CNP Reciclagem incorpora tecnologia de separação por sensores da Tomra Sorting

A CNP Reciclagem aumentou sua capacidade de produção com a instalação de um separador ótico TITECH autosort 4 em sua linha de tratamento

Tomra_CNPA CNP é uma empresa de reciclagem de PET relativamente recente e com forte compromisso ambiental. Situada em Itupeva, município do estado de São Paulo, a empresa começou a funcionar em 2007 e, desde então, vem crescendo e incorporando novos sócios e colaboradores. O produto principal da CNP é o flake produzido a partir de garrafas e garrafões de PET, incolores, verdes e cor de laranja.

Os processos e as instalações da fábrica foram concebidos cumprindo exigências ambientais e procurando sempre obter a maior qualidade do produto e a máxima eficiência na produção. Por isso, em finais de 2014, a empresa modernizou sua técnica de processamento de PET integrando, em sua linha de tratamento, um separador ótico  TITECH autosort 4 (foto), da TOMRA Sorting.

“Conhecemos esta tecnologia através de uma empresa parceira, depois procuramos entre diversos fornecedores e feiras e, finalmente, optamos pela TOMRA Sorting. Desde o primeiro momento conseguimos melhorar significativamente nossos indicadores de qualidade relativos à separação e, depois de alguns ajustes de programação, conseguimos otimizar ainda mais esses resultados”, afirma Renato Bechelli, gerente da CNP. “A principal vantagem deste equipamento é a estabilidade dos processos e foi também graças a isso que conseguimos melhorar os nossos índices de qualidade, no que se refere a contaminantes. “, assegura.

O equipamento escolhido combina um sistema duplo de sensores [NIR1-VIS], que informa sobre a cor (VIS) e o espectro de infravermelho próximo (NIR1). Desta forma, é possível separar ao mesmo tempo por cor e por tipo de material, com rapidez, precisão e eficácia, segundo a TOMRA Sorting. O resultado é, afirma a empresa, uma fração de PET com alta pureza (< 50 ppm) e perda de material muito reduzida, o que permite alcançar até mesmo a qualidade alimentícia necessária para transformar garrafas novamente em garrafas fechando, assim, o ciclo da reutilização.

De acordo com a TOMRA Sorting, enquanto a tecnologia padrão não permite alcançar, de uma só vez, pureza e rendimento, com o TITECH autosort 4 é possível identificar, para separação, de modo muito seguro e rápido, grandes quantidades de pequenas partículas de apenas 2 milímetros, bem como garrafas e objetos maiores. Além disso, afirma a empresa, o  TITECH autosort 4 é um equipamento potente, confiável e robusto, de manutenção fácil e espaçada, sem interrupções. É energeticamente eficiente e incorpora a tecnologia FLYING BEAM®, portanto não requer uma fonte de luz externa para o seu funcionamento. Tudo isto aumenta a rentabilidade e reduz o tempo de amortização, assegura a fabricante do equipamento.

Segundo Bechelli, “a adaptação do pessoal ao manuseio das máquinas foi totalmente descomplicada, por dois motivos principalmente. Em primeiro lugar, por ser uma máquina robusta e bastante fácil de usar; em segundo lugar, porque a assistência técnica recebida na montagem e instalação foi muito boa. De fato, ajudou muito poder contar com um técnico local”.

“Até o momento, a manutenção limitou-se a limpezas programadas e a algumas pequenas substituições; todas as peças sobresselentes estavam disponíveis no Brasil e não implicaram em interrupção da atividade. Em destaque está a boa sintonia entre a CNP e a TOMRA Sorting, tanto na gestão comercial quanto no desenvolvimento técnico do projeto”, conclui Renato Bechelli.

Como foi feita a otimização do processo

Antes da remodelação, o processo seguia a seguinte sequência: alimentação da linha com as garrafas, seguida da peneira rotativa para a extração de tampas, pedras e terra e, depois, a separação manual para retirada de todos os poluentes. Depois, o material passava por uma máquina para remoção das rótulos e seguia para o moinho onde, finalmente, era feita a lavagem do flake, obtendo-se o produto final. O TITECH autosort 4 foi instalado entre a máquina de remoção das rótulos e o moinho, soprando o material bom. Desta forma, agora há duas pessoas que separam o material antes da máquina, uma no controle manual após a máquina e outra separando o material rejeitado por cores.

Ainda que a fábrica possa aumentar em cerca de 30% sua capacidade, no momento está processando o mesmo volume de material. Assim, a fábrica ainda processa 800 kg/h, mas com o autosort sua capacidade adquire um potencial de até 1,5 ton/h. Uma particularidade deste projeto foi o fato de ter sido fornecido um equipamento com o bloco de válvulas preparado para trabalhar em ambientes com alta umidade. Com isso, a durabilidade das válvulas é muito maior e as tarefas de manutenção da máquina são, também, facilitadas.

A TOMRA Sorting está no Brasil desde 2011, por meio de sua filial. A TOMRA Sorting Recycling, anteriormente TITECH, concebe e fabrica tecnologias para a separação baseada em sensores para a indústira da reciclagem e da gestão de resíduos. Conta com mais de 4400 sistemas instalados em 40 países no mundo inteiro. É de propriedade da empresa norueguesa TOMRA Systems ASA que está cotada na Bolsa de Oslo. Fundada em 1972, a TOMRA Systems ASA tem uma faturamento de cerca de 550 milhões de euros e emprega mais de 2400 pessoas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – TOMRA Systems

Curta nossa página no

Anúncios

Tags: , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: