Archive for the ‘Indústria de Calçados’ Category

Dow lança plataforma digital com conteúdo sobre poliuretanos

15/09/2017

Canal da empresa terá informações específicas, tecnologias e inovações para os setores calçadista, de colchões, construção civil e cadeia do frio

A Dow acaba de lançar nova plataforma de conteúdo online (foto) para apresentar suas soluções de poliuretanos e reunir informações sobre tendências e mercados que utilizam o material para seus produtos, em especial os setores moveleiro, calçadista, construção civil e refrigeração. A Mundo PU.com tem como objetivo ser um ponto confiável de informações para clientes, profissionais dos setores-foco, academia e estudantes.

Haverá informações segmentadas, principalmente, sobre as três áreas de negócio: ComfortScience, que engloba produtos que proporcionam mais conforto e comodidade ao consumidor final; DurableScience, com tecnologias de mais durabilidade, resistência e produtividade para mercados diversos; e InsulationScience, que traz maior eficiência energética a diversas indústrias. Também haverá conteúdo sobre as outras áreas que compõem o portfólio, como PO&PG e mercado automotivo, além de novidades sobre ações da Dow em poliuretanos na América Latina.

As reportagens do canal apresentarão tendências, inovações, negócios, soluções e prestação de serviço relacionados ao amplo universo de uso do poliuretano. Para isso, utilizará recursos como infográficos, vídeos, cases, demonstrações interativas e webinars. “A nova Mundo PU possibilitará uma exibição superior e mais dinâmica dos assuntos relevantes ao nosso negócio, oferecendo melhor navegação e exposição dos conteúdos”, afirma Marcelo Fiszner, diretor de Marketing para Poliuretanos da Dow na América Latina.

Com a nova plataforma, a companhia deseja reforçar sua expertise, elevar seu nível de serviço e participação no mercado, além de fidelizar o cliente.

Webinars técnicos

O canal também terá webinars com os especialistas da Dow sobre temas atuais e desafios de mercado. O primeiro deles, que está disponível para visualização, trata sobre proteção da camada de ozônio e o papel da indústria de poliuretanos nesse contexto. O próximo acontecerá em outubro e abordará o mercado de revestimentos, apresentando os novos produtos que serão promovidos no Congresso Internacional de Tintas da ABRAFATI 2017. Para participar, basta acessar a plataforma Mundo PU e se inscrever.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Anúncios

Cipatex investe em controle de qualidade e avança na produção de laminados sem ftalatos

12/09/2017

Medida visa atender a diversos segmentos de atuação da empresa, com destaque para calçadista e moveleiro

O Centro de Pesquisa e Inovação da Cipatex passa a contar com equipamentos que vão garantir mais eficiência no controle dos níveis de ftalatos. A medida atende às exigentes especificações internacionais. De acordo com o gerente de inovação, pesquisa e tecnologia da Cipatex, Fernando Brandão, a aquisição de um cromatógrafo a gás acoplado com espectômetro de massa de última geração permite a identificação de compostos do início ao fim da produção, desde as matérias primas até o produto acabado. “O equipamento amplia a sensibilidade na análise de traços, aumenta a precisão e exatidão dos resultados, trazendo mais eficiência ao processo e garantindo que os níveis de ftalatos fiquem bem abaixo do permitido”, destaca Brandão.

​A medida visa atender a diversos segmentos de atuação da Cipatex, com destaque para o calçadista e moveleiro. No Brasil, a empresa possui a maior capacidade produtiva para materiais sem ftalato. Agora, com o novo equipamento, a companhia poderá atender com maior controle de qualidade. “A aquisição do cromatógrafo significa um grande avanço tecnológico e um importante passo para aumentar a capacidade da empresa de atender às necessidades de clientes nacionais ou internacionais”, destaca.

​​O​ gerente explica que os ftalatos são uma família de compostos, ésteres do anidrido ftálico com álcoois de baixo peso molecular. Alguns destes compostos são utilizados como plastificantes para as resinas de PVC para torná-las flexíveis e macias. No setor calçadista, os ftalatos são usados para conferir maleabilidade e flexibilidade ao cabedal e forro. Conforme Brandão, em alguns casos as substâncias são aceitas por determinado país, mas encontram barreiras no cliente/comprador. Também existem situações em que produtos aceitos por continentes podem ser proibidos pela legislação de um único país, criando um cenário complexo. A lista de restrições é dinâmica e talvez o mercado mais rígido seja o europeu, que segue o Reach, regulamento relativo ao registro, avaliação, autorização e restrição de produtos químicos.

Pelo regulamento, existem restrições em relação a alguns tipos de ftalatos, como DEHP, BBP e DBP. Para exportar para Europa, por exemplo, o nível de DEHP presente no produto final deve ser abaixo de 0.1 %.

Há 53 anos o Grupo Cipatex oferece ao mercado soluções em revestimentos sintéticos e não-tecidos. Criada em 1964, a companhia hoje conta com uma linha de produtos que atende aos setores de calçados, piscinas, bolsas e acessórios, utilidades domésticas, construção, móveis, vestuário, automóveis, esporte e lazer, brindes, material escolar e comunicação visual. Ao todo, a Cipatex® conta com cerca de 1.400 colaboradores distribuídos em cinco plantas industriais.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Cipatex

Curta nossa página no

Cipatex registrou alta de 8,6% nas exportações em 2016

17/04/2017

A Cipatex, líder em revestimentos sintéticos, registrou crescimento de 8,6% nas exportações em 2016, em relação ao ano anterior. Entre os principais destinos dos produtos da empresa estão os países da América Latina, Estados Unidos e Espanha. Com atuação em diversos segmentos, a maior expansão ocorreu nos setores de decoração e mineração.

Apesar do cenário econômico desfavorável, a companhia também cresceu no mercado interno e apresentou aumento de 6% no faturamento. Prestes a completar 53 anos de história, a Cipatex® comemora o bom desempenho ao longo de 2016 e projeta resultados ainda mais positivos para esse ano. “O aumento do índice de confiança do mercado, com consequente recuperação da economia e retomada de investimentos, tende a alavancar os negócios do grupo Cipatex”, comenta Fabiano Bianchi, diretor comercial da empresa.

Com forte presença nos mercados calçadista, que representa 35% dos negócios da empresa, e decoração, com 30%, a Cipatex® espera ampliar a participação no setor automotivo, que hoje corresponde a 10%. “Após alguns anos de queda, acreditamos na recuperação do setor, que ainda apresenta grande potencial para expansão dos nossos negócios”, afirma Bianchi.

Para o segmento automotivo, a companhia produz revestimentos para bancos e laterais, para-sol, painel, coifas, além de produtos para capotas, tapetes e adesivos para baterias. No setor de calçados, a empresa atua na produção de laminados de PU e PVC para cabedal e forro. Para decoração, a Cipatex® oferece revestimentos para sofás, cadeiras, poltronas, cabeceiras de cama e outros estofados. Já para mineração, um dos principais responsáveis pela alta no mercado externo, são fornecidas geomembranas de PVC (foto) utilizadas na impermeabilização de lagoas de evaporação e decantação, em pilhas de lixiviação e tanques de rejeitos minerais.

Nos últimos anos, a Cipatex® intensificou seu projeto de internacionalização e conta hoje com unidade de negócios na Espanha, na cidade de Valência, com escritório e depósito nos Estados Unidos, em Miami (Flórida) e na Argentina está presente em Buenos Aires, com a distribuidora Dinaplast. De acordo com o diretor-presidente da empresa, William Marcelo Nicolau, a Cipatex® deve investir na capacitação e melhoria das equipes presentes nos países onde há operações locais para alavancar ainda mais os negócios.

Há 52 anos o Grupo Cipatex® oferece ao mercado soluções em revestimentos sintéticos e não-tecidos. Ao todo, a Cipatex® conta com cerca de 1.400 colaboradores distribuídos em cinco plantas industriais.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Cipatex

Curta nossa página no

Centro de Tecnologia e Inovação da Braskem investe em laboratório para EVA

08/08/2016

Braskem-eva-laboratorio

Novo espaço trabalhará com EVA, resina utilizada principalmente no setor calçadista

O Centro de Tecnologia e Inovação (CTI) da Braskem, localizado no polo petroquímico de Triunfo, investiu em junho R$ 500 mil em um novo laboratório. O local é específico para o processamento de EVA, voltado para desenvolvimento de novas aplicações e suporte para os clientes desenvolverem suas próprias formulações.

O novo laboratório passa a ser uma referência na área de EVA no país, pois conta com uma infraestrutura que permite realizar desde a formulação de um composto até a produção de protótipos. “Esse investimento permitirá uma maior interação com os clientes, acelerando o desenvolvimento de novas tecnologias para a indústria calçadista”, afirma Giancarlos Delevati, engenheiro de Aplicação PE Performance do CTI.

A Braskem produz anualmente 16 milhões de toneladas de resinas e outros produtos petroquímicos básicos e tem faturamento anual de R$ 54 bilhões, atuando em mais de 70 países, com 8 mil integrantes e 40 unidades industriais localizadas no Brasil, EUA, Alemanha e México (esta última em parceria com a mexicana Idesa).

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Rhodia lança inovações na Fimec para ampliar sua participação no fornecimento de componentes para calçados

22/03/2016

Emprefimec2016sa é uma das patrocinadoras da Fábrica Conceito de Calçados da Fimec

Rhodia e Basf desenvolvem um inovador solado de performance para calçados esportivos

Setor coureiro-calçadista representa 7% das vendas anuais de produtos químicos da Rhodia no Brasil

A Rhodia, empresa do Grupo Solvay, para atender às demandas por inovações e maior produtividade do setor calçadista/coureiro do País, reservou para a 40ª edição da Fimec (de 15 a 17 de março, em Novo Hamburgo- RS), o lançamento de uma série de novidades nas áreas de insumos e produtos químicos. O objetivo da empresa é reforçar sua participação no fornecimento para esse segmento, que em média representa em torno de 7% do total das vendas da empresa no Brasil.

Entre as novidades, destacaram-se o trabalho conjunto da Rhodia com a Basf para a criação de um solado composto de entressola de poliuretano e estabilizador de TPU – poliuretano termoplástico -, para aplicação em calçados esportivos (tênis, sapatênis etc). Esse desenvolvimento permite a produção de um solado de menor peso, maior absorção de impacto e aumento do conforto do usuário do calçado.

O solado todo em poliuretano foi utilizado no tênis de alta performance X-System, protótipo criado pelo projeto Inspira Mais, coordenado pela Assintecal (Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos), reunindo tecnologias destinadas aos calçados esportivos.

Segundo Marlise Margaritelli, gerente comercial e de marketing para a América Latina da área global de negócios Poliamida e Intermediários, o desenvolvimento desse solado é uma resposta da indústria de matérias-primas às necessidades do setor coureiro-calçadista por soluções com alta tecnologia e inovação, capazes de gerar valor ao produto final.

“A cadeia produtiva do setor no Brasil, desde as indústrias de matérias-primas até o fabricante do produto final, é altamente qualificada para a criação de produtos que atendam aos desejos dos consumidores finais tanto no Brasil quanto no Exterior”, diz ela.

De acordo com Letícia Mendonça, gerente de Transportes e Bens de Consumo da divisão de Materiais de Performance da BASF para América do Sul, a dinâmica do setor coureiro-calçadista exige dos fornecedores de insumos o desenvolvimento de soluções que sejam inovadoras e representem ganhos de produtividade para toda a cadeia industrial.

“Nosso foco são os sistemas de TPU (poliuretano termoplástico) da linha Elastollan® e os sistemas de PU (poliuretano) da linha Elastopan®. O primeiro se destaca pelos materiais de alta performance que conferem a melhor maciez do mercado brasileiro para o conforto ao calçado e o segundo, pela liberdade ilimitada de design em termos de forma, cor e textura para sistemas de calçados”, afirma.

Sílicas para calçados – No segmento de sílicas precipitadas, um insumo de larga utilização na produção de solados de borracha para calçados, o foco do trabalho da Rhodia é o desenvolvimento em conjunto com seus clientes de aplicações em linha com as atuais tendências do mercado.

“Por exemplo, há muito espaço para os calçados esportivos de uso no dia a dia ou para prática de esportes de performance, que exigem um solado de borracha de maior desempenho, o que só se obtém com o uso de nossa sílica”, diz Paulo Garbelotto, Gerente Comercial e de Marketing na América Latina da área global de negócios Sílica, do Grupo Solvay.

Além disso, observa, está ocorrendo um crescimento do mercado de calçados para segmentos específicos de consumidores, tais como os calçados “anti stress” ou para pessoas que tem alguma necessidade especial, o que exige solados diferenciados de borracha. “Essa nova demanda tem levado ao aumento dos serviços de desenvolvimento conjunto de aplicações”, acrescenta Garbelotto.

Reconhecido fornecedor do setor com a marca Zeosil®, a área de Sílica tem investido no desenvolvimento de novos produtos que ajudam os clientes a obter maior produtividade em seus processos, melhorar a qualidade final de seus produtos e reduzir os custos de produção. Um dos exemplos desse trabalho de inovação foi a criação da sílica Efficium®, que oferece melhor dispersão e compatibilidade com a borracha, permitindo menor consumo de energia elétrica do misturador e menor tempo do uso do maquinário”, acrescenta.

Rhodia na Fábrica Conceito – A Rhodia também participou como um dos parceiros do projeto Fábrica Conceito, desenvolvido pelo Ibtec.- Instituto Brasileiro de Tecnologia de Couro, Calçados e Artefatos – para apresentar as tecnologias da empresa voltadas ao setor coureiro-calçadista. O foco da empresa foram os intermediários químicos aplicados nos solados de poliuretano e no tacão de PU e os solventes oxigenados usados na produção de adesivos. Durante a Fimec 2016, a Fábrica Conceito produziu 1 mil pares de calçados femininos e masculinos, entre sapatilhas, scarpin, botas femininas e sapatênis masculinos.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Rhodia

Curta nossa página no

BASF apresenta soluções para calçados de segurança na A + A 2015, em Düsseldorf

03/11/2015

BASF_Shoes

  • O Infinergy® apresenta propriedades de suspensão e absorção para calçados de segurança
  • Para temperaturas extremas, a BASF um grade com propriedades de alta resistência à flexão, mesmo a temperaturas de – 45 °C

Neste ano, a BASF apresentou seu novo portfolio de poliuretano (PU) e poliuretano termoplástico (TPU) para calçados de segurança na A + A 2015, a feira internacional de saúde e segurança ocupacional em Düsseldorf (Alemanha). De 27 a 30 de outubro, os visitantes do evento puderam conferir as soluções de PU/TPU da BASF em calçados de segurança.

Infinergy® – elástico como borracha, porém mais leve

O primeiro poliuretano termoplástico expandido do mundo  (TPU-E)  está sendo usado pela primeira vez em calçados de segurança. De acordo com a BASF, a espuma de células fechadas de partículas elásticas apresenta baixa densidade, alta elasticidade, elevada resistência à abrasão, força de tração e uma boa durabilidade a longo prazo com um amplo intervalo de temperaturas (chegando até a -20 °C), juntamente, com uma boa resistência química. Entretanto, a principal característica do Infinergy® é a sua alta resiliência. Segundo a empresa, o teste de elasticidade de rebote de acordo com a norma ISO 8307 (teste de rebote de bola) e DIN 53512 (com martelo pêndulo definido) demonstra que o Infinergy® atinge uma altura de rebote de mais de 55%, colocando-o à frente em comparação com outros tipos de espumas, tais como polipropileno expandido (PPE) a 30%, acetato de vinilo etileno (EVA) a 37%, e polietileno expandido (EPE) a 50%. O Infinergy® não perde sua alta resiliência, mesmo com o uso contínuo, tornando-o o material ideal para entressolas nos calçados de segurança.

O Infinergy®  é usado pela primeira vez na linha de calçados de segurança “Wellmaxx”, produzidos pelo fabricante inovador ELTEN. “Nenhuma entressola produziu até agora maior retorno de energia. Na prática, a nova tecnologia de amortecimento torna a vida mais fácil para todos os membros de equipes cujo trabalho envolve corridas – um fator importante em alguns setores, pois significa uma grande melhoria na prevenção da fadiga e problemas de articulação”, confirma Stefan Tintrup, sapateiro ortopédico e especialista líder em tecnologia de calçados da fabricante Elten, na Renânia do Norte. As pessoas que participaram do teste de desgaste ficaram muito entusiasmadas com as propriedades únicas de suspensão e absorção dos sapatos.

Elastopan® Light Safe – leve e antiestático

No Elastopan® Light Safe, a BASF oferece outro sistema de baixa densidade. Segundo a BASF, este é um poliuretano expandido por água, extremamente antiestático e com baixa densidade. As entressolas feitas com esse novo material são até 40% mais leves do que os sistemas de PU padrão utilizados em entressolas em calçados de segurança e, portanto, proporcionam maior conforto para o usuário, afirma a empresa.

Ele pode ser usado em combinação com TPU ou sola exterior de borracha para produzir uma camada de dupla densidade que atende à norma ISO EN20344: 2011. O material não requer qualquer tecnologia de produção especial, pode assim ser processado com máquinas injetoras e de casting convencionais com a finalidade de produzir solas e sapatos.

Grades de Elastopan® para as temperaturas mais baixas

A BASF oferece uma família de sistemas de PU sob o nome Elastopan® Extreme Frost, projetada especialmente para condições climáticas muito frias. Em contraste com os sistemas convencionais, as solas feitas desse material exibem uma resistência à flexão a -45 ° C em mais de 50.000 ciclos, no  Teste canadensa de flexão Ross, e em mais de 8.000 ciclos, nas condições do Certificado Russo de Conformidade GOST, afirma a empresa. Outras propriedades principais incluem alta resistência ao deslizamento em superfícies molhadas e congeladas, baixa abrasão e alta absorção, segundo a BASF.

A divisão de Materiais de Performance da BASF engloba todo o know-how de materiais da BASF em  plásticos inovadores e personalizados. Mundialmente ativa em quatro grandes setores da indústria – transporte, construção, aplicações industriais e bens de consumo,  a Divisão de Materiais de Performance alcançou vendas globais de € 6,5 bi em 2014.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Novo calçado leve para montanhismo tem estrutura de alto desempenho feita com Poliamida 410 da DSM

03/06/2015

A Royal DSM anunciou que sua poliamida 410 proveniente de fontes renováveis, o EcoPaXX®, foi escolhido para o “Edging Chassis” de um novo calçado para montanhismo da especialista em esportes Salomon.

DSM_SalomonCalçados para montanhismo leves se encaixam em uma das últimas tendências em esportes ao ar livre: eles oferecem aos usuários equipamentos muito confortáveis e leves, que lhes permite ter rapidez, agilidade e segurança. A linha Salomon X Alp está na vanguarda desta tendência, com a sua borda inovadora “Edging Chassis” (patenteada pela Salomon), uma placa especial incorporada ao solado com um design que combina dois opostos: flexibilidade e rigidez.

Segundo a empresa, o Edging Chassis proporciona estabilidade ao pé na direção transversal, ao oferecer uma boa aderência em extremidades estreitas, mas também permite flexibilidade suficiente na direção longitudinal para acomodar a flexão natural do pé. Isto requer um material com a combinação adequada de propriedades mecânicas e resistência, e que também possa ser facilmente processado.

O EcoPaXX permitiu que a Salomon produzisse uma estrutura leve com um design intrincado, pois, segundo a DSM, tem a necessária combinação de flexibilidade e rigidez, conserva as suas propriedades em temperaturas muito baixas típicas de ambientes de montanha e reduz a absorção de umidade, apesar de ser uma poliamida. O material é muito adequado para moldagem por injeção e é certificado como carbono neutro durante todo o ciclo de vida, afirma a DSM. Ele está sendo usado na estrutura de três modelos de nova linha X Alp da Salomon de calçado para montanha: o X Alp GTX, X Alp MTN GTX, e X Alp PRO GTX.

Para injetar o Edging Chassis, é necessário um material com boas características de fluxo, pois o design requer o uso de um molde com vários canais, criando várias linhas de solda, o que significa que a resistência dessas linhas de solda tem de ser elevada. Afirma a DSM que o seu EcoPaXX oferece as características de fluxo requeridas, juntamente com boas propriedades mecânicas e capacidade de processamento. No geral, o EcoPaXX fornece uma solução muito eficaz em termos de
custos, destacando-se da concorrência e sendo uma combinação perfeita para o Edging Chassis, assegura a empresa.

Aude Derrier, gerente de projetos no Departamento de Materiais para Calçados, do Global Footwear da Amer Sports diz: “O calçado X Alp expressa a vanguarda do  montanhismo leve. Ele é o resultado de mais de dois anos de desenvolvimento e testes de campo intensos com guias profissionais, equipes de resgate e atletas, e é a pura expressão da abordagem da Salomon em relação à inovação de produto e do seu histórico de montanhismo. Modelos com o Edging Chassis patenteado com o EcoPaXX podem ser usados para escalar laterais mais baixas da montanha assim como para a aproximação”.

“Salomon, a empresa mãe da Amer Sports Group, e a DSM têm uma história longa de parceria e trabalharam juntas em outros projetos desafiadores do EcoPaXX, como os clipes sofisticados para snow board. Estávamos confiantes de que a DSM poderia ajudar a criar a nossa nova geração de calçados para montanha – e nossa confiança foi justificada “.

Fonte / Foto: DSM

Curta nossa página no

BASF apresenta inovações para o mercado calçadista na FIMEC 2015

18/03/2015
  • Poliuretano Termoplástico para calçados esportivos leves, resistentes e profissionais
  • Primeiro TPU expandido do mundo que proporciona o máximo impulso para o tênis de corrida Energy Boost® da Adidas

A BASF,  parceira de sistemas de poliuretanos e TPU para a indústria calçadista na América do Sul, participa da FIMEC 2015 (Feira Internacional de Couros, Produtos Químicos, Componentes, Máquinas e Equipamentos para Calçados e Curtumes), que acontece de 17 a 20 de março, na Fenac, em Novo Hamburgo/RS. Na feira, a empresa apresenta uma variedade de soluções que vão desde novos tipos de TPU para calçados esportivos ultraleves e resistentes a novos recursos, como impermeabilidade e controle de temperatura.

“Nossos produtos podem melhorar as propriedades das solas, palmilhas e outras partes do calçado”, afirma Letícia da Rocha Mendonça, gerente de Transportes e Bens de Consumo da divisão de Materiais de Performance da BASF para América do Sul. “Trabalhamos em conjunto com nossos clientes para desenvolver novas aplicações e inovações de produtos para que eles atinjam ainda mais o sucesso”.

A FIMEC 2015 reune cerca de 1.200 empresas, sendo mais de 600 expositores brasileiros, que apresentam os principais lançamentos e novidades em produtos e serviços nas áreas de couros, produtos químicos, componentes, máquinas e equipamentos para o mercado de coureiro-calçadista.

A BASF está apresentando os seguintes produtos durante a feira (as características dos produtos foram informadas pela empresa):

Elastollan® Soft®: O poliuretano termoplástico (TPU) com a menor dureza encontrada no mercado brasileiro. Apresenta maciez, resistência à abrasão e ao grip (escorregamento) e é ideal para o mercado de calçados profissionais e esportivos.

Elastollan® Light®: Um leve poliuretano termoplástico expandido com elevada resistência à abrasão e maciez, podendo ser utilizado em entressolas de calçados esportivos, chinelos, entre outros,

Climate control®: Um sistema de poliuretano desenvolvido para a produção de palmilhas capazes de absorver e liberar a umidade dos pés ao caminhar, garantindo melhor conforto térmico ao calçado.

Botas impermeáveis de PU: Um sistema 100% poliuretano e extremamente durável e resistentes a óleos, ácidos, solventes e gasolina.

Chinelo em poliéter de baixa densidade: Um calçado desenvolvido com um sistema inovador de PU para maior resistência à hidrólise e maior durabilidade ao ser utilizado em locais úmidos, como praias e piscinas.

Infinergy®: O primeiro poliuretano termoplástico expandido do mundo (E-TPU), que combina as propriedades elásticas do TPU com a leveza da espuma. O Infinergy ™ é utilizado no inovador tênis de corrida “Energy Boost”, da fabricante Alemã Adidas.

FIMEC 2015
Data: 17 a 20 de março de 2015
Horário: das 13h às 20h
Local: Rua Araxá, 505 – Bairro Ideal – Novo Hamburgo – RS
Estande: 4176-A

Fonte: Assessoria de Imprensa – BASF

Curta nossa página no

Empresas da Freudenberg expõem soluções inovadoras para o setor calçadista na FIMEC

18/03/2015

Chem-Trend e Freudenberg Performance Materials mostram agentes desmoldantes e não tecidos para aplicação na indústria calçadista de 17 a 20/3, em Novo Hamburgo (RS).

Duas empresas do Grupo Freudenberg mostram soluções inovadoras para a indústria calçadista durante a FIMEC 2015, principal evento do setor calçadista, em Novo Hamburgo (RS), de 17 a 23 de março. A Chem-Trend apresenta sua linha de agentes desmoldantes, produtos para limpeza e para preparação de moldes de materiais usados na produção de solados de calçados, como poliuretano, termoplásticos, EVA e borracha; a Freudenberg Performance Materials, resultante da fusão global entre a Freudenberg Não Tecidos e a Freudenberg Politex, mostra o seu portfólio de produtos não tecidos para o setor, com destaque para três lançamentos.

Como os estandes das duas empresas estão juntos, os visitantes podem conhecer de perto a variedade de soluções que elas desenvolvem e fornecem para a indústria de calçados. As equipes técnica e comercial das duas companhias da Freudenberg mostram os diferenciais técnicos de produtos químicos que tornam melhores e mais ágeis os processos produtivos e também soluções em não tecidos que tornam os calçados mais confortáveis.

Peças melhores e maior produtividade

O portfólio da Chem-Trend para os fabricantes de calçados esportivos e de segurança inclui agentes desmoldantes e de purga e produtos auxiliares de processo, como limpadores de cabeçote de injeção e limpadores de moldes. Segundo a empresa, entre os agentes desmoldantes, as soluções sem silicone para os calçados de segurança promovem acabamento fosco ou brilhante e têm tecnologia para atender as necessidades de adesão, características requisitadas pelos transformadores. Para a produção de palmilhas, os agentes desmoldantes base água tornam os processos mais ágeis ao demandarem menor quantidade na aplicação e, em comparação com as soluções tradicionais, têm a vantagem de serem menos agressivos para a saúde dos operadores e ao meio ambiente, afirma a Chem-Trend.

Outros destaques da empresa para o setor são os agentes de purga da linha Lusin® para solados em termoplásticos, com destaque para TPU. Trata-se, segundo a empresa, de um produto que promove maior agilidade no processo de produção com significativa redução de custos, pois permite aos moldadores uma rápida mudança de cor nas resinas sem qualquer tipo de abrasão nos componentes do sistema. “Nossos agentes de purga permitem gerar peças de melhor qualidade com redução de ciclos de máquinas e maior produtividade nas mais variadas condições de processos, a fim de manter as máquinas em perfeito estado de funcionamento”, explica o gerente de vendas, Joacilo Luz.

Freudenberg Performance Materials lança produtos não tecidos

A empresa lança três novos produtos para a indústria calçadista. Um deles é o SU 70, um não tecido com acabamento relax voltado para o mercado de calçados de segurança que, segundo a empresa, tem vários benefícios: produto leve, alta produtividade no corte, ausência de defeitos, acabamento e espessura uniformes.

Os outros dois produtos são o SU 300 e o SLC 1000. O primeiro é um não tecido com características antichama para aplicação em punhos e luvas de trabalho. De acordo com a Freudenberg Performance Materials, o SLC 1000 é um avesso para calçados masculinos, femininos e infantis que chega ao mercado tendo como principal diferencial a alta elongação, um fator que permite melhor acomodação no calcanhar do calçado durante a conformação.

Segundo a empresa, também terá destaque o não tecido SU 7 MF, lançado ao final do ano passado para substituir algumas matérias-primas naturais e gerar aos calçados vários benefícios, como leveza, tato superficial, espessura e um aspecto mais uniforme. “A FIMEC é uma excelente oportunidade para mostrarmos os novos produtos, que aliam a alta tecnologia ao uso de materiais totalmente isentos de substâncias restritas, que podem gerar danos à saúde dos profissionais envolvidos nos processos produtivos do setor, bem como do usuário final do calçado”, diz o gerente da Divisão Shoe Components da companhia, Danilo da Costa Paula.

Sobre o Grupo Freudenberg

O Grupo Freudenberg, de origem alemã, atua nos segmentos de vedação, controle de vibrações, não tecidos, lubrificantes especiais, agentes desmoldantes, filtração, dentre outros. Emprega cerca de 40 mil pessoas em 60 países, com um faturamento anual acima de € 6,62 bilhões. No Brasil, está presente com seis empresas: Freudenberg-NOK, Freudenberg Não Tecidos, Klüber Lubrication, EagleBurgmann, Chem-Trend e SurTec; desde julho de 2012, atua também por meio da joint venture TrelleborgVibracoustic.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Freudenberg

Curta nossa página no