Braskem e Styrolution planejam joint-venture para produção de ABS e SAN no Brasil

  • A nova joint venture seria o único produtor de especialidades ABS e SAN na América do Sul.
  • A se confirmar o projeto, a fábrica, com capacidade para produzir 100 mil toneladas anuais, oferecerá aos clientes de vários segmentos em crescimento garantia de abastecimento e serviços locais.

A Braskem, maior produtora de resinas termoplásticas nas Américas, e a Styrolution, líder global no segmento de estirênicos, anunciaram hoje a assinatura de  um memorando de entendimento (MOU) para avaliar a formação de uma joint venture no Brasil. Será analisada a viabilidade econômica de implementação de uma planta, com capacidade de produção de 100 mil toneladas por ano, capaz de fornecer especialidades estirênicas e copolímeros de acrilonitrila butadieno estireno (ABS) e estireno-acrilonitrila (SAN) para clientes no Brasil e em toda a América do Sul.

Nos últimos anos, o Brasil observou um forte crescimento dos setores de eletrodomésticos e automotivos, ambos clientes-chave para as especialidades estirênicas que a joint venture deverá produzir. Tradicionalmente, ABS e SAN têm sido importados para a região por fornecedoras de estirênicos, como a Styrolution. A nova empresa entre Braskem e Styrolution deve buscar aproveitar essa dinâmica de mercado favorável para criar um produtor local que deve oferecer aos clientes atendimento e maior segurança no fornecimento.

A Styrolution deve contribuir com sua expertise no desenvolvimento e produção de estirênicos, com o maior portfólio de produtos dessa indústria, com licenciamento de tecnologia e com os seus negócios já existentes na região. A Braskem, por sua vez, como uma das principais empresas petroquímicas da região, deverá prover infraestrutura da cadeia de fornecimento e o local para a planta.

A consumação da joint venture está sujeita a aprovações regulatórias e concorrenciais. Planeja-se que Styrolution seja o acionista majoritário com 70% da companhia e a Braskem deve deter os 30% remanescentes. Sujeita a conclusão de um acordo entre as partes e que as respectivas aprovações sejam obtidas, o início da construção da planta deve ser esperado para o começo de 2015 com a produção provavelmente em 2017.

“A Styrolution divulgou recentemente uma nova estratégia que requer mudanças em três áreas do negócio: expansão da presença em mercados em desenvolvimento, crescimento do negócio de estirênicos especiais e foco em setores de alto crescimento”, disse Roberto Gualdoni, CEO da Styrolution. “Para a Styrolution, a proposta da joint venture reúne as três iniciativas e estamos satisfeitos em realizar essa parceria com a Braskem para explorar as oportunidades que a associação poderá nos trazer”.

“Essa parceria representa um passo importante no fortalecimento da indústria petroquímica no Brasil. Ela contribuirá ainda para o desenvolvimento de oportunidades de negócios domésticos em áreas como ABS, na qual o país depende hoje de importações, atraindo novos investimentos para as cadeias de materiais derivadas”, afirma Carlos Fadigas, CEO da Braskem. “Com base na experiência da Styrolution em estirênicos especiais, esperamos chegar à melhor solução para viabilização deste importante projeto.”

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Tags: , , , , , , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: