BASF divulga balanço do 2o. trimestre de 2016

  • Vendas de €14,5 bilhões (decréscimo de 24%): maiores volumes, preços mais baixos e efeitos de portfolio significativamente negativos.
  • EBIT antes dos itens extraordinários  € 1,7 bilhões  (declínio de 16%)
  • Produtos de Performance e Materiais & Soluções Funcionais obtiveram ganhos mais altos
  • Vendas e resultados significativamente mais baixos no segmento de Óleo e Gás,  devido aos efeitos de portfolio e preços mais baixos

Perspectiva para 2016 para o Grupo BASF confirmada:

  • Declínio considerável nas vendas devido ao desinvestimento do negócio de comercialização de gás natural
  • EBIT antes dos itens extraordinários esperado em um nível ligeiramente abaixo de 2015

Basf-logoNo segundo trimestre de 2016, a BASF observou uma pequena melhora no ambiente macroeconômico. O aumento nos preços do petróleo e a crescente demanda desde o fim de março pautaram esse desenvolvimento. “Nós enfrentamos uma grande demanda, especialmente nas indústrias automobilística e de construção. Entretanto, a situação macroeconômica continua difícil de prever,” disse o Dr. Kurt Bock, presidente do Conselho de Diretores Executivos da BASF SE.

As vendas do grupo BASF caíram em 24% no segundo trimestre, para €14,5 bilhões, comparadas ao mesmo período de 2015. Dois terços desse declínio foram resultado de efeitos de portfólio (declínio de 16%). Esse declínio se deveu, em grande parte, ao desinvestimento do negócio de comercialização e armazenamento de gás natural como parte da troca de ativos com a Gazprom,  no final de setembro de 2015. Além disso, um preço menor das matérias primas, especialmente no segmento de Químicos, levou a uma queda nos preços de venda (declínio de 7%). Com exceção do segmento de Soluções para Agricultura, todos os segmentos contribuíram para um ligeiro aumento no volume de vendas (acréscimo de 2%). No negócio de produtos químicos, que englobam os segmentos de Químicos, Produtos de Performance e Materiais & Soluções Funcionais, os volumes aumentaram em 4%. Houve efeitos cambiais negativos em todas as divisões (declínio de 3%).

No segundo trimestre, o EBIT antes dos itens extraordinários caiu em € 336 milhões, para  €1,7 bilhões, quando comparada com o forte segundo trimestre do ano anterior. Ganhos consideravelmente mais altos no segmento de Químicos não foram capazes de compensar as contribuições substancialmente mais baixas do segmento de Óleo e Gás. Comparado com o segundo trimestre do ano anterior, o EBIT diminuiu em € 321 milhões, para € 1,7 bilhões.

O lucro líquido caiu €173 milhões atingindo o patamar de € 1,1 bilhões. O lucro por ação foi de € 1,19 no segundo trimestre de 2016, comparado com o valor de € 1,38 no mesmo período de 2015. Ajustado para itens extraordinários e amortização de ativos intangíveis, o lucro por ação chegou à € 1,30 (segundo trimestre de 2015: € 1,49).

Panorama para o ano de 2016 como um todo

Para 2016, a empresa prevê uma continuação dos desafios atuais, juntamente com riscos substanciais. As expectativas da BASF para o ambiente econômico mundial em 2016 não mudaram:

  • Crescimento do produto interno bruto: 2,3%
  • Crescimento da produção industrial: 2,0%
  • Crescimento na produção de produtos químicos: 3,4%.
  • Taxa de câmbio média entre euro e dólar: $1,10 por euro
  • Preço médio do petróleo Brent de $40 dólares por barril durante o ano

“Nós confirmamos nossa previsão para 2016 para as vendas e o EBIT antes dos itens extraordinários do Grupo BASF: pretendemos aumentar o volume de vendas. Entretanto, as vendas do Grupo BASF cairão consideravelmente, principalmente em consequência do desinvestimento do negócio de comercialização e armazenamento de gás natural, bem como dos preços menores de petróleo e gás. Continuamos esperando que o EBIT antes dos itens extraordinários esteja ligeiramente abaixo dos níveis de 2015,” disse Bock.

“Nosso panorama para 2016 continua ambicioso para o ambiente atual, volátil e desafiador, e depende sobretudo do desenvolvimento do preço do petróleo. Com isso em mente, continuamos focados em redução de custos e medidas de reestruturação, que se provaram efetivas no primeiro semestre de 2016. Nossas medidas recentes de portfólio contribuirão para o sucesso da empresa a médio e longo prazo,” explicou Bock.

Desenvolvimento dos segmentos

Com € 3,4 bilhões, as vendas no segmento de Químicos caíram em 15%, comparadas ao segundo trimestre de 2015. Isso se deveu principalmente à preços mais baixos em todas as divisões, originados pelo declínio nos custos de matérias primas. Os volumes de vendas aumentaram em todas as divisões, especialmente em Intermediários. O EBIT antes dos itens extraordinários caiu € 81 milhões, atingindo o patamar de € 467 milhões, devido às margens. Os custos fixos continuaram no mesmo nível do segundo trimestre do ano anterior. Na primeira metade (do ano), as vendas caíram em 17%, atingindo € 6,5 bilhões. O EBIT antes dos itens extraordinários caiu € 342 milhões, atingindo o patamar de € 932 milhões, principalmente devido a margens menores.

No segmento de Produtos de Performance, as vendas caíram em 6%, atingindo € 3,8 bilhões, comparadas ao segundo trimestre do ano anterior. Os preços caíram, principalmente como resultado da redução de custos das matérias primas e também devido a constante pressão de mercado sobre os preços da área de higiene. Vários desinvestimentos em 2015 e efeitos cambiais negativos também contribuíram para a queda do nível de vendas. Devido à redução dos custos fixos, margens melhores em todas as divisões e os altos volumes, o EBIT antes dos itens extraordinários aumentou em € 199 milhões, chegando à € 503 milhões. Na primeira metade (do ano), as vendas ficaram 6% abaixo do mesmo período no ano anterior e chegaram a € 7,6 bilhões. O EBIT antes dos itens extraordinários aumentou em € 231 milhões, chegando à € 1,1 bilhões.

Comparado ao segundo trimestre de 2015, as vendas no segmento de Materiais & Soluções Funcionais caíram em 4%, chegando à € 4,7 bilhões. Isso se deveu em grande parte à queda nos preços de venda, causada principalmente pela queda nos preços de metais preciosos. Efeitos cambiais negativos atenuaram as vendas em todas as divisões. Os volumes aumentaram, especialmente nas  industrias automobilística e de construção. O EBIT antes dos itens extraordinários aumentou em € 77 milhões para € 535 milhões, devido a melhorias consideráveis em todas as divisões, especialmente em Materiais de Performance. Na primeira metade (do ano), as vendas caíram em 4%, atingindo € 9,1 bilhões. O EBIT antes dos itens extraordinários aumentou em € 102 milhões, comparado com a primeira metade de 2015 e foi de € 991 milhões.

Em um cenário de mercado que continua difícil, as vendas do segundo trimestre no segmento de Soluções para Agricultura caíram em 13% para € 1,5 bilhões, comparadas ao mesmo período do ano anterior. Volumes menores e efeitos cambiais negativos foram os fatores chave para esse desenvolvimento. Os preços subiram ligeiramente. O EBIT antes dos itens extraordinários caiu em € 45 milhões, chegando a 320 milhões, principalmente devido aos menores volumes de vendas. Na primeira metade (do ano), as vendas caíram em 9%, atingindo € 3,2 bilhões. O EBIT antes dos itens extraordinários caiu em € 28 milhões, chegando a € 911 milhões.

Com € 617 milhões, as vendas no segmento de Óleo & Gás foram 83% menores do que no segundo trimestre de 2015, que incluíam € 3,0 bilhões em vendas de atividades descontinuadas depois da troca de ativos com a Gazprom. Além disso, as vendas foram pressionadas pelos preços menores de petróleo e gás. A produção cresceu de maneira geral e em especial na Noruega. O EBIT antes dos itens extraordinários caiu em € 337 milhões, chegando a € 94 milhões, principalmente por causa da redução de preços e da descontinuação das contribuições dos negócios de comercialização e armazenamento de gás. Comparado ao mesmo período no ano anterior, as vendas na primeira metade do ano diminuíram em 86%, atingindo € 1,2 bilhões. O EBIT antes dos itens extraordinários caiu em € 708 milhões para € 160 milhões.

Com € 485 milhões, as vendas do segundo trimestre do segmento Outros caíram 36% comparadas ao segundo trimestre do ano anterior. Isso se deveu principalmente aos preços mais baixos e volumes reduzidos na área de comercialização de matérias primas. O EBIT antes dos itens extraordinários caiu em € 149 milhões, atingindo o valor negativo de € 212 milhões, principalmente devido à efeitos de valorização dos programas de incentivo de longo prazo.

Nos primeiros 6 meses de 2016, as vendas em Outros cairam em 33%, chegando a € 962 milhões. O EBIT antes dos itens extraordinários melhorou em € 245 milhões, atingindo o valor negativo de € 431 milhões, em parte devido a um resultado de câmbio maior.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Tags: , , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: