Archive for the ‘Filmes’ Category

Solvay inicia negociações exclusivas para a venda de seu negócio de Materiais de Processo para a Composites One

20/11/2020

A transação permanece sujeita a informações prévias e procedimentos de consulta com os funcionários e aprovação das autoridades regulatórias relevantes.

A Solvay e a Composites One entraram em um período de negociação exclusivo para a aquisição do negócio de Materiais de Processo (PM) da Solvay pela Composites One. O negócio de Materiais de Processo oferece uma ampla variedade de materiais, incluindo filmes para “vacuum bagging“, tecidos respiráveis, lonas destacáveis, fitas selantes, além de válvulas e mangueiras. Além disso, o negócio é líder na fabricação de kits consumíveis sob medida e ferramentas duras e macias.

“A Solvay fortaleceu significativamente o negócio de Materiais de Processo ao longo dos últimos anos. A transação proposta agregará valor aos nossos acionistas e permitirá que a Solvay continue a se focalizar no núcleo do nosso portfólio de tecnologia de compósitos. Os funcionários e clientes do negócio de Materiais de Processo se beneficiarão da bem estabelecida e reconhecida infraestrutura de distribuição da Composites One. A intenção da Composites One é crescer e investir no negócio, promovendo inovação, confiabilidade e atendimento ao cliente e tirando proveito do excelente trabalho que nossos colegas têm feito até agora. ” disse Carmelo Lo Faro, Presidente da Unidade de Negócios Global de Materiais Compósitos da Solvay.

“Como seu distribuidor por mais de dois anos, trabalhamos em estreita colaboração com a liderança experiente e membros da equipe da Solvay e vimos seu foco em servir os clientes – sabemos que este negócio é um excelente complemento para a Composites One. Por meio de sua excelente equipe, o negócio de Materiais de Processo nos fornecerá uma conexão global com os clientes dos setores eólicos e aeroespaciais ”, comentou Steve Dehmlow, CEO da Composites One.

A conclusão da transação, esperada no início do primeiro trimestre, permanecerá sujeita aos subsequentes processos sociais e à aprovação das autoridades regulatórias relevantes.

Curta nossa página no

Filmes com acabamento fosco e toque aveludado são apostas da Terphane para destacar produtos no PDV

18/11/2020

Linha de filmes BOPET ajuda os proprietários de marcas a posicionarem suas embalagens em um novo patamar de atratividade.

Um dos grandes desafios da atualidade no desenvolvimento de embalagens é fazer com que os produtos se destaquem da concorrência no PDV. Ou seja, a embalagem é responsável por chamar a atenção do consumidor e comunicar os atributos dos produtos e das marcas, motivando o consumidor a efetivar a compra.

A Terphane, líder em filmes PET (poliéster) na América Latina, desenvolveu uma solução para atender a essa finalidade. “Nossa linha de filmes com acabamento fosco está associada a produtos mais saudáveis e mais sustentáveis, especialmente quando comparada a materiais alternativos mais brilhantes. Os consumidores enxergam a embalagem com acabamento mate como uma opção mais natural e confiável”, explica Célia Freitas Gerente de Desenvolvimento de Mercado Terphane.

Segundo ela, “outra vantagem dos filmes mate é a facilidade de leitura das informações da embalagem, incluindo informações nutricionais, ingredientes, receitas e outros. A superfície sem brilho dos filmes ajuda os consumidores a revisarem as informações que os interessa, o que tem um impacto bastante positivo”.

O portfólio da Terphane é composto por filmes com acabamento mate e diferentes texturas. Segundo a empresa, todos os filmes são aprovados pela Anvisa, FDA e EU para contato com alimentos, inclusive em aplicações de envase a quente (Hot fill).

“O mercado reagiu de forma bastante positiva ao lançamento de nosso primeiro filme mate coextrudado para impressão”, celebra Marcos Vieira, Diretor Global de P&D da Terphane. “Agora trabalhamos para atender à demanda por produtos de maior valor agregado, adicionando ao portfólio os filmes mate barreira (BMAT) e selável (SMAT)”, completa. “Recentemente, criamos o VMAT2Z, nosso novo filme mate de toque aveludado, que traz baixíssimo brilho e alta transparência aliados a um toque aveludado único.”

“A tendência por texturas em embalagens está crescendo rapidamente. Segundo estimativas de especialistas, particularmente nos Estados Unidos, o crescimento é superior a 15% ao ano”, afirma Célia Freitas. “Há uma grande demanda por filmes mate da Terphane, especialmente para embalagens de luxo. Já oferecemos também soluções para diferentes segmentos como cosméticos, lenços umedecidos, pet food, snacks, candies, alimentos congelados, produtos lácteos, carne processada, café, entre outros”, finaliza.

Desde a sua fundação em 1976, a Terphane concentra-se no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). Sua equipe possui experiência e conhecimento em produção, revestimento e metalização de filmes. A empresa se destaca ainda por uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até a extrusão de filmes especiais. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar.

Curta nossa página no

Grupo Piovan adquire 100% do capital social da Doteco Spa

07/10/2020

06 de Outubro de 2020 – O Grupo Piovan, empresa global com atuação no desenvolvimento e produção de sistemas de automação de processos para armazenagem, transporte e tratamento de plásticos, polímeros e pós alimentícios, listado no segmento Star da Bolsa de Valores Italiana, anunciou a assinatura do acordo de aquisição de 100% do capital social da Doteco SpA.

Fundada em 1994, a Doteco SpA, tem sede em Modena, na Itália, e é uma das líderes mundiais em tecnologias para dosagem de filmes plásticos (para embalagens alimentícias e não alimentícias) e fibras sintéticas. A empresa fechou 2019 com um volume de negócios consolidado em € 19.7 milhões de Euros e um Ebitda consolidado em € 3.4 milhões de Euros. A Doteco atua internacionalmente e tem, entre seus parceiros, os principais produtores de equipamentos de extrusão a nível mundial.

“A aquisição da Doteco fortalece e aumenta a liderança tecnológica mundial da Piovan, consolidando o processo de crescimento estratégico que sempre distinguiu o Grupo Piovan” declara Nicola Piovan, Presidente Executivo do Grupo Piovan.

“Com esta integração, destaca Filippo Zuppichin, CEO do Grupo Piovan, podemos combinar as tecnologias de dosagem para filmes da Doteco com a automação em alimentação e armazenamento da Piovan, tornando-nos líderes no fornecimento de plantas completas neste campo e conquistando novos clientes em um setor que, em virtude das crescentes melhorias necessárias em termos sanitários e de higiene, cada vez mais mandatórias, está se tornando estratégico na embalagem de alimentos”.

Curta nossa página no

Terphane apresenta embalagem conceito para ser levada direto ao forno

20/09/2020

As chamadas ‘oven bags’ possibilitam o cozimento ou aquecimento dos alimentos de forma rápida, fácil, segura e mais sustentável.

20/09/2021 – A preocupação do consumidor em garantir conveniência e funcionalidade para as suas refeições é uma realidade sem volta. Especialmente nos grandes centros urbanos, há uma necessidade urgente de alimentos que tenham um preparo fácil e rápido e sejam nutritivos e saborosos. Atenta à esta realidade, a Terphane disponibiliza filmes PET que atendem a esta necessidade de cozimento e/ou aquecimento dos alimentos na própria embalagem, afirma a empresa.

Os chamados filmes para ‘oven bags’ têm como principal diferencial a possibilidade de serem colocados em micro-ondas ou fornos convencionais. “Outra importante vantagem é a possibilidade de se usar uma única embalagem. Ao invés do tradicional assa-fácil onde temos um ‘oven bag’ dentro de uma outra embalagem (pouch ou flowpack), podemos dispensar a embalagem externa e ter uma única embalagem monomaterial (somente poliéster)”, explica Célia Freitas, Gerente de Desenvolvimento de Negócios da Terphane.

Além de permitir a redução do uso de materiais de embalagem, esta é uma solução mais sustentável que o modelo atual por utilizar apenas um material (o poliéster), que é totalmente reciclável. Esta solução já é usada na Europa e nos Estados Unidos e está disponível para o mercado brasileiro. A Terphane também desenvolveu com um parceiro local uma solução técnica que permite que essa embalagem possa ser impressa e ainda suporte as altas temperaturas de cozimento.

Segundo a empresa, a sua embalagem ‘oven bags’ também suporta baixas temperaturas de refrigeração e/ou congelamento (até -30 graus C), sendo, portanto, ideal para vários tipos de produtos derivados de animais (suínos, bovinos e aves), com ou sem tempero, e cujo cozimento acontece na própria embalagem.

A Terphane afirma que a sua proposta leva praticidade e conveniência ao consumidor brasileiro, já que os alimentos são envasados no próprio fabricante, o que contribui para aumentar a segurança alimentar e a higiene. “Estamos falando de uma embalagem hermética e “amigável” ao meio ambiente, que vai da gôndola diretamente ao forno e quando sai, o alimento está pronto para consumo. Os consumidores adoraram a novidade e toda a praticidade. Inclusive ressaltam que não há travessa suja e, no caso do frango, ele sai do forno suculento – além de reduzir o tempo do consumidor na cozinha”, explica Célia.

O cozimento eficiente deve-se ao fato do filme de poliéster ajudar a manter o calor dentro da embalagem, afirma a Terphane, evitando ainda o ressecamento do alimento. Os filmes PET da Terphane para ‘oven bags’ têm aprovação para contato com alimentos, inclusive para ir ao forno.

Desde a sua fundação em 1976, a Terphane concentra-se no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). Sua equipe possui experiência e conhecimento em produção, revestimento e metalização de filmes. A empresa possui uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até a extrusão de filmes especiais. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar.

Curta nossa página no

Volume produzido pela indústria brasileira de embalagens flexíveis ultrapassa 1 milhão de toneladas no primeiro semestre de 2020

08/09/2020

A ABIEF (Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis) acaba de divulgar os dados de sua pesquisa setorial feita com exclusividade pela W4Chem. De acordo com o levantamento, o setor produziu 1,026 milhão de toneladas, com um consumo aparente de 1,003 milhão de ton. Neste período a importação de embalagens plásticas flexíveis ficou na casa das 31 mil toneladas e as exportações chegaram a 54 mil toneladas.

Chama a atenção na pesquisa o desempenho da indústria de alimentos como principal cliente do setor. Do total de embalagens produzidas no semestre, 38% foram absorvidas pelo setor alimentício. O segundo principal cliente são as aplicações industriais (18%), seguidas pelos descartáveis, com 13%. A indústria de bebidas e o setor de agropecuária tiveram desempenho semelhante, 9% cada, assim como higiene pessoal e limpeza doméstica, com 5% cada. Pet food começa a ganhar mais espaço e já responde por 2% do consumo de embalagens plásticas flexíveis produzidas no país.

Esta é a primeira vez que o estudo da W4Chem, feito para a ABIEF, traz a segmentação pelo tipo de estrutura utilizada nas embalagens. O resultado mostra que as estruturas multicamadas – stretch, shrink, BOPP, coextrudados, laminados e embalagens barreira – ainda são dominantes, com uma participação de 33% no total produzido. Na sequência vem monocamada com 28% (stretch, shrink e bobina); shrink com 13%; sacolas de varejo e sacos de lixo também com 13%; stretch com 10% e outros (lonas e filmes agrícolas) com 3%.

“A partir deste relatório também foi incluído no dimensionamento do mercado o volume de poliolefinas recicladas utilizadas em embalagens flexíveis. Por isso, os volumes totais dos dois primeiros trimestres de 2020 também foram revisados”, explica Rogério Mani, empresário e Presidente da ABIEF. Segundo ele, este ajuste foi necessário para refletir de forma fidedigna a realidade do mercado. “As resinas recicladas são uma realidade e já tem uma participação importante no mercado nacional.”

Com mais de 40 anos de atividades, a ABIEF trabalha para o crescimento sustentável do mercado nacional de embalagens plásticas flexíveis. A Associação também tem incorporada às suas atividades o fomento à exportação e a preservação ambiental. A entidade reúne empresas de todo o Brasil, fabricantes de filmes monocamada coextrudados e laminados; filmes de PVC e de BOPP; sacos e sacolas; sacaria industrial; filmes shrink e stretch; rótulos e etiquetas; stand-up pouches; e embalagens especiais.

Curta nossa página no

Adirplast tem recuperação de vendas em Junho e Julho e prevê segundo semestre estável

05/09/2020

Volume total de vendas dos associados da Adirplast no mês de julho foi 23% maior que o de junho. De janeiro a julho deste ano foram vendidas 259.041 toneladas (incluindo todas as resinas e os filmes de BOPP e BOPET)

Mesmo com a pandemia afetando todos os setores da economia brasileira, os associados da Adirplast (Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas e Afins) estão conseguindo recuperar parte de suas vendas. Segundo a entidade, a demanda no mês de julho foi 23% maior do que a de junho, que já tinha apresentado uma tendência de alta. “A recuperação é gradual. Junho foi 31,1% maior que maio, que por sua vez foi 11,8% maior que abril – pior mês do histórico da associação”, explica Laercio Gonçalves, presidente da entidade.

O volume de vendas total dos associados Adirplast (incluindo todas as resinas e os filmes BOPP e BOPET) de janeiro a julho de 2020 foi de 259.041 toneladas. Comparando esse período com os mesmos meses de 2019, houve uma queda de 6,9% nas vendas. Considerando os volumes por grupo de produtos, em julho deste ano foram vendidos pelas empresas associadas à entidade 36.560 toneladas das commodities PEs, PP e PS, 2.663 toneladas de plástico de engenharia (PA6, PA6.6, PMMA, PC, PBT, ABS-SAN, POM e PU) e 3.462 toneladas de filmes Bi-orientados (BOPP e BOPET). “Estes volumes representam cerca de 10% do consumo brasileiro de resinas plásticas, inclusive recicladas. Não entra nesta conta apenas o PVC”, observa Gonçalves.

Para o vice-presidente da Adirplast, Osvaldo Cruz, a retomada das vendas em junho e julho foi significativa. Porém, ainda não é capaz de neutralizar a brutal parada da economia iniciada na segunda quinzena de março e que teve seu pico em abril. “É preciso observar que, no acumulado do ano, ainda estamos em patamar 6,9% inferior ao igual período de 2019, que, diga-se de passagem, também não foi um ano de grande desempenho nem para o setor plásticos nem para a economia do país”, ratifica.

Apesar de pontuar a realidade, Cruz diz que, diante das condições atuais, em meio a uma pandemia, foi possível ver nos meses de junho e julho deste ano uma capacidade formidável de reação do mercado nacional. “Se levarmos em conta os prognósticos mais sombrios que apareciam nos noticiários, essa reação traz um alento e sinaliza um segundo semestre melhor para a economia e, consequentemente, para os setores produtivo e da distribuição. Há luz no fim do túnel!”, ressalta.

O ano teve sua história transformada pela pandemia do Covid-19, explica Daniela Antunes Guerini, diretora da Mais Polímeros. “Já no mês de março as projeções mudaram, devido à queda do volume de venda. Abril trouxe um novo cenário (um dos piores da história), volume baixo, vários pedidos de prorrogação, inadimplência e uma incerteza enorme. Maio foi o mês de controlar os problemas e tentar entender nosso mercado. Já em junho, com grande parte das Indústrias retomando suas atividades, iniciou-se uma fase de reposição de estoques na cadeia. A partir de então, os volumes subiram consideravelmente, porém, ainda não voltamos aos níveis de pré pandemia”, resume.

Para a executiva da Mais Polímeros, a demanda atual tende a se manter até outubro. “A partir do mês 10, acontece uma queda já esperada das vendas devido à redução dos estoques para fechamento do ano. Assim, estimamos que o ano termine com volumes 10% menores do que os do ano passado”.

Cláudia Savioli, diretora da Polymark, conta que este tem sido um ano de mudanças profundas na empresa e seus negócios – e não apenas pela transformação digital a qual já vinha implantando. “Esse é um período oné é necessária muita resiliência para se adaptar às mudanças e reconfigurar funções e processos”, conta Savioli. Segundo ela, o mercado de embalagens flexíveis se mostrou forte desde maio. “O setor tem conseguido reconquistar o valor das embalagens flexíveis, material versátil e de extrema importância para a conservação de outros produtos. Esse fator e mais as vendas reprimidas de abril têm feito nossa demanda crescer. Mas as margens foram apertadas”, explica.

Mesmo assim, diz Savioli, os desafios ainda não foram superados e o segundo semestre vai trazer um novo componente para o jogo: a falta de produto. “A falta de resina limita o crescimento de todo o mercado. Por isso, teremos que ter mais amplitude em estoques e diversificação, aumentar os custos de segurança e valer-nos de bons negócios e de boa comunicação, com transparência e comprometimento. Puxados pela maior demanda, os preços continuarão aumentando. Serão meses intensos”.

Para a APTA Resinas, distribuidora de plástico de engenharia, que é distribuidora exclusiva no Brasil da ExxonMobil (Metalocenos), de PP e de PE importados, apenas os meses de maio e abril foram muito ruins, conta Eduardo Cansi, diretor da empresa. “Nos demais meses, tivemos bons resultados”, conta. Assim, o executivo segue otimista e acredita que o segundo semestre siga tendência de alta apresentada nesses últimos dois meses do primeiro semestre do ano.

A percepção de que o segundo semestre seja melhor que o primeiro e siga estável é comum entre os associados da Adirplast. Todos estão cientes dos obstáculos à frente, mas acreditam também que o pior já passou. “Hoje temos um mercado mais unido. Além disso, a expectativa de mudanças podem auxiliar no crescimento do setor, tais como a da aprovação da Reforma Tributária e até mesmo do início da conscientização das pessoas e dos governantes de que o plástico não é um vilão, mas um grande aliado no que se refere a conservação de alimentos ou de cuidados com a saúde, “, finaliza Gonçalves.

A Adirplast tem como diretrizes o fortalecimento da distribuição, o apoio aos seus associados e a integração do setor de varejo de resinas plásticas, filmes bi-orientados e plásticos de engenharia. A entidade trabalha ainda para promover a imagem sustentável do plástico, ampliar os laços com as empresas produtoras e ajustar o desordenamento tributário sobre a indústria. Atualmente, a entidade agrega empresas distribuidoras de insumos plásticos que, juntas, tiveram um faturamento bruto de cerca de R$ 4,5 bilhões em 2019. Elas responderam por cerca de 12% de todo o volume de polímeros e filmes bi-orientados comercializados no país. Os associados à Adirplast contam com uma carteira de 7.000 clientes, em um universo de 11.500 transformadores de plásticos no Brasil. Para atendê-los, a entidade emprega 150 representantes externos e mantém 200 postos de atendimento, contando com equipes de assistência técnica e de pós-venda.

Curta nossa página no

Filmes de PET da Terphane evitam embaçamento em embalagens

16/08/2020

O material já é usado na Europa e EUA, para alimentos frescos, especialmente frutas, legumes e verduras em embalagens plásticas transparentes.

Em resposta à crescente demanda dos consumidores por embalagens que garantam aumento de vida de prateleira (shelf life) e segurança alimentar, a Terphane desenvolveu uma linha de filmes PET que atende aos requisitos de aparência e segurança, afirma a empresa.

E esta preocupação é ainda maior no segmento FLV (frutas, legumes e verduras). Os consumidores querem produtos frescos, mas não abrem mão da segurança e da aparência. Assim, as embalagens devem ter sua hermeticidade garantida e garantir também uma maior vida de prateleira para estes itens; se forem transparentes, permitindo a visualização clara dos alimentos, ainda melhor.

Contudo, as embalagens transparentes tradicionais para gôndolas refrigeradas têm que resolver outro problema: evitar o efeito de embaçamento (fog) que ocorre quando a umidade interna condensa na superfície interna da embalagem, formando pequenas gotas que podem impedir ou distorcer a visualização do produto. Isto resulta em redução de vendas e aumento do desperdício de alimentos.

Para atender a este mercado, a Terphane desenvolveu uma linha de filmes PET antiembaçantes seláveis para servir como tampas ou coberturas de bandejas de FLV. A solução, já usada nos mercados da Europa e Estados Unidos, consiste em bandejas de poliéster (APET), seladas com filmes de PET, substituindo os saquinhos (bags) com zíper, bandejas com tampa rígida (clamshell) ou bandejas de poliestireno expandido (EPS) com filmes de PVC.

O filme antiembaçante evita a condensação da umidade na sua superfície, possibilitando uma visão clara e limpa do produto, mantendo a aparência de produto fresco e, portanto, atraindo mais a atenção dos consumidores.

Segundo a Terphane, os filmes com tratamento antiembaçante apresentam atributos como fácil abertura e selagem, além de um sistema de re-selagem.

Alguns dos filmes antiembaçantes do portfólio da Terphane incluem o Sealphane 10.63CTAF, que é projetado para selar bandejas APET de produtos frescos ou refrigerados. Segundo a Terphane, as bandejas seladas com o Sealphane 10.63CTAF tem alta transparência, redução de fogging e são fáceis de serem abertas pelo consumidor, embora ainda possam mostrar possíveis violações. Outra linha, o Sealphane 10.94TAF, é projetado para uso em embalagens flowpack, stand up pouches (SUP) ou bandejas APET. A Terphane afirma que a selagem resistente permite embalar produtos pesados e também permite mostrar violação da embalagem no caso de tampas para bandejas.

Normalmente, os filmes antiembaçantes BOPET tradicionais usam revestimentos químicos à base de solventes para a selagem a quente. Fabricadas por coextrusão, os filmes da Terphane têm o agente antiembaçante incluído em sua própria estrutura, o que permite o prolongamento da propriedade anti embaçamento e uma melhoria considerável da selagem, inclusive com redução da temperatura necessária para tal, afirma a empresa. Estes são atributos importantes para os proprietários de marcas, varejo e para o consumidor final. A solução antiembaçante da Terphane também facilita a reciclagem pós consumo por se tratar de uma embalagem mono material.

Outra possibilidade é a substituição das embalagens rígidas do tipo clamshell pelos filmes PET da Terphane. Segundo a empresa, além de garantirem a redução do uso de material plástico na embalagem em cerca de 30%, a aplicação também permite utilizar uma mescla de filmes PET tradicionais com filmes contendo PET reciclado pós consumo grau alimentício.

Desde a sua fundação em 1976, a Terphane concentra-se no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). Sua equipe possui experiência e conhecimento em produção, revestimento e metalização de filmes. A empresa possui uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até a extrusão de filmes especiais. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar.

Curta nossa página no

Terphane apresenta soluções sustentáveis em filmes PET para embalagens de café

15/07/2020

Vantagens dos filmes de poliéster para embalagens de café foram abordadas em um webinar promovido pela ABIC.

A Terphane, fornecedora de filmes PET (poliéster), participou do primeiro webinar da ABIC (Associação Brasileira da Indústria de Café), como parte de uma série que tem como tema principal a “Reciclabilidade das embalagens de café”. Neste webinar, Célia Freitas, Gerente de Desenvolvimento de Negócios da Terphane, apresentou diversas opções de filmes PET para café, com ênfase nos metalizados de alta barreira e nos filmes sustentáveis da linha Ecophane.

“Devemos lembrar que os filmes de poliéster fazem parte da história das embalagens de café. O material está presente em praticamente todas as embalagens. Se não estiver na sua estrutura, certamente está nos selos de fechamento, como no caso de alguns potes e cápsulas.” Célia justifica esta penetração no mercado pelas propriedades mecânicas e físicas que o PET oferece às embalagens de café. Entre elas, a “printabilidade“, altas barreiras a gases, aroma e umidade, e maquinabilidade, tanto no processo de conversão como no envase, afirma a executiva.

Como inovação, Célia cita as estruturas especiais com alta barreira que uma nova metalizadora instalada na planta da Terphane em Cabo de Santo Agostinho (PE) permite produzir. “Graças a toda a tecnologia aplicada em nossa linha de produção, conseguimos criar estruturas que variam de 8 a 50 micra de espessura. Especificamente para café, já atingimos uma redução de espessura (downgauging) de 12 para 10 micra.” Segundo Célia, O processo de metalização também tem a vantagem de eliminar a folha de alumínio da estrutura da embalagem, evitando o efeito de flex cracking (micro rachaduras na folha de alumínio que podem comprometer a qualidade do café) e promovendo a redução da pegada de carbono já que o alumínio dificulta a reciclagem da embalagem pós consumo.

Ainda sobre o aspecto da sustentabilidade, Célia dá ênfase à nova linha de filmes sustentáveis Ecophane, da Terphane, dividida em duas famílias de produtos: os filmes BOPET com no mínimo 30% de PCR (PET reciclado pós consumo) em sua composição e os filmes biodegradáveis. No caso dos biodegradáveis, sua decomposição ocorre em aterros sanitários, num período médio de 04 anos, sempre em condições anaeróbicas. Segundo a Terphane, toda a linha Ecophane já foi aprovada pela Anvisa para contato com alimentos, bem como por órgãos internacionais como a FDA (EUA) e a EFSA (União Europeia).

Dados do censo da Abipet (Associação Brasileira da Indústria do PET – http://www.abipet.org.br) mostram que o Brasil reciclou 55% das embalagens PET descartadas pós consumo em 2019, 12% a mais que no ano anterior. “A proposta da Terphane é justamente trabalhar com este material descartado e reciclado na composição da linha Ecophane PCR, oferecendo um produto ambientalmente responsável para os convertedores e brand owners e contribuindo para reduzir a ociosidade dos recicladores que hoje ainda é superior a 30%, por conta das limitações da coleta.”

Segundo Paula Tavares, consultora em sustentabilidade da ABIC, a associação vem investindo em comunicação e conscientização de seus associados e consumidores: “Quando falamos em sustentabilidade, a ABIC trabalha no tripé social, ambiental e econômico. Seja através das redes sociais, de comunicados internos ou campanhas, a entidade focaliza em ações e parcerias que estimulem a reciclagem e o consumo consciente. O café gera conversas, a ABIC conexões”.

Desde a sua fundação em 1976, a Terphane concentra-se no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). Sua equipe possui experiência em produção, revestimento e metalização de filmes. A empresa se destaca ainda por uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até a extrusão de filmes especiais. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar.

Curta nossa página no

Embaquim aumenta produção de liners com nova máquina de corta/solda

08/07/2020

Com o investimento, a empresa amplia o portfólio de liners ofertados

Desde o início de Julho, está em funcionamento na planta da Embaquim, em São Bernardo do Campo (SP), o novo equipamento para a produção de liners simplificados. Conforme Renata Canteiro, Diretora da empresa, “o objetivo é que a Embaquim também possa oferecer para os seus clientes liners simplificados fabricados com mono material (Polietileno), a partir de bobinas de 1,8 a 2 metros de largura. Esta oferta vai ao encontro de uma demanda dos clientes que já compram os liners especiais”.

“Até então, para atender a esta demanda por liners simplificados, extraíamos as bobinas e enviávamos para os clientes formatarem o liner manualmente em suas empresas”, explica Renata. Segundo ela, esta nova estrutura garantirá aumento de competitividade e valor agregado para os liners da Embaquim.

Liner para Big Bag da Embaquim

A nova máquina de corte/solda foi produzida sob encomenda e tem como diferencial oito cabeçotes de soldas inclinadas, afirma a empresa. O liner produzido pode ter válvula superior e/ou inferior, com tamanhos que variam de 150 a 1200 mm. O novo equipamento também dá a opção de produzir o liner com fundo soldado ou não. Segundo a Embaquim, os seus novos liners atendem às indústrias de alimentos, agroquímicos, químicos em geral, grãos e outras aplicações.

A instalação da nova máquina de corte/solda faz parte de um plano de investimento e expansão da empresa. No início do ano, a Embaquim anunciou a operação de uma nova coextrusora com capacidade para produzir 50 toneladas/mês de filmes com 05 camadas. De acordo com a Embaquim, o equipamento gerou um aumento de 15% na capacidade produtiva total de filmes da empresa, que hoje conta com cinco extrusoras em sua planta.

A Embaquim produz sistemas de embalagem bag-in-box e oferece embalagens plásticas flexíveis (bolsas) de 800 ml até 1.000 litros, com diversas estruturas e várias opções de bocais e tampas. Ela fornece para vários segmentos industriais, entre eles os de alimentos, bebidas, químicos, cosméticos e farmacêuticos. A empresa possui certificação ISO 9001:2015, o que inclui a rastreabilidade de seus produtos, que são testados em termos de características físico-químicas e em simulações de uso.

Curta nossa página no

Terphane aumenta capacidade de metalização de filmes de Poliéster no Brasil

03/07/2020

O novo equipamento vai atender à crescente demanda nacional.

Como fruto de um investimento de R$ 20 milhões, desde março está em funcionamento na planta da Terphane, em Cabo de Santo Agostinho (PE), uma nova metalizadora da Bobst, produzido no Reino Unido, que permitirá o atendimento à crescente demanda por filmes metalizados.

“O investimento da Terphane em uma nova metalizadora está alinhado à tendência global de busca por embalagens mais sustentáveis e de menor impacto ambiental. Fizemos questão de trazer o que há de melhor no mundo em tecnologia para a metalização de filmes, em um equipamento que será o primeiro do seu tipo em todas as Américas. Com isso continuaremos a promover o desenvolvimento de filmes especiais de alta barreira nestes mercados, oferecendo soluções que não só protejam os alimentos, mas também permitam uma melhor relação custo benefício às embalagens. Embalagens utilizando filmes metalizados permitem migrar das embalagens rígidas para as flexíveis, gerando significativa redução de peso, e por consequência, do uso de recursos materiais, além de permitirem menores custos de transporte e armazenamento”, esclarece José Bosco Silveira Jr., Presidente do Grupo Terphane.

E completa: “Os filmes metalizados também viabilizam a substituição da folha de alumínio que ainda é usada em algumas aplicações em embalagens flexíveis, trazendo uma melhor relação custo/benefício devido à menor espessura do filme e sua processabilidade”.

“Com a finalização do projeto de instalação da nova metalizadora, que durou quase dois anos, a Terphane consolida sua posição como fornecedor local e especializado em filmes metalizados, garantindo para os clientes maior agilidade no atendimento à demanda do mercado por filmes metalizados e reduzindo os lead times”, pontua Edson Albuquerque, Diretor de Operações da Terphane no Brasil.

A Terphane afirma que o novo equipamento também garantirá à empresa maior qualidade de deposição e, consequentemente, redução de possíveis defeitos durante a metalização. A inspeção dos filmes é feita em linha e o equipamento consegue detectar pequenas falhas na metalização, imperceptíveis a olho nu, garante a empresa. “Assim, o tempo de resposta do time de produção para corrigir possíveis problemas é reduzido. Este é o segundo equipamento da Terphane com esta funcionalidade”, explica Albuquerque.

Segundo a empresa, a nova metalizadora possibilitará aumentar o portfólio de filmes metalizados com altíssima barreira e transparência. Desta forma, a empresa poderá atender à demanda do mercado de substituição da folha de alumínio nas embalagens flexíveis, resultando em uma embalagem mais sustentável. Testes com a nova tecnologia aplicada aos filmes-base da Terphane também mostraram que o novo equipamento possibilita o lançamento de novas linhas de produtos. Isto ajudará os convertedores a ampliarem sua capacidade de laminação de estruturas flexíveis em processos mais complexos e em aplicações mais críticas, assegura a Terphane.

Para Eduardo Petroni, CEO da Bobst America do Sul, “A Terphane é conhecida como líder em filmes especiais de poliéster (PET) na América Latina e no mundo. E a Bobst veio como o parceiro ideal para levar o mercado ao próximo patamar de filmes-barreira e metalizados de alta qualidade”.

Desde a sua fundação em 1976, a Terphane concentra-se no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). Sua equipe possui experiência e conhecimento em produção, revestimento e metalização de filmes. A empresa possui uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até a extrusão de filmes especiais. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar.

A Bobst é um dos principais fornecedores mundiais de equipamentos e serviços de conversão, impressão e processamento de substratos para as indústrias de etiquetas, embalagens flexíveis, cartão e papelão ondulado. Fundada em 1890 na Suíça, a Bobst está presente em mais de 50 países, administra 15 instalações de produção em 8 países e emprega mais de 5.500 pessoas em todo o mundo. A empresa registrou um faturamento consolidado de 1,636 bilhão de francos suíços no ano encerrado em 31 de dezembro de 2019.

Curta nossa página no

Dow desenvolve nova resina para filmes de polietileno biorientado (BOPE) e reforça compromisso com Economia Circular

21/04/2020

A resina Innate TF permite produção de filmes biorientados para serem usados na confecção de embalagens monomateriais

Buscando aprimorar o portfólio de soluções para o mercado de embalagens recicláveis, a Dow lança a resina Innate TF. Novidade na América Latina, a nova resina permite a produção de filmes de polietileno biorientados (BOPE) com excelentes propriedades óticas e mecânicas, além de alta rigidez, afirma a Dow. A pioneira nesse mercado a usar essa tecnologia é a Oben Holding Group.

O Innate TF foi desenhado para proporcionar ampla janela de processo em equipamentos usados para fabricação de polipropileno biorientado (BOPP) e atender às necessidades dos produtores regulares de BOPP que procuram inovação de portfólio e o fornecimento de substratos que facilitem a confecção de embalagens monomateriais. Esta nova resina pode ser utilizada em máquinas comerciais de BOPP ou em novas máquinas hibridas já disponíveis no mercado. Segundo a Dow, o novo filme de polietileno biorientado possui excelente desempenho mecânico, selagem e, quando laminado com filme de polietileno tradicional, permite a produção de embalagens recicláveis para diferentes aplicações, tais como ração para animais, alimentos processados, itens de higiene pessoal, produtos de limpeza etc.

“Na Dow, acreditamos que a embalagem deva cumprir seu propósito de maneira eficiente sem impactar o ambiente. Por isso trabalhamos constantemente no desenvolvimento de novas ferramentas para o desenho de embalagens eficientes e recicláveis. O lançamento da resina Innate TF representa mais um importante passo em direção ao nosso comprometimento com essa cadeia de valor”, afirma Marcus Vinicius Carvalho, Gerente de Marketing para o setor de Embalagens Flexíveis da Dow na América Latina.

“Esta nova resina oferece excelente processabilidade, permitindo a produção de uma variedade de produtos planos e seláveis, combinados em coextrusões com resinas Elite, gerando um grande potencial para o desenvolvimento de filmes à base de polietileno biorientado”, complementa Erik Sosa, diretor técnico da Oben Holding Group.

A resina Innate TF já está em fase comercial e é fornecida pela Dow. O filme de polietileno biorientado (BOPE) é comercializado pela Oben Holding Group em diferentes países da America Latina.

A Dow combina alcance global, escala e integração de ativos, inovação focada e liderança em frentes de negócio diversificadas para alcançar crescimento lucrativo. O portfólio de plásticos, intermediários industriais, revestimentos e silicones da Dow oferece uma variedade de produtos e soluções para segmentos de mercado de alto crescimento, como embalagens, infraestrutura e cuidados do consumidor. A Dow opera 109 unidades fabris em 31 países e emprega cerca de 36.500 pessoas. Em 2019, gerou aproximadamente US$ 43 bilhões em vendas.

O Oben Holding Group é um grupo industrial dedicado ao desenvolvimento, produção e comercialização de filmes de polipropileno, poliéster e poliamida, produtos de polipropileno revestido e termoformado. O grupo iniciou suas operações em 1991 com a primeira fábrica no Equador. Hoje, possui 10 fábricas localizadas em 6 países, 2 centros de distribuição e 5 escritórios comerciais em diferentes países das Américas. Seus principais mercados estão em todas as Américas. No entanto, atualmente exportam para mais de 35 países, incluindo Europa e África. A matriz principal está localizada em Lima, no Peru, onde está concentrada a maior capacidade de fabricação. Toda a organização é composta por mais de 1.800 funcionários.

Curta nossa página no

Embaquim aumenta capacidade produtiva de Bag-in-Box com investimento em coextrusora

27/02/2020

Já está em pleno funcionamento na fábrica da Embaquim em São Bernardo do Campo (SP), a nova coextrusora Carnevalli (foto) que permite produzir filmes a partir de um mix de PE (polietileno) com materiais de alta barreira, como o nylon e o EVOH. A nova ‘coex’ garante mais flexibilidade e maior qualidade aos filmes barreira, afirma a empresa. “Outra vantagem é que passamos a produzir nossos próprios filmes coextrudados, que antes eram comprados de fornecedores externos. Com isso, aumentamos a competitividade e a agilidade em atender ao mercado”, explica Renata Canteiro, Diretora da Embaquim.

A nova coextrusora tem capacidade para produzir 50 toneladas/mês de filmes com 05 camadas. O equipamento também garantiu um aumento de 15% na capacidade produtiva total de filmes da Embaquim. Hoje a empresa dispõe de cinco extrusoras em sua planta.

Segundo Renata Canteiro, a coextrusora permitirá atender com mais agilidade aos mercados em que a Embaquim já atua como fornecedora de embalagens, tais como alimentos, bebidas, cosméticos, químicos, farmacêuticos e agrícolas, além dos mercados tradicionais. “O importante é garantir ao cliente que, a partir de agora, estamos à frente de todas as etapas de produção do sistema bag-in-box, inclusive do filme coextrudado.”

De acordo com a Embaquim, os seus novos filmes coex estão sendo submetidos a testes de validação, internos e externos, para determinar sua adequação aos requisitos especificados. Testes de stress cracking, pressão, resistência química e microscopia estão em andamento, com resultados satisfatórios até o momento, afirma a empresa. Um último teste está sendo feito no CETEA (Centro de Tecnologia de Embalagem de Alimentos) para garantir que os novos filmes coex atendam às exigências de barreira a oxigênio e a umidade, que são os diferenciais da estrutura de barreira quando comparada ao filme monocamada (PE).

A Embaquim espera iniciar a comercialização das soluções bag-in-box com seus próprios filmes coex ainda em fevereiro.

A Embaquim produz sistemas de embalagem bag-in-box, oferecendo embalagens plásticas flexíveis (bolsas) de 800 ml até 1.000 litros com diversas estruturas e várias opções de bocais e tampas. A certificação ISO 9001:2015, concedida pela Bureau Veritas, garante a rastreabilidade de seus produtos. As bolsas são fabricadas em processo automatizado, com matéria-prima 100% virgem e atóxica.

Curta nossa página no

 

Dow oferecerá PEBD e PEBDL baseados em reciclados pós-consumo na América do Norte

15/01/2020

  • Dow combina suas resinas de polietileno virgem com os pellets de resina pós-consumo (PCR) da Avangard Innovative, obtidos a partir de filmes plásticos
  • Contrato exclusivo permitirá lançamento dos primeiros produtos baseados em PCR da Dow na América do Norte

Em um contrato exclusivo, a Avangard Innovative LP, empresa de Houston (Texas) especialista em valorização de resíduos, fornecerá à Dow pellets de resina pós-consumo (PCR) obtidos a partir de filme plástico, o que corresponde a uma adição significativa ao portfólio de circularidade plástica da Dow – alinhado ao objetivo da empresa de promover a economia circular de plásticos.

As duas empresas esperam começar a oferecer no final deste ano as primeiras inovações baseadas em PCR da Dow a clientes norte-americanos que estão exigindo perfis de sustentabilidade mais consistentes em aplicações direcionados, tais como revestimentos, embalagens retráteis e embalagens protetoras, entre outras aplicações. A Dow inicialmente utilizará a PCR da Avangarde para criar produtos de polietileno linear de baixa densidade (PEBDL) e polietileno de baixa densidade (PEBD).

“Estamos oferecendo aos nossos clientes as ferramentas necessárias para fornecer aos consumidores produtos feitos de plástico reciclado, tais como os revestimentos que colocam em suas lixeiras e e a embalagem retrátil que eles usam para empacotar e enviar mercadorias embaladas”, disse Victor Zapata, diretor comercial para reciclagem na América Latina e América do Norte. “Esta colaboração combina a tecnologia de coleta e classificação de resíduos da Avangard e ​​com o conhecimento da Dow em ciência de materiais, além da sua experiência em aplicações e escala operacional, a fim de oferecer um processamento consistente e um fornecimento confiável de PEBD e PEBDL baseados em PCR para nossos clientes em toda a América do Norte”.

Promovendo soluções para a economia circular de plástico

A colaboração entre a Dow e a Avangard impulsiona esforços que garantem que o valor do plástico não seja perdido após apenas somente um ciclo de uso de material.

“Qualquer plástico perdido no meio ambiente como lixo é inaceitável”, disse Nestor de Mattos, vice-presidente comercial da Dow na América do Norte para Embalagens e Plásticos Especiais. “É por isso que estamos colaborando com a Avangard para promover novas soluções que mantenham o valor dos plásticos usados. Esse esforço não apenas ajuda a Dow a atingir suas metas de sustentabilidade, mas também ajuda nossos clientes a alcançarem seus próprios objetivos de sustentabilidade, promovendo a mudança para uma economia cicular dos plásticos “.

Contrato com a Dow dá continuidade ao crescimento da Avangard

O contrato exclusivo para fornecimento de PCR à Dow, que será combinado com resinas virgens para criar novos produtos de PEBD e PEBDL, vem em seguida ao anúncio da Avangard de que está expandindo sua coleta e classificação de filmes no próximo ano – facilitada por uma segunda fábrica em Houston e novas plantas em Nevada e no México .

“A combinação de nossa colaboração com a Dow e a nossa expansão planejada torna este um momento muito emocionante para a Avangard Innovative”, disse Rick Perez, CEO da Avangard. “Construímos uma experiência de coleta e classificação de filmes ao longo de 35 anos, posicionando-nos de maneira única para oferecer materiais de PCR que permitirão à Dow desenvolver produtos circulares para seus clientes “.

A Avangard foi certificada como uma empresa comercial minoritária (MBE) pelo Conselho de Desenvolvimento de Fornecedores Minoritários de Houston (HMSDC) e pelo Estado do Texas.

O portfólio da Dow é composto pelos segmentos Materiais de Desempenho, Intermediários Industriais e Plásticos e oferece aos clientes de indústrias de alto crescimento, tais como embalagens, infraestrutura e bens de consumo, uma gama de produtos e soluções diferenciados. A Dow opera 113 unidades de produção em 31 países e emprega cerca de 37.000 funcionários em todo o mundo. Em 2018, a empresa gerou um faturamento de cerca de US $ 50 bilhões (pro forma)

Curta nossa página no

Reifenhäuser apresenta linha de produção de filme de PE totalmente reciclável para embalagens pouch

04/12/2019

Solução 100% Monomaterial foi apresentada durante a K 2019

Possuir 100% de reciclagem e excelentes propriedades de barreira não precisam ser uma contradição. A máquina EVO Ultra Stretch patenteada pela Reifenhäuser produz filme monomaterial (100 % de polietileno). Segundo a empresa, é uma alternativa econômica ao uso do PET.

Filme Stretched de PE para aplicações complexas de embalagem

Em embalagens muiticamadas convencionais, o PET fornece propriedades de estabilidade e barreira. Por outro lado, sua reciclabilidade é muito restrita. A Reifenhäuser diz que o filme de PE “stretched” produzido com sua tecnologia pode substituir totalmente o PET, sem perda de qualidade.

Segundo a empresa, o processo EVO Ultra Stretch produz filmes de PE com propriedades mecânicas que atendem a todos os requisitos da indústria de embalagens em termos de embalagens de alto desempenho e sua conversão: propriedades de selagem térmica, alta rigidez na direção da máquina, boa planicidade e impressão de qualidade.

Eficiência energética e relação custo-benefício facilitam a entrada

O processo envolve o alongamento do filme até dez vezes sua área superficial inicial. Devido ao seu posicionamento na puxada, o EVO Ultra Stretch apresenta consumo de energia muito baixo e alta estabilidade do processo, afirma a Reifenhäuser. Uma grande vantagem é que o filme PE pode ser convertido em linhas de conversão existentes, sem necessidade de adaptação. O fabricante afirma que isso facilita consideravelmente a transição para embalagens monomaterial feitas de PE.

“Para ajudar nossos clientes a apresentarem o produto da maneira mais tranquila possível, nós fornecemos um pacote completo de know-how de uma única fonte, compreendendo tecnologia, receita de filme e parâmetros de processamento”, explica Eugen Friedel, Diretor de Vendas da Reifenhäuser Blown Film.

A aplicação já passou com sucesso em testes de campo em um cliente da Reifenhäuser e proprietário de marca. É um dos 15 exemplos de economia circular que foram exibidos no estande da Reifenhäuser durante a K 2019. “A embalagem monomaterial é a chave para uma economia circular em funcionamento”, diz Eugen Friedel.

Fonte: Reifenhäuser

Curta nossa página no

Estudos de universidade suíça indica benefícios do uso de polímero biodegradável no solo

30/08/2019

Polímero é metabolizado por microrganismos do solo, dispensando a etapa de retirada do filme

Os tomates são os vegetais mais cultivados no mundo para a indústria de processamento de alimentos. Em muitos países, os agricultores usam os filmes mulching de polietileno (PE) para aumentar a produtividade do tomate, controlando ervas daninhas, a temperatura do solo e o uso dos recursos hídricos. Entretanto, os finos filmes mulching de PE devem ser retirados do solo depois da colheita. Como normalmente é impossível recolhê-los totalmente, os resíduos acabam se acumulando no solo, pois não podem ser biodegradados pelos microrganismos.

Já os filmes feitos com o polímero biodegradável ecovio M 2351 podem ser deixados no solo depois da colheita e eliminam a necessidade da trabalhosa remoção e reciclagem, garante a BASF, fabricante da resina. A empresa afirma que o seu material pode inclusive ser arado no solo depois da colheita mecânica, já que os microrganismos que ocorrem naturalmente no substrato reconhecem a estrutura do filme como um alimento que eles podem metabolizar.

Segundo a Basf, o seu ecovio M 2351 é um plástico biodegradável e certificado, desenvolvido para filmes mulching. São fabricados com polímero biodegradáveL (PLA) produzido a partir de matérias-primas renováveis e do co-poliéster biodegradável ecoflex, de polibutileno adipato co-tereftalato (PBAT).

Além disso, afirma a Basf, o uso dos filmes mulching feitos de ecovio podem promover o aumento da produtividade do tomate de 15% a 50%, redução do consumo de água, além de permitir melhor controle de ervas daninhas, usando-se menos herbicidas em comparação ao solo descoberto. Segundo a empresa, os agricultores também observaram maior resistência do cultivo às doenças fúngicas, menor tempo para colheita, além de uma qualidade melhor e mais homogênea do cultivo. Igualmente, notaram um índice Brix – que se refere à proporção de açúcar/água nos tomates – mais alto.

Agricultura sustentável

A BASF relata que um estudo realizado pela Univesidade ETH de Zurique, na Suíça, mostrou que os micróbios do solo, como bactérias e fungos, podem usar os filmes feitos com o plástico PBAT como alimento. Os micro-organismos retiram o carbono do polímero para gerar energia e para formar biomassa. Os produtos finais restantes depois da biodegradação são CO2, água e biomassa. Isso significa que o PBAT se degrada biologicamente e não permanece no solo sob a forma de microplásticos, como ocorre com o PE.

Portanto, afirma o estudo, os filmes mulching biodegradáveis no solo contribuem para o melhor desenvolvimento da raiz, melhor crescimento da planta e melhor qualidade do solo. O ecovio M 2351 foi o primeiro material a ser certificado como biodegradável no solo segundo a norma europeia DIN EM 17033. Muitos países também aceitam o uso de filme mulching feito com ecovio para cultivos orgânicos.

Há mais de seis anos, os agricultores usam os filmes mulching biodegradáveis no solo feitos com ecovio, desde sua introdução no mercado em 2012. “Em muitos países nós incentivamos os agricultores a usarem os filmes mulching feitos com ecovio”, afirma Dirk Staerke do marketing de biopolímeros para agricultura da BASF. “Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, a produção agrícola mundial precisa crescer em 70% se quisermos alimentar uma população mundial que deve chegar a nove bilhões de pessoas em 2050. Os filmes mulching biodegradáveis podem contribuir com esse desafio, sem poluir o solo com resíduos de filme não degradável”.

Material pode ser usado em extrusoras convencionais

O Ecovio M 2351 é um composto pronto para extrusão de filmes finos. A Basf afirma que ele pode ser processado em máquinas convencionais de filme soprado para PE. Devido às suas propriedades mecânicas em relação à resistência ao rasgo, esses filmes podem ser fabricados em diferentes espessuras de 12, 10 e 8 µm. O composto já contém agentes deslizante e antibloqueio.

Curta nossa página no

Distribuidores de filmes BOPP associados à Adirplast prevêem mercado estagnado em 2019

30/08/2019

O volume de filmes BOPP comercializado em 2018 no país foi de 152 mil toneladas. Os associados da Adirplast foram responsáveis por 22 mil toneladas do total. Para 2019, previsão é de estagnação, além de margens mais apertadas

O mercado de filmes biorientados de polipropileno e poliéster (BOPP e BOPET) também tem sentido as oscilações econômicas mundiais. Embora a previsão inicial para este ano fosse de crescimento, o primeiro semestre foi complicado: “Os volumes aumentaram um pouco, no entanto, a margem de lucro está cada vez menor. Temos quedas de preços e questões tributárias, que pioram muito e dificultam os negócios para este ano”, afirmou Cecília Vero, da TIV Plásticos e diretora da Adirplast (Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas e Afins), em encontro promovido nesta semana pela entidade.

O volume de filmes BOPP comercializado em 2018 no Brasil foi de aproximadamente 152 mil toneladas. Os associados da Adirplast foram responsáveis por pouco mais de 22 mil toneladas desse montante. Para 2019, a previsão é de que o mercado feche com números muito próximos.

Além da demanda estagnada e de uma margem mais apertada de lucro, a diretora da Adirplast ainda reforçou que 2019 trouxe de volta ao setor o fantasma da inadimplência. “Precisamos estar atentos a este problema que voltou com bastante força neste ano. Precisamos também analisar o segundo semestre com cautela”.

Apesar dos percalços, há quem acredite na melhora do mercado já neste ano. Um deles é Luciano Ost, da Polo Films, que atualmente é um dos maiores fornecedores brasileiros de filmes BOPP, responsável por 28% do mercado nacional. O empresário foi um dos convidados para debater o assunto com associados da entidade: “Sou muito otimista quanto a capacidade de nosso negócio. A demanda mundial de BOPP em 2019 está prevista para 9,9 milhões de toneladas; para a demanda doméstica, a previsão é de 148 mil toneladas”.

O executivo ainda explicou a necessidade do mercado se atualizar com as novas demandas. “A força da indústria de filmes de BOPP deriva dos altos volumes usados nas embalagens primárias, particularmente para alimentos, o que não é fácil de substituir de maneira econômica. O crescimento nos mercados de alimentos embalados em todo o mundo continuará a ser um fator-chave para a demanda futura, sustentada pelo crescimento populacional, a urbanização e o aumento da renda nos mercados em desenvolvimento. Precisamos estar atentos às tendências”.

Outro ponto importante para os associados da Adirplast é a importância da reforma tributária para a melhora nos negócios. Cecília Vero vê com bons olhos as mudanças que estão apontando no Congresso: “Este é um ponto essencial para a melhoria de toda a nossa cadeia de negócios, principalmente para terminarmos este ano de uma maneira positiva”.

Para o presidente da entidade, Laercio Gonçalves, estes encontros entre fornecedores e associados são saudáveis para todo o segmento: “Precisamos de toda a cadeia unida; trazer a Polo Films para debater com os associados representantes de filmes BOPP é essencial para garantir um 2019 mais positivo para todos”.

A Adirplast tem como diretrizes o fortalecimento da distribuição, o apoio aos seus associados e a integração do setor de varejo de resinas plásticas, filmes de BOPP-PET e plásticos de engenharia. A entidade trabalha ainda para promover a imagem sustentável do plástico, melhorar a gestão financeira dos transformadores e ajustar o desordenamento tributário sobre a indústria.

Atualmente, a entidade agrega empresas distribuidoras de resinas plásticas, plásticos de engenharia e filmes BOPP-PET que, juntas, tiveram um faturamento bruto de cerca de R$ 4 bilhões em 2018. Elas responderam por cerca de 12% de todo o volume de polímeros e filmes BOPP-PET comercializados no país.

Credenciadas pelos fabricantes, contam com uma carteira de 7.000 clientes, em um universo de 11.500 transformadores de plásticos no Brasil. Para atendê-los, a entidade emprega 200 representantes externos e mantém 150 postos de atendimento, além de equipes de assistência técnica e de pós-venda. Os distribuidores associados à Adirplast são responsáveis pela emissão mensal de aproximadamente 25.000 notas fiscais e 80.000 duplicatas.

Curta nossa página no

Terphane apresenta soluções em embalagens flexíveis no PMA Fresh Connections 2019

19/08/2019

Além dos filmes de fácil abertura e selagem permanente, a Terphane apresentará linha de filmes de poliéster

O consumidor de FLV (frutas, legumes e verduras) busca, cada vez mais, produtos naturais, saudáveis, livres de conservantes e práticos de consumir. E boa parte destes atributos é garantida pela embalagem. Para discutir tendências de consumo e novidades no setor de FLV, acontece nesta quarta-feira, 21 de agosto, em São Paulo, o PMA Fresh Connections, organizado pela entidade norte-americana PMA (Produce Marketing Association). E a Terphane, líder em filmes PET (poliéster) na América Latina, participará do evento com um estande e como patrocinadora.

“A proposta é apresentar para este mercado todas as soluções inovadoras em embalagens flexíveis que a Terphane já tem na Europa e nos Estados Unidos”, explica André Gani, Diretor de Vendas & Marketing da empresa. Como destaque, a Terphane apresentará os filmes de poliéster termoseláveis com fácil abertura (easy open) ou com selagem permanente (lock seal) que evidencia se a bandeja foi aberta.

A Terphane também apresentará a recém lançada linha de filmes de poliéster Ecophane®, com duas versões: uma é o filme rPET, com pelo menos 30% de PET reciclado pós consumo, basicamente proveniente de garrafas PET. A outra é o filme bPET, com tecnologia de biodegradação para aterros sanitários. “A linha contribui para a produção de embalagens mais sustentáveis. Essa solução de embalagem também pode ser utilizada com atmosfera modificada (ATM) e as embalagens são 100% recicláveis”, explica Célia Freitas, Gerente de Desenvolvimento de Negócios da Terphane.

Segundo a Terphane, todos os seus filmes de poliéster para embalagens flexíveis da Terphane estão alinhados às grandes demandas do setor de FLV: soluções que maximizem a vida útil do produto, minimizem seu desperdício e aumentem a percepção de valor por parte do consumidor final. A empresa afirma que estas embalagens também garantem a integridade do produto durante as etapas de transporte e armazenagem, evitando desperdício. Além disse, garante o fabricante, ganha-se ainda na logística pela possibilidade de empilhamento das embalagens; mais embalagens ocupando menos espaço.

Do ponto de vista ambiental, os filmes de poliéster são recicláveis e, especificamente a nova linha Ecophane®, incorpora o conceito de Economia Circular, afirma a Terphane. Ou seja: embalagens descartadas pós consumo são recicladas e voltam a ser embalagem para novas aplicações.

Serviço PMA Fresh Connections Brasil – www.pmafreshconnections.com.br

Data 21 de agosto
Horário 09h00 às 19h00
Local Centro de Convenções Rebouças – São Paulo

Desde a sua fundação em 1976, a Terphane concentra-se no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). A empresa possui uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até a extrusão de filmes especiais. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar.</p

Curta nossa página no

Terphane assina acordo de distribuição de filmes para as Américas com a japonesa Toyobo

26/01/2019

José Bosco Silveira Jr., Presidente da Terphane e o Presidente da Toyobo no Brasil, Yukihiko Minamimura, no escritório da Terphane em São Paulo/Brasil

Foi anunciada no dia 23/01 que a Terphane (www.terphane.com), fabricante de filmes de poliéster biorientado BOPET, passou a ser representante dos filmes da japonesa Toyobo (www.toyobo-global.com) nas Américas. A empresa representará as linhas Ecosyar, Toughster e Olyester. “A proposta é trazer filmes com propriedades específicas e valor agregado que garantam aos brand owners embalagens diferenciadas e inovadoras”, explica José Bosco Silveira Jr., Presidente da Terphane.

E completa: “O acordo com a Toyobo marca uma nova fase para a Terphane. Entendemos que o mercado precisa de parceiros que participem de todas as etapas de desenvolvimento de novos produtos e garantam embalagens que acelerem a inovação. Isto é ainda mais importante no mercado de produtos premium. Hoje, um material de alta barreira para embalagem, com transparência, é uma demanda do consumidor final à qual as empresas de bens de consumo têm que atender. E o portfólio de filmes da Terphane/Toyobo permitirá desenvolver, com estes clientes, embalagens alinhadas aos anseios do consumidor e posicionadas em um patamar diferenciado.”

Segundo José Bosco, o consumidor atual busca uma relação transparente com marcas, empresas e produtos que passa, justamente, pelas embalagens. “Existe um gatilho emocional que é acionado na cabeça do consumidor no momento da compra e que diz: se você conseguir visualizar o conteúdo da embalagem é porque o produto é bom e a marca não tem nada a esconder.” A embalagem transparente também ajuda a construir o valor da marca e dá sustentação à sua proposta de valor. Ela tem uma relevância ainda maior em produtos/marcas premium já que uma “simples” janela pode chancelar toda a qualidade esperada pelo posicionamento do produto.

Em uma visão comercial mais abrangente, o portfólio da Toyobo também será oferecido para os clientes Terphane em todo o continente americano (América do Sul, Central e do Norte). A capilaridade do time comercial da Terphane na região foi um dos aspectos que pesou na decisão da Toyobo pela representante. “O suporte técnico, aliado ao expertise da equipe Terphane em aplicação e desenvolvimento, foi outro ponto extremamente positivo”, explica José Bosco. Isto porque nosso time está voltado para o desenvolvimento de negócios; os profissionais aliam conhecimento técnico com habilidade comercial e profundo conhecimento do mercado, com base nas tendências de consumo e inovações.

A Terphane focalizará inicialmente nos mercados de embalagens para alimentos (secos, úmidos, refeições pré-cozidas, para cozimento da embalagem, sopas, etc) e embalagens para não alimentos (medicamentos, produtos industriais, químicos, produtos de higiene pessoal e beleza, etc). A Terphane já está disponibilizando os novos materiais para teste em clientes. A linha da Toyobo completa a linha da Terphane, criando muitas possibilidades de estruturas de embalagem para variadas aplicações.

Desde a sua origem em 1976, a Terphane concentra-se no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). Sua equipe possui experiência e conhecimento em produção, revestimento e metalização de filmes. A empresa se destaca ainda por uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até os filmes especiais. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Terphane

Curta nossa página no </

4º Fórum Milliken reúne profissionais da cadeia do plástico para discutir inovação e casos de sucesso tecnológico

05/10/2018

Evento apresentou ferramentas de inovação que podem ser usadas dentro das próprias empresas, além de cases de embalagens, tampas e filmes plásticos

O 4º Fórum Milliken, com foco em soluções para a indústria do plástico, reuniu mais de 100 profissionais, entre consumidores, convertedores, proprietários de marcas e fabricantes de resina para promover debates sobre inovação e colaboração dentro do setor de embalagens de polietileno e polipropileno. “Essa integração gera conhecimento, parcerias e soluções dentro das nossas áreas de atuação. Juntamos o que temos a oferecer com as necessidades de vocês”, anunciou Cristina Neri, diretora regional para a América Latina da companhia.

Denilson Shikako, CEO da Fábrica de Criatividade, foi o palestrante convidado para apresentar as ferramentas de inovação disponíveis para se trabalhar dentro de cada empresa, tais como Design Thinking, Inexistente, Agrupar, Open Innovation, entre outras. “Há padrões e processos que podem ser implementados para a geração de inovação. Apenas 15% das patentes do mundo vêm de laboratórios de inovação; todo o resto, de profissionais comuns”, destacou.

Vários executivos da Milliken apresentaram casos de sucesso com tecnologias inovadoras em embalagens, tampas e filmes plásticos, oferecendo também projetos personalizados aos participantes. Henrique Noguchi, gerente da linha Keyplast América Latina de pigmentos, corantes e efeitos especiais, abordou as tendências para embalagens injetadas, considerando a demanda por sustentabilidade e perfil dos consumidores de acordo com a pirâmide etária. “Dessa forma, repriorizamos processos e modificamos algumas estruturas, pois cada vez mais as embalagens são diferenciais para as empresas”.

Rodrigo Silva, gerente de contas sênior, falou sobre as embalagens plásticas no segmento de utilidades domésticas que usam o Millad NX8000, o qual, segundo a Milliken, traz máxima transparência e confere ao polipropileno uma aparência mais “limpa” quando comparada aos clarificantes tradicionais. Devido à maior janela de processo obtida pelo uso do plástico com esta solução, a transparência da peça é pouco afetada por variações de processo. Há também benefícios na redução no consumo de energia e potencial redução de ciclo devido à possibilidade de processamento a temperaturas mais baixas, garante a empresa.

Já o gerente técnico Edmar Nogueira deu enfoque às tampas, que têm um equilíbrio químico complexo onde a pigmentação pode afetar a cristalização e a dimensão das peças, o que pode causar vazamentos ou dificuldades de abertura, entre outros problemas. “Nossas soluções neutralizam esses efeitos e é importante lembrar que, se a tampa falhar, a embalagem, o produto, a marca e a fabricante serão comprometidos aos olhos dos consumidores finais”, ressaltou.

As embalagens plásticas termoformadas de alta transparência são outra especialidade da Milliken. Para o segmento, a empresa fornece o NX UltraClear, que atende à demanda por sustentabilidade, alimentação saudável e refeição pronta, além da conveniência de poder ser levado ao microondas. Márcio Biaso, gerente de contas sênior, apresentou dois casos de sucesso, incluindo o de uma das redes de fast food mais famosas do mundo e de uma das maiores cafeterias. O executivo também citou a conclusão observada, através do uso de óculos especiais, de que os consumidores olham muito mais para embalagens transparentes.

Já Aparecido Albarici, gerente técnico, falou sobre os filmes flexíveis de polietileno de alto desempenho e a importância da barreira a vapor de água para manter os alimentos frescos por mais tempo. “Novamente, o fator sustentabilidade está incluído na nossa linha de produção. Além de aumentarmos de 30% a 43% a barreira a vapor, conseguimos reduzir a opacidade e aumentar o brilho dos produtos produzidos com nossos agentes químicos”, concluiu, antes de convidar a todos para apresentar projetos de interesse para serem testados e prototipados no laboratório da Milliken.

A Milliken foi fundada em 1865. A empresa emprega mais de 100 PhDs e acumula mais de 2.200 patentes nos EUA e mais de 5 mil patentes no mundo todo, desde sua fundação.

Fonte: Milliken

Curta nossa página no

Terphane apresentou soluções em filmes seláveis no PMA Fresh Connections 2018, em São Paulo

24/08/2018

Na quarta-feira, 22 de agosto, a Terphane, empresa atuante no segmento de filmes PET (poliéster) na América Latina e um importante player mundial, participou com um estande e como patrocinadora do PMA Fresh Connections, em São Paulo. O evento foi organizado pela entidade norte-americana PMA (Produce Marketing Association) que congrega produtores agrícolas de todo o mundo, desde 1949. A Associação se propõe a interagir com os diversos segmentos da cadeia de frutas, flores, legumes e vegetais, da produção ao varejo, no Brasil e no mundo.

“Para a Terphane esta foi uma excelente oportunidade para mostrar os filmes de poliéster que vão de encontro a um dos pilares do evento: apresentar soluções que maximizem a vida útil do produto, minimizem seu desperdício e aumentem a percepção de valor dos produtos”, explica José Ricardo Sorbile, Gerente Comercial Brasil da empresa.

Neste contexto, os filmes seláveis de poliéster, como os da linha Sealphane®, fazem todo o sentido. Segundo a Terphane, além de aumentar a vida de prateleira de frutas, verduras e legumes frescos, esta embalagem garante a integridade do produto durante as etapas de transporte e armazenagem, evitando desperdício. Ganha-se ainda na logística pela possibilidade de empilhamento das embalagens; mais embalagens ocupando menos espaço, garante a empresa. As vantagens se tornam mais expressivas quando o canal de venda for o autosserviço e as oportunidades também aumentam via crescimento das vendas on line nesta categoria de produto.

Outra vantagem lembrada por Célia Freitas, Gerente de Desenvolvimento de Mercado da Terphane, é que, segundo ela, os filmes Sealphane® têm altíssima transparência e funcionalidade de anti embaçamento, permitindo que o consumidor visualize facilmente o produto ou desfrute de imagens impressas com altíssima qualidade, inclusive quando o produto é exposto em gôndolas refrigeradas. Os filmes seláveis também são de fácil abertura e podem ser abertos sem a necessidade de rasgar a embalagem (easy open).

Estes filmes também podem ser expostos a baixíssimas e a altas temperaturas, segundo a Terphane, podendo também ser usados em embalagens de produtos que vão do freezer diretamente para o forno. A empresa afirma que a linha Sealphane® suporta um intervalo de temperatura que varia de -400C até +2100C. “Os filmes de poliéster são ideais para comporem sistemas de embalagem, funcionando como tampas para bandejas ou selos de segurança com efeito easy open. Na linha Sealphane® há ainda filmes seláveis para diversos tipos de bandejas (PP, PE, APET, rPET, CPET-APET, APET-PE, PS, alumínio ou cartão revestido com PET). O que importa para o mercado é que o consumidor tenha acesso à embalagem que melhor atenda às suas expectativas e garanta um produto em perfeitas condições. Uma embalagem que surpreenda e transforme o momento do consumo em um momento de indulgência”, conclui Célia.

Os filmes Sealphane®, assim como os demais filmes produzidos pela Terphane, são aprovados pelas normas brasileiras e internacionais para contato com alimentos.

José Ricardo completa: “A Terphane entende que o mercado de FLV (frutas, legumes e verduras) é extremamente importante e tem um potencial enorme para os filmes de poliéster”. Dados do RAMA – Programa de Rastreabilidade e Monitoramento de Alimentos da ABRAS (Associação Brasileira de Supermercados) mostram que no 1o semestre de 2017 foram registradas 618 mil toneladas de FLV, 12% a mais do que foi registrado no mesmo período do ano anterior. A Associação divulgou ainda que a participação de FLV no faturamento dos supermercados e de outros PDVs cadastrados no RAMA, chegou a R$ 70,4 bilhões em 2016.

Desde a sua fundação em 1976, a Terphane se concentra no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). Sua equipe possui experiência e conhecimento em produção, revestimento e metalização de filmes. A empresa se destaca ainda por uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até os filmes especiais. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Terphane

Curta nossa página no

Manta de polietileno para proteção de pisos acabados chega ao consumidor final

14/08/2017

Material que contém três camadas de PE garante economia e proteção e agora pode ser adquirido diretamente por quem está reformando

Atentas às necessidades do consumidor final, a Braskem e a Multinova apresentam nova solução para a proteção de pisos acabados, evitando danos na fase final de obras. Já utilizado pelo mercado de construção civil, o material estará à venda no varejo a partir de agosto.

Segundo a Braskem, a manta Multitriplex oferece economia e facilidade em reformas e é de fácil aplicação, com alta resistência e aderência, dispensando o uso de cola. “A manta traz facilidade para o consumidor, já que é fácil de aplicar e retirar. Com ela conseguimos garantir aos clientes eficiência e segurança durante a obra”, afirma Jair da Rosa, consultor de mercado da Multinova.

O produto tem três camadas, sendo a primeira com filme de polietileno expandido, que evita o escorregamento e ainda torna o produto mais leve, com maior durabilidade e menor custo; a segunda com plástico bolha que amortece a queda de materiais como martelos e baldes; e por último um filme de polietileno que protege contra líquidos. A união das camadas e as características de seus materiais evitam problemas como arranhões, trincas, manchas e umidade, em todos os tipos de pisos. A Multitriplex ainda é reciclável.

“Temos um relacionamento de muitos anos com a Multinova, com foco em otimização, inovação e desenvolvimento de novos mercados. Estamos felizes em fazer parte deste novo momento da companhia e em ajudar a viabilizar uma solução completa os consumidores”, afirma Jorge Alexandre, responsável por Desenvolvimento de Mercado de PE da Braskem.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Dow apresentou inovações para o mercado de embalagens e especialidades plásticas durante a Feiplastic 2017

19/04/2017

As novas famílias de resinas da empresa permitem a produção de embalagens e filmes de alto desempenho atendendo à demanda crescente do mercado por maior eficiência

A Dow apresentou na Feiplastic 2017 suas mais recentes tecnologias e aplicações para o mercado de embalagens e especialidades plásticas: Dowlex™GM, Innate™, Agility™ e Opulux™HGT. Segunda a empresa, essas inovações proporcionam embalagens e filmes com alto potencial para inovação, maior versatilidade e otimização dos recursos naturais, usadas de maneira combinada ou independente.

Ciente da relevância da embalagem como ferramenta de marketing, uma vez que influencia na percepção do consumidor, a Dow desenvolveu a família Dowlex™GM. De acordo com a Dow, essa tecnologia aprimora atributos como transparência e brilho, fazendo com que o produto tenha maior destaque no ponto de venda. Esse conjunto de resinas também proporciona maior resistência mecânica, garantindo a proteção do produto envasado até o consumidor final, e excelente capacidade de selagem.

Outra inovação da Dow é a família de resinas Innate™, que possui equilíbrio inédito entre tenacidade e rigidez, combinando excelente resistência ao rasgo e à perfuração e tendo como resultado é um filme mais fino, leve e resistente, que traz maior eficiência à embalagem e maior segurança ao produto, afirma a empresa.

Já o Opulux™ HGT é um verniz de alto brilho, que fomenta a produção de embalagens monomateriais e, portanto, de mais fácil reciclabilidade. Esta tecnologia possibilita a substituição do processo de laminação, incrementando as resistências térmica e mecânica de embalagens flexíveis, garante a Dow.

A quarta inovação que a Dow apresentou na Feiplastic foi a família Agility™ de resinas de polietileno de baixa densidade. De acordo com a empresa, tais resinas reduzem custos e aprimoram a eficiência ao viabilizar mais produtos por quilo de matéria-prima. Entre os principais diferenciais das resinas Agility™, em comparação com formulações convencionais, estão: redução de espessura, resistência à temperaturas, maior produtividade com desempenho uniforme, resistência à tração e excelente processabilidade, assegura a Dow.

“Com a introdução dessas novas tecnologias, a Dow possibilita o desenvolvimento de embalagens e filmes que contribuem tanto para aprimorar a eficiência quanto para a otimização do uso de recursos naturais. O resultado traz benefícios não apenas para nossos clientes, mas para a cadeia como um todo”, afirma Adriano Aun, gerente de Marketing de Embalagens de Alimentos & Especialidades da Dow para a América Latina. “Seguindo as tendências do consumo, esse mercado busca cada vez mais a diferenciação e isto só é possível com investimento constante em novas soluções que enderecem de forma colaborativa os principais desafios globais, como a produção de alimentos, mudanças climáticas, energia e água”, completa.

Inovação em rede – Pack Studios

Para atender às necessidades de inovação e tecnologia de seus clientes e da cadeia de valor, a Dow criou o Pack Studios, uma rede global de especialistas em embalagens. O desenvolvimento colaborativo no aprimoramento das embalagens é o foco principal desse time. O Pack Studios possui como objetivos: aumentar a cooperação entre a Dow e toda a cadeia de valor; entregar soluções inovadoras para melhores embalagens e acelerar o ciclo de desenvolvimento para levar embalagens mais eficientes ao mercado.

Atualmente, o Pack Studios está presente no Brasil, Estados Unidos, Itália, Suíça, China e Cingapura, sendo todos interconectados. Desta maneira, a Dow consegue fazer testes de novas embalagens em qualquer lugar do mundo. Assim, caso haja necessidade de testar uma solução em um equipamento que está em Singapura, é possível enviar as amostras e utilizar o recurso de vídeo conferência para conectar com os pesquisadores na Ásia e acompanhar os processos. A rede do Pack Studios ainda permite à Dow acompanhar os últimos desenvolvimentos e antecipar novas estruturas para seus clientes.

Fonte: Assesoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Fabricante alemão de filmes Infiana vende sua unidade de produção na Bahia para o Packing Group

09/02/2016

Infiana

Em 1º de fevereiro, o Grupo Infiana vendeu sua unidade de produção de filmes na Bahia (foto) para o fabricante brasileiro Packing Group. A Infiana está agora operando a partir de três locais no mundo: de sua sede localizada em Forchheim (Alemanha), e de sites de produção em Malvern (EUA) e Samutsakorn (Tailândia). O grupo, especialista em filmes, emprega 800 funcionários em todo o mundo.

O motivo para a venda é a estratégia da Infiana. “Nós continuamos a nos concentrar no desenvolvimento e produção de soluções de especialidades em filmes”, explica Peter K. Wahsner, CEO do Grupo Infiana. Em geral, há potencial no Brasil, mas, “o cenário económico difícil impede – mesmo a médio prazo -. a substituição de produtos commodity por produtos premium, que são o nosso foco. Nós encontramos no Packing Group um comprador que irá, de forma bem sucedida, integrar a unidade da Bahia ao seu grupo empresarial e será capaz de explorar as sinergias esperadas em seu negócio atual “.

O Packing Group produz cerca de 110 mil toneladas por ano e está entre os maiores fabricantes de embalagens flexíveis na América do Sul. Com a aquisição da unidade da Infiana na Bahia, o Packing Group vai aumentar a produção em 14,4 mil toneladas por ano. Antes da aquisição, o Packing Group tinha seis fábricas no Brasil e centros de distribuição na Alemanha, Espanha e Estados Unidos.

A venda ocorre um ano após o Grupo Infiana, anteriormente denominado Huhtamaki Films, tornar-se independente. Com isso, o grupo continuará a implementar a sua estratégia de marca premium. Wahsner diz: “Vender o nosso site no Brasil não terá impacto sobre o nosso negócio global, uma vez que a carteira de produtos produzidos no Brasil não apresenta sinergias com os outros sites. Na verdade, com a venda do site brasileiro, damos mais um passo no sentido de nos posicionarmos como especialistas nos setores de filmes de engenharia, filmes de processos e filmes especiais. Para este mercado, nós esperamos um considerável potencial de crescimento em todo o mundo nos próximos anos. “

Fonte: Infiana Group

Curta nossa página no

Cipatex fornece geomembranas para canais de transposição do rio São Francisco

19/01/2016

cipatex-transposicao-rio-sao-francisco

A Cipatex, fabricante de revestimentos sintéticos com sede em Cerquilho, interior de São Paulo, fornecerá geomembranas de PVC Cipageo® para o canal de transposição do rio São Francisco, no Brasil. O material será usado para impermeabilizar, inicialmente, um trecho de 460 mil metros quadrados da estação do eixo leste, na região de Pernambuco. Estão previstas construções de açudes e ramificações ao longo do percurso para levar água para cidades e comunidades rurais, o que deve gerar novas demandas pelo produto.

As geomembranas de PVC são utilizadas para garantir a estanqueidade do canal durante todo o percurso da água, para que não haja perdas com infiltração. “Entre os motivos que levaram as construtoras a optar pelo material da Cipatex® está a possibilidade da confecção das geomembranas em painéis com medidas que otimizam a instalação, garantindo um alto ganho de produtividade, redução de custos de aplicação e facilidade no transporte”, comenta Aureovaldo Casari, gerente de agroindústria e mineração da empresa.

Segundo a Cipatex, as geomembranas Cipageo® são produzidas pelo sistema de calandragem com geotêxtil aderido, o que confere maior resistência mecânica e a perfurações. Além de canais de irrigação, o material pode ser aplicado na impermeabilização de lagoas agrícolas e de tratamento de resíduos, ensilagem, lajes, muros de arrimo, áreas sujeitas à infiltração, túneis,  solo para lixiviação em pilhas e canaletas,  galvanoplastia, biodigestores, entre outros, acrescenta a empresa. O material é tolerante a diversos tipos de ácidos, sais e bases, com boa resistência ao envelhecimento e às influencias do meio ambiente. Devido ao grande alongamento, maleabilidade e flexibilidade, pode ser empregado em qualquer tipo de superfície, complementa a Cipatex.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Cipatex

Curta nossa página no

Filme de plástico oferece economia e eficiência ao cultivo do abacaxi

22/12/2015

Braskem-Mulching

Uso de mulching favorece a colheita de frutos maiores e em menor tempo, além de reduzir custos na produção

Setor de grande importância para a economia brasileira, o agronegócio tem investido em soluções para ampliar a competitividade e qualidade de seus produtos no mercado global. Um desses recursos é o mulching, filme de plástico cada vez mais utilizado na cobertura do solo no cultivo de hortifrúti e culturas perenes. Após consolidar suas vantagens de aplicação em plantações de citros e café, o artigo ganha espaço, agora, no cultivo de abacaxi.

Com o mulching é possível diminuir o ciclo do fruto e antecipar a colheita em até seis meses. O produto também garante ganhos de, em média, 25% no volume de produção, e abacaxis até 30% maiores do que em plantios sem o filme de polietileno.

Além disso, a solução garante permite a diminuição do consumo de energia elétrica e água, uma vez que retém umidade por mais tempo, demandando irrigação com menos frequência; e menor utilização de herbicidas, ao não permitir a passagem de luz, evitando assim a proliferação de ervas daninhas.

“O abacaxi ainda é visto como uma cultura de baixa tecnologia e nosso objetivo é mudar esse conceito. Vamos mostrar aos produtores que investir no mulching é uma ótima solução para tornar o plantio mais eficiente e agregar valor ao produto final. Estamos com grandes expectativas para a expansão do seu uso no Brasil, que possui 60 mil hectares dedicados ao cultivo da fruta”, afirma Edson Damaglio, gerente técnico-comercial da Electro Plastic, responsável pela produção do mulching em plástico.

Fornecedora de matéria-prima para o filme e parceira em sua elaboração, a Braskem investe em pesquisas e resinas de alta performance para levar ao agronegócio soluções em plástico que promovam ganhos de qualidade, aumento de produtividade, reduzindo as perdas e diminuindo custos.

“Levaremos a tecnologia inovadora e comprovada em outras culturas para a cadeia produtiva do abacaxi. Isso provocará o desenvolvimento regional principalmente em comunidades de pequenos produtores rurais que terão sua rentabilidade aumentada”, afirma Ana Paiva, especialista em desenvolvimento de mercado da Braskem.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no