Archive for the ‘Embalagens’ Category

ExxonMobil apresenta soluções e aplicações voltadas para a região do Oriente Médio durante a Plastex 2020, no Egito

14/01/2020

  • Destaque em aplicações de embalagem
  • Aumentando o conteúdo reciclado em aplicações de alto valor
  • Apresentando soluções de filmes agrícolas resistentes e que usam menos material

A ExxonMobil demonstrou em seu estande na feira Plastex soluções para uma variedade de aplicações, incluindo embalagens, agricultura, construção civil e higiene e cuidados pessoais. A Plastex 2020 foi realizado no Cairo, Egito, de 9 a 12 de janeiro.

“Há uma demanda crescente na região do Oriente Médio por soluções inovadoras de embalagens que ofereçam desempenho ao mesmo tempo em que façam mais com menos”, disse Adeline Duponchel, gerente regional de desenvolvimento de mercado de polietileno da ExxonMobil. “Na Plastex, os visitantes tiveram a oportunidade de ver soluções inovadoras para uma ampla gama de aplicações, discutir seus desafios e descobrir os benefícios de trabalhar juntos para desenvolver soluções inovadoras e diferenciadas”, complementou Duponchel.

Os principais destaques da presença da ExxonMobil na Plastex incluíram:

▪ Aplicações de embalagem fabricadas com os polímeros de PE Exceed XP, Exceed e Enable, incluindo: Stand-up Pouches totalmente de polietileno (PE); sacos para aplicações pesadas ​​fabricados com polietileno reciclado (PE) em multiciclos; embalagem retrátil (shrink); e, filmes de embalagem stretch.

▪ Repensando a Reciclagem (“Rethink Recycle”) com polímeros Vistamaxx – segundo a ExxonMobil, os polímeros Vistamaxx são elastômeros termoplásticos à base de propileno que são compatíveis com outros materiais poliolefínicos. De acordo com a empresa, é uma solução comprovada e econômica, permitindo uma maior utilização de conteúdo reciclado para aplicações de alto valor. O fabricante afirma que os polímeros Vistamaxx podem melhorar as propriedades de produtos contendo conteúdo reciclado (como resistência ao impacto), agindo como um compatibilizador entre PE e polipropileno (PP) em fluxos de conteúdo reciclado.

▪ Filmes agrícolas. A Exxon Mobil diz que, como os filmes são feitos com polímeros PE de desempenho, eles são mais resistentes e finos que os filmes convencionais, tem uma vida útil mais longa e usam menos material.

“Além do “Rethink Recycle”, os polímeros de desempenho Vistamaxx ajudam a criar novas possibilidades em uma ampla variedade de aplicações, pois podem aprimorar atributos como resistência, aderência, vedação, maciez, clareza, dispersão, adesão, elasticidade e flexibilidade”, disse Gertrud Masure, Gerente de Desenvolvimento de Mercado de Vistamaxx para o EMEAF da ExxonMobil.

Curta nossa página no

Finlandesa Huhtamaki adquire 100% do capital da empresa potiguar Laminor

13/01/2020

A Laminor produz laminados plásticos para a fabricação de embalagens flexíveis

A Huhtamaki (www.huhtamaki.com), empresa global do segmento de embalagens para alimentos e bebidas, anunciou a aquisição total da Laminor S.A. Constituída em 2002 como uma Joint Venture entre a Huhtamaki e a Bemis (50/50), a Laminor é especializada na fabricação de laminados plásticos para produtos de higiene oral como cremes dentais, cosméticos e outras aplicações. As vendas líquidas da Laminor em 2018 foram superiores a  R$ 100 milhões e a empresa atualmente emprega aproximadamente 130 pessoas. O valor da aquisição das ações que pertenciam à Bemis, hoje parte da Amcor, foi aproximadamente 30 milhões de Euros.

“A aquisição permite que a Huhtamaki expanda seu negócio de laminados para tubos, parte importante da oferta global de embalagens flexíveis do grupo, e passe a ter 320 funcionários no Brasil”, afirma Daniel Winocur, Gerente Geral da Huhtamaki do Brasil. “Após a operação, contaremos com duas instalações: nossa unidade de embalagens em fibra de celulose moldada, na cidade de Palmeira, no Paraná e a da Laminor, localizada em Parnamirim, estado do Rio Grande do Norte”, informa Winocur.

A oportunidade para a Huhtamaki adquirir a totalidade do capital da joint venture surgiu após a fusão entre a Amcor e a Bemis. “Apesar de termos agora o controle total da operação, ressalto que a Laminor manterá o contrato de fornecimento de laminados para tubos para as operações da Amcor no Brasil”, complementa o executivo.

Depois da aquisição, a Laminor será consolidada como uma subsidiária nas demonstrações financeiras do Grupo Huhtamaki e será referida como parte do segmento de negócios de Embalagens Flexíveis.

A conclusão da transação está prevista para acontecer no primeiro trimestre deste ano e será sujeita à revisão administrativa das autoridades brasileiras.

A Huhtamaki é uma especialista global em embalagens para alimentos e bebidas. Com uma rede de 80 unidades de fabricação e 24 escritórios de vendas, a empresa está presente em 35 países e possui aproximadamente 18.800 funcionários. Em 2018, as vendas líquidas totalizaram 3,1 bilhões de euros. O Grupo tem sede em Espoo, Finlândia.

Curta nossa página no

Braskem, Biowash e Greco e Guerreiro firmam parceria para lançamento de embalagens feitas com plástico de origem renovável e resina pós-consumo

25/12/2019

A mistura de resinas utilizada na solução para produtos de limpeza reduz em até 168% as emissões de CO2, um dos gases causadores do efeito estufa, afirma a Braskem

Empenhada em impulsionar o conceito de economia circular também no segmento de embalagens, uma das principais áreas de atuação da Braskem, a companhia anuncia mais uma parceria para alavancar o desenvolvimento de soluções sustentáveis. A partir de agora, as embalagens dos produtos de 1 e 5 litros da empresa brasileira Biowash , pioneira no desenvolvimento de produtos de limpeza naturais e 100% biodegradáveis, passam a ser produzidas a partir da mistura de plástico renovável, feito à base da cana-de-açúcar , e resina pós-consumo (PCR).

“A iniciativa reforça um movimento em prol da economia circular, importante para a Braskem, e que depende muito do trabalho em conjunto com nossos clientes, parceiros, e da sociedade de uma forma geral. Por isso, estamos buscando cada vez mais parcerias para o desenvolvimento de novas soluções que atendam às tendências de mercado, considerando importantes pontos como a seleção prévia de matéria-prima, o design e o retorno do produto ao ciclo produtivo por meio da reciclagem”, explica Rafaela Baldin, responsável pelo projeto com o cliente.

Reforçando a importância do trabalho em conjunto, a parceria conta ainda com participação do transformador Greco e Guerreiro , responsável pela produção e fornecimento das novas embalagens sustentáveis a Biowash. Os frascos, encontrados nos multiusos concentrados, lava-roupas e lava-louças, passam a conter 60% de plástico de origem renovável da Braskem e 40% de resina PCR, oriunda da reciclagem de produtos plásticos.

Segundo a Braskem, como mais da metade da composição dos frascos contém plástico de origem renovável I’m green bio-based, que captura gás carbônico, um dos principais causadores do efeito estufa, a solução captura 6,30 toneladas de CO2 ao ano, ou seja, uma redução de até 168% de emissões atmosféricas na comparação com as embalagens convencionais. O volume de CO2 capturado por ano pelo produto também é seis vezes maior que a quantidade de gás carbônico absorvido por mil mudas de árvores cultivadas ao longo de dez anos, segundo a Braskem.

E por também incluir em sua composição a resina pós-consumo, a embalagem se torna ainda mais sustentável, contribuindo para que itens plásticos sejam reciclados e se tornem matéria-prima para uma nova utilização na cadeia produtiva. “O uso de 40% de PCR natural agrega maior sustentabilidade à embalagem e ao mesmo tempo traz o impacto visual, sem o uso de pigmentos, fazendo a diferença no ponto de venda. O esforço conjunto, a conscientização, a inclusão do trabalho de catadores e cooperativas e o foco em economia circular agregam todos os valores que norteiam o trabalho da Greco e Guerreiro nesta trajetória de 30 anos de mercado” ressalta Marcelo Guerreiro Mason, head de Sustentabilidade da empresa.

Segundo a Biowash, a parceria vai muito além do seu constante compromisso com a qualidade e respeito ao meio ambiente. “Este é o primeiro passo da Biowash na entrega de embalagens sustentáveis, mas ainda contamos com o consumidor para fazer a sua parte, destinando sempre os frascos a reciclagem”, ressalta Becky Weltzein, sócia-diretora da empresa.

“A embalagem endereça importantes questões, como a segurança do produto final, mas também é a cara da marca e reforça a sua identidade para o mercado e para o consumidor, por isso acreditamos que as parcerias neste segmento nos ajudam a levar uma mensagem mais positiva a sociedade. Sobretudo, acreditamos que o engajamento da cadeia de valor nos ajuda a seguir com o nosso propósito, que é melhorar a vida das pessoas criando soluções sustentáveis da química e do plástico, como as novas embalagens da Biowash”, finaliza Baldin.

A Biowash, fundada em 1981, é pioneira na fabricação de produtos de limpeza 100% naturais. Atualmente, a empresa conta com 24 itens. Todos biodegradáveis, veganos, base vegetal e com a importante certificação IBD e o selo Empresas BT. Conta ainda com produtos destinados a pessoas alérgicas, oferecendo produtos dermatologicamente testados e hipoalergênico.

A Greco e Guerreiro conta com mais de 800 funcionários entre todas as suas planta fabris, transformando 60 milhões de frascos soprados por mês. Fundada em 1990 na cidade de Morungaba, no interior de São Paulo, a empresa é referência em uso de material reciclado pós consumo e signatária do Global Commitment, iniciativa da Fundação EllenMacArthur e ONU Meio Ambiente. Com unidades de Sopro PEAD e PET, injeção, envase de líquidos e transportadora; o grupo atua nos segmentos de Higiene e Limpeza, Alimentício, Farmacêutico, Hospitalar e Automotivo.

Curta nossa página no

Reifenhäuser apresenta linha de produção de filme de PE totalmente reciclável para embalagens pouch

04/12/2019

Solução 100% Monomaterial foi apresentada durante a K 2019

Possuir 100% de reciclagem e excelentes propriedades de barreira não precisam ser uma contradição. A máquina EVO Ultra Stretch patenteada pela Reifenhäuser produz filme monomaterial (100 % de polietileno). Segundo a empresa, é uma alternativa econômica ao uso do PET.

Filme Stretched de PE para aplicações complexas de embalagem

Em embalagens muiticamadas convencionais, o PET fornece propriedades de estabilidade e barreira. Por outro lado, sua reciclabilidade é muito restrita. A Reifenhäuser diz que o filme de PE “stretched” produzido com sua tecnologia pode substituir totalmente o PET, sem perda de qualidade.

Segundo a empresa, o processo EVO Ultra Stretch produz filmes de PE com propriedades mecânicas que atendem a todos os requisitos da indústria de embalagens em termos de embalagens de alto desempenho e sua conversão: propriedades de selagem térmica, alta rigidez na direção da máquina, boa planicidade e impressão de qualidade.

Eficiência energética e relação custo-benefício facilitam a entrada

O processo envolve o alongamento do filme até dez vezes sua área superficial inicial. Devido ao seu posicionamento na puxada, o EVO Ultra Stretch apresenta consumo de energia muito baixo e alta estabilidade do processo, afirma a Reifenhäuser. Uma grande vantagem é que o filme PE pode ser convertido em linhas de conversão existentes, sem necessidade de adaptação. O fabricante afirma que isso facilita consideravelmente a transição para embalagens monomaterial feitas de PE.

“Para ajudar nossos clientes a apresentarem o produto da maneira mais tranquila possível, nós fornecemos um pacote completo de know-how de uma única fonte, compreendendo tecnologia, receita de filme e parâmetros de processamento”, explica Eugen Friedel, Diretor de Vendas da Reifenhäuser Blown Film.

A aplicação já passou com sucesso em testes de campo em um cliente da Reifenhäuser e proprietário de marca. É um dos 15 exemplos de economia circular que foram exibidos no estande da Reifenhäuser durante a K 2019. “A embalagem monomaterial é a chave para uma economia circular em funcionamento”, diz Eugen Friedel.

Fonte: Reifenhäuser

Curta nossa página no

Clariant lança nova marca de aditivos sequestradores de oxigênio para embalagens PET

04/12/2019

  • Extensão da validade de bebidas e alimentos embalados
  • Eercados incluem garrafas de sucos de frutas e cerveja
  • Combina proteção aprimorada de alimentos com design sustentável de embalagens

A Clariant anunciou a criação de uma nova marca patenteada de masterbatches de aditivos sequestradores de oxigênio: Cesa ProTect.

O principal mercado-alvo para o novo masterbatch de aditivos é o de embalagens monocamada de tereftalato de polietileno (PET), embora outros materiais à base de poliéster também possam se beneficiar. Bem conhecido por seu uso generalizado em garrafas de refrigerante e água, o PET tem muitas vantagens. Em comparação com outros polímeros, oferece excelente transparência, é adequado para contato com alimentos e é fácil de processar, além de ser o polímero mais reciclado atualmente.

“O PET já é um bom material de barreira”, afirma Antonello Decortes, Global Innovation Manager na Clariant, “mas aplicações sensíveis ainda podem sofrer com a entrada de oxigênio. Isso não é um problema para a água ou a maioria dos refrigerantes carbonatados, mas os sucos de laranja perdem a potência das vitaminas e mudam de cor; os laticínios podem azedar, as cápsulas de café têm perda de sabor e basta 1 ppm de oxigênio para mudar o sabor e o aroma da cerveja. Os aditivos Cesa ProTect podem ajudar a aumentar o prazo de validade desses produtos e garantir que menos alimentos sejam descartados.”

Segundo a Clariant, os ingredientes ativos dos masterbatches Cesa ProTect não desaceleram a penetração de oxigênio através das paredes PET do recipiente. Ao invés disso, trata-se de um “sequestrador de oxigênio”, que absorve moléculas de O2 à medida que entram, para que não atinjam o produto protegido.

Cesa ProTect só é ativo após o processamento e os recipientes de PET tratados com o produto estão protegidos após a produção, podendo ser enchidos e transportados. A linha de aditivos também é ideal para distribuição em cadeia frigorífica, já que apresentou bom desempenho quando usado com produtos refrigerados, afirma a empresa.

Segundo Decortes, “o período exato que os masterbatches de aditivos Cesa ProTect conseguem proteger os alimentos e bebidas depende de diversos fatores, como carga de aditivos, tamanho e design da embalagem. Em testes com uma garrafa de 23 g e 0,5 litro, uma carga de 3,6% do masterbatch Cesa ProTect conseguiu manter os níveis de oxigênio abaixo de 1 ppm por 588 dias, ou mais de 18 meses. Por outro lado, o PET não tratado manteve os níveis abaixo de 1 ppm por apenas 22 dias, e um sequestrador de oxigênio concorrente durou apenas 63 dias. Mesmo a uma carga de 2%, os masterbatches Cesa ProTect mostraram eficácia por 266 dias.”

“Com base nesses resultados”, declara Alessandro Dulli, Global Head of Segment and Business Development Packaging, “acreditamos que Cesa ProTect é um dos mais poderosos masterbatches sequestradores de oxigênio no mercado.”

Segundo a Clariant, o masterbatch Cesa ProTect também demonstra ter pouco ou nenhum impacto no aspecto visual ou nas propriedades mecânicas da embalagem. Quando Cesa ProTect é usado nas dosagens recomendadas, afirma a empresa, os recipientes acabados de diferentes tamanhos e formas mantêm um nível de transparência de acordo com as expectativas do mercado. O produto é altamente compatível com PET e não demonstra impactar o processamento, segundo o fabricante. Ainda estão pendentes as aprovações para contato com alimentos.

Curta nossa página no

Tecnologia da Logoplaste para acondicionamento de leite em garrafas PET permite reciclagem total das embalagens

03/12/2019

Por ser um material muito resistente ao impacto e transparente, o Polietileno Tereftalato é utilizado para embalagens de produtos dos mais diversos segmentos, desde o setor de alimentos e bebidas a medicamentos, cosméticos e produtos de higiene e limpeza.

Desde que chegou ao Brasil, em 1988, trazido pela indústria têxtil para a produção de tecidos, esse material foi aos poucos ganhando novas funcionalidades, ampliando os horizontes do mercado para fabricantes nacionais e empresas do exterior. Não demorou muito para as embalagens PET ocuparem espaços cada vez maiores nas prateleiras dos supermercados e nas despensas dos lares brasileiros.

Universo do PET

A verdadeira revolução, no entanto, aconteceu nos anos de 1990, com o crescimento exponencial da popularidade das embalagens de alimentos e bebidas. Por serem mais acessíveis, modernas e seguras, as garrafas PET para refrigerantes, águas, sucos e outras bebidas dominaram a produção, assim como as embalagens termoformadas para alimentos, que, desde o início, tiveram ótima aceitação.

Nesse cenário, em 1995, a empresa portuguesa Logoplaste enxergou a oportunidade de abrir uma frente operacional no Brasil. O mercado lácteo foi a porta de entrada. Segundo o Presidente do Conselho de Administração da companhia, Filipe de Botton, “nosso primeiro parceiro no país foi a Danone e, desde então, tivemos o privilégio de criar uma equipe local absolutamente extraordinária, permitindo que a Logoplaste do Brasil crescesse e se tornasse rapidamente um dos maiores players locais na produção de embalagens rígidas para grandes clientes como a Reckitt Benckiser, a Nestlé, a P&G e a Shefa, entre tantas outras”.

Inovação

Com essa visão inovadora, a Logoplaste conseguiu elevar o mercado brasileiro de garrafas PET para outro patamar. Criado em 2010, o projeto Bottle-to-bottle tinha como objetivo viabilizar uma garrafa em PET para leite longa vida UHT que protegesse adequadamente o produto, mas sem deixar de lado a ideia de criar soluções circulares para as embalagens.

Thomé Brito, Diretor da Logoplaste Brasil, classifica a tecnologia de bicamada utilizada nas garrafas para o leite Shefa como um grande trunfo do projeto. “O interessante e mais bonito desse projeto é que ele está inserido na economia circular, já que podemos reutilizar as garrafas no próprio processo de fabricação de novas garrafas, evitando, assim, o descarte indevido. A tecnologia já existia, mas fomos os primeiros a utilizá-la por aqui”.

Para conservar o produto à temperatura ambiente por um longo período, era preciso bloquear a passagem de luz. Então, a solução encontrada foi desenvolver uma tecnologia que consistisse em utilizar duas camadas de PET, sendo a interna preta, para não haver degradação do leite, e a externa branca, preservando as propriedades da embalagem. Com isso, a proteção do leite é garantida por um período de 4 a 6 meses.

Segundo Thomé, existe muita confusão por parte do consumidor e da mídia ao olhar para a garrafa com bicamada e achar que o produto não é bom para reciclar. Sobre o processo de reciclagem desenvolvido para as novas garrafas, o executivo explica que todas as etapas seguem os termos da solução de reciclagem circular, que foram desenvolvidos após extensos testes com os produtos para atender aos avanços da nova regulamentação, de novembro de 2018.

“Não são dois materiais. É um só, mas em duas camadas. Para a reciclagem e a reutilização, o material é lavado, moído e passa por um processo de pós-condensação, que traz de volta as características necessárias ao processamento e incorporação às novas garrafas. Ou seja, 100% dos resíduos são reaproveitados, desde a tampa e o rótulo, até a garrafa em si. Todo este processo de circularidade é aprovado pela Anvisa, seguindo os rígidos padrões da indústria alimentícia brasileira”, conclui.

Fonte e foto: PICPlast

Curta nossa página no

Tendências em embalagens inteligentes serão apresentadas na Feira Intechtra, em São Paulo, em 2020

18/11/2019

Segundo a Associação Brasileira de Embalagem, novidades tem tido grandes avanços a nível mundial e devem ser adotadas também pela indústria nacional

Rastrear produtos por RFID (identificação por Rádio Frequência), acessar informações por QRCode, impedir a falsificação de embalagens, retardar o amadurecimento de alimentos e alertar quando um produto está para vencer graças às Smart Packagings, ou embalagens inteligentes. Esses são alguns exemplos das tecnologias que estão sendo aplicadas pela indústria no mercado mundial. Mas no Brasil ainda não são tão comuns como em outros países. No entanto, há iniciativas importantes que podem fazer com que avancem também por aqui.

Isabella Salibe, gerente Comercial e de Marketing da ABRE (Associação Brasileira de Embalagem) destaca que a evolução em outras partes do mundo levará as empresas brasileiras a adotarem as embalagens inteligentes. “Considerando o crescimento recente que esse mercado vem apresentando mundialmente, a expectativa é que as marcas comecem a utilizá-las cada vez mais”.

As novidades e tendências deste mercado serão apresentados na Intechtra, nova feira técnica promovida pela Messe München do Brasil, que acontecerá entre os dias 31 de março e 3 de abril de 2020 no Expo Center Norte, em São Paulo. A Intechtra, que será realizada a cada dois anos, é membro da rede global da drinktec, principal feira de negócios do mundo para a indústria de bebidas e alimentos líquidos em Munique.

A vantagem das embalagens inteligentes, de acordo com Isabella, atinge tanto os consumidores quanto os agentes envolvidos na cadeia de produção, trazendo, entre várias contribuições importantes, maior sustentabilidade e economia para os negócios. “Em um primeiro momento será necessário fazer investimento, mas ele será recompensado em médio prazo pois, ao se evitarem perdas, diminuem os prejuízos e devoluções de produtos”, garante.

Os benefícios das embalagens inteligentes não se restringem apenas à entrega de uma experiência positiva para o consumidor final. Isabella lembra que ao oferecer informações precisas sobre os produtos, elas se tornam úteis para a indústria como um todo, desde o transporte até o armazenamento.

Reais condições do produto

A executiva lembra que a principal característica das embalagens inteligentes é a presença de tecnologias capazes de comunicar as reais condições de um produto ou do ambiente em que ele se encontra. “Elas podem indicar desde oscilações na luminosidade até informações sobre a qualidade de um alimento – como alterações que indiquem seu vencimento, por exemplo”.

No entanto, Isabella deixa claro que, “quando falamos em tecnologias, não estamos nos referindo necessariamente àquelas digitais e conectadas à internet”. A maioria das embalagens inteligentes utiliza sensores simples – como monitores químicos e de pH – que interagem com a atmosfera interna e detectam a presença de gases, umidade e outros marcadores de qualidade.

“As embalagens inteligentes contam com sensores que apontam o grau de amadurecimento de produtos FLV, frios e carnes e peixes. Essa é mais uma garantia para que o consumidor adquira alimentos mais frescos e de qualidade. Este tipo de embalagem permite um menor manuseio dos produtos por parte dos consumidores, fator que muitas vezes faz com que a qualidade de frutas e verduras seja comprometida”, afirma Isabella.

A Messe München é uma das empresas líderes mundiais de feiras de negócios, com mais de 50 feiras técnicas de bens de capital e de consumo e de novas tecnologias. A cada ano, mais de 50.000 expositores e cerca de três milhões de visitantes participam em mais de 200 eventos realizados em Munique (Alemanha). Juntamente com suas subsidiárias, a Messe München organiza feiras em países como China, Índia, Brasil, Rússia, Turquia, África do Sul, Nigéria, Vietnã e Irã. A Messe München tem uma presença global com afiliadas na Europa, Ásia, África e América do Sul e mais de 70 representações estrangeiras trabalhando em mais 100 países.

Com escritório central em Munique, Alemanha, a Messe München iniciou as operações de sua subsidiária no Brasil no início de 2017. No mundo todo, a empresa organiza 220 eventos, com 44 mil expositores e mais de 2,4 milhões de visitantes. Com apenas mais de um ano de operações no Brasil, ela já organizou a M&T Expo, a M&T Peças e Serviços e a Construction Expo no território brasileiro.

Curta nossa página no

Prêmio Mundial de Inovação em Embalagens da Dow escolhe garrafa de PET com aparência de vidro da japonesa DNP como vencedora

18/11/2019

  • A Dai Nippon Printing Co. Ltd. conquista os Top Honors no 2019 Packaging Innovation Awards da Dow
  • Os vencedores dos prêmios representam algumas das mais inovadoras novidades em embalagens em termos de tecnologia, experiência do usuário e de sustentabilidade.

A Dow anunciou os vencedores do 2019 Packaging Innovation Awards, que reconhece as principais realizações do setor de embalagens em design, materiais, tecnologias e processos inovadores .

A maior premiação, o Diamond Award, foi concedida para a Dai Nippon Printing Co. Ltd., por sua garrafa de plástico PET DNP Functional Film Complex, uma alternativa ambientalmente amigável e consciente, que proporciona uma aparência de vidro distinta devido a uma destacável camada externa que pode atuar como barreira ao oxigênio quando combinada com o PET. Atualmente, muitas garrafas de bebidas são feitas de vidro por conta de suas propriedades de barreira e percepção de luxo, apesar de seu peso maior e maior risco de quebra. O vidro frequentemente se despedaça enquanto é coletado ou classificado e seu resíduo pode contaminar outros produtos que poderiam ser reciclados. A inovação da empresa mantém todas as qualidades que os consumidores adoram nas garrafas de vidro – a sensação e a percepção de luxo – enquanto cria um produto reciclável, leve e praticamente inquebrável.

“Este ano, recebemos um número recorde de inscrições de designs inovadores de embalagens de todo o mundo”, disse Diego Donoso, presidente de negócios da Dow Packaging & Specialty Plastics, se referindo às quase 250 inscrições de empresas de mais de 30 países. “Parabéns a todos os vencedores de 2019. Estou continuamente impressionado com as inovações de classe mundial que vemos ano após ano. ”

O prêmio Packaging Innovation Awards de 2019, organizado pela Dow, anteriormente conhecido como DuPont Awards for Packaging Innovation, está agora em sua 31ª edição e é a premiação independente mais antiga do setor de embalagens. A cada ano, o painel de juízes é composto por profissionais de todo o mundo em uma ampla gama de áreas, incluindo design, engenharia, varejo, conversão e academia.

“É uma honra fazer parte de um evento dedicado à busca das melhores inovações em embalagens, independentemente da localização e aplicação”, disse o juiz David Luttenberger, diretor global de embalagens do Mintel Group, Ltd. “Estou realmente impressionado com os vencedores deste ano e animado por ver tantas empresas de todo o mundo constantemente inovando para atender às demandas dos consumidores e práticas sustentáveis.”

Além do Diamond Award, os juízes também selecionaram oito finalistas Diamond, 10 vencedores do Gold Award, 12 vencedores do Silver Award e duas categorias de Menção Honrosa:

Vencedor do Diamond

Dai Nippon Printing Co. Ltd., Garrafa de plástico para PET de filme funcional DNP

Finalistas Diamond

  • Embrapa Tecnologia de Alimentos, Desenvolvimento de Embalagens Inovadoras para Frutas
  • Procter & Gamble, Caixa do Detergente Tide Eco-Box
  • Henkel, tecnologia EPIX ™ para embalagens sustentáveis
  • Danone Nutricia Research, OpTri, um Frasco Dobrável para Nutrição Parenteral
  • Amcor, Paperly ™ Embalagem à Base de Papel Termoformador
  • Werner & Mertz GmbH e Mondi Group, Bolsa Frosch 100% Reciclável e Sustentável, Feita em Polietileno
  • ProAmpac e L’Oréal, REDKEN® Flahs Lift Bonder Inside
  • Truman’s, Truman’s Starter Kit

Vencedores do Gold Award

  • Kawakami Sangyo Co., Ltd., UKIYO-E PUTIPUTI
  • Meiji Co., Ltd., meiji The Chocolate 6COLLECTIONS Pacote Sortido
  • Duallok, Uma Solução Elegante de Embalagem Resistente a Crianças
  • Amcor, 46 oz. Coffeemate® natural bliss® Cold Brew com Base Amcor Geo-Strap ™
  • ALICO SA, ReciPack
  • CI TAKIRON Corporation, Zíper Sensorial SANZIP
  • Amcor, Molson Coors – Sacola Térmica de 12 Unidades
  • Reckitt Benckiser, Finish 0%
  • DuPont Teijin Films, Processo de Despolimerização LuxCR™
  • Huhtamaki PPL Ltd., Bag-in-Bag para Extrema Resistência a Quedas

Vencedores do Silver Award

  • Amcor, Embalagem de Biscoito para Bicho de Estimação Full Moon Perdue Natural
  • Hangzhou Holmes Food Co., Ltd., Embalagem “Fresh Lock” Baicaowei
  • Weener Plastics, Tampa de Dispenser de Sabão 100% PCR
  • Hangzhou Qunle Packaging Co., Ltd., Embalagem do Petisco “Fortune Stick”
  • KW Container, TruSnap ™ com Recipiente de Tinta TwistCap
  • Incom Packing, SPOT
  • Blue Apron, Embalagem Sustentável em Gel
  • Huhtamaki PPL Ltd., Embalagem para Resistência a Quedas e Barreira
  • ITC Limited, Business Packaging, “Pacote de Farinha de Trigo Respirável” com Controle de Liberação de Ar
  • Procter & Gamble / Gillette, Lâmina de Barbear Joy
  • Schur Star Systems, Embalagem Zip-Pop Schur®Star
  • Unilever, Love Beauty and Planet

Menção Honrosa de Colaboração

  • Werner & Mertz GmbH e Mondi Group, Bolsa Frosch 100% Reciclável e Sustentável, Feita em Polietileno

Menção Honrosa em Comércio Eletrônico

  • PAC Worldwide, Scent Blocking Protective Mailer
  • Smart Karton, Pack Inteiro de Papel
  • Procter & Gamble (China) Sales Co., Ltd., Embalagens para Comércio Eletrônico
  • Procter & Gamble, Caixa do Detergente Tide Eco-Box
  • Henkel, tecnologia EPIX ™ para Embalagens Sustentáveis
  • Truman’s, Truman’s Starter Kit

Para mais informações e imagens de cada participação premiada, visite www.DowPackagingAwards.com

A Packaging and Specialty Plastics (P&SP), uma unidade de negócios da Dow, oferece produtos para mercados de uso final em embalagens de alimentos, higiene pessoal, infraestrutura, bens de consumo e transporte. A P&SP é uma das maiores produtoras mundiais de resinas de polietileno, polímeros funcionais e adesivos e colabora com toda a cadeia de valor no desenvolvimento sustentável de aplicações e no design do ciclo de vida da economia circular para plásticos. A Dow opera 113 fábricas em 31 países e emprega aproximadamente 37.000 pessoas. A Dow apresentou vendas pro forma de aproximadamente US$ 50 bilhões em 2018.

Curta nossa página no

Em sua 12ª edição, Embala Nordeste será realizada no Ceará

09/11/2019

Desde 2006, feira soma mais de 2 mil marcas expositoras, gerando R$ 15 bilhões em negócios no período

A Embala Nordeste, em sua 12ª edição, se consolida como uma das feiras mais importantes do setor da indústria de embalagens no Nordeste. Visando ampliar o setor e maior networking, a edição de 2019 traz novidades e tendências para o novo local do evento, em Fortaleza-CE. A Feira será realizada nos dias 5 e 6 de dezembro das 15h às 21h, no Centro de Eventos do Ceará, o mais moderno Centro de Feiras da região Nordeste.

Desde 2006, 11 edições foram realizadas em Recife-PE, com um histórico de 2 mil marcas expositoras, cerca de 80 mil visitantes e mais de R$ 15 bilhões em negócios gerados.

Setor da Indústria no Ceará

Mesmo com a crise que afetou todo o País, o Ceará foi o segundo estado que mais aumentou sua participação no valor da transformação industrial (VTI) no Nordeste em nove anos. Saiu de 11,6%, que tinha em 2008, para 15% em 2017, uma alta de 3,4 pontos percentuais, conforme a Pesquisa Industrial Anual, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No Ceará, o segmento que mais contribuiu a esse aumento de participação foi o de calçados, que teve, em nove anos, uma taxa de crescimento de 19,88% no valor de transformação industrial no Estado. Em seguida, aparece o segmento de vestuário e acessórios (11,45%). Todos estes setores impactam positivamente no aumento de consumo de embalagens.

“Grandes investimentos estruturais vem sendo realizados na região e o aumento do poder de compra propicia maior investimentos para a indústria local”, afirma Luiz Fernando (foto), diretor comercial da Embala Nordeste. “A Embala Nordeste contribui de forma direta para o incremento de novas tecnologias, e o desenvolvimento de embalagens”, conclui.

Edição 2019

A organização da feira estima 2 mil visitantes, com 50 marcas expositoras do setor de embalagens, refrigeração, maquinário para envase de bebidas, cosméticos, produtos de higiene e limpeza, farmacêuticos, automotivos equipamentos para embalar, marcação e codificação, serviços para o setor do plástico e impressão digital, num espaço de 3.000 m².

Serviço

Feira EMBALA NORDESTE 2019- 12ª edição
Dias: 5 e 6 de Dezembro.
Local: Centro de Eventos do Ceará – Pavilhão Oeste, Portão A.
Horário: 15h às 21h.
Endereço: Av. Washington Soares, 999 – Edson Queiroz, Fortaleza – CE.
http://www.embalane.com.br

Curta nossa página no

Abimaq e Reed Exhibitions Brasil lançam feira internacional de tecnologia e processos para a indústria de embalagens

03/10/2019

Primeira edição do evento será de 15 a 18 de setembro de 2020, no São Paulo Expo

Concebida a partir de uma demanda do mercado por um evento que atenda às necessidades dos fabricantes e fornecedores de serviços e tecnologias para as indústrias que consomem, transformam e produzem embalagens e seus derivados, foi lançada na última terça feira a PPW – Packaging & Process Week, Feira Internacional de Tecnologia e Processos para a Indústria de Embalagens. Realizada pela Abimaq – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, com promoção e organização da Reed Exhibitions Alcântara Machado, a primeira edição da PPW será de 15 a 18 de setembro no São Paulo Expo, em São Paulo (SP).

“A feira foi desenvolvida a partir de um pleito da própria indústria, que demandava um evento de ciclo bienal, com abrangência internacional, foco em tecnologia e inovação e geração de negócios. A PPW é um evento do setor para o setor”, salienta o presidente executivo da Abimaq, José Velloso.

“A PPW foi pensada para atender à necessidade de um evento completo para os fabricantes e fornecedores de máquinas e dispositivos, equipamentos e componentes, processos e automação, e serviços para indústria de embalagens, propiciando um ambiente eficiente para as indústrias consumidoras realizarem negócios e conhecerem as tendências do mercado. Em setembro, fizemos junto com a Abimaq um pré-lançamento para o grupo fundador do evento e, em uma manhã, 30% da feira foi comercializada. Isso demonstra que a PPW veio para atender, de fato, a esse mercado”, afirma Fernando Fischer, presidente da Reed Exhibitions Alcântara Machado.

Com expectativa de ocupar cerca de 35 mil m² de área de exposição, mais de 300 expositores nacionais e internacionais, especialmente de países como Itália e Alemanha, o evento deve receber 20 mil compradores de todo o Brasil e de países da América Latina.

O público visitante do evento será voltado para convertedores, envasadores e indústrias do setor alimentício e de bebidas, automotivo, construção civil, cosméticos, eletrônicos, eletrodomésticos, informática, farmacêutico, frigoríficos, gráfico, higiene e limpeza, metalúrgico, moveleiro, plástico, químico, refrigeração, tabaco, têxtil, ou seja, para todas as indústrias que precisam de tecnologia e inovação para a produção de embalagens.

“Proporcionaremos aos visitantes da PPW experiências que contribuirão para atingir os objetivos do evento, como conteúdo, rodadas de negócios, clube de compradores, entre outras. Os expositores poderão apresentar suas inovações em um ambiente propício e cuidadosamente preparado para negócios”, salienta Paulo Octavio P. de Almeida, Vice-Presidente da Reed Exhibitions Alcântara Machado.

Feira para indústria 4.0

Para o empresário Ricardo Cilento, diretor da Azzure, empresa que desenvolve soluções voltadas para a movimentação de materiais e automatização de sistemas (e que já confirmou participação na PPW), o evento terá um importante papel ao reunir as principais inovações para a chamada indústria 4.0. “Por ser bienal, as empresas poderão desenvolver mais inovações tecnológicas tanto para os processos industriais como para o que chamamos de ‘fim de linha’, que é tudo que envolve o produto depois de acabado. O parque de máquinas da indústria nacional e da América Latina precisa ser modernizado e faltava uma feira com esse perfil, que é justamente o que a PPW terá com a apresentação do que melhor existe em máquinas com automação e robótica embarcadas”, reforça Cilento, que é vice-presidente da Câmara Setorial de Máquinas para a Indústria Alimentícia, Farmacêutica e Refrigeração Industrial (CSMIAFRI), da Abimaq, que encabeçou o pleito pela feira.

Essa visão é reforçada por Judenor Marchioro, diretor da Robopac Brasil, empresa que desenvolve e comercializa máquinas para o posicionamento, enchimento, acondicionamento, encaixotamento, paletização e envolvimento por filme strech de vários produtos e que estará na primeira edição do evento. “Temos certeza de que a PPW será um evento altamente relevante tanto para empresas expositoras como visitantes e se posicionará como referência internacional em tecnologia e negócios”, aponta Marchioro.

Serviço:
PPW – Packaging & Process Week
Data: 15 a 18 de setembro de 2020
Local: São Paulo Expo

Sobre a Abimaq: A Abimaq – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos representa cerca de 7.800 empresas dos mais diferentes segmentos fabricantes de bens de capital mecânicos, cujo desempenho tem impacto direto sobre os demais setores produtivos nacionais e está estruturada nacionalmente com a sede em São Paulo, nove regionais e um Escritório Político em Brasília. Além da representação institucional do setor, a Abimaq tem a sua gestão profissionalizada e as suas atividades voltadas para a geração de oportunidades comerciais para as suas associadas, realizando ações junto às instâncias políticas e econômicas, estimulando o comércio e a cooperação internacionais e contribuindo para aprimorar seu desempenho em termos de tecnologia, capacitação de recursos humanos e modernização gerencial.

Sobre a Reed Exhibitions Alcântara Machado: A Reed Exhibitions é uma empresa líder mundial na organização de feiras e eventos com atuação em 38 países e 500 eventos distribuídos pelas Américas, Europa, Oriente Médio e Ásia. No Brasil, organiza mais de 40 feiras em todo o território nacional entre eventos de negócios e voltados ao consumidor final. Anualmente recebe mais de 5 mil expositores e mais de 1 milhão de compradores em seus eventos.

Curta nossa página no

Município de Indaial e Termotécnica fazem parceria para reciclagem de EPS

13/09/2019

As embalagens de isopor® que servem para proteção de eletrodomésticos ou eletrônicos novos – como refrigeradores e televisores – podem ser 100% recicladas e virar novas embalagens e produtos, evitando que a matéria-prima vá para um aterro. Mas como proceder para dar a destinação correta e contribuir com essa prática sustentável? Em Indaial (SC), o acordo entre a Prefeitura, por meio da Secretaria de Urbanização e Meio Ambiente, e a Termotécnica, maior recicladora brasileira de EPS, está viabilizando a coleta e destinação do produto, proporcionando assim a economia circular na prática e em conformidade com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

O EPS – sigla para poliestireno expandido – é um material usado em embalagens e na construção civil, sendo a base das soluções desenvolvidas pela Termotécnica. Inodoro, o EPS não contém gás CFC ou qualquer um de seus substitutos, também não contamina o solo, a água ou o ar. No entanto, como qualquer resíduo plástico, quando descartado de forma incorreta, pode causar danos à natureza.

Na parceria com a Prefeitura de Indaial, a Termotécnica se encarrega de fazer a coleta do EPS sempre que o montante separado e classificado pela Associação Participativa Recicle Indaial (Apri), cooperativa de triagem do Município, atingir o volume aproximado de 60 m³. Dessa forma, é viabilizado o seu destino correto através da reciclagem e re-introdução o material na cadeia produtiva do plástico. Além de gerar renda para os cooperativados, essa parceria evita que o EPS pós-consumo seja destinado aos aterros onde ficaria indefinidamente.

A Prefeitura orienta aos pequenos geradores do Município que coloquem o isopor® normalmente no dia da coleta seletiva. “Se as embalagens verdes entregues mensalmente não forem suficientes, o morador pode colocar em outra sacola, pois o material será recolhido da mesma forma. Apenas é necessário dispor no dia correto da coleta seletiva”, explica o secretário Jonas Lima. Já para os grandes geradores, como lojas, a Secretaria solicita que o material seja levado de segunda a sexta na Associação Participativa Recicle Indaial, um ponto de entrega voluntária localizado na rua Anna Bauer, 280, Warnow. “O isopor está cada vez mais presente no dia a dia. É amplamente utilizado em embalagens de alimentos ou para proteção de aparelhos eletrônicos e itens frágeis. Conseguir essa parceria com a Termotécnica foi muito importante, pois além de o material ser reciclado devidamente ele deixa de ir para o terreno sanitário”, frisa o secretário.

Com fábricas e unidades de reciclagem em cinco estados brasileiros, desde 2007 a Termotécnica realiza o Programa Reciclar EPS, com logística reversa e reciclagem do material. De acordo com a Plastivida – Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos, no Brasil, apenas 34,5% do EPS pós-consumo é reciclado. Um terço de toda essa reciclagem é feita pela Termotécnica. Já são mais de 40 mil toneladas de EPS pós-consumo que ganharam um destino mais nobre.

A companhia possui um portal (reciclareps.com.br/ondereciclar) para busca de recicladores no Brasil e exterior, parceiros que fazem a economia circular do EPS acontecer na prática. Albano Schmidt, presidente da companhia, destaca que o Reciclar EPS gera oportunidades para muitas famílias, como as dos catadores e recicladores de resíduos. Segundo a Termotécnica, desde sua criação, a iniciativa gera cerca de 100 empregos diretos, conta com mais de 1,2 mil Pontos de Coleta e 300 cooperativas de reciclagem parceiras, o que impacta diretamente mais de cinco mil famílias, afirma a empresa. “Acompanhamos o ciclo de vida do produto e trabalhamos em busca de soluções inovadoras e positivas para todos”, argumenta Schmidt.

Curta nossa página no

Distribuidores de filmes BOPP associados à Adirplast prevêem mercado estagnado em 2019

30/08/2019

O volume de filmes BOPP comercializado em 2018 no país foi de 152 mil toneladas. Os associados da Adirplast foram responsáveis por 22 mil toneladas do total. Para 2019, previsão é de estagnação, além de margens mais apertadas

O mercado de filmes biorientados de polipropileno e poliéster (BOPP e BOPET) também tem sentido as oscilações econômicas mundiais. Embora a previsão inicial para este ano fosse de crescimento, o primeiro semestre foi complicado: “Os volumes aumentaram um pouco, no entanto, a margem de lucro está cada vez menor. Temos quedas de preços e questões tributárias, que pioram muito e dificultam os negócios para este ano”, afirmou Cecília Vero, da TIV Plásticos e diretora da Adirplast (Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas e Afins), em encontro promovido nesta semana pela entidade.

O volume de filmes BOPP comercializado em 2018 no Brasil foi de aproximadamente 152 mil toneladas. Os associados da Adirplast foram responsáveis por pouco mais de 22 mil toneladas desse montante. Para 2019, a previsão é de que o mercado feche com números muito próximos.

Além da demanda estagnada e de uma margem mais apertada de lucro, a diretora da Adirplast ainda reforçou que 2019 trouxe de volta ao setor o fantasma da inadimplência. “Precisamos estar atentos a este problema que voltou com bastante força neste ano. Precisamos também analisar o segundo semestre com cautela”.

Apesar dos percalços, há quem acredite na melhora do mercado já neste ano. Um deles é Luciano Ost, da Polo Films, que atualmente é um dos maiores fornecedores brasileiros de filmes BOPP, responsável por 28% do mercado nacional. O empresário foi um dos convidados para debater o assunto com associados da entidade: “Sou muito otimista quanto a capacidade de nosso negócio. A demanda mundial de BOPP em 2019 está prevista para 9,9 milhões de toneladas; para a demanda doméstica, a previsão é de 148 mil toneladas”.

O executivo ainda explicou a necessidade do mercado se atualizar com as novas demandas. “A força da indústria de filmes de BOPP deriva dos altos volumes usados nas embalagens primárias, particularmente para alimentos, o que não é fácil de substituir de maneira econômica. O crescimento nos mercados de alimentos embalados em todo o mundo continuará a ser um fator-chave para a demanda futura, sustentada pelo crescimento populacional, a urbanização e o aumento da renda nos mercados em desenvolvimento. Precisamos estar atentos às tendências”.

Outro ponto importante para os associados da Adirplast é a importância da reforma tributária para a melhora nos negócios. Cecília Vero vê com bons olhos as mudanças que estão apontando no Congresso: “Este é um ponto essencial para a melhoria de toda a nossa cadeia de negócios, principalmente para terminarmos este ano de uma maneira positiva”.

Para o presidente da entidade, Laercio Gonçalves, estes encontros entre fornecedores e associados são saudáveis para todo o segmento: “Precisamos de toda a cadeia unida; trazer a Polo Films para debater com os associados representantes de filmes BOPP é essencial para garantir um 2019 mais positivo para todos”.

A Adirplast tem como diretrizes o fortalecimento da distribuição, o apoio aos seus associados e a integração do setor de varejo de resinas plásticas, filmes de BOPP-PET e plásticos de engenharia. A entidade trabalha ainda para promover a imagem sustentável do plástico, melhorar a gestão financeira dos transformadores e ajustar o desordenamento tributário sobre a indústria.

Atualmente, a entidade agrega empresas distribuidoras de resinas plásticas, plásticos de engenharia e filmes BOPP-PET que, juntas, tiveram um faturamento bruto de cerca de R$ 4 bilhões em 2018. Elas responderam por cerca de 12% de todo o volume de polímeros e filmes BOPP-PET comercializados no país.

Credenciadas pelos fabricantes, contam com uma carteira de 7.000 clientes, em um universo de 11.500 transformadores de plásticos no Brasil. Para atendê-los, a entidade emprega 200 representantes externos e mantém 150 postos de atendimento, além de equipes de assistência técnica e de pós-venda. Os distribuidores associados à Adirplast são responsáveis pela emissão mensal de aproximadamente 25.000 notas fiscais e 80.000 duplicatas.

Curta nossa página no

Terphane apresenta soluções em embalagens flexíveis no PMA Fresh Connections 2019

19/08/2019

Além dos filmes de fácil abertura e selagem permanente, a Terphane apresentará linha de filmes de poliéster

O consumidor de FLV (frutas, legumes e verduras) busca, cada vez mais, produtos naturais, saudáveis, livres de conservantes e práticos de consumir. E boa parte destes atributos é garantida pela embalagem. Para discutir tendências de consumo e novidades no setor de FLV, acontece nesta quarta-feira, 21 de agosto, em São Paulo, o PMA Fresh Connections, organizado pela entidade norte-americana PMA (Produce Marketing Association). E a Terphane, líder em filmes PET (poliéster) na América Latina, participará do evento com um estande e como patrocinadora.

“A proposta é apresentar para este mercado todas as soluções inovadoras em embalagens flexíveis que a Terphane já tem na Europa e nos Estados Unidos”, explica André Gani, Diretor de Vendas & Marketing da empresa. Como destaque, a Terphane apresentará os filmes de poliéster termoseláveis com fácil abertura (easy open) ou com selagem permanente (lock seal) que evidencia se a bandeja foi aberta.

A Terphane também apresentará a recém lançada linha de filmes de poliéster Ecophane®, com duas versões: uma é o filme rPET, com pelo menos 30% de PET reciclado pós consumo, basicamente proveniente de garrafas PET. A outra é o filme bPET, com tecnologia de biodegradação para aterros sanitários. “A linha contribui para a produção de embalagens mais sustentáveis. Essa solução de embalagem também pode ser utilizada com atmosfera modificada (ATM) e as embalagens são 100% recicláveis”, explica Célia Freitas, Gerente de Desenvolvimento de Negócios da Terphane.

Segundo a Terphane, todos os seus filmes de poliéster para embalagens flexíveis da Terphane estão alinhados às grandes demandas do setor de FLV: soluções que maximizem a vida útil do produto, minimizem seu desperdício e aumentem a percepção de valor por parte do consumidor final. A empresa afirma que estas embalagens também garantem a integridade do produto durante as etapas de transporte e armazenagem, evitando desperdício. Além disse, garante o fabricante, ganha-se ainda na logística pela possibilidade de empilhamento das embalagens; mais embalagens ocupando menos espaço.

Do ponto de vista ambiental, os filmes de poliéster são recicláveis e, especificamente a nova linha Ecophane®, incorpora o conceito de Economia Circular, afirma a Terphane. Ou seja: embalagens descartadas pós consumo são recicladas e voltam a ser embalagem para novas aplicações.

Serviço PMA Fresh Connections Brasil – www.pmafreshconnections.com.br

Data 21 de agosto
Horário 09h00 às 19h00
Local Centro de Convenções Rebouças – São Paulo

Desde a sua fundação em 1976, a Terphane concentra-se no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). A empresa possui uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até a extrusão de filmes especiais. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar.</p

Curta nossa página no

Husky prepara lançamentos de sistemas de injeção, câmara quente e moldes durante a K 2019

06/08/2019

Com ênfase no desenvolvimento de processos de manufatura ponta-a-ponta digitalizados, soluções de moldagem flexíveis ​​e opções de embalagem mais sustentáveis, a Husky prepara-se para a feira K 2019 visando colocar à disposição dos clientes, durante maneiras de responder melhor a um ambiente de mercado e a demandas dos consumidores em constante mudança.

Durante a feira,  que acontecerá de 16 a 23 de Outubro, em Düssedorf (Alemanha), a fabricante de sistemas de injeção canadense focalizará uma gama de aplicações plásticas em diversos mercados, incluindo embalagens de alimentos e bebidas, embalagens plásticas em geral, assistência médica, automotiva e cuidados pessoais e de beleza.

Pela primeira vez, a Husky estará operando seu novo sistema HyPET HPP5e. Segundo a empresa, o sistema é projetado para oferecer melhor economia de energia, confiabilidade, qualidade da pré-forma e facilidade para o usuário. O sistema produzirá pré-formas feitas com 100% de PET reciclado.

• Demonstração do portfólio das tecnologias em moldes já existentes e de novas ferramentas que ajudam os clientes a melhorarem a sua produtividade, flexibilidade e valor agregado, incluindo o novo Molde NexPET , que, segundo a Husky, é uma ferramenta flexível de volume médio para lotes de produção menores e trocas frequentes de moldes.

• Introdução de uma plataforma de sistemas moldagem de pré-formas de PET versátil e com eficiência energética, projetada para manusear quaisquer necessidades de aplicação e produção.

• Uma prévia do sistema de fabricação ponta a ponta digitalizado “Next Generation Operating Model (NGOM)” da Husky. Segundo a empresa, o NGOM oferece recursos aprimorados para fornecer soluções com velocidade e flexibilidade ​​e permitir que os clientes respondam mais rapidamente às tendências de consumo em constante mudança.

• A Husky estará destacando suas várias soluções que suportam a economia circular e as metas de sustentabilidade dos clientes. A Husky afirma estar comprometida com o desenvolvimento de soluções de embalagem sustentáveis ​​e, com sua posição de líder no setor e seu histórico de inovação, se posiciona para ter um impacto positivo no alinhamento das metas de sustentabilidade com os vários atributos positivos das embalagens plásticas.

• Husky estará também realçando os seus mais recentes desenvolvimentos em sistemas de câmaras quentes e controladores, incluindo os pontos de injeção valvulados Ultra Helix ™ 250 T2. Segundo a fabricante canadense, o sistema valvulado é projetado para melhorar a qualidade das peças e manter a qualidade do ponto de injeção ao longo de milhões de ciclos, em aplicações com peças pequenas e com difícil acesso ao ponto de injeção. Também será exibida a mais recente família de Controladores de Molde Altanium®, fornecendo, segundo a empresa, temperaturas precisas e servo-controle e controle de válvula integrados.

• A empresa estará também apresentando o seu novo portal on-line de pedidos de peças de reposição Husky, que estará disponível para uma demonstração no estande.

Curta nossa página no

Clariant toma iniciativas para apoiar embalagens plásticas mais sustentáveis

18/07/2019

  • Oferta de soluções para desafios na indústria de embalagens
  • Quatro abordagens distintas
  • Masterbatches de aditivos exercem papel fundamental

Como parte de um programa que envolve toda a Clariant para criar uma indústria de plásticos mais sustentável, o Segmento de Mercado de Embalagens, da Unidade de Negócios de Masterbatches, está trabalhando para ajudar proprietários de marcas e produtores de embalagens a realizarem seus objetivos de desenvolver soluções mais amigáveis ao meio ambiente. Segundo a empresa, o seu portfólio de masterbatches de aditivos, aliado à expertise interna e à colaboração com outras organizações do setor, permite oferecer soluções em quatro áreas importantes:

  • Desenvolvimento de embalagens altamente recicláveis;
  • Fabricação de embalagens plásticas que possam ser reutilizadas facilmente;
  • Apoio ao uso de polímeros bio-baseados;
  • Aumento da aceitação de embalagens compostáveis.

“A embalagem plástica é um recurso essencial para as marcas e representa uma forma segura de entregar produtos ao consumidor em condições ótimas”, declara Alessandro Dulli, Clariant Masterbatches Global Head of Packaging. “A embalagem também exerce papel importante na diferenciação e na identidade das marcas. Não devemos nos esquecer de que é importante que a indústria e os consumidores trabalhem para criar um modelo mais sustentável de embalagens. Ninguém conseguirá atingir esse objetivo sozinho. É necessário contar com a colaboração de todos os grupos de interesse e isso é o que estamos buscando com essa nova iniciativa”.

Reciclagem

A reciclagem já está recuperando grandes volumes de resíduos plásticos para reintrodução no mercado como embalagens novas, mas ainda existem grandes desafios para o aumento do uso da resina pós-consumo (PCR). A Clariant afirma estar trabalhando para ajudar a superar tais desafios de diversas formas:

Novos masterbatches de aditivos que sequestram o oxigênio e reduzem a necessidade de embalagens com múltiplas camadas e materiais, a fim de prolongar o prazo de validade dos produtos embalados. Com apenas um material envolvido, o plástico se torna mais reciclável.

Os masterbatches de aditivos CESA®-IR estão agora disponíveis para produção de plásticos com coloração escura, visíveis aos sensores de infravermelho próximo (NIR) usados nos sistemas de separação de polímeros, possibilitando sua reciclagem com eficiência.

Masterbatches líquidos inovadores possibilitam a redução das emissões de carbono relacionadas a processos logísticos complexos e estoques pesados.

Extensores de cadeia, tecnologia de controle de odores, clareadores de cores e outros aditivos que aumentam a qualidade e facilitam a comercialização de materiais plásticos reciclados.

Reuso

“Se todas as embalagens plásticas pudessem ser reutilizadas apenas uma vez, a quantidade de material que entra no fluxo de resíduos seria cortada pela metade imediatamente”, observa Alessandro Dulli, “Embora não haja expectativa de que possamos reutilizar todos os plásticos, nosso dever conosco e com nosso planeta é fazer o melhor que pudermos”.

Atualmente, a maioria das embalagens é projetada para completar seu ciclo de vida assim que o produto é entregue, mas é preciso redefinir os parâmetros se quisermos que os recipientes sobrevivam por mais tempo. A Clariant afirma que, entre os seus produtos que estão disponíveis para ajudar nesse esforço se destacam aditivos que:

  • Aumentam a durabilidade e a resistência a arranhões dos plásticos;
  • Diminuem a tendência dos materiais ficarem amarelados com o tempo;
  • Resistem à degradação causada pela lavagem e esterilização;
  • Evitam o desbotamento das cores e outras perdas estéticas;
  • Controlam a fragilidade e o surgimento de fissuras por tensão.

A Clariant desenvolve soluções em projetos de cocriação com clientes em laboratórios especializados, como os que integram a rede Clariant ColorWorks™, a fim de desenvolver e testar materiais sob condições de envelhecimento simuladas para confirmar a duração dos ciclos de vida. A empresa afirma que essa expertise auxilia projetos globais complexos que visam proteger a identidade de marca, além de prestar suporte em questões regulatórias envolvendo a extensão dos ciclos de vida dos produtos.

Polímeros bio-baseados

Os polímeros bio-baseados, mais comumente chamados de “bioplásticos”, são feitos a partir de materiais renováveis, ao invés de materiais fósseis como petróleo ou gás natural. Eles estão atraindo cada vez mais interesse porque usam matérias-primas de origem vegetal e podem reduzir as emissões de carbono em comparação com outros polímeros. Várias dessas resinas são basicamente idênticas aos plásticos convencionais e podem se beneficiar das mesmas soluções de projeto de reciclagem mencionadas acima. Ao mesmo tempo, a Clariant apoia os clientes que tem como objetivo oferecer um produto de origem 100% bio-baseados, ao desenvolver cores e aditivos que empregam matérias-primas renováveis, afirma a empresa.

Polímeros compostáveis

Polímeros compostáveis – como ácido polilático (PLA) ou polihidroxialcanoatos (PHA) – são geralmente considerados como uma possível solução para o problema do descarte, pois se degradam mais facilmente com o tempo em comparação com os plásticos não compostáveis. Eles também podem representar uma solução interessante para aplicações em alimentos, nos casos em que embalagens contaminadas por alimentos não possam ser recicladas. As embalagens feitas de polímeros compostáveis podem fornecer a resposta, já que os resíduos contaminados podem se submeter à compostagem.

A Clariant afirma estar trabalhando para melhorar a vida útil dos biopolímeros, como PLA, bem como a estética desses materiais, com uma gama de cores que ajudam a preservar e aprimorar a identidade de marca. Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de masterbatches para compostagem, a Clariant afirma garantir o atendimento de todos os requisitos.

“Na Clariant,” afirma Alessandro Dulli, “temos orgulho de imaginar o futuro, promovendo a sustentabilidade e desenvolvendo soluções práticas para os desafios que enfrentamos; afinal, projetar para o meio ambiente nada mais é do que projetar para todos nós”.

Fonte: Clariant

Curta nossa página no

Terphane investe no mercado Centro-Americano e participa do Seminário Flexo CentroAmérica 2019 em El Salvador

18/07/2019

O evento regional tem público-alvo proveniente da América Central, Caribe e México.

Nos dias 18 e 19 de Julho (hoje e amanhã), a Terphane, líder em filmes PET (poliéster) na América Latina, participará do Seminário Flexo Centroamérica 2019, organizado pela Asiplastic (Associação Salvadorenha da Indústria do Plástico – http://www.asiplastic.org). Na ocasião, Rudhy Rozas, Key Account Executive, apresentará a palestra ‘Tendências de mercado: substituição da folha de alumínio por filme PET metalizado de alta barreira’.

“A palestra será o gancho para a Terphane apresentar em seu stand diversas novidades”, explica Cláudio Felker Andreis, Gerente Comercial Internacional. Entre elas a linha de filmes seláveis easy open e a linha de filmes matte (opacos), com ênfase no filme VMAT que, segundo a empresa, oferece estabilidade térmica e mecânica; alta barreira a gases, vapor d’água e aromas; bom desempenho nos vários processos de conversão (laminação, impressão e metalização) e, como diferencial, o toque aveludado. A empresa firma que o seu filme VMAT também garante boa ancoragem de tinta, adesivos e vernizes graças ao tratamento Coex em uma das faces.

Outra novidade são os filmes alta barreira transparentes de PVDC e a linha da Toyobo – Ecosyar, Toughster e Olyester – que a Terphane representa nas Américas. “A embalagem transparente é uma forte tendência no mercado de flexíveis e ajuda a construir valor para a marca. Ela tem uma relevância ainda maior em produtos/marcas premium já que uma “simples” janela pode chancelar toda a qualidade esperada do posicionamento do produto”, analisa Cláudio. A linha da Toyobo completa a linha da Terphane, criando possibilidades de estruturas de embalagem para os mercados de alimentos (secos, úmidos, refeições pré-cozidas, para cozimento da embalagem, sopas, etc) e não alimentos (medicamentos, produtos industriais, químicos, produtos de higiene pessoal e beleza, etc).

Com forte apelo de sustentabilidade, a nova linha de filmes PET Ecophane será outro destaque da Terphane em seu estande no Seminário Flexo em El Salvador. Segundo a Terphane, este filme PET tem, no mínimo, 30% de PCR (PET reciclado pós consumo) em sua composição. São mais de 10 tipos de filmes, disponíveis para as mais diversas aplicações. Além de garantirem um menor uso de matérias-primas virgens, os novos filmes da linha Ecophane estão inseridos no conceito de Economia Circular: o PET descartado na forma de garrafas é coletado, reciclado e volta a ser embalagem.

Cláudio Andreis explica que não é de hoje que a Terphane trabalha os mercados centro-americano, caribenho e mexicano, tanto que a empresa já é uma das líderes no fornecimento de filmes PET na região. “Há mais de 10 anos, regularmente fazemos visitas comerciais e técnicas aos clientes locais e estamos presentes nos principais players da região. E continuamos acreditando no potencial desses países cuja economia cresce a uma taxa média de 5% ao ano. Acompanhamos de perto a substituição, nos últimos anos, do PP (polipropileno) e do PE (polietileno) por PET (poliéster), especialmente nos mercados de café, leite em pó, molhos e maionese e estamos prontos para os próximos desafios”, conclui.

Serviço Seminário Flexo Centroamérica 2019

Data: 18 e 19 Julho
Horário: a partir das 8h00
Local: Hotel Crowne Plaza San Salvador – Conference Center
Informações: www.asiplastic.org

Desde a sua fundação em 1976, a Terphane concentra-se no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). A empresa possui uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até a extrusão de filmes especiais. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar.

Fonte: Terphane

Curta nossa página no

Terphane lança, globalmente, linha sustentável de filmes de PET

07/06/2019

O principal diferencial dos novos filmes é a composição com 30% ou mais de PET reciclado, pós consumo, grau alimentício.

A Terphane, um dos líderes em filmes PET (poliéster) na América Latina, lançou, globalmente, a linha Ecophane de filmes sustentáveis. Os novos filmes estão alinhados à uma demanda crescente do mercado global por filmes que garantam a produção de embalagens recicláveis e com conteúdo reciclado.

“A linha Ecophane é o resultado de extensivas pesquisas e muita tecnologia de ponta aplicada ao seu desenvolvimento. Conseguimos criar um filme PET com no mínimo 30% de PCR (PET reciclado pós consumo) em sua composição”, explica Marcos Vieira, Diretor de P&D Global da Terphane. Esta expertise tecnológica resultou em mais de 10 tipos de filmes da linha Ecophane, disponíveis para as mais diversas aplicações.

Segundo a empresa, além de garantirem um menor uso de matérias-primas virgens, os novos filmes da estão inseridos no conceito de Economia Circular: o PET descartado na forma de embalagens ou outros itens é coletado, reciclado e volta a ser embalagem.

“O desenvolvimento da linha Ecophane não vai ao encontro apenas das métricas de sustentabilidade estabelecidas pela Terphane, mas atende a uma busca dos brand owners que querem associar suas marcas e produtos a embalagens cada vez mais sustentáveis”, completa André Gani, Diretor de Vendas & Marketing da Terphane. A Terphane estabeleceu as ações ambientalmente, socialmente e economicamente positivas em suas plantas, produtos e na comunidade como prioridades em sua jornada de sustentabilidade

A embalagem flexível ajuda muito nesta jornada por seu excelente desempenho em termos de otimização de funcionalidade e de melhor uso dos recursos, afirma a empresa. O documento europeu “The Perfect Fit, a FPE (Flexible Packaging Europe)” –  mostra que eficácia e eficiência são fatores fundamentais para definir a sustentabilidade de uma embalagem, levando em consideração todos os aspectos da cadeia de valor do produto, a própria embalagem, o consumo e todos os impactos no ciclo de vida. “E a embalagem flexível, mais do que se pensa, é a melhor escolha. Isso porque os fabricantes de embalagens e os donos de marca podem atingir o ‘ponto ideal’ que otimiza a eficácia funcional e a eficiência do material. Isso se chama relação perfeita entre produto e embalagem”, explica Gani.

No documento, enfatiza-se ainda o fato da embalagem flexível ser altamente adaptável e um design inteligente garantir ainda mais benefícios de sustentabilidade. Esses benefícios vão desde o tamanho correto para as porções e o refechamento das embalagens para minimizar o desperdício, passando pela impressão de informações que garantam seu uso e armazenamento corretos, até embalagens funcionais, mais leves, que reduzam os impactos de armazenamento, distribuição e transporte.

Por serem mais leves, as embalagens flexíveis também reduzem os impactos ambientais e oferecem vantagens significativas para o armazenamento e transporte dos produtos. “Definitivamente as embalagens flexíveis estão na vanguarda de uma agenda cada vez mais exigente, a das ‘embalagens sustentáveis’. Embora ainda existam alguns entraves na cadeia da reciclagem, a embalagem flexível é a que mais se aproxima da ‘escolha perfeita’ em termos de solução mais sustentável disponível no mercado. E os novos filmes Ecophane surgem para fechar este circuito ao utilizarem uma boa parte das embalagens descartadas pós consumo e poderem ser novamente reciclados”, atesta Marcos Vieira.

Desde a sua fundação em 1976, a Terphane concentra-se no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). Sua equipe possui experiência e conhecimento em produção, revestimento e metalização de filmes. A empresa se destaca por uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até a extrusão de filmes especiais. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Terphane

Curta nossa página no

Braskem unifica portfólio de soluções para o segmento de tampas

27/05/2019

A iniciativa da Braskem de unificar seu portfólio reforça a atuação da companhia neste segmento que, em contínua expansão, tem potencial de crescimento estimado em até 8% ano. “O segmento de tampas possui diversos desafios, desde a garantia da integridade do produto envasado e a facilidade de manuseio e descarte, até a busca continua por soluções cada vez mais sustentáveis para os processos e produtos. Em conjunto com especialistas do nosso Centro de Inovação e Tecnologia, oferecemos aos nossos clientes o portfólio mais completo do mercado, com soluções capazes de atender necessidades técnicas específicas do segmento, como a redução de peso, processabilidade, controle de gosto e odor além da segurança do produto”, afirma Flávio Costa, líder do Segmento de Tampas da Braskem.

Segundo a empresa, o seu portfólio oferece respostas para as megatendências e outras questões que impactam não apenas a indústria de embalagens, mas também o mundo em geral. Com essa iniciativa a empresa afirma contribuir para a redução do desperdício de alimentos (por meio de resinas que proporcionem maior vida útil), redução do peso das tampas e reciclabilidade, aspecto que está de acordo com o compromisso público em prol da Economia Circular que a companhia assumiu em 2018.

Para o segmento de bebidas, um dos maiores dentro do mercado de tampas, que abrange desde leites e refrigerantes até líquidos envasados a quente, como chá e energéticos, a Braskem continua oferecendo uma grande variedade de resinas de polietileno e polipropileno. O destaque do portfólio são as soluções desenvolvidas para tampas destinadas a bebidas carbonatadas, que podem ser moldadas por meio dos processos de injeção ou compressão. De acordo com Costa, este mercado possui hoje dois tipos de tampa, as de duas peças, que utilizam uma tampa somada a um liner interno, e as de uma peça única.

“A tecnologia desenvolvida pela Braskem possibilita a combinação de molde e resina, trazendo bom desempenho para as tampas de uma peça só. Neste caso, o produto possui um batoque interno que, quando aplicado no gargalo, garante a total vedação para reter o gás da bebida sem a necessidade da deposição do liner interno. O polietileno de alta densidade (PEAD) aplicado nesta solução permite a deformação necessária do mecanismo interno sobre o gargalo, mesmo sob as variações devido à pressão interna da embalagem, garantindo total vedação para a bebida”, destaca o executivo.

Outro nicho importante deste mercado é o de água mineral: por ser um líquido extremamente sensível a variações externas, há um rigoroso controle das propriedades organolépticas das resinas, visando garantir que não sejam alteradas as características da bebida relativas a odor, sabor e coloração quando em contato com o produto plástico. Estas alterações podem ser relacionadas tanto à presença de uma série de compostos inerentes ao processo de fabricação da resina, como à moldagem da tampa, aditivos e pigmentos utilizados.

“Nossas resinas passam pelo VOC teste, processo realizado na homologação da tampa. Para ampliar a garantia, desenvolvemos em nosso portfólio processos produtivos de acordo com parâmetros de homologação ainda mais exigentes, seguindo a especificidade de nossos clientes. Também aumentamos nosso conhecimento técnico e de controle de condições de fabricação, no caso das resinas de classe organoléptica realizamos o controle lote a lote”, completa.

As resinas do selo Maxio também integram o portfólio da Braskem para o segmento de tampas. A linha é composta por matérias-primas que, segundo a Braskem, proporcionam redução do consumo de energia, maior produtividade e redução de peso do produto final, o que garante mais eficiência e, consequentemente, ganhos ambientais. A empresa afirma que os benefícios são obtidos graças à evolução contínua das resinas, preservando ou melhorando propriedades mecânicas, químicas e óticas de produtos acabados.

A Braskem oferece ainda uma ampla gama de soluções para o mercado de tampas utilizadas nos setores alimentício, industrial e cosméticos e higiene pessoal. “Nossa equipe de Desenvolvimento de Mercado está preparada para apoiar o cliente, de forma customizada, na identificação do material mais adequado para cada aplicação, dentro da variedade de opções em polipropileno e em polietileno disponível em nosso portfólio”, conclui.

Tampinha Legal

Em linha com o compromisso público assumido pela Braskem em prol da Economia Circular, a companhia apóia o projeto Tampinha Legal, que estimula a coleta de tampas de plástico e as encaminha para venda em indústrias recicladoras, sendo que 100% dos recursos obtidos são revertidos para entidades assistenciais.

Criado no Rio Grande do Sul, o Tampinha Legal é o maior programa socioambiental de caráter educativo da indústria de transformação do plástico na América Latina. Com o apoio da Plastivida (Instituto socioambiental dos plásticos), o projeto tem se expandido pelo Brasil com o objetivo de propor a mudança do comportamento social e a disseminação de informação quanto a importância da destinação correta dos resíduos plásticos, incentivando sua valorização no retorno à cadeia produtiva.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem e Antilhas lançam embalagem monomaterial para embalagens Stand up Pouch

17/05/2019

O produto reforça o conceito de Economia Circular ao favorecer o processo cíclico de reciclagem e retorno do produto à cadeia.

Em linha com seu compromisso em Economia Circular, a Braskem se uniu à Antilhas Flexíveis, empresa brasileira e reconhecida no mercado por suas inovações em embalagens, para o desenvolvimento de uma embalagem stand-up pouch monomaterial. A novidade foi apresentada durante a Feiplastic 2019, de 22 a 26 de abril, no Expo Center Norte, em São Paulo (SP).

“A transformação da Economia Linear para a Economia Circular passa por desenvolvimentos como esta embalagem, que tem todo o seu ciclo produtivo considerado de forma sustentável. Estamos muito satisfeitos em apresentar esta solução ao mercado durante a Feiplastic, demonstrando que a tecnologia é uma grande aliada na criação de produtos que favorecem a reciclagem e se mantém competitivos”, afirma Yuri Tomina, gerente de Desenvolvimento de Mercado de Polietileno da Braskem.

Embalagens monomateriais, ou seja, produzidas a partir de uma única matéria-prima, favorecem a cadeia de reciclagem plástica, pois facilitam o processo de separação dos materiais. Segundo Tomina, o compromisso da Braskem em prol da Economia Circular define iniciativas que a companhia adotou para estimular o ciclo sustentável da cadeia plástica e, entre elas, está o trabalho com parceiros na concepção de produtos que ampliem a eficiência da reciclagem e o retorno do produto à cadeia.

Fabio Sant’ana, especialista de Desenvolvimento de Mercado de Polietileno da Braskem, explica que a companhia se uniu à Antilhas Flexíveis para chegar nesta solução. “Feita totalmente à base de polietileno, este produto tem alto índice de reciclabilidade por não possuir mistura de matérias-primas. Desta forma, sua reciclagem gera uma resina pós-consumo de maior qualidade e, consequentemente, com uma gama maior de possibilidades de aplicação”, explica.

A produção de embalagens stand-up pouch – que se mantém em pé independentemente da matéria que envolve – em puro polietileno, sem laminação, foi realizada com a tecnologia EB (Electron Beam). O processo inovador de impressão externa por cura com feixe de elétrons foi patenteado com exclusividade pela Antilhas.

“O processo garante qualidade de impressão superior, com o mesmo brilho de material laminado e possibilidade de acabamentos externos com apelo sensorial. A tecnologia permite ainda benefícios adicionais com um processo que gera a redução de até 50% no consumo de energia elétrica, sem perder a qualidade de cor e brilho do material final e redução de até 95% dos compostos orgânicos voláteis, fator que reduz a emissão de gases causadores do efeito estufa”, afirma Rodrigo Massini, gerente executivo da Antilhas Flexíveis.

A embalagem stand-up pouch monomaterial já está disponível ao mercado e pode ser utilizada em aplicações nos setores de cosméticos e alimentício. Os visitantes da Feiplastic puderam conferir protótipos do material no estande da Braskem, onde também foram expostos exemplos do produto já produzido a partir da embalagem monomaterial reciclada, com identificação de matéria-prima 100% oriunda de polietileno reciclado.

“Estamos muito satisfeitos em apresentar aos clientes a solução completa, com demonstração do desenvolvimento tecnológico aplicado na solução e a qualidade do produto pós-consumo gerado a partir desta inovação”, ressalta Sant’ana.

A Antilhas atua no mercado de embalagens em papel, cartão e plástico flexível. Fundada há 30 anos, a unidade de negócios de flexíveis da Antilhas Embalagens possui o selo FSSC 22000 – Certificação de Sistema de Segurança de Alimentos. A Antilhas Flexíveis tem como destaque entre seus produtos, além do processo de impressão com a tinta Gelflex-EB®, o Stretch Hood, filme de Polietileno (PE) extrudado utilizado para a unitização de embalagens de transporte.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

BASF apresentou inovações e soluções sustentáveis na Feiplastic 2019

17/05/2019

Soluções da BASF para as indústrias automotiva, de embalagens, da construção, de bens de consumo, aplicações industriais, plasticultura, entre outras, fizeram parte do portfólio apresentado pela companhia no stand da Feiplastic 2019.

“A Feiplastic foi uma excelente oportunidade para apresentar nossas soluções e estreitar o relacionamento com o mercado”, considera Murilo Feltran, gerente de marketing e produto de Materiais de Performance da BASF. “Além das tecnologias inovadoras, nosso forte é a atuação em estreita colaboração com nossos clientes, entendendo suas necessidades e desenvolvendo soluções de acordo com cada necessidade”, afirma.

Materiais de desempenho

Uma das principais novidades foi a plataforma digital exclusiva para oferecer o portfólio de soluções para a indústria de calçados, como um novo canal de relacionamento com os clientes. A BASF fornece PU e TPU para produção de solas, entressolas, palmilhas e outros componentes que, segundo a empresa, permitem a fabricação de calçados de maior desempenho, conforto e durabilidade, atendendo às tendências e demandas dos consumidores. A ferramenta online, de interface amigável, está disponível no link http://www.shop.basf.com.br/calcados.

Entre os materiais com destaque na Feiplastic estão as soluções sustentáveis para o mercado de isolamento térmico, que têm como base o HFO e a água aplicados como agentes expansores de quarta geração para o mercado de refrigeração. A tecnologia é uma alternativa aos agentes de expansão utilizados convencionalmente e permite a redução nas emissões de gases de efeito estufa.

Também apresentando pegada sustentável, foi apresentado o polímero compostável e biodegradável ecovio®, obtido a partir de matérias-primas renováveis. O material tem desemepenho semelhante aos plásticos normalmente utilizados, atendendo requisitos de aparência, propriedades mecânicas e processabilidade, sofrendo degradação somente em condições de compostagem, afirma a BASF. Pode ser aplicado em filmes para agricultura, produção de copos, sacolas compostáveis certificadas e embalagens diversas, entre outras possibilidades.

A poliamida Ultramid® Deep Gloss agora está disponível também em cores. O material originalmente usado na cor black piano, está abrindo possibilidades para projetos mais versáteis de interiores de carros, com cores contrastantes e que seguem tendências de mercado. Segundo a BASF, o material possui propriedades diferenciadas, tais como resistência a riscos, à radiação UV e alta resistência química. Além disso, afirma a empresa, o alto nível de brilho reproduz estruturas com detalhes fiéis, permitindo uma mistura bem contrastante de luz e sombra, sem revestimento adicional.

Durante a feira, a BASF também promoveu a sua poliamida semicristalina que permite que a luz passe sem barreiras. Segundo a empresa, o Ultramid® Vision combina a transparência à luz com uma baixíssima dispersão, sendo a primeira poliamida semicristalina do mundo para componentes semitransparentes ou transparentes para ambientes com muitos desafios químicos. A BASF afirma que a poliamida é resistente aos raios UV, às altas temperaturas, aos riscos, a químicos e atende aos requisitos de segurança contra a propagação do fogo. A solução pode ser usada em diversas áreas de aplicação, sendo recomendada especialmente para peças de controle visual, iluminação ou design de luz.

Embalagens

A embalagem tem papel fundamental na garantia da qualidade de alimentos, desde a produção até a mesa do consumidor. As poliamidas são a melhor opção quando há a necessidade de aumentar o tempo de vida dos produtos através do aumento de propriedades mecânicas, proteção para migração de gorduras, barreira ao oxigênio e aromas. Por meio da parceria com seus clientes, a BASF buscou atender solicitações de melhoria de propriedades óticas, maior flexibilidade e menor encanoamento, sem perder as propriedades tradicionais das poliamidas. E o resultado foi, segundo a empresa, o desenvolvimento do Ultramid C37 LC, copolímero de poliamida com o menor ponto de fusão das poliamidas tradicionais encontradas no mercado – perto dos 180º.C. A BASF afirma que o material é o mais indicado para sacos encolhíveis e filmes termoformados e outras aplicações onde a estrutura a ser utilizada é assimétrica.

Aditivos para plásticos

A BASF afirma que vem buscando soluções em aditivos para plástico ecologicamente corretas, focadas em sustentabilidade e que visam evitar a degradação e estender a vida útil dos plásticos. Esses requisitos se tornaram mais rigorosos também nas aplicações automotivas e, alinhado ao aumento da durabilidade das espumas de poliol e poliuretano, o seu PUR 70 encontra um nicho de aplicação. Segundo a empresa, o aditivo diminui drasticamente a emissão de aldeídos e componentes orgânicos voláteis, é livre de amina e atende aos requisitos VDA 278 10/11.

De acordo com a empresa, o seu Tinuvin® XT 55, um aditivo estabilizador à luz, confere durabilidade, além de melhorar os processos de fabricação. Tem aplicações em monofilamento de polietileno, usados para produção de grama sintética e poliolefinas, fitas para telas de sombreamento, andaimes, geotêxteis e big bags, entre outros. O fabricante afirma que o aditivo auxilia na resistência às condições climáticas adversas, incluindo exposição prolongada à luz ultravioleta, temperatura elevada e oscilante, além de poluentes ambientais.

Já o Irgastab IS 3066L, utilizado nas aplicações em PVC, promove melhoria na produtividade e maior viabilidade econômica, além de estar em conformidade com o FDA para aplicações em contato com alimentos, assegura a BASF.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

ExxonMobil apresenta novas soluções para reciclagem e embalagens flexíveis durante Feiplastic 2019

22/04/2019

  • Destaque para o projeto de recicalgem de redes de pesca descartadas utilizando polímero de desempenho Vistamaxx™
  • Apresentando a nova resina Exceed™XP 8784 para soluções de embalagens flexíveis
  • Apresentando soluções para embalagens flexíveis, filmes para agricultura, compostos, indústria automotiva e PVC

A ExxonMobil demonstrará durante a Feiplastic 2019 (stand L43) como seu portfólio de polímeros pode ajudar a criar novas soluções para os desafios contemporâneos. O evento está ocorrendo no Expo Center Norte, São Paulo/SP – Brasil, de 22 a 26 de Abril. Os destaques da empresa são novos produtos e aplicações que estão sendo apresentados para os mercados brasileiro e latino-americano pela primeira vez:

▪ Repensando a reciclagem com o polímero Vistamaxx™, como parte do projeto Atando Cabos para compatibilização de PE e PP – redes de pesca descartadas na costa chilena foram transformadas em produtos de qualidade.
▪ Exceed™ XP 8784 – novo grade de resina de polietileno que, segundo a empresa, oferece processabilidade aprimorada aliada a alta resistência mecânica, com propriedades de selagem para filmes multicamadas para aplicações de embalagens laminadas, filmes com barreira, sachês e embalagens para produtos congelados.

“A Feiplastic é o ambiente perfeito para apresentação de novos grades e de aplicações inovadoras para os mercados brasileiro e latino-americano, ”, afirma David Hergenrether (vice-presidente da linha de negócio de polietileno da ExxonMobil). “Queremos encontrar nossos clientes e novos potenciais da região durante a feira para discutir desafios do mercado e demostrar como, juntos, podemos criar soluções diferenciadas.”

Os clientes que forem visitar o stand da ExxonMobil na Feiplastic poderão discutir inovações e planos com os especialistas em polímeros da empresa, que poderão apresentar informações adicionais sobre soluções em diversas áreas de aplicação:

▪ Embalagens e filmes para agricultura com uso dos polímeros Exceed ™ XP, Exceed ™ e Enable ™.
▪ Novas soluções para compostos e blendas com os polímeros Vistamaxx™ e aditivos Oppera™
▪ Vedações automotivas duráveis e leves com termoplástico vulcanizável Santoprene™ (TPV’s)
▪ Piso de PVC mais flexível, fios e cabos e partes automotivas com plastificantes Jayflex™ DINP e DIDP que, segundo a empresa, promovem um balanceamento de propriedades com desempenho e permanência.

A ExxonMobil Química é uma das maiores empresas químicas do mundo e detém uma posição de liderança na produção de commodities de produtos químicos, possuindo capacidade produtiva em todas as regiões do globo para atender mercados grandes e de rápida expansão. Mais de 90% da capacidade de produção de produtos químicos da ExxonMobil está integrada com suas refinarias ou plantas de processamento de gás natural.

Fonte: Assessoria de Imprensa – ExxonMobil

Curta nossa página no

Durante Feiplastic, Milliken apresentará aditivo que amplia propriedades de barreira em embalagens

17/04/2019

Empresa afirma que o produto aumenta a proteção ao vapor d’água em até 50%, simplificando, ao mesmo tempo, estruturas para acondicionamento e, em alguns casos, facilitando a reciclagem das embalagens

Nas embalagens, os materiais que atuam como barreira reduzem as entradas e fugas de substâncias que alteram as propriedades organolépticas (cor, sabor, textura) e abreviam a vida de prateleira (shelf life) de alimentos e outros produtos acondicionados. A Milliken, empresa global de especialidades químicas, revestimentos e materiais de alto desempenho, mostrará na Feiplastic 2019 – Feira Internacional do Plástico – uma novidade nesse campo: o aditivo UltraBalance™ 1002.

Segundo a empresa, o UltraBalance™ 1002 permite aumentar ou proporcionar melhorias em termos de barreira ao vapor d’água em embalagens flexíveis de polietileno. “Os ganhos são substanciais, variando de 20% a 50%, a depender da resina e da estrutura aplicadas nas embalagens”, comenta Márcio Biaso, Senior Account Manager da Milliken. A Milliken afirma que o uso do aditivo torna possível reduzir a espessura e o peso dos filmes, e, em certos casos, até dispensar o uso da camada metalizada, obtendo-se um monomaterial flexível (somente de polietileno). Tudo isso sem prejuízo do desempenho.

A simplificação contorna os entraves habituais para a reciclagem de filmes multicamadas, assegurando às marcas usuárias uma prática mais correta em termos ambientais. “A proposta de valor de nossa tecnologia está bastante alinhada com os desafios enfrentados pelos brand owners no que diz respeito à sustentabilidade”, afirma Biaso. “Além disso”, acrescenta o profissional da Milliken, “a redução da complexidade estrutural diminui os custos das embalagens”.

Segundo a empresa, o UltraBalance™ 1002 já é utilizado com sucesso no mercado internacional, tendo estabelecido novos padrões de acondicionamento em diversos segmentos – entre eles os de cereais matinais, grãos, biscoitos, variados alimentos e produtos de limpeza em pó. De acordo com Aparecido Albarici, gerente de suporte técnico da Milliken na América Latina, o desenvolvimento de novas aplicações cresce rapidamente. “O UltraBalanceTM 1002 já é produzido no Brasil. Fornecemos toda a assistência para convertedores e proprietários de marcas, de modo a atingirmos os melhores resultados”.

A Milliken deposita grande expectativa no desempenho do UltraBalance™ 1002 no mercado brasileiro. “Cada vez mais o consumidor busca produtos que sejam sustentáveis, o que já não se limita ao conteúdo. E as embalagens são percebidas como extensões dos produtos. Por isso, nossa tecnologia tem tudo para ganhar espaço no mercado”, sentencia Biaso.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Milliken

Curta nossa página no

Terphane lança filme PET selável e de alta barreira para aplicações em embalagens com atmosfera modificada

21/03/2019

O Lidbar-e também garante a função easy open a bandejas de refeições prontas, pouches de barras proteicas, etc.

A Terphane, líder em filmes PET (poliéster) na América Latina, já está comercializando no Brasil os filmes de PET (poliéster) seláveis e de alta barreira Lidbar-e. Seguno a empresa, além de garantir aumento de vida de prateleira a alimentos, graças à atmosfera modificada (MAP), o novo filme se destaca pelo tratamento anti-fog, alta transparência e tratamento corona que melhora a adesão de tintas e adesivos.

“Este filme foi desenvolvido para atender às necessidades de fabricantes de alimentos que precisam de embalagens de alta barreira que, normalmente, utilizam atmosfera modificada para aumentar a vida de prateleira”, explica Célia Freitas, gerente de Desenvolvimento de Negócios da Terphane.

A Terphane afirma que a face selável do Lidbar-e conta ainda com um tratamento anti-fog que reduz o embaçamento em aplicações quentes ou frias; esta característica é particularmente importante para alimentos congelados ou refrigerados. Outro diferencial é o range de temperatura de selagem, sem deformação, que vai de 60 graus Centígrados até 120 graus Centígrados. O novo filme sela com PP, PEAD, PS, HIPS, APET, CPET, CPET modificado, PETG, rPET, PVC, PC, PLA ou cartão laminado com PET em bandejas, garrafas, potes ou outros tipos de embalagens.

O Lidbar-e está disponível na espessura de 31 micra e atende a todas as normas internacionais para contato com alimentos. “A espessura do filme o torna mais sustentável já que é possível reduzir consideravelmente o peso das embalagens, substituindo estruturas complexas, laminadas ou coextrudadas”, pontua Célia Freitas. A alta barreira evita ainda a variação de umidade e o filme pode ser impresso ou laminado, de acordo com o projeto da embalagem. Um aspecto particularmente importante no caso de bandejas é a alta resistência a punctura.

Desde a sua fundação em 1976, a Terphane concentra-se no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). Sua equipe possui experiência e conhecimento em produção, revestimento e metalização de filmes. A empresa se destaca ainda por uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até a extrusão de filmes especiais. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar.

Fonte: Terphane

Curta nossa página no

Braskem lança nova resina da linha Maxio para produção de big bags

12/03/2019

A empresa firma que os clientes do segmento passaram a produzir até 30% a mais sem elevar o consumo energético

Na busca por soluções que gerem aumento da produtividade e redução de custos de clientes produtores de big bags (que são utilizados para embalar e transportar grãos, fertilizantes, minérios e produtos químicos), a Braskem desenvolveu a nova resina de polipropileno DP213A, novo grade da linha Maxio. Com sua aplicação, empresas do segmento elevaram sua produção em 30% sem aumentar o consumo de energia, afirma a Braskem.

A DP213A é uma resina com baixo índice de fluidez que contém aditivação anti-UV. A matéria-prima foi especialmente desenvolvida para atender ao elevado nível de exigência dos clientes em relação a propriedades mecânicas da fita de rafia e ainda garantir benefícios de aumento de produtividade da etapa de extrusão.

“Grande parte das inovações da Braskem partem do nosso interesse em atender às demandas de clientes e o desenvolvimento deste novo grade da linha Maxio é um bom exemplo disto. Identificamos uma concorrência acirrada no setor de ráfia, o que levava as empresas a disputar mercado com base em preços. Com a aplicação da resina que estamos lançando, eles conseguirão reduzir seus custos operacionais e os preços de seus big bags, aumentando sua capacidade produtiva e consumindo menos energia”, afirma Carolina Bulhões, líder da área de Engenharia de Aplicação da Braskem.

Caso de sucesso: Propex tem ganho de produtividade e redução de consumo energético

A Propex, indústria têxtil pioneira na fabricação de tecidos plastificados e destaque na produção de big bags, registrou um aumento de aproximadamente 20% em sua capacidade produtiva, afirma o fabricante. De acordo com o engenheiro da empresa, Patrick Camargo, buscava-se uma velocidade maior das máquinas extrusoras sem que os motores atingissem seus limites operacionais e a resina DP213A apresentada pela Braskem foi a melhor solução para isso.

“A busca contínua da Braskem por soluções que melhoram a eficiência dos clientes proporcionou um resultado ótimo para nós. Aumentamos nossa produção sem consumir mais energia, preservando nossas máquinas e mantendo a qualidade do nosso produto”, afirma o executivo.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Dow abre inscrições do “Prêmio para Inovação em Embalagens 2019”

05/03/2019

Projetos serão avaliados por um grupo internacional de especialistas independentes, com o objetivo de reconhecer embalagens inovadoras em tecnologia e sustentabilidade, que promovam experiências mais eficazes com o cliente

A Dow abriu inscrições de “Prêmio para Inovação em Embalagens 2019”. As empresas interessadas podem se inscrever no site www.dowpackagingawards.com até 29 de março. Este é o segundo ano em que a Dow patrocina a premiação reconhecida globalmente, dando continuidade à iniciativa criada pela DuPont há mais de 30 anos.

“As conquistas revolucionárias alcançadas por toda a cadeia de valor são nossa fonte de inspiração todos os anos. É uma grande honra sermos os anfitriões de um programa que traz inovações criativas e soluções para os problemas de embalagens em todo o mundo”, afirmou Diego Donoso, presidente para o negócio de Embalagens e Plásticos de Especialidades da Dow. “Estamos ansiosos para conhecer as soluções que serão reconhecidas pelo júri como as melhores e mais brilhantes do setor”.

Seguindo a tradição do prêmio mais antigo do setor, a Dow está compondo um grupo internacional de jurados independentes. Além de incluir a comunidade acadêmica, os projetos serão avaliados por especialistas em diferentes áreas, com o objetivo de oferecer uma perspectiva global nas áreas de design, engenharia, varejo, comércio eletrônico e conversão.

Em 2018, o programa recebeu mais de 200 inscrições de empresas em mais de 30 países. Foram premiados nove finalistas na categoria Diamante (Diamond Award), oito na categoria ouro (Gold Award) e 11 na categoria prata (Silver Award), com destaque para a grande vencedora do Diamond Award – a premiação mais importante do programa. A embalagem para líquidos Aeroflex da Procter & Gamble  (foto) foi reconhecida com o prêmio máximo por utilizar uma tecnologia avançada que aumenta a eficiência de recursos e ao mesmo tempo consegue oferecer uma melhor experiência para o cliente.

As inscrições para a premiação deste ano são gratuitas e os materiais da Dow e da DuPont não precisam estar presentes nos itens inscritos. Os projetos devem estar comercialmente disponíveis há pelo menos um ano. Para mais informações, acesse o regulamento no site www.dowpackagingawards.com.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no