Archive for the ‘Espuma’ Category

Plastivida lança a campanha “Recicla Isopor®” durante conferência em São Paulo

21/09/2015

A ação tem o objetivo de conscientizar a sociedade sobre a importância da reciclagem do produto e será lançada na 14a Conferência de Produção Mais Limpa e Mudanças Climáticas

A Plastivida, em parceria com a Comissão de EPS da Abiquim, lançará, no dia 22 de setembro, durante a 14a Conferência de Produção Mais Limpa e Mudanças Climáticas, a campanha “Recicla Isopor®”. A ação tem o objetivo de informar à sociedade que o EPS (popularmente conhecido no Brasil como IsoporR, marca registrada pela empresa Knauf Isopor) é um plástico 100% reciclável.

A campanha pretende também estimular os participantes do evento a levarem embalagens de EPS para reciclagem. Um ponto de coleta será instalado na conferência para receber o material levado pelo público.

No stand da campanha, haverá uma degasadora em funcionamento para mostrar aos visitantes o processo de compactação do EPS e sua preparação para ser transformado em um novo produto. As embalagens compactadas durante o evento serão doadas para a Cooperativa Coopervivabem, que as comercializará, gerando assim renda para os cooperados.

“Nosso objetivo maior é estimular a prática do consumo responsável e do descarte adequado, com base na disseminação do conhecimento sobre a reciclabilidade do material, além de ser uma ação de sustentabilidade, que gera benefícios ambientais, sociais e econômicos”, explica Miguel Bahiense, presidente da Plastivida.

Além de conhecer o processo de compactação, os participantes receberão um brinde produzido com EPS reciclado e poderão ver na prática o resultado da transformação de resíduos plásticos em novos produtos.

A 14a Conferência de Produção Mais Limpa e Mudanças Climáticas traz este ano o tema “Água e Energia – Crise e superação sustentável” e tem como objetivo promover um amplo debate com a iniciativa privada, administração pública, terceiro setor, instituições de ensino, associações e entidades patronais e profissionais, mídia e sociedade civil organizada sobre experiências e práticas da sustentabilidade nas empresas do setor público e privado, indústrias, comércio e serviços, órgãos públicos, universidades e ONGs. Além das palestras, será realizada uma exposição de produtos e serviços que proporcionam benefícios ambientais para disseminar seu uso e promover a inovação e boas iniciativas. O evento é gratuito e aberto ao público. As inscrições podem ser feitas no endereço eletrônico http://anggulo.com.br/p+l/inscr.html

Serviço: 14o. Conferência de Produção Mais Limpa e Mudanças Climáticas
Data: 22 de setembro
Horário: das 8h30 às 17h
Local: Sede da APCD (Rua Voluntários da Pátria, 547, Santana, São Paulo/SP)

Fonte: Plastivida

Curta nossa página no

Anúncios

Termotécnica lança caixa de abelhas em isopor

06/08/2015

Produto pode triplicar a produtividade e auxiliar os apicultores no manejo

TermotecnicaMaisMel é uma nova opção de caixa de abelhas, disponível para o mercado de apicultura. Produzida em EPS ( mais conhecido como isopor®) pela Termotécnica, apresenta uma série de diferenciais em comparação à caixa semelhante, feita de madeira, afirma o fabricante. Além do design e do isolamento térmico, pensados para atender as necessidades e os hábitos das abelhas, seu peso e ergonomia facilitam a disposição, manutenção e transporte das caixas.

A importância do isolamento térmico

Segundo a Termotécnica, a caixa MaisMel mantém uma melhor estabilidade térmica dentro da caixa, gerando conforto e reduzindo o stress das abelhas, que não precisam se movimentar tanto ou consumir parte do mel estocado para repor energia ou amenizar as diferenças de temperatura na colmeia – normalmente, em torno de 33° a 36°C. Assim, elas ficam mais saudáveis e ampliam a produção do mel, pois potencializam sua atividade.

Franciele Silveira D’avila, que atua no setor de Pesquisa e Desenvolvimento da Termotécnica, conta que a estabilidade da temperatura presente na MaisMel é positiva sob diversos aspectos, inclusive no equilíbrio do enxame em relação à manutenção das crias e reprodução. “As abelhas se movimentam menos para aquecer o ninho e as crias, possibilitando melhor desenvolvimento do enxame, a maior dedicação à estocagem do mel e, consequentemente, aumentando sua produtividade”, ressalta. Ela destaca também que o novo produto está de acordo com a ABNT NBR 15713.

Incentivo à agricultura familiar

Contribuir para o desenvolvimento da agricultura familiar e a transformação da apicultura num negócio cada vez mais rentável, o que se reflete diretamente na redução do êxodo rural, também faz parte dos objetivos que levaram a Termotécnica a investir no desenvolvimento de uma caixa de abelha em EPS. Além disso, a empresa é signatária do Save Food Initiative, programa da FAO, Agência para a Agricultura e Alimentação das Nações Unidas, contra o desperdício de alimentos.

Pesquisa e Universidade de referência na área comprovam eficácia

Sob a coordenação da Profa. Dra. Lucimar Pontara Peres, do Departamento de Zootécnica da Universidade Estadual de Maringá (UEM), foi realizada uma pesquisa e experiências em campo, para avaliar os dados preliminares do desempenho do novo produto.

No setor de Apicultura da Fazenda Experimental de Iguatemi (FEI) da UEM, foram dispostas 15 caixas padrão, modelo Langstroth, sendo cinco caixas fabricadas de madeira de eucalipto  com cobertura de fibroamianto (T1), cinco caixas com cobertura de telha PET (T2) e cinco caixas de EPS (T3), dispostas em paralelo e com as mesmas condições de estruturas, espaço, luminosidade e umidade. Elas receberam, inclusive, abelhas rainhas virgens com o mesmo perfil genético, para que a liderança dos enxames não influenciasse o resultado.

Entre dezembro de 2013 e março de 2014, foram coletadas amostras para análises físico-químicas efetuadas no laboratório de Farmácia e Farmacologia da UEM, seguindo as recomendações contidas na Instrução Normativa do Ministério da Agricultura e do Abastecimento  (Brasil, 2000).

Resultados surpreendentes

Os enxames alojados em ninhos fabricados de EPS da Termotécnica apresentaram uma produção em quilos mais alta e significativa (T3=30,5a) se comparados aos demais tratamentos (T1=17,2b e T2=7,05c).  Nas condições do estudo, a caixa de EPS chegou a produzir duas vezes mais mel do que a caixa de madeira com fibroamianto e três vezes mais mel do que a com cobertura de telha PET.

A Profa Dra. Lucimar Pontara Peres comenta que os ninhos fabricados em EPS foram beneficiados pelo conforto térmico e seu enxame se desenvolveu melhor. Ela destaca como exemplo dessa melhoria a umidade (%) dos méis, que foi de: T1=17,8b; T2=18,8c; T3=17a e a acidez livre (meq/Kg) de 38,17b; 36,71a; 39,7c . O mel produzido em caixas de EPS apresentou resultados de umidade abaixo do limite de 20%, de acordo com a legislação vigente. A acidez livre do mel produzida pelo enxame de caixas em EPS se encontra dentro da normalidade.

As tendências evidenciam um resultado positivo para a caixa MaisMel por causa da estabilidade na homeostase, ou seja, a temperatura é estável e a pressão é apropriada. Assim, e consequentemente tiveram maior produtividade.

Mais inovação

Novas pesquisas estão sendo validadas e o grupo vem desenvolvendo – em parceria com o Departamento de Zootecnia e de Informática da UEM – um protótipo de sistema móvel que registra imagens e monitora a temperatura interna e umidade de clusters de Apis mellifera africanizada por 24 horas durante 18 meses.

A Termotécnica, empresa com 53 anos de existência, é a maior indústria transformadora de EPS da América Latina e líder no mercado brasileiro deste segmento. Produz soluções para Construção Civil, Embalagens e Peças Técnicas, Conservação, Agronegócios e Movimentação de Cargas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Termotécnica

Curta nossa página no

Programa de Logística Reversa da Termotécnica promove reciclagem de EPS

06/07/2015

Termotécnica disponibiliza pontos de coleta e usinas de reciclagem, atendendo à PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos)

Ponto de coleta de EPS em Joinville (SC)

Ponto de coleta de EPS em Joinville (SC)

Ao sair da fábrica, eletrodomésticos, refrigeradores e fogões são embalados em EPS –  sigla para poliestireno expandido, conhecido como isopor®. Ao comprá-los, o consumidor recebe um volume grande deste produto, que protege seu transporte. Mas na hora do descarte, muitas vezes fica a dúvida sobre qual o destino correto para o EPS. Vai para o lixo comum ? É reciclável ?

A Termotécnica – uma das maiores indústrias mundiais de transformação de EPS (isopor®), líder no mercado brasileiro deste segmento – detalha e orienta a comunidade a partir do Programa Reciclar EPS.

O EPS é um material 100% reciclável. De acordo com a Plastivida – Instituto Sócio-ambiental dos Plásticos, foram reciclados 34,5% do EPS pós-consumo no Brasil em 2013. A partir de um trabalho de Logística Reversa, 13.570 toneladas do produto utilizadas para embalagem deixaram de ir para aterros e voltaram para o mercado com valor agregado.

Engajamento pela reciclagem

Com a implantação da logística reversa de embalagens, já atendendo às diretrizes da PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos), a Termotécnica liderou todos os envolvidos na cadeia de consumo do EPS, agregando clientes, varejistas, concorrentes, fornecedores, importadores, catadores e consumidores. A empresa afirma que, desde 2007, já reciclou mais de 30 mil toneladas de EPS, o que correspondente a 30% de todo o EPS que é reciclado no país.

O Programa Reciclar EPS da Termotécnica inclui a fase do recolhimento do EPS pós-consumo, a partir de mais de 1.200 pontos de coleta e da parceria com 370 cooperativas de reciclagem em todo o país. O EPS recolhido é encaminhado para as usinas de reciclagem mantidas pela empresa, onde é produzida a nova matéria-prima, que será reintroduzida no mercado a partir de novos produtos, como molduras para quadros e rodapés de parede.

Portal orienta e facilita

Com o objetivo de fortalecer a divulgação do Programa, a Termotécnica lançou o Portal Reciclar EPS (www.reciclareps.com.br). Consultando o portal, qualquer pessoa ou empresa em todo o Brasil pode encontrar o ponto de coleta e reciclagem mais próximo.

Com estas iniciativas, a sustentabilidade ganhou relevância no modelo de negócio da empresa e passou a ser considerada um objetivo estratégico .

Números da reciclagem de EPS da Termotécnica

– Mais de 30 mil toneladas de EPS reciclado pela empresa desde 2007
– Empregos gerados: 100 empregos diretos/ano e 5000 famílias envolvidas.
– Eficiência energética: Redução de 1/3 em energia e insumos
– Pontos de Coleta de EPS: Mais de 1.200
– Cooperativas envolvidas: 370
– Utilização de matéria prima: Redução de 20% de matéria prima virgem substituída por EPS pós-consumo.
– Beneficiadas: estudantes, comunidade e organizações comunitárias

A Termotécnica é a maior indústria transformadora de EPS da América Latina e líder no mercado brasileiro deste segmento. Produz soluções para Construção Civil, Embalagens e Peças Técnicas, Conservação, Agronegócios e Movimentação de Cargas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Termotécnica

Curta nossa página no

Reciclagem de EPS será destaque na Feiplastic 2015

01/05/2015

Mais conhecido como Isopor®, marca registrada da empresa Knauf, o EPS é um plástico 100% reciclável e com diversas aplicações voltadas para a construção, embalagens entre outros segmentos.

Plastivida_Isopor_ReciclavelO EPS (poliestireno expandido, mais conhecido por Isopor®,  marca registrada da  empresa Knauf), é um plástico e é 100% reciclável. Durante a Feiplastic 2015, a maior feira do setor do plástico da América Latina, que será realizada em maio, na cidade de São Paulo, a reciclagem do EPS será um dos temas em destaque pela Plastivida – Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos. Durante o evento, os visitantes poderão conhecer mais sobre o processo de preparação do EPS para reciclagem e os produtos resultados dessa transformação.

O EPS é um plástico que em seu processo de fabricação tem seu volume aumentado por gases. O produto final tem até 98% de ar e apenas 2% de poliestireno. Nesse processo não é utilizado o gás CFC ou qualquer um de seus substitutos. Os produtos de EPS são inertes e não contaminam o solo, água e ar. São 100% reaproveitáveis e recicláveis e podem, inclusive, voltar à condição de matéria-prima.

De acordo com pesquisa encomendada pela Plastivida, o Brasil recicla 35,5% do EPS e a Construção Civil é o maior mercado para o EPS reciclado, com cerca de 80% (misturado em argamassa, concreto leve, lajotas, telhas termoacústicas, rodapés e decks de piscinas). Outras aplicações são verificadas para a indústria de calçados (solados, chinelos), móveis (preenchimento de puffs, por exemplo), na fabricação de utilidades domésticas (vasos de flor, floreiras, molduras de quadro), entre outros produtos.

Segundo Miguel Bahiense, presidente da Plastivida, os números da reciclagem do EPS  podem crescer com informação adequada sobre a coleta seletiva do produto e com a valorização dos processos de reciclagem. “Em suas aplicações, o EPS apresenta inúmeras vantagens, como capacidade de isolamento térmico, leveza, resistência química, mecânica, versatilidade e outras que fazem com que ele seja cada dia mais utilizado como uma opção que promove sustentabilidade e desenvolvimento”, afirma o executivo. E completa: “a reciclagem do EPS fecha o ciclo de sustentabilidade do produto, resultando em ganhos econômicos, sociais e ambientais.”

Serviço: Visite a Plastivida na Feiplastic 2015
Localização: Rua D, estande 010
Data: 4 a 8 e maio
Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi (Av. Olavo Fontoura, 1.209 – Santana – São Paulo/SP)
Horário da exposição: 11h às 20h

Fonte: Assessoria de Imprensa – Plastivida

Curta nossa página no

BASF amplia sua gama de espumas de melamina para conforto acústico de interiores

15/04/2015
  • Espuma branca usada especificamente para aplicações visíveis em interiores
  • Excelente absorção acústica combinada com alto grau de reflexão de luz
  • Inúmeras opções para a criação de designs atrativos

Basf_Basotect_BA BASF expande sua gama de espumas de melamina Basotect® com uma versão que foi desenvolvida especificamente para aplicações visíveis. O novo Basotect® B é branco e atende aos padrões de exigências quando utilizado como absorvente de som para melhorar a acústica de ambientes internos, afirma a empresa.

Liberdade de novos designs em interiores

A nova espuma melamínica oferece novas opções de design. Ambientes iluminados com luz natural podem ser utilizados como vitrine para o Basotect® B branco. “A demanda de arquitetos e designers pela absorção acústica visualmente atraente é muito alta”, diz Johannes Kiefer, Professor no Departamento de Design, Ciência da Computação, Mídia na Universidade de Ciências Aplicadas de RheinMain em Wiesbaden. Segundo a BASF, o Basotect® B oferece possibilidades de design atraentes, graças à sua cor branca e as diversas opções para moldá-lo. Além de propriedades como a excelente absorção de som, elevada segurança ao fogo (não propaga chamas e não libera fumaça tóxica em situações de incêndio), alta rigidez, e facilidade de processamento, o Basotect® B tem um alto grau de reflexão de luz, que pode ajudar a diminuir a demanda de iluminação e, assim, economizar energia, afirma a empresa.

Projeto de alunos destaca opções criativas de design

Alunos que cursam design de interiores na Universidade de Ciências Aplicadas em Wiesbaden demonstraram em um projeto quais opções de design são possíveis com o Basotect® B branco. A estrutura ondulada do objeto em exposição foi desenhada por Vanessa Kaufmann e remete as ondas sonoras que são absorvidas pelo Basotect®. A combinação com a luz proporciona uma aparência atraente e animada. O design foi desenvolvido em conjunto com a BASF e exibido no estande da BASF no BAU 2015.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Caixas da Termotécnica em EPS mantém frutas saudáveis por mais tempo

18/03/2015

Termotecnica_dacolheitaA Linha DaColheita, da Termotécnica, compreende caixas para acondicionamento de frutas feitas em EPS(isopor®). Seu diferencial de maior destaque é a conservação térmica. Ao manter a temperatura dentro da caixa, a fruta sofre menor perda de peso, desidratação e mantém seu teor vitamínico por mais tempo.

As conservadoras DaColheita já são utilizadas com sucesso por produtores de frutas premium de Petrolina (PE), no Vale do São Francisco, onde a Termotécnica tem uma unidade fabril para atender este mercado em franco desenvolvimento.

De acordo com o Gerente Comercial da Fazenda Special Fruit, Roberto Carvalho, da cidade de Petrolina, as conservadoras em EPS da Termotécnica têm como principal benefício o aumento na vida de prateleira da fruta. “Identificamos que as uvas acondicionadas e transportadas em EPS duravam em torno de 20% a mais de tempo nas prateleiras, em comparação com as frutas nas embalagens de papelão”, explica Roberto.

A Fazenda Special Fruit é cliente da Termotécnica há quatro anos, consumindo cerca de 600 mil embalagens DaColhieta por ano de EPS para uvas. Além do ganho em maior tempo de conservação, Roberto destaca que os clientes que preferem a embalagem de EPS costumam ser os mais exigentes. “Além de terem o produto por mais tempo nas prateleiras, esses clientes também buscam uma melhor apresentação da fruta, que se destaca quando está no EPS”, frisa. A Special Fruit comercializa a marca Suemi no mercado interno e para exportação.

A Cooperativa de Agronegócio de Juazeiro adotou há mais de dois anos as conservadoras de EPS para transporte e comercialização de uvas do segmento premium. De acordo com o engenheiro agrônomo Junior Silveira, responsável pela área Comercial da cooperativa, as embalagens de EPS trazem uma impressão bastante positiva no aspecto visual, de higiene, no contraste das frutas que ficam mais vistosas e com um visual fantástico. “Nossas vendas foram alavancadas com as embalagens DaColheita, proporcionando agregação de valor principalmente para os mercados de São Paulo e Rio de Janeiro”, revela Silveira.

Segundo a Gerente Comercial da Termotécnica, Maida Rodrigues, as conservadoras em EPS também proporcionam ao produtor a facilidade e durabilidade durante o transporte e empilhamento, já que o material tem alta resistência ao peso e absorve bem os impactos. “Além disso, para o varejista, as conservadoras DaColheita agregam uma melhor estética na exposição dos produtos pois mantêm o formato e não absorvem umidade e, para o consumidor final, garantem a integridade das características nutricionais, ou seja, um produto de maior qualidade”, ressalta Maida.

A engenheira de alimentos, Franciele D’avila, que atua na área de Pesquisa e Desenvolvimento da Termotécnica, reforça que os benefícios com o armazenamento da uva em EPS são muito significativos e vão desde a otimização da mão de obra na fazenda, a menor perda de água e vitamina C da fruta, a menor perda de degrana, até a satisfação dos consumidores. Ela ainda complementa que, além de testes internos, estudos de centros de pesquisa e universidades de renome mundial comprovam a superioridade das características de conservação pelo EPS.

Segundo a Termotécnica, um desses estudos, conduzido pelo Korean Food Research Institute, entidade localizada na Coreia do Sul, que estuda tecnologias de base sobre o armazenamento, segurança e distribuição de alimentos para melhorar a saúde das pessoas e a qualidade de sua vida, realizou uma série de pesquisas que destacam o percentual de vitamina C de frutas e legumes, após uma semana de armazenamento em embalagens de EPS e papelão. A média de ganhos com o EPS é significativa. Ao comparar a conservação de uvas quando armazenadas em embalagens semelhantes, sendo uma de papelão e outra de EPS, verifica-se um aproveitamento de mais de 40% superior quando armazenada na embalagem de EPS.

Sobre a Termotécnica:  maior indústria transformadora de EPS da América Latina e líder no mercado brasileiro deste segmento a Termotécnica produz soluções para Construção Civil, Embalagens e Peças Técnicas, Conservação, Agronegócios e Movimentação de Cargas.

Fonte: Assessoria de Comunicação / Termotécnica

Curta nossa página no

Poliuretano Termoplástico Expandido da BASF confere novas propriedades a tênis de corrida da Adidas

29/08/2013
  • Nova espuma InfinergyTM da BASF usada em calçados adidas para corrida
  •  Jogging mais confortável: material exclusivo revestido com espuma oferece efeito  mola e propriedades de amortecimento
  •  Maior efeito elástico: estrutura com câmara de ar especial de esferas de espuma fundidas retorna energia em grande proporção
  • Leve e flexível: poliuretano termoplástico expandido confere novas aplicações.

BASF_AdidasO mundo está em movimento. Para manter a boa forma, cada vez mais pessoas caminham quilômetros em campos e estradas. Pode-se correr simplesmente em qualquer lugar. Tudo o que se precisa são de  roupas confortáveis e calçados para corrida. A indústria mundial de equipamentos esportivos está se beneficiando de um maior entusiasmo por corrida: mundialmente, os corredores investem cerca de €15 bilhões em equipamentos. Os clientes colocam prioridade máxima em bons calçados. Mesmo as pessoas que praticam jogging eventualmente procuram solados leves que proporcionem excelente absorção de choque e mais conforto durante a corrida.

Os calçados esportivos atuais são genuinamente produtos de alta tecnologia se comparados com as versões anteriores: os inúmeros materiais diferentes utilizados para fabricar os calçados os tornam leves e estáveis. Os materiais permitem que os calçados sejam personalizados com precisão para se ajustar ao estilo de corrida.

Tudo isto pode ser confirmado ao observarmos os laboratórios de desenvolvimento dos fabricantes de calçados esportivos: as amostras de teste passam por placas de medição de pressão que analisam e avaliam todos os passos. Câmeras de alta velocidade filmam os padrões de movimento e o deslocamento da planta dos pés nos mínimos detalhes. Toda esta informação segue para o design do calçado, que permite aos atletas conquistarem novos recordes pessoais – além de oferecer aos corredores recreativos excelentes condições de corrida.

Os fabricantes estão em busca permanente por tecnologias de ponta e materiais inovadores. A adidas também desenvolve constantemente seus calçados para corrida. A empresa, com sede em Herzogenaurach, Alemanha, já conta com o suporte dos especialistas da BASF há mais de 20 anos. Ao utilizar a nova espuma InfinergyTM da BASF, a adidas desenvolveu o Energy Boost, um calçado para corrida completamente novo com molas e propriedades amortecedoras. A entressola do calçado é seu recurso diferencial, o elemento central de todos os calçados para corrida. Ela é feita de uma nova espuma em partículas capaz de absorver o impacto de choque nos pés durante a prática do jogging, ao mesmo tempo que os amortece simultaneamente. Segundo a BASF, o alto efeito elástico do material proporciona ao corredor um retorno de energia não oferecido por nenhum outro calçado para corrida.

O Infinergy é feito de poliuretano termoplástico expandido (E-TPU). “O E-TPU é produzido pela formação de espuma do material primário, grânulos de TPU” , explica o Dr. Uwe Keppeler, desenvolvedor de materiais e processos da BASF. “Depois do pré-tratamento com pressão e calor, os grânulos individuais que medem até cinco milímetros estouram como pipoca”. No processo, seu volume aumenta dez vezes para produzir esferas de espuma ovais com bolhas de gás fechadas no interior. “Estas câmaras de ar vedadas tornam as esferas de espuma leves bastante elásticas e proporcionam o efeito elástico desejado. As esferas individuais podem ser ilustradas como bolas de futebol minúsculas: quanto mais ar elas contêm, mais elas batem e voltam”, diz o Dr. Frank Prissok, cientista de pesquisas da BASF.

2.500 esferas de espuma em um calçado

Para todas as entressolas, a adidas precisa de aproximadamente 2.500  pequenas esferas. Para transformá-las na forma desejada, elas são tratadas com vapor quente, um processo no qual a camada externa das esferas derrete levemente, fazendo com que as mesmas se unam e tomem uma forma estável. A estrutura interna das câmaras de ar permanece inalterada por meio do processo.

De acordo com a BASF, uma entressola feita de Infinergy pode ser comprimida a um grau extremo: até cerca de metade de seu volume a uma pressão de dois bars. Esta propriedade é particularmente eficaz na absorção de impacto do choque nos pés. Assim que o impulso compressivo diminui, a espuma retorna a sua forma inicial em velocidade relâmpago. O solado, portanto, absorve a energia do corredor, mas depois retorna uma grande quantidade para o corredor. Este efeito elástico das esferas individuais de Infinergy transforma literalmente os calçados do corredor em fontes de energia: “Quando os pés pressionam o piso, a força despendida é amplamente retornada ao atleta. Isto resulta em um comportamento de corrida completamente novo e melhor. Muitos corredores dizem que o calçado parece estar praticamente vivo”, explica Gerd Manz, Diretor Sênior Mundial de Inovação em Marcas da adidas. Outra vantagem da espuma, segundo a BASF, é que ela não é apenas leve, mas também mantém sua elasticidade em uma ampla faixa de temperaturas. As partículas garantem que o calçado Energy Boost também retenha suas propriedades positivas a menos 20ºC. “As características de corrida são, portanto, as mesmas em temperaturas congelantes como a 30ºC”, diz Manz.

Material para pneus que não furam

Muito leve e elástico – estas propriedades especiais fazem de Infinergy um material com uma ampla variedade de aplicações, afirma a BASF. Algumas das aplicações já estão em fase de ensaio. Outras talvez estejam distantes, mas certamente são viáveis: no futuro, a espuma da BASF poderá, por exemplo, tornar uma realidade o pneu de bicicleta que nunca fura, algo com o qual muitos ciclistas sonham.
Infinergy também é potencialmente ideal como piso para pistas de corrida. Para os fabricantes da indústria automotiva, que estão sempre em busca de materiais leves e robustos, a espuma de especialidades da BASF também oferece oportunidades completamente novas.

“Combinando propriedades irreconciliáveis”

Segundo Gerd Manz, Diretor Sênior Mundial de Inovação em Marcas da Adidas, o novo material da BASF permite a combinação de propriedades, tais como suavidade e resiliência altamente reativa – duas características consideradas irreconciliáveis anteriormente. A entressola do Energy Boost oferece uma experiência em corrida completamente nova.

Afirma Manz que durante o teste do novo material pela adidas, entras outras coisas, eles simularam o impacto do salto para medir o retorno de energia do material. Descobriram que o plástico de especialidades da BASF retorna a energia muito melhor que os materiais anteriores. Analisaram também a estabilidade de temperatura na câmara climática e descobriram que o material do solado oferece resistência à temperatura três vezes mais em comparação à espuma convencional.

Sobre a durabilidade do solado, afirma Manz: ” No teste de compressão, o material foi comprimido 10.000 vezes para avaliarmos sua resistência: apesar de a espuma ser mais macia do que os materiais anteriores, a estrutura das células permanece intacta por muito mais tempo e o calçado retém suas propriedades por centenas de quilômetros.”

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Termotécnica apresenta Sistema Construtivo com EPS durante Feira do Concreto em São Paulo

26/08/2013

Termotecnica_Monoforte_1O Sistema Construtivo Monoforte, feito a partir de painéis monolíticos de EPS (isopor®) e telas de aço galvanizado, será uma das atrações do Concrete Show, maior evento da cadeia produtiva do concreto do Brasil, que acontecerá entre os dias 28 e 30 de agosto, no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo (SP).

Muito utilizado na construção civil mundo afora, o EPS ― sigla que representa o poliestireno expandido ― traz, segundo a Termotécnica, uma série de vantagens às edificações, como o maior conforto térmico e acústico dos ambientes e a diminuição do custo final da obra, com economia nas fundações e redução do efetivo de mão de obra.

Ressalta a empresa que o uso do EPS, material 100% reciclável e reutilizável,  torna as obras ecoeficientes,  já que utilizam menos recursos naturais, como água e energia elétrica, e, graças à facilidade de transporte do material ― leve e compacto ―, emitem menores quantidades de CO2 na atmosfera.

“Existe uma enorme expectativa em torno do Monoforte, principalmente por parte dos profissionais que buscam sistemas inovadores e competitivos para propor melhores soluções para os seus clientes”, explica Adriano Vendramini Dessimoni, diretor comercial da Termotécnica, maior indústria transformadora de EPS da América Latina, desenvolvedora deste sistema construtivo.

As vendas têm se intensificado, com uma tendência de aumento da demanda ainda neste segundo semestre de 2013, destaca a empresa. “A lista de clientes potenciais não para de crescer e deve ficar ainda maior quando apresentarmos algumas novidades”, continua Dessimoni.

Adriano Dessimoni aproveita para explicar como o Monoforte se encaixa nessa demanda. “As grandes construtoras e incorporadoras estão cada dia mais exigentes com relação à garantia da qualidade dos materiais de construção e à quantidade cada vez maior de edifícios verdes nas grandes cidades. Isso tem aumentando significativamente as exigências técnicas e ambientais dos produtos utilizados nestas obras. A Termotécnica está atenta a tudo isso, trabalhando na pesquisa e desenvolvimento de produtos, entre outros fatores, para continuar trazendo soluções inovadoras e seguras para o mercado”.

Sobre a Termotécnica: Fundada em 1961, a Termotécnica é a maior transformadora de EPS (Poliestireno Expandido, conhecido como isopor®), da América do Sul. Fabrica sua própria matéria-prima e produtos acabados. Atua nos segmentos de eletrodomésticos, eletroeletrônicos, construção civil, utilidades domésticas, agroindústria, alimentício, bebidas, produtos frágeis, entre outros. Dispõe de unidades em Joinville e Pirabeiraba (SC), Goiânia (GO), Sumaré (SP), São José dos Pinhais (PR), Rio Claro (SP), Indaiatuba (SP), Petrolina (PE), Sapucaia do Sul (RS) e Manaus (AM).

Fonte: Assessoria de Imprensa – Termotécnica

Curta nossa página no

Bayer planeja produção comercial de poliuretano derivado de CO2 a partir de 2015

06/08/2013
  • Gás de efeito estufa usado para a produção de plásticos
  • Processo oferece vantagens ecológicas e económicas
  • Fase de teste de dois anos bem sucedida
  • Espuma de poliuretano produzida a partir de CO2

Bayer_CO2Após uma bem-sucedido fase de teste, a Bayer está planejando comercializar o uso do gás de efeito estufa dióxido de carbono como uma nova matéria-prima para plásticos. A empresa iniciou o processo de planejamento para a construção de uma planta de produção na sua unidade em Dormagen, Alemanha, onde o CO2 será utilizado para produzir um precursor para a produção de espuma de poliuretano. O objetivo é, inicialmente, tornar disponíveis quantidades maiores deste precursor para processadores selecionados a partir de 2015.

A utilização de dióxido de carbono beneficia o meio-ambiente. O CO2 substitui uma parte das matérias-primas fósseis, tais como o petróleo. Ao mesmo tempo, a Bayer espera que o novo processo proporcione vantagens econômicas em relação ao método de produção convencional.

Efluente gasoso transformado em matéria-prima rentável

“CO2 está assumindo um novo papel: O gás residual está se transformando em uma matéria-prima útil e rentável. Isso nos torna uma das primeiras empresas do mundo a ter uma abordagem completamente diferente na produção de espumas de alta qualidade faz “, diz Patrick Thomas, CEO da Bayer MaterialScience.

A fabricante de materiais colaborou com parceiros da indústria e da academia para desenvolver o processo, que foi testado intensamente ao longo dos últimos dois anos. Como parte do projeto de pesquisa financiado com recursos públicos, intitulado “Produção dos Sonhos”, uma planta piloto construída na unidade da Bayer em Leverkusen produziu pequenas quantidades do precursor poliol, no qual o CO2 é quimicamente ligado.

O poliol é utilizado para a produção de espuma de poliuretano. Este material de alta qualidade pode ser encontrados em muitos produtos de uso diário, como móveis estofados, peças automotivas, equipamentos de refrigeração e material de isolamento térmico de edifícios. Em testes internos, as novas espumas mostraram, pelo menos, a mesma qualidade que o material convencional derivado totalmente de combustíveis fósseis.

Colchões feitos com CO2

“Depois de completar com sucesso a fase de testes, estamos lançando agora a Fase 2 com o objetivo de comercialização”, diz Thomas. A primeira utilização da nova espuma flexível à base de CO2 será para a produção de colchões.

A planta de produção planejada para a unidade de Dormagen terá uma capacidade de vários milhares de toneladas métricas. “Isso não vai ser o suficiente para atender à demanda do mercado, é claro. É uma tecnologia com patente registrada pela Bayer e ainda não decidimos ser o produtor exclusivo deste poliol inovador. O licenciamento também pode ser uma possibilidade “, acrescenta Thomas.

Fonte: Bayer MaterialScience

Curta nossa página no

Espuma da BASF proporciona condições ideais de flutuação para veículos aquáticos

02/08/2013
  • Interpolímero de Poliestireno/Polietileno possui absorção mínima de água e resistência a químicos
  • Espuma elástica-rígida garante flutuação ao casco do WaveRunner da Yamaha

BASF_Yamaha_2

Graças à utilização da espuma em partículas do Interpolímero Poliestireno / Polietileno (E-por®), os veículos aquáticos da linha WaveRunner da Yamaha Motors atendem aos requisitos de leveza e flutuação indicados pela Norma ISO 13590. A baixa densidade da espuma E-por®, que é instalada na dianteira e nas laterais da carroceria do modelo VX700S produzido pela fabricante japonesa, garantem a flutuação do veículo aquático pessoal (VAP).

O VX700S tem o peso composto principalmente pelo motor, jato, tanque e casco, e oferece uma capacidade de embarque de até três passageiros. Para obter a flutuação necessária, o veículo aquático exige uma estrutura estável que fornece a força de flutuação. A espuma funciona como estrutura flutuante graças à baixa densidade e ao bom perfil de material. O VX700S, com uma carroceria de 240 quilos, é o modelo de VAP mais leve para acomodar três passageiros já desenvolvido até hoje. Apesar de compor uma grande parte do volume total, as partes feitas com a espuma da BASF são responsáveis por apenas 3,3 quilos do peso total. Além disso, a espuma E-por® pode ser processada facilmente, como o EPS (poliestireno expansível), na densidade e na forma desejadas, permitindo, dessa maneira, que as partes moldadas sejam inseridas perfeitamente no revestimento.

Flutuação suficiente
Hiromi Ishizaka, Gerente de Contas da fabricante japonesa de moldes Astec Corporation, conjuntamente com sua parceira de negócio Sano Enterprises, orientou a Yamaha Motor durante a escolha do material: “O interpolímero da BASF oferece às nossas empresas e aos nossos clientes uma alternativa interessante para substituir outras espumas, e o E-por® impressiona por suas excelentes propriedades de material”. Em particular, a absorção mínima de água, a resistência à ruptura e também a boa resistência a químicos da espuma da BASF desempenharam um papel essencial no processo de escolha do material. Com essas características, a espuma também ajuda a aumentar o grau de rigidez do casco da embarcação. Keijiro Ikeda, gerente da Unidade de Negócio de Veículos Aquáticos da Yamaha Motors, explica:  “A espuma é ideal para utilização no WaveRunner, pois  atende as nossas exigências técnicas.”

Não é apenas uma atividade de lazer
Os VAPs consistem de um casco produzido com plástico reforçado com fibra de vidro e são fornecidos em diversos designs – desde as versões de condução em pé, ideais para uma única pessoa, até os modelos que acomodam até quatro passageiros sentados. Os VAPs são conhecidos principalmente no campo do lazer e normalmente encontrados em resorts com infraestrutura aquática, onde os veranistas alugam os veículos para passeios esportivos. No entanto, os veículos aquáticos também são usados como veículos rápidos e flexíveis para emergências, assim como para a execução de serviços como patrulhamento fluvial, combate a incêndios e resgate.

O mercado americano é o mais popular para os VAPs, o qual conta atualmente com cerca de 1,2 milhão de veículos registrados. A Yamaha Motors produz veículos aquáticos pessoais com a marca registrada “WaveRunner” desde 1986, ano em que a empresa foi a primeira fabricante a lançar um modelo com dois lugares sentados no mercado. A empresa japonesa conta com décadas de experiência na fabricação de barcos, motores de popa e motocicletas.

Espuma expansível
O E-por® é um interpolímero expansível à base de Poliestireno e Polipropileno (com teor de PS superior a 70%), que emprega um teor de agente expansor (pentano) inferior a 5%. Na sua formulação, os polímeros interagem uns com os outros e também com o agente expansor. Trata-se de uma espuma em partículas resistente à ruptura e com alto grau de resistência a solventes. Esta espuma elástica-rígida também pode ser armazenada, processada e reciclada seguindo o mesmo procedimento adotado para EPS (Poliestireno Expandido).

Fonte e foto: BASF

Curta nossa página no

Mantas de polietileno para isolamento acústico prometem atender a exigências de nova norma ABNT

18/07/2013
  • Norma da ABNT que determina isolamento acústico nos edifícios entra em vigor no dia 19 de julho
  • Indústria apresenta as mantas de polietileno como solução com melhor relação entre desempenho, durabilidade e custo para a nova exigência

Manta_polietileno_BraskemSom de passos, animais, crianças pulando, o arrastar de móveis e a televisão alta são reclamações constantes para quem mora em prédios, o que faz com que o barulho esteja entre os principais problemas dos condomínios. No entanto, esta briga já tem data para acabar. A partir do próximo dia 19, as construtoras de todo país terão de seguir a norma ABNT 15575 que estabelece requisitos mínimos de desempenho acústico em novas edificações e determina que os apartamentos poderão receber, no máximo, 40 decibéis de ruídos externos.

Entre as novidades que estão sendo desenvolvidas pela indústria para este novo cenário, as mantas expandidas de polietileno são uma solução para a redução de ruídos entre os andares e,  segundo os fabricantes,  apresentam o  melhor custo-benefício oferecido pelo mercado. Produzidas pela Multinova, com apoio da Braskem, as mantas de polietileno são aplicadas entre a laje e o contra piso, proporcionando a redução de ruídos entre os andares. O produto é feito em polietileno, o plástico mais usado no mundo, através de um processo controlado de extrusão e expansão do material, o que torna a solução mais leve e com maior durabilidade.

O custo da manta com cinco milímetros é de pouco menos de R$ 3 por metro quadrado, três vezes menor do que o de outros materiais com a mesma função. Em um apartamento de 100m², por exemplo, o valor investido no isolamento de áreas secas seria de cerca de R$ 200 reais. A instalação em uma área de 70m², por exemplo, demora em média 1,5 hora. Isto porque a aplicação também é mais rápida, já que não necessita de aparelhos ou manuseio especial, o que não interfere no tempo de entrega da obra.

De acordo com a Braskem, as mantas de polietileno expandido, que possuem cinco ou dez milímetros de espessura, não se degradam em contato com a umidade, seguem um rigoroso controle de qualidade e têm sua eficiência e durabilidade comprovada através de ensaios técnicos realizados no IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas e no Laboratório da CSAE da Itália. A matéria-prima também tem sua origem certificada. Por suas qualidades, o produto é utilizado ainda em prédios que buscam a certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), selo de maior reconhecimento internacional na orientação ambiental de edificações.

“A manta de polietileno é a alternativa mais eficiente e resistente disponível no mercado de isolamento acústico. É preciso que as construtoras e os novos proprietários fiquem atentos aos produtos que garantam um bom desempenho e o conforto necessário”, afirma Jorge Alexandre, responsável por desenvolvimento de mercado de PE da Braskem.

De acordo com Jair da Rosa, gerente comercial corporativo da Multinova, com as novas regras estabelecidas pela ABNT, a demanda da construção civil irá aumentar muito. “Por conta disso desenvolvemos um produto de qualidade para o mercado, atestado e diferenciado através da personalização e características técnicas como Densidade e Creep, mantendo o custo inferior aos produtos similares comercializados devido às características do Polietileno e à capacidade produtiva/hora e estoque das Unidades Fabris da Multinova”, destaca.

ABNT 15575

A norma de desempenho de edificações habitacional, a NBR 15575, é estabelecida pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). A nova exigência estabelece critérios para a segurança, conforto e resistência que os sistemas que compõem um imóvel devem proporcionar: estrutura, pisos, vedações, coberturas e instalações.

A norma é um divisor de águas na construção civil brasileira, pois obriga as construtoras a conceberem e executarem as obras para que o nível de desempenho especificado em projeto seja atendido ao longo de uma vida útil.  Pela primeira vez, uma norma brasileira associa a qualidade de produtos ao resultado que eles conferem ao consumidor com instruções claras e transparentes sobre como avaliar os resultados.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

CasaE da BASF: Uso de Poliuretanos colabora para uma obra rápida e eficiente

04/06/2013
  • Redução no consumo de energia é um dos benefícios alcançados com espuma rígida de poliuretano.
  • Elastômero de poliuretano age como impermeabilizante e pode ser aplicado em superfícies de todos os tipos.

Projeto pioneiro da BASF, a CasaE, Casa de Eficiência Energética, é apresentado no Brasil e traz novidades  desenvolvidas pela empresa no mercado de construções. A unidade brasileira é a décima da BASF no mundo e reúne produtos de todos os segmentos da empresa que juntos colaboram para uma economia de 70% de toda a energia utilizada pela residência.

“A CasaE visa a eficiência energética e conta  com produtos desenvolvidos pela BASF especialmente para ela. Ela reúne em um único espaço, tecnologias que atendem às demandas globais avaliadas pela empresa como grandes desafios para os próximos anos e que servirão como direcionadores dos processos de inovação e sustentabilidade dentro da empresa. Dentre eles está o conceito de urbanização, com ramificações para os setores de construção e cuidados para o lar, já que no ano de 2050, cerca de 75% da população mundial viverá em cidades“, avalia Michel Mertens, vice-presidente sênior da BASF para a América do Sul.

Entre os produtos desenvolvidos especialmente para a CasaE, há uma linha do segmento de Poliuretanos destinados à impermeabilização, fabricação de pisos e ao conforto térmico. Além de serem mais eficientes, essas substâncias diminuem o tempo da obra.

O Elastocoat®, elastômero de poliuretano, apresenta-se como um produto  versátil e durável. Ele funciona como ligante ou membrana impermeabilizante, protegendo as mais diversas superfícies. Na CasaE o produto foi utilizado no piso da guarita, na impermeabilização da laje da sala de reunião e no piso da casa de máquinas.

O projeto também recebeu o ElastopaveTM, um composto aglutinante de poliuretano, que misturado com cascalhos ou pedras constrói superfícies altamente permeáveis, substituindo pavimentos convencionais. O resultado pode ser visto no pavimento drenante ao redor da casa e na calçada.

Entre os Poliuretanos ainda está o Elastopor®/Elastopir®, uma espuma rígida de poliuretano que proporciona maior conforto térmico, reduzindo o consumo de energia e gerando rapidez no processo de instalação. O produto foi aplicado nas paredes e telhas da guarita e  na parede divisória  entre o home e o quarto infantil.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Poliestireno Expandido e Espuma Melamínica geram isolamento térmico e acústico na CasaE construída pela BASF

03/06/2013
  • Além de reduzir consideravelmente os ruídos externos, espuma especial Basotect®  retarda chamas.
  • Isolamente térmico do Neopor®  chega a 20% em relação tradicional.

O projeto CasaE, Casa de Eficiência Energética, pretende mostrar ao mercado brasileiro as últimas novidades em produtos e técnicas para uma construção mais sustentável. A iniciativa da BASF, que com a casa brasileira agora soma 10 unidades no mundo, tem o objetivo de revolucionar o mercado da construção civil. Um dos grandes diferenciais da CasaE é o seu sistema construtivo que, além de maior rapidez na obra, gera uma economia de energia que chega a aproximadamente 70%.

“Queremos mostrar que o conceito construtivo (método, técnica e produtos) utilizado na CasaE pode ser utilizado em uma moradia comum, sendo totalmente factível ao mercado. Aos poucos pretendemos transformar a cultura da indústria da construção e de seus consumidores“, ressalta Michel Mertens, vice-presidente sênior da BASF para a América do Sul.

Na CasaE o sistema construtivo não é de alvenaria tradicional. Entre as inovações que ela apresenta estão os Polímeros de Performance da BASF, que foram usados em quase todos os ambientes. Graças aos produtos dessa linha, a residência tornou-se mais protegida de ruídos externos e de incêndios.

O Neopor® é um dos isolantes mais eficientes do mercado. Os blocos de poliestireno expansível (EPS) geram maior proteção contra umidade e variações de temperatura. Na CasaE o produto foi aplicado nas paredes da sala, dos quartos, da cozinha e do elevador, além das lajes da sala e quartos. O produto apresenta performance de isolamento térmico acima de 20% em relação ao EPS convencional e até 70% acima da alvenaria tradicional.

Já os forros da sala de reunião, do auditório e do home teather foram revestidos com Basotect®, uma espuma especial à base de melamina que promove elevado nível de conforto acústico. O produto ainda é o único dessa categoria que é retardante de chamas.

Além dessas duas soluções, diversas outras foram aplicadas na casa para tornar seu processo mais ágil e com contribuição à eficiência energética.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Termotécnica apresenta linha de embalagens de EPS para frutas durante a Fenagri

09/05/2013

Termotecnica_EPSCaixas conservadoras de EPS (isopor®) da empresa com sede em Petrolina (PE) têm agradado produtores agrícolas, transportadores, lojistas e consumidores finais

A 24ª edição da Feira Nacional de Agricultura Irrigada (Fenagri), que esse ano acontece de 15 a 19 de maio, no Espaço Multieventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco, em Juazeiro (BA), traz como destaque a linha de produtos “DaColheita”, embalagens para frutas, legumes e verduras desenvolvida pela Termotécnica, maior fabricante de poliestireno expandido – EPS (isopor®) da América Latina.

A empresa, sediada em Joinville (SC) mas que, entre suas outras oito unidades conta com uma planta em Petrolina (PE) integralmente dedicada à fabricação das caixas, aposta na marca para fazer sucesso e ser a diferença nesse nicho de mercado, cada vez mais exigente.

Todo o processo de concepção das caixas foi cuidadosamente idealizado, aliando a praticidade do poliestireno expandido e o mais moderno design. O produto apresentado é atraente e se diferencia dos atuais por conseguir reduzir avarias e diminuir os impactos na hora do transporte, o que reduz sensivelmente a perda de carga por danos, a otimização de espaços, graças ao modo fácil e prático com que é empilhado, a não liberação de resíduos e fungos nos alimentos, além de manter as vitaminas das frutas por mais tempo.

Outro benefício importante diz respeito a fácil adequação dos materiais ao frio e a umidade, devido ao isolamento térmico do EPS. Nesse sentido, a Termotécnica se mostra atenta às questões de sustentabilidade e meio ambiente, já que se utiliza de uma matéria-prima 100% reciclável e que não gera riscos à camada de ozônio, por não utilizar CFC e HCFC no processo de fabricação.

“Com o sucesso da linha ‘DaColheita’, a Termotécnica quer mostrar que, dos produtores ao consumidor final, todos saem ganhando, já que as caixas conservadoras atendem às reais necessidades do mercado”, ressalta Maida Rodrigues, gerente de unidades de conservação da empresa.

Sobre a Termotécnica: Fundada em 1961, a Termotécnica é a maior transformadora de EPS (Poliestireno Expandido, conhecido como isopor®), da América Latina. Focada na produção de soluções, fabrica sua própria matéria-prima e produtos acabados com a melhor performance do mercado, otimizando o processo logístico do cliente e valorizando seus produtos. Atua nos segmentos de eletrodomésticos, eletroeletrônicos, construção civil, utilidades domésticas, agroindústria, alimentício, bebidas, produtos frágeis, entre outros. Dispõe de unidades em Joinville e Pirabeiraba (SC), Goiânia (GO), São José dos Pinhais (PR), Rio Claro (SP), Indaiatuba (SP), Petrolina (PE), Sapucaia do Sul (RS) e Manaus (AM).

Curta nossa página no

Braskem desenvolve solução de isolamento acústico para construção civil

20/03/2013

Com menor custo, produto atende a ABNT 15575 e proporciona maior redução de ruídos

Atenta às necessidades do mercado da construção civil, a Braskem, e a Multinova trazem ao mercado brasileiro as mantas expandidas de polietileno produzidas com tecnologia italiana, solução inovadora para reduzir a transmissão de ruídos entre os andares dos edifícios e conferir ainda mais qualidade em obras. O produto se apresenta como uma excelente alternativa para atendimento à norma ABNT NBR 15575-3:2013, que entra em vigor em julho deste ano e estabelece requisitos mínimos de desempenho acústico em edificações.

A nova exigência estabelece critérios e métodos de avaliação de desempenho para os principais sistemas que compõem um edifício: estrutura, pisos internos, vedações externas e internas, coberturas e instalações hidrossanitárias. Antecipadamente, as mantas de polietileno enquadram-se às novas regras estabelecidas, pois seguem um rigoroso controle de qualidade e têm sua eficiência comprovada através de ensaios técnicos realizado no IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas e também em institutos independentes italianos.

Com cinco ou dez milímetros de espessura, as mantas de polietileno são aplicadas entre a laje e o contra piso, o que proporciona redução de ruídos entre os andares, já que ela pode ser aplicada com qualquer tipo de piso e contempla também os rodapés. O produto é feito em polietileno expandido, o que o torna mais leve, com maior durabilidade e menor custo. Com estas características, serão evitados barulhos que causam incômodo aos moradores como crianças brincando, passos e animais.

“A manta de polietileno é a alternativa de melhor custo-benefício que podemos encontrar no mercado de isolamento acústico, permitindo atingir tanto o nível intermediário quanto o superior da norma. Com a forte expansão da construção civil, é preciso investir em novos produtos que garantam um bom desempenho e proporcionem conforto para o usuário”, afirma Jorge Alexandre, responsável por desenvolvimento de mercado de PE da Braskem.

“Com as novas regras estabelecidas pela ABNT, a demanda da construção civil irá aumentar muito. Por conta disso, pensamos em um produto de qualidade para o mercado e com custo inferior aos produtos similares comercializados”, destaca Jair da Rosa, gerente comercial corporativo da Multinova.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Styroplast demonstra na Feiplastic que sustentabilidade pode ser lucrativa

20/02/2013

feiplastic

Com a logística reversa e outros métodos ecologicamente corretos, a empresa conseguiu reduzir os custos e aumentar a rentabilidade

Posicionada entre as três maiores fabricantes de polietileno expandido do Brasil, a Styroplast pretende mostrar durante a FEIPLASTIC 2013 – Feira Internacional do Plástico, promovida pela Reed Exhibitions Alcantara Machado –  como um modelo de negócio sustentável,  a partir da logística reversa, pode não apenas reduzir o impacto ambiental como também aumentar a produtividade e a rentabilidade.

Tal visão se sustenta no fato de que a reutilização de materiais não é uma apenas uma questão de adequação às leis ambientais, mas trata-se de uma medida que impacta positivamente na renovação da indústria.

Atualmente, a Styroplast detém cerca de 23% do mercado de polietileno expandido no país, e as perspectivas de crescimento para este ano são muito boas. De acordo com Leandro Cavallaro, diretor Comercial da empresa, a meta é aumentar o faturamento em 12% e ampliar em 20% a carteira de novos clientes.

Além das soluções para proteção e isolamento termoacústico que a empresa levará para FEIPLASTIC, será também uma oportunidade para o público conhecer os benefícios e aplicações do plástico, que tem sido apontado como “vilão” do meio ambiente. Cavallaro explica que o grande responsável pela imagem ostentada hoje pelo plástico existe em razão do descarte irresponsável do material. Com a tecnologia adequada, é possível melhorar a qualidade e a reutilização do produto.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Feiplastic

Curta nossa página no

Evonik amplia Centro Técnico de Poliuretanos em Americana (SP)

16/01/2013

evonik-industriesA Evonik, uma das líderes mundiais em especialidades químicas, realizou importantes investimentos no Centro Técnico de Poliuretanos América do Sul, localizado em Americana (SP), que beneficiarão, em especial, os fabricantes de espumas para a produção de colchões.

Diante das novas exigências das normas ABNT NBR 13579-1 e ABNT NBR 13579-2, referentes à fabricação de colchões e colchonetes de espuma flexível de poliuretano, que entrarão em vigor a partir de agosto de 2013, o setor tem agora, à disposição, uma estrutura tecnológica e profissional completa, como apoio às atuais necessidades dos espumadores.

Direcionado aos clientes da região sul-americana, o Centro Técnico de Poliuretanos dobrou de tamanho e ganhou dois novos equipamentos de 1m³, nos formatos quadrado e cilíndrico, que possibilitam a reprodução fiel do processo de produção das espumas e a identificação da melhor formulação para atingir os quesitos das novas normas, além de facilitar a amostragem de espumas para os testes com alta qualidade.

As instalações estão disponíveis para toda a indústria do poliuretano, sejam clientes, distribuidores, fabricantes de matérias-primas, de máquinas e demais parceiros da Evonik. “Os clientes da empresa passam a dispor de uma planta piloto para os seus desenvolvimentos, que permite obter resultados melhores a um menor custo e em menos tempo”, afirma Roberto Luiz, Gerente de Poliuretanos da Evonik.

Serviços técnicos completos

O Centro Técnico de Poliuretanos América do Sul possui, entre suas funções, avaliar e sugerir aplicações dos produtos oferecidos pela Evonik. Para isso, realiza estudos e comparativos de formulações, exclusivos para cada cliente, que levam ao aperfeiçoamento de produtos voltados ao segmento de espumas flexíveis, utilizadas em móveis e colchões. Os profissionais do laboratório participam dos projetos da matriz, na Alemanha, e atendem a clientes da América do Sul e América Central, além de oferecer suporte a projetos globais da empresa.

Entre os serviços oferecidos estão treinamentos, projetos personalizados, reprodução de processos produtivos, soluções de problemas, avaliação de propriedades físicas, suporte de infraestrutura para laboratórios e relatórios técnicos profissionais. Desta forma, os clientes da Evonik podem contar com equipes treinadas, melhor relação custo/benefício de seus produtos, redução de perdas e de custos e mais eficiência em testes e processos.

Fonte: Evonik

Curta nossa página no

Bayer MaterialScience apresenta soluções sustentáveis durante a feira Feiplar Composites & Feipur 2012

18/11/2012

Durante o evento, a empresa também comemorou o 75º aniversário do Poliuretano

Sempre focalizada em oferecer ao mercado soluções ligadas à Sustentabilidade, a Bayer MaterialScience levou à Feiplar Composites & Feipur 2012 suas iniciativas voltadas à preservação do meio ambiente. Durante a feira, que aconteceu entre 6 e 8 de novembro, no Expo Center Norte (SP), a multinacional alemã apresentou produtos como o Baytherm® Microcell e o RIM Bayflex® Lightweight, além de seus esforços para a produção “verde” de poliuretanos – projeto que recebeu o adequado nome de “Produção dos Sonhos”.

Um dos destaques da Bayer MaterialScience no evento, o Baytherm® Microcell é um sistema de poliuretano para a produção de espuma rígida usada como isolante térmico em refrigeradores. A novidade pode ser processada utilizando as tecnologias já existentes e cumpre as demandas do mercado por maior eficiência energética.

A espuma obtida com o Baytherm® Microcell possui células 40% menores que as soluções convencionais, o que resulta na redução na condutividade térmica em até 10%. A solução pode beneficiar não somente os consumidores finais por conta da economia de energia, mas também aumentar a produtividade dos fabricantes de refrigeradores e reduzir o custo por unidade devido à sua excelente capacidade de desmoldagem e fluidez.

Já o novo sistema de poliuretano RIM Bayflex® Lightweight é processado utilizando a tecnologia PU RRIM possibilitando a redução em até 30% o peso das peças externas dos veículos. Com uma densidade de apenas 0,9kg por litro, o material é mais leve que a água e sua utilização permite uma redução considerável no consumo de combustível e nas emissões de CO². Além dos automóveis, o RIM Bayflex® Lightweight também pode ser aplicado em peças para caminhões, ônibus, trens, aviões e navios.

Outro destaque foi a “Produção dos Sonhos”, projeto que utiliza o dióxido de carbono (CO2) como matéria-prima para a produção de poliuretanos e dá finalidade para o resíduo que é um dos principais causadores do efeito estufa. Em cooperação com parceiros da indústria e do meio acadêmico, a empresa desenvolveu um método de utilização do CO2 para o processo de síntese e para a sua incorporação na espinha dorsal do polímero. Isto resulta nos polióis policarbonatos poliéteres que a empresa agora também desenvolveu para o uso em produtos de espuma flexível, como colchões. O uso do dióxido de carbono como matéria-prima abre novas possibilidades para a redução do uso de petróleo e seus derivados.

Poliuretano: 75 anos de inovação

O 75º aniversário da invenção do Poliuretano, uma das criações mais inovadoras do século XX, também será lembrado pela Bayer MaterialScience em seu estande. Durante os três dias da feira, os visitantes que passarem pelo espaço da empresa conhecerão um pouco mais sobre a história do Poliuretano e suas aplicações no mundo moderno.

Sobre a Bayer MaterialScience

Com vendas de 10,8 bilhões de Euros em 2011, a Bayer MaterialScience está entre as maiores empresas de polímeros do mundo. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, eletroeletrônicos, construção e as indústrias de lazer e esportes. No final de 2011, a Bayer MaterialScience tinha 30 fábricas, reunindo 14.800 colaboradores em todo o mundo. A Bayer MaterialScience é uma divisão de negócios do Grupo Bayer.

Fonte: Jeffrey Group / Bayer Material Science

Curta nossa página no

BASF fecha plantas de Poliestireno Expandido na Malásia e Índia e concentra negócio global de EPS em mercados estratégicos

18/09/2012
  • Fechamento de fábricas de Styropor® na Malásia e na Índia
  • Preparação de medidas estratégicas para os negócios de poliestireno expansível (EPS) – Styropor® – na América do Sul
  • Forte potencial de mercado para o Neopor® com melhores propriedades de isolamento

Como resultado do grande excedente de capacidade e de baixas margens em algumas regiões, a BASF está concentrando suas atividades globais de Styropor® (EPS: poliestireno expandido) em mercados estratégicos e em produtos-chave com maior rentabilidade.

“Essas medidas fazem parte da estratégia global da BASF de promover o crescimento orientado por valor e garantir a competitividade nos mercados no longo prazo, tanto para os nossos clientes, quanto para a própria BASF”, disse Wolfgang Hapke, Presidente Global da Divisão de Polímeros de Performance da BASF SE.

A empresa irá fechar as fábricas de Styropor® em Pasir Gudang, na Malásia, e em Thane, na Índia. O plano é encerrar a produção até o final do ano. Atualmente, um total de 60 e 55 colaboradores trabalham com EPS nas duas localidades, respectivamente. A capacidade de produção anual combinada das duas fábricas é de mais de 100.000 toneladas. A BASF trabalhará para encontrar alternativas de transição adequadas para os colaboradores afetados por essas medidas.

“O fechamento das fábricas de Styropor ® na Malásia e Índia tornou-se inevitável devido ao excesso de capacidade de EPS na região Ásia-Pacífico, que aumentou muito nos últimos anos. Este excesso de capacidade fez com que as margens ficassem extremamente baixas em nossas operações, tornando nossas atividades na Malásia e na ïnida não rentáveis”, explicou Giorgio Greening, Responsável Global pela Unidade de Negócios de Espumas da BASF SE.

Na América do Sul, a BASF está preparando medidas estratégicas. A empresa iniciou a preparação da dissociação  do negócio de Styropor® e suas respectivas unidades produtivas na Argentina e no Brasil. No Chile, a BASF está avaliando opções estratégicas para o negócio de EPS e está preparando o desinvestimento da Aislapol, produtora de peças de espuma. Na América do Sul o negócio tem cerca de 80 colaboradores e uma capacidade de produção anual de 83.500 toneladas. A Aislapol tem cerca de 175 colaboradores.

“Globalmente, estamos concentrando nossos investimentos de EPS no produto Neopor®. A dissociação do negócio de Styropor® no Brasil e na Argentina nos ajudará a ser flexíveis no que diz respeito a futuras opções estratégicas. Para o Chile, a avaliação estratégica ainda está em andamento. Para a Aislapol, a melhor opção é encontrar um investidor estratégico que está comprometido com o negócio de EPS”, acrescentou Greening.

Devido às suas propriedades como material de embalagem e seu desempenho de isolamento eficiente, o EPS é um produto que tem sido amplamente aceito em diversas aplicações durante várias décadas e ainda está desfrutando de taxas de crescimento semelhantes às do PIB.

A BASF vai concentrar suas atividades globais de Styropor® em mercados estratégicos e continuará a desenvolver o crescimento com o Neopor®, produto com melhores propriedades de isolamento, reforçadas pelo seu conteúdo de grafite. Além disso, contribui significativamente para a eficiência energética nos edifícios e casas, reduzindo as emissões de CO2. É produzido na Coréia do Sul e Alemanha, e desempenha um papel-chave na estratégia da BASF para se concentrar em mercados e produtos rentáveis.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Poliuretano produzido com agente expansor ecológico desperta interesse em Feira na Tailândia

25/07/2012

Angola, Moçambique, Nigéria, Uruguai, Rússia e Canadá, são países que se interessaram pela tecnologia de espumas de poliuretano apresentada pela indústria brasileira Purcom na Feira de Tecnologias Alternativas promovida pelo Programa Ambiental das Nações Unidas (PNUD) em Bangkok, na Tailândia, de 21 a 24/7. O processo utiliza o agente expansor Ecomate, em substituição ao gás Hidroclorofluorcarbono (HCFC), que destrói a camada de ozônio e está sendo banido do Brasil a partir do ano que vem, por determinação do Protocolo de Montreal.

Duas de 40 aplicações de Ecomate desenvolvidas pela Purcom, com o apoio do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD),  foram exibidas na mostra: os caminhões frigoríficos da Folle-Randon e as casas populares da catarinense Fischer, homologadas pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e pelo programa Minha Casa, Minha Vida.

A Fischer investiu R$ 50 milhões na produção de casas pré-fabricadas com painéis recheados de poliuretano produzido com Ecomate, em sua fábrica de Brusque-SC, que ocupa uma área total de 3,6 km2, emprega 1.100 pessoas e tem capacidade para fabricar 500 casas/mês. Além da resistência mecânica, fornecida por uma amarração de aço apoiada em base de concreto (radier), as casas possuem isolamento térmico e acústico, resistem ao fogo e podem ser construídas em quatro dias. O peso de cada unidade oscila de 2.500 a 3 mil quilos e a área construída varia de 40 a 70 m2. Um único caminhão pode entregar painéis para cinco casas numa única remessa.

Além do baixo custo, da ordem de R$ 30 mil por unidade, em média – como convém a programas sociais como o Minha Casa, Minha Vida – as casas da Fischer possuem sistema de aquecimento solar e de coleta e armazenagem da água da chuva. A empresa já vendeu cerca de 3 mil unidades à CDHU-SP (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano de São Paulo e fechou um contrato com o governo do Uruguai que prevê a montagem de quatro casas para exibição e experimentação.

Folle-Randon

O outro exemplo de uso industrial da espuma de poliuretano à base de Ecomate apresentado em Bangkok foi o da fabricante de carrocerias para transporte frigorífico Folle, de Chapecó-SC, recentemente adquirida pela gaúcha Randon. O histórico da transformação, que começou em 2007, foi apresentado no painel de Espumas da Conferência pelo engenheiro da empresa, Felipe Crestani. A empresa fundada por Nilson Folle existe há 50 anos e a ideia de substituir o HCFC foi reforçada pela aspiração de grandes clientes, como a Brasil Foods.

A empresa fabrica portas, blocos de fechamento lateral, paredes e soalhos de caminhões e tem capacidade para cerca de 100 carroçarias/mês, em média. A Folle faturava, em média, R$ 18 milhões por ano antes da aquisição e a Randon pretende investir R$ 100 milhões na transferência de sua produção de carroçarias para Chapecó.

Fonte: Purcom / Verbo Comunicação

Curta nossa página no

Espuma de resina melamínica da BASF é usada para isolamento acústico de motor automotivo da Porsche

13/07/2012

O novo Porsche Panamera conta com a espuma especial da BASF, Basotect®, para o isolamento acústico do motor

Basotect®, a espuma de resina de melamina da BASF, garante os efeitos sonoros corretos sob o capô do Porsche Panamera Diesel. A espuma é usada para isolamento sonoro e térmico no compartimento do motor, no túnel de transmissão e também no painel perto do motor do Gran Tursimo quatro portas. Além de suas boas propriedades acústicas e resistência térmica elevada, o baixo peso da espuma é o que atraiu especialmente os desenvolvedores de Stuttgart – fabricante de carros de luxo. A espuma Basotect é usada para absorver o som em veículos onde quer que haja altas temperaturas de operação durante um período prolongado de tempo, como nas paredes de separação entre o compartimento do motor e o interior do carro, apainelameto do capô do motor, estrutura próxima ao motor, e túneis de transmissão.

Leve e silencioso – espuma no compartimento do motor

A espuma Basotect é especialmente conhecida por suas excelentes propriedades acústicas. Graças a suas células abertas, ela possui valores de absorção de som muito bons nas faixas de freqüência média e alta. Condutores e passageiros no Panamera podem, portanto, aproveitar o típico som do motor do Porsche – sem o acompanhamento de ruído irritante. Com uma densidade de 9 kg/m3, a espuma Basotect é mais leve do que os materiais convencionais de isolamento geralmente utilizados no painel do motor. Isto reduz tanto o consumo de de combustível como as emissões de CO2.

As propriedades de resistência a temperaturas muito elevadas da espuma também desempenharam um papel importante na sua seleção como material. Basotect oferece longa duração de resistência térmica a mais de 200ºC. Jürgen Ochs, gerente de Ruído, Vibração e Resistência da Porsche, explica que “com seu motor a diesel de seis cilindros 184kW/250 HP, o compartimento do motor do Panamera é regularmente submetido a temperaturas de até 180ºC. E Basotect resiste a essas condições extremas.”

A espuma Basotect pode ser usada para fazer componentes 3D sofisticados e elementos personalizados para espaços muito apertados. A espuma de resina de melamina pode ser processada com precisão por lâmina e fio de corte, bem como por moagem e serração – possibilitando dimensões e contornos de componentes customizados serem fácil e exatamente produzidos. A espuma Basotect é também adequada para a termoformação, mas para isso a espuma deve ser impregnada antecipadamente. Dadas essas propriedades do material, a Porsche está planejando usar a Basotect para futuros desenvolvimentos de componentes também.

O Panamera foi apresentado pela primeira vez no Salão Automóvel de Shanghai em 2009, como o quarto modelo da série Porsche. De acordo com dados da empresa, mais de 28.000 destes veículos Gran Turismo medindo aproximandente cinco metros de comprimento foram vendidos em 2011. O modelo já está disponível em variações, incluindo Hybrid, Diesel, GTS, Turbo e Turbo S.

Sobre a Basotect

Basotect é uma espuma de células abertas e tem uma gama única de propriedades. O material de base a torna retardadora de chamas e abrasiva; ela pode ser usada em até 240ºC e reter as suas propriedades ao longo de um amplo intervalo de temperatura. Devido à sua estrutura de espuma de células abertas, ela é leve, absorvedora de som, flexível mesmo a baixas temperaturas e isolante térmica.

Fonte (incluindo foto): BASF

Curta nossa página no

Novo processo de injeção da Mecaplast pode reduzir em até 50 % o peso de peças plásticas automotivas

22/06/2012

Estrutura de uma peça com espuma

A Mecaplast, empresa fornecedora de componentes automotivos plásticos com sede em Mônaco e com fábricas na França e outros países europeus, Turquia, Brasil, México, China e Índia, acredita que pode reduzir o peso de peças automotivas interiores e exteriores entre 30 a 50%, usando uma tecnologia de moldagem por injeção recém-patenteada, em combinação com novos compostos de polipropileno.

A Mecaplast está prestes a embarcar em um projeto patrocinado pelo governo francês, batizado de Plume, para industrializar o processo, o qual é baseado em uma combinação de núcleos (machos) móveis no molde, um agente químico de expansão e cargas leves para reforço. O projeto começa em setembro, terá a duração de dois anos e um orçamento total de € 2,4 milhões.

O projeto também vai envolver a participação de várias outras empresas francesas: o produtor de compostos Sumika Polymer Compounds (uma empresa do grupo Sumitomo); o fabricante de moldes Cero; o laboratório de pesquisa de ciência de polímeros IMP da Universidade de Saint-Etienne, e o Cemef, laboratório de pesquisa associado ao CNRS, com experiência em simulação de processos.

“A Incorporação de peças feitas pelo processo Plume poderia levar a uma redução total do peso de veículos entre 5 a 7 kg”, diz Elsa Germain, Engenheira de Pesquisa e Inovação da Mecaplast. “Isso vai ter um importante efeito na redução do consumo de combustível, resultando em uma queda de emissões de dióxido de carbono em torno de 0.5-0.7g/km”

O processo é similar ao já usado no Japão para a produção de peças utilizadas por empresas automotivas tais como Honda e Toyota. No entanto, esse processo tem algumas limitações, especialmente em termos de acabamento de superfície, uma vez que as peças são feitas de polipropileno com carga de talco. O processo  Plume vai usar compostos recém-desenvolvidos contendo pouca ou nenhuma quantidade de talco.

Em vez disso, eles incorporam novas cargas para reforço, que não só resultam em uma melhor qualidade superficial, mas também ajudam a reduzir o peso da peça em até 7%, sem perda de propriedades mecânicas. Compostos com várias cargas serão testados durante o projeto Plume.

Os novos compostos, que são baseados em copolímero de impacto de Polipropileno e serão desenvolvidos exclusivamente para a Mecaplast, também têm propriedades de escoamento muito boas. O Índice de fluidez é superior a 50 g/10 min. Isto é uma fator crítico para o sucesso do processo Plume.

No processo Plume, o material é injetado em um molde cujas paredes móveis estão inicialmente em uma posição projetada para a frente. Depois que todo o material é injetado e a camada superficial da peça se solidifica, as paredes do molde se retraem. Isto reduz a pressão na cavidade do molde e o agente de expansão químico, até então dissolvido na massa fundida, sai da solução nas áreas da peça que ainda estão fluidas para criar uma estrutura celular que preenche o novo espaço criado. O processo de formação de espuma por si só (independentemente da formulação do composto) permite uma redução de peso na peça de pelo menos 30%, em comparação com uma peça convencional sólida.

O Cemef vai estudar a reologia do material fundido e os seus efeitos sobre o processo e irá também realizar a análise das microestruturas criadas pela formação de espuma. O IMP-UJM vai avaliar o comportamento mecânico de peças feitas sob várias condições.

A Mecaplast planeja experimentar o processo em dois componentes automotivos: uma guarnição interna do porta-malas  e moldagens exteriores do beltline. As moldagens do beltline serão produzidas em duas versões: uma com uma superfície granulada, que não necessita de pintura, e outra que poderá ser pintada.

Fonte: Mecaplast

Curta nossa página no

Espuma de Polieterimida da SABIC-IP oferece menor peso, baixa absorção de umidade e boa relação custo/benefício para aplicações aeroespaciais .

26/09/2011

 Espuma de polieterimida da SABIC oferece redução de peso, baixa absorção de umidade, desempenho e vantagem superior de custo em relação a polimetacrilimida (PMI) para aplicações aeroespaciais.

Na Aircraft Interiors Expo (Exposição de Interiores Aeronáuticos), a unidade de negócios estratégicos Innovative Plastics da SABIC apresentou a espuma de baixa absorção de umidade de polieterimida (PEI) Ultem* para aplicação em estruturas compostas. Testes de laboratório demonstram que a espuma absorve significativamente menos umidade em comparação aos produtos em espuma de polimetacrilimida (PMI). Esta propriedade é de fundamental importância no ciclo de vida do produto, pois proporciona as indispensáveis vantagens de redução de peso, de estabilidade dimensional e de redução de custos sistêmicos no processamento aerodinâmico e na vida útil das peças. A baixa absorção de umidade, combinada com o comprovado desempenho dielétrico, acústico, térmico e de chama-fumaça-toxicidade (flame-smoke-toxicity – FST) da espuma Ultem, ressalta o trabalho pioneiro da SABIC no desenvolvimento de soluções de alto desempenho e mundialmente reconhecidas na forma de termoplásticos de engenharia para a indústria aeronáutica.

“A baixa absorção de umidade da espuma Ultem é voltada para dois dos principais desafios dos OEM (Fabricantes de Equipamentos Originais, na sigla em inglês) aeronáuticos – a redução de peso para obter economia de combustível e redução de emissões; e a redução dos custos sistêmicos de fabricação ao mesmo tempo em que propicia desempenho igual ou superior aos materiais tradicionais”, contou Kim Choate, gerente de marketing global de produtos Ultem da Innovative Plastics. “Ao substituir materiais concorrentes como a polimetacrilimida pela espuma Ultem, os OEMs e as demais classes de fabricantes de peças podem obter grandes resultados. O investimento proativos em testes de laboratório é apenas um dos caminhos pelos quais a SABIC oferece soluções cada vez melhores para a indústria aeronáutica no sentido de aprimorar o desempenho e as vantagens em termos de custo”.

Os produtos de espuma Ultem, disponíveis em três densidades, são fabricados no formato de placas para uso em estruturas compostas do tipo camada-núcleo-camada. As aplicações incluem caixas para bagagem, cozinhas de aeronaves e painéis de parede inferiores. Na exposição, estão sendo exibidos os painéis de parede lateral que utilizam espuma PEI Ultem.

A espuma Ultem supera o PMI em ambientes quentes e úmidos

O teste consistiu na exposição de placas de espuma Ultem e de espuma de PMI a temperaturas elevadas (70 ºC / 158 ºF) e à umidade (85 por cento de UR) em uma câmara ambiental. Os resultados dos testes demonstraram que a espuma Ultem absorveu menos de 0,5 por cento de umidade por seu peso, em 1.000 horas. Em contraste, o PMI absorveu de cinco a seis por cento de umidade por peso em apenas 150 horas, mantendo esses resultados durante 1.000 horas.

O ganho de peso pela absorção da umidade aumenta o peso total da aeronave, afetando adversamente o consumo de combustível e as emissões. Em média, uma aeronave queima cerca de 0,03 kg (0,06 lb) de combustível por hora para cada kg (2,2 lb) levado a bordo. Considerando que a frota comercial total voa cerca de 57 milhões de horas por ano, a redução de um quilograma por voo pode economizar em torno de 1.700 toneladas de combustível e deixar de produzir 5.400 toneladas de dióxido de carbono (CO2) por ano.

Além disso, a absorção de umidade pode ter efeito nocivo em produtos eletrônicos (interferência) e causar condensação em áreas sensíveis do interior da nave. O ciclo de absorção e secagem que ocorre quando o avião viaja através de diferentes condições ambientais também tem o potencial de causar delaminação de estrutura composta e pode distorcer as dimensões de uma peça. Tais efeitos podem levar a reparos e a períodos de paralisação mais frequentes.

 A espuma Ultem evita demora e custo na secagem de placas

 Outra vantagem importante dessa absorção de umidade extraordinariamente baixa da espuma Ultem ocorre durante o processamento. Em geral, as placas de espuma em PMI precisam ser condicionadas (secas e/ou armazenadas em uma área especial) antes que possam ser usinadas, moldadas por compressão ou termoformadas. Essa etapa extra acrescenta tempo, custos e despesas gerais ao processo. A espuma Ultem evita essa situação. Além disso, o PMI pode precisar passar por um processo de recozimento com múltiplas etapas. Some-se o fato de a espuma Ultem ser compatível com metais e materiais laminados termofixos, praticamente eliminando adesivos e outras operações secundárias comuns na indústria aeronáutica.

A espuma Ultem tem uma densidade de 10 a 30 vezes menor que a resina tradicional. Ela apresenta o excepcional desempenho FST da resina Ultem (atende aos níveis de desempenho da Ohio State University – OSU, estando abaixo de 50/50) e oferece excelentes propriedades dielétricas e acústicas, inclusive coeficientes comprovados de redução de ruído maiores que 0,3.

A linha de produtos é fabricada em três densidades: Espuma Ultem XP060, de 60 kg/m3 (3,8 lb/pé3); espuma Ultem XP080, de 80 kg/m3 (5 lb/pé3); e espuma Ultem XP110, de 110 kg/m3 (6,9 lb/pé3).

Fonte: SABIC-IP / Edelman

Espuma de resina melamínica da BASF proporciona excelente compreensão do som para estúdios de televisão

22/09/2011

As características de Basotect® são ideais para o isolamento acústico de estúdios de rádio e de televisão

 Nos estúdios da estação de TV “Rádio e Televisão de Portugal”, em Lisboa, absorvedores de som feitos de Basotect® estão aprimorando a qualidade acústica. Graças às suas excelentes propriedades de absorção, a espuma de resina melamínica da BASF oferece clareza na compreensão dos sons nos estúdios de televisão. A empresa portuguesa Vicoustic orientou a estação de TV a respeito de como implementar o conceito acústico. A Flexicel, um cliente da BASF em Portugal, fabricou absorvedores de som que agora estão pendurados nas paredes e no teto do estúdio.

 “Estúdios de televisão estão sempre localizados em grandes salas. No entanto, a clareza do que é falado é especialmente importante para esse veículo. Por isso, a acústica tem de ser perfeita”, afirma César Carapinha, CEO da Vicoustic. “Além disso, os cuidados de segurança contra incêndios em estúdios, com todos os seus equipamentos técnicos e o fluxo constante de pessoas, devem ser redobrados.” Por isso, as duas empresas optaram por Basotect®. O produto permite mais liberdade no design e no processamento, uma qualidade que atende especialmente à demanda de isolamento acústico de interiores.

 O estúdio da “Rádio e Televisão de Portugal”, Basotect ® foi parcialmente coberto com elementos pretos laminados. Cores escuras são importantes para a televisão, uma vez que o uso da técnica da caixa azul, que torna possível projetar qualquer estúdio de design em uma tela de projetor, é predominante. Ambientes escuros são essenciais para a criação de uma qualidade de imagem melhor.

 Graças à combinação favorável de diversas propriedades – resistência à temperatura, controle de chamas, iluminação, elasticidade, absorção do som e isolamento térmico –, Basotect ® é adequado para os isolamentos acústico e térmico dos edifícios, veículos e trens. Há diferentes tipos de espuma para várias aplicações.

 Fonte: BASF

Espuma de resina melamínica da BASF é usada como isolante acústico em túnel de vento de universidade alemã.

12/08/2011

 Espuma Basotect®, da BASF, reúne excelente característica de absorção do som, alta resistência e capacidades flexíveis de processamento

O Instituto de Aerodinâmica e Dinâmica de Gases da Universidade de Sttugart, na Alemanha, pode agora testar componentes para emissões acústicas. Isso é possível porque as peças que absorvem o som confeccionadas com o Basotect®, espuma de resina melamínica da BASF, foram instaladas no túnel laminar de vento do Instituto.

Para a construção dessa estrutura, componentes de asas de avião ou de turbinas eólicas são testados a fim de otimizar sua performance aerodinâmica por meio do uso de correntes de ar. Devido à forma incomum dos túneis de vento, o fabricante de isolamento WKT-Produktion desenvolveu peças customizadas de Basotect®. A empresa alemã Faist Anlagenbau ficou responsável pela engenharia, pelo design acústico e pela instalação das peças.

Com cerca de 45 metros de comprimento, o túnel de vento capta o ar de fora e acelera na entrada. Em seguida, segue uma seção de medição fechada, em que os componentes são estudados. A fim de melhorar a qualidade da medição aeroacústica, ao túnel de vento foi necessário acrescentar isolamento de som, pois o sistema de ventilação gera o ruído que se propaga por meio da seção de medição e, assim, interfere no processo.

Um material de isolamento foi necessário para combinar ótima absorção de som com alta resistência e capacidades flexíveis de processamento – um produto cujo perfil os materiais convencionais ainda não foram capazes de substituir.

Basotect® tem ótimas propriedades acústicas. Devido a sua estrutura de espuma fina, o produto apresenta excelente absorção nas faixas de frequência média e alta.  As boas capacidades de processamento da espuma retardante de chamas também foram cruciais na decisão de aperfeiçoar acusticamente o túnel de vento. O material flexível pode facilmente se encaixar em diferentes formatos e não apresenta fibras quando cortado. Assim, painéis de absorção de diferentes espessuras poderiam ser feitos para serem utilizados nas paredes do túnel. Os painéis de Basotect® variam na espessura de 3 até 100 cm. Eles são revestidos de uma fina camada de poliuretano que os protege da poeira e da umidade.

Basotect® é uma espuma feita de resina melamínica. Seu material principal a torna retardadora de chamas e apropriada para temperaturas de até 240ºC, o que mantém suas propriedades sob uma ampla faixa de temperatura. Devido a sua estrutura de células abertas, Basotect® é leve, flexível em baixas temperaturas e termicamente isolante, além de ter a característica de absorver o som. Basotect® é utilizado para absorção acústica e isolamento térmico em aplicações que requerem elevada segurança contra incêndio, como em edifícios, carros e trens.

Fonte: BASF