Archive for the ‘Compósitos’ Category

Tanques de PRFV para água potável são os destaques da Tecniplas na Fispal

20/06/2019

Tanques da Tecniplas instalados em fábrica de gêneros alimentícios

A Tecniplas participa mais uma vez da Fispal Tecnologia, importante feira do setor de alimentos e bebidas da América Latina – de 25 a 28/06, no São Paulo Expo. Especializada na fabricação de tanques e equipamentos especiais de compósitos em PRFV (Plástico Reforçado com Fibra de Vidro), a empresa destacará no evento a adequação dos seus reservatórios à Portaria de Consolidação nº 05, de 28/09/2017, Anexo XX (Laudo de Inocuidade). A regulamentação dispõe sobre a inocuidade dos materiais que ficam em contato com água potável.

“A Tecniplas possui Laudo de Inocuidade das resinas utilizadas na fabricação dos tanques de PRFV, conforme exige a Portaria. Isso nos habilita a fornecer reservatórios usados para a armazenagem não só de água potável, mas de qualquer tipo de insumo consumido pela indústria de alimentos e bebidas”, explica Luís Gustavo Rossi, diretor da Tecniplas.

Além de ser atóxico e inócuo, ele salienta, o PRFV é mais competitivo do que o aço inox normalmente empregado na fabricação dos tanques para a armazenagem de matérias-primas do setor alimentício.

“Com as mesmas dimensões e características técnicas, os tanques de plástico reforçado podem custar até 35% menos do que os de aço inox. Sem contar que são monolíticos, ou seja, moldados em uma única peça. Isso significa que não existem pontos de solda, áreas normalmente sujeitas a vazamentos”, detalha.

Em comparação com tanques de aço vitrificado, que são compostos por centenas de painéis parafusados e revestidos de borracha, a comparação é ainda mais favorável para o PRFV, afirma Rossi. “Só precisamos homologar a superfície interna ou liner do tanque para o contato com a água. No aço vitrificado, é necessário o aval para todos os componentes que dão forma ao reservatório, o que implica em sensível aumento do custo”, complementa o diretor da Tecniplas.

Fundada em 1976, a Tecniplas mantém uma fábrica de 32 mil m² em Cabreúva, no interior de São Paulo. Seus produtos são consumidos pelas indústrias de álcool e açúcar, papel e celulose, cloro-soda, química e petroquímica, fertilizantes, alimentos e bebidas e saneamento básico.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tecniplas

Curta nossa página no

Anúncios

Uso de adesivos estruturais é tendência para desenvolver veículos mais leves

20/06/2019

 

Montadora: adesivação estrutural ajuda a reduzir o peso dos veículos

Junção com adesivos reduz o custo e aumenta a produtividade das montadoras

Carros mais eficientes, que consumam – e poluam – menos. Esse é o desejo de todas as montadoras. Além de investir em motores mais econômicos, as fabricantes têm dado preferência a materiais leves, a exemplo de compósitos de plásticos com fibras de vidro e carbono. No entanto, para unir para-choques e tetos de compósitos ao restante da carroceria, não é possível usar solda convencional e tampouco faz sentido recorrer a pesados parafusos ou rebites. Recorre-se então à união das peças com adesivos estruturais, através da solda ou união química.

“Os adesivos estruturais são facilmente adaptáveis aos processos de produção das montadoras, atendendo a requisitos como agilidade na aplicação e cura sob temperatura ambiente. Também ajudam a reduzir o peso dos veículos, distribuem de maneira mais uniforme as tensões e aprimoram os aspectos estéticos das peças unidas”, afirma Gabriel Matos, assistente técnico de vendas da Lord.

Outra vantagem fica por conta do fato dos adesivos unirem materiais de composição química totalmente distinta como, por exemplo, compósitos e reforços metálicos. A adesão estrutural, portanto, amplia o leque de possibilidades de combinação de materiais e, com isso, garante mais liberdade de design aos projetistas, além de reduzir etapas de processo e possibilitar o desenvolvimento de componentes mais leves.

De forma geral, os adesivos cumprem três funções em um automóvel: adesão, vedação e fixação. A adesão está relacionada com a união de componentes estruturais à carroceria, tais como um front-end. A fixação baseia-se na junção de elementos cilíndricos, como no caso de uma engrenagem ao eixo, e a vedação tem como objetivo impedir a passagem de gases ou líquidos entre as superfícies, como acontece no cárter do motor.

Há muito espaço para a evolução dos adesivos estruturais no segmento de veículos leves. “A substituição de pontos de solda nas carrocerias é um exemplo. Adesivos de elevada resistência mecânica permitem que a montadora elimine a solda MIG do seu processo, o que significa redução de custo, aumento de produtividade e diminuição do retrabalho que a soldagem normalmente exige quando é feita em chapas finas, mais sujeitas a marcações e distorções”, completa Matos.

Com matriz em Cary (EUA), a a subsidiária local da norte-americana Lord Corporation atua no Brasil desde 1972 – mantém uma unidade produtiva em Jundiaí (SP). Fundada em 1924, é uma companhia especializada no desenvolvimento de adesivos e revestimentos, bem como sistemas de controle de vibração e tecnologias de sensoriamento para os mercados automotivo, aeroespacial e defesa, óleo/gás e industrial. A companhia emprega cerca de 3 mil funcionários em 26 países e opera 19 fábricas e 10 centros de P&D em todo o mundo.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Lord

Curta nossa página no

Caxias do Sul tem projeto para construção de planta para fabricação de grafeno

27/05/2019

Matéria reproduzida do Pioneiro (Por Babiana Mugnol)

Com produção em larga escala, intenção é baratear custo da matéria-prima super resistente, leve e flexível

Um projeto que está sendo desenvolvido pela Universidade de Caxias do Sul (UCS) pode transformar a Serra em uma mina de ouro, ou melhor, de grafeno, por conta da produção de uma matéria-prima que hoje custa, em média, US$ 100 o grama. Para se ter ideia, é duas vezes e meia mais do que custa o grama de ouro, por exemplo.

Pesquisadores da UCS vão anunciar oficialmente, nesta segunda-feira (27) durante reunião-almoço da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC), os planos para a produção em escala industrial do grafeno. Há projeto para construção de uma planta dentro do parque de ciência e tecnologia da universidade. O professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Processos e Tecnologias, Diego Piazza, atua nesta pesquisa e espera baixar para um quarto o preço atualmente praticado no mercado deste material super resistente, leve e flexível. Para se ter uma ideia, 20 gramas de grafeno cabem dentro de um potinho de vidro de café.

Para a construção desta planta industrial, a UCS vai buscar apoio de investidores interessados na aplicação da matéria-prima em novos produtos. Já conta também com parcerias para a troca de conhecimentos, como a cooperação com a Universidade Mackenzie, de São Paulo, para capacitação de pessoas e projetos de pesquisa avançada.

A transformação dos resultados destas pesquisas da UCS sobre o grafeno, em soluções para o mercado, já avança para a instância de providências práticas. Já foi assinado um termo de cooperação com a 2D Materials, empresa com sede em Singapura que detém expertise na produção do material, e com a empresa Marcopolo, para permitir a contratação e o desenvolvimento de pesquisas, projetos e serviços técnicos e tecnológicos em materiais avançados. O acordo tem validade de cinco anos.

Diego adianta que uma das aplicações que vem sendo estudadas é no uso de tintas de maior resistência a base do material grafeno, por exemplo.

Grafeno

O grafeno é uma matéria-prima a base de carbono, da grossura de um átomo, altamente flexível e condutora de eletricidade e calor. Sua resistência é 200 vezes superior à do aço. É um material praticamente transparente e impermeável. Apenas para exemplificar, três milhões de camadas de grafeno têm menos de um milímetro de espessura, o que torna o elemento excelente na construção de equipamentos eletrônicos. O novo material é comparado ao silício por acelerar ainda mais a corrida para eletrônica do futuro.

Fonte: O Pioneiro / Foto: Claudia Velho (Divulgação)

Curta nossa página no

Tecniplas exporta tanques de PRFV para a Argentina

21/05/2019

A caminho: tanques foram produzidos em peças únicas, a despeito das suas dimensões

Reservatórios serão instalados na planta de celulose da Arauco

A Tecniplas, referência brasileira em tanques e equipamentos especiais Plástico Reforçado com Fibras de Vidro (PRFV), acaba de despachar dois reservatórios para a Argentina. Os tanques serão instalados na fábrica de celulose que a Arauco opera na cidade de Puerto Esperanza, na Província de Misiones.

Com 13,5 m de altura e 4,5 m de diâmetro, o tanque de maior dimensão foi projetado para armazenar até 200 m³ de dióxido de cloro – pressão de -8″ WG (vácuo). “Um dos seus diferenciais é o fato de dispor de isolamento térmico garantido por chapas de poliuretano”, detalha Luís Gustavo Rossi, diretor da Tecniplas.

Já o segundo reservatório – de 11,3 m de altura, 4 m de diâmetro e 135 m³ de capacidade – será utilizado no armazenamento de cloro, solução de clorato e hipoclorito de sódio a uma temperatura de 80 ºC e sob pressão atmosférica. “Seu projeto construtivo contempla uma inclinação interna de 2%, o que possibilita o esgotamento rápido e seguro do tanque”.

Ambos foram produzidos em peça única, a despeito das dimensões, e contam com uma série de bocais e acessórios, o que tornou ainda mais complexa a fabricação. Fornecidos com data books e memórias de cálculo estrutural, os reservatórios fabricados pela Tecniplas estão aptos a resistir a cargas de vento de até 45 m/s (162 km/h), conforme a ABNT NBR 6123.

Durante a fabricação dos tanques, lembra Rossi, a Arauco fez uma série de inspeções na fábrica da Tecniplas em Cabreúva, no interior de São Paulo. “Nosso processo fabril e sistema de qualidade foram aprovados sem ressalvas pela Arauco, que nos homologou como fornecedora estratégica das plantas situadas na Argentina e no Chile”. De capital chileno, a empresa tem equipamentos da Tecniplas operando ininterruptamente desde a década de 1990.

Em 2018, as exportações responderam por 22% do faturamento da Tecniplas. Para este ano, Rossi acredita que a fatia tende a ser ainda maior, em função dos grandes projetos que estão para acontecer na América Latina. “Daí levando em conta não só o setor de celulose e papel, mas também de mineração e químico”, completa.

Fundada em 1976, a Tecniplas é uma fabricante brasileira de tanques e equipamentos especiais de compósitos em PRFV (plástico reforçado com fibras de vidro). Situada em Cabreúva (SP), onde mantém uma fábrica de 32 mil m², a Tecniplas atende os setores de álcool e açúcar, papel e celulose, cloro-soda, química e petroquímica, fertilizantes, alimentos e bebidas e saneamento básico.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tecniplas

Curta nossa página no

Faturamento do setor de Compósitos deve crescer pelo terceiro ano consecutivo

20/05/2019


Postes e cruzetas: compósitos têm crescido como materiais substitutos do concreto e madeira

Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (ALMACO) prevê um salto de 5,5% no faturamento de 2019, totalizando R$ 2,797 bilhões.

Em 2019, o setor brasileiro de compósitos deve emplacar o terceiro ano consecutivo de crescimento, com um faturamento estimado de R$ 2,797 bilhões – alta de 5,5% em comparação ao resultado do período anterior. Esse é o principal dado do mais recente monitoramento feito pela Maxiquim, consultoria contratada pela Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (Almaco).

“Notamos uma tendência de alta na maioria dos segmentos consumidores do material, com destaque para a indústria automotiva, representada pelas montadoras de veículos pesados e agrícolas, e de energia, na qual ocorre uma intensa substituição da madeira e concreto usados em cruzetas e postes pelos compósitos, devido ao seu baixo peso e resistência à corrosão”, resume Erika Bernardino Aprá, presidente da Almaco.

Em contrapartida, o mercado de construção segue andando de lado, muito em função da dificuldade de obtenção de crédito imobiliário. “Já os investimentos em infraestrutura dependem de projetos governamentais, que permanecem escassos. Isso impacta diretamente nas vendas, por exemplo, de tubulações de compósitos”.

Com uma fatia de 35% do consumo local de compósitos de poliéster, a construção civil aparece à frente de transporte (30%), corrosão/saneamento (19%) e náutico (3%), entre outros. Já a geração de energia eólica responde por 90% da demanda por compósitos de epóxi. O setor de petróleo fica em segundo lugar, com 5%.

De acordo com o levantamento da Maxiquim, em 2019 serão consumidas 210 mil toneladas de compósitos, volume 4,5% superior ao anotado em 2018. A geração de emprego, por sua vez, deve crescer 3,7%, totalizando 65 mil vagas.

“Caso se confirmem essas previsões, será o nosso terceiro ano seguido de balanço positivo. Então, em dezembro, poderemos dizer que, enfim, a curva de crescimento se inverteu definitivamente. Agora, cabe ao governo colaborar com a indústria e fazer as reformas necessárias para que o Brasil volte a ser um ambiente favorável aos investimentos privados”, conclui a presidente da Almaco.

Fundada em 1981, a Almaco tem como missão representar, promover e fortalecer o desenvolvimento sustentável do mercado de compósitos. Com administração central no Brasil e sedes regionais no Chile, Argentina e Colômbia, a Almaco tem cerca de 400 associados (empresas, entidades e estudantes) e mantém, em conjunto com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), o Centro de Tecnologia em Compósitos (CETECOM), o maior do gênero na América Latina.

Resultantes da combinação entre polímeros e reforços – por exemplo, fibras de vidro –, os compósitos são conhecidos pelos elevados índices de resistência mecânica e química, associados à liberdade de design. Há mais de 50 mil aplicações catalogadas em todo o mundo, de caixas d’água, tubos e pás eólicas a peças de barcos, ônibus, trens e aviões.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Almaco

Curta nossa página no

Ineos Styrolution planeja nova fábrica para produção do compósito Stylight

13/05/2019

  • StyLight® é a linha de produtos termoplásticos estéticos da Ineos Styrolution
  • Demanda das indústrias automotiva, eletrônica e de esportes é decisiva para o investimento na nova planta de produção

A Ineos Styrolution, líder global em estireno, anunciou em 22 de abril passado que planeja construir uma nova planta para o compósito StyLight®. O estabelecimento da nova linha de produção reflete o crescente aumento da demanda dos clientes, afirma a Ineos Styrolution.

Desde seu lançamento durante a feira K 2016, em Düsseldorf, o StyLight tem recebido a atenção de designers das indústrias automotiva, eletrônica e esportiva de todo o mundo. Segundo o fabricante, o compósito baseado em estireno acrilonitrilo (SAN) e fibra de carbono/vidro, fabricado por compressão, oferece uma combinação que une rigidez estrutural, estética, processabilidade, estabilidade dimensional e qualidade de superfície próxima da “Classe A”. O portfólio da linha foi recentemente expandido para incluir o StyLight baseado em polipropileno (PP).

As parcerias iniciais de desenvolvimento com os institutos alemães de pesquisa NMF (Neue Materialien Fürth GmbH) e NMB (Neue Materialien Bayreuth GmbH) foram fundamentais para otimizar as propriedades e o processamento do produto. Outras parcerias, com as empresas Roctool e, mais recentemente, com a ARRK Shapers levaram à validação do StyLight, cumprindo com as especificações para os interiores dos veículos dos principais fabricantes de automóveis.

Apesar de a Ineos Styrolution priorizar uma locação na Alemanha, o local específico para a nova planta de produção ainda está para ser definido. A nova fábrica está planejada para iniciar o funcionamento em 2022.

“Desde a introdução do StyLight, nós dedicamos recursos significativos para otimizar a qualidade do material e os parâmetros de processamento do produto. Tendo seguido o desenvolvimento de StyLight desde o início, estou entusiasmado para ver a reação dos clientes e estou ansioso por este próximo passo “, explica Pierre Juan, Vice-presidente de Negócios Futuros e Inovação.

“A decisão de construir uma linha de produção para o StyLight é parte de um programa maior de investimentos da Ineos Styrolution “, acrescenta Kevin McQuade, CEO da companhia. “Atividades recentes como a aquisição de novos ativos de poliestireno na China, a construção de um nova planta de ASA com 100.000 toneladas em Bayport, Texas, e o desenvolvimento de uma nova linha de produção de ABS de 50.000 toneladas em Wingles, na França, demonstra nosso compromisso contínuo como os principais fornecedores globais de estirênicos. Este investimento é, no entanto, grandioso, pois produzirá um novo tipo de material inventado pela Ineos Styrolution e oferece aos nossos clientes uma alta performance e soluções práticas”.

A Ineos Styrolution atua no fornecimento de estirênicos, com foco em monômero de estireno, poliestireno, ABS Standard e especialidades de estireno. Com plantas de produção contando com mais de 85 anos de experiência, a Ineos Styrolution fornece aplicações em estireno para muitos produtos do dia-a-dia em um vasto leque de indústrias, que incluem automotiva, eletrônica, linha branca, construção, médica, brinquedos/esportiva/de lazer e de embalagens. Em 2018, as vendas foram de 5,4 bilhões de euros. A Ineos Styrolution emprega aproximadamente 3.500 colaboradores e opera 20 plantas em dez países.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Ineos Styrolution

Curta nossa página no

Organizadores da Feiplar Composites & Feipur divulgam balanço do evento; Feira recebeu mais de 14.900 visitantes

10/12/2018

Entre os dias 6 e 8 de novembro de 2018, foi realizada a décima edição da Feiplar Composites & Feipur – Feira e Congresso Internacionais de Composites, Poliuretano e Plásticos de Engenharia, no Expo Center Norte, em São Paulo, SP, Brasil. Esta edição recebeu mais de 14.900 visitantes, um número 17 % superior ao evento de 2016, e ainda registrou outros importantes resultados como:

  • O aumento de 15% na quantidade de empresas que visitaram o evento
  • Crescimento de 34% no total de profissionais da América do Sul (excluindo o Brasil)
  • Recorde de participação de empresas fabricantes de peças: 51 empresas expuseram suas peças como Agrale, Annycasty, ASW, Bakof, Batevento, Capoliuretanos, Carbon Store, Carbox, Coart, Cogumelo, Cris-Metal, Engecom, Engiprinters, Fastplas, Fibrasmil, Gede Compósitos, Hogase Espuma, Estilglass, Fadim, Holos, Horus Aeronaves, IsoCompósitos, JE Fiber, Kohlenia, Luxtel, Mantoflex, Mantova, Mmolde, Nova Poliuretanos, Piatex, Plaquitex, Plasbortech, Polispuma, Projeto Júpter, R9 Postes e Cruzetas, Real Poliformas, Retaprene, SAC Composites, Speed Kids, Stratus, Stringal, Sunrise, Tanquetec, Technocoats, Themo-Iso, UCS, Unesp, Unicamp, Unifibra, UPR e VCI Composites. Foram apresentados, no total, 190 produtos acabados.

“Para os expositores, o público visitante foi extremamente qualificado e interessado em novos projetos”, explicou Simone Martins Souza, diretora do Grupo ArtSim, responsável pela organização do evento. “Os fabricantes de peças que expuseram no evento informaram que os resultados com contatos potenciais foi muito acima da expectativa. Até esta edição, viam a feira como um evento para se visitar, mas agora estão considerando como um evento para negócios.”

A exposição contou com mais de 280 empresas que apresentaram seus produtos e tecnologias, sendo 18% de outros países (total de 50 empresas), liderados por China e Estados Unidos, além da Argentina, Itália, Áustria, Suécia, Alemanha, Austrália, Dinamarca, Portugal, República Tcheca, Chile, Bangladesh e Inglaterra.

Paralelamente, cerca de 100 palestras técnicas ministradas no Congresso SAMPE Brasil, Congressos Internacionais e Painéis Setoriais reuniram um público de 2.640 profissionais. A sexta edição do Congresso SAMPE Brasil (Sociedade para o Avanço de Materiais e Engenharia de Processos) contou com apresentações de importantes nomes da indústria e especialistas de materiais como Scott Tolson (Sigmatex), Kim Gingras (Solvay), Magalena Sandstrom (Diab Group), Carsten Schuett (Evonik), Joe Spangler (Teijin), Benjamin Benz (Olin Corporation) e Jose Maria Fernandes Marlet (Alltec Composites). Empresas e entidades como a Alpatechno, ICL, Cannon, Arkema, Covestro, COIM, Almaco, Fadim, IPT, Texiglass, Instituto Federal da Bahia, Tetra Pak, Sabic, Universidade Federal do ABC, Mercedes-Benz Brasil e Universidade do Sagrado Coração mostraram suas novas tecnologias e soluções no Congresso Internacional de Poliuretano, Congresso Internacional de Composites, e Congresso Internacional de Plásticos de Engenharia & Compostos Termoplásticos.

Para complementar o conteúdo técnico, foram realizados os Painéis Setoriais (seminários), que abordaram diversos mercados como Náutico, Isolamento Térmico, Saneamento Básico, Petróleo & Gás, Automotivo, Construção Civil, Mineração, Energia Eólica, Aeroespacial e Espumas Flexíveis, com a participação de empresas e instituições nacionais e internacionais: Abcol, Abeeolica, ABNT, Abratufi, Abrava, Acobar, Agrale, Alan Harper/AH Brasil, Assintecal, BASF, Brana, Chemours, Comissão Setorial de Poliuretanos da Abiquim, Covestro, CPIC, Dow, Embraer, Evonik, Green Composites, Hennecke, Honeywell, Huntsman, Ibcom, IPT, Jushi, Lantor, Lanxess, Lubrizol, M.Cassab, Makerbot, Owens Corning, PNUD-Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Purcom, R&D, Sabesp, Saertex, Secretaria de Energia e Mineração do Estado de São Paulo, Sika, Solvay, Stacplastic, Teijin, Texiglass, Toray/Tencate, UBE e Univar.

Ainda foram realizados outros eventos simultâneos como:

  • Compósitos: Tecnologia, inovações e tendências (treinamento Almaco)
  • Tecnologias de ensaios não-destrutivos – NDT – para materiais e estruturas em composites e Avanços na tecnologia out-of-autoclave: materiais, metodologia de processamento e aplicações (cursos SAMPE EUA)
  • Durabilidade dos Compósitos: Modos de falha, Aspectos fundamentais na produçãode postes em compósitos e Inovações tecnológicas no Projeto e produção de tubos e tanques em compósitos (Fórum Ibcom)
  • Aquecimento por radiação infravermelho: noções e aplicações (demonstração técnica da Heraeus Noblelight)
  • Fabricação de postes em PRFV pelo processo de filament winding (demonstração técnica da Fibermaq)
  • Tecnologia Ontec – máquina de telas para reforço de compósitos e Tecnologia GFM-Máquinas para fabricação de filamentos e mantas de fibra de vidro (demonstrações técnicas da Rivitex).

Durante a Feiplar Composites & Feipur 2018 também foi realizada a quinta edição do Desafio Acadêmico em Composites SAMPE, que teve o objetivo de introduzir o tema “perfil em material composites” no meio acadêmico e contou com a inscrição de 51 projetos universitários (recorde mundial). Deste total, 35 foram classificados e 33 participaram das sessões de apresentação de vídeo e ensaios. O vencedor geral do V Desafio Acadêmico SAMPE Brasil foi o Centro Universitário da FEI (vencedor nas categorias A e C). A Unicamp – Universidade Estadual de Campinas venceu na categoria B e o Instituto Mauá de Tecnologia, na Categoria D.

A VI Fiberglass, como tem feito nas últimas edições do evento, organizou um momento especial para os seus clientes e visitantes, através de uma interessante e divertida apresentação do humorista Saulo Laranjeira, que interpreta, entre outros personagens, o Deputado João Plenário (A Praça É Nossa).

A Cerimônia do Prêmio Excelência, que neste ano reuniu mais uma vez os setores de composites, poliuretano e plásticos de engenharia num único evento, no dia 6 de novembro, com um público superior a 170 pessoas, mostrou os grandes nomes do mercado de plásticos de performance diferenciada, seja no desenvolvimento de peças, no fornecimento de matérias-primas e equipamentos, ou na atuação individual dos profissionais. As empresas vencedoras na categoria Produtos Acabados foram Termofixo, Sasazaki, Mantova, Horus Aeronaves, Universidade Caxias do Sul, Dupont, Cogumelo, Plasbortech, M.Molde, Fadim, Unicamp e Real Poliformas. Na categoria Destaque de Fornecedor, a Owens Corning, BASF e Sabic foram premiadas como Fabricantes do Ano, e VI Fiberglass, Purcom e Piramidal, como Distribuidores do Ano. As Personalidades do Ano foram Rodrigo Braga (Owens Corning), Jan Krueder (Química Anastácio) e Thiago Vides (DuPont). A homenagem aos profissionais que se dedicam de forma contínua e destacada no mercado (categoria Conjunto da Obra) consagrou Edouard Zurstrassen (ex-Owens Corning), Hélio da Costa Jr. (Amino Química) e Fernando Moncorvo (Pepasa). O Hall da Fama recebeu novos e importantíssimos nomes: Horst Peterhans (Mastergel) e Luiz Claudio Saldanha (Covestro).

A Feiplar Composites & Feipur 2018 foi patrocinada pelas empresas MCassab, Huntsman, Texiglass, Transtécnica, VI Fiberglass, Chem-Trend, Abcol, MVP, Covestro, Purcom, Owens Corning, Saertex e BASF, e contou com o apoio técnico da Sampe Brasil, Comissão de Poliuretanos da Abiquim, Almaco e Ibcom.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Feiplar & Feipur

Curta nossa página no </

Chem-Trend apresentou novidades em diversos segmentos na Feiplar Composites & Feipur 2018

13/11/2018

A Chem-Trend, empresa do Grupo Freudenberg que atua no mercado de agentes desmoldantes, participou da edição 2018 da Feiplar Composites & Feipur apresentando novas linhas de produtos, com foco em sustentabilidade e desempenho para diversos segmentos de indústrias. E aproveitou a ocasião para lançar oficialmente seu mais recente Relatório de Sustentabilidade para seus parceiros e clientes.

Tecnologia em Compósitos

A Chem-Trend possui um sistema consolidado para o mercado de compósitos (limpadores, seladores, primers e desmoldantes). Entre os produtos que diminuem o tempo de preparação do molde, a linha Flex-Z®, fabricada localmente e composta por produtos com diferentes níveis de “slip” (alto, médio, baixo), é elaborada com solvente ambientalmente amigável.

Segundo a empresa, com o sistema “wipe on leave on”, é possível obter uma fácil aplicação, sem a necessidade de remover excessos, e ainda promover resultado com alto brilho e durabilidade para o ferramental retirando as imperfeições. A Chem Trend afirma que ele reduz o acúmulo de produto, fazendo com que o molde fique limpo por mais tempo, sendo indicado para moldagens de todos os tamanhos em processos abertos e fechados.

Fabricado no Brasil, o Chem-Trend® Flow Promoter possui função auxiliar, ou seja, não substitui o desmoldante, mas melhora o acabamento superficial de peças rotacionalmente moldadas devido à cobertura em áreas de difícil preenchimento e fluxo, rápida secagem e formação de filme protetor, garante a empresa.

Já a linha Zyvax®1070W, de agentes desmoldantes à base de água e não inflamável, é destinada para o segmento aeroespacial. Segundo a Chem-Trend, sua formulação reduz o tempo de aplicação e o aumento de calor. É livre de silicone, fazendo com que a limpeza das peças seja mais rápida e exija um menor esforço físico.

Tecnologia em Poliuretanos

Para o mercado de Poliuretanos (PU), a empresa desenvolveu várias novas linhas.

A série Chem-Trend® PU-21 é composta por produtos convencionais, com tecnologia híbrida e base aquosa, tendo como características o alto flash point e baixa emissão de VOCs – Compostos Orgânicos Voláteis -, elementos químicos potencialmente perigosos à saúde e ao meio ambiente. Essa linha é indicada para a aplicação de espuma flexível moldada de PU e, segundo a empresa, oferece benefícios como acabamento superficial de qualidade, poder de desmoldagem, baixo acúmulo na cavidade do molde e redução do nível de refugo e retrabalho, além de redução de riscos associados a flamabilidade e promoção de um abiente mais seguro.

Para solados e palmilhas em PU, foi desenvolvida uma linha especial à base de água, o Chem-Trend® PU-23W, que garante acabamento superficial, aplicação em uma ampla faixa de trabalho com diferentes temperaturas e durabilidade em processos que são submetidos à pintura posterior.

Para o segmento de pele integral (IMC e revestimento com couro) e indústria moveleira, a Chem-Trend também desenvolveu uma nova linha de produtos à base de água, o Chem-Trend® PU-25, que oferece itens compatíveis com diversos tipos de sistemas de poliuretano em uma ampla faixa de temperatura.

“Nossos clientes estão cada vez mais atentos às questões sustentáveis e acabam optando por parceiros que desenvolvem soluções mais amigáveis ao meio ambiente. Pensando nisso, a Chem-Trend reformulou seu portfólio de produtos, sem perder a qualidade já reconhecida pelo mercado”, comenta Patricia Ajeje, Diretora de Vendas da empresa no Brasil. “Os diversos desenvolvimentos só corroboram a ideia de que não fornecemos apenas especialidades químicas, e sim produtividade e qualidade de processo e produtos aos clientes. É a forma como adicionamos valor”, finaliza.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Chem-Trend

Curta nossa página no

CPA e Purcom lançam resina de poliuretano derivada de vegetais para compósitos na Feiplar

04/11/2018

QuickFloor: primeira aplicação de PUGreen®

Durante a a Feiplar Composites, que ocorre de 06 a 08/11, no Expo Center Norte, em São Paulo, as empresas CPA e Purcom estarão apresentando uma resina de poliuretano derivada de vegetais, o PUGreen®. Segundo os fabricantes, as características do material atendem às principais demandas do setor de compósitos, a exemplo de leveza, resistência, qualidade do acabamento e sustentabilidade.

Segundo Paulo Macaúbas, responsável pela área de desenvolvimento de novos negócios e produtos da CPA, a formulação do PUGreen® baseia-se numa blenda de diversos óleos vegetais. “É uma resina derivada de fontes renováveis, com conteúdo de 90% a 100% de sólidos e emissão zero de voláteis, o que a transforma num produto singular no Brasil quando o assunto é poliuretano vegetal. Assim, além de ser ambientalmente amigável e não poluir a atmosfera, o PUGreen® é inodoro, o que melhora a condição de trabalho do aplicador”, explica.

A empresa afirma que, em paralelo ao apelo ecológico, o PUGreen® oferece outros benefícios quando comparado às resinas usadas para moldar compósitos. Entre eles, o maior alongamento típico do poliuretano e os superiores índices de resistência à abrasão, somados ao bom balanço de propriedades de tração e impacto, garantem os fabricantes. “Outro diferencial é a diminuição de peso, que fica entre 6% e 12%, a depender do tipo de peça. Essa característica atende à crescente tendência da indústria de compósitos pela busca por leveza. Destaque também para o baixo pico exotérmico, que resulta em contração praticamente nula e, portanto, melhor acabamento superficial”, complementa Macaúbas.

União de competências

Em operação desde 2006 e especializada na fabricação de resinas vegetais para revestimentos de pisos industriais, a CPA vem investindo ao longo dos últimos anos no desenvolvimento de produtos para o mercado de compósitos, além de resinas, adesivos estruturais e selantes. Esse movimento resultou na criação do PUGreen® e na aliança com a Purcom, maior casa de sistemas independente da América Latina e que há mais de quinze anos abastece os moldadores de compósitos.

“Desenvolvemos polióis de fontes renováveis desde a nossa fundação, mas basicamente para a produção de espumas – e não de resinas. Agora, por meio da parceria com a CPA, incluímos em nosso portfólio resinas de PU vegetais para os mais diversos processos de transformação de compósitos. Em linhas gerais, o PUGreen® é um produto com tecnologia CPA e expertise Purcom”, observa Giuseppe Santachè, diretor comercial da empresa.

A Purcom será responsável pela fabricação da novidade, em conjunto com a CPA – a comercialização, por sua vez, ficará por conta exclusiva da casa de sistemas. No seu estande na Feiplar, assim como no da CPA, os visitantes poderão conferir amostras do QuickFloor, primeiro produto moldado com PUGreen®.

Desenvolvido pela G12 Innovation e produzido pela Compósitos AJB, o QuickFloor é um revestimento de piso modular e industrializado, aplicável em áreas molhadas das edificações, como banheiro, cozinha e lavanderia. Segundo a empresa, trata-se de uma solução prática, limpa e sustentável, que contribui com a impermeabilização da área, pois as placas fabricadas com PUGreen® são impermeáveis e moldadas em uma única peça. “Nosso próximo passo será atender ao mercado de transporte, com foco em ônibus e caminhões, além de um projeto na indústria naval”, avisa Santachè.

Serviço
Feiplar
Quando: 06-08/11
Onde: Expo Center Norte, São Paulo (SP)
CPA: estande E26
Purcom: estande A6

Fonte: Assessoria de Imprensa – CPA / Purcom

Curta nossa página no

Evonik apresenta portfolio para compósitos e poliuretanos durante Feiplar Composites & Feipur 2018

04/11/2018

Materiais compósitos e poliuretanos tem ampla aplicação na indústria automotiva

Com a participação de várias linhas de negócios, a Evonik apresentará o seu portfólio de matérias-primas para os segmentos de compósitos, poliuretanos e plásticos de engenharia.

A Evonik, uma das líderes mundiais em especialidades químicas, participará da Feiplar Composites & Feipur 2018 – Feira e Congresso Internacionais de Compósitos, Poliuretano e Plásticos de Engenharia, que ocorrerá entre os dias 6 e 8 de novembro, das 12 às 20 horas, no Expo Center Norte, em São Paulo.

Com um variado portffólio de produtos inovadores, a empresa apresentará materiais de núcleo para estruturas sanduíches, matrizes para resinas termoplásticas e termofixas, bem como componentes essenciais para matrizes, tais como reticuladores, catalisadores, modificadores de resistência ao impacto ou aditivos de processamento.

A linha de Poliuretanos da Evonik apresentará ainda um portfólio combinado após a aquisição da linha de aditivos de performance da Air Products, bem como os novos desenvolvimentos decorrentes da sinergia desta aquisição.

O objetivo é promover novos produtos e reforçar a posição da Evonik como uma das principais fornecedoras de soluções para as indústrias que atuam nos mercados de energia eólica, óleo e gás, automotivo, aeroespacial e esporte e lazer, entre outros que exigem cada vez mais soluções de alta tecnologia e customizadas para cada aplicação.

Alguns dos produtos da linha de Poliuretanos a serem exibidos durante a feira são:

  • Tegostab® B 84205 – silicone que propicia isolamento térmico e distribuição de densidade uniforme em sistemas que demandam fluidez, como geladeiras e painéis.
  • Tegostab® B 8491 – segundo a Evonik, este é um silicone de performance balanceada e alta estabilidade à degradação química em sistemas que demandam fluidez com bom acabamento estético.
  • Polycat® 203 – catalisador de gel que propicia estabilidade em sistemas e rápida reação inicial quando usado em sistemas de spray contendo HFO.
  • Polycat® 218 – catalisador de sopro não emissivo e com baixo odor para sistemas contendo agentes de expansão de baixo GDP.
  • Dabco® PM 301 – agente que melhora a eficiência dos agentes de expansão HFC e HFO, afirma a empresa.
  • Dabco® NE 1550 – catalisador de gel reativo de baixo odor. Segundo a Evonik, não causa manchas em policarbonatos. Não resulta em FOG.
  • Produtos da série Ortegol® LA – sequestradores de aldeídos para atender às normas de emissões.
  • Ortegol® PE 40 – estabilizante para sólidos/melamina em poliol, possibilita estabilizar misturas entre polióis incompatíveis.

Para materiais de núcleo e matrizes termoplásticas e termofixas, serão destaques:

  • Rohacell HERO – Espuma rígida de PMI (polimetacrilimida) utilizada como material de núcleo em estruturas de compósitos tipo sanduíche recentemente desenvolvida para o mercado aeroespacial.
  • Vestakeep – polímero de PEEK (Polieteretercetona) que pode ser utilizado como matriz termoplástica para as fibras em materiais compostos. Vestakeep é apropriado para a aplicação em fibras unidirecionais e tecidos feitos de fibras de carbono, vidro ou aramida.
  • Vestamid HTplus – polímero de poliamida de baixa viscosidade que proporciona boa impregnação de fibras em aplicações de compósitos. Com temperatura de transição vítrea (Tg) de 125 °C e uma janela de processo de 300 °C, esta é uma matriz termoplástica que, segundo a Evonik, suporta elevadas temperaturas e é apropriada para aplicações automotivas e aeroespaciais quando combinadas com fibras de carbono, vidro e aramida.
  • Vestalite – Formulações de resina epóxi e PU para soluções automotivas leves. Os produtos Vestalite® são soluções para compostos de alto desempenho, fabricados em materiais à base de epóxis e poliuretanos. Segundo a Evonik, permitem um processamento rápido, econômico e de alto desempenho, o que os torna adequados para aplicações em material composto no setor automotivo.
  • Nanopox – concentrado de nanosílica em resina epóxi. Os produtos da linha Nanopox são utilizados para substituir uma parte da resina epóxi em formulações existentes, tipicamente na gama de 20-30%. Podem ser combinados com as resinas epóxi comercialmente disponíveis e curada com os endurecedores tipicamente utilizados.
  • Albidur – concentrado de partículas de borracha de silicone em resinas reativas. Os diferentes tipos Albidur podem ser usados para melhorar a dureza de formulações termorrígidas, afirma a Evonik.
  • Albiflex: concentrados de copolímeros elastoméricos em resinas epóxi. Os produtos da linha Albiflex podem ser copolímeros de epóxi de silicone ou acrílicos terminados em poliuretanos, projetados para aumentar a flexibilidade de formulações de termorrígidos. Podem ser usados em revestimentos flexíveis (coatings) e selantes utilizados em aplicações elétricas/eletrônicas.

Sílicas e Silanos para os mercados de adesivos, selantes e compósitos:

  • Aerosil® R 202 e Aerosil® R 208 – sílicas pirogênicas pós-tratadas e altamente hidrofóbicas. A Evonik afirma que os materiais se destacam por conferir eficiência de espessamento, bom desempenho reológico e estabilidade à armazenagem em formulações epóxi, poliuretano e outros sistemas.
  • Aerosil® R 805, Aerosil® R 812 S e Aerosil® R 106 – sílicas pirogênicas pós-tratadas e hidrofóbicas, que, segundo a Evonik, se destacam por conferir alta transparência aos diversos sistemas.
  • Dynasylan® 1146 – um silano multifuncional que atua como promotor de adesão, baixo teor de VOC, manuseio fácil e seguro e baixo impacto ambiental. Segundo a Evonik, ele aumenta a hidrofobicidade do sistema, diminuindo a absorção de água durante o armazenamento.

Eventos simultâneos

Paralelamente à feira, a Evonik participará dos Painéis Setoriais e do VI Congresso SAMPE Brazil – Sociedade para o Avanço de Materiais e Engenharia de Processos. Confira as apresentações:

Painel Isolamento Térmico
Dia 6/11 – das 9h20 às 10h00
Tema: Soluções em aditivos para as novas tendências do mercado

Painel Calçadista
Dia 7/11 – das 9h20 às 10h00
Tema: Soluções em aditivos para o mercado de calçados.

Painel Automotivo
Dia 7/11 – das 11h40 às 12h20
Tema: Aditivos para cumprir com as mais restritas normas de emissões.

Painel Espumas Flexíveis
Dia 8/11 – das 10h20 às 11h00
Tema: Soluções para cumprir com as novas tendências do mercado

VI Congresso SAMPE Brazil 2018:
Dia 06/11 – 10h50
Qualificação de termoplásticos reforçados com fibra de carbono em tubulações de composites termoplásticos para aplicações de óleo e gás – Carsten Schuett, Evonik (Alemanha)

Fonte: Assessoria de Imprensa – Evonik

Curta nossa página no

Redelease destaca na Feiplar o início da produção local de desmoldantes semipermanentes

04/11/2018

Produtos são fabricados pela FCI, empresa resultante da joint venture com a inglesa Marbocote

Tradicional distribuidora de especialidades químicas, a brasileira Redelease firmou este ano uma joint venture com a inglesa Marbocote, referência global na fabricação de desmoldantes semipermanentes. O negócio deu origem à criação, em Barueri (SP), da Florence Chemical Industry (FCI), empresa que será apresentada formalmente ao mercado durante a Feiplar, principal feira do setor latino-americano de compósitos – de 06 a 08/11, no Expo Center Norte, em São Paulo (SP).

“A FCI nasce com uma capacidade instalada de 2 milhões de litros por ano de desmoldantes semipermanentes e a estrutura que construímos permite que esse volume seja duplicado rapidamente”, afirma Ana Clara Cordeiro, diretora de vendas da Redelease-Marbocote.

Parte da linha de desmoldantes semipermanentes à base d´água da Marbocote já está sendo produzida pela FCI. “Além do mercado de compósitos, teremos condições de atender os segmentos de borracha, pneumáticos, poliuretano e fricção”, ressalta Ana Clara.

De acordo com Rubens Cruz, sócio-diretor da Redelease, a fabricação local garantirá maior competitividade e rapidez ao negócio de desmoldantes da empresa. “Também teremos o suporte de um laboratório local, o que permitirá o desenvolvimento de produtos sob medida para determinados clientes”, comenta.

Sílicas, adesivos e resinas

Em paralelo à divulgação dos desmoldantes semipermanentes, a Redelease mostrará na Feiplar outras especialidades que fornece para os transformadores de compósitos, a exemplo de sílicas pirogênicas da Evonik, adesivos estruturais da LORD e resinas éster-vinílicas da Ashland.

“Distribuímos mais de mil produtos para esse segmento, que é responsável hoje em dia por cerca de 70% do nosso faturamento”, calcula Cruz.

Fundada em 1990, a Redelease mantém unidades próprias em Barueri (matriz), São Paulo, Campinas, Sorocaba e São José do Rio Preto, além de seis unidades licenciadas (Redecenter). Seu portfólio é formado por mais de mil itens, entre eles, resinas poliéster e éster-vinílicas (Ashland); fibras de vidro (Owens Corning); adesivos estruturais (LORD), desmoldantes semipermanentes (Redelease-Marbocote e Ycon), resinas fenólicas e peróxidos orgânicos (AkzoNobel) e tintas de alta performance (Lechler).

Situada na região de Manchester (Reino Unido), a Marbocote fabrica e distribui uma ampla gama de agentes desmoldantes semipermanentes de alta tecnologia. Seus principais consumidores são os segmentos de moldagem de compósitos e borracha.
Serviço
Feiplar
Quando: 06-08/11
Onde: Expo Center Norte, São Paulo (SP)
Redelease: estande A15

Fonte: Assessoria de Imprensa – Redelease

Curta nossa página no

Lord agenda o lançamento de dois adesivos na Feiplar

01/11/2018

  • À base de acrílico e poliuretano, produtos são ideais para a colagem de peças de compósitos
  • Consumidos principalmente por montadoras

Subsidiária local da norte-americana Lord Corporation, e especializada na fabricação de adesivos estruturais, a Lord participa mais uma vez da Feiplar, principal feira do setor latino-americano de compósito, que ocorre de 06 a 08 de agosto de Novembro, no Expo Center Norte, em São Paulo (SP).

Desta vez, a empresa programou para o evento o lançamento de dois produtos. O primeiro, denominado Lord 852/25GB, é um adesivo base acrílico indicado para a colagem tanto de compósitos como de metal. “É o produto do nosso portfólio que apresenta atualmente o melhor desempenho pois combina grande uniformidade de colagem e alta resistência em razão da coesão interna muito grande, com maior alongamento, que são características desejáveis em adesivos de alta performance”, explica Andrios de Souza, supervisor de vendas da Lord.

Em comparação às gerações anteriores de adesivos acrílicos da Lord, Souza afirma que a novidade garante uma performance até 15% superior em termos de resistência – o percentual pode variar conforme o tipo de colagem. “A despeito dessa melhora importante de desempenho, o preço permanece bastante competitivo”. Fabricado no Brasil, o Lord 852/25GB já está sendo usado por montadoras de ônibus e fabricantes de pás eólicas.

A outra novidade da Lord na Feiplar faz parte da categoria de adesivos conhecida como “PU Fast”, isto é, formulações à base de poliuretano caracterizadas pela cura rápida. Chamado de Lord Fusor 2001/2003 NG, o produto mantém o mesmo tempo de aplicação (open time) dos adesivos PU convencionais, mas reduz de 2h30 para 45 minutos o tempo de manuseio da peça (handling time). “Por conta dessa curva de cura bem mais rápida, o Lord Fusor 2001/2003 NG propicia um ganho de produtividade de 25%”, calcula o supervisor de vendas da Lord.

Tal característica, observa Souza, atende a uma das principais demandas das montadoras, alvo principal do lançamento da Lord. “É o produto ideal para a colagem de para-choques, tetos e painéis, entre outras peças de compósitos presentes em ônibus, caminhões e veículos agrícolas”.

Sob o ponto de vista da aplicação, o Lord Fusor 2001/2003 NG é similar aos demais adesivos à base de PU produzidos pela Lord. “Apresenta a mesma viscosidade da geração anterior. Assim, o usuário não precisa fazer qualquer alteração na sua linha para utilizar essa nova formulação”.

Novo Stark

Outra atração do estande da Lord será a apresentação do Stark, novo jipe da TAC Motors. Parceira da TAC desde 2008, quando teve início o projeto de desenvolvimento do veículo, a Lord fornece o adesivo Lord LA 034/19 para a colagem do capô do Stark.

“Em paralelo, existem outros projetos de ampliação do uso dos nossos adesivos nos modelos montados em Sobral pela TAC, sobretudo focados em melhorias de processo e redução de peso”, comenta Tiago Fruet, gerente de contas sênior da Lord.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Lord

Curta nossa página no

Maligan lança soft case para equipamentos médicos

28/08/2018

Referência na fabricação de malas e cases especiais, a Maligan acaba de lançar um soft case voltado ao acondicionamento e transporte de equipamentos médicos. Diferentemente dos produtos similares hoje encontrados no mercado, a novidade da Maligan conta com uma estrutura rígida de compósitos.

“Trata-se de um material que combina elevados índices de resistência mecânica e leveza, características ideais quando se procura um case”, afirma Marcelo Sartore, diretor da Maligan.

Outro diferencial do lançamento, segundo a empresa, é o corte a laser das espumas de polietileno expandido aplicadas no interior do produto. “São todas feitas sob medida para acondicionar de forma segura qualquer tipo de equipamento médico, a exemplo de endoscópios, pinças de laparoscopia, ultrassons e conjuntos urológicos”. A segurança é prioritária no transporte desses itens, cujos preços ultrapassam facilmente a casa dos R$ 100 mil.

Ainda internamente, o soft case da Maligan dispõe de acabamento em EVA e manta perfilada (“caixa de ovo”) de poliuretano. Por fora, couro ecológico e fechamento com zíper reforçado. “Além de médicos, instrumentadores e profissionais da área de saúde em geral, empresas especializadas na locação de equipamentos fazem parte do público-alvo do nosso soft case’”, conclui Sartore.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Maligan

Curta nossa página no

Tecniplas divulga soluções em tancagem para fabricantes de estações de tratamento durante a Fenasan

09/08/2018

Empresa é líder nacional em reservatórios de plástico reforçado com fibras de vidro

Consolidar sua posição de fornecedora de tanques e equipamentos especiais em PRFV (Plástico Reforçado com Fibras de Vidro) para os fabricantes de estações de tratamento de água e efluentes: esse é o objetivo da Tecniplas ao participar mais uma vez da Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente (Fenasan) – de 18 a 20/09, no Expo Center Norte, em São Paulo.

“Mostraremos o nosso portfólio completo de reservatórios e equipamentos, com destaque para os megatanques e os tanques monolíticos de grandes dimensões”, adianta Luís Gustavo Rossi, diretor da Tecniplas.

Os primeiros, com capacidade máxima de 4,5 mil m³, são ideais para o armazenamento de água ou efluente bruto, caso dos tanques de detenção. Já os reservatórios monolíticos – ou seja, produzidos em uma peça única – podem ter até 400 m³ de capacidade e reforços para a operação em áreas sujeitas a elevadas cargas de vento, condição bastante comum, por exemplo, na Região Sul do Brasil.

“Ambos podem ser fabricados com resinas próprias para o contato com água potável. Também ajustamos a translucidez desses polímeros para que a luz solar não contribua com a proliferação de algas”, detalha.

Outro objetivo da Tecniplas nessa edição da Fenasan é alertar o mercado sobre a importância do cumprimento das normas técnicas por parte dos fabricantes de tanques de PRFV. “Pretendemos mostrar um patamar de tecnologia e qualidade diferente do que, em regra, é utilizado atualmente. Isso porque a Tecniplas atua há mais de quarenta anos na fabricação de reservatórios e equipamentos que trabalham com produtos químicos altamente corrosivos, bem mais complexos do que água e esgoto”.

Rossi destaca ainda que, por processar um material nobre como o PRFV, ambientalmente amigável e resistente a vazamentos, a Tecniplas tem plenas condições de atender às exigências da nova Lei de Licitações, que moderniza a Lei 8.666/93 e dá mais liberdade aos entes públicos para optar pela especificação técnica correta, e não apenas pelo menor preço. “Todos os nossos tanques são fabricados de acordo com a norma ASME RTP-1. Isso oferece ainda mais tranquilidade às concessionárias de serviço de abastecimento de água e tratamento de esgoto”, completa.

Fundada em 1976, a Tecniplas mantém uma fábrica de 32 mil m² em Cabreúva, no interior de São Paulo. Seus produtos são consumidos pelas indústrias de álcool e açúcar, papel e celulose, cloro-soda, química e petroquímica, fertilizantes, alimentos e bebidas e saneamento básico.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tecniplas

Curta nossa página no

Nova Scott fornece matéria prima para fabricação de postes e cruzetas em compósitos

02/08/2018

Novas matérias-primas são lançadas para acompanhar crescimento do mercado

A Nova Scott (Serra, ES), uma joint venture entre a Scott Bader (Inglaterra) e a Andercol (Colômbia), participa do crescente mercado de postes e cruzetas em compósitos com fibra de vidro (também conhecido como PRFV-plástico reforçado com fibra de vidro) e disponibiliza novas matérias-primas para atender às necessidades técnicas deste setor. Nos últimos anos, o interesse das concessionárias de energia elétrica por estes produtos tem sido crescente. Embora o preço seja mais elevado em relação aos postes fabricados em concreto ou madeira, suas vantagens em custo-benefício têm grande destaque, afirma a empresa:

  • Peso muito abaixo de seus concorrentes (aproximadamente 8 a 10 vezes inferior aos postes em concreto e 3 a 4 vezes em relação aos postes em madeira)
  • Vida útil cerca de 5 vezes maior que a dos postes em madeira e duas vezes maior que dos postes em concreto
  • Elevada imunidade à corrosão
  • Isolamento elétrico superior
  • Baixa manutenção
  • Diversidade de tamanhos e formas
  • Facilidade de transporte (devido ao seu baixo peso e dependendo da área de deslocamento, apenas duas pessoas podem ser suficientes para carregar um poste em compósito, o que é uma grande vantagem em lugares de difícil acesso. Além disso, é possível realizar o transporte em veículos leves ou através de embarcações via reboque)
  • Melhor absorção de impacto (os postes em composites causam menor dano em caso de acidentes com veículos)
  • Aplicabilidade em diversos setores como transmissão, distribuição, iluminação, telecomunicação, etc.
  • Possibilidade de se produzir em diferentes cores a partir da utilização do gelcoat.

Para este mercado, a Nova Scott fornece atualmente a linha Gelic de gelcoats antichamas para aplicações mais exigentes, bem como gelcoats orto e iso com alta resistência UV, de acordo com as necessidades de seus clientes. Já a Novapol, empresa parceira do Grupo Andercol, disponibiliza a linha Cristalan 1847 e Cristalan 955 e 955/01 de resinas de alta elongação, adequados para a produção dos postes via filament winding (ou enrolamento filamentar) e cruzetas via pultrusão.

A NovaScott é uma joint venture entre a Scott Bader e a Andercol, criada para introduzir uma variedade de especialidades no mercado brasileiro de compósitos. A Nova Scott fornece para diferentes regiões do país e via exportação, tendo como clientes e parceiros O-tek, Pincol e ASW.

A Scott Bader foi fundada em 1921 e hoje é uma companhia química global com faturamento de US$300 milhões, com um quadro de 600 funcionários no âmbito mundial. É uma empresa comunitária, sem acionistas externos, e atua nos segmentos de gelcoats, adesivos e soluções para a indústria náutica. Seus produtos são usados pelos principais fabricantes de barcos, pás eólicas e veículos de transporte.

A Andercol é o negócio químico do Grupo Orbis, um grupo empresarial de US$1 bilhão de faturamento, atuante nas indústrias de tintas, químicos, tubulações e comércio, com atividades nas Américas e com sede em Medellin na Colômbia. Tem fábricas na América do Sul, incluindo a Novapol no município de Serra, ES, que atua no mercado de resinas de poliéster insaturado no Brasil.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Feiplar & Feipur

Curta nossa página no

Engcom lança tanque de transporte de vinhaça em compósitos durante a Fenasucro

02/08/2018

Especializada no desenvolvimento de projetos que envolvem o uso de materiais compósitos, a Engcom (Rio Claro, SP) escolheu a Fenasucro como plataforma de lançamento do seu tanque de transporte de vinhaça. Entre os dias 21-24/08, em Sertãozinho (SP), os profissionais do setor sucroalcooleiro conhecerão o tanque que promete tornar mais rápida, segura e eficiente a movimentação de vinhaça nas usinas.

O design limpo e moderno é um dos destaques do tanque desenvolvido – e patenteado – pela Engcom. Segundo a Engcom, seu formato de gota aumenta a estabilidade do transporte, pois o centro de gravidade é 235 mm mais baixo do que outros tanques do mercado. “Tal característica reduz consideravelmente os riscos de tombamento do veículo. Assim, as viagens podem ser feitas em tempo menor, evitando que a usina tenha que adquirir vários tanques para transportar a mesma quantidade de vinhaça”, explica Arnaldo Gatto, diretor da Engcom.

De acordo com a empresa, outra melhoria frente ao produto hoje disponível no mercado é o peso: o tanque da Engcom tem 500 kg a menos. “Isso se reflete diretamente no consumo de combustível e no desgaste dos pneus”. Com capacidade de 18 m³ até 36 m³, os tanques da Engcom podem ser acoplados a “cavalos” já utilizados pelas usinas para o transporte de vinhaça.

A Engcom afirma que, a despeito do peso menor, o tanque apresenta dimensionamento estrutural superior, ou seja, maior resistência mecânica. “Selecionamos matérias-primas de ponta, como tecidos multiaxiais, que melhoram a absorção dos esforços em diversas direções, e adesivos estruturais para a união de peças internas, que combinam maior robustez e redução de peso”, detalha. Por conta desse perfil, o tanque da Engcom está apto a transportar vinhaça concentrada, com densidade de 1,4 kg/m³, ultrapassando a capacidade de 1,05 kg/m³ do produto atualmente comercializado no Brasil.

Quanto aos aspectos comerciais do projeto, a Engcom irá licenciar empresas que têm capacidade técnica comprovada para a fabricação de equipamentos especiais de compósitos. “Uma vez licenciado, o transformador passará a usufruir de assistência técnica e, caso necessário, de consultoria da Engcom”. O primeiro a fechar negócio com a empresa chama-se UPR. Situado também em Rio Claro, está concluindo a fabricação do tanque que será exposto na Fenasucro.

A propósito da feira, Gatto trabalha com uma estimativa de negociar licenciamentos para a fabricação de, aproximadamente, 50 tanques de transporte de vinhaça. “Nossa expectativa é bem animadora, sobretudo porque o mercado de álcool e açúcar tem se mostrado bastante receptivo às características desse novo produto”, ele observa.

Além de lançar o tanque, a Engcom apresentará na Fenasucro os detalhes acerca do seu recém-inaugurado Centro de Desenvolvimento Tecnológico (CDTec). Trata-se de uma estrutura apoiada por softwares de modelagem, cálculos e ensaios que a empresa colocou à disposição dos transformadores de compósitos. “Começa como uma consultoria para terceiros. Uma vez que haja alguma interface com os objetivos da Engcom, podemos nos tornar parceiros dos projetos apresentados por meio da execução de memória de cálculo e protótipos, por exemplo”, conclui.

Fundada em 2014 na cidade de Rio Claro (SP), a Engcom é uma empresa especializada no desenvolvimento, avaliação, inspeção e gestão de projetos que envolvem o uso de materiais compósitos. Seus profissionais – engenheiros, economistas e administradores – somam décadas de experiência nos setores químico e petroquímico, cloro-soda, óleo e gás e sucroalcooleiro, entre outros.

SERVIÇO
26ª Feira Internacional de Tecnologia Sucroenergética (Fenasucro & Agrocana)
Quando: 21-24/08
Onde: Centro de Eventos Zanini (Sertãozinho, SP)
Engcom: estandes AC48 e C30

Fonte: Assessoria de Imprensa – Engcom

Curta nossa página no

Lord lança adesivo poliuretano de cura rápida

29/07/2018

Lançamento da Lord tem como alvo a indústria automotiva

Especialista no desenvolvimento de adesivos estruturais e coatings, a Lord, subsidiária local da norte-americana Lord Corporation, anuncia o lançamento do Lord Fusor 2001/2003 NG. À base de poliuretano (PU), o produto é indicado para a colagem de peças de compósitos em processos caracterizados pela elevada cadência produtiva, comuns, por exemplo, na indústria automotiva.

A Lord afirma que, em comparação aos adesivos PU convencionais, o Lord Fusor 2001/2003 NG mantém o mesmo tempo de aplicação (open time) – período máximo para a aplicação do adesivo na peça após a mistura dos dois componentes –, mas reduz de 2h30 para 45 min o tempo de manuseio da peça (handling time). “Devido à curva de cura muito mais rápida, o Lord Fusor 2001/2003 NG proporciona um aumento considerável na produtividade”, comenta Andrios de Souza, supervisor de vendas da Lord.

Essa característica, observa Souza, atende a uma das principais demandas das montadoras, alvo principal do lançamento da Lord. “É o produto ideal para a colagem de para-choques, tetos e painéis, entre outras peças de compósitos presentes em ônibus, caminhões e veículos agrícolas”.

Sob o ponto de vista da aplicação, o Lord Fusor 2001/2003 NG é similar aos demais adesivos à base de PU produzidos pela Lord. “Apresenta a mesma viscosidade da geração anterior. Assim, o usuário não precisa fazer qualquer alteração na sua linha para utilizar essa nova formulação”, garante o supervisor de vendas da Lord, lembrando que o produto será a maior atração do estande da empresa na Feiplar Composites, principal feira da indústria latino-americana de materiais compósitos.

Com matriz em Cary (Carolina do Norte, EUA), a Lord atua no Brasil desde 1972, a partir de uma fábrica situada em Jundiaí (SP). Fundada em 1924, é uma companhia especializada no desenvolvimento de adesivos e coatings, bem como sistemas de controle de vibração e tecnologias de sensoriamento para os mercados automotivo, aeroespacial e defesa, óleo/gás e industrial.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Lord

Curta nossa página no

Solvay lança compósito de termoplástico reforçado com fibra de carbono para aplicações offshore de petróleo e gás

18/06/2018

A Solvay está lançando o Evolite™ F1050,  compósito termoplástico  com reforço contínuo de fibra de carbono para aplicações exigentes da exploração e produção de petróleo e gás offshore.

Segundo a Solvay, o Evolite™ F1050 é uma fita unidirecional que combina a excelente resistência química e a temperatura do polímero especial Solef® PVDF com o desempenho inerente de alta resistência da fibra de carbono.

As aplicações típicas do novo produto da Solvay para petróleo e gás incluem tubos flexíveis híbridos offshore e tubos de compostos termoplásticos (TCPs, na sigla em inglês).

O Evolite™ F1050 oferece o desempenho e a facilidade de processamento exigidos pela indústria de petróleo e gás. De acordo com a Solvay, o novo material compósito possui resistência mecânica e química, pode ser utilizado em aplicações de alta temperatura, é compatível com processos ATL (Automated Tape Laying) e permite conversão personalizada de fibra/matriz para desempenho máximo.

Os compósitos termoplásticos são um elemento importante da estratégia de crescimento da Solvay, aproveitando a integração vertical do Grupo em polímeros especiais e em tecnologia avançada e expertise de compósitos de fibra de carbono.

Graças ao seu portfólio abrangente e a seu conhecimento técnico, a Solvay está posicionada para oferecer compósitos termoplásticos para atender aos exigentes desafios do setor.

Segundo a empresa, o Evolite™ F1050 é o primeiro lançamento de um portfólio de produtos que possibilitará soluções de custos totais instalados menores para operadores de petróleo e gás, por meio da redução de peso que ele oferece.

A nova Unidade Global de Negócios Composite Materials da Solvay é uma fornecedora global de soluções de materiais leves, que permitem que os clientes da empresa nos setores aeroespacial, automotivo e em outros setores exigentes, concebam, desenvolvam e usem de maneira eficiente estruturas complexas de alta qualidade e alto desempenho. O portfolio da Composite Materials inclui pré-impregnados, sistemas de resinas, adesivos e películas, fibra de carbono, têxteis, ferramentas e consumíveis de embalagem a vácuo. A Solvay Composite Materials combina os antigos negócios da Cytec Aerospace Materials e Industrial Materials.

A Solvay tem sede em Bruxelas e emprega 24.500 pessoas em 61 países. As vendas líquidas pro forma foram de € 10,1 bilhões em 2017. No Brasil, a Solvay também atua com a marca Rhodia.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Tecniplas apresenta no Concasan tanques projetados para áreas com elevadas cargas de vento

19/05/2018

Empresa também mostrará os seus megatanques no Congresso Catarinense de Saneamento

Líder brasileira em tanques e equipamentos especiais em compósitos de PRFV (Plástico Reforçado com Fibras de Vidro), a Tecniplas é uma das expositoras do Congresso Catarinense de Saneamento (Concasan). Agendado para os dias 06, 07 e 08/06, em Florianópolis (SC), o Concasan é promovido anualmente pela Companhia Catarinense de Saneamento (CASAN), com o apoio do Sindicato dos Engenheiros no Estado de Santa Catarina (SENGE-SC).

Na edição deste ano, a Tecniplas pretende divulgar a importância de se projetar os tanques de compósitos levando em conta os sucessivos aumentos nas cargas de vento na Região Sul do país. Isso porque as rajadas de quase 200 km/h, comuns em determinadas épocas, podem danificar ou até mesmo arrancar os reservatórios das bases, caso não tenham sido construídos de forma adequada.

“Em linhas gerais, projetamos os tanques sujeitos a cargas de ventos com a adição de anéis de reforço, que os protegem contra as pressões externas e evitam amassamentos que podem danificar a estrutura”, explica Luís Gustavo Rossi, diretor da Tecniplas.

Outras atrações do estande da Tecniplas, adianta Rossi, serão os tanques de processo e armazenamento indicados para o trabalho com água, efluentes e produtos químicos. “A ideia é mostrar o quão mais vantajosa é a utilização de reservatórios de compósitos em comparação aos similares feitos de outros materiais, como concreto ou aço vitrificado”.

Em relação aos primeiros, Rossi ressalta que é necessária uma bem executada impermeabilização, em função da natural porosidade do concreto. “Além de elevar o preço, o revestimento tem vida útil limitada. Os compósitos, por sua vez, são impermeáveis, imunes à corrosão, possuem elevada resistência mecânica e podem ser formulados com resinas próprias para o contato com a água potável”.

Na comparação com o aço vitrificado, os benefícios são a maior facilidade de instalação – os tanques de compósitos são monolíticos, e não formados por milhares de placas parafusadas – e a ausência de vazamentos. “Fora que a cadeia produtiva do material que processamos é toda local, enquanto que o aço usado nos reservatórios é importado, o que deixa o cliente exposto às oscilações cambiais”, compara.

Megatanques oblatados

A Tecniplas também mostrará no Concasan os seus megatanques de compósitos. Com diâmetro máximo de 15 m e capacidade para armazenar até 4,5 milhões de litros, os gigantescos reservatórios são fabricados em seções na planta da empresa e, pelo processo de oblatação, redimensionados para permitir o transporte rodoviário.

“Ovalizamos e acinturamos as seções para que assumam o formato semelhante ao do número oito e fiquem com 5 m de largura. Assim, é possível transportar um megatanque numa carreta convencional, o que pode significar a redução do tempo de transporte de 90 para 10 dias”. Depois, na unidade do cliente, as seções são redimensionadas e laminadas umas sobre as outras. “A Tecniplas é única fabricante brasileira de tanques de compósitos a deter a tecnologia de oblatação”, observa Rossi.

Fundada em 1976, a Tecniplas mantém uma fábrica de 32 mil m² em Cabreúva, no interior de São Paulo. Seus produtos são consumidos pelas indústrias de álcool e açúcar, papel e celulose, cloro-soda, química e petroquímica, fertilizantes, alimentos e bebidas e saneamento básico.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tecniplas

Curta nossa página no

Setor de compósitos voltou a crescer em 2017

16/05/2018

Faturamento foi de R$ 2,598 bilhões, alta de 1,9% em comparação com o ano anterior

Em 2017, o setor de compósitos faturou R$ 2,598 bilhões, alta de 1,9% em comparação com 2016. Trata-se do primeiro resultado positivo desde 2014, quando teve início a crise econômica brasileira. O consumo de matérias-primas aumentou 23,2%, totalizando 196 mil toneladas, enquanto o número de postos de trabalho apresentou queda de 0,9%, perfazendo 59 mil vagas. Os dados são da Maxiquim, consultoria contratada pela Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (ALMACO).

“O mercado de transporte foi fundamental para que conseguíssemos esse desempenho, com destaque para a demanda aquecida por veículos utilizados no campo, como tratores e colheitadeiras. Vale a pena ressaltar também a participação dos postes para as redes elétricas, no setor de infraestrutura”, explica Gilmar Lima, presidente da ALMACO. As diferenças entre os indicadores de faturamento e de volume de matérias-primas devem-se basicamente às oscilações de preços registradas no período.

Para 2018, o estudo da Maxiquim projeta um faturamento de R$ 2,841 bilhões, ou seja, uma elevação de 9,4% ante o resultado de 2017, enquanto o consumo de matérias-primas deve crescer 4,8%, totalizando 205 mil toneladas.

“Transporte, agronegócio e infraestrutura continuarão a evoluir. Em paralelo, segmentos que estavam com muitas dificuldades nos últimos dois anos, como construção civil, energia eólica e gás, devem se recuperar. E novos nichos continuarão a surgir, mesmo que lentamente, apoiados pela flexibilidade e leveza típicas dos compósitos”, afirma Gilmar Lima.

A despeito dos números de 2017 e das previsões otimistas para este ano, o presidente da ALMACO ainda não considera plenamente encerrada a má fase que o setor de compósitos amarga desde 2014. “Perdemos muito no último triênio. Em termos de volume, repetimos em 2016 os números de 2006”, calcula. Por isso, ele observa, as empresas que integram a cadeia produtiva do material voltaram os seus esforços apenas para a sobrevivência, deixando em segundo plano a criatividade, o conhecimento e a manutenção dos talentos. “Agora, precisamos continuar alertas, repensar as nossas organizações e buscar alianças financeiras e estratégicas que nos ajudem a investir em educação, inovação e comunicação”.

De acordo com Lima, o papel da ALMACO nessa retomada deve ser o de provocar e tirar as empresas da zona de tranquilidade, colaborando com o fortalecimento não só dos fabricantes de matérias-primas, distribuidores e transformadores, mas também dos usuários de compósitos, comunidade em geral e órgãos governamentais. “É hora de sermos inquietos e investirmos em pessoas, relacionamento, conhecimento e gestão de excelência humanizada. Vamos levantar a bandeira da união e da antecipação, pois se não cuidarmos uns dos outros, vamos morrer juntos”, conclui.

Fundada em 1981, a ALMACO tem como missão representar, promover e fortalecer o desenvolvimento sustentável do mercado de compósitos. Com administração central no Brasil e sedes regionais no Chile, Argentina e Colômbia, a ALMACO tem cerca de 400 associados (empresas, entidades e estudantes) e mantém, em conjunto com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), o Centro de Tecnologia em Compósitos (CETECOM), o maior do gênero na América Latina.

Resultantes da combinação entre polímeros e reforços – por exemplo, fibras de vidro –, os compósitos são conhecidos pelos elevados índices de resistência mecânica e química, associados à liberdade de design. Há mais de 50 mil aplicações catalogadas em todo o mundo, de caixas d’água, tubos e pás eólicas a peças de barcos, ônibus, trens e aviões.

Fonte: Almaco

Curta nossa página no

Solvay lança tecnologia inovadora de colagem de compósitos para a indústria aeroespacial/aeronáutica

15/05/2018

A Solvay está lançando o FusePlyTM, uma tecnologia inovadora de colagem de compósitos para aplicação na construção de aeronaves. Segundo a Solvay, com essa nova tecnologia é possível a construção de peças de compósitos confiáveis e coladas usando processos de fabricação convencionais, por meio da criação de estruturas coladas por covalência, eliminando assim a necessidade de vários rebites e fixadores.

A Solvay afirma que a tecnologia FusePlyTM atende às necessidades dos fabricantes de aeronaves que buscam desempenho, taxas de construção melhores e redução de peso. De acordo com a empresa, a nova tecnologia oferece diversos benefícios, entre os quais maior confiabilidade, maior desempenho das peças, mais leveza, pela substituição de fixadores mecânicos por colagem FusePlyTM, e liberdade de design, uma vez que os adesivos oferecem maior flexibilidade de projeto durante a fabricação e montagem a um custo menor.

A tecnologia FusePlyTM pode ser facilmente integrada aos processos de fabricação existentes como uma atualização para os métodos tradicionais de preparação de superfície.

A Solvay apresentará a nova tecnologia de colagem FusePlyTM na SAMPE Long Beach 2018, nos Estados Unidos, exibindo amostras no seu estande (M25) e apresentando-se no programa da conferência SAMPE, no dia 23 de maio, às 10h30.

A nova Unidade Global de Negócios Composite Materials da Solvay é uma fornecedora global de soluções de materiais leves tecnologicamente avançados, que permitem aos clientes dos setores aeroespacial/aeronáutico, automotivo e em outros segmentos exigentes conceberem, desenvolverem e usarem estruturas de qualidade, alto desempenho e complexas. A Composite Materials possui um amplo portfólio de produtos, incluindo pré-impregnados, sistemas de resinas, adesivos e películas, fibra de carbono, têxteis, ferramentas e consumíveis de embalagem a vácuo. A Solvay Composite Materials combina os antigos negócios da Cytec Aerospace Materials e Industrial Materials.

Fonte: Solvay

Curta nossa página no

Tecniplas mostra soluções para a armazenagem de fluidos na Fiema

08/04/2018

  • Feira de Tecnologia e Meio Ambiente acontece na próxima semana, em Bento Gonçalves
  • Exemplos de tanques de PRFV fabricados pela Tecniplas

A Tecniplas participa mais uma vez da Feira de Negócios, Tecnologia e Conhecimento em Meio Ambiente (Fiema), evento que acontece entre os dias 10 e 12/04, em Bento Gonçalves (RS). Líder brasileira em tanques e equipamentos especiais em compósitos de PRFV (Plástico Reforçado com Fibras de Vidro), a empresa pretende ressaltar na Fiema as vantagens das soluções que desenvolve para a armazenagem de diferentes tipos de fluidos.

“Os tanques da Tecniplas são dimensionados para o armazenamento de água potável a produtos químicos altamente corrosivos. Em comparação aos reservatórios feitos de outros materiais, como aço e concreto, os nossos produtos apresentam maiores índices de durabilidade, além de outros benefícios como ausência de porosidade e pontos suscetíveis à corrosão”, afirma Luís Gustavo Rossi, diretor da Tecniplas.

A Região Sul do país conta com diversos tanques e equipamentos especiais da Tecniplas em operação. “É o caso, por exemplo, de reservatórios adquiridos por empresas que fabricam ou manipulam produtos químicos, indústrias alimentícias e plantas de celulose e papel, entre outras”, observa Rossi.

O diretor da Tecniplas destaca também os fornecimentos recentes que a empresa fez para a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan). “O último foi o de um tanque monolítico de 250 m³ para a armazenagem de água potável”. Ajustado às exigências da Portaria 2914, do Ministério da Saúde, que dispõe sobre os procedimentos de controle de qualidade da água para o consumo humano, o reservatório faz parte do sistema de abastecimento da cidade de Palma Sola.

Fundada em 1976, a Tecniplas mantém uma fábrica de 32 mil m² em Cabreúva, no interior de São Paulo. Seus produtos são consumidos pelas indústrias de álcool e açúcar, papel e celulose, cloro-soda, química e petroquímica, fertilizantes, alimentos e bebidas e saneamento básico.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tecniplas

Curta nossa página no

Dilutec lança gelcoat que retarda a propagação de chamas e reduz a emissão de estireno

08/04/2018

UL 94: teste de queima de corpo-de-prova produzido com o novo gelcoat da Dilutec

Empresa afirma que o produto atende às exigências de inflamabilidade da norma UL 94 V-0

Uma das principais fabricantes brasileiras de gelcoat – híbrido de resinas e pigmentos que protege e dá acabamento às peças de compósitos –, a Dilutec anunciou o lançamento do Colorgel® FR LE. Segundo a empresa, o produto atende à norma de inflamabilidade de materiais plásticos UL 94, na classificação V-0, e é caracterizado pela baixa emissão de compostos orgânicos voláteis (VOC) na atmosfera, caso do monômero de estireno.

O fato de atender à UL 94 significa que as peças fabricadas com o Colorgel® FR LE retardam a propagação das chamas, afirma a Dilutec. Ou seja, depois de removida a fonte de ignição, a superfície deixa de queimar, característica necessária para aplicações nos setores de transporte – rodoviário, ferroviário e náutico – industrial, elétrico, em produtos como postes e cruzetas, e de geração de energia eólica, tanto nas pás como nos nacelles e spinners.

“O produto também é ambientalmente amigável, pois apresenta baixos índices de emissão de VOC, atributo garantido pela elevada compatibilidade da resina utilizada na sua formulação com o monômero de estireno”, explica Marcos Brambilla, gerente técnico da Dilutec. Depois de polimerizado, o Colorgel® FR LE perde 0,66% de massa, contra 2,27% de um gelcoat padrão, de acordo com os ensaios realizados pela Newtech, empresa acreditada pelo Inmetro.

Foram necessários cerca de dois anos para que a Dilutec completasse o desenvolvimento do Colorgel® FR LE. “Por se tratar de um gelcoat complexo, levamos mais tempo para balancear a fórmula com as resinas e aditivos corretos e para ajustar a estabilidade”. A aplicação do novo produto, detalha Brambilla, pode ser feita com gelcoateadeira e pistola de caneco invertido ou por meio da pintura com rolo ou pincel, na versão topcoat.

Marcos Pannellini, gerente comercial da Dilutec, calcula que exista no Brasil uma demanda mensal de cerca de 300 toneladas de gelcoats com as características do Colorgel® FR LE. “Esse volume é atendido hoje em dia por produtos importados ou por soluções caseiras, como a aditivação de gelcoats comuns feita pelos próprios transformadores de compósitos. Por isso estamos bastante otimistas com a reação do mercado ao nosso lançamento”.

Para assistir ao vídeo do ensaio de queima de um corpo-de-prova produzido com o gelcoat Colorgel® FR LE, acesse https://tinyurl.com/y7z6oqrb.

Além de produzir gelcoat e thinner, a Dilutec (www.dilutec.com.br) é distribuidora das resinas da Ashland na Região Centro-Oeste e dos equipamentos para a moldagem de compósitos da BÜFAtec Spain na América Latina. Fundada em 1995, mantém unidades fabris em Piracicaba (SP) e Senador Canedo (GO).

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dilutec

Curta nossa página no

Projetos da Saertex são finalistas no JEC Innovation Award 2018

07/03/2018

A premiação JEC Innovation Award, que é entregue durante a exposição JEC World em Paris, na França, é considerada a mais importante competição da indústria de compósitos. A Saertex, empresa líder na fabricação de tecidos multiaxiais e materiais de reforço, inscreveu três projetos e todos foram selecionados como finalistas. A cerimônia de premiação acontece no dia 7 de março. A Saertex já levou para casa estes prêmios cobiçados em 2014 e em 2017.

Neste ano, a Saertex, empresa familiar da região de Münsterland, Alemanha, participa na categoria “Rail Vehicle” (veículos ferroviários), junto com as empresas SMT e a Alan Harper, com um projeto que envolveu a renovação de painéis do piso em 66 trens do Deutsche Bahn ICE, removendo a madeira e introduzindo os materiais compósitos retardantes à chama Saertex LEO com fibra de vidro.

Na categoria “Marine” (náutico), o Saertex LEO integrou o design de um solário (dock) completo em compósitos para um navio de cruzeiro de 110m de comprimento, construído em parceria com o estaleiro Meyer/Neptun em Papenburg (Alemanha).

Na categoria “Construction and Infrastructure” (construcao e infraestrutura), o carbono autoadesivo SAERfix foi usado para reparar uma tubulação de concreto reforçado que estava em condições precárias. O projeto (foto), desenvolvido em associação com o cliente espanhol Grupo Navec, apresentou excelente resultado, afirma a empresa. Neste caso, A Saertex e a Henkel são as coinovadoras do projeto sob a liderança do Grupo Navec.

A premiação JEC Award é concedida por um júri de especialistas durante a realização da JEC World em Paris. A premiação é um reflexo da força de inovação das empresas do setor de materiais compósitos, sendo premiadas um total de 10 categorias.

Criada em 1982, em Saerbeck, Alemanha, a Saertex é líder na fabricação de tecidos multiaxiais e materiais de reforço, os quais conferem redução de peso, aumento de rigidez e alta resistência à corrosão. Atualmente, oferece uma ampla variedade de itens, tais como os tecidos técnicos em fibras orientadas, a manta moldada SAERcore, o complexo sanduíche SAERfoam, os tecidos auto-adesivos SAERfix, os materiais compósitos retardadores de fogo Saertex LEO e a tecnologia de reabilitação de tubulação Saertex-Liner (Saertex multiCom).

Fonte: Assessoria de Imprensa – Saertex

Evonik promove novo núcleo de espuma de acrílico para aplicação em estrutura sanduíche de compósitos durante a JEC World em Paris

02/03/2018

Um novo desenvolvimento da Evonik Industries em tecnologia de materiais de núcleo faz sua estreia na JEC World 2018 em Paris. O novo integrante da família de produtos Performance Foam é o Rohacryl™ uma espuma estrutural baseada na química do acrílico, com alto potencial para aplicações em compósitos.

Segundo a Evonik, a espuma Rohacryl™ é uma solução de material de núcleo com excelentes propriedades mecânicas, além de apresentar estabilidade térmica e de ser leve, fácil de processar e ambientalmente amigável.

Esse produto é a mais nova solução em materiais da linha Performance Foams, um negócio que já conhecido por oferecer a espuma de alto desempenho Rohacell® PMI. Seus produtos para materiais de núcleo estrutural são empregados há mais de 40 anos em indústrias que incluem os setores aeroespacial, automotivo, eletrônico, de tecnologia médica, equipamentos esportivos e outros. Com o lançamento do RohacrylTM, a Evonik dá o próximo passo na expansão de seu portfólio de produtos para o mercado mundial de compósitos.

O que motivou o desenvolvimento inicial do Rohacryl™ foi a tendência na indústria de energia eólica por pás de turbina cada vez maiores e que precisam cumprir requisitos altamente exigentes. De maneira ideal, os materiais usados na produção de pás devem ser leves e ao mesmo tempo oferecer melhores propriedades mecânicas e, simultaneamente, a habilidade de continuar estáveis na cura a altas temperaturas. As diversas soluções em materiais disponíveis no mercado ou ofereciam boas propriedades mecânicas ou resistiam a altas temperaturas de cura, mas antes do lançamento da espuma Rohacryl™ nenhuma solução em material de núcleo podia oferecer as duas características em um único produto, afirma a Evonik. Outras indústrias com métodos de produção e necessidade de eficiência similares podem também achar o novo produto interessante para suas aplicações.

Uma amostra do Rohacryl™ será apresentada no estande da Evonik na feira (J40, hall 5). Representantes da empresa estarão presentes para compartilhar detalhes do produto e discutir se esta é a solução perfeita em material de núcleo para os clientes interessados.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Evonik

Curta nossa página no