Archive for the ‘Indústria de Plásticos’ Category

Polímero de poliftalamida da Arkema apresenta propriedade de ultra-flexibilidade

18/02/2013
Arkema_1

Tubos de Brake Booster

A Arkema ampliou a gama de seus polímeros Rilsan® HT (High Temperature) com uma nova resina PPA ultra-flexível, que apresenta flexibilidade muito próxima das poliamidas de extrusão. No mercado desde 2009, Rilsan® HT é a primeira resina flexível de poliftalamida (PPA) a substituir tubulações de metal e borracha, em aplicações de alta temperatura. Com este novo avanço em ultra-flexibilidade, novas possibilidades economicamente viáveis tornam realidade a substituição não só de metais, mas também de borracha e polímeros fluorados na extrusão e montagem de tubos. Com 70% de carbono de origem vegetal renovável, a resina Rilsan® HT atende, desta forma, às atuais necessidades de indústrias com foco em soluções ambientalmente sustentáveis.

A classe de polímeros base PPA é conhecida não apenas pelo seu sucesso como material substituto de metais, mas também devido à sua inerente fragilidade e restrições na moldagem por injeção de peças técnicas. O primeiro grade Rilsan® HT da Arkema foi apresentado com módulo de 820 MPa e marcou uma significativa mudança na rigidez desta classe de materiais. Agora o mais recente membro da família Rilsan® HT reduziu ainda mais o módulo para 520 MPa.

“Com Rilsan® HT ultra flexível, nossos pesquisadores na Arkema encontraram uma maneira de flexibilizar e reduzir ainda mais este módulo para 520 MPa, graças à tecnologias inovadoras em materiais, além da experiência de longa data da ARKEMA em poliamidas de cadeia longa e de alto desempenho”, diz Michaela Steng, Gerente de Negócios para Rilsan® HT.

Segunda a Arkema, o novo grade ultra-flexível oferece as excelentes propriedades de cadeia alifática longa de Rilsan® PA11 com as tradicionais cadeias semi-aromáticas das PPA. Com esta tecnologia inovadora, diz a empresa, combinou-se a flexibilidade da PA11 com a resistência a altas temperaturas das PPA convencionais, assinalando novo marco para esta classe de materiais.

A Arkema cita várias vantagens competitivas do Rilsan® HT que contribuíram para o sucesso da resina no mercado, entre as quais a superior resistência à termo-oxidação em longo prazo, elevada resistência ao envelhecimento químico sob altas temperaturas, baixa absorção de umidade e excelente resistência de impacto a frio, quando comparadas com outros termoplásticos para altas temperatura e mesmo com as  resinas clássicas base PPA. O novo Rilsan® HT apresenta ainda uma resistência térmica melhorada para suportar maior tempo de serviço sob mesma temperatura de trabalho ou mesmo aumento de até 10°C na temperatura de trabalho quando comparado com a gama existente, diz a Arkema. O novo grade de Rilsan® HT agora apresenta também uma propriedade de impacto a frio semelhante à do Rilsan® PA 11.

Arkema_2

Tubos Industriais

Ampla gama de aplicações

Segundo a Arkema, o espectro de desempenho de Rilsan® HT torna a resina particularmente adequada para aplicações automotivas “sob o capô”. A empresa dizque o Rilsan® HT é facilmente transformado por extrusão (ou injeção) e pode ser processado em equipamentos padrão para todos os tipos de tecnologias de tubos (liso, corrugado ou moldado por extrusão-sopro), o que permite ampla flexibilidade de projeto com ótima relação custo-benefício. Como resultado, o Rilsan® HT tornou-se uma alternativa rentável e de baixo peso para montagens automotivas “sob o capô” de conjuntos contendo tubos de metal ou borracha, tais como: tubos blow-by, TOC transporte de óleo, entrada de ar e para gerenciamento de vácuo.

A Arkema afirma que as propriedades de Rilsan® HT ultra-flexível – excelente flexibilidade, resistência ao impacto à frio, excelente resistência a produtos químicos, óleos e outros fluidos em alta temperaturas – fazem de Rilsan® HT um substituto ideal para fluorpolímeros ou fluorelastômeros (ETFE, PTFE, FKM) mais caros, em muitas outras aplicações industriais exigentes como tubos pneumáticos flexíveis para altas temperaturas, tubulação hidráulica ou revestimento de cabos. Ainda segundo a empresa, quando comparado aos polímeros fluorados, o Rilsan® HT é um material de menor custo e menor densidade, mas com custo-eficiência superior; além de ser facilmente processado em comparação aos fluorados, contribuindo de forma significativa na redução de custo de peças e sistemas. A Arkema diz que tais vantagens tornam o novo Rilsan® HT ultra-flexível uma alternativa real  a materiais atualmente superdimensionados.

Arkema_Rilsan_4

Balanço de Propriedades das Resinas

Material com vantagem ambiental

O Rilsan® HT possui até 70% de matéria-prima vegetal renovável de culturas não alimentares (óleo de rícino). Comparado com outros polímeros para altas temperaturas de origem convencional à base de petróleo, o Rilsan® apresenta emissões de CO2 substancialmente menores além de preservar os recursos fósseis.

Fonte: Arkema

Curta nossa página no

Milacron compra a fabricante de câmara quente Mold Masters

14/02/2013
  • Aquisição une empresas líderes da indústria de plástico Milacron e Mold Masters
  • Cria uma empresa líder global em serviços em processamento de plásticos

mold-masters-logoA Milacron LLC, líder global no segmento da indústria de plásticos e provedor de fluidos premium para a indústria metalúrgica, e a Mold Masters, uma fabricante líder global de câmara quente com uma forte presença na Norte América, Europa e Ásia, anunciaram que estão se unindo para formar um fornecedor global líder em soluções para a indústria de plásticos, posicionando-se para atender toda a gama de necessidades dos clientes. A Milacron é apoiado nesta aquisição por seus investidores de private equity CCMP Capital Advisors.

A transação vai criar uma empresa de rápido crescimento, com recursos de classe mundial, através de cinco negócios: Milacron (máquinas para plásticos), Mold-Masters (câmara quente), DME (Tecnologias de bases de moldes), Aftermarket (peças e serviços) e CIMCOOL ® Fluid Technology (Fluidos para a Indústria Metalúrgica e Serviços). Cada empresa vai continuar a se focalizar em suas soluções específicas oferecidas a seus respectivos clientes, ao mesmo tempo em que aproveitará as sinergias enormes que existem entre todas os negócios.

A entidade combinada fornecerá tecnologias-líderes de mercado aos seus clientes, engenharia global de qualidade e liderança em Pesquisa e Desenvolvimento. Através de suas linhas de produtos complementares, a Milacron e a Mold Masters poderão oferecer um portfólio mais amplo de produtos e serviços, oferecendo soluções para as complexas necessidades dos clientes no segmento de plásticos.

Além disso, contando com uma capacidade financeira e operacional reforçada, ciclos reduzidos e uma pegada internacional diversificada, além de uma forte posição no mercado de câmaras quentes na Ásia, a empresa combinada terá maiores oportunidades de expansão global.

Sob os termos da transação, a Milacron irá adquirir 100% das ações da Mold Masters por um valor de US $ 975 milhões. Tom Goeke, CEO da Milacron, vai liderar a entidade combinada . Bill Barker, Presidente e CEO do Mold Masters, continuará à frente da empresa..

Goeke disse: “A aquisição cria um líder global na indústria de plásticos com a escala, liderança tecnológica, presença internacional e posicionamento competitivo para oferecer uma ampla gama de produtos e serviços a um número maior de clientes, em mais mercados ao redor do mundo. A experiência da Mold Masters em mercados de câmara quente de crescimento rápido é significativa e nós estamos entusiasmados com as várias oportunidades de crescimento e possibilidade de oferecer serviços únicos aos clientes que resultarão desta combinação. Bill Barker, sua equipe e todos os seus funcionários compartilham nosso compromisso com a excelência. Estamos muito contentes pelo fato de que eles vão continuar a liderar o negócio Mold Masters e estamos animados para dar-lhes as boas vindas à nossa equipe. ”

Barker disse: “Nós também estamos muito animados para nos juntarmos à  Milacron e nos tornarmos parte de uma empresa-líder de mercado, conhecida por fornecer equipamentos e produtos de alta qualidade para processamento de plásticos, bem como excepcional atendimento ao cliente e suporte pós-venda. Nós desenvolvemos relações profundas com os nossos clientes ao longo de muitos anos e continuaremos a trabalhar de perto com eles para entregar os produtos e serviços de que dependem, assim como fazemos hoje. Estou confiante em que a combinação das capacidades únicas da Mold Masters e da Milacron irá colocar a nova empresa em posição de fornecer ainda mais benefícios para os clientes. Estou ansioso para trabalhar de perto com Tom e sua equipe para atingir o incrível potencial de crescimento que possuirá a nossa organização combinada. Tivemos o privilégio de ter a 3i como um parceiro nos últimos cinco anos e contar com seu forte apoio a nossos objetivos de crescimento global e investimentos contínuos em tecnologia. Estamos igualmente animados em estar com a Milacron, onde teremos um outro investidor de classe mundial como a CCMP apoiando nosso contínuo crescimento”.

Tim Walsh, diretor administrativo da CCMP Capital Advisors, disse, “Esta transação é um passo importante no plano de crescimento estratégico da Milacron, que reforça o nosso apoio às perspectivas da empresa e nosso compromisso em alavancar a nossa vasta experiência na indústria de plásticos para ajudar a Milacron a maximizar suas oportunidades globais de mercado e aumentar o seu valor para os clientes. ”

A transação, sujeita às condições habituais de fechamento, deverá ser concluída no primeiro semestre de 2013.

Sobre a Mold Masters:  A Mold-Masters Limited é uma líder global no segmento de sistemas de fluxo de material plástico fundido e controle. A empresa projeta e fabrica sistemas de câmara quente, controladores de temperatura e equipamentos auxiliares. Desde 1963, a Mold Masters vem investindo pesadamente em pesquisa e desenvolvimento. Com mais de 900 patentes concedidas e pendentes, a Mold Masters criou muitos avanços tecnológicos e tornou possível inúmeras novas formas de moldagem de peças através de câmaras quentes. Com fábricas na América do Norte, América do Sul, Europa, Índia e Ásia, bem como vendas e serviços de apoio em 70 países,  a Mold Masters oferece seus produtos e serviços de forma global.

Fonte: Milacron

Curta nossa página no

KREYENBORG-BKG exibe gama diversificada de produtos na Chinaplas 2013

05/02/2013
Image

Troca-telas contínuo

Durante a Chinaplas 2013 em Guangzhou, a KREYENBORG – BKG irá apresentar numerosas soluções para extrusão e polimerização no seu stand C17, no Hall 5.1.

Líder de mercado mundial em troca-telas, a KREYENBORG oferece a máquina apropriada para cada aplicação de filtração. Deste modo, o espectro de produtos varia desde sistemas descontínuos e contínuos até troca-telas com retrolavagem totalmente automáticos. Os troca-telas com modos de operação a processo constante, pressão constante e fluxo volumétrico constante são únicos no mercado. Eles permitem o processamento de material altamente contaminado em aplicações muito sensíveis com produtos de alta qualidade.

Os troca-telas KREYENBORG são aplicados em conjunto com as bombas de material fundido da KREYENBORG, altamente protegidas contra desgaste. Estas bombas, disponíveis em diferentes tipos de série, são adequadas para tarefas na extrusão e descarga do reator.

Os sistemas submersos de Pelletização da BKG Bruckmann e  Kreyenborg Granuliertechnik GmbH também tem provado a sua excelência em todo o mundo. Estes sistemas são fornecidos com secagem, sistema de água e controle prontos para utilização e são adequados para todos os materiais termoplásticos, assim como também para a produção de micropellets. A capacidade de produção varia de 2-80 kg / h (Labline 100) a sistemas com 35.000 kgs / h. Para um processamento econômico de PET, a BKG desenvolveu o sistema de cristalização em linha CrystallCut ®. Com este sistema, a peletização e cristalização são efetuadas numa única etapa, sem o fornecimento de energia adicional.

Fonte: Kreyenborg

Curta nossa página no

Aumento das vendas de veículos nos Estados Unidos leva Mitsui a aumentar capacidade de produção de compostos de PP

22/01/2013

mitsuiO grupo japonês Mitsui Chemicals, Inc. anunciou um aumento de 14 mil toneladas/ano de produção de compostos de polipropileno nos Estados Unidos para atender às demandas crescentes do setor de materiais automotivos. O aumento de capacidade ocorrerá nas instalações da sua empresa afiliada Advanced Composites, em Sidney, estado de Ohio. Este aumento de capacidade previsto para o quarto trimestre de 2013 segue outra expansão de produção de 28 mil toneladas já prevista para o terceiro trimestre deste ano, de modo que a capacidade global de produção para as duas fábricas da Advanced Composites nos estados de Ohio e Tennessee atingirão 268 mil toneladas/ano em 2013.

Embora a indústria automotiva norte-americana tenha sido negativamente impactada pela crise financeira global, atualmente o mercado voltou à normalidade com previsões de crescimento significativo no futuro.

O aumento previsto é esperado não só para fortalecer a posição do grupo na expansão do mercado norte-americano, mas igualmente para reforçar a de fornecimento global do Grupo.

A Mitsui Chemicals Group conta com instalações fabris de Polipropileno para o mercado automotivo em oito mercados globais relevantes (Japão, Estados Unidos, México, Brasil, Europa, Índia, Tailândia e China).

Fonte: Mitsui

Curta nossa página no

Bayer inaugura Centro de Desenvolvimento de Polímeros na Coréia do Sul

17/01/2013

Bayer_R&D_CenterA Bayer MaterialScience abriu oficialmente o seu primeiro Centro de Desenvolvimento e Tecnologia de Polímeros na Coreia do Sul. Localizado na cidade de Yongin, perto da capital Seul, ele irá focalizar o desenvolvimento de novas aplicações de policarbonato para produtos de empresas coreanas de alta tecnologia, especialmente nos setores automotivo e de Tecnologia da Informação. O novo Centro Tecnológico se incorpora a uma rede mundial de centros de pesquisa e desenvolvimento e unidades de produção importantes da região da Ásia/Pacífico.

“Durante a última década, a Coréia emergiu como um centro de vanguarda de produtos de alta tecnologia”, disse Michael Koenig, Membro do Comitê Executivo da Bayer MaterialScience e Chefe da Unidade de Negócios de policarbonato. “Grandes empresas coreanas estão oferecendo mundialmente suas mais recentes tecnologias, mas a sua pesquisa e desenvolvimento ocorre principalmente na Coréia. Com o nosso novo Centro de Tecnologia, nós podemos ficar mais perto delas, envolver-se melhor em parcerias de P & D de longo prazo e satisfazer às suas necessidades com maior eficiência e rapidez.” Koenig acredita que o centro vai se tornar uma força motriz no desenvolvimento de produtos inovadores na Coréia .

A Bayer selecionou estrategicamente Yongin como sede do Centro de Desenvolvimento devido à sua proximidade com outros centros de P & D e instalações fabris de muitas empresas globais da Coréia. Começando já na inauguração, o centro vai prestar assessoria técnica para clientes coreanos sobre aplicações de policarbonato em segmentos de alta tecnologia como produtos automotivos ou de TI (por exemplo, smart-fones, laptops, estações de TV, etc.) A partir do terceiro trimestre de 2013, ele vai desenvolver novos conceitos de aplicações de produtos com grandes empresas coreanas através de parcerias colaborativas,  bem produzir amostras e testes no contexto de assistência ao cliente.

A abertura do centro reflete o compromisso contínuo da Bayer em reforçar a sua presença na região da Ásia-Pacífico para oferecer aos clientes locais um melhor acesso ao know-how, experiência e tecnologias de aplicação avançada da empresa. O centro de tecnologia é parte de uma rede global de centros de P & D e de desenvolvimento de aplicações, incluindo os principais centros regionais de inovação em Pittsburgh (EUA), Leverkusen (Alemanha) e Xangai (China).

Além disso, o novo centro será apoiado por uma forte rede de unidades de produção da empresa na região da Ásia-Pacífico, principalmente os de Xangai, Map Ta Phut (Tailândia), e Niihama (Japão). A região possui hoje 60% da demanda mundial de policarbonato.

Fonte: Bayer MaterialScience

Curta nossa página no

Braskem aumenta participação acionária em projeto no México

17/01/2013

A Braskem SA aumentou a sua participação acionária no projeto Etileno XXI, implementado em Vera Cruz, no México, em conjunto com o grupo mexicano Idesa. A participação da Braskem aumentará de 65% para 75 %, enquanto que a participação da Idesa se reduzirá de 35 % para 25%. A mudança foi oficializada em contrato celebrado no final de 2012.

O projeto Etileno XXI compreende a construção de um complexo petroquímico, com um craqueador de eteno e três unidades de polimerização. O valor total do investimento é de aproximadamente U$ 3 bilhões. O complexo industrial deverá entrar em operação em Julho de 2015, com uma produção estimada de 1 milhão de toneladas de Polietileno por ano.

Em 19 de dezembro passado, a joint-venture Braskem-Idesa obteve empréstimo de US$ 3,2 bilhões para financiar a construção do complexo petroquímico mexicano, provenientes de instituições financeiras e bancos comerciais como os bancos de desenvolvimento mexicanos Nafin e Bancomext, o BNDES, a International Finance Corporation (IFC), o Banco Interamericano de Desenvolvimento, bancos canadenses e italianos de financiamento a exportações, além de vários outros bancos comerciais. A empresa afirma tratar-se do maior pacote de empréstimos já concedido a um novo projeto na história da petroquímica nas Américas.

O gás natural a ser usado como matéria-prima no complexo Etileno XXI será fornecido pela empresa petrolífera mexicana Pemex e terá o preço referenciado pelo preço do gás de xisto americano. Com isso, os custos operacionais da joint-venture Braskem Idesa serão significativamente reduzidos, já que o preço por milhões de BTU está abaixo de 3 dólares no mercado americano, enquanto no Brasil situa-se entre US$12-$15.

Curta nossa página no

Braskem lança nova resina EVA para o segmento calçadista

16/01/2013

Inédito no mundo, o produto simplifica o processo de confecção, trazendo maior produtividade e oferecendo uma solução mais sustentável para os clientes

A Braskem, líder em produção de resinas termoplásticas nas Américas e maior produtora mundial de biopolímeros, acaba de lançar uma resina inédita no mundo, direcionada ao segmento calçadista. A nova resina de EVA (copolímero de etileno e acetato de vinila) permite a confecção mais rápida e sustentável dos sapatos, extinguindo o processo de cura na colagem de solas, o que elimina a emissão de ozônio e reduz em até 26% o custo desta etapa de produção. O lançamento integra o portfólio do selo Braskem Maxio®, criado para identificar resinas que oferecem uma maior eficiência à cadeia do plástico e reduzem o impacto ambiental no processo de transformação.

Nesse segmento, a colagem das entressolas à base de EVA é uma etapa importante do processo, pois a durabilidade de um calçado está diretamente vinculada à qualidade de aderência dos seus componentes após o processo de cura. A resina VA3010A, desenvolvida pela Braskem, permite que o processo de colagem ocorra sem a necessidade da etapa de cura U.V. (irradiação de luz ultravioleta). Esta inovação dispensa a utilização do equipamento de cura ultravioleta, que exige constante manutenção e controle de processo, e ainda é emissor de ozônio, um gás nocivo à saúde humana e ao meio ambiente. Além disso, com a nova resina, há redução no consumo de energia no processo produtivo, tornando a confecção dos calçados mais segura e o processo mais sustentável.

A economia gerada com esta inovação na indústria calçadista pode proporcionar uma redução de custo de até 26% na etapa de colagem do processo produtivo do calçado, além de permitir designs mais diferenciados na confecção da entressola. O tamanho desta redução dependerá do tipo de calçado e da configuração de cada linha de produção. A nova resina possibilita ainda ganho na qualidade dos solados, o que resulta na redução da devolução de calçados por conta de defeitos, e por consequência custos ainda menores aos transformadores.

Para alcançar este resultado, foi desenvolvido junto com a empresa Killing (www.killing.com.br), parceira da Braskem, um novo primer aplicado a frio que complementa a colagem da resina em diferentes substratos como borracha, PVC e couro sintético, substituindo a solução com o primer antigo. A solução baseia-se em um conceito em que os dois novos componentes são necessários para a aderência, tanto o EVA, quanto o primer, sendo esta tecnologia patenteada.

“Esta nova resina trará maior competitividade para o setor calçadista, que no Brasil foi responsável pela confecção de mais 800 milhões de pares em 2011. A resina VA3010A é resultado do trabalho que temos feito em nosso Centro de Tecnologia e Inovação para identificar tendências e encontrar soluções inteligentes para contribuir com os desafios dos nossos clientes”, destaca Edison Terra, diretor de Polietileno da Braskem.

“Estimamos atingir 60% do mercado nacional nos dois primeiros anos de atuação. Esse desenvolvimento é mais um exemplo do comprometimento da Braskem na busca contínua por inovações e por oferecer soluções sustentáveis aos clientes, alinhadas com a visão de tornar líder mundial em química sustentável até 2020”, afirma Terra.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem lança nova resina para o segmento de bobinas técnicas

22/12/2012

Buscando aprimorar seu portfólio de produtos e atender o mercado, a Braskem lança nova resina para atender o segmento de bobinas técnicas. A resina LF1020/21AF é um polietileno de baixa densidade linear desenhado para oferecer um melhor balanço de processabilidade e desempenho, com destaque para sua soldabilidade. Pode ainda ser combinada com resinas octeno ou metalocênicas conforme necessidade da aplicação.

As bobinas técnicas são muito utilizadas em processos de empacotamento automático para uso como embalagem de cereais, açúcar, massas etc. Por se tratar da apresentação e armazenamento do produto, é um dos segmentos mais competitivos e exigentes em termos de qualidade e desempenho.

Por conta de rígidos requisitos, é necessário que os filmes plásticos tenham algumas características específicas como brilho e transparência, para aumentar o destaque do produto na gôndola; resistência mecânica, capaz de manter a integridade do produto envasado durante todo o manuseio e suportar eventuais quedas; e boa produtividade e soldabilidade, compatível com a crescente velocidade das linhas de ensaque ou envase, garantindo competitividade do produto acabado.

“Durante os últimos meses, esta nova resina tem sido testada e utilizada por diversos clientes. Seu desempenho foi aprovado e comprovado no mercado nacional, aumentando o leque de opções de resinas no portfólio Braskem”, declarou José Augusto Viveiro, líder comercial do segmento de bobinas técnicas da Braskem.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Chapa de Policarbonato da SABIC é usada em pára-brisa de veículos florestais de empresa sueca

22/12/2012

SABIC-SUECIAOperadores de equipamento de corte de madeira necessitam de ótima visibilidade e proteção contra fragmentos ou grandes objetos que possam entrar em sua cabine e causar graves acidentes em ambientes florestais. Assim, quando a Rottne Industry AB precisou de um produto com alto desempenho para os para-brisas e janelas de suas ceifadeiras e carregadeiras, pediu ajuda à unidade Innovative Plastics da SABIC. Trabalhando com a SABIC e seu distribuidor, Vink Essåplast Group AB na Suécia, a Rottne Industry AB selecionou o resistente policarbonato (PC) com alta qualidade óptica LEXANTM MARGARDTM para a tarefa. O sucesso desse trabalho em conjunto, ilustra a dedicação da SABIC em atender às crescentes necessidades dos clientes com produtos de excelente desempenho.

“Recebemos um extraordinário retorno dos clientes sobre a avançada qualidade óptica de nossos para-brisas e janelas desde que começamos a usar a chapa de policarbonato LEXAN da SABIC, fabricadas na nova linha de extrusão de chapas LEXAN com qualidade óptica de ponta”, declarou Jan-Åke Björck, gerente de compras, Rottne Industry AB. “Os operadores relatam uma visão perceptivelmente mais clara e apurada da cabine, permitindo que trabalhem com mais eficiência e segurança. Esta tecnologia de classe mundial está nos ajudando a agradar nossos clientes e a nos destacar neste importante setor do mercado.”

A chapa de policarbonato LEXANTM MARGARD MR5E , possui ambos os lados com revestimento de proteção anti-risco e proteção aos raios UV – disponível opcionalmente com impressão ou revestimento que permite formas com configuração 3D – proporcionando propriedades ópticas que são líderes no setor, com excepcional visibilidade e extrema resistência a impactos que elevam a segurança nestes tipos aplicações.

Outra opção nesta linha de produtos é a chapa de LEXANTM MARGARD MR5IR, a qual absorve a radiação próxima à infravermelha (IR), propriedade que auxilia a aprimorar o conforto e a proteção do operador contra condições de calor, além de oferecer excelente proteção UV e resistência à abrasão e à impactos. Ambos os produtos são líderes no setor e estão sendo fornecidos pela nova linha de extrusão de chapas da SABIC localizada nas instalações de fabricação da empresa em Bergen op Zoom, Holanda.

“Nossa chapa de policarbonato LEXAN com qualidade óptica, realmente se destaca em ambientes rigorosos, como o de exploração de madeira, onde o aumento de proteção, conforto e campo de visão dos trabalhadores pode fazer uma diferença crucial”, afirmou Jack Govers, gerente geral do segmento de Specialty Film & Sheet da SABIC. “Investimos em capacidade de produção e tecnologia de última geração e em um rigoroso programa de controle de qualidade, para nos certificarmos de que as chapas LEXAN apresentem excelentes propriedades ópticas e desempenho máximo para o setor. Estamos muito felizes que a Rottne Industry AB escolheu nosso material, o que obviamente os ajudou a alcançar uma maior satisfação do cliente e aumentou sua vantagem competitiva – uma situação de ganho para todos.”

A nova linha de extrusão de chapas LEXAN com avançada qualidade óptica da SABIC em Bergen op Zoom utiliza a tecnologia clean room Classe 1.000 para produzir chapas com a melhor qualidade óptica do setor. A chapa de LEXANTM MARGARD MR5E pode ser usada para laminação e fechamento de cabines de veículos florestais e agrícolas, trens de alta velocidade e vidro-PC à prova de bala para veículos VIPs, militares, policiais e ainda em construções de alta segurança, incluindo prisões e outras instituições correcionais. A nova linha de produção, inaugurada no quarto trimestre de 2011, tem uma ampla capacidade de produção, variando de 2mm a 15 mm de espessura.

Aplicando LEXAN MARGARD MR5E em ambientes florestais

A chapa de LEXAN MARGARD MR5E oferece as melhores propriedades ópticas da linha de produtos PC LEXAN. Ela atende às mais altas exigências em relação a pontos pretos, bolhas, linhas e fibras, e também quanto à defeitos de distorção e ondulação. Comparado ao vidro, o material proporciona uma economia de peso de aproximadamente 50 por cento e é virtualmente inquebrável. Além destas propriedades, é compatível com o regulamento ECE 43R da Comissão Econômica da Europa das Nações Unidas (UN/ECE), relativo à aprovação de materiais de segurança. Graças ao durável revestimento em ambas superficies, a chapa de LEXAN MARGARD MR5E proporciona excelente resistência química e à abrasão, preservando a transparência óptica e atraente aparência e favorecendo a manutenção no longo prazo.

A chapa LEXAN MARGARD moldada em 3D adiciona valor à chapa LEXAN, tornando as peças muito mais fáceis de serem instaladas em cabines e reduzindo o risco de defeitos durante a instalação.

Para seu equipamento florestal, a Rottne Industry AB selecionou a chapa LEXAN MARGARD para todas as janelas, estampado-as com uma tira invisível, que cobre a cola usada para instalar as janelas na moldura de metal.

O para-brisa e as janelas da carregadeira usam a chapa LEXAN MARGARD MR5IR que apresenta absorção da radiação próxima à infravermelha, no intervalo de comprimento de onda entre 780 e 1400 nm. Auxiliando no controle do calor infravermelho que atinge a cabine do operador, este material ajuda a poupar energia e proteger contra a radiação UV prejudicial, sem comprometer a visibilidade. Esta tecnologia reduz o acúmulo de calor na cabine diminuindo os custos de ar-condicionado em dias quentes e ensolarados.

Fonte: SABIC IP

Curta nossa página no

FDA Americana aprova novo sistema de monitoramento de pacientes produzido com copoliéster da Eastman

03/12/2012

ViSi Mobile™ atende a demanda crescente por sistemas sem fio de monitoramento de pacientes

Eastman-Visi-MobileO ViSi Mobile™ System utilizado no aparelho de monitoramento contínuo dos sinais vitais produzido pela Sotera Wireless, Inc. com o copoliéster Tritan™ da Eastman, recebeu a liberação FDA 510(k) que permite sua comercialização para utilização hospitalar. As lentes, a caixa e os conectores do aparelho são feitos com o copoliéster Tritan™, uma resina de última geração, que contém propriedades balanceadas como firmeza e resistência química.

O ViSi Mobile System é pequeno e colocado no pulso de pacientes ambulatoriais, que não estejam nas Unidades de Tratamento Intensivo, para rapidamente detectar alterações no estado de saúde do paciente, e assim prevenir ocorrências indesejadas. Além de medir e mostrar todos os principais sinais vitais do organismo como pulsação, frequência cardíaca, pressão arterial, saturação de oxigênio e temperatura cutânea, também monitora pacientes que sejam transportados e permite a circulação dos pacientes dentro do hospital.

“Sabíamos que um equipamento adequado e capaz de rastrear os sinais vitais de pacientes, sem limitá-los as quatro paredes de seus quartos, teria que prever diversas situações possíveis dentro de um hospital”, disse Gunnar Trommer, vice-presidente de marketing e serviço ao consumidor da Sotera Wireless, Inc. “A interação com os especialistas da Eastman assegurou a utilização de material durável e resistente aos produtos químicos dos desinfetantes e produtos de limpeza apropriados para uso hospitalar, sem trincar e rachar o equipamento”, completou.

O copoliéster Tritan™ da Eastman garante durabilidade e resistência, tanto química como a impacto, ao ViSi Mobile System, já que esse tipo de equipamento é utilizado repetidamente ficando sujeito a queda e avaria, como também é frequentemente limpo com desinfetantes e produtos químicos fortes.

Além dos benefícios ao equipamento em si, o copoliéster Tritan™ da Eastman também oferece possibilidades de design e ganhos no processamento. A moldagem fria do Tritan facilitou o encaixe e o ajuste apertado, nivelado e contínuo entre as partes sem a aplicação de substâncias químicas, adesivas e presilhas.

Os avanços dos aparelhos sem fio para monitoramento de pacientes, como o ViSi Mobile System, atendem as necessidades de cuidados da população idosa, ao mesmo tempo que proporcionam a pacientes uma sensação de liberdade. O mercado desse tipo de equipamento vem crescendo significantemente nos últimos anos, e segundo as previsões, deve continuar a crescer.

“A indústria do setor da saúde sabe da importância de um equipamento sem fio durável e confiável, que aumente a segurança e conforto dos pacientes,” disse Gopal Saraiya, líder do Departamento Internacional de equipamentos médicos da Eastman. “Materiais plásticos modernos, como o copoliéster Tritan da Eastman, são os que mais podem colaborar com as inovações necessárias no segmento de produtos sem fio”, afirma Gopal.

Pra obter mais informações e assistir vídeos sobre o ViSi Mobile™ System, acesse o site www.visimobile.com. O ViSi Mobile System foi autorizado pela Agência Americana de Controle de Alimentos e Medicamentos – FDA – para monitoramento individualizado de eletrocardiograma, batimento cardíaco, pulsação, nível de saturação sanguínea de oxigênio, frequência respiratória, medição de pressão arterial não invasiva e temperatura cutânea. Funções como medição continuada não invasiva da pressão arterial, atividade e conectividade sem fio estão na etapa final de desenvolvimento, e portanto ainda não foram liberadas pelo FDA.

Fonte: Eastman

Curta nossa página no

TenCate e BASF firmam acordo sobre aliança estratégica para compósitos automotivos termoplásticos

26/11/2012
  • Potencial de mercado significativo para termoplásticos reforçados com fibras contínuas
  • Objetivo: disponibilidade rápida de novos materiais para a produção automotiva em massa

A TenCate Advanced Composites e a BASF firmaram uma aliança estratégica para cooperar no desenvolvimento, produção e comercialização de materiais compósitos termoplásticos adequados para a produção de veículos en larga escala.

O principal objetivo da parceria é oferecer aos fabricantes de carros soluções de engenharia personalizadas para estruturas compostas de alto desempenho, que permitem que esta indústria reduza ainda mais peso e emissão de dióxido de carbono. A necessidade crescente da indústria automotiva por materiais compósitos utilizados na produção em massa requer um desenvolvimento rápido de materiais e processos de fabrico.

A TenCate Advanced Composites tem uma posição de liderança no mercado de compósitos termoplásticos reforçados com fibras contínuas com o portfólio de produtos TenCate Cetex®, utilizado principalmente para estruturas e interiores de aeronaves. Atualmente, as novas aeronave, como o Airbus A380, A350 e Boeing 787, são as principais usuárias desse material. A BASF é a empresa química líder com uma extensa rede na indústria automotiva. Ao combinar as capacidades da BASF e da TenCate em soluções automotivas compostas, os desenvolvimentos necessários serão acelerados.

Aliança estratégica

Nesta aliança estratégica, a BASF irá contribuir com o seu vasto know-how na produção e formulação de resinas termoplásticas, de modo a desenvolver variantes especiais das suas linhas de produtos Ultramid® (PA), Ultradur® (PBT) e Ultrason® (PESU). A TenCate Advanced Composites se associa com sua experiência em fabricação de compósitos. Juntas, as duas empresas são dedicadas a materiais compósitos automotivos (UD-tapes, pré-impregnados e laminados) com base nestes sistemas de resinas especiais.

“O próximo grande avanço em construções automotivas leves não será possível sem uma redução dramática dos custos de processamento. Isto pode ser conseguido pela contínua utilização de compósitos termoplásticos reforçados com fibras. O avanço dos compósitos para a produção em massa, no entanto, ainda não foi feita. Ao trabalhar em conjunto com TenCate, pretendemos alcançar em conjunto essa conquista”, explica Melanie Maas-Brunner, sucessora de Willy Hoven-Nievelstein e nova head da unidade de negócios de Plásticos de Engenharia da Europa para BASF na Alemanha.

“Os laminados e pré-impregnados TenCate Cetex® têm sido aplicados em construções de aeronaves comerciais, e são cada vez mais utilizados em processos de produção industrial. Agora, a TenCate pretende expandir suas atividades na indústria automotiva. Esperamos que este esforço conjunto gere novos materiais para a rápida disponibilidade para a produção automotiva em massa”, diz Frank Meurs, diretor do grupo da TenCate Advanced Composites EMEA.

Vantagens de materiais compósitos termoplásticos

Em comparação com as peças de metal, os compósitos plásticos reforçados com fibras podem ser de 30 a 50% mais leves. Os compósitos termoplásticos ajudam os fabricantes a diminuirem o consumo de combustível de automóveis e permitem que a indústria reduza custos. Devido à facilidade de processamento dos termoplásticos, os materiais avançados vão reduzir drasticamente os tempos de ciclo de produção, não têm limitações em seus períodos de vida útil e podem ser reciclados. Assim, a produção em massa se torna acessível. Muita experiência tem sido construída ao longo das últimas décadas em conexão com tecnologias de solda para ligar materiais compósitos em estruturas complexas e integrar estes componentes e peças estruturais em produtos finais de múltiplos materiais. As aplicações possíveis são peças semi-estruturais, bem como estruturas primárias em carrocerias e chassis.

Os laminados termoplásticos com reforço de fibras contínuas são tecidos ou não-tecidos impregnados com resinas e formados em folhas, que são extremamente leves, mas muito fortes. UD-tapes, uma outra classe de produto, fazem pleno uso da natureza anisotrópica de fibras impregnadas orientadas uni-direcionalmente (UD). Em uma segunda etapa, estes produtos semi-acabados podem formar peças mais complexas e serem moldados por meio de injecção. Esta combinação resulta em componentes que são reforçados por um alto grau de integração funcional.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Parceria entre Braskem e DuPont cria nova linha de produtos com polietileno derivado de cana-de-acúcar

18/11/2012

Resinas adesivas e modificadores de polímeros adesivos passarão a utilizar o plástico de origem renovável

A DuPont Packaging & Industrial Polymers (DuPont) anunciou o lançamento de uma nova linha de resinas adesivas e modificadores de polímeros em parceria com a Braskem, maior produtora de resinas das Américas e líder mundial na produção de biopolímeros, ampliando assim suas linhas de resinas DuPontT Bynel® e DuPontT Fusabond®. Os produtos foram desenvolvidos para igualar ou superar o desempenho de seus equivalentes derivados de petróleo, além de complementar a crescente carteira de soluções da DuPont visando maior sustentabilidade. Os produtos são ainda totalmente recicláveis através das atuais redes de reciclagem de polietileno (PE).

Através da parceria, anunciada oficialmente na European Bioplastics Conference, em Berlim, na Alemanha, a DuPont empregará o PE de fonte renovável da Braskem na produção de alternativas substitutivas às resinas adesivas e modificadores de polímeros de origem fóssil. Assim, usuários poderão atingir melhores indicadores ambientais sem alterar os níveis de desempenho ou processabilidade dos produtos.

O polietileno desenvolvido pela Braskem utiliza o etanol renovável produzido a partir da cana-de-açúcar em substituição a materiais com base em petróleo. O polietileno “verde” oferece um impacto ambiental positivo em relação ao polietileno com base em petróleo, já que captura e sequestra CO2 da atmosfera ao longo da sua cadeia produtiva.

“Estes dois materiais possuem inúmeras aplicações em diversas indústrias,” diz Shanna Moore, diretora global de sustentabilidade da DuPont Packaging & Industrial Polymers. “Estamos comprometidos em auxiliar os clientes a atingirem seus objetivos, visando oferecer maior sustentabilidade em seus produtos. Através de nossos esforços dedicados de pesquisa e desenvolvimento e parcerias como essa com a Braskem, podemos atender com sucesso os desejos de nossos clientes de reduzir sua pegada de carbono”, ressalta.

“A Braskem está empenhada em transformar o desenvolvimento das linhas Bynel® e Fusabond® em uma parceria longa e frutífera com a DuPont”, diz Marcelo Nunes, diretor de Químicos Renováveis da Braskem. “Sabemos que a utilização de biopolímeros em produtos voltados para a indústria de filmes e embalagens multicamadas é uma tendência e os negócios crescerão bastante”.

O compromisso da Braskem com o meio ambiente e sua abordagem à produção sustentável atraiu a DuPont, já que ambas as empresas incluem fortes compromissos ambientais em suas missões. A DuPont possui vasto conhecimento em embalagem multicamadas e na formulação de compostos de polímeros. Tal conhecimento, combinado com novos materiais, permitirá maior penetração de polímeros de fontes renováveis em estruturas mais sofisticadas.

As resinas adesivas de coextrusão DuPontT Bynel®, geralmente chamadas de tie layers, ajudam fabricantes de embalagem a melhorarem suas barreiras, vedação de calor e outras funções em estruturas multicamadas como filmes, garrafas, tubos e folhas termoformáveis. A DuPont oferece à indústria de embalagens a maior variedade disponível destas resinas especializadas. Com os novos grades de origem renovável, a empresa pretende ajudar fabricantes de filmes e embalagens multicamadas que passaram a utilizar o polietileno verde da Braskem a aumentar o conteúdo de material renovável em suas estruturas.

As resinas na linha de produtos DuPontT Fusabond® são polímeros modificados que foram desenvolvidos para facilitar a combinação de polímeros diferentes utilizados em compostos endurecidos, preenchidos ou misturados. Assim como a família de produtos Bynel®, a DuPont oferece uma ampla variedade de produtos para melhor se adaptar às demandas de aplicações específicas. Entre as possíveis aplicações de grades de origem renovável da linha Fusabond® estão o seu uso em compostos de madeira/plástico, compostos de amido/PE e compostos de fibra de vidro/PE, nos quais a utilização de um modificador de base renovável aumenta significativamente a porcentagem de material renovável na estrutura.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Maceió sedia Fórum Regional da Indústria do Plástico

18/11/2012

Presidente da Abiplast – José Ricardo Roriz Coelho

Aconteceu nos dias 8 e 9 de novembro, na capital alagoana o 1º Fórum Regional da Indústria do Plástico . Realizado com o objetivo de dar visibilidade ao setor, possibilitar a troca de conhecimento para os envolvidos na Cadeia Produtiva da Química e do Plástico e mostrar as tendências para o setor. Participaram da abertura do evento, o presidente da FIEA, José Carlos Lyra de Andrade, o Secretário do Planejamento e Desenvolvimento Econômico, Luís Otávio Gomes, o deputado federal e Presidente da Frente Parlamentar pela Defesa da competitividade da Indústria Petroquímica, da Química e do Plástico , Vanderlei Siraque, o presidente da Abiplast, José Ricardo Roriz, o Diretor-superintendente do SEBRAE Alagoas, Marcos Vieira e os representantes da Braskem, Augusto Del Rey, Milton Pradines e Jorge Bastos. O evento contou com um público de cerca de 200 participantes, entre eles empresários, pesquisadores e estudantes.

No primeiro dia de evento, a programação contou com palestras diversas. Dentre elas, “Uma década de Tecnologia e Inovação”, ministrada por Fábio Sofri do CTI (Centro de Tecnologia e Inovação) da Braskem. Outros destaques foram as palestras: “A competitividade da indústria brasileira de transformadores de plásticos”, ministrada pelo presidente da Abiplast, José Ricardo Roriz, e “O impacto da Política Nacional de Resíduos Sólidos na Cadeia Produtiva da Química e do Plástico “, ministrada pela Analista Técnica da Abiplast, Simone Fraga. Na sexta-feira, 9, foram realizadas visitas técnicas para que o público conhecesse de perto as instalações da Nova PVC AL e o Núcleo de Tecnologia do Plástico .

O Fórum é uma demonstração do trabalho realizado pela cadeia produtiva da Química e do Plástico em Alagoas, hoje constituída por mais de 60 empresas da primeira, segunda e terceira geração.

A realização do evento foi uma parceria entre o SEBRAE em Alagoas, a Secretaria de Estado do Planejamento e do Desenvolvimento Econômico (SEPLANDE), o Sindicato das Indústrias de Plástico e Tinta do Estado de Alagoas (SINPLAST), a Federação das Indústrias do Estado de Alagoas (Fiea), o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e a Braskem.

Fonte: Abiplast

Curta nossa página no

Feira Internacional do Plástico deve atrair 70 mil visitantes em maio de 2013, em São Paulo

18/11/2012

A Feira, com novo nome, recebe investimentos maciços em divulgação nacional e internacional e cresce em área de exposição e número de expositores para o ano que vem.

Com foco na divulgação internacional e no fortalecimento do setor plástico da indústria brasileira, a Reed Exhibitions Alcantara Machado promove de 20 a 24 de maio de 2013 a FEIPLASTIC – Feira Internacional do Plástico. Para reforçar a visibilidade do evento, a organização criou uma plataforma de Marketing que receberá investimentos na casa dos R$ 5 milhões e já vêm divulgando a sua realização em 2013 para os 35 países onde possui escritórios. Dentro do novo conceito idealizado para adequá-la às demandas globais, a FEIPLASTIC será maior em área física: o espaço de exposição dentro do Pavilhão de Exposições do Anhembi cresceu dos 78 mil m² de 2011 para 85 mil m². A expectativa é receber 70 mil pessoas visitantes/compradores, que poderão conferir de perto as novidades de cerca de 1.400 marcas expositoras.

A proposta de reformulação criou ainda três pilares estratégicos para o evento, segmentando expositores e atividades paralelas nas categorias Negócios, Sustentabilidade e Tecnologia. Neles se incluem empresas de Produtos Básicos e Matérias-Primas; Máquinas, Equipamentos e Acessórios; Moldes e Ferramentas; Transformadores de Plástico; Resinas Sintéticas; Instrumentação, Controle e Automação; Serviços e Projetos Técnicos. Também ganham espaço no evento o empreendedorismo, a sustentabilidade e e-business, plataformas que chegam como um forte incremento na geração de negócio. A tradição agora renovada, de mais de duas décadas da feira, é confirmada pelo apoio das principais entidades do setor como a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), a Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), a Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim) e o Sindicato da Indústria de Resinas Plásticas (Siresp).

A indústria do plástico é o terceiro maior empregador industrial do Brasil. Só no estado de São Paulo, ocupa a segunda colocação em número de empregos gerados – até o final de 2011, sendo essa indústria responsável pelo emprego de cerca de 190 mil pessoas no estado. Nacionalmente, mantém cerca de 380 mil empregos diretos e, indiretamente, cria emprego para 600 mil pessoas. Com a discussão da sustentabilidade, reciclagem e renovação cada vez mais em pauta, a FEIPLASTIC 2013 com certeza promoverá ainda mais a economia e tecnologias do setor, reunindo marcas importantes, profissionais de diversas áreas e partes do mundo e público comprador qualificado. Novidades e tendências em produtos, serviços e equipamentos em um só lugar.

Fonte: Reed Alcântara Machado

Curta nossa página no

Pneus de alta performance reduzem consumo de combustível e emissão de CO2

18/11/2012
  • UE lançou rotulagem de pneus em 1º de novembro de 2012
  • Novo estudo comprova que pneus de alta performance são “investimento verde” para motoristas
  • Motoristas podem reduzir custos de combustível e as emissões de CO2 significativamente com os pneus de alta qualidade

Os pneus de alta performance – também chamados “pneus verdes” – são um dos métodos mais eficientes para os motoristas reduzirem o custo do uso de automóveis e proteger o meio ambiente, segundo estudo recente da Universidade Técnica de Munique, encomendado pela LANXESS,  um destacado fabricante mundial de borracha sintética.

Segundo o estudo, o “retorno verde” nestes pneus com baixa resistência à rolagem e de alta qualidade é excelente. O investimento dos motoristas se paga muito mais rápido do que os sistemas de parada e partida automáticos e unidades híbridas, por exemplo. Isso se deve graças ao seu baixo consumo de combustível e seus baixos custos adicionais. Ao mudar para pneus verdes, os motoristas também conseguem reduções maiores de CO2 por cada euro adicional investido do que em outros “investimentos verdes”.

O estudo foi motivado pela rotulagem obrigatória de pneus novos, que passou a vigorar na União Européia desde 1º de novembro de 2012. A rotulagem classificará todos os pneus novos saindo da linha de produção em três categorias: de resistência à rolagem (consumo), aderência ao piso molhado (segurança), em uma escala de A (melhor) a G (pior) e, também, o volume de ruído emitido. Os pneus verdes obtêm as melhores avaliações na certificação, que os consumidores já conhecem em uma forma similar em refrigeradores e máquinas de lavar.

“O estudo da Universidade Técnica de Munique confirma que os pneus verdes oferecem inúmeros benefícios para um pequeno encargo financeiro”, diz Werner Breuers, membro do Conselho de Administração da LANXESS AG. “A partir de agora, os consumidores podem usar o novo rótulo para identificar no momento da compra se estão comprando pneus de alta performance. Nossas borrachas inovadoras desempenham um papel fundamental, possibilitando que estes pneus tenham baixa resistência à rolagem e economizem combustível”.

Pneus verdes se pagam  mais rápido

Um exemplo simples da Universidade Técnica de Munique mostra o quanto a resistência à rolagem otimizada reduz os custos de combustível de um veículo. Um carro que consome seis litros de combustível por 100 km e cobre uma distância de 12.500 km por ano, com um preço de combustível a €1,40 por litro pode poupar até € 100 por ano, graças aos pneus verdes.

Os sistemas de parada e partida automáticos reduzem o consumo quase no mesmo nível – cerca de 6%, mas a compra e instalação desta tecnologia é muito mais cara do que a troca por pneus verdes. Os custos adicionais para os pneus de qualidade também são recuperados mais rapidamente – pneus verdes pagam a si próprios, depois de apenas 20 mil km, em média, enquanto os sistemas de parada e partida automáticos não chegam a este ponto antes dos 60 mil km. Os pneus também têm um bom desempenho em termos de retorno verde – com economia de 4,7 kg de CO2 por cada euro investido, o valor da eficiência é 50% maior do que para os sistemas de parada e partida automáticos e até 150% maior do que para as unidades híbridas.

Aplicativo da LANXESS mostra o potencial de poupança individual

A calculadora de economia de combustível da LANXESS mostra quanto dinheiro todos os motoristas podem economizar e que reduções de emissões de CO2 eles podem alcançar, graças aos pneus verdes. Apenas alguns detalhes são necessários para executar o cálculo – a quilometragem anual, o consumo do carro e, claro, o preço do combustível. O programa foi desenvolvido em conjunto com a Universidade Técnica de Munique. A TÜV Rheinland testou e certificou a calculadora. Cerca de 60 mil usuários já acessaram o programa ou fizeram o seu download diretamente. O software está disponível desde setembro como um aplicativo gratuito na App Store e como uma versão móvel e para a web em http://www.app.green-mobility.com.

Fonte: LANXESS

Curta nossa página no

Scandiflex busca ampliar produção de polióis para fabricação de Poliuretanos Termoplásticos

18/11/2012

A empresa apresentou suas novidades durante a Feipur que aconteceu em São Paulo de 6 a 8 de Novembro

A Scandiflex, Subsidiária da Eastman do Brasil, vem atuando na inovação e ampliação da sua área de produção de polióis utilizados na fabricação de poliuretanos termoplásticos (TPUs). O TPU é um poliuretano que garante versatilidade no desenvolvimento de várias soluções para a indústria, como produtos pneumáticos, solas de sapato, tubos petrolíferos, buchas, roletes, material dentário, entre outros. O TPU da Scandiflex é comercializado pelo nome de Thermollan™, poliuretano termoplástico.

“A Eastman acredita no potencial do TPU como negócio, portanto, vem investindo e ampliando a capacidade produtiva da empresa, introduzindo tecnologias mais eficientes e sustentáveis, reorganizando e adequando os processos”, afirma o Diretor geral da Eastman e da Scandiflex, Pedro Fortes. “A partir de agora, a Scandiflex passa a seguir os rígidos critérios e padrões de qualidade praticados pela Eastman”, completa.

A Scandiflex busca trabalhar junto a seus clientes, identificando necessidades e problemas, e propondo novas soluções, sejam elas, novos produtos ou solicitações individuais e personalizadas. O diferencial da empresa é a flexibilidade na execução de todo processo de produção da resina base.

No laboratório de desenvolvimento localizado em sua sede, em Mauá/SP, são realizados diversos testes de verificação de desempenho do produto. “Os produtos desenvolvidos aqui possuem alta tecnologia e qualidade, com preço competitivo frente ao mercado nacional e internacional”, afirma Luis André Mazurok, Gerente Desenvolvimentos de Novos Produtos da Scandiflex.

Tanto a Eastman quanto a Scandiflex estão comprometidas em atingir  altos padrões de desempenho de saúde, segurança, ambiental e de proteção. “Temos consciência da importância da segurança operacional, gerenciamento de produto e responsabilidade social da Scandiflex. Por isso, participamos desde 1992, do programa Atuação Responsável, instituído e coordenado pela ABIQUIM, Associação Brasileira das Indústrias Químicas, completa Mazurok.

Sobre a Eastman Chemical Company

Uma empresa global com sede em Kingsport, Tennessee, Estados Unidos, a Eastman alcançou vendas de US$ 7,2 bilhões de dólares em 2011, possuindo aproximadamente 10 mil colaboaradores em todo o mundo.

Sobre a Scandiflex

A Scandiflex conta com uma diversificada linha de mais de 40 tipos de plastificantes poliméricos e monoméricos, incluindo ftalatos, adipatos, citratos, maleatos, sebacatos, azelatos e trimelitatos, destinados a diversas indústrias como, tintas, vernizes, filmes, calandrados, adesivos, fios e cabos, brinquedos, embalagens, plásticos, borrachas, têxtil, plastissóis, produtos hospitalares, veterinários e defensivos agrícolas. A empresa possui ampla gama de polióis-poliésteres e sistemas de poliuretano. A Scandiflex foi adquirida pela Eastman Chemical Holdings do Brasil Ltda em Setembro de 2011.

Fonte: The Group Comunicação / Eastman

Curta nossa página no

Mitsubishi seleciona blenda de Poliamida/PPE da SABIC para fabricação de paralamas do Outlander Sport 2013

18/11/2012

A Mitsubishi Motors Corporation seleciona a resina NORYL GTX™ da SABIC para o Outlander Sport 2013, com os primeiros paralamas moldados por injeção em sistemas de duas cavidades da indústria

A unidade de negócios Innovative Plastics da SABIC anunciou  que a Mitsubishi Motors Corporation (MMC) escolheu a resina NORYL GTX™ 989 da SABIC para os paralamas dianteiros do seu crossover Outlander Sport 2013. Os paralamas do veículo são os primeiros a serem produzidos usando a moldagem por injeção em sistemas de duas cavidades com a resina NORYL GTX e permitiram que a MMC reduzisse o tempo de ciclo pela metade e os custos com ferramental. Outros benefícios importantes do material SABIC incluem redução de peso versus aço, promovendo ganhos de economia de combustível, sustentabilidade e flexibilidade para projetar os primeiros paralamas norte-americanos integrados com suportes de absorção de impactos para pedestre. A adoção da resina NORYL GTX 989 pela MMC para produzir em massa os paralamas demonstra o valor crescente da resina NORYL™ e da tecnologia da resina NORYL GTX para a indústria automotiva, bem como sua importância para os clientes como solução as diversas necessidades na área de fabricação e de sustentabilidade.

“Nossa estreita relação e a contínua colaboração com a SABIC foram fatores decisivos para a criação de um paralama dianteiro de alto nível para o Outlander Sport”, disse Masaki Tsugeno, vice-presidente executivo de aquisições e suprimentos da Mitsubishi Motors North America. “Estamos ansiosos para trabalhar com a SABIC no ciclo de vida de nosso veículo para garantir que o Outlander Sport continuará excedendo às expectativas de nossos clientes e para proporcionar-lhes satisfação em todos os sentidos”.

“A Mitsubishi Motors é o primeiro OEM automotivo a utilizar o novo grade da resina NORYL GTX que responde de forma progressiva a busca por novas estratégias que aumentem o desempenho e os benefícios de custo dos paralamas termoplásticos”, disse V. Umamaheswaran (UV), diretor de marketing de automotivo da Innovative Plastics. Ao combinar os aprimoramentos de desempenho da resina NORYL GTX 989 com a eficiência e a velocidade da moldagem em sistema de duas cavidades, a Mitsubishi Motors deu um grande passo em termos de inovação nos paralamas automotivos”.

Redução do tempo de ciclo e aumento do desempenho

Ao adotar a moldagem por injeção em sistemas de duas cavidades para a fabricação do paralama dianteiro do Sport Outlander, que permite que ambos componentes dos paralamas esquerdo e direito sejam produzidos de uma só vez, a MMC foi capaz de reduzir consideravelmente o tempo de ciclo. Além disso, esta abordagem reduz significativamente os custos de investimento em ferramental uma vez que apenas um molde foi necessário ao lugar de dois moldes diferentes para a produção das peças.

Nesta aplicação, o primeiro painel de carroçaria de automóvel utilizando a NORYL GTX 989 resina alavancou o aprimoramento do desempenho mecânico do material, que é uma mistura de poliamida (PA) com o poliéter de fenileno (PPE) modificado. Em comparação com o grade anterior, a resina NORYL GTX 989 proporciona aprimoramento na tolerância ao calor, o que a torna uma boa opção para utilização em processos de pintura em linha que exigem maior resistência térmica das peças. Os materiais da série NORYL GTX avançados também promovem a redução do coeficiente de dilatação térmica linear (coefficient of linear thermal expansion – CLTE) em 10 por cento quando comparado aos grades anteriores, dando maior estabilidade dimensional que permite aos projetistas automotivos maior liberdade para criar painéis de carroceria maiores e de alta precisão.

A MMC aproveitou totalmente a vantagem desta liberdade de projeto para integrar os suportes de absorção de energia no paralama e assim aumentar o nível de proteção aos pedestres. Os estudos de validação indicaram um valor de critério para lesão na cabeça (head injury criterion) 25 por cento menor para o paralama feito com a resina NORYL GTX quando comparado ao de um para-lama de aço.

O uso da resina NORYL GTX ao lugar do aço no paralama do Outlander Sport reduziu o peso do veículo em 3 kg. Esta redução de peso é particularmente importante tendo em vista as regras de economia de combustível dos EUA anunciadas recentemente, dobram as exigências de milhagem para frotas dos fabricantes.

De acordo com o cartão de pontuação de produtos sustentáveis da SABIC, verificado pela GreenOrder, empresa líder de consultoria em sustentabilidade, o uso da resina NORYL GTX 989 versus o aço em painéis de carroceria pode resultar em 45 por cento de redução no consumo de energia e em 47 por cento de redução na emissão de dióxido de carbono (CO2) para cada paralama em cada ciclo de vida do veículo.

A nova resina NORYL GTX 989 está disponível globalmente.

Fonte: SABIC-IP

Curta nossa página no

Feira FEIPLAR COMPOSITES & FEIPUR 2012 recebe a presença de cerca de 14.500 profissionais de toda a América Latina

10/11/2012

Em sua sétima edição, evento registra recorde de público na feira e nas palestras técnicas

De 6 a 8 de novembro, foi realizada a sétima edição da FEIPLAR COMPOSITES & FEIPUR – Feira e Congresso Internacionais de Composites, Poliuretano e Plásticos de Engenharia, no Pavilhão Verde do Expo Center Norte, em São Paulo, SP, que contou com a participação de mais de 280 empresas expositoras de 26 países e mais de 14.500 visitantes de toda a América Latina. As empresas expositoras apresentaram as mais avançadas soluções (matérias-primas, produtos auxiliares, processos e equipamentos) para a fabricação de peças em composites, poliuretano e plásticos de engenharia.

43% dos expositores vieram de outros países como China (31), Itália (19), EUA (17), Alemanha (8), América Latina (18, com grande destaque para Argentina), outros países europeus (24 com destaque para França e Inglaterra) e outros países da Ásia e Oceania (8).

Além de tecnologias para manufatura, tiveram destaques as empresas que expuseram seus produtos acabados em composites e/ou poliuretano como a MVC Plásticos, J.Procópio. Fastplas Automotive e Carbox, além as empresas presentes na II Exposição de Peças Técnicas como a Amecon, Blitz, O-tek, Travi, Holos, M.Molde, Carbogel, Tenaz, UFRJ, DemitryArt, Almar, Novapol, Ourofino, Ecoart, entre outras 53 empresas presentes nas três versões do Prêmio Excelência (composites, poliuretano e plásticos de engenharia) e várias outras presentes em estandes de fornecedores como a Tecnofibras, Stratus e ASW Brasil.

Importante destaque foi a Compocity, uma área que simulou uma cidade de composites, com a apresentação de diversos elementos presentes no dia a dia como escola, caixa eletrônico, lojas móveis, barcos, ônibus, caminhões, entre vários outros itens. A Compocity foi idealizada pela Almaco – Ass. Latino-Americana de Materiais Compósitos.

Algumas empresas também demonstraram os benefícios de seus produtos e processos, ao vivo, aplicando poliuretano para isolamento térmico (Amino), mostrando as etapas de montagem de uma peça pelo processo de infusão (Reichhold), injetando um pára-choque de caminhão pelo processo de RTM-light (Transtécnica), demonstrando a aplicação prática do processo filament winding (Reichhold), apresentando os processos de RTM light e infusão (Almaco), detalhando o processo RTM light (Reichhold), e fabricando travesseiros visco-elásticos moldados (M. Cassab). Foram realizadas 10 apresentações, com um público total de mais de 580 participantes.

Outro destaque do evento foram as 111 palestras técnicas, que abordaram o uso dos composites, poliuretano e plásticos de engenharia em diversos segmentos industriais como espumas flexíveis (moveleiro e aplicações industriais), automotivo, construção civil, ambientes agressivos, energia eólica, isolamento térmico, aeroespacial, náutico, norma para o setor petroquímico, sustentabilidade (reciclagem e matérias-primas com fontes renováveis), e mineração. Vários temas também focaram, especificamente, à fabricação de peças em composites, poliuretano ou plásticos de engenharia, e melhor gerenciamento e inovação das empresas do setor de composites. Nesta edição da FEIPLAR COMPOSITES & FEIPUR 2012, foi realizada a primeira conferência Sampe na América Latina. A Sampe – Sociedade para o Avanço de Materiais e Engenharia de Processos tem o objetivo de apresentar inovações em materiais avançados para a indústria brasileira. No geral, as palestras deste ano tiveram um aumento de público de 33% se comparado com a edição de 2010.

Outras informações sobre o evento ou as empresas patrocinadoras (Reichhold, Texiglass, Huntsman, Transtécnica, Elekeiroz, M.Cassab, Jushi, Owens Corning, Masterpol, CPIC, Bayer, Milliken, Ashland, UBE, Amino e Brandeirante Brazmo).

Fonte: Feiplar & Feipur

Curta nossa página no

Brasil reciclou cerca de 22% dos plásticos pós-consumo em 2011

09/11/2012

Pesquisa da Maxiquim, consultoria especializada no segmento de petroquímica/plásticos, aponta que em 2011 foram reciclados 21,7% dos plásticos pós-consumo no Brasil.  Ou seja, 736 mil toneladas de plástico que se destinariam ao lixo foram transformadas em novos produtos. Em 2010 a marca foi de 19,4%. A pesquisa é anualmente encomendada pela Plastivida Instituto Sócio Ambiental dos Plásticos e desenvolvida de acordo com metodologia do IBGE.

A pesquisa aponta que no ano, o Brasil registrou 815 recicladoras de plásticos, 52,4% delas no Sudeste, 34,2% no Sul, 8,8% no Nordeste, 3,9% no Centro-oeste e 0,6% no Norte do país. Essas empresas faturaram juntas, em 2011, R$ 2,4 bilhões, frente aos R$ 1,95 bilhão faturados em 2010, ou seja, um crescimento de 23%. Essas empresas geraram 22,7 mil empregos diretos.

O estudo mostra também que a região Sudeste foi a que mais reciclou material plástico em 2011 (55,5%), seguida das regiões Sul (27,7%), Nordeste (9,9%), Centro-Oeste (5,4%) e Norte (1,5%).

Os segmentos que mais consumiram plásticos reciclados no ano passado foram Utilidades Domésticas, Agropecuária, Industrial, Têxtil, Construção Civil, Descartáveis, Infraestrutura, Limpeza Doméstica, Eletroeletrônicos, Indústria Automobilística, Móveis e Calçados.

O nível operacional médio da indústria brasileira de reciclagem de plásticos em 2011 foi de 63% da capacidade instalada, que é de 1,7 milhão de toneladas. A pesquisa mostra que esse fator é um reflexo da falta de sistemas de coleta seletiva no Brasil, já que dos 5.565 municípios brasileiros, apenas 443 (8%) contam com algum tipo de coleta seletiva e que não necessariamente atendem à demanda necessária para o incremento da reciclagem de materiais como um todo.

Outros fatores que ainda limitam um aumento expressivo na atividade foram: aumento do preço do material reciclado e consequente queda na competitividade em relação à resina virgem, altos custos de utilidades, como energia elétrica, que impedem o crescimento das recicladoras, a baixa qualidade do material que é coletado, a informalidade das empresas, entre outros.

O presidente da Plastivida, Miguel Bahiense, acredita que a educação – a disseminação dos conceitos de consumo responsável, reutilização dos produtos e destinação adequada dos resíduos, entre eles os plásticos – é o canal mais eficaz para que toda a sociedade – população, indústria, poder público – compreenda seu papel em prol da sustentabilidade. “É por meio da educação e do empenho de todos – poder público indústria (produtos e serviços) e população – que vamos conseguir aproveitar melhor os recursos, gerar economia e garantir a preservação ambiental”, afirma Bahiense.

Curta nossa página no

Tecnologia de impressão em 3D é usada para produção de peças aeronáuticas com resina de Polieterimida da SABIC-IP

16/10/2012

A SABIC-IP anunciou que a sua resina de polieterimida ULTEM 9085 está ajudando a resolver um dos maiores desafios para a indústria aeronáutica – a capacidade de produzir  pequenos volumes de peças de forma rápida e econômica. Juntamente com a tecnologia Fused Deposition Modeling (FDM ®) da empresa Stratasys, Inc., a resina de polieterimida da SABIC-IP está permitindo que um cliente da Stratasys – a Taylor-Deal Aviation LLC (TDA) – com sede em Dallas, Texas – crie peças especiais para manuseio de fluidos e ar apenas algumas horas – em vez de semanas – ao mesmo tempo em que atende às normas mais recentes da indústria aeronáutica para chama, fumaça e toxicidade.

Os principais benefícios do uso exclusivo da nova resina ULTEM 9085 com a tecnologia FDM incluem uma avançada flexibilidade de design, economicidade de produção a baixos volumes, tempos de ciclo acelerados e conformidade com os regulamentos para chama-fumaça-toxicidade da Federal Aviation Administration (FAA).

“A Taylor-Deal Aviation está sendo pioneira em novas tecnologias que dão aos clientes aeroespaciais economias de custo, tempo e peso”, disse Brian M. Taylor, presidente da Taylor Deal-Aviation. “Com a resina de polieterimida ULTEM de alto desempenho da SABIC e a avançada tecnologia FDM da Stratasys, estamos criando novos e estimulantes desenhos que permitem a produção rentável de pequenas quantidades de peças especiais. Esta nova solução está nos ajudando a fornecer aos clientes, de maneira rápida, componentes de qualidade superior que  oferecem adequação aos regulamentos da FAA, além de baixo peso para uma melhor eficiência no uso de combustível. Ao mesmo tempo, coloca-nos no caminho para crescermos em novos mercados globais. “

“Nosso equipamento de FDM é ideal para a rápida produção de peças com geometrias complexas que não poderiam ser feitas tão facilmente ou de forma rentável utilizando processos tradicionais de fabricação”, disse Ryan Sybrant, gerente de desenvolvimento de negócios da Stratasys. “O sucesso com a tecnologia FDM também depende do uso do material certo. A combinação da tecnologia FDM com a resina ULTEM da SABIC dá a clientes como a Taylor-Deal Aviation uma solução completa. É um tipo de projeto e método de fabricação alternativo que pode criar peças acabadas para aplicações exigentes da indústria de aviação. “

A tecnologia de processo FDM patenteada pela Stratasys e o processo de manufatura aditiva criam peças tridimensionais diretamente de arquivos de CAD no computador, camada por camada, para uso na verificação de design, prototipagem, desenvolvimento e fabricação.

A tecnologia FDM resolve dois principais desafios para a TDA:

  • Em projetos e modificações personalizadas de aeronaves, existem limitações geométricas que tornam os métodos de produção tradicionais ineficazes.
  • As ferramentas para peças de fibra de vidro e os custos de usinagem de peças metálicas fazem com que a produção de pequenas quantidades de peças, muito comum na indústria aeroespacial, se torne muito cara.

A resina de polieterimida da SABIC aumenta a atratividade da tecnologia FDM

Segundo a SABIC,  a resina ULTEM 9085 cumpre os pré-requisitos das normais da FAA, quando comparada  com materiais concorrentes, tais como o PEEK.  A resina de PEI também apresenta retardância inerente  à chama, sem aditivos. A resina de ULTEM da SABIC também fornece uma elevada relação resistência-peso, excelente resistência térmica elevada, alta resistência e rigidez e uma resistência química abrangente.

David Wildgoose, gerente geral de resinas de engenharia da SABIC IP, observA: “As excepcionais propriedades físicas da resina Ultem de alto desempenho aumentam o valor da tecnologia de FDM para produzir rapidamente componentes manufaturados diferenciados. Como resultado, a TDA não só ganhou eficiência do processo de FDM, mas também é capaz de fornecer componentes personalizados que satisfazem os mais exigentes requisitos de segurança em aeronaves. O uso da tecnologia FDM com resina Ultem apresenta grandes oportunidades para uma ampla gama de aplicações onde não havia anteriormente soluções rentáveis. “

A tecnologia FDM usando a resina ULTEM 9085 pode ser aplicada a outras indústrias, tais como a indústria ferroviária e outros setores de transporte, onde é vital reduzir os custos de produção, eliminar peso para reduzir o consumo de combustível, melhorar a liberdade de design e atender aos padrões de segurança em relação a chama-fumaça-toxicidade. As aplicações incluem peças e dutos para manusear ar ou líquidos em espaços ocultos ou outras peças que necessitam de geometrias complexas. Outros setores que podem se beneficiam da tecnologia Stratasys incluem os segmentos automotivo, médico, de produtos de consumo e militar.

Fonte:  SABIC-IP

Curta nossa página no

Empresa americana aumenta capacidade de produção de bioplásticos a partir de gases-estufa

16/10/2012

A empresa americana Newlight Technologies anunciou no último dia 11 a adição de 100 mil libras por ano (aproximadamente 45 ton/ano) em capacidade de produção à sua linha de produção  que converte gases atmosféricos e gases-estufa em plásticos de alta performance. Segundo a Newlight, seus produtos são competitivos em preço com relação a polímeros derivados do petróleo.

A linha ampliada da empresa está totalmente operacional e incorpora uma série de tecnologias protegidas por patentes e com patentes pendentes. Os plásticos feitos a partir da linha estão sendo vendidos a clientes que possuem aplicações que variam desde peças de mobiliário e recipientes de armazenamento até aplicações de filme.

Fundada em 2003 por profissionais oriundos da Universidade de Princeton e da Universidade Northwestern, a Newlight vem desenvolvendo, patenteando e comercializando uma tecnologia inovadora que extrai moléculas de carbono e oxigênio do ar contendo gases-estufa e converte essas moléculas em plásticos. A tecnologia da Newlight pode ser operacionalizada através de um ampla variedade de fontes de carbono, incluindo gases-estufa derivados de sistemas de tratamento de efluentes, aterros e instalações de energia. Os plásticos obtidos não utilizam derivados de petróleo ou de matéria prima alimentar e tem preços competitivos em relação aos plásticos convencionais.

“A adição desta capacidade de produção é resultado de um foco singular: fabricar resinas plásticas a partir do ar e de gases-estufa que igualem ou ultrapassem o desempenho de resinas derivadas de petróleo e ao mesmo tempo tenham um preço mais competitivo do que aquelas”, afirmou o CEO da Newlight, Mark Herrema. “Esta linha é um marco importante para a Newlight, porque atinge esses objetivos e fornece uma plataforma poderosa em nosso caminho para produção em larga escala”.

A Newlight afirma ter a capacidade de produzir resinas baseadas em PHA (polihidróxi-alcanoatos) com desempenho que pode suplantar grades de polipropileno, polietileno, ABS e TPU.

A tecnologia fundamenta-se em uma alta eficiência biocatalisador/polímero, na redução de custos de processamento e na funcionalização do polímero para produzir materiais baseados em PHA com desempenho competitivo em relação a plásticos derivados do petróleo.

Se for aprovada comercialmente, a tecnologia pode se tornar uma rota altamente sustentável em relação aos plásticos hoje obtidos de fontes convencionais. A Newlight diz que planeja adicionar vários milhões de libras de nova capacidade de produção a médio prazo.

Fonte:  Newlight

Curta nossa página no

Cromex e Resinet anunciam fusão

15/10/2012

A Cromex, fabricante de masterbatches, e a Resinet, distribuidora de resinas plásticas, anunciaram sua fusão no último dia 11,  informando que a nova operação conjunta tem como objetivo somar competências e fortalecer ações junto a parceiros, clientes, colaboradores e fornecedores.

Com mais de 30 anos, a Cromex é a líder brasileira no mercado de masterbatches (cores e aditivos usados nos plásticos). Os produtos da Cromex atendem 18 segmentos diferentes de transformados plásticos, como brinquedos, embalagens e tampas para diversos segmentos (alimentos, bebidas, cosméticos, higiene pessoal, limpeza), segmento esportivo (assentos para estádios, entre outros produtos), construção civil, setor automotivo e de agrobusiness.

Há 12 anos no mercado, a Resinet está entre as maiores distribuidoras brasileiras de resinas termoplásticas. A empresa atua em todo o território nacional e também comercializa produtos das maiores indústrias químicas e petroquímicas do mundo.

Segundo as empresas, a operação conjunta deverá ser iniciada em janeiro de 2013,  agregando valor aos produtos e soluções para os mercados nacional  e  internacional.

Curta nossa página no

BASF apresenta novidades na feira Fakuma na Alemanha

15/10/2012
  • Termoplásticos em aeronaves e em teto solar
  • Reforço de fibra de vidro para ferramentas de jardim
  • Componentes compostos para automóveis: na produção e no laboratório
  • Completamente novo: PBT em injeção de embalagens de alimentos
  • Poliuretanos e masterbatches

Plásticos de engenharia, masterbatches e poliuretanos são novamente os principais tópicos deste ano da exposição da BASF na Fakuma, a exposição internacional para processamento de plásticos em Friedrichshafen. De 16 a 20 de outubro, a empresa estará mostrando seus novos produtos para a indústria de processamento de plásticos.

Especialidades termoplásticas em toda parte: nas aeronaves, energia fotovoltaica, produtos de lazer e jardinagem

  • O mais leve trem de pouso de avião

É dispensável dizer que a redução de peso também é importante fora da indústria automotiva. O termoplástico de alta temperatura Ultrason® E tem agora uma nova aplicação no setor de serviços para aeronaves. Ele está sendo usado no mais leve trem de pouso de avião do mundo, que pesa apenas 10 kg. A espuma de Ultrasom E dentro das paredes do trem de pouso pesa apenas 40 kg/m³. Características adicionais incluem a sua força de alta temperatura, estabilidade, propriedades isolantes, retardante de chama inerente e absorção de umidade baixa.

  • Fotovoltaica – para telhados e espaços abertos

Poliamidas da BASF são fortemente encontradas em novas aplicações na energia fotovoltaica sob a forma de suportes de montagem e acessórios para instalação em telhados e em espaços abertos. O AIXTRALIGHT CLIP da Aixtra Solar é um suporte de montagem de plástico que é pré-instalado no telhado. As grades de montagem nas quais o módulo fotovoltaico é posteriormente instalado podem ser inseridas fácil e rapidamente a este suporte. O grade extremamente rígido da poliamida Ultramid® A3WG10 que é usada para produzir o suporte é um dos plásticos de engenharia da BASF para o qual um tempo de vida útil de 20 anos pode ser verificado conforme a norma ISO 4892-2 Ciclo 1. Outro tema a ser abordado é a utilização de plásticos para as montagens em espaços abertos: na Fakuma, a BASF também apresentará componentes de suporte feitos de plásticos de engenharia para os painéis fotovoltaicos instalados em campos abertos. O conceito será ilustrado sob a forma de um protótipo produzido em colaboração com Joma-Polytec.

  • Ferramentas de jardim com reforço de fibra de vidro

A estrutura de Ultramid® tem sido usada como um material estrutural não apenas nos primeiros protótipos de um aro de roda totalmente termoplástico: o novo sistema de ferramenta de jardim plug-in da empresa Freund Victoria Gartengeräte também está se beneficiando dela. Ela emprega uma peça de ligação feita a partir desta poliamida reforçada com fibras de vidro de alta resistência – especialidade da BASF.

Automotivo: especialidades termoplásticas e compostos

  • Primeira aplicação de alto volume de Ultramid Endure resistente ao calor

O Ultramid® Endure de alta estabilidade térmica, que é adequado para uso em motores equipados com turbo, é interessante para a indústria automotiva. A primeira aplicação de alto volume deste plástico de engenharia estará em exposição no estande da BASF: esta especialidade de poliamida agora está sendo usada para a produção em massa de uma aplicação de admissão de ar em uma grande família de motores. Nesta aplicação, a resistência ao envelhecimento por temperatura do Ultramid Endure é um benefício importante: o material tem uma temperatura de serviço contínua de 220° C e pode resistir a picos de temperaturas de 240° C.

  • A todo vapor: Compostos

Eficiente, designs leves para o corpo estrutural e os componentes de chassis no futuro requerem o uso de materiais compostos e de peças de compósitos. Neste campo, a BASF estará expondo duas aplicações automotivas que mostram os níveis de utilização diferentes: o assento de banco usado no Opel Astra OPC já está em produção: é o primeiro assento do mundo usado em um veículo de produção e é fabricado a partir de laminados termoplásticos com fibra de reforço contínua. Dois graus de Ultramid (PA) da BASF entram no jogo aqui, um como o material de impregnação, o outro como o material de sobremolde. Com suas paredes rígidas apesar de finas, o assento é de cerca de 45% mais leve que seu antecessor.

Um módulo de teto conversível ilustra uma abordagem diferente que só está disponível na forma de um estudo de conceito no presente: a BASF ea EDAG desenvolveram em conjunto para explorar as possibilidades oferecidas pela moldagem de transferência de resina (RTM) com materiais da BASF. A camada central da estrutura “sanduíche” do demonstrador é uma espuma estrutural de célula fechada PU com base no Elastolit® D. Ele funciona como um espaçador entre as camadas de laminados de fibra de carbono, proporcionando rigidez na parte alta e conferindo boas propriedades de isolamento ao módulo do telhado. O módulo do telhado é mais do que 35% mais leve do que a sua contraparte de alumínio.

Em tempo perfeito para a Composite Europe e as exposições Fakuma, a BASF anunciou um esforço de cooperação com o fabricante de fibra de carbono SGL Group, com o objetivo de desenvolver conjuntamente compósitos reforçados por fibras de carbono baseadas em novas poliamidas reativas.

  • Intercooler integrado

A empresa ETM em Saalburg-Ebersdorf está produzindo um interessante tubo de admissão de ar a partir do plástico de engenharia da BASF, o Ultramid B3WG6, para a VW. Com base na sua função, o módulo, constituído por três bombas, é melhor designado como um tubo de carga de ar, ao invés de um módulo de admissão, e requer exposição do plástico com exceção de estabilidade dimensional. Através das suas atividades CAE, a BASF foi capaz de ajudar o cliente a alcançar a rigidez necessária na forma de nervuras otimizadas para a seção central, que é aberta em três lados e apoia o intercooler de metal. Isto proporcionou não só a função de integração desejada, mas também resultou numa redução de peso considerável.

Completamente novo: PBT para embalagens de alimentos injetadas

As características únicas do plástico de engenharia PBT (tereftalato de polibutileno), preferido para caixas eletrônicas até agora, concedem oportunidades de aplicação para embalagens rígidas de alimentos de moldagem por injeção: o material proporciona, ao mesmo tempo, excelentes propriedades de vapor de água, oxigênio e de barreira de óleo mineral sem a necessidade de camadas adicionais. A BASF já acrescentou um grau especial para tais requisitos para sua linha Ultradur ®-FC (FC: contato com alimentos). Este grau de facilidade de escoamento do PBT também oferece os benefícios clássicos do material, tais como a estabilidade térmica, resistência química, solidez e rigidez. É ideal para embalagens de alimentos e cosméticos de paredes finas e moldadas por injeção que têm de ser esterilizadas. Aplicações adicionais incluem cartuchos de café, embalagens para microondas bem como componentes internos para bastões de cosméticos. Os protótipos de embalagem primeiro podem ser visto na Fakuma.

  • PBT transparente a Laser em aplicação de alto volume de produção

A BASF também estará apresentando seu grau de PBT de Ultradur® LUX, que fez sua estréia na K 2010. Este material apresenta duas vezes a transparência do laser de graus convencionais de PBT e abre novas oportunidades para a soldagem a laser de partes de PBT confiável, um processo não possível até agora. O desenvolvedor do motor Precision Motors Deutsche Minebea (PM DM) emprega a alta transparência do laser deste plástico de engenharia na tampa da caixa para o seu novo módulo de controle. Este módulo controla o fluxo de ar necessário para arrefecer motores de automóveis modernos, de forma eficiente. No frio, um atuador fecha abas de ar ajustáveis por trás da grade do radiador, permitindo que o motor atinja a temperatura de funcionamento mais rapidamente. A propriedade essencial do Ultradur LUX é a sua transparência enormemente melhorada no contínuo comprimento de onda do infravermelho de 800 a 1100 nm, o intervalo necessário para a soldagem a laser. Graças ao aumento da transparência a laser neste intervalo, o material pode ser soldado mais rapidamente do que outros graus de PBT no mercado e a janela do processo é consideravelmente mais larga, reduzindo o risco de degradação do material de forma significativa.

Poliuretano (PU)

Na área de PU da exposição, os visitantes vão encontrar soluções customizadas para os clientes da linha Elastollan® (TPU) de poliuretanos termoplásticos, bem como selecionadas aplicações automotivas com base em sistemas de poliuretano. Elas incluem produtos inovadores de ambas linhas de produtos e cobrem uma ampla variedade de setores do mercado.

Masterbatches

BASF Color Solutions será mais uma vez representada no estande da BASF este ano com uma ampla gama de aplicações masterbatch para coloração e estabilização de plásticos, por vezes em conjunto com outras unidades de negócios da BASF. Pintura de polímeros de engenharia será o tema principal. Estabilidade térmica em temperaturas extremas de processamento de até 350° C está especialmente na demanda.

Com base em seus muitos anos de experiência, a BASF Color Solutions está apresentando possibilidades de coloração de longa duração de compostos de madeira-plástico para o setor de construção, enquanto o foco nos segmentos de embalagens e esporte & lazer é sobre os efeitos atraentes. Quer seja através da combinação de pigmentos de efeito especial brilhante para vários materiais de embalagem, quer seja através do uso de nanofibras luminosas para têxteis. A variedade de cores de líquido na linha de produtos Liqui-Kolor® também abre oportunidades estilo inovador e proporciona mudanças rápidas de cor juntamente com coloração eficiente de objetos transparentes.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Autometal adquire participação majoritária na empresa americana Century Plastics

09/10/2012

A Autometal concluiu no dia 04 de outubro a aquisição de 65% da empresa americana Century Plastics. O valor da aquisição foi de aproximadamente US$ 23,5 milhões pelos 65% de participação.

A Century Plastics é uma empresa especializada na tecnologia de injeção de plástico, com produção no polo industrial e automobilístico de Detroit (Michigan) e conta com uma diversa gama de produtos e clientes.

Fonte: Autometal

Curta nossa página no

Multinacionais e importantes recicladoras de PET se reúnem na Cidade do México para discutir as tendências do mercado de PET da América Latina

09/10/2012

Os principais conglomerados de PET vão avaliar os mercados de PET da América Latina, as tecnologias rPET e muito mais durante o 10° LAPET (Latin America PET Markets) na Cidade do México

O 10° LAPET (Latin America PET Markets) da CMT volta à Cidade do México nos dias 24 e 25 de outubro de 2012, marcando uma década de conferências de PET bem sucedidas, preparadas para a indústria da América Latina. Com temas paralelos “Fórum completo da cadeia de suprimentos PET da América Latina” e “O caminho à frente: mudança da PET virgem para o PET reciclado”, essa conferência novamente promete ser um evento importante no México, quando autoridades da cadeia de suprimentos PET se reúnem para analisar as últimas tendências do mercado e avaliar os desenvolvimentos da tecnologia da indústria do setor.

Estruturada especialmente para os participantes da indústria, a agenda inclui uma visão geral do comércio de PET global, prospectos e desafios, o panorama do mercado, impacto dos mercados de resina chinesa na América Latina, desenvolvimentos da reciclagem no México, Brasil e Argentina, crescimento e outros assuntos vitais.

Um importante destaque da conferência de um dia e meio deste ano é uma sessão exclusiva Brand Owner, durante a qual os participantes do painel, especialistas do Grupo Jumex, Bonafont e Aje Group (Big Cola) vão analisar as expectativas de otimização e design PET, rever a abordagem de sustentabilidade e discutir estrategicamente os requisitos tecnológicos e de material de embalagem.

Entre as autoridades do setor que estarão compartilhando sua experiência em sessões temáticas sobre a tecnologia rPET e de reciclagem estão:

• rPET na América Latina – Flexibilidade vence no jogo da reciclagem

Armin Villa, Gerente regional de vendas de Tecnologia de reciclagem, da Starlinger & Co. GmbH

• O recente início da Bottle to Bottle na Argentina: A experiência de uma recicladora: Andrzej Tolloczko, Gerente geral (Divisão de PET) Cabelma – S.A.

• Crescimento do uso de rPET no Brasil – Processos e desafios, por Irineu Bueno Barbosa Jr., diretor comercial,Global PET Reciclagem SA

• Reciclagem de filmes laminados de PET – Kathy Xuan, Presidente – PARC Corporation

Uma novo aspecto do 10° LAPET é um evento que em separado sobre a reciclagem de PET, comandada por Robert Dvorak, Gerente de projetos da Nextek Limited. Também apresentando trabalhos estão a PCI PET Packaging Resin & Recycling Ltd, Nexant Inc., Polyplex Corporation Limited, Holland Colours Europe BV, Husky Injection Molding Systems e Sidel.

Fonte:  CMT

Curta nossa página no


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.659 outros seguidores