Archive for the ‘Compostos’ Category

Lanxess lança composto de poliamida 6 obtido a partir de matérias primas sustentáveis

11/11/2021

  • Segundo a empresa, o novo composto de poliamida 6 feito com 92% de matérias-primas sustentáveis
  • Certificação independente usando o método de balanço de massa torna o conteúdo de matérias-primas sustentáveis ​​transparente e rastreável

A Lanxess está se voltando cada vez mais para as chamadas matérias-primas “circulares” e de base biológica na fabricação de plásticos. O produto mais recente da empresa de especialidades químicas é o Durethan BLUEBKV60H20EF. Segundo a Lanxess, noventa e dois por cento das matérias-primas usadas neste composto de alta fluidez foram substituídas por alternativas sustentáveis. A empresa afirma que esse percentual é maior do que em qualquer outro plástico especial reforçado com fibra de vidro.

O novo tipo de plástico é o primeiro produto da Lanxess na nova série “Scopeblue“. O rótulo da marca identifica produtos que consistem em pelo menos 50% de matérias-primas circulares (recicladas ou de base biológica) ou cuja pegada de carbono é pelo menos 50% menor do que a dos produtos convencionais.

“Um futuro neutro em carbono só pode se tornar realidade se começarmos a usar produtos mais sustentáveis ​”, diz Frederique van Baarle, que chefia a divisão de High Performance Materials (HPM) da Lanxess. “Nosso primeiro produto comercializado sob a marca Scopeblue representa uma solução real para a economia circular. O composto é um material premium certificado que tem como base matérias-primas sustentáveis”, destaca o executivo.

Missão de utilizar 100% de matéria prima sustentável

Uma das matérias-primas usadas na produção desse material à base de poliamida-6 é o ciclohexano de fontes sustentáveis ​​- ou seja, ciclohexano de base biológica, base biológica reciclada ou produzido por meio de reciclagem química. O material também é reforçado com 60% de fibras de vidro, compreendendo resíduos de vidro industrial em vez de matérias-primas minerais. As matérias-primas alternativas que a Lanxess utiliza nos precursores da poliamida 6 são quimicamente idênticas aos seus equivalentes de origem fóssil (“soluções drop-in”), portanto, o novo grade exibe as mesmas características do material virgem e pode ser processado usando-se exatamente as mesmas máquinas e instalações de produção, sem necessidade de trabalho de conversão.

“Este material estrutural de alta resistência e alta rigidez pode ser implantado onde quer que seu equivalente puramente fóssil Durethan BKV60H20EF tenha sido tradicionalmente usado na produção em série – ou seja, na indústria automotiva para a produção de front-ends de carros, pedais de freio e cárteres”, destaca o Dr. Guenter Margraf, Chefe do Gerenciamento Global de Produtos da HPM.

Entretanto, os desenvolvedores seguem focados em conseguir concretizar o uso de mais de 92% de matérias-primas sustentáveis. “Atualmente, estamos trabalhando para aumentar o teor de matérias-primas sustentáveis ​​neste composto para 100%”, diz Margraf. Isso requer amônia sintetizada com hidrogênio neutro em carbono. A médio prazo, a empresa de especialidades químicas também planeja substituir os aditivos usados ​​em seus plásticos por equivalentes sustentáveis.

Outros compostos sustentáveis ​​devem ser lançados

Com Durethan ECOBKV30H20, ECOBKV35H20 e ECOBKV60XF, a Lanxess lançou recentemente três compostos de poliamida 6 contendo 30%, 35% e 60% em peso, respectivamente, de fibra reciclada feita de resíduos de vidro, conforme calculado usando o método de balanço de massa certificado pelo ISCC Plus. Em resposta à demanda dos clientes, esta família de produtos foi estendida nos últimos meses para incluir mais compostos baseados nas poliamidas 6 e 66. A Lanxess também está usando as fibras de vidro recicladas para o reforço mecânico de seus compostos de tereftalato de polibutileno (PBT) da marca Pocan. Os primeiros produtos incluem Pocan ECOB3235 e o retardante de chamas ECOB4239, cada um dos quais contendo 30% em peso de fibras de vidro recicladas, calculadas usando o método de balanço de massa certificado.

Certificação de sustentabilidade independente na cadeia de abastecimento

A origem sustentável das matérias-primas é certificada pelo ISCC Plus (“International Sustainability and Carbon Certification”). Isso se aplica não apenas aos locais de produção da Lanxess em Antuérpia (Bélgica) e Krefeld-Uerdingen (Alemanha), mas também a todos os precursores originados exclusivamente de fornecedores que também são certificados pelo ISCC Plus.

O método de balanço de massa, que foi introduzido com a certificação ISCC Plus, compara as matérias-primas usadas com as quantidades do produto no mercado, a fim de estabelecer uma ligação entre a entrada e a saída para fins contábeis. Se a quantidade de matéria-prima necessária para a fabricação de uma quantidade definida de produto for substituída por alternativas sustentáveis, o método pode ser usado para determinar a quantidade de massa sustentável no produto final. Isso torna as características de sustentabilidade do produto mais claras para os usuários.

O ISCC é um padrão que foi desenvolvido com o propósito de avaliar os requisitos de sustentabilidade da EU RED (Diretiva de Energias Renováveis ​​da União Européia) e está sendo cada vez mais usado em todo o mundo também na indústria química. A Lanxess é membro da ISCC Association e desempenha um papel ativo no desenvolvimento da certificação de sustentabilidade.

Curta nossa página no

Adirplast filia empresas do segmento de Masterbatches e Compostos

03/07/2021

  • Entidade abre espaço para o segmento de Masterbatches e Compostos e ganha mais quatro associados
  • Associação agora representa 29 empresas distribuidoras em todo o Brasil

As empresas Actplus, Azzu, Colorfix e Pro-Color são as novas distribuidoras associadas à Adirplast (Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas e Afins). Com as novas adesões, a entidade passa a representar mais um segmento do setor de plásticos: o de Masterbatches e Compostos. Isso faz aumentar a sua abrangência. A associação, que já abrigava empresas distribuidoras autorizadas no varejo de resinas plásticas, filmes de BOPP, BOPET e plásticos de engenharia, representa agora 29 distribuidoras no país.

Para Francielo Fardo, da Colorfix, participar da associação o ajudará a realizar o benchmarking com outras empresas do setor. “Além disso, temos a oportunidade de compreender melhor tendências do mercado”, explica o executivo. Hoje a empresa, que atende todo o território nacional, trabalha com masterbatches de cor e aditivos, inclusive da marca Revora, que oferece produtos sustentáveis. “Atendemos aos processos de transformação de injeção, extrusão-sopro, multifilamento, monofilamento, rotomoldagem, extrusão de filme, ráfia e extrusão de chapa para todas as resinas, desde as poliolefinas até as de engenharia”, diz Fardo.

Tedy João Pacífico, da Azzu Resinas, também acha muito positivo a entrada da empresa na entidade: “A Adirplast nos traz informações sobre o segmento de Masterbatches e isso nos dá ferramentas de planejamento para o nosso negócio, traduzindo-se em mais previsibilidade às nossas ações”. O executivo também conta que a empresa, que tem sete anos de mercado, tem em seu portfólio masterbatches de cor e aditivos para todas as resinas e processos termoplásticos, atendendo todo o Brasil e Mercosul.

O executivo da Pro-Color, Roberto Clauss, também aposta que a entrada de sua empresa na Adirplast trará benefícios. “Isso nos ajudará a aumentar o nosso network, nos atualizará sobre o universo das resinas termoplásticas e será um ambiente para compartilhar informações”. Clauss conta que a empresa, que existe desde 1986, tem sua matriz em Cotia, SP, mas também conta com filiais em Bauru (SP), Jaraguá do Sul (SC), Condado (PE), e Recife (PE). Hoje o portfólio da companhia conta com Masterbatches, Compostos, Aditivos, Dry-Blend, Tingimentos e Mão de Obra para tingimento e aditivação.

Alexandre Pastro, que representa a Actplus, empresa do Grupo Activas, também comemora a entrada na entidade. “A participação na Adirplast é muito importante pois, além da troca de informações, do fortalecimento das parcerias e da interação entre as empresas, também ajuda no desenvolvimento do setor plástico em nosso País, pois amplia as possibilidades de crescimento e melhoria contínua das empresas participantes”. O diretor conta que a empresa produz compostos de plásticos de engenharia, masterbatches, aditivos, resinas pigmentadas e faz industrialização para terceiros. “Estamos presentes em todos os segmentos de mercado, com destaque para aplicações na indústria automotiva e alimentos”, finaliza.

Para o presidente da Adirplast, Laercio Gonçalves, a entrada deste novo grupo reforça ainda mais a importância da entidade. “A troca de informações entre diversos representantes da cadeia do plástico fortalece o nosso setor para a construção de um mercado mais saudável e competitivo”, finaliza.

A Adirplast tem como diretrizes o fortalecimento da distribuição, o apoio aos seus associados e a integração do setor de varejo de resinas plásticas, filmes bi-orientados, plásticos de engenharia, masterbatches e compostos. Seu objetivo é demonstrar a importância que os distribuidores têm para o setor e para o desenvolvimento do mercado brasileiro de plásticos. A entidade trabalha ainda para promover a imagem sustentável do plástico. Atualmente, a entidade agrega empresas distribuidoras de insumos plásticos que, juntas, tiveram um faturamento bruto de cerca de R$ 5 bilhões em 2020. Elas responderam por cerca de 12% de todo o volume de polímeros, filmes bi-orientados, masterbatches e compostos comercializados no país. Credenciadas pelos fabricantes, essas empresas contam com uma carteira de 7.000 clientes, em um universo de 11.500 transformadores de plásticos no Brasil. Para atendê-los, a entidade emprega 150 representantes externos e mantém 200 postos de atendimento, contando com equipes de assistência técnica e de pós-venda.

Curta nossa página no

Borealis adquire controle acionário de fabricante coreano de compostos para a indústria de cabos elétricos

15/11/2018

A Borealis anunciou a assinatura de um acordo para aquisição de uma participação majoritária na empresa sul-coreana DYM Solution Co. Ltd. O acordo e transação estão sujeitos às aprovações regulamentares.

Com sede em Cheonan, na Coréia do Sul (foto), a DYM Solution Co. Ltd. foi fundada em 1992 e é fornecedora de soluções em compostos para a indústria global de cabos elétricos. Ela é especializada em compostos de borracha e curados por silanos, semicondutores e materiais retardantes de chama sem halogênio (HFFR).

Com este investimento, a Borealis busca estender a pegada global de ativos da divisão Wire & Cable que ela tem em conjunto junto com a Borouge, com sede em Abu Dhabi. Com essa aquisção, a Borealis poderá adicionar o portfolio complementar da DYM Solution Co à sua extensa gama de produtos.

“Ter acesso a uma base de produção asiática aumentará significativamente nossa capacidade de promover um crescimento orgânico contínuo para a Borealis e a Borouge e permitirá que atendamos ainda mais aos requisitos de nossos clientes do segmento de fios e cabos”, diz o diretor executivo da Borealis, Alfred Stern.

Fonte: Borealis

Curta nossa página no

Na Interplast, Termocolor expõe linha de matérias-primas livres de metais pesados

30/07/2018

Desenvolvedora de soluções em matéria-prima para a indústria de transformação de plástico, a Termocolor expõe na Interplast sua linha de produtos que vai de masterbatches a compostos, resinas tingidas, aditivos, beneficiamentos e colormatches. Além do desenvolvimento e produção livre de metais pesados, os produtos atendem a normativa europeia RoHS.

Destinado a colorir e/ou aditivar produtos plásticos, o masterbatch é um granulado concentrado de pigmento, carga e/ou aditivo incorporado em resina termoplástica como PP, PE, OS, ABS, EVA e SAN, por meio de um processo de extrusão. Os masterbatches são aplicados na resina natural ou no composto básico do cliente na proporção indicada, que pode variar de 1 a 5%, dependendo do aspecto desejado para a peça final. O manuseio é fácil e aplicação versátil, podendo ser utilizado em qualquer processo de fabricação, atendendo aos requisitos do cliente.

Os compostos são utilizados para reduzir custos e agregar valor às propriedades mecânicas da peça final, tais como tração, flexão, impacto e resistência a intempéries. Os concentrados de resina com cargas de carbonato de cálcio, talco ou fibras de vidro, e/ou borrachas e/ou aditivos podem atender aos mais diferentes segmentos.

Os aditivos são produtos que conferem propriedades específicas aos termoplásticos e podem ser incorporados ao masterbatch, composto ou resina tingida, ou ainda granulados separadamente, tornando a aplicação mais versátil ao processo do cliente.

O serviço de beneficiamento abrange a extrusão de resinas plásticas, resultando em resina tingida, composto ou masterbatch. O cliente envia a resina e a Termocolor incorpora aditivos e produtos necessários para atender à cor e os requisitos técnicos desejados pelo cliente.

Os colormatches são pigmentos diluídos em matriz não polimérica de alta versatilidade e podem ser aplicados em diversos tipos de polímeros. Possuem alta concentração de pigmentos, proporcionando aplicações que variam de 0,5 a 1%, menores que o masterbatch. São utilizados em segmentos de PVC e rotomoldagem. Essa mistura de pigmentos e aditivos em pó não conta com adição de resina termoplástica.

Fundada em 1984, em Diadema/SP, a Termocolor se consolidou como uma das principais especialistas em cor e propriedades de produtos plásticos. Atua nos mais diversificados mercados como construção civil, linha branca, UD, moveleira, embalagens, caixaria, higiene pessoal e cosméticos.

Fonte: Interplast

Curta nossa página no

Karina lança compostos para diferentes aplicações durante a Interplast 2018

13/07/2018

A Interplast será palco de lançamento de produtos da Karina para atender a diferentes aplicações. A empresa lançará o Karinprene®TR, um elastômero termoplástico produzido com base de copolímeros em blocos de SBS, destinado ao segmento de calçados. Além disso, o Karinprene®TPE, elastômero termoplástico de materiais de engenharia para peças injetadas e extrusadas, também será lançado durante a feira. Por último, será apresentado o Karintox®Eco, um composto de polietileno “ECO” (Fonte Renovável), fabricado com polietilenos de origem renovável, derivado da cana de açúcar.

A Karina é especialista na produção de compostos termoplásticos e atua no segmento há mais de 38 anos. Segundo a empresa, seus produtos e infraestrutura estão em conformidade com normas e legislações nacionais e internacionais que regem a produção de Compostos de PVC, Especialidades Poliolefínicas, Borracha Termoplástica e Masterbatch.

A linha de produtos abrange Compostos de PVC, Especialidades Poliolefínicas, Masterbatch, Karintox® (LSZH), Karinpex® (HEPR), Karinpex® (XLPE), Roto – K® (Rotomoldagem), Karinprene® TR e Karinprene®TPE.

Fonte: Messe Brasil

Curta nossa página no

Evonik planeja linha adicional para a fabricação de compostos de PMMA nos EUA

16/01/2018

  • A expansão praticamente dobrará a capacidade de produzir compostos especiais para moldagem em Osceola, Arkansas (EUA)
  • A construção da nova linha para compostos começará no início de 2018, com conclusão e início das atividades previstos para o primeiro trimestre de 2019
  • A expansão da capacidade para compostos fortalece as redes de produção totalmente integradas de MMA/PMMA.

Neste começo de 2018, a Evonik dá início à construção de uma linha adicional para a produção de compostos de sua marca de PMMA Acrylite® no site de Osceola, Arkansas (EUA). A expansão deverá praticamente dobrar a capacidade de produção dos compostos especiais para moldagem da linha de negócios Methacrylates produzidos no local. A nova linha de compostos deverá ser concluída e inaugurada no primeiro trimestre de 2019.

“Essa expansão da capacidade para compósitos em Osceola é a próxima etapa lógica da Evonik no processo de implementar a sua estratégia global”, explica Siamak Djafarian, responsável pela linha de produtos Molding Compounds no segmento Performance Materials da Evonik. “Nós somos o único fabricante de PMMA do mundo a possuir redes de produção de MMA/PMMA totalmente integradas, com produção downstream dos compostos nas regiões das Américas, Europa e Ásia”, acrescenta Djafarian. A Evonik agora pretende ampliar esse ponto forte para poder oferecer compostos especiais para moldagem produzidos localmente em cada uma das três regiões.

“A expansão é uma resposta à crescente demanda pelo Acrylite®”, acrescenta Jack Chenault, responsável pelo segmento Performance Materials na região Americas da Evonik. “A demanda está em alta nos EUA e nos mercados em crescimento do México e da América do Sul, sobretudo para aplicação nos setores da construção, iluminação e automotivo, que requerem um sofisticado nível de qualidade”.

Segundo a Evonik, os seus compostos para moldagem Acrylite® apresentam desempenho convincente em todas as aplicações cujos requisitos primordiais são resistência à intempérie, solidez de cor, alto brilho e transparência, bem como dureza e resistência à abrasão. Em cooperação com especialistas da indústria do plástico e seus fornecedores, a linha de produtos Molding Compounds da Evonik desenvolve novos produtos Acrylite® para aplicações inovadoras.

A Evonik é fabricante mundial de produtos de PMMA comercializados sob a marca Plexiglas® e Pleximid® na Europa, na Ásia, na África e na Austrália, e sob a marca Acrylite® e Acrimyd nas Américas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Evonik

Curta nossa página no

Ube inaugura unidade de produção de compostos de poliamida na Espanha

25/10/2017

A multinacional Ube (www.ube.ind.br), com sede no Japão, inaugurou uma unidade de produção de compostos de poliamidas em Castellón, Espanha, que garantirá um aumento de 40 mil toneladas/ano em sua produção atual, totalizando uma capacidade de 70 mil toneladas. “Esta é uma reação natural ao crescimento da demanda de nylon em diversas aplicações. Ela também garantirá uma maior aproximação da UBE com clientes da Europa e área do Atlântico”, explica Javier Miguel, Presidente da UBE América Latina.

Os compostos produzidos na nova unidade destinam-se a diversas aplicações, dentre elas peças automotivas, filmes para alimentos, garrafas e embalagens sopradas. A nova planta Olive K, como é chamada, usará uma tecnologia própria e exclusiva para produzir diversos copolímeros e nylons de alta e baixa viscosidade. Estes materiais são usados em aplicações técnicas, nos setores automotivo e de embalagens para alimentos, e na produção de monofilamentos, redes de pesca, componentes técnicos, materiais específicos para aplicações em veículos elétricos e soluções para tanques de hidrogênio e propelentes de gás natural condensado.

“Outro diferencial é que o centro de Pesquisa & Desenvolvimento, localizado ao lado da nova unidade, oferece um time de profissionais qualificado e dedicado à assistência técnica dos clientes, bem como serviços de inovação que contribuem para o desenvolvimento de novas oportunidades de negócios para os clientes”, completa Javier.

A cerimônia de inauguração da planta Olive K aconteceu no dia 05 de Outubro, na Prefeitura de Castellón, e contou com a presença de autoridades, agentes, fornecedores e colaboradores locais, além do Presidente da UBE Corporation Europe, Bruno De Bievre.

Sobre a Ube: Fundada na cidade de Ube, província de Yamaguchi, no Japão, em 1897, a UBE mantém 11 mil colaboradores em todo o mundo e registrou um faturamento de US$ 5,2 bilhões no ano fiscal de 2016, encerrado em Março de 2017. O portfólio global de produtos da empresa divide-se em: químicos 42%; cimento e materiais de construção 37%; máquinas 11%; meio ambiente e energia 9%; e farmacêuticos 1%.

Ao todo são três plantas de nylon – Japão, Tailândia e Espanha – que abastecem o mercado global. Cada planta possui o seu próprio centro de Pesquisa & Desenvolvimento. No Brasil a operação da UBE existe desde 2010 e as vendas de Plásticos de Engenharia representam 25% da produção de Castellón – Espanha. O escritório brasileiro atende a toda América Latina, com ênfase a Brasil, Argentina, Chile, Peru, Colômbia e Equador.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Ube

Curta nossa página no