

As exportações aumentaram significativamente para quase todas as categorias de máquinas – com exceção de prensas de pneus e plantas de espuma – variando desde acima de 8% para prensas até mais de 70% para máquinas de termoformagem.

Analisando os dados em termos geográficos, as exportações globais mostram um crescimento robusto (cerca de 20%) para a Europa (que é o mercado primário), com um valor que aumentos de 380 a 455 milhões de euros. Alemanha, Espanha e Romênia registraram os aumentos mais expressivos (notando-se também que a Rússia está finalmente mostrando sinais positivos de recuperação).

As vendas para a América Central e do Sul aumentaram 53% para 47 milhões de euros, com um crescimento significativo das exportações para o Brasil e uma notável abertura do mercado cubano.

As exportações para a África aumentaram 21%, atingindo um valor de 33 milhões de euros, com a Argélia, a Nigéria e África do Sul liderando as aquisições.

A tendência ascendente nas vendas para a Ásia e a América do Norte, da ordem de + 4%, foi um tanto menos pronunciada. No entanto, essas zonas absorvem uma parcela considerável das exportações italianas no setor: em janeiro-março de 2017, os mercados da Ásia e Oriente Médio (incluindo a região da Oceania) e os países do NAFTA representaram 14% do total.

A pesquisa realizada entre os membros da Amaplast no final de maio, comparando o semestre atual com o mesmo período em 2016, destaca uma tendência positiva tanto nas receitas – com crescimento 39% reportando crescimento e 46% reportando estabilidade – como nos pedidos de compra – com 42 % relatando crescimento e 52% relatando estabilidade.

“Não esperamos que as exportações mantenham um crescimento de dois dígitos até o final do ano”, afirma o presidente da Amaplast, Alessandro Grassi “, mas, de qualquer forma, esse é certamente um sinal muito importante que confirma o crescimento contínuo no setor, apoiado também pela tendência positiva no mercado interno registrada nos meses anteriores “.

Fonte: Amaplast

Curta nossa página no