Archive for the ‘Energia Eólica’ Category

Almaco firma acordo de cooperação com a ABEEólica

29/07/2022

Élbia Gannoum, Erika Bernardino Aprá e Rodrigo Braga

Objetivo é potencializar o crescimento da energia eólica offshore no Brasil

A Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (Almaco) e a Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica) acabam de firmar um acordo de cooperação.

Assinado por Erika Bernardino Aprá e Rodrigo Braga, respectivamente, presidente e vice-presidente da Almaco, e Elbia Gannoum, presidente da ABEEólica, o documento detalha a estratégia de trabalho em conjunto das entidades para potencializar o crescimento da energia eólica offshore no Brasil.

“Além de criarmos grupos de trabalho, seminários e road shows, vamos auxiliar as empresas associadas da ABEEólica a explorarem ao máximo as características dos compósitos. O material será ainda mais importante para o sucesso de aplicações offshore, ambiente marcado pela elevadíssima corrosão”, comenta Erika.

De acordo com Braga, o potencial brasileiro de geração offshore ronda a casa dos 700 GW em locais com profundidade de até 50 metros. “O IBAMA já está avaliando licenciamentos que somam mais de 130 GW de energia a partir de 2028. Com certeza, os compósitos terão um papel crucial na viabilização desses projetos”, ele salienta.

Em 2021, o setor de geração de energia eólica – mais especificamente, a fabricação das pás – respondeu por 92,6% do consumo brasileiro de compósitos à base de resina epóxi.

Fundada em 1981, a Almaco tem como missão representar, promover e fortalecer o desenvolvimento sustentável do mercado de compósitos. Com administração central no Brasil e sedes regionais no Chile, Argentina e Colômbia, a Almaco tem cerca de 400 associados (empresas, entidades e estudantes) e mantém, em conjunto com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), o Centro de Tecnologia em Compósitos (Cetecom), o maior do gênero na América Latina. Resultantes da combinação entre polímeros e reforços – por exemplo, fibras de vidro –, os compósitos são conhecidos pelos elevados índices de resistência mecânica e química, associados à liberdade de design. Há milhares de aplicações catalogadas em todo o mundo, de caixas d’água, tubos e pás eólicas a peças de barcos, ônibus, trens e aviões.

Curta nossa página no

Covestro na K2002: Plásticos circulares para mercados verdes em crescimento

20/07/2022

Apresentação da Covestro durante a K-Preview 2022. À direita, Dr. Markus Steilemann, CEO da empresa

  • Apresentação definidora de tendências na K 2022 em Düsseldorf, Alemanha
  • Covestro como pioneira em economia circular e neutralidade climática
  • Abordagem global com matérias-primas alternativas, energia renovável e reciclagem inovadora
  • Novo conceito para produtos circulares

Na K 2022, a Covestro apresentará as possibilidades de plásticos particularmente sustentáveis ​​para o mundo e os mercados em crescimento de amanhã. Para isso, a empresa apresentará em breve novos produtos e materiais para muitas áreas-chave que dão suporte à economia circular e à neutralidade climática na maior feira de plásticos do mundo. Nesse sentido, a Covestro se vê como pioneira no setor e está se focalizando principalmente em parcerias criativas e orientadas para o futuro. A mídia internacional agora teve uma prévia da presença da Covestro na feira em Outubro durante uma conferência de imprensa em Düsseldorf, Alemanha.

“A humanidade está enfrentando enormes desafios. Além de crises agudas, precisamos superar desafios de longo prazo, tais como a proteção do clima, da natureza e de recursos e, assim, salvaguardar nossos meios de subsistência”, disse o CEO Dr. Markus Steilemann. “Isso pode ser alcançado se os negócios e a sociedade se orientarem consistentemente em direção à economia circular. Os plásticos são indispensáveis ​​nesta longa jornada e a Covestro está satisfeita em contribuir com novos produtos e materiais particularmente sustentáveis ​​para esse fim, adaptados às necessidades dos clientes de hoje e de amanhã. Junto com nossos parceiros, é assim que pretendemos aproveitar as imensas oportunidades de crescimento sustentável.”

“Crafting Connections With You”

Sob o lema “Crafting Connections With You” (Criando conexões com você), a Covestro pretende estabelecer novas colaborações com clientes e parceiros e reforçar os laços existentes no stand A 75, no Hall 6 da K 2022, entre 19 a 26 de outubro, bem como numa plataforma digital. “A colaboração ao longo das principais cadeias de valor, em particular, é de grande importância para que a visão de uma economia circular completa seja bem-sucedida”, disse a Dra. Andrea Maier-Richter, chefe global da Entidade de Negócios TPU. “Com nossos desenvolvimentos mais sustentáveis, damos suporte a nossos clientes e parceiros para facilitar sua transição para a economia circular e alcançar seus próprios objetivos climáticos”.

Para tornar as soluções circulares no portfólio de produtos ainda mais reconhecíveis para os clientes no futuro, a Covestro desenvolveu o conceito “CQ”. O sufixo de marca significa “Inteligência Circular” e indica a base alternativa de matéria-prima para os produtos da empresa, se esta for de pelo menos 25%. Entre os primeiros produtos “CQ” está o Desmodur®CQ. As espumas de poliuretano à base de Desmodur®CQ são utilizadas, por exemplo, em móveis estofados, colchões e isolamento térmico.

Afastando-se dos recursos fósseis

A Covestro usa principalmente precursores renováveis e resíduos plásticos como matérias-primas alternativas, bem como eletricidade verde. Para atingir sua visão de uma economia circular e atingir suas ambiciosas metas climáticas, a empresa também está se concentrando no fornecimento futuro de hidrogênio “verde” e no desenvolvimento de tecnologias inovadoras de reciclagem.

Todas essas medidas ajudam a conservar os recursos fósseis e evitar emissões de CO2. A longo prazo, a Covestro pretende oferecer todos os seus produtos numa versão climaticamente neutra. Até 2030, a empresa planeja investir cerca de um bilhão de euros em projetos de economia circular. Para atingir emissões líquidas zero, a Covestro também espera investir entre 250 milhões de euros e 600 milhões de euros até 2030.

O plástico de alto desempenho Policarbonato e a importante matéria-prima de poliuretano (PU) metileno difenil diisocianato (MDI) já estão disponíveis em maiores quantidades como produtos neutros para o clima. Assim como a matéria-prima renovável de PU diisocianato de tolueno (TDI), eles são fabricados com matérias-primas renováveis, como biomassa nova e bioresíduos e materiais residuais, que são alocados aos produtos por cálculo usando a abordagem de balanço de massa. De acordo com um modelo de cálculo comum, nenhuma emissão líquida de CO2 é gerada durante a produção, desde o início da produção (berço) até o portão da fábrica.

Para seu próprio suprimento de matéria-prima, a Covestro colabora com vários parceiros industriais que fornecem precursores renováveis, tais como acetona, fenol e benzeno com massas balanceadas. Fornecedores como a Borealis, Total, Mitsui Chemicals e Mitsui & Co. produzem essas matérias-primas em unidades certificadas pelo padrão ISCC PLUS reconhecido internacionalmente. Ao mesmo tempo, a Covestro está gradualmente convertendo suas unidades de produção para este padrão, o que já acontece em Leverkusen, Dormagen, Krefeld-Uerdingen, Antuérpia e Xangai.

Mais recentemente, a Covestro anunciou uma colaboração com a Neste e a empresa petroquímica sul-coreana SK geocentric para fornecer benzeno com massa balanceada para sua produção de MDI na China. O MDI é uma importante matéria-prima para a espuma rígida de PU, que proporciona isolamento eficiente para edifícios e a cadeia de frio. O policarbonato certificado, por sua vez, atua nas indústrias automotiva, elétrica-eletrônica e médica, entre outras. E o TDI é um precursor da espuma flexível de PU, que é usada para fazer colchões e móveis estofados.

A Covestro também assinou contratos com fornecedores de energia como Ørsted, EnBW, ENGIE, Datang Wuzhong New Energy e outros para fornecer eletricidade de fontes renováveis ​​a plantas na Alemanha, Bélgica e China.

Tecnologias inovadoras para reciclagem química

Hermann-Josef Dörholt, chefe global do segmento de materiais de desempenho, enfatizou a grande importância das tecnologias de reciclagem para realmente fechar ciclos: “A Covestro está adotando uma abordagem comprometida aqui: usando várias abordagens, podemos recuperar especificamente as matérias-primas de que precisamos para a produção de nossos plásticos. Além da reciclagem mecânica tradicional de policarbonato e poliuretano termoplástico, estamos focalizndo principalmente na reciclagem química para esse propósito.” O objetivo, diz ele, é reciclar completamente os materiais a fim de economizar matérias-primas fósseis e emissões de CO2, ao mesmo tempo em que se oferece produtos reciclados com qualidade de material virgem.

Como exemplos, Dörholt cita processos inovadores para a reciclagem química de resíduos de espuma de colchão e espuma de PU rígida usada. Em conjunto com parceiros, a Covestro desenvolveu um processo para recuperar quimicamente os dois principais componentes da espuma de colchão de PU: o poliol e o precursor do isocianato TDI utilizado. Os resultados dos testes realizados até o momento são promissores e estão sendo testados em uma planta piloto na unidade de Leverkusen. O projeto agora será estendido ao processamento industrial de espumas flexíveis.

A Covestro também está coordenando o projeto CIRCULAR FOAM da União Européia, que conta com 22 parceiros de nove países, o qual se dedica ao reprocessamento químico de espuma rígida de poliuretano de materiais de isolamento de edifícios e equipamentos de refrigeração usados. Os produtos contribuem de forma importante para a redução das emissões de CO2 e redução do consumo de energia, mas até agora faltam processos de reciclagem e gestão sistemática de resíduos. O projeto visa economizar até um milhão de toneladas de resíduos e 2,9 milhões de toneladas em emissões de CO2 anualmente na Europa até 2040.

A Covestro é um dos principais fabricantes mundiais dos materiais poliméricos Policarbonato e Poliuretanos, além dos seus componentes. Com seus produtos, processos e métodos inovadores, a empresa ajuda a melhorar a sustentabilidade e a qualidade de vida em diversas áreas. A Covestro fornece para clientes no mundo todo em setores-chave como mobilidade, construção e habitação, bem como para o setor elétrico e eletrônico. Além disso, os polímeros da Covestro também são utilizados em setores como esporte e lazer, cosméticos e saúde, além da própria indústria química. A empresa diz que está comprometida em se tornar totalmente circular e está se esforçando para se tornar neutra em relação ao clima até 2035 (escopo 1 e 2). A Covestro gerou vendas de EUR 15,9 bilhões no ano fiscal de 2021. No final de 2021, a empresa tinha 50 unidades de produção em todo o mundo e empregava aproximadamente 17.900 pessoas (calculadas como equivalentes em tempo integral).

Curta nossa página no

Braskem e EDF Renewables fecham acordo para uso de energia renovável

19/04/2022

O contrato prevê fornecimento de energia eólica por 20 anos, ampliando a matriz de energia limpa da petroquímica; projeto viabilizará a implantação de um complexo eólico na Bahia.

Comprometida com as metas de sustentabilidade ligadas à ecoeficiência operacional e ao combate às mudanças climáticas, a Braskem fechou um contrato de compra de energia eólica com a EDF Renewables do Brasil. O acordo será âncora para viabilizar a construção de um novo complexo eólico no sudoeste da Bahia, contribuindo para a instalação de novas fontes de energia renovável no Brasil.

O novo acordo vai permitir à petroquímica obter energia por 20 anos, a partir de 2024. A expectativa é que ocorra uma redução na emissão de gases de efeito estufa de cerca de 700 mil toneladas de CO2 pela Braskem por esse período, acelerando o uso das energias renováveis em sua matriz energética, alinhada com os objetivos de descarbonização e transição energética.

Este é o quinto contrato de energia renovável de origem eólica e/ou solar de longo prazo que a Braskem firma em 4 anos e o segundo com a EDF Renewables, alcançando mais de 150 MW médios de energia oriunda destas fontes, que representam cerca de 30% do portfólio da energia elétrica comprada no Brasil e colocam a Braskem perto de alcançar a marca estimada de 2,2 milhões de toneladas de CO2 em emissões evitadas apenas com estes contratos, contribuindo para a meta de redução de 15% de emissões de Gases de Efeito Estufa de escopo 1 e 2 até 2030 e neutralidade de carbono até 2050.

Curta nossa página no

Fortescue e Covestro anunciam planos para acordo de fornecimento de hidrogênio verde

24/01/2022

  • Fortescue Future Industries planeja fornecer hidrogênio verde e seu derivados, incluindo amônia verde, para a Covestro
  • FFI irá fornecer o equivalente a 100 mil toneladas de hidrogênio verde por ano, a partir de 2024

A Fortescue Future Industries (FFI), indústria de energia verde baseada na Austrália, e a Covestro, fabricante global de polímeros, planejam um acordo de longo prazo para o fornecimento de hidrogênio verde e seus derivados, incluindo amônia verde.

De acordo com o Memorando de Entendimento (MoU), a FFI e a Covestro irão formalizar um acordo no qual a FFI irá fornecer o equivalente a até 100 mil toneladas de hidrogênio verde (GH2) por ano.

O acordo permitirá que a Covestro reduza suas emissões de gases de efeito estufa em até 900 mil toneladas de CO2 por ano, com a substituição do hidrogênio cinza e seus derivados pelo H2 verde. Os fornecimentos são destinados a tres possíveis localidades – Ásia, América do Norte e Europa – e poderão ser iniciadas em 2024. A FFI e a Covestro veem o memorando como o primeiro passo rumo a uma parceria estratégica mais ampla para acelerar a transição para uma energia verde, principalmente para as indústrias que consomem muita energia.

O presidente da FFI, Andrew Forrest AO, afirmou: “Essa é uma colaboração pioneira que reforça o poder do hidrogênio verde para acelerar a descarbonização de algumas das indústrias que mais utilizam energia no mundo. A FFI e a Covestro compartilham a visão de que o hidrogênio e a amônia verdes terão papel crucial para que as empresas atinjam seus objetivos climáticos e evitem o aquecimento global. Estamos ansiosos em trabalhar com a Covestro para atender suas demandas de hidrogênio verde, e colaborar com a Alemanha a fim de torná-la líder mundial em descarbonização, hidrogênio e amônia verdes”.

Markus Steilemann, CEO da Covestro, destacou: “Estamos muito felizes pela FFI compartilhar nossa visão de economia circular e estar disposta a tomar medidas corajosas para promover a necessária transição de mercado para o hidrogênio verde. Nossa colaboração com a FFI destaca nossa ambição de pioneirismo na transição rumo à economia circular e a uma produção neutra para o clima. O hidrogênio verde, e seus derivados, tem papel fundamental para a indústria química, tanto como fonte alternativa de matéria-prima quanto de energia limpa. Essa transição será um importante passo em nossos esforços para oferecer produtos mais sustentáveis, que também reduzem a pegada de carbono de nossas indústrias consumidoras”.

A CEO da FFI, Julie Shuttleworth, complementou: “A Covestro é líder global em sua indústria, com seus materiais sendo utilizados em praticamente todas as áreas da vida moderna, incluindo os segmentos automotivo, construção e eletrônico. Essa colaboração reforça a ideia de que o hidrogênio verde é uma solução prática e possível de implementar para uma série de indústrias com dificuldade de descarbonização”.

O hidrogênio verde é fabricado a partir de energia renovável e não produz nenhuma poluição, sendo o vapor d’água o seu único subproduto. O objetivo da FFI é ampliar sua produção de hidrogênio verde para 15 milhões de toneladas, por ano, até 2030, aumentando para 50 milhões de toneladas, por ano, na década seguinte.

A Covestro utiliza o hidrogênio e seus derivados como matéria-prima na produção de seus polímeros. Como parte de uma ampla estratégia de economia circular, a Covestro comprometeu-se com uma transição completa para a utilização de matérias-primas alternativas e energias renováveis. A parceria com a FFI é um importante passo rumo a este objetivo.

A Fortescue Future Industries (FFI) é uma empresa global de energia verde comprometida com a produção de hidrogênio 100% oriundo de fontes renováveis. Segundo a empresa, o hidrogênio verde é a solução prática e possível de se implementar que irá revolucionar a forma como abastecemos nosso planeta, descarbonizando indústrias pesadas e criando empregos no mundo todo. A FFI está estabelecendo um portfólio global de projetos de hidrogênio verde renovável e amônia verde com o objetivo de fornecer 15 milhões de toneladas, por ano, de hidrogênio verde renovável até 2030, aumentando este valor para 50 milhões de toneladas, por ano, na década seguinte.

Com 10,7 bilhões de euros em vendas em 2020, a Covestro é uma das empresas líderes mundiais em polímeros. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de polímeros e no desenvolvimento de soluções para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana, como a automotiva e de transportes, construção, móveis e processamento de madeira e os segmentos eletroeletrônicos e de aparelhos domésticos. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. Ao final de 2020, a Covestro tinha 33 unidades de produção no mundo todo e empregava aproximadamente 16,5 mil pessoas.

Foto: Covestro footage

Curta nossa página no

BASF conclui compra de 49,5% do parque eólico offshore no Mar do Norte holandês

02/09/2021

  • Aprovação de todas as autoridades relevantes já recebidas
  • As obras no Mar do Norte já começaram
  • Fornecimento de energia para tecnologias de baixa emissão com início em 2023

Após a aprovação de todas as autoridades relevantes, a BASF concluiu com sucesso hoje, 01/09/2021, a compra de 49,5% do parque eólico offshore Hollandse Kust Zuid da Vattenfall. O fechamento da transação, originalmente previsto para o quarto trimestre de 2021, foi concluído antes do planejado.

De acordo com o acordo que a BASF e a Vattenfall assinaram em junho de 2021, o preço de compra chega a € 300 milhões. Incluindo a contribuição da BASF para financiar a construção do parque eólico, o compromisso total da BASF chega a cerca de € 1,6 bilhão. A BASF pretende reduzir seu investimento vendendo ações para um co-investidor financeiro; o processo respectivo já foi iniciado.

As obras de construção do parque eólico no Mar do Norte holandês começaram em julho de 2021. O parque eólico offshore não conta com subsídios e deverá estar totalmente operacional em 2023. Nessa época, será o maior parque eólico offshore do mundo, com 140 turbinas e uma total capacidade instalada de 1,5 gigawatts. A eletricidade do parque eólico permitirá à BASF implementar tecnologias inovadoras de baixa emissão em vários de suas instalações de produção na Europa. Outra parte significativa da produção de eletricidade é reservada para os clientes holandeses da Vattenfall.

O complexo químico da BASF em Antuérpia (Bélgica) se beneficiará da energia renovável em uma extensão significativa. A unidade da BASF em Antuérpia é a maior unidade de produção de produtos químicos na Bélgica e a segunda maior unidade do Grupo BASF em todo o mundo.

O esquema de fornecimento para outras unidades da BASF na Europa dependerá do desenvolvimento do respectivo regulamento para energia renovável. O parque eólico também ajudará a Holanda a atingir sua meta de geração de energia renovável e metas de redução de gases de efeito estufa. A BASF tem mais de 1.500 funcionários na Holanda que desenvolvem, produzem e vendem produtos para muitos setores em vários locais.

“Este parque eólico será um importante alicerce para fornecer eletricidade renovável ao nosso site de Antuérpia e outros sites europeus. É o primeiro grande investimento da BASF em instalações para energia renovável. Com este investimento, estamos garantindo volumes significativos de eletricidade de fontes renováveis ​​para a BASF, que é um elemento-chave de nossa transformação em direção à neutralidade climática ”, disse o Dr. Martin Brudermüller, Presidente do Conselho de Diretores Executivos da BASF SE.

“A Vattenfall e a BASF compartilham um objetivo comum de eliminar gradualmente as emissões de gases de efeito estufa de nossas operações. Com esta cooperação, a Vattenfall prova mais uma vez que as parcerias com as indústrias são um elemento chave para acelerar a transição energética europeia entre os vários setores da economia. Estou particularmente orgulhosa de podermos fazer isso e, ao mesmo tempo, garantir o fornecimento de eletricidade livre de recursos fósseis aos nossos clientes holandeses ”, disse Anna Borg, presidente e CEO da Vattenfall.

A Vattenfall afirma ter como missão permitir uma vida livre de combustíveis fósseis em uma geração. Para atingir esse objetivo, a empresa investe fortemente em energias renováveis. A energia eólica offshore desempenha um papel importante no alcance de seus objetivos. Uma pedra angular da estratégia de crescimento da Vattenfall é procurar parceiros para equilibrar os custos de investimento significativos de seus ativos futuros. Investidores fortes apoiarão a Vattenfall para acelerar e impulsionar a transformação do cenário energético, uma vez que abrirá espaço financeiro para novos investimentos em energias renováveis ​​e descarbonização.

A BASF pretende reduzir suas emissões de gases de efeito estufa em 25% até o ano 2030 e atingir emissões líquidas zero até 2050. Uma importante alavanca para reduzir ainda mais as emissões é substituir a eletricidade de base fóssil por eletricidade livre de recursos fósseis. A BASF garantirá o suprimento das quantidades necessárias de energia renovável por meio de uma abordagem “fazer e comprar”. Isso inclui a intenção de trazer co-investidores financeiros para este projeto, permitindo um uso eficiente do capital.

A BASF está trabalhando na ampliação de tecnologias de baixa emissão para dimensões industriais. Após 2030, a BASF espera implementar tecnologias tais como processos livres de CO2 para a produção de hidrogênio e crackers a vapor aquecidos eletricamente, o que aumentará significativamente a demanda da BASF por energia renovável. Os crackers a vapor desempenham um papel central na produção de produtos químicos básicos e requerem uma quantidade significativa de energia para quebrar os hidrocarbonetos, sob altas temperaturas e pressão, em olefinas e aromáticos. Os parques eólicos offshore podem desempenhar um papel fundamental no fornecimento das quantidades necessárias de energia renovável.

“Vattenfall e BASF são parceiros de longa data. Com este projecto verdadeiramente europeu damos mais um passo no reforço da nossa parceria. Juntos, faremos um impacto positivo no clima, em nossos negócios e continuaremos a buscar oportunidades futuras de cooperação ”, disseram Borg e Brudermüller.

Curta nossa página no

Firjan: uso do hidrogênio como energia pode impulsionar investimentos no Rio de Janeiro

29/08/2021

O cenário mundial do uso do hidrogênio (H2) como energia, que prevê investimentos de US$ 500 bilhões até 2030, e o conjunto de oportunidades que o desenvolvimento dessa tecnologia representa para o Brasil e para o estado do Rio foram debatidos na segunda Websérie Novas Energias, organizada pela Firjan, no início deste mês. O H2 poderá trazer investimentos para o Rio, como no Porto do Açu, em São João da Barra, que negocia a instalação de usinas no local.

“É uma oportunidade única de discutir o tema de extrema relevância para a indústria e sua competitividade internacional. União Europeia e EUA têm metas ambiciosas de redução de emissão de carbono até 2050 e vão recorrer ao hidrogênio”, analisou Giorgio Luigi Rossi, coordenador da Firjan Internacional e um dos mediadores da série “Rotas de Hidrogênio: energia do futuro e oportunidades para o Rio”.

No país, os projetos de hidrogênio verde somam US$ 22 bilhões. O Porto do Açu aposta nessa produção, utilizando água e usinas eólica e solar que devem ser instaladas na área. “Abre um leque de opções de produção de baixo carbono, também com o uso da amônia, que tem maior potencial de transporte do hidrogênio. Estamos participando desse desenvolvimento da tecnologia e do mercado”, explicou Filipe Segantine, gerente de Desenvolvimento de Negócios Sustentáveis no Porto do Açu.

“A demanda por hidrogênio verde tem a ver com a descarbonização, com o compromisso mundial de conter o crescimento da temperatura global em 1,5 grau. O H2 vai transformar o mercado de energia mundial. Até 2025, os países que representam 80% do PIB mundial terão suas estratégias de hidrogênio definidas. A Alemanha definiu que vai descarbonizar sua economia até 2050 e, para isso, precisa importar 90% de H2. Com esse objetivo, dedica recursos para fomentar a economia de hidrogênio no Brasil e em outros países. Mais de 60% das empresas alemãs com tecnologia nessa área têm subsidiárias no Brasil”, destacou Ansgar Pinkowski, gerente de Inovação e Sustentabilidade na Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha do Rio de Janeiro (AHK Rio).

“O Ministério de Minas e Energia (MME) vai lançar o Programa Nacional de Hidrogênio, produzido pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), e que tem sua minuta sendo avaliada pelo Conselho Nacional de Política Energética do Ministério. O H2 foi introduzido como um dos temas prioritários de pesquisa e desenvolvimento”, adiantou Luciano Basto Oliveira, consultor técnico na EPE, do MME. A nota técnica de fevereiro de 2021 da EPE já mostra o panorama desse mercado, seus desafios e oportunidades.

Curta nossa página no

Arkema ganha prêmio do governo francês por resina termoplástica líquida usada na fabricação de pás de turbinas eólicas

30/10/2020

No último dia 26/10, na presença de Agnès Pannier-Runacher, Ministra Delegada da Indústria, adjunta do Ministro da Economia, Finanças e Recuperação, a Arkema recebeu o Prêmio Pierre Potier 2020 por sua resina termoplástica líquida Elium, uma inovação em compósitos que possibilita a fabricação de pás eólicas 100% recicláveis.

Espera-se que a produção de energia eólica, tanto em terra quanto no mar, desempenhe um papel importante na transição para energias de baixo carbono. Nesse mercado que conta com um crescimento anual de 12 a 15%, dezenas de milhares de pás eólicas são produzidas todos os anos ao redor do mundo. Essas pás eólicas utilizam compósitos à base de resinas termofixas, difíceis de reciclar. Ao final do seu ciclo de vida, serão na maioria das vezes enterradas ou incineradas, causando um impacto ambiental significativo.

A Arkema afirma que a resina termoplástica líquida Elium é a primeira resina que permite a fabricação de pás de turbinas eólicas totalmente recicláveis. A reciclagem, seja mecânica ou química, é um ativo considerável no ciclo de vida das turbinas eólicas. As peças são primeiro moídas e depois aquecidas para despolimerizar a resina, de modo que ela possa ser separada das fibras de reforço. Após purificação e reformulação, uma nova resina termoplástica líquida é obtida com as mesmas características da resina virgem.

A Arkema está no núcleo do consórcio ZEBRA (ZerowastE Blade ReseArch) liderado pelo IRT Júlio Verne, um ambicioso projeto que visa criar a primeira pá de turbina eólica 100% reciclável e contribuir para o desenvolvimento de soluções ecológicas e sustentáveis para a força do vento.

“Estamos imensamente orgulhosos por receber o Prêmio Pierre Potier, que premia uma solução inovadora e sustentável para pás de turbinas eólicas no final de seu ciclo de vida – um grande desafio para o setor devido aos consideráveis volumes envolvidos. Com nossa resina termoplástica Elium, oferecemos uma solução para os desafios ambientais da energia eólica, tornando-a parte de uma economia circular ”, disse Guillaume Clédat, Diretor Global de Vendas e Desenvolvimento da resina Elium.

A Arkema afirma que a resina Elium, que foi desenvolvida no seu centro de pesquisa em Lacq, permite a produção de uma grande variedade de peças termoplásticas de fibra de vidro ou fibrocomposto de carbono de todos os tamanhos e com formatos complexos, além da aplicação no mercado de energia eólica. Segundo a empresa, o benefício econômico da resina vem de duas características principais: sua facilidade de implementação com curtos tempos de endurecimento à temperatura ambiente e sua compatibilidade com as inúmeras tecnologias de processamento de resinas termofixas existentes, limitando assim os investimentos para fabricantes já equipados com essas máquinas e abrindo uma vasta gama de desenvolvimentos em muitos setores, como transporte, construção e indústria náutica.

Criado em 2006 pelo Ministério da Economia, Finanças e Indústria e agora patrocinado pela Fundação Maison de la Chimie e France Chimie, o Prêmio Pierre Potier destaca e premia iniciativas no campo da química que promovem o desenvolvimento sustentável, bem como o desenvolvimento de abordagens eco-responsáveis no setor. Concedido por um júri de especialistas em pesquisa, indústria e ministério, este prêmio se tornou uma referência importante para organizações de apoio empresarial.

Curta nossa página no

Futuro será dos compósitos

14/09/2020

Por Jean Zolet*

No futuro, a importância dos compósitos será muito maior do que é hoje. Há cerca de duas décadas me relaciono com esse material, que combina resinas termoplásticas/termofixas e reforços mecânicos, como fibras de vidro. E, para mim, cada vez mais fica claro que a tendência de diversos setores é buscar redução de peso e liberdade de design, duas das principais características dos compósitos.

Um dos ramos mais adequado às propriedades dos compósitos é o automotivo. Vi isso de perto no início dos anos 2000, quando liderei o setor de produção de uma grande montadora de ônibus. À época, lançamos uma geração de ônibus cujo peso era 28% menor do que o da família anterior. Isso só foi possível graças à troca do aço por compósitos em algumas peças, como em um para-choque.

Veículos mais leves consomem menos combustível e, em decorrência, emitem menos poluentes. Ao avaliar todo o ciclo de vida, os compósitos podem ser classificados como sustentáveis. O material também é fundamental para a viabilidade da geração de energia eólica – além das pás, é usado na fabricação das nacelles e spinners.

A propósito, foi a produção de uma nacelle o meu trabalho mais desafiador até agora – sou diretor executivo há mais de uma década da Gatron, empresa especializada na fabricação de peças plásticas. O projeto – um fornecimento da Gatron para a Alstom fechado em 2012 – consistiu no desenvolvimento da primeira nacelle 100% brasileira.

Foi um trabalho que começamos do zero, desde a especificação das matérias-primas até o desenvolvimento da tecnologia de transformação. Deu tão certo que já fornecemos mais de 3 mil nacelles para Alstom, GE, Gamesa, WEG e demais empresas especializadas em geração de energia eólica.

Outro segmento de mercado que, no Brasil, começa a despertar para os benefícios dos compósitos é o arquitetônico. A primeira pergunta que sempre ouço dos arquitetos é: “esse material faz curva?”. Ao saberem que os compósitos não só permitem a produção de peças com qualquer tipo de design, mas também reduzem bastante o número de emendas, os arquitetos invariavelmente abrem um sorriso. Eles sempre buscaram um material como esse para os seus projetos de fachadas, por exemplo.

Foi a produção de componentes para fachada, aliás, o trabalho mais recente no qual estive envolvido: no mês passado, a Gatron concluiu o fornecimento de 3 mil m² de molduras de revestimento das lajes de um prédio de alto padrão construído em São Paulo pela Cyrela. O design do edifício foi elaborado pelo icônico estúdio italiano Pininfarina, o mesmo que projeta os carros da Ferrari.

Garantir liberdade de design é transpor para a arquitetura as linhas fluidas de um modelo de carro esportivo – e isso só foi possível graças aos materiais compósitos.

(*) Jean Zolet é engenheiro especializado em polímeros

Curta nossa página no

Grupo Solvay se une ao compromisso da Apple para avançar no uso de energia limpa

11/08/2020

Como fornecedora para a gigante do mundo tech, a Solvay promove suas próprias ambições de sustentabilidade por meio do Programa de Energia Limpa do Fornecedor da Apple.

O Grupo Solvay, que no Brasil também atua com a marca Rhodia, anuncia a renovação de sua participação no Programa de Energia Limpa para Fornecedores da Apple, um componente essencial do compromisso da gigante do mundo da tecnologia de alcançar a neutralidade de carbono para toda a sua cadeia de suprimentos e produtos até 2030.

Os 71 fornecedores da Apple, incluindo a Solvay, têm compromisso global com a produção de produtos Apple com 100% de energia limpa como parte desse esforço.

O envolvimento da Solvay remonta a outubro de 2015, quando a Apple iniciou seu Programa de Energia Limpa para Fornecedores, solicitando a seus fornecedores que tomassem todas as providências necessárias para alimentar sua produção com energia renovável.

Desde então, o Grupo Solvay implementou uma variedade de soluções de energia renovável para fornecer à Apple materiais feitos com 100% de energia verde e flexibilidade suficiente para se adaptar à demanda futura.

“Fomos rápidos em aceitar a solicitação da Apple porque ela se integrava perfeitamente aos nossos próprios objetivos em termos de energia renovável”, explicou Sébastien Pétillon, gerente de vendas para a América do Norte da unidade de polímeros especializados da Solvay. “Por fim, o acordo nos permitiu obter acesso a mais energia renovável”.

A Solvay decidiu se juntar ao China Clean Energy Fund da Apple, uma iniciativa que reúne dez fornecedores iniciais da empresa norte-americana na China em um fundo de várias centenas de milhões de dólares para investir em energias renováveis ​​na China.

“Essa foi uma solução muito mais interessante para nós, oferecendo maiores capacidades de investimento, a possibilidade de financiar vários projetos simultaneamente e menos riscos financeiros”, explicou Alain Michel, chefe de transição climática e energética da Solvay.

Além disso, a Solvay está atualmente planejando a construção de um parque eólico próximo ao local da Specialty Polymers em Changshu, perto de Xangai. “O acordo da Apple acelerou nosso conhecimento do mercado de energias renováveis ​​na China, aumentando nossa experiência e know-how”, explica Alain, “que é exatamente o efeito que eles queriam obter com essa demanda aos fornecedores”.

Com 24.100 empregados em 64 países, a Solvay oferece soluções inovadoras que contribuem para produtos mais seguros, limpos e sustentáveis, ​​encontrados em residências, alimentos e bens de consumo, aviões, carros, baterias, dispositivos inteligentes, equipamentos de saúde, sistemas de purificação de água e ar. Fundada em 1863, a Solvay obteve vendas líquidas de € 10,2 bilhões em 2019.

Curta nossa página no

Prévia da K 2019 – Covestro destaca sua visão de um mundo sustentável e digital

17/07/2019

  • Busca por ciclo de material em toda a cadeia de valor
  • Pioneira no caminho para um futuro sem matérias-primas fósseis
  • Programa abrangente para digitalização
  • Soluções inovadoras para indústrias-chave

Durante a conferência de imprensa Prévia da K2019, realizada no Centro de Convenções da Messe Duesseldorf em 2 de julho passado, a fabricante de materiais Covestro apresentou em primeira mão as novidades a serem exibidas na Feira K 2019 em Outubro. Apresentado pelo CEO da Covestro, Dr. Markus Steilemann, e por Jochen Hardt, vice-presidente e especialista em marketing da Covestro, a empresa divulgou suas várias inovações e projetos que visam ampliar as fronteiras de um mundo sustentável e digital.

Na feira de plásticos K 2019, em Düsseldorf, a Covestro apresentará soluções inovadoras em materiais que, segundo a empresa, fornecem respostas aos desafios atuais do mundo. Os visitantes da principal feira do mundo para a indústria de plásticos e borracha encontrarão exemplos disso apresentados pela Covestro no estande A75, no Hall 6. De 16 a 23 de outubro de 2019, produtos e tecnologias para as indústrias automotiva, de construção e eletrônica estarão em exibição , além de aplicações inovadoras e funcionais nos setores da saúde, móveis, esportes e lazer.

“Além do avanço da digitalização, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas serão uma força motriz na sociedade e na economia para os próximos anos”, disse o CEO Markus Steilemann aos jornalistas. “O atingimento desses objetivos não é apenas imperativo para um mundo melhor, mais limpo e mais saudável, mas também possui um grande potencial econômico a longo prazo”, explicou o CEO. “A Covestro está determinada a implementar as metas de sustentabilidade da ONU em muitos níveis.”

Steilemann apontou o desenvolvimento de uma economia circular funcional e uma melhor gestão de recursos fósseis limitados, principalmente o petróleo bruto, como pontos centrais para o aumento da sustentabilidade. “Essas são metas que impactarão a sociedade como um todo e a Covestro quer contribuir para isso. Dentro de nossa empresa, queremos estabelecer ciclos de materiais ao longo de toda a cadeia de valor, desde os fornecedores, passando pela produção e logística, até o uso de nossos produtos e sua reutilização ”, explica Steilemann.

Ao reciclar plásticos usados, será importante poder esgotar todas as possibilidades técnicas. “O método relativamente novo de reciclagem química também é uma opção, que requer suporte adicional”, disse o CEO.

Um aspecto fundamental para o desenvolvimento de uma economia circular na indústria de plásticos e indústria química é fechar o ciclo de carbono com recursos reciclados. Aqui, vale a pena considerar o uso de resíduos de plantas e, cada vez mais, a utilização de gás carbônico como alternativas para os recursos fósseis. A Covestro já alcançou vários resultados nessas áreas. “Queremos nos tornar pioneiros no caminho para um futuro sem recursos baseados em materiais fósseis e enfatizar nossa reivindicação de liderança no setor”, enfatizou Steilemann.

Digitalização cria valor agregado

Outra força motriz é o avanço da digitalização. A Covestro quer aproveitar as oportunidades nessa área e iniciou um programa abrangente, com foco no cliente. Para isso, a empresa está incorporando tecnologias e processos digitais na produção, na cadeia de suprimentos, na pesquisa e desenvolvimento, em todos os pontos de contato com os clientes e no desenvolvimento de novos modelos de negócios. Vários tópicos e exposições na K 2019 destacam a importância da digitalização para a empresa, que espera estabelecer referências nesse campo na indústria de plásticos e de produtos químicos.

Os exemplos abaixo dão uma ideia dos desenvolvimentos que a Covestro apresentará na K 2019.

Sociedade completamente conectada

Um requisito importante para a mobilidade do futuro e a digitalização de todas as áreas da vida e dos negócios é a nova tecnologia de transmissão 5G. Para construir a infra-estrutura para isso, a Covestro está trabalhando em conjunto com a Deutsche Telekom e o Umeå Institute of Design para desenvolver soluções inovadoras em materiais para estações base, antenas e outros componentes do sistema. A Covestro também está trabalhando em uma solução em filme de múltiplas camadas em conjunto com um novo processo de fabricação para as partes de trás da estrutura de smartphones. Ao contrário dos elementos convencionais de metal, estes filmes de policarbonato são permeáveis ​​à radiação de alta frequência.

Interiores de automóveis do futuro

O destaque da exposição na K 2019 é um conceito de interior automotivo abrangente para a mobilidade futura. Em linha com a última tendência, a mostra pretende transformar interiores de automóveis em espaços multifuncionais e móveis para a vida e o trabalho. “Desenvolvemos o conceito em conjunto com parceiros-chave industriais e acadêmicos”, explicou Jochen Hardt, especialista em marketing da Covestro e líder do projeto. “Isso envolve funcionalidade, conforto e design em igual medida, além de eficiência.” O carro do futuro é totalmente conectado em rede e é perfeitamente integrado à vida cotidiana. Os principais recursos de design são superfícies com aparência e toque decorativos, iluminação ambiente integrada, os últimos sistemas de entretenimento digitais e conceitos em assentos de última geração.

Produtos têxteis derivados de gás carbônico

Juntamente com parceiros como a RWTH Aachen University e vários fabricantes de têxteis, a Covestro conseguiu produzir fibras têxteis elásticas a partir de poliuretano termoplástico derivado parcialmente de CO2 e, como resultado, substituiu em parte o petróleo bruto como matéria-prima. O ponto de partida é um produto intermediário chamado cardyon®, que já é usado para para produzir a espuma macia encontrada em colchões e nas camadas de base dos campos esportivos. Os parceiros estão atualmente trabalhando no desenvolvimento da produção de têxteis em escala industrial e querem introduzir um ciclo de material que seja baseado em recursos sustentáveis ​​para a indústria têxtil e de vestuário.

Energias renováveis ​​em ascensão

Além de promover uma economia circular eficiente, a Covestro também está comprometida em expandir ainda mais o uso dos plásticos em energias renováveis, como a energia eólica. A cooperação com parceiros levou ao desenvolvimento de uma resina de poliuretano, bem como de uma tecnologia de processo, que torna possível a fabricação de pás de rotores de turbinas eólicas de forma eficiente e econômica, afirma a empresa. A Covestro recentemente processou seu primeiro pedido comercial nessa área proveniente da China.

Com 2018 vendas de 14,6 bilhões de euros, a Covestro está entre as maiores empresas de polímeros do mundo. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de materiais poliméricos de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados ​​em muitas áreas da vida diária. Os principais segmentos atendidos são os setores automotivo, de construção civil, processamento de madeira e móveis, e elétricos e eletrônicos. Outros setores incluem esporte e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro possui 30 unidades de produção em todo o mundo e emprega aproximadamente 16.800 pessoas (calculadas como equivalentes em tempo integral) no final de 2018.

Curta nossa página no

Braskem assume compromisso de compra de energia gerada em parque eólico e ajuda a viabilizar empreendimento da EDF Renewables na Bahia

02/12/2018

Estado caminha para se tornar líder nacional no setor de energia renovável

A Braskem vai investir na compra de energia eólica e assim ajudar a viabilizar a expansão do Complexo de Folha Larga, que a EDF Renewable do Brasil está desenvolvendo na Bahia. A Braskem se comprometeu a comprar energia eólica por 20 anos, em um contrato estimado em R$ 400 milhões. Esse novo parque de energia renovável, localizado no município de Campo Formoso, a 350 km a noroeste de Salvador, contribuirá para colocar a Bahia entre os líderes no setor nos próximos anos.

O empreendimento de Folha Larga foi viabilizado pela contratação de venda de energia de longo prazo nos leilões do governo e também pela celebração do compromisso da Braskem no ambiente de contratação livre.

“A Bahia tem se tornado referência nacional em energia renovável”, afirma Gustavo Checcucci, diretor de Energia da Braskem. “Estamos fazendo nossa parte para o desenvolvimento desse setor. Ao investir numa matriz limpa e sustentável, estamos reduzindo a quantidade de emissões de CO2 em 325 mil toneladas ao longo do período do contrato”, diz Checcucci.

A Bahia tem atualmente 113 parques eólicos em operação, com potência instalada de aproximadamente 3,0 GW, segundo dados da Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). Os investimentos já contratados no setor durante o ano por meio dos leilões de energia devem fazer o Estado da Bahia ganhar mais 622 MW de energia eólica até 2024. A região de Campo Formoso, onde está localizado o parque eólico, apresenta vento forte e constante, muito favorável a eficiência da geração de energia eólica.

“Esse primeiro contrato privado de compra e venda de energia, assinado com a Braskem, um dos maiores consumidores do país, demonstra nossa competitividade no mercado livre e a vontade da EDF Renewables de se posicionar como um dos principais atores deste mercado” disse Paulo Abranches, diretor presidente da EDF Renewables no Brasil. Estabelecida há três anos no Brasil, a EDF Renewables encontra-se entre as líderes do país no setor de energias renováveis, totalizando cerca de 1 GW em projetos de energia eólica e solar, já considerando as iniciativas que estão em operação e em fase de construção. Na Bahia, a empresa francesa conta ainda com o Complexo Eólico Ventos da Bahia, município de Bonito e de Mulungu do Morro, com capacidade para produzir 183 MW.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no </

Lord agenda o lançamento de dois adesivos na Feiplar

01/11/2018

  • À base de acrílico e poliuretano, produtos são ideais para a colagem de peças de compósitos
  • Consumidos principalmente por montadoras

Subsidiária local da norte-americana Lord Corporation, e especializada na fabricação de adesivos estruturais, a Lord participa mais uma vez da Feiplar, principal feira do setor latino-americano de compósito, que ocorre de 06 a 08 de agosto de Novembro, no Expo Center Norte, em São Paulo (SP).

Desta vez, a empresa programou para o evento o lançamento de dois produtos. O primeiro, denominado Lord 852/25GB, é um adesivo base acrílico indicado para a colagem tanto de compósitos como de metal. “É o produto do nosso portfólio que apresenta atualmente o melhor desempenho pois combina grande uniformidade de colagem e alta resistência em razão da coesão interna muito grande, com maior alongamento, que são características desejáveis em adesivos de alta performance”, explica Andrios de Souza, supervisor de vendas da Lord.

Em comparação às gerações anteriores de adesivos acrílicos da Lord, Souza afirma que a novidade garante uma performance até 15% superior em termos de resistência – o percentual pode variar conforme o tipo de colagem. “A despeito dessa melhora importante de desempenho, o preço permanece bastante competitivo”. Fabricado no Brasil, o Lord 852/25GB já está sendo usado por montadoras de ônibus e fabricantes de pás eólicas.

A outra novidade da Lord na Feiplar faz parte da categoria de adesivos conhecida como “PU Fast”, isto é, formulações à base de poliuretano caracterizadas pela cura rápida. Chamado de Lord Fusor 2001/2003 NG, o produto mantém o mesmo tempo de aplicação (open time) dos adesivos PU convencionais, mas reduz de 2h30 para 45 minutos o tempo de manuseio da peça (handling time). “Por conta dessa curva de cura bem mais rápida, o Lord Fusor 2001/2003 NG propicia um ganho de produtividade de 25%”, calcula o supervisor de vendas da Lord.

Tal característica, observa Souza, atende a uma das principais demandas das montadoras, alvo principal do lançamento da Lord. “É o produto ideal para a colagem de para-choques, tetos e painéis, entre outras peças de compósitos presentes em ônibus, caminhões e veículos agrícolas”.

Sob o ponto de vista da aplicação, o Lord Fusor 2001/2003 NG é similar aos demais adesivos à base de PU produzidos pela Lord. “Apresenta a mesma viscosidade da geração anterior. Assim, o usuário não precisa fazer qualquer alteração na sua linha para utilizar essa nova formulação”.

Novo Stark

Outra atração do estande da Lord será a apresentação do Stark, novo jipe da TAC Motors. Parceira da TAC desde 2008, quando teve início o projeto de desenvolvimento do veículo, a Lord fornece o adesivo Lord LA 034/19 para a colagem do capô do Stark.

“Em paralelo, existem outros projetos de ampliação do uso dos nossos adesivos nos modelos montados em Sobral pela TAC, sobretudo focados em melhorias de processo e redução de peso”, comenta Tiago Fruet, gerente de contas sênior da Lord.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Lord

Curta nossa página no

MVC lança novos processos para produção de componentes para o setor eólico

10/05/2016

MVC_aerogeradorgamesa

A MVC desenvolveu um novo processo para a fabricação de peças de aerogeradores para atender ao setor eólico. Segundo a empresa, o processo inovador, denominado RTM Skin, permite a produção de componentes de grande porte (as maiores peças em compósitos produzidas pela empresa) com melhor produtividade, acabamento e menor impacto no meio ambiente.

De acordo com Gilmar Lima, diretor-geral da MVC, o novo processo, assim como os processos de infusão e RTM Light, estão sendo utilizados para a produção de conjuntos de aerogeradores do modelo G114 2.1 MW (conversores de energia eólica em elétrica) para a Gamesa Eólica Brasil, na Bahia. “O projeto da nova peça foi elaborado pela engenharia da Gamesa, na Espanha. Com o auxílio da equipe da MVC, foram desenvolvidos métodos e processos para ser fabricada no Brasil, atendendo aos requisitos de qualidade e disponibilidade de materiais do mercado nacional”, explica.

Os materiais utilizados nas peças são tecidos de fibra de vidro, núcleos, resina ortoftálica e gel coat isoftálico. Por se tratar de um produto em gel acabado, a peça deixa o molde já com acabamento final, sem nenhuma necessidade de pintura. Também são utilizados componentes metálicos e fixadores que fazem parte da montagem posterior.

“A grande vantagem destes processos é que permitem fabricar um aerogerador de dimensões maiores, com menor impacto ambiental, e com qualidade excepcional”, avalia Gilmar Lima. “Estamos nos antecipando e atendendo à nova tendência existente no mercado de criação de máquinas cada vez maiores. A carcaça da nova Nacelle (palavra utilizada para definir o corpo do aerogerador) que estamos produzindo para Gamesa é a maior peça em compósitos já fabricada pela MVC”.

A carenagem do rotor dos aerogeradores (Spinner) – local onde há o acoplamento das pás – é desenvolvida e produzida pelo processo de infusão, apropriado para peças grandes – cada spinner possui mais de 4 m de altura – e alto teor de fibra. O procedimento de fabricação da MVC permite a obtenção de componentes que oferecem padrões de desempenho mais elevados e acabamento superficial, maior resistência a intempéries e melhores propriedades mecânicas (resistência e durabilidade).

Fonte: MVC

Curta nossa página no

ALMACO organiza evento sobre Compósitos em São Paulo

18/04/2016

2º Encontro Regional contará com a participação de diretor técnico da ABEEólica

Almaco1Os principais representantes da cadeia produtiva de compósitos estarão presentes no 2º Encontro Regional, evento que a Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (Almaco) organizará no próximo dia 26, no auditório 50 do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), em São Paulo (SP).

Além de palestras sobre matérias-primas e tecnologias de processamento de compósitos, o 2º Encontro Regional contará com a apresentação “Visão do mercado eólico do Brasil”, de Sandro Yamamoto, diretor técnico da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica). “A geração de energia eólica é de vital importância econômica para o nosso setor, fora que exemplifica a elevada resistência mecânica típica dos compósitos”, afirma Erika Bernardino, gerente de marketing da Almaco.

Os compósitos à base de resina epóxi são usados na fabricação das pás eólicas, enquanto que os produtos moldados com resinas poliéster fazem parte de diversos componentes das turbinas, como nacelles, spinners e blocos elétricos. Em 2015, a geração de energia eólica respondeu por 95,6% da demanda brasileira por compósitos de epóxi – foi o único segmento, a propósito, que cresceu no período (+4,5%).

Confira, a seguir, a agenda do 2º Encontro Regional Almaco:

  • 13h: Credenciamento
  • 13h30: “Visão do mercado eólico no Brasil”, Sandro Yamamoto (ABEEólica)
  • 14h: “Contribuição do adesivo estrutural na evolução dos processos de fabricação de compósitos”, Gabriel da Silva (Lord)
  • 14h30: “A visão sistêmica nos processos decisórios da gestão: foco no gerenciamento com limitação de recursos”
  • 15h30: “Sustentabilidade e tecnologia em resinas para compósitos com zero emissão de estireno”, André Oliveira (Reichhold)
  • 15h50: “Unindo compósitos: possibilidades na medida certa”, Juliana Hoehne
  • 16h20: “RTM Light Classe A: melhoria cosmética”, Márcia Cardoso (Ashland)
  • 16h50: “Materiais compósitos termoplásticos: estado da arte e potencial crescimento”, Rodrigo Berardini (Toho Tenax)
  • 17h20: “Processo de fabricação de peças em material compósito com núcleos removíveis”, Fernando Melo (Universidade Positivo – pós-graduação em materiais compósitos).

O evento promovido pela Almaco conta com o patrocínio de Ashland, Lord, MVC Soluções em Plásticos, Owens Corning, Reichhold e Toho Tenax.

Resultantes da combinação entre polímeros e reforços – por exemplo, fibras de vidro –, os compósitos são conhecidos pelos elevados índices de resistência mecânica e química, associados à liberdade de design. Há mais de 50 mil aplicações catalogadas em todo o mundo, de caixas d’água, tubos e pás eólicas a peças de barcos, ônibus, trens e aviões.

Fundada em 1981, a Almaco tem como missão representar, promover e fortalecer o desenvolvimento sustentável do mercado de compósitos. Com administração central no Brasil e sedes regionais no Chile, Argentina e Colômbia, a Almaco tem cerca de 400 associados (empresas, entidades e estudantes) e mantém, em conjunto com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), o Centro de Tecnologia em Compósitos (Cetecom), o maior do gênero na América Latina.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Almaco

Curta nossa página no