Archive for the ‘Borracha sintética’ Category

Lanxess divide sua unidade de negócios de Produtos de Borrachas Técnicas

16/01/2013

Antiga unidade de negócios Technical Rubber Products é dividida em Keltan Elastômeros (KEL) e High Performance Elastomers (HPE)

Lanxess_divisao_unidadesA unidade de negócios Technical Rubber Products (BU TRP) foi dividida em duas unidades de negócios separadas. Desde 1º de janeiro de 2013, Keltan Elastômeros (cujo produto principal é o monômero de etileno-propileno-dieno – EPDM) iniciou a sua atividade como uma unidade de negócios independente, sob o nome de Keltan Elastômeros (KEL). O restante do portfólio de produtos de TRP (NBR, HNBR, EVM e CR) faz parte agora da unidade de negócios High Performance Elastomers (HPE).

Com a aquisição dos negócios Keltan da DSM em maio de 2011, a unidade TRP ampliara significativamente sua linha de negócios EPDM para criar, de longe, a maior de todas as linhas de negócios. A LANXESS também fortaleceu sua posição como uma fornecedora líder de borrachas para fins especiais. “O sucesso no desenvolvimento estratégico de EPDM para nos transformar em um líder global de mercado e as características específicas de todos os negócios da ex-TRP exigiram esta divisão em duas unidades de negócios”, diz o líder global da antiga BU TRP, Guenther Weymans.

Exigências específicas de negócios

Weymans assumiu o comando da BU Keltan, que tem sede em Geleen, na Holanda. Cerca de 600 funcionários sediados lá e também em Marl (Alemanha), Orange (Estados Unidos), Triunfo (Brasil) e Changzhou (China) vão trabalhar para a BU com seus produtos de elastômero EPDM. As principais aplicações de EPDM são mangueiras, vedações, cintos e aditivos de polímeros.

Jan Paul de Vries, que estava no comando da linha de negócios Advanced Materials EMEA da unidade de negócios High Performance Materials (BU HPM), agora é o líder global da BU HPE, que terá sede em Colônia *. Cerca de 900 funcionários com base em Dormagen e Leverkusen (Alemanha), La Wantzenau (França), Orange (Estados Unidos) e Nantong (China) focarão em borrachas de especialidades e alto desempenho.

Ao contrário da BU KEL, cujo negócio se concentra exclusivamente em um único produto, EPDM, a BU HPE é responsável por quatro grades diferentes de borracha e um portfólio de produtos muito mais diversificado. “A reorganização nos permitirá atender às demandas muito específicas para ambas as unidades de negócios de forma muito mais eficaz”, explica Weymans.

Para aproveitar ainda melhor o uso de sinergias no futuro, cerca de 100 funcionários existentes de TRP do Centro de Serviços Técnicos em Dormagen e no Centro de Testes de Polímeros em Leverkusen – com suas subunidades em Qingdao (China) e Geleen (Holanda) – passaram para função de grupo de Inovação e Tecnologia (GF INN), também em 1º de janeiro de 2013.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Anúncios

Inmetro publica portaria que regulariza a certificação de pneus no Brasil, entrando em vigor a partir de outubro de 2016

26/11/2012

O Inmetro (Instituto de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) publicou no Diário Oficial da União, no final de outubro, uma portaria que regulamenta a certificação de pneus no Brasil a partir de outubro de 2016, quando todos os pneus produzidos e importados no país deverão ter um rótulo que especifica sua qualidade em três critérios: consumo de combustível, segurança e emissão de ruídos.

“Tenho certeza que a publicação da portaria do Inmetro é mais um avanço para os consumidores brasileiros. Com a certificação dos pneus no mercado nacional, o Brasil se iguala a mercados mais maduros como o europeu, por exemplo”, afirma Marcelo Lacerda, presidente da LANXESS no Brasil.

O PBE-Pneus (Programa Brasileiro de Etiquetagem de Pneus), como vem sendo chamada a certificação de pneus nacional, é resultado de uma parceria do Inmetro com a LANXESS e todo o setor da cadeia pneumática.

Certificação no dia a dia

Assim como existem selos de qualidade para determinar o consumo de energia em eletrodomésticos ou aparelhos de ar-condicionado, o Inmetro definiu uma padronização para os pneus no Brasil.

O selo de qualidade dos pneus vai mostrar aos consumidores a eficiência de combustível (consumo de combustível), aderência em piso molhado (segurança) e as emissões de ruído que o produto provoca. Veja alguns exemplos:

A resistência à rolagem dos pneus da categoria A (melhor qualidade) será cerca de 40% menor do que dos pneus da categoria F (pior qualidade). Um carro com pneus da categoria A precisará de uma distância de frenagem de cerca de 20 metros menor (a uma velocidade de 80 km/h), do que um carro com pneus da categoria F, por exemplo.

Os pneus de alta performance serão um pouco mais caros no ato da compra, mas reduzirão o consumo de combustível em até 7% – o que o tornará mais vantajoso no médio prazo.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Pneus de alta performance reduzem consumo de combustível e emissão de CO2

18/11/2012
  • UE lançou rotulagem de pneus em 1º de novembro de 2012
  • Novo estudo comprova que pneus de alta performance são “investimento verde” para motoristas
  • Motoristas podem reduzir custos de combustível e as emissões de CO2 significativamente com os pneus de alta qualidade

Os pneus de alta performance – também chamados “pneus verdes” – são um dos métodos mais eficientes para os motoristas reduzirem o custo do uso de automóveis e proteger o meio ambiente, segundo estudo recente da Universidade Técnica de Munique, encomendado pela LANXESS,  um destacado fabricante mundial de borracha sintética.

Segundo o estudo, o “retorno verde” nestes pneus com baixa resistência à rolagem e de alta qualidade é excelente. O investimento dos motoristas se paga muito mais rápido do que os sistemas de parada e partida automáticos e unidades híbridas, por exemplo. Isso se deve graças ao seu baixo consumo de combustível e seus baixos custos adicionais. Ao mudar para pneus verdes, os motoristas também conseguem reduções maiores de CO2 por cada euro adicional investido do que em outros “investimentos verdes”.

O estudo foi motivado pela rotulagem obrigatória de pneus novos, que passou a vigorar na União Européia desde 1º de novembro de 2012. A rotulagem classificará todos os pneus novos saindo da linha de produção em três categorias: de resistência à rolagem (consumo), aderência ao piso molhado (segurança), em uma escala de A (melhor) a G (pior) e, também, o volume de ruído emitido. Os pneus verdes obtêm as melhores avaliações na certificação, que os consumidores já conhecem em uma forma similar em refrigeradores e máquinas de lavar.

“O estudo da Universidade Técnica de Munique confirma que os pneus verdes oferecem inúmeros benefícios para um pequeno encargo financeiro”, diz Werner Breuers, membro do Conselho de Administração da LANXESS AG. “A partir de agora, os consumidores podem usar o novo rótulo para identificar no momento da compra se estão comprando pneus de alta performance. Nossas borrachas inovadoras desempenham um papel fundamental, possibilitando que estes pneus tenham baixa resistência à rolagem e economizem combustível”.

Pneus verdes se pagam  mais rápido

Um exemplo simples da Universidade Técnica de Munique mostra o quanto a resistência à rolagem otimizada reduz os custos de combustível de um veículo. Um carro que consome seis litros de combustível por 100 km e cobre uma distância de 12.500 km por ano, com um preço de combustível a €1,40 por litro pode poupar até € 100 por ano, graças aos pneus verdes.

Os sistemas de parada e partida automáticos reduzem o consumo quase no mesmo nível – cerca de 6%, mas a compra e instalação desta tecnologia é muito mais cara do que a troca por pneus verdes. Os custos adicionais para os pneus de qualidade também são recuperados mais rapidamente – pneus verdes pagam a si próprios, depois de apenas 20 mil km, em média, enquanto os sistemas de parada e partida automáticos não chegam a este ponto antes dos 60 mil km. Os pneus também têm um bom desempenho em termos de retorno verde – com economia de 4,7 kg de CO2 por cada euro investido, o valor da eficiência é 50% maior do que para os sistemas de parada e partida automáticos e até 150% maior do que para as unidades híbridas.

Aplicativo da LANXESS mostra o potencial de poupança individual

A calculadora de economia de combustível da LANXESS mostra quanto dinheiro todos os motoristas podem economizar e que reduções de emissões de CO2 eles podem alcançar, graças aos pneus verdes. Apenas alguns detalhes são necessários para executar o cálculo – a quilometragem anual, o consumo do carro e, claro, o preço do combustível. O programa foi desenvolvido em conjunto com a Universidade Técnica de Munique. A TÜV Rheinland testou e certificou a calculadora. Cerca de 60 mil usuários já acessaram o programa ou fizeram o seu download diretamente. O software está disponível desde setembro como um aplicativo gratuito na App Store e como uma versão móvel e para a web em http://www.app.green-mobility.com.

Fonte: LANXESS

Curta nossa página no

Dow anuncia planos para construção de nova planta de EPDM nos EUA

18/11/2012

A The Dow Chemical Company (Dow) tem planos para a construção de uma nova planta em escala global para a produção de borracha de etileno – propileno – dieno (EPDM) metalocênico, comercializado sob a marca registrada de NORDEL™ IP Hydrocarbon Rubber.

A nova instalação, cujo início das operações está previsto para 2016, ajudará a definir os padrões de eficácia em termos de custos e eficiência de produção ao incorporar o uso da nova tecnologia de catalisadores exclusiva da Dow e aproveitar as vantagens produtivas do processo de solução integrado e de grande escala da Companhia. Essa unidade produtiva alavancará o plano de investimentos da Dow para ampliar a produção de etileno e propileno na Costa do Golfo dos EUA e conectar as operações norte-americanas da Companhia a oportunidades de matérias-primas disponíveis resultantes da maior disponibilidade no fornecimento de gás de xisto nos EUA.

“O NORDEL IP continuará a ser parte estratégica do portfólio da Dow Elastomers tanto hoje quanto no futuro”, afirmou Kim Ann Mink, Presidente de Negócios para a Dow Elastomers, Electrical and Telecommunications. “A nova instalação em escala mundial posicionará a Dow para atender à crescente demanda global por EPDM por meio de tecnologia de próxima geração que garante uma ampla oferta de produtos com qualidade aprimorada. Dos mercados automotivo e de construção ao de fios e cabos, manteremos nosso posicionamento de custos competitivos por meio da implantação de tecnologias eficientes e aproveitamento de instalações integradas e de grande de porte. Essa nova planta demonstra o compromisso da Companhia em investir em produtos especiais que oferecem vantagens de desempenho para o mercado”.

A Dow é líder reconhecida em catalisadores de polimerização e emprega esse poder para aprimorar o design e qualidade de seus produtos. O NORDEL™ IP é frequentemente especificado como solução preferida devido à sua estrutura homogênea, que garante processamento fácil e uniformidade entre os lotes. Os clientes que utilizam o NORDEL™ IP contam com excelente controle, desempenho, vantagens de processamento e precisão que garantem defeitos e imperfeições mínimos e baixíssima quantidade de rejeitos.

Entre as aplicações de uso final do NORDEL IP estão borrachas para vedação de automóveis, mangueiras e esteiras automotivas, perfis de construção, membranas de pisos, calçados e outros produtos de borracha em geral.

Fonte: Dow

Curta nossa página no

Braskem inaugura fábrica de butadieno no Rio Grande do Sul

13/09/2012

Governador Tarso Genro participa da inauguração da Fábrica de Butadieno na Braskem Pólo Petroquímico (foto: Caco Argemi/Palácio Piratini)

A Braskem inaugura hoje, 13 de setembro, sua nova fábrica de butadieno no Polo Petroquímico de Triunfo (RS), com a presença do governador Tarso Genro. A unidade, que demandou investimentos de R$ 300 milhões, confirma o compromisso da Braskem com o desenvolvimento industrial e da cadeia produtiva química do Rio Grande do Sul e do Brasil. O butadieno é a matéria-prima utilizada para a obtenção de borrachas sintéticas que são usadas na fabricação de pneus e de artefatos de borracha em geral.

Este é o segundo grande investimento inaugurado pela Braskem no Brasil em 2012. “A empresa está focalizada em projetos importantes para consolidar sua posição como uma das líderes da petroquímica mundial e para o fortalecimento da indústria brasileira”, afirma Carlos Fadigas, presidente da Braskem. Nos últimos quatro anos, os desafios do cenário econômico mundial não impediram a empresa de inaugurar quatro novas unidades industriais: uma fábrica de polipropileno na cidade de Paulínia (SP), em 2008; de eteno e polietileno verde em Triunfo (RS), em 2010; uma unidade de PVC em Alagoas, no último mês de agosto, além da nova planta de butadieno em Triunfo (RS).

Com capacidade de produção de 103 mil t/ano e geração de 60 novos empregos diretos, a planta de butadieno irá dobrar o volume dessa matéria-prima processada no polo de Triunfo e contribuirá com o avanço da cadeia de borrachas sintéticas no estado. A unidade já está operando a plena capacidade de produção, o que eleva a oferta máxima de butadieno em Triunfo para cerca de 210 mil t/ano. A empresa também produz 180 mil t/ano de butadieno em Camaçari (BA) e 80 mil t em Capuava (SP).

A unidade entrou em operação 50 dias antes do previsto. Essa antecipação foi possível graças a um modelo de gestão de projeto que minimiza riscos e otimiza os prazos definidos nas etapas de engenharia, suprimento e construção. Com duração de 14 meses, as obras envolveram a instalação de 930 toneladas de tubulações, 570 toneladas de estruturas metálicas e mais de 200 mil metros de cabos.

Liderada pela Construtora Norberto Odebrecht (CNO), a empreitada gerou no período 1,8 mil empregos diretos. A mão de obra foi contratada principalmente dos municípios de Montenegro e Triunfo. Parte dos trabalhadores participou do programa de capacitação denominado Acreditar, realizado em parceria com a Prefeitura de Montenegro e o Senai.

O investimento está alinhado com a estratégia da Braskem de buscar, ao mesmo tempo, a competitividade dada pelo gás como matéria-prima em seus novos complexos e trabalhar para maximizar sua posição no mercado de produtos derivados da nafta petroquímica, que têm se tornado mais escassos no mercado mundial.

Além de representar uma oportunidade de atender à demanda mundial, a decisão de investir na expansão de butadieno baseia-se no potencial da cadeia produtiva de borrachas sintéticas no Brasil. Um bom exemplo é o da indústria automotiva nacional, que vem crescendo cerca de 8% ao ano, o que tem motivado fabricantes de pneus a investirem em novas unidades no País. “Adicionalmente ao potencial de crescimento de empresas já instaladas no Brasil, estamos em contato com companhias da indústria global de borracha sintética interessadas em produzir no País. Desta forma o butadieno, inicialmente destinado ao mercado internacional, poderá ser gradativamente industrializado internamente”, afirma Rui Chammas, vice-presidente da Unidade de Petroquímicos Básicos da Braskem.

O investimento também reforça o compromisso da Braskem com o desenvolvimento do Rio Grande do Sul. “A empresa investiu no estado mais de R$ 2 bilhões nos últimos quatro anos, em novas fábricas, aumento de capacidade de produção, paradas de manutenção e em saúde, segurança e meio ambiente”, ressalta Fadigas.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

LANXESS construirá na China a maior fábrica de EPDM do mundo

11/09/2012

  • Investimento de €235 milhões
  • Capacidade de 160 mil toneladas métricas por ano
  • Início de produção em 2015
  • Maior investimento da LANXESS na China até o momento
  • Até 200 novos empregos criados
  • Produção com base na tecnologia sustentável Keltan ACE
  • LANXESS realiza primeiro ” Mobility Day ” em Xangai

A LANXESS está construindo a maior planta do mundo para borracha sintética de EPDM na China. A empresa alemã de especialidades químicas está investindo €235 milhões na fábrica em Changzhou (província de Jiangsu). Este é o maior investimento que a empresa fez na China até o momento.

A planta terá uma capacidade de 160 mil toneladas métricas por ano e o investimento vai criar até 200 novos empregos. A usina está prevista para entrar em operação em 2015. Todas as autorizações necessárias foram obtidas junto às autoridades locais.

A LANXESS é líder mundial no fornecimento de EPDM (monômero de etileno-propileno-dieno), após a aquisição e integração bem sucedida da DSM Elastômeros em 2011. A empresa comercializa seus produtos sob a marca Keltan. A demanda global por EPDM deverá aumentar em mais de 4% ao ano nos próximos anos, enquanto a demanda na China deverá crescer em cerca de 8%, impulsionada, sobretudo pelas indústrias de construção e automotiva. A China continuará a ser o maior importador líquido de EPDM nos próximos anos.

“Estamos fortalecendo nossa base global de ativos de EPDM com uma planta em escala mundial na China, para atender nossos clientes locais com ainda mais rapidez e produtos premium”, disse o CEO da LANXESS, Axel C. Heitmann na cerimônia de lançamento da pedra fundamental hoje.

“Esta planta também representa o terceiro maior investimento da nossa empresa em borracha na Ásia e fortalece nossas credenciais como o principal fornecedor do mundo em borracha sintética”, acrescentou Heitmann.

A LANXESS iniciará a produção na planta de borracha butílica em escala mundial, na Ilha de Jurong em Cingapura, no primeiro trimestre de 2013 e vai iniciar a construção de uma planta vizinha de borracha de butadieno baseada em neodímio em 11 de setembro deste ano.

A nova planta de EPDM estará localizada no reconhecido Changzhou Yangtze Riverside Industrial Park, com acesso a instalações excelentes de armazenamento e descarregamento de remessas. A LANXESS receberá as principais matérias-primas de etileno e propileno de uma planta de metanol para olefinas (MTO, em inglês), atualmente em construção no local. O processo de MTO é uma nova forma de produzir essas importantes matérias-primas, que são produzidas de forma convencional nas refinarias. Durante a fase de construção, cerca de 2.000 pessoas trabalharão no local.

A LANXESS já atua em Changzhou, com a construção de uma fábrica de produtos químicos de couro. A unidade de até 50 mil toneladas métricas de capacidade por ano representa um investimento de €30 milhões e deverá entrar em operação no primeiro semestre de 2013. Ela irá produzir, para o mercado local chinês, produtos químicos Premium para couro da LANXESS usados em várias aplicações, como curtimento, tingimento e acabamento de couro. Cerca de 100 empregos estão sendo criados.

Tecnologia sustentável Keltan ACE

A LANXESS usará a tecnologia Keltan ACE para possibilitar a produção sustentável em sua nova fábrica. Em comparação com a tecnologia convencional, a tecnologia catalisadora Keltan ACE reduz as exigências de energia para a produção e não requer a extração do catalisador, como resultado da elevada eficiência do catalisador. Além disso, o processo permite a fabricação de novos grades de borracha EPDM, como EPDM expandido com óleo e EPDM especial de elevado peso molecular. A nova fábrica vai produzir um total de 10 grades superiores de EPDM sob medida para as necessidades dos clientes chineses.

A LANXESS já opera unidades de produção de EPDM em Geleen, na Holanda, Marl, na Alemanha, Orange, nos EUA e Triunfo, no Brasil, com uma capacidade combinada de 320 mil toneladas métricas por ano. A LANXESS planeja converter 50% da sua capacidade total de produção na unidade de Geleen para a tecnologia Keltan ACE em 2013.

A borracha de EPDM é utilizada, sobretudo, na indústria automotiva como vedação de portas ou limpadores de para-brisas. De acordo com estimativas da LANXESS, cerca de sete quilos de EPDM são utilizados em todos os carros. O produto também é usado nas indústrias de modificação de plásticos, cabos e fios, construção, e aditivos de óleo. As suas propriedades incluem densidade muito baixa, boa resistência ao calor, oxidação, produtos químicos e intempéries, bem como boas propriedades de isolamento elétrico.

Desde o final do ano passado, a LANXESS produz comercialmente a borracha de EPDM de base biológica de etileno, sob a marca Keltan Eco. A LANXESS está usando etileno fornecido pela Braskem S.A. Em comparação com o etileno baseado no petróleo, o etileno da Braskem é produzido através da desidratação do etanol da cana de açúcar.

China estrategicamente importante para a LANXESS

A China é um dos pilares da estratégia de crescimento global da LANXESS. A empresa tem como objetivo atingir vendas de mais de um bilhão de euros na Grande China (China continental, Hong Kong, Taiwan e Macau) em 2012. Todas as 13 unidades de negócio da LANXESS estão representadas em 10 sites na Grande China, com cerca de 1.000 funcionários no total.

A LANXESS vai realizar seu primeiro ” Mobility Day ” em Xangai, no dia 6 de setembro. Sob o lema “Tecnologias sustentáveis para o futuro da China”, a empresa apresentará seus mais recentes produtos voltados para “Mobilidade Verde”.

Cerca de 400 participantes da indústria, comunidade acadêmica e associações vão trocar ideias e discutir temas como “pneus verdes”, plásticos leves, gestão sustentável de couro, borrachas técnicas e tecnologia de baterias.

A LANXESS alcançou vendas de cerca de €1,5 bilhão – cerca de 17% do total de vendas – com produtos e tecnologias para a “Mobilidade Verde” em 2011. E a empresa espera que este número aumente em 80%, para cerca de €2,7 bilhões em 2015.

Fonte: LANXESS

Curta nossa página no

Braskem inicia operações na nova planta de butadieno no Rio Grande do Sul

21/06/2012

A Braskem colocou em pré-operação a sua nova unidade de butadieno localizada no Polo Petroquímico de Triunfo (RS), marcando o início das atividades da planta 50 dias antes do prazo anunciado inicialmente pela Braskem. O produto, utilizado como matéria-prima na indústria de pneus e de borrachas em geral, foi especificado na terça-feira (12/6), o que significa que já está dentro do padrão exigido para ser comercializado.

A nova planta, com capacidade de produção de 103 mil toneladas/ano, entrou em operação 14 meses após o início das obras. No período, gerou 1,8 mil empregos. O investimento total foi de R$ 300 milhões. A unidade já está operando na sua capacidade máxima de produção e está recebendo os últimos retoques, que envolvem a pintura e atividades de acabamento. A inauguração da unidade está prevista para o próximo mês.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Petrobras vai dobrar a produção de estireno da Innova.

21/11/2011

O governo do Estado do Rio Grande do Sul e a empresa Innova assinaram no Palácio Piratini nesta quinta-feira-feira (17/11/2011) um protocolo de intenções que garantirá a ampliação da planta da empresa no Polo Petroquímico de Triunfo (RS).

Com o investimento estimado em US$ 250 milhões, a empresa controlada pela Petrobrás vai duplicar a sua capacidade de produção anual de etilbenzeno e de estireno no Rio Grande do Sul, atualmente assim distribuída: 270 mil toneladas de etilbenzeno e 260 mil toneladas de estireno. O estireno é matéria prima para produção de várias resinas plásticas, entre as quais o poliestireno, assim como a borracha sintética SBR. “É um investimento fundamental para adensarmos a nossa cadeia produtiva da indústria petroquímica”, afirmou o governador Tarso Genro.

A estimativa é que a nova planta esteja em plena operação no segundo semestre de 2014. Como se trata de uma ampliação, ela vai gerar apenas 10 empregos diretos e 150 indiretos ligados à operação, mas o volume de novos postos de trabalho deve crescer à medida que os clientes ampliarem as compras de matéria-prima e também aumentarem a sua produção. “O apoio do governo do Estado nos assegura a realização deste investimento, que é um passo importante do processo de expansão da companhia. É um divisor de águas”, afirmou Margareth.

Também presente na reunião, a Petrobrás informou que a duplicação da Innova é o segundo maior investimento da estatal de petróleo no setor petroquímico. “Estamos fazendo uma corrida para o mercado. Esta duplicação é uma âncora para novos investimentos”, disse o gerente de Projetos Petroquímicos da Petrobrás, André Luís de Souza Alves Pinto.

O petroquímico é um dos setores estratégicos da atual política de desenvolvimento do Estado. “Trata-se de um setor já enraizado na economia gaúcha. Nós estamos apoiando a economia tradicional com a mesma intensidade com que estamos prospectando oportunidades na chamada nova economia”, explica Knijnik.

De acordo com o presidente da Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (AGDI), Marcus Coester, o investimento da Innova se integra à matriz produtiva do Estado. “Tem o poder de atrair novos investimentos e complementar a nossa cadeia produtiva”, disse Coester.

Fonte: Secretaria de Investimento e Promoção do Desenvolvimento do RS

Rhodia mostra inovações sustentáveis para borracha na ExpoCaucho 2011

09/11/2011

 Destaques são as sílicas de alto desempenho para aplicação em pneus “verdes” e artefatos técnicos de borracha

 A Rhodia, uma empresa do grupo Solvay, apresenta na ExpoCaucho 2011, exposição paralela às XI Jornadas Latinoamericanas e IX Iberoamericanas de Tecnología del Caucho, em Medellín, Colômbia, todo o seu portfólio de sílicas para aplicações em vários segmentos do mercado de borracha, com atenção especial para os chamados pneus “verdes” e os artefatos técnicos.

Os destaques são as sílicas de alto desempenho, na linha de produtos sustentáveis, que substituem outras matérias-primas de origem petroquímica. As sílicas da Rhodia são aplicadas em mercados-chave como os de pneus “verdes” e os de artefatos técnicos de borracha, contribuindo para melhorar a produtividade dos clientes, ao mesmo tempo em que ajudam a reduzir o consumo de energia e de combustíveis, com conseqüente redução de emissões de CO2 na atmosfera.

No mercado de pneus, as sílicas de alto desempenho (HDS, na sigla em inglês) aplicadas na banda de rodagem melhoram em 25% o rolamento do pneu no solo, mantendo-se a estabilidade e segurança do veículo, resultando em diminuição de 5% a 7% do consumo de combustível e, na mesma proporção, das emissões na atmosfera. Inventadas pela Rhodia, essas sílicas já ocupam posição de liderança no mercado de pneus na Europa e na Ásia e a tendência é de crescimento na América Latina, principalmente pelo aumento da consciência do consumidor em relação aos produtos sustentáveis.

A Rhodia está engajada no esforço de toda a cadeia produtiva no processo de etiquetagem de pneus, o que permitirá ao consumidor escolher o produto levando em conta diferentes níveis resistência ao rolamento, o que se traduz na redução do consumo de combustível, e de aderência em piso molhado. Esse movimento, que começa a crescer na América Latina, já é realidade na Comunidade Européia, onde, a partir de 2012, os pneus somente poderão ser comercializados com essa etiqueta classificatória.

“Com as nossas sílicas, temos participado do desenvolvimento de vários produtos inovadores, como pneus de baixo consumo de energia, usados pelos principais fabricantes para reduzir o consumo de combustível e os níveis de emissão de CO2 dos veículos”, diz Luis Fernando Maida, diretor para a América Latina da GBU (Global Business Unit) Sílica da Rhodia.

Tanto para o mercado de pneus “verdes” quanto para o de artefatos técnicos, entre os principais produtos da Rhodia estão as sílicas da família Zeosil MP, em forma de microperólas exclusivamente fabricadas pela Rhodia , cujas propriedades e características técnicas incluem a enorme facilidade de dispersão, sem fazer poeira nos ambientes de produção, e a possibilidade de aumento de produtividade.

Suas aplicações, além das tradicionais borrachas de SBR e de polibutadieno, estendem-se à fabricação de ampla gama de artefatos com emprego no setor automotivo, como correias de transmissão para motores, mangueiras de fluidos confeccionadas com borrachas nitrílicas, mangueiras de ar de SBR, perfis de EPDM, anéis de vedação de SBR. Ainda em outros segmentos do mercado de borracha, as sílicas Rhodia proporcionam especial desempenho quando aplicadas em correias transportadores, roletes para descascar arroz e revestimentos de cilindros para impressão.

O portfólio de sílicas da Rhodia inclui outras sílicas da família Zeosil, como a 185GR e a 125GR. A Zeosil 185GR oferece desempenho e translucidez para aplicações de reforço em borrachas. Trata-se de sílica granulada, desenvolvida nos laboratórios da Rhodia no Brasil, e que tem conquistado especialmente o mercado de solados para calçados esportivos. A 125GR, também desenvolvida localmente, pode substituir com vantagens tecnológicas e econômicas outros insumos derivados do petróleo, como o negro de fumo, que são utilizados na produção de peças técnicas de borracha, como cabos, mangueiras e perfis de borracha.

Serviço: Rhodia na ExpoCaucho 2011 – de 07 a 11 de novembro de 2011

Hotel Intercontinental – Medellín – Colômbia

Fonte: Rhodia

LANXESS reforça compromisso com setor automotivo brasileiro

16/10/2011

A LANXESS está reforçando seu compromisso com o Brasil, com três grandes novos investimentos, totalizando cerca de 30 milhões de Euros – ou aproximadamente R$ 75 milhões -, e que criarão mais de 100 postos de trabalho. Os investimentos apoiarão a crescente tendência em direção à mobilidade verde nos países da América Latina. Os materiais de alta tecnologia da LANXESS oferecerão soluções inovadoras para o crescente mercado automotivo local.

 “Estamos fazendo grandes investimentos que garantirão nossa participação no sucesso atual e futuro da economia brasileira”, disse o Chairman do Conselho de Administração da LANXESS, Axel C. Heitmann, que está liderando o primeiro AUTOMOTIVE DAY BRASIL. Segundo ele, o Brasil desempenha um papel fundamental na estratégia do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) para a empresa e “contribuirá com nossa meta de atingir 1,4 bilhão de Euros em EBITDA pré-excepcionais em 2015″, afirmou.

Indústria brasileira automotiva em expansão

Os três investimentos incluem a construção de duas novas unidades produtivas na planta da LANXESS em Porto Feliz, no interior do Estado de São Paulo. Uma delas é para a produção dos plásticos de engenharia de alta tecnologia Durethan e Pocan – usados principalmente pela indústria automotiva para fazer carros mais leves e mais eficientes em termos de combustível. A nova planta, que será operada pela unidade de negócios Semi-Crystalline Products, terá uma capacidade inicial de 20 mil toneladas por ano e entrará em operação em meados de 2013.

A outra nova unidade produtiva em Porto Feliz vai produzir os aditivos de borracha Rhenogran, bem como os bladders Rhenoshape. Os aditivos de borracha pré-dispersos Rhenogran podem melhorar significativamente a qualidade e a durabilidade de um produto de borracha, enquanto os bladders Rhenoshape são usados pela indústria pneumática para dar aos pneus a sua forma e propriedades finais. A planta será operada pela unidade de negócios de uma subsidiária da LANXESS, Rhein Chemie, baseada em Mannheim, na Alemanha. A fábrica, que entrará em operação no quarto trimestre de 2012, produzirá 2 mil toneladas por ano de aditivos para borrachas e 170 mil bladders por ano.

“Vamos transformar nosso site em Porto Feliz em um grande centro de especialidades químicas com as últimas tecnologias para os nossos clientes no Brasil e na América Latina”, disse Heitmann.

Primeira borracha EPDM no mundo feita de base biológica

O terceiro investimento envolve um movimento pioneiro para o uso de matéria-prima de base biológica na produção de borracha sintética. A LANXESS está reprojetando sua planta em Triunfo, no Rio Grande do Sul, a fim de produzir a borracha de EPDM com etileno de base biológica. A empresa brasileira Braskem fornecerá o etileno derivado da cana-de-açúcar através de um gasoduto, a partir de novembro de 2011. Esta é a primeira produção mundial de borracha de EPDM de base biológica, que será chamada de Keltan Eco. Um quarto da capacidade de 40 mil toneladas anuais da fábrica de Triunfo será destinado para a Keltan Eco.

“O uso de matérias-primas de base biológica para a produção de borracha sintética na planta de Triunfo está de acordo com o compromisso contínuo da LANXESS com a química verde”, disse Heitmann.

Capacidade extra de borrachas de alto desempenho para “Pneus Verdes”

A LANXESS é líder em borrachas sintéticas de alto desempenho para “Pneus Verdes” – o setor que mais cresce na indústria pneumática, com uma taxa de crescimento anual de cerca de 10%. A demanda está sendo impulsionada pela megatendência mobilidade, bem como pelos motoristas que estão requerendo cada vez mais altos padrões ambientais e de segurança. Além disso, a demanda será acelerada pela legislação de pneus na União Europeia, que visa reduzir as emissões de CO2 e de ruído por meio da promoção de “Pneus Verdes”, que não comprometam a segurança. Legislação correspondente também foi adota na Coréia do Sul.

A fim de atender a essa demanda, a LANXESS está expandindo as suas capacidades globais para borrachas de alto desempenho usadas em “Pneus Verdes”, o que inclui uma unidade produtiva no Brasil. A LANXESS está expandindo da capacidade de sua unidade de produção de borracha de polibutadieno de neodímio (Nd-PBR), em Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco. A expansão estará completa até o final de 2011, dobrando a capacidade para 40 mil toneladas por ano. Além disso, a LANXESS está atualizando a tecnologia na fábrica de Cabo para os mesmos níveis utilizados em suas fábricas de Nd-PBR na Alemanha e nos EUA.

A borracha de Nd-PBR é usada na banda de rodagem e nas paredes laterais dos “Pneus Verdes”. Ela ajuda a reduzir a resistência ao rolamento de um pneu, bem como o consumo de energia. A Nd-PBR também reduz a abrasão, desempenhando assim um papel significativo em tornar os pneus mais duráveis.

Atualização tecnológica para borrachas de alto desempenho em Triunfo

Ao mesmo tempo, a LANXESS já iniciou um estudo de viabilidade para implementar uma nova tecnologia a fim de mudar a produção de emulsão de estireno-butadieno (ESBR) utilizados em pneus padrão para solução de borracha de butadieno estireno (SSBR) utilizadas nos “Pneus Verdes”, em sua planta em Triunfo (RS). A capacidade atual para ESBR em Triunfo é 110 mil toneladas por ano e a troca iria requerer um investimento de dois dígitos em milhões de euros. A decisão final será tomada em meados de 2012.

A SSBR é usada principalmente na composição das bandas de rolagem dos “Pneus Verdes”, onde ela ajuda a reduzir a resistência ao rolamento e a melhorar a aderência em pisos molhados. “Pneus Verdes” podem alcançar seu máximo desempenho com formulações contendo tanto SSBR como Nd-PBR.

História de crescimento bem-sucedido no Brasil

Estes últimos investimentos fazem parte da crescente presença da LANXESS no Brasil. A empresa alemã, que comprou a Petroflex em 2008, começou com mais de 400 funcionários no Brasil há sete anos. Hoje, emprega mais de mil colaboradores e é uma das maiores empresas químicas do país.

O Brasil também é um dos mercados mais bem sucedidos e de crescimento mais rápido para os produtos da LANXESS. O país respondeu por menos de um por cento das vendas globais da LANXESS em 2005. Atualmente é responsável por aproximadamente 10% das vendas globais. Além disso, as vendas no Brasil atingiram o recorde de 701 milhões de Euros em 2010. “E estamos no caminho certo para outro recorde em 2011”, ressaltou Heitmann.

Em reconhecimento ao seu compromisso com a mobilidade verde no Brasil, no dia 6 de outubro, a LANXESS será a anfitriã do primeiro AUTOMOTIVE DAY BRASIL em São Paulo – uma conferência durante todo o dia com muitos dos líderes das indústrias automotiva e de pneus do Brasil e da América Latina. Cerca de 400 pessoas participarão do evento.

Fonte:  LANXESS

LANXESS irá produzir no Brasil a primeira borracha de EPDM bio-derivada do mundo.

27/09/2011

A LANXESS está reforçando o seu compromisso em produzir borrachas sintéticas “premium” a partir de matérias-primas derivadas de fontes biológicas. A empresa alemã de especialidades químicas pretende produzir comercialmente EPDM (monômero de etileno-propileno-dieno) a partir de eteno bio-derivado até o final do ano. Será a primeira forma de borracha de EPDM bio-derivada no mundo.

O EPDM é convencionalmente produzido usando-se as matérias primas eteno e propeno, ambas derivadas do petróleo. A rota alternativa planejada pela LANXESS usará eteno derivado unicamente de cana-de-acúcar, que é um recurso renovável. Esta forma de eteno bio-derivada é produzida a partir da desidratação do etanol, obtido da cana-de-acúcar brasileira. A Braskem S.A irá fornecer o eteno bio-derivado, através de tubulações, para a planta de EPDM da LANXESS já existente em Triunfo, no Brasil.

“A procura de alternativas para os combustíveis fósseis atualmente empreendida pela LANXESS demonstra o seu compromisso em reduzir emissões de CO2 através de produção sustentável”, afirma Guenther Weymans, líder da unidade de negócios de Produtos de Borrachas Técnicas da LANXESS. “Nós estamos muito entusiasmados pelo fato de que nossa planta no Brasil será a pioneira na produção de EPDM bio-derivado.”

 “A LANXESS irá contribuir para ampliar o nosso portfólio de clientes de produtos químicos renováveis . Este acordo levará os benefícios de eteno verde para outros mercados e aplicações importantes. A LANXESS tem uma extensa experiência no setor automotivo e uma excelente reputação nesse mercado, o que a torna um parceiro ideal”, afirma Marcelo Nunes, Diretor de Produtos Químicos Renováveis da Braskem.

 A planta de Triunfo atualmente produz 40.000 toneladas métricas por ano de borracha de EPDM convencional e espera-se que as primeiras bateladas do produto Keltan Eco correspondam a várias centenas de toneladas métricas. As outras unidades de produção de EPDM da LANXESS situam-se em Geleen (Holanda), Marl (Alemanha) e Orange, Texas (EUA). Todos os grades de EPDM serão vendidos, no futuro, sob o nome de marca Keltan.

 A borracha de EPDM é usada principalmente na indústria automotiva, mas também nas indústrias de fios e cabos, construção, modificações de plásticos e aditivos de óleos. As suas propriedades incluem uma densidade muito baixa, boa resistência ao calor, à oxidação, a produtos químicos e ao meio ambiente, assim como boas propriedades de isolamento elétrico. A LANXESS apresentou o Keltan Eco pela primeira vez durante o Dia da Borracha na Alemanha, no dia 21 de setembro, em Duesseldorf.

Além disto, a LANXESS já está pesquisando fontes alternativas para produzir a borracha sintética premium butílica, a qual é usada predominantemente na indústria de pneus. Juntamente com a firma Gevo Inc., do Colorado, a LANXESS está desenvolvendo isobuteno a partir de recursos renováveis, começando com o milho. O isobuteno é uma material-prima chave necessária na manufatura de borracha butílica.

No ano passado, a LANXESS deu partida em uma nova planta de geração de energia na sua unidade brasileira de Porto Feliz, a qual produz pigmentos de óxido de ferro. Esta planta de cogeração para a produção de eletricidade e vapor, inovadora e altamente eficiente, é alimentada com bagaço de cana, um componente fibroso da cana-de-acúcar que é sub-produto da obtenção de açúcar. Graças ao uso desta material-prima renovável e amigável ao meio ambiente, pode-se produzir energia para a planta em uma base neutra em termos de CO2.

A LANXESS é uma empresa líder em especialidades químicas, tendo registrado vendas de 7.1 bilhões de Euros em 2010 e possuindo atualmente 15.800 funcionários em 30 países e 46 unidades de produção ao redor do mundo. O negócio-núcleo da LANXESS é o desenvolvimento, produção e marketing de plásticos, borracha, produtos intermediários e especialidades químicas.

Fonte: LANXESS

Sílica em pneus ajuda a economizar combustível e reduzir emissões de CO2

14/06/2011

A sílica de alto desempenho aplicada na produção de pneus reduz a resistência ao rolamento em 25% e o consumo de combustível e as emissões de CO2 em 7% (equivalente a uma redução de aproximadamente sete gramas por quilômetro rodado), mantendo ao mesmo tempo a segurança e a durabilidade dos pneus.

A informação é de Paulo Garbelotto, gerente de Desenvolvimento de Negócios da Rhodia Sílicas, que apresentará na próxima quarta-feira, dia 15/6, palestra especial sobre “Sílica de Alto Desempenho para o Mercado de Borracha”, na IRC 2011 – International Rubber Conference, evento técnico que pela primeira vez é realizado na América Latina – de 15 a 17 de junho, em São Paulo. A IRC 2011 reunirá centenas de especialistas e profissionais do setor, que realizam pesquisas e trabalhos para estudar o comportamento dos elastômeros, melhorar sua produção e sua utilização de maneira segura e ecologicamente corretas.

Desde que foi adotada pelos fabricantes internacionais de pneus de energia eficiente, os chamados pneus verdes, a sílica de alto desempenho da Rhodia para o mercado de borracha tem ajudado na economia de 20 bilhões de litros de combustível e redução de emissões equivalentes de CO2 da ordem de 50 milhões de toneladas, acrescenta Garbelotto, um dos principais especialistas internacionais no setor de borracha.

A sílica de alto desempenho é componente chave nesse tipo de pneus. A Rhodia tem trabalhado para ampliar esses níveis de benefícios, buscando atender a demanda mundial por esse tipo de pneus de energia eficiente, de acordo com o novo conceito de mobilidade sustentável, impulsionado pela exigência dos consumidores por produtos mais eficientes e que economizem energia. “A Europa, por exemplo, terá uma nova legislação sobre a rotulagem de pneus, a partir de novembro de 2012, e no Brasil já estão sendo conduzidos estudos nesse sentido, coordenados pelo Inmetro e com a participação de todo o segmento”, assinala o especialista.

A Rhodia, que inventou a sílica de alto desempenho, possui oito unidades industriais desse produto em todo o mundo, sendo que uma destas fábricas está instalada conjunto industrial da empresa em Paulínia (SP), atendendo ao mercado da região da América Latina. “Temos feito investimentos permanentes nessa unidade, ampliando capacidade de produção de nossa gama de sílicas Zeosil e Tixosil, utilizadas nos mercados de borracha (pneus e artefatos técnicos), calçados, oral care e nutrição humana e animal”, complementa Luis Fernando Maida, diretor da Rhodia Sílica América Latina.

Fonte:  Rhodia

FCC lança na Brasilplast 2011 o Fortiprene TPE VERDE, primeiro elastômero termoplástico com 50% de origem renovável

02/05/2011

A FCC faz na Brasilplast 2011 o lançamento do Fortiprene TPE VERDE, com até 50% de materiais renováveis, de origem vegetal. O desenvolvimento deste material pioneiro representa um importante passo na busca de soluções para as questões de sustentabilidade do planeta, minimizando a degradação do meio ambiente e a exaustão dos recursos naturais.

Para atender à demanda deste mercado, a FCC investiu R$ 10 milhões na instalação de uma unidade produtiva junto à sua matriz, em Campo Bom/RS, e na ampliação da unidade de Conceição de Jacuipe/BA. Com estes investimentos, a empresa duplica sua capacidade de produção da matéria-prima, passando a ter capacidade para 10.000 toneladas/ano.

A apresentação da nova matéria-prima acontece como mais um esforço da FCC para manter o ritmo de aceleração de sua participação neste segmento – a indústria teve crescimento de 40% nas vendas de TPEs em 2010.

Fortiprene TPE VERDE é totalmente reciclável e sua funcionalidade e demais propriedades mecânicas e físicas permanecerão similares aos demais produtos convencionais atualmente disponíveis no mercado.

O Fortiprene TPE VERDE pode ser utilizado em qualquer aplicação em que os TPEs tradicionais já são utilizados, como por exemplo, na substituição de peças feitas em borracha vulcanizada, utilidades domésticas, cabos de ferramentas e utensílios, além de peças de vedação automobilísticas, brindes e brinquedos, entre outros.

Resultado de pesquisas próprias, o desenvolvimento do produto esteve focado também na questão econômica. O Fortiprene TPE VERDE não custa mais caro que um TPE convencional de propriedades similares, o que é um apelo importante para sua aceitação. Além de não custar mais, a nova matéria-prima da FCC pode ser processada no mesmo tipo de equipamento que qualquer outro TPE – injeção, extrusão, sopro e calandragem. Ou seja, para usar a matéria-prima renovável, as indústrias não terão que fazer qualquer modificação em seus processos.

O diretor de termoplásticos da FCC, Julio Schmitt, acredita na aceitação da nova matéria-prima, que oferecerá a fabricantes de utensílios, embalagens, a possibilidade de fazer uso de um material reciclável para a produção de peças e detalhes com toque macio e com característica anti-derrapante. O Fortiprene TPE Verde é feito para ser usado em peças que requeiram maciez de toque e o efeito anti-derrapante, como os cabos de ferramentas, cabos de escovas de dentes, embalagens de cosméticos, entre outros.

LINHA DE TPVs

A FCC está apresentando na Brasilplast também a linha completa de TPVs (Elastômeros Termoplásticos Dinamicamente Vulcanizados à base de PP/EPDM), o primeiro elastômero termoplástico dinamicamente vulcanizado (TPV) com tecnologia brasileira.

A FCC é a precursora brasileira na concepção dessa tecnologia. O Fortiprene TPV tem grande aplicação em autopeças de vedação.

A FCC projeta incremento significativo de sua participação no mercado de TPVs, “porque um produtor brasileiro de TVP atende mais rapidamente aos seus clientes, tanto no fornecimento quanto no desenvolvimento de peças”. Com o mercado doméstico aquecido, “as indútrias que usam esta matéria-prima precisam de um fornecedor local, para reduzir o tempo de desenvolvimento de novas peças, além dos recursos aplicados em estoque. A racionalização agiliza a produção e contribui para a formação de preços”.

CAPACIDADE DE DISTRIBUIÇÃO AMPLIADA

Para melhor atender aos clientes da região Sudeste, a FCC não investiu apenas na ampliação da capacidade de produção. A empresa está inaugurando uma unidade de distribuição em São Paulo, capital, com estoque, laboratório, show room e local de atendimento e suporte de serviços ao cliente.

O investimento faz parte do projeto da FCC, de oferecer agilidade no atendimento ao cliente, tanto para o fornecimento do produto quanto para o desenvolvimento de peças técnicas.

Fonte: Brasilplast / FCC

BASF desenvolve soluções sustentáveis e integradas para o segmento de pavimentação brasileiro

04/04/2011
  • Soluções vão ao encontro de tendência global de moblidade e urbanização e contribuem para a sustentabilidade
  • Produtos aprimoram a eficiência de processos, otimizando a utilização de energia, água e mão de obra

Melhorar a qualidade de vida da população no planeta e, ao mesmo tempo, assegurar o desenvolvimento humano, produzir alimentos, gerar energia, poupar recursos naturais e promover o bem-estar – eis as grandes questões contemporâneas. Os investimentos e pesquisas da BASF, com vistas para 2020, são orientados por megatendências globais que vão ao encontro destas necessidades. Pensando em uma delas, que diz respeito à mobilidade e urbanização, a BASF, como fornecedora de matéria-prima para a indústria da construção, trabalha com o conceito de sustentabilidade para criar inovações e minimizar o impacto das obras e construções no meio ambiente.

Em função dos eventos esportivos programados para os próximos anos, serão necessários investimentos maciços em obras de infraestrutura em diversas cidades brasileiras. Neste contexto, a pavimentação tem papel essencial, já que está conectada com a logística, mobilidade e transporte, fatores-chave para o desenvolvimento econômico do País.

Nesse sentido, a BASF apresenta soluções integradas que contribuem para a otimização do uso de recursos nas obras de pavimentação. Um dos grandes desafios do segmento rodoviário brasileiro, que envolve o processo de pavimentação para melhoria ou construção da malha viária, é a qualidade dos projetos e suas soluções. O Brasil tem potencial para executar importantes obras, com projetos e especificações que prezem pela durabilidade e qualidade de todas as fases que envolvem o processo de pavimentação.

Soluções BASF para pavimentação
Neste cenário, a BASF apresenta soluções integradas para o mercado de pavimentação, com foco na eficácia dos processos, bem como na segurança e rentabilidade na utilização dos recursos e na qualidade e durabilidade dos materiais.

Linha Butonal®
A linha Butonal® da BASF é composta de polímeros base SBR (Styrene Butadien Rubber) de alto conteúdo de sólidos em emulsão e pode ter caráter aniônico ou catiônico, sendo indicada para a modificação de asfaltos em aplicações a frio ou a quente. Os polímeros com alto teor de sólidos para modificação de asfalto geram significativo ganho de desempenho e durabilidade do pavimento, resultando na redução dos custos de manutenção. Além disso, trazem mais conforto e segurança para o motorista. A linha Butonal® foi desenvolvida para otimizar os recursos investidos em malhas viárias com toda tecnologia e know-how da BASF. Vem para sanar os problemas das constantes manutenções e custos adicionais, além de proporcionar mais conforto e economia de combustível aos usuários dos veículos automotores.

Geofoam
O Geofoam é uma solução técnica para estabilização de solos, recomendada para encostas e aterros em solos moles. Entre as principais características que a tornam eficiente para essa tarefa estão o baixo peso dos blocos de EPS (poliestireno expandido), aliado à boa resistência mecânica, sobretudo à compressão. O EPS pode ser até cem vezes mais leve que outros materiais tradicionalmente utilizados para o mesmo fim, como cinza, areia, entre outros. Por isso, é especialmente adequado quando utilizado sobre solos moles (inconsistentes), minimizando as possibilidades de recalques. Além disso, o baixo peso torna o manuseio do produto mais fácil, reduzindo custos com mão de obra, a segurança dos trabalhadores e aumentando a rapidez na execução. O produto ajuda a eliminar o uso de água nessas obras, pois dispensa grande parte do aterro convencional, onde é normalmente utilizada no auxílio à compactação de terra, areia ou outro material.

Elastocoast® / Elastopave®
Sistemas de poliuretano de elastômero, elásticos e porosos, ideais para gerar proteção costeira e pavimentação eficiente e estável. Ecologicamente neutro, não representa ameaça à flora e fauna, além de proporcionar habitat às espécies. São produtos inovadores de fácil aplicação e de fixação rápida, repelentes à água e altamente resistentes ao frio e calor. Em termos de ecoeficiência, o Elastocoast® apresenta um conjunto de vantagens infinitamente superior às alternativas tradicionais. Mais do que um produto, trata-se de um conceito inovador, que em sua versão Elastopave® (aplicada em pisos drenantes), evita alagamentos e formação de poças, permitindo a respiração do solo e a filtragem dos poluentes.

Mastermix BF® – Linha polifuncionais
Linha de aditivos polifuncionais, Mastermix BF tem por característica assegurar longos tempos de instalação de concreto de baixa fluidez. Com quantidade de ar incorporado controlada, o aditivo permite ao concreto a consistência exata para uma pavimentação rodoviária de alta durabilidade, independente do tipo de cimento e sem retardo no tempo de pega. O aspecto final é de uma superfície sem a presença de buracos ou bicheiras, de alta resistência à compressão e flexão e com custo de manutenção reduzido.

Curacem BR® – é um produto à base de parafina, pulverizado sobre as superfícies de concreto fresco, que seca rapidamente, deixando uma película continua na superfície. Flexível e de coloração branca, atua como uma barreira contra evaporação brusca, preservando água suficiente para uma perfeita hidratação, conforme norma ASTM C309. Curacem BR® diminui o fissuramento do concreto devido à retração plástica, permite melhorar a hidratação do cimento, evita o umedecimento do concreto com água, panos úmidos, sacos plásticos, areia úmida etc. Por ser à base de água, não possui odor e não é inflamável, garante que o concreto chegue às suas máximas resistências, aumenta a sua durabilidade e não é tóxico. Além disso, protege o concreto contra o sol, o vento e a chuva.

Sonomeric® 1 – é um selante monocomponente, autonivelante, à base de poliuretano modificado com asfalto, desenvolvido para as aplicações que requerem elevada resistência química. Sonomeric® 1 é de fácil aplicação, apresenta longo tempo de trabalhabilidade, além de ser resistente a ataques químicos, óleo e combustível de aeronaves. Possui excepcional alongamento, fácil aplicação do recipiente, não requer pré-mistura, nem imprimação na maioria das superfícies. O produto apresenta excelente resistência às intempéries, é compatível com a movimentação da junta em até 25% e tem longa vida útil de serviço.

Concreto 4 x 4 – é um conceito de concreto produzido com aditivo Glenium®, à base de policarboxilato etoxilado. Em combinação com outros aditivos, Glenium atua proporcionando alta fluidez e rapidíssimo tempo de secagem da placa de concreto, permitindo reparos e liberação para o tráfego pesado em apenas quatro horas.

Masterseal® 345 – é uma membrana impermeabilizante aplicada por spray, utilizada na construção de túneis. De alta aderência em ambas as faces do concreto, melhora a distribuição da carga por não possuir emendas. É fina, o que permite manutenções de impermeabilização em túneis adicionando apenas 5 cm extras de espessura. Fácil de aplicar, sela facilmente em diferentes geometrias podendo ainda ser instalada com o mesmo equipamento utilizado para projetar o concreto.

Meyco® FIX Fireshield – argamassa para construção de túneis com um conceito especial de segurança. Por meio de reações químicas e físicas, Meycoâ FIX Fireshield assegura a estabilidade do concreto durante incêndios em túneis por até 4 horas.

Fonte: BASF

Rio Grande do Sul receberá investimento de R$ 300 milhões da Braskem para duplicação de unidade de butadieno.

30/03/2011

Após algumas semanas de negociações que envolveram as secretarias da Fazenda e de Desenvolvimento e Promoção do Investimento, a Braskem garantiu ao governador Tarso Genro que investirá R$ 300 milhões na duplicação da produção de butadieno no Polo Petroquímico de Triunfo. O produto é a matéria-prima utilizada na indústria de pneus e de borrachas em geral, oportunizando o crescimento da cadeia de elastômeros no Estado.

A confirmação foi feita pelo vice-presidente de Relações Institucionais da empresa, Marcelo Lyra, e pelo membro do Conselho de Administração, Alfredo Tellechea, durante reunião ocorrida nesta terça-feira (29) no Palácio Piratini. “A decisão, que ainda precisará ser ratificada pelo Conselho de Administração da empresa, foi influenciada pela visão estratégica do Governo visando o crescimento do Estado e está alinhada com o compromisso da Braskem com o desenvolvimento econômico do Rio Grande do Sul”, afirmou Lyra.

O Governo do Estado garantiu a isenção de ICMS na importação de máquinas e equipamentos que não sejam produzidos no Rio Grande do Sul e que cheguem ao Brasil por portos gaúchos. Além disso, não cobrará impostos sobre máquinas e equipamentos adquiridos de empresas gaúchas e autorizou a Braskem a pagar fornecedores do Estado com parte dos créditos.

“Nossa equipe agiu com muita responsabilidade. Os incentivos que estamos concedendo trarão benefícios na geração de emprego e renda, mas também para toda uma cadeia produtiva gaúcha que terá privilégios na venda de máquinas e equipamentos para a Braskem. Desta forma, nós valorizamos e beneficiamos outras regiões”, ressaltou o governador Tarso Genro.

A divulgação formal do investimento será realizada no Palácio Piratini. Na mesma data, a intenção é anunciar o início da construção de um programa para o desenvolvimento das cadeias do plástico e da borracha. O investimento prevê a instalação de capacidade adicional de 100 mil toneladas de butadieno/ano. Atualmente, a Braskem possui capacidade instalada de 105 mil toneladas/ano deste produto no Rio Grande do Sul.

A decisão de apostar na expansão baseia-se no potencial da cadeia produtiva do elastômero no Estado, que tem como principais players a Lanxess e a Borrachas Vipal, e nos bons resultados que a matéria-prima vem apresentando no mercado internacional com alta em mais de 50% no ano passado em relação a 2009. O aumento é reflexo de fatores como limitação da oferta mundial pela maior competitividade do gás natural e a redução do uso da nafta, restringindo a oferta de co-produtos, como o butadieno.

A construção da nova fábrica deve estar concluída até o final de 2012. A obra irá gerar mil empregos diretos e, em operação, 60 postos de trabalho permanentes. Em visita a Porto Alegre, em janeiro último, o presidente da Braskem, Carlos Fadigas, destacou a relevância do Estado para a empresa. “No período 2007 a 2012, a Braskem está investindo R$ 2,2 bilhões no RS com destaque para a fábrica de plástico verde a partir de etanol, a maior unidade do mundo na utilização dessa tecnologia. Esse montante também inclui investimentos em incremento de produtividade e modernização dos ativos e em paradas de manutenção”.

Fonte: Braskem

LANXESS fecha acordo para compra da DSM Elastômeros

15/12/2010

Negócio envolve a incorporação de uma fábrica em Triunfo (RS), com capacidade de 40 mil toneladas/ano

A LANXESS e a holandesa Royal DSM N.V. firmaram um acordo para a venda da DSM Elastômeros para a LANXESS por 310 milhões de euros, à vista e livre de dívidas. A aquisição será financiada pela LANXESS a partir da liquidez existente e deverá ser acretiva como EPS (lucro por ação) a partir de 2011.

O negócio envolve a incorporação de duas fábricas da DSM Elastômeros, sendo uma localizada em Triunfo (RS), com capacidade anual de 40 mil toneladas, e outra, em Sittard-Geleen (sede da empresa), na Holanda, com capacidade produtiva de 160 mil toneladas/ano.

A DSM Elastômeros produz borracha sintética de monômeros de etileno propileno dieno (EPDM), sob a marca Keltan. Possui aproximadamente 420 funcionários em todo o mundo e deverá obter um faturamento de cerca de 380 milhões de euros em 2010.

Os contratos serão finalizados após a conclusão do processo de consulta com os representantes dos trabalhadores da DSM na Holanda. A transação ainda está sujeita à aprovação pelas autoridades antitruste e deve ser concluída nos primeiros meses de 2011.

“Estamos ansiosos para dar as boas vindas aos profissionais da equipe de EPDM da DSM, bem como para receber seus ativos em nossas principais atividades de borracha sintética”, disse Axel C. Heitmann, presidente mundial da LANXESS. “A transação também será um passo importante rumo à nossa meta de atingir cerca de 1,4 bilhão de euros em EBITDA pré-excepcionais em 2015”.

Feike Sijbesma, CEO/Chairman do Conselho de Administração da DSM disse: “A venda da DSM Elastômeros completa a nossa estratégia Vision 2010, para nos tornarmos uma empresa focada em Life Sciences e Materials Sciences. Essa transformação foi alcançada de acordo com o nosso cronograma e em condições favoráveis para nossos acionistas e funcionários. A DSM entrou agora em uma nova era, focada no estímulo ao crescimento e no retorno com maior rendimento, qualidade e confiança para cumprir nossas metas em médio prazo.”

O negócio será integrado à unidade de negócios Technical Rubber Products (TRP) da LANXESS, chefiada por Guenther Weymans, que comercializa EPDM sob a marca Buna PE®, com produções em Marl, na Alemanha, e em Orange, nos Estados Unidos; uma capacidade anual combinada de 120 mil toneladas.

Segundo Marcelo Lacerda, Presidente da LANXESS no Brasil, a empresa deu mais um importante passo para impulsionar suas atividades no país, onde já opera com suas 13 unidades de negócios e quatro fábricas. “Esta aquisição reforça nossa presença e amplia nossa base de produção no mercado brasileiro, ao mesmo tempo em que ratifica o comprometimento da LANXESS em crescer nos países do BRIC”, disse o executivo.

Com cerca de mil funcionários em todo o mundo, a unidade de negócios TRP faz parte do segmento Performance Polymers da  LANXESS, que registrou um faturamento de 2,4 bilhões de euros em 2009. Outros produtos do portfólio da unidade TRP incluem a borracha de policloropreno (CR), borracha nitrílica hidrogenada (HNBR), borrachas de etileno vinil acetato (EVM) e borracha nitrílica (NBR).

Produção sustentável e aplicações variadas

Com a transação, a LANXESS pretende fortalecer a sua base tecnológica por meio do acesso à tecnologia ACE, que, em comparação aos processos convencionais, reduz os custos com energia e produção de EPDM, ao mesmo tempo em que amplia as possibilidades de aplicação da borracha. A DSM está em processo de implementação desta tecnologia em uma escala maior em seu site em Sittard-Geleen.

“Nossos clientes serão beneficiados com uma vasta gama de produtos Premium de EPDM”, ressaltou Werner Breuers, membro do Conselho da LANXESS. A LANXESS avaliará a implementação da tecnologia ACE em suas fábricas existentes.

A borracha sintética de EPDM é utilizada, sobretudo, na indústria automobilística, mas também nas indústrias de modificação de plásticos, cabos e fios, construção e óleos aditivos. Suas propriedades incluem densidade muito baixa, boa resistência ao calor, à oxidação, a produtos químicos e a intempéries, assim como boas propriedades de isolamento elétrico. O mercado global prevê um crescimento percentual de um dígito por ano, nos próximos dez anos, desse tipo de borracha, impulsionado pelo aumento das demandas no Brasil e na China.

A LANXESS é líder em especialidades químicas, com volume de vendas de 5.06 bilhões de euros em 2009. Atualmente conta com cerca de 14.500 funcionários distribuídos em 23 países. A companhia está presente em 42 unidades de produção ao redor do mundo. O core business da LANXESS é o desenvolvimento, produção e venda de especialidades químicas, plásticos, borracha e intermediários. No Brasil, a LANXESS está representada por meio de suas 13 unidades de negócio e possui unidades produtivas, laboratórios e escritórios nas cidades de São Paulo e Porto Feliz (SP), São Leopoldo e Triunfo (RS), Duque de Caxias (RJ), Cabo de Santo Agostinho e Recife (PE).

A Royal DSM N.V. cria soluções que fomentam, protegem e melhoram o desempenho. Seus mercados finais incluem nutrição e saúde humana e animal, cuidado pessoal, produtos farmacêuticos, automotivos, revestimentos e pintura, elétrica e eletrônica, proteção da vida e habitação. A DSM tem um faturamento anual líquido de cerca de € 8 bilhões e emprega aproximadamente 22.700 pessoas em todo o mundo. A empresa tem sede na Holanda, e possui unidades em cinco continentes. A DSM está listada na Euronext Amsterdam. Mais informações: www.dsm.co.

Fonte: Virta