Posts Tagged ‘Eteno Verde’

LANXESS irá produzir no Brasil a primeira borracha de EPDM bio-derivada do mundo.

27/09/2011

A LANXESS está reforçando o seu compromisso em produzir borrachas sintéticas “premium” a partir de matérias-primas derivadas de fontes biológicas. A empresa alemã de especialidades químicas pretende produzir comercialmente EPDM (monômero de etileno-propileno-dieno) a partir de eteno bio-derivado até o final do ano. Será a primeira forma de borracha de EPDM bio-derivada no mundo.

O EPDM é convencionalmente produzido usando-se as matérias primas eteno e propeno, ambas derivadas do petróleo. A rota alternativa planejada pela LANXESS usará eteno derivado unicamente de cana-de-acúcar, que é um recurso renovável. Esta forma de eteno bio-derivada é produzida a partir da desidratação do etanol, obtido da cana-de-acúcar brasileira. A Braskem S.A irá fornecer o eteno bio-derivado, através de tubulações, para a planta de EPDM da LANXESS já existente em Triunfo, no Brasil.

“A procura de alternativas para os combustíveis fósseis atualmente empreendida pela LANXESS demonstra o seu compromisso em reduzir emissões de CO2 através de produção sustentável”, afirma Guenther Weymans, líder da unidade de negócios de Produtos de Borrachas Técnicas da LANXESS. “Nós estamos muito entusiasmados pelo fato de que nossa planta no Brasil será a pioneira na produção de EPDM bio-derivado.”

 “A LANXESS irá contribuir para ampliar o nosso portfólio de clientes de produtos químicos renováveis . Este acordo levará os benefícios de eteno verde para outros mercados e aplicações importantes. A LANXESS tem uma extensa experiência no setor automotivo e uma excelente reputação nesse mercado, o que a torna um parceiro ideal”, afirma Marcelo Nunes, Diretor de Produtos Químicos Renováveis da Braskem.

 A planta de Triunfo atualmente produz 40.000 toneladas métricas por ano de borracha de EPDM convencional e espera-se que as primeiras bateladas do produto Keltan Eco correspondam a várias centenas de toneladas métricas. As outras unidades de produção de EPDM da LANXESS situam-se em Geleen (Holanda), Marl (Alemanha) e Orange, Texas (EUA). Todos os grades de EPDM serão vendidos, no futuro, sob o nome de marca Keltan.

 A borracha de EPDM é usada principalmente na indústria automotiva, mas também nas indústrias de fios e cabos, construção, modificações de plásticos e aditivos de óleos. As suas propriedades incluem uma densidade muito baixa, boa resistência ao calor, à oxidação, a produtos químicos e ao meio ambiente, assim como boas propriedades de isolamento elétrico. A LANXESS apresentou o Keltan Eco pela primeira vez durante o Dia da Borracha na Alemanha, no dia 21 de setembro, em Duesseldorf.

Além disto, a LANXESS já está pesquisando fontes alternativas para produzir a borracha sintética premium butílica, a qual é usada predominantemente na indústria de pneus. Juntamente com a firma Gevo Inc., do Colorado, a LANXESS está desenvolvendo isobuteno a partir de recursos renováveis, começando com o milho. O isobuteno é uma material-prima chave necessária na manufatura de borracha butílica.

No ano passado, a LANXESS deu partida em uma nova planta de geração de energia na sua unidade brasileira de Porto Feliz, a qual produz pigmentos de óxido de ferro. Esta planta de cogeração para a produção de eletricidade e vapor, inovadora e altamente eficiente, é alimentada com bagaço de cana, um componente fibroso da cana-de-acúcar que é sub-produto da obtenção de açúcar. Graças ao uso desta material-prima renovável e amigável ao meio ambiente, pode-se produzir energia para a planta em uma base neutra em termos de CO2.

A LANXESS é uma empresa líder em especialidades químicas, tendo registrado vendas de 7.1 bilhões de Euros em 2010 e possuindo atualmente 15.800 funcionários em 30 países e 46 unidades de produção ao redor do mundo. O negócio-núcleo da LANXESS é o desenvolvimento, produção e marketing de plásticos, borracha, produtos intermediários e especialidades químicas.

Fonte: LANXESS

Petrobras assina contrato com KL Energy para desenvolvimento de tecnologia para produção de etanol celulósico

26/08/2010

Da esq. para dir. : gerente de gestão tecnológica da PBio, João Norberto Noschang; presidente da KL Energy, Peter Gross; e gerente geral de P&D da Área de Abastecimento do Cenpes, Alípio Ferreira.

A Petrobras, por meio da Petrobras America, assinou um contrato de desenvolvimento conjunto com a KL Energy Corporation (KLEG.PK, “KLE”) para a otimização da tecnologia da KLE de processamento de etanol celulósico para a utilização de bagaço de cana-de-açúcar como matéria-prima.  Entre outras aplicações, o etanol pode ser utilizado como matéria prima para a obtenção do eteno, empregado na síntese do Polietileno.

A última geração do processo da KLE traz importantes melhorias em comparação com a primeira geração da tecnologia, implementada em 2008 na unidade de demonstração da empresa localizada em Upton, estado de Wyoming (EUA). A unidade utiliza resíduos de madeira como matéria-prima e pode ser otimizada para utilizar vários tipos de matérias-primas.

Como parte do contrato, a Petrobras investirá US$ 11 milhões para adaptar as instalações de demonstração da KLE para utilizar bagaço e validar, por meio de testes, o processo para a produção de etanol celulósico.

Em paralelo, a Petrobras e a KLE desenvolverão um projeto de usina de etanol celulósico em escala industrial que deverá ser totalmente integrado a uma usina de cana-de-açúcar pertencente ao Grupo Petrobras, no Brasil. A usina está programada para entrar em funcionamento em 2013.

O contrato, cujo prazo inicial é de 18 meses, prevê exclusividade mútua na área de desenvolvimento de etanol celulósico a partir do bagaço de cana, e oferece à Petrobras a opção de obter uma licença para utilizar a tecnologia da KLE nos ativos do Grupo Petrobras.

Com este investimento, a Petrobras busca desenvolver mais uma alternativa para produção de biocombustíveis e produtos químicos renováveis e sustentáveis, de forma complementar às iniciativas em andamento, como por exemplo as pesquisas com microalgas para produção de óleo.

Segundo Miguel Rossetto, presidente da Petrobras Biocombustível, “a Petrobras vê o etanol celulósico como uma tecnologia promissora para aumentar a produção de etanol em cerca de 40% sem aumentar a área plantada, além de melhorar sustentabilidade de suas usinas. O contrato com a KLE irá acelerar esse esforço de desenvolvimento”.

“O Brasil é líder mundial na produção de biocombustíveis competitivos de biomassa, e acreditamos que o bagaço de cana seja uma matéria-prima adequada para o nosso processo. A KLE pretende estar na vanguarda do mercado emergente de etanol celulósico no Brasil”, disse Peter Gross, presidente da KL Energy Corporation.

Sobre a Petrobras

A Petrobras é uma empresa integrada de petróleo, gás e energia que opera nos seguintes segmentos da indústria: exploração e produção, abastecimento, comercialização, transporte e petroquímica, distribuição, gás natural, energia e biocombustíveis. Reconhecida por sua enorme base de recursos e por sua liderança mundial na exploração em águas profundas e ultraprofundas, a Petrobras está presente em todos os cinco continentes e em 28 países. Além disso, tem atividades em energias renováveis, especialmente biocombustíveis, área na qual mantém uma subsidiária, a Petrobras Biocombustível.

Sobre a KL Energy Corporation

A KL Energy Corp. (KLEG.PK) é uma líder no desenvolvimento e comercialização de produtos energéticos de segunda geração à base de celulose, entre os quais o etanol, a bio-lignina e produtos químicos intermediários. A instalação de demonstração comercial da KLE em Upton, estado de Wyoming é uma das primeiras instalações de demonstração de seu tipo a produzir etanol de celulose e produtos de bio-lignina a partir de resíduos de madeira. Ela utiliza um processo proprietário de pré-tratamento termo-mecânico e hidrólise enzimática que a empresa acredita ser um dos processos mais amigáveis ao ambiente no setor. Além disso, a tecnologia pode ser adaptada para utilizar diversas matérias-primas. A KLE fornece ainda serviços de engenharia, de otimização e técnicos para instalações de biocombustíveis.

Fonte: Agência Petrobrás de Notícias

Braskem recebe licença operacional definitiva para planta de eteno verde

21/07/2010

Licença foi dada em 14 de julho

A Braskem recebeu em 14 de julho das mãos da governadora Yeda Crusius a licença de operação para sua fábrica de eteno verde concedida pela Fepam. Esta é a permissão definitiva do órgão ambiental para a partida da unidade industrial, prevista para agosto. A empresa esteve representada no ato pelo vice-presidente da Unidade de Petroquímicos Básicos, Manoel Carnaúba Cortez, pelo gerente de relações institucionais, João Ruy Freire, pelo conselheiro da Braskem, Alfredo Tellechea, e pelo diretor de empreendimentos, Guilherme Guaragna, e pelo diretor industrial da Unib, Ademir Zaparolli.

A Fepam concede a licença após analisar os estudos de impacto ambiental da fábrica.  Carnaúba destacou que a unidade utilizou tecnologia  para produzir o eteno verde com os mais avançados critérios de preservação ambiental. Por processar unicamente o etanol, o único efluente gerado pela fábrica é a água.

Carnaúba informou, durante solenidade, que 80% da futura produção da planta já foi comercializada, principalmente, para clientes da Europa, Estados Unidos e Ásia. A Braskem planeja manter parte do volume disponível, porque a intenção é realizar um marketing global da resina. “Há um apelo ambiental muito forte e queremos que o mundo conheça essa opção”, diz o executivo.

A Yeda Crusius anunciou, na ocasião, a criação de um comitê para tratar da autossuficiência na produção de etanol no Rio Grande do Sul. O governo estudará municípios para induzir a plantação de cana. O projeto do PE Verde consumirá cerca 470 milhões de litros de etanol/ano, volume que inicialmente será adquirido em outras regiões.

A unidade de eteno verde da Braskem  será a 1ª no mundo em escala industrial a utilizar matéria-prima 100% renovável. Com investimento de R$ 500 milhões, a planta foi construída com as melhores práticas de engenharia. A capacidade de produção será de 200 mil toneladas.

Até o momento, cerca de 2200 trabalhadores atuaram na construção da planta, destes, 174 formados pelo Programa Acreditar. O Acreditar capacitou, durante oito meses, 248 moradores de Triunfo nos cursos de eletricista, montador de estruturas, encanador, carpinteiro e soldador. O Projeto foi uma iniciativa da Odebrecht, em parceria da Braskem, SENAI e Prefeitura Municipal de Triunfo.

Sobre projeto do plástico verde
A fábrica de eteno verde da Braskem é a primeira unidade industrial do mundo a utilizar etanol de cana-de-açúcar para a produção em escala comercial de eteno de origem 100% renovável. “A implantação desse projeto confirma o compromisso assumido pela Braskem de contribuir para o desenvolvimento do setor petroquímico brasileiro e do Rio Grande do Sul”, afirma o vice-presidente da Braskem Manoel Carnaúba.

A unidade terá capacidade para produzir 200 mil toneladas/ano de eteno, que serão transformadas em volume equivalente de polietileno em unidades industriais já existentes no próprio Pólo de Triunfo. Iniciada em abril de 2009, a unidade estará pronta em agosto, dois meses antes do previsto.

O projeto de Polímeros Verdes se insere na estratégia de acesso a fontes competitivas de matéria-prima renováveis, em linha com a visão de sustentabilidade da companhia. Além disso, contribui para o desenvolvimento sustentável da sociedade, já que o plástico verde retira mais carbono da atmosfera do que emite ao longo de todo o seu ciclo de vida, do cultivo da cana à reciclagem pós-consumo.

A Braskem vem estabelecendo, desde o ano passado, uma série de parcerias com renomados clientes nacionais e internacionais, principalmente da Europa, Estados Unidos e Japão, interessados em reforçar a associação de suas marcas ao conceito de sustentabilidade. Cabe ressaltar os acordos firmados com a Toyota Tsusho, “trading company” do grupo Toyota, e Shiseido, renomado fabricante de cosméticos voltados ao segmento de alto padrão, e com a gaúcha Acinplas. A demanda potencial já identificada para o PE Verde é ao redor de 600 mil toneladas/ano, três vezes maior do que a capacidade da nova planta.

Além dos aspectos ambientais, um estímulo adicional ao uso do polímero verde está no fato de apresentar características de aplicação e propriedades idênticas às do plástico tradicional, o que permite às indústrias de transformação aproveitarem todo o seu parque fabril atual para processar a resina de fonte renovável. O PE Verde tem aplicação em mercados como o automobilístico, indústria de brinquedos, embalagens sopradas para alimentos e produtos de higiene e embalagens injetadas para utilidades domésticas.

O projeto do PE Verde consumirá cerca 500 milhões de litros de etanol/ano, volume que inicialmente será adquirido em outras regiões. Trata-se de uma oportunidade para o desenvolvimento da cadeia produtiva do etanol no Estado, com enorme potencial de geração de empregos, renda e receita tributária.

A planta em construção no Rio Grande do Sul representa a capacidade do Estado de atrair grandes empreendimentos pela sua situação econômico-financeira saudável construída nos últimos anos.

Fonte: Braskem

Braskem conclui em agosto instalação de Secadora de Etanol

13/07/2010
Secadora será usada na produção de ETBE

A Braskem conclui em 31 de agosto a instalação da secadora de etanol adquirida em abril que transformará álcool hidratado em álcool anidro (sem adição de água) utilizado para a produção de ETBE.

Localizada junto à planta de Aromáticos da UNIB RS, o equipamento permitirá ganhos logísticos no transporte de etanol para abastecer as plantas de Eteno Verde, que utilizará o álcool hidratado, e a de ETBE. O investimento foi de R$ 24,5 milhões.

A Braskem consome 150 milhões de litros de álcool para produção de ETBE e comprará mais 450 milhões de litros para a planta de eteno verde. A fábrica estará pronta em agosto.

Fonte: Braskem

Braskem inicia recebimento de etanol por ferrovia

13/07/2010
Material será usado na planta de eteno verde

A Braskem recebeu, esta semana, a primeira carga de etanol por via ferroviária. Foram descarregados 120 mil litros do produto vindos de São Paulo e Paraná. Na sexta-feira, chegam mais 840 mil litros. É a primeira vez que a empresa operou nesse modal para o transporte do etanol, que será usado na planta de Eteno Verde. Cerca de 40% do álcool utilizado pela Braskem será trazido por trens da ALL. Até então, o produto era transportado apenas por hidrovia e rodovia. A Braskem tem capacidade de consumir 230 milhões de litros de álcool para produção de ETBE (Camaçari/BA, e Triunfo/RS) e comprará mais 460 milhões de litros para a planta de Eteno Verde.

Denise Zappas, gerente de negócios de Álcool da Braskem, afirma que o transporte ferroviário tem se mostrado uma boa opção logística por ser a melhor alternativa do ponto de vista ambiental (menor emissão de CO2), além de ter menor custo. “É uma alternativa importante à cabotagem, que muitas vezes apresenta problemas relacionados a atrasos em portos de carga”, explica. A hidrovia responderá por 50% da logística do álcool e a rodovia, por 10%.

Fonte: Braskem


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.298 outros seguidores