Archive for the ‘Ferramentaria’ Category

ENAFER tem início com workshops técnicos

17/05/2018

Encontro Nacional de Ferramentarias ocorre em Caxias do Sul, RS, com expectativa de 350 participantes

Com a realização de oito workshops sobre novas tecnologias e serviços, teve início na manhã desta quinta (17), em Caxias do Sul, RS, o 11º Encontro Nacional de Ferramentarias (ENAFER). Os workshops constituem novidade no encontro, que nas 10 edições anteriores concentrava toda a sua programação em um único dia.

A realização dos encontros, em salas do Bloco M da Universidade de Caxias do Sul (UCS), a partir das 8h desta quinta (17), visa ampliar a oferta de informações estratégicas para os empresários e atender demanda de patrocinadores – aproximadamente 70 marcas nesta edição – que reivindicavam espaço para expor produtos e serviços, além de tratar de temas técnicos. Cada encontro, com duração de duas horas, tem a participação máxima de 70 inscritos.

A abertura oficial está programada para 9h da sexta (18), com manifestações dos presidentes Christian Dihlmann, da Associação Brasileira da Indústria de Ferramentais (ABINFER), e Jaime Lorandi, do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás), entidades promotoras do ENAFER. A expectativa dos organizadores é reunir em torno de 350 participantes, de diferentes estados do Brasil. A programação da sexta contempla quatro palestras, duas mesas redondas e a assembleia geral da ABINFER. Todas as atividades serão concentradas no Bloco M da UCS.

Ações para preparar o futuro das empresas nortearão palestras de gestores de indústrias automotivas. O Diretor de Ferramentaria da General Motors do Brasil, José Antônio Zara, discorrerá sobre como os empresários devem preparar seus negócios para atender ao futuro da ferramentaria nacional, em termos de competência humana e tecnologia. Já Bruno Luís Ferrari Salmeron, diretor da Schulz Automotive, de Joinville (SC), centrará atenções na importância da governança como fator de sucesso da empresa. Ainda haverá palestra motivacional de Márcio Mancio sobre o tema Tropa de elite: A força da sua empresa.

Ao final da programação será realizada mesa redonda sobre a história da ferramentaria no Brasil com a participação dos empresários ferramenteiros mais experientes de Caxias do Sul. Também será prestada homenagem, com a entrega da medalha Herói Ferramenteiro, aos empresários Renato Henrique Leonardelli, Alcides Jerônimo Bonezi e Salustiano Lino Machado.

Rota 2030: sustentabilidade para o setor

O eixo central dos debates do ENAFER é o Programa Rota 2030, novo regime para o sistema automotivo em substituição ao Inovar-Auto, que teve sua vigência encerrada em dezembro de 2017. O formato do novo regime e suas condições interessa diretamente à indústria de ferramentais, que tem no segmento automotivo um de seus maiores clientes.

O Programa Rota 2030, que deve ser anunciado pelo governo ainda em maio, é considerado vital para dar sustentabilidade a todos os participantes da cadeia automotiva, pois demandará aumento no uso de conteúdos nacionais, criando mais e novas oportunidades de negócios. Os ajustes finais em discussão entre áreas do governo federal e setores empresariais diretamente envolvidos serão expostos por Igor Calvet, titular da Secretaria de Desenvolvimento e Competitividade Industrial do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, durante palestra no início da tarde desta sexta (18).

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Ferramentais (ABINFER), Christian Dihlmann, o setor tem consciência de que dificilmente se repetirão as diretrizes de funcionamento do Inovar-Auto. Porém, há um anseio claro por isonomia frente às condições de disputa verificadas no mercado externo.“Não queremos agir sem regras, mas quando se permite que outros países o façam e ainda se comprem moldes de lá, a luta fica injusta. O Brasil precisa gerar emprego, mas coloca regras demais, que inviabilizam a competitividade. Concorremos com países que não têm o mínimo respeito pelo meio ambiente, onde as indústrias não têm sequer que atender às normas de um conselho de engenharia e arquitetura. Deste jeito, as empresas brasileiras vão fechando, gerando desemprego e acabando com o poder aquisitivo da população. Se continuar assim, não haverá mercado consumidor interno nem para adquirir os produtos que vêm da China”, adverte.

Gelson de Oliveira, vice-presidente técnico da ABINFER, acrescenta que as regras do jogo devem ser claras para que o empresário possa definir a sua estratégia de negócio, direcionando ações para o mercado interno ou apostando no externo. Segundo ele, o Inovar-Auto garantiu que as ferramentarias se mantivessem ativas, mesmo com as dificuldades decorrentes da crise. “Teria sido muito pior sem o Inovar-Auto. Por isso, a necessidade urgente da aprovação do Rota 2030”, sustentou.

Oliveira, empresário do setor em Caxias do Sul, lembrou que, atualmente, a capacidade instalada nas ferramentarias atende em torno de 30% das demandas da indústria automotiva. Atualmente, o índice médio de atendimento é de 15%. “No momento, quem determina como e onde serão feitos os moldes é a matriz das montadoras. Por isso, a saída para resolver esta equação é uma política governamental, que é importante, inclusive, para as montadoras”, assinala.

A definição das regras é fundamental para que as empresas possam se preparar diante da perspectiva de retomada mais intensa da atividade econômica nos próximos anos. De acordo com José Alceu Lorandi, integrante do Conselho Fiscal da ABINFER, o ano de 2018 ainda será de instabilidade em razão do processo eleitoral de outubro, mas os seguintes, de 2019 a 2021, apontam para um desempenho mais consistente. “Já temos indicações de novos projetos no setor automotivo, o que nos impõe a adoção de medidas para atender às demandas futuras com capacidade tecnológica e de produção ”, alertou.

Para o 1º tesoureiro da entidade, Antônio Gaviraghi, este ano tem se apresentado como um dos melhores para sua empresa, a Gama Matrizes, que já investiu perto de R$ 6 milhões na compra de novos equipamentos, que ainda não instalados. A demanda, segundo o empresário, visa suprir moldes para produção de modelos automotivos já em linha de produção. “Menos de 20% dos pedidos é para projetos futuros. A maioria é para atender a necessidades atuais”, comentou.

Fortalecimento do associativismo

O ENAFER é o maior fórum nacional de discussões na área de moldes e ferramentais, realizado anualmente, de modo itinerante, em São Paulo (SP), Joinville (SC) e Caxias do Sul (RS), os principais polos brasileiros de produção destes itens para diferentes segmentos industriais. A última passagem por solo gaúcho foi em 2014, também em Caxias do Sul. O objetivo é traçar um panorama atual e futuro do setor, além de propor e articular ações de fortalecimento para empresas, fornecedores e parceiros.

De acordo com o empresário José Alceu Lorandi, o ENAFER é fundamental na defesa dos interesses de todo o setor, independentemente do porte da empresa. Assinala que reduzir ao mínimo possível as importações de moldes representa aumentar a geração de empregos, renda e impostos internamente. “Ao longo destes anos, evoluímos muito, inclusive no fortalecimento do associativismo para empregar forças na direção de interesses comuns”, destacou.

O tesoureiro da ABINFER, Antônio Darci Gaviraghi, acrescenta que os encontros têm gerado a oportunidade de que os participantes se vejam como parceiros e não como concorrentes, estabelecendo novas relações comerciais. “É o caso da minha empresa, que tem terceirizado alguns serviços com outras ferramentarias”, exemplifica. Também destaca ser importante o engajamento de mais empresários à entidade visando fortalecer a sua representatividade.

Fonte: Assessoria de Imprensa – ENAFER

Curta nossa página no

Anúncios

Programa “Rota 2030”, sucessor do Inovar-Auto, será tema de palestra de Ministro do MDIC durante Enafer, em Caxias do Sul

14/05/2018

Ajustes finais do novo regime automotivo foram encaminhados em reunião com Presidente da República. Tema centralizará atenções dos participante o 11º ENAFER

Considerado vital para a sustentabilidade da cadeia automotiva brasileira no médio e longo prazos, o programa Rota 2030, novo regime que deve suceder ao Inovar-Auto, encerrado em 31 de dezembro de 2017, está praticamente pronto e deve ser anunciado pelo governo federal neste mês de maio. O programa tem reflexo direto na atividade das ferramentarias nacionais, pois prevê incentivos em pesquisa e desenvolvimento às montadoras, com incremento na nacionalização de conteúdos, o que demandará maior volume de produção interna.

Programado para ser anunciado em agosto do ano passado, o Rota 2030 vem sendo protelado desde então. No final de abril, o Presidente da República participou de reunião de gestores do Ministério da Fazenda e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) com representantes das entidades do setor automotivo para encaminhar as definições. O ponto central tem sido a oposição dos técnicos da Fazenda à provável renúncia de impostos na ordem de R$ 1,5 bilhão, valor a ser destinado à área de desenvolvimento e pesquisa.

A partir da reunião, as áreas técnicas do governo aceleraram os debates visando a um acordo em torno do tema. “Os investimentos em pesquisa edesenvolvimento são importantes para reter o conhecimento no país, principalmente o relativo ao biodiesel, tecnologia liderada mundialmente pelo Brasil. O programa é muito importante para o setor por trazer previsibilidade. Nossos ciclos de investimentos são longos e precisamos ter regras definidas para o longo prazo”, indicou Antonio Megale, presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, após a reunião com o presidente. O programa deve envolver três ciclos de investimento de cinco anos cada, incluindo metas de eficiência energética e segurança veicular.

O programa Rota 2030 será tema central da palestra do ministro Marcos Jorge, do MDIC, no 11º Encontro Nacional de Ferramentarias (ENAFER), que ocorrerá nos dias 17 e 18 de maio, em Caxias do Sul. O ministro participará, a partir de 13h30, discorrendo sobre a importância do programa para o futuro da indústria automotiva e de ferramentais no Brasil.

Ações para preparar o futuro das empresas nortearão palestras de gestores de indústrias automotivas. O Diretor de Ferramentaria da General Motors do Brasil, José Antônio Zara, destacará como os empresários devem preparar seus negócios para atender ao futuro da ferramentaria nacional em termos de competência humana e tecnologia. Já Bruno Luís Ferrari Salmeron, diretor da Schulz Automotive,de Joinville (SC), centrará atenções na importância da governança como fator de sucesso da empresa. Ainda haverá palestra motivacional de Márcio Mancio sobre o tema “Tropa de elite: A força da sua empresa”. Empresário, fundador e vice-presidente da primeira cooperativa de vendas do Rio Grande do Sul, Mancio é um dos palestrantes mais assistidos em palestras e treinamentos in company do Brasil.

Ao final da programação do dia 18 será realizada mesa redonda sobre a história da ferramentaria no Brasil com a participação de empresários ferramenteiros mais experientes de Caxias do Sul. Também será prestada homenagem, com a entrega da medalha Herói Ferramenteiro, aos empresários Renato Henrique Leonardelli, Alcides Jerônimo Bonezi e Salustiano Lino Machado.

Ocorrerão também oito workshops técnicos, marcados para o dia 17 de maio, também na Universidade de Caxias do Sul. As atividades terão início às 8h, estendendo-se até 17h, com duração de duas horas para cada encontro, organizado por patrocinadores do ENAFER. As palestras são gratuitas, mas limitadas a 70 participantes.

Os temas apresentados versarão sobre novas tecnologias em laser e para aumento da produtividade de moldes de injeção de plásticos; integração de sistemas inteligentes para ganho de produtividade em ferramentarias; conceitos da indústria 4.0 para inovação dos processos de injeção; estratégias e tecnologias de ferramentas de corte para moldes e matrizes; estimativas de custo de ferramentais em 15 minutos ou menos; gestão dimensional de produtos na indústria de ferramental; e engenharia, produtos e serviços para a cadeia de ferramentas, moldes e matrizes.

O ENAFER, que deve reunir 350 participantes e é organizado pela Associação Brasileira da Indústria de Ferramentais (ABINFER) e pelo Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste do Rio Grande do Sul (SIMPLÁS). São em torno de 70 empresas e entidades patrocinadoras, além do apoio institucional da Universidade de Caxias do Sul. As inscrições para o evento são gratuitas e devem ser feitas em http://www.enafer.com.br.

Fonte: Assessoria de Imprensa – ENAFER

Curta nossa página no

11º Encontro Nacional de Ferramentarias começa no próximo dia 17

14/05/2018

Após três anos consecutivos de atividade produtiva muita baixa e faturamento em queda, a economia brasileira dá indicativos, ainda tímidos, de retomada. O cenário tende a induzir parte da classe empresarial a esquecer os efeitos danosos da crise e, assim, desmobilizar-se da tarefa de cobrar políticas governamentais de longo prazo que deem sustentabilidade aos negócios.

A 11ª edição do Encontro Nacional de Ferramentarias (ENAFER), confirmada para os dias 17 e 18 de maio, em Caxias do Sul, RS, tem como um de seus propósitos manter o empresariado mobilizado, especialmente em torno da definição do Programa Rota 2030, fundamental para que a indústria de ferramentaria crie condições para vislumbrar seu negócio no longo prazo. “Não podemos, em função de um sopro de retomada, baixar a guarda e esquecer de todas as dificuldades pelas quais passamos e que ainda não foram totalmente superadas. Construir uma política estruturante de longo prazo é vital para a continuidade do setor e isto será pauta central no 11º ENAFER”, afirma Christian Dihlmann, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Ferramentais (ABINFER), organizadora do evento, que deve receber em torno de 300 participantes, número similar aos de anos anteriores.

De acordo com Dihlmann, o mercado segue em situação delicada e instável. “Temos de discutir e definir, desde já, uma política industrial de Estado e não de governo. O programa Rota 2030 é o caminho neste momento e por ele precisamos estar mobilizados, mostrando isto no 11º ENAFER, com grande participação”, convoca.

O presidente da ABINFER destaca a presença, no evento, do ministro Marcos Jorge, da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), que falará sobre a importância do programa Rota 2030 para o futuro da indústria automotiva e de ferramentaria no Brasil, em palestra agendada para às 13h35 do dia 18. “O ministro precisa ver que o empresariado está mobilizado nesta demanda e sentir a pressão do setor, por meio de uma grande participação no evento”, reforça.

Gelson de Oliveira, vice-presidente técnico da ABINFER, acrescenta que as regras do jogo devem ser claras para que o empresário possa definir a sua estratégia de negócio, direcionando ações para o mercado interno ou apostando no externo. Segundo ele, o InovarAuto, programa que pautou as políticas do setor automotivo nos últimos anos e que se encerrou em 31 de dezembro de 2017, garantiu que as ferramentarias se mantivessem ativas, mesmo com as dificuldades decorrentes da crise. “Teria sido muito pior sem o InovarAuto. Por isso, a necessidade urgente da aprovação do Rota 2030”, sustentou.

Oliveira, empresário do setor em Caxias do Sul, lembrou que, atualmente, a capacidade instalada nas ferramentarias atende em torno de 30% das demandas da indústria automotiva. Atualmente, o índice médio de atendimento é de 15%. “No momento, quem determina como e onde serão feitos os moldes é a matriz das montadoras. Por isso, a saída para resolver esta equação é uma política governamental, importante, inclusive, para as montadoras”, assinala.

Mas pondera que, mesmo com estas ações, será longo e penoso o período para que as ferramentarias atinjam níveis de produção de anos anteriores. “Mesmo já sendo reconhecidos por nossa qualidade, aqui e no exterior, as empresas terão de investir em equipamentos, processos e softwares de última geração”, alertou. E para que o ritmo destes ajustes seja rápido, serão necessárias fontes públicas de financiamentos, porque as empresas, em sua maioria, não tem força financeira para investimentos expressivos, afirma Oliveira. “Não queremos nada de graça, pois temos de ser competentes. Mas sem uma política clara, os clientes escolherão fornecedores onde os impostos são menores e as tecnologias e os equipamentos estão disponíveis em abundância”, salientou.

Dihlmann destaca que o empenho da ABINFER em torno do programa Rota 2030 está alinhado com a própria estratégia do governo de criar condições para o desenvolvimento do setor automotivo. Ele lembra que veículos e casa própria são sonhos permanentes do consumidor brasileiro. “Considerando que os ferramentais são determinantes na produção de veículos, precisamos aproveitar para organizar e consolidar o setor neste momento onde o governo direciona grande energia para a indústria automotiva”, reforçou o dirigente, observando que, ao contrário do automotivo, onde novidades são rotineiras, na construção civil, outro forte mercado das ferramentarias, o ciclo de vida dos produtos é mais longo. Assegurou, no entanto, ser objetivo da entidade lutar também por programas de incentivo em outros setores, como eletrodomésticos, embalagens e a própria construção civil.

Programação terá dois dias

Nas 10 edições anteriores, o ENAFER concentrou suas atividades em um único dia, visando oferecer ao máximo informações estratégicas para o empresário. Como forma de atender a uma demanda de patrocinadores, que passam de 60 marcas nesta edição, a organização optou por criar um dia específico para tratar de temas técnicos. Desta forma, a quinta-feira, dia 17 de maio, será reservada para workshops, desenvolvidos em salas com capacidade para até 70 participantes e apresentados por patrocinadores, que divulgarão produtos e serviços. Na avaliação de Christian Dihlmann, presidente da ABINFER, a maioria dos participantes destes encontros será formada por empresários locais ou regionais.

Os workshops técnicos ocorrerão em salas da Universidade de Caxias do Sul, a partir de 8h. Até o momento estão confirmadas palestras conduzidas por representantes das marcas Top Solid, Polimod, +GF+, Casafer, Villares Metais e Produttare. As inscrições gratuitas podem ser feitas diretamente em http://www.enafer.com.br/workshops-tecnicos/.

A programação do 11º ENAFER terá início na quinta à noite, 17 de maio, com jantar de confraternização. Na sexta-feira, a abertura oficial está programada para 9h, com manifestações de Jaime Lorandi, presidente do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho, e de Christian Dihlmann, da ABINFER.

A programação contempla quatro palestras, duas mesas redondas, assembléia geral da ABINFER, almoço e intervalos para relacionamento. Todas as atividades serão concentradas no UCS Teatro, no Bloco M da Universidade de Caxias do Sul. As inscrições gratuitas podem ser feitas em http://www.enafer.com.br, onde também está disponível toda a programação.

Fonte: Assessoria de Imprensa: Abinfer

Curta nossa página no

Polimold apresenta sua linha de sistemas de Câmara Quente, Porta Moldes, Controladores e acessórios na Plastico Brasil

19/03/2017

A Polimold, fabricante brasileira de Câmaras Quentes e Porta Moldes, mostrará na Plástico Brasil (Stand D080) toda a sua gama de produtos usados no dia-a-dia da ferramentaria e do transformador de plásticos.

A Polimold trará para o evento seus Sistemas de Câmara Quente, Porta Moldes Padronizados, as tecnologias embarcadas no Controlador de Temperatura e do Sequenciador de injeção, bem como também toda sua linha de Componentes e Acessórios para a utilização em Moldes de Injeção e Bases de Estampo.

Entre os destaques em Sistemas de Câmara Quente estão:
– Sistema para múltiplas cavidades para injeção de Pré-formas
– Sistema Valvulado com 10 vias Facility, muito utilizado na indústria automobilística.
– Modelo virtual de um Sistema Facility para que o visitante conheça todos os detalhes do sistema, além de outros recursos visuais.

Os Porta Moldes Padronizados e suas inúmeras formas de montagens também serão exibidos.

As tecnologias do Controlador de Temperatura Polimold Mini Smart e do sequenciador de injeção Timer Control estarão também presentes e todos seus recursos poderão ser demonstrados. Haverá também o lançamento da nova Linha de Acessórios com a marca própria Polimold – itens que se juntarão à linha de Componentes para Moldes e Estampos, Pinos, Molas e Cilindros de Nitrogênio.

Sobre a Polimold: Maior fabricante de Porta Moldes e Sistemas de Câmara Quente da América Latina, exporta seus produtos para diversos países da Europa, Ásia, América do Sul e com participação nos Estados Unidos e México. Sua linha de produtos destinados à construção de ferramentas para injeção plástica e estamparia incluem: Sistemas de Câmara Quente, Porta Moldes, Controladores de Temperatura, Sequenciadores de Injeção, Pinos Extratores, Bases de Estampo, Acessórios para Moldes e Estampo, além de Molas e Cilindros de Nitrogênio.

Fonte: Polimold

Curta nossa página no

Romi apresenta soluções para paredes finas em ciclos ultrarrápidos e automação na feira Plástico Brasil

17/02/2017
Injetora ROMI ES 300

Injetora ROMI ES 300

Desenvolvendo continuamente soluções que proporcionam vantagens competitivas para seus clientes, a Romi estará presente na Plástico Brasil, que será realizada entre os dias 20 e 24 de março de 2017, no São Paulo Exhibition & Convention Center. A Plástico Brasil apresentará os últimos avanços tecnológicos e as principais tendências globais que envolvem a cadeia produtiva do plástico.

Em seu stand, a Romi apresentará seis equipamentos: as injetoras ROMI EN 600 e ROMI EN 220, a injetora para paredes finas em ciclos ultrarrápidos ROMI ES 300, as sopradoras ROMI C 5TS e ROMI MX 20L e o Centro de Usinagem ROMI D 800. Além do baixo nível de consumo energético e de ruído, performance e confiabilidade, toda a linha de injetoras e sopradoras está equipada com o novo comando de operação CM20, afirma a Romi.

Interface - Comando CM20

Interface – Comando CM20

Segundo a empresa, o comando CM20 possui altíssima velocidade e capacidade de processamento, interface gráfica multitouch de 19″ full HD e plena conectividade, sendo possível acessá-lo remotamente via browser, tablets ou smartphones. Os recursos interativos do comando CM20 e as diversas possibilidades de automação dos equipamentos Romi proporcionam aos clientes o aumento da eficiência e da produtividade em sua cadeia produtiva, rumo à Indústria 4.0, assegura a fabricante de máquinas para processamento de plásticos e ferramentaria industrial com sede em Santa Bárbara do Oeste (SP).

No stand da Romi, o visitante poderá contar com o suporte técnico da equipe, recebendo orientações sobre aplicações, suporte comercial e informações sobre as opções de financiamento disponíveis. “Nossos esforços estão totalmente direcionados para oferecer aos nossos clientes soluções completas e tecnológicas para aumentar a sua competitividade no mercado. Os visitantes da Plástico Brasil podem contar com a Romi em todos os momentos para, juntos, buscarmos as melhores oportunidades, adequadas às necessidades de cada empresa”, afirma William dos Reis, Diretor da Unidade de Máquinas para Plásticos.

Fonte: Romi

Curta nossa página no

Romi divulga balanço do primeiro trimestre de 2016

10/05/2016
  • Entrada de Pedidos no 1o. trimestre de 2016 cresceu 27,2% em relação ao mesmo período de 2015
  • Estoques em níveis normais, inadimplência controlada e fluxo de caixa operacional positivo ajudaram a Romi a compensar alto grau de incerteza ainda presente no mercado

A Romi apresentou os resultados alcançados no primeiro trimestre de 2016. Com receita de R$129,8 milhões no primeiro trimestre de 2016, a Romi obteve margem bruta de 20,2% e margem EBIT (Earnings Before Interest and Taxes) negativa em 9,7%. A margem EBITDA (Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization) foi negativa em 2,8%, com margem líquida negativa em 7,6%, o que representa um prejuízo líquido de R$ 9,9 milhões no período.

A posição de caixa no trimestre diminuiu R$ 3,1 milhões. O gerenciamento da Companhia tem conseguido manter os estoques em níveis normais, a inadimplência controlada e o fluxo de caixa operacional positivo. A Romi está focalizada em manter os níveis de endividamento e de caixa em patamares adequados, permitindo que, em um ano de recessão, os esforços possam ser direcionados para a captura das oportunidades.

A entrada de pedidos de máquinas Romi foi de R$ 58,9 nos primeiros três meses de 2016, volume 12,8% superior ao obtido no mesmo período em 2015. Já a entrada de pedidos da Unidade de Negócio de Fundidos e Usinados, impulsionada pela maior demanda do segmento de energia eólica, apresentou aumento de 59,9%, em relação ao 1T15. Diante desse cenário, a Companhia fechou o trimestre com uma carteira de pedidos de R$236,2 milhões.

O mercado doméstico foi responsável por 65% da receita da Romi no 1T16, confirmando o crescimento gradual e sustentável no mercado externo, uma vez que essa participação era de 79% no 1T15.

Segundo Luiz Cassiano Rosolen, Diretor-Presidente da Romi, “Apesar dos nossos esforços, aumentando o volume faturado tanto pela B+W quanto pela Unidade de Negócios de Fundidos e Usinados, os resultados ainda estão sofrendo influência da intensa instabilidade pela qual passa o mercado. Quase metade do faturamento da Romi está vinculado à venda de máquinas, cujo mix de produtos comercializados apresentou maior participação de itens de menor porte, cujas margens são geralmente inferiores às demais em virtude das características desses equipamentos.”

Os investimentos no primeiro trimestre de 2016 totalizaram R$2,4 milhões, sendo estes destinados, em parte, para a manutenção, produtividade, flexibilidade e competitividade do parque industrial da Romi.

O Programa de Aquisição de Ações Ordinárias de emissão da Companhia, que teve início em 28 de abril de 2015, foi concluído em 19 de janeiro de 2016, com a aquisição das 3,1 milhões de ações, pelo valor total de R$5,6 milhões.

Fonte: Romi

Curta nossa página no

Romi apresenta seu portfólio de máquinas na maior feira do setor industrial do Reino Unido

18/04/2016

Na Mach 2016, a empresa expôs soluções em usinagem e injeção para o mercado local

A Romi, líder na indústria brasileira de máquinas e equipamentos industriais, participou da MACH 2016, exposição bienal voltada à indústria manufatureira do Reino Unido, que aconteceu de 11 a 15 de abril, em Birmingham, Inglaterra.

Esse evento, mais do que promover a rede de relacionamento dos players do setor, teve como objetivo apresentar o que há de mais moderno em tecnologias industriais, incluindo usinagem, fresamento, torneamento, metrologia, fabricação aditiva e ferramentas, entre outras.

Em seu estande, a Romi exibiu cinco máquinas:

  • Torno CNC ROMI C 510, de médio porte que, segundo a empresa, oferece flexibilidade e precisão na operação.
  • Centro de torneamento ROMI GL 280M, compôs uma célula automatizada em conjunto com um robô Kawasaki. Essa célula usinou saca-rolhas de aço inox durante todo o evento, item distribuído aos visitantes do estande.
  • Centro de usinagem ROMI D 1250, máquina capaz de usinar três eixos em um mesmo setup com eixo X de 1.250 mm, bastante adequada às necessidades do público local, segundo a Romi.
  • Centro de usinagem ROMI DCM 620-5X, máquina capaz de usinar cinco eixos em um mesmo setup, oferecendo agilidade e precisão à operação. Essa máquina usinou uma miniatura do carro fabricado no Brasil pela Romi na década de 1950, o Romi-Isetta, a partir de um bloco quadrado de alumínio de 300 mm.
  • Injetora de plásticos EN 70

A Romi possui uma subsidiária no Reino Unido, instalada na cidade de Rugby, na Inglaterra. De lá, comercializa máquinas-ferramenta e máquinas para processamento de plástico Romi, e também oferece peças de reposição, serviços e respaldo técnico.

Para Luiz Cassiano Rosolen, Diretor-Presidente da Romi, a participação nesse evento reafirma o compromisso da Companhia com a satisfação do cliente: “O mercado do Reino Unido é muito importante para a Romi, tanto pelo atendimento que prestamos aos clientes que já possuem nossas máquinas quanto pelo potencial de consumo dos nossos produtos. Temos um time local muito bem preparado, produtos de alta qualidade e todo o interesse em encontrar, para cada cliente, a solução mais adequada”.

Fonte: Romi

Curta nossa página no

Interplast terá a 3ª Euromold Brasil em paralelo

08/02/2016

Interplast_2012Além do CINTEC 2016 Plásticos – Congresso da Inovação Tecnológica – e da Rodada de Negócios, a Interplast (Feira e Congresso de Integração da Tecnologia do Plástico) terá, paralelamente, a realização da EuroMold Brasil – Feira Mundial de Construtores de Moldes e Ferramentas, Design e Desenvolvimento de Produtos.

A 3ª edição da Euromold Brasil já tem todos os setores da cadeia de moldes representados através de expositores, fazendo valer o lema “Da idéia à produção em série”.

Até o momento, as reservas/contratos incluem 18 ferramentarias de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul, 10 ferramentarias do exterior, nove empresas de impressão 3D, além de empresas de design de produto, tratamento térmico e de superfície, periféricos e acessórios para moldes, softwares e materiais.

A 9ª Interplast e a 3ª Euromold Brasil acontecem de 16 a 19 de agosto nos pavilhões da Expoville, em Joinville (SC). Informações através do telefone (47) 3451-3000 ou http://www.interplast.com.br.

Serviço
Interplast 2016 – Feira e Congresso de Integração da Tecnologia do Plástico – http://www.interplast.com.br
EUROMOLD BRASIL – Feira Mundial de Construtores de Moldes e Ferramentarias, Design e Desenvolvimento de Produtos – http://www.brasilmold.de
Data: 16 a 19 de agosto de 2016
Horário: 14 às 21 horas
Local: Expoville – Joinville-SC – Brasil
Organização: Messe Brasil

Fonte: Assessoria de Imprensa – Messe Brasil

Curta nossa página no

Ferramentarias, montadoras, governos e metalúrgicos apontam desafios e oportunidades do programa Inovar-Auto no Fórum Plastech Brasil

06/08/2015

Presidente da Anfavea, Luiz Moan será um dos painelistas do dia 26 de agosto, a partir das 9h, em Caxias do Sul (RS)

Plastech_2015_168x270Na mesma mesa estarão reunidos o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) e diretor de Assuntos Institucionais da GM, Luiz Moan, e o diretor de organização do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, José Roberto Nogueira da Silva, o Bigodinho. Dia 26 (quarta-feira), a partir das 9h, ao lado de representantes da indústria de ferramentas, fabricantes de peças, agências de desenvolvimento, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e Governo do Rio Grande do Sul, eles irão apontar os desafios e oportunidades do programa Inovar-Auto à indústria de transformação. O painel de discussão marca a estreia do Fórum Plastech Brasil, principal atração da agenda paralela da feira organizada pelo Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás), de 25 a 28 de agosto, em Caxias do Sul (RS).

O evento é gratuito, porém com vagas limitadas. A programação completa e os formulários de inscrições estão disponíveis no site oficial da Plastech Brasil (plastechbrasil.com.br). Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (54) 3228 1251 ou pelo e-mail daniela@plastechbrasil.com.br. O painel ocorre no Auditório Pietro Zanella, montado junto à própria feira, no Parque de Exposições da Festa da Uva.

“Acredito que os principais focos de ação estão sendo construídos com muita competência pela indústria. O primeiro ponto é desenvolvimento e pesquisa de engenharia automotiva”, antecipa com exclusividade o presidente da Anfavea, Luiz Moan. Para o executivo, também diretor de Assuntos Institucionais da GM, muitas montadoras recém chegadas no mercado brasileiro estão apostando bastante em novos centros de engenharia, enxergando ali um investimento no patrimônio futuro da empresa.

“O segundo ponto é a eficiência energética dos veículos fabricados no Brasil. Há uma meta ambiciosa para ser atingida, colocada pelo governo brasileiro. Há uma exigência de 12% de melhoria como meta mínima. E são estimuladas melhorias entre 15% e 18%. Por isso a importância do desenvolvimento da engenharia”, reforça Moan.

A importância da pauta pode ser mensurada pelo grau de sintonia entre os interessados: “Para ter acesso ao Inovar-Auto, as montadoras terão que aumentar seu conteúdo nacional, investir em tecnologias para produzir motores que gastem e poluam menos”, afirma o diretor de organização do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, José Roberto Nogueira da Silva. O dirigente sublinha que o sindicato mantém diálogo aberto permanentemente com o governo, atento aos benefícios econômicos e sociais da efetivação do programa no mercado. “Ao restringir a importação de veículos, o Inovar­Auto estimula as montadoras instaladas aqui a fazerem carros com atributos técnicos que permitam sua exportação”, acrescenta o dirigente.

Vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Ferramentais (Abinfer) e coordenador do Arranjo Produtivo Local (APL) de Ferramentaria do Grande ABCD Paulista, Carlos Manoel de Carvalho detalha o pensamento enunciado por Nogueira: “O que está acontecendo é que as montadoras estão começando a trazer as plataformas mundiais para o Brasil e daqui, a preparar vários outros carros para suas plantas ou mercados no exterior. Dentre as 20 montadoras instaladas no Brasil atualmente, as que entenderam o Inovar-Auto estão se dando bem. As que não entenderam, estão perdendo dinheiro e se posicionando mal neste novo cenário proposto pelo governo”.

Na opinião de Carvalho, o marco regulatório do programa é excelente e hoje as ferramentarias nacionais já conseguem fornecer produtos a custo zero para as montadoras.

“O que é necessário agora é comprometimento de todos os atores da cadeia, não só ferramentarias, mas governos e montadoras. Por isso, um encontro como este em Caxias do Sul é importante: é hora de todos os setores sentarem e conversarem olho no olho para tirarem suas dúvidas e esclarecerem suas intenções neste programa”.

Uma das profissionais diretamente ligadas à elaboração e desenvolvimento do Inovar-Auto, a coordenadora geral de Arranjos Produtivos Locais no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Margarete Gandini, será a representante do governo federal no painel.

As ações do governo gaúcho, por outro lado, serão explanadas pela coordenadora executiva do Setor Automotivo da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (SDECT), Maria Paula Merlotti.
“Os diversos segmentos que a Plastech Brasil reúne apresentam um enorme potencial de inovação e são grandes indutores da retomada do crescimento econômico do país”, revela Maria Paula. A gestora pretende fazer um breve relato da cadeia automotiva instalada no Rio Grande do Sul, enfatizando a importância dos segmentos do plástico e da borracha e as principais oportunidades oferecidas à cadeia automotiva pelo programa Inovar-Auto. “Também vale destacar os eventos paralelos oferecidos pela feira, em especial as visitas técnicas guiadas (às linhas produtivas de Marcopolo e Keko Acessórios Automotivos), que oferecerão ao visitantes a oportunidade de conhecer algumas empresas de excelência na região da Serra Gaúcha”, conclui Maria Paula.

O painel de abordagem dos desafios e oportunidades do programa Inovar-Auto ainda contará com a participação do economista-chefe do Sindipeças, Ricardo Jacomassi, e a mediação do presidente da Câmara Setorial de Ferramentarias e Modelações da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), vice-presidente da Abinfer e coordenador do APL de Ferramentaria do Grande ABCD Paulista, Paulo Sérgio Furlan Braga.

O evento tem apoio de Simplás; Abinfer; Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul (Simecs); Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico e Automotivo (APL-MMeA) da Serra Gaúcha; APL de Ferramentaria do Grande ABCD; Sindicato dos Metalúrgicos do ABC; Sindicato dos Metalúrgicos de Santo André e de Mauá; Agência de Desenvolvimento Econômico do Grande ABC; Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo de São Bernardo do Campo e Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Caxias do Sul.

A Plastech Brasil – Feira do plástico, da borracha, dos compósitos, da reciclagem e dos transformados automotivos (partes e peças) é uma das mais completas plataformas de negócio da cadeia de transformação. Realizada pelo Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás) em Caxias do Sul (RS), expõe as principais tendências e inovações nos segmentos automotivo, de transformados plásticos, matérias-primas e produtos básicos, máquinas, equipamentos e acessórios, moldes e ferramentas, instrumentos, controle e automação, instituições de ensino técnico e superior, serviços, publicações e projetos técnicos, entidades da sociedade civil e representações de governo. Em 2015, ocupará os Parque de Eventos da Festa Nacional da Uva de 25 a 28 de agosto.

Painel: Programa Inovar Auto: desafios e oportunidades
    Horário: 9h30 às 12h
    Local: Auditório Pietro Zanella, na Plastech Brasil
    Cronograma:

  • 9h às 9h30 – Credenciamento
  • 9h30 às 9h50 – Carlos Manoel de Carvalho (vice-presidente da Abinfer, coordenador do APL de Ferramentaria do Grande ABCD Paulista e membro da sociedade Hida, de cooperação Brasil-Japão)
  • 9h50 às 10h10 – Luiz Moan (presidente da Anfavea e diretor de Assuntos Institucionais da GM do Brasil)
  • 10h10 às 10h30 – Ricardo Jacomassi (economista-chefe do Sindipeças)
  • 10h30 às 10h50 – José Roberto Nogueira da Silva/Bigodinho (diretor de Organização do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Paulista)
  • 10h50 às 11h10 – Maria Paula Merlotti (coordenadora executiva do Setor Automotivo da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul)
  • 11h10 às 11h30 – Margarete Gandini (coordenadora geral de Arranjos Produtivos Locais no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior)
  • 11h30 às 12h00 – Debate / Mediador: Paulo Sérgio Furlan Braga (presidente da Câmara Setorial de Ferramentarias e Modelações da ABIMAQ, vice-presidente da ABINFER, coordenador do APL de Ferramentaria do Grande ABCD Paulista e membro da sociedade Hida, de cooperação Brasil-Japão)

Fonte: Assessoria de Imprensa – Plastech Brasil

Curta nossa página no

Grupo Comi firma parceria com Amut-Wortex e traz para o Brasil tecnologia em termoformadoras e usinagem para diversos segmentos da indústria

02/07/2015

ReduzidaO Brasil está na rota de crescimento do Grupo Comi, empresa italiana líder no mercado de termoformadoras e máquinas de usinagem. A partir da Itália, a Comi exporta 90% da sua produção para o mercado mundial. “Encontramos na AMUT-Wortex o parceiro ideal para tornar realidade a manufatura e distribuição dos nossos produtos”, afirma Michele Cormons, gerente regional de vendas – Brasil, do Grupo Comi.

Na planta de Campinas (SP), novos equipamentos da Comi serão integrados à linha de produção da AMUT-Wortex para atender diversos segmentos da indústria.

Destaque para a termoformadora modelo LaborForma T-1000, mono-estação, que permite a plastificação e moldagem de peças para atender diversos segmentos da indústria; e o Centro de Usinagem a 5 eixos, modelo LaborCut, máquina versátil e com ampla gama de configurações, adequada para a usinagem de materiais compósitos e plásticos.

Todas as máquinas são projetadas de acordo com os padrões internacionais mais restritivos em termos de segurança para o operador e proteção do meio ambiente

Termoformadora LaborForma T-1000

Com uma ampla gama de aplicações, a termoformadora mono-estação LaborForma T-1000 permite a plastificação e moldagem de peças para atender diversos segmentos da indústria, que vão de utensílios domésticos, móveis, veículos leves, pesados e aeronaves até embalagens para movimentação interna de peças e componentes, entre outros itens que possam ser moldados.

“A termoformadora foi desenvolvida para fabricar chapas plásticas em ABS, HIPS, PP PMMA e PVC. A máquina opera com bobinas de até 1 mm (materiais rígidos) e ou acima de 1mm (materiais flexíveis)”, explica Cormons.

Totalmente elétrica, a máquina opera com alimentação automática do carrinho para a plastificação, moldagem, formação e extração da peça. O operador alimenta o carrinho com chapas e retira a peça moldada, após a extração e retirada. É possível o uso de moldes positivos ou negativos.

Centro de Usinagem CNC

O Centro de Usinagem Labor Mix, modelo LaborCut 2515-1T5A, é uma unidade a 5 eixos, projetado para usinagem de plásticos e materiais compostos.  Ideal para “aparar”, o CNC também pode ser utilizado para usinar com pequenos moldes e/ou modelos, conforme a configuração do cabeçote de trabalho. Atende, especialmente, as necessidades de produção de fabricantes de eletrodomésticos, móveis, hospitalar, automotivo e náutico.

Sobre a Comi: Fundada em 1973, a COMI SpA é uma empresa italiana que nasceu originalmente com o objetivo de projetar e fabricar máquinas de termoformagem, especificamente para o setor frigorífico. Hoje, a gama de produção do Grupo Comi é composta por máquinas de termoformagem, prensas para plásticos e compostos, centros de usinagem (CNC), máquinas de corte à jato de água CNC e máquinas de corte a laser CNC. A marca é reconhecida em todo o mundo, não somente no setor de frigorífico, mas também nas indústrias automotiva, aeroespacial, compostos e sanitários. Mais informações: http://www.comispa.it

Sobre a Amut: Atuando há quase 60 anos na Itália, com sede em Novara, a AMUT é considerada pioneira em linhas de extrusão, para a produção de chapas, perfis, tubos, granulação em polímeros plásticos e também compostos plástico/pó de madeira (WPC), utilizados nos setores de construção, embalagem, eletrodomésticos, moveleiro, automotivo, médico e agrícola. É líder mundial na produção de equipamentos para termoformagem, cast film e plantas para reciclagem de plásticos, lixo urbano e industrial. Mais informações: http://www.amut.it/en/

Sobre a Wortex: Fundada em 1976, na cidade de Campinas (SP), a Wortex é uma empresa 100% nacional que possui uma história marcada pelo pioneirismo na indústria plástica, fabricando equipamentos para extrusão, reciclagem, acessórios, moinhos, roscas e cilindros. A Wortex é líder no mercado brasileiro, e seu sucesso comprova-se através de uma imensa gama de projetos já desenvolvidos e pela alta qualidade nas soluções adotadas. Mais informações: http://www.wortex.com.br

Fonte: Assessoria de Imprensa Amut-Wortex

Curta nossa página no

ABIMAQ anuncia oficialmente suas feiras nos segmentos de Plásticos, Metalmecânica e Máquinas-Ferramenta

20/05/2015

 A ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos – anunciou oficialmente na quinta-feira (14/05) a realização de três importantes exposições que englobam segmentos altamente relevantes na economia brasileira: metalmecânica, máquinas-ferramenta e plásticos. A ação, que segundo a ABIMAQ se alinha à tendência mundial de um modelo de feiras próprias de entidades, terá a organização da BTS Informa, e será realizada no São Paulo Expo, que promete ser o mais moderno centro de exibições e convenções da América Latina.

O primeiro dos três eventos, a FEIMEC – Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos -, acontecerá de 2 a 6 de maio de 2016 e estima trazer mais de 2 mil marcas expositoras voltadas tanto para as áreas de produção quanto manutenção da indústria em geral, fazendo da exposição uma plataforma ideal para lançar produtos, gerar negócios e divulgar marcas e serviços voltados ao público do setor industrial.

Já as outras duas exposições promovidas pela ABIMAQ ocorrerão em 2017. Entre 20 e 24 de março, será realizada a Plástico Brasil – Feira Internacional do Plástico e da Borracha -, que promoverá o desenvolvimento tecnológico e econômico da cadeia industrial do plástico e da borracha. Dois meses depois, entre 8 e 12 de maio, será a vez da Expomafe – Feira Internacional de Máquinas-Ferramenta e Automação Industrial – abrir as portas e posicionar o setor como base essencial da cadeia produtiva.

“Estamos deixando de ser clientes para nos firmarmos como organizadores, com total controle para traçar estratégias em defesa dos setores”, celebra José Velloso Dias Cardoso, presidente executivo da ABIMAQ.

Os três eventos serão realizados no São Paulo Expo Exhibition & Convention Center. Localizado na capital paulista, o local promete se consolidar como o maior e mais moderno centro de exposições do Brasil. Conta com pavilhão totalmente novo com 90 mil m2 de área de exposição, ambiente climatizado, mais de 5 mil vagas de estacionamento (4,5 mil cobertas) e localização estratégica: 850 metros do metrô Jabaquara, a 10 minutos do aeroporto de Congonhas e com acesso rápido aos principais hotéis da região.

Fonte: Abimaq

Curta nossa página no

GGD Metals investe em novos equipamentos e disponibiliza serviços de pré-usinagem de aços para moldes

05/05/2015

Grupo distribuidor de aço expõe mais uma vez na Feiplastic e traz novidades para clientes de aços fresados e esquadrejados

GGD MetalsA novidade para a indústria de moldes plásticos é que os aços da GGD Metals, agora também podem ser fornecidos esquadrejados. Isso porque a empresa investiu R$ 1.400.000,00 em um novo equipamento.

Em seis meses, a empresa importou, montou e instalou uma máquina de usinagem CNC do tipo portal, que vai lhe garantir mais competitividade e atender a uma crescente demanda do mercado.

A máquina é capaz de realizar a pré-usinagem de materiais brutos para que o cliente receba a peça pronta para a usinagem mais refinada, de acordo com a aplicação que ele vai realizar. “Trata-se de um trabalho que prepara a peça para outros cortes e aplicações.”, explica André Dias, diretor geral da GGD Metals. “Os clientes faziam isso com seus próprios equipamentos, apesar de desperdiçar tempo e mão de obra. Há cerca de três anos, começaram a pedir a peça pré-usinada e nós é que terceirizávamos o serviço, colocando em risco nossos prazos e garantia de qualidade”.

A GGD Metals confirma a resistência que tinha em investir em equipamento para usinagem por temer concorrer com seus próprios clientes. Mas eles próprios passaram a solicitar o serviço com cada vez maior frequência. “Ao oferecer o serviço, ganhamos competitividade, pois não inflacionamos o material com a terceirização e um de nossos grandes diferenciais – o prazo de entrega – continua intacto”, afirma André.

Para as indústrias com capacidade ociosa o serviço pode não ser necessário neste momento, mas André é otimista: “Existem indústrias com capacidade lotada e pela questão da incerteza não querem investir em grandes máquinas. Então, investimos por elas para continuarem crescendo”.

Para o executivo, o leque de competitividade que se abre não é somente para a GGD, mas também para os seus clientes, que ganham rapidez, preço e podem pular a etapa da usinagem grosseira. “Já estamos funcionando em um turno e a expectativa é de aumentar o volume de vendas deste serviço da máquina para atuar em dois turnos”, completa.

Entre as vantagens da nova máquina, está a capacidade de usinar vários tamanhos de peças, sobretudo as grandes. (Até 2.000mm de largura por 4.000mm de comprimento e altura de 800mm).

Um dos principais tipos de aço com os quais o equipamento trabalha é o 1045. O seu poder de remoção é de 1099cmᶟ por minuto, enquanto o padrão médio são 400cmᶟ por minuto, por exemplo. A máquina suporta peças com até 14 toneladas.

GGD na Feiplastic 2015

A empresa participa da Feiplastic visando manter a sua visibilidade neste mercado. Os destaques para a indústria do plástico, além do novo serviço de pré-usinagem, são os aços P20, aços GGD 1045 e o alumínio Cast 7000. O P20 é utilizado em moldes de injeção de plásticos dos mais variados tipos. O 1045 tem inúmeras utilizações na indústria de máquinas e equipamentos, com papel especial nos moldes plásticos, principalmente na função de porta moldes.

Os aços 1045 da GGD contam com inspeção diferenciada de ultrassom, garantindo total isenção de porosidades.

Já o alumínio Cast 7000 é amplamente utilizado na indústria de plástico, tendo entre suas aplicações, moldes de injeção termoplástica; matrizes para repuxo profundo para a indústria de plásticos; e máquinas seladoras de garrafas (PET).

A GGD Metals é um grupo distribuidor de aços e metais sob medida, que surgiu com a fusão de três empresas: RCC, Domave e Açometal. Sediado em São Paulo, na região Sul da capital, a GGD Metals possui laboratório de qualidade interno, operado por profissionais qualificados na administração de testes para certificar outros materiais.

Fonte: Assessoria de Imprensa – GGD Metals

Curta nossa página no

Abimaq anuncia realização de feiras próprias

15/04/2015

Com apoio de 32 câmaras setoriais, que representam o universo dos fabricantes de máquinas e equipamentos do país, a ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos vai promover três importantes feiras nos segmentos de metalmecânica, máquinas-ferramenta e plástico. Segundo a entidade, a decisão segue tendência mundial de um modelo onde as entidades de classe são as realizadoras de feiras de seus respectivos setores. Os eventos ocorrerão no São Paulo Expo – Exhibition & Convention Center.

Com a iniciativa, a ABIMAQ deixa de apoiar, a partir de 2016, as feiras FEIMAFE, da MECANICA e FEIPLASTIC. “Há décadas a ABIMAQ sonha em ter suas próprias feiras. Estamos conseguindo colocar esse projeto de pé e fazendo história”, celebra Carlos Pastoriza, presidente do Conselho de Administração da entidade. A apresentação dos projetos de realização da Feimec – Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos, Expomafe– Feira Internacional de Máquinas-Ferramenta e Automação Industrial e Plástico Brasil – Feira Internacional do Plástico e da Borracha, foi feita em um grande evento dia 9 de abril na sede da ABIMAQ, para plateia de cerca de 400 expositores.

“Estamos deixando de ser clientes para sermos organizadores, com total controle para traçar estratégias em defesa dos setores”, argumenta José Velloso, presidente executivo da ABIMAQ. Segundo ele, que usa o exemplo de sucesso da Agrishow, promovida pela ABIMAQ – alavanca R$ 2,5 bilhões ao ano -, ter a feira nas mãos não é apenas realizar um evento de negócios. “Queremos o setor em evidência, com relevância política.”

Segundo Velloso, “entre as vantagens para as empresas associadas exporem nas feiras da ABIMAQ estão a melhor infraestrutura do pavilhão, a redução dos custos de montagem, a força da entidade, condições especiais de financiamento durante os eventos, alianças estratégicas com órgãos governamentais e institucionais e ações do projeto ABIMAQ-Apex”. De acordo com a Abimaqu, com a realização marcada para maio de 2016 no setor metal mecânico e, em 2017, a de máquinas-ferramenta e plástico, as feiras terão a ganhar também em matéria de logística, infraestrutura e conforto para expositores e convidados ao optar pelo projeto do São Paulo Expo em vez do Pavilhão de Exposição do Anhembi.

O São Paulo Expo – Exhibition & Convention Center terá pavilhão totalmente novo com 90 mil metros quadrados, ambiente climatizado, garagem para 5.000 veículos (4.500 vagas cobertas) e localizado próximo ao aeroporto de Congonhas, Metrô, rodovia dos Imigrantes e Rodoanel. O São Paulo Expo está recebendo investimentos da ordem de R$ 300 milhões.

No lançamento das três feiras na sede da ABIMAQ, empresas consideradas âncoras confirmaram reserva de espaço. O vice-presidente das Indústrias Romi, William dos Reis, endossa a decisão da ABIMAQ e confirma a participação nos eventos, por ter produtos endereçados aos três mercados. A Pavan Zanetti, de acordo com Newton Zanetti, diretor Comercial da empresa fabricante de sopradoras e injetoras para plásticos, participará da Plástico Brasil com a certeza de ter feito uma escolha acertada em termos de logística, infraestrutura do evento, conforto e proximidade com a rede hoteleira da região do São Paulo Expo. ”Não dá mais para descarregar máquinas gigantescas na madrugada por conta do rodízio, isso sem contar o acesso impossível ao Anhembi”, pondera.

A ABIMAQ optou por contratar como parceira para a realização dos eventos a  BTS Informa, empresa integrante do Informa Group, um dos maiores organizadores de feiras e conferências do mundo. “Nossa parceria com a ABIMAQ na Agrishow dura três anos e é muito bem-sucedida”, observa Marco Basso, presidente da BTS Informa para a América Latina. A BTS possui conhecimento das feiras da ABIMAQ, além de realizar eventos como Agrishow, Revestir, Fispal Tecnologia, Fispal Food Service, ABF Franchising Expo, entre outras.

A Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos foi fundada em 1975, com o objetivo de atuar em favor do fortalecimento da Indústria Nacional, mobilizando o setor, realizando ações junto às instâncias políticas e econômicas, estimulando o comércio e a cooperação internacionais e contribuindo para aprimorar seu desempenho em termos de tecnologia, capacitação de recursos humanos e modernização gerencial.

Estruturada nacionalmente com escritórios e sedes regionais distribuídos pelo País, a ABIMAQ representa atualmente cerca de 7.500 empresas dos mais diferentes segmentos fabricantes de bens de capital mecânicos, cujo desempenho tem impacto direto sobre os demais setores produtivos nacionais. Muito além da representação institucional do setor, a ABIMAQ tem a sua gestão profissionalizada e as suas atividades voltadas para a geração de oportunidades comerciais para as suas associadas, agindo como Agência de Desenvolvimento da Indústria Brasileira de Máquinas e Equipamentos.

A BTS Informa ocupa a segunda posição no ranking das maiores promotoras de feiras de negócios no Brasil e é a principal promotora de eventos para a cadeia produtiva de alimentos e bebidas da América Latina. Detentora de um portfólio diversificado, atua nos mais variados setores da economia. É Parte do Informa Group, provedor mundial de informação especializada e serviços para comunidades acadêmica e científica, profissional e empresarial.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Abimaq

Curta nossa página no

Empresas da Freudenberg expõem soluções inovadoras para o setor calçadista na FIMEC

18/03/2015

Chem-Trend e Freudenberg Performance Materials mostram agentes desmoldantes e não tecidos para aplicação na indústria calçadista de 17 a 20/3, em Novo Hamburgo (RS).

Duas empresas do Grupo Freudenberg mostram soluções inovadoras para a indústria calçadista durante a FIMEC 2015, principal evento do setor calçadista, em Novo Hamburgo (RS), de 17 a 23 de março. A Chem-Trend apresenta sua linha de agentes desmoldantes, produtos para limpeza e para preparação de moldes de materiais usados na produção de solados de calçados, como poliuretano, termoplásticos, EVA e borracha; a Freudenberg Performance Materials, resultante da fusão global entre a Freudenberg Não Tecidos e a Freudenberg Politex, mostra o seu portfólio de produtos não tecidos para o setor, com destaque para três lançamentos.

Como os estandes das duas empresas estão juntos, os visitantes podem conhecer de perto a variedade de soluções que elas desenvolvem e fornecem para a indústria de calçados. As equipes técnica e comercial das duas companhias da Freudenberg mostram os diferenciais técnicos de produtos químicos que tornam melhores e mais ágeis os processos produtivos e também soluções em não tecidos que tornam os calçados mais confortáveis.

Peças melhores e maior produtividade

O portfólio da Chem-Trend para os fabricantes de calçados esportivos e de segurança inclui agentes desmoldantes e de purga e produtos auxiliares de processo, como limpadores de cabeçote de injeção e limpadores de moldes. Segundo a empresa, entre os agentes desmoldantes, as soluções sem silicone para os calçados de segurança promovem acabamento fosco ou brilhante e têm tecnologia para atender as necessidades de adesão, características requisitadas pelos transformadores. Para a produção de palmilhas, os agentes desmoldantes base água tornam os processos mais ágeis ao demandarem menor quantidade na aplicação e, em comparação com as soluções tradicionais, têm a vantagem de serem menos agressivos para a saúde dos operadores e ao meio ambiente, afirma a Chem-Trend.

Outros destaques da empresa para o setor são os agentes de purga da linha Lusin® para solados em termoplásticos, com destaque para TPU. Trata-se, segundo a empresa, de um produto que promove maior agilidade no processo de produção com significativa redução de custos, pois permite aos moldadores uma rápida mudança de cor nas resinas sem qualquer tipo de abrasão nos componentes do sistema. “Nossos agentes de purga permitem gerar peças de melhor qualidade com redução de ciclos de máquinas e maior produtividade nas mais variadas condições de processos, a fim de manter as máquinas em perfeito estado de funcionamento”, explica o gerente de vendas, Joacilo Luz.

Freudenberg Performance Materials lança produtos não tecidos

A empresa lança três novos produtos para a indústria calçadista. Um deles é o SU 70, um não tecido com acabamento relax voltado para o mercado de calçados de segurança que, segundo a empresa, tem vários benefícios: produto leve, alta produtividade no corte, ausência de defeitos, acabamento e espessura uniformes.

Os outros dois produtos são o SU 300 e o SLC 1000. O primeiro é um não tecido com características antichama para aplicação em punhos e luvas de trabalho. De acordo com a Freudenberg Performance Materials, o SLC 1000 é um avesso para calçados masculinos, femininos e infantis que chega ao mercado tendo como principal diferencial a alta elongação, um fator que permite melhor acomodação no calcanhar do calçado durante a conformação.

Segundo a empresa, também terá destaque o não tecido SU 7 MF, lançado ao final do ano passado para substituir algumas matérias-primas naturais e gerar aos calçados vários benefícios, como leveza, tato superficial, espessura e um aspecto mais uniforme. “A FIMEC é uma excelente oportunidade para mostrarmos os novos produtos, que aliam a alta tecnologia ao uso de materiais totalmente isentos de substâncias restritas, que podem gerar danos à saúde dos profissionais envolvidos nos processos produtivos do setor, bem como do usuário final do calçado”, diz o gerente da Divisão Shoe Components da companhia, Danilo da Costa Paula.

Sobre o Grupo Freudenberg

O Grupo Freudenberg, de origem alemã, atua nos segmentos de vedação, controle de vibrações, não tecidos, lubrificantes especiais, agentes desmoldantes, filtração, dentre outros. Emprega cerca de 40 mil pessoas em 60 países, com um faturamento anual acima de € 6,62 bilhões. No Brasil, está presente com seis empresas: Freudenberg-NOK, Freudenberg Não Tecidos, Klüber Lubrication, EagleBurgmann, Chem-Trend e SurTec; desde julho de 2012, atua também por meio da joint venture TrelleborgVibracoustic.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Freudenberg

Curta nossa página no

Encontro nacional de ferramentarias em Caxias do Sul destaca linha de financiamento direto do BNDES a partir de R$ 1 milhão

14/05/2014

PSI – Inovação e Máquinas e Equipamentos Eficientes é linha operada por uma novidade: departamento do banco especificamente voltado a fornecedores de bens de capital

encontro_ferramentariasCriado em 2014, o departamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) com ênfase específica no apoio ao fornecedor de bens de capital será apresentado aos participantes do 7o Encontro Nacional de Ferramentarias (Enafer) no dia 16 de maio, sexta-feira, em Caxias do Sul (RS), no Personal Royal Hotel. A grande oportunidade reside na linha PSI – Inovação e Máquinas e Equipamentos Eficientes, que permite operações diretas com o banco já a partir de R$ 1 milhão. O objetivo consiste em fomentar o setor de bens de capital a partir da cadeia de fornecedores.

“É uma linha de apoio para estratégias futuras completas de inovação. Vai muito além de pesquisa e desenvolvimento. Vamos apresentar também outras possibilidades, como o Finem e o Pro Plástico. A ideia é justamente abordar uma série de instrumentos de mercado que já estão disponíveis e surpreendentemente, pouca gente conhece”, revela o gerente do Departamento de Bens de Capital do BNDES, Luiz Daniel Willcox de Souza.

De acordo com Souza, a criação do departamento facilitou para ampliar o conhecimento do setor, caracterizado pela heterogeneidade, e definir políticas específicas, em articulação com outros órgãos governamentais. Exemplo disso será o painel complementar com o gerente adjunto de Planejamento (Serra) do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), André Gotler.

“Há boas possibilidades de financiamento ao produtor de bens de capital, especialmente nos campos de desenvolvimento e inovação. Por isso é importante que falemos a respeito de projetos futuros”, conclui Souza.

O maior evento do setor de ferramentarias no Brasil é organizado pela Plastech Brasil Eventos – nova unidade de negócios do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás), organizador da Plastech Brasil – Feira do plástico, da borracha, dos compósitos e da reciclagem.

Informações de inscrição podem ser obtidas pelos telefones (54) 3228.1251 e 8135.1182, ou pelo email fernanda@plastechbrasil.com.br. A programação completa e o formulário de inscrição encontram-se disponíveis no site plastechbrasil.com.br.

O 7o Enafer tem realização da Abinfer e da Organização Virtual de Ferramentarias (Virfebras), com apoios de Simplás, Plastech Brasil, Sindicato das Indústrias Metalúrgias, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul (Simecs), Associação Comercial e Industrial de Joinville (ACIJ) – Núcleo de Usinagem e Ferramentaria, APL de Ferramentaria do Grande ABCD, Associação Brasileira de Máquinas e Ferramentas (Abimaq) – Câmara Setorial de Ferramentarias e Modelações (CSFM), revistas Ferramental e Plástico Sul.

Fonte: Simplas

Curta nossa página no

Encontro nacional de ferramentarias em Caxias do Sul reúne Arranjo Produtivo, indústria automotiva, governo e sindicato de trabalhadores

06/05/2014

Evento abordará oportunidades de mercado e viabilização do Inovar-Auto

encontro_ferramentariasAções de fomento de negócios prometem ser a tônica do maior evento de ferramentarias do Brasil,  que Caxias do Sul (RS), segundo maior polo de fabricação de moldes do país, receberá em 16 de maio, pela terceira vez. Desde a apresentação de cases de sucesso do próprio setor produtivo, passando por programas de governo, participação de representantes da indústria automotiva e sindicatos de trabalhadores, até chegar a agentes financeiros de investimento, todo o mercado estará envolvido no ciclo de debates e espaços de relacionamento, entre 8h30 e 17h30, no Personal Royal Hotel.

O caso bem sucedido do Arranjo Produtivo Local (APL) de Ferramentaria do Grande ABC, que está desenvolvendo um bureau de engenharia entre as empresas de São Bernardo, São Caetano e Diadema, na Região Metropolitana de São Paulo, será apresentado pelo vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Ferramentais (Abinfer), Paulo Sérgio Furlan Braga.

Inteligência comercial será o tema da palestra de Eduardo Maróstica, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

No principal painel da jornada, a pauta aborda as oportunidades com que o programa Inovar-Auto acena para as ferramentarias – e principalmente,  formas de viabilizá-las. A grande preocupação do setor reside na regulamentação da iniciativa e na rastreabilidade das compras efetuadas por seus participantes, que devem cumprir um percentual de nacionalização.

A fim de explanar suas posições, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC) será representado pelo Coordenador-Geral das Indústrias Intensivas em Recursos Naturais, Tólio Edeo. Mesma missão terá a coordenadora executiva do setor Automotivo e Implementos Rodoviários da Secretaria de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (SDPI) do Rio Grande do Sul, Maria Paula Merlotti. Em esfera municipal, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo de São Bernardo do Campo participará com seu titular, Jefferson José da Conceição.

Pelo segmento produtivo, as ideias do APL de Ferramentarias do Grande ABC serão trazidas por um de seus coordenadores, Carlos Manoel de Carvalho. A contribuição dos trabalhadores virá com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Grande ABC, Rafael Marques. E ainda está prevista a participação de um representante das montadoras automotivas.

Financiamento de longo prazo para investimentos fixos e inovação serão assunto do gerente adjunto de planejamento do Banco Regional de Desenvolvimento Econômico (BRDE) na Serra Gaúcha, André Gotler.

Para concluir, será encaminhada a escolha da direção da Abinfer que cumprirá o triênio 2014/2017 à frente da entidade.

A organização do Enafer está a cargo da Plastech Brasil Eventos. Mais informações podem ser obtidas pelos telefones (54) 3228.1251 e 8135.1182, ou pelo email fernanda@plastechbrasil.com.br. A programação completa encontra-se disponível no site http://www.plastechbrasil.com.br.

O 7o Enafer tem realização da Abinfer e da Organização Virtual de Ferramentarias (Virfebras), com apoios de Simplás, Plastech Brasil, Sindicato das Indústrias Metalúrgias, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul (Simecs), Associação Comercial e Industrial de Joinville (ACIJ) – Núcleo de Usinagem e Ferramentaria, APL de Ferramentaria do Grande ABCD, Associação Brasileira de Máquinas e Ferramentas (Abimaq) – Câmara Setorial de Ferramentarias e Modelações (CSFM), revistas Ferramental e Plástico Sul. As empresas Autodesk, Euromold, GROB e Metalli e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) são os patrocinadores.

Fonte: Plastech Brasil

Curta nossa página no

Máquinas Romi são destaque na Mecminas 2013

05/11/2013

Empresa líder nos segmentos de máquinas-ferramenta e máquinas para plástico oferece soluções de manufatura  para o mercado mineiro

Romi-EL75Considerada um dos maiores encontros do setor no País, a Mecminas 2013 – Feira da Indústria Mecânica de Minas Gerais vem contribuindo de maneira expressiva para o incremento de negócios no Estado. Programada para 5 a 8 de novembro no Centro de Feiras e Exposições de Minas Gerais, em Belo Horizonte, a Mecminas vai reunir empresas fornecedoras e compradoras dos principais setores da indústria.

Presente em todas as edições da feira, a Romi vai expor em seu estande cinco equipamentos de alta tecnologia dos segmentos de Máquinas-Ferramenta e Máquinas para Plástico: o Centro de Torneamento ROMI GL 240M, o Centro de Torneamento Vertical ROMI VTL 500R, o Centro de Usinagem Vertical ROMI D 800, a Injetora ROMI EL 75 e a Sopradora ROMI P 5L.

“O mercado mineiro é de grande relevância para os negócios da Romi, principalmente pela ampla atuação de nossos equipamentos nas empresas do setor metal mecânico e a Mecminas é um tradicional ponto de encontro entre os principais fabricantes de equipamentos, produtos e serviços desse Estado” , diz Hermes Lago, diretor da Unidade de Negócios Máquinas-Ferramentas da companhia.

William dos Reis, diretor da Unidade de Negócios Máquinas para Plástico da companhia, afirma que a feira é o local ideal para ampliar parcerias e iniciar novos negócios. “Entendemos que, com nosso amplo portfólio de máquinas, podemos apresentar soluções de manufatura e transformação de excelente custo-benefício para atender às novas demandas do Estado em diversos segmentos.”

Na feira, além das máquinas expostas, os visitantes poderão contar com todo o apoio técnico e comercial da equipe de vendas da filial Romi Belo Horizonte.

Fonte: Romi

Curta nossa página no

Nordson Corporation constitui grupo global de “Sistemas de Processamento de Polímeros”

31/10/2013

Nordson-LogoA K 2013 marcou o lançamento do grupo de soluções e tecnologias de sistemas de processamento de polímeros da Nordson Corporation, um novo fornecedor global com uma ampla gama de tecnologias para fusão de polímeros, condicionamento, distribuição e formatação de plásticos, segundo a empresa anunciou.

Como resultado de uma série de aquisições estratégicas deste a última feira K, agora a Nordson fabrica componentes de precisão para fluxo de material fundido, desde roscas e cilindros para extrusão e injeção de plásticos até matrizes usadas para produzir filmes, revestimentos, chapas e pellets.  Além disso, o grupo fornece uma série de componentes críticos no processamento, tais como sistemas de filtragem, bombas e válvulas.

“Todas as organizações adquiridas pela Nordson no setor de processamento de polímeros são fornecedoras líderes de componentes de processamento de material fundido, com excelência em engenharia de precisão e que colocam um alto valor no atendimento das necessidades de fabricação dos clientes, oferecendo-lhes suporte pós-venda”, disse Peter Lambert, vice-presidente sênior da Nordson Corporation. “Esperamos que nossos clientes se beneficiem não apenas da ampla gama de de produtos ofereceidos, mas também dos recursos globais de fabricação e serviços locais da Nordson Corporation.  A nossa estratégia é de reunir empresas complementares para otimizar a qualidade e a eficiência do processamento de polímeros para atender a nossos clientes OEM, ajudando-os, em última instância, a fornecerem com o mais alto valor agregado e o melhor desempenho a seus usuários finais.”

A começar pela empresa adquirida mais recentemente, as linhas de produtos que compõem as ofertas da Nordson na área de processamento de polímeros são:

● Kreyenborg GmbH, com sede em Münster, Alemanha. Esta organização fabrica sistemas de filtragem para material fundido, bombas de engrenagem e válvulas de material fundido para extrusão, reciclagem e polimerização. Jan Hendrik Ostgathe é o diretor executivo.

● BKG Bruckmann & Kreyenborg Granuliertechnik GmbH, com sede em Münster, Alemanha. Esta organização produz sistemas de peletização submersa, secadoras centrifugas e placas de matrizes para extrusão, reciclagem e polimerização. Ralf Simon é o diretor executivo.

● Nordson XALOY, com sede em New Castle, Pensilvânia, EUA, fabrica componentes e sistemas de transferência de material fundido para maquinas de extrusão e injeção, incluindo cilindros, roscas de alto desempenho, sistemas pré-montados de plastificação, rolos de transferência de calor e fornos de limpeza; fabrica também sistemas de peletização. Steve Purcell é o vice-presidente e gerente geral.

● Nordson Extrusion Dies Industires, baseada em Chippewa Falls, Winsconsin, EUA, fabrica matrizes planas, blocos de alimentação e equipamentos relacionados para filmes, chapas, revestimento por extrusão e revestimentos fluidos. Godfrey Sandham é o vice-presidente e gerente geral. Também sob a marca Nordson Extrusion Dies Industries está outra empresa adquirida pela Nordson, a fabricante de matrizes planas Verbruggen, cujas instalações em Temse, Bélgica, agora são a sede da Nordson EDI Europa N.V. E também faz parte da Nordson Extrusion Dies Industries a Divisão de Revestimentos Premium, que fabrica matrizes de revestimento com ranhuras.

“Os Sistemas de processamento de polímeros Nordson não estão no negócio de fabricar máquinas primárias, como injetoras ou extrusoras, mas sim em fornecer os componentes necessários para que esses sistemas funcionem”, disse Peter Lambert. “Com o passar do tempo, haverá oportunidades crescentes para que clientes OEM e processadores possam adquirir componentes de nosssas várias linhas de produtos através de uma única ordem de compra, se optarem por fazê-lo, alinhando suas práticas de compras, tirando proveito de nossas experiências conjuntas com plásticos e utilizando componentes otimizados para trabalharem em conjunto ao longo do fluxo de material fundido.”

Clientes se beneficiarão dos diversos recursos da Nordson

A Nordson Corporation, empresa matriz que reuniu as especialidades complementares das cinco empresas adquiridas, tem recursos extensivos que beneficiarão seus clientes.  Com operações diretas em mais de 30 países e alcance global em mais de 42, a Nordson oferece uma base internacional para aumentar o acesso local a serviços técnicos e de vendas. O sólido suporte da empresa à pesquisa e desenvolvimento (P&D) resultará em um maior fluxo de inovações em componentes para o processamento de plásticos, desde novas tecnologias de cilindros e roscas até inovações em peletizadores e matrizes de extrusão. A Nordson é uma empresa multinacional de capital aberto com vendas anuais de quase US$ 1,5 bilhões. Com sede em Westlake, Ohio, EUA, a empresa fundada em 1954 é líder mundial na produção de equipamentos de precisão para dosagem de adesivos, revestimentos, selantes e outros materiais, além de fabricar também sistemas para gerenciamento, teste e inspeção de fluidos, cura Ultra-Violeta e tratamento plasma de superfícies. Assim como as empresas adquiridas recentemente, a Nordson tem experiência especial em equipamentos para fusão de material, filtragem, bombeamento e medição em aplicações críticas de manufatura.

No ano passado, a Nordson investiu aproximadamente US$ 50 milhões em pesquisa e desenvolvimento. A empresa possui 475 patentes nos EUA e 986 patentes estrangeiras, além de 1.051 patentes pendentes.

“O compromisso de longa data da Nordson com P&D irá gerar novos componentes do fluxo de material fundido que beneficiarão processadores de plásticos, aumentando a produtividade, reduzindo o tempo de inatividade, eliminando desperdício, aprimorando a qualidade dos produtos e fornecendo novos recursos de fabricação que facilitam a diversificação”, disse Peter Lambert. “Todas as nossas recentes aquisições são empresas fortes, lucrativas e líderes respeitadas em seus setores e a Nordson está investindo nelas para criar compromissos e recursos de longo prazo na indústria de processamento de polímeros.”

Fonte: Martino Communications / Nordson

Curta nossa página no

Romi registra melhor resultado trimestral desde o fim de 2011 e alcança R$ 11,7 milhões de EBITDA das Operações Continuadas

02/08/2013

Pelo quarto trimestre consecutivo, o EBITDA da companhia foi positivo, reflexo da busca contínua de eficiência operacional e reajuste gradual dos preços

As Indústrias Romi S.A., empresa brasileira fabricante de máquinas-ferramenta e máquinas para processamento de plásticos e importante produtor de peças fundidas e usinadas, atingiu R$ 151,4 milhões no trimestre e R$ 291,7 milhões no semestre em valor de receita operacional líquida das Operações Continuadas.  Isso representa aumento de 45,2% e 17,4% em comparação com os mesmos períodos de 2012.

Em Máquinas-Ferramenta, a receita operacional líquida atingiu R$ 99,4 milhões no 2T13, dos quais R$ 18 milhões se referem à consolidação da receita operacional líquida da B+W. Esse montante consolidado representou aumento de 35,7% se comparado com o mesmo período no ano anterior e de 0,6% ao 1T13. Já no semestre, a receita operacional líquida dessa unidade foi de R$ 198,3 milhões, o que representa crescimento de 11,2% em relação ao mesmo período de 2012.

No segundo trimestre de 2013, o faturamento líquido da Unidade de Negócios de Máquinas para Plásticos totalizou R$ 23,3 milhões, representando aumento de 84,7%, em relação ao 2T12 e de 33,6% quando comparado ao trimestre imediatamente anterior.

As vendas físicas da unidade de fundidos e usinados somaram 4.436 toneladas no 2T13, um aumento de 43,5% sobre o 2T12 (3.092 toneladas). Nesse período, a Receita Operacional Líquida da unidade foi de R$ 52,7 milhões, o que representa aumento de 32,7% em relação ao mesmo período em 2012. Foram vendidas 8.034 toneladas de produtos fundidos e usinados no período, 21,6% a mais que o obtido nos mesmos meses de 2012.

“Alcançamos no mercado interno crescimento de 30,9% em nossa receita líquida, se comparada ao primeiro semestre de 2012. Esse fato mostra o fortalecimento dos produtos Romi como um todo e nos deixa ainda mais confiantes para enfrentar os desafios dos próximos trimestres”, afirma Livaldo Aguiar dos Santos, diretor presidente da Romi.

A carteira de pedidos da companhia, em junho, apresentou-se 35% superior quando comparada ao primeiro trimestre de 2013, alcançando, assim, a marca de R$ 330,1 milhões no 2T13. Um dos fatores que auxiliaram a carteira nesse período foi a realização de duas grandes feiras do setor em São Paulo, a Feiplastic e a Feimafe. O lucro líquido das Operações Continuadas da Romi foi de R$ 5,1 milhões no segundo trimestre de 2013.

Nota: O EBITDA corresponde ao lucro antes do resultado financeiro, impostos sobre o lucro, depreciação e amortização.F

Fonte:  Indústrias Romi

Curta nossa página no

Villares Metals lança novo aço para fabricação de moldes

18/06/2013

Com o lançamento desse produto, a Villares Metals quer estreitar ainda mais o relacionamento com o setor automotivo. Do volume total de produção, que foi de 87 mil toneladas em 2012, 65% atendeu ao mercado interno e 35% o externo

A Villares Metals, a maior produtora de aços especiais não planos de alta-liga da América Latina, lançou o VP ATLAS, um aço de elevada resistência mecânica e que oferece desempenho superior na produção de moldes para injeção de plásticos para as indústrias automotivas e de eletrodomésticos. O evento de lançamento ocorreu na capital paulista, no dia 17 de junho, nas dependências da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ). Na ocasião, o presidente da Anfavea, Luiz Moan, também esteve presente, proferindo uma palestra sobre as “Tendências e perspectivas do setor automotivo para os próximos anos”.

O lançamento do VP ATLAS em São Paulo não foi por acaso. A Villares Metals tem conhecimento da importância dessa região para o desenvolvimento sócio-econômico do país, sobretudo para o setor automotivo.

“O Estado de São Paulo abriga grande parte das montadoras de veículos do nosso país e a maioria das empresas que fornecem equipamentos/peças para esse segmento são clientes da Villares Metals. Em 2012, a empresa produziu 87 mil toneladas, sendo que 65% abasteceram o mercado interno e 35 % foram destinados para a exportação. O nosso objetivo é cada vez mais estreitar o relacionamento com esse segmento, atendendo as suas necessidades, principalmente no que diz respeito ao novo regime automotivo”, enfatiza, Rafael Agnelli Mesquita, Diretor de Novos Negócios & Marketing da empresa.

Características do VP ATLAS

Com o lançamento do VP ATLAS, a Villares Metals pretende aumentar o seu portfólio de produtos para ferramentais aplicados nos segmentos Automotivo e de Eletrodomésticos. “É a certeza de que estamos atentos ao crescimento do mercado e às novas tendências da indústria automotiva e de eletrodomésticos. Dessa forma, a Villares se antecipou a essas necessidades e passa a oferecer um aço com maior resistência para moldes de injeção de plástico, com conceito patenteado e altamente inovador”, afirma Rafael.

Segundo a Villares, o produto é indicado para as mais severas aplicações automotivas e de eletrodomésticos por apresentar alta resistência mecânica, por exemplo, característica essencial exigida nesses segmentos. “Este novo aço possui composição química balanceada, com patente requerida, passando por tratamento de microinclusões, o que lhe garante melhor equilíbrio e desempenho, que são vistos como vantagens competitivas em mercados tão acirrados, como o Automotivo, entre outros”, destaca José Bacalhau, Engenheiro Pesquisador, responsável pelo desenvolvimento do produto.

Com mais de 70 anos de mercado, a Villares Metals é a maior produtora de aços especiais não planos de alta-liga da América Latina. Empresa siderúrgica semi-integrada, a Villares Metals possui uma linha de produtos ampla, que inclui: aços rápidos, aços ferramenta (aços para trabalho a quente, aços para trabalho a frio, aços para moldes plásticos), aços inoxidáveis, aços válvula, ligas especiais e peças forjadas. Possui um centro de distribuição de aços-ferramenta com uma área de 5.500m2 em Sumaré (SP) e outro de 1.300m2 em Joinville (SC), com capacidade de entrega em todo Brasil. Para atender as necessidades específicas de seus clientes, a empresa possui um moderno Centro de Pesquisa e Desenvolvimento. Em 2012, a empresa investiu mais de R$ 7 milhões no desenvolvimento de novas tecnologias, atentando-se sempre às exigências e mudanças do mercado.

A Villares Metals emprega cerca de 1.400 pessoas e seu faturamento no último ano fiscal (início em abril de 2012 e término em março de 2013), foi próximo a R$ 800 milhões.

Fonte: Villares Metals

Curta nossa página no

Villares Metals apresenta aço de alta resistência para indústrias automotiva e de eletrodomésticos

09/05/2013

feiplastic

O VP ATLAS, que estará em exposição na FEIPLASTIC 2013, atende às necessidades dos setores Automotivo e de Eletrodomésticos, apresentando melhor desempenho na produção de moldes para injeção de plásticos para esses segmentos

A Villares Metals, a maior produtora de aços especiais não planos de alta-liga da América Latina, estará apresentando na FEIPLASTIC 2013 o  VP ATLAS, um aço de elevada resistência mecânica e que oferece desempenho superior na produção de moldes para injeção de plásticos para as indústrias automotivas e de eletrodomésticos.

“Com a apresentação do VP ATLAS, a Villares Metals pretende aumentar o seu portfólio de produtos para ferramentais aplicados nos segmentos Automotivo e de Eletrodomésticos. É a certeza de que estamos atentos ao crescimento do mercado e às novas tendências da indústria automotiva, sobretudo após a oficialização do novo regime automotivo brasileiro. Dessa forma, a Villares se antecipou a essas necessidades e passa a oferecer um aço com maior resistência para moldes de injeção de plástico, com conceito patenteado e altamente inovador”, afirma, Rafael Agnelli Mesquita, Diretor de Novos Negócios & Marketing da empresa.

O produto é indicado para as mais severas aplicações automotivas e de eletrodomésticos por apresentar alta resistência mecânica, por exemplo, característica essencial exigida nesses segmentos. “Este novo aço possui composição química balanceada, com patente requerida, passando por tratamento de microinclusões, o que lhe garante melhor equilíbrio e desempenho, que são vistos como vantagens competitivas em mercados tão acirrados, como o Automotivo, entre outros”, destaca José Bacalhau, Engenheiro Pesquisador, responsável pelo desenvolvimento do produto.

Sobre a Villares Metals: Com mais de 60 anos de mercado, a Villares Metals é a maior produtora de aços especiais não planos de alta-liga da América Latina. Empresa siderúrgica semi-integrada, a Villares Metals possui uma linha de produtos ampla, que inclui: aços rápidos, aços ferramenta (aços para trabalho a quente, aços para trabalho a frio, aços para moldes plásticos), aços inoxidáveis, aços válvula, ligas especiais e peças forjadas. Possui  centro de distribuição de aços-ferramenta da América Latina, com uma área de 5.500m2 em Sumaré (SP) e outro de 1.300m2 em Joinville (SC) com capacidade de entrega em todo Brasil. Para atender as necessidades específicas de seus clientes, a empresa possui um moderno Centro de Pesquisa e Desenvolvimento. A Villares Metals emprega cerca de 1.500 pessoas e seu faturamento no último ano fiscal (início em abril de 2011 e término em março de 2012), foi próximo a R$ 850 milhões.

Fonte: Alfapress

Curta nossa página no

Chinaplas 2013 começará em três semanas

29/04/2013

chinaplas_2013

A CHINAPLAS 2013 que acontece de 20 e 23 de maio de 2013, é uma oportunidade única para encontrar o que há de mais avançado no mercado de plásticos, bem como todas as tendências mundiais em um segmento que se expande a cada ano. A CHINAPLAS é, hoje, o segundo maior evento do mundo da área de plásticos e borracha e o evento mais importante da Ásia.  A organizadora espera que a feira atraía mais de 115.000 visitantes de 150 países/regiões e mais de 100 grupos de compradores em 4 dias de evento.

A China é hoje a detentora de 23% da produção mundial de plásticos. O rápido crescimento dessa indústria, seja em quantidade como em qualidade, vem sendo estimulado especialmente pelas as indústrias manufatureiras automotivas e de eletrônicos, as quais têm se desenvolvido em ritmo acelerado, aumentando as demandas de empresas chinesas por tecnologias de molde e equipamentos de manufatura. No Brasil, a maior demanda por plásticos – 47% –  vem dos setores da construção civil, indústria automotiva e alimentos e bebidas e a China é o pais com o qual o Brasil realiza o maior numero de negócios neste segmento, 20%. Com a aproximação dos grandes eventos como a Copa do Mundo e as Olimpíadas a expectativa é de um aumento na demanda por tecnologias relacionadas ao plástico e à borracha.

Produção de Moldes para plásticos não para de crescer na China

O desenvolvimento de moldes plásticos deve crescer continuamente nos próximos anos, resultando num aumento na produção total de moldes.  Por isso, a CHINAPLAS 2013 vai expandir a “Zona de Moldes”, que teve sua área de exposição aumentada em 18% em relação à última edição. Serão mais de 200 empresas chinesas e expositores internacionais.

Área especializada em Filmes Plásticos facilitará o encontro de novas tecnologias

Além dos moldes, o uso de filmes plásticos e sua tecnologia não estão mais limitado à agricultura e ao empacotamento. Eles têm sido amplamente aplicados à medicina, eletrônicos, TI, plantas solares e arquitetura, entre outros, gerando uma ampliação da demanda do mercado global pelo filme plástico. Para atender às necessidades da grande quantidade de compradores em potencial e ajudá-los a encontrar tecnologias avançadas em equipamentos de produção de filmes e linhas de produção de filme, uma nova zona temática – “Zona de Tecnologia de Filmes” – estará localizada no saguão 8.1 na Zona A. Novos expositores mostrarão linhas de extrusão para filmes de sopro, linhas de extrusão para filmes planos e folhas, linhas de estiramento para filmes e filamentos, rebobinadores de talhadeiras, equipamento de enrolamento, equipamentos de medição & teste para filmes, equipamentos auxiliares para linhas de extrusão de filmes, impressoras para filmes, laminação e máquinas de revestimento e outras tecnologias de processamento de filmes etc.

Além das zonas temáticas mencionadas acima, haverá também 8 outras zonas temáticas que visam facilitar o dia a dia dos compradores de diferentes indústrias.  São elas: a Zona de Maquinário para Molde de Injeção, Zona de Máquinas de Extrusão, Zona de Maquinários & Equipamento para Borracha, Zona de Auxiliares & Teste de Equipamentos, Zona de Químicos & Matérias-Primas, Zona de Produtos Semi-Acabados, Zona de Bioplásticos e Saguão Chinês de Maquinários de Exportação & Materiais.

A área de exibição deve alcançar um novo recorde de 220.000 m2, cobrindo um total de 25 saguões de exibição nas zonas A e B, apresentando um aumento de 22% em relação à última edição que aconteceu em Guangzhou, em 2011.

Mais de 2.800 expositores de 36 países e regiões, junto a 12 pavilhões da Áustria, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Coreia, China, Taiwan, Turquia, Reino Unido e EUA, mostrarão matérias-primas e produtos químicos variados e mais de 3.200 unidades de máquinas para plásticos e borracha.

Sobre a CHINAPLAS 2013 : A CHINAPLAS 2013 é organizada pela Adsale Exhibition Services Ltda., e co-organizada pelo Centro de Comércio Exterior da China (Grupo), Conselho Nacional da Indústria de Eletricidade da China – Associação das Indústrias de Processamento de Plásticos da China, Associação das Indústrias de Maquinário para Plásticos da China, Associação das Indústrias de Plástico de Guangdong, MesseDuesseldorf China Ltda., Associação de Comércio de Plásticos de Xangai e Serviços Yazhan de Exibição de Pequim Ltda. O evento também tem o apoio de várias associações de plásticos e borrachas da China e do exterior.

Criada em 1983, a CHINAPLAS é a única feira de exibição de comércio de plásticos e borracha aprovada pela UFI (Associação Global da Indústria de Exibição). A CHINAPLAS foi exclusivamente patrocinada pela Associação Europeia de Maquinários Manufatureiros de Plástico e Borracha (EUROMAP) na China pela 24ª vez. A CHINAPLAS é atualmente a principal feira de comércio de plástico e borracha da Ásia, e a segunda do mundo.

Fonte: Chinaplas

Curta nossa página no

Romi realiza Open House em sua subsidiária do Reino Unido

19/03/2013

Objetivo é estreitar relacionamento com clientes das marcas Romi e Sandretto

A Romi abriu as portas de suas instalaçôes de Rugby, no Reino Unido, e mostrou sua experiência no desenvolvimento e fabricação de máquinas injetoras e máquinas-ferramenta de alta qualidade e desempenho. O Open House visou fortalecer a posição de mercado das marcas Romi e Sandretto e reforçar a relação com os clientes daquele mercado.

A experiência e cooperação entre Romi, Sandretto e fornecedores qualificados resulta na capacidade da empresa em oferecer a seus clientes pacotes turn-key, o que tem se demonstrado um requisito importante para os clientes. Juntas, Romi e Sandretto tem mais de 180 mil máquinas vendidas em todo o mundo. “É a força e confiança nas marcas que os clientes tem procurado quando da escolha de um fornecedor de máquinas”, diz a gerente de vendas Internacionais da Romi, Mônica Romi Zanatta.

Presente no mercado externo desde 1944, a Romi possui subsidiárias localizadas nos EUA, Itália, Alemanha, Inglaterra, Espanha, França e México. Com a aquisição dos ativos da Sandretto, em 2008, a Romi reforçou sua presença em todo o mundo.

Neste Open House, as seguintes máquinas foram demonstradas:

Injetoras para plásticos:
– Sandretto PRIMAX H 220
– Sandretto EN 150 e 200
– Sandretto EL 150
Estas máquinas são comercializadas no Brasil com a marca Romi.

Máquinas-ferramenta:
– ROMI C 420
– ROMI GL 240M
– ROMI D 800
A linha ROMI C é comercializada no Brasil com a marca Centur.

Fonte:  Romi

Curta nossa página no

Polimold apresenta novo Controlador de Temperatura e Sistemas de Câmara Quente durante a Feiplastic 2013

07/03/2013

A Polimold, fabricante de Porta-Moldes e Sistemas de Câmara Quente, irá expor sua ampla gama de produtos durante a FEIPLASTIC 2013

feiplastic

Um dos destaques será o mais recente lançamento da empresa, o novo Controlador de Temperatura POLIMOLD MINI SMART, produto que é uma evolução do já conhecido controlador POLIMOLD, com novos recursos e vantagens. A empresa destaca os seguintes diferenciais: o primeiro módulo pode enviar informação aos demais módulos (Temperatura, Booster, Standby e comando OFF);  toda a configuração de setup é realizada no próprio painel e o gabinete tem um tamanho até 60% menor que o anterior.

A Polimold também levará outros produtos no segmento de Sistemas de Câmara Quente Valvulados e Convencionais, entre eles:
– Sistema de 96 vias, utilizada em moldes de múltiplas cavidades.
– Sistema Stack-mold, utilizados para dobrar a capacidade de uma ferramenta.
– Sistema Valvulado Facility, muito utilizado na indústria automobilística, por sua versatilidade de aplicação.

Os sistemas são fabricados no Brasil e exportados para vários países do mundo.

A empresa também exibirá a ampla gama de montagens do Porta Molde Padronizado POLIMOLD, que reúne quase 1 milhão de combinações, facilitando o projeto e a concepção de ferramentas.

Fonte: Polimold

Curta nossa página no

Feiras Interplast 2012 e Euromold Brasil são abertas em Joinville

20/08/2012

Muitas novidades marcam a 7ª edição da Interplast. Realização da primeira EuroMold Brasil, Ilha da Reciclagem e Projeto Carreira são alguns dos destaques.

A 7ª edição da Interplast – Feira e Congresso de Integração da Tecnologia do Plástico, consolidada como a mais importante feira do segmento na América Latina em 2012, apresenta aos visitantes as mais recentes novidades em máquinas, equipamentos, periféricos, design, matérias-primas, serviços e tecnologias. Realizada, a cada dois anos, pelo Sindicato da Indústria de Material Plástico no Estado de Santa Catarina (Simpesc) e organizada pela Messe Brasil, a feira, inaugurada nesta segunda-feira, dia 20, ocorrerá até a próxima sexta-feira, dia 24, nos pavilhões da Expoville, em Joinville/SC.

Em seus 21.000 m², o evento reúne cerca de 550 empresas, das quais, 144 são novos expositores. Vindas de todo o Brasil e de outros países, como Alemanha, China, Canadá, Áustria, Estados Unidos, Taiwan e Portugal, as empresas formam uma importante rede de relacionamento, compartilhando o que há de mais moderno para o setor e ampliando a possibilidade de novas parcerias e negócios.

Para Albano Schmidt, presidente do Simpesc (Sindicato das Indústrias de Material Plástico de Santa Catarina,  a Interplast é um evento esperado por todo o setor plástico, especialmente por propiciar às empresas uma excelente oportunidade de se aproximar de seus clientes. “A presença em um evento desse porte consolida a marca e fortalece a empresa diante de seu público-alvo”, afirma. Segundo ele, o segmento vive um momento econômico de crescimento e o caminho para consolidar esse processo requer investimentos e inovação. “Para fortalecer o setor é necessário promover o crescimento dos segmentos demandantes, desonerar o investimento, reduzir o custo de capital e melhorar a qualidade de como os tributos são cobrados. Com um apoio maior à pesquisa e inovação e criação de excelência para formação da mão de obra, o setor pode e vai crescer muito”, acrescenta.

Neste ano, o evento promete muitas novidades. Os visitantes vão poder observar o Projeto Ilha da Reciclagem do Plástico, promovido por meio de uma parceria entre a Messe Brasil, Simpesc, INP, Instituto do PVC e Plastivida. Quem passar pela feira vai poder visualizar o processo de reciclagem do plástico, explicado passo a passo, além de conhecer os equipamentos envolvidos e o trabalho das cooperativas. O projeto tem a coordenação do Simpesc. “A proposta é desmistificar e ressaltar que o processo de reciclagem do plástico é um dos mais econômicos e ambientalmente corretos, entre os diversos resíduos que são reciclados atualmente”, comenta Richard Spirandelli, diretor da Messe Brasil.

E falando em reciclagem, outro destaque é a Central de Gerenciamento de Resíduos. A iniciativa é da Messe Brasil e conta com o apoio da Elementus Engenharia Ambiental, responsável pela elaboração e execução do plano de gerenciamento de resíduos sólidos. O principal objetivo é dar um destino ambientalmente correto para os materiais descartados nos períodos de montagem e desmontagem e também durante a feira. Os resíduos, classificados como comuns e não perigosos, compreendem material orgânico, papel e papelão, madeira e vidro. “Com a central, será possível encaminhar os materiais a destinos adequados, evitando ampliar volumes nos lixões ou em locais impróprios para descarte”, explica Spirandelli.

Neste ano, o evento conta também com o apoio institucional da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que aposta na Interplast pela sua credibilidade e seriedade. “A ABNT tem mais de 170 Comitês Técnicos focados em variados setores e áreas de conhecimento. Ao apoiar a feira, a ABNT aproxima-se também de seu público, mostrando os benefícios das normas técnicas para as suas atividades”, explica Roberto Silva Santos, gerente de articulação nacional da ABNT.

Estrategicamente realizada em Joinville, região que é um dos maiores polos do plástico e corredor comercial da América Latina, a Interplast deve atrair cerca de 25 mil visitantes, com destaque para executivos e profissionais dos segmentos de embalagem, automotivo/autopeças, construção civil e linha branca, vindos de todo o Brasil e também do exterior.

Primeira EuroMold Brasil acontece em paralelo à Interplast

Outro evento importante vai atrair muitos visitantes à Expoville. A EuroMold Brasil chega pela primeira vez à America Latina e vai apresentar os avanços mais recentes e as mais novas tecnologias em fabricação de moldes e desenvolvimento de produtos. Viabilizada por meio de parceria entre a organizadora alemã DEMAT e a Messe Brasil, a feira reúne cerca de 80 expositores, vindos de todo o Brasil e de países como Alemanha, Estados Unidos, Coreia do Norte, China, Canadá, Japão, Taiwan, Argentina e Israel.

Para a EuroMold Brasil, a Messe Brasil montou um espaço totalmente novo, anexo a Expoville, com 3.200 m² de área. O Pavilhão EuroMold Brasil, diretamente conectado com os pavilhões da Interplast, permite que os visitantes circulem entre as duas feiras, aproveitando ainda mais o intercâmbio que a simultaneidade dos eventos proporciona. Para o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Ferramentais (Abinfer), Christian Dihlmann, a feira tem muito a agregar ao setor, especialmente por ser realizada em Joinville. “O evento está situado na 3ª maior cidade da região sul do Brasil e um dos três maiores polos de ferramentarias do país, isso contribui para ampliarmos a base de fornecedores para o segmento, e com qualidade”, afirma.

Cintec 2012 Plásticos estimula o debate e a busca por novas tecnologias

Focado na disseminação do conhecimento e inovação, o Cintec 2012 Plásticos – Congresso de Inovação Tecnológica tem 20 palestras técnicas e seis minicursos em sua programação. O evento aborda linhas temáticas de gestão, meio ambiente, reciclagem, matéria-prima, máquinas e processos, e moldes e ferramentas, e deve reunir empresários, especialistas e estudantes para debater tendências, novas tecnologias e soluções para o setor plástico.

A palestra de abertura acontece no dia 20 de agosto e será ministrada por José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Vitopel, empresa fabricante de filmes para embalagens flexíveis, e da Associação Brasileira da Indústria de Plástico (Abiplast). Com mais de 25 anos de atuação na indústria de transformação, Roriz Coelho abordará em sua apresentação o mercado do material plástico sob a ótica do conhecimento e da sustentabilidade.

Promovido pela Sociedade Educacional de Santa Catarina (Sociesc), o Cintec construiu uma história de sucesso ao longo dos 12 anos de sua realização. Os números acumulados pelo congresso nesse período demonstram a dimensão do evento. Até aqui, já são 7.900 congressistas, 600 palestrantes e 780 horas de conhecimento.

Neste ano, o Cintec Plásticos acontece entre os dias 20 e 24 de agosto, na Expoville, em Joinville/SC. Os minicursos são realizados na Sociesc, no Campus Marquês de Olinda. Mais informações e inscrições pelo www.sociesc.org.br/cintec.

Fonte: Messe Brasil

Curta nossa página no