Archive for the ‘Economia Circular’ Category

Rede Empresarial de Cooperação para o Plástico apresenta proposta de ações

13/09/2018

A Abiplast promoveu no último dia 5 uma nova reunião da Rede Empresarial de Cooperação para o Plástico. Com representantes dos transformadores plásticos, recicladores, cooperativas, petroquímicas, indústria de consumo e varejo, a iniciativa reuniu quase 40 pessoas.

No encontro, foram apresentados os trabalhos desenvolvidos pelos Eixos com o objetivo de estruturar ações previstas até o final do ano, bem como debateram a inclusão de novos stakeholders.

Os participantes também tiveram a oportunidade de conhecer os cases da Unilever – que tem utilizado o plástico reciclado na concepção de embalagens – e da Danone, que desenvolve treinamentos em cooperativas.

A Rede Empresarial engaja as principais empresas representantes da cadeia produtiva do plástico, reunidas pelo desafio de viabilizar a economia circular e, em última instância, de evitar que o plástico vá parar no meio ambiente. A Rede faz parte de diversas iniciativas da Abiplast de promover o plástico no contexto ambiental de forma positiva.

Fonte: Abiplast

Curta nossa página no

Anúncios

A Economia Circular como alternativa à Economia Linear

30/07/2018

Artigo de autoria da Tomra Sorting Recycling

Os recursos naturais são finitos e o impacto do descarte incorrerto no meio ambiente são notórios, refletindo-se, por exemplo, na atual discussão sobre plástico marinho, mudanças climáticas e contaminações. Assim, há enormes desafios para o desenvolvimento de formas inovadoras e eficientes de gestão dos recursos. Para isso, é necessário uma mudança profunda no uso dos recursos que até então estão ao dispor das pessoas, através do reaproveitamento e da reciclagem. A nossa sociedade, conhecida por “fazer, usar e jogar fora”, já atingiu os seus limites e é tempo de repensar a forma como obtemos, usamos, reutilizamos e otimizamos os recursos globais que estão agora causando danos e correndo o risco de se exaurirem um dia.

Desta forma, é essencial percebermos a importância dessas mudanças para garantir a prosperidade do nosso futuro enquanto sociedade. Para isso, é necessário promovermos a transição da nossa economia linear insustentável, que vivemos no presente, para uma economia circular na qual sejamos capazes de recuperar e devolver à cadeia de produção os materiais recicláveis e a energia dos nossos produtos considerados como “lixo”.

No entanto, não estamos a falar de uma tarefa que possa ser feita de um dia para o outro, até porque falamos de um conceito que está pouco enraizado nos nossos costumes. Mas, afinal, o que é a Economia Circular?

Uma economia circular é regenerativa e restaurativa por princípio. Seu objetivo é manter produtos, componentes e materiais em seu mais alto nível de utilidade e valor por todo o tempo. O conceito distingue os ciclos técnicos dos biológicos. Conforme concebida por seus criadores, a economia circular consiste em um ciclo de desenvolvimento positivo contínuo que preserva e aprimora o capital natural, otimiza a produção de recursos e minimiza riscos sistêmicos, administrando estoques finitos e fluxos renováveis. Ela funciona de forma eficaz em qualquer escala.

A economia circular oferece diversos mecanismos de criação de valor dissociados do consumo de recursos finitos. Em uma economia circular verdadeira, o consumo só ocorre em ciclos biológicos efetivos. Fora isso, o uso substitui o consumo. Os recursos se regeneram no ciclo biológico ou são recuperados e restaurados no ciclo técnico. No ciclo biológico, os processos naturais da vida regeneram materiais, através da intervenção humana ou sem ela. No ciclo técnico, desde que haja energia suficiente, a intervenção humana recupera materiais e recria a ordem em um tempo determinado.

A economia circular fundamenta-se em três princípios, cada um deles voltado para diversos desafios relacionados a recursos e sistêmicos que a economia industrial enfrenta: No primeiro princípio, o objetivo passa por preservar e aumentar o capital natural, controlando estoques finitos e equilibrando os fluxos de recursos renováveis. Num segundo princípio passa por otimizar a produção de recursos, fazendo circular produtos, componentes e materiais no mais alto nível de utilidade o tempo todo, tanto no ciclo técnico quanto no biológico. Por fim, o objetivo passa por fomentar a eficácia do sistema, revelando as externalidades negativas e excluindo-as dos projetos.

A Economia Circular e a realidade do mercado brasileiro

A Economia Circular ainda é um tema pouco explorado no Brasil, mas tem ganhado relevancia com o trabalho de instituições como Exchange4Change Brasil, fundado por Beatriz Luz, que no passado mês de maio juntou-se a vários especialistas para debater as oportunidades que o país pode alcançar nos próximos anos relativamente a este conceito. Beatriz Luz salientou que o Brasil tem muito potencial para se inserir nessa nova proposta, principalmente no quesito de matérias-primas.

“A gente tem um país enorme, rico e vasto. E temos que ter um olhar não de desperdício, porque, quando temos muita terra e disponibilidade de matéria prima, a gente acaba desperdiçando muito. Temos que olhar com uma visão de inovação. A economia circular provoca esse olhar criativo e o brasileiro é muito criativo”, explicou durante o evento do qual participou, em São Paulo.

Dentro do fechamento do ciclo produtivo, uma das chaves da economia circular é repensar o design dos produtos, ou seja, trabalhar na composição ou formato que possibilite que aquele material retorne para a cadeia produtiva. Luz citou um estudo da Ellen McArthur Foundation que mostra a cadeia das embalagens plásticas, largamente utilizadas pelas indústrias. O relatório divulgado mostra que 50% das embalagens que existem no mercado podem ser recicladas, mas precisam ainda de muita infraestrutura para isso, enquanto que 20% poderiam ser substituídas por materiais mais duráveis e reutilizáveis. E ainda existem aquelas que não conseguem ser recicladas – pelo menos não com as tecnologias existentes, representando 30%. Ou seja, temos que redesenhar esse tipo de embalagem.

Europa

Do outro lado do Atlântico, a Europa procurou dar o primeiro passo no que diz respeito ao fomento da economia circular. O velho Continente aprovou o PEC (Pacote de Economia Circular), o qual é apoiado totalmente pela Tomra Sorting Recycling. Com este pacote, que altera a legislação em vigor, vai ser possível promover uma economia circular que criará condições de concorrência equitativas entre os estados-membros, estimulará a inovação nos produtos de design e incentivará sistemas de distribuição reversos, iniciativas que vão permitir aumentar a qualidade e quantidade da reciclagem, um dos pilares da economia circular.

De acordo com o relatório intitulado “Towards the Circular Economy”, existem 380 bilhões de dólares em negócios não explorados, apenas na Europa. Outro estudo elaborado pela Fundação Ellen McArthur e McKinsey & Company aponta casos e análises financeiras das oportunidades no sistema batizado de “Economia Circular”: um modelo capaz de desacoplar o crescimento econômico da geração de resíduos. Este estudo destaca quatro fontes de criação de valor para modelos de negócios onde as iniciativas de “fechar o ciclo” dos produtos podem ser muito rentáveis: manutenção, redistribuição, remanufatura e reciclagem.

Estima-se, que as economias emergentes na Ásia, América Latina, África e Oriente Médio removerão três bilhões de pessoas da pobreza nas próximas décadas, o que permite criar uma demanda cada vez mais crescente de bens de consumo por parte das novas classes médias.

O olhar da Tomra Sorting Recycling sobre a economia circular

Através da criação de soluções baseadas em sensores equipados para entregar uma produtividade ótima dos recursos, a Tomra tem por ambição estar entre os líderes desta revolução de recursos – que visa substituir o sistema atual, que é baseado no consumo ao invés da recuperação dos recursos não-renováveis. O fornecimento de soluções inteligentes que otimizam os recursos disponíveis – pesquisar, usar, recuperar, reciclar e revitalizar – permite à Tomra fazer uma contribuição chave para mudar a perspectiva padrão da sociedade sobre o conceito de recursos sustentáveis.

As soluções baseadas em tecnologias de ponta e novas aplicações permitem uma otimização da recuperação dos resíduos, o que aumenta a qualidade e a quantidade dos resíduos recuperados. No mercado brasileiro, a economia circular pode ser um dos pilares do futuro. De acordo com Carina Arita, Diretora Comercial da Tomra Sorting Recycling Brasil, “a Economia Circular pode ter um papel preponderante tendo em conta o número elevado de resíduos que consumimos diariamente”. A Tomra tem procurado trabalhar junto com as plantas de triagem para estimular a reciclagem e aumentar assim o nível de pureza dos materiais. Com uma maior conscientização, vamos conseguir ter um futuro melhor”, explicou a responsável da Tomra.

A Tomra Sorting Recycling projeta e fabrica sistemas de seleção por sensores para a indústria global de reciclagem e gestão de resíduos. Mais de 5.500 sistemas foram instalados em 80 países em todo o mundo. Responsável pelo desenvolvimento do primeiro sensor infravermelho de alta capacidade (NIR) do mundo para aplicações de triagem de resíduos, a Tomra Sorting Recycling continua a ser pioneira na indústria com dedicação à recuperação de frações de alta pureza de fluxos de resíduos. A Tomra Sorting é de propriedade da empresa norueguesa Tomra Systems ASA, que está listada na Bolsa de Valores de Oslo. Fundada em 1972, a Tomra Systems ASA tem um volume de negócios de cerca de € 750m e emprega mais de 3.500 pessoas.

Curta nossa página no