Petropar adota novo nome e agora chama-se Évora

Inicialmente ligada ao setor petroquímico, a holding Petropar resolveu mudar de nome e logomarca após 25 anos de mercado e depois de se expandir no segmento de bens intermediários para a indústria de consumo.

Ao longo da evolução da empresa, houve inicialmente uma reestruturação societária do Grupo Olvebra, em 1988, em que os ativos das áreas petroquímica e de plásticos foram agrupados sob a denominação Petropar – Petroquímica Participações. Durante os anos posteriores, todavia, a companhia diversificou os negócios e aqueles que deram origem à empresa foram vendidos ou descontinuados.

Na área plástica, hoje, a Évora atua através da Fitesa (que fabrica não-tecidos leves de polipropileno, usados em fraldas e absorventes descartáveis) e da América Tampas (bebidas, produtos de higiene pessoal e limpeza).

Em economias como o Brasil, onde se destaca o crescimento de renda, o acesso a fraldas descartáveis é promissor. “Apenas 61% das crianças usam fraldas no Brasil. Nos Eua e Europa são 98%”, comenta o diretor presidente da Évora, Geraldo Enck. O segmento de fraldas geriátricas deve também se expandir no Sul do País devido ao envelhecimento da população.

Sobre as tampas, Enck diz que há um movimento forte em relação à água mineral enquanto o refrigerante se mantém estável. Nesta linha, se destacam as garrafas com tampas diferenciadas, como as que se vêem em energéticos, tampas especiais esportivas com valor agregado.

Como a atuação do Grupo é ligada ao consumo de massa, é resiliente a períodos de retração econômica e sensível a movimentos demográficos e de renda da população. “Na recessão, o crescimento estabiliza, pois são produtos quase de primeira necessidade. As pessoas trocam a marca”, comenta Enck.

O executivo ressalta que a Évora posiciona-se hoje como uma empresa brasileira global, com 17 plantas em sete estados brasileiros, oito países e quatro continentes. Agora, a empresa tem fábricas no Brasil, Peru, México, EUA, Suécia, Itália, Alemanha (onde está localizado também o centro de desenvolvimento) e China. Essa dimensão global tornou ainda mais urgente a mudança de marca da holding. A partir daí a empresa contratou o escritório de design GADLipincott’ para desenvolver a nova marca. O nome Évora surgiu associado às palavras “evolução” e “valor”. Sua escolha partiu do princípio de que a empresa e suas controladas existem para gerar valor econômico e, por meio de suas realizações e atividades, promover a evolução de seus colaboradores e da sociedade. “Muda o posicionamento de marca, muda a forma de fazer negócios (global), mas não mudam os valores”, afirma Geraldo Enck.

A holding atingiu receita líquida recorde de R$ 1,8 bilhão em 2012. A Fitesa, por sua vez, registrou vendas globais de R$ 1,2 bilhão em 2012 e é a segunda produtora mundial, em capacidade instalada, de não-tecidos. No mercado interno, o negócio de tampas especiais cresceu 35% e para latas de alumínio, no qual a companhia é a segunda maior fornecedora para o mercado brasileiro, a perspectiva é de crescer 8%. A Crown Embalagens (outra empresa do grupo ligada ao segmento de latas de alumínio para bebidas) teve receita superior a R$ 1 bilhão ano passado e está investindo cerca de R$ 130 milhões em sua quinta unidade fabril, que será localizada em Teresina (PI).

Curta nossa página no

Anúncios

Tags: , , , , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: