Archive for the ‘Feiras’ Category

Terphane apresenta soluções em embalagens flexíveis no PMA Fresh Connections 2019

19/08/2019

Além dos filmes de fácil abertura e selagem permanente, a Terphane apresentará linha de filmes de poliéster

O consumidor de FLV (frutas, legumes e verduras) busca, cada vez mais, produtos naturais, saudáveis, livres de conservantes e práticos de consumir. E boa parte destes atributos é garantida pela embalagem. Para discutir tendências de consumo e novidades no setor de FLV, acontece nesta quarta-feira, 21 de agosto, em São Paulo, o PMA Fresh Connections, organizado pela entidade norte-americana PMA (Produce Marketing Association). E a Terphane, líder em filmes PET (poliéster) na América Latina, participará do evento com um estande e como patrocinadora.

“A proposta é apresentar para este mercado todas as soluções inovadoras em embalagens flexíveis que a Terphane já tem na Europa e nos Estados Unidos”, explica André Gani, Diretor de Vendas & Marketing da empresa. Como destaque, a Terphane apresentará os filmes de poliéster termoseláveis com fácil abertura (easy open) ou com selagem permanente (lock seal) que evidencia se a bandeja foi aberta.

A Terphane também apresentará a recém lançada linha de filmes de poliéster Ecophane®, com duas versões: uma é o filme rPET, com pelo menos 30% de PET reciclado pós consumo, basicamente proveniente de garrafas PET. A outra é o filme bPET, com tecnologia de biodegradação para aterros sanitários. “A linha contribui para a produção de embalagens mais sustentáveis. Essa solução de embalagem também pode ser utilizada com atmosfera modificada (ATM) e as embalagens são 100% recicláveis”, explica Célia Freitas, Gerente de Desenvolvimento de Negócios da Terphane.

Segundo a Terphane, todos os seus filmes de poliéster para embalagens flexíveis da Terphane estão alinhados às grandes demandas do setor de FLV: soluções que maximizem a vida útil do produto, minimizem seu desperdício e aumentem a percepção de valor por parte do consumidor final. A empresa afirma que estas embalagens também garantem a integridade do produto durante as etapas de transporte e armazenagem, evitando desperdício. Além disse, garante o fabricante, ganha-se ainda na logística pela possibilidade de empilhamento das embalagens; mais embalagens ocupando menos espaço.

Do ponto de vista ambiental, os filmes de poliéster são recicláveis e, especificamente a nova linha Ecophane®, incorpora o conceito de Economia Circular, afirma a Terphane. Ou seja: embalagens descartadas pós consumo são recicladas e voltam a ser embalagem para novas aplicações.

Serviço PMA Fresh Connections Brasil – www.pmafreshconnections.com.br

Data 21 de agosto
Horário 09h00 às 19h00
Local Centro de Convenções Rebouças – São Paulo

Desde a sua fundação em 1976, a Terphane concentra-se no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). A empresa possui uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até a extrusão de filmes especiais. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar.</p

Curta nossa página no

Anúncios

Wacker apresentará novos grades de borrachas de silicone líquida e sólida durante a K 2019

06/08/2019

A Wacker, grupo químico com sede em Munique, anunciou numerosas inovações em silicone na conferência de imprensa Prévia da K 2019, em Düsseldorf, na Alemanha. A empresa apresentou novos produtos que serão divulgados durante a Feira K 2019, entre 16 a 23 de Outubro em Düsseldorf, incluindo elastômeros de silicone resistentes ao fogo, grades de borracha de silicone auto-adesivas com superfícies de baixíssimo atrito e laminados de silicone ultrafinos para aplicações eletroativas. Segundo a empresa, o foco também será nos grades de borracha de silicone líquida que, graças ao seu reduzido conteúdo de voláteis, não requerem necessariamente pós-cura e, portanto, introduzem várias vantagens. Um novo aditivo à base de silicone também será lançado, permitindo que os componedores de elastômeros termoplásticos produzam plásticos mais macios e repelentes à sujeira. Os visitantes da feira também poderão entrar em contato com a nova impressora 3D para silicone ACEO Imagine Series K2. A empresa afirma que ela apresentará impressão multimaterial, nova tecnologia de autocontrole e diversas melhorias técnicas em termos de liberdade de design e precisão.

Durante a K 2019, a Wacker mostrará suas inovações sob o lema “Pensando Além’ (“Thinking Beyond”) no seu local habitual – o estande A10 no Hall 6. Em uma área de 300 metros quadrados, uma variedade de novos produtos aguardarão visitantes, desde silicones termicamente condutivos para resfriamento de baterias em veículos elétricos, borrachas de silicone retardante de chamas para aplicações em material rolante até laminados de silicone eletroativos para atuadores e sensores.

“Os requisitos para produtos em plásticos e materiais de borracha aumentaram drasticamente nos últimos anos. Alguns materiais padrão não conseguem mais acompanhar esse desenvolvimento ”, disse Christian Gimber na coletiva de imprensa K 2019 Preview, em Düsseldorf. “É por isso que mais e mais empresas estão desenvolvimento aplicações com elastômeros de silicone. Graças às suas excelentes propriedades mecânicas e químicas, os silicones tornaram-se indispensáveis ​​para resolver problemas técnicos exigentes e desenvolver e implementar tecnologias inovadoras.”

O artigo completo em inglês pode ser lido no link a seguir:

http://www.brazilianplastics.com/edicao00/03_July2019.html

Curta nossa página no

Na K 2019, Milliken irá destacar soluções que aprimoram a sustentabilidade

06/08/2019

De olho no avanço da economia circular, os visitantes da feira em Düsseldorf, na Alemanha, querem saber como podem aumentar o uso de plástico reciclado, estimular a reutilização de produtos pós-consumo, reduzir as emissões de gases de efeito estufa e contribuir para uma melhor reciclagem. Eles também querem diminuir o uso de energia e limitar os resíduos gerados durante a produção.

“A redução de resíduos e a reciclagem de plásticos são megatendências necessárias que afetam atualmente o setor de produtos de consumo”, observa Herrin Hood, gerente global de linha de produtos do negócio de Aditivos para Plásticos da Milliken. “Como todos, nós trabalhamos para limitar o uso excessivo de plásticos, fomentar a reciclagem de polipropileno e avançar para uma economia circular. A Milliken vem apoiando totalmente esses esforços com inovações tecnológicas ​​que impactam a cor, a transparênica, o desempenho e a sustentabilidade”.

Existem muitas abordagens possíveis para lidar com esses problemas; os visitantes do estande da Milliken (Hall 6/A27) na feira K 2019, de 16 a 23 de outubro, poderão constatar as várias maneiras pelas quais a empresa está atuando nesse sentido através de seus aditivos e corantes.

A Milliken fez uma parceria com a PureCycle Technologies, sediada em Chicago (EUA), para promover a reciclagem em circuito fechado de resina de polipropileno (PP). Utilizando tecnologia desenvolvida e licenciada pela Procter & Gamble, a PureCycle planeja abrir em Ohio, em 2021, sua primeira fábrica, alicerçada em um método de reciclagem patenteado que, segundo a empresa, restaura a qualidade virgem de resíduos de resina PP. Isso permitirá que o material reciclado se torne verdadeiramente circular e seja reutilizado em sua aplicação original, em vez de empregado em produtos de menor valor.

Uma série de tecnologias da Milliken está ajudando os convertedores a fabricar de forma mais sustentável, reduzindo o consumo de energia, permitindo o uso de mais soluções monomaterial em embalagens, e promovendo a reciclabilidade de resinas como o polipropileno ou o uso de uma porcentagem maior de PP reciclado em produtos transformados.

“A Milliken tem prioridades claras para ajudar a criar uma economia circular para os plásticos”, acrescenta Hood. “Melhorar a reciclabilidade dos plásticos, substituindo plásticos descartáveis ​​por plásticos duráveis ​​e reutilizáveis, ​​e aumentar o uso de biopolímeros a partir do desenvolvimento de produtos que elevem o desempenho e as propriedades estéticas ajudarão a criar uma indústria de plásticos mais sustentável à medida que trabalhamos para criar um impacto positivo no mundo.”

Sustentabilidade aliada à transparência

Segundo a Milliken, o seu clarificante Millad NX 8000, presente em quase 80% do PP clarificado do mundo, não apenas transforma o polipropileno em uma alternativa leve e cristalina ao vidro. Ele também aumenta a sustentabilidade do material ao permitir que os convertedores o processem a uma temperatura mais baixa, o que resulta em tempos de ciclo mais rápidos e economia de energia na moldagem por injeção, afirma a empresa. A Milliken fornece grades para vários processos, incluindo moldagem por injeção, termoformagem e moldagem por sopro.

A presença do LED no mercado de iluminação industrial global, quase nula uma década atrás, deverá superar 50% este ano. Vários fatores de desempenho estão impulsionando essa mudança, que traz implicações para o impacto visual das embalagens plásticas nas gôndolas das lojas. A Milliken está trabalhando com um fornecedor líder global em iluminação para entender melhor as tendências que afetam a aparência das embalagens e como é possível lidar com tais efeitos através de soluções eficazes.

Além disso, os proprietários de marcas (brand owners) que utilizam a resina de PP NX UltraClear podem exibir uma etiqueta de Validação de Reivindicação Ambiental (ECV) da UL (Underwriters Laboratories) em suas embalagens moldadas por injeção, atestando sua adequação à economia circular para o objetivo de reduzir as emissões de gases de efeito estufa, afirma a Milliken. Esses benefícios estão impulsionando a forte demanda pelo aditivo e por isso a Milliken está construindo uma planta de clarificantes de classe mundial, a maior do gênero em sua história, em Blacksburg, Carolina do Sul (EUA). A instalação aumentará a capacidade de produção do Millad NX 8000 em aproximadamente 50% a partir de sua inauguração, em 2020.

De acordo com a Milliken, ao permitir que PP clarificado com o Millad NX 8000 substitua materiais alternativos, os proprietários de marcas e transformadores melhoram suas opções para produzir mais produtos monomateriais ​​(uma garrafa ou um recipiente de PP com rótulo e tampa do mesmo material, por exemplo). O polipropileno também é mais leve, mostrou ter uma melhor pontuação de reciclagem do que o PET e o poliestireno, e ainda oferece a possibilidade de fechar o circuito de NX UltraClear PP para NX UltraClear PP por meio do processo de reciclagem inovador da PureCycle.

Otimizando o desempenho dos plásticos

Uma das principais funções dos aditivos é melhorar o desempenho dos polímeros que eles modificam. Segundo a Milliken, seu agentes de nucleação Hyperform HPN para PP e polietileno melhoram o desempenho do polipropileno reciclado (rPP) e permitem a produção de peças mais robustas e mais leves, aumentando a rigidez dos produtos, em comparação com o PP nucleado convencionalmente. Também auxilia na produtividade do processamento e oferece propriedades equilibradas e ajustáveis, garante a empresa.

Na K 2019, a Milliken apresentará seu mais recente grade, o Hyperform HPN 715, que oferecerá novas oportunidades para o PP substituir as resinas de engenharia mais caras em aplicações exigentes, afirma a Millken. O Hyperform HPN 715 oferece um equilíbrio otimizado de vários fatores-chave, ao mesmo tempo em que proporciona temperaturas mais altas de deflexão térmica em comparação com outros nucleantes avançados, garante a fabricante do aditivo. Isto permite que o PP seja utilizado em recipientes para micro-ondas, componentes sob o capô de automóveis e em produtos de uso doméstico.

Os modificadores de desempenho DeltaMax para PP, por sua vez, aumentam a resistência ao impacto e as propriedades de fluxo de resinas de rPP, blendas e copolímeros de polipropileno de impacto (ICPs), informa a Milliken. Na K 2019, a Milliken planeja apresentar novos componentes de sua família DeltaMax.

A empresa afirma que o seu modificador de performance DeltaMax pode elevar o índice de fluidez do PP em até cinco vezes, mantendo as propriedades de impacto e rigidez. A Milliken diz que isso permite que os convertedores aumentem a eficiência operacional e criem designs de peças mais inovadores mediante o fluxo mais favorável através dos moldes. Segundo a fabricante do aditivo, a tecnologia DeltaMax também é eficaz na modificação de resinas recicladas pós-consumo e pós-industriais, elevando a resistência ao impacto e o índice de fluidez a níveis iguais ou melhores que os da resina virgem. Isso permite que os componedores e convertedores incorporem até 100% de PP reciclado sem sacrificar o desempenho ou o processamento, garante a empresa.

Durante a feira, o portfólio ClearShield UV Absorber também será apresentado. Segundo a Milliken, ele oferece proteção contra luz ultravioleta prejudicial a produtos acondicionados em PET, como alimentos, bebidas e outros artigos de consumo. Essa tecnologia amplia a vida útil do conteúdo embalado, protegendo a imagem da marca e permitindo formulações mais sustentáveis ​​com corantes, aromas e essências naturais, afirma a Milliken.

Desempenho em cores para Plásticos

Os corantes KeyPlast da Milliken para plásticos podem ser usados ​​por produtores de masterbatches líquidos e sólidos, produtores de resinas e componedores e são adequados para uso com uma ampla gama de sistemas de polímeros e resinas. Estes incluem PET em aplicações transparentes de contato com alimentos, bem como outros polímeros transparentes amorfos, como poliestireno (PS), policarbonato (PC), acrílico (PMMA) e polissulfona (PSU). Os corantes KeyPlast que melhoram a aparência visual de polímeros virgens proporcionam cores estáveis ​​e com fidelidade de reprodução. Os corantes ClearTint da Milliken também estarão em exposição na K 2019.

Curta nossa página no

Husky prepara lançamentos de sistemas de injeção, câmara quente e moldes durante a K 2019

06/08/2019

Com ênfase no desenvolvimento de processos de manufatura ponta-a-ponta digitalizados, soluções de moldagem flexíveis ​​e opções de embalagem mais sustentáveis, a Husky prepara-se para a feira K 2019 visando colocar à disposição dos clientes, durante maneiras de responder melhor a um ambiente de mercado e a demandas dos consumidores em constante mudança.

Durante a feira,  que acontecerá de 16 a 23 de Outubro, em Düssedorf (Alemanha), a fabricante de sistemas de injeção canadense focalizará uma gama de aplicações plásticas em diversos mercados, incluindo embalagens de alimentos e bebidas, embalagens plásticas em geral, assistência médica, automotiva e cuidados pessoais e de beleza.

Pela primeira vez, a Husky estará operando seu novo sistema HyPET HPP5e. Segundo a empresa, o sistema é projetado para oferecer melhor economia de energia, confiabilidade, qualidade da pré-forma e facilidade para o usuário. O sistema produzirá pré-formas feitas com 100% de PET reciclado.

• Demonstração do portfólio das tecnologias em moldes já existentes e de novas ferramentas que ajudam os clientes a melhorarem a sua produtividade, flexibilidade e valor agregado, incluindo o novo Molde NexPET , que, segundo a Husky, é uma ferramenta flexível de volume médio para lotes de produção menores e trocas frequentes de moldes.

• Introdução de uma plataforma de sistemas moldagem de pré-formas de PET versátil e com eficiência energética, projetada para manusear quaisquer necessidades de aplicação e produção.

• Uma prévia do sistema de fabricação ponta a ponta digitalizado “Next Generation Operating Model (NGOM)” da Husky. Segundo a empresa, o NGOM oferece recursos aprimorados para fornecer soluções com velocidade e flexibilidade ​​e permitir que os clientes respondam mais rapidamente às tendências de consumo em constante mudança.

• A Husky estará destacando suas várias soluções que suportam a economia circular e as metas de sustentabilidade dos clientes. A Husky afirma estar comprometida com o desenvolvimento de soluções de embalagem sustentáveis ​​e, com sua posição de líder no setor e seu histórico de inovação, se posiciona para ter um impacto positivo no alinhamento das metas de sustentabilidade com os vários atributos positivos das embalagens plásticas.

• Husky estará também realçando os seus mais recentes desenvolvimentos em sistemas de câmaras quentes e controladores, incluindo os pontos de injeção valvulados Ultra Helix ™ 250 T2. Segundo a fabricante canadense, o sistema valvulado é projetado para melhorar a qualidade das peças e manter a qualidade do ponto de injeção ao longo de milhões de ciclos, em aplicações com peças pequenas e com difícil acesso ao ponto de injeção. Também será exibida a mais recente família de Controladores de Molde Altanium®, fornecendo, segundo a empresa, temperaturas precisas e servo-controle e controle de válvula integrados.

• A empresa estará também apresentando o seu novo portal on-line de pedidos de peças de reposição Husky, que estará disponível para uma demonstração no estande.

Curta nossa página no

Solvay destaca a mobilidade sustentável e a eficiência de recursos na K 2019, em Outubro, na Alemanha

24/07/2019

A Solvay lançará na feira K 2019 novos desenvolvimentos em compósitos termoplásticos, materiais leves que fazem parte dos objetivos de mobilidade sustentável do Grupo e permitem a criação de soluções eficientes em termos de recursos para clientes dos setores aeroespacial/aeronáutico, automotivo e de petróleo e gás.

Recentemente, a Solvay criou uma plataforma totalmente dedicada a produtos termoplásticos, ampliando sua atuação no setor de materiais avançados com a integração vertical de seus compósitos e seu portfólio de polímeros especiais. Esses materiais, além da redução de peso, oferecem resistência ao calor e ao impacto, resistência mecânica e tenacidade, inércia química e permitem flexibilidade nos projetos dos clientes, afirma a empresa.

Além dos desenvolvimentos de compósitos termoplásticos, a Solvay lançará um novo polímero especial da sua linha de polieteretercetona (PEEK) de alta temperatura, um dos primeiros da indústria do setor.

Também apresentará aplicações exclusivas de seus materiais de alto desempenho, como uma bicicleta elétrica reciclável (foto) fabricada integralmente em plásticos e polímeros, a partir de material termoplástico de fibra longa (LFT) da empresa. Essa e-bike foi desenvolvida pela empresa Stajvelo, de Mônaco, e, segundo a Solvay, tem sido um sucesso de vendas no verão europeu de 2019.

Durante a K, serão realizadas apresentações sobre mobilidade sustentável e eficiência de recursos e de energia, abordando uma variedade de tópicos, entre os quais baterias, manufatura aditiva para impressão 3D, hiperconectividade, transporte, filtragem de água, construção e bens de consumo. Essas apresentações ocorrerão no estande da Solvay C61, no Hall 6, nos dias 16 a 18 de outubro e em 21 e 22 de outubro. A feira K 2019 será realizada em Düsseldorf, Alemanha, de 16 a 23 de outubro.

Rhodia – 100 anos de presença no Brasil: – A Rhodia, empresa do Grupo Solvay, está completando 100 anos de atividades no Brasil em 2019. A empresa iniciou sua trajetória em Santo André – SP, com a instalação de uma unidade industrial de produtos químicos, que representou um dos primeiros passos da industrialização da região do ABC paulista. Desde setembro de 2011, a Rhodia faz parte do Grupo Solvay, um dos mais relevantes players internacionais em materiais avançados e especialidades químicas.

A Solvay é uma empresa de materiais avançados e de especialidades químicas,com produtos e soluções utilizados em aviões, automóveis, dispositivos inteligentes e instrumentos médicos, baterias, na extração de minerais e petróleo, entre outras aplicações. A Solvay tem sede em Bruxelas e emprega 24.500 pessoas de 106 nacionalidades em 62 países. As vendas líquidas pro forma foram de € 10,3 bilhões em 2018, resultando em uma margem de EBITDA de 22%. No Brasil, a Solvay também atua com a marca Rhodia.

Curta nossa página no

Prévia da K 2019 apresenta inovações e produtos a serem lançados durante a feira em outubro, em Düsseldorf

19/07/2019

Inovações nas áreas de matérias-primas, máquinas, processos, aditivos e aplicações, bem como novos desenvolvimentos relacionados à economia circular, reciclagem química, digitalização, impressão 3D e controle de processos foram exibidos na avant-premiére da feira K 2019, organizado pela Messe Düsseldorf entre os dias 30 de junho a 03 de julho, no pavilhão de feiras de Düsseldorf, na Alemanha. Aproximadamente 80 jornalistas de 32 países participaram do evento, no qual 12 expositores apresentaram algumas das inovações que irão exibir durante a K 2019, entre 16 a 23 de outubro, em Düsseldorf.

Um debate com representantes das organizações de apoio à K 2019 e a Messe Düsseldorf abriu o evento, com a participação do Sr. Erhard Wienkamp (Diretor Executivo da Divisão de Feiras no Exterior da Messe Düsseldorf), Dr. Rüdiger Baunemann (Diretor Regional da PlasticsEurope para a Europa Central) , o Sr. Ulrich Reifenhäuser ( Chairman da Associação dos Fabricantes de Máquinas para Plásticos e Borracha da Alemanha, dentro da VDMA), o Sr. Boris Engelhardt (Secretário Geral da Associação da Indústria de Borracha Alemã – WDK) e o Dr. Oliver Möllenstädt (Diretor Geral da Associação de Processadores de Plásticos da Alemanha – GKV).

Durante o painel , a tônica dos debates se centrou nos temas da sustentabilidade e economia circular dos plásticos, desenvolvimentos em reciclagem química e nas iniciativas da indústria de plástico para eliminar os resíduos plásticos no meio ambiente, tais como a Alliance to End Plastics Waste (AEPW). Além disso, foi abordado o tema da retração econômica em andamento na Europa na indústria de plásticos, atribuída a problemas com o setor automotivo e ao impacto da imagem negativa das embalagens plásticas na sociedade. Os tópicos da digitalização e Indústria 4.0 também foram focalizados.

Em sessões posteriores, BASF, Covestro, Battenfeld-Cincinnati, Sikora, Reifenhäuser, Huntsmann, Lanxess, Sumitomo Demag, Wacker, Asahi Kasei, Krauss Maffei e Chen Hsong apresentaram seus novos produtos e tecnologias para os meios de comunicação internacionais em apresentações seguidas de questões levantadas pelos jornalistas.

A apresentação da Reifenhäuser, que teve um formato de painel de perguntas e respostas, delineou a ênfase que a empresa está dando aos aspectos da digitalização e sustentabilidade, focalizando-se nos princípios de redução , reutilização, reciclagem e substituição de plásticos. Outros tópicos abordados durante as diferentes palestras foram as linhas extrusão de filmes planos e chapas, linhas de não-tecidos, embalagens stretch mono-material recicláveis e linhas de PLA para filmes planos com espessura reduzida, entre outros desenvolvimentos.

A Battenfeld-Cincinnati anunciou seus mais recentes desenvolvimentos para o alcance da sustentabilidade através de componentes de extrusão otimizados, além de apresentar uma linha de extrusão que cobre uma ampla gama de exigências para processamento de PET. A empresa também apresentou um pacote de instrumentação para operação integrada de todos os sistemas de extrusão, uma máquina de corte de tubos sem hidráulica e uma nova extrusora de rosca única para pequenos tubos e perfis com nova unidade de controle.

A Sikora destacou suas tecnologias inovadoras para medição, controle, inspeção, análise e triagem. Durante a feira, acontecerá o debut de um sistema de medidas dimensionais para tubos e mangueiras com até 1,6 metros de diâmetro, assim como de um novo sistema de medidas de espessura para uso em extrusão de chapas de POM, PEEK, PMMA, PVC-FOAM e vidro. O seu sistema de testes óticos de laboratório com detecção de cor também será um premiére durante a K 2019, assim como um outro sistema de testes de laboratório com tecnologia de raios-X para detecção de contaminação metálica.

A Sumitomo (SHI) Demag irá demonstrar durante a Feira K2019 cinco máquinas com características de eficiência energética para os segmentos automotivo, de embalagem e aplicações médicas, além de apresentar os serviços técnicos inteligentes da empresa, aplicações em moldagens com borracha de silicone líquida (LSR) e um kit para conversão de injetoras para operações multi-componente, entre outras novidades da empresa.

Novos produtos a serem exibidos pela Wacker durante a K 2019 incluem elastômeros de silicone resistentes ao fogo, grades de borracha de silicone auto-adesivos exibindo superfícies com fricção muito baixa, além de laminados de silicone ultra-finos para aplicações com atividade elétrica. O foco também será em grades de borrachas de silicone líquidas que, graças ao seu reduzido conteúdo de voláteis, não necessariamente exigem pós-cura. Um novo aditivo baseado em silicone também fará seu debut, permitindo que os componedores de elastômeros termoplásticos produzam plásticos mais macios e mais repelentes à sujidade. Os visitantes da feira também poderão verificar in-loco as novidades na impressora de silicone em 3D desenvolvida pela empresa.

A Covestro divulgou suas várias inovações e projetos que visam ampliar as fronteiras de um mundo sustentável e digital. A empresa apóia o desenvolvimento de uma economia circular funcional e uma melhor gestão de recursos fósseis limitados, principalmente o petróleo bruto, como pontos centrais para o aumento da sustentabilidade. Outra força motriz é o avanço da digitalização. Vários tópicos e exposições na K 2019 destacam a importância da digitalização para a empresa, que espera estabelecer referências nesse campo na indústria de plásticos e de produtos químicos. Outro destaque da exposição na K 2019 é um conceito de interior automotivo abrangente para a mobilidade futura. Em linha com as últimas tendências, a mostra pretende transformar interiores de automóveis em espaços multifuncionais e móveis para a vida e o trabalho. Produtos têxteis derivados de gás carbônico e aplicações em energias renováveis foram outros destaques da apresentação da empresa.

A apresentação da Lanxess antecipou os principais tópicos a serem focalizados pela empresa durante a K 2019, tais como a nova mobilidade, a urbanização e digitalização. Como exemplos, merecerão especial atenção as novas poliamidas e poliésteres da empresa voltados para a mobilidade sustentável, o investimento da empresa em sistemas de moldagem por sopro, novos compostos de poliamida 6 para aplicações elétricas em disjuntores, pre-polímeros de PU com teores mínimos de isocianato livre, novos retardantes de chama para materiais isolantes, antioxidantes e antiozonantes para látex, borracha natural e sintética, além de outros aditivos e masterbatches. O uso da inteligência artificial no desenvolvimento de produtos e a ênfase na economia circular também serão abordadas durante a K 2019 pela Lanxess.

As novidades apresentadas pela BASF incluíram apresentações de clientes que exibiram protótipos fabricados com material quimicamente reciclados pela BASF, tais como embalagens de isolamento térmico para produtos farmacêuticos sensíveis à temperatura, bem como caixas para transporte de peixe fresco e embalagens protetoras para dispositivos eletrônicos em EPS (Storopack), filme de poliamida e um filme de polietileno que foram convertidos em embalagens com vedação especial para uso com queijo muzzarela (Südpack), um disjuntor elétrico a partir de poliamida (Schneider Electric) e o suporte do radiador feito de plástico, usando poliamida 6 reciclada com 30% de fibra de vidro (Jaguar Land Rover). Outras apresentações mostraram desenvolvimentos com polímeros compostáveis Ecovio, novos materiais para isolamento baseados em aerossóis que viabilizam redução de espessuras nas construção civil e indústria automotiva, novos estabilizantes térmicos e à luz para plásticos em aplicações na agricultura, novidades com Poliftalamidas para componentes nas indústrias automotiva e eletrônica, desenvolvimentos com PBT para extrusão e termoformagem, novos pigmentos que atendem às regulações atuais da indústria e também soluções para a mobilidade do futuro.

A Krauss Maffei divulgou o reposicionamento da sua marca, unificando sob uma único nome todos os seus produtos e serviços para Moldagem por Injeção, Extrusão e tecnologias de processo por reação e consolidando todas as divisões de negócio e marcas prévias (Krauss Maffei, Krauss Maffei Berstorff e Netstal) sob uma única marca unificada: Krauss Maffei. Durante a K2019, a Krauss Maffei apresentará sua nova plataforma digital B2B para negócios na área de reciclagem. Análise de dados também serão oferecidos pela unidade de negócios de soluções e serviços digitais. A empresa também demonstrará os seus desenvolvimentos com foco estratégico na Economia Circular. Sistemas para processamento a alta pressão de grafite expandida visando o aumento da eficiência de processo e material e produção limpa de Poliuretanos também serão demonstrados.

A Huntsman delineou os detalhes de uma nova gama de materiais para manufatura aditiva desenvolvida pela empresa, que visam atender a necessidades emergentes na indústria da impressão 3D. A plataforma de manufatura aditiva Iroprint da Huntsman contém três diferentes tipos de materiais à base de poliuretano (resinas, pós e filamentos), que podem ser impressos em 3D por meio da utilização de uma variedade de métodos de manufatura aditiva, incluindo estereolitografia (SLA), sinterização de alta velocidade (HSS) e fabricação por filamentos fundidos (FFF). Inicialmente, a Huntsman vai lançar a sua linha de materiais de manufatura aditiva macias e flexíveis na indústria global de calçados e esportes, onde a impressão 3D já está sendo utilizada para criar tanto sapatos personalizados como aqueles fabricados em massa.

A Asahi Kasei dedicou atenção especial aos seus materiais especiais para aplicações no carro conceito criado pela empresa, como visão do futuro da mobilidade, com ênfase em veículos autônomos, elétricos e conectados. Foi apresentada uma ampla gama de aplicações em interiores automotivos, como, por exemplo,  sensores e materiais da empresa para uso na purificação do ar do interior do veículo, dispositivos eletrônicos e espumas que tornam possível um espaço silencioso para os passageiros através do cancelamento de ruídos e fibras ecológicas premium que assegurem conforto e elegância. A empresa também destacou as aplicações de plásticos e espumas para reduzir o peso dos automóveis e, consequentemente, diminuir as emissões de gás carbônico.

A fabricante de máquinas injetoras baseado em Hong Kong Chen Hsong anunciou durante a Prévia da K 2019 o estabelecimento de uma nova subsidiária na Alemanha, para melhor atuar no mercado alemão através de soluções standard e especializadas. A Chen Hsong Germany GmbH é uma subsidiária integral da Chen Hsong Europe, sediada na Holanda. A Chen Hsong é uma das maiores fabricantes mundiais de máquinas injetoras, com forças de fechamento entre 20 a 6.500 toneladas.

Na K 2019, mais de 3.000 expositores de todos os continentes estarão apresentando seus mais recentes desenvolvimentos nas áreas de máquinas e equipamentos para a indústria de plásticos e borracha, matérias-primas e auxiliares, produtos semi-acabados, peças técnicas e produtos plásticos reforçados. A feira, que estará aberta das 10:00 até 18:00 de quarta-feira, 16 de outubro de até quarta-feira, 23 de outubro, espera atrair cerca de 200.000 visitantes profissionais de todo o mundo.

Curta nossa página no

Evonik apresenta aditivo de processo para a reciclagem de resíduos de borracha na K 2019

18/07/2019

O produto permite o processamento de resíduos de borracha em um material resistente usado em uma variedade de aplicações, como construção de estradas, setor esportivo ou playgrounds

Na feira K deste ano, em Düsseldorf, Alemanha, que acontece de 16 a 23 de outubro, a Evonik apresentará um aditivo de processo para a reciclagem de resíduos de borracha. Com o Vestenamer, a Evonik contribui para o fechamento do ciclo de materiais de borracha de uma maneira mais sustentável.

A cada ano, cerca de 19,3 milhões de toneladas de pneus são descartados no mundo inteiro – incluindo 3,6 milhões de toneladas só na Europa. Na Alemanha, por exemplo, há vinte anos, mais da metade dos pneus descartados era utilizada na recuperação energética, enquanto somente um em dez era destinado à reciclagem. Hoje, a reciclagem dos materiais está equiparada com a recuperação energética. Com o Vestenamer, a Evonik contribui para o fechamento do ciclo de materiais para a borracha de uma maneira mais sustentável.

Na reciclagem dos resíduos de borracha, a adição do Vestenamer é uma aplicação que, segundo a Evonik, já comprovou o seu valor na produção de artigos de borracha como pisos, colchões e bases para sistemas de sinalização de obras e barreiras nas estradas a partir de resíduos aproveitáveis.

“Como um aditivo de processo, o Vestenamer melhora a fluidez do composto de borracha, resultando em um material que pode ser processado com muito mais eficiência. A reatividade e a estrutura polimérica do Vestenamer também são fatores importantes: ambos dão origem uma boa densidade de ligações entre as partículas de borracha, o que, por sua vez, impacta positivamente as propriedades mecânicas do produto”, diz Dr. Peter Hannen, gerente de desenvolvimento de mercado do Vestenamer. “Em outras palavras, o aditivo de processo da Evonik melhora tanto a eficácia dos custos de processamento quanto a qualidade das peças de borracha quando se trata de borracha reciclada”.

Além do aspecto econômico de proporcionar uma matéria-prima eficiente em custos, a reciclagem do material dos pneus descartados também está ganhando mais destaque do ponto de vista ecológico. Por exemplo, o uso de pneus descartados em produtos novos contribui de modo significativo para a redução da emissão de carbono em até um terço em comparação com produtos que não usam um material reciclado. E a economia circular da borracha também atenua o problema global dos pneus descartados.

O Vestenamer da Evonik é usado como aditivo de processo na indústria da borracha já faz muitos anos. Fabricado no parque químico de Marl (Alemanha), o polioctenâmero resolve uma variedade de desafios no setor de compostos e processamento de borracha. O produto também é usado como auxiliar na reciclagem de resíduos de borracha.

Fonte: Evonik

Curta nossa página no

Prévia da K 2019 – Covestro destaca sua visão de um mundo sustentável e digital

17/07/2019

  • Busca por ciclo de material em toda a cadeia de valor
  • Pioneira no caminho para um futuro sem matérias-primas fósseis
  • Programa abrangente para digitalização
  • Soluções inovadoras para indústrias-chave

Durante a conferência de imprensa Prévia da K2019, realizada no Centro de Convenções da Messe Duesseldorf em 2 de julho passado, a fabricante de materiais Covestro apresentou em primeira mão as novidades a serem exibidas na Feira K 2019 em Outubro. Apresentado pelo CEO da Covestro, Dr. Markus Steilemann, e por Jochen Hardt, vice-presidente e especialista em marketing da Covestro, a empresa divulgou suas várias inovações e projetos que visam ampliar as fronteiras de um mundo sustentável e digital.

Na feira de plásticos K 2019, em Düsseldorf, a Covestro apresentará soluções inovadoras em materiais que, segundo a empresa, fornecem respostas aos desafios atuais do mundo. Os visitantes da principal feira do mundo para a indústria de plásticos e borracha encontrarão exemplos disso apresentados pela Covestro no estande A75, no Hall 6. De 16 a 23 de outubro de 2019, produtos e tecnologias para as indústrias automotiva, de construção e eletrônica estarão em exibição , além de aplicações inovadoras e funcionais nos setores da saúde, móveis, esportes e lazer.

“Além do avanço da digitalização, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas serão uma força motriz na sociedade e na economia para os próximos anos”, disse o CEO Markus Steilemann aos jornalistas. “O atingimento desses objetivos não é apenas imperativo para um mundo melhor, mais limpo e mais saudável, mas também possui um grande potencial econômico a longo prazo”, explicou o CEO. “A Covestro está determinada a implementar as metas de sustentabilidade da ONU em muitos níveis.”

Steilemann apontou o desenvolvimento de uma economia circular funcional e uma melhor gestão de recursos fósseis limitados, principalmente o petróleo bruto, como pontos centrais para o aumento da sustentabilidade. “Essas são metas que impactarão a sociedade como um todo e a Covestro quer contribuir para isso. Dentro de nossa empresa, queremos estabelecer ciclos de materiais ao longo de toda a cadeia de valor, desde os fornecedores, passando pela produção e logística, até o uso de nossos produtos e sua reutilização ”, explica Steilemann.

Ao reciclar plásticos usados, será importante poder esgotar todas as possibilidades técnicas. “O método relativamente novo de reciclagem química também é uma opção, que requer suporte adicional”, disse o CEO.

Um aspecto fundamental para o desenvolvimento de uma economia circular na indústria de plásticos e indústria química é fechar o ciclo de carbono com recursos reciclados. Aqui, vale a pena considerar o uso de resíduos de plantas e, cada vez mais, a utilização de gás carbônico como alternativas para os recursos fósseis. A Covestro já alcançou vários resultados nessas áreas. “Queremos nos tornar pioneiros no caminho para um futuro sem recursos baseados em materiais fósseis e enfatizar nossa reivindicação de liderança no setor”, enfatizou Steilemann.

Digitalização cria valor agregado

Outra força motriz é o avanço da digitalização. A Covestro quer aproveitar as oportunidades nessa área e iniciou um programa abrangente, com foco no cliente. Para isso, a empresa está incorporando tecnologias e processos digitais na produção, na cadeia de suprimentos, na pesquisa e desenvolvimento, em todos os pontos de contato com os clientes e no desenvolvimento de novos modelos de negócios. Vários tópicos e exposições na K 2019 destacam a importância da digitalização para a empresa, que espera estabelecer referências nesse campo na indústria de plásticos e de produtos químicos.

Os exemplos abaixo dão uma ideia dos desenvolvimentos que a Covestro apresentará na K 2019.

Sociedade completamente conectada

Um requisito importante para a mobilidade do futuro e a digitalização de todas as áreas da vida e dos negócios é a nova tecnologia de transmissão 5G. Para construir a infra-estrutura para isso, a Covestro está trabalhando em conjunto com a Deutsche Telekom e o Umeå Institute of Design para desenvolver soluções inovadoras em materiais para estações base, antenas e outros componentes do sistema. A Covestro também está trabalhando em uma solução em filme de múltiplas camadas em conjunto com um novo processo de fabricação para as partes de trás da estrutura de smartphones. Ao contrário dos elementos convencionais de metal, estes filmes de policarbonato são permeáveis ​​à radiação de alta frequência.

Interiores de automóveis do futuro

O destaque da exposição na K 2019 é um conceito de interior automotivo abrangente para a mobilidade futura. Em linha com a última tendência, a mostra pretende transformar interiores de automóveis em espaços multifuncionais e móveis para a vida e o trabalho. “Desenvolvemos o conceito em conjunto com parceiros-chave industriais e acadêmicos”, explicou Jochen Hardt, especialista em marketing da Covestro e líder do projeto. “Isso envolve funcionalidade, conforto e design em igual medida, além de eficiência.” O carro do futuro é totalmente conectado em rede e é perfeitamente integrado à vida cotidiana. Os principais recursos de design são superfícies com aparência e toque decorativos, iluminação ambiente integrada, os últimos sistemas de entretenimento digitais e conceitos em assentos de última geração.

Produtos têxteis derivados de gás carbônico

Juntamente com parceiros como a RWTH Aachen University e vários fabricantes de têxteis, a Covestro conseguiu produzir fibras têxteis elásticas a partir de poliuretano termoplástico derivado parcialmente de CO2 e, como resultado, substituiu em parte o petróleo bruto como matéria-prima. O ponto de partida é um produto intermediário chamado cardyon®, que já é usado para para produzir a espuma macia encontrada em colchões e nas camadas de base dos campos esportivos. Os parceiros estão atualmente trabalhando no desenvolvimento da produção de têxteis em escala industrial e querem introduzir um ciclo de material que seja baseado em recursos sustentáveis ​​para a indústria têxtil e de vestuário.

Energias renováveis ​​em ascensão

Além de promover uma economia circular eficiente, a Covestro também está comprometida em expandir ainda mais o uso dos plásticos em energias renováveis, como a energia eólica. A cooperação com parceiros levou ao desenvolvimento de uma resina de poliuretano, bem como de uma tecnologia de processo, que torna possível a fabricação de pás de rotores de turbinas eólicas de forma eficiente e econômica, afirma a empresa. A Covestro recentemente processou seu primeiro pedido comercial nessa área proveniente da China.

Com 2018 vendas de 14,6 bilhões de euros, a Covestro está entre as maiores empresas de polímeros do mundo. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de materiais poliméricos de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados ​​em muitas áreas da vida diária. Os principais segmentos atendidos são os setores automotivo, de construção civil, processamento de madeira e móveis, e elétricos e eletrônicos. Outros setores incluem esporte e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro possui 30 unidades de produção em todo o mundo e emprega aproximadamente 16.800 pessoas (calculadas como equivalentes em tempo integral) no final de 2018.

Curta nossa página no

Durante Prévia da K 2019, clientes da BASF exibem protótipos fabricados com material plástico quimicamente reciclado

16/07/2019

  • Os parceiros da BASF no Projeto ChemCycling: Jaguar Land Rover, Storopack, Südpack e Schneider Electric.
  • Fase piloto promissora, mas continuam os desafios tecnológicos e econômicos, assim como a necessidade de avanços regulatórios.

Um número cada vez maior de empresas da indústria de plásticos está trabalhando para promover a reciclabilidade dos plásticos e, assim, ajudar, na criação de uma economia circular. Uma das maneiras pelas quais a BASF atua nessa área é através do projeto ChemCycling: no final de 2018, a empresa utilizou pela primeira vez volumes piloto de óleo de pirólise derivado de resíduos plásticos como matéria-prima em sua própria produção.

Na Prévia da Feira K 2019, uma conferência de imprensa que ocorreu no Centro de Conveções da Messe Düsseldorf entre 1 a 3 de Julho, quatro parceiros apresentaram os primeiros protótipos que foram criados durante a fase piloto do projeto.

A Jaguar Land Rover (JLR), fabricante líder na indústria automotiva, desenvolveu um protótipo do suporte do radiador feito de plástico, usando poliamida 6 reciclada com 30% de fibra de vidro (Ultramid B3WG6 Ccycled Black 00564) para o seu primeiro SUV elétrico: o I-Pace. “Como parte do nosso compromisso de acelerar a fabricação em circuito fechado (Closed-loop manufacturing) em todas as nossas operações, estamos sempre em busca de avanços tecnológicos que ajudem a reduzir o desperdício”, disse Craig Woodburn, gerente global de Compliance Ambiental da JLR. “A capacidade de converter resíduos plásticos de consumo em peças seguras e de qualidade usadas em produtos premium, por meio do processo ChemCycling, é um passo importante no avanço da nossa aspiração de alcançar um futuro com resíduo-zero”.

A Storopack, fornecedora global de embalagens de proteção e peças técnicas moldadas, usou EPS quimicamente reciclado (Styropor P Ccycled) para fabricar embalagens de isolamento térmico para produtos farmacêuticos sensíveis à temperatura, bem como caixas para transporte de peixe fresco e embalagens protetoras para dispositivos eletrônicos. “Ficamos particularmente impressionados com o fato de que o Styropor® P Ccycled pode ser usado em embalagens de alimentos. Já existem várias opções de reciclagem para o Styropor e o projeto ChemCycling ajuda a aumentar ainda mais a o percentual reciclável”, comentou Hermann Reichenecker (foto), presidente do Conselho de Administração da Storopack.

A Südpack, uma das principais produtoras de embalagens em filmes na Europa, fabricou um filme de poliamida e um filme de polietileno que foram convertidos em embalagens com vedação especial para uso com queijo muzzarela. Até o momento, considerava-se que as embalagens multicamadas eram recicláveis até um certo limite. “Embalagens em filme desempenham funções importantes tais como: a proteção do produto, higiene e tempo de vida de prateleira, ao mesmo tempo em que precisa utilizar uma quantidade mínima de plásticos. Esta é a razão pela qual as embalagens em filme são compostas por vários materiais e camadas com diversas propriedades e barreiras. Por meio de inovações como o ChemCycling, chegamos mais próximos de resolver os problemas associados à reciclagem de embalagens flexíveis”, disse Johannes Remmele, sócio-gerente da Südpack.

A Schneider Electric, líder na transformação digital de gestão de energia e automação, fabricou um disjuntor a partir de poliamida (Ultramid) quimicamente reciclada. “Nós ativamente avaliamos a capacidade de matérias-primas secundárias, tais como plásticos reciclados, de atender aos nossos exigentes padrões de qualidade, normas e regulamentações rigorosas da indústria. Nós confiamos na expertise da BASF para demonstrar os benefícios de sustentabilidade de ponta-a-ponta e ao mesmo tempo oferecer um custo atraente. Esperamos que esta experimentação com a BASF abra espaço para mais inovações circulares em Gerenciamento e Distribuição de Energia”, disse Xavier Houot, vice-presidente sênior de meio ambiente, segurança e real state da Schneider Electric Group.

“Os projetos piloto com clientes de várias indústrias mostram que os produtos fabricados com matérias-primas quimicamente recicladas oferecem a mesma alta qualidade e desempenho que os produtos fabricados com materiais primários. O projeto ChemCycling, que usa uma abordagem de balanço de massa para atribuir matematicamente uma parcela do material reciclado ao produto final, pode ajudar nossos clientes a atingir suas metas de sustentabilidade”, disse Jürgen Becky, vice-presidente sênior de Materiais de Performance. Os produtos certificados são indicados com a terminação “Ccycled” em seu nome. Os protótipos apresentados na Prévia da K 2019, em Düsseldorf, fazem parte da fase piloto em andamento do projeto ChemCycling.

Potencial para aumento do percentual de material reciclável

“Com o projeto ChemCycling, a BASF tem como objetivo processar o óleo de pirólise derivado de resíduos plásticos que atualmente não são recicláveis, tais como plásticos misturados ou contaminados. Se tivermos êxito em desenvolver o projeto até o ponto de disponibilidade no mercado, o ChemCycling será um complemento inovador aos processos existentes de reciclagem e recuperação, com o intuito de resolver o problema dos resíduos plásticos”, comentou Stefan Gräter, responsável pelo projeto ChemCycling na BASF.

O expressivo potencial da reciclagem química foi confirmado pela consultoria McKinsey em um estudo de dezembro de 2018: se os processos de reciclagem existentes forem combinados aos novos, como a reciclagem química, os especialistas acreditam que alcançaremos até 2030 uma taxa de 50% de reutilização e reciclagem de plásticos mundialmente (hoje, 16%). A parcela da reciclagem química poderia então subir do seu valor atual de 1% para aproximadamente 17%, o que equivale à reciclagem de cerca de 74 milhões de toneladas de resíduos plásticos.

Desafios tecnológicos, econômicos e regulatórios

Para passar da fase piloto à implantação no mercado, várias questões precisarão ser resolvidas. As tecnologias existentes para a transformação de resíduos plásticos em matérias-primas recicladas devem ser avançadas e adaptadas para o uso em escala industrial, a fim de garantir a alta qualidade do óleo de pirólise. A BASF está atualmente investigando várias opções para alimentar, a longo prazo, o seu complexo produtivo integrado com volumes comerciais de óleo de pirólise. Além das questões técnicas, os aspectos econômicos também desempenham um papel. Para a reciclagem química ter aceitação no mercado, os órgãos regulatórios também devem reconhecer oficialmente que o processo é uma modalidade de reciclagem. Dentro desse escopo, eles precisam definir como as abordagens de reciclagem química e balanço de massa podem ser incluídas no cálculo das taxas de reciclagem exigidas por lei.

Uso responsável de recursos

“Nosso projeto ChemCycling é um bom exemplo de como a BASF está trabalhando com nossos parceiros no desenvolvimento de soluções para os principais desafios do século 21”, disse Dr. Andreas Kicherer, especialista em sustentabilidade da BASF. Além do projeto ChemCycling, a BASF está envolvida em muitos outros projetos e iniciativas que fortalecem a ideia da economia circular e previnem o descarte dos plásticos no meio ambiente. Por exemplo, o portfólio de produtos da BASF inclui o ecovio®, um plástico compostável certificado, parcialmente fabricado com matérias-primas renováveis. A empresa é membro do World Plastics Council e participa de dois programas da Ellen MacArthur Foundation. Em todas as suas fábricas no mundo, a BASF implementa a “Operação Clean Sweep”, uma iniciativa internacional da indústria de plásticos destinada a evitar a perda de pellets de plástico no meio ambiente. Além disso, no início de 2019 a BASF uniu esforços com aproximadamente 30 outras empresas para fundar a Alliance to End Plastic Waste (AEPW). Nos próximos cinco anos, esta iniciativa pretende investir até $1,5 bilhão em vários projetos e parcerias, principalmente na Ásia e na África. Há quatro áreas-foco principais: desenvolvimento de infraestrutura para coleta de resíduos, promoção de métodos inovadores de reciclagem, educação e engajamento de vários grupos, além da limpeza de áreas com concentração de resíduos plásticos no meio ambiente.

Curta nossa página no

Huntsman apresenta nova gama de materiais baseados em Poliuretanos para Impressão 3D durante a Prévia da K 2019

11/07/2019

A empresa química Huntsman delineou no dia 3 de julho, durante apresentação na Prévia da Feira K2019, em Düsseldorf, na Alemanha, os detalhes de uma nova gama de materiais para manufatura aditiva desenvolvida pela empresa, que visam atender a necessidades emergentes na indústria da impressão 3D. A plataforma de manufatura aditiva Iroprint da Huntsman contém três diferentes tipos de materiais à base de poliuretano (resinas, pós e filamentos), que podem ser impressos em 3D por meio da utilização de uma variedade de métodos de manufatura aditiva, incluindo estereolitografia (SLA), sinterização de alta velocidade (HSS) e fabricação por filamentos fundidos (FFF).

Inicialmente, a Huntsman vai lançar a sua linha Iroprint de materiais de manufatura aditiva macias e flexíveis na indústria global de calçados e esportes, onde a impressão 3D já está sendo utilizada para criar tanto sapatos personalizados como aqueles fabricados em massa. A longo prazo, a Huntsman planeja ampliar a sua plataforma de manufatura aditiva Iroprint para uma gama mais vasta de aplicações e indústrias.

Atualmente, a plataforma de manufatura aditiva Iroprint inclui três linhas de produtos que foram otimizadas para trabalhar com as principais técnicas de impressão 3D preferidas pelos fabricantes de calçados.

  • Resinas: as resinas Iroprint R são uma gama de sistemas de resinas líquidas de um só componente, macias e duráveis, que podem ser impressas em 3D através de estereolitografia (SLA), processamento de luz digital (DLP) e outros métodos de cura por radiação.
  • Pós: para as empresas que pretendem imprimir em 3D com materiais em pó, os pós Iroprint P são uma linha de poliuretanos termoplásticos (TPU) de alto desempenho para modalidades de impressão através de sinterização de alta velocidade (HSS).
  • Os filamentos F Iroprint são uma coleção de materiais TPU de alto desempenho que possuem um diâmetro consistente e foram concebidos para uso através da técnica de fabricação por filamentos fundidos (FFF) e outras tecnologias de impressão à base de extrusão.

Todas as três linhas de produtos de manufatura aditiva Iroprint foram otimizadas para a produção de componentes de calçados e são fáceis de usar e imprimir, oferecendo resistência avançada à abrasão, ao alongamento e ao rasgo, afirma a Huntsman. Para as modalidades de impressão 3D com cura por radiação, tais como Estereolitografia (SLA) ou Processamento de Luz Digital (DLP), as resinas R Iroprint também oferecem capacidades de longa durabilidade e cura rápida, garante a empresa.

Durante a sua apresentação na Prévia da K2019 em Dusseldorf, na qual a Huntsman lançou a sua plataforma de manufatura aditiva Iroprint, Stephane Peysson (foto), Diretor de Desenvolvimento de Negócio Global da Huntsman Polyurethanes, adiantou: “A nossa equipe de incubação de inovação trabalhou numa colaboração próxima com usuários finais e líderes industriais para desenvolver a nossa carteira de produtos de manufatura aditiva Iroprint. Juntos, nós analisamos detalhadamente os fatores que criam um bom material de impressão 3D e o que tem faltado no mercado até o momento. Acreditamos que o lançamento do nosso portfolio de manufatura aditiva Iroprint preenche a lacuna que existe hoje no mercado em relação a uma gama de materiais de impressão 3D funcionais, duráveis e ao mesmo tempo mais macios, agnósticos à tecnologia, econômicos e fáceis de imprimir – qualquer que seja a técnica de produção 3D preferida.”

“Antes do lançamento da gama Iroprint, nós estivemos construindo relações com parceiros tecnológicos chave que, por sua vez, trabalham com algumas das maiores marcas de calçados do mundo. Antevemos grandes oportunidades para os nossos materiais de manufatura aditiva Iroprint em outros setores do mercado de impressão 3D, desde componentes para a indústria automobilística até objetos para aplicações na área de “Internet das Coisas” (IoT). Estamos vivendo um tempo incrivelmente excitante no mercado de manufatura aditiva, com estimativas sugerindo que o setor deverá crescer mais de 20% até 2024. Estamos ansiosos por discutir o lançamento da nossa plataforma de manufatura aditiva Iroprint com qualquer pessoa que esteja ativamente envolvida na impressão 3D durante a feira K, em Outubro, em Düsseldorf.”

Curta nossa página no

Organização da Feira K 2019 em Düsseldorf disponibiliza recursos e serviços para visitantes.

26/06/2019

  • Tópicos de destaque em um microsite dedicado.
  • Planta interativa dos pavilhões de exposição.
  • Organizador de visitas.
  • Nova Ferramenta de Matchmaking.
  • Aplicativo da K.
  • Newsletter da K.

Agora, só faltam quatro meses para a K 2019 abrir novamente as portas da principal Feira Mundial de Plásticos e Borracha. De 16 a 23 de outubro, o Centro de Exposições de Düsseldorf estará lotado, com mais de 3.000 expositores de 60 países. Se você é um visitante profissional, já pode começar a planejar sua visita agora para aproveitar ao máximo tudo o que a feira oferece. A K 2019 tem uma variedade de serviços para dar suporte aos visitantes de todo o mundo, permitindo que você aproveite da melhor maneira possível seu tempo em Düsseldorf.

Tópicos de destaque na K 2019 no site K-online.com

Quatro temas “quentes” foram escolhidos para a K 2019 pelos acadêmicos e especialistas do Grupo de Inovação da K 2019: Plásticos para Desenvolvimento Sustentável e Economia Circular, Digitalização e Indústria de Plásticos 4.0, Integração de Sistemas: Funcionalidade através do Material, Processo e Design e Jovens Talentos na indústria.

Esses “quentes” agora têm seu próprio microsite dedicado no Portal da K, com entrevistas em vídeo contínuas, artigos e notícias baseadas em cada tópico. É um ótimo lugar para os visitantes começarem a planejar sua visita à feira.

Planta interativa dos pavilhões de exposição

A planta interativa dos pavilhões abrange instalações internas e externas e é a ferramenta ideal para você se orientar no centro de exposições. Cada pavilhão pode ser acessado com um simples toque, e uma função de zoom contínuo permite que você focalize estandes individuais, onde você pode visualizar todas as informações sobre o expositor e seus produtos. A nova função de busca de expositores cobre todo o banco de dados da K ​​e exibe os resultados diretamente na planta dos pavilhões.

Organizador de visita

Usando a função “My Organizer” (Meu organizador), os visitantes precisam apenas de alguns toques / cliques para compilar uma lista de expositores de seu interesse, a fim de que possam planejar sua rota através dos pavilhões em detalhes, antes de sua chegada na feira. Após o registro, o “My Organizer” pode ser usado na bilheteria com um login pessoal, embora também esteja disponível sem registro. O login permite o uso conveniente em vários dispositivos (por exemplo, smartphones e PCs) por um longo período de tempo. Uma vez que uma lista tenha sido compilada, ela pode ser editada ou alterada toda vez que for acessada.

Nova ferramenta de “Matchmaking”

Um dos principais benefícios da feira K em Düsseldorf é a possibilidade de estabelecer contatos internacionais (networking). Mas qual é a maneira mais fácil para os expositores e visitantes fazerem contato em nossa era digital? A nova ferramenta inteligente “Matchmaking Tool” fornece uma plataforma ideal para encontrar novos contatos de forma rápida e conveniente e para fazer networking com eles. Visitantes e expositores na K 2019 já podem pesquisar por contatos e produtos que considerem relevantes e interessantes. A ferramenta sugere contatos adequados imediatamente, permitindo que você entre em contato com eles e agende reuniões durante a feira. O acesso é através do portal da web, em https://www.k-online.com/matchmaker2 para visitantes, e em https://www.k-online.com/matchmaking_exh_2 para expositores ou através do aplicativo K Matchmaking no IOS e no Android. A ferramenta rapidamente detecta os seus interesses e apresenta recomendações e sugestões personalizadas de contatos.

O aplicativo da K: Levando para casa todo o universo da feira K

O App da K disponibiliza todas as informações importantes sobre a K em um dispositivo móvel em inglês e alemão, fornecendo pesquisas sobre expositores e produtos (também off-line), notícias sobre a feira e expositores e o plano interativo dos pavilhões, bem como o My Organizer e funções de matchmaking. O aplicativo é gratuito e pode ser baixado na AppStore ou no Google Play. Juntamente com o aplicativo K Matchmaking, o aplicativo da K oferece a melhor maneira de se preparar para a feira.

A Newsletter da K

A Newsletter da K 2019 fornece informações detalhadas no período que antecede a feira, apresentando as notícias dos expositores juntamente com produtos inovadores – todos classificados de acordo com uma temática ou de acordo com a aplicação, por ex. aplicações médicas, construção de veículos ou embalagem. A newsletter da K estará disponível para assinatura via k-online.com a partir de agosto.

Sobre a Feira K:

A K foi organizada pela Messe Düsseldorf pela primeira vez em 1952. Ela ocorre em intervalos de três anos. A última edição da K em 2016 registrou 3.293 expositores de 61 países, cobriu um espaço de exposição líquido de cerca de 173.000 metros quadrados e atraiu 232.053 visitantes profissionais, incluindo 71 por cento de visitantes de fora da Alemanha.

Fonte:  Messe Duesseldorf

Curta nossa página no

Tanques de PRFV para água potável são os destaques da Tecniplas na Fispal

20/06/2019

Tanques da Tecniplas instalados em fábrica de gêneros alimentícios

A Tecniplas participa mais uma vez da Fispal Tecnologia, importante feira do setor de alimentos e bebidas da América Latina – de 25 a 28/06, no São Paulo Expo. Especializada na fabricação de tanques e equipamentos especiais de compósitos em PRFV (Plástico Reforçado com Fibra de Vidro), a empresa destacará no evento a adequação dos seus reservatórios à Portaria de Consolidação nº 05, de 28/09/2017, Anexo XX (Laudo de Inocuidade). A regulamentação dispõe sobre a inocuidade dos materiais que ficam em contato com água potável.

“A Tecniplas possui Laudo de Inocuidade das resinas utilizadas na fabricação dos tanques de PRFV, conforme exige a Portaria. Isso nos habilita a fornecer reservatórios usados para a armazenagem não só de água potável, mas de qualquer tipo de insumo consumido pela indústria de alimentos e bebidas”, explica Luís Gustavo Rossi, diretor da Tecniplas.

Além de ser atóxico e inócuo, ele salienta, o PRFV é mais competitivo do que o aço inox normalmente empregado na fabricação dos tanques para a armazenagem de matérias-primas do setor alimentício.

“Com as mesmas dimensões e características técnicas, os tanques de plástico reforçado podem custar até 35% menos do que os de aço inox. Sem contar que são monolíticos, ou seja, moldados em uma única peça. Isso significa que não existem pontos de solda, áreas normalmente sujeitas a vazamentos”, detalha.

Em comparação com tanques de aço vitrificado, que são compostos por centenas de painéis parafusados e revestidos de borracha, a comparação é ainda mais favorável para o PRFV, afirma Rossi. “Só precisamos homologar a superfície interna ou liner do tanque para o contato com a água. No aço vitrificado, é necessário o aval para todos os componentes que dão forma ao reservatório, o que implica em sensível aumento do custo”, complementa o diretor da Tecniplas.

Fundada em 1976, a Tecniplas mantém uma fábrica de 32 mil m² em Cabreúva, no interior de São Paulo. Seus produtos são consumidos pelas indústrias de álcool e açúcar, papel e celulose, cloro-soda, química e petroquímica, fertilizantes, alimentos e bebidas e saneamento básico.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tecniplas

Curta nossa página no

Novo purificador de flakes de PET da Tomra potencializa indústrias de reciclagem

30/05/2019

Carina Arita, Diretora da Tomra Brasil, explicando o funcionamento do Innosort Flake durante a Feiplastic 2019

Ao lançar recentemente o seu equipamento purificador de flakes de PET Innosort Flake, a Tomra busca cada vez mais adaptar-se a diferentes demandas e especificidades do mercado de reciclagem e reaproveitamento de resíduos plásticos.

O Innosort Flake corresponde a mais um passo da Tomra para atender de forma específica ao crescimento do mercado de flakes de PET e às exigências de alta pureza do produto que são demandadas, por exemplo, pela tecnologia bottle-to-bottle de reciclagem de resíduos de PET oriundos de garrafas plásticas.

Esse mercado já vinha sendo atendido pela linha de produtos Autosort Flake. Porém, segundo Carina Arita, Diretora Comercial da Tomra Brasil, o Autosort Flake corresponde a um produto de categoria “super-premium“, aplicando-se simultaneamente à purificação de flakes de vários tipos de materiais plásticos, tais como PE, PP e PET, além de perfis de janelas de PVC. Em plantas que trabalham somente com flakes de PET, algumas funcionalidades do Autosort Flake terminam sendo utilizadas abaixo do seu potencial pleno. Com o lançamento do Innosort Flake, afirma Carina, o reciclador pode dispor de um produto com recursos “Premium“, específico para sua aplicação, com uma relação custo-benefício otimizada, além de altos rendimento e grau de pureza.

“Tanto o Autosort Flake como o Innosort Flake trabalham com tecnologias de duplos sensores: Infravermelho próximo (NIR) e Câmera (RGB). Todavia, enquanto o Autosort Flake opera com 16 faixas de espectro, contemplando a separação de materiais como poliolefinas (PE,PP), PVC e PET – além da separação por cores -, o foco do Innosort Flake é a purificação do PET, operando com 4 canais. Neste caso, os outros materiais diferentes do PET são tratados como contaminantes”, explica Carina.

As aplicações de PET reciclado, especialmente na indústria de envase, requerem um grau de pureza muito alto – daí a necessidade de um equipamento com tecnologia dedicada à separação de flakes de PET. “Para aplicações de outros tipos de material reciclado (PE, por exemplo), as exigências de pureza não são tão elevadas quanto às do PET”, complementa Carina.

Com tecnologia patenteada Flying Beam, o Innosort Flake oferece uma resolução ultra-alta e identificação de polímero de 2 mm. A solução permite a remoção de vastas proporcões de contaminantes e reduz significativamente possíveis perdas de flakes de PET, afirma Carina.

O Innosort Flake detecta as propriedades do material de diversos polímeros, bem como as cores dessas frações, incluindo materiais transparentes e opacos. Esta purificação do PET resulta em maiores níveis de qualidade e maior rendimento, com capacidade de processamento de até 4,5 toneladas, garante a Tomra.

As principais aplicações do Innosort são a purificação de flakes de PET, a purificação de flakes transparentes e opacos e a seleção de flakes de cores misturadas.

Além do Innosort Flake, a Tomra esteve promovendo outros produtos aplicados à separação e purificação de resíduos sólidos durante a Feiplastic 2019, no mês passado, em São Paulo:

  • Autosort: Com foco na separação e classificação, o Autosort tem aplicações em correntes de resíduos em Coleta Seletiva (termplásticos, caixa de bebidas, papelão, vidro), Resíduos Sólidos Urbanos (termplásticos, papel misto, papelão, metais), Termoplásticos em geral (PET, PP, PVC, PS, PEBD, PELBD, PEAD, bandejas, garrafas, etc) e outras.
  • Autosort Flake: O sistema tem foco na purificação de correntes de material plástico, combinando a detecção de cores, materiais e metais de forma simultânea, com alta pureza e rendimentos. As principais aplicações são a purificação de flakes de PET, flakes de PE/PP e Purificação de PVC
  • Autosort Fines: Foi projetado para separar frações pequenas (granulometrias menores) em diversas aplicações, em particular resíduos Eletroeletrônicos contendo PS, ABS, PC, PPO, PPE, PBT, PMMA, PP e PE
  • Autosort Laser: Baseado nos sensores laser, eletromagnético e NIR, o equipamento permite a separação de vidro a partir de resíduos domiciliares e resíduos comerciais e industriais, separando-o de resíduos de cerâmica, pedras, porcelana, metais e plásticos

Uma aplicação em destaque durante a feira foi a separação de Garrafa PET vs. Bandeja PET monocamadas. O modelo anterior do Autosort já separava bandejas multicamadas. A inovação em destaque é comercialmente significativa pois pequenas e críticas diferenças nas propriedades químicas das bandejas de PET para alimentos e garrafas PET significam que elas devem ser separadas para reciclagem com produtos equivalentes.

Além disso, a Tomra acaba de lançar no Brasil uma plataforma de dados baseada em cloud, o Tomra Insight, que abre novas e valiosas oportunidades para os usuários dos sistemas de seleção. Esses dados podem transformar a triagem de um processo operacional em uma ferramenta de gerenciamento estratégico para a tomada de decisões em todas as etapas do valor e da cadeia de produção. O Tomra Insight transforma as máquinas de seleção em dispositivos conectados que geram dados do processo. A nova plataforma coleta esses dados na nuvem e os transforma em informações de produção acessíveis por meio de uma interface da web.

A Tomra Sorting Recycling projeta e fabrica sistemas de seleção por sensores para a indústria global de reciclagem e gestão de resíduos. Segundo a empresa, mais de 5.500 sistemas foram instalados em 80 países em todo o mundo. A Tomra Sorting é de propriedade da empresa norueguesa Tomra Systems ASA, fundada em 1972. A empresa tem um volume de negócios anual de cerca de € 750m, e emprega mais de 3.500 funcionários ao redor do mundo.

Curta nossa página no

Cipatex leva soluções para mineração na Exponor Chile 2019

23/05/2019

Empresa reforça posicionamento como uma das principais fornecedoras de mantas de PVC para o setor

A Cipatex, fabricante de revestimentos sintéticos, participa da Exposição Internacional da Indústria de Mineração – Exponor 2019, uma das principais feiras de negócios de mineração da América Latina e do mundo. O evento ocorre entre os dias 27 e 30 de maio, em Antofagasta, no Chile, o maior produtor de cobre do planeta. A empresa apresentará em seu estande o Cipageo, geomembranas de PVC empregadas na impermeabilização de lagoas de evaporação e decantação, em pilhas de lixiviação e tanques de rejeitos minerais.

Organizado pela Associação de Indústrias de Antofagasta, o evento internacional é realizado a cada dois anos. Na décima oitava edição, a feira deve reunir mais de mil expositores de 30 países e contará com a presença de importantes mineradoras, geradores de energia e empresas fornecedoras. “Delegações técnicas do setor de mineração visitarão os estandes a fim de conhecer produtos, tecnologias e inovações, o que torna a Exponor uma importante ferramenta para ampliar a possibilidade de novos negócios e networking”, comenta Aureovaldo Casari, gerente de agroindústria e mineração da Cipatex.

Conforme Casari, durante o evento a empresa reforçará seu posicionamento como uma das principais fornecedoras de mantas de PVC para a indústria mundial de mineração. Com matriz em Cerquilho, interior de São Paulo, a Cipatex fornece o produto para o setor no Chile desde 2000.

A Cipatex afirma que as suas geomembranas Cipageo, produzidas pelo processo de calandragem, são tolerantes a diversos tipos de ácidos, sais e bases, apresentando resistência ao envelhecimento e às influências do meio ambiente. De acordo com a empresa, o produto pode ser empregado em qualquer tipo de superfície, em virtude do seu grande alongamento, maleabilidade e flexibilidade . Entre os benefícios do material, garante a Cipatex, está a praticidade de instalação e transporte, o que gera redução nos custos de mão-de-obra e equipamentos.

A Exponor já faz parte do calendário da empresa, onde os visitantes podem conferir de perto as possibilidades de aplicação e as vantagens do material. Além de atender ao mercado de minerção, as geomembranas são indicadas para a construção civil, indústria e agricultura.

Criada em 1964, a Cipatex oferece ao mercado soluções em revestimentos sintéticos, contando hoje com uma linha de produtos que atende aos setores de calçados, piscinas, bolsas e acessórios, utilidades domésticas, construção, móveis, vestuário, automóveis, esporte e lazer, brindes, material escolar e comunicação visual. Ao todo, a Cipatex conta com cerca de 1.200 colaboradores distribuídos em cinco plantas industriais.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Cipatex

Curta nossa página no

BASF apresentou inovações e soluções sustentáveis na Feiplastic 2019

17/05/2019

Soluções da BASF para as indústrias automotiva, de embalagens, da construção, de bens de consumo, aplicações industriais, plasticultura, entre outras, fizeram parte do portfólio apresentado pela companhia no stand da Feiplastic 2019.

“A Feiplastic foi uma excelente oportunidade para apresentar nossas soluções e estreitar o relacionamento com o mercado”, considera Murilo Feltran, gerente de marketing e produto de Materiais de Performance da BASF. “Além das tecnologias inovadoras, nosso forte é a atuação em estreita colaboração com nossos clientes, entendendo suas necessidades e desenvolvendo soluções de acordo com cada necessidade”, afirma.

Materiais de desempenho

Uma das principais novidades foi a plataforma digital exclusiva para oferecer o portfólio de soluções para a indústria de calçados, como um novo canal de relacionamento com os clientes. A BASF fornece PU e TPU para produção de solas, entressolas, palmilhas e outros componentes que, segundo a empresa, permitem a fabricação de calçados de maior desempenho, conforto e durabilidade, atendendo às tendências e demandas dos consumidores. A ferramenta online, de interface amigável, está disponível no link http://www.shop.basf.com.br/calcados.

Entre os materiais com destaque na Feiplastic estão as soluções sustentáveis para o mercado de isolamento térmico, que têm como base o HFO e a água aplicados como agentes expansores de quarta geração para o mercado de refrigeração. A tecnologia é uma alternativa aos agentes de expansão utilizados convencionalmente e permite a redução nas emissões de gases de efeito estufa.

Também apresentando pegada sustentável, foi apresentado o polímero compostável e biodegradável ecovio®, obtido a partir de matérias-primas renováveis. O material tem desemepenho semelhante aos plásticos normalmente utilizados, atendendo requisitos de aparência, propriedades mecânicas e processabilidade, sofrendo degradação somente em condições de compostagem, afirma a BASF. Pode ser aplicado em filmes para agricultura, produção de copos, sacolas compostáveis certificadas e embalagens diversas, entre outras possibilidades.

A poliamida Ultramid® Deep Gloss agora está disponível também em cores. O material originalmente usado na cor black piano, está abrindo possibilidades para projetos mais versáteis de interiores de carros, com cores contrastantes e que seguem tendências de mercado. Segundo a BASF, o material possui propriedades diferenciadas, tais como resistência a riscos, à radiação UV e alta resistência química. Além disso, afirma a empresa, o alto nível de brilho reproduz estruturas com detalhes fiéis, permitindo uma mistura bem contrastante de luz e sombra, sem revestimento adicional.

Durante a feira, a BASF também promoveu a sua poliamida semicristalina que permite que a luz passe sem barreiras. Segundo a empresa, o Ultramid® Vision combina a transparência à luz com uma baixíssima dispersão, sendo a primeira poliamida semicristalina do mundo para componentes semitransparentes ou transparentes para ambientes com muitos desafios químicos. A BASF afirma que a poliamida é resistente aos raios UV, às altas temperaturas, aos riscos, a químicos e atende aos requisitos de segurança contra a propagação do fogo. A solução pode ser usada em diversas áreas de aplicação, sendo recomendada especialmente para peças de controle visual, iluminação ou design de luz.

Embalagens

A embalagem tem papel fundamental na garantia da qualidade de alimentos, desde a produção até a mesa do consumidor. As poliamidas são a melhor opção quando há a necessidade de aumentar o tempo de vida dos produtos através do aumento de propriedades mecânicas, proteção para migração de gorduras, barreira ao oxigênio e aromas. Por meio da parceria com seus clientes, a BASF buscou atender solicitações de melhoria de propriedades óticas, maior flexibilidade e menor encanoamento, sem perder as propriedades tradicionais das poliamidas. E o resultado foi, segundo a empresa, o desenvolvimento do Ultramid C37 LC, copolímero de poliamida com o menor ponto de fusão das poliamidas tradicionais encontradas no mercado – perto dos 180º.C. A BASF afirma que o material é o mais indicado para sacos encolhíveis e filmes termoformados e outras aplicações onde a estrutura a ser utilizada é assimétrica.

Aditivos para plásticos

A BASF afirma que vem buscando soluções em aditivos para plástico ecologicamente corretas, focadas em sustentabilidade e que visam evitar a degradação e estender a vida útil dos plásticos. Esses requisitos se tornaram mais rigorosos também nas aplicações automotivas e, alinhado ao aumento da durabilidade das espumas de poliol e poliuretano, o seu PUR 70 encontra um nicho de aplicação. Segundo a empresa, o aditivo diminui drasticamente a emissão de aldeídos e componentes orgânicos voláteis, é livre de amina e atende aos requisitos VDA 278 10/11.

De acordo com a empresa, o seu Tinuvin® XT 55, um aditivo estabilizador à luz, confere durabilidade, além de melhorar os processos de fabricação. Tem aplicações em monofilamento de polietileno, usados para produção de grama sintética e poliolefinas, fitas para telas de sombreamento, andaimes, geotêxteis e big bags, entre outros. O fabricante afirma que o aditivo auxilia na resistência às condições climáticas adversas, incluindo exposição prolongada à luz ultravioleta, temperatura elevada e oscilante, além de poluentes ambientais.

Já o Irgastab IS 3066L, utilizado nas aplicações em PVC, promove melhoria na produtividade e maior viabilidade econômica, além de estar em conformidade com o FDA para aplicações em contato com alimentos, assegura a BASF.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Solvay apresentou dois novos estabilizadores UV para o mercado brasileiro de plásticos na Feiplastic 2019

15/05/2019

A Solvay Technology Solutions apresentou na Feiplastic 2019 dois novos estabilizadores UV para poliolefinas: o Cyasorb Cynergy Solutions M528 para aplicações de injeção e sopro, e o Cyasorb Cyxtra V9900 para peças automotivas.

Segundo a Solvay, o Cyasorb Cynergy Solutions M528 é um estabilizador à luz especificamente desenvolvido para produtos de polietileno soprados ou injetados, atendendo a elevadas exigências de durabilidade e oferecendo proteção UV a longo prazo, além de resistência térmica. A empresa afirma que o produto pode ser usado em uma ampla variedade de polímeros, em doses muito reduzidas quando comparado aos aditivos estabilizadores tradicionais, permitindo maior flexibilidade de formulação e redução de custos operacionais.

A Solvay também está introduzindo no mercado brasileiro o Cyasorb Cyxtra V9900. O produto é o primeiro de uma nova plataforma tecnológica de estabilização UV criada pela empresa. Especialmente desenvolvido para atender aos rigorosos requerimentos da indústria automobilística, o estabilizador proporciona resistência à radiação UV em peças plásticas interiores e exteriores de polipropileno (PP) e de compostos a base de poliolefinas TPO e TPE, afirma a Solvay.

Além de atender às normas automotivas globais de envelhecimento artificial e de durabilidade, assegura a Solvay, o produto excede as exigências de baixo VOC (composto orgânico volátil), odor e fogging, sem interferir na aderência de pintura. O Cyasorb Cyxtra V9900 é fabricado com a tecnologia Cyflow que não gera pó ou aglomerados e facilita sua incorporação no processo de extrusão.

“A indústria continua buscando soluções que permitam que os plásticos tenham um desempenho melhor e durem mais tempo, ao mesmo tempo que mantém uma boa relação custo-benefício”, comenta Andrea Landuzzi, Diretor Global de Marketing da área de negócios Polymer Additives da Solvay.

“As mais recentes tecnologias conferem à Solvay a liderança na capacidade de extensão da vida útil dos plásticos e facilitam os vários esforços da indústria para melhorar os processos de reciclagem, bem como no desenvolvimento de sistemas de economia circular. O M528 e o V9900 reforçam nosso compromisso de aproveitar nossos mais de 60 anos de experiência em estabilização UV para fornecer soluções inovadoras que lidam com os principais desafios sociais e dos clientes”, disse Landuzzi.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Eastman apresenta inovações em embalagens sustentáveis ​​na Luxe Pack New York

14/05/2019

Fornecedora em plásticos destaca inovações em reciclagem e bioplástico de engenharia

A Eastman exibirá suas últimas novidades no Luxe Pack New York, de 15 a 16 de maio, no Javits Center. A empresa apresentará duas inovações que abordam o desafio mundial relacionados ao tema dos resíduos de plástico e também dois produtos – o bioplástico de engenharia Eastman Trēva ™ e o copoliéster Cristal EV600™.

Trēva é um plástico à base de celulose para embalagens opacas e coloridas (foto). Segundo a Eastman, ele pode servir como um substituto direto para o ABS e permite oportunidades de reduções de matéria-prima nessas aplicações, com melhor desempenho e menor impacto ambiental. Seu bio-conteúdo de mais de 40%, afirma a empresa, permite que as marcas progridam em direção aos compromissos de sustentabilidade, enquanto se afastam dos materiais listados na Proposição 65 (lei californiana que exige advertências sobre substâncias químicas potencialmente perigosas que podem causar doenças como defeitos congênitos ou outros danos reprodutivos).

“Trēva é um bioplástico de alto desempenho com uma história robusta de início de vida. Com nossas inovações de reciclagem recém-anunciadas, em especial a tecnologia de renovação do carbono, estamos adicionando uma opção de fim de vida sustentável para este material “, disse Kendra Harrold, diretora de Marketing para Embalagens.

O Cristal EV600 é um novo polímero de alto fluxo com o polimento e a sensação de vidro. Segundo a Eastman, ele proporciona uma transparência profunda e incolor com luminosidade superior. A empresa afirma que ele supera outros copoliésteres, obtendo melhor estética e tendo como resultado um efeito cintilante luxuoso para aplicações em paredes de espessura média a grossa.

A Eastman anunciou recentemente duas inovações em reciclagem: a reciclagem circular avançada e a tecnologia de renovação do carbono. Elas permitem a reciclagem de poliéster misto e resíduos plásticos mistos.

Usando a metanólise, a reciclagem circular avançada decompõe os produtos à base de poliéster em seus blocos de construção poliméricos. Estes podem, então, ser reintroduzidos na produção de polímeros à base de poliéster, fornecendo uma solução circular. A Eastman projeta que a operação estará funcionando em escala total de 24 a 36 meses.

Segundo a Eastman, a sua tecnologia de renovação do carbono converte resíduos plásticos misturados (incluindo plásticos difíceis de reciclar, como embalagens de cosméticos) de volta aos seus componentes moleculares. Estes são reintroduzidos na produção de uma variedade de materiais, como plásticos e produtos celulósicos. A produção comercial está planejada para 2019, usando os ativos existentes.

Kendra Harrold disse: “Essas inovações são apenas o começo. A Eastman está comprometida em trabalhar com nossos parceiros da cadeia de valor para criar soluções reais para uma verdadeira economia circular. “

A Eastman é uma empresa global de materiais atuando em mercados finais tais como transporte, construção civil e produtos de consumo. A empresa emprega, aproximadamente, 14.500 pessoas ao redor do mundo e atende clientes em mais de 100 países. A companhia alcançou, em 2018, aproximadamente, 10 bilhões de dólares em receitas e está sediada em Kingsport, Tennessee, EUA.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Eastman

Curta nossa página no

Cipatex apresenta geomembranas na Aquishow

13/05/2019

A Cipatex, líder em revestimentos sintéticos, apresenta soluções em impermeabilização de lagoas e tanques durante a Aquishow Brasil 2019, que ocorre entre os dias 14 e 17 de maio, em Santa Fé do Sul/SP. A participação no evento, que reúne todos os elos da cadeia produtiva da aquicultura, reforça o posicionamento da empresa no setor.

Segundo Aureovaldo Casari, gerente de agroindústria e mineração da Cipatex, a presença na Aquishow é muito importante para os negócios da empresa. “Vamos apresentar as possibilidades de aplicação e a tecnologia empregada no Cipageo®, geomembranas de PVC de alta performance que confere estanqueidade aos sistemas de produção e cultivo de peixes e camarões em água doce ou salgada”, afirma. O produto pode ser utilizado em lagoas e tanques escavados e estruturados.

Para tanques ou viveiros escavados, a Cipatex fornece geomembranas com grande resistência ao envelhecimento e às intempéries. Segundo a empresa, o material pode ser confeccionado sob medida, garantindo praticidade ao produtor, com instalação rápida e segura. Este tipo de tanque é indicado para criação em cativeiro em larga escala, seja na carcinicultura ou piscicultura.

Para tanques estruturados/circulares, formados por armações metálicas, a empresa desenvolveu geomembrana reforçada com uma tela de alta tenacidade. De acordo com a Cipatex, o sistema atende, principalmente, à produção comercial de peixes em áreas reduzidas, onde é possível a criação com grande adensamento.

A Cipatex afirma que as geomembranas Cipageo® são fabricadas em várias espessuras, de acordo com as dimensões do projeto e necessidades do produtor, sendo tolerantes a diversos tipos de ácidos, sais e bases. O material também tem a opção de ser confeccionado com geotêxtil acoplado ou reforço interno, conferindo maior resistência à tração, punção e rasgo, afirma a empresa.

Conforme Casari, o evento, que deve reunir mais de três mil pessoas, surge como grande oportunidade para estreitar o relacionamento com produtores, prospectar novos clientes e trocar experiências.

Criada em 1964, a Cipatex oferece ao mercado soluções em revestimentos sintéticos, contando hoje com uma linha de produtos que atende aos setores de calçados, piscinas, bolsas e acessórios, utilidades domésticas, construção, móveis, vestuário, automóveis, esporte e lazer, brindes, material escolar e comunicação visual. Ao todo, a Cipatex conta com cerca de 1.200 colaboradores distribuídos em cinco plantas industriais.

Serviço: Aquishow
Data: de 14 a 17 de maio de 2019
Local: Estande Cipatex – 84
Av. Waldemar Lopes Ferraz, s/n, Estância Turística de Santa Fé do Sul/SP

Fonte: Assessoria de Imprensa – Aquishow

Curta nossa página no

Reed Alcântara Machado relata recorde de negócios internacionais durante Feiplastic 2019

02/05/2019

Após cinco dias do evento, a Feiplastic encerrou-se no dia 26 com intensa visitação e volume de negócios. Segundo a organizadora da feira, Reed Alcântara Machado, somente nas rodadas internacionais foram contabilizados até o momento R$ 14, 9 milhões ($ 3.8 milhões) em negócios e uma expectativa de R$ 52,6 milhões ($ 13.38 milhões) para os próximos 12 meses.

De acordo com a Reed Alcântara Machado, os visitantes informaram haver uma verba declarada de R$ 1,6 bilhões para compras. A feira contou com 430 rodadas de negócios internacionais, onde cerca de 70 empresas brasileiras fizeram negócios com 22 compradoras, vindas de países como EUA, Canadá, México e outros países da América do Sul.

Além do evento internacional, a Feiplastic também promoveu as rodadas de negócios nacionais, nas quais aconteceram mais de 120 reuniões com 12 empresas compradoras, dentre elas Colgate e Ambev. De acordo com a organização, 96% das reuniões foram avaliadas pelos compradores e expositores participantes como boa ou ótima e com expectativa de negócios. A expectativa é de R$ 21 milhões.

“A Feiplastic se consolida como a maior feira geradora de negócios para a indústria do plástico. Os expositores reconhecem que a feira encontrou uma proposta de valor consistente para o mercado. Acredito que atingimos um modelo definitivo para o que se espera do setor”, avaliou Leandro Lara, diretor da Reed Exhibitions.

No Clube dos Compradores, área com benefícios exclusivos, um grupo qualificado de executivos realizou reuniões focadas em negócios de grande escala. “A Feiplastic é reconhecida pela alta capacidade de atrair compradores qualificados e conectá-los com as soluções mais inovadoras do mercado”, explica Leandro Lara.

A feira contou com a visitação de mais de 50 mil pessoas de 30 países ao longo dos cinco dias do evento. Dos visitantes internacionais, 86% são da América do Sul, 6% da Europa, 4% da América do Norte e 2% da África. Foram mais de 1.000 marcas expositoras em um espaço de 35 mil m².

“A feira deste ano teve uma presença de público com maior poder de tomada de decisão do que a edição de 2017. Concluímos que vamos fechar de 25% a 30% a mais de vendas em função dessa semana e da criação dos novos relacionamentos que a feira nos proporcionou”, reforça Fábio Bordin, diretor para as Américas da Ineos Styrolution.

Para César Ortega, diretor comercial da Cromex, a feira teve uma participação acima do esperado tanto na quantidade de pessoas como no nível do público que frequentou o estande. “O retorno que tivemos com as reuniões foi bastante positivo e as convertemos em vendas – nessa semana, acima de 5% do volume mensal. Sem dúvida após a feira teremos um aumento significativo de 10% nas vendas”, disse.

“A Feiplastic trouxe para nós um grande público. Foram vendidas 20% a mais de máquinas do que na edição de 2017 e estamos muito satisfeitos com a movimentação no nosso estande. Não ficamos nenhum dia parados”, disse Roberto Candido de Melo, gerente de manutenção da Haitian.

“A feira foi muito importante para consolidarmos a marca Unipar. Pensando na cadeia como um todo, temos a certeza de que, a longo prazo, teremos uma conversão de 80% de todas as negociações que tivemos aqui no estande. Realmente a Feiplastic fez diferença para a prospecção de novos negócios”, revela Juliana Alcázar Pedro, coordenadora de marketing de produto da Unipar.

Quem também estima novos negócios é a Tomra. “A feira foi muito boa, pois recebemos muitas visitas dos clientes que nós prospectamos e clientes potenciais. Estimamos que a conversão seja de mais de 10%”, destaca Jamile Perozini, gerente de escritório da Tomra.

Negócios internacionais

A BASF cita o interesse de investidores de fora do país como um fator relevante para a feira. “Todos os relacionamentos foram positivos. Os clientes gostaram muito das nossas novidades e a movimentação no estande foi maior do que na outra edição. Vemos uma revolução na indústria do setor e também o interesse de investidores de fora. Não temos os dados da taxa de conversão ainda, mas acreditamos em uma estimativa de mais de 30%”, conta Murilo Feltran, gerente de marketing de produto da BASF.

Carlos Benedetti, diretor comercial da Nova Trigo, também comemora as parcerias internacionais. “Nossa experiência na feira foi altamente positiva e superou as nossas expectativas. Geramos muitas parcerias internacionais com a Ecopet e com a Traincon que irão alavancar os negócios da Nova Trigo, a partir da Feiplastic. As prospecções foram positivas, pois um público qualificado compareceu ao evento; enxergamos uma conversão acima de 30%”.

Expositores preparam-se para Feiplastic 2021

Os resultados desta edição proporcionaram a renovação de vários contratos com a Reed Exhibitions para a 18ª Feiplastic, que acontecerá em 2021. “A feira foi muito boa e melhor que a nossa expectativa. Em relação às negociações, acreditamos que teremos cerca de 20% de conversão de clientes novos. Nós vamos inovar ainda mais na próxima edição da Feiplastic”, contou Nara Mato, responsável pelo desenvolvimento de marketing da Karina.

A Mitsui também comemora as conquistas e confirma participação na próxima edição. “Nosso estande foi muito visitado e gerou novos negócios. Tivemos procura por matéria-prima, até mesmo de clientes que não seriam prospecções diretas. Com relação aos relacionamentos que estreitamos, acreditamos que teremos uma conversão de 15% por conta do nosso nicho de atuação, que é bem específico. Conquistas que garantiram a renovação para a próxima edição”, finalizou Bruna Azevedo De Freitas, analista de vendas da Mitsui.

Arena do Inova Plastic discutiu inovações e o futuro do plástico

Uma das novidades da 17ª Feiplastic foi a arena Inova Plastic, que contou com diversos painéis e expositores debatendo estratégias, inovação e o futuro do plástico em aplicações alinhadas às novas necessidades da sociedade, do mercado e seus impactos na natureza.

No primeiro dia, o destaque foi a palestra “O Mundo da Inovação e a Inovação do Mundo”, ministrada pelo consultor Leonardo Dornelas, da Inventta. Ele trouxe um panorama de como a tecnologia mudou radicalmente o mundo em pouco tempo. “A inteligência artificial, por exemplo, está em constante aprimoramento e em pouco tempo será capaz de analisar contexto e informações. Os robôs muito rapidamente vão entrar nas nossas vidas. A tecnologia vai trazer grandes mudanças na sociedade”, disse.

Em seguida, a palestra “O papel das pequenas e médias indústrias no Cenário de Inovação” teve a participação dos representantes das empresas Birmind, Nanox e Printgreen que responderam a perguntas do público sobre qual é o papel das startups na inovação industrial.

Também no primeiro dia a JBS Ambiental apresentou seu case de Economia Circular do Plástico. De acordo com Fábio Cardin Maranho, executivo da empresa, a implantação da reciclagem surgiu da necessidade de se descartarem adequadamente os resíduos produzidos na indústria pecuária, sendo hoje um dos braços da empresa. “O diferencial da JBS Ambiental é investir na logística reversa. Hoje podemos dizer que os resíduos valem ouro”, explicou.

No segundo dia, a palestra “Inovação de plásticos na mobilidade”, do engenheiro Jef Chandley Cruz, da RTP Company Mercosul, abriu a arena Inova Plastic e trouxe muitas informações importantes sobre o uso do plástico no setor automotivo. Uma delas foi como a substituição do alumínio pelo plástico nos componentes do veículo automotor tem tornado a produção muito mais barata.

No mesmo dia, a segunda palestra intitulada de “A nova rota do mercado automotivo e como os materiais compósitos podem te ajudar a recalculá-la” abordou as inovações com o uso do plástico na produção e o grande desafio relacionado à sustentabilidade e emissão de CO² dos veículos.

De acordo com o engenheiro Jef Chandley Cruz, que fez a apresentação, a solução está em investir em materiais mais leves que aumentem a autonomia dos veículos e os torne menos poluentes. As cifras citadas impressionam: para cada quilo retirado do veículo são poupados 0,09 g de CO²/Km que iriam para a atmosfera.

No terceiro dia, o tema foi a sustentabilidade. A questão quase sempre é vista apenas sob o ponto de vista ambiental, mas de acordo com os palestrantes o tema é muito mais complexo, pois envolve também economia e sociedade.

“Estamos tentando mudar a visão que a sociedade tem do plástico. Ele é um ótimo produto, traz leveza aos carros e durabilidade aos alimentos, por exemplo. Precisamos discutir a reciclagem e como esse processo deve começar a partir das grandes empresas, tornando sua economia circular”, disse Bruno Igel da WiseWood.

No penúltimo dia, um dos temas debatidos foi a inovação na era digital. Participaram deste painel Fábio Buckeridge (CDO da Braskem), Fabiano Assunção Sant’Ana, (digital head South America da BASF) e Fernando Birman (CDO da Solvay).

Os três falaram nas transformações que se aproximam com as macrotendências da economia circular, economia compartilhada, veículos autônomos e inteligência artificial. “O desafio para os próximos cinco anos é que mais pessoas dominem inteligência artificial e programação”, disse Buckeridge.

O último dia do Inova Plastic teve a presença de José Ricardo Roriz (presidente da Abiplast), Rafael Navarro (vice-presidente da ANPEI) e Horácio Forjaz (FAPESP). Com o tema “Desafios e Oportunidades de Inovação para o Setor”, o painel se propôs a fazer um apanhado de tudo que foi discutido durante a semana da Feiplastic. “Temos oportunidade no Brasil. Temos mercado e temos bons instrumentos. Somos um país abundante”, disse Rafael Navarro.

Horácio Forjaz frisou que as inovações fazem parte da história da humanidade, mas que nunca houve uma necessidade tão grande delas. “A inovação nunca foi tão importante para a preservação de empresas e até países. No Brasil, nosso desafio é maior, mas nem por isso vamos deixar de aproveitar as oportunidades”, completou enfatizando que o futuro do país também depende de um pacto nacional pelo desenvolvimento.

Além da função de gerar negócios para o setor do plástico, a Feiplastic buscou desmistificar as notícias negativas propagadas a respeito dos plásticos. “A visão negativa que se construiu em torno do plástico é muitas vezes emocional. As alternativas que temos a este produto muitas vezes são piores em termos de sustentabilidade ambiental e financeira”, disse Fábio Buckeridge, CDO da Braskem durante a palestra Inovação na Era Digital no Inova Plastic.

Foco na sustentabilidade e economia circular

Em parceria com a Abiplast e com apoio da Braskem, a Feiplastic trouxe para esta edição uma novidade na Operação Reciclar, que transcendeu o pavilhão de exposições, com 8 horas de coleta de resíduos nas margens do córrego Carandiru, próximo ao conjunto habitacional Cingapura. Ao todo foram coletadas 33 toneladas na operação outside.

A segunda atividade da Operação Reciclar aconteceu durante os cinco dias de evento, com o apoio de agentes coletores no pavilhão de exposições. A coleta foi periódica em todos os expositores da Feiplastic que fabricaram produtos plásticos para demonstração e resultou em 57,1 toneladas.

Com 90,1 toneladas de resíduos coletados em 2019, o projeto reforça o compromisso e comprometimento com a sustentabilidade, fomentando a correta destinação dos resíduos. “O principal desafio talvez seja estimular a compreensão de que o descarte correto do plástico é responsabilidade de todos”, explica Patrícia Oliveira, gerente de produto da Feiplastic.

José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), reforça a importância da iniciativa: “A Operação Reciclar é uma ação de conscientização do consumidor sobre a necessidade do correto descarte de resíduos sólidos. Como indústria, aperfeiçoamos nossos processos e produtos para melhorar o índice de reciclagem no Brasil, mas contamos também com o apoio da população no que tange ao descarte consciente para atingir os ideais de sustentabilidade”, esclarece.

A Feiplastic 2019 contou ainda com o espaço interativo “Movimento Plástico Transforma”, que apresentou ações para sensibilizar a sociedade sobre os benefícios do plástico – uma iniciativa pioneira do PICPlast.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Feiplastic 2019

Curta nossa página no

Expositores comemoram negócios fechados na Feiplastic

26/04/2019

  • Número de visitantes cresce 17% no terceiro dia e bate recorde na Feiplastic
  • Visitação do quarto dia cresce 10% em relação à última edição e anima os participantes na reta final

A 17ª edição da Feiplastic registrou um número 17% maior no terceiro dia (recorde) e 10% maior de visitantes no quarto dia da feira, afirma a Reed Alcântara Machado, organizadora do evento. Além disso, o evento registrou um aumento de 2% no número de visitantes com poder de decisão, dos quais 6% a mais estão com recursos para compra. Segundo os organizadores, o total da verba para compra declarada pelos participantes é de R$ 1.610.750.000,00.

O setor de matéria-prima e insumos apresentou um crescimento de 13% em participação na feira. Já o petroquímico, de 14%. “Eu já estive em algumas edições da feira, porém esse ano ela veio mais completa e tem muitas empresas diversificadas do setor. Estou vendo um movimento maior em relação as outras edições e estou bem satisfeito”, disse Igor Costa, gerente comercial da Solid Concepts.

“A feira se consolida baseada em três pilares: inovação, negócios e sustentabilidade. Os expositores reconhecem que a Feiplastic encontrou uma proposta de valor consistente para o mercado do plástico. Acredito que atingimos um modelo definitivo para o que se espera do setor”, avaliou Leandro Lara, diretor do portfólio automotivo da Reed Exhibitions.

“Já podemos considerar esta edição um enorme sucesso. Até o momento realizamos cerca de 500 rodadas de negócios e os expositores estão recebendo compradores em seus estandes”, comemorou Patrícia Oliveira, gerente de produto da Feiplastic.

A edição de 2019 conta com 35 mil m², mais de 1000 marcas expositoras e expectativa de 56 mil visitantes de 30 países durante os cinco dias de feira. Dos visitantes internacionais, 86% são da América do Sul, 6% Europa, 4% América do Norte e 2% África.

Além da função de gerar negócios para o setor do plástico, a Feiplastic assumiu a missão de desmistificar a vilania do plástico. “A visão negativa que se construiu em torno do plástico é muitas vezes emocional. As alternativas que temos a este produto muitas vezes são piores em termos de sustentabilidade ambiental e financeira”, disse Fábio Buckeridge, CDO da Braskem durante a palestra Inovação na Era Digital no Inova Plastic.

Outros palestrantes reforçaram a mesma visão nos outros dias do evento. Para eles, o plástico é um produto durável, barato e leve que pode possibilitar muitas mudanças positivas.

A indústria do plástico é a quinta que mais emprega no Estado de São Paulo e tem um papel preponderante na retomada do crescimento econômico. “A indústria do plástico é fundamental porque dá suporte a vários outros segmentos industriais”, disse José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast.

A Feiplastic também serve de vitrine para o PICPlast e o Movimento Plástico Transforma, que apresenta projetos inovadores e coloca o plástico como protagonista, com tecnologia e criatividade. O espaço é uma experiência educativa que permite ao visitante desafiar um robô resolvedor de cubo mágico, desenhar com as canetas 3D e entender o funcionamento de um sistema de autoirrigação em hortas automatizadas, além de disseminar conceitos importantes, como a economia circular, iniciativas de uso, reuso e reciclagem do plástico.

Inovação na Era Digital

Um dos temas debatidos nesta quinta-feira (25) foi a inovação na era digital. Participaram deste painel Fábio Buckeridge, CDO da Braskem, Fabiano Assunção Sant’Ana, digital head South America da BASF e Fernando Birman, CDO da Solvay.

Os três falaram sobre as macrotendências da economia circular, economia compartilhada, veículos autônomos e inteligência artificial. “O desafio para os próximos cinco anos é que mais pessoas dominem inteligência artificial e programação”, disse Buckeridge.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Feiplastic

Curta nossa página no

PICPlast apresenta as conquistas para o setor na Feiplastic

26/04/2019

  • Espaço interativo do Movimento Plástico Transforma apresenta ações que sensibilizaram a sociedade sobre os benefícios do plástico;
  • Iniciativa, fruto da parceria entre Abiplast e Braskem, divulga balanço da atuação nos últimos cinco anos;
  • Durante o mesmo período, PICPlast realiza Seminário de Rotomoldagem

Apresentar os principais resultados e fazer um balanço de seus últimos cinco anos de atuação. Com estas propostas em mente, o Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico, PICPlast está participando da Feiplastic 2019. Para aproveitar a concentração de colaboradores da indústria do plástico durante o período da feira, também está sendo realizado o Seminário de Rotomoldagem, alinhado com o intuito de promover iniciativas que gerem mais capacitação para a cadeia. O Movimento Plástico Transforma, uma iniciativa pioneira do PICPlast, está presente em um espaço interativo que mostra como o plástico aliado à tecnologia, à inovação e à responsabilidade podem mudar o nosso futuro.

“Esta é uma oportunidade única de evidenciar para o setor todos os esforços em prol de um novo olhar para a imagem do plástico”, afirma Edison Terra, Vice-Presidente Executivo da Braskem. José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast, ressalta a experiência que será oferecida aos visitantes. “Quem passar pelo nosso espaço pode conhecer de perto algumas das nossas principais realizações e ter a percepção do poder de impacto de cada uma delas”.

Tecnologia, inovação e criatividade – Desde sua criação, em 2016, o Movimento Plástico Transforma realizou diversas ações focalizadas na imagem positiva do plástico, as quais impactaram milhares de pessoas em todo o país. Todas as propostas foram cuidadosamente pensadas para que a mensagem principal chegasse aos diferentes públicos de forma lúdica e, ao mesmo tempo, relevante. Mais de 17 mil colaboradores das indústrias de transformação e reciclagem puderam testar seus conhecimentos com a Promoção Plástico Premiado, um quiz educativo que sorteou, em duas edições, 50 TVs e 50 smartphones.

Criado para atrair interessados por inovação de todas as idades, o PlastCoLab contou com a presença de mais de 23 mil pessoas em São Paulo, Porto Alegre e Salvador. Os participantes puderam entender mais sobre a versatilidade do plástico por meio de soluções inovadoras para um mundo melhor. No espaço durante a Feiplastic é possível interagir com alguns dos projetos que fizeram parte do PlastCoLab como, por exemplo, o robô resolvedor de cubo mágico, a mesa interativa com as canetas 3D e o sistema de auto irrigação em hortas automatizadas.

Com foco nas novas gerações, foi criada a Estação Plástico Transforma, experiência educativa sobre reciclagem do plástico localizada no parque temático KidZania, no shopping Eldorado, em São Paulo. Nele, o público infanto-juvenil aprende, na prática, a importância do descarte consciente e como o material pode transformar-se em um novo produto. Crianças e adolescentes apreciadores e apaixonados pelo mundo dos games ganharam o jogo virtual educativo Eckoblocks, inspirado no conceito do Minecraft® o jogo ensina os pequenos a gerenciar uma cidade de forma sustentável.

Além de todas estas ações, o Movimento Plástico Transforma possui o canal http://www.plasticotransforma.com.br onde é possível encontrar conceitos importantes sobre economia circular e iniciativas inovadoras de uso, reuso e reciclagem do plástico. São conteúdos que visam apresentar os inúmeros benefícios do plástico para o dia a dia e o futuro de todos.

R$ 200 milhões de investimentos em prol da cadeia – Desde o seu lançamento, há cinco anos, o PICPlast investiu mais de R$ 17 milhões em ações voltadas para aumento da competitividade do setor, R$ 170 milhões no incentivo à exportação e cerca de R$ 10 milhões em ações de promoção das vantagens do plástico.

Foram realizados mais de 30 inciativas que contemplaram cerca de mil participantes, sempre com o foco de aproximar os elos da cadeia e executar iniciativas para promover a competitividade e a produtividade na indústria de transformação do plástico.

“Completamos cinco anos com a certeza de que estamos no caminho certo. O retorno que temos da indústria reforça a contribuição de todas as iniciativas do PICPlast, construindo uma cadeia cada vez mais desenvolvida e competitiva, capaz de enfrentar os inúmeros desafios do nosso mercado”, diz Edison Terra.

“O PICPlast vem sendo o parceiro estratégico de quem atua na indústria de transformação do plástico. Para os próximos anos, buscaremos ampliar ainda mais esta parceria, por meio da promoção de conhecimento e da viabilização de oportunidades de negócios para os nossos associados, a fim de propiciar um mercado robusto, maduro e sustentável”, afirma Roriz Coelho.

Seminário de Rotomoldagem – Aproveitando os visitantes de outras cidades que virão para São Paulo em função da Feiplastic, na terça-feira, 23, o PICPlast realizou um Seminário voltado para o segmento de Rotomoldagem no Novotel Center Norte, em conjunto com a fabricante de máquinas Rotoline. O objetivo é proporcionar ainda mais conhecimento para quem já atua no segmento ou tem interesse em atuar. Entre os participantes estarão transformadores de plástico que fabricam produtos rotomoldados, fabricantes de compostos, desenvolvedores de equipamentos e soluções para o segmento.
Ao todo serão discutidos sete temas: Cenário e tendências para Construção Civil; Economia Circular; Indústria 4.0; Design como estratégia para o plástico; Desenvolvimentos recentes em Rotomoldagem; Normas para rotomoldagem e Rotomoldagem na América do Sul.

Feiplastic 2019
De 22 a 26 de abril
Segunda a sexta, das 11h às 20h
Expo Center Norte – Rua José Bernardo Pinto, 333 São Paulo – SP
Estande Movimento Plástico Transforma Rua Q, Número 44
Idade mínima: 14 anos
Entrada gratuita com credenciamento no site:
www.Feiplastic.com.br

Sobre o PICPlast: O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast) é uma iniciativa criada em 2013 pela Braskem e Abiplast e prevê o desenvolvimento de programas estruturais que contribuam com a competitividade e o crescimento da transformação plástica. Baseado em três pilares: aumento da competitividade e inovação do setor de transformação, estímulo às exportações de transformados plásticos e promoção das vantagens do plástico, o PICPlast também conta com investimentos voltados ao reforço na qualificação profissional e na gestão empresarial.

No pilar de vantagens do plástico, as frentes de trabalho são voltadas para reciclagem, estudos técnicos, educação e comunicação, com destaque para o Movimento Plástico Transforma. Para saber mais, acesse www.picplast.com.br e plasticotranforma.com.br

Sobre a Braskem: Com produção anual de 20 milhões de toneladas, incluindo produtos químicos e petroquímicos básicos, a Braskem teve uma receita líquida de R$ 50 bilhões em 2017. Exporta para Clientes em aproximadamente 100 países e opera 41 unidades industriais, localizadas no Brasil, EUA, Alemanha e México, esta última em parceria com a mexicana Idesa e conta com 8 mil Integrantes.

Sobre a Abiplast: A Associação Brasileira da Indústria do Plástico — Abiplast representa o setor de transformados plásticos e reciclagem desde 1967, atuando para aumentar a competitividade da indústria. Para isso, realiza ações que promovem novas tecnologias, novos processos, pesquisa de produtos com foco na sustentabilidade, entre outras. A Abiplast representa atualmente 12,1 mil empresas que empregam um total de 322,9 mil pessoas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Feiplastic

Curta nossa página no

Feiplastic 2019 espera receber mais de 50 mil visitantes até sexta-feira; Inova Plastic destaca inovações e tecnologias para o setor

23/04/2019

A 17ª edição da Feiplastic teve início na manhã da segunda-feira, 22 de abril,no Expo Center Norte, em São Paulo. Participaram da cerimônia de abertura José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast, Paulo Octavio Pereira de Almeida, vice-presidente da Reed Exhibitions, Nelson Pereira dos Reis, vice-presidente da FIESP, Ennio Crispino, presidente do Conselho Administrativo da Abimei e Wilson Mello, presidente da Investe SP.

Roriz destacou a necessidade de se levar a indústria do plástico para o futuro, aumentando a produtividade do setor. “O mundo está mais desafiador. Precisamos inserir o plástico na indústria 4.0”, disse o presidente da Abiplast.

Além disso, ressaltou que o segmento é o 5º maior gerador de empregos no Estado de São Paulo e que um evento como a Feiplastic proprociona uma oportunidade para fomento de mais negócios. “A indústria de plástico tem um papel fundamental para a retomada do crescimento econômico no país. Nada melhor do que uma feira como essa para encontrarmos toda a cadeia produtiva, permitindo que a gente possa sair dessa crise com maior velocidade”, destacou.

O vice-presidente da Reed Exhibitions ressaltou a grandiosidade da feira. Esta edição conta com 35 mil m², 1000 marcas expositoras e espera receber mais de 50 mil visitantes ao longo dos cinco dias de feira. “Minha maior preocupação é com o número de visitantes com verba maior do que R$ 100 mil para investir em negócios na feira”, disse Paulo Otávio Almeida.

Nelson Pereira dos Reis, da Fiesp, compartilhou a preocupação da entidade com a sustentabilidde. “A FIESP tem uma grande preocupação com a sustentabilidade e com a reciclagem. Temos uma equipe qualificada para pensar a reciclagem. E investimos em pesquisas de logística reversa de embalagens. Este projeto visa trazer alternativas sem adicionar custos à indústria”, explicou.

Wilson Mello, presidente da Investe SP, ressaltou a importância da indústria do plástico para o Governo de São Paulo e já deixou o seu apoio ao segmento. Para Ennio Crispino, da Abimei, a chave é investir na inovação: “Se o Brasil quer competir no mercado globalizado, precisamos vencer a barreira da inovação para que a indústria volte a ocupar o lugar que já teve no país”.

Sobre os desafios do setor, Roriz concluiu: “A maior dificuldade que temos hoje é a carga tributária, pois precisamos concorrer em igualdade com produtores de outros países. Temos tudo para ser uma das maiores indústrias de plásticos do mundo”.

Inova Plastic abre Feiplastic com muita inovação e tecnologia para o setor

Uma das novidades da 17ª edição da Feiplastic, a arena Inova Plastic abriu o primeiro dia do evento trazendo diversas novidades e idéias para o setor. A primeira palestra foi “O Mundo da Inovação e a Inovação do Mundo”, ministrada pelo consultor Leonardo Dornelas, da Inventta.

Dornelas trouxe um panorama de como a tecnologia mudou radicalmente o mundo em pouco tempo. “A inteligência artificial, por exemplo, está em constante aprimoramento e em pouco tempo será capaz de analisar contexto e informações. Os robôs muito rapidamente vão entrar nas nossas vidas. A tecnologia vai trazer grandes mudanças na sociedade”, disse.

Junto com todas essas mudanças, também há a transformação do comportamento social. Hoje há uma preocupação muito maior com a sustentabilidade e com isso vem surgindo uma nova economia. “É um novo jeito de fazer negócios, com pessoas cada vez mais empoderadas e bem informadas”, finalizou Dornelas.

A segunda palestra foi sobre “O papel das pequenas e médias indústrias no Cenário de Inovação”. Participaram os representantes das empresas Birmind, Nanox e Printgreen, que responderam a perguntas do público sobre qual é o papel das startups na inovação industrial. Para Gustavo Simões, da Nanox, a indústria do plástico era muito pouco inovadora, mas este cenário vem mudando.

Wiliam Lima, da Printgreen, compartilhou os desafios da reciclagem de material no país para o uso em impressoras 3D. “Temos conhecimento de apenas mais duas empresas no mundo que fazem o mesmo que nós”, revelou.

Já Diego Mariano, da BirminD, explicou como sua empresa criou um algoritmo capaz de avaliar outros algoritmos da indústria de plástico, trazendo mais velocidade ao processo.

Nos próximos dias do evento, a Inova Plastic terá uma intensa programação voltada para as relações com startups e consumidores. Entre os destaques estão os desafios do plástico na indústria automobilística, a inovação centrada no consumidor, a manufatura do futuro, o plástico no mercado de calçados e a reciclagem de materiais plásticos. (Veja a programação completa clicando aqui).

Cases

Neste primeiro dia do evento, a JBS Ambiental apresentou seu case de Economia Circular do Plástico. De acordo com o executivo da empresa, Fábio Cardin Maranho, a implantação da reciclagem surgiu da necessidade de se descartar adequadamente os resíduos produzidos na indústria pecuária e hoje é um dos braços da empresa. “O diferencial da JBS Ambiental é investir na logística reversa. Hoje podemos dizer que os resíduos valem ouro”, explicou.

A primeira edição da Feiplastic foi realizada em 1987, como BRASILPLAST, com o apoio da Abiplast, e a partir de 2013 se internacionalizou como Feiplastic. A Feiplastic tem como uma de suas missões disseminar conteúdo e atualizar seu público com as principais tecnologias e inovações da indústria do plástico. Representa toda a cadeia produtiva do plástico, com players desde a matéria-prima e máquinas até reciclagem, proporcionando aos seus visitantes e expositores um ambiente favorável para geração de negócios e networking qualificado.

A Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast) representa o setor de transformados plásticos e reciclagem desde 1967, atuando para aumentar a competitividade da indústria. Para isso, realiza ações que promovem novas tecnologias, novos processos, pesquisa de produtos com foco na sustentabilidade, entre outras. A Abiplast representa atualmente 12,1 mil empresas que empregam um total de 322,9 mil pessoas.

A Reed Exhibitions Alcantara Machado atua no Brasil através dos seus escritórios em São Paulo, Recife e Ribeirão Preto com um portfólio de cerca de 40 marcas em todo o território nacional. Além do Brasil, a Reed Exhibitions atua em 42 países. São mais de 500 eventos distribuídos pelas Américas, Europa, Oriente Médio e Ásia.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Feiplastic

Curta nossa página no

Braskem enfatiza compromisso com Economia Circular na Feiplastic 2019

23/04/2019

Empresa apresenta os portfólios de reciclados e renováveis, além de soluções que reforçam a eficiência operacional

A Braskem está enfatizando durante a Feiplastic o seu posicionamento em prol da Economia Circular, conceito de consumo que busca formar um ciclo sustentável da produção ao descarte. Durante o evento, realizado de 22 a 26 de abril, no Expo Center Norte, em São Paulo (SP), o público pode conferir novidades no portfólio da companhia, como a ampliação das soluções em pós-consumo.

“Estamos empenhados em contribuir para a transformação da Economia Linear, pautada pela produção e descarte, em uma Economia Circular, que considera o descarte e a produção de forma cíclica. Acreditamos que a Feiplastic será um importante canal para ampliarmos a discussão a favor deste tema, sensibilizando a cadeia onde estamos inseridos”, explica Edison Terra, vice-presidente da Unidade de Poliolefinas América do Sul e Europa. A companhia assumiu, em novembro de 2018, um compromisso público onde comunica oito iniciativas em prol da Economia Circular, entre elas estão: os esforços para o desenvolvimento de parcerias com os clientes na concepção de novos produtos para ampliar a eficiência e facilitar a reciclagem e a reutilização de produtos plásticos.

Criada com o objetivo de estimular negócios que valorizam o resíduo plástico pós-consumo, a iniciativa Wecycle evolui trazendo novos grades ao mercado. O desenvolvimento de produtos e soluções a partir de resíduos plásticos é realizado por meio de parcerias com clientes, recicladores, cooperativas e brand owners, como o Grupo Pão de Açúcar, a Condor, a Embalixo e a Martiplast. A Braskem afirma que o novo portfólio de resinas recicladas reforça o seu compromisso com a cadeia do plástico no Brasil, a inovação e a sustentabilidade, alinhadas ao posicionamento em Economia Circular.

Outras soluções sustentáveis da companhia também são destaque no evento, tais como o portfólio renovável I’m greenTM, que conta com o Plástico Verde e o EVA Verde, ambas resinas produzidas a partir da cana-de-açúcar. Assim como a linha Maxio, composta por resinas que, segundo a Braskem, proporcionam redução do consumo de energia, maior produtividade e redução de peso do produto final.

No espaço da Braskem, os participantes da feira ainda tem a oportunidade de conhecer uma nova solução para o mercado de embalagem em stand-up pouch monomaterial, produto que facilita o processo de reciclagem. A empresa também está destacando os portfólios robustos para os segmentos de embalagens rígidas para produtos químicos e agroquímicos, tampas e resinas para produção de baldes de tintas.

“A Braskem tem acompanhado as principais tendências do mercado, mantendo-se na vanguarda do setor, sendo que este será o maior portfólio que já apresentamos em uma Feiplastic. Somos uma empresa apaixonada por transformar e, prezando pelo atendimento próximo e personalizado aos clientes, conseguimos desenvolver soluções que atendem as mais diversas necessidades”, afirma Terra.

Sensibilização interativa sobre reciclagem

O pós-consumo é parte fundamental do processo circular da economia e que necessita da participação ativa das pessoas para que funcione plenamente. Com o intuito de promover e apoiar o engajamento do consumidor neste ciclo, a Braskem traz à Feiplastic uma estrutura modular que comunica todas as etapas do processo de reciclagem de forma dinâmica e didática.

O projeto “Reciclar é Transformar” tem o objetivo de demonstrar todo o processo para o consumidor, desde a etapa de separação do resíduo até chegar na transformação de um novo produto, enfatizando a importância do descarte correto neste ciclo. A ativação esteve na Virada Sustentável de Porto Alegre (RS), realizada no início de abril, e estará presente em outros eventos ao longo de 2019.

Fabiana Quiroga, diretora de Reciclagem e Plataforma Wecycle da Braskem, explica que a companhia está comprometida com a educação e engajamento de toda a cadeia do plástico para com a reciclagem do material. “Acreditamos que iniciativas como esta são importantes para aumentar o conhecimento, bem como a valorização de resíduos plásticos na economia e, principalmente, o papel de todos nós no processo”, afirma a executiva.

Ainda na linha educacional, o Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico – PICPlast, iniciativa fruto da parceria entre ABIPLAST (Associação Brasileira da Indústria do Plástico) e Braskem, também tem espaço no estande da companhia. No local, estão sendo compartilhadas informações sobre a importância do consumo consciente e do descarte adequado de resíduos.

A participação do PICPlast faz parte de uma série de atividades previstas pelo programa para promover ações de estímulo à inovação, competitividade e desenvolvimento sustentável da indústria brasileira de transformação plástica.

Espaço Inova Plastic

Durante a Feiplastic, a Braskem participa também do Inova Plastic, espaço que busca debater tecnologia, inovação e tendências durante o evento. A empresa está presente de duas formas no espaço: Fabio Buckeridge, CDO da companhia, estará no painel “A Inovação na Era Digital”, abordando como soluções disruptivas contribuem para a competitividade e a produtividade da indústria química e petroquímica, favorecendo a cadeia do plástico. No espaço reservado para reciclagem, a Braskem participa com o 3R – Um novo conceito de resina reciclada, onde apresenta soluções que vem buscando para o desenvolvimento de novos materiais com foco em soluções mais disruptivas e que tenham maior potencial para melhorar o desempenho das propriedades dos materiais reciclados em diversas aplicações, ampliando a contribuição para Economia Circular.

Serviço:
Feiplastic 2019 – Feira Internacional do Plástico
Data: de 22 a 26 de abril, das 11h às 20h
Local: Expo Center Norte – Rua D – Pavilhão Vermelho
Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme, São Paulo (SP)

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

SABIC apresenta soluções sustentáveis para o mercado na Feiplastic 2019

23/04/2019

A SABIC está apresentando uma ampla gama de tecnologias em polímeros termoplásticos na Feiplastic 2019 (stand D43). Os destaques fazem parte do portfólio da empresa para atender a demandas em constante mudança nos diversos setores da indústria para clientes da América Latina.

Com um stand projetado para refletir o posicionamento de inovação, foco no mercado e nas necessidades dos clientes, a SABIC traz soluções para os setores automotivo, construção civil (incluindo tubulações e utilidades), bens de consumo, eletroeletrônica, embalagens, saúde e cuidados pessoais.

“Nós estamos constantemente focados no futuro para entender os desafios, forças e megatendências que impactam nossos clientes”, diz Abdulrahman Al-Fageeh, Vice-Presidente Executivo da divisão petroquímica da SABIC. “Isso nos permite entender melhor suas necessidades. Nós também estamos preparados para colaborar com eficácia ao longo da cadeia de valor de nossos clientes, desenvolvendo soluções diferenciadas para atender especificações inovadoras e oferecer novas oportunidades.”

Posicionamento fortalecido para atender clientes na América Latina

Al-Fageeh também comentou os contínuos esforços da SABIC para fortalecer sua posição na América Latina, como parceira em desenvolver soluções a longo prazo: “Nós atendemos clientes em constante crescimento, cultivamos relacionamentos e a confiança desses clientes para estabelecermos parcerias a longo prazo.”

Desde a Feiplastic 2017, a SABIC tem investido em infraestrutura para ajudar na melhoria do lead time e proporcionar mais eficiência na entrega aos seus clientes. Isso inclui a construção de novos silos em sua planta industrial de Campinas-SP para melhorar a performance na entrega de produtos. Além disso, a empresa inaugurou um novo centro de distribuição e hub logístico em Diadema- SP, que permitiu atender à crescente demanda por materiais de polietileno (PE) e polipropileno (PP).

A SABIC e sua parceira em joint venture, Exxon Mobil, avançam no projeto Gulf Cost Growth Ventures, que propõe a construção de um cracker de vapor de etano para suprir uma unidade de etilenoglicol e duas de polietileno. A iniciativa ainda está em fase de aprovações.

A melhoria no acesso aos materiais de PE e PP da SABIC é iminente, uma vez que a empresa vem se antecipando à perspectiva de crescimento dos clientes na América Latina, especialmente nos segmentos automotivo, de embalagens e tubulações. A expectativa de crescimento na demanda por plásticos se dá pela tendência de aumento da população regional e na renda da classe média ao longo da próxima década.

Novidades da SABIC na Feiplastic

Na Feiplastic 2019, a SABIC destaca pela primeira vez o seu segmento industrial dedicado a tampas e fechamentos – Caps & Closures. A empresa firma que está apresentando soluções com materiais mais leves e otimizados que podem ajudar a desenvolver tampas otimizadas, mais leves, fáceis de processar, proporcionando-lhes funcionalidade aprimorada, pureza, segurança do conteúdo e custo-benefício.

A SABIC também destaca pela primeira vez seus desenvolvimentos em materiais não-tecidos. Segundo a empresa, a tecnologia é direcionada para aplicações mais leves, eficientes, confortáveis e sustentáveis no segmento de higiene pessoal. Estas soluções incluem os polímeros SABIC® PP livres de ftalatos para não-tecidos, que podem auxiliar clientes a enfrentar os desafios de compliance e legislações, além de aumentar a funcionalidade e a eficiência em custos, afirma a empresa.

Para clientes da construção civil, a SABIC apresenta os painéis STADECK™, aplicados em serviços pesados e andaimes. Segundo a SABIC, os painéis são produzidos a partir de fibra de vidro reforçada com resina termoplástica, sendo leves, fortes e duráveis. Quando comparado às placas de madeira, o produto se revela uma alternativa mais sustentável devido ao seu potencial de reciclagem e peso, que chega a ser 60% menor, afirma a empresa.

Já para a indústria automotiva, a SABIC destaca em seu portfólio de compostos de polipropileno SABIC® (PP) um novo composto que, segundo a empresa, proporciona sensação de maciez ao toque, combinada com desempenho contra riscos em componentes de baixo brilho e sem pintura para o interior dos veículos. A SABIC afirma que os novos compostos oferecem acabamento e percepção tátil luxuosas, adequadas às atuais expectativas dos consumidores, inclusive em modelos com preços mais baixos. A fabricante de matérias-primas também apresenta uma ampla gama de aplicações em diversas partes dos veículos, através do uso dos seus termoplásticos de Engenharia (ETP) e da linha STAMAX™ (PPLGF) capazes de substituir o uso de materiais convencionais como vidro, metais e resinas termofixas, com redução do peso e possíveis reduções de emissões.

A SABIC também apresenta uma linha de termoplásticos retardantes a chamas para aplicações eletroeletrônicas, cujas especificações atendem normas globais de inflamabilidade.

Viabilizando a Sustentabilidade

No estande da SABIC, há um espaço dedicado à exibição de seu compromisso com a sustentabilidade e soluções circulares. Destacam-se as recentes inovações da empresa na produção de polímeros circulares certificados, fabricados com o uso de matéria-prima que mistura lixo plástico que seria destinado à incineração ou aterros sanitários. Estes materiais de PE e PP podem ajudar os clientes da SABIC a atender às demandas de seus consumidores por produtos mais sustentáveis e contribuir com o fechamento do ciclo de descarte adequado de plásticos.

“A SABIC é líder do setor em scale-up processos de reciclagem de alta qualidade para reciclagem química de resíduos plásticos misturados ao polímero original”, disse Al-Fageeh. “Entendemos muito bem as pressões sobre a sociedade, o meio ambiente e nossos clientes. Para nós, é uma obrigação fazer a nossa parte e ajudar a tornar a sustentabilidade viável para as indústrias que atendemos e para as regiões em que operamos”.

Com sede localizada em Riyadh, na Arábia Saudita, a SABIC produz em escala global nas Américas, Europa, Oriente Médio e Ásia. O portfólio da empresa engloba químicos, plásticos comuns e de alta performance, nutrientes agrícolas e metais, aplicados a mercados como os da construção civil, saúde, embalagens, nutrientes agrícolas, eletroeletrônica, transportes e energia limpa. A SABIC registrou lucro líquido de US$ 5,74 bilhões em 2018. As receitas em vendas totalizaram US$ 45 bilhões no mesmo ano, com patrimônio atingindo o valor de US$ 85,4 bilhões. A produção registrada em 2018 foi de 75,3 milhões de toneladas. A SABIC tem mais de 33 mil funcionários ao redor do mundo e opera em mais de 50 países, possuindo 11.500 patentes globais e estruturas de pesquisa em hubs de inovação localizados em cinco regiões-chave: Estados Unidos, Europa, Oriente Médio, Sudeste Asiático e Norte da Ásia.

Fonte: Assessoria de Imprensa – SABIC

Curta nossa página no

Sustentabilidade é um dos focos da Radici durante a Feiplastic 2019

23/04/2019

A Radici Plastics Ltda – Brasil, empresa do Grupo Radici atuante no mercado sul americano de polímeros técnicos, participa de 22 a 26 de abril na feira do setor Feiplastic (Expo Center Norte, Estande L42) com o objetivo de destacar a atenção para as aplicações de seus produtos e a ressaltar a preocupação com a sustentabilidade.

Com ações efetivas, em todas as suas unidades fabris, a companhia tem conquistado um patamar de excelência na área de responsabilidade ambiental. E no Brasil, os resultados são bem expressivos. Entre eles estão o controle e reuso do sistema de água, instalação de iluminação de LED no chão de fábrica e a aquisição de equipamentos mais eficientes – que já apontam uma redução no consumo de energia na ordem de 13%, ao ano. Estas e outras ações serão divulgadas na Feiplastic, que acontece entre os dias 22 e 26 de abril, no Expo Center Norte (SP).

“Estamos sempre em busca de novas ferramentas e soluções que agreguem rentabilidade e produtividade, mas sempre respeitando as condutas socioambientais. Nos últimos dois anos investimos mais de R$ 13 milhões no nosso Centro de Pesquisa e parque industrial, e aumentamos significativamente à capacidade instalada para produção de compostos, aperfeiçoamos o nosso laboratório e os resultados vão muito além da produção, pois conseguimos reduzir o consumo de energia e dos recursos hídricos. Ou seja, estamos crescendo de maneira eficaz, sustentável e orgânica”, declara Jane Campos – Country Manager da filial brasileira.

Além destas economias, a Radici também reduziu, expressivamente, a emissão de fumaça preta e o descarte de resíduos. Neste último, a meta da companhia é atingir o índice de 0% de rejeitos no chão de fábrica, em cinco anos.

Outra ação adotada, no início deste ano, foi o projeto Operation Clean Sweep (OCS) – programa internacional promovido por associações comerciais para neutralizar a dispersão de pós e grânulos de plástico no ambiente, com atenção para o manuseio dos produtos a partir da entrada na fábrica das matérias-primas até a saída dos produtos semiacabados destinados aos clientes.

De acordo com a Jane, a Radici ingressou no OCS voluntariamente, como estratégia de negócios, pois o programa vai de encontro com as premissas mundiais da companhia. “Estamos trabalhando no mapeamento de geração de resíduos, com planos de contingência para diminuir a perda de pellets e atender todos os requisitos do projeto. Desta maneira, conseguimos ampliar o nosso pilar de sustentabilidade”, ressalta.

Todas estas ações visam aprimorar o padrão de qualidade para atender a demanda dos mercados-alvo, que inclui a indústria automotiva, o setor de eletroeletrônicos e de embalagens. “Estamos confiantes. Por isso, vamos manter o nosso modelo de negócios, com atendimento personalizado, oferta de produtos e, acima de tudo, investir na capacitação e no reconhecimento dos nossos colaboradores”, finaliza Jane.

Atualmente, a unidade brasileira é responsável pelo mercado da América do Sul e conta com distribuidores no Chile, Argentina, Colômbia e Peru. Totalizando mais de 90 colaboradores diretos e indiretos.

Com mais de três mil colaboradores, um faturamento de mais 1.14 bilhões de euros em 2017 e uma rede de fábricas e sedes comerciais localizadas entre a Europa, América do Norte e do Sul e a Ásia, a RadiciGroup é considerado um dos principais líderes mundiais na produção de uma ampla gama de produtos químicos, polímeros de poliamida, tecnopolímeros, fibras sintéticas e não tecidos, com aplicações em múltiplos setores industriais como: automotivo, elétrico/eletrônicos, bens de consumo, vestuário, mobiliário, imobiliário, eletrodomésticos e esportivos.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Radici Group

Curta nossa página no