Archive for the ‘Aplicações Elétricas’ Category

Solvay aumenta em 50 % a capacidade de produção de PVDF para atender à crescente demanda.

15/03/2011

A demanda por esta especialidade polimérica de alto valor adicionado aumenta a taxas superiores a 10 % ao ano.

A Solvay anunciou que decidiu aumentar em 50 % a capacidade de produção do seu produto SOLEF®, a fim de continuar atendendo à contínua e crescente demanda por esta especialidade polimérica fluorada de alto valor adicionado. O aumento da capacidade de produção na planta da Solvay em Tavaux, na França, requer um investimento de 26 milhões de Euros e irá se tornar operacional na segunda metade de 2012.

O PVDF (Fluoreto de Polivinilideno) SOLEF® da Solvay é utilizado para aplicações rigorosas na extração de petróleo e gás, em binders e separadores nas Baterias de íon-Lítio, em painéis fotovoltaicos, na manufatura de semicondutores e em membranas de purificação de água. A demanda global por PVDF cresceu a taxas acima de 10% anualmente, nos últimos cinco anos. A capacidade de produção de SOLEF® PVDF em Tavaux já foi expandida em torno de 30 % em 2009.

A tecnologia do SOLEF® PVDF usada em Tavaux tem uma grande vantagem competitiva resultante da sua qualidade de produto e consistência. Ela complementa, de forma harmoniosa, a tecnologia HYLAR® PVDF desenvolvida em West Depford, nos Estados Unidos, e dá à Solvay com uma forte posição e flexibilidade no atendimento de todas as necessidades específicas de indústrias com demandas rigorosas.

“O SOLEF® PVDF é usado em um crescente número de aplicações que se encaixam bem nas megatendências globais. Nós estamos ansiosos para fornecer suprimentos adicionais para nossos clientes”, afirma Augusto Di Donfrancesco, Gerente Geral da Unidade de Negócios Global de Especialidades Poliméricas.

“Com a verticalização única que a Solvay dispõe na produção de monômeros e no suprimento de fluorita, os nossos clientes podem contar conosco em relação à qualidade e estabilidade do suprimento. Eles também podem se beneficiar de nossa tecnologia e experiência na produção de mais materiais fluorados de alto valor agregado e com mais desempenho”.

A Solvay é um grupo industrial internacional ativo na área de Química. Ela oferece um amplo portfolio de produtos e soluções. A sede do grupo situa-se em Bruxelas, na Bélgica, e emprega cerca de 16.800 pessoas em 40 países. Em 2010, as suas vendas totais alcançaram 7,1 bilhões de Euros.

Fonte: Solvay

Anúncios

Empresa chinesa Leedarson desenvolve sistemas de iluminação em LED com compostos termoplásticos da SABIC IP

09/03/2011

A SABIC Innovative Plastics anuncia que a Leedarson Lighting – fabricante líder em sistemas e soluções de iluminação – selecionou o composto termicamente condutivo LNP* Konduit* para a fabricação de dissipadores de calor para duas de suas lâmpadas de diodos emissores de luz (LED).

Sediada em Xiamen, China, a Leedarson utiliza o novo material da SABIC Innovative Plastics em substituição ao alumínio nos dissipadores de calor para atingir metas fundamentais: cor branca estável no aquecimento, sem a necessidade de pintura secundária; mais produtividade com o uso da moldagem por injeção; e conformidade com as exigências da indústria para isolamento elétrico. O composto LNP Konduit mostrou-se ideal, pois oferece a combinação de vantagens estéticas e de produtividade, com o excelente desempenho de dissipação de calor. Contribui também para a simplificação dos processos de aprovação de sistemas de iluminação por LED, expandindo seus benefícios de economia de energia e de redução de impactos ao meio ambiente.

“No papel de primeiros fabricantes de sistemas de iluminação a usar o composto LNP Konduit branco em dissipadores de calor, nos colocamos na liderança do setor, ao oferecer produtos que usam LEDs com boa estética e de alta eficiência energética aos clientes”, afirma Eder Lee, Gerente Geral da Leedarson Lighting.

“Acreditamos que a aparência aprimorada das lâmpadas de LED terá efeito significativo na aceitação desses produtos pelo mercado. Conforme aumentar a demanda, maior a possibilidade de o composto LNP Konduit contribuir para incrementar nossa capacidade de produção, já que a moldagem por injeção é mais flexível, quando comparada ao trabalho em metal. Este material versátil também proporciona mais liberdade aos projetistas no desenvolvimento da próxima geração de dissipadores de calor com o uso de tecnologias de LED”, continua Lee.

“Com vida útil de até 50 mil horas e consumo baixo de energia , os sistemas de LED possuem um incrível potencial de conservação de energia”, diz Peter Chan, Gerente Geral da SABIC Innovative Plastics na China.

“Como parte de nosso compromisso com as soluções de sustentabilidade, a SABIC Innovative Plastics oferece uma linha de materiais especiais que são capazes de aprimorar projetos e sistemas de fabricação de LEDs. Em particular, os nossos compostos LNP Konduit para dissipadores de calor podem desempenhar um papel crucial para manter o brilho e prolongar a vida útil dos LEDs. Nosso trabalho pioneiro com a Leedarson Lighting é um marco importante para atingir estes objetivos”, comenta o executivo.

Substituindo o alumínio por compostos LNP Konduit, a Leedarson usou o novo composto LNP Konduit branco para desenvolver dissipadores de calor cilíndricos para lâmpadas brancas de LED de dois watts (W) em forma de vela e para lâmpadas brancas de LED de dois watts no formato redondo. Essas lâmpadas são vendidas nas principais lojas de produtos para residência e nas grandes redes de lojas de todo o mundo.

A Leedarson avaliou outros termoplásticos condutivos e escolheu o composto LNP Konduit por seu desempenho condutivo superior, retardância à chama não halogenada, propriedades de isolamento elétrico que superam ensaios de até 6 KV e estabilidade de cor.

Comparados ao alumínio e a outros metais, os compostos termicamente condutivos geralmente têm os menores coeficientes de expansão térmica (CTE), o que ajuda a reduzir as tensões de expansão diferencial na peça moldada. Eles também pesam significativamente menos que o alumínio.

Os compostos LNP Konduit oferecem grande flexibilidade para os projetistas, que se beneficiam da liberdade de criar formas complexas e da possibilidade de obtenção de sistemas integrados de peças usando a moldagem por injeção, em vez da tradicional estamparia, da fundição e do revestimento secundário, exigidos pelos metais. Os termoplásticos abrem as portas para configurações inovadoras que podem aperfeiçoar a transferência de calor, enquanto proporcionam os benefícios de custo da produção em alto volume.

Fonte: SABIC

Distribuidora de energia elétrica da Índia adota o polietileno reticulado da Dow para seus cabos de distribuição

01/03/2011

A Dow Wire & Cable alcançou mais um marco no setor de concessionárias de energia elétrica. A unidade de negócios da Dow para fios e cabos foi reconhecida pela maior estatal de distribuição de energia da Índia, a Maharashtra State Electricity Distribution Company Limited (MSEDCL), pela especificação avançada para o uso de isolação TR-XLPE para seus cabos de distribuição de 11, 22 e 33 kV.

O TR- XLPE é um polietileno reticulado com retardante à arborescência que reduz a degradação elétrica causada pela umidade.  Utilizado pela indústria global de energia a solução é capaz de isolar o equivalente a mais de três milhões de quilômetros de cabos subterrâneos de média tensão (MT).

“Esta é a primeira vez que uma concessionária pública certifica o TR-XLPE. A especificação coexiste com a atual especificação-padrão para cabos XLPE da Índia, e é uma opção para ela”, ressalta Ram Ramachandran, diretor global de Marketing de Usuário Final da Dow.

Adicionalmente, a especificação da concessionária traça claramente as exigências de desempenho nos níveis do Dow ENDURANCE™ – família de semicondutores e isolamento para média tensão (MT), alta tensão (AT) e  alta tensão para construções (MAT). De acordo com Ramachandran, a preferência clara da MSEDCL será crucial para que outras estatais e distribuidoras de energia elétrica do setor privado analisem os materiais de alto desempenho da Dow.

Programa DOW INSIDE

Para que um sistema de cabos seja confiável é necessário que eles tenham um bom desempenho em protocolos regionais para oferecer mais valor para as distribuidoras de energia elétrica do mundo todo. Pensando nisso, a Dow Wire & Cable criou, em 2009, o programa DOW INSIDE que seleciona fabricantes de cabos aptos a produzirem cabos de alta qualidade com materiais Dow.

Fonte: Dow

Braskem lança novo composto de polietileno para aplicações em fios e cabos.

01/02/2011
Resina é indicada para produtos expostos a condições climáticas adversas

A resina TC9008, composto à base de polietileno de baixa densidade (PEBD) pigmentado com negro de fumo, é o mais recente lançamento da Braskem para o segmento de Fios & Cabos. Seu principal uso é como revestimento ou capa de fios e cabos para Telecomunicações e Energia.

A combinação de propriedades mecânicas e facilidade de processamento, fornecidas pelo PEBD, e a proteção contra radiação UV, obtida com o uso de pigmento negro de fumo, confere ao composto TC9008 alta produtividade durante a extrusão, acabamento, alta flexibilidade e elevada resistência à baixa temperatura, além de proteção contra a ação das intempéries.

Com o investimento em infraestrutura no Brasil, há previsão de crescimento anual de 10% do segmento de Fios & Cabos nos próximos anos e os lançamentos da Braskem chegam para suprir a demanda do setor. A produção inicial de TC9008 será de 200 t/m e, em até quatro anos, estima-se atingir um volume de produção de aproximadamente 600 t/m.

O TC9008 complementa a família de resinas produzidas pela Braskem para este segmento, ampliando o portfólio atualmente formado pelas resinas GD5150K (cabos multiplexados, isolamento de fios e cabos de cobre), GM5340PRK (capa de fios e cabos ópticos e metálicos, isolamento de fios e cabos de cobre), LL4400SFC e LH218 (isolamento de fios e cabos XLPE de média tensão) e IA59UE e BC818 (cabos coaxiais expandidos a gás).

Fonte: Braskem

Resina sustentável da SABIC IP é utilizada em carregadores de veículos elétricos

12/01/2011

A Leviton Manufacturing, líder norte-americana em dispositivos e sistemas elétricos, escolhe a resina Valox iQ* para produzir o novo carregador portátil para alojar cabos para veículos elétricos (EV) Evr-Green™.

A resina Valox iQ, que utiliza politereftalato de etileno (PET, polyethylene terephthalate) reciclado pós-consumo de garrafas de água, possibilita a moldagem de peças na cor final, evitando a pintura secundária e ampliando significativamente os benefícios ambientais do carregador da Leviton.

Além disso, o produto oferece elevado desempenho elétrico e mecânico, além de poder ser produzido em cores personalizadas. A família de resinas Valox iQ, que usa  conteúdo reciclado pós-consumo (PCR, post-consumer recycled), faz parte da linha de soluções sustentáveis da SABIC Innovative Plastics.

“Um requisito importante ao desenvolver nossa unidade de carregamento Evr-Green foi o uso de materiais sustentáveis “, afirma Michael Mattei, Vice-Presidente e Gerente geral da unidade de negócios comerciais/industriais da Leviton.

“Queríamos certificar que o nosso carregador, além de facilitar a inserção dos carros elétricos no mercado, minimizasse também os impactos ambientais. Para isso, procuramos a SABIC Innovative Plastics, um fornecedor confiável em razão de sua liderança no mercado de materiais sustentáveis. A resina Valox iQ, além de ser um material PCR,  atendeu a todas as exigências oferecendo excepcional desempenho elétrico, mecânico e estético, que são requisitos necessários a esta exigente aplicação para o consumidor. Acreditamos que o uso da resina Valox iQ agrega um aspecto importante ao valor ambiental de nossa nova linha de produtos”, completa Mattei.

A unidade portátil do Evr-Green da Leviton opera em 110 volts permitindo aos consumidores recarregarem seus EVs alimentados por baterias em suas próprias residências ou em qualquer outra tomada de 110 V / 15 A próximo ao veículo. Ela é compatível com todos os veículos plug-in norte-americanos, com entradas J1772, que é o padrão atualmente estabelecido pela Sociedade de Engenheiros Automotivos (SAE, Society of Automotive Engineers).

Sustentabilidade com desempenho e sem riscos

Os desafios globais de sustentabilidade estão no centro da estratégia de negócios da SABIC Innovative Plastics, criada com base no compromisso da empresa de maximizar a preservação dos recursos naturais.

Os clientes buscam materiais que ajudem a reduzir os impactos ambientais, diminuam o consumo energético nos processos de manufatura, contribuam para a redução de peso em seus produtos e que sejam reciclados mais facilmente ou que incluam algum tipo de conteúdo reciclado.

A linha de produtos da SABIC Innovative Plastics é fruto da experiência tecnológica e do histórico de inovação da companhia, que permitiram o desenvolvimento de materiais que contribuem para que os clientes superem os principais desafios ambientais da atualidade.

Resina Valox iQ

Por meio de um processo exclusivo, a SABIC Innovative Plastics utiliza o PET pós-consumo reciclado como matéria-prima para produzir um plástico de engenharia, o PBT (politereftalato de butileno). A resina Valox iQ (de PBT) contribui para que resíduos deixem de ser enviados aos aterros sanitários, além de oferecer uma redução de 34% a 47%, por quilograma de PBT, nas emissões de dióxido de carbono e na utilização de energia nos processos de fabricação da resina.

Além disso, a resina oferece a possibilidade de se obter peças moldadas na cor final desejada, substituindo os processos secundários de pintura que podem aumentar o custo e o teor de emissões de compostos orgânicos voláteis (VOC, volatile organic compound).

A resina Valox iQ oferece ainda propriedades importantes de desempenho ao alojamento do carregador da Leviton. Para atender aos requisitos desse dispositivo de alta voltagem, a resina passou por rigorosos testes aplicados pela Underwriters Laboratory (UL), obtendo a classificação UL 746C f1 para todas as cores.

“O trabalho proativo realizado por nossa equipe permitiu que os projetistas da Leviton se beneficiassem de nossa capacidade de desenvolvimento de resinas coloridas para a obtenção de peças moldadas na cor final, resultando em um alojamento de carregador que apresentasse cores exclusivas para a aplicação”, afirma Dennis VanPoppelen, Gerente de Marketing de Produtos Elétricos da SABIC Innovative Plastics.

“Ao mesmo tempo, a equipe de engenharia economizou tempo e reduziu custos trabalhando com um material que já estava classificado de acordo com a norma UL 746C f1. Além disso, oferecemos a nossa experiência em ferramental e no aprimoramento de processos para essa nova aplicação. A SABIC Innovative Plastics orgulha-se de contribuir para que os clientes simplifiquem processos e coloquem seus produtos no mercado mais rapidamente”, finaliza VanPoppelen.

Outras propriedades importantes da resina Valox iQ são a elevada resistência ao impacto e a resistência mecânica necessárias para suportar contatos acidentais com o veículo, além da excelente resistência a produtos químicos domésticos e à luz ultravioleta (UV). Esse material atende ao mercado elétrico e de telecomunicações, estando também alinhado com a crescente procura no setor de transportes comerciais, de automóveis híbridos e elétricos.

Fonte: SABIC-IP

Novas soluções ecológicas da SABIC Innovative Plastics para sistemas de iluminação em LED se destacam pelo elevado desempenho, estética e durabilidade

19/11/2010

A SABIC Innovative Plastics lança uma nova linha de resinas e compostos especiais que permitem melhorar o desempenho, a vida útil e a estética de dispositivos de iluminaçãoem LED (Light Emitting Diode). Esses novos materiais são a resina de policarbonato (PC) Lexan* com retardante à chama (FR) isento de bromo e cloro e o novo composto branco termicamente condutivo LNP Konduit*, usado em dissipadores de calor que permitem o aumento da vida útil das lâmpadas de LED.

Lâmpadas de LED podem ser feitas usando-se a resina de PC Lexan* FR da SABIC Innovative Plastics e o composto termicamente condutivo LNP* Konduit*

Cento e treze anos após a invenção da lâmpada elétrica, a SABIC Innovative Plastics desenvolve soluções que marcam a evolução dos sistemas de iluminação ao utilizar materiais energeticamente eficientes e duráveis.

“À medida que o movimento global de substituição das lâmpadas incandescentes ganha força, os clientes procuram alternativas duráveis e energeticamente eficientes que possam oferecer design semelhante, ou até melhor, a um preço acessível”, afirma Hans-Otto Schlothauer, gerente de marketing global de produtos de Iluminação da SABIC Innovative Plastics.

“Nossas tecnologias Lexan FR e LNP Konduit permitem o desenvolvimento de projetos com design diferenciado para dispositivos de iluminação de LED e que também ajudam a reduzir custos do sistema. Outro aspecto importante, é que nossos materiais apresentam benefícios ecológicos, que agregamvalor ambiental aos materiais feitos em LED”.

Inovações da resina Lexan oferecem opções para lâmpadas de LED
Para atender à demanda por novos materiais que permitam o desenvolvimento de lâmpadas de LED de alto desempenho, econômicas e com espessuras mais finas, a SABIC Innovative Plastics desenvolveu as resinas Lexan FR para aplicações em sistemas difusos e e transparentes. Essas resinas atendem às normas UL94 (V0 à 1,5 mm de espessura) eoferecem retardância à chama sem o uso de aditivos bromados ou clorados.

Além do grade transparente, as resinas Lexan FR estão disponíveis em três opções que proporcionam uma difusão padronizada, que oferecem alta transmissão de luz e apresentam uma aparência mais suave. As cores incluem três matizes de branco, além do natural. No entanto, é possível oferecer cores e níveis de difusão personalizados para atender a exigências específicas.

Essas resinas apresentam resistência ao impacto, qualidade óptica, capacidade de processamento semelhante às demaisresinas de PC Lexan, proteção contra raios ultravioleta (UV) e estabilidade térmica. Elas são apropriadas para moldagem por injeção e por extrusão.
Dissipadores de calor para LEDs permitem designs diferenciados com o uso do composto LNP Konduit.

Os dissipadores de calor são essenciais para dissipar a energia térmica, que pode reduzir a vida útil dos LEDs, normalmente de 50 mil horas. Tradicionalmente, eles são feitos em alumínio ou com resinas condutivas pretas ou cinzas. Para atender às necessidades dos clientes que buscam projetos de iluminação de LEDs mais atraentes, o composto LNP Konduit está disponível atualmente na cor branca para combinar com lâmpadas brancas e coloridas.

Além da condutividade térmica superior, esse material oferece benefícios de custo e de projeto. O composto LNP Konduit permite o aumento da produtividade em comparação aos sistemas feitos em alumínio fundido, que requerem operações secundárias. O material também oferece mais liberdade de projeto, permitindo a criação de formas com área de superfície maior para um gerenciamento térmico aprimorado.

Fonte: SABIC Innovative IP

Instituto do PVC apóia empresas do segmento eletro-eletrônico que mantém o PVC em seus componentes

16/11/2010

Empresas são penalizadas na 16ª edição do Guia dos Eletrônicos Verdes do Greenpeace, que classifica o PVC como produto não sustentável.

O Instituto do PVC apóia as empresas que contrariaram as diretrizes do Greenpeace ao não deixarem de utilizar o PVC em seus produtos e que por isso foram penalizadas pela ONG em sua 16ª edição do Guia dos Eletrônicos Verdes (Guide to Greener Electronics). Segundo o Instituto, não há comprovações técnicas e científicas que sustentem as críticas equivocadas feitas pelo Greenpeace ao PVC usado no segmento de eletro-eletrônicos.

O guia do Greenpeace é baseado na Diretiva Européia RoHS – Restriction of the use of Certain Hazardous Substances in Electrical and Electronic Equipment, diretiva que faz com que a União Européia proíba o uso de seis substâncias químicas em equipamentos eletroeletrônicos: chumbo, mercúrio, cádmio, cromo hexavalente, polibromato bifenil e PBDE – éter difenil polibromato. Porém, a Diretiva RoHS não proíbe o uso do PVC nesses equipamentos, o que torna no mínimo questionável . segundo o Instituto do PVC, a forma com que o material é tratado neste guia.

A principal matéria-prima do PVC é o sal marinho, recurso inesgotável na natureza. Cerca de 57% da resina de PVC, em peso, tem origem nesta matéria-prima, sendo este o único plástico que não é 100% derivado do petróleo (o que contribui para a diminuição da emissão de CO2). Os 43% restantes correspondem ao petróleo que, inclusive, já pode ser substituído pelo eteno produzido a partir da cana-de-açúcar, permitindo que a resina seja derivada de matérias-primas 100% inesgotáveis na natureza.

Assim, segundo o Instituto do PVC, não há razões técnicas, científicas ou sequer legislações no mundo para que as empresas do segmento de eletroeletrônicos eliminem o PVC de seus produtos. O PVC é um produto inerte, atóxico, seguro e largamente utilizado no segmento de eletroeletrônicos, principalmente em fios e cabos. O PVC também é utilizado na fabricação de tubos e conexões para o transporte de água potável, embalagens de alimentos e remédios, além de ser o plástico mais utilizado na área médica, com aprovação de órgãos competentes como o Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos, Farmacopéia Européia e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) no Brasil, entre outros, o que demonstra sua total segurança.

Descarte correto e reciclagem – Apesar de ser um dos três plásticos mais utilizados do mundo, o PVC é também um dos menos presentes nos aterros sanitários. As razões são simples, a maioria dos produtos de PVC é de longa vida útil (os tubos de PVC duram mais que 50 anos). Além disso, o PVC é um material 100% reciclável e é reciclado. (http://www.institutodopvc.org/publico/index.php?a=imprensa&imp_ano=2008&imp_id=142).

Pesquisa realizada sobre a reciclagem mecânica do PVC, encomendada pelo Instituto do PVC, mostra que o índice de reciclagem mecânica do PVC pós-consumo no Brasil, em 2007, foi de 17%. Número bastante significativo considerando que na União Européia, o índice de reciclagem mecânica de todos os plásticos foi de 18,6%, no mesmo período. O índice se torna ainda mais significativo se avaliarmos a reciclagem do PVC flexível, o principal tipo de PVC utilizado na indústria de eletroeletrônicos. Neste caso, o índice chega a 19,6% e supera o da União Européia.

E quando a reciclagem mecânica não é mais possível, o PVC pode ser tratado na reciclagem energética, processo limpo e extremamente evoluído em países desenvolvidos. As legislações que regulamentam a queima dos materiais para que se tornem energia são extremamente rígidas, exatamente para garantir que as emissões a partir destes equipamentos sejam seguras para o ser humano e meio ambiente. As emissões verificadas na incineração do PVC não são diferentes de quaisquer outras a partir de outros resíduos e estão de acordo com o que exigem as legislações mundiais sobre esse processo.

Adicionalmente, estudos científicos, como o da ASME – Associação Americana de Engenheiros Mecânicos comprovam que a emissão de dioxinas não tem qualquer relação com a quantidade de cloro alimentada no incinerador. Sendo o PVC uma das muitas fontes de cloro em um incinerador, mesmo colocando pouca ou muita quantidade de PVC (ou de cloro via outras fontes) isto não significa o aumento das emissões de dioxinas.

Por todas essas razões, o Instituto do PVC cumprimenta as empresas que, ao contrário do que determina o Guia dos Eletrônicos Verdes do Greenpeace , mantém o PVC em seus componentes.

O Instituto do PVC representa a união de todos os segmentos da cadeia produtiva do PVC, desde os fabricantes de matéria-prima até os recicladores. Seu compromisso é orientar as empresas associadas a adotarem posturas socialmente responsáveis, promovendo o crescimento do mercado de PVC e difundindo suas características técnico-científicas, ambientais e de reciclabilidade para a sociedade, sempre adotando posturas éticas.

Fonte: Instituto do PVC

Novas Resinas Extem* UP da SABIC Innovative Plastics Apresentam Resistência Maior à Temperatura para Aplicações de Uso Contínuo

16/11/2010

Na K 2010,  a SABIC Innovative Plastics  anunciou que conseguiu desenvolver uma resina que suporta uma das maiores temperaturas em que um material termoplástico sem reforços ou cargas pode trabalhar.

Os Fios de Eletroímãs Podem Ser Feitos com o Uso das Resinas Extem

As resinas termoplásticas de poliimida (Thermoplastic PolyImide – TPI) Extem* UP retardantes à chama são materiais de elevada resistência à temperatura, que atingiram recentemente a classificação RTI (Relative Temperature Index, Índice de Temperatura Relativa) UL746B por conseguirem atingir a casa dos 240 °C.

Ao incorporar a resina PEEK  à tecnologia presente na resina Extem, a SABIC Innovative Plastics pode oferecer aos clientes um desempenho otimizado, combinando o melhor de ambos os materiais. Essa tecnologia abre novas oportunidades para aplicações que requerem baixo peso e temperaturas de uso contínuo mais elevadas, como placas de chips semicondutores e conectores para ambientes agressivos, propondo uma alternativa aos metais presentes nas indústrias petrolífera e aeroespacial.

“As resinas Extem UP representam uma nova era no desempenho de termoplásticos de alta temperatura ”, afirma Peter Catsman, líder global de marketing de produtos para Produtos de Alto Desempenho da SABIC Innovative Plastics.

“As resinas Extem UP permitem aos clientes uma opção completamente nova para a substituição de metais, cerâmicas e plásticos termorrígidos, que apresentam sistemas de processamento mais complicados e que podem resultar em custos e pesos mais elevados. Com a tecnologia de resinas Extem UP, a SABIC Innovative Plastics atende a uma importante demanda do mercado por uma resina termoplástica de uso contínuo em altas temperaturas, em equilíbrio com as demais propriedades do material”, conclui Catsman.

Excelência em Todo o Espectro de Desempenho
As resinas Extem UP combinam as propriedades da resina de PEEK semicristalina, como elevada resistência química, ao desgaste e alto fluxo, com as vantagens de um material amorfo com temperatura de transição vítrea elevada, como alta resistência/rigidez mecânica, estabilidade dimensional e resistência à fadiga em altas temperaturas. Esses materiais atendem às normas UL746B e apresentam um RTI de 240 °C, indicando retenção de certas propriedades mecânicas e elétricas nessa temperatura por um período de 10 anos.

Alguns destaques de desempenho específicos são: módulo de flexão até cinco vezes maior e rigidez até cinco vezes maior que a da resina de

Os Componentes de Caixas de Conectores Elétricos Podem Ser Feitos com o uso das Resinas Extem

PEEK não reforçada a 200 °C. Além disso, sua estabilidade dimensional é até 30% superior ao da resina de PEEK não reforçada. Essas propriedades permitem aos clientes projetar peças com mais liberdade e eficiência, obter maior resistência e rigidez, usando paredes mais finas para reduzir o peso e o custo da peça final, além de exercer um controle dimensional de alta precisão.

As resinas Extem UP estão disponíveis atualmente em grades não reforçados. Os materiais reforçados com fibra de vidro, minerais e fibra de carbono, assim como os grades lubrificados, já estão em fase desenvolvimento. Estas resinas são excelentes candidatas a processos de conversão, como moldagem por injeção e extrusão. Possíveis aplicações incluem peças de semicondutores (vedações, sistemas de coleta), componentes eletrônicos (conectores, fios e cabos), peças industriais (mancais, engrenagens, buchas), além de compostos e conectores de transporte.

Expandindo o Portfólio de Produtos Extem
O lançamento de resinas Extem UP é um avanço rumo à expansão da linha de produtos Extem. São três novaslinhas, que se somam às resinas Extem XH e Extem UH, que oferecem desempenho em alta temperatura de curta duração para aplicações, como soldagem sem chumbo em montagens de placas de circuito impresso.

Fonte: SABIC IP

BASF lança novos plásticos com propriedade retardante de chama, em cores claras.

20/09/2010
  • Ideal para uso em eletroeletrônicos, linha de produtos Ultramid® FRee e Ultradur® FRee, cumprem com os padrões mais rigorosos como antichamas isentos de halogênio
  • Produtos têm cor natural clara e satisfazem padrões de segurança mesmo em paredes finas, proporcionando maior liberdade de design
  • Linha apresenta excelente processabilidade, com ótimas características de fluidez e rápido resfriamento

A BASF introduziu em seu portfólio grades adicionais de poliamida (PA) e de polibutileno tereftalato (PBT) antichamas e lançou as novas linhas de produtos Ultramid® FRee e Ultradur® FRee. O sufixo FRee remete às palavras antichama (Flame Retardant) e eletroeletrônico. O nome também indica que o produto é livre (free) de halogênio e proporciona maior liberdade de design.

Como resultado de anos de pesquisas e desenvolvimento, os produtos empregam sistemas antichama inovadores, e, com seu perfil de propriedades mecânicas e econômicas, definem novos padrões no mercado.

Exigências mais rigorosas para materiais antichama
De modo a garantir mais segurança aos consumidores, há aproximadamente cinco anos, as regulamentações promulgadas pela International Electrotechnical Commission (IEC) tornaram-se mais rigorosas às exigências para a aditivação antichama de eletrodomésticos. De acordo com o padrão atual, qualquer chama que entra em ignição deve se apagar em cinco segundos – enquanto ainda estiver em contato com um fio incandescente a uma tempera de 750ºC. Os novos produtos da BASF correspondem à essas exigências.

Isento de halogênios e econômico
Há aspectos que, embora não sejam de natureza técnica, ainda assim são extremamente importantes para os clientes, agregando mais valor ao produto.

Primeiramente, há uma tendência no mercado para termoplásticos antichama que sejam isentos de halogênios. Uma das principais razões é a norma européia para a destinação de resíduos de equipamentos eletroeletrônicos, a qual exige que os materiais antichama que contém halogênio sejam descartados separadamente. Desta maneira, a nova linha de produtos FRee não apenas satisfaz as necessidades exigentes de ausência de halogênios, como também reduzem os custos de descarte.

Além disso, a indústria de eletroeletrônicos possui uma preferência cada vez maior por plásticos de cor clara. Por exemplo, em interruptores, conectores e disjuntores de aplicações domésticas ou industriais, a cor clara é normalmente utilizada para satisfazer aos requisitos especiais de design. Os novos produtos FRee são ideais para a fabricação de componentes elétricos em todos os tons de cor, proporcionando mais possibilidades aos designers.

Os produtos FRee não apenas se harmonizam com o material matricial, mas também com diversos aditivos durante a composição e o processamento. Isso inclui sinérgicos e corantes, bem como componentes de reforço como fibras de vidro.

Por último, os produtos também possuem um preço competitivo, sendo capazes de combinar desempenho e economia.

Os produtos FRee
Na Feira K 2010, a BASF apresenta os quatro primeiros novos grades: Ultramid® FRee A3U40 G5, Ultramid® FRee B3U31 G4, Ultradur® FRee B4440 G5 e Ultradur® FRee B 4450 G5. Todos apresentam excelente processabilidade, ótimas características de fluidez e rápido resfriamento.

O Ultramid® FRee A3U40 G5, resistente ao impacto, é um produto à base de poliamida 66 que satisfaz de maneira confiável as necessidades da versão mais nova do padrão de segurança para eletrodomésticos. Paredes mais finas também significam o uso otimizado do espaço, traduzindo-se em menores custos de materiais.

Projetados para um mercado crescente
Os novos plásticos de engenharia FRee da BASF possuem muita oportunidade de crescimento. Em 2009, foram vendidas cerca de 280.000 toneladas de poliamidas e polibutilenos tereftalatos retardadores de chamas. Com taxas de crescimento estimadas de seis a dez por cento ao ano, o avanço dos plásticos de engenharia antichama isentos de halogênio é consideravelmente maior que os plásticos antichama convencionais.

Com os grades nas novas linhas de produtos Ultramid FRee e Ultradur Free, a BASF terá mais força nesse mercado.

Antichama com matéria-prima renovável
A nova gama de produtos plásticos antichama da BASF combina três características centrais: excelente propriedade antichama, livre de halogênios e em cores claras. Incorporando a linha FRee ao novo produto Ultramid Balance (PA 6.10), foi possível produzir o Ultramid FRee S3U40G5 Balance.
“Somado às características da linha FRee, o novo produto da BASF fornece essas propriedades em uma poliamida com elevada resistência química, baixa absorção de água, e proveniente em grande parte (63%) de recursos renováveis” explica Willy Hoven-Nievelstein, vice-presidente senior da unidade de plásticos de engenharia na Europa.
“Em resposta a um pedido específico do cliente, nossos pesquisadores conseguiram pela primeira vez combinar algumas de nossas propriedades formuladas sob medida, em um produto completamente novo.”

Fonte: BASF