Archive for the ‘Embalagens’ Category

Prêmio de Tecnologias Plásticas 2015: os vencedores serão anunciados durante a feira PLAST 2015, em Milão (Itália)

23/04/2015

Plast_2015-Tech-Awards-2012Conceitos originais inovadores para consumo rápido ou produtos descartáveis ​​que exploram as potencialidades de tecnologias específicas de produção e transformação de plásticos: estes são os pilares da segunda edição do Prêmio de Tecnologias Plásticas, o concurso internacional lançado pela Promaplast, entidade organizadora da PLAST 2015, que ocorrerá de 05 a 09 maio de maio próximos no Pavilhão da Fiera Milano – Rho, em Milão, na Itália. ). O Prêmio tem a colaboração da POLI.design, um consórcio do Politécnico de Milão.

Os nomes dos projetos classificados para as finais foram anunciados há alguns dias:

  • EAT & PLAY – Embalagem de sorvete
  • PALINGENESI – Contâiner Reciclável
  • ASAP: Copo Compostável – Tão sustentável quanto possível
  • YIN & GNAM – Talheres descartáveis
  • Bione PACK – embalagem de açúcar e colher

O Prêmio de Tecnologias Plásticas 2015 tem como foco o descarte e reciclagem de produtos, componentes e embalagens caracterizados pela rápida obsolescência, uso ou descartabilidade temporária, tais como utensílios domésticos e embalagens de produtos de consumo de rápido.

O concurso aborda um tema de grande relevância atual, refletindo sobre os efeitos do crescimento ininterrupto de produtos de consumo rápido para uso diário nas culturas ocidentais. Muitos dos produtos, embalagens e componentes descartáveis ​​ou temporários que caracterizam os novos paradigmas de consumo são projetados sem considerar as questões relativas ao seu descarte – que também é inevitavelmente rápido – de materiais ou complexos de materiais que muitas vezes não podem ser separados ​​ou reciclados e, portanto, não se prestam a um descarte adequado.

Grandes empresas italianas e estrangeiras que irão expor na PLAST 2015 estão constantemente buscando desenvolver soluções concretas para os problemas de descarte e reciclagem. Um exemplo é a Novamont (Pavilhão 9, stand D82), que apresentou recentemente a primeiro cápsula de café espresso, fabricada na Itália, em colaboração com a Lavazza. A cápsula vai ser feita de Mater-Bi 3G, a terceira geração de Mater-Bi, que é caracterizada por uma elevada percentagem de matérias-primas renováveis. Após o uso, a cápsula pode ser descartada como resíduo compostável e enviada para os processos de compostagem industrial, da mesma forma que a borra de café. E a Novamont não está sozinha: em colaboração com seus parceiros, a API (Pavilhão 9, stand C41) criou uma nova cápsula 100% compostável e biodegradável, de mono-uso, para bebidas quentes. Ela utiliza uma tecnologia de compressão, a partir de uma formulação de compostos termoplásticos API Apinat Bio, que podem ser processados ​​usando as tecnologias de transformação mais comuns para atender a uma ampla gama de aplicações, desde calçados a embalagens.

“O novo desafio colocado pelo Prêmio de Tecnologias Plásticas 2015 para os designers de todo o mundo”, afirmou Mario Maggiani, Diretor da PROMAPLAST, organizador da PLAST 2015″, é o de conceber projetos que reduzam o impacto do descarte, explorando as potencialidades de tecnologias de materiais e de produção e introduzindo funcionalidades inteligentes no próprio produto que atendam às necessidades dos consumidores. São projetos que possam mudar todo o setor de produtos sujeitos a rápida obsolescência ou utilização temporária para uma forma mais sustentável”.

Os projetos vencedores serão julgados por um júri de especialistas:

  • Francesco Trabucco, Professor de Desenho Industrial na Escola de Design da Politécnica de Milão e diretor do curso de “Design for Plastics” (POLI.design);
  • Luciano Galimberti, presidente da ADI – Associazione per il Disegno Industriale;
  • Matteo Ingaramo, diretor do consórcio POLI.design;
  • Mario Maggiani, Diretor da PROMAPLAST;
  • Claudio Celata, Diretor da CESAP.

Após a conclusão da primeira fase do concurso, o júri avaliou os projetos tanto pelo seu conteúdo inovador como pelo seu sucesso em explorar as possibilidades e limitações das tecnologias fornecidas. Os finalistas selecionados para a segunda fase da competição continuarão a desenvolver os seus conceitos com base no feedback fornecido pelo júri.

A segunda fase vai ser finalizada com a seleção dos projetos vencedores, que irão dividir o prêmio total de 8.000 euros em dinheiro.

A iniciativa é patrocinada pelas empresas Amut (www.amut.it), fabricante de linhas de extrusão e termoformagem e sistemas de reciclagem, e Negri Bossi (www.negribossi.com), fabricante de sistemas de injeção de termoplásticos, termo-rígidos e elastômeros, ambos participantes da PLAST 2015, assim como pelas associações de comércio Plastics Europe Italia (plasticseuropeitalia.federchimica.it), uma associação italiana de produtores de plásticos e Assocomaplast (www.assocomaplast.org), Associação Italiana de Fabricantes de Máquinas de processamento e de Moldes para Plásticos e Borracha.

A cerimônia de premiação será realizada no dia 5 de maio, durante a abertura da PLAST 2015.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Plast 2015

Curta nossa página no

Unipac inaugura fábrica em Limeira

22/04/2015

Empresa investe na aquisição de prédio próprio e migra operações para assegurar capacidade de expansão

Unipac_1A Unipac, importante empresa industrial do segmento de transformação plástica, inaugurou oficialmente sua nova fábrica em Limeira (SP). A necessidade de ampliar a capacidade de produção de embalagens plásticas – utilizadas nos segmentos agrícola, químico, alimentício, entre outros – e de modernizar suas atividades, motivou a empresa a migrar todas as operações até então realizadas na filial de Santa Bárbara D´Oeste (SP), que encerrou seu ciclo.

O novo prédio abriga, desde 1º de janeiro de 2015, a fabricação de embalagens plásticas de 250 ml a 20 litros e de tampas para o segmento de embalagens. Em breve, incorporará também a produção dos vasilhames para leite (linha Milkan). O total aplicado inclui ainda a compra de maquinaria de última geração.

De acordo com Marcos Ribeiro, presidente da Unipac, a iniciativa se mostrou acertada para assegurar a expansão da empresa, abrindo claras perspectivas futuras. “O mercado nacional tem um amplo e diversificado potencial para embalagens, incluindo um dos nossos principais negócios da unidade de Limeira, o de embalagens plásticas rígidas para o segmento de agroquímicos, que vem crescendo em torno de 4% ao ano e que é impulsionado, principalmente, pela demanda mundial por alimentos, a qual movimenta o setor agrícola brasileiro. Os investimentos que fizemos nos permitirão manter nosso incremento na casa dos 20% ao ano”.

Tudo em um único lugar

Localizada às margens da Rodovia Engenheiro João Tosello (SP-147), no Km 103, em Limeira (SP), a nova planta da Unipac, com 23 mil m² de área construída e terreno de 57 mil m², comporta toda a área fabril oriunda de Santa Barbara D’Oeste, além dos estoques de embalagem, anteriormente alocados em operadores logísticos terceirizados. Na atual configuração, foi possível concentrar, em um único lugar, as operações de fabricação e armazenagem.

A escolha do local foi motivada, principalmente, pela proximidade com Santa Bárbara D´Oeste, a fim de manter o quadro de funcionários – cerca de 100 empregados diretos e 30  indiretos. Outros fatores que contribuíram para a definição foram o fato de Limeira estar numa região industrial forte, com mão de obra qualificada para apoiar o crescimento futuro da empresa, e a questão logística pelo fácil acesso, próximo a outras importantes rodovias.

“Em fevereiro de 2014, oficializamos a compra do prédio em Limeira. Precisávamos de um local maior que pudesse acomodar não apenas todas as atividades de embalagens, mas também nossa expansão. Por outro lado, tínhamos outra importante questão: queríamos manter nossos funcionários. Para tanto, procuramos lugares em cidades num raio de até 50 quilômetros de distância de Santa Bárbara D´Oeste. Deu certo e, hoje, o pessoal que permaneceu na empresa tem à disposição um ônibus fretado para ir ao trabalho”, explica Ribeiro.

Nova fábrica, mesmas exigências

Todas as práticas que dizem respeito à questão ambiental e que já são aplicadas nas outras unidades da empresa, permanecem também na fábrica de Limeira. Consideradas desde o inicio das atividades de adequação da nova planta, tais exigências, como controles e redução dos materiais e dos resíduos gerados, do consumo de água e energia, entre outras, já funcionam a pleno vapor. A planta utiliza novos sistemas de abastecimento: na fábrica, para reduzir as perdas de água e de resinas, as máquinas permitem controle e qualidade do processo de suprimento.

Recentemente, a unidade passou por auditoria do organismo de certificação de produto ABRACE e foi recomendada a obter a concessão da autorização para uso do Selo de Identificação da Conformidade, de acordo com os regulamentos de avaliação para embalagens utilizadas no transporte terrestre de produtos perigosos (Portaria INMETRO 326:2006).

Cliente da Unipac com unidade fabril in-house, a Syngenta também auditou e certificou a nova planta quanto à aderência aos padrões voltados à saúde, à segurança e ao meio ambiente. E estão previstas para junho e julho deste ano, respectivamente, as obtenções das certificações ISO 9001:08 e ISO 14001. Desta forma, o Sistema de Gestão da Qualidade da filial Limeira ficará integrado com a certificação de todas as outras unidades da Unipac.

Fundada em 1976, a Unipac conta com cerca de 900 funcionários e parques industriais instalados em quatro unidades no Estado de São Paulo – Pompeia (matriz), Limeira (filial), Regente Feijó e Paulínia (unidades in-house, ou seja, na sede de seus clientes). É considerada uma das indústrias de transformação de plásticos mais completas do país. A Unipac executa oito tipos de processos de transformação em seu parque fabril: sopro, injeção, injeção estrutural, extrusão de chapas, termoformagem, rotomoldagem, borracha e cerâmica. Essa variedade de processos possibilita a produção de soluções inovadoras e permite à Unipac atender aos seguintes mercados:

  • Automotivo: tanques para acondicionamento de diesel e Arla 32, com sistema integrado de nível, sucção, retorno e temperatura, além de sistemas de fixação e tampas – específicos para montadoras de caminhões e ônibus; e peças técnicas para diversas aplicações. Atende também o mercado de reposição; e acessórios para pick-ups, destinados ao setor de autopeças.
  • Agroquímico, Químico e Alimentício: embalagens monocamadas e multicamadas, além de tampas para as principais indústrias destes setores.
  • Agropecuário e Laticínios: produtos que auxiliam na ordenha e transporte do leite, além de outras soluções adequadas para o homem do campo.
  • Logístico: caixas colapsíveis e retornáveis, paletes, além de serviços de locação, higienização e manutenção para indústrias diversas.
  • Mercados diversos: peças técnicas produzidas de plástico, borracha ou cerâmica, para aplicações diversas.

Um moderno centro de pesquisa de engenharia em materiais e processos, a parceria com outros Centros de Pesquisas, incluindo o da Máquinas Agrícola Jacto e a sinergia entre as áreas da empresa e clientes  possibilita que a Unipac antecipe-se às tendências de mercado, sugerindo soluções inovadoras.

A Unipac faz parte de um grupo empresarial 100% nacional, fundado em 1948, composto por importantes empresas que atuam em vários segmentos: Jacto Agrícola, JactoClean, Rodojacto, Ferramentaria Jacto, Fundição Jacto, Veículos Jacto, Mizumo e Sintegra Surgical Sciencies.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Unipac

Curta nossa página no

COIM firma importantes parcerias na Feiplastic 2015

22/04/2015

Empresa italiana apresenta também quatro linhas de produtos no seu stand

coimA COIM – Chimica Organica Industriale Milanese, fabricante de especialidades químicas localizada em Vinhedo, interior de São Paulo, participa da edição 2015 da Feiplastic. A empresa apresentará seus produtos das linhas Novacote (adesivos para laminação de embalagens flexíveis), Imuthane (elastômeros de PU), Laripur e Laricol (TPU’s).

A empresa italiana também aproveitará o momento para oficializar importantes parcerias. A primeira delas é com a marca americana NDC Technologies, responsável por desenvolver o leitor de gramatura – equipamento que lê a quantidade real de adesivo aplicado online (g/m2) no ato da laminação, podendo ser corrigido durante o processo, de modo a evitar perdas e prejuízos.

Já a segunda parceria é com a empresa Gomatech, no fornecimento de dosadores de alta qualidade e segurança. “Contamos com o apoio dessas marcas para auxiliar nossos clientes a obterem produtos de excelência, gerando a eles um grande potencial competitivo”, declara José Paulo Victorio, presidente da COIM Brasil (www.coimgroup.com.br).

Além de mostrar todo o seu portfólio de produtos para o público, a empresa, que participa pela primeira vez da maior feira da América Latina no setor de plástico, também espera ampliar a carteira de clientes durante o evento.

Serviço:
Feiplastic 2015
4 a 8 de maio
Das 11h às 20h
Anhembi – São Paulo-SP
Estande: A500

Curta nossa página no

Husky demonstrou uma variedade de tecnologias inovadoras para embalagens de bebidas na NPE 2015, incluindo tecnologia de auto-limpeza de moldes

09/04/2015

Husky-hypetA Husky Injection Molding Systems, sediada em Bolton (Canadá), apresentou demonstrações ao vivo de sua nova tecnologia de auto-limpeza de molde para o sistema de produção de pré-forma HyPET® HPP5 durante a NPE 2015, ocorrida de 23 a 27 de março, em Orlando (EUA). A nova tecnologia permite a limpeza do molde em apenas oito segundos, simplesmente com o aperto de um botão, ao invés de demandar quatro horas – além disso, requer dez vezes menos intervenções na máquina. O novo recurso de molde faz parte do pacote de manutenção reduzida para o sistema HyPET® HPP5 e pode estender as exigências de limpeza e lubrificação para cada 500 mil ciclos, aproximadamente. Isto representa uma melhoria dramática sobre a tecnologia convencional na indústria, afirma a Husky.

“Com os tempos de ciclo ficando mais rápidos, se poderia esperar intervalos de manutenção mais curtos, mais manutenção e menor vida útil do molde. Em vez disso, o sistema HyPET® HPP5 supera a contradição entre o tempo de ciclo e manutenção do molde. A auto-limpeza pode eliminar até 400 horas de tempo de manutenção por ano, o que resulta em mais 5% de tempo de produção “, disse Nicolas Rivollet, Diretor de Desenvolvimento de Negócios da Husky. A função de auto-limpeza corresponde a um botão que usa a geração controlada de rebarbas no molde para coletar e remover o pó acumulado nos vents (canais de remoção de ar do molde). Totalmente automatizado, totalmente confiável e consistente, a auto-limpeza não requer que um operador entre na máquina e pode ser realizada sempre que necessária pois virtualmente não há qualquer perda de tempo de produção, segundo a Husky.

O sistema na NPE também foi equipado com tecnologia aperfeiçoada da Husky para alinhamento de molde, melhorando os tempos de ciclo e qualidade das peças, afirma a empresa. Usando seis sensores para detectar a posição da placa móvel em relação à placa fixa, o alinhamento do molde no sistema HyPET® HPP5 é uma medida em tempo real e tridimensional do alinhamento, exibido continuamente na Interface Homem-Máquina. Se ocorrer desalinhamento, a Interface Homem-Máquina fornece instruções específicas para resolvê-lo. Ao simplesmente ligar um dispositivo de posicionamento, o operador pode realinhar o molde com resolução de algumas micra, antes que a o desalinhamento possa causar um desgaste excessivo e se reflita na qualidade das peças.

Desde o seu lançamento no final de 2013, o sistema HyPET® HPP5 tem recebido uma resposta muito forte dos clientes. Em um período curto de 16 meses,  a empresa já vendeu mais de 70 sistemas, com quase quarenta  já instalados e produzindo pré-formas de alta qualidade em fábricas de clientes em todo o mundo. O sistema HyPET® HPP5 operou na NPE com uma pré-forma para água gaseificada de baixo peso, fabricando uma peça de 10,89 gramas em um molde de 96 cavidades , com um agressivo tempo de ciclo de 5,5 segundos. Afirma a Husky que, com esta pré-forma, o seu sistema HyPET® HPP5 é aproximadamente 50% mais rápido do que a média da indústria para o mesmo tipo de aplicação.

“Continuamos a fazer investimentos significativos para entender melhor os problemas de produção que nossos clientes enfrentam, de modo que possamos oferecer novas tecnologias para responder a estes desafios. Isto é o que demonstramos na NPE 2015 “, disse Robert Domodossola, vice-presidente de Engenharia e Desenvolvimento de Negócios da Husky. “Com as nossos mais recentes inovações, temos prestado atenção especial à melhoria da disponibilidade, já que a produção de peças melhores, a um custo menor, para intervalos de produção mais longos de produção, garante que os clientes podem ser mais competitivos.”

Oferecendo uma experiência completamente nova para os clientes da Husky, a exposição na NPE teve como foco proporcionar aos visitantes uma oportunidade para se envolver e se aproximar mais das soluções e representantes da Husky. Mantendo a principal fatia de mercado no segmento de equipamentos de fabricação de PET em altos volumes, a Husky oferece um conjunto completo de equipamentos e serviços para a indústria de plásticos e suporte global. Serviços de valor agregado incluem o desenvolvimento de pré-formas, planejamento de fábrica, treinamento de clientes, integração de sistemas e completa gestão de ativos

A Husky Injection Molding Systems Ltd. é um fornecedor líder global de equipamentos de injeção e serviços para a indústria de plásticos. A empresa tem mais de 40 escritórios de serviços e vendas, além de proporcionar suporte a clientes em mais de 100 países. As fábricas da Husky estão localizadas no Canadá, Estados Unidos, Luxemburgo, Áustria, Suíça, China, Índia e República Checa.

Fonte: Husky

Curta nossa página no

Grupo AMUT adquire Dolci Bielloni e amplia sua capacidade de fornecer equipamentos para produção de filmes flexíveis

09/04/2015
Riccardo Castello, Gerente Geral da Dolci Bielloni e Mauro Drappo, CEO da AMUT

Riccardo Castello, Gerente Geral da Dolci Bielloni e Mauro Drappo, CEO da AMUT

A sinergia entre as duas empresas italianas vai impulsionar novos projetos customizados para diversos segmentos da indústria plástica no Brasil

A recente união das empresas italianas Dolci Bielloni e o Grupo AMUT fortalecerá, ainda mais, a liderança e experiência das duas marcas em extrusão de plásticos no mundo. Esta decisão representa também uma ação estratégica do grupo, fabricante de máquinas e linhas de produção para extrudados rígidos (chapas, tubos, perfis) e termoformagem de ampliar sua participação no Brasil, junto com a filial AMUT-Wortex, fruto da joint venture iniciada em 2014 com a Wortex.

“A fusão com a Dolci Bielloni é um sucesso para o futuro do Grupo AMUT. Juntos iremos impulsionar o nosso papel de liderança no cenário internacional. A sinergia aprimora nossos pontos fortes,que é o de atender nossos clientes com uma completa linha de máquinas para extrusão de plásticos, termoformagem e reciclagem,diz Mauro Drappo, CEO da AMUT.

Já a fabricante Dolci Bielloni é reconhecida pela expertise em máquinas para impressão, corte e bobinamento, linhas de balão e cast para diferentes filmes multicamadas (stretch, silagem, barreira, técnicos, médicos, fraldas, PP), linhas de laminação e coating.

O início das atividades será formalmente anunciado na semana de 4 a 8 de maio, durante a Feiplastic– Feira Internacional do Plástico, com transmissão, ao vivo, no stand da AMUT-Wortex, do open house da AMUT Dolci Bielloni, evento que será realizado na Itália. Serão apresentdos os recentes desenvolvimentos em aplicações de filmes stretch. Linhas de produção de rolos manual e outra automática (2000 mm – 7 camadas), além de outra de rolos jumbo (1500 mm – 5 camadas). Estes sistemas representam a mais alta tecnologia neste setor”, antecipa Drappo.

Segundo a AMUT, a linha de filmes 2000-mm é  inovadora:seis extrusoras garantem a flexibilidade de produção e um design único, capaz de satisfazer as principais tendências no atual mercado de filmes. Segundo a empresa, um filme mais fino, porém mais forte, para se obter um filme stretch super forte. De acordo com a empresa, independente de sua pequena dimensão, as extrusoras são capazes de obter alto volume de produção e garantir excelente economia de energia.

A Amut (http://www.amut.it/en/) atua há quase 60 anos na Itália, com sede em Novara, a AMUT atua na fabricação de  linhas de extrusão para a produção de chapas, perfis, tubos, granulação em polímeros plásticos e também compostos plástico/pó de madeira (WPC), utilizados nos setores de construção, embalagem, eletrodomésticos, moveleiro, automotivo, médico e agrícola. Lidera também a  produção de equipamentos para termoformagem, cast film e plantas para reciclagem de plásticos, lixo urbano e industrial.

A Dolci Bielloni (http://www.dolciextrusion.it/) foi fundada em 1919, a empresa italiana pode fornecer linhas completas para embalagens de plástico, abrangendo toda a gama de produtos em termos de dimensões e de saída e atendendo às necessidades do mercado.

A Wortex (http://www.wortex.com.br) foi fundada em 1976, na cidade de Campinas (SP) e fabrica equipamentos para extrusão, reciclagem, acessórios, moinhos, roscas e cilindros.

Serviço: Feiplastic – Feira Internacional do Plástico
Data: 4 a 8 de maio de 2015
Horário: 11h às 20h
Estande Amut-Wortex:  rua H200
Estande Wortex: rua H298
Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi – São Paulo
Mais informações: http://www.feiplastic.com.br

Fonte: Assessoria de Imprensa – Wortex

Curta nossa página no

Braskem apresenta resina para embalagens de hambúrgueres

07/04/2015

Produto garante maior resistência ao manuseio e transporte e diminui o risco de perdas eventuais ocasionadas por contaminação

A Braskem desenvolveu em seu Centro de Tecnologia e Inovação de Triunfo (RS) uma nova resina destinada ao mercado alimentício no acondicionamento de itens congelados, como hambúrgueres. Trata-se da resina de polietileno HF0131XP, desenhada especialmente para processo de extrusão de filmes tubulares.

Já disponível em supermercados de todo o Brasil, as embalagens de hambúrguer produzidas com esse produto contam com propriedades mecânicas diferenciadas que potencializam a eficiência na produção e oferecem uma boa aparência nas gôndolas de supermercados, com transparência e tom branco mais atrativo por conta de aditivação especial, tornando-as mais atraentes ao consumidor final.

Outra novidade é que o material não precisa ser misturado com outras resinas ou aditivos, o que garante utilização na forma pura para atingir os exigentes requisitos de mercado.  Dessa maneira, o filme torna-se mais resistente durante o processo de fabricação, o que aumenta os índices de eficiência ao fabricante, e oferece facilidade para envase aos frigoríficos.

Embora a durabilidade do hambúrguer esteja associada principalmente à temperatura na qual o produto é mantido, a resina HF0131XP é capaz de produzir filmes com elevada resistência mecânica em baixas temperaturas. Essa característica diminui o risco de perdas eventuais ocasionadas por contaminação proveniente de rasgos nas embalagens.

“O lançamento da resina demonstra o compromisso da Braskem com o desenvolvimento de soluções inovadoras e que atendam às necessidades de nossos clientes”, diz Fabio Agnelli Mesquita, gerente de engenharia de aplicação da Braskem.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Caixas da Termotécnica em EPS mantém frutas saudáveis por mais tempo

18/03/2015

Termotecnica_dacolheitaA Linha DaColheita, da Termotécnica, compreende caixas para acondicionamento de frutas feitas em EPS(isopor®). Seu diferencial de maior destaque é a conservação térmica. Ao manter a temperatura dentro da caixa, a fruta sofre menor perda de peso, desidratação e mantém seu teor vitamínico por mais tempo.

As conservadoras DaColheita já são utilizadas com sucesso por produtores de frutas premium de Petrolina (PE), no Vale do São Francisco, onde a Termotécnica tem uma unidade fabril para atender este mercado em franco desenvolvimento.

De acordo com o Gerente Comercial da Fazenda Special Fruit, Roberto Carvalho, da cidade de Petrolina, as conservadoras em EPS da Termotécnica têm como principal benefício o aumento na vida de prateleira da fruta. “Identificamos que as uvas acondicionadas e transportadas em EPS duravam em torno de 20% a mais de tempo nas prateleiras, em comparação com as frutas nas embalagens de papelão”, explica Roberto.

A Fazenda Special Fruit é cliente da Termotécnica há quatro anos, consumindo cerca de 600 mil embalagens DaColhieta por ano de EPS para uvas. Além do ganho em maior tempo de conservação, Roberto destaca que os clientes que preferem a embalagem de EPS costumam ser os mais exigentes. “Além de terem o produto por mais tempo nas prateleiras, esses clientes também buscam uma melhor apresentação da fruta, que se destaca quando está no EPS”, frisa. A Special Fruit comercializa a marca Suemi no mercado interno e para exportação.

A Cooperativa de Agronegócio de Juazeiro adotou há mais de dois anos as conservadoras de EPS para transporte e comercialização de uvas do segmento premium. De acordo com o engenheiro agrônomo Junior Silveira, responsável pela área Comercial da cooperativa, as embalagens de EPS trazem uma impressão bastante positiva no aspecto visual, de higiene, no contraste das frutas que ficam mais vistosas e com um visual fantástico. “Nossas vendas foram alavancadas com as embalagens DaColheita, proporcionando agregação de valor principalmente para os mercados de São Paulo e Rio de Janeiro”, revela Silveira.

Segundo a Gerente Comercial da Termotécnica, Maida Rodrigues, as conservadoras em EPS também proporcionam ao produtor a facilidade e durabilidade durante o transporte e empilhamento, já que o material tem alta resistência ao peso e absorve bem os impactos. “Além disso, para o varejista, as conservadoras DaColheita agregam uma melhor estética na exposição dos produtos pois mantêm o formato e não absorvem umidade e, para o consumidor final, garantem a integridade das características nutricionais, ou seja, um produto de maior qualidade”, ressalta Maida.

A engenheira de alimentos, Franciele D’avila, que atua na área de Pesquisa e Desenvolvimento da Termotécnica, reforça que os benefícios com o armazenamento da uva em EPS são muito significativos e vão desde a otimização da mão de obra na fazenda, a menor perda de água e vitamina C da fruta, a menor perda de degrana, até a satisfação dos consumidores. Ela ainda complementa que, além de testes internos, estudos de centros de pesquisa e universidades de renome mundial comprovam a superioridade das características de conservação pelo EPS.

Segundo a Termotécnica, um desses estudos, conduzido pelo Korean Food Research Institute, entidade localizada na Coreia do Sul, que estuda tecnologias de base sobre o armazenamento, segurança e distribuição de alimentos para melhorar a saúde das pessoas e a qualidade de sua vida, realizou uma série de pesquisas que destacam o percentual de vitamina C de frutas e legumes, após uma semana de armazenamento em embalagens de EPS e papelão. A média de ganhos com o EPS é significativa. Ao comparar a conservação de uvas quando armazenadas em embalagens semelhantes, sendo uma de papelão e outra de EPS, verifica-se um aproveitamento de mais de 40% superior quando armazenada na embalagem de EPS.

Sobre a Termotécnica:  maior indústria transformadora de EPS da América Latina e líder no mercado brasileiro deste segmento a Termotécnica produz soluções para Construção Civil, Embalagens e Peças Técnicas, Conservação, Agronegócios e Movimentação de Cargas.

Fonte: Assessoria de Comunicação / Termotécnica

Curta nossa página no

BASF apresenta poliamida para filmes de embalagens flexíveis com matéria prima renovável

28/05/2014
  • Até 100% de biomassa
  • Produto com formulação e qualidade idênticas

A BASF agora oferece uma poliamida de alta desempenho (Ultramid) derivado de matérias primas renováveis. O método inovador substitui até 100% dos recursos fósseis, usados no começo do processo de produção integrada, por biomassa certificada. Um certificado confirma aos clientes que a BASF usou a quantidade de matérias primas renováveis exigidas pelo cliente na cadeia de valor.

O Ultramid resultante é idêntico em termos de formulação e qualidade, mas associado a menores emissões de gás efeito estufa e maior economia de recursos fósseis. Além disso, as fábricas e tecnologias existentes na cadeia de valor podem continuar a ser usadas sem mudanças.

“A demanda do consumidor por produtos feitos de matéria prima renovável continua a aumentar”, diz Joachim Queisser, vice-presidente sênior da unidade regional europeia de Poliamidas e Precursores da BASF. “Essa oferta abre excelentes possibilidades para os fabricantes de filmes de embalagem comercializarem seus produtos conforme a demanda”.

A BASF apresentou esse método inovador na Feira de Comércio Interpack, que aconteceu de 8 a 14 de maio em Dusseldorf, Alemanha.

Produtos Ultramid® para aplicações versáteis

Com mais de 60 anos de experiência, a BASF é a principal fornecedora de poliamida e intermediários de poliamida de alta qualidade para a indústria de plásticos de engenharia, filmes, fibras e monofilamento. Sua linha de produtos inclui o Ultramid ® B (poliamida 6), Ultramid® C (poliamida 6/6.6 co-polímero), Ultramid® A (poliamida 6.6) e Ultramid® S Balance (poliamida 6.10).

A BASF possui fábricas de polimerização Ultramid® em Ludwigshafen, Alemanha; Antuérpia, Bélgica; Freeport, Texas e São Paulo, Brasil. Outra unidade de produção está sendo construída em Xangai, China. A produção de poliamida para aplicações em filmes, têxteis, fibras para carpete e plásticos de engenharia está integrada à estrutura Verbund global da BASF com intermediários de poliamida (ou seja, ácido adípico, anolon, caprolactama), matérias primas químicas amônia, ciclohexano, ácido sulfúrico), energia, recuperação de derivados, logística e outros serviços.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Grupo Furnax apresenta injetora de 350 ton e sistema In Mold Label durante a Plastshow

04/04/2014

O Grupo Furnax está apresentando na PlastShow 2014, entre 01 a 04 de abril,  a injetora da série SM-TS de 350 toneladas produzida por um dos maiores fabricantes de máquinas injetoras de grandes tonelagens, a Asian Plastic.

Segundo a empresa, a série SM-TS traz máquinas com soluções adequadas a produtos de paredes finas e ciclos rápidos. Destaca a Furnax que o equipamento prima pela precisão, velocidade e economia de energia, aliados a uma alta velocidade de injeção. Neles é possível acrescentar acumulador de oxigênio, que proporciona um ganho de velocidade de 300 mm/s. Com seu fechamento mecânico, as articulações da unidade são lubrificadas utilizando buchas de bronze e grafite que promovem menos desgastes por fricção, garantindo grande precisão e prolongando a vida útil da injetora.

O Grupo Furnax também apresentará na feira um sistema In Mold Label, que combinado à injetora SM-TS 350 toneladas, possibilita a aplicação de rótulos ou ilustrações diretamente no molde, produzindo uma peça personalizada sem a necessidade de rótulos adesivos, gravação ou impressões silk. Os produtos produzidos com o auxílio do sistema In Mold Label são impressos sobre filmes plásticos, que permitem sua adesão nas embalagens durante o processo de injeção, fixando permanentemente na superfície sem produzir bolhas de ar ou enrugamento pelo calor do molde.

O sistema garante maior produtividade, rapidez e economia, pois elimina etapas como a adesivação e impressão dos rótulos, além de garantir uma maior qualidade na imagem, melhor resistência à corrosão e compressão. O sistema In Mold Label é indicado a todos os segmentos que utilizem qualquer tipo de rótulos, dentre eles o alimentício, brinquedos, produtos domésticos, embalagens e cosméticos.

Além de apresentar tecnologias e injetoras de diversas tonelagens à pronta entrega, o Grupo aproveita a oportunidade para atender e solucionar as dúvidas dos clientes, oferecendo conhecimento técnico junto a uma estruturada equipe de vendas. De acordo com Vivian Rodrigues, gerente da Divisão Plástica da Furnax, a PlastShow é uma ocasião única para consolidar a empresa aos segmentos de embalagens em geral. O Grupo está localizado no estande 21, no ExpoCenter Norte – Pavilhão Azul.

Fonte:  Grupo Furnax

Curta nossa página no

Surya Brasil amplia linha de cosméticos com plástico verde da Braskem

26/03/2014

As novas embalagens serão produzidas com matéria-prima de fonte renovável

Braskem_SuryaA Surya Brasil, marca líder em cosméticos naturais, veganos e orgânicos, lança quatro novos produtos da linha Sapien Women. Com o conceito “Desintoxique sua Beleza”, a linha, que busca oferecer produtos mais sustentáveis, utiliza embalagens feitas com o Plástico Verde produzido pela Braskem, cujo diferencial está em contribuir para a redução da emissão dos gases do efeito estufa na atmosfera. O plástico verde é feito a partir do eteno obtido do etanol de cana-de-açúcar capturando gás carbônico durante o seu processo produtivo. Para ajudar o consumidor a reconhecer o plástico verde, a Braskem criou o selo ‘I´m green T’, que garante a origem renovável da embalagem.

A linha Sapiens Women foi desenvolvida para o uso diário e traz shampoo, condicionador, leave-in (creme para pentear) e reparador de pontas, todos com fragrância feita a partir de extratos naturais de coco e manga. Além dos novos produtos, a linha Sapien Men já utiliza a matéria prima renovável. As embalagens foram produzidas em parceria com a C-Pack, empresa líder na América Latina na produção de bisnagas plásticas flexíveis, e estarão disponíveis na América do Sul, América do Norte, Europa, Ásia e África.

“Os cosméticos naturais, veganos e orgânicos hidratam profundamente a pele e cabelos, proporcionando resultados reais e de longa duração. É uma opção ainda inédita no mercado brasileiro e ideal para as mulheres que se importam com a beleza, com o bem-estar e com a conservação do planeta”, explica Clélia Angelon, diretora e fundadora da Surya Brasil.

Para a Braskem, os novos produtos estão alinhados aos valores da empresa de inovar e melhor servir às pessoas. “O uso do plástico verde proporciona ao consumidor uma solução sustentável para embalagens. A expansão da parceria com a Surya reforça o cuidado da empresa em oferecer soluções para seus clientes”, afirma Alexandre Elias, diretor de Químicos Renováveis da Braskem.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem firma acordo com FINEP para pesquisa em nanotecnologia aplicada a embalagens plásticas

14/03/2014

Braskem_nanotecnologiaA Braskem firmou com a Agência Brasileira de Inovação (FINEP) um acordo para pesquisa de embalagens plásticas a partir da utilização da nanotecnologia em seu Centro de Tecnologia localizado no Polo Petroquímico de Triunfo (RS). O projeto subvencionado  é destinado ao desenvolvimento de resinas plásticas com alta barreira a gases, vapores e solventes químicos para serem usadas na produção de  embalagens rígidas e flexíveis de PE e PP.

O projeto FINEP deverá estar concluído até o final de 2016.  A FINEP irá dispor em caráter de subvenção o valor de R$ 2,97 milhões. Em contrapartida, a Braskem afirma que irá alocar para este projeto o valor de R$ 1,66 milhão.

O contrato tem origem em uma chamada pública específica para projetos que utilizam a nanotecnologia, tecnologia que possibilita trabalhar com matéria numa escala atômica e molecular. O nanômetro, unidade de medida que dá origem ao nome “nanotecnologia”, é cerca de 50 mil vezes menor que a espessura de um fio de cabelo.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Polietileno verde da Braskem é usado por Adimax na embalagem de alimentos para animais

06/12/2013

Mais saudável e sustentável, a linha de produtos contém ingredientes diferenciados e de alta qualidade, além de utilizar plástico de fonte renovável produzido pela Braskem em suas embalagens

Braskem_AdipetPara consumidores que buscam oferecer mais saúde e bem-estar aos seus cães e gatos e que ainda se preocupam em consumir produtos mais sustentáveis, a Adimax lança linha Super Premium “Fórmula Natural” com novos ingredientes. Outra novidade é a embalagem sustentável do produto, feita com o plástico verde de origem renovável, da Braskem.

São treze versões desenvolvidas para melhor adaptação ao porte, idade e características individuais dos animais de estimação. Para os cães, portes Mini/Pequeno e Médio/ Grande, a linha se divide em Filhotes, Adultos, Sensitive, Light e Sênior. Já para os gatos, apresentamos as seguintes opções: Filhotes, Adultos e Castrados.

“Uma alimentação saudável, adequada para atender as necessidades de cada animal, proporciona muitos benefícios, o que se reverte em qualidade de vida e, consequentemente, longevidade”, reforça o Prof. Dr. RodrigoBazolli, gerente técnico da Adimax Pet.

“A Braskem busca criar produtos que inovem para melhor servir às pessoas. O uso do plástico verde proporciona ao consumidor uma solução mais inteligente e ambiental para embalagens. A expansão da parceria com a Adimax reforça o cuidado da empresa em oferecer uma solução mais sustentável para seus clientes”, relata Alexandre Elias, diretor de Renováveis da Braskem.

O plástico verde é feito a partir do eteno, obtido do etanol de cana-de-açúcar. Seu grande diferencial é contribuir para a redução da emissão dos gases do efeito estufa na atmosfera, já que captura gás carbônico durante o seu processo produtivo. Para ajudar o consumidor a reconhecer o plástico verde nas lojas, a Braskem criou o selo ‘I´m green TM’, que garante a origem renovável da embalagem.

As embalagens foram produzidas em parceria com a Incoplast e a Braskem. No segmento Pet Food, a Adimax tornou-se pioneira quanto à utilização desta tecnologia, no lançamento da linha Magnus Eco.

Com a inclusão da Super Premium Fórmula Natural no portfólio da empresa, a variedade de itens produzidos com plástico verde aumentará de quatro para mais de vinte itens, informa Leonardo Dalmagro, gerente de embalagens da Adimax Pet.

Fonte:  Braskem / Foto: Adimax

Curta nossa página no

DSM inova no processamento de poliamidas para filmes soprados

21/10/2013

Segundo a Royal DSM, o potencial da poliamida 6 para filmes soprados para embalagens flexíveis de alimentos é ainda maior com a introdução da sua resina Akulon ® XS. Graças às suas propriedades aprimoradas de cristalização, o Akulon XS possui uma janela de processamento ampliada, oferecendo novas possibilidades no projeto de multicamadas coextrudadas, bem como de estruturas de filmes em monocamada. Os processadores notam melhorias significativas na produção quando utilizam o novo Akulon XS.

À medida que a conscientização sobre a necessidade de redução do desperdício de alimentos e extensão do prazo de validade aumenta, a demanda por filmes-barreira para embalagens flexíveis para alimentos continua a crescer. Muitos filmes-barreira são coextrudados em linhas de filme soprado e estruturas com sete, nove e até onze camadas são agora bastante comuns. Esta tecnologia oferece uma maneira economicamente eficaz para combinar várias funcionalidades, como propriedade de barreira, capacidade de impressão, selagem e resistência ao impacto.

A poliamida 6 é uma opção muito interessante para utilização em tais filmes, devido às suas boas propriedades de barreira e à sua resistência mecânica. No entanto, a elevada taxa de cristalização da poliamida 6 pode limitar a sua janela de processamento. Normalmente, os processadores precisam comprometer a produtividade ou obter uma melhor processabilidade, misturando a poliamida 6 com poliamidas amorfas especiais mais caras ou copolímeros de poliamida. Isso reduz o custo benefício do filme.

Segundo a DSM, a sua resina Akulon XS resolve o problema. Ele se cristaliza de forma muito mais lenta no balão do filme do que a poliamida 6 convencional, de modo que a sua taxa de cristalização iguala-se à de outras camadas de material. Isso cria um balão mais estável e dá aos processadores mais flexibilidade nas suas condições de processamento. O filme também é mais elástico, e por isso, é necessário menos força para atingir a mesma blow-up ratio (BUR – relação de expansão), ou a mesma força pode ser usada para produzir uma espuma com uma BUR entre 7 e 10% maior. Há também menos rugas no filme plano.

Apesar da cristalização mais lenta criar cristais maiores, de onde se poderia esperar um filme menos claro, os testes em linhas de produção em escala industrial  têm mostrado que praticamente não há diferença discernível nas propriedades óticas dos filmes feitos com um filme de poliamida de referência e Akulon XS. Na verdade, todas as propriedades do filme são as mesmas do filme feito com a poliamida 6 padrão.

A DSM fornece Akulon XS aos clientes com um serviço especial de seus técnicos para maximizar as vantagens deste material inovador. A DSM está oferecendo suporte para otimizar o projeto da estrutura dos filmes, baseado em seu Modelo de Cálculo de Estrutura de Filme. Este modelo calcula as propriedades de barreira de diferentes estruturas de filmes, mesmo após o reprocessamento, e permite que os produtores de filme soprado  encontrem a estrutura de camadas e as condições de processamento ideais para o Akulon XS.

A DSM afirma que, com o Akulon XS, fica mais fácil e mais rentável para os processadores fazer filmes de poliamida 6 para embalagens flexíveis de alimentos, aproveitando as características propriedades mecânicas e de barreira da poliamida 6.

Fonte: DSM

Curta nossa página no

Starlinger apresentará nova tecnologia de laminação durante a Feira K 2013

19/09/2013

Starlinger_at_K_2013A Starlinger & Co. GmbH está apresentando este ano em Düsseldorf um novo conceito em laminação de tecidos. “Este é um passo revolucionário na laminação contínua de tecidos, fazendo com que esta se torne muito mais simples e eficiente, ao mesmo tempo em que garante uma qualidade excepcional da laminação”, afirma o Diretor de vendas da Starlinger, Hermann Adrigan.  Já nos anos passados, segundo a empresa, a Starlinger definiu padrões da indústria com suas linhas de laminação stacoTEC, das quais vende até 30 linhas por ano a clientes de todo o mundo. A primeira apresentação a nível mundial da nova linha de laminação ocorrerá no stand da Starlinger no Hall 16 da Feira, onde os visitantes poderão vê-la funcionando. Além disto, serão apresentados também desenvolvimentos de produtos inovadores em embalagens de tecidos flexíveis e a linha completa de soluções “turn-key” em máquinas.

Reciclagem de plásticos:  Solucões para resíduos muito contaminados e estréia mundial de tecnologia de descontaminação

No Hall 9 da feira, a Starlinger recycling technology lançará un novo desenvolvimento que permite a reciclagem de resíduos plásticos pós-industriais e pós-consumo altamente contaminados, como por exemplo residuos domésticos molhados, filmes agrícolas ou similares, assim como materiais com muita impressão. Durante a feira, uma linha recoSTAR universal 65 VAC processará filmes de Polietileno bastante impressos, demostrando a qualidade da desgasificação da massa fundida e a capacidade de limpeza necessária para se poder usar regranulado de alta qualidade em aplicações distintas.

A Starlinger viscotec organizará a apresentação mundial do novo reator deCON no Hall 9 da feira. No Hall 16, será instalado um reator viscoSTAR, projetando-se em uma tela múltipla a linha de chapas de PET viscoSHEET, lançada recentemente. De acordo com a Stalinger, a nova linha de chapas permite processar até 100% de PET reciclado, PET virgem e PIR (material pós-industrial) com níveis garantidos de viscosidade intrínseca que atendem às exigências da FDA/EFSA para aplicações com material para uso alimentar.

“Open House” da Starlinger na Austria

Nos dias anteriores à Feira K, os clientes terão a posibilidade de participar da Open House da Starlinger em Weissenbach, situada a uma hora de Viena. Durante a Open House, entre os dias 14 a 16 e 21 a 25 de outubro de 2013, se poderá ver em funcionamento toda a gama de máquinas que mostram os últimos avanços na produção de embalagens têxteis e equipamentos de reciclagem de plásticos.

Fonte: Starlinger

Curta nossa página no

Braskem expande portfólio de resinas para o segmento de filmes termoencolhíveis

17/09/2013

A Braskem expande seu portfólio de resinas de polietileno de alta densidade (PEAD) com o lançamento de uma família especialmente desenhada para atender ao segmento de filmes termoencolhíveis (embalagens secundárias para unitização de latas e garrafas), também conhecidos como filmes shrink.

O principal diferencial da linha é o baixo nível de géis, garantindo uma embalagem compacta, sem furos, sem marcas na superfície e mantendo boa visualização do produto empacotado. A família apresenta duas resinas: a HD7600U e HD7600M, produzidas, respectivamente, no Rio de Janeiro e Bahia.

A formulação do filme shrink contempla, além do PEAD, polietilenos de baixa densidade e linear (PEBDL e PEBD). Segundo a Braskem, a combinação das propriedades inerentes a cada uma das famílias de resinas proporciona rigidez, encolhimento e compactação da unidade simultaneamente.

“A expansão do portfólio para filmes shrink demonstra a importância do segmento para a Braskem. A família HD7600 é resultado do trabalho conjunto dos nossos engenheiros com os Clientes, desenvolvido durante quase um ano, que garantiu o fornecimento de resinas de alta performance para atender de forma abrangente o mercado”, destaca Renato Augusto Yoshino de Lima, líder comercial do segmento de filmes industriais.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Plástico biodegradável da BASF será usado em projeto de compostagem de resíduos orgânicos domésticos em Mogi Mirim-SP

17/09/2013
  • BASF, Prefeitura Municipal de Mogi Mirim, Construrban, Inambi, Romapack e Visafertil iniciam projeto piloto para coleta e compostagem de resíduos sólidos orgânicos no município
  • Matéria prima utilizada na confecção dos sacos para coleta seletiva será o ecovio® da BASF, polímero compostável certificado, com conteúdo parcialmente de fonte renovável
  • Cerca de 240 toneladas de resíduos orgânicos serão geradas durante o projeto e transformados em 120 toneladas de adubo para plantas

A BASF e a Prefeitura de Mogi Mirim, juntamente com seus parceiros, lançaram no dia 16/09 um projeto piloto de compostagem de resíduos sólidos orgânicos gerados no município, por meio da introdução da coleta seletiva domiciliar. A primeira coleta será iniciada na próxima quarta-feira (18.09).

É a primeira vez que um projeto desenvolvido na América do Sul vai demonstrar o uso de sacos plásticos produzidos com ecovio®, um polímero biodegradável, assim como a eficiência do processo de compostagem como contribuição para a gestão de resíduos sólidos urbanos.

Os sacos feitos com o ecovio® da BASF serão produzidos pela Romapack, indústria de embalagens. “Confeccionamos cerca de 200 mil sacos para serem distribuidos a uma amostragem de 1.770 unidades residenciais e mais duas escolas, o correspondente a cerca de 5.300 moradores”, afirma Gisele Barbin, Gerente Comercial da Romapack.

Os bairros selecionados para o desenvolvimento desse trabalho foram o Jardim Paulista e Jardim Silvânia, que possuem características representativas dos hábitos da comunidade no município. Para conscientizar os moradores envolvidos no projeto, a BASF, Fundação Espaço Eco e consultoria Inambi – responsável pelo monitoramento e elaboração do relatório final do projeto – desenvolveram um programa de treinamento sobre todo o processo de coleta seletiva de resíduos orgânicos para compostagem.

“Estamos desenvolvendo programas de educação ambiental para que os moradores possam, por si próprios, serem capazes de diferenciar cada tipo de resíduos e destinar os orgânicos de forma correta para a compostagem, participando de forma ativa e consciente no desenvolvimento desse modelo de reciclagem”, afirma Marcos Badra, diretor da consultoria Inambi.

“Ao darmos uma destinação mais adequada ao resíduo orgânico, também contribuímos para melhorar a qualidade da coleta seletiva de recicláveis em geral, eliminando a contaminação pelo resíduo orgânico“, complementa Ubiratan S. de Carvalho, Diretor da Construrban Logística Ambiental.

Os resíduos orgânicos domésticos serão coletados todas as segundas, quartas e sextas-feiras por um caminhão da Construrban. Esses resíduos serão destinados à Visafértil, que opera uma usina de compostagem em Mogi Mirim.

O projeto terá três meses de duração com estimativa de gerar cerca de 240 toneladas de resíduos orgânicos, os quais serão transformados em cerca de 120 toneladas de adubo rico em nutrientes essenciais para as plantas. Esse processo de transformação do resíduo junto com o saco produzido com ecovio compostável e certificado é estimado em cerca de 90 dias.

“A Visafértil se orgulha em participar desse projeto com técnicas inovadoras, transformando os resíduos orgânicos domésticos de Mogi Mirim em um composto nobre e sustentável, juntamente com os sacos de ecovio®, comenta Ulisses Giradi, diretor da Visafértil

“A BASF já conduziu outros projetos piloto de compostagem semelhantes na Alemanha, Canadá, Tailândia, Índia e Austrália, com resultados previstos alcançados. A coleta de resíduos orgânicos realizada de forma higiênica, com sacos plásticos compostáveis produzidos com ecovio® da BASF contribuiu para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos destinada a aterros, para aumentar sua vida útil e diminuir a emissão de gases de efeito estufa”, afirma Karina Daruich, gerente de biopolímeros da BASF para América do Sul.

O projeto poderá se transformar num modelo de sucesso baseado nas premissas da Lei 12.305/2010 (PNRS – Política Nacional de Resíduos Sólidos) e ser seguido por outros municípios brasileiros.  “É uma enorme satisfação fazer parte dessa iniciativa pioneira e podermos ser os incentivadores de uma ampla conscientização da população quanto aos benefícios ao meio ambiente e de um futuro sustentável”, comentou o prefeito de Mogi Mirim, Luís Gustavo Antunes Stupp.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Expo PLAST na Embala Nordeste se consolida como a maior feira regional do setor plástico no Nordeste

04/09/2013

expo_plast_2013Durante a Embala Nordeste 2013, além das tradicionais áreas de embalagens e processos, os visitantes também puderam conferir os segmentos representados pela Expo Plast, evento simultâneo que apresentou toda a cadeia produtiva do plástico

Este segmento ocupou, este ano, nada menos que 30% do espaço da feira realizada na semana passada, no Centro de Convenções de Pernambuco.

Grandes marcas nacionais e internacionais marcaram presença. “Os resultados foram excelentes. Tanto em negócios como em contatos. E ainda tivemos a Arena do Conhecimento que contribuiu muito para o setor. A Greenfield está de parabéns por ter aglutinado tantas empresas importantes para o setor”, disse o presidente do Sindicato da Indústria do Plástico de Pernambuco – Simpepe, Valter Câmara.

O vice-presidente da Federação das Indústrias de Pernambuco- Fiepe e empresário do setor, Anísio Coelho, ressaltou o êxito da Expo Plast dentro da Embala Nordeste. “Foi um espaço importantíssimo de geração de negócios e de novos contatos. Destacaria também o acesso à novas tecnologias como um ponto forte da feira”.

Também empresário do setor plástico e diretor-financeiro da Fiepe, Felipe Coelho acrescenta: “Boa parte da indústria do plástico pernambucana ainda está defasada. Num evento como este é possível encontrar equipamentos com tecnologia de ponta para todos os portes de empresa. Isso aumenta a competitividade e a lucratividade. Por isso a feira é extremamente importante, não só para Pernambuco como para toda região”, destaca o líder empresarial.

Quem explica essa penetração regional é o diretor da Greenfield, Luiz Fernando Pereira. “Além da forte presença dos fabricantes de equipamentos, sistemas, periféricos e moldes, do sul e sudeste no segmento plástico, destacaram-se na Embala 2013 expositores de embalagens e máquinas dos estados de Alagoas, Ceará, Paraíba e Pernambuco. Bem mais do que o registrado em edições anteriores, confirmando que a Semana Industrial Embala Nordeste é um evento de todo o nordeste e não só do estado de Pernambuco”.

Alagoas e Ceará montaram grandes estandes e conseguiram um destaque ainda maior para as empresas instaladas por lá. “Alagoas é um Estado pioneiro na participação em feiras de negócios no setor químico e plástico e que vem participando dos grandes eventos nacionais divulgando seus atrativos. Temos participado da Embala há várias edições. Ficamos encantados com a pujança da feira que está cada vez maior. Ótima oportunidade para mostrar nossos atrativos como a política fiscal, creditícia e locacional específica para o setor. Além disso, sempre procuramos ter sinergia com o setor produtivo e as instituições que representam estes setores”, disse o secretário de Estado do Planejamento e do Desenvolvimento Econômico, Luiz Otavio Gomes. Alagoas, hoje em dia, detém três plantas da Braskem, é a maior fabricante de resina para PVC da América Latina.

O Ceará também esteve representado por empresa e entidades como Aarom, BS Pet, Bobpack, DCDN, In´traplast, Kibo, Marcoprint, Mil Plastic, Plásticos Lumar, Plastec – CE, Plastsan, Sindquímica CE  e Sindiverde CE.

Dados do evento em 2013: Da matéria prima ao produto acabado, a feira reuniu mais de 200 marcas expositoras do setor plástico, entre elas as principais fabricantes de máquinas, periféricos, matérias primas e componentes.

Novidade em 2013 Villa UD: Ilha de Utilidades Doméstica. Concentrando grandes fabricantes de Utilidades Domésticas, a região nordeste do Brasil desperta sua vocação em manufatura de produtos plásticos como: Cadeiras, Mesas, Brinquedos, Cabides, Canecas, Squeezes, Bacias, Balde, Mangueiras, Peças Automotivas, entre outros.

A estreia da Villa UD na Expo Plast 2013 ampliou as oportunidades de negócios com os tradicionais expositores da feira, gerando mais canais de relacionamentos e negócios.

A Expo Plast 2013 apresentou também a Casa do Plástico, inciativa das entidades ABIPLAST, ABIEF e AFIPOL, o espaço GREEN EXPO com expositores focados em sustentabilidade e meio ambiente, conferencias e muitos outros atrativos.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Embala Nordeste

Curta nossa página no

Dow destaca importância de adesivos apropriados para embalagens retornáveis

16/08/2013

Aplicação do adesivo correto na estrutura das embalagens flexíveis contribui para oferecer as propriedades demandadas por diversos segmentos

O rápido crescimento das embalagens flexíveis em substituição aos envases de lata criou novas demandas e hoje as embalagens retornáveis são uma opção que tem conquistado um espaço importante em muitos setores, principalmente no de alimentos. E em cada segmento, a aplicação do adesivo correto na estrutura da embalagem é fundamental para garantir os atributos necessários para suprir as diferentes demandas. Sendo assim, a Dow ressalta a escolha de soluções que podem garantir o melhor desempenho das embalagens retornáveis.

Entre os segmentos que hoje apresentam muitas oportunidades para as embalagens flexíveis estão os pet food, sopas, molhos, carnes, peixes, massas e arroz. Para todos eles, as principais tendências das embalagens retornáveis são a simplificação das estruturas (eliminação de AI); a versatilidade de formatos e acessórios (zípers, bicos, stand up pouches, pillow pouches); e a conveniência (fácil abertura, possibilidade de ir ao microondas).

As novas soluções em adesivos que foram criadas para acompanhar o desenvolvimento dessas características incrementam a força de adesão das embalagens retornáveis. Alguns adesivos fornecidos pela Dow permitem, por exemplo, que a estrutura resista às altas temperaturas necessárias para cozinhar o alimento dentro da embalagem.

Recentemente, a Dow abordou o tema em seminário realizado pela Associação Salvadorenha da Indústria do Plástico, em El Salvador. “Hoje em dia, o consumidor espera que as embalagens promovam praticidade e conveniência com baixo custo e que propiciem o consumo sustentável. Alinhar todos esses desafios é função dos fornecedores da cadeia e a integração de cada propriedade é a melhor estratégia para atingirmos nosso objetivo de oferecer aos donos de marca o melhor desempenho para suas embalagens”, afirma Andres Salgado, Gerente de Marketing de Adesivos e Materiais Funcionais para a América Latina da Dow.

Fonte: Dow

Curta nossa página no

Embalagens Stand Up Pouch fabricadas com 100% de Polietileno chegam às prateleiras mexicanas

18/07/2013

Ação é resultado de uma parceria entre a Dow, a Printpack e a Tyson para atender à demanda do mercado por embalagens mais sustentáveis

Dow_stand_up_pouchAcaba de ser colocado à disposição do consumidor mexicano o Stand-Up Pouch  100% polietileno (SUP 100% PE) para carne de frango congelada. O produto é resultado de uma parceria entre a Dow, a Printpack e a Tyson México, proprietária de marca e líder global no segmento. As três empresas já consideram o projeto bem sucedido.

Os detalhes da parceria foram definidos em menos de seis meses, devido ao esforço em equipe das três companhias. “Graças ao entusiasmo e conhecimento compartilhados por todos, o produto chegou à etapa comercial em tempo recorde”, diz Charly Eid, gerente de Cadeia de Valor e Desenvolvimento de Negócios da Dow. “Trata-se de um excelente modelo para projetos futuros”, ressalta.

Valor Agregado – Sustentabilidade

O Stand Up Pouch, embalagem flexível que fica em pé, é um modelo que está em constante crescimento, devido a seus benefícios de visibilidade em gôndola, leveza e praticidade, mas não é facilmente reciclável quando feito com materiais com baixa compatibilidade, que é o mais tradicional no mercado. Porém, a Dow inovou ao desenvolver o Stand-Up Pouch 100% polietileno, criando mais uma solução para a cadeia que busca soluções mais sustentáveis. “O principal diferencial é que oferecemos fácil reciclabilidade”, afirma Dolores Brizuela, gerente de Marketing para Embalagens de Alimentos e Especialidades da Dow na América Latina.

A estrutura 100% polietileno oferece o valor adicional de ser totalmente reciclável nas comunidades onde há fluxos de reciclagem de polietileno. Esse atributo único permite que esta embalagem inclua o símbolo de reciclagem internacional reconhecido no mundo todo, o que se traduz em uma alternativa diferenciada e atrativa para os consumidores.

A tecnologia do SUP (stand-up pouch) 100% PE também agrega valor aos processos das empresas envolvidas com essa inovação e com o modelo para carne de frango congelada nas prateleiras mexicanas,  contribui para ampliar as metas corporativas de sustentabilidade da Printpack e da Tyson e, ao mesmo tempo, aumentar suas participações de mercado.  “Sem dúvida queremos ampliar o uso desse tipo de embalagem em todas as linhas da Tyson”, declara Raul Velasco, Diretor Comercial da Tyson no México. “É uma grande conquista e um importante passo que damos como fabricantes”, conclui.

Rudolf Schaich, Gerente de Desenvolvimento de Mercado da Printpack México, concorda. “O stand-up pouch 100% polietileno é um produto extremamente interessante que nos ajuda a alcançar nossos objetivos de responsabilidade social. Certamente fará parte de nosso portfólio de soluções”, afirma.

Embalagens SUP 100% PE

Segundo a Dow, as embalagens SUP 100% PE são flexíveis, oferecem excelente visibilidade na prateleira e são uma alternativa muito mais leve quando comparadas com embalagens rígidas. O modelo permite que sejam adicionados acessórios para que sejam oferecidas ao consumidor conveniências como facilidade de abertura e fechamento para manter a crocância e o frescor dos alimentos, tampas ou bicos direcionais. Além disso, a solução oferece, segundo a Dow:

  • Selagem íntegra e forte para evitar vazamentos, principalmente para líquidos e alimentos gordurosos;
  • Resistência ao impacto e à perfuração (para que não ocorram falhas durante a armazenagem, transporte, tempo de prateleira e manuseio);
  • Melhor adaptação para a conformação da embalagem com diferentes formatos;
  • Facilidade de reciclagem devido à composição monomaterial;
  • Embalagens que não requerem etiquetas, uma vez que o filme pode ser impresso com altíssima qualidade.

Fonte: Dow

Curta nossa página no

Sindiplast-SP promove 5o. Workshop sobre Sistema de Logística Reversa

05/07/2013

 Abiplast_Logistica-Reversa

Curta nossa página no

Empresa alemã desenvolve filme fabricado a partir de poliamida de base biológica da DSM

02/07/2013

DSM_MF_FolienA Royal DSM anunciou que a sua parceira de desenvolvimento, MF Folien GmbH , com base em Kempten, sul da Alemanha, introduziu com sucesso um novo filme de poliamida, que tem por base a poliamida 410 EcoPaXX® da DSM.

A MF Folien é uma empresa líder especializada na produção de filme de poliamida e tem sido parceira da DSM no desenvolvimento da filme EcoPaXX desde o início. Em 2011, a empresa foi a primeira a criar amostras de filme fundido de 30 mícrons de EcoPaXX. Este filme tem o mesmo nível elevado de qualidade pelo qual a MF Folien é reconhecida no mercado. Amostras de filme com base em EcoPaXX estão disponíveis em várias espessuras: 30, 40 e 50 mícrons. As potenciais áreas de aplicação são a embalagem flexível de alimentos, edificação e construção, serviços médicos, aviação e transporte.

Falando em nome da MF Folien, Mr. Rainer Leising, gerente geral de vendas, disse: “Estamos muito satisfeitos por estar trabalhando com a DSM no desenvolvimento desta solução de material inovadora e sustentável. Desde que nós introduzimos pela primeira vez o filme EcoPaXX, com seu brilho inconfundível, aparência prateada de “alta tecnologia”, o material tem estado presente em nosso catálogo de produtos.” Os filmes de poliamida 410 EcoPaXX são resistentes e transparentes com uma resistência elevada a perfurações. Têm um índice reduzido de transmissão de umidade em comparação com o filme de poliamida 6 e uma barreira de oxigênio comparável. Quando completamente molhada, a barreira de oxigénio de poliamida 410 é ainda mais elevada.

Recentemente, três grades de EcoPaXX obtiveram a etiqueta “Produto de Base Biológica Certificado”, concedida pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos da América (USDA). Estas etiquetas certificam um teor de base biológica comprovado de cerca de 70%. O conteúdo de base biológica da poliamida 410 EcoPaXX é derivado de um dos seus elementos constituintes, obtido a partir do óleo de mamona, planta que cresce em regiões tropicais e que não é usada para fins alimentícios. O dióxido de carbono gerado durante o processo de produção do polímero é completamente compensado pela quantidade de dióxido de carbono absorvido na fase de crescimento das bagas de mamona.

A DSM introduziu o EcoPaXX de modo a satisfazer a crescente procura do mercado por plásticos de engenharia de base biológica duradouros e de alto desempenho. Kees Tintel, Gerente Administrativo de EcoPaXX na DSM, afirmou: “Reconhecemos que o mercado deseja soluções mais sustentáveis que tenha uma menor pegada de carbono e uma base biológica. A DSM conseguiu desenvolver este material, o qual, além de seu desempenho ecológico, proporciona propriedades iguais ou mesmo superiores quando comparado às suas alternativas tradicionais.”

Mr. Tintel acrescentou: “O EcoPaXX reflete o foco da DSM em materiais inovadores e sustentáveis. Além do EcoPaXX, a DSM oferece uma gama de outros materiais de alto desempenho de base biológica, incluindo Arnitel® Eco, um copoliester termoplástico de base biológica e Palapreg® ECO, um termorrígido de base biológica.”

Fonte: DMS

Curta nossa página no

Tetra Pak® e Braskem celebram acordo de fornecimento de plástico verde

30/06/2013

Em uma iniciativa inédita na indústria de embalagem cartonada, a Tetra Pak utilizará o polietileno de baixa densidade de fonte renovável, em todas as embalagens da produzidas no Brasil

Posicionando o Brasil como palco de uma grande inovação na indústria de embalagem cartonada, a Tetra Pak®, líder mundial em soluções para processamento e envase de alimentos, acaba de anunciar o acordo com a Braskem para o fornecimento de polietileno de baixa densidade (LDPE) I’m greenTM feito a partir de cana-de-açúcar, para compor as camadas protetoras de suas embalagens no Brasil.

A partir de 2014, a Tetra Pak® pretende usar o plástico verde como componente das camadas de suas embalagens produzidas no Brasil. A mudança para o polietileno verde significará que 100% das embalagens da Tetra Pak produzidas no Brasil, aproximadamente 13 bilhões, serão compostas por cerca de 82% de materiais provenientes de fontes renováveis.

“O novo acordo com a Braskem demonstra o nosso compromisso de trazer inovações ambientais aos nossos clientes e é mais um passo em nossa jornada para desenvolver embalagens 100% renováveis”, afirma Dennis Jönsson, Presidente e CEO do Grupo Tetra Pak®.

A Braskem usará etanol derivado da cana-de-açúcar para produzir eteno, que depois será convertido em polietileno de baixa densidade, tendo exatamente as mesmas propriedades técnicas do polietileno produzido a partir de fontes fósseis, com benefícios ambientais de um material proveniente de fonte renovável.

“O polietileno verde I’m greenTM possui as mesmas características do polietileno tradicional, como ser inerte, resistente e reciclável, com a vantagem de ter origem renovável, o que contribui para a redução das emissões de gases de efeito estufa através da absorção de CO2 da atmosfera durante o processo de crescimento da cana-de-açúcar”, explica Carlos Fadigas, presidente da Braskem, ressaltando que a expansão da linha de produtos verdes reforça o compromisso da companhia de agregar valor à cadeia por meio do desenvolvimento sustentável.

Desde 2008, a cadeia de custódia do papel é certificada pelo Forest Stewardship Council® (FSC®), o que significa que todo o papel utilizado como matéria-prima nas embalagens da Tetra Pak® é proveniente de áreas florestais manejadas de forma responsável, permitindo ao consumidor monitorar toda a cadeia que envolve a produção do papel da embalagem, desde o plantio das árvores até o produto final.

A Tetra Pak® foi o primeiro fornecedor de embalagens de alimentos líquidos no mundo a utilizar plástico verde em seus produtos com o lançamento de Tetra Brik® Aseptic 1000, com a tampa StreamCapT, produzida com o polietileno de alta densidade (HDPE) feito a partir de cana-de-açúcar, fornecido pela Braskem, em 2011. No início deste mês, a companhia anunciou a disponibilidade global da tampa LightcapT 30 também feita a partir do plástico verde.
Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem e Pacifil apresentam silos de plástico para armazenamento de grãos

29/06/2013

Mais baratos e de fácil manuseio, produto tem capacidade de armazenar 200 toneladas de grãos por até dois anos

Braskem_silos

A Braskem e a Pacifil Brasil apresentam solução para o problema de estocagem no país: os silos bolsas feitos com plástico. Com a expectativa de uma safra-recorde, estima-se crescimento de 14,2% na produção de grãos brasileira, que pode atingir 185 milhões de toneladas neste ano, o problema de estocagem no país se agrava. Considerando que a capacidade de armazenagem de grãos no Brasil é de 145 milhões de toneladas, a projeção da produção de grãos na próxima safra reforça ainda mais a necessidade de busca de outras soluções que possam contribuir para reduzir o déficit de armazenagem.

A infraestrutura para o armazenamento da safra é um problema antigo enfrentado por conta da escassez de silos convencionais, pelo alto custo de sua construção e pela logística de transporte. Os silos em plástico são grandes bolsas feitas com polietileno e que podem armazenar cerca de 200 toneladas de grãos por bolsa, não precisam de nenhum tipo de estrutura física e são facilmente manuseados na hora do carregamento.

Os silos em polietileno também reduzem as perdas na armazenagem com um sistema de baixo custo operacional, permitindo administrar e planejar melhor as vendas, reduzindo custos com fretes. A ensilagem dos grãos é feita por uma operação mecânica, utilizando apenas um trator e uma embutidora. Neste tipo de silo, os grãos podem ser armazenados por até dois anos, já que no interior da bolsa é criada uma atmosfera sem oxigênio que impede o desenvolvimento de pragas e insetos, garantindo a qualidade do produto e evitando a queda no valor final.

Outra grande vantagem é o fato do produto ser totalmente reciclável. Após sua utilização, o agricultor pode ainda vender o equipamento para a reciclagem e reaver até 20% do valor investido. Os silos bolsas são produzidos no país e a Pacifil planeja a partida de mais um linha para produção desta solução ainda para 2013. A produção nacional garante o fornecimento e estoque durante todo o ano, além da disponibilidade de atendimento técnico personalizado quando necessário.

“Com sua expertise, a Braskem desenvolveu um portfólio de soluções que utilizam o polietileno para atender sob medida a demanda crescente da agricultura brasileira. Os silos são uma solução inteligente e que tem sido cada vez mais usada pelos produtores rurais brasileiros em diferentes situações, tanto pelo pequeno  produtor quanto por grandes empresas”, destaca Zolder Stekhardt, da área de Desenvolvimento de Mercado da Braskem.

Fonte Braskem

Curta nossa página no

Reciclagem de Embalagens PET cresceu 12,6% em um ano

29/06/2013

Censo realizado pela Abipet mostra que, mesmo sem sistema de coleta seletiva, o Brasil deu destinação correta a 331 mil toneladas do produto em 2012

Reciclagem-PET

A reciclagem de embalagens de PET no Brasil deu um salto em 2012 e cresceu 12,6% em volume, ao passar das 294 mil toneladas que tiveram destinação adequada em 2011, para 331 mil toneladas no ano passado. Com esse resultado, o País atingiu um índice de reciclagem de 59%, mantendo seu excelente posicionamento como um dos maiores recicladores de PET do mundo – superando os Estados Unidos e até mesmo a média registrada na Europa.

Os números do 9.º Censo da Reciclagem do PET no Brasil foram divulgados nesta quarta-feira pela Associação Brasileira da Indústria do PET (Abipet), durante o  PETtalk 2013 – Conferência Internacional da Indústria do PET , realizado em São Paulo.

“Os números demonstram que existe uma demanda muito forte pelo PET reciclado, criada por um trabalho do próprio setor, que investe continuamente em inovação e novas aplicações para o material reciclado. Esse trabalho criou um ciclo virtuoso. Todo PET coletado tem destinação adequada garantida por uma indústria forte, diversificada e ávida por essa matéria-prima”, afirma Auri Marçon, presidente da Abipet.

O setor têxtil continua sendo o principal consumidor do PET reciclado, com 38,2% de participação, seguido das resinas insaturadas e alquídicas, com 23,9%. Outras embalagens (alimentos e não-alimentos) consomem 18,3% do volume reciclado. Laminados e chapas (6,4%), fitas de arquear (5,5%) e tubos (1,5%) são os outros principais mercados. Os 6,1% restantes ainda abastecem uma lista ampla de pequenas aplicações.

Coleta seletiva continua sendo o desafio

O presidente da Abipet, no entanto, chama a atenção para a necessidade de suprir essa demanda aquecida, sob pena de impacto no preço do produto coletado e consequente comprometimento da sustentabilidade do negócio. “O Brasil precisa investir em coleta seletiva, para que a indústria não seja prejudicada. Em muitos períodos do ano, as empresas recicladoras continuam com ociosidade que chega a 30% de sua produção, porque não encontram embalagem pós-consumo para reciclar”, alerta Marçon.

A solução aponta o executivo, é estimular as prefeituras a implantar, o mais rápido possível, a coleta seletiva e a separação das embalagens recicláveis, de forma a aumentar a recuperação do material descartado pela sociedade. “Isso, na verdade, é o que prega a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que exige responsabilidade compartilhada entre a sociedade civil, o setor privado e também do poder público. A indústria do PET investiu fortemente em reciclagem e hoje esses recicladores passam por um momento difícil, por não terem coleta suficiente para abastecer suas fábricas”, conclui o presidente da Abipet.

Fonte: Abipet

Curta nossa página no

BASF promove utilização de plástico biodegradável em sacos plásticos e copos descartáveis

12/06/2013
  • BASF realiza, mais uma vez, evento lixo zero e transforma resíduo orgânico em adubo
  • Copos revestidos e sacos de lixo feitos com ecovio® possibilitam a transformação de resíduo sem a separação

O ecovio®, plástico compostável certificado da BASF, é o protagonista do projeto envolvendo copos descartáveis e biodegradáveis e sacos de lixo compostáveis que acontecerá durante o  evento de apresentação da primeira casa de eficiência energética da BASF no Brasil, a CasaE localizada na zona sul de São Paulo.

Durante o evento, a empresa Lia Tulmann, encarregada do serviço de buffet do evento, orientada pela Inambi, coletará todo o resíduo orgânico utilizado na preparação dos alimentos em sacos de lixo confeccionados com ecovio®, plástico compostável certificado da BASF, com conteúdo renovável.

Além disso, os copos descartáveis usados no evento também serão coletados. Eles não são feitos de um plástico convencional, mas sim de um papel que é revestido com uma camada fina de ecovio® PS1606. Todo material será enviado para a Visafértil Indústria e Comércio de Fertilizantes Orgânicos, especializada em produção de insumos orgânicos agrícolas a partir de resíduos industriais, que opera uma usina de compostagem em Mogi Mirim.

“A solução inovadora permite que os copos descartáveis de papel revestidos com uma fina camada de ecovio® PS1606 não precisem ser destinados a aterros sanitários após o uso. Ao invés disso, eles podem ser processados juntamente com o lixo orgânico e com os sacos de lixo para produzir um adubo de alta qualidade”, explica Karina Daruich, Gerente do Negócio de Biopolímeros da BASF para a América do Sul.

Uso, coleta e compostagem

Além dos resíduos pré consumo, gerados durante a preparação dos alimentos para o evento, todo o resíduo orgânico gerado pós consumo no evento será compostado e se transformará em adubo orgânico. O Grupo Visafértil coletará os copos, juntamente com os resíduos de alimentos, em sacos de lixo compostáveis de ecovio®, e os transportará para a usina de compostagem em Mogi Mirim, onde o comportamento de degradação é monitorado e controlado periodicamente.

“Este projeto, realizado na CasaE, serve não só para destacar o compromisso ativo da BASF com a eficiência de recursos, mas também para estudar o ciclo fechado na gestão de resíduos, um conceito que já testamos em outros projetos no Brasil e no mundo”, diz Gislaine Rossetti, Diretora de Relações Institucionais da BASF para a América do Sul.

Projeto piloto: ciclo fechado para resíduos orgânicos

O plástico ecovio® atende às  exigências legais das normas européia EN 13432 e norte americana ASTM 6400 para a biodegradabilidade e compostabilidade de embalagem. Juntamente com seus parceiros de cooperação, a BASF está expandindo este conceito de ciclo fechado ao longo de toda cadeia de valor; assim ele pode ser implantado em eventos de grande escala em estádios ou em feiras, ou então em restaurantes fast-food, complexos de escritórios, hospitais e centros de lazer e esportes.

Plásticos biodegradáveis: ecovio® e ecoflex®

O material ecovio® PS1606é um novo desenvolvimento da BASF. Ele agora é produzido com ecoflex® FS (parcialmente de fonte renovável) e PLA (ácido poliláctico) o qual é obtido a partir de amido de milho. Como resultado, a camada fina de plástico nos copos descartáveis consiste em mais de 75% de matérias-primas renováveis, sendo que o artigo acabado é composto por mais de 90% de matérias-primas orgânicas. Afirma a BASF que, como os resíduos orgânicos em si, as moléculas de ecovio® são digeridas por micro-organismos com o auxílio de enzimas durante o processo de compostagem. No final do processo de compostagem, os micro-organismos terão convertido completamente o resíduo orgânico, os copos com ecovio® PS1606 e os sacos de lixo compostáveis, em dióxido de carbono, água e biomassa. Segundo a BASF, esta é uma vantagem decisiva em termos de recuperação de resíduos, já que as empresas de descarte de resíduos não têm que separar laboriosamente os copos e sacos. Pelo contrário, o material simplesmente se torna um composto  juntamente com o resto do lixo orgânico.

Fonte: BASF

Curta nossa página no


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.409 outros seguidores