Archive for the ‘Indústria Moveleira’ Category

Redelease lança resina para a fabricação de “river tables”

12/09/2018

Epóxi 2004 também pode ser usada em porcelanato líquido

Tradicional distribuidora de especialidades químicas, a Redelease acaba de lançar uma formulação de resina epóxi líquida e de baixa viscosidade indicada para a fabricação de mobiliário. Denominado Epóxi 2004, o produto é ideal para a produção de tampos de mesas feitos com troncos de madeira, cujos veios, depois de preenchidos pela resina pigmentada, ficam parecidos com rios – daí o nome “river table“.

“A resina Epóxi 2004 combina elevado índice de selagem da madeira com ótima retenção de cores, o que a torna a melhor opção para a produção da river table”, explica Rafael Iacovella, gerente comercial do departamento de e-commerce da Redelease.

Segundo a empresa, além de possuir alto grau de transparência, boa fluidez e mínima contração depois de polimerizada, a Epóxi 2004 ainda se destaca pela resistência aos raios UV e à umidade. “Essas características ampliam bastante a longevidade dos móveis fabricados com o produto”, afirma Iacovella.

Além das river tables, a resina Epóxi 2004 pode ser utilizada na fabricação de porcelanato líquido, artesanato e modelismo, além de encapsulamento de eletrônicos, colagens diversas e revestimentos.

O produto está disponível nas unidades próprias da Redelease – Barueri, Campinas, São José do Rio Preto, Sorocaba e Vila Velha – e nas licenciadas (Redecenters) situadas em São Paulo, Ubatuba, Volta Redonda e Joinville.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Redelease

Curta nossa página no

Anúncios

Polietileno “verde” da Braskem é utilizado em linhas de cadeiras lançadas pela Tramontina

26/07/2018

Feito à base de cana-de-açúcar, material possui mesma resistência, durabilidade e peso do plástico derivado de fontes fósseis

Combinar sofisticação em design com práticas ecologicamente corretas é a proposta das cadeiras Jet e Paco, resultado da parceria entre a Braskem e a Tramontina. Os produtos são feitos com o Plástico “verde” I’m greenT.

A resina “verde”, derivada da cana-de-açúcar, possui as mesmas características físicas do PE convencional, podendo ser totalmente aproveitada pela cadeia de reciclagem tradicional. Segundo a Braskem, um dos seus principais diferenciais é a captura de 3,09 toneladas de CO2 a cada tonelada produzida, contribuindo para a redução da emissão dos gases causadores do efeito estufa na atmosfera.

Com a mesma resistência, durabilidade e peso das cadeiras feitas com o plástico de origem fóssil, as linhas Jet e Paco utilizam o selo I’m greenT da Braskem, para que o consumidor reconheça os produtos feitos com o Plástico “verde”, produzido em sua fábrica localizada em Triunfo, no Rio Grande do Sul (RS). A planta possui capacidade para a produzir 200 mil toneladas de resina renovável por ano.

Para veicular o selo, as peças precisam passar por um teste de verificação do carbono 14, o mesmo feito para saber a idade de materiais fósseis. Para ser aprovada, a peça precisa conter ao menos 51% de material renovável.

As cadeiras Jet e Paco já estão sendo vendidas em lojas on-line e físicas.

Contando com 8 mil colaboradores, a Braskem tem uma produção anual de 20 milhões de toneladas, incluindo produtos químicos e petroquímicos básicos, e receita líquida de R$ 50 bilhões (em 2017). Exporta para Clientes em aproximadamente 100 países e opera 41 unidades industriais, localizadas no Brasil, EUA, Alemanha e México, esta última em parceria com a mexicana Idesa.

Há 107 anos a Tramontina iniciou como uma pequena ferramentaria no Sul do Brasil, na cidade de Carlos Barbosa (RS). Hoje produz mais de 18 mil itens em dez fábricas no país – oito no Rio Grande do Sul, uma em Belém (PA) e outra em Recife (PE). Atualmente, conta com mais de oito mil colaboradores e leva seus produtos para mais de 120 países, nos segmentos utensílios e equipamentos para cozinha, eletros, ferramentas para agricultura, jardinagem, manutenção industrial e automotiva, veículos utilitários, construção civil, além de materiais elétricos e móveis de madeira ou plástico.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Dow lança plataforma digital com conteúdo sobre poliuretanos

15/09/2017

Canal da empresa terá informações específicas, tecnologias e inovações para os setores calçadista, de colchões, construção civil e cadeia do frio

A Dow acaba de lançar nova plataforma de conteúdo online (foto) para apresentar suas soluções de poliuretanos e reunir informações sobre tendências e mercados que utilizam o material para seus produtos, em especial os setores moveleiro, calçadista, construção civil e refrigeração. A Mundo PU.com tem como objetivo ser um ponto confiável de informações para clientes, profissionais dos setores-foco, academia e estudantes.

Haverá informações segmentadas, principalmente, sobre as três áreas de negócio: ComfortScience, que engloba produtos que proporcionam mais conforto e comodidade ao consumidor final; DurableScience, com tecnologias de mais durabilidade, resistência e produtividade para mercados diversos; e InsulationScience, que traz maior eficiência energética a diversas indústrias. Também haverá conteúdo sobre as outras áreas que compõem o portfólio, como PO&PG e mercado automotivo, além de novidades sobre ações da Dow em poliuretanos na América Latina.

As reportagens do canal apresentarão tendências, inovações, negócios, soluções e prestação de serviço relacionados ao amplo universo de uso do poliuretano. Para isso, utilizará recursos como infográficos, vídeos, cases, demonstrações interativas e webinars. “A nova Mundo PU possibilitará uma exibição superior e mais dinâmica dos assuntos relevantes ao nosso negócio, oferecendo melhor navegação e exposição dos conteúdos”, afirma Marcelo Fiszner, diretor de Marketing para Poliuretanos da Dow na América Latina.

Com a nova plataforma, a companhia deseja reforçar sua expertise, elevar seu nível de serviço e participação no mercado, além de fidelizar o cliente.

Webinars técnicos

O canal também terá webinars com os especialistas da Dow sobre temas atuais e desafios de mercado. O primeiro deles, que está disponível para visualização, trata sobre proteção da camada de ozônio e o papel da indústria de poliuretanos nesse contexto. O próximo acontecerá em outubro e abordará o mercado de revestimentos, apresentando os novos produtos que serão promovidos no Congresso Internacional de Tintas da ABRAFATI 2017. Para participar, basta acessar a plataforma Mundo PU e se inscrever.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Cipatex investe em controle de qualidade e avança na produção de laminados sem ftalatos

12/09/2017

Medida visa atender a diversos segmentos de atuação da empresa, com destaque para calçadista e moveleiro

O Centro de Pesquisa e Inovação da Cipatex passa a contar com equipamentos que vão garantir mais eficiência no controle dos níveis de ftalatos. A medida atende às exigentes especificações internacionais. De acordo com o gerente de inovação, pesquisa e tecnologia da Cipatex, Fernando Brandão, a aquisição de um cromatógrafo a gás acoplado com espectômetro de massa de última geração permite a identificação de compostos do início ao fim da produção, desde as matérias primas até o produto acabado. “O equipamento amplia a sensibilidade na análise de traços, aumenta a precisão e exatidão dos resultados, trazendo mais eficiência ao processo e garantindo que os níveis de ftalatos fiquem bem abaixo do permitido”, destaca Brandão.

​A medida visa atender a diversos segmentos de atuação da Cipatex, com destaque para o calçadista e moveleiro. No Brasil, a empresa possui a maior capacidade produtiva para materiais sem ftalato. Agora, com o novo equipamento, a companhia poderá atender com maior controle de qualidade. “A aquisição do cromatógrafo significa um grande avanço tecnológico e um importante passo para aumentar a capacidade da empresa de atender às necessidades de clientes nacionais ou internacionais”, destaca.

​​O​ gerente explica que os ftalatos são uma família de compostos, ésteres do anidrido ftálico com álcoois de baixo peso molecular. Alguns destes compostos são utilizados como plastificantes para as resinas de PVC para torná-las flexíveis e macias. No setor calçadista, os ftalatos são usados para conferir maleabilidade e flexibilidade ao cabedal e forro. Conforme Brandão, em alguns casos as substâncias são aceitas por determinado país, mas encontram barreiras no cliente/comprador. Também existem situações em que produtos aceitos por continentes podem ser proibidos pela legislação de um único país, criando um cenário complexo. A lista de restrições é dinâmica e talvez o mercado mais rígido seja o europeu, que segue o Reach, regulamento relativo ao registro, avaliação, autorização e restrição de produtos químicos.

Pelo regulamento, existem restrições em relação a alguns tipos de ftalatos, como DEHP, BBP e DBP. Para exportar para Europa, por exemplo, o nível de DEHP presente no produto final deve ser abaixo de 0.1 %.

Há 53 anos o Grupo Cipatex oferece ao mercado soluções em revestimentos sintéticos e não-tecidos. Criada em 1964, a companhia hoje conta com uma linha de produtos que atende aos setores de calçados, piscinas, bolsas e acessórios, utilidades domésticas, construção, móveis, vestuário, automóveis, esporte e lazer, brindes, material escolar e comunicação visual. Ao todo, a Cipatex® conta com cerca de 1.400 colaboradores distribuídos em cinco plantas industriais.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Cipatex

Curta nossa página no